Page 1

SERIE ENCONTROS SHIFTER 03 – TUDO QUE EU QUERO PARA O NATAL É UM LOBISOMEM

Disponibilização: Mimi Revisão Inicial: Beatriz Revisão Final: Mimi Gênero: Hetero / Sobrenatural


Depois de ser abandonada pelo namorado, com sua tese de doutorado roubada e perder um trabalho que ela tinha cobiçado, Faith Prescott simplesmente não consegue gerar qualquer elogio ao feriado. Seu espírito está tão baixo como o seu saldo bancário, ela vai para uma Black Friday1, para tentar obter um computador que precisa desesperadamente e melhorar sua situação. Infelizmente, descobre que a sorte não está ficando melhor, quando perde o último para venda com um preço de barganha para... o mais preocupante bonito macho sedutor que ela já pôs os olhos. Ele é grande, é intenso e totalmente fora da sua liga. Por que um milionário lindo estaria interessado em uma mulher simples, tímida como ela, que passa mais tempo com os animais selvagens do que com as pessoas? Faith realmente não estava interessada. Ela tinha desistido dos homens depois de sua última experiência com um namorado perdedor... tirou umas férias do namoro. Ou assim pensava, até que é raptada pelo Sr. Alto, Loiro e Intenso no estacionamento escuro do shopping... Gavin Lancaster odeia o Natal e qualquer coisa associada com a época natalícia. Coagido a parar no shopping para pegar um computador para sua cunhada, tudo o que ele quer fazer é pegar o computador e obter o inferno fora da cidade e longe da massa louca de clientes do feriado. Ele pode ser um Shifter lobo, mas a última coisa no mundo que quer é chocar-se com sua companheira destinada ‒ literalmente. Gavin não quer uma companheira, é perfeitamente feliz com seu status de solteiro, mas o destino não será negado. Em um momento de puro desespero, Faith pede por um milagre de Natal... e descobre que o velho Papai Noel às vezes concede desejos do feriado da melhor e mais misteriosa das maneiras. 1

Um dia de Ação de Graças, quando as lojas decidem abrir de madrugada para iniciar as vendas de Natal.

2


Comentários da Revisão

Beatriz É tão bom quando um homem faz uma mulher sentir-se totalmente desejada, apesar das ‘pequenas’ falhas. Este lobo tem um desejo incontrolável por sua companheira, e daí já viu né... Este terceiro irmão é tão quente quanto os outros.

Mimi Acho que a autora fechou bem essa triologia. Gavin é um delicioso Alpha de olhos azuis com medo de amar novamente. Faith é uma mulher que no momento tem raiva dos homens, com toda a razão. Eles se encontram e faíscas explodem. Hot,hot,hot. Pudera eu ganhar um presente desse no natal. Ohhhh Papai Noel eu fui boazinha esse ano. Poxa vida. TAMBEM QUERO!!!!!!!!

3


Gavin Lancaster odiava o Natal. Não era apenas um desgosto leve para a estação, ou até mesmo algo semelhante à ambivalência ou desinteresse sobre o feriado de dezembro. Não... era uma aversão total e completa, uma aversão absoluta para todas as coisas verdes e vermelhas, qualquer coisa associada com o período de Ação de Graças e Ano Novo, o tempo quando todo mundo estava cheio de bom ânimo artificial e alegria nauseante. Graças a Deus, tudo daria certo e voltaria ao normal depois de 01 de janeiro! Todo mundo voltaria a ser ganancioso, egoísta, calculista e rude... Seus dois irmãos chamavam Gavin de O Grinch. Realmente, não era como se ele estivesse tentando roubar o Natal, ele só queria que fosse ‒ merda ‒ mais! Infelizmente, era apenas o final de novembro, o dia de Ação de Graças. Black Friday, o dia quando todas essas pessoas supostamente felizes cheias do espírito do feriado pisoteavam os outros, apenas para economizar alguns dólares. Que diabos era tão alegre sobre este costume peculiar, nunca iria entender. Feliz Natal o caralho... Agora caia fora do meu caminho antes que eu quebre os dedos por tocar o item que eu quero que esteja à venda. Ho Ho Ho! Então, por que estava aqui no shopping, às oito horas da noite, no mais movimentado maldito dia de compras do ano? Certamente não era porque estava à procura de pechinchas ou ter um chute fora para encontrar bons negócios. Foda-se! Ele era um milionário, capaz de comprar qualquer coisa que quisesse a um preço razoável regular. Em sua opinião, Black Friday era para masoquistas, pessoas que gostavam de se torturar. Ele estava aqui por uma razão e uma única razão. Zoey, companheira de seu irmão gêmeo Rafe, tinha ligado porque ele estava na cidade hoje à noite a negócios e ela tinha usado

4


esse cálculo, a voz doce dela manipulou-o para parar no shopping e comprar-lhe um novo computador portátil. Por favor, Gavin. Eu realmente quero este computador e vai acabar, se não conseguir um agora. Se tivesse sido Rafe que havia pedido, Gavin não teria problema em dizer a seu irmão em ir direto ao inferno. Mas o desgraçado tinha ligado para Zoey, para Zoey pedir, e Gavin não tinha sido capaz de dizer não. Realmente, ele precisava ter mais força de caráter quando se tratava de suas cunhadas. Zoey e Grace podiam levá-lo a fazer quase qualquer coisa para elas. Tudo o que tinham a fazer era chamá-lo, pedir docemente, e ele estava saltando através de aros para obter-lhes qualquer coisa que quisessem, fazer o que pedissem, independentemente de quão inconveniente pudesse ser para ele. Ele sentiu pena de Rafe e Noah. Pelo menos, ele só tinha uma chamada ocasional de Grace ou Zoey, e geralmente os seus pedidos eram bastante razoáveis. Exceto esta noite! Seus dois irmãos, na verdade, tinham que conviver com Grace e Zoey, estavam acasalados com elas, pelo sinal de suas mulheres e chamavam a cada momento de cada maldito dia. Claro, Rafe e Noah tinham uma parceira sexual, disponível e conveniente, mas a que custo? Gavin brigava com as massas de corpos ao seu redor, tentando arar o seu caminho através da multidão para chegar aos computadores da loja popular de eletrônicos. Ele amaldiçoou quando tomou uma cotovelada no intestino e foi impulsionado para frente com um bater vicioso de um carrinho de compras em sua bunda. Cristo! Que diabos ele estava fazendo aqui? Não era como se Rafe não pudesse se dar ao luxo de pagar o preço total pelo maldito computador. Ambos os irmãos eram tão ricos como Gavin. Infelizmente, Zoey sabia exatamente como pegá-lo, alegando que ela precisava do computador imediatamente, que realmente queria, realmente precisava. Otário... é sua própria culpa por atender o telefone celular. Poderia estar em casa agora, fora da cidade, relaxando com um excelente copo de vinho e reclinado em sua banheira de hidromassagem. 5


Em vez disso, estava cercado por pessoas de olhos vidrados em um frenesi em busca de barganhas. Que diabos era isso sobre a Black Friday, que enviava uma comunidade perfeitamente normal em insanidade temporária? Um rosnado baixo escapou de sua garganta quando ele estendeu a mão para a caixa que continha o computador que Zoey tinha solicitado, sua paciência se esgotando. Seu lobo estava montando ansioso, ele odiava a cidade e as massas de pessoas ao seu redor. Gavin respirou profundamente, levando o ar pelo nariz, pela primeira vez desde que tinha entrado na loja. Ele tentava evitar o cheiro da multidão ‒ o seu sentido de cheiro era sensível e alguns dos corpos em colisão com o seu claramente não tinha praticado particularmente boa higiene. Uma pequena mão delicada pousou em cima da sua, o simples toque fazendo todos os pelos de seu corpo se arrepiarem. Ele assobiou quando inalou um perfume que pensou que nunca iria sentir novamente. A fragrância de sua companheira. O olfato de Gavin chutou na ultrapassagem e ele lutava desesperadamente para não deixar sua fragrância absorver em todos os poros de seu corpo, mas falhou miseravelmente, seu instinto shifter de acasalamento era muito forte. Seu doce almíscar o rodeava, consumiu-o, em poucos segundos. Querido Deus, de novo não. Seu pau inchou quando a essência sobrecarregou-o, rasgando o seu bom senso e controle, deixando apenas o instinto animal. O desejo de reclamar sua companheira. Minha! Seu olhar feroz arrastou para cima, quando seu coração trovejou contra a parede de seu peito. Ela puxou sua mão longe e ele quase gemeu com a decepção quando foi privado da sensação de sua pele contra a dele. Agarrando a caixa do computador, ele a pegou e colocou debaixo do braço, os olhos investigavam cada recurso, cada detalhe da mulher que teve sua atenção. Linda! 6


Ela era pequena, cheia de curvas, vestida de jeans e um suéter que estava coberto por um colete rosa acolchoado. Grossos óculos sentaram-se na ponta de um adorável nariz de botão. Sua pele clara estava corada e Gavin podia sentir seu desconforto. Ela nervosamente tirou uma mecha de cabelo liso castanho sedoso para trás da orelha. Cabelo lindo que roçava os ombros, que ele queria chegar e tocar, enterrar a mão, acariciar seu rosto, tudo o que podia sentir e cheirar era ela. Minha! Gavin teve que cerrar os punhos para não chegar a ela, de tomar o que lhe pertencia. Quando seu olhar encontrou o dela, sua expressão estava aterrorizada o que o parou. Cristo! Ele estava assustando o inferno fora dela. Sem dúvida, seu rosnado e possessiva expressão foram um pouco demais, mesmo que fosse Black Friday. "Aqui. Pode levá-lo. É o último." Ele estendeu o computador como uma oferta de paz, uma luta contra todos os instintos carnais em seu corpo para tentar não assustá-la. "Uh... não, obrigada. Fique com ele. Parece que você quer mais do que eu." Deus, sua voz era doce, baixa, rouca e sedutora. Ele ansiava por ouvi-la gritar seu nome quando enterrasse seu pau pulsando em seu corpo, reclamando-a, satisfazendo-a. Ela se virou e começou a correr para longe. Porra! Ela tem medo de mim! Ele seguiu, acotovelando o seu caminho através da multidão, tentando não perder de vista sua bunda curvilínea, enquanto seguia em sua esteira, o suor pingando de sua testa, seu coração batendo. Não corra. Pelo amor de Deus... não corra. Ela era rápida, esquivando-se no meio da multidão, esquivando-se sob os braços e corpos, abrindo caminho para fora como se o diabo estivesse em seus calcanhares. Gavin amaldiçoou, tentando ganhar terreno sem bater nas pessoas ao andar. Ele estava desesperado, e sua urgência aumentou dupla quando ela tentou se afastar dele. Seu lobo rosnou, animado com a perseguição, querendo rastrear sua presa. Gavin, o homem, estava tão excitado.

7


Ele queria pegá-la, despi-la, prendê-la na parede e transar com ela, até que implorasse por misericórdia. Pare. Não corra. Fugir de um companheiro shifter só aumentava a sua necessidade de capturar e dominar, inflamava seu desejo já fora de controle. Gavin perseguia, com a mão quase a agarrá-la pela cintura, quando foi tomado por vários guardas de segurança. Campainhas irritantes explodiram em voz alta enquanto cruzava a saída, a barreira de proteção com alarmes. Merda! Nããão! Seu lobo uivava, o rangido soava bem alto dentro da cabeça de Gavin. Ele lutou, tentando conter seu animal, incapaz de determinar, por um momento assustador, se o vencedor seria o homem ou o lobo quando seus olhos famintos observavam o traseiro de sua companheira se afastar. Ele parou de lutar contra os homens que estavam restringindo-o. Poderia facilmente ter colocado os dois no chão, inconscientes... ou pior. Mas o homem não lhe permitiria isso, não estava a ponto de ferir dois homens que estavam apenas fazendo seu trabalho ‒ não importa o quanto seu lobo quisesse isso dele. Não! Maldição. Eu não quero uma companheira. É muito fodidamente doloroso. Gavin deu um passo atrás, permitindo que os dois homens agarrassem os braços para impulsioná-lo de volta para a loja. Ele tinha que lidar com eles, e que faria, tão logo pudesse rasgar seu olhar longe da imagem sumindo rapidamente de sua companheira, crescendo cada vez menor enquanto fugia mais e mais longe dele. Levou tudo que tinha, toda a força do seu corpo para não romper e persegui-la, até que ele a tivesse bem e verdadeiramente capturada. Seu instinto de lobo exigia, rosnando e uivando em desespero, enquanto Gavin lutava ‒ com ele mesmo. Em conflito, uma parte querendo puxar sua bunda atrás dela, a outra parte querendo ir tão longe dela quanto possível, ele puxou seu olhar longe de sua figura em retirada. 8


Eu não posso fazer isso de novo. Não vou. Gavin deu mais um passo para trás, tentando livrar-se do tremor que movia violentamente através de seu corpo, causado pela distância entre ele e sua companheira recémdescoberta. Ele respirou fundo, seu aroma persistente em sua pele, consumindo-o a cada segundo que passava, sabendo por experiência que a loucura não iria deixá-lo. Era pior agora, muito mais intenso. As únicas coisas segurando-o de volta era seu eu humano e suas emoções ‒ ou seja, o seu medo. O medo era um poderoso motivador, uma excelente razão para ignorar o seu lobo. O problema é que não era apenas o seu lobo que queria. Ele era um shifter, e quase todas as células de seu corpo foram atingidas por ela, sofriam por ela para reclamá-la, e ele não tinha tanta certeza de que o medo poderia ganhar esta guerra. Estreitando os olhos, seu olhar disparou de volta para o último lugar que a tinha visto, a necessidade de se conectar com ela em alguma forma, desesperado por alguma coisa, qualquer coisa, que acalmasse a tempestade furiosa dentro de seu corpo e mente. Mas só que rapidamente ela se foi.

Faith Prescott saiu da loja do shopping rapidamente, um senso de urgência apressando seus passos, não sabia exatamente por que estava se sentindo assim na borda.

9


Ela tremia, não de frio, mas de... antecipação? Sacudindo a cabeça em confusão, tentando limpar seu cérebro confuso, os olhos procuraram seu veículo no estacionamento escuro, tentando não deixar a imagem dele borrar sua visão. Penetrantes olhos azuis cor de safira, loiro cabelo sedoso com um estilo pelo vento que se adequava a seu rosto esculpido, e seu corpo grande, enorme que era feito para o pecado, eram muito difícil de ignorar. Vestido com um terno impecável e uma gravata azul profundo que combinava com seus olhos, ele tinha sido... de tirar o fôlego... e sua reação a ele tinha sido nada menos do que intensa. Mas não foi apenas a sua aparência ultraquente que tinha chamado a sua atenção. Havia algo sobre ele, algo que a chamava, fez todo instinto primitivo em seu corpo levantar-se e tomar nota. Você já se esqueceu que está em sua situação atual por causa de um homem? Realmente, o último namorado de Faith deveria ter colocado seus homens fora para a vida. Ela estava pobre, não tinha emprego e nenhuma perspectiva à vista. Tudo por causa de um rosto bonito e um sorriso encantador. Tinha acabado de descobrir hoje que o bastardo de baixa vida de seu ex-namorado ‒ se ela realmente pudesse chamar algumas semanas juntos de um namorado ‒ tinha acabado de tomar o trabalho no qual havia ralado muito, depois de roubar sua tese de doutorado, dizendo que era sua própria e assegurar uma posição que ela tinha muito cobiçado. Lágrimas embaçaram os olhos quando viu o carro dela, e fez seu caminho em direção ao pequeno veículo que mal circulava. Ela agarrou a bolsa em sua mão com força, tentando não se deixar ser dominada por sua situação. Dois anos de minha vida pelo ralo, roubado de mim por um não bom pedaço de merda sem consciência. Ela passou os últimos dois anos de sua vida como uma nômade, estudando o urso pardo, registrando suas descobertas, construindo todo o seu conhecimento em sua tese. Conheceu James durante sua última viagem ao Alaska há vários meses. Por que não tinha suspeitado, era 10


suspeito? Desde quando tinha um cara atraente, na verdade, pegado a sua atenção? Ela era uma mulher tímida com características simples, uns quilinhos a mais na sua bunda e quadris, óculos que não fizeram nada para melhorar a sua aparência e olhos cinzentos adicionados ao seu exterior monótono. Ainda assim, James havia chegado nela quente e pesado, pendurado em cada palavra dela, afirmando ser um professor de Biologia da vida selvagem. Eles passaram várias semanas juntos no Alasca, James seguiu-a como um perdido filhote de cachorro, virando a cabeça com o seu interesse em seu projeto e suas covinhas de sorriso nas faces de boa aparência. Em seguida, no último dia da estadia no Alasca, ela voltou para sua cabana rústica para registrar suas descobertas do dia, sua tese concluída, e todo o restante da investigação tinha desaparecido. Nenhum portátil, nenhuma das notas de papel e nem uma única coisa tinha ficado dos últimos dois anos de sua pesquisa. Tudo se foi, e nenhum sinal de James. Provavelmente porque ele estava muito ocupado fugindo para a cidade, com sua tese furtada e por roubar o seu trabalho. Ela havia descoberto que ele tinha sido um aluno de doutorado, assim como ela, obviamente ansioso por sua posição cobiçada, e não queria trabalhar dois anos para obtê-lo. Chutou-se mentalmente mais uma vez por não fazer backup de suas informações, armazenando as informações em algum lugar, para que pudesse realmente provar que ela era a pesquisadora, a autora da tese. Mas ela não tinha, e estava pagando por isso agora. Realmente, quem teria pensado que uma pessoa iria ser subserviente suficiente para roubar uma maldita tese nos confins do Alasca? Sua conta bancária estava diminuindo rapidamente, pois tinha planejado ter um emprego decente por agora, tinha calculado bem suas finanças para cobrir os dois anos que precisava para passar sua tese. Merda, pegaria qualquer trabalho no momento. Qualquer coisa para parar o rápido desaparecimento de suas economias. Atualmente, Faith estava vivendo em um grande despejo de um apartamento, numa parte perigosa da cidade, tentando desesperadamente conseguir todo o trabalho disponível. Ela tinha pedido 11


qualquer posição aberta, até mesmo posições de varejo sazonais e de embrulho, todos com zero resultado. Por favor, Papai Noel, eu realmente preciso de um milagre de Natal! Lágrimas começaram a escorrer pelo seu rosto enquanto chegou ao seu carro e começou a procurar as chaves. Tinha que começar tudo de novo, fazer outra tese para que pudesse tornarse a Dra. Faith Prescott. E ela o faria. Logo após, pegar os pedaços de seu futuro cuidadosamente planejado anteriormente. Faria outra tese, outro estudo bom o suficiente para ganhar seu doutorado, encontraria um trabalho ainda melhor do que o que tinha planejado garantir este ano. Nesse meio tempo, o idiota ia estar com o trabalho que eu queria. Suspirando, Faith tirou as chaves de sua bolsa, procurando na escuridão colocar a chave nas portas do carro e ignição, desejando que pudesse ter obtido um dos computadores na Black Friday. Não apenas desejava o computador, ela precisava. Se ia apresentar mais aplicações para postos de trabalho, procurar trabalho e iniciar outra tese, precisava de um computador. E o negócio em um computador decente tinha deslizado para a direita por entre os dedos. Não que realmente pudesse arcar com o laptop, mas era uma necessidade, e o preço da Black Friday tinha colocado o computador ao seu alcance. Droga! Se ao menos o Sr. Alto, Loiro e Aterrorizante não tivesse chegado a ele em primeiro lugar. Não havia nenhuma maneira de eu tomar o último computador dele. Ele parecia ainda mais desesperado do que eu estava. E estou muito desesperada! Abrindo a porta do carro, ela jogou o saco plástico no banco do passageiro, tremendo quando se lembrou do olhar feroz em seus olhos, o baixo nível do rosnado que ela pensou ter ouvido fugir de sua garganta. O homem tinha que estar desesperado. Ou psicótico. Ah, bem, pelo menos ela tinha pegado alguns suprimentos, um caderno, lápis e pastas na loja para começar a escrever. Desde que James já tinha creditado a sua tese, ela realmente tinha que começar de novo. Fazer a sua tese sobre ursos agora não era uma opção. Sua especialidade era mamíferos de grande porte e teria que encontrar outra espécie para estudar. 12


Dois anos perdidos. Mais dois anos para escrever outra tese. Outro assunto. Tudo porque um homem me deu um pouco de atenção, mostrou um pouco de interesse. Quão patético é isso? Faith piscou várias vezes, tentando não se permitir chorar. Era a sua própria estupidez, seus próprios erros que a colocaram nessa situação. Tinha que de alguma forma puxar-se fora. Como? Não tenho os recursos para mais dois anos. Eu mal consegui através dos dois últimos. Ela balançou a cabeça lentamente, recusando-se a deixar-se ficar intimidada. Lutar contra obstáculos era algo que fazia bem, sempre tinha feito. Desmoronar sob pressão não era uma opção. Mudando seu corpo para se sentar atrás do volante, Faith estava a meio caminho para o banco quando um braço disparou da escuridão e agarrou-a pela cintura. Um braço masculino forte, com músculos poderosos o suficiente para puxá-la contra um corpo duro. Faith não tinha que olhar para o rosto dele para saber que era ele, o cara intenso da eletrônica. Poderia realmente senti-lo, sentir as vibrações que zumbiam ao redor dela, enquanto seus corpos entravam em contato. Era a mesma sensação que tinha lavado em cima dela, segurado-a no encalço momentâneo, desde o simples toque de sua mão sobre a dele. Afaste-se! Aproxime-se! Corra! Preciso dele! Emoções conflitantes correram por sua mente mais rápido do que Faith podia processálas. Como ela poderia estar em perigo, no meio de um estacionamento escuro, e sentir seus mamilos endurecerem, um dilúvio no núcleo com calor? Ela lutou, tentando com sua mente sã ficar longe dele, mas ele a segurou com mais força, puxando o corpo dela contra os músculos sólidos de seu peito e abdômen, as costas à sua frente, a sua calorosa e irregular respiração acariciando seu ouvido enquanto ele inclinou a cabeça. "Eu não vou te machucar." Sua voz era áspera, mas de alguma forma reconfortante. 13


Não era assim que todos os assassinos sociopatas embalavam suas vítimas? Tentando ganhar a confiança, tentando dar conforto... inicialmente. Não seja estúpida, Faith! Batendo o cotovelo para trás com toda força que conseguiu reunir, Faith bateu no estômago, mas ele nem sequer grunhiu, não vacilou. Contorcendo, ela tentou torcer, para quebrar seu domínio inflexível ao seu redor de sua cintura. Quando a bunda dela entrou em contato com sua virilha, ela parou abruptamente, momentaneamente atordoada quando sua bunda com jeans entrou em contato com a maior, mais dura ereção que já tinha encontrado. Merda. Ele é um estuprador? Isso realmente iria excitá-lo? Estranhamente, sua boceta inundou, seu corpo derreteu. Involuntariamente, sua bunda deslocou para trás, tentando fazer contato novamente com seu pênis de tamanho considerável, uma necessidade de esfregar contra ele, querendo afundar em seu intenso corpo quente. O pânico tomou conta dela quando percebeu que seu corpo estava respondendo a ele, assim como sua mente se rebelava. Colocando todos os pedaços de força em sua tentativa de fuga, agarrou a porta aberta do carro, tentando usar como alavancagem, puxando com toda a sua força para sair do seu abraço de aço. Ele estava ofegante, exalando quentes e pesadas sobre sua orelha. "Pare. Você vai se machucar." Ele rosnou, quando Faith continuou a lutar com ele, chegando a lugar nenhum. "Deixe-me ir. Não vou contar a ninguém." Ela correria direto para a polícia, mas a mentira era apenas um tiro. "Pare!" Ele disse com autoridade, como se esperasse que ela obedecesse. Faith abriu a boca para gritar, procurando freneticamente por outra pessoa no estacionamento, mas não viu uma alma. Ainda assim, não faria mal tentar atrair a atenção. O som angustiado tinha acabado de começar a deixar sua garganta quando uma grande mão tampou a boca, silenciando-a imediatamente.

14


De repente, sua cabeça começou a girar, girando cada vez mais rápido até que era insuportável. Náusea subiu-lhe pela garganta e escuridão ameaçou, jogando-a fora de equilíbrio, com as pernas recusando-se a apoiá-la. Ela inalou profundamente pelo nariz, com a boca coberta por seu lado, e o cheiro em torno dela era incrível. Ela afundou-se em seu corpo, lutando para recuperar o equilíbrio. Tenho apenas 27 anos de idade e vou morrer. Foi o último pensamento que teve antes da escuridão consumi-la.

Gavin amaldiçoou quando se materializou de volta em sua casa, sua mulher deitada de forma segura em seus braços. Seus olhos estavam fechados, obviamente chocados na inconsciência pelo transporte volátil. Ele deveria ter tomado mais lento, mas seu pânico o fez apressar a tarefa. Ele se sentou em seu sofá de couro com o seu pacote de feminilidade deitado em seu colo. E agora? Não era como se ele estivesse mantendo-a. Seu pênis duro como granito, cutucando em sua bunda deliciosa, ele murmurou. "Ela não vai me aceitar como um companheiro. E eu realmente não quero passar pelo inferno que passei vinte anos atrás." Infelizmente, poderia não ser capaz de evitá-lo. Instintos de acasalamento não eram algo que pudesse ser ignorado, após um encontrou com sua companheira.

15


Vinte anos atrás, Gavin tinha encontrado sua companheira pretendida. Ele a cortejou, lhe deu todo o material que queria... e então alguns. Lena era jovem, tímida e completamente horrorizada quando ele tinha revelado o que realmente era, querendo que o aceitasse como seu companheiro. Ela não tinha. Neste dia, Gavin lembrava-se do olhar de repulsa no rosto de Lena, um olhar que deixava claro que ela o via como uma completa abominação. Como a mulher que ele estava segurando em seus braços, Lena tinha sido humana, provavelmente com uma muito diluída linhagem shifter. Muitos companheiros shifter eram humanos com um ancestral shifter em algum lugar de sua história familiar. Mas ainda assim, eles eram humanos, incapazes de aceitar a existência de shifter. Noah e Rafe tinham tido sorte, suas mulheres humanas aceitaram-nos, ligando-se a eles. Infelizmente, ele não foi tão afortunado, e teve necessidade de limpar a mente de Lena de sua existência, realizar a cerimônia para quebrar a conexão de acasalamento entre ele e Lena, porque o havia rejeitado. Era um processo doloroso, que ele não estava ansioso para repetir tão cedo. Na verdade, não queria fazer isso de novo – para sempre! Ele tinha sido perfeitamente feliz em permanecer sozinho, tendo suficiente da dor da recusa uma vez. Nunca disse a qualquer um de seus irmãos sobre a experiência humilhante. A dor era muito crua, muito intensa. Mais tarde, ele tinha achado que não parecia importante o suficiente para falar, para não mencionar o fato de que era fodidamente embaraçoso. Nenhum shifter realmente queria confessar que sua companheira o tinha achado abominável, que se encolheu de horror quando olhou para ele. Ele franziu a testa enquanto olhava para a mulher em seus braços. Seu corpo estava reagindo completamente diferente para ela do que tinha com Lena. E assim estava o seu lobo. Sua ligação com Lena tinha sido mais sutil, não avassaladora. Seu lobo tinha sido discreto, levemente satisfeito, quase choramingando quando Gavin foi forçado a quebrar a ligação de acasalamento entre ele e Lena. Agora que pensava nisso, Gavin sentia o mesmo por Lena. Feliz que tinha encontrado sua companheira, querendo vincular porque ela foi sua parceira escolhida. Nenhuma reação intensa, nenhum desejo físico violento. A parte mais dolorosa realmente não 16


tinha sido desconectar-se de Lena, tinha sido a cerimônia de separação. A dor do ritual tinha enviado-o de joelhos, fazendo-o sentir como se tivesse sido jogado no fogo do inferno, fazendo-o quase desejar a morte, em vez de sofrer outro momento da alma-triturando, corpo-rasgando na agonia do procedimento. Felizmente, Lena tinha dormido, nunca sofreu qualquer dor. Ele a tinha deixado em sua cama, dormindo, acordando sem memória dele ou todo o incidente. Foi só o shifter, a criatura mágica, que teve de suportar a miséria. Por quê? Por que isso está acontecendo de novo? Uma rejeição, uma cerimônia foi fodidamente o suficiente! A mulher agitou-se em seus braços, seus cílios longos escovaram suavemente contra a pele impecável. Ela balançou a cabeça, como se estivesse lutando contra o seu caminho para fora da inconsciência. Deus... era linda, seu corpo exuberante e macio e sua pele perfeita fez se perguntar se era toda de seda. Minha! O agarre de Gavin apertou automaticamente enquanto ela lutava para retirar-se do seu colo. Seu lobo uivava, rondava sem descanso e seu corpo tremia enquanto tentava controlar sua reação a essa mulher. Ele a queria com uma intensidade que nunca tinha experimentado com Lena. E estava arranhando, resposta volátil, sentiu uma intensa necessidade que sentiu um rugido subindo em sua garganta, ameaçando sufocá-lo. Minha! Preciso me enterrar dentro dela, fazê-la gozar, ouvi-la gritar meu nome em êxtase. "Foda-se, não!" Ele sussurrou asperamente, querendo afastá-la, mas com necessidade de chegar mais perto. Estava se afogando em seu cheiro, com falta de ar. Ele a puxou para mais perto, sentindo seus seios fartos esfregarem contra o seu peito. Não é o suficiente. O que realmente precisava era esfregar-se contra ela, pele a pele, marcando-a como sua, possuindo-a. Precisava enterrar seu pênis tão profundamente dentro dela, satisfazê-la tão completamente, que

17


iria implorar-lhe constantemente, precisar dele até que sentisse como se ficaria louca se não o tivesse. A forma como me sinto agora! Como um monstro de olhos verdes do caralho. "Tire as mãos de cima de mim maldito." Insistiu ela, enquanto sua mão segurava sua bunda, puxando-a mais perto. Nunca! Minha! Gavin lutou contra seus instintos, ouviu a raiva, mas também o medo em sua voz. Não podia assustar a merda fora dela. Proteger. Ver a sua segurança. Confortar. Esses instintos de acasalamento eram mais fortes, obrigando-o a quebrar o seu agarre, o suor escorrendo pelo seu rosto pela luta. Ela rolou imediatamente de seu colo e ele gemeu em voz alta quando sua cabeça caiu para trás contra o couro do sofá. Ter seu corpo arrancado do seu era como tirar uma camada de pele, era doloroso e deixou-o cru. Ela olhou para ele com desconfiança, cautelosa. E ele odiou. Seus olhos cinza-claros também se iluminaram com fúria, uma emoção que tanto surpreendia e encantava-o. Minha mulher tem fogo. Paixão. Seus olhos correram sobre ela, cobiçando cada centímetro, seu controle sentado na beira de uma faca, oscilando precariamente. Ela era perfeita. Ele amava tudo sobre ela, desde sua rouca voz para o seu olhar de fogo cuspindo chamas para ele, por trás de um par de óculos que a fazia parecer furiosa, pequena coruja adorável. Ela era inteligente, avaliando-o, tendo sua medida. Minha!

18


O corpo de Gavin apertou, encolhendo-se com a intensidade da sua conexão de acasalamento com ela, sua necessidade de revelar sua verdadeira natureza. Agora! Era uma compulsão incontrolável, que não tinha experimentado com Lena. Inferno, não tinha experimentado nada disso com Lena. Não deixe essa mulher ir. Não pode. Esta pertence a mim. O problema era que ela tinha que concordar. Gavin fez uma careta. Sua sobrancelha subiu no desafio quando ela lhe perguntou, "Onde diabos estou? Quem é você? Por que estou aqui?" Ela queria saber suas intenções, e, no momento, nenhuma delas, provavelmente, passaria muito bem com ela, então ele respondeu simplesmente. "Eu não vou te machucar." "Você está me machucando, apenas me sequestrando. Será que me deu drogas? Fui tomada por um cheiro artificial." Ela lhe perguntou, hesitante, como se estivesse falando com uma pessoa que estava emocionalmente desequilibrada. "Então, eu fui. É por isso que você está aqui." Porque o seu sedutor perfume irresistível faz meu pau duro, o tinha implorando para estar enterrado dentro de você. Ela balançou a cabeça. "Eu não entendo. Está tentando me dizer que nós dois estávamos drogados e de alguma forma acabamos aqui na casa de alguém? Juntos?" Sua voz era suave, gentil, mas seus olhos estavam ainda em chamas disparando. Foda-se! A necessidade de reconhecê-la como sua companheira estava batendo nele implacavelmente. "Você está aqui porque sou um shifter lobo, e é minha companheira. Nós dois estávamos superados pela conexão de acasalamento, o aroma do acasalamento. Você está em minha casa, onde pertence." Ele rosnou, incapaz de conter suas emoções. "Oh, Deus. Você está louco." Ela deslizou sua bunda ao longo do assento do sofá, ficando o mais longe possível dele, parando apenas quando suas costas se chocaram com o braço do sofá. Gavin suspirou profundamente... e mudou. 19


Faith piscou... então piscou novamente... então suspirou audivelmente quando todo o seu corpo tremia, tentando fazer sentido ao que ela estava vendo diante de seus olhos. Ilusão de ótica? Sua sanidade tirou umas férias? Ou era verdade? O homem havia se transformado em um enorme lobo madeira branco, e isso tinha acontecido tão rapidamente que ela realmente não viu a conversão. Um momento ele era um grande, estranho e assustador que ela estava com medo que tinha uns poucos parafusos soltos. Agora, no mesmo lugar, sentava-se o mais belo e enorme lobo que já tinha visto. "Isso não é possível. Sou uma mulher da ciência. Lobisomens não existem." Ela sussurrou, tentando convencer-se de que não estava vendo isso, obviamente, bem na frente dela. Ela prendeu a respiração quando o lobo se contorceu para frente, balançando o rabo, olhos implorando. Seus olhos! Eles eram os mesmos lindos olhos azuis meia-noite do estranho que se sentava sobre esta peça de mobiliário única a momentos atrás. Instintivamente, ela estendeu a mão, deixando o cheiro para lobo quando ela se aproximou, usando a técnica com qualquer animal. O grande cão veio em sua direção, sem

20


hesitação, sem medo, cutucando sua grande cabeça contra o joelho dela, esfregando contra sua perna, brincando. Sua respiração deixou seus pulmões em um suspiro audível quando ela enterrou as mãos na pele branca de seda, apreciando a textura, pura alegria de tocar um animal tão feroz. A bióloga da vida selvagem nela estremeceu com excitação, entusiasmada com a oportunidade de correr a mão sobre o corpo musculoso do lobo, sentir o poder do carnívoro incrível. Gavin virou a cabeça, lambendo a mão que estava ociosa em seu colo. "Como isso é possível?" Ela sussurrou, sua mão se movendo ao longo do peito peludo. A cientista nela negava, mas sua mente e coração não iriam deixá-la descartar a verdade. "Magia. Magia shifter." Sua voz baixa e rouca retumbou sob sua mão que estava de repente, inexplicavelmente acariciando um muito musculoso forte peito macho através do material de sua camisa de algodão leve. Os mesmos olhos azuis que tinha a cabeça descansando contra seu joelho olharam para ela. "Diga-me seu nome. Por favor." Embora perguntasse educadamente, era uma demanda. Sua mão se moveu até cobrir a dela, engolindo-a, mantendo-a posicionada firmemente em seu peito. "Faith. Faith Prescott." Ela não se atreveu a negá-lo, e realmente, o que importava se ele soubesse o nome dela? "O que você está me dizendo é realmente verdade? Eu sou realmente a sua companheira? Você é realmente um... Shifter?" "Faith." Ele soprou o nome dela em voz baixa, testando-o, e rolou para fora sua língua em uma sexy, rouca voz que inundou sua boceta, seus mamilos endureceram. "É verdade. Acho que, até certo ponto, você sabe que é verdade. Você não sente a conexão com a mesma intensidade, mas deve sentir isso." Ele hesitou antes de acrescentar. "Meu nome é Gavin." Gavin. De alguma forma, o nome lhe convinha. E sim, ela sentia a conexão também. Agora entendia por que seu corpo reagiu a ele, por que o cheiro dele fez cada célula de seu 21


corpo saltar com entusiasmo, antecipação. Ela estava reagindo como uma companheira, querendo seu corpo masculino, e desejava-o mal. "Eu faço." Admitiu, ainda tentando arduamente descobrir, como cientista, como essa espécie tinha evoluído. "Nós não evoluímos. Sempre existimos." Percebendo imediatamente que ela não tinha falado em voz alta, empurrou a cabeça dele fora sua perna e ficou de pé. "Você está lendo minha mente?" Sua mão serpenteou em volta do pulso e puxou, deixando-a fora de equilíbrio, trazendo-a de volta ao topo daquele jeito. A posição de Gavin mudou mais rápido do que Faith poderia processar, significava que ela acabou debaixo dele, seu poderoso corpo cobrindo o dela. Ele prendeu-lhe os pulsos ao lado de sua cabeça enquanto murmurava. "Reconhecidos companheiros podem se comunicar telepaticamente." Gavin tomou uma respiração irregular antes de continuar. "Não fuja de mim. Faz o instinto de acasalamento ficar pior. Faz-me querer perseguir sua linda bunda para baixo, até que eu a tenha sob meu controle, ofegando pelo meu pau, me implorando por isso." Faith flexionou seus quadris, quase gemendo quando sentiu sua ereção grande e dura contra seu núcleo. Todo o seu corpo inflamou, só precisava ter esse membro enorme dentro dela, levando-a. Reagindo como uma fêmea companheira para um Alpha, vangloriou-se de estar sob seu controle, querendo submeter-se ao seu poder, sua força superior. Seus olhos intensos se estreitaram, penetrando-a com um olhar que continha tanto pesar, tanta necessidade, tanto desejo por ela que a deixou sem fôlego. Quando houve um homem que a quis tão ferozmente, tão completamente? Nunca! E isso é provavelmente o que o deixou tão inebriante, tão irresistível. "Gavin." Sua voz era rouca, infundida com anseio, com desejo profundo e desesperada na alma para ser satisfeita.

22


Ele tirou os óculos, deixando-os cuidadosamente sobre a mesa de café na frente do sofá. Não se fez assunto. Ela era míope, via-o perfeitamente, e seu belo rosto e olhar de desejo urgente eram cristalinos. Gavin estava vestindo um terno e gravata, como se tivesse acabado de sair de uma reunião de negócios. Liberando seu aperto em seus pulsos, ele sentou-se sobre os joelhos, puxando a gravata de seu pescoço em um frenesi, perdendo o casaco e rasgando os botões de sua camisa quando a tirou de seu corpo. "Toque-me. Preciso sentir suas mãos em mim." Ele grunhiu, enquanto seu corpo desceu sobre a dela. Tocá-lo era bem-aventurança e agonia. Ele era todo músculo esculpido e pele quente e suave. As mãos de Faith arranharam sobre os ombros nus, para baixo em suas costas nuas e novamente, saboreando cada centímetro de seu poderoso corpo, mas querendo mais, precisando de mais. "Eu posso sentir a sua excitação, sua necessidade. Você quer seu companheiro." Seu hálito quente fluiu sobre seu rosto enquanto ele mordiscava o lábio inferior, mordendo levemente e, em seguida, acalmando-a com sua língua. Sim. Sim. Pelo amor de Deus me foda. Leve-me com força e sem piedade. "Sim. Por favor, Gavin." Sua boca desceu sobre a dela, sem hesitação, sua língua invadindo os recantos quentes de sua boca, fazendo-a sua, forte, pretendendo marcá-la, conquistá-la. Faith sentiu o núcleo apertar com espasmos poderosos profundos que a fez empurrar seus quadris para cima, gemendo na boca de Gavin enquanto sua língua reivindicava a sua, implacavelmente. Ele enterrou suas mãos em seu cabelo, guiando a cabeça, inclinando-a para aceitar a penetração profunda da língua mais e mais, até que finalmente arrancou sua boca da dela, deixando-a sem fôlego. Choramingando quando Gavin pôs-se de joelhos, Faith obedeceu quando a sentou em seu pé, tirando seu colete e puxando a camisa por cima da cabeça, deixando-a cair 23


silenciosamente no chão acarpetado. Ele levantou o sutiã do corpo, descartando-o em cima de sua camisa. Ela estremeceu quando segurou seus seios, seus dedos brincando com os mamilos em pequenos círculos. "Perfeita." Disse ele, sua voz segurando um toque de admiração e desejo rouco. "Você é tão fodidamente bonita." Faith teria pensado que ele estava mentindo se não pudesse ouvir a verdade de sua afirmação em sua voz. Quando um homem tinha pensado que era bonita, desejável? Sua cabeça caiu para trás enquanto sua boca quente substituiu suas mãos, beliscando e lambendo cada mama, adorando cada uma delas com os dentes e a língua. "Gavin. Por favor." Faith não sabia bem o que estava pedindo, só sabia que necessitava... de alguma coisa. Seu pênis. Sua língua. Seu corpo. Seu beijo. Alguma coisa... mais. Alcançando o botão da calça jeans, ele murmurou. "Diga-me o que você quer, Faith. O que você precisa." "Você." Mal. Quase dolorosamente. Ele arrancou sua calça para baixo dos quadris, tirando-a de seu corpo, levando a calcinha encharcada com ele, expondo sua boceta carente. Suas botas saíram, batendo no chão acarpetado, para que ele pudesse remover completamente o seu jeans e calcinha. Faith caiu para trás, deixando-a descansar a cabeça sobre o braço do sofá, tremendo levemente, não por causa do frio, mas de apreensão. Ela estava nua, com o corpo definido diante dele, em toda a sua glória. O quarto estava brilhantemente aceso, provavelmente mostrando cada falha gritante. Seus quadris generosos, a suavemente arredondada barriga. Ela estava bem moldada após dois anos de caminhada sem fim, mas tinha um corpo naturalmente cheio que sempre carregava um pouco mais de quilos do que deveria. "Incrível. Você é toda sedosa." Suas mãos deslizaram até as coxas, o dorso da mão pastando seu monte, deixando a carne entre as pernas cheias de creme, enquanto sua mão acariciava sua barriga. "Você é tão exuberante, tão suave. Minha. Tão fodidamente minha!" Mudou-se entre suas pernas. "Você tem cheiro de desejo e paixão, uma droga pronta para dar prazer." 24


Ele abriu as pernas largas, uma grande mão em cada uma de suas coxas, enquanto a abria a ele. Suas mãos acariciavam para cima e para baixo dentro de suas coxas. Respirou profundamente, como se estivesse tomando o cheiro dela, movendo a cabeça entre as pernas, descendo para a sua boceta carente. "Não, Gavin. Eu não. Eu não tenho..." "Nenhum homem jamais deu prazer a você com a sua língua?" Ele questionou duramente. "Não. Nunca." Ela teve apenas com um homem, e ele tinha sido ligeiramente agradável quando perdeu a virgindade, mas nunca assim. E Gavin mal a havia tocado. "Foda-me. Por favor." "Vou ser o primeiro homem a dar-lhe prazer desta forma, fazer você gritar de prazer." Sua voz era possessiva, cheia de satisfação masculina. Seu corpo todo tremendo de necessidade, Faith implorou. "Por favor, foda-me." Seu rosto estava tão perto de sua boceta vulnerável, que podia sentir sua respiração quente flutuando sobre sua carne sensível, agradando aos ordenadamente cortados cabelos em seu monte. Um pouco ansiosa sobre o desconhecido, não tinha certeza se queria isso. "Tenho que provar você. Não posso esperar nem mais um segundo. Preciso da minha língua em você, satisfazendo-a." E Gavin não esperou. Sua boca quente reduziu a sua trêmula carne rosa, o primeiro toque de sua língua foi prazer carnal puro. Faith gritou quando ele deu a primeira lambida em suas dobras, rosnando na boceta enquanto bebia em seu creme, antes de explorar a carne rosa escondida, mergulhando cada vez mais profundamente, antes de finalmente enterrar a cara completamente. Suas mãos separavam suas dobras, expondo o vulnerável, clitóris pulsante. Faith esqueceu tudo, inclusive sua hesitação para deixar Gavin realizar esse ato que era de algum modo mais íntimo, do que o seu anterior encontro sexual. Ela gritou seu nome quando ele

25


habilmente circulou a língua em seu pequeno broto, provocando-a a um estado de insanidade, antes de finalmente acariciar seu clitóris. "Oh, Deus. Gavin." Ela gemeu, seu corpo inteiro tremendo da sensação. Sua língua mergulhou fundo, sacudindo sem parar em seu clitóris. Faith podia sentir seu corpo enrijecer, seu canal apertando e sua necessidade de gozar se tornando crucial para sua sanidade. Faith rolou a cabeça de um lado para o outro, gemendo, impotente. "Gavin, eu preciso..." Ela nunca terminou a declaração. Seus dentes travaram suavemente sobre o clitóris, prendendo-o, mantendo-o em cativeiro para a língua esfregar, rapidamente, mais e mais, até que ela explodiu. "Oh Deus." Gemeu quando seu corpo inteiro ficou em chamas. Ela arqueou as costas, espetou os dedos no cabelo de Gavin, puxando sua cabeça contra sua boceta enquanto cavalgava as ondas de êxtase que estavam quebrando sobre ela como uma onda. Ele esticou o clímax para fora, tomando seu tempo para lamber cada gota de creme de sua vagina. Então puxou seu corpo mole e flexível e em seus braços, embalando-a contra seu peito. Gavin estava respirando rapidamente, ofegante contra sua orelha, seu corpo todo tremendo. Instintivamente, ela aconchegou mais perto, com os braços em volta do pescoço, a cabeça apoiada contra seu forte ombro. Respirando fundo, inalou seu perfume masculino, permitindo que ele fluísse através de seus sentidos. Embora a língua tivesse acabado de lhe dar o mais incrível clímax que jamais tivera, o corpo dela ainda ansiava por ele, precisava dele para levá-la, mesmo que estivesse sonolenta, satisfeita. Gavin pegou Faith em seus braços, correu até um lance de escadas e empurrou aberta a porta, diminuindo-a cuidadosamente sobre uma cama enorme. A sala estava iluminada apenas pelo luar, mas ela podia ver o contorno da cama e quase ronronou quando sua pele nua estava envolta em lençóis de flanela macia. 26


"Durma." Ele ordenou, como se apenas dizendo esta palavra deveria fazer assim. Confusa, olhou para o rosto sombrio. "Você não quer... você não está indo para..." "Querer?... Sim. Indo?... Não." Sua voz soava triste. Ele não ia se aliviar. Por quê? Perdeu o seu desejo? "Claro que não... Eu não perdi o meu desejo. Quero você tão fodidamente ruim que minhas bolas estão azuis e meu pau está prestes a explodir. Eu só... não posso." Sua voz era áspera, torturada. Ele virou-se e saiu do quarto, murmurando outra maldição quando saiu pela porta. Faith aconchegou-se nos lençóis quentes e edredom, sentindo-se rejeitada, uma dor no peito. Não era um sentimento com o qual não estivesse familiarizada, mas com Gavin, a dor era quase insuportável. Não estou rejeitando você, Faith. Quero você mais do que sempre quis algo na minha vida. E eu vivo na Terra há mais de 350 anos. Faith se assustou quando ouviu a voz de Gavin... dentro de sua cabeça. Santo Deus! Olhou em vão ao redor do quarto sombrio, sabendo que estava ouvindo-o dentro de sua mente, mas olhou ao redor de qualquer maneira, a descrença residual ainda a incomodava. Ela se inclinou para trás, descansando a cabeça no travesseiro e suspirou profundamente. Podia senti-lo mexendo dentro de sua cabeça, sua presença quase palpável, apesar dele ter deixado o quarto. "Mais mágica shifter?" Ela sussurrou, soltando o fato científico que segurava como verdade, abrindo-se a possibilidade de coisas que não poderiam ser explicadas por dados biológicos. Sim. Você é a minha companheira. Podemos ler um ao outro, falar em as nossas mentes. Seu exnamorado era um idiota. Ela provavelmente deveria estar chateada que ele estivesse invadindo sua privacidade, se aprofundando em cada detalhe de sua história. Normalmente, iria ficar com raiva, mas como sua essência flutuava através de seu cérebro, ele sentiu... natural. "Eu sei. Dois anos de minha vida desperdiçada." Falou de forma audível, ainda não sabendo como enviar-lhe mensagens ou pensamentos. Ela não podia lê-lo também. 27


Sinto muito por sua mãe. E você não tem que levar mais dois anos para escrever sua tese. Pode me estudar. A mãe de Faith tinha sido mãe solteira, seu pai um perdedor que nunca teve qualquer interesse nela. Perdendo sua mãe para o câncer há cinco anos, a tinha quase destruído. "Obrigada. Foi uma época muito difícil para mim.” Foi mais do que isso e você sabe disso. Você sofreu. Faith sorriu. Gavin parecia irritado, como se ele fosse pessoalmente responsável por sua tristeza. "Eu fiz. Mas tento lembrar-me dos momentos felizes agora. O que quer dizer que posso estudá-lo?" Você precisa de um grande mamífero para estudar. Eu sou um lobo. Pode fazer sua tese sobre lobos. Posso fornecer todos os dados que precisa, ou quaisquer amostras de sangue. Vou até levá-la para observar os bandos, embora possa dizer-lhe qualquer coisa que precise saber sobre o comportamento lobo. Eu sou uma espécie de... especialista. Ela mordeu o lábio, tentando não rir. Ele era realmente um especialista, provavelmente a maior autoridade do mundo, porque na verdade ele era um lobo. Eu também sou um homem. Seu comentário foi baixo, rouco e um pouco vulnerável. Sim, e ela não sabia disso? Estremeceu, lembrando-se da sensação de seu enorme pênis ereto pressionando contra seu núcleo. Gavin era macho Alpha, e tão quente que tudo que tinha a fazer era olhá-la com aquele intenso ‘eu quero te foder agora’ nos olhos azuis e ela derretia. "Eu poderia aceitar essa oferta. Para me ajudar estudar os lobos. Sempre tive uma afinidade com lobos. Acho que agora eu sei o por quê." Ele riu, uma risada sexy divertida. Vou ajudá-la. Agora durma. "Eu deveria ir para casa." Murmurou baixinho, os olhos cada vez mais pesados. Nem pense nisso. Não há nenhuma maneira que vai voltar para aquele lugar infestado de crime, merda de um apartamento. Não é seguro. Vai ficar bem aqui onde eu possa te proteger. Okaaaay... o anúncio mandão deveria tê-la realmente irritado, mas em vez disso, a fazia se sentir segura. 28


Ela tinha estado sozinha a maior parte de sua vida adulta, exceto pelos amigos, sem ninguém para lhe dizer o que fazer, não necessitando buscar a aprovação de ninguém, além de si mesma. Mas a proteção, o comportamento possessivo de Gavin cobria-a, envolvendo-a em calor e abrigo. Acostume-se com isso. O comentário rude era quase um rosnado. "Você é muito mandão. Não tenho certeza se gosto disso." O problema era, ela gostava, especialmente a dominação sexual que tinha vislumbrado brevemente. Ela gostava de Gavin e todo o seu comportamento de macho Alpha. Honestamente, a excitou completamente. Felizmente, o seu comportamento mandão realmente não a incomodava, contanto que ele não tentasse controlar todos os aspectos de sua vida. Ela entendia as características macho Alpha. Era algo que nascia como uma parte de sua personalidade. Ainda não entendia shifters, mas entendia o instinto nato. Posso me comprometer. Mas não em questões de segurança. Você vai ficar. De alguma forma, Faith tinha um sentimento de que a sua ideia de compromisso era trazer a outra pessoa em torno de sua maneira de pensar. Ficaria bem com a coisa de segurança, mas se ele achava que ia dizer a ela o que fazer todo o tempo, estava redondamente enganado. Alpha ou não, não iria deixá-lo empurrá-la em torno de cada questão. Eu não preciso sempre de ter no meu próprio caminho. Mas a quero segura. Faith podia ouvir a sinceridade em sua voz. Segurança realmente era o seu problema, e suspirou. Sem dúvida, eles iriam bater de frente, mas o tempo iria dizer se ele realmente poderia se comprometer. Durma. O comando foi abrupto e não em todo sutil. Sim. Ele definitivamente necessitava de algum trabalho em sua capacidade amigável de resolver as diferenças em vez de dar ordens. Por favor, durma. Você precisa descansar. Ele resmungou o pedido, mas foi definitivamente uma melhoria. "E você?" Perguntou ela, perguntando se ele estava em outra cama. 29


Eu sou noturno. É o meio do meu dia. Estou trabalhando no meu escritório aqui embaixo. Bocejando, ela respondeu sonolenta: "O que você faz?" Meu sobrenome é Lancaster. Sou um dos proprietários da Lancaster International. Os olhos de Faith se arregalaram e seu queixo caiu. Meu Deus, um dos irmãos Lancaster? Ela morava nesta área toda a sua vida, mesmo que passou um tempo longe por seus estudos, teria que ser uma eremita para não saber sobre os Lancasters. "Você é podre de rico." A declaração saiu de sua boca antes que pudesse censurá-la. Você tem algum problema com isso? Faith quase podia visualizá-lo levantando uma sobrancelha em questão, seu belo rosto carrancudo. "Não. Não particularmente. Estou surpresa ao saber que os Lancasters são realmente lobisomens. Você não descobre algo parecido com isso todos os dias." Eu sou um shifter. Não sou um lobisomem. Não estou particularmente emocionado por estar associado a um mito urbano de filmes de terror ruins. Faith riu, divertindo-se com a arrogância de Gavin sobre sua espécie. "Tudo bem. Vou tentar abster-me de usar essa alcunha." Rolou na cama enorme, ela mesma se encasulou no calor das cobertas. Olhos pesados, se aconchegou com seu travesseiro, desejando que Gavin tivesse lá para mantê-la aquecida. Ela sentiu sua mente escovando contra a dela, um toque suave de conforto, de carinho. Nem sequer o conhecia, mas sentia falta dele. Eu também sinto sua falta, Faith. Durma. Sempre vou mantê-la segura. Suas palavras filtraram através de sua mente, espalhando um calor agradável em todo o seu corpo, embalando-a em um lugar de segurança e paz. Com um pequeno sorriso em seus lábios, ela dormiu.

30


Três semanas depois, Gavin acordou no crepúsculo, seu pau duro e seu coração dolorido, mal conseguindo conter seu desejo de buscar sua companheira, para ver Faith. Ele sabia que ela estava acordada. Podia sentir seu estado de alerta com a sua mente, a sua felicidade. Ela estava obviamente fazendo algo que trazia alegria, que não era uma ocorrência incomum. Ao longo das últimas semanas, ele havia aprendido que sua companheira tinha uma vontade obstinada de fazer o melhor de qualquer situação, uma força interior que nunca deixou de surpreendê-lo. Sorrindo, esticou e saltou para fora da cama, ansioso para estar com ela, perguntando como tinha vivido sem seu riso, sua suavidade, sua própria presença. Eu ainda não lhe pedi para se unir a mim, para ser minha companheira. A verdade era que não tinha certeza do que iria acontecer se ela não concordasse. Ele não podia chegar perto dela sem a agitação intensa do instinto de acasalamento, e a frustração ficava mais difícil de suportar todos os momentos que passava em sua companhia. No entanto, não poderia não estar em sua companhia, não estar perto dela. Doía de qualquer forma, e ele havia decidido que, se estava indo para sofrer, iria fazê-lo cercado em sua essência, de ouvir sua voz sexy, sua risada. Sentir sua necessidade quase levava Gavin sobre a borda, seu desejo batendo para saciar o seu quase o matava. Mas ele sabia que se cruzasse a linha de novo, como tinha feito na primeira noite, não haveria como voltar atrás, sem segundas chances. Se a assustasse com a intensidade de seu desejo, a tomasse como um animal raivoso, ele poderia perder a chance de tê-la como sua companheira por toda a eternidade. Não podemos arriscar. Isso iria me matar. Ele sabia que, desta vez, estava duplamente ferrado. Não era só os seus instintos de acasalamento tão forte que o fez duvidar de que Lena já tinha sido verdadeiramente a parceira ideal para ele, mas estava lutando contra suas emoções, um amor por Faith tão forte que o transformou de dentro para fora, de cabeça para baixo e ligeiramente para o lado. 31


Balançando a cabeça um pouco, ele enviou um pedido de desculpas em silêncio aos seus dois irmãos para cada vez que tinha rido deles por terem acoplado, por terem de atender a todos os desejos de suas companheiras. Agora, sabia exatamente por que faziam isso, e faziam com um sorriso em seus rostos. Se Faith lhe permitisse o privilégio de ser seu companheiro, iria deixá-la levá-lo ao redor de seu pênis muito feliz, amando cada momento de fazer as coisas para o prazer dela, que a fizesse feliz. Sua felicidade também era dele, tornando-se seu prazer, literalmente, para dar a ela tudo que precisasse. É assim que deve ser, como deve ser o acasalamento. Finalmente, ele entendeu Rafe e Noah, entendeu o completo êxtase de ter uma companheira. Ele só podia imaginar como seria se Faith na verdade, se vinculasse a ele. Iria sentir-se como o bastardo mais sortudo do mundo. Gavin tomou banho e vestiu-se casualmente em um par de jeans e uma camiseta. Passou pelo quarto de Faith, o seu quarto, em seu caminho para baixo. Pelo menos ele tinha o conforto de saber que ela estava dormindo em seu quarto, sua cama. Seu pênis pulsava dolorosamente, pensando nela rolando nua em sua cama. Ok, talvez não fosse um conforto, mas dava-lhe certa satisfação masculina. Ele a ouviu antes de vê-la. Havia música tocando na sala de estar e ela estava cantando junto com a música. Realmente, era muito adorável, e o sorriso de Gavin ampliou, até que percebeu exatamente o que ela estava cantando. Música de Natal! Porra! Não! Deck The Halls2! Seu estômago revirou e seu rosto transformou-se em pedra quando sentiu o cheiro de pinho. Fa la la la la la la la la. Gavin caminhou imediatamente para o aparelho de som, apertou o botão para parar a música irritante, batendo no botão muito mais forte do que o necessário. "Gavin? Você está bem? Acordei-o?" Sua voz era suave, reconfortante.

2

https://www.youtube.com/watch?v=zyIqaw1lycY

32


Ele olhou para sua companheira, levando-se em seu suéter festivo e chapéu de Papai Noel. E, em seguida, viu a árvore. Ela era um monstro, pelo menos, oito metros, metade decorada com bolas coloridas, quase todas em um vermelho medonho e verde. "Queria fazer uma surpresa. Eu amo o Natal e notei que não teve tempo para decorar." Sua voz era hesitante, obviamente, não sabia o que fazer por seu comportamento. Ele não podia ajudar a si mesmo. "Eu odeio o Natal. Odeio vermelho e verde. Odeio o cheiro de pinho, Árvores de Natal e música de Natal. Desprezo pão de gengibre e biscoitos de Natal." Ele deu uma profunda respiração, o rosto vermelho de raiva. "Não gosto da maneira como as pessoas mal-intencionadas agem alegres durante um mês fora do ano, e, em seguida, voltam a ser idiotas depois de primeiro de janeiro." Ele hesitou antes de acrescentar com veemência. "E eu detesto o Papai Noel." Gavin estava respirando com dificuldade, com o peito arfando de emoção. Levantou a cabeça, seu olhar observando sua companheira. Podia sentir seu horror, via isso em seu rosto, o olhar em seus olhos. Assim como Lena. Era a mesma expressão que tinha visto há vinte anos em sua companheira escolhida, só que desta vez, em vez da pontada de decepção que ele tinha experimentado quando Lena o tinha rejeitado, ele estava totalmente destruído por ver o mesmo olhar no rosto amado de Faith. Sacudiu a cabeça, incapaz de olhá-la. Ela me odeia agora! Gavin foi catapultado de volta no tempo, vinte anos no passado, para o quarto de Lena, onde dolorosamente quebrou a conexão de acasalamento, enquanto Lena dormia. Seu quarto estava decorado com toda imaginável decoração de Natal e ele tinha lutado com os fogos do inferno, o cheiro de pinho em torno dele. Tantas vezes que ele iria ouvir o som do tilintar de sinos e música de Natal carrilando a hora do Natal em seu relógio. Ele não sabia quantas vezes tinha ouvido a música, quantas horas haviam se passado, perdendo a noção do tempo quando o fogo devorou seu corpo e alma, queimando-o vivo.

33


Quando acabou, tinha tropeçado através da casa, sabendo que tinha de escapar antes que sua presença fosse descoberta e o sol começasse a subir. Mas deixar não tinha sido fácil, ele tinha sido incapaz de usar sua magia, devido à hora perto da madrugada e sua condição esgotada. Sua única opção tinha sido arrastar-se para fora da casa a pé, cada passo agoniado, cada movimento uma tortura. Natal era um tormento e odiava cada única coisa que lembrava aquela noite a vinte anos. "Gavin. Você está bem?" A voz de Faith estava preocupada. Agitada. Não! Ele não estava bem. Nunca iria ficar bem. Depois de ver o olhar no rosto de Faith, saber o que ele teria que percorrer para quebrar a ligação de acasalamento com ela, ele nunca iria sobreviver. "Gavin, está me assustando. Por favor, fale comigo." Ele não conseguia olhá-la, não conseguia falar com ela. Gavin sentiu como se seu coração tivesse sido cortado do peito e arrancado com força de seu corpo, deixando-o cru e sangrando. Suas pernas cederam, obrigando-o a sentar-se no sofá. Fechou os olhos e permitiu que sua cabeça descansasse contra o encosto do sofá. O cheiro de pinho, a árvore, a música tinha provocado tantas memórias dolorosas. Mas, reviver os momentos mais dolorosos de sua vida não era nada comparado a ver a expressão no rosto de Faith, a percepção de que ele ia perdê-la. Inferno, quebrar a conexão com Lena pareceria uma cadela comparada à perda de Faith. Faith é a minha verdadeira companheira, a mulher que deveria ter sido escolhida para mim. Lena foi um erro, magia shifter errada. Seu lobo uivava de acordo, um uivo estridente horrível de desespero que ecoava na alma de Gavin.

34


Faith se ajoelhou aos pés de Gavin, sentindo-se impotente. Seu rosto parecia devastado, e a dor que ela viu foi como garras para ela. Colocando a mão suavemente em sua coxa, fechou os olhos, concentrando-se em penetrar seus pensamentos. Gavin já havia trabalhado em ajudá-la a se conectar, compartilhar pensamentos com ela. Talvez fosse intrusivo quando ele estava obviamente chateado, mas estava desesperada para ajudá-lo, facilitar o seu desconforto. Não tinha certeza se era causada pelo instinto de acasalamento ou o fato de que tinha a cabeça caída sobre os saltos do amor com o belo lobisomem, mas não dava à mínima. Algo estava errado e precisava ajudá-lo. Ela estremeceu quando rompeu a barreira, aprofundou-se em seus pensamentos e memórias. Bombardeada, ela focou, filtrando através de mais de 300 anos de memórias, concentrando-se apenas nos últimos minutos. Faith se conectou, estremecendo e sacudindo quando viu cada lembrança, cada pensamento que Gavin tinha experimentado nos últimos minutos... e então ela chorou. Oh Deus, como Gavin tinha sofrido, como ele ainda sofria. Tudo por causa de alguma cadela fracote que não tinha sido capaz de lidar com o que ele era, quem ele era. Tirando os óculos, colocou-os na mesa de café. Sua testa encostada no joelho, ela chorou abertamente, chorou a dor que sabia que Gavin nunca faria.

35


Ele acha que o estou rejeitando. Que ele tem que passar por esse pesadelo novamente. Sentiu Gavin peneirar a grande mão em seu cabelo, confortando-a silenciosamente. Consolando-a, quando ela estava chorando por sua dor. Ela ergueu a cabeça, limpando as lágrimas do rosto. Rastejando para cima de seu corpo, sentou-se em seu colo, colocou os braços em seus ombros e enterrou o rosto em seu pescoço. "Eu sinto muito, Gavin." "Por quê? Não é sua culpa que a merda do Natal me deixa louco." Sua voz era rouca e cheia de tristeza. Seus braços se apertaram ao redor de sua cintura, puxando-a para mais perto. Incapaz de se conter, ela deixou escapar: "Acasale comigo, Gavin. Vincule-se a mim." "Você me quer? Mesmo depois que o Natal é uma aberração?" Perguntou com urgência, puxando sua cabeça para trás para olhar para ela. Ela havia descartado os óculos, mas ainda podia ver a intensidade queimar em seus olhos, o desejo de seu rosto lindo. "Eu te amo, Gavin. Você pode me ler. Como pode não saber?" Ela respondeu honestamente. "Não tentei ler suas emoções sobre mim. Talvez eu não quisesse saber." Sua voz era áspera como cascalho. "Acho que pensei que enquanto não soubesse, havia esperança." Faith se perguntou como no mundo Gavin poderia pensar que ela não poderia amá-lo. Tinham passado longas horas juntos, o seu desejo de ajudá-la com sua tese totalmente verdadeiro. Ele havia deixado se intrometer, analisar e recolher amostras de seu lobo sem reclamar. Ela fez-lhe perguntas intermináveis, ambos sobre o comportamento do lobo e sobre shifter, que ele sempre respondia com paciência, dando o seu próprio tempo livre apenas para ajudá-la. Gavin era gentil, inteligente, sexy, lindo e tinha o corpo mais quente em cinquenta estados. Em resumo... o espécime perfeito de masculinidade. Uma mulher teria que ser louca para não querê-lo. E ela definitivamente não era louca. Seu corpo começou a tremer e ele descansou sua testa contra o ombro. "O espécime perfeito de masculinidade?" Ele riu contra a grossa malha do suéter. "Você não acha que está 36


aumentando um pouco, querida? Não sou tão paciente e ajudei-a, porque não consigo ficar longe de você. Foi puramente egoísmo." Ela sorriu, sabendo que ele estava subestimando seus bens. "Eu percebi que você não discutiu sobre o corpo quente que pensei." Ele levantou a cabeça e deu de ombros. "Se você acha isso, por que eu iria discutir?" Lançou-lhe um sorriso de lobo. "Eu sinto muito sobre o passado, Gavin. Sinto muito que perdeu a sua companheira." Ela acariciou o cabelo da sua testa, seu coração ainda dolorido pelo que ele tinha passado. "Eu não. A conexão nunca esteve certa. Soube assim que te conheci. Se você me quiser, a dor de ter quebrado a conexão de acasalamento antes de tudo vai valer a pena. Você vale à pena." Ele resmungou, seus olhos brilhando como fogo. Faith tremeu, a ferocidade de seu olhar, o calor nos olhos, fazendo com que todo o seu corpo se inundasse com a necessidade. "Acasale comigo, Gavin. Preciso de você." Faith podia sentir seu desejo bater nela, fundindo-se com o dela. Os dois combinados a teria trazido de joelhos se tivesse estado de pé. A mão de Gavin serpenteou em volta do pescoço, puxando a boca para encontrar a sua. No momento em que seus lábios se tocaram, Faith foi consumida, perdida em uma piscina de fogo e luxúria que não poderia mais ser negada. Agarrando sua camisa, ela tentou puxá-lo mais perto, abrangendo-lhe, sem mover a boca da dele. Sua boca exigia aprofundar sua língua profundamente de novo e de novo, e ela respondeu-lhe, encontrando suas estocadas, gemendo enquanto seus dedos espetavam em seu cabelo sedoso, a textura macia e despertando embaixo das pontas dos dedos. Ela apertou seu núcleo contra ele, sentindo sua excitação dura e quente, choramingando por sentir o pesado pau inchado dentro dela, enchendo-a. Seus quadris ondulavam, imitando o ato sexual inconscientemente.

37


Gavin rasgou a boca dela, o peito arfando. "Eu preciso de você nua, preciso senti-la com nada entre nós." Ele rosnou. Sim. Ah, sim. Puxou a camisa por cima da cabeça, enviando seu chapéu de Papai Noel voando de sua cabeça, de forma rápida e habilmente liberando os seios de seu sutiã. Roupas voaram, pois ambos despojavam um ao outro em um frenesi, chegando aos seus pés para sair de suas roupas mais rápido. Quando ambos estavam nus, Faith olhou para o homem com admiração, era de cair o queixo. Seu pênis era enorme, maior e mais grosso do que tinha imaginado. Gavin era todo esculpido por músculos, perfeitamente formado. Esqueça os cinquenta estados! Gavin era o cara mais quente em todo o planeta. Ela estendeu a mão para tocar seu pênis incrível, tinha água na boca para saboreá-lo. Ondulando sua mão em torno de sua vara, ela lentamente acariciou a pele aveludada, caindo de joelhos para provar o líquido pré-seminal que cobria a cabeça. O gosto dele era como um afrodisíaco, aumentando a sua necessidade. Sua boca se fechou sobre ele, saboreando seu gosto, o cheiro de seu desejo desenfreado. A mão de Gavin segurou seu cabelo enquanto gemia. "Sua boca está me deixando louco, mas não aguento isso." Ele ficou de joelhos, fazendo-a gritar por ter sido privada de seu belo pau. Ele levantou, gentilmente colocando-a em suas costas, e trazendo seu corpo masculino quente sobre o dela. "Isso pode ficar duro. Posso cheirar sua necessidade e isto está me fazendo perder o maldito controle que tenho." Assobiou quando sua pele ligou, esfregando seu corpo contra o dela possessivamente, marcando-a com seu perfume. "Preciso te foder duro, até que eu saiba que você é minha." Sua voz estava torturada. "Preciso marcá-la, dominá-la, afogar-me em seu cheiro, o seu gosto, chafurdar no seu cheiro. Você ainda consente em ser minha companheira?" Oh inferno, sim. Apenas suas palavras inundavam sua boceta, deixavam seus mamilos duros e tão sensíveis que o menor escovar de seu peito contra eles quase a fez gritar.

38


"Sim. Por favor." As palavras dela saíram como um gemido, seu corpo se debatendo sob o seu. "Você pode fazer isso aqui, com a árvore e o cheiro de pinho?" Por favor, por favor, diga que sim. Não quero me mover. "Eu não posso sentir nada, apenas você." Sua resposta era rouca, apaixonada. Faith gemeu quando a boca fechou sobre a dela, devorando-a. A sensação de sua pele nua quente contra a dela, sua língua conquistando sua boca, inclinando-a para a sua vontade a estava deixando louca. Ele havia deixado seu Alpha tomar o controle e ela se revolvia nele. Gavin agarrou-lhe os pulsos com força ao lado de sua cabeça e conteve-a. Ela puxou contra ele, desesperada para tocá-lo, mas ele continuava a possuir sua boca, seu poderoso corpo segurando-a como prisioneira debaixo dele. Sacudiu a boca da dela, ofegante, seu hálito quente subindo ao longo de sua orelha. Ele enfiou as mãos sobre a cabeça, segurando os dois pulsos com uma de suas enormes mãos. A ação fez arquear as costas um pouco, empurrar os seios para cima, seus mamilos ultrassensíveis raspando contra os duros músculos de seu peito. A sensação foi parte agonia parte êxtase. "Você precisa gozar." Ele resmungou quando sua mão escorregou entre seus corpos, arrastando lentamente para baixo de sua barriga e entre as coxas. "Abra-se para mim." Sua mão agarrou uma de suas coxas, abrindo mais as pernas. Seus dedos acariciavam quando ele moveu a mão sobre a pele sensível da parte interna da coxa, os curtos cabelos de seu monte. Todo o corpo de Faith tremia enquanto se debatia contra ele, desesperada para senti-lo onde precisava mais dele. "Por favor, Gavin. Preciso de você." "Eu quero que você precise de mim. Quero que seja louca para me ter. Louca quando eu te foder." Seus dedos brincaram, mergulhando em suas profundezas quentes, acariciando a carne saturada, abrindo suas dobras, mas apenas circulando seu clitóris palpitante. "Oh, Deus. Gavin. Por favor." Ela não aguentava mais. Seu corpo estava em chamas, pronto para autocombustão. Sua boca mordiscou o lóbulo da orelha, seu hálito quente contra o lado de seu pescoço. 39


"Você está tão quente, tão molhada, tão pronta para ser fodida." Ele sussurrou asperamente em seu ouvido antes de passar a sua língua em seu pescoço, lambendo a pele macia no lado do pescoço dela com a língua faminta. Dois dedos espetaram em seu canal apertado, fazendo-a gritar com angústia. "Por favor. Foda-me." Sua cabeça rolando de um lado para o outro, tudo em que Faith podia pensar era no pau duro de Gavin dentro dela, transando com ela sem sentido até que explodisse. "Tão fodidamente apertada. Tão perfeita." Gavin rosnou, empurrando seus dedos em seu canal de novo e de novo, alongando-a. Não é suficiente. Não é suficiente. Mais. Faith necessitava do clímax tão mal que os olhos estavam embaçados e todo o seu corpo em agonia. Sabia que Gavin precisava controlar este acasalamento, mas não tinha certeza de que iria viver com isso. Felizmente, finalmente, seus dedos suavemente saíram de sua caverna dolorida, deslizando com facilidade através de sua lisa carne, até que as pontas dos dedos vagaram sobre o clitóris pulsando. Quando ele começou, não mostrou misericórdia, seus dedos estimulando, trabalhando pela raiz furiosamente. Faith gritou de alívio, o atrito áspero escorregadio direcionado exatamente para onde ela queria, precisava dele. "Goze para mim. Goze para mim agora." Gavin ordenou, sua voz grossa e exigente. "Eu quero assistir minha mulher tomar seu prazer." Como se ela tivesse uma escolha? Cada nervo em seu corpo estava estimulado, agitado. Seus quadris se levantaram e seu pescoço arqueou quando sua boceta apertou. Seu clímax rolou em seus sentidos com uma intensidade que a fez gemer o nome de Gavin mais e mais quando seu corpo inteiro ficou em chamas. Ela estava sem fôlego, mas nunca teve a chance de se recuperar antes que Gavin estivesse nela, seu enorme pau preparado em sua entrada apertada. Ele soltou as mãos e apalpou seu pênis. 40


"Minha!" Ele parecia angustiado, sua respiração irregular e difícil. Sim. Sua. Sempre sua. "Diga-me que você me quer. Que precisa de mim." Eu preciso de você. Desesperadamente. Loucamente. Foda-me, Gavin. Por favor. Faith era incapaz de formar as palavras, mas sabia que ele podia ouvir seus pensamentos. Envolvendo os braços em torno de suas costas, desesperada por seu acoplamento, ela gemeu quando ele mergulhou seu pênis duro como pedra dentro dela, enchendo seu canal, estirando-a à capacidade. Ele saiu e a encheu novamente, seus olhos selvagens e indomáveis. Tomou-a com um poder e uma força que a deixou cega, seu pênis esmurrando-a mais e mais, uma e outra vez. Envolveu suas pernas ao redor de sua cintura, encontrando seus golpes violentos, batendo sua pele juntamente com urgência audível. Oprimida por instinto carnal puro, ela afundou os dentes em seu ombro, cravou as unhas em suas costas. "Meu." Sua mente gritou. "Ah... porra, sim." Ele gemeu quando bateu em sua forma mais completa, empurrando mais forte, mais rápido. "Tome-me como seu, bebê." Gavin martelava em seu canal, mostrando a Faith nenhuma piedade, e ela não queria. Ele estava selvagem, frenético e fora de controle, as emoções transbordando em sua alma, fazendo-a experimentar o mesmo desejo maníaco que se misturava com o seu próprio. Sua boca cobriu a dela, dominando-a com golpes frenéticos de sua língua e seu pênis até que ela estava quase em convulsão embaixo dele, sacudindo a partir da intensidade de sua união. Faith sentiu o orgasmo, apertando em seu intestino e inflamando seu corpo em chamas. Gavin enfiou as mãos em seu corpo, apalpando a bunda dela. Ele a puxou, movendo contra sua vagina com cada golpe furioso de seu pênis. Dobrando seus quadris, ele mergulhou mais fundo, mais rápido, estimulando o clitóris com cada entrada batendo. 41


Ele afastou a boca da dela. "Minha!" Sua voz era possessiva, feral, pura. O clímax de Faith rasgou seu corpo com tanta força que ela gritou, tremendo quando seu canal convulsionava em contrações profundas que abalavam todo o seu corpo. Os dentes de Gavin afundaram em seu ombro, liberando outro dilúvio de êxtase erótico. Ela gemeu quando o prazer consumiu-a, sentindo os fios minúsculos que ligavam os dois juntos, quando ele a marcou como sua, reclamou-a. Puxando sua boca escaldante do ombro, ele soltou um longo gemido baixo quando seu canal flexionou desencadeando o orgasmo. Enterrou seu pênis dentro dela, estremecendo quando atirou sua libertação quente em seu ventre. Ele rolou, trocando as posições, seu pênis ainda enterrado dentro dela. Ela deitada sobre seu peito, ofegando para respirar, seu coração acelerado, batendo no tempo com Gavin. "Porra! Porra!" Ele murmurou, passando os braços protetoramente ao redor dela. Faith sabia exatamente o que ele estava tentando dizer, mas não conseguia pronunciar as palavras. Ela enfiou as mãos através de seu cabelo, a cabeleira loura úmida de suor, quanto seus corpos. Descansando a cabeça em seu ombro, suspirou. Será que vai ser sempre assim? Ela mandou o pensamento para ele, sua respiração ainda não recuperada. "Eu espero que sim. Isso pode me matar, mas vou morrer malditamente feliz." Ele disse em voz alta, com a voz baixa e rouca. Ele acariciava suas costas com uma mão e seu cabelo com outro. "Obrigado por ser minha companheira. Prometo que vou ter certeza de que você nunca se arrependa. Vou te amar todos os dias, todos os momentos para o resto da minha existência na terra. Você nunca vai querer mais nada." Faith sorriu contra seu ombro. "Tudo que quero é você, Gavin. Eu te amo." Ter o amor de seu lobisomem era mais do que suficiente. E desde que ele era imortal e agora, como sua companheira, assim ela era, seria provavelmente um monte de amor.

42


Ela virou a cabeça, olhando tristemente para a metade da árvore decorada. Ela amava o Natal, mas amava Gavin mais. Se tivesse que desistir de celebrar a época para a sanidade de Gavin, faria isso num piscar de olhos. "Vou ajudá-la a terminar a árvore. E acho que nós devemos ir às compras de Natal. Faça biscoitos de Natal. Ligue a música de Natal." Ele esfregou seu rosto contra seu cabelo e suspirou satisfeito. "Gavin... não. Isso o perturba. Posso passar sem isso." Faith respondeu rapidamente, com a voz em pânico. Ele colocou uma mão em cada lado do rosto dela, forçando-a a olhar para ele. Faith derreteu quando encontrou seu olhar, seus ferozes olhos azuis cheios de amor e adoração. "Eu tenho muito que comemorar e bebê... de repente eu amo o Natal." "Não há mais lembranças ruins?" Perguntou-lhe hesitante. Ele balançou a cabeça enfaticamente. "Nenhuma. Tenho a sensação de que a partir de agora o cheiro de pinho vai fazer o meu pau duro e vou encontrar as cores vermelho e verde altamente excitante. Você substituiu essas memórias com memórias mais fortes. Memórias mais excitantes." Ele sorriu, um perverso, sorriso malicioso que fez seus mamilos endurecerem e seu coração fazer flip flop. Faith mordeu o lábio, tentando não sorrir. Realmente, seu companheiro shifter era impertinente. Muito, muito impertinente. "Isso significa que eu estou recebendo carvão na minha meia este ano?" Ele riu, enquanto seus braços se apertaram ao redor dela, puxando-a perto o suficiente para sentir seu coração batendo contra o peito. Seu pênis, ainda embalado dentro do canal dela, estava inchando com velocidade surpreendente. "Lobisomem, você pode ter o que quiser, se colocar em ação alguns desses pensamentos eróticos que está tendo agora." Faith sussurrou sedutoramente, as imagens sensuais piscando em sua cabeça. Os pensamentos de Gavin. Fantasias de Gavin. 43


"Prepare-se para a ação mulher." Ele disse em uma voz rouca. Ela o tinha chamado de lobisomem, mas ele não a corrigiu com sua arrogância habitual. Rolou, prendendo-a sob ele, tomando sua boca com uma dominância de tirar o fôlego e desejo desenfreado. Você pode me chamar de qualquer coisa que quiser, desde que eu possa chamá-la de minha. Ele empurrou o pensamento em sua mente quando sua língua explorou completamente a sua boca, arrebatando seus sentidos. Ele sempre poderia chamá-la de sua, e ele seria sempre dela. O coração de Faith explodiu de alegria. Quem sabia que a época de Natal que tinha começado tão desesperada iria acabar fazendo dela a mulher mais feliz no mundo? Quando o calor do seu abraço cresceu, mais quente, mais selvagem, Gavin respondeu. Idem, meu amor. Tudo por causa de você. Eu te amo, Faith. Você é o meu milagre de Natal. Faith colocou os braços ao redor dele, colocando cada grama do amor que sentia por ele em seu beijo, tentando lhe mostrar exatamente o quanto o seu presente de amor significava para ela. Duas pessoas que estavam destinados a ficar juntas, cada um pensando em ter um feriado muito deprimente, encontrar o outro apenas quando precisavam desesperadamente de amor. É realmente um milagre de Natal. Faith murmurou na mente de Gavin, ficando cada vez mais perdida em sua sedução sedutora. Ho Ho Ho! A profunda e alegre gargalhada soou alto na cabeça de Faith, momentaneamente, surpreendendo-a. Papai Noel? Bem... que diabos! Ela tinha aprendido a acreditar em magia. O que era tão diferente acreditar em Papai Noel e magia de Natal, acreditando que o próprio Papai Noel tinha arranjado o encontro com Gavin, concedendo-lhe o desejo desesperado de Natal?

44


Obrigada, Papai Noel. Este vai ser o melhor Natal de sempre, ela sussurrou em sua mente, quase com a certeza de que ouviu uma risada em resposta, antes de perder completamente a si mesma para Gavin. E, n達o surpreendentemente, o Natal foi definitivamente o melhor!

FIM

Acesse meu blog: http://angellicas.blogspot.com

45

Série encontros shifter 03 tudo o que eu quero para o natal em um lobisomen  
Série encontros shifter 03 tudo o que eu quero para o natal em um lobisomen  
Advertisement