Issuu on Google+

Parte integrante do Diário do Grande ABC – Não pode ser vendida separadamente

SEGUNDA-FEIRA, 12 DE MAIO DE 2014


2.Seu Negócio

SEGUNDA-FEIRA, 12 DE MAIO DE 2014

Histórico do franqueador é fundamental na decisão

Empresário de Santo André avaliou durante seis meses condições para adquirir unidade Marina Brandão

Ousadia para encarar novo nicho de atuação profissional foi o que impulsionou o empresário do segmento químico José Manoel Gonçalves Filho, de Santo André, a apostar em nova área de atuação, tornando-se franqueado do mercado da decoração no Grande ABC. Há 11 anos, Filho adquiriu franquia da loja de móveis Florense, em Santo André, e a partir daquele momento passou a se dedicar à busca de conhecimentos sobre o mercado que não tinha experiência. “Eu e minha família resolvemos diversificar os nossos negócios e, através das dicas de um amigo sobre a seriedade da empresa e do franqueador, resolvemos apostar. Foram muitos meses buscando informações para saber se iria valer a pena”, diz Filho. Do momento da tomada de decisão até a concretização do negócio foram seis meses de estudos para entender do trabalho e do produto que iria oferecer aos clientes. “Por di-

Fundadores Edson Danillo Dotto (1934-1997), Maury de Campos Dotto, Fausto Polesi (1930-2011) e Angelo Puga Diretor-presidente Ronan Maria Pinto Diretor-superintendente Maury de Campos Dotto

FOCO. José Manoel Gonçalves Filho e Eliana Gonçalves miram pós-venda versas vezes fui até a fábrica da Florense para ver como eles produzem os móveis, como é a política de relacionamento com o cliente e o processo de abertura de uma loja. Não é algo simples, mas se temos um franqueador que dá o suporte necessário para o franqueado fica mais seguro de entrar para o grupo. Foi exatamente essa sensação que tivemos ao perceber que teríamos o suporte dos criado-

res da marca”, salienta o empresário. Os 20 anos trabalhando em empresa multinacional ajudaram Filho a trilhar o caminho para melhor gerir a empresa, com disciplina e preparo dos funcionários, a fim de ter o diferencial na atenção com o cliente. “Precisamos saber lidar com a empresa. Não é porque sou proprietário de uma franquia que tem um histórico só-

Diretor de Redação Sérgio Vieira

Revisão Francisco Lacerda

Coordenação de Marketing Claudia M. R. Zeber Josiana Abrão

Editor de Arte Eder Marini

Suplemento especial Seu Negócio

Editor de Fotografia Ari Paleta Diagramação Raul Silva

Diretora-geral Lidiane Fernandes Pinto Soares

Edição Kelly Zucatelli

Banco de Dados Cecilia Del Gesso

Diretor Evenson Robles Dotto

Textos Kelly Zucatelli

Ilustração Capa Seri

lido de mercado que a faz ter sucesso que isso vai significar que também terei sucesso. Precisamos ter muito claro quanto aquilo dará de rendimentos, despesas e controle dos números. Toda essa atenção refletirá no cliente em forma de atendimento diferenciado e satisfação, o que consolida ainda mais o nome da Florense”, detalha. Entre as vantagens de ser um franqueado apontadas pelo empreendedor, estão a garantia de cinco anos em todos os produtos que são faturados diretamente da fábrica. Quanto ao diferencial de cada unidade de showroom, Filho acredita que é necessário controlar todas as frentes. “Eu e minha família nos preocupamos muito, principalmente com o pós-venda. Precisamos ter essa atenção forte com o cliente. Por isso que antes de tudo é muito importante conhecer a fundo o negócio para ter a devida segurança para o sucesso do empresário e consequentemente do cliente”, conclui.

Tratamento de Imagens Joseval Santos Studio Denise Arashiro, Felipe Vaz e Mauro Lotto Paginação de Anúncios Eduardo Pinheiro Gerente Comercial André Mendes Ferreira Departamento Comercial Adriano Mendes da Silva, André Morais, André Borin, Caroline Martinez, Everton Amauri, Jardel Sousa, Jorge de Oliveira, Luciana Lima da Silva, Marcia Maritan e Thaisa Leão.

Sede: Rua Catequese, 562, Santo André, São Paulo- CEP 09090-900 Telefone PABX 4435-8100 - São Paulo: Rua Vergueiro, 3.153, 8º andar - sala 84 - Vila Mariana -Tel.: 5084-4575

Andréa Iseki

Nas feiras de franquias costumam oferecer mundos e fundos para conquistar o franqueado. Não é aconselhável entrar na primeira marca que encontrar. Sempre que trabalhamos as informações com os empresários, muitos ficam em dúvida em vários pontos. A partir do momento que a pessoa decidiu ter uma franquia é necessário buscar informações e orientações sobre o produto e a empresa, pois não basta somente cobrar os custos da marca. Para saber o grau de satisfação ou não do franqueado, geralmente conversamos com pessoas que adquiriram o negócio há mais de dois anos e menos desse tempo. É importante fazer uma pesquisa para conhecer a estrutura e o quanto de barganha irá conseguir para montar a franquia. Uma outra reflexão foca se o setor da decoração está apto para atender, principalmente, a classe C – a maior do País –, uma vez que o mercado imobiliário cresce a cada dia no Grande ABC. LEANDRO REALE PEREZ é consultor no Escritório Regional do Grande ABC, especialista em franquias e marketing.


SEGUNDA-FEIRA, 12 DE MAIO DE 2014

Seu Neg贸cio

.3


4.Seu Negócio DEZ DICAS TER INICIATIVA: O empreendedor deve assumir uma postura de líder, buscando soluções e estando sempre atento aos movimentos do mercado, dos clientes e também dos concorrentes;

1

TER PERSISTÊNCIA: Estar motivado, consciente e crente com as possibilidades é essencial ao empreendedor, afinal, são seus sonhos que estão representados na empresa;

2

COMPROMETIMENTO: É imprescindível que algumas vezes sejam feitos sacrifícios pessoais e que grandes esforços sejam dispendidos para o cumprimento de uma tarefa, ainda que ela seja de responsabilidade da equipe;

3

CORRER RISCOS CALCULADOS: O empreendedor de sucesso deve aceitar os riscos, porém deve saber onde pisa e até onde pode ir;

4

EXIGIR QUALIDADE E EFICIÊNCIA: O empreendedor não pode estar disposto a oferecer qualquer tipo de produto ou serviço para o cliente e essa postura ele deve cobrar também dos colaboradores;

5

BUSCA DE INFORMAÇÕES: O empreendedor deve dedicar-se pessoalmente a obter informações sobre clientes, concorrentes e até mesmo sobre como fabricar um produto ou fornecer um serviço;

6

ESTABELECIMENTO DE METAS: É preciso estabelecer metas e objetivos que são desafiantes e que têm significado pessoal. Além disso, é necessário mensurar, depois, os resultados;

7

PLANEJAMENTO E MONITORAMENTO SISTEMÁTICO: O empreendedor deve planejar e revisar constantemente o que foi definido, levando em conta os resultados obtidos, as mudanças circunstanciais e os registros financeiros;

8

REDE DE CONTATOS: Frequentar eventos em que estão pessoas diretamente ligadas ao seu setor é muito oportuno para desenvolver e manter relações comerciais;

9

INDEPENDÊNCIA E AUTOCONFIANÇA: O empreendedor precisa acreditar em si mesmo, pois é isso o que o fará arriscar mais, ousar mais e empreender mais. No entanto, ele deve estar sempre aberto a ouvir a opinião dos colaboradores.

10

Fonte: Sebrae

SEGUNDA-FEIRA, 12 DE MAIO DE 2014

Descentralizar tarefas é essencial na gestão de grandes escritórios Maximira Durigan cuida do contato com o cliente e projetos; sua equipe ajuda na condução das obras

Marina Brandão

Nos dias de hoje não basta dizer que tem o recurso financeiro necessário para investir em determinado segmento. O empreendedor precisa oferecer bom produto, serviço de qualidade e atendimento personalizado para o cliente. Mas, antes de atingir esses parâmetros, deve adequar sua estrutura de gestão e espaço ao crescimento do seu negócio. No ramo da decoração e construção civil, descentralizar as atividades e delegar funções no escritório podem representar sucesso e consolidação dentro desse mercado. Nos primeiros anos de carreira, a designer de interiores Maximira Durigan, de Santo André, buscou essa linha de atuação logo que percebeu que não conseguiria tomar conta de tudo sozinha. “Senti que precisava de mais estrutura para solidificar a confiança e o bom relacionamento com os fornecedores e prestadores de serviço, e que isso resultasse na satisfação dos clientes”, salienta. A designer, que está no ramo há 22 anos, lembra que no início da carreira trabalhou por muito tempo sozinha, tendo que se dividir entre a elaboração dos projetos, o contato direto com o cliente e a administração do pequeno escritório, que na época contava apenas com uma secretária e uma arquiteta.

SOLIDEZ. Design de interiores atua há 22 anos no segmento Com o tempo, a decoradora percebeu que esse modo de gestão precisava ser modificado e começou as alterações pela divisão de funções. “Faço questão de elaborar o croqui dos projetos e fazer a primeira reunião com o cliente para me apresentar. Ajuda muito a entendermos o que a pessoa espera do trabalho. Tenho também uma pessoa para cuidar da parte administrativa e arquitetos que me ajudam no dia a dia de cada obra.” A designer reforça que ter uma equipe consolidada e com tempo de casa ajuda muito, pois os colaboradores conhecem bem o modo como as coisas funcionam. “Tenho profissionais que trabalham

comigo há mais de cinco anos. Esse é um ponto importante, pois a pessoa me conhecendo, ela sabe claramente como eu gosto que o trabalho seja feito. Sabe filtrar muitas coisas e, consequentemente, colabora na resolução dos problemas que aparecem”, detalha. Outro ponto ressaltado por ela é o investimento em tecnologias. “É importante ter computadores modernos para agilizar as atividades, mas também é necessário ter boas tecnologias nas matérias-primas que oferecemos ao cliente. Precisamos nos atualizar, usar novas tendências e ver isso com os olhos de praticidade”, conclui a profissional.

Claudinei Plaza

Logo que ingressam em um negócio e durante uma longa fase do crescimento das vendas, empresárias (os) direcionam suas atenções para a realização da maior parte das tarefas operacionais. Com isso, terminam cuidando pouco da parte estratégica da empresa. Nesse processo de crescimento do negócio e ampliação das vendas é fundamental que o empreendedor consiga estruturar os processos e procedimentos, principalmente no que se refere à montagem da equipe. Tal planejamento proporcionará o desenvolvimento da visão gerencial do negócio, ou seja,facilitará a observação do que acontece no mercado da porta para fora (clientes, concorrentes, fornecedores e economia). Uma simples e excelente dica de gestão é dividir a empresa em quatro áreas: comercial, financeira, pessoas e operações. Esses são itens fundamentais para o sucesso, equilíbrio e competência de uma organização. Fábio Costa é consultor do escritório regional do Sebrae no Grande ABC, especialista em planejamento estratégico.


SEGUNDA-FEIRA, 12 DE MAIO DE 2014

Seu Neg贸cio

.5


6.Seu Negócio

SEGUNDA-FEIRA, 12 DE MAIO DE 2014

Autonomia para trabalhar sozinho tranquiliza MEI no negócio Cenógrafo viu oportunidade na decoração após ser requisitado para ajudar em projetos

Trabalhar sozinho não é problema para o cenógrafo Fábio Galluzzi, de Santo André, que optou pelo microempreendedorismo individual para ir em busca do sucesso dentro do mercado da arquitetura e decoração. Sua função é ajudar os arquitetos e decoradores a dar o toque final na casa ou no escritório, oferecendo ideias para montar mesas de canto, com vasos, arranjos de flores naturais ou artificiais, peças pequenas e tudo que tenha sintonia com o ambiente e agregue valor de acordo com o gosto do cliente. “Converso muito com quem assina o projeto, pois o

segredo do meu trabalho é respeitar o autor da proposta. Faço questão de ir às lojas em busca de peças diferenciadas. Preciso ter uma ideia muito exclusiva quando monto um arranjo de flores artificiais, por exemplo”, explica. A opção por trabalhar sozinho surgiu há cinco anos, quando Galluzzi se dedicava apenas a decoração de eventos. “Sempre gostei desse meio. Foi ele quem, naturalmente, me abriu as portas para o foco diferente de trabalhar com a decoração de casas e escritórios. Não tenho problemas em trabalhar sozinho. Uma secretária me auxilia com a agenda e algumas coisas administrativas e o restante eu mesmo cuido. Para ter uma boa gestão do negócio, temos que ter controle dos gastos. Não dá para pegar um cheque de valor alto e sair gastando”, detalha.

Andréa Iseki

GESTÃO. Fábio Galluzzi não se incomoda de cuidar sozinho das demandas

MEIs NO GRANDE ABC MEI (Microempreendedor Individual) Optantes Santo André São Bernardo São Caetano Diadema Mauá Ribeirão Pires Rio Grande

2.801

652

2.150

11.851 13.532 7.613 5.703

Total Geral

44.302

Microempreendedor individual

COMO SE INSCREVER

✓ A formalização pode ser feita no Portal do Empreendedor de forma gratuita, no campo FORMALIZE-SE ✓ Após o cadastramento do Microempreendedor Individual, o CNPJ e o número de inscrição na Junta Comercial são obtidos imediatamente, não sendo

necessário encaminhar nenhum documento à Junta Comercial ✓ Após a formalização, o empreendedor terá custo para a Previdência (R$ 36,20 por mês); para o Estado (R$ 1 fixo por mês, se a atividade for comércio ou indústria); para o Município (R$ 5 fixos por mês, se a atividade for prestação de serviços)

Mais informações: www.portaldoempreendedor.com.br Fonte: Portal do Empreendedor

Agostinho/Editoria de Arte

Maíla Barreto 7/3/2013

Conforme dados divulgados pela Rais – CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) Design e Decoração de Interiores e Atividades Paisagísticas, o Grande ABC teve entre 2008 e 2012 crescimento de 476% de empregos formais no setor. Em 2008 foram registrados nos sete municípios 74 empregos formais, frente a

386 vagas em 2012. O que chama a atenção é que o segmento já lidera o ranking junto a outras áreas que mais cresceram nos últimos quatro anos. Entre as razões que explicam tal aumento estão o crescimento imobiliário e a característica desta atividade não ser mais restrita às famílias de alto poder aquisitivo. Os números

apontam que em 22% dos estabelecimentos trabalha somente o proprietário, 68% têm até nove funcionários e só 10% têm mais de dez funcionários. O salário médio é de R$ 2.500. Leandro Prearo é economista e diretor do Inpes (Instituto de Pesquisas) da USCS (Universidade Municipal de São Caetano)

Andréa Iseki

Um dom, uma habilidade ou ter afinidade com alguma atividade pode ser o começo de uma grande empresa. Muitos empreendedores de sucesso identificaram a oportunidade de negócio que atendesse as necessidades e desejos do mercado consumidor que ainda não foram atendidas, ou reinventaram a forma de produzir ou oferecer o produto ou serviço. Outros empreendedores transformaram ideia em algo que facilitasse o dia a dia das pessoas. Ter como referência empresários de sucesso pode ser fonte de inspiração para sonhar, empreender e transformar. Experiências e circunstâncias tendem a proporcionar diversas possibilidades e ideias. E, para quem está iniciando sozinho uma atividade empresarial e quer formalizar o negócio, a opção é o microempreendedor individual, cujo faturamento anual da empresas não pode ultrapassar R$ 60 mil. Caio César Ito é consultor no Escritório Regional no Grande ABC, especialista em marketing.


Seu Negócio

SEGUNDA-FEIRA, 12 DE MAIO DE 2014

Andréa Iseki

Para inovar, as empresas do segmento moveleiro possuem setores específicos para desenvolvimento de novos produtos e processos, de matérias-primas e soluções em geral para os produtos já existentes, que tragam vantagens competitivas para seus clientes e benefícios para os usuários. Com os imóveis cada vez menores, atualmente temos móveis que podem ter mais de uma utilidade, seja com foco para ganho de área ou para duplicação de seu uso, por exemplo, estantes que se transformam em mesas ou camas, mesas de centro em mesas de jantar para quatro pessoas, e armários que viram sofás. A inovação também aparece nos detalhes, onde os móveis tornam – se, além de úteis para os usuários, verdadeiras peças de decoração. São atribuídos a eles iluminação, materiais rústicos, tecidos etc. O melhor de tudo é que os projetos em 3D permitem a visualização antes da industrialização, ou seja, risco zero de comprar produtos que não se adequem ao ambiente. Daniele Capoleti atua no escritório regional do Sebrae no Grande ABC e é especialista em processos de qualidade.

Produtos com toques artesanais se destacam nas escolhas para decoração Thelma aposta em aplicações e técnicas diferenciadas para inovar na produção de enxovais e cortinas Andréa Iseki

Decorar casa ou escritório com a cara do dono é desafio constante para os profissionais da arquitetura e decoração. A tarefa requer muita sensibilidade para que percebam exatamente o que tem a cara do cliente ou não, e que fique a seu gosto. Pensando nessa demanda de mercado, a empresária Thelma Sgarbi, da Casa Sgarbi Interiores, de Santo André, trabalha para inovar seus artigos com detalhes que possam conquistar cada vez mais. Há 25 anos, quando a família tinha uma loja que vendia cortinas no Centro de Santo André, Thelma já tinha a pretensão de fazer daquele produto não somente um tecido simples, vendido a larga escala. Ela queria colocar um detalhe a mais, como um pingente ou

OLHAR. Empresária usa da ousadia para conquistar clientes e profissionais um pegador diferente que chamasse atenção. Após a morte do pai, a empresária e o irmão decidiram separar as linhas de produção, ficando ela com a parte da empresa que cuida de produtos mais personalizados e artesanais. O diferencial do trabalho é

compreendido pela criação de almofadas com aplicações exclusivas, cortinas com mesclas de tecidos, conjuntos de cama e mesa com o nome do casal e da criança bordado, e também tapetes personalizados, por exemplo. “Lembro, que tinha uma loja pequena na Avenida Portu-

.7

gal (em Santo André) e lá era como um minilaboratório para as minhas ideias. “Muitas vezes estendi tecidos no chão para fazer testes com pinturas marmorizadas. Depois, montava a pequena vitrine de 1,5 m x 1,5 m com aquelas novidades e logo via que o público gostava”, detalha. Para colocar em prática a produção de peças que não são tão fáceis de se encontrar por aí, Thelma conta com uma equipe formada por costureiras que trabalham no grupo há mais de dez anos, funcionários administrativos e de criação, e empresas terceirizadas. Além de agenda de viagens para outros países para garimpar tendências. “As novidades que são apresentadas nas feiras me ajudam muito, mas tento sempre colocar um toque meu na hora de confeccionar cortinas, enxovais para crianças e adultos, almofadas e outras peças”, explica. O desafio de ser um empreendedor inovador, que foca o trabalho artesanal, pode consumir até quatro vezes mais o tempo para a produção de uma peça. “Tenho dez funcionários e junto com eles busco atender as expectativas dos clientes, cumprindo prazos e tendo transparência para conservar a credibilidade e sempre ter boas indicações. O empreendedor que busca atender um nicho de mercado tem que ser sempre criativo e gostar muito do segmento que escolheu”, frisa Thelma.

DIGITAL

Pacotes de conexão agilizam internet Escritórios contam com opções de alta velocidade compatíveis com programas utilizados A modernidade que cerca a elaboração de projetos, sejam eles de paisagismo, design de móveis ou de

casas e escritório, requer tecnologias de ponta, que atendam com agilidade a navegação por programas de desenhos, como o Auto CAD, que geralmente são pesados para carregar. Para atender essa exigência e proporcionar aos donos de escritórios de arquitetura condições adequadas de navegação, já existem pa-

cotes de conexão compatíveis com as variadas demadas de trabalho. “Esses profissionais (da decoração), sejam eles liberais ou empresas, já representam em média 30% dos nossos clientes. Geralmente são muito bem atendidos em seus ambientes com pacotes combos com velocidades de 30 a 60 mega nas má-

quinas. Sem contar com a possibilidade do wi-fi. Como (os profissionais) andam com tablets, notebooks e outras tecnologias, o sistema possibilita também que todos tenham uma conexão boa e independente em seus aparelhos durante uma reunião”, exemplifica o gerente de produtos e serviços da NET, Daniel Klinger.


8. Seu Neg贸cio

SEGUNDA-FEIRA, 12 DE MAIO DE 2014


Seu Negócio - Maio 2014