Page 6

Terça-Feira · 22 de Janeiro de 2013

Seu Valor

MAIS PRÁTICO, MAIS OBJETIVO

www.destakjornal.com.br

VIAGENS AÉREAS Empresas vão manter promoções de passagens neste ano

Procuraporvoos domésticossobe 6,79% DIVULGAÇÃO/INFRAERO

Empresas grandes foram as maiores beneficiadas; alta em dezembro foi de 2,37% – a maior desde 2000 DA REDAÇÃO redacao@destakjornal.com.br

O brasileiro tomou gosto por viajar de avião em 2012. No ano passado, a procura por voos domésticos no país cresceu 6,79%, segundo dados divulgados ontem pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). Para atender essa demanda, a oferta de voos cresceu 2,72%. Os aviões, além disso, voaram com menos assentos vagos: a taxa de ocupação por aeronave cresceu 3,96%

Anac: tarifas aéreas domésticas caíram em média 42% em dez anos

VALOR RECORDE

COM CHUVA

Receita tenta reaver R$ 116 bi em impostos No ano passado, a Receita federa autuou empresas e pessoas físicas em R$ 115,8 bilhões em impostos e multas não pagos, valor 5,6% maior que o registrado em 2011. O valor é recorde. O resultado representa avanço de 5,6% em relação a 2011 – menor que os 20,9% de alta naquele ano, sobre 2010. O subsecretário de Fiscalização da Receita Federal do Brasil, Caio Marcos Cândido, disse, segundo a Agencia Brasil, que o valor não significa que esses recursos serão recuperados – os contribuintes ainda podem recorrer das autuações. Pessoas físicas A Receita Federal informou que, no universo das pessoas físicas fiscalizadas, as autuações se concentraram nos que declararam ser proprietários ou dirigente de sociedades empresarias. Entre as pessoas jurídicas, as autuações se concentraram no segmento industrial.

MENOS CARO PARA MORAR – de 70,17% em 2011 para 72,95% em 2012. As empresas de maior porte foram as que mais se beneficiaram: o grupo TAM ficou 40,79% de participação no mercado, e a Gol, com 33,91% - ambas, portanto, responderam por 74,7% do mercado. Em dezembro, a demanda por voos domésticos cresceu 2,37% em relação a um ano antes. Trata-se do maior nível de demanda para dezembro desde o início da série, em 2000; a oferta de assentos oferecidos caiu 7,39% na mesma comparação. Promoções continuam Na semana passada, o presidente da Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas), Eduardo Sanovicz, disse que as companhias aéreas nacionais farão mudanças para voltar lucrar neste ano, mas as promoções de passagens vão continuar. Para 2013, as empresas aéreas esperam aumentar em 9% o número de passageiros em relação ao ano anterior.

RECESSÃO GLOBAL AGÊNCIA BRASIL

Neste ano, 9 mil MW serão acrescentados, disse Lobão

Ministro diz que ofertade energia estágarantida O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse ontem que que o período de chuvas já começou e isso vai garantir a oferta de energia no país. “Não temos problemas com nossos reservatórios, vamos preenchê-los todos e garantir o suprimento de energia por todo ano e pelos anos seguintes”, disse Lobão. Segundo dados do ONS (perador Nacional do Sistema Elétrico), o nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas subiu nas regiões desde a semana passada.

Inflação do aluguel perde força na 2ª prévia de janeiro O IGP-M (Índice Ge- Preços ao Consumidor) teve ral de Preços-Mer- ligeira oscilação (de alta de cado), indicador que serve 0,69% em dezembro, oscilou de referência para rea- para 0,70%). juiste de contratos de aluguel, ficou em 0,34% na Focus segunda prévia deste A expectativa para o IPCA mês. Na segunda prévia (Índice de Preços ao Consude dezembro, o indicador midor Amplo), índice oficial havia registrado um avan- de inflação, subiu para 5,65% (contra 5,53% uma ço de 0,69%. Os dados semana antes), foram divulgados Em de acordo com ontem pela o boletim FoFGV (Funda2012, IGP-M cus – docução Getulio fechou em 7,82%, mento seVargas). manal elaO recuo o mais elevado borado pelo ou a desacelepatamar desde BC (Banco ração dos preCentral), com ços das maté2010 base em conrias-primas foi o sultas a especiaque mais influenlistas do mercado. ciou o resultado, com A previsão para o PIB destaque para os itens soja em grão (-1,53% para (Produto Interno Bruto, -6,03%), milho em grão soma das riquezas de um (6,07% para -0,83%) e aves país), por sua vez, oscilou para baixo, ficando em 3,19% (6,60% para 2,80%). Já o IPC (Índice de (era 3,20% há uma semana).

‘BAT-LEILÃO’

Crise afeta mais meninas e mulheres, aponta estudo A crise econômica global tem cobrado um preço mais alto de mulheres e meninas que de homens e meninos: aquelas estão mais sujeitas a viver na pobreza, a ter uma expectativa de vida menor e a abandonar a escola. A avaliação consta de estudo das ONGs Plan International e Overseas Development Institute. Segundo o estudo – que usa dados do Banco Mundial –, uma queda na produção econômica de um país deixa meninas mais sujeitas que os meninos a morrer antes dos

AP

5 anos de idade; já as mulheres reduzem seu próprio consumo de alimentos para garantir que não falte comida para a família. O presidente-executivo da Plan International, Nigel Chapman, disse que o resultado do estudo não surpreende. “O mundo está fracassando com as meninas e as mulheres”, afirmou. “Elas precisam de apoio mais orientado em proteção social, criação de empregos e em educação, se queremos reverter essa tendência e fechar esse fosso inaceitável.” AP

Corte em verbas para Saúde expõe meninas a riscos maiores, diz ONG

Batmóvel daTVéarrematadoporUS$4,2mi O carro é um “conceito” construído pela Ford, inspirado em um Lincoln Futura 1955. O carro é o original usado na série de TV dos anos 60, estrelada por Adam West (Batman) e Burt Ward (Robin).

GERAÇÕES DIFERENTES

Consumidor mais velho quer seguro; mais novo, telefonia Contratar um seguro ou um serviço de telefonia? A idade do consumidor pode determinar a escolha, diz a Serasa Experian. O estudo ouviu cerca de 1 milhão de pessoas no país no primeiro semestre de 2012, divididas em 4 grupos: veteranos (nascidos até 1945); Baby Boomers (de 1946 a 1965); geração X (de 1966 a 1977); e geração Y (a partir de 1978).

As seguradoras respondem por 21,2% das contratações de serviços dos veteranos – que valoriza a segurança e a proteção do patrimônio. Para a geração Y, a telefonia responde por 22% de suas contratações – próprio de uma geração que “cresceu” com computador em casa e “vive na era das redes sociais”, diz o estudo.

Rio de Janeiro - 1075