Page 1

Projeto Destaque:

Chomp

Sanduicheira e Grill Pg10


Projeto de Estamparia desenvolvido pelo aluno Matheus Costa na disciplina eletiva de Design de SuperfĂ­cie I. ProfÂŞ.: Evelise Rutschilling


Design-UFRGS,

Editorial

mostra tua cara! Como integrante da primeira turma de ingressantes dos cursos de Design da UFRGS, acompanhei, juntamente com meus colegas e professores, o crescimento dos cursos e o esforço de todos os envolvidos para fazê-lo acontecer. Esta revista surgiu como alternativa de divulgação dos cursos, de forma a expor à sociedade este esforço e seus resultados. A revista propõe uma divulgação mais extensiva e menos custosa que as exposições, que hoje são o método utilizado para satisfazer esta necessidade, e tem o objetivo de que públicos como alunos e professores dos cursos, empresários da

área de design, futuros alunos e demais interessados conheçam e compreendam de maneira clara, concisa e organizada os cursos de design da UFRGS. Fundados em 2006, os cursos de Design de Produto e Design Visual da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, com sede na Faculdade de Arquitetura, têm hoje, em média, 400 alunos. Com um projeto pedagógico baseado na multidisciplinaridade e na interdisciplinaridade, são centrados em três eixos básicos de conhecimento: Instrumentalizações e Tecnologias, Linguagens e Práticas de Projetos e Teorias e Metodologias (nas páginas seguintes, confira um infográfico com a estrutura curricular dos cursos). Durante todo o curso, disciplinas dos três eixos interagem, contribuindo para a formação

Alice Hetzel

de um profissional completo e capaz de resolver problemas de projeto de forma consciente e eficaz. Neste periódico, serão expostos principalmente projetos desenvolvidos em disciplinas do eixo de Linguagens e Práticas de Projeto, além de alguns exemplos de pesquisas, exercícios e aplicações de disciplinas dos eixos de Instrumentalizações e Tecnologias e Teorias e Metodologias. Os projetos estão expostos na seguinte ordem: • Prática Integrada de Criação I e II (Disciplina do eixo de Instrumentalizações e Tecnologias) • Projeto Visual I, II, III e IV • Projeto de Produto I, II, III e IV • Design de Embalagem I e II • Projeto Integrado I e II


Projeto

Orientador

Alice D. Hetzel

Prof. Fabiano Scherer

Responsável desde o projeto conceitual até o projeto editorial e elaboração do manual de editoração da Revista. Designer Visual.

Orientador do Trabalho de Conclusão de Curso, acompanhou e contribuiu durante todo o processo de pesquisa e execução da Revista.

Expediente Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS Faculdade de Arquitetura

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Design-UFRGS: Revista-portfolio / Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Arquitetura, Departamento de Design e Expressão Gráfica - Vol. 1, n. 1 (jul. 2011)- . - Porto Alegre: Faculdade de Arquitetura, UFRGS, 2011- . v. ; 23 cm. Semestral (julho e dezembro) ISSN 2236-7136 CDU 745.6(05) Elenice Avila da Silva – CRB-10/880

Comissão de Graduação do Curso de Design de Produto e Design Visual Departamento de Design e Expressão Gráfica Projeto Gráfico Alice Hetzel Orientação Projeto Gráfico Fabiano Scherer Conselho Editorial Prof. Ms. Eduardo Cardoso Prof. Ms. Fabiano Scherer Prof. Dr. Fábio Teixeira Profª. Ms. Janaína Moroni Profª. Dra. Suely Fragoso

Apoio Bolsistas Acad. Camila Bermúdez Acad. Marianne Gaspary Acad. Simone Uriartt Tiragem 600 exemplares Periodicidade Semestral Impressão Midiograf Gráfica e Editora

Não é permitida a cópia ou reprodução total ou parcial desta revista, exceto com a autorização dos responsáveis pelo projeto. Direitos autorais de reprodução e de adaptação protegidos pela lei nº 9.610. Os conteúdos dos artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores.


Apoio

Verdi Design e Universidade Federal do Rio Grande do Sul É com muito orgulho que nós da Verdi Design patrocinamos esta primeira edição da Design-UFRGS Revista-portfolio, concebida e editada pelo curso de Design da UFRGS e que demonstra a qualidade do design gaúcho. Participar de um pedaço da história do curso de design da UFRGS tem um significado muito forte para nós da Verdi. Os sócios, irmãos José Antônio e Mário Verdi, estudaram na FABICO, Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da UFRGS, entre 1990 e 2006. Em 2009, em um jantar na Argentina, onde estavam presentes representantes da Itaipu Binacional e da Comissão de Implantação da Universidade Federal da Integração Latino-americana – UNILA, assumimos o compromisso de desenvolver

a identidade visual da instituição como retribuição ao poder público pelo investimento feito na nossa formação. O presidente da comissão, Professor Hélgio Trindade, era o reitor da UFRGS na época em que freqüentamos a universidade, o que legitimava ainda mais nossa atitude. O projeto foi desenvolvido em 6 meses, aprovado por uma comissão internacional e doado para a UNILA. Este projeto viria a vencer o Prêmio Bornancini de Design, na categoria Identidade Visual, no ano de 2010. Hoje, reafirmando nosso compromisso de acreditar no ensino público e na educação como a forma mais autêntica de transformação da realidade de nosso país, investimos neste projeto coordenado pelo professor Fabiano Scherer, que materializa a qualidade do ensino

do curso de design da UFRGS e revela a competência e comprometimento dos alunos que, agora, fazem parte da história do ensino do design no estado. Para nós, apoiarmos a produção desta revista representa e simboliza um novo momento na caminhada de nossa empresa. Após 16 anos de estrada, passaremos a atuar de forma mais aberta e colaborativa, buscando uma integração real e direta com o meio acadêmico, para que o design possa deixar uma marca ainda mais significativa na sociedade. Estaremos apoiando diversas ações do curso de design da UFRGS, além de participar efetivamente das atividades curriculares sempre que nossa colaboração for considerada importante. Parabéns UFRGS pelo curso de design. Parabéns aos professores e aos alunos.


Design de Produto

Instituições de Direito e Direito de Propriedade Industrial e Intelectual Organização da Prática Profissional em Design Planejamento e Controle da Produção Administração de Marketing

Projeto Integrado II

Design de Embalagem II

Seleção de Materiais A Trabalho de Conclusão de Curso em Design I

Controle Dimensional B

Gerência da Qualidade

Desenho Técnico Aplicado ao Design II

Materiais e Processos II

Design Contemporâneo: Teoria e História

Organização da Produção

Análise e Representação da Forma II

Ergonomia Aplicada ao Design II

Projeto de Produto III

Cálculo e Geometria Analítica II - A

Processos Discretos de Produção

Física Design

Resistência dos Materiais A

Geometria Descritiva para Designers

Seminário em Design I

Projeto de Produto II

Prática Integrada de Criação II Teoria e História do Design I

Empreendedorismo e Inovação Estágio Supervisionado em Design Gestão de Desenvolvimento de Projetos

Computação Gráfica II: Design de Produto

Gestão Tecnológica

Design, Identidade Cultural e Artesanato

Projeto de Produto IV

Ciência e Tecnologia dos Materiais

Introdução ao Marketing

Computação Gráfica I

Materiais e Processos I

Ergonomia Aplicada ao Design I

Mecânica Aplicada

Estatística Básica I

Projeto Integrado I

Análise e Representação da Forma I

Mecânica

Semiótica

Cálculo e Geometria Analítica I - A Desenho Geométrico para Designers

Práticas Fotográficas Aplicadas ao Design

Desenho Técnico Aplicado ao Design I

Projeto de Produto I

Ecodesign

Teoria e História do Design II

Materiais e Processos III Sistemas Estruturais Aplicados Sociologia da Cultura

Introdução ao Design Oficina de Modelos e Protótipos Prática Integrada de Criação I

Módulo I

Módulo II

Módulo III

• Estimulação da reflexão e

• Ciência e tecnologia dos materiais e

• Aprofundamento dos

da criatividade. • Sensibilização a toda a forma de expressão gráfica. • Conhecimento das técnicas gráficas de expressão e representação.

9° Trabalho de Conclusão de Curso em Design II

processos de fabricação. • Softwares gráficos de expressão e representação. • Práticas projetuais, visando uma formação polivalente.

conhecimentos específicos. • Relação com o meio profissional, através de estágios e do TCC.

Eixos de Conhecimento

Metodologia de Projeto

Gestão Ambiental

Instrumentalizações e Tecnologias Linguagens e Práticas de Projetos Teorias e Metodologias


Design Visual

Estrutura dos Cursos Design Instrucional Instituições de Direito e Direito de Propriedade Industrial e Intelectual Marketing Digital Organização da Prática Profissional em Design

Administração de Marketing

Trabalho de Conclusão de Curso em Design I

Organização da Produção

Design Contemporâneo: Teoria e História

Projeto Visual III

Ergonomia Aplicada ao Design II

Sistemas de Produção Multimídia

Análise e Representação da Forma II

Gestão Ambiental Materiais e Processos para Design Visual

Estudos Tipográficos Física Design

Projeto Visual II

Geometria Descritiva para Designers

Seminário em Design I

Processos de Produção Gráfica Teoria e História do Design I

Trabalho de Conclusão de Curso em Design II Administração do Composto Comunicação Design de Interface

Computação Gráfica II: Design Visual

Estágio Supervisionado em Design

Design de Embalagem I

Gestão de Desenvolvimento de Projetos

Design, Identidade Cultural e Artesanato Computação Gráfica I

Fundamentos da Cenografia e da Indumentária

Ergonomia Aplicada ao Design I

Introdução ao Marketing

Estatística Básica I

Projeto Integrado I

Práticas Fotográficas Aplicadas ao Design

Semiótica

Cálculo e Geometria Analítica I - A Desenho Geométrico para Designers

Projeto Visual I

Desenho Técnico Aplicado ao Design I

Sistemas Gráfico-digitais I

Ecodesign

Teoria e História do Design II

Gestão Tecnológica Projeto Visual IV Sociologia da Cultura

Introdução ao Design Oficina de Modelos e Protótipos Prática Integrada de Criação I

Módulo I

Módulo II

Módulo III

• Estimulação da reflexão e

• Ciência e tecnologia dos materiais e

• Aprofundamento dos

da criatividade. • Sensibilização a toda a forma de expressão gráfica. • Conhecimento das técnicas gráficas de expressão e representação.

Empreendedorismo e Inovação

Ciência e Tecnologia dos Materiais

Análise e Representação da Forma I

Sistemas Gráfico-digitais II

Metodologia de Projeto Prática Integrada de Criação II

Projeto Integrado II

Gerência da Qualidade

processos de fabricação. • Softwares gráficos de expressão e representação. • Práticas projetuais, visando uma formação polivalente.

conhecimentos específicos. • Relação com o meio profissional, através de estágios e do TCC.

Eixos de Conhecimento

Desenho Técnico Aplicado ao Design II

Design de Embalagem II

Instrumentalizações e Tecnologias Linguagens e Práticas de Projetos Teorias e Metodologias

Autor(es): Éric Flório Roseane Yamamoto (adaptado)

Professor(es): Profª. Suely Fragoso (Projeto Visual IV)


Prática Integrada de Criação

Projeto Visual

Projeto de Produto

16

Coleção de Azulejos Temática Africana

20

Identidade Visual GPlayer

32

Élever Escada Doméstica

18

Luminária Cup-ozoa

24

Identidade Visual Seminário em Design

34

Poli Aplicador de Adesivo

28

Design Editorial Revista fatos.com

36

Ceros Transporte Escolar

30

Design de Interface Imposto de Renda

40

Singular Refrigerador Modular


E mais...

Design de Embalagem

Sumário

64

Por Aloísio, pelo design brasileiro, por nós!

Projeto Integrado

66

Conheça o Núcleo de Design Gráfico Ambiental

44

Multipack Smirnoff Black

e Mobiliário 50 Sinalização Orla do Guaíba

68

Apdesign

46

Embalagem para pilhas - Clamshell

Ecológica 54 Embalagem Calçados Pega-Pega

70

Revolução pelo Design: o design além dos designers

56

72

Mural

Stand Calçados Pega-Pega

Projeto Destaque

10

Chomp Sanduicheira e Grill


Projeto de Produto IV Desenvolvimento do pensamento crítico analítico através de exercícios de análise de projetos de produtos em temáticas específicas. Prática do Design de Produto, com ênfase no exercício da metodologia de projeto e nos aspectos conceituais do produto, abordando temáticas que envolvam produtos de alta complexidade funcional e estrutural, envolvendo aspectos de gestão ambiental, gestão de design, tecnológicos, de seleção de materiais, de produção, mercadológicos, econômicos e sócio-culturais.

O Produto

Chomp é uma sanduicheira atenta às necessidades de cada usuário. Consciente da importância do design universal, oferece uma operação simplificada e plenamente configurável. O produto conta com diversas inovações voltadas à flexibilização do uso e ao preparo de alimentos saborosos. Mais do que uma sanduicheira, Chomp agrega grande parte das funcionalidades

10.Design-UFRGS Projeto Destaque

de cozimento do dia-a-dia, do café da manhã ao lanche. No preparo de alimentos, a Chomp traz uma série de vantagens sobre os seus concorrentes. Sua principal inovação, um mecanismo que equilibra a pressão das chapas sobre o alimento, garante que qualquer sanduíche, não importe a espessura do recheio, receba o mesmo cozimento, na mesma intensidade, em ambas as faces. Além de sanduíches e pães, o produto é também adaptado a outros alimentos. Cada chapa tem dois lados próprios ao cozimento, cada qual

adaptado para utilização com pães de forma, pães de hambúrguer, waffles, ovos, carnes grelhadas e mais. As chapas são facilmente removíveis, facilitando a limpeza e a escolha entre as superfícies de cozimento. Através de um painel interativo na parte frontal, o usuário determina a temperatura e o tempo de aquecimento de cada resistência, garantindo total controle sobre o resultado final do processo. Além disso, para o preparo de alimentos do dia-adia, opções pré-configuradas agilizam a inicialização do aquecimento.


Chomp Sanduicheira e Grill

Autor(es): Fernanda Fillipin Eric Pautz

Professor(es): ProfÂŞ. Camila Ardais

Design-UFRGS.11


Facilidade de limpeza Graças às chapas removíveis, e à abertura completa da tampa em relação à base, limpeza e manutenção tornam-se tarefas bastante simplificadas. Cada chapa pode ser retirada e lavada em água corrente, sem riscos ao usuário ou ao produto.

Sem gordura Com a utilização de uma grade, a Chomp permite o preparo de alimentos light, sem gordura. A chapa posicionada sobre a grade, antes responsável pelo cozimento de sanduíches e por frituras, agora funciona como coletor de gordura. Assim, é possível preparar carnes, frango e peixe.

Interface

Utilização da grelha para cozimento de carnes com redução de gordura

12.Design-UFRGS Projeto Destaque

Tela de LCD (coberta com vidro de 1mm de espessura e película oleofóbica) com tecnologia touchscreen capacitativa, de dimensões 25,5 x 2,5 cm.


Chapas removĂ­veis e abertura completa da tampa facilitam a limpeza

Tela de LCD Touchscreen capacitativa

Projeto Destaque Design-UFRGS.13


O problema do espaço fixo de cozimento Em sanduicheiras que permitem a utilização de alimentos de espessura variada, ocorre que, em função da articulação do produto em torno de uma dobradiça, alimentos mais espessos tendem a ser comprimidos apenas parcialmente pela parte superior. Assim, quanto mais alto o pão, menos homogêneo é o aquecimento. Algumas sanduicheiras permitem a regulagem prévia da altura de operação, o que possibilidade a inserção de alimentos mais espessos.

14.Design-UFRGS Projeto Destaque

A configuração, no entanto, é complexa e leva tempo, e não se apresenta como uma tarefa simples para usuários idosos ou com dificuldades motoras ou cognitivas. Nas sanduicheiras sem regulagem de altura e que preveêm o fechamento completo da tampa na base, alimentos mais grossos tendem a ser melhor aquecidos do que alimentos mais finos. Ainda, muitos alimentos não cabem no espaço designado, e alimentos extremamente finos não entram em contato com a resistência superior.

Auto-Regulagem Chomp dispõe de um mecanismo autoregulável para a distância entre as chapas. Dessa forma, o produto se adapta à altura do alimento sendo preparado, e distancia as resistências de maneira equivalente. O funcionamento se dá por meio de molas na parte superior do produto, que empurram a chapa em direção ao alimento. O sistema garante pressão uniforme, o que facilita o aquecimento.


Resistências Individuais Um total de quatro resistências compõe o produto, garantindo pleno controle tanto do alimento sendo preparado quanto do consumo de energia do produto.

Acionamento Cada resistência é acionada individualmente e pode ter sua temperatura controlada. Ainda que a sanduicheira esteja fechada, as resistências relativas a um mesmo lado podem ter sua temperatura regulada inidividualmente; isso é especialmente útil no preparo de determinados alimentos, pros quais se deseja que o aquecimento na parte superior ou inferior seja mais ou menos intenso.

Quatro resistências com regulagem de temperatura independentes permitem o controle do cozimento

Projeto Destaque Design-UFRGS.15


Prática Integrada de Criação I Enquanto teoria aborda os fundamentos da linguagem visual: a percepção como elemento fundamental na interpretação das imagens visuais: a percepção das formas, das ilusões perceptivas, do espaço, do movimento e da cor. O significado conceitual das formas na criação e organização das imagens e dos objetos. A imagem real versus imagem representada. Estudos aplicados em azulejos, adesivos decorativos de parede, em tecidos, calçados, móveis, acessórios da moda, eletrodomésticos, automóveis, entre outros objetos.

Conceito

Aplicação

O modelo do azulejo escolhido é inspirado nos tribais africanos e nas cores fortes que utilizam. O vermelho foi especialmente utilizado para retratar a cor da tribo Masai. O desenho do azulejo foi pensado para que, em conjunto com outras peças, formasse uma trama que desse sempre continuidade ao desenho, designando assim o nome da coleção ‘Serengeti’ que significa planície sem fim.

Paleta de Cores

Cor: Preto

Cor: Gold

Cor: Amarelo

Cor: Laranja

Cor: Vermelho

C 0 M 0 Y 0 K 100

C 7 M 27 Y 55 K 22 Pantone: 465 C

C 0 M 0 Y 100 K: 0

C 0 M 62 Y 100 K 0

C 0 M 93 Y 95 K: 0

Pantone: Process Yellow C

Pantone: 152 C

Pantone: 485 C

Pantone Process Black C

16.Design-UFRGS Prática Integrada de Criação


Coleção de Azulejos Temática Africana Prática Integrada de Criação I

Autor(es): Sheila Arruda

Professor(es): Prof. André Furtado Prof. Janaína Moroni

Design-UFRGS.17


Prática Integrada de Criação II A disciplina objetiva aprofundar e explorar as possibilidades da geometria das superfícies, através da análise, do conhecimento e da manipulação das relações formais para a concepção de produtos gráficos e volumétricos. A modulação, as redes, as malhas: o módulo como unidade básica de organização de sistemas planos e espaciais. Exercícios práticos para aplicação dos conceitos estabelecidos sobre as relações formais e as teorias sobre modulação, movimento e transformações formais e estruturais, teoria das cores, contrastes luz & sombra.

Briefing

Projetar e construir o protótipo de uma luminária modular, com volume máximo de 30x30x30 cm, composta por módulos geométricos tridimensionais livres, com exceção de cubos. É necessário utilizar material translúcido e elaborar a aplicação visual que o efeito de luz causará. Os critérios de avaliação serão criatividade, acabamento, efeito de luz e complexidade.

18.Design-UFRGS Prática Integrada de Criação

Conceito “Medusas e Águas Vivas - abstratos submarinos” Existe um tipo de água-viva que vive no oceano pacífico que possui, em geral, corpo translúcido. O nome dessa classe de animais é cubozoa, que recebe este nome por ter seus sifões em forma cúbica, entre os cubozoários estão alguns dos animais mais venenosos já estudados.

Materiais Utilizados •

• • • • • • •

Copos plásticos descartáveis (cada módulo utiliza um copo redondo transparente e um copo quadrado azul) Botão (que fixa os copos e dá o efeito difuso na luz) Cordão de silicone elástico (que une módulos) Bojo de lâmpada de jardim Soquete de lâmpada Lâmpada de luz branca Massa acrílica Tinta acrílica


Luminária Cup-Ozoa Prática Integrada de Criação II

Autor(es): Luiz Alberto Pivetta

Professor(es): Prof. Fábio Pinto Prof. Leônidas Soares

Design-UFRGS.19


Projeto Visual I Vídeos

Desenvolvimento do pensamento crítico analítico através da análise de produções gráfico-visuais em temáticas específicas. Instrumentação teórica e prática para a análise semântica, sintética e pragmática em projetos de comunicação visual. Exercícios práticos em Design Gráfico-Visual, com ênfase no exercício da metodologia de projeto e nos aspectos conceituais do produto, tendo em vista a resolução de problemas formais, funcionais, e sua adequação técnica, tecnológica, econômica e sócio-cultural.

O Produto O Gplayer é o mais novo tocador de mídia digital do Google. Ele foi criado baseado na necessidade cada vez mais tangível das pessoas terem acesso à informação de um jeito universal, acessível e útil. Esse é o nosso negócio e a nossa missão: Trabalhar com a informação em meios virtuais e organizá-la de uma forma universalmente acessível e útil. Esse é o novo conceito de tocador digital, esse é o Gplayer um mais novo, ágil e inovador player.

Músicas

Ele trabalha em cima dos conceitos de objetividade e velocidade sem perder a personalidade e a elegância. Um player que oferece serviços de um tocador digital de qualidade à baixo custo, que é simples sem ser ultrapassado, que é dinâmico, inovador, confiável, acessível, atrativo e personalizável. Essa é a grande idéia: conseguir unir em um único aparelho um produto inovador com alta usabilidade e universalmente aceito e desejável. Unindo todos esses conceitos nasceu o “Gplayer. Seu player. Seu estilo.”

Fotos

Aplicativos

Jogos

Internet Wi-Fi

Configurações

20.Design-UFRGS Projeto Visual


Identidade Visual Gplayer Projeto Visual I

Professor(es): Bruna Dannenhauer

Professor(es): Prof. Fabiano Scherer ProfÂŞ. Priscila Zavadil

Design-UFRGS.21


Construção da Marca

0.6x

3x

0.2x 0.5x 4.2x 0.3x 1.4x

6x a a

x

22.Design-UFRGS Projeto Visual


Aplicações

Gplayer Ltda Rua Umbu nº 311 Passo D’Areia - Porto Alegre, RS CEP: 91350100

Envelope Carta

Caneta Personalizada (simulação)

Projeto Visual Design-UFRGS.23


Projeto Visual II Desenvolvimento de projetos baseados nos estudos técnicos de diagramação para induzir o olhar para determinada parte do projeto, como por exemplo o ponto ótico, e aplicação da proporção aurea aliados ao uso de cor. Aplicação de metodologia para realização de trabalho de divulgação de evento: cartazes, camisetas, adesivos, anuncios de jornal e revista, e demais brindes.

Briefing Súmula da Disciplina: Apresentação e discussão sobre temas atuais na área do design, seja do ponto de vista do design visual, de produto ou de matérias correlacionadas.

a UFRGS. Maior parte do público está inclusa na faixa etária entre 18 e 23 anos, entretanto a faixa se estende aos 50 anos.

Quando acontecem as disciplinas? Sempre quartas-feiras a noite.

Quantas pessoas participam em média de cada palestra? Em média 50 pessoas.

Qual é o público alvo? Estudantes de design e comunidade acadêmica em geral, interna ou externa

Do que tratam as palestras? Os palestrantes abordam todos os temas ligados ao Design, com profissionais da

área, preferencialmente designers, que abordam o seu sistema projetual, focando o mercado de trabalho e estudiosos de determinados segmentos projetual em design como palestras sobre cores, tipografias, mobiliário, design de games, cartoon, interface digital e artesanatos ligados a indústria.

Conceito

Em cada palestra apresentada pela disciplina Seminário em Design o ouvinte tem a oportunidade de entrar em contato com uma nova esfera do design.

24.Design-UFRGS Projeto Visual

Sempre há algo novo a ser descoberto, uma área de atuação, uma nova tecnologia, técnicas e metodologias aplicadas, novos profissionais, empresas, conceitos, produtos, enfim. Os temas das suas palestras são variados, logo, simplificar as suas atividades por

meio de um conceito pouco abrangente e plural não contemplaria as reais características da disciplina. Entendemos e prezamos em transmitir aos futuros freqüentadores que essa atividade coloca os seus participantes em contato com “um mundo de descobertas e vivências em design”.


Identidade Visual Seminário em Design Projeto Visual II

Aluno(s): Diovanne Ouriques Patrick Rigon

Professor(es): Profª. Janaína Moroni

Design-UFRGS.25


Assinaturas Visuais

Alternativas Cromรกticas

26.Design-UFRGS Projeto Visual

Diagrama de Cores


Aplicações

Adesivos (simulação)

Camiseta (simulação)

Aplicações reais

Projeto Visual Design-UFRGS.27


Projeto Visual III Projeto Editorial de Periódicos. Trata-se de um tipo de projeto editorial bem mais complexo que o dos livros, uma vez que o designer não tem como prever todas as situações que irão se apresentar ao longo da vida útil do projeto. É um tipo de projeto que não será executado pelo seu criador, o que requer diretrizes claras e sólidas para aplicação. Por outro lado, optou-se por trabalhar com periódicos semanais de cunho jornalístico, o que implica velocidade de produção e solicita flexibilidade para abrigar situações inesperadas.

Briefing

Revista Semanal, de caráter jornalístico, para entrar no mercado hoje compartilhado por Veja, Época, IstoÉ e Carta Capital. O diferencial da revista em relação a essas 4 pretende estar na apresentação de duas modalidades de jornalismo para a reportagem principal de cada semana - uma, informativa, terá como finalidade apresentar os dados e fatos relativos ao tema da reportagem central (matéria de capa). A segunda, opinativa, trará comentários em colunas assinadas, feitos por jornalistas que trabalham regularmente para a revista e convidados (em média, a reportagem central ocupará 4 a 6 páginas da revista e contará com 4 comentaristas).

28.Design-UFRGS Projeto Visual


Design Editorial Revista Fatos.com Projeto Visual III

Autor(es): Caroline Führ

Professor(es): Profª. Suely Fragoso

Design-UFRGS.29


Projeto Visual IV A proposta da disciplina foi trabalhar com Design de Informação para sistemas digitais e interativos. Enquanto o Design de informação aplicado a suportes fixos abrange a transformação de dados brutos em informação e sua posterior enunciação, o projeto voltado para sistemas digitais é complexificado pela interatividade característica do suporte. O trabalho com esse tipo de Projeto requer a compreensão de um conjunto importante de conceitos e etapas do Design de Informação.

Briefing

Modelo Mental do Usuário

Os alunos foram convidados a redesenhar a interface gráfica de um game para PC ou console, ou de um aplicativo para PC. O processo foi desenvolvido em várias etapas, caracterizando a passagem dos dados à informação, a importância dos modelos mentais do usuário e do designer para os procedimentos de enunciação e os aspectos positivos e negativos da demanda adicional que a interatividae e a fluidez do suporte impõem ao designer.

Públicos Para o desenvolvimento do conceito, foram criados três personagens representando os públicos do projeto. Estes personagens foram base para a análise dos públicos.

Maria José, é mãe solteira, 38 anos

30.Design-UFRGS Projeto Visual

Felipe, recém-formado em administração, 26 anos

Paulo, contador, 34 anos


Design de Interface Imposto de Renda Projeto Visual IV

Autor(es): Clara Ungaretti Eric Fl贸rio Roseane Yamamoto

Professor(es): Prof陋. Suely Fragoso

Design-UFRGS.31


Projeto de Produto I Exercícios práticos em Design de Produto, com ênfase no exercício da metodologia de projeto e nos aspectos conceituais do produto, abordando temática que envolva design de utensílios domésticos de baixa e média compexidade funcional e estrutural, envolvendo aspectos ambientais, tecnológicos e de seleção de materiais, além dos relativos à produção. Os projetos devem avançar até o nível de projetos executivos, expressos de forma gráfica e testados sob a forma de modelos.

Contexto No momento em que foi observado uma redução de disponibilidade espacial na área urbana, passou a existir uma grande preocupação em aproveitar o ambiente doméstico completamente, o que pode ser percebido dentro de nossas residências, onde é necessária a ampla utilização de áreas próximas ao teto, por exemplo. Para acessar essas áreas superiores é preciso o uso de algum equipamento que nos dê suporte e nos possibilite realizar uma elevação curta, ação desempenhada sobre escadas de forma geral - não raro, foram os casos de usuários que apelam para móveis e outras soluções emergenciais para tal.

Percebe-se que as tradicionais escadas frequentemente são vistas como um produto inseguro, perigoso, espaçoso e desinteressante.

32.Design-UFRGS Projeto de Produto

Opinião dos Usuários Para ter conhecimento mais aprofundado da visão dos usuários sobre o produto escada, assim como sobre os produtos existentes no mercado, foi elaborado um questionário, abordando situação, modo de utilização, modelo e condição do produto utilizado, modo de armazenamento e sensações transmitidas pelo produto. O quadro à direita mostra quais aspectos foram citados mais vezes pelos usuários, que posteriormente serviram como importante referência para a elaboração dos requisitos projetuais.


Élever Escada Doméstica Projeto de Produto I

Autor(es): Guilherme Robaski

Professor(es): Prof.: Everton Amaral

Design-UFRGS.33


Projeto de Produto II Exercícios práticos em Design de Produto, com ênfase no exercício da metodologia de projeto e nos aspectos conceituais do produto, abordando temática que envolva design de equipamentos e ferramentas, produtos industriais de baixa complexidade funcional e estrutural, envolvendo aspectos ambientais, tecnológicos e de seleção de materiais, além dos relativos à produção. Os projetos devem avançar até o nível de projetos executivos, expressos de forma gráfica e testados sob a forma de modelos.

O Projeto

Com base em análise de similares, pesquisas direcionadas a usuários não incidentais, estudo de princípios inventivos e conceitos ergonômicos, desenvolveu-se um aplicador de adesivo inovador. Características Por sua natureza formal diferenciada e por seu sistema de funcionamento inteligente, caracteriza-se como um utilitário capaz de sanar falhas apresentadas em seus predecessores:

• • • •

Válvula - controle preciso do fluxo de cola; Propulsão por mola - elimina a necessidade de esforços repetitivos; Desenho ergonômico - o formato de caneta, adaptado ao usuário, facilita o uso e o alcance a locais antes não possíveis, e minimiza lesões por utilização inadequada;

34.Design-UFRGS Projeto de Produto

Materiais de engenharia - selecionados de acordo com as propriedades necessárias (isolamento térmico e elétrico, resistência ao choque, durabilidade,...) Acessórios - ponteiras adequadas a cada tipo de aplicação com troca simplificada e fixação segura.


Poli - Aplicador de Adesivo Termoplástico Projeto de Produto II

Autor(es): Cássio Felin Ricardo Costa

Professor(es): Prof. Régio P. da Silva Prof. Luiz Alves Cândido

Design-UFRGS.35


Projeto de Produto III Exercícios práticos em Design de Produto, com ênfase no exercício da metodologia de projeto e nos aspectos conceituais do produto, abordando temáticas relativas à locomoção/ automotivos, equipamentos de alta complexidade funcional e estrutural, envolvendo aspectos ambientais, tecnológicos e de seleção de materiais, além dos relativos à produção. Os projetos devem alcançar até o nível de projetos executivos expressos de forma gráfica e testados sob a forma de modelos, mockups ou protótipos.

Briefing “Nos dias de hoje, observa-se que homens e mulheres estão trabalhando cada vez mais fora de casa e, aqueles que têm filhos ainda pequenos não possuem como opção levá-los às instituições de ensino. Muitas vezes, por morarem em cidades onde o trânsito é ruim, os pais acabam optando pelo transporte escolar como forma segura de transportarem seus filhos.

O objetivo desse transporte é conduzir as crianças com segurança.”

36.Design-UFRGS Projeto de Produto

Cenário Atual • • • • • •

634 veículos em Porto Alegre Cerca de 70% destes são de propriedade dos motoristas Passageiros são distribuídos por zona de residência, e não por faixa etária Faixa etária dos alunos: de 6 a 17 anos em média 15 alunos por viagem Viagens duram entre 40 min e 1h30min, aproximadamente.

Personas A criação de personas que sumarizem as características dos usuários médios é uma técnica recorrente em projetos automotivos, e auxilia a equipe de projeto a tomar decisões mais ágeis e focadas em personagens representativos.


Ceros Transporte Escolar Projeto de Produto III

Autor(es): Gabriel Altenhofen Guilherme Webster MoisĂŠs Hansen Stefan Fernandes

Professor(es): ProfÂŞ. Camila Ardais

Design-UFRGS.37


Vista da traseira do 么nibus

38.Design-UFRGS Projeto de Produto

Rampa permite acessibilidade universal


Projeto de Produto Design-UFRGS.39


Projeto de Produto IV Desenvolvimento do pensamento crítico analítico através de exercícios de análise de projetos de produtos em temáticas específicas. Prática do Design de Produto, com ênfase no exercício da metodologia de projeto e nos aspectos conceituais do produto, abordando temáticas que envolvam produtos de alta complexidade funcional e estrutural, envolvendo aspectos de gestão ambiental, gestão de design, tecnológicos, de seleção de materiais, de produção, mercadológicos, econômicos e sócioculturais. Ênfase no desenvolvimento de trabalhos em equipe.

Conceito O refrigerador é um eletrodoméstico essencial no cotidiano de todas as pessoas, pois é nele que são armazenados diversos alimentos indispensáveis para nossa saúde e bem-estar. É em torno da simplicidade do alimentar-se que famílias e amigos se reúnem, celebrando seus melhores momentos de convivência. Idosos e crianças, atletas, executivos e donas de casa, tradicionais e modernos, todos necessitam de um eletrodoméstico com qualidade e eficiência para manter o frescor de seus alimentos, garantindo o conforto e a leveza do dia-a-dia.

A proposta deste projeto foi desenvolver um refrigerador que apresente como principal característica a flexibilidade, proporcionando o melhor uso possível a um grande número de usuários distintos.

40.Design-UFRGS Projeto de Produto

O Projeto A partir do conjunto de informações obtido e do conceito desenvolvido, desenvolveu-se um refrigerador cuja característica principal consiste na flexibilidade de uso. Chegou-se a conclusão de que o equipamento que melhor proporcionaria os aspectos desejados deveria ser modular e oferecer diferentes possibilidades de arranjo no ambiente.

A adoção do princípio de modularidade faz com que o eletrodoméstico possa se adequar a diferentes necessidades de volume de armazenamento, pois o usuário adquire a quantidade de módulos que desejar. Já as variações de arranjo possibilitam a adequação ao espaço disponível no ambiente e a execução de posturas as quais o usuário julga mais confortáveis.


Singular Refrigerador Modular Projeto de Produto IV

Autor(es): Amanda Vargas LĂ­cia Arosteguy

Professor(es): ProfÂŞ. Camila Ardais

Design-UFRGS.41


Funcionamento O funcionamento do sistema de refrigeração empregado neste projeto se baseia nos ar-condicionados centrais, que levam, através de dutos, o ar resfriado para dentro dos diferentes compartimentos.

Modularidade •

Adequação a diferentes necessidades de volume de armazenamento. Usuário adquire a quantidade de módulos que desejar.

Variações de Arranjo • • • Sistema de refrigeração baseado nos ar-condicionados centrais

42.Design-UFRGS Projeto de Produto

Arranjo vertical ou horizontal (balcão ou armário suspenso) Adequação ao espaço disponível no ambiente Execução de posturas as quais o usuário julga mais confortáveis.


Visibilidade •

SmartGlass - vidro que alterna seu estado de opaco a transparente através do toque. Minimiza gastos de energia (não há necessidade de abertura para visualização). A iluminação interna também é acionada pelo toque.

Compartimentos Internos •

Organização interna também tem por pro fundamental a flexibilidade. Oferece compartimentos intercambiáveis que podem ser arranjados de diversas formas. Todos os compartimentos utilizam encaixes do mesmo tipo, possibilitando personalização pelo usuário. Compartimentos internos intercambiáveis com encaixes padronizados

Projeto de Produto Design-UFRGS.43


Design de Embalagem I Exercícios práticos centrados na metodologia de projeto como um desafio criativo e estratégico para o desenvolvimento de embalagens que utilizam como material o papel, o papelão e microondulados numa abordagem voltada à resolução de problemas estruturais, conceituais, formais e funcionais das situações propostas: funcionalidade e qualidade da embalagem para a proteção, estocagem, transporte e venda do produto; a adequação técnica e tecnológica. Aspectos socio-culturais para a comunicação adequada do produto.

Objetivo Desenvolvimento de embalagem multipack para Smirnoff Ice Black, visando o atendimento a requisitos ambientais, como promover o uso postergado, evitar o uso de cola, além de contemplar as funções de segurança, armazenagem, transporte e comunicação.

Solução A estrutura geométrica facetada e o projeto gráfico da embalagem remetem à forma do diamante e aos conceitos estabelecidos. O projeto contempla o acondicionamento de quatro garrafas e a embalagem é montada e fechada somente por encaixes, sem conter pontos de cola.

Como uso postergado, o multipack transformase no Mural Ice Black , no qual os próprios encaixes da embalagem servem para fixar fotos e recados no painel.

Conceito A embalagem tem como foco o público jovem-adulto e sua comunicação visual, bem como seu projeto estrutural, estão fundamentados no conceito de diamante, conhecido por ser a pedra mais dura e resistente. A palavra “diamante” deriva do grego e significa “inconquistável”. Dentro das características principais desta pedra, o conceito baseia-se em força, poder, avidez, charme e elegância.

Destacando o picote, a face frontal serve de apoio para o mural.

44.Design-UFRGS Design de Embalagem


Multipack Smirnoff Ice Black Design de Embalagem I

Autor(es): Ricardo Drehmer Thayse Scussel

Professor(es): Profª. Priscila Zavadil

Design-UFRGS.45


Design de Embalagem II A disciplina objetiva conscientizar os alunos sobre o papel da embalagem enquanto elemento que agrega valor e significado ao produto constituindose numa poderosa ferramenta de marketing e veículo de comunicação. Exercícios de práticos centrados na metodologia de projeto como um desafio criativo e estratégico para o desenvolvimento de embalagens em metal (alumínio e aço), embalagens em vidro e embalagens em polímeros, embalagens em madeira numa abordagem voltada à resolução de problemas estruturais, conceituais, formais e funcionais.

Objetivo Redesenhar as embalagens poliméricas clamshell, que são de difícil abertura, substituindo-a por um novo sistema de proteção ao produto que facilite o manuseio e estimule o uso postergado, com foco no mercado nacional.

Solução A nova embalagem reduziu significativamente as dimensões, reduzindo o uso de materiais. A estrutura é fechada por solda na parte superior e o sistema de abertura é constituído por um vinco, que ao sofrer pressão pelo usuário rasga facilmente, separando as partes.

Conceito O conceito está baseado no posicionamento da marca, traduzido pelo slogan Sense and Simplicity. Assim, a nova proposta está orientada pela simplicidade, praticidade, credibilidade e sustentabilidade, aumentando o tempo de uso da embalagem pelo usuário final.

46.Design-UFRGS Design de Embalagem

O recipiente das pilhas torna-se um case, que pode ser aproveitado pelo usuário por mais tempo. A parte superior pode ser reciclada, separando o polímero (PET) do encarte em papel.


Embalagem para pilhas Clamshell Design de Embalagem II

Autor(es): Gabriel Altenhofen Guilherme Haupenthal

Professor(es): Prof陋. Priscila Zavadil Prof. Le么nidas Soares

Design-UFRGS.47


Montagem Um novo sistema de fechamento foi projetado. Com o case sendo feito para nĂŁo permitir acesso ao produto, a embalagem pode receber solda apenas na parte superior; ĂŠ o primeiro ponto chave do projeto.

48.Design-UFRGS Design de Embalagem


Abertura Um vinco feito ao longo da embalagem, junto à reentrância presente no centro permite ao usuário destacar a parte superior rasgando a embalagem; é o segundo ponto chave.

Uso Protelado A nova forma de abertura proporciona ao mesmo tempo segurança ao usuário (que não necessita mais de ferramentas para abrir a embalagem) a possibilidade de uso protelado, gerando um case para manter as pilhas.

Design de Embalagem Design-UFRGS.49


Projeto Integrado I Visa capacitar o aluno para o projeto de design global, compreendendo o design gráfico ambiental e o design de sistemas informacionais, nas suas diversas escalas. Analisa assim o universo do mobiliário urbano e da comunicação visual urbana e suas relações de percepção, tendo em vista a resolução de problemas formais, funcionais, e sua adequação técnica, tecnológica, econômica e sócio-cultural para a criação na área de sinalização de espaços internos e/ou externos, de forma integrada: produto (suporte) & comunicação (informação).

Conceito A família de sinalização foi desenvolvida buscando reforçar o imaginário popular relacionado à Usina do Gasômetro. A forte referência ao pôr-do-sol, um dos conceitos centrais do projeto, através da paleta de cores, e a marcante silhueta do prédio reforçam a imagem da Usina do Gasômetro como cartão postal de Porto Alegre. Além disso, buscando aliar os aspectos atuais da Usina à sua forte história, o projeto procura integrar-se ao local, por meio de uma sinalização simples e funcional.

A seleção de materiais para o projeto levou em conta o caráter público do espaço, priorizando a escolha de materiais de custo acessível e de fácil fabricação em grande escala.

50.Design-UFRGS Projeto Integrado

Mobiliário Paralelamente, foi desenvolvida uma família de mobiliário, que segue o mesmo conceito e linguagem visual dos elementos de sinalização. Os bancos são compostos de assento em mdf e chapas de aço pintadas, que escondem os parafusos de fixação.As lixeiras são compostas por duas partes independentes que, quando afastadas, permitem o acesso ao cesto para esvaziá-la.


Sinalização e Mobiliário Gasômetro Projeto Integrado I

Autor(es): Thais Fensterseifer Carolina Defferrari

Professor(es): Prof. Eduardo Cardoso Prof. Fabiano Scherer

Design-UFRGS.51


Diretórios

Os elementos mais marcantes do Sistema de Sinalização desenvolvido são os Diretórios. Nos Diretórios, com projeto gráfico que prioriza a simplicidade, as informações recebem bastante destaque, bem como o grafismo da silhueta do prédio da Usina, marcando o conceito de “Cartão Postal de Porto Alegre” e gerando identificação e aceitação do público. Os Diretórios Gerais trazem as principais informações sobre cada pavimento da Usina, separando os andares por cores e fazendo forte referência ao belíssimo pôr-do-sol do Guaíba. Nos Diretórios de Andar, a cor utilizada é a que corresponde ao pavimento no Diretório Geral, facilitando a identificação do local pelo usuário. O esquema de cores de cada pavimento também se faz presente nos demais elementos de sinalização, como Locacionais e Direcionais.

52.Design-UFRGS Projeto Integrado


Família de Sinalização A família de sinalização é composta por: •

• • • •

Diretórios Gerais, localizados no Térreo, que orientam os visitantes quanto às atividades que ocorrem em cada pavimento da Usina; Diretórios de Andar, que listam e localizam as atividades e espaços específicos do respectivo andar; Locacionais em três diferentes tamanhos; Sinalização Externa; Direcionais; Sinalização de Avisos.

Projeto Integrado Design-UFRGS.53


Projeto Integrado II Busca o exercício prático em Design de Produto e Design Visual com ênfase: na sinergia entre a criação do objeto/ produto e a criação de elementos de comunicação visual. Visa assim, capacitar o aluno para o projeto de design global, compreendendo o design gráfico ambiental nas suas diversas escalas e relações entre marca, produto, usuário e ambiente, analisando o produto, o usuário, sua percepção e formas de apresentação de produtos e ambientes de exposição/eventos.

Briefing Desenvolver uma embalagem para calçados infantis coerente com a filosofia sustentável da empresa, inovadora, atrativa no ponto de venda e de usabilidade aprimorada.

Resultados Alcançados A embalagem consiste em um corpo de polpa moldada com tampas de engate interno feitas do mesmo material, deixando o corpo totalmente livre para os grafismos. Uma das tampas tem rebaixos em formatos lúdicos, que podem ser utilizados para plantar as sementes que

acompanham o produto em saquinhos de tecido natural. O grafismo explora o tema ecológico, com plantas crescendo e “abraçando” a embalagem, além de ensinar as crianças a plantar e contribuir com a natureza.

O empilhamento das caixas forma um grafismo contínuo, com plantas “crescendo”

O material utilizado permite a utilização de baixo-relevo na comunicação visual.

Conceito A partir do conceito ecológico de reutilização de resíduos como matériasprima da empresa, procurou-se utilizar materiais reaproveitados e de fácil reciclagem. Com foco no público infantil, foram estudadas maneiras de tornar a embalagem atrativa e reutilizável pela criança, tornando-se, após sua utilização inicial, um brinquedo.

54.Design-UFRGS Projeto Integrado


Embalagem Ecol贸gica Cal莽ados Pega-Pega Projeto Integrado II

Autor(es): Alice Hetzel Gabriela Landeira Gustavo Kemmerich

Professor(es): Prof. Eduardo Cardoso

Design-UFRGS.55


Briefing

Desenvolver um stand para a marca de calçados infantis coerente com a filosofia sustentável da empresa, atrativo para divulgar os produtos que são novos no mercado, ao público de potenciais compradores, em uma feira específica do segmento Conceito A partir do conceito ecológico de reutilização da empresa, procurou-se utilizar materiais passíveis de uma fácil reutilização em outros eventos. Com foco no público de empresários e comerciantes, foram estudadas maneiras de tornar a experiência única e diferenciada, criando um ambiente acolhedor que transpassasse tanto os conceitos da marca, quanto os atributos e diferenciais do produto.

Resultados O stand desenvolve-se ao longo do ‘casulo’ central, onde estão contidos os calçados, protegidos do ambiente de circulação da exposição. Ao redor dessa estrutura encontram-se as matérias primas e a história da Fabrica da Inclusão (produtora do calçado) para que não só o produto final seja comprado, mas também o conceito e a imagem de integração com a natureza.

56.Design-UFRGS Projeto Integrado


Stand Pega-Pega 1 Projeto Integrado II

Autor(es): Alice Hetzel Gabriela Landeira Gustavo Kemmerich

Professor(es): Prof. Eduardo Cardoso

Design-UFRGS.57


58.Design-UFRGS Projeto Integrado


Aspectos Técnicos • • • •

• • • •

Espaço de Exposição: 40mX17m Cobertura em tecido PVC-PES Piso vinílico Módulos em papel Kraft da Molo Design para assentos e paredes expositivas Mesas em mdf Pantalhas cilíndricas revestidas com tecido PVC-PES Expositores em MDF e tubos acrílicos com iluminação de LED Letreiro em acrílico moldado suportado por estruturas de aço com acabamento em Kraft e lente de polietileno translucido.

Projeto Integrado Design-UFRGS.59


Briefing

Desenvolver um stand para a marca de calçados infantis coerente com a filosofia sustentável da empresa, atrativo para divulgar os produtos que são novos no mercado, ao público de potenciais compradores, em uma feira específica do segmento

60.Design-UFRGS Projeto Integrado

Conceito Pega-pega, também conhecida como brincadeira de pegar, é uma das atividades mais marcantes da infância, pois é uma mistura de energia, movimento, desafio e diversão. São estas características da marca de calçado infantil - que pertence a um projeto conceito de uma fábrica sustentável - que norteiam o estande de divulgação da coleção na Francal 2010.


Stand Pega-Pega 2 Projeto Integrado II

Autor(es): Carolina Poll

Professor(es): Prof. Eduardo Cardoso

Projeto Integrado Design-UFRGS.61


Resultados Organizado por grandes painéis de X-board (feitos de papel reciclado) que representam os símbolos da identidade da empresa, o projeto compõe um ambiente de 400m² colorido e divertido, assim como os calçados Pega-Pega. O mobiliário de exposição também é estruturado em material reutilizado e possui iluminação interna. Ainda, detalhes no piso, feitos de adesivo vinílico recortado aplicado sobre acrílico branco fixado no piso, fazem alusão a brincadeira Amarelinha utilizada no enxoval de PDV.

62.Design-UFRGS Projeto Integrado


Conjunto de peças adesivas para composição do PDV.

Projeto Integrado Design-UFRGS.63


Por Aloísio,

pelo design brasileiro, por nós! No Brasil, o dia cinco de novembro é dedicado ao design. Proposta instituída no ano de 1998, quando Fernando Henrique Cardoso, então Presidente da República, assinou decreto que estabeleceu o Dia Nacional do Design. A escolha da data não é arbitrária, trata-se de uma homenagem ao designer Aloísio Magalhães. O Grupo de Teoria, História e Crítica do Design -THC-UFRGS- composto por pesquisadores vinculados à Faculdade de Arquitetura, Departamento de Design e Expressão Gráfica e ao Instituto de Artes, e liderado pelo professor Júlio van der Linden, desenvolve pesquisas sobre a história do design brasileiro, com interesse na produção dos pioneiros. Esse

64.Design-UFRGS Seção Multi

trabalho motiva a proposta de uma ação de extensão intitulada A Herança de Aloísio Magalhães, que oportunamente ocorre de 3 a 13 de novembro de 2010. A intenção é estreitar vínculos entre pesquisa com o ensino de graduação aproveitando esta data significativa para todos que estão envolvidos com o universo do design. O evento é formatado através de múltiplas atividades como oficinas, palestras, exibição de documentários seguidos de debates, seminários e mostra. Este texto aborda especificamente a mostra sobre Aloísio Magalhães, uma das atividades do evento A Herança de Aloísio Magalhães. Ao conceber, produzir e montar esta mostra o Grupo de Pesquisa Teoria, História e Crítica do Design -THC-UFRGS- aproveita a oportunidade para fortalecer uma consciência coletiva, a partir da trajetória de Aloísio Magalhães. Apesar de singela, a intenção

desta mostra não é modesta. Nosso propósito é resgatar uma importante parcela da história recente do design brasileiro. Para alguns, este resgate significa libertar a memória do esquecimento, para outros, ampliar as fronteiras impostas pela ignorância, conseqüência de um país assolado pela colonização cultural. Hoje, ao encerrar a primeira década do terceiro milênio, o design começa a se consolidar no Brasil e, ironia ou profecia, a importância de Aloísio neste processo, jaz esquecida ou ignorada. “Casa de ferreiro, espeto de pau”, ele que sempre defendeu o patrimônio cultural, a memória, o passado como indicadores importantes, agora padece do problema a que combateu: o esquecimento, a indiferença. Numa breve, mas fecunda passagem na gestão de política cultural (1975/ 1982), sua postura primou pelas noções de


Teoria e História do Design continuidade e bens culturais. Ambas se articulam pelo fortalecimento de um patrimônio tão caro a todos os brasileiros: a identidade cultural. Seu discurso sinalizava que os “indicadores básicos” para nossa identidade cultural são os bens culturais, os valores permanentes da nossa memória coletiva. “Só o acervo do nosso processo criativo, aquilo que construímos na área da cultura, na área da reflexão que deve tomar aí o seu sentido mais amplo – costumes, hábitos, maneiras de ser. Tudo aquilo que foi cristalizado nesse processo, que ao longo desse processo histórico se pode identificar como valor permanente da nação brasileira. Estes são os nossos bens, e é sobre eles que temos que construir um processo projetivo.” (Aloísio Magalhães, 1982)

“O marco que assinala o início de sua vida pública é a fundação do Centro Nacional de Referência Cultural – CNRC - em Brasília, 1975, cujo objetivo era levantar, documentar e divulgar as manifestações culturais nacionais. A partir deste trabalho, “transcende a atividade de criação da forma para a de criação de estruturas de ação” (Joaquim Redig, 1989) “Santo de casa não faz milagre?” Talvez, mas a mostra busca assinalar que é importante revelar por que o dia 5 de novembro é consagrado como o Dia do Design no Brasil. É a data do nascimento de Aloísio Magalhães, um brasileiro que devido a sua atuação como designer profissional e gestor na política cultural representa um marco da implantação da atividade no Brasil. E, por metamorfose:

“Transforma-se o amador na coisa amada Por virtude do muito imaginar” (Camões) tem Aloísio o mérito, póstumo, de se transformar num bem cultural.

Prof. Maria do Carmo Curtis

Referências: MAGALHÃES, Aloísio. E Triunfo?: A questão dos bens culturais no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1985. REDIG, Joaquim. O mestre Aloísio Magalhães. In: Revista Design & Interiores, nº12, Jan/Fev, 1989, p.70 a 76. RODRIGUES, Rafael. Petrobrakis? In: Deigne, UniverCidade, Rio de Janeiro, nº3, + agendathcdesign. Outubro de 2001, p. 108 a 111. wordpress.com

Seção Multi Design-UFRGS.65


NDGA

Nucleo de Design Gráfico Ambiental O NDGA – Núcleo de Design Gráfico Ambiental consiste em um grupo de pesquisa e projeto que atua nas áreas de pesquisa e projeto de Sinalização, Design de Exposições, Ponto de Venda e Identidade Visual. Ele é formado por professores e alunos dos Cursos de Design de Produto e Visual da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Em busca de definições, não cabe limitar o Design Gráfico Ambiental em uma única área de conhecimento. Envolve a intersecção entre design gráfico, design de produto, arquitetura, urbanismo e comunicação com o intuito de informar,

66.Design-UFRGS Seção Multi

orientar, identificar e ambientar. Além de comunicar, educar e inspirar, promovendo acessibilidade. Atualmente o NDGA desenvolve pesquisas na área de sinalização: • Acessibilidade em Projetos de Sinalização e Design de Exposições, visando o estudo e avaliação dos sistemas comunicação/expressão assim como os recursos utilizados, com foco no usuário, para contribuição metodológica no desenvolvimento de projetos que contemplem acessibilidade. • Metodologia de Projeto de Sinalização, fazendo um levantamento das metodologias existentes, sistematizando-as na busca por validar ferramentas de geração e seleção alternativas.

e projetos da área de sinalização e identidade visual: • Implantação e acompanhamento do Projeto da Sinalização do Prédio Novo da Escola de Engenharia, com base em projeto realizado pelos alunos Gabriel Altenhofen e Raquel Quintana Martins na disciplina de Projeto Integrado I; • Projeto do Sistema de Sinalização para Escola de Engenharia a ser aplicado primeiramente no Prédio Centenário e posteriormente nas demais edificações desta Escola; • Projeto de Identidade Visual e Editorial da Revista Design e Tecnologia (PgDesign UFRGS); • Projeto de Identidade Visual comemorativa dos 115 anos da Escola de Engenharia.


Conheça o NDGA Prof. Eduardo Cardoso •

Projeto de Identidade Visual do Seminário Integrado de Projeto (Depto Design e Expressão Gráfica UFRGS), com a colaboração com a Profa. Priscila Zavadil. Projeto de Identidade Visual da Faculdade de Arquitetura da UFRGS, escolhido através de concurso público, com a participação da Profa. Priscila Zavadil.

Prof. Fabiano de Vargas Scherer

Projeto de Identidade do Núcleo (cartão de visita e material promocional)

Equipe: Prof. Eduardo Cardoso Prof. Fabiano de Vargas Scherer Profa. Tania Koltermann da Silva Acad. Design Produto Ricardo Costa (2010/2011) Acad. Design Visual Mariana Ikuta (2010) Acad. Design Visual Rafael Poloni (2010) Acad. Design Visual Camila Chissini (2011) Acad. Design Visual Simone Uriartt (2011) Acad. Design Visual Vinicius Strack (2011) Proposta de Sinalização para o Prédio Centenário da Engenharia

Proposta de Sinalização para o Prédio Novo da Engenharia

+ ndga. wordpress.com

Seção Multi Design-UFRGS.67


Apdesign

Associação dos Profissionais em Design do Rio Grande do Sul A Associação dos Profissionais em Design do Rio Grande do Sul - Apdesign, é uma associação civil, sem fins lucrativos, fundada em 09 de Janeiro de 1987, e que tem os seguintes objetivos: Representatividade Congregar os profissionais em Design do RS, incentivando a formação de uma identidade profissional para representálos como classe; Divulgação Apoiar, promover e estimular iniciativas que visem o reconhecimento de projetos com qualidade em Design; Ensino Propiciar o estabelecimento de uma permanente relação entre as instituições de ensino do Design e a atividade profissional; Articulação e Fomento

68.Design-UFRGS Seção Multi

Atuar junto às instituições financiadoras de desenvolvimento técnico e científico no sentido da adoção de programas de pesquisa e desenvolvimento do Design; Mercado e Indústria Incentivar as relações dos profissionais do Design e o mercado, objetivando a geração de produtos criativos, com mais qualidade e competitividade; Capacitação • Funcionar como entidade informadora, mediadora e crítica junto à sociedade referente a assuntos de Design incluindo capacitação a elaboração de laudos e perícias técnicas para fins jurídicos; • Estimular e divulgar a qualificação técnico-cultural dos profissionais em Design através da promoção de palestras, seminários, workshops, mostras, eventos culturais, comissões de estudos

e programas de intercâmbio com entidades congêneres de outros estados e países; • Subsidiar técnica e juridicamente aos associados no interesse da profissão. Direito de Autoria Defender o direito de autoria do profissional em Design incentivando a discussão de legislação específica concernente ao exercício da profissão; Qualidade de Vida Propor e discutir com a comunidade iniciativas que, através do Design, representem melhorias da qualidade de vida da sociedade como um todo. FOCO DA ATUAL GESTÃO Inserção do design no ambiente estratégico voltado aos processos de inovação. A Apdesign pretende aproveitar o


momento único que vive o design no mundo para deixar uma marca significativa na sociedade em relação ao papel do design como ferramenta decisiva nos processos de inovação, na geração de oportunidades de novos negócios e na análise e planejamento de modelos de futuro. DIRETORIAS Diretoria do Associado - Luiz Henrique Rosa – Shampoo Ideias Relacionamento com os sócios Profissionais, Estudantes e Honorários; Diretoria de Ensino – Anna Busko Universidades e Instituições de Ensino do Design, Administração, Publicidade, Arquitetura , etc; Diretoria de Relações Institucionais – Valpírio Monteiro – GAD Design Relacionamento da Apdesign com Instituições em Geral;

Diretoria de Mercado – Fernando Franco – Sceno EGD Empresas que compram design e empresas que fornecem para os profissionais de design; Diretoria de Comunicação – Vinícius Spindler – Spindler Comunicação Imprensa e Mídia (especializada e de massa); SÓCIOS APDESIGN Profissionais Pessoas físicas com formação superior com atribuição em Design e/ou que atuam no ensino, conceituação, desenvolvimento e/ou viabilização do Design, pelo período mínimo de 5 (cinco) anos comprovados. Estudantes Pessoas físicas que cursam regularmente escola superior com atribuição em Design.

Honorários Pessoas físicas, profissionais, ou não, que tenham contribuído com assinalados serviços ao Design, indicados por associados e referendados em Assembléia Geral. Seja sócio Apdesign Sendo sócio, você garante a existência de uma entidade que luta pela valorização dos designers e que busca a permanente capacitação dos estudantes, profissionais e empresas que atuam no mercado. Associe-se agora e receba o livro “A Empresa Orientada pelo Design”, de Marty Neumeier, leitura obrigatória para quem deseja saber qual o papel do designer no mundo corporativo hoje.

Seção Multi Design-UFRGS.69


Revolução pelo Design: o design além dos designers

No livro The Designful Company, editado no Brasil pela Bookman com o título A empresa Orientada Pelo Design, o designer e consultor Marty Neumeier afirma que a saída para toda a empresa é a Diferenciação. Ele, então, desenvolve uma tese onde indica que “a Diferenciação é resultado da Inovação”. Mas qual seria o motor da Inovação? Neumeier é enfático: “You wanna Innovate, You gotta Design”. Se quiser Inovar, você tem que usar o Design. Precisamos ir além da definição modernista que definia Design como resultado do binômio Forma e Função. “Precisamos

70.Design-UFRGS Seção Multi

de uma nova definição de Design baseada não em estilo, mas em performance”, afirma Neumeier. Já o designer Ravi Sawhney, da RKS Design e autor do livro The Predictable Magic, afirma: “Design used to be about beauty. Today, design is about meaning”. Defendo o design como resultado do trinômio Forma, Função e Significado. Ou seja, o Design não deve ser entendido apenas como um adjetivo aplicado à características físicas de objetos e peças de comunicação, avaliados por sua à beleza ou funcionalidade. O Design é decisivo na construção de conteúdo simbólico tanto para produtos, como também em Processos, Sistemas e Organizações. Este conceito é importantíssimo, por exemplo, na definição do papel do design frente à Sustentabilidade. Precisamos combater o conceito de que Sustentabilidade é igual a Ecologia, que é igual à Natureza. Seguindo esta lógica, estamos legitimando a criação de

produtos absurdos, como o Pendrive de Bambu ou um chinelo feito de pedaços de lápis. Estamos aceitando a demagogia de que uma Ecobag irá salvar o planeta. Na verdade, o papel do design é crucial na quebra desta inversão de valores. Um produto feito para durar, tanto materialmente como simbolicamente, mesmo que não tenha aparência natural ou ecológica e utilize materiais estigmatizados como o plástico, pode ser muito mais orientado a sustentabilidade do que estas parafernálias feitas de resíduos que, no final, tornam-se rapidamente novos resíduos. Temos como exemplo linhas de mobiliário desenhadas na Escandinávia, Suíça e Europa, que continuam modernas depois de 30 anos. E duram até lá! Empresas genuinamente inovadoras investem em pesquisa e desenvolvimento de no vas tecnologias, puxando toda a cadeia econômica, e deixando


um legado de aprendizado coletivo. Além disto, acabam sendo as preferidas pelos consumidores. Neumeier usa como exemplo Steve Ballmer, CEO da Microsoft, que ficou famoso por um vídeo onde ele fala sobre a Microsoft e grita “I Love this Company!”. No caso da Apple, são os consumidores que gritam a frase. Isto explica porque a famosa maçã está no topo da lista de marcas mais valiosas do mundo, bem a frente da Microsoft. Na Apple, não são os produtos que “tem” design. É o processo cultural baseado no Design que resulta em novos produtos. É o processo funciona porque está presente desde o nível mais alto da corporação. Roger Martin, reitor da Rotman School of Management, da Universidade de Toronto, Canadá, que afirma que “para criar relevância, as empresas vão ter que fazer mais do que contratar Design. Elas terão que SER designers. Precisarão

pensar como designers, sentir como designers e agir como designers.” Os designers possuem uma capacidade inigualável de promover a mudança. Isto explica porque empresas como Samsung, Sony e LG tem designers em seus cargos diretivos. Mas não são somente os profissionais formados em design que agem desta maneira. Qualquer outro profissional pode ter uma abordagem “de Design” em suas tarefas, até mesmo um médico. A série House, do Universal Channel retrata um médico que utiliza abordagens altamente inovadoras e não lógicas na busca pela resposta para os casos mais complicados da medicina. Segundo o autor, os designers possuem algumas características muito favoráveis ao modo holístico de pensar do Design: a empatia, a intuição, a imaginação e a ideologia. Além disso, somos munidos de um ferramental que ajuda a tangibilizar estas

mudanças de uma forma mais compreensível. Ao mesmo tempo, estas características nos tornam seres estranhos ao mundo corporativo atual, ainda engajado na visão Tayloriana da Administração. Muito breve, os executivos tradicionais perceberão que nosso Idealismo, esta visão crítica que nos impele a sempre buscar melhorar o que está errado e encontrar o que está faltando, poderá ser usado como planta baixa para gerar novas alternativas de serviços, produtos e, até mesmo, modelos organizacionais. Nossa Intuição, que nos permite resolver os problemas de uma forma não-linear e não-lógica, será considerada uma virtude e não um capricho. E, então, seremos promovidos de meros esteticistas para os verdadeiros agentes da revolução do modo de pensar atual.

Por Mário Verdi, diretor da Verdi Design e presidente da Apdesign

Seção Multi Design-UFRGS.71


Concurso Masisa O objetivo principal do Concurso Design Masisa 2010 é potencializar a gestão do futuro profissional e o desenvolvimento da indústria do móvel, incentivando a criatividade e a inovação tecnológica por meio do design. O aluno de Design de Produto Ricardo Costa foi um dos 12 finalistas da etapa nacional.

Prêmio Tok&Stok Design Universitário O 5º Prêmio da Tok&Stok foi realizado em 2010 no Museu da Casa Brasileira, em São Paulo. O prêmio contou com 434 projetos inscritos, criados por estudantes de 90 universidades de 17 estados brasileiros. A aluna de Design de Produto, Paula Buela foi finalista. + tokstok.com.br/PremioTokStok

+ masisa.com/bra

Mostra Jovens Designers A Mostra Jovens Designers, criada em 2006, é voltada a estudantes de design de produto de todo o Brasil. No dia 24 de maio esteve reunido em São Paulo o corpo de jurados da IV edição. Segue abaixo os projetos selecionados do Curso de Design da UFRGS: • CEROS - Veiculo Transporte Escolar de Gabriel Altenhofen, Guilherme Webster, Moisés Hansen, Stefan von der Heyde; • Embalagem de Lápis de Cor de Aline Bon Chiossi e Patrick Rigon. + jovensdesigners.com.br

72.Design-UFRGS Mural


Mural IF Design Award 2011 Design Excellence Brasil

Revista#2 Submissão de Projetos

Alguns dos representantes do Design da UFRGS na categoria IF Design Excellence Brazil foram: • Poli, de Cássio Felin e Ricardo Costa; • Ceros, - Transporte Escolar, de Gabriel Altenhofen, Guilherme Webster, Moisés Hansen e Stefan Fernandes; • Multipack Smirnoff Ice, de Ricardo Drehmer e Thayse Scussel; • ATTA - Veículo Rural Conceito, de Amanda Vargas, Carolina Falcão, e Nílson Figueiredo. O projeto Chomp de Eric Pautz e Fernanda Fillipin foi premiado.

Os alunos interessados em submeter seus projetos desenvolvidos nos semestres 2010/02 e 2011/01 à banca de seleção da Revista deverão enviar o formulário de submissão preenchido (disponibilizado por e-mail pela COMGRAD-DSG), juntamente com os textos e imagens em alta resolução do projeto, em mídia digital.

Contribua Envie sugestões de eventos, notícias interessantes, avisos e outras informações úteis para: revista.design.ufrgs @gmail.com

+ revista.design.ufrgs@gmail.com

+ designbrasil.org.br/debrazil

Mural Design-UFRGS.73


Os 13 premiados

Prêmio Bornancini 2010

Vencedor: Carolina Poll Categoria: Comunicação Visual em Ambientes Projeto: Estande Pega-pega

Vencedor: Natália Trarbach e Camila Rockenbach Categoria: Design de Embalagem Projeto: Lápis de Cor Mercur

74.Design-UFRGS Mural

Vencedor: Grazielle Portella e Eric Pautz Categoria: Sistemas de Sinalização Projeto: Parcão

Vencedor: Fernanda Filippin, Augusto Rückert e Eric Pautz Categoria: Máquinas, Equipamentos e Veículos Projeto: MOPC


Ocorreu no dia 5 de novembro a cerimônia de premiação do Prêmio Bornancini 2010, realizado pela Associação dos Profissionais em Design do Rio Grande do Sul (Apdesign). Os cursos de design da UFRGS, com 60 projetos inscritos, 8 primeiros lugares e 6 menções honrosas, receberam o troféu de Faculdade Destaque.

Vencedor: Gustavo Kemmerich e Caroline Krüger Categoria: Ambientação de Outros Espaços Interiores Projeto: Interior para transporte coletivo de passageiros

Vencedor: Camila Rockenbach Categoria: Design Gráfico Promocional Projeto: Calendário 140 anos Mercado Público

Mural Design-UFRGS.75


Menção Honrosa: Mirtes Aline A. Almanza Categoria: Design de Embalagem Projeto: Embalagem de erva-mate

76.Design-UFRGS Mural

Vencedor: Rafael Wagner Poloni Categoria: Design Editorial Projeto: A Capa do Livro

Vencedor: Cássio Felin e Marina Guthmann Categoria: Mobiliário Urbano Projeto: Mobiliário para cidade de Porto Alegre

Menção Honrosa: Gustavo Kemmerich, Caroline Krüger e Lucas Ladwig Categoria: Máquinas, Equipamentos e Veículos Projeto: EVA - Eletric Vehicle A

Menção Honrosa: Marcelo Borges Almeida Categoria: Identidade Visual Projeto: Alpa


Menção Honrosa: Raquel Martins e Gabriel Altenhofen Categoria: Sistemas de Sinalização Projeto: Escola de Engenharia

Menção Honrosa: Rafael Poloni, Eric Pautz e Grazielle Portella Categoria: Design Gráfico Promocional Projeto: Lendas Gaúchas

Troféu Faculdade de Design Destaque Curso de Design da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Mural Design-UFRGS.77


TCC

Trabalho de Conclusão de Curso Design UFRGS 2010

Os projetos desenvolvidos pela primeira turma de formandos do curso de Design Visual demonstram cinco de suas possibilidades de atuação. A revista como portfólio: periódicos do Curso de Design - UFRGS Alice Hetzel - Design Visual Orientador Fabiano Scherer

Design de exposição: estudo de caso - Design UFRGS Gabriela Landeira - Design Visual Orientador Eduardo Cardoso

78.Design-UFRGS

A cor que veio do espaço: uma adaptação literária para histórias em quadrinhos Leonardo Selbach - Design Visual Orientadora Maria do Carmo Curtis

Identidade visual para um museu do design no Rio Grande do Sul Carolina Poll - Design Visual Orientador Eduardo Cardoso

Sinalização e identidade: Parque Zoológico do Rio Grande do Sul Marcelo Almeida - Design Visual Orientador Fabiano Scherer


Projeto de Estamparia desenvolvido pela aluna Paula Buela na disciplina eletiva de Design de SuperfĂ­cie I. Prof.: Evelise Rutschilling


Revista Design UFRGS #1  

Edição #1 da revista portfolio dos cursos de Design da UFRGS. Projeto Gráfico: Alice Hetzel Coordenação: Prof. Fabiano Scherer Apoio Bols...

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you