Issuu on Google+


Texto Complementar II Professora autora Dra. Kelly Christina Mendes Arantes


Pesquisa, Ação Pedagógica e a Formação do/a Professor/a-pesquisador/a em Artes Visuais como Compromisso Político

Introdução “Não é a idade que constitui o fator determinante de nossas concepções, mas sim o número de encontros que tivemos com determinado saber, assim como a qualidade da ajuda que tivemos para interpretá-los. (...) Estes ‘encontros’ não são os mesmos e não ocorrem na mesma ordem; o que é uma referência para um – e representa seu quadro conceitual, seu núcleo de saber – é inexistente ou se mantém na periferia para outro...” Britt-Mari Barth Dificilmente, alguém duvida que a formação do professor seja um elemento que favorece a melhora do ensino. Neste campo, entre uma das perspectivas que se relaciona com a inovação educativa, está a que se fundamenta na pesquisa: a partir da pesquisa-ação até a formação baseada na reflexão sobre a prática. Mas, com freqüência, estas perspectivas não consideram algo importante: o contexto histórico e biográfico das pessoas que estão implicadas na pesquisa. Em certa medida, são propostas de formação orientadas à prática que, com freqüência, esquecem o sujeito desta prática, suas condições históricas e suas condições sociais. Neste sentido, me resulta difícil falar do meu processo como professora, que se constitui também como pesquisadora, sem levar em consideração alguns conceitos básicos que estão diretamente relacionados com a construção sócio-histórica da identidade brasileira. Ou seja, minha forma de ver a realidade e com ela relacionada o estudo da cultura visual, não pode ser entendida sem a minha bagagem, o que dá significado a minha prática como educadora. Não se pode compreender, por exemplo, meu posicionamento, sem conhecer o período sócio-histórico que fez parte de minha formação e nele os pressupostos epistemológico- filosóficos positivistas que fundamentavam a pedagogia vigente, (pedagogia tecnicista). Assim como, não


texto complementar II

posso negar seus reflexos nos primeiros anos de minha prática docente. Uma parte desta bagagem está presente nas obras de vários autores, tais como: (CHAUI, 1989; DAMATTA, 2000, FRIGOTTO, 1984; SANTOS, 2002, 2007a, 2007b, 2008; SARTI, 2003) entre outros que consideram a desigualdade social brasileira resultado da vergonhosa distribuição de renda e de direitos presentes desde os tempos da colonização e, legitimada a partir do período da ditadura militar (1964-1985) através de distintas práticas com, por exemplo, a construção e afirmação de uma cultura hegemônica. Evidentemente, nos últimos anos e, principalmente, na última década, a sociedade brasileira vem passando por significativas mudanças, que refletem uma crescente preocupação e, também manifestações concretas em relação aos seus complexos problemas sociais, econômicos e culturais. Grupos civis independentes (ONGs) e, às vezes, com o apoio das instituições públicas ou privadas, desenvolvem trabalhos nos quais as classes à margem têm a oportunidade de se mostrar através de suas próprias perspectivas. É visível, atualmente, a crescente consciência social e étnica dentro das classes em desvantagem. Desta forma, na abordagem deste memorial, destaco duas experiências pedagógicas desenvolvidas em momentos distintos de minha carreira, com alunos da última etapa do ensino fundamental. Objetivo, assim, a partir destas duas experiências, propor uma reflexão sobre a importância de se formar não só professores/as do ensino de artes, mas, também, professores-pesquisadores da cultura visual. Considero, portanto, que o momento sócio-histórico ao qual estamos inseridos demanda não só novos olhares, como novos diálogos, numa perspectiva pedagógica crítica interdisciplinar que permita aos sujeitos fazerem parte da história. Autores como (HERNÁNDEZ, 1998, 2000, 2007; FREIRE, 2005a, 2005b, GIROUX, 1990, 1997, KINCHELOE, 1997, FOCAULT, 1992, 1996; SANTOS, 2002, 2007e 2008) e tantos outros embasam essa reflexão e abrem perspectiva para a relação ensino-aprendizagem como um processo emancipador e não constrangedor. O olho curioso “Educar o ‘olho curioso’ implica certa inquietude; uma noção das coisas fora do reino do conhecido, das coisas não completamente entendidas ou articuladas; os prazeres do proibido ou do oculto ou do impensado, o otimismo de encontrar algo que não se conhece ou se pode conceber com antecedência” ROGOFF

Kelly Christina Mendes Arantes é professora adjunta da Faculdade de Artes Visuais da Universidade Federal de Goiás, atua no curso de Licenciatura em Artes Visuais na Modalidade a Distancia (EaD) da FAV/UFG, e é doutora em “Educación Artística y Aprendizaje de las Artes Visuales” pela Universidade de Barcelona, Espanha. COSTA, Marcos Roberto. Pressupostos filosóficos-epistemológicos da avaliação educacional. Cadernos CTCH 1993, p.37-43. Disponível em: WWW.portaleducacao.com.br/.../ gestão-democrática-escolar Acesso em: 03/11/2010.

273


texto complementar II

ROGOFF, I (1998): “Studying visual Culture”. In N. Mirzoeff (Ed): The Visual Culture Reader, Londres, Routledge, p.14-26. Citado por HERNÁNDEZ, F. Más Allá de los límites de la escuela: un diálogo entre emergencias sociales y cambios en las artes y en La educación. In: RENPENSAR L’EDUCACIÓN EN LAS ARTES VISUALES: POLITICAS DE LA DIFERENCIA, INFANCIA Y CULTURA VISUAL, 31 de enero a 1 de febrero, Caixa Forum. Barcelona, 2003. Parcialmente publicado no capítulo: ARANTES, K. C. M. Ocupando o lugar do “outro”: Cultura visual e experiência docente. In: MARTINS, R.; TOURINHO, I. (Org.) Educação da Cultura Visual: narrativas de ensino e pesquisa. Santa Maria: Editora ufsm, 2009. p. 17-38.

Dois estudos contribuíram, significativamente, para o meu processo de formação como professora-pesquisadora, porque despertou o meu “olhar curioso” para a questão do espaço, além da pedagogia formalista do ensino da arte e da própria sala de aula, me levando a perceber a importância do espaço sócio-territorial. Foram eles: La construcción de La identidade del adolescente inmigrante a través de la cultura visual” e “Conociendo más sobre el Museo Nacional de Arte de Cataluña através de sus Aparatos y Tecnologías Institucionales”, pesquisas estas, realizadas no período em que cumpria as disciplinas do doutorado em Artes Visuais, na perspectiva dos Estudos Culturais (GIROUX, 1990, 1997; McLAREN, 1998; WALKERDINE, 1998 e HERNÁNDEZ, 2000, 2003 e 2007) na Universidade de Barcelona, Espanha. Tais estudos foram realizados sob a orientação do professor Dr. Fernando Hernández Hernández e da professora Dra. Carla Padró, respectivamente. Ambos os trabalhos ampliaram a minha visão sobre as relações sociais, despertando-me para as relações hegemônicas presentes tanto em contexto fechados, como é o caso dos museus, como em contextos mais amplos – a Barcelona dos catalães e o Bairro Raval dos imigrantes, ou seja, as relações entre a cidade e sua margem. Assim, através de leituras e discussões no curso de doutorado, percebi que aos poucos o tema da territorialidade foi adquirindo importância em minhas interpretações e pesquisas, se tornando, definitivamente, parte de um dos eixos norteadores de minha tese de doutorado: “Contando Histórias Olvidadas: Las relaciones entre el poder y sus márgenes en las historias de éxito de profesores condenados al fracaso”. Desta forma, a narrativa reflexiva que pretendo construir nesse texto, não poderia ser diferente. Analisar o “outro” numa perspectiva de conhecer a nós mesmos passou a fazer parte dos meus projetos pedagógicos, na medida em que fui me constituindo como professora-pesquisadora. Construir “Crenças Alternativas” (VAN DIJK, 2005) junto de meus alunos ao relacionarmos a arte, a cultura visual, nossas inquietudes e preconceitos com outros contextos, passou a ser um desafio, como proponho em minhas reflexões (ARANTES, 2005). Estabelecendo as bases para uma reflexão a partir de duas ações pedagógicas Ao destacar duas experiências pedagógicas, não pretendo, de forma alguma, estabelecer um “Regime de Verdade” (FOUCAULT, 1992). Mas destacar a importância da formação do professor-pesquisador, não só crítico, mas com compromisso político, como defende Kincheloe

274


texto complementar II

(1997) e de mostrar que a arte-educação, que também inclui a cultura visual, pode sim fazer a diferença no contexto das instituições públicas do ensino fundamental. Nessa perspectiva, não faço um julgamento das ações pedagógicas desenvolvidas, mesmo porque, ambas as ações obtiveram êxito em seus respectivos contextos (tempo, espaço e perspectiva teórica pedagógica). Sendo assim, a seguir descrevo as ações pedagógicas realizadas quando ainda era arte-educadora do ensino fundamental de uma escola da rede municipal de ensino da cidade de Belo Horizonte. Ação Pedagógica I

Jorge dos Anjos: Um artista brasileiro – 1999 Esse projeto foi bastante inquietante, ainda que, desenvolvido aos moldes de uma pedagogia tecnicista (proclamando a objetividade técnica, a neutralidade política, a importância do objeto sobre o sujeito e a imparcialidade no estudo dos fenômenos sociais). No processo de seu desenvolvimento, surgiram perguntas latentes, embora eu não disponibilizasse, naquele momento, de ferramentas suficientes, para construir crenças alternativas. Por exemplo, os alunos e, entre eles, os alunos negros, se surpreenderam ao se depararem com um artista negro. Como “professora”, aos moldes da pedagogia estruturalista e formalista, não tive a formação para lidar com os imprevistos inerentes do processo ensino aprendizagem, como discute Kincheloe (1997). Desta forma, a perspectiva metodológica adota se fundamentou no ensino formalista de leitura do objeto artístico. Como professora tradicional afirmava o conhecimento legitimado, tendo como ponto de partida, as composições formais do objeto artístico (cor, ponto, linha, 275


texto complementar II

equilíbrio, movimento e etc.) assim como, releituras da obra do artista. A técnica foi, simplesmente, utilizada como meio de apóio às atividades (fotografia do processo, audição de percussões com ênfase em diferentes ritmos, sessões de vídeo sobre o artista estudado, leitura de catálogos sobre as obras do artista, desenho com lápis de cor sobre papel, pintura sobre papelões em grandes formatos).

Nesse caso, a técnica e o método se sobrepuseram às experiências dos sujeitos e às suas histórias. Os estudantes compreenderam a leitura formal da obra de arte, “alfabetização visual” numa perspectiva hegemônica.

ARANTES, K. C. M. De que lado nós estamos? Uma experiência na educação de adolescentes através da cultura visual. Visualidades. Goiás, v.3, n.2, p.57-88.

276

Questões sobre gênero, etnia, sexualidade, classe social, religião, territorialidade e etc., não foram consideradas ou problematizadas no processo ensino/aprendizagem dessa ação pedagógica. Os sujeitos envolvidos ficaram à margem da história. Mesmo assim, os estudantes tiveram momentos de prazer, aprenderam a trabalhar em grupo e se sentiram orgulhosos tanto do que desenvolveram individualmente, como em grupo. Porém, tais situações, não foram problematizadas no sentido de incluir suas histórias, expectativas e


texto complementar II

desejos. Nessa perspectiva e considerando essa experiência, corremos o risco de reforçarmos, enquanto professores tradicionais, o saber mínimo em detrimento do “saber sofisticado” (KINCHELOE, 1997). Saber esse que corresponde ao saber construído a partir de questionamentos e problematizações que, na maioria das vezes, não fazem parte do nosso plano de aula, porque corresponde às imprevisibilidades inerentes do processo ensino aprendizagem, e que, também, está relacionado com a maneira a qual aprendemos a aprender, como discute Kincheloe (1997). Ação pedagógica II Desconstruído a identidade hegemônica de adolescente – 2005

Nesse projeto, enquanto professora-pesquisadora e coordenadora me sentia encorajada a assumir como ponto de partida as inquietudes, os riscos e as provocações latentes da sala de aula. Eu, também, já havia passado pelas experiências investigativas de Barcelona, como citei no início desse texto. Estava sensibilizada e disposta a provocar os estudantes no que dizia respeito ao conhecimento “naturalmente” legitimado. Assim, partimos problematizando o estereótipo do adolescente, (ARANTES, 2005). Adotei uma perspectiva pedagógica fundamentada em pressupostos epistemológico-filosóficos críticos, buscando uma educação libertadora e democrática. A técnica (sessões de filmes registros fotográficos, desenho, pintura e escrita sobre a temática) foi utilizada como parte integrante da própria concepção do processo formativo, incorporando 277


texto complementar II

a perspectiva teórica crítica para fundamentar a construção de crenças alternativas a partir da desconstrução do estereótipo de adolescente. Desta forma, a tecnologia e métodos utilizados contribuíram para a emancipação dos sujeitos envolvidos.

Como forma de se chegar a tais objetivos a metodologia consistia em pesquisar sobre o significado da palavra estereótipo, estudos dirigidos e debates sobre (telenovelas, filmes, textos de revistas e entrevistas) relacionados ao problema de estudo: identidade adolescente. Além disso, construímos relatos escritos e relatos visuais.

Este projeto possibilitou uma maior interação entre a escola e a comunidade, possibilitou o diálogo interdisciplinar entre os diferentes contextos e diferentes problemas vividos pelos adolescentes, apontando para a necessidade da construção de novos desenhos curriculares emancipadores e democráticos. 278


texto complementar II

Questões sobre gênero, etnia, sexualidade, religião, territorialidade foram abordados criticamente no processo da construção do conhecimento. Ao refletirmos através de diferentes abordagens as possibilidades de ser adolescente hoje (alienado, individualista, solidário, participativo, questionador e etc.) mediada por filmes, textos, entrevistas, diálogos e debates, os alunos aprenderam a pensar, criticamente e politicamente sobre suas realidades. Ou seja, aprenderam a pensar sobre o seu lugar no contexto da família, da escola e no convívio com os amigos, além de reconhecer a importância dessa conscientização nas relações sociais mais amplas. Aprenderam, por exemplo, que como alunos de escola pública tinham o direito de usufruir de um quadro de professores completo, que a falta desses por descaso das próprias políticas públicas podia afetar, consideravelmente, o processo de aprendizagem e construção de seus conhecimentos. Nessa ação pedagógica, a arte, assim como, a leitura crítica da cultura visual, que povoa seus contextos, contribuíram para a construção de uma identidade de adolescente “contra-hegemônica” (Giroux e McLaren, 1998), na qual os jovens puderam ir além de sua rebeldia transformando o conhecimento em ação social. Com essa bagagem os alunos que participaram desse projeto se organizaram entre eles e conseguiram mobilizar seus colegas para reivindicar o direito ao conhecimento. Questionando as políticas públicas conseguiram trazer a escola professores para completar o quadro docente. 279


texto complementar II

Considerações não conclusivas Não para concluir, mas para refletirmos. Apresentadas estas experiências, podemos dizer que o papel oferecido aos docentes durante muitos anos, é inadequado para o contexto real da escola atual. Que a diversidade como pauta do dia (de alunos, de situações, de maneiras de aprender, de interesses, de expectativas e formas de ver) vem afetando o ambiente atual das escolas e como “‘respostas’, a estas situações, as escolas continuam afirmando um sistema moderno, monolítico, que segue pretendendo obter fins profundamente anacrônicos no centro das estruturas opacas e inflexíveis” (HERNÁNDEZ, 2003, p.2). Como exemplo dessa reflexão, destaco o reconhecimento por parte da Secretaria Municipal de Educação (SMED), da ação pedagógica I. Os trabalhos dos alunos foram expostos em distintos eventos promovidos pela SMED. Ao contrário da ação pedagógica II, que sofreu forte represália, pois no processo os alunos desvelaram as suas reais condições (estavam a meses sem professores de distintas disciplinas). Nesse sentido, como propõe Hernández e Sancho (2002) a escola tem que estar atenta ao que passa atualmente, em relação aos saberes, à sociedade e aos sujeitos. Nesse contexto, a formação emancipadora dos docentes se faz necessária, para que possam atuar encorajados, respondendo com propostas imaginativas, transgressoras e de riscos que, possibilite ao seu alunado, desenvolver formas de compreensão e atuação de maneira que possam desenvolver seu projeto de vida. O ensino não se restringe mais dentro dos muros das escolas. Como destacam esses mesmos autores, a formação do professorado segue sem superar o debate entre a teoria e a prática. A teoria é importante para que se possa gerar um processo pedagógico reflexivo. Como foi o caso da ação pedagógica II, ainda que não tenhamos discutido sobre a teoria de Antonio Gramsci, como professora juntamente com os meus alunos/as refletimos sobre relações hegemônicas. Ainda que, não tenhamos discutido sobre a teoria de Michel Foucault, refletimos sobre relações de poder. E, embora, não tenhamos discutido sobre as reflexões de Milton Santos, percebemos as contradições existentes em distintos territórios e contextos. Repensar o ensino das artes visuais, em tempos de mudanças significa não deixá-lo a margem de uma reflexão mais ampla sobre o papel da escola e dos sujeitos pedagógicos que dela fazem parte. O ensino deveria contribuir para o aparecimento de “atores” com capacidade de ação e resistência e não de leitores passivos. A educação pre280


texto complementar II

cisa criar alternativas contra-hegemônicas. Portanto, devemos pensar sobre em que perspectiva estamos formando os futuros professores? Para que tipo de sociedade? Devemos tomar consciência do modelo de educação e de sociedade a que esta prática está servindo, como sugere Costa (1993). O currículo oculto do professor formador tecnicista promove uma visão passiva dos/as professores/as que são vistos como seguidores de regras, ao contrário a esta perspectiva, a educação pós-moderna do professor/a, consiste em tirar o máximo das imprevisíveis e complicações da sala de aula (KINCHELOE, 1997). referências bibliográficas ARANTES, K. C. M. De que lado nós estamos? Uma experiência na educação de adolescentes através da cultura visual. Visualidades. Goiás, v. 3, n.2, p.57-88. ARANTES, K. C. M. Ocupando o lugar do “outro”: cultura visual e experiência docente. In: MARTINS, R.; TOURINHO, I. (Org.). Educação da cultura visual: Narrativas de ensino e pesquisa. Santa Maria: Editora ufsm, 2009. P.17-38. CHAUI, M. Conformismo e resistência: aspectos da cultura popular no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1989. COSTA, Marcos Roberto Nunes. Pressupostos filosóficos-epistemológicos da avaliação educacional. Cadernos CTCH 1993, p.37-43. Disponível em: <www.portaleducacao.com.br/.../gestao-democratica-escolar> Acesso em: 03/11/2010. DAMATTA, R. O que faz o Brasil, Brasil? Rio de janeiro: Rocco, 2000. FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. Madrid: La Piqueta, 1992. FOUCAULT, M. Por que hay que estudiar el poder: La cuestión del sujeto. In: VVAA. Materiales de Sociología. Valencia, La Piqueta, 1996, p.25-36. FOUCAULT, M. El orden del Discurso. Barcelona: Fabula Tusquets, 1999. FOUCAULT, M. Vigilar y Castigar. Madrid: SigloXXI, 2000. FREIRE, P. Conscientização: teoria e prática da libertação. São Paulo: Centauro, 2005a. FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 2005b. FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva. São Paulo: Cortez, 1984 GIROUX, H. Los profesores como intelectuales: hacia una pedagogía del aprendizaje. Barcelona: Paidós, 1990.

281


texto complementar II

GIROUX, H. Cruzando Límites: Trabajadores culturales y políticas educativas. Barcelona: Paidós, 1997. GIROUX, H.; McLAREN, P. Sociedad, cultura y educación. Madrid: Miño y Dávila, 1998. HERNÁNDEZ, F. Cultura visual, mudanças educativas e projeto de trabalho. Porto Alegre: ArtMed, 2000. HERNÁNDEZ, F. Catadores de cultura visual: propostas para uma nova narrativa educacional. Porto Alegre: Mediação, 2007. HERNÁNDEZ, F. & SANCHO, J. (2002): “Desafios, transgresión y riesgo”, Cuadernos de Pedagogia, 319, p.12-15. KINCHELOE, J. L. A formação do professor como compromisso político: mapeando o pós-moderno. Porto Alegre: ArtMed, 1997 SANTOS, M. O espaço do cidadão. São Paulo: Edusp, 2007a. SANTOS, M. Pensando o espaço do homem. São Paulo: Edusp, 2007b. SANTOS, M. A urbanização brasileira. São Paulo: Edsp, 2008. VAN DIJK, T. El discurso como interacción en la sociedad. In: VAN DIJK,T. (Org.). El discurso como interacción social. Barcelona: Gedisa, 2005, v.2, p.19-66. WALKERDINE, V. Sujeto a cambio sin previo aviso: la psicología, la posmodernidad y lo popular. In: CURRAN, J.; MORLEY, D.; WALKERDINE, V. (Comp.). Estudios Culturales: Analisis, producción y consume de las políticas de identidad y el postmodernismo. Barcelona: Paidós, 1998, p.153-185.

282


texto complementar II

283


Texto complementar II