Issuu on Google+

Julho 2012

Nesta edição: Um dia com... O PROFESSOR RUI LOUREIRO Este historiador colaborou ativamente na recolha de informações históricas sobre o papel desempenhado pelo sul de Portugal na era dos descobrimentos.

Experiências saborosas: ALBUR A LA LATA Este prato típico de Coria del Río é confecionado à base de albur, um peixe residente no Guadalquivir. Fácil e muito bom!

Zona verde: AS PRAIAS DE LAGOS São consideradas das mais belas da região do Algarve, tendo uma delas, a Praia Dona Ana, sido nomeada para “Melhor Destino de Praia da Europa”.

Recomendamos 20-28/7 Lebrija CARACOLÁ LEBRIJANA: 47.ª edição deste festival com atuações eminentemente flamencas, para além de outros dias de atividades paralelas, todas elas diretamente relacionadas com o Flamenco. Mais informações em www.turismosevilla.org. 1/8 Utrera

Jóias escondidas: PRAIA DE MARTINHAL O amanhecer e as “Ilhas Mágicas” à luz da lua cheia de Martinhal, em Sagres: uma experiência inesquecível num lugar único.

1

“ARTESANO”, concerto espetáculo de apresentação do último trabalho discográfico de Miguel Poveda, no qual consegue reunir uma série de destacados artistas flamengos. Mais informações em www.miguelpoveda. com e www.turismosevilla.org.


Um dia com... Professor Rui Loureiro amplos, graças a rotas marítimas inovadoras que puseram em contacto todos os povos e todas as culturas, propiciando uma circulação à escala mundial de pessoas, mercadorias, ideias, técnicas, línguas, etc. Participou ativamente na configuração da Rota Europeia dos Descobrimentos, Descubriter. Na sua opinião, que mais-valias nos traz, o que nos oferece? O Algarve e a Andaluzia possuem um vasto património histórico e cultural relacionado com a herança da época dos descobrimentos, o qual deve ser valorizado e desfrutado em termos turístico-culturais. O “Descubriter é uma oferta de turismo complementar e alternativa à tradicional, que faz uso desse grande património histórico, cultural e simbólico (protagonistas, rotas marítimas, tecnologias, etc.) para favorecer o desenvolvimento económico e cultural da zona.

Atual vice-presidente do Centro de História de Além-Mar (Universidade Nova de LisboaUniversidade dos Açores), é igualmente diretor do Departamento de altos estudos do Instituto Superior Manuel Teixeira Gomes. O sudoeste da Península Ibérica converteu-se no centro das expedições marítimas que exploraram o mundo entre os séculos XV e XVII. A que se deveu toda esta iniciativa? Após a conquista da Cidade de Ceuta em 1415, a coroa portuguesa desenvolveu, a partir da segunda metade do Século XV, uma intensa atividade exploradora, chegando à costa ocidental de África ou descobrindo os arquipélagos da Madeira, dos Açores e de Cabo Verde. No século XV, graças ao binómio português-espanhol, permitiu estabelecer vínculos diretos entre a Europa, a África, a América e a Ásia. A globalização teve o seu início a partir de um movimento regional desencadeado no Algarve ocidental.

Por último, de tudo o que engloba A Rota Europeia dos Descobrimentos, diga-nos um lugar, uma festa popular e um prato tradicional. Um lugar: Lagos, o segredo mais bem guardado do Algarve. Uma festa popular: o já desaparecido Festival dos Descobrimentos, em Lagos, a primeira vítima da crise do “subprime”. Um prato tradicional: “Xarém ou papas de milho”, um prato de origem árabe.

Estes séculos de viagens épicas geraram uma grande riqueza económica, cultural e social graças às trocas culturais provocadas pelos descobrimentos de novas terras. O que destacaria desse processo? Destacaria “a abertura do mundo” que teve lugar durante os séculos XV e XVI. Passou-se de culturas isoladas e fechadas para horizontes mais

A rota em números 50,56%

da tripulação da primeira viagem de Colombo era onubense

80

Mais de 300

metros é a altura que chegam a alcançar as falésias da Fortaleza de Sagres

é o número de dias de sol que se gozam por ano, em Faro.

2

3

anos foi o tempo que demorou a Nau Victoria a chegar a Sanlúcar de Barrameda, depois de circunavegar a terra pela 1.ª vez na história


Experiências saborosas: Albur a la lata Dos pratos típicos de Coria del Río, o mais tradicional é o albur. Este peixe, que está presente no Guadalquivir e é muito parecido com a tainha-liça, caracteriza-se pela sua sucosidade. Entre as suas diferentes preparações, encontram-se o “albur en adobo”, à coriana e, uma das suas preparações mais conhecidas, o “Albur a la lata”. Ingredientes: 2 kg de albures 1/2 kg de tomate 1 pimento verde 1 pimento vermelho de assar alguns dentes de alho 1 copo pequeno de óleo 1 copo médio de vinho branco 1/4 kg de batatas 1 cebola 1 cenoura cominho moído pimenta moída caldo de peixe sal

Zona verde: As praias de Lagos As praias de Lagos são consideradas das mais belas da região do Algarve, possuindo o território dois âmbitos litorais: A Meia Praia, uma ampla praia de substrato arenoso com extensão de pouco mais de 4 km e as Praias da Costa D'Oiro, enseadas e praias de areia branca protegidas por imponentes falésias.

Num recipiente de forno, colocar as batatas cortadas às rodelas, o pimento verde, a cebola, os alhos, a cenoura e os tomates, tudo muito picado. Acrescentar o óleo e o vinho, levar ao forno e, quando estiver quase no ponto, acrescentar os albures com um corte no lombo e meter nele uma rodela de limão; juntar o caldo de peixe, o cominho, a pimenta e uma folha de louro.

Nestas incluem-se as Praias Formosa, dos Homens, dos Estudantes, da Caldeira, do Pinhão, Dona Ana, do Camilo, dos Pinheiros e a Praia Grande. Todas elas contam com diferentes graus de acessibilidade e equipamentos turísticos e de vigilância. Convém ainda destacar a nomeação da Praia Dona Ana, pela World Travel Awards Europa, para “Melhor Destino de Praia da Europa” para o ano de 2012. Além disso, 6 praias de Lagos contam com o reconhecimento da Bandeira Azul: Luz, Porto de Mós, Camilo, D. Ana, Praia da Batata e Meia Praia.

Deixar cozer no forno e servir acompanhado de tiras de pimento vermelho fritas.

Mais informações em www.cm-lagos.pt e www. visitalgarve.pt.

3


Jóias escondidas: Praia de Martinhal Situa-se a leste da povoação de Sagres e encontra-se protegida da ondulação dominante e dos ventos de oeste e sudoeste pela ponta da Baleeira (onde se situa a docapesca de Sagres).

Quando nos aproximamos desta Ilha, damo-nos conta de que não há uma, mas sim quatro ilhas, alinhadas de uma forma que, a partir de terra, parecem uma só. Nas noites de lua cheia esta ilha parece irradiar uma luz quase fluorescente, uma aura mágica que a rodeia.

As águas são por isso tranquilas e convidam à prática do windsurf e do mergulho, sendo aconselhável a visita subaquática às bonitas ilhotas de natureza calcária que se situam ao largo da praia, famosas pelas suas entradas rochosas e grutas submarinhas.

O acesso faz-se por uma estrada asfaltada de 2 km, que passa através da Urbanização de Martinhal em Sagres e segue em direção à praia. Possui um parque de estacionamento amplo, embora não ordenado, com instalações (restaurante e WC) e vigilância na época estival.

A praia é essencialmente arenosa, com dunas altas no centro e vegetação pantanosa que se estende para o interior do vale. Para leste, voltam a surgir as falésias, havendo na praia muitos seixos que os banhistas utilizam para construir abrigos que funcionam como quebra-vento. Aqui se encontram as ruínas de um importante centro de olaria romano e, nas ilhotas, vestígios de tanques para a salga de peixe.

Mais informações em www.promosagres.com.

A leste do Martinhal, nasce a praia deserta de Rebolinhos, enquadrada entre falésias e orientada a sul. Possui acesso pedonal através do complexo turístico situado neste lugar, embora não disponha nem de instalações nem de vigilância. E se algo há que não se deva perder, será certamente o amanhecer e a lua cheia na Praia de Martinhal... Enquanto, por todo o país, se vê o pôr do sol sobre a água, a praia do Martinhal é um dos únicos locais onde se pode observar o nascer do sol vindo da água. Esta peculiaridade deve-se à sua posição geográfica. Levante-se mais cedo numa manhã e venha apreciá-lo. Não se vai arrepender desta experiência mágica. E se é daquelas pessoas que preferem a noite ao dia, não perca as “Ilhas Mágicas” de Martinhal:

4


Sabia que...? Nos oceanos, é possível produzir energia a partir de cinco fontes: ondas, correntes, marés, gradiente térmico e gradiente salino. Em 1980, já existiam mais de 1000 invenções para converter a energia das ondas em energia elétrica. A primeira vez que se utilizou a energia das ondas para produzir energia elétrica foi na década de 60, no Japão, em bóias de sinalização marítima. A expressão espanhola “Salvarse por los pelos” (Salvarse pelos cabelos) tem origem no mundo dos marinheiros: Em tempos remotos, muitos marinheiros não sabiam nem sequer boiar, porque saber nadar não era uma condição necessária para ingressar na tripulação. Quando um chefe da Armada, motivado por razões puramente higiénicas, deu a ordem de rapar a cabeça de todos os seus homens, estes negaram-se, alegando que em caso de naufrágio, eram muitas vezes salvos de uma morte certa ao serem agarrados pelo cabelo. Este pedido foi curiosamente atendido pelos superiores. Hoje em dia, a expressão espanhola “salvarse por los pelos” significa que alguém se consegue livrar de grandes apuros no último instante.

5

Ligações de interesse DELEGAÇÕES DE TURISMO: PROVÍNCIA DE SEVILHA Plaza del Triunfo, 1 41001 Sevilla Tel: (+34) 954 210 005 infoturismo@prodetur.es SANLÚCAR DE BARRAMEDA Calzada del Ejército, s/n 11540 Sanlúcar de Barrameda - Cádiz Tel: (+34) 956 31 61 10 sanlucarturismo@gmail.com PALOS DE LA FRONTERA Casa Museu Martín Alonso Pinzón Calle Cristóbal Colón, 34 21810 Palos de la Frontera - Huelva Tel: (+34) 959 100 041 casamuseo@palosfrontera.com LAGOS Praça Gil Eanes (Antigos Paços do Concelho) 8600 Lagos Tel: (+35) 282 763 031 turismo.lagosturismodoalgarve.pt VILA DO BISPO E SAGRES Rua Comandante Matoso 8650-357 Sagres Vila do Bispo – Sagres Tel: (+35) 282 624 873 turismo.sagres@turismodoalgarve.pt


Newsletter Descubriter Julio Port