Page 1

2 1

não fossem de contestação, eram imagens divertidas e irreverentes que incomodavam o 3 Brasil da ditadura. Por isso, ele teve várias passagens pela polícia, fato que nunca o incomodou. “Correr risco é próprio de 4 quem opta por realizar ‘arte para todos’”, explicou o crítico Paulo Klein, curador da mostra no MIS, em entrevista ao Jornal do Brasil em janeiro de 1999. Hoje os trabalhos de Vallauri praticamente desapareceram dos muros paulistanos. “As figuras vão, mas o personagem fica porque Vallauri criou gerações de artistas seguidores, que inclusive colaboraram na criação da Casa da Rainha do Frango Assado, montada na 18 a Bienal, quando o artista já estava bem debilitado pela Aids, doença que o levou à morte em 1987”, afirma Klein. O estilo spraycanart, divulgado no Brasil por Vallauri, só veio a ser reconhecido oficialmente e a ganhar espaço na gestão da prefeita Luíza Erundina, entre 1989 e 1992. Segundo Tinho, integrante da old school, muitos eventos públicos da cidade passaram a incluir apresentações de grafiteiros. Entre eles estavam os de maior destaque: Gêmeos, Vitché, Zelão, Binho, Speto e Ciro. Além disso, “a prefeitura pagava pelo trabalho e fornecia o spray”, lembra Tinho. Encontros promovidos pela prefeitura premiavam artistas e, por isso, grandes painéis decoraram importantes avenidas como a Paulista, a Amaral Gurgel e o túnel Nove de Julho. A expansão do grafite durante a gestão de Erundina foi fundamental para a consolidação dessa arte na cidade. A grande adesão aos trabalhos iniciais formou uma nova geração de talentos, como 101

1 e 2: Gustavo e Otávio (os Gêmeos); 3: Vitché; 4: Speto . Eles são alguns dos principais grafiteiros de São Paulo.

A mão que aperta o spray

Profile for Deraldo Batista Dhest

Hip Hop a Periferia Grita  

Descrições dos Maiores Representantes do Graffiti no Brasil, Entre outros...

Hip Hop a Periferia Grita  

Descrições dos Maiores Representantes do Graffiti no Brasil, Entre outros...

Advertisement