Page 1

Power MarĂ­lia Coutinho

lifting


Revista crossfitter Onde seu wOD vira nossa hist贸ria.


Quem fez a revista Diretor

Denis Diegas

Diretora de Fotografía Tatiana Mello

Diretor de Arte

Alexandre Lopes de Santana

Colaboradores: CrossFit Brasil CrossFit SP CrossFit Friburgo CrossFit Vale CrossFit Hangar CrossFit BSB CrossFit Jam

Colunistas:

Joel Fridman Marília Coutinho Tiago Lopes Tiago Heck Luiz Eduardo Neves Vivian Sakamoto

Treinadores:

Joel Fridman Tiago Lopes Tiago Heck Raffa Black Eliseu Quintiliano Vivian Sakamoto

A Revista CrossFitter é uma revista de estilo de vida e aptidão funcional. Cada edição oferece informações educacionais de especialistas nas áreas de fitness, nutrição e psicologia do esporte, bem como histórias de sucesso motivacionais. A Revista CrossFitter está sediada em São Paulo, Brasil, e é uma empresa de mídia dedicada a promover um estilo de vida ativo, através da formação CrossFit e alimentação saudável. A Revista será de publicação bimestral e poderá ser visualizada em nosso site: www.revistacrossfitter.com.br A Revista Crossfitter é uma revista independente, sem filiação com o CrossFit Inc. Não pertence a CrossFit Inc. ou qualquer de suas subsidiárias, incluindo CrossFit Journal, CrossFit Kids ou CrossFit Games. As opiniões expressas na Revista Crossfitter, podcasts ou revistacrossfitter. com.br não são as do CrossFit Inc. ou seus fundadores.

revistacrossfitter.com.br

5


Revista

CrossFitter Apresentamos a Revista CrossFitter, uma publicação bimestral que tem por missão disseminar diversas noticias realizadas na área das ciências sociais, com o foco voltado para a prática do CrossFit em território Brasileiro. O objetivo da revista é privilegiar e publicar matérias como: treinamentos, dietas, wods, box, atletas, mídias, entrevistas, colunas de especialistas, e diversas notícias, no formato de um artigo comum aos praticantes dessa modalidade em fitness. A Revista CrossFitter nasceu através da percepção de uma demanda que necessita ser atendida devido ao meteórico crescimento da modalidade no país. Nós acreditamos que essa revista trará tudo o que você realmente quer saber sobre o CrossFit que apesar de embrionário, progride com uma velocidade impressionante. Neste primeiro ano, a revista será publicada no formato digital através do site: www.revistacrossfitter.com.br com fácil acesso aos leitores e com mais novidades que irão surgir em breve. O CrossFit tem um estilo de vida muito bacana e que pode ser praticado por pessoas de qualquer idade, das mais diferentes esferas

6

revistacrossfitter.com.br

e limitações. A seguir você confere a carta do nosso diretor e idealizador deste projeto, Denis Diegas, também praticante dessa modalidade. Venham conosco em mais essa empreitada de sucesso.

C

rossFit mudou a vida de muita gente e comigo não foi diferente. Meu primeiro contato com a modalidade aconteceu em 2011 e foi muito gratificante o que esse esporte trouxe a minha vida. Na época a minha vida era complicada, trabalhava demais e pouco me dedicava a saúde, foi então que percebi que estava adormecido ao sedentarismo. Minha saúde já não era das melhores, trabalhava demais, e pertencia ao grupo de festeiros de final de semana, comida de tudo. Engordei demasiadamente, e mesmo praticando jiu-jítsu por 12 anos, me sentia cansado, constantes dores de cabeça, noites mal dormidas, etc. Até que o head coach Tiago Lopes e minha querida irmã Debora Diegas, abriram o CrossFit SP e me convidaram para conhecer a modalidade. Foi praticamente amor a primeira vista. Nunca tinha visto aquilo na minha vida. Quando cheguei me deparei com um monte de gente “maluca” subindo cordas, empurrando


pesos na rua (sled), correndo com sacos (sand bag), pesados nas costas, fazendo flexões de ponta cabeça. Fiquei impressionado com o que vi e resolvi entrar para aquele bando de doidos que faziam do seu corpo uma máquina. Mal sabia que éra capaz de conseguir fazer tanta coisa em tão pouco tempo dentro do wod. Alguns meses depois me vi com 18 kilos a menos, dormindo melhor e com muito mais disposição. Aquelas dores de cabeças, ah..., já nem recordo mais. Na verdade nem sei o que aconteceria comigo se não tivesse conhecido essa modalidade. A experiência foi marcante.

Esta primeira edição marca uma nova fase desta modalidade no país, e contou com a colaboração de diversos atletas, coachs, críticos, colunistas e amantes da modalidade, cuja a finalidade é você ter em mãos uma revista com a qual se identifique”. Boa leitura CrossFitters. GO GO GO!!

E difícil hoje em dia tirar o CrossFit da cabeça. A modalidade cresceu demais, existem tantos novos atletas, amigos, fenômenos nesse esporte que resolvi abrir a mente e tentar dar um pouco da minha colaboração para com o esporte iniciando este projeto junto com a Revista CrossFitter, mas não vou conseguir isso sozinho não, essa revista também será feita por todos vocês. É com muita satisfação que venho a tentar disseminar esse projeto e que se torne referência a todos que buscam um canal de notícias sobre os acontecimentos que envolvem o CrossFit no Brasil.

Diretor: Denis Diegas

revistacrossfitter.com.br

7


MUITO MAIS QUE UM BOX, MUITO MAIS QUE CROSSFIT!

TOGETHER WE ARE STRONGER


rua alvorada

1084, vila olĂ­mpia - sĂŁo paulo-sp - cep 04550-00 - fone (11) 37748372 facebook.com/crossfitsp


volume 1, edição 1

06 de novembro, 2013

Sumário

Você sabe o que é Powerlifting?

Nesta edição convidamos a TOP Marília Coutinho para falar sobre o Powerlifting e o que esse esporte pode beneficiar aos praticante do CrossFit. página 26

Joel Fridman

Conversamos com o “cara” que trouxe o CrossFit para o Brasil. Que também nos conta sobre o crescimento dessa modalidade em território nacional. página 14

Profissão Head Coach

“Muitos se utilizam do nome CrossFit que está em evidência para se favorecer, mas esquecem que por trás de um nome existe um método sério” Este foi o ponto de vista do nosso Head Coach Thiago Peligrinelli, saiba mais sobre a responsabilidade que tem por trás de cada Head Coach, que leva a modalidade a sério. página 35

Top #5 Este ano tivemos uma surpresa na categoria feminina. Marina Ramos diretamente de Brasília, destacou-se logo no primeiro dia de competição em Barueri, chegando ao pódium junto com Fransisco Javier, o Chiquinho, que se consagrou Bicampeão do Torneio CrossFit Brasil. Descubra mais sobre os 5 melhores atletas do Torneio CrossFit Brasil. Nesta edição: Os campeões. página 19

Afinal, o que é CrossFit? Em 2010 o CrossFit era praticado somente na capital da cidade de São Paulo, mas devido às notícias sobre essa nova modalidade, na mídia e em redes sociais, podemos dizer que virou uma febre em meio aos praticantes. página 10

Aula Prática Moda CrossFitter Acompanhe o ensaio fotográfico da top Dicas sobre o exercício box jump com

Tiago Lopes, Head Coach do CrossFit SP. CrossFitter deste mês e descubra quais são as dicas do momento. página 52

página 46 10

revistacrossfitter.com.br


Rua Conselheiro Julius Arp, 401, Olaria - Nova Friburgo - (22) 9257-9071


O que é CrossFit ?

C

rossFit é um programa de condicionamento físico e força que proporciona um amplo, geral e equilibrado nível de aptidão física.

Nossa proposta de treinamento consiste em aperfeiçoar ao máximo as 10 competências físicas que são: Resistência cardiorrespiratória, resistência muscular, força, flexibilidade, potência, velocidade, coordenação motora, agilidade, equilíbrio e precisão. O Programa CrossFit foi desenvolvido para melhorar a competência de um indivíduo frente as mais diversas tarefas físicas. Prepará-lo não só para o desconhecido, mas também para o imprevisível. Este é um dos nossos objetivos. Observando os atletas em diversos esportes e tarefas físicas exigidas em algumas profissões como, por exemplo, Força armada policial, Bombeiros e militares. Entendemos que existe a necessidade de potencializarmos as 10 capacidades físicas do ser humano com a finalidade de melhorar o desempenho nos esportes e na tarefa física diária de cada um de nós. Por isso dizemos que nossa especialidade é não sermos especialistas! Nosso programa de treinamento é baseado em exercícios funcionais, em alta intensidade, constantemente variados proporcionando ótimos resultados em um curto período de tempo. 12

revistacrossfitter.com.br

Fotografía: Tatiana Mello

Nossos exercícios possuem um alto padrão de recrutamento motor. Eles trabalham o corpo todo a todo o momento, são multiarticulares, e produzem um nível de contração que se desloca do centro para as extremidades do corpo. São movimentos naturais e seguros, e o mais importante para


nós, eles possuem a capacidade de mover altas cargas por longa distância de forma rápida.

desenvolvemos a capacidade de controlar o corpo de forma dinâmica e estática.

O que significa

Os exercícios são: barras, flexões, saltos, rolamentos, parada de mãos, entre outras destrezas que melhoram muito a força, coordenação, equilíbrio, agilidade, flexibilidade e precisão. Essas habilidades são inigualáveis em seu benefício físico, aumentam a consciência cinestésica como é evidente em qualquer ginasta competitivo. Exercícios com peso (Lpo, Powerlifitng, Kettebell Training entre outros).

Alta intensidade! Três fatores: cargas, altas distâncias e velocidade, qualificam os exercícios funcionais como os únicos que produzem alta potência e por consequência uma Adaptação Neuroendócrina Positiva.

Os exercícios O programa CrossFit para alcançar na totalidade a aptidão física e a maximização da resposta neuroendócrina, utiliza três grandes alicerces dos exercícios físicos. São eles: Exercícios Cíclicos (correr, pedalar, nadar, remar). Nossos atletas são treinados para pedalar, correr, nadar em distância curta, média e longa, garantindo competência em cada uma das três principais vias metabólicas: Aeróbia, Anaeróbia Lática e Alática. Exercícios ginásticos (Ex. saltos, barras, flexões, parada de mãos, rolamentos, etc.) Nós treinamos nossos atletas com as técnicas da ginástica olímpica. Esta é uma modalidade onde a única fonte de resistência é o próprio peso corporal. Com a ginástica, também

10

capacidades físicas 6

Velocidade

2

Resistência Cardiorespiratória Resistência Muscular

7

Coordenação Motora

3

Força

8

Agilidade

4 Flexibilidade

9

Equilíbrio

5 Potência

10 Precisão

1

Nosso programa utiliza as mais diversas técnicas do levantamento olímpico, levantamento básico e Kettebell training, tendo em vista a capacidade única destes esportes em desenvolver atletas realmente explosivos, controlar objetos com grande carga e dominar padrões de recrutamento motor crítico. Podemos afirmar que não existem atletas de outras modalidades com um padrão de recrutamento de fibras musculares tão rápidas quanto eles. A explosão que resulta destes exercícios (Arranco e Arremesso) do Levantamento olímpico de necessidade vital para os outros esportes. Os levantadores Olímpicos são sem


dúvida, os atletas mais fortes do mundo! Snatch, Clean and Jerk, Front Squat, Deadlift entre outros, são exercícios que utilizamos em nosso programa de Treinamento. Praticando estes exercícios você aprenderá a aplicar a força no corpo na sequência correta, ou seja, a partir do centro do corpo para suas extremidades.

O protocolo de exercícios utilizado na pesquisa tem como característica: exercícios com pesos com altas cargas e curtos intervalos de descanso entre as séries, exercícios intermitentes em alta intensidade com intervalos de descanso curto e freqüência cardíaca alta. Estas variáveis embora não inteiramente distintas, estão todas associadas com uma alta resposta neuroendócrina.

Aprendendo esta lição você obterá todos os benefícios técnicos que são comummente exigidos em quase todos os esportes e gozará de uma vigorosa forma física.

E o que isso tem a ver com meus objetivos? Basicamente todas as mudanças casionadas no corpo através do exercício físico contecem em parte por mudanças hormonais ou neurológicas. Chamamos este fenômeno de adaptação neuroendócrina ao exercício físico. Diminuição no percentual de gordura, aumento da densidade óssea, aumento da massa muscular, melhora no equilíbrio, força e potência muscular são alguns dos exemplos de mudanças no corpo que surgem através da adaptação neuroendócrina frente ao exercício intenso. Pesquisas atuais, em grande parte feita pelo Dr. Kraemer, Penn State University, mostra que protocolo de exercícios funcionais como, agachamento, terra, desenvolvimentos, arranco e arremessos geram maior resposta neuroendócrina do que exercícios de isolamento muscular. Entre a resposta hormonal vital para o desenvolvimento atlético estão os aumentos substanciais nos níveis de testosterona, insulina como fator de crescimento e GH (hormônio do crescimento humano). 14

revistacrossfitter.com.br

Referência bibliográfica. www.crossfit.com/cf-seminars/CertRefs/ CF_Manual_v4


Joel nos conta em detalhes como tudo começou.

© Tatiana Mello

CF BRASIL

Entrevista: Denis Diegas Fotografía: Tatiana Mello


J

oel Fridman, formado em esporte pela USP e pós-graduado em exercício para terceira idade pela faculdade de medicina da USP, ex-atleta competidor de levantamento olímpico. Conheceu o CrossFit em 2007 através de pesquisas pela internet em busca de novas oportunidades de trabalho em academias, já que estaría de mudança para o Canadá. Em meio à essas pesquisas encontrou uma academía diferente, onde o pessoal levantava peso e não tinha aparelhos de musculação. “Chegando no Canadá em 2007, fui até o box CrossFit Vancouver, um dos seis primeiros box de CrossFit do mundo, para uma entrevista de emprego. Nessa conversa, convencí os donos que precisava trabalhar com aquilo, pois não aguentava mais trabalhar em academias convencionais como personal trainer, e por ser ex-levantador de peso olímpico, o box só iria ganhar comigo. Mesmo sabendo de minhas capacidades, não permitiram que eu trabalhasse assim tão rápido, não foi fácil aderir à metodología, tive de passar pelas aulas fundamentais e treinamentos básicos como todo mundo para aprimorar meus conhecimentos, pois CrossFit não é só levantamento de peso olímpico, existe muito mais fundamentos nisso. Os proprietários viram meu potencial e me deram a oportunidade. Não desgrudei do CrossFit depois disso. Foi então que, com muita humildade e tempo, conquistei meu espaço no box CrossFit Vancouver e me tornei o “o cara” do levantamento de peso.

Em 1 mês e meio de trabalho era o treinador mais requisitado naquele box. Quando retornei ao Brasil em meados de 2009, sabendo que por aqui não existia nenhuma academia daquela modalidade, decidi então desenvolver um projeto para montar a primeira CrossFit no Brasil, junto com minha esposa, Fernanda.” Sem um local apropriado, Joel iniciou dando aula no parque do Ibirapuera e após três meses de procura conseguiu um prédio afastado na cidade de São Paulo. Foi ministrando as aulas no parque e fazendo trabalho de formiguinha que Joel conseguiu alavancar alunos para o seu primeiro box. Joel afirma que hoje seus alunos tem amplo conhecimento no CrossFit devido ao trabalho feito com eles focando no entendimento do que é o esporte para depois iniciar os treinos. E por meio disto apareceram diversos outros profissionais como o Thiago Lopes do CrossFit SP, Luiz e Léo do CrossFit BH e Vivian Sakamoto, Reinaldo Souza e Anita do CrossFit Jundiaí. Após sua procura, Joel montou um curso e iniciou a revistacrossfitter.com.br

17


sua carreira como o primeiro coach e atleta do Brasil, E por ser pioneiro no Brasil, tornou-se um ícone e recomenda a todos que estão iniciando a sua carreira em CrossFit, que tenham paciência e treine muito. Joel recebe constantes propostas de abertura de filiais, mas relata que sempre informa a essas pessoas que sem o fundamento do CrossFit na cabeça não existe possibilidade de parcerias. Muitos aproveitadores perceberam o tamanho do crescimento do CrossFit no Brasil e viram uma oportunidade de fazer dinheiro, mas Joel aponta que não existe essa possibilidade, e afirma que com o tempo os alunos que estiverem nessas academias irão perceber que estão buscando algo errado em um lugar que não tem as devidas condições para ofertar aquele serviço. Joel afirma que todas as academias que utilizavam o nome errado quebraram, poucos foram os que buscaram a maneira correta de oferecer o verdadeiro CrossFit. O CrossFit Inc. faz um trabalho pesado de fiscalização e existem meios de denunciar através dos links no site do CrossFit.com Diversas vezes Joel entrou em contato alertando-os sobre o uso indevido do nome e os prejuízos que teriam com isso, com isso muito deles desistiram seguindo sua orientação. Então fica a dica, se você identificar uma academia não licenciada “tipo CrossFit”, denuncie. Voltando ao Torneio CrossFit Brasil, Joel Fridman foi questionado sobre o tamanho sucesso desse evento e nos informou que não conseguiu mensurar aquilo. O Torneio iniciou em 2010, com apenas seis academias e 16 atletas, mais tarde foi dobrando e hoje conta com mais de 50 Academias e cerca de 100 atletas disputando o Título Brasileiro na 4ª edição. Joel conta que se divertiu demais no inÌcio. Em 2012 organizou o primeiro evento em Barueri Participaram 25 academias e 113 atletas. No ano de 2013 aumentou novamente. Foram mais de 50 academias disputando o circuito, e isso obrigou Joel a organizar uma seletiva para classificar apenas 200 atletas para um campeonato de alto nÌvel. Mas no final foram selecionados somente os 80 melhores atletas entre cada região do Brasil. Joel conta que devido ao sucesso, muitas empresas o procuram para Produção de Eventos e Assessorias. Joel já adquiriu uma boa experiência na organização desse Evento, mas relata que não conseguiria nada 18

revistacrossfitter.com.br


disso sozinho, através da junção de ideias, parceiros e reuniões constantes com todas academias de CrossFit conseguiram definir as regras e um formato padrão, tornando o Evento o sucesso que foi. Joel considera o Torneio CrossFit Brasil como vitrine para todos CrossFitters e retorno para todas as CrossFit no Brasil. Ele relata que o CrossFit aqui no Brasil é uma das comunidades mais unidas devido a interação que existe em todos os participantes dando opiniões e fazendo do CrossFit aquilo que é esperado por todos, e um espaço para novos atletas, muitos deles fenômenos desconhecidos que estão pelo Brasil. Com relação ao destaque do Brasil em campeonatos internacionais ele relata que devido à falta de massificação o CrossFit Brasileiro ainda precisa de amadurecimento. O atleta americano, por exemplo, pratica esporte de nível desde o colegial, e aqui e aqui como todos já sabem, não existe incentivo e investimentos, hoje a maioria dos atletas são os próprios professores de educação física. Devido a falta de cultura esportiva percebemos que ainda vai demorar um pouco para ver o Brasil disputando a ponta lá fora. Joel cita que além da experiência e fundamentos é necessário estratégia, mas acredita que é algo que ainda vai evoluir bastante. Não se faz um atleta de uma hora pra outra falta ainda muito amadurecimento. Questionado sobre novos projetos ele nos contou que estão elaborando “Campeonatos Por Equipe”, os Regionais Brasileiro com classificatórias para tentar a vaga no Torneio CrossFit Brasil e o “Campeonato de Praia no Verão” que contará novamente com a participação de todas CrossFit. Para finalizar Joel afirma que a coisa mais importante para a CrossFit é que o esporte não é apenas uma competição ou um evento esportivo, mas sim um estilo de vida, que “pode ser praticado por todos, mas não é para qualquer um”. O CrossFit é um condicionamento esportivo para as pessoas que buscam melhorar sua saúde, seu biótipo e estética também. 99% dos alunos não competem, são pessoas normais que buscam qualidade de vida e muitas vezes é colocado por ai como um esporte sem resultados que só machuca. Para ouvir a entrevista completa acesse a seção de mídias em nosso site: www.revistacrossfitter.com.br revistacrossfitter.com.br

19


© Tatiana Mello

CrossFit Brasil

Condicionamento Físico

A PRIMEIRA CROSSFIT DO BRASIL CURSOS DE LEVANTAMENTO DE PESO OLÍMPICO CURSOS DE POWERLIFTING CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL CROSSFIT BRASIL ORGANIZAÇÃO DE COMPETIÇÕES

www.crossfitbrasil.com.br


Top #5

Entrevista: Denis Diegas Fotografia: TNT Talita

1º lugar Marina Ramos

A

tleta chegou para abalar entre as top #5 do circuito nacional. Agradou ao público que compareceu ao ginásio em Barueri com seu carisma e humildade. Veio para São Paulo, mostrar o que o público queria. Além da vaidade e muito charme, Marina deu um show a parte, provou ser muito mais valente do que se pensava e a Revista CrossFitter foi buscar na íntegra um pouco mais sobre a campeã deste torneio.

Qual a sua idade? Pertence a qual BOX? A quanto tempo você praticam o CrossFit? Tenho 27 anos, treino no BsB CrossFit a 1 ano. O CrossFit é a sua profissão? O que você estaria fazendo se não estivesse fazendo CrossFit profissionalmente? Sou educadora física, atleta e dou aulas de CrossFit no BSB CrossFit. Quais tipos de exercícios você praticava antes do CrossFit? Quais Modalidades de esporte? Tênis e Jiu Jitsu Como você se autoanalisa hoje após ter trazido os benefícios do CrossFit para sua vida? Acho que o CrossFit me ajudou a ser uma pessoa mais segura de mim mesma, me ajudou a aumentar a minha auto estima e enfrentar melhor os problemas do dia a dia. O CrossFit além de ser um treino fisicamente desafiador também trabalha muito com a nossa mente e isso me fortaleceu muito. Cite um lado positivo e um lado negativo. Positivo - sou muito persistente e tenho coragem. Negativo - às vezes sou sincera ao extremo. Você se inspira ou admira algum atleta? Quem? Lindsey Valenzuela e Katie Hogan. O que você esta achando do crescimento acelerado do esporte e a quantidade de novos talentos surgindo? revistacrossfitter.com.br

21


© Talita - TNT


Acho incrível! O CrossFit só tende a crescer mais e mais, realmente é o esporte que mais cresce no mundo hoje em dia e por ser um esporte e programa de treinamento tão motivante, desafiador, e que realmente traz resultados, a tendência é que isso só aumente. Desde que tenhamos profissionais bem qualificados para atender o mercado, isso é algo muito positivo. Quanto às disputas e eventos nacionais, você acredita que os eventos e os atletas ainda estão muito longe de alcançar um nível mundial? Acredito que os atletas brasileiros, apesar de estarmos crescendo muito e aumentando muito o nosso nível técnico para melhorar no esporte, ainda estamos muito distantes da realidade dos atletas norte americanos e europeus. Além disso no Brasil, infelizmente não contamos com um incentivo ao esporte tão forte como nos Estados Unidos. Gostaria de mencionar algo mais, algum recado? Gostei muito da iniciativa da Revista CrossFitter porque penso que irá integrar mais a comunidade do CrossFit no Brasil, e gostaria também agradecer o meu coach Bernardo, minhas amigas de treino Taty, Artemis, Rafaela e Diva, e a minha nutricionista Anna Lou. Você tem algum projeto pessoal para um futuro breve ou um sonho que queira citar? Projeto de abrir um box de CrossFit com o meu coach Bernardo.

revistacrossfitter.com.br

23


Top #5 1º lugar Chiquinho

Entrevista: Denis Diegas Fotografia: Tatiana Mello e TNT Talita

C

hiquinho, encontrou no CrossFit sua verdadeira vocação. Uma paixão descoberta que o levou, devido a sua determinação, a ser bicampeão do Torneio CrossFit Brasil em 2012 e 2013. Nessa entrevista iremos conhecer um pouco mais sobre a vida de Francisco Javier. Qual a sua idade? Pertence a qual BOX? E a quanto tempo você pratica o CrossFit? Tenho 27 anos, pertenço a CrossFit Jundiaí. Iniciei meus treinamentos em fevereiro do ano passado, 2012, mas estou sempre visitando diversos BOX de São Paulo, Valinhos entre outros, assim tenho a oportunidade de treinar com todo o pessoal. O CrossFit é a sua profissão? O que você estaria fazendo se não estivesse fazendo CrossFit profissionalmente? Não, o CrossFit não é a minha profissão, eu treino porque eu gosto muito, Eu sempre fui envolvido com esportes e o CrossFit no momento é o que me move. Eu trabalho dando aula de judô em duas escolas e educação física infantil. Sou proprietário de uma academia convencional desde 2011. Quais tipos de exercícios você praticava antes do CrossFit? Quais Modalidades de esporte?

© Talita - TNT

Antes do CrossFit eu praticava judô e corria pelo menos duas vezes por semana e musculação. Eu dava muito foco nessas três modalidades. Eu iniciei o Judô com 7 anos de idade. Pratiquei também capoeira por 2 anos, foi onde melhorou minha habilidade motora. Como você se autoanalisa hoje após ter trazido os benefícios do CrossFit para sua vida? revistacrossfitter.com.br

25


Š Tatiana Mello


O CrossFit mudou totalmente o meu treinamento, me trouxe muitos benefícios. O CrossFit proporciona a saúde em primeiro lugar, onde a estética do corpo é consequência. Como é o ritmo diário de treino que você tem fora e durante o período de competições? Em período de competição o foco é outro. Eu monto um treino voltado a competição, mesmo fora eu diria que também seria a mesma coisa, porque é necessário sempre estar preparado para a competição que surgir. Cite um lado positivo e um lado negativo. Positivo: – Eu gosto de dividir as conquistas e ajudar as pessoas. Quem me conhece sabe que em competição eu não paro, estou sempre ajudando pois sei da dificuldade das pessoas, e vejo que posso acrescentar, isso é muito bacana. Negativo: Acredito que preciso ser mais tranquilo e menos ansioso para obter um melhor resultado. Você se inspira ou admira algum atleta? Quem? Todos temos uma inspiração em alguém, no meu caso o Ayrton Senna, Thiago Camilo e o Carlos Honorato do judô, são pessoas que me inspiram e demonstram a vontade de vencer. Cleuton Nunes e Fernando Fernandez, atletas paraolimpicos da canoagem, encontraram inspiração no esporte. Se eles podem eu também consigo, e vamos em frente. Quanto às disputas e eventos nacionais. Você acredita que os eventos e os atletas ainda estão muito longe de alcançar um nível mundial? Ainda estamos usando fraldas no CrossFit. Se for analisar, fui bicampeão brasileiro este ano. No CrossFit Games, regionais fiquei em 11º lugar, e o Orlando Trejo em 1º, da américa latina. Disputando o CrossFit Games Mundiale dando seu máximo, não conseguiu se classificar nem entre os “trinta”. Agora porquê, porque ele é fraco? A resposta é não! Nós precisamos ”cultivar” o CrossFit, temos que priorizar as crianças e adolecentes para colher os frutos no futuro. Serão eles o futuro do CrossFit.

Você tem algum projeto pessoal para um futuro breve ou um sonho que queira citar? Eu venho trabalhando desde que consegui ir para o regionais, queria muito ter ido para o mundial. Estou treinando para isso. Agora se irei ou nao, é consequencia do meu trabalho que será intenso, no limite, sentindo meu corpo. E o próximo sonho é ter meu espaço, ir ao exterior buscar novos métodos, cursos específicos com especialistas. Além disso tudo e do mundial, eu quero ter meu próprio Box. Gostaria de mencionar algo mais, algum recado? Quero agradecer a Revista CrossFitter e essa iniciativa, o nome dos atletas irão crescer muito devido a isso, também. Agradecer a CrossFit Jundiai, a Mamute Strong ao apoio e parceiros de materiais e suplementos. “Procurem um atleta, o CrossFit é um esporte de sucesso”. Agora a preparação é para o “Games”, e vamos conseguir a vaga para o MUNDIAL! Um forte abraço, Chiquinho! Sigam o Chiquinho no Facebook: https://www. facebook.com/chiquinhocrossfit revistacrossfitter.com.br

27


Denis Campos - CrossFit Brasil - Š Tatiana Mello

Powerlifting par


Entrevista: Denis Diegas Fotografia: Talita Mello

ra

CrossFitters: afinal, o que é isso?

S

e eu disser que powerlifting é agachamento, supino e levantamento terra, com certeza o CrossFitter vai me olhar com educada expressão de desinteresse e internamente pensar “grande coisa”. Os CrossFitters que participaram do 1º. Campeonato Brasileiro de Powerlifting da Aliança Nacional da Força (ANF), sancionado pela International Powerlifting League (IPL), dia 13 de outubro passado, diriam que não é tão trivial assim. Existem dois momentos de descoberta do powerlifting para o CrossFitter: o primeiro é quando os levantamentos são “re-apresentados” a eles em sua complexidade técnica. É quando a gente escuta respostas como “mas isso é que é supino?” ou “mas é por isso que não subia?”. Sim, CrossFitter: quanto mais simples na forma, mais complexo no conteúdo é o movimento. O segundo momento é quando o CrossFitter entra no “quadradinho mágico”: o tablado competitivo. revistacrossfitter.com.br

29


Este é o momento em que ocorrem fenômenos no plano psicológico e até mesmo espiritual que dão outro significado aos gestos dos levantamentos. Este outro significado jamais poderia ser imaginado fora do tablado. Vamos ao primeiro momento: a apresentação técnica e o entendimento do lugar do powerlifting na CrossFit.

Powerlifting, o alfabeto do movimento a complexidade na simplicidade e a CrossFit CrossFit é uma marca associada a um tipo de programa de treinamento (e também de competição) que integra, numa mesma sessão de treino, num mesmo pequeno ciclo, estratégias de aprendizado de técnica e treinamento de gestos integradas a atividades que cobrem um amplo espectro de capacidades funcionais e repertórios esportivos. Teremos então exercícios associados à aptidão em expressões de força que vão desde extremos de força de resistência (e mesmo endurance) até o extremo de força estática. Em outras palavras: desde movimentos que envolvam elementos de calistenia, pliometria, passando por vários gestos relacionados com potência, em especial os levantamentos provenientes do Levantamento Olímpico (arranco e arremesso) até a força máxima (uma das expressões da força estática), 30

revistacrossfitter.com.br

executada através dos levantamentos do powerlifting: agachamento, supino e levantamento terra. Quando re-apresentamos os levantamentos desta maneira ao CrossFitter – seja ele atleta ou treinador – as coisas começam a entrar nos lugares certos. Powerlifting, então, se torna a ferramenta de obtenção de aptidão no extremo da força estática, absolutamente fundamental em qualquer programa de treinamento. Ele é também um instrumento para recuperação de elementos de motricidade humana perdidos ao longo de uma história de vida corporalmente alienante, que subtrai ao indivíduo capacidades inatas Agachar, empurrar e puxar são gestos que correspondem aos elementos fundacionais do complexo movimento humano. Algo como o alfabeto do discurso do movimento. Assim, existem várias maneiras para se entender o lugar e importância destes três levantamentos no treinamento de qualquer modalidade. A imersão na técnica fecha o ciclo do encantamento com aquilo que é a quintessência da complexidade extrema na simplicidade máxima. Em tese, cada levantamento é “simplesmente” mover uma barra carregada do ponto A até o ponto B. Entre o ponto A e o B, no entanto, há um universo de complexidade cinesiológica, em modelagem de treinamento, fisiológica, histórica, filosófica e psicológica. A verdade é que a imensa maioria das pessoas que acha que sabe, não sabe nem agachar, nem fazer supino, nem fazer levantamento terra.


Debora Diegas - CrossFit SP - Š Tatiana Mello


32

revistacrossfitter.com.br

Netto Braga- CrossFit HT - Bauru - Š Tatiana Mello


revistacrossfitter.com.br

33


Netto Braga- CrossFit HT - Bauru - Š Tatiana Mello


Quando a gente introduz questões como o papel da adução de escápulas nos três movimentos, as diferentes formas de manter a coluna adequadamente firme para garantir a eficiência mecânica dos levantamentos, o controle da velocidade na fase excêntrica, entre mil outras coisas em que o praticante não pensou antes, “o bicho pega”.

O esporte Quando alguns destes CrossFitters resolvem “pisar no quadradinho mágico”, o tablado competitivo, nenhum deixa de relatar uma total mudança de perspectiva. De um dia para outro, os levantamentos não são mais os mesmos. Uma competição de powerlifting é bastante diferente de outras modalidades. Vamos por partes: primeiro a estrutura, depois as camadas profundas. O atleta compete segundo sua classe de peso e sexo e, caso tenha menos de 23 ou mais de 34 anos, pode adicionar ou escolher uma categoria de idade diferente da absoluta ou aberta. O campeonato é organizado pelo sistema de “rounds”. São formados grupos de até 15 atletas que farão, sequencialmente, segundo o peso pedido (do mais leve para o mais pesado) na barra, três pedidas em cada uma das três disciplinas. Primeiro vem o agachamento, depois o supino e finalmente o levantamento terra. Todos os atletas fazem sua primeira pedida, depois todos fazem a segunda e depois todos fazem a terceira. Segundo critérios bem específicos, pode ser possível solicitar uma quarta pedida de quebra de record. Os atletas para os quais o tablado está “pronto” (o suporte na altura solicitada,

a barra carregada com o peso pedido) são chamados um por um, além daqueles que devem se preparar em seguida. Existe traje obrigatório (macaquinho, meião para o terra, cinto, etc), os equipamentos têm dimensões oficiais, as anilhas são calibradas e os árbitros devem passar por um processo de formação para aprender aplicar o livro de regras. No momento em que o atleta entra na área de aquecimento, isolada do público, ele já está num mundo diferente. Em geral é ali que ele começa a entrar num outro estado mental. Este estado mental diferente evolui por etapas até chegar no momento de foco absoluto do tablado, onde ele está sozinho diante da barra, com spotters para garantir sua segurança e três árbitros silenciosos observando. Este momento é descrito por muitos como um momento atípico, mágico mesmo, de suspensão de tempo e espaço, de extrema solidão e privacidade e ao mesmo tempo liberdade suprema. “É aquele momento em que você olha para a barra...” me disse Denis Campos, atleta de CrossFit competindo pela primeira vez, grande talento no powerlifting. Eu completei: “... e ela olha de volta para você”. Powerlifting é uma arte, ou um esporte, ou um estado alterado de consciência, que só pode ser plenamente compreendido dentro do “quadradinho mágico”. Matéria: Marilia Coutinho Atleta e colunista da Revista CrossFitter.

revistacrossfitter.com.br

35


Foto: Divulgação

PROFISSÃO

HEAD COACH

Entrevista: Denis Diegas Fotos: Divulgação

Ser instrutor de CrossFit, head coach, não é fácil e simples como se imagina, existem muitos outros paradigmas que vão além de simplesmente ter um certificado level one. A didática e o profundo conhecimento dos exercícios, devem ser aplicados sempre de maneira a potencializar o ganho performance dos atletas, pois a maioria busca exatamente nesses profissionais, o exemplo e a excelência nos exercícios praticados. Para exclarecer um pouco mais sobre esse assunto, entrevistamos algúns atletas que com muito treino e dedicação, tormaram-se coachs de CrossFit do Brasil.

S

er Coach de CrossFit não e uma tarefa fácil como muitos pensam. Na verdade é algo bem prazeroso, para quem gosta do que faz. Depois de alguns anos no Brasil, o CrossFit vem se tornando febre no mercado Fitness e uma ameaça ronda nosso esporte na minha visão, pois os novos Coaches não tiveram a mesma base que nos tivemos na CrossFit Brasil, e depois nos nossos Boxes. Eles vão direto fazer o Level 1 e no outro dia já estão dando aula. Existem muitos professores cansando os alunos com exercícios e treinos vistos no youtube. Ficaria muito feliz se todos esses tivessem tido o contato e vivenciado as nossas experiências no diadia de um CrossFitter. Nossa meta é treinar pessoas, para que

elas desenvolvam suas atividades diárias de uma forma melhor. Nossa ideia não e simplesmente encher nossos Box de alunos e ficar ricos. Queremos algo a mais, resgatamos valores esquecidos na sociedade atual. Somos uma comunidade onde compartilhamos a amizade, a honra, a lealdade, a honestidade e ainda torcemos uns pelo outros. Já imaginou final de campeonato de futebol, um time torcendo pelo outro não rola ne? No CrossFit isso acontece! Todos tem o direito de conhecer a CrossFit e de treinar também, cabe as pessoas terem o discernimento de escolher um bom Coach para ajudar de forma real a sua evolução! Treine de verdade e não tenha medo de se preparar”. [Raffa Black - Head coach - CrossFit In da house].

revistacrossfitter.com.br

37


“Acho muito pertinente abordar esse assunto hoje em dia. Felizmente o CrossFit vem crescendo e ganhando adeptos a cada dia, por ser um esporte que realmente traz resultado, por ser desafiador, por não ter rotina, por envolver várias capacidades físicas, por preparar o praticante a realizar qualquer coisa, enfim, treinamento real e completo de força e condicionamento físico geral. Sempre utilizei de maneira pessoal a frase “ninguém dá o que não tem”, com esse pensamento busco me aperfeiçoar a cada dia, o CF envolve elementos de potência, que são trabalhados com carga e velocidade, isso exige do treinador uma capacidade de observação e correção para conseguir verificar os pontos a serem trabalhados. Todos nossos exercícios são técnicos, utilizando uma coordenação intra e intermuscular vivenciada por poucos praticantes, ter conhecimento e prática desses elementos são fundamentais para a

evolução do seu atleta. Decorar conceitos, princípios de movimentos e nutrição é fácil, difícil é se matar a cada dia, buscar seu melhor movimento, aumentar suas cargas, dar seu suor e seu sangue dentro de um Box pra sentir e viver de verdade o que é ser um CrossFitter.

“Realmente ser Coach de CrossFit não é uma tarefa fácil. No Brasil temos que ter faculdade de Educação Física, o que é ótimo, no entanto, não é suficiente para se tornar COACH, fazer o Level 1 e passar na prova para aqueles que passam a vida estudando nunca será uma missão impossível, mas com certeza isso não fará deles um COACH. O que conta90% na hora de ensinar seus alunos, periodizar os treinos e acompanhar a parte técnica no CrossFit é a experiência e tempo de treino, sempre falo que para ser treinador de CrossFit precisa treinar, se dedicar e aprender técnicas e exercícios novos a cada dia.

Não tem como ser um treinador de CrossFit de “cadeira”, que não teve sequer experiência de passar por muitos WODs, por muitas dificuldades no treino. Pois você nunca iria saber o que seu atleta, e ou aluno está passando, no que ele está precisando melhorar e ser corrigido.

Muitos se utilizam do nome CF (CrossFit) que está em evidencia para se favorecer, mas esquecem que por trás do nome existe um método sério, desenvolvido e praticado por pessoas sérias, que treinam há anos, que sabem que levantar peso é uma arte e não uma simples progressão de movimentos visto no youtube. Essas pessoas, são hoje, uma preocupação não só no Brasil, mas no mundo, pessoas sem preparo, sem conhecimento, sem experiência de treino e de ensino, que mesmo tendo o seu “direito” de ensinar através da certificação Level One não quer dizer que é capaz. Várias pessoas passam por nós e perguntam, “quanto custa isso? como você trouxe isso? onde arrumo um desse?” agora ninguém chega pra nós e fala “o que eu preciso melhorar? onde estou errando?” [Thiago Peligrinelli - Head coach - CrossFit Jam].

Portanto, o primeiro passo para ser um bom treinador de CrossFit é treinar, e treinar muito. Guarde os seus US$1000,00 por pelo menos 1 ano, com certeza você não irá se arrepender.” [Vivian Sakamoto - Head coach - Crossfit Jundiaí].

revistacrossfitter.com.br

39


Infelizmente e como previsto, hoje nos deparamos com um grande número de pessoas fazendo treinamento “tipo crossfit” com o crescimento do nosso esporte no Brasil esse lado “marginal” cresce paralelamente. Inúmeras pessoas me procuram para saber como montar uma CrossFit, sempre lembro

quando fiz um curso com Joel, alguém perguntou Qual o investimento? Ele respondeu: – Depende. Financeiro, de vida, de treino, de estudo? Pois é, a grande maioria dos donos das primeiras CrossFit, hoje grandes amigos, começamos juntos como, treinando e aprendendo juntos na até então, única CrossFit do Brasil. Cada um morava em um canto da cidade, mas fazíamos de tudo para treinar, pois nos apaixonamos pelo esporte, e a sede por conhecimento nos levava a aprender, a treinar e a fazer os cursos, acredito que essa seja a ordem. [Danilo Vecchio - Head coach - CrossFit Chácara]

O Brasil é o mercado emergente do CrossFit e com isso nasce alguns prejuízos tais como, interpretação errada da metodologia, formação imatura de um coach e má formação de um atleta. Infelizmente no nosso pais o oportunismo é bem exacerbado e isto desalinha a boa formação de um verdadeiro coach. Como todos sabem, o certificado “CrossFit level one” é aplicado em apenas 1 final

de semana. E neste pouquíssimo espaço de tempo não é o suficiente para a formação completa de um coach. Para ser um coach você terá que ganhar experiência, treinar em um Box, aplicar os métodos para os alunos, especializar nas divisões do CrossFit e fazer que o CrossFit não vire alvo de criticas severas. Então, obter experiência é o melhor caminho. [João Neto - Head coach - CrossFit Ilha - RJ]

revistacrossfitter.com.br

41


Apenas o Level One não faz de você bom e exemplar treinador. Algumas pessoas acham que basta tirar o certificado e pronto... “sei tudo sobre

a exposição a experiência prática faz de você um treinador. Treinador tem que treinar muito pra depois ensinar. [Luiz Martins - Head coach - Hangar193 CrossFit]

CrossFit e vou abrir um Box” na verdade não funciona assim, é preciso o aprimoramento técnico, relacionamentos com a comunidade, métodos, currículo e experiência prática antes que eles possam realmente se tornarem treinadores. Você ganha um certificao de ensino, mas somente após

Primeiramente temos que ter responsabilidade. Não podemos nos contentar em simplesmente “passar” o exercício, nossa responsabilidade é maior que isso. Temos que fazer com os atletas, alunos, se inspirem, se vejam em nós. Quando ensinamos, nosso objetivo é ver nosso atleta se superando, quebrando barreiras, paradigmas, limites que ele mesmo desconhecia e achava impossível chegar.

tornen-se, principalmente, atletas do dia-a-dia, ultrapassando as barreiras que antes estavam imóveis em sua frente. Colocamos um atleta a situações intensas, e algumas vezes extremas, não simplesmente pelo fato de que queremos matá-lo ou vê-lo “pagando mico”, isso faz com que ele se perceba e acabe se conhecendo ainda mais.

[Caio Revite - Head coach - CrossFit Cidade Jardim].

Um coach, não está só interessado na mensalidade ao final do mês, ele quer que seu atleta volte pelo simples fato de querer melhorar, pela maneira que essa modalidade modificou a vida dele da porta do BOX para fora. Queremos que nossos atletas revistacrossfitter.com.br

43


Está preparado?

BE A WARRIOR

Rua Gervásio Antônio Chiminazzo, 432 Jardim das Hortências/Poços de Caldas-MG (35) 8801-7571

Rua Eduardo Prada, 35 Jardim das Estações / Araraquara-SP (16) 99775-7387

www.crossfitthribo.com contato@crossfitthribo.com


DIET ZONE

Entrevista: Denis Diegas Fotografía: Tatiana Mello

A importância de cada Macro-Nutriente. Como você toma o seu café da manhã? E o lanchinho no meio do expediente de trabalho? Chegou cansado em casa e com muita fome, normalmente ao que você recorre nessas horas do dia? Muito provavelmente você deve ter respondido essas perguntas com alimentos do tipo: Leite com café e pão, um salgado e um lanche ou um disk qualquer coisa, ou melhor dizendo, um disk CARBOIDRATO. E devem estar se perguntando oque tem de tão ruim nesses alimentos? A resposta é simples, eles irão te deixar gordo e com muitos problemas de saúde. Vamos entender as diferenças básicas entre os bons e os maus carboidratos. Os bonzinhos nessa história, são os de baixo índice glicêmico (IG), ou seja, aqueles alimentos que quando consumidos não elevam rapidamente o nível de açúcar no sangue. Normalmente são os legumes e verduras e as frutas, salvo algumas exceções que possuem médio ou alto I.G. (raízes em geral, banana, manga...) E os vilões são os Carboidratos de Alto I.G., ou seja, aqueles que rapidamente elevam as taxas de açúcar no sangue. Querem ver os exemplos: pão, macarrão, pizza, bolachas, lazanhas e a esmagadora classe dos alimentos que são fabricados com farinha de trigo e refinados.

O grande mal causado por esses alimentos é aumentar as taxas de insulina, causando um circulo vicioso: Consumo de Alimento com alto I.G eleva a glicose no sangue rapidamente, aumento da insulina na corrente sanguinea, consumo rápido da glicose e nescessidade de comer mais carboidratos alto I.G. Agora fica um pouco mais fácil de adivinhar o que acontece com esse “vicio” por “Carbos”, excesso de calorias, aumento da gordura corporal e com o passar do tempo pode ocasionar um quadro de hiperinsulinemia. Causando um quadro de inflamações silenciosas, como diabetes tipo 2, triglicérides alto, aumento do mau revistacrossfitter.com.br

45


colesterol dentre outras. Além de deixar a população cada vez mais pesada e preguiçosa. A culpa do sobre peso não é da gordura que você provavelmente tirou da sua dieta, e sim da quantidade de Carboidratos que você ingere durante o dia. Mesmo que, reduza a gordura do seu cardápio (o que geralmente acontece) e substitua por alimentos com alto teor de Carboidratos, você vai sim continuar engordando. Citando mais uma das frases do livro do renomado Dr. Sears: “O problema maior é o terrível paradoxo: come-se menos gordura e engorda-se mais!!!” O que ele quer dizer com isso? Que a culpa não é da GORDURA. Nosso corpo tem uma capacidade limitada de armazenar carboidrato, cerca de 300 a 400 gramas no músculo e sessenta a noventa gramas no fígado, isso se for uma pessoa comum. Depois que você esta com esses estoques cheios, o único destino é armazena-los no tecido adiposo em forma de gordura. Por isso, depois de muitas pesquisas, Barry Sears chegou na proporção ideal da quantidade de carboidrato que nosso corpo precisa. E sim, é um número bem menor do que geralmente é prescrito para a população em geral. Normalmente somos induzidos a consumir de 60% a 70% de carboidratos, mas agora vocês já sabem que isso não é necessário e podemos passar a ingerir 40% de carboidratos nas nossas refeições diárias. E o que mais devemos colocar no prato? Durante muito tempo a Proteína foi a grande vilã do mundo nutricional, ganhou má fama pelo fato de que a carne vermelha além de proteína contém grande quantidade de gordura saturada, que por sua vez pode não ser tão boa para o organismo. Ok, mas isso não é um motivo para colocarmos todas as proteínas incluídas nessa história. Seria como você jogar fora 1 kg de feijão só por que encontrou um grão que não estava muito bom.

46

revistacrossfitter.com.br

Proteínas são importantes para a construção muscular e também fornece aminoácidos essenciais para a construção de novas proteínas, enzimas e hormônios vitais para o funcionamento normal do corpo. A Diet Zone foi estudada para fornecer o equilíbrio perfeito entre carboidratos e proteínas e manter seu organismo funcionando adequadamente longe das inflamações, como isso é feito? A cada 7 gramas de proteínas devemos consumir 9 gramas de carboidratos, mantendo um proporção entre proteínas e carboidratos de 0,75. E assim você pode controlar 3 hormonios principais dentro do nosso corpo: Insulina, Glucagon e Eicosanoides. A insulina é um hormônio de armazenamento e adivinha, vai armazenar a gordura no seu corpo. O glucacon é um hormônio que diz ao corpo para liberar o carboidrato de uma forma constante e os eicosanoides são hormônios mestres que gerenciam outros hormônios no corpo. Agora vocês já sabem a proporção certa de Carboidratos e proteínas que devem combinar no prato, mas esta faltando um macro-nutriente para completar nossa refeição, a palavra mais temida de todas principalmente pelas mulheres: GORDURA. Gente, de uma vez por todas a boa gordura não vai fazer você engordar, pelo contrário você precisa ingerir gordura para perder gordura e existem estudos científicos que mostram isso, é só vocês fazerem uma busca no google acadêmico e vão achar bastante informação sobre o assunto. Os bons lipdios são matéria prima para a produção de hormônios esteroides como a testosterona e a progesterona e também para produzir os eicosanoides anti-inflamatórios. Basicamente vocês vão passar a enxergar a pirâmide nutricional da Diet Zone dessa maneira, e melhorar muito no rendimento dos treinos, do trabalho e dos estudos. Além de ter uma vida muito mais saudável.

Matéria: Vivian Sakamoto Head coach e colunista da Revista CrossFitter.


Aula Prática

Box Jump O

Entrevista: Denis Diegas Fotografía: Tatiana Mello

com Tiago Lopes - CrossFit SP

A posição inicial consiste nos pés paralelos, largura dos ombros, e o corpo estendido (foto 3). O movimento inicia-se com a flexão do quadril e joelhos, (foto 4). Um salto com uma resposta rápida (foto 5), com os dois pés box jump (salto sobe a caixa), é sobre a caixa (foto 6). Acoselha-se utilizar os um exercício que desenvolve a braços para auxiliar no equilibrio do salto. “capacidade de potência” dos Você deverá após o salto sobe a caixa, membros inferiores do corpo, nesta evitar manter menos que 2/3 dos pés para matéria o atleta e head coach, Tiago Lopes, fora, (foto 7), frizando sua segurança. O idel juntamente com o atleta e coach, Eliseu é manter os pés totalmentes sobre a caixa. Quintilano do CrossFit SP, irão demonstrar (foto 8). as formas corretas de maximizar a eficiência deste exercício. No padrão oficial do CrossFit Games é O coach Eliseu demonstra passo-a-passo necessário a extensão total do corpo, o melhor formato de execução do box jump. alinhamento dos ombros, quadril e joelhos sobre a caixa. No final do movimento, Existe uma distância de segurança aterrisagem na caixa, os joelhos e quadril para executar este exercício. Seu corpo deverão estar totalmente estendidos (foto 9). não deverá estar tão distante nem muito próximo a caixa, você descobrirá essa Quando tiver box jump no wod, pode-se relação precisamente entre seu corpo utilizar para o retorno na posição inicial, a e a caixa, de acordo com sua evolução extensão final com um impulso para trás, e empenho no aprendizado. (fotos 1 e 2). “fase aérea”(foto 10). 48

revistacrossfitter.com.br


01

02

03

04

05

06

07

08

09

10 revistacrossfitter.com.br

49


O retorno ao solo

efetuar o passo a passo educativo: air squat e step up, até o salto chegar ao nível iniciante.

Somente o retorno pode ser executado de 2 maneiras para facilitar o moveimento:

Iniciantes e novatos devem primeiramente aprender o air squat (agachamento livre), para fortalecer a musculatura para os saltos. (foto 17 e 18).

1 - Step down. Um pé depois do outro. Em wod com muita repetição de box jump, Tiago nos conta que deve-se evitar efetuar o retorno reativo, pois exige demais da musculatura posterior, e tendão de aquiles, nesse caso deve-se efetue o step down, descendo uma perna em seguida da outra. (foto 11).

2 - Rebound. Rebatimento. Ao tocar o chão com os dois pés unidos (foto 12), utilizar as pontas dos pés para amortecer a queda, gerando uma potência contrária ao movimento (foto 13). A força elástica da descida irá gerar energía para impulsioná-lo para retornar a caixa. (foto 14). Para evitar algúns erros ou acidentes com os praticantes iniciantes, no momento da descida. 1 - Prestar atenção para não rotacionar os joelhos para dentro, (foto 15). 2 - Acidentes podem também acontecer quando você sobe a caixa e entra com um pé e depois o outro. (foto 16). 3 - Tirar o peso dos calcanhares quando iniciar o salto. 4 - Agachar demais para efetuar o salto. 5 - Salto duplo no solo para retornar a caixa. 6 - Aterrisar sobe a caixa muito agachado. 7 - Descer da caixa sem antes estender totalmente o quadril. No caso daqueles que apresentarem algum dessas dificuldades, ou aqueles que possuem algúm tipo de lesão nos joelhos, aconselha-se o aluno 50

revistacrossfitter.com.br

Na sequência o aluno desenvolverá a musculatura da panturrilha com saltitos simples de corda, aumentando sua resistência e potência. (foto 19) Para os alunos que possuem medos, dificuldades de saltar, ou tem alguma lesão, deve-se utilizar o Step Up. Iniciarão com a subida sobe uma anilha. (foto 20), e gradativamente aumentando a altura até chegarem nas caixas que são as baixas, médias e altas. (fotos 21, 22 e 23). Matéria: Tiago Lopes Head coach e colunista da Revista CrossFitter.

20


11

12

13

14

15

16

17

18

19

21

22

23 revistacrossfitter.com.br

51


Moda CrossFitter


O Crossfit Ê um esporte mundialmente famoso pela sua garra, força e singularidade, as camisetas entram como elemento de incentivo e identidade de cada Box, qual Ê a sua? Fotografia: Tatiana Mello Modelo: Daniela Watanabe


Daniela Watanabe veste:

Shorts, meiões e tênis são da loja: Leila Bellei Camisetas acervo pessoal. Agradecimentos ao box: Crossfit Jundiaí.


© Crossfit inc.

O FUTURO DO

CROSSFIT

O

lá CrossFitters, O tema de hoje é bem aberto, pois iremos falar de algo que não aconteceu ainda, o futuro do CrossFit! E não vai ser fácil falar sobre isso, então vamos começar pelos fatos que já vem ocorrendo. O CrossFit não para de crescer no Brasil e no mundo, e é um crescimento intenso tanto quanto o próprio dia de treino em um box. Os números não deixam mentir.

Acredito que o CrossFit “esporte” vai manter o CrossFit fitness bem visto no mundo, as competições tem e irão crescer cada vez mais. O modelo olímpico já não é tão bem visto por todos, muitas coisas como pegar crianças e tirar da família só por uma medalha abrem brecha para os Jogos da CrossFit se tornarem um evento muito bem aceito.

O conceito desta competição é descobrir todo ano as pessoas mais condicionadas do planeta, e isso já é um ponto forte, a Acredito que esteja abrindo um box de CrossFit saúde! Outro é que os atletas saem de dentro por semana no Brasil, ou mais! de um box, o que aproxima uma pessoa No mundo parece que já são mais de 7 mil, comum de um atleta de ponta, e isso é muito e há alguns anos atrás não tínhamos nem uma interessante, esse encurtamento entre o atleta centena, o que numa análise matemática foi top e o atleta comum. um aumento percentual enorme, difícil de ver em qualquer outro investimento. E tudo isto Eu passei uma semana antes dos Games 2013 está acontecendo devido a um planejamento pelo box do Kalipa (2º colocado esse ano) e ele da CrossFit Inc., que realiza cursos Level 1 estava lá, treinando ao lado dos outros alunos, todo final de semana, e que possibilita o e isso é muito legal, eu via na cara da galera a participante a passar numa prova e ter o alegria e o orgulho de estarem ao lado de um direito de abrir um box. Dito os fatos, vamos dos melhores atletas de CrossFit do mundo, começar a falar do futuro, o que se destina utilizando os mesmos equipamentos, fazendo a marca CrossFit? Vai virar um esporte com aos mesmos movimentos, seria quase que federações pelo mundo? Vai virar mais um poder competir com o cara toda vez que ele programa de fitness dentro de outros? estivesse lá. Vai perder a qualidade? Vou falar aqui o que Que esporte tem isso? O próprio Open, eu acho, pois voltei de uma viagem de 35 dias competição via internet, que reuni todos os pelos EUA e observei muitas coisas. melhores do mundo e é aberto a qualquer revistacrossfitter.com.br

65


www.crossfittuluka.com


praticante de CrossFit competir, ou seja, você está lá competindo as mesmas provas com os melhores, não existe um monte olimpo que torna eles inalcançáveis, estão todos no mesmo barco fazendo as mesmas provas. E isso é o que vai sempre deixar o CrossFit algo tão especial, por isso os CrossFit Games (nome oficial) é na minha opinião o que vai sempre nivelar por cima este programa de treinamento e assegurar a qualidade diante de um crescimento tão acelerado de locais de prática. Agora um futuro pessimista que eu considero e acho que os treinadores mais experientes também, será o surgimento de treino “tipo CrossFit” devido a enorme quantidade de boxs abrindo e a falta de fiscalização do que se irá fazer em cada um desses locais. Na verdade, pode se fazer do jeito que quiser um box, a CrossFit Inc. da essa liberdade, mas isso tem um limite. O treino tem que buscar a variação constante, tem que ter movimentos funcionais e tem que ser intenso. Vamos supor que derrepente um box de CrossFit abra e comece a trabalhar músculos isolados, estética pura, modelar o corpo, com espelhos para tudo que é lado, vocês acham isso impossível? Eu não, e vai acontecer, pois o cliente vai pedir, e se ele estiver pagando as contas e o head coach não tiver pulso firme, isso vai acontecer. Bom, daí essas 3 bases citadas irão por água abaixo, pois isolar músculos é contra movimentos funcionais, variar constantemente o treino não é o ideal para modelar o corpo e por ai vai. E se isso realmente acontecer, o CrossFit será somente mais um treino que perdeu a qualidade devido a quantidade?

Se vai ou não acontecer eu pelo menos não consigo prever, mas o que eu acho é que aqueles que preservarem a essência irão sempre ter a casa cheia, pois o que une os praticantes de verdade é a superação não a malhação, é treinar juntos e não cada um o que quiser, o que une é o treinador saber motivar os alunos a sempre romperem seus limites e não a ficar mais ou menos musculoso. A estética é consequência, e o bonito hoje é ter um corpo que funciona pra tudo, e não um bíceps que não é usado pra nada. Teremos sim muitos lugares “tipo CrossFit” e isso é inevitável, é uma regra da sociedade, se a coisa faz sucesso muito vão querer e alguém desqualificado irá aparecer para preencher as lacunas. E é por isso que as competições tem que sempre estar acontecendo, são elas que mostrarão a todos como se pratica CrossFit, que os atletas ali darão seu máximo não apenas para vencer os outros, mas para saber que os limites do ser humano são desconhecidos, que além de musculos se valoriza a vontade, o companheirismo e o caráter, todos verão uma competição onde o último é mais aplaudido do que o primeiro, e que no final a ideia é sempre vencer a si próprio e não os outros. Isso é ficar bonito, e isso é o que vai manter a essência do CrossFit pelo mundo. E aos treinadores, nos cabe preservar com pulso firme essa essência e se precisar dar bronca naqueles que querem “modelar” seus treinos, daremos bronca, porque aqui meu amigo, AQUI É CROSSFIT, você vai terminar seu treino no chão se depender de nós!

Matéria: Tiago Heck Head coach e colunista da Revista CrossFitter. revistacrossfitter.com.br

67


CROSSFITTER

EM FOCO

Fotografía: Tatiana Mello

NOME: Carolinne Appolinário Hobo de Alencar (Carô) IDADE: 31 anos BOX: CrossFit Brasil BENCHMARK FAVORITO: Nate FRASE INSPIRADORA: Acredite que você pode, e já será meio caminho andado” (Roosevelt). MÚSICA PARA TREINAR: All i do is win - Dj Khaled ATLETA QUE ADMIRA: Elizabeth Akinwale


Revista CrossFitter Onde seu workout vira nossa hist贸ria.

Participe e anunc na Revista CrossFitter. Envi atrav茅s de nosso e-mail re saibam mais: www.rev


cie sua empresa ie comentĂĄrios e sugestĂľes evistacrossfiter@gmail.com vistacrossfitter.com.br


www.revistacrossfitter.com.br

Revista Crossfitter  

Edição numero 1 Novembro 2013