Page 1

Edição 01 - Ano 01 - Nº01 05 de Dezembro de 2013

O que eles esperam de Prefeitos de cidades da região falam sobre projetos e expectativas dos municípios para o próximo ano

Saiba como abrir e ter sucesso com o seu próprio negócio Projetos avançam e Guaratinguetá pode ter Teatro Municipal novamente Quais são os seus direitos?

Confira as principais dicas e orientações para as compras de fim de ano e o que fazer ao se sentir lesado

EXCLUSIVO! Opinião Vale entrevista

Luana Camarah, a The Voice do Vale


2

Opini達o Vale Dezembro de 2013


Dezembro de 2013 Opini達o Vale

3


06

Justiça e Cidadania Quais os cuidados na hora das compras de fim de ano? Edição 01 - Ano 01 - Nº01 05 de Dezembro de 2013

Diretores-Executivos Ricardo Abissi e Lucas Daniel Jornalista Responsável Ricardo Abissi Bichara Abi-Rezik MTB 61780-SP Repórteres Nicolas Vieira Leandro Oliveira

08

Mercado de Trabalho Como abrir e expandir o seu próprio negócio?

10

Economia e Desenvolvimento Acesso à Dutra deve impulsionar desenvolvimento em Potim

12

Perfil Luana Camarah: A The Voice do Vale

Fotógrafos Marcos Fabiano Wesley Almeida Colunistas Julia Tineu Luciana Soares Miguel Júnior Jorge Gomes do Couto Revisão Geral José Expedito da Silva Projeto Gráfico Diagramaçao Guilherme Ragazzo Camila Pristo Coordenação Jurídica Raphael Abissi

16

Política O que esperam os prefeitos das cidades da região para 2014?

18

Meio Ambiente De quem é a responsabilidade?

20

Turismo e Cultura Guaratinguetá pode ter Teatro Municipal novamente

22

Colunismo Social

Impressão Resolução Gráfica

24

Distribuição gratuita em: Guaratinguetá, Aparecida, Lorena, Cruzeiro e Potim.

28

Para anunciar ligue: (12) 3133-8473 / (12) 98210-7866 / (12) 99162-9545 / (12) 78982331 / 923*30921 opiniãovale@gmail.com

Saúde e Bem Estar Mantenha-se saudável no verão

Esporte André Gomes supera desafios diários, falta de apoio financeiro e sonha com vaga no mundial de Jiu-Jitsu, em Abu Dhabi

30

Opinião Só os médicos resolverão?

Editorial Uma nova revista chega com um conceito diferente na região do Vale Histórico. A revista Opinião Vale tem como prioridade informar ao leitor sobre os acontecimentos gerais de Lorena, Guaratinguetá, Aparecida, Cruzeiro e Potim. Praticar um jornalismo comprometido com a informação, discutindo e aprofundando sobre os assuntos relacionados às cidades de abrangência da revista é nossa missão, e neste mês de dezembro há muitas reportagens interessantes. A matéria de capa traz entrevistas exclusivas com os prefeitos das cidades da região falando sobre as expectativas dos municípios para 2014. A Opinião Vale também foi em busca de orientações aos leitores para as compras de fim de ano, dando dicas de como agir na hora de adquirir os presentes e quais são os direitos em caso de troca. Também trouxemos dicas aos empreendedores que buscam abrir ou expandir o próprio negócio. A revista ainda traz detalhes sobre a construção do primeiro acesso à Dutra em Potim e sobre a possível criação de um Teatro Municipal em Guaratinguetá. Na editoria Perfil temos uma entrevista exclusiva com a cantora Luana Camarah, destaque do programa da Rede Globo The Voice Brasil. Entrevistamos também um dos maiores lutadores de JiuJitsu do Brasil, André Gomes, que é de Guará. Tudo isso e muito mais na primeira edição da Opinião Vale. Dê sugestões e acompanhe o nosso trabalho!

Revista Opinião Vale Praça Santa Rita, 173, Santa Rita – Guaratinguetá/SP – CEP: 12 502-420 e-mail: opiniãovale@gmail.com site: opiniaovale.com


Dezembro de 2013 Opini達o Vale

5


justiça e cidadania

Quais os cuidados na hora das compras de

fim de ano? Procon ressalta a importância de pesquisar com antecedência sobre fornecedor e produto. Neste ano, população pode consultar os mais reclamados pela internet Por: Opinião Vale

O

período natalino registra aumento significativo de vendas em todo país. É a época mais forte do comércio e que proporciona grande procura por presentes dos mais variados segmentos. Porém, há sempre a preocupação no que diz respeito aos cuidados para que o produto adquirido esteja em boas condições de uso e não dê problemas após a compra. Diante disso, a reportagem da Opinião Vale entrevistou o Coordenador Geral do Procon de Guaratinguetá, Dr. Carlos Eduardo, para levantar quais são as principais dicas e orientações para uma boa compra e também os direitos do consumidor em caso de constrangimento com o fabricante. Entre as principais observações, Eduardo destaca a importância de pesquisar sobre o fornecedor com antecedência e de uma análise prévia das condições do produto. 6

Opinião Vale Dezembro de 2013

Ao que o consumidor deve ficar atento para as compras de fim de ano? Primeiramente, o consumidor deve sempre observar onde está comprando, se o produto tem boa procedência, se é emitida a nota fiscal e se tem garantia. Caso ele compre em lugares onde não respeitam esses requisitos fica difícil que seus direitos sejam cumpridos em caso de troca. E qual é a melhor forma de observar essas questões? Existe agora no site do Procon: www.procon.sp.gov.br, um ranking que é atualizado diariamente com as reclamações que são registradas nos Procons municipais e na fundação Procon São Paulo. O consumidor pode, antes de contratar um serviço ou realizar uma compra, verificar nesse site se a empresa ou marca têm

muitas reclamações. Ali ele consegue saber se terá problemas ou não e se essas marcas atendem ao consumidor em casos de constrangimeno após a compra. É uma ferramenta muito importante. O que é de direito e primordial ao consumidor para uma possível troca do produto? Quando o consumidor faz a compra, a nota fiscal é essencial para que ele se documente, porque a partir daí é que o Procon consegue saber a data da compra e se o produto é legalizado. Existe a garantia legal, de três meses, prevista pelo CDC (Código de Defesa do Consumidor), mas se a marca prevê uma garantia estendida de um ano ou mais meses, é bom o consumidor verificar se isso está na nota fiscal, para ele cobrar da empresa posteriormente.


justiça e cidadania O que é a garantia estendida? A garantia estendida é um seguro que os fabricantes dão aos consumidores, com maior período para troca. Há também aquelas garantias dadas após a expiração da garantia inicial do produto. O consumidor tem direito ao reparo do produto se ocorrer defeitos durante o período da garantia estendida da mesma forma que da garantia inicial. E em quais casos pode ser feita a troca? Em compras feitas pessoalmente, o direito de troca existe em caso de defeito e é obrigatoriedade. O defeito é quando o produto não vem de acordo com as especificações do fabricante, sem o seu funcionamento ideal. Se o produto não estiver funcionando como deveria (a geladeira não liga, a TV está com algo diferente na tela...) o consumidor tem direito de que aquilo seja reparado. Ele pode procurar durante os três primeiros meses tanto a loja que fez a venda ou o fabricante para que o produto seja enviado para a assistência técnica e reparado. Após os três meses da compra, só pode trocar se houver garantia estendida. Quando o consumidor pode desistir de uma compra? Isso é previsto em casos de compras feitas à distância, como pela internet, e o consumidor tem sete dias após o recebimento do produto para desistir. Em relação ao defeito, o CDC prevê que o produto tenha que ir para a assistência técnica. O fabricante ou a loja tem trinta dias para concertar o produto, e se isso não ocorrer, o consumidor pode optar pela devolução do dinheiro monetariamente atualizado, troca por um produto semelhante ou abatimento no preço em outra compra.

Como o consumidor pode buscar o seu direito ao se sentir lesado? Judicialmente, ele pode entrar com uma ação. Extrajudicialmente, que é o âmbito do PROCON, aconselhamos a ele entrar em contato com o fornecedor e anotar número de protocolo, data de atendimento e com quem falou, porque isso documenta. Aí ele pode vir ao Procon e trazer essa reclamação, que vamos notificar o fornecedor para que ele preste esclarecimentos. Caso ele não dê respostas nós formalizamos uma reclamação, marcamos a audiência e se for o caso encaminhamos o

consumidor para o juizado ou justiça comum. Considerações finais É muito importante que o consumidor verifique o estado do produto testando no momento da compra, porque se chegar em casa e ele não estiver funcionando não haverá troca imediata e o produto terá que ir para a assistência. Também é fundamental buscar fornecedores de confiança e verificar no Procon se a marca tem reclamações, para evitar dor de cabeça.

Dezembro de 2013 Opinião Vale

7


Mercado de trabalho

Como abrir e expandir o seu próprio negócio? “Às vezes a pessoa quer abrir um negócio e acha que vai agradar a todos, mas infelizmente não é por aí”.

8

Opinião Vale Dezembro de 2013

Por: Opinião Vale

Oliveira, sobre o que é primordial para o sucesso de uma empresa, principalmente para as que estão iniciando os trabalhos no mercado. Entre os destaques estão dois pontos considerados fundamentais: planejamento e foco no públicoalvo. “Às vezes a pessoa quer abrir um negócio e acha que vai agradar a todos, mas infelizmente não é por aí”, orienta a analista. Sebrae Guará

U

m parceiro de quem está iniciando o seu próprio negócio e apostando em um projeto é o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), e no Vale Histórico não é diferente. O apoio do Sebrae para empreendedores em toda região é oferecido desde que a pessoa tem a ideia de abrir sua empresa até a hora de expandir seu negócio. Conversamos com a analista de atendimento do SEBRAE de Guaratinguetá, Maristela de

Planejamento e foco no público-alvo são fundamentais para o início das atividades e crescimento de uma empresa


Mercado de Trabalho Quais são as opções de empresa para quem vai iniciar o seu negócio? Há três tipos: microempreendedor Individual (MEI), que não pode ter sócio, só pode ter um funcionário e o faturamento anual é de até R$ 60 mil, com uma forma de abertura de empresa pela internet, no site p o r t a l d o e m p r e e n d e d o r. g o v. b r ; também a microempresa, que pode ter sócio, mais de um funcionário e o faturamento é até R$ 360 mil; e tem a empresa de pequeno porte ou pequena empresa, que o faturamento dela é de até R$ 3,6 milhões. O que a gente tem recebido muita procura é para o MEI, por ser uma forma mais simples de abertura pela internet e sem pagamento de taxa. De que maneira surge um projeto para o início das atividades de uma empresa? A ideia sempre surge de uma oportunidade que a pessoa visualizou. Uma oportunidade de negócio é algo que a pessoa viu no mercado que está faltando ou é atendido de uma forma inadequada. Ninguém abre uma empresa porque está na moda tal segmento, ou porque sabe a parte técnica, e sim porque descobriu essa oportunidade de negócio.

um plano de negócios para verificar mercado, concorrência e público-alvo, ter argumentos para abrir a empresa e saber o momento certo disso. Depois disso, quais principais dificuldades?

seriam

as

estratégia para atingi-lo. Além de ter foco no público-alvo o que mais é primordial para o crescimento da empresa?

A empresa tem a fase de início, que é a do planejamento, e depois a de Sabemos que tudo isso exige muito sobrevivência no mercado, que é a luta sacrifício por parte do empreendedor para que tudo aquilo que ela colocou no início, mas é importante persistir. no planejamento aconteça. Depois Obstáculos e desafios serão muitos tem a fase do crescimento, expansão e é necessário insistir. Os principais e maturidade. Quando chega na desafios estão na parte financeira. Às maturidade a empresa não pode cruzar vezes as empresas não tem dinheiro os braços e achar que está tudo bem. suficiente para dar suporte ao seu Ela precisa estar sempre atenta ao negócio e tem que buscar parcerias mercado para que não ocorra nenhum por meio de bancos. Os bancos têm as tipo de imprevisto. A concorrência é linhas de crédito, mas é importante a grande, mas não uma pedra no sapato. pessoa fazer um planejamento para A concorrência boa faz você crescer, que esse empréstimo seja saudável porque você terá um indicador para que possa saber como está no principais desafios estão na parte mercado.

“Os financeira. Às vezes as empresas não tem dinheiro suficiente para dar suporte ao seu negócio e tem que buscar parcerias por meio de bancos. Os bancos têm as linhas de crédito, mas é importante a pessoa fazer um planejamento para que esse empréstimo seja saudável para a empresa”

Então como o empreendedor deve iniciar o seu próprio negócio? Avaliamos primeiro se realmente é uma oportunidade de negócio, identificando a necessidade do cliente, se tem perspectiva de lucro e quanto tempo pode durar a empresa. Precisa de planejamento. Também é importante verificar em quanto tempo ele vai recuperar o dinheiro investido, o que chamamos de rentabilidade. Outra coisa é se a empresa pode se expandir, Em Guará, várias coisas surgiram como pequenas e cresceram, expandindo para outras cidades. Temos uma lanchonete como exemplo, que começou como cantina de escola e de repente se tornou pastelaria. Depois começou a fazer almoço e hoje tem seis unidades na região. Isso é importante também esclarecer e colocar no papel. É necessário colocar dentro de

para a empresa. Esse investimento tem que dar retorno e pagar a dívida, e não a pessoa tirar dinheiro do bolso. Em relação aos cuidados ao abrir uma empresa, ao que o empreendedor deve ficar atento?

E quais são as orientações para que uma empresa tenha resultados positivos nesse período de fim de ano? No final de ano as vendas costumam aumentar, e a empresa não pode deixar de prestar um bom atendimento ao cliente. Às vezes o volume de trabalho devido ao fim de ano faz com que a empresa perca o bom atendimento, mas não pode. Ela tem que prezar pelo bom atendimento e não deixar que a quantidade possa interromper a qualidade, que sempre tem que estar em foco.

Para outras informações, o Sebrae de Guaratinguetá fica na rua Duque de Caxias, 100, Centro, e atende de segunda a sexta-feira, das 8h às 20h. Telefone: 0800 570 0800.

É preciso ter foco no cliente. Às vezes a pessoa quer abrir um negócio e acha que vai agradar a todos, mas infelizmente não é por aí. É preciso definir um foco de cliente para que tudo que for feito, como propaganda e investimentos, atinja o públicoalvo. Por exemplo: você vai abrir um restaurante e para agradar a todos vai vender massa, comida chinesa, japonesa... tem um estoque enorme, mas não é especialista em nada. O importante é ter foco e saber qual é o seu público-alvo, para definir uma Dezembro de 2013 Opinião Vale

9


Economia e Desenvolvimento

Acesso à Dutra deve impulsionar desenvolvimento em Potim Projeto executivo da obra será apresentado nos próximos meses e previsão é que construção seja iniciada em 2015 Por: Opinião Vale

C

om o investimento de cerca de R$ 40 milhões, a cidade de Potim deve receber até 2016 seu acesso próprio à Rodovia Presidente Dutra. A obra vai ser totalmente custeada pelo Governo Federal, por meio do DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), e deve ser iniciada em 2015. A ordem de serviço para que a empresa Roma Consultoria iniciasse a elaboração do projeto executivo de construção foi assinada em agosto entre a prefeitura e o Ministério dos Transportes. A obra tem uma extensão de 4,5 km e será feita do centro de Potim até o km 66 da rodovia, atravessando o Rio Paraíba e margeando a linha férrea que corta o município, com a criação de um viaduto. A parceria entre a prefeitura e o Governo Federal foi viabilizada em 2008, no primeiro mandato do prefeito Benito Thomaz, “Fiz contato direto com o palácio do ex-presidente Lula e, em seguida, o deputado federal Valdemar da Costa Neto me colocou em contato com o superintendente do DNIT, Dr. Ricardo Madalena. Foram quatro anos e meio de muito trabalho burocrático em Brasília e São Paulo para viabilizar esse acesso à Dutra”, conta Benito. A aprovação do projeto executivo da obra, exigida pelo Governo Federal para a liberação do recurso, deve ocorrer até abril de 2014. Logo após, deve ser efetivada a licença ambiental e, em seguida, o processo licitatório que vai definir a empresa que vai iniciar a construção em 2015. A obra deve durar um ano e meio. “Como o Papa Francisco anunciou que volta em 2017, o acesso à Dutra deve estar pronto bem antes,

10

Opinião Vale Dezembro de 2013

para garantir a acolhida do grande número de romeiros que vêm a Aparecida. Vamos criar um bolsão de estacionamento para receber ônibus que vão à Aparecida”, explica o prefeito de Potim. O acesso à Dutra pode impulsionar a cidade ao desenvolvimento, gerando mais oportunidade de emprego à população. “Esse acesso traz a independência final de Potim, que já se emancipou de Guará há 21 anos e começa a caminhar com as próprias pernas. Isso vai gerar muita oportunidade de trabalho à população, de qualificação profissional e empresas virão pra cá”, conclui.


Dezembro de 2013 Opini達o Vale

11


Perfil

Luana Camarah: A The Voice do Vale Vocalista da Banda Turne é um dos destaques na segunda temporada do reality musical da Rede Globo Por: Nicolas Vieira

“Me sinto não só representando o Vale, mas também o Rock Nacional, que está precisando ressuscitar...”

H

á oito anos ela canta e encanta milhares de espectadores da Banda Turne nos grandes eventos da região. Luana Camarah, 25 anos, nasceu em Taubaté e acaba de realizar um grande sonho. Em apenas três segundos de apresentação, Luana se tornou um dos destaques da segunda temporada do The Voice Brasil, reality show musical da Rede Globo, que a cada edição tem revelado as vozes mais belas do país. Não foi à toa que o roqueiro Lulu Santos foi o primeiro a virar a cadeira para a cantora, afinal, rock n’ roll corre nas veias de Luana. Apesar de tanto sucesso, na carreira artística nem tudo foi um “mar de rosas” para a cantora. Ela sempre cantou vários ritmos, mas aos 14 anos de idade se apaixonou pelo rock. Em entrevista exclusiva à Revista Opinião, Luana Camarah fala da sua carreira e conta o segredo de tanto sucesso.

12

Opinião Vale Dezembro de 2013


Perfil Luana - Porque é uma música que eu já toco há um tempo com a Turne e me sinto a vontade cantando.

“Além do The Voice Brasil, cada show me emociona de uma forma diferente”. Opinião - Como foi criar a Banda Turne? Luana - Eu fui a única que sobrou da primeira formação. Ninguém me aguentou! (risos)... Brincadeira! Foi um processo longo até chegar à formação atual com Luiz Cunha (bateria), Joziel Wagner (guitarra) e Bruno Freire (baixo). Anos e anos de muita luta! Opinião - Como é sua relação com os outros integrantes da banda? Luana - Não tenho e nunca tive problemas, considero a banda minha segunda família e sou tratada com muito respeito por todos, são meus irmãos queridos.

Opinião - O que você pode destacar da sua primeira apresentação no The Voice Brasil? Luana - Na verdade a gente não consegue nem pensar na hora da apresentação! Você só cai na real quando vai dormir e fala: “está acontecendo comigo mesmo?”. Opinião - Você vem se destacando junto com sua banda há anos e agora surgiu como uma revelação no The Voice Brasil. Qual é o segredo de tanto sucesso? Luana - Muita perseverança!

paciência

e

Opinião - Qual foi sua apresentação mais marcante em toda carreira?

Opinião - Entre suas apresentações, quais músicas você prefere cantar e que são a sua “cara”?

Luana - Além do The Voice Brasil, cada show me emociona de uma forma diferente.

Luana - Gosto de cantar Faint, do Linkin Park, gosto de Guns’n Roses... Tudo o que for pesado! (risos)

Opinião - Você se inspira em algum cantor ao subir no palco?

Opinião - Por que você escolheu a música Highway To Hell na sua primeira apresentação do The Voice Brasil?

Luana - Não me inspiro em nenhum em especial.

Opinião - Como é para você representar o Vale do Paraíba nesse concurso? Luana - Me sinto não só representando o Vale, mas também o Rock Nacional, que está precisando ressuscitar... Opinião - Em relação aos trabalhos da banda Turnê, como tem sido a agenda? Luana - Continuo fazendo os shows normalmente e trabalhando na divulgação do novo disco “Maquinário”. Opinião - Quais parcerias que fizeram e mais gostaram, e qual ainda não aconteceu e é um sonho pra vocês? Luana - Já tocamos com grandes artistas nacionais, como Charlie Brown Jr, O Rappa, Jota Quest, Marcelo D2, Detonautas, Marjorie e outros grandes nomes. Nosso sonho seria poder dividir eventos ou até mesmo o palco com nossos maiores ídolos da música mundial como Red Hot, System, Metallica, nossa são muitos... (risos). Opinião - Assim como você, atualmente a região do Vale do Paraíba tem grandes talentos da música que ainda devem ser revelados? Luana - Claro que sim. Na estrada a gente acaba conhecendo muita gente boa, que você se torna um fã. Opinião - Que mensagem você deixa para aquelas pessoas que estão iniciando a carreira artística e também buscam o sucesso? Luana - Tem um som da Legião Urbana que diz assim: “nunca deixe que lhe digam que não vale a pena acreditar num sonho que se tem”. Faço desse som minhas palavras a todos os músicos que estão lutando por uma oportunidade. Agradeço de coração a todos os fãs, que têm me dado a maior força do mundo. Aos amigos, minha família que eu amo mais que tudo. Deus quem me deu esse dom que tem tocado tanto as pessoas... Brigaduuuu! Dezembro de 2013 Opinião Vale

13


Informe Publicitário

Prefeitura de Potim investe cada vez mais em Educação Obras de três Creches serão entregues à população em 2014 Por: Opinião Vale

A

Prefeitura de Potim, após inaugurar cinco creches e uma Escola de Educação Infantil, irá construir no município três creches, por meio do convênio firmado entre a Prefeitura e o Governo do Estado de São Paulo. Com isso será alcançada a meta de atender 100% da demanda da educação infantil na cidade.

As creches serão nos bairros: CDHU, Jardim Alvorada e Morada dos Marques. Creche CDHU Com o investimento de R$1,2 milhão, está em fase de acabamento. Nela, serão atendidas 224 crianças. Creche Morada dos Marques Está em fase de projeto licitatório, atenderá 150 alunos em período integral ou 300 alunos em meio período e o valor é de R$ 1,5 milhão. Creche do Jardim Alvorada É uma doação da FLUPP (Fundação Lucia & Pelerson Penido) e está em fase de projeto. Será definido em breve o número de alunos que serão atendidos e a quantidade de salas de aula. 14

Opinião Vale Dezembro de 2013

O prefeito de Potim, Benito Thomaz, tem como meta entregar as obras das Creches no ano de 2014. “Estamos investindo em educação, pois é ela que trará melhor qualidade de vida aos munícipes”, ressaltou.


Dezembro de 2013 Opini達o Vale

15


Política

O que esperam os prefeitos das cidades da região para 2014? Francisco Carlos, Fábio Marcondes, Márcio Siqueira e Benito Thomaz falam sobre as perspectivas de seus municípios para o próximo ano Por: Opinião Vale

E

m sua primeira edição, a revista Opinião Vale entrevistou os prefeitos de Guaratinguetá, Lorena, Aparecida e Potim, para saber quais são as perspectivas dessas cidades para 2014. Os chefes das administrações

Prefeito de Guaratinguetá, Francisco Carlos

Em Guaratinguetá, o prefeito Francisco Carlos diz ter encontrado algumas dificuldades para governar a cidade neste ano. “A palavra de ordem em 2013 foi perseverança. Apesar de todas as dificuldades que passamos no início do mandato, pela falta de transição política, por estar sofrendo um processo na tentativa de impugnar a nossa candidatura. Mas, tudo foi superado com trabalho,  com o apoio da população e a contribuição da Câmara Municipal. E foram muitas as conquistas em Guaratinguetá”, conta o prefeito. Entre as principais conquistas, Francisco destaca: “Tivemos o Poupatempo, que em breve será instalado, a liberação de R$ 4,5 milhões para dar continuidade às obras de macrodrenagem do Jardim do Vale, com o prazo para entrega em dezembro de 2013, liberação de R$ 12 milhões para obras de drenagem e bloquetamento do Santa Luzia, com prazo de entrega para março de 2014, obras no João Daniel, início de reformas no Recinto de Exposição, retomada dos convênios com os hospitais da cidade, conquista 16

Opinião Vale Dezembro de 2013

locais ainda fizeram uma análise de 2013 e comentaram sobre o que esperam do próximo ano no que diz respeito ao desenvolvimento dos municípios.

de seis leitos de UTI Neonatal e sala de exames de mamografia no Frei Galvão com atendimento SUS, limpeza de vias, pintura das pontes  e operação tapa buraco, licitação do transporte em andamento, solicitação da inclusão de Guaratinguetá no DADE e combate à Dengue de forma sistemática”. Em 2014, a prefeitura vai trabalhar com o orçamento elaborado pela atual administração, dentro do plano de governo, e por isso, o prefeito espera que os resultados possam ser vistos de forma mais concreta. “Podemos adiantar que vamos continuar atuando para a melhoria da saúde em Guaratinguetá, principalmente no que tange ao Pronto Socorro Municipal: já mudamos a administração (com a parceria do Frei Galvão), agora iremos reformar a infraestrutura ou providenciar um novo prédio, iniciaremos as obras no São Manoel, vamos dar continuidade às obras no Jardim do Vale, pavimentação asfáltica de trecho do São Dimas (próximo ao terreno do SENAI), infraestrutura urbana das ruas do bairro Jardim Esperança e muito mais.” Por fim, Francisco Carlos deixou uma mensagem aos guaratinguetaenses. “Vamos  trabalhar com seriedade, sem nunca perder de vista os compromissos assumidos, usando nossa experiência e contando com a competência de nossos secretários e assessores. Temos absoluta convicção de que estamos no rumo certo e sabemos onde queremos chegar. Esperamos contar com o apoio dos munícipes em nossa caminhada para transformarmos Guaratinguetá, numa cidade em que todos tenham orgulho de viver aqui”, concluiu Francisco Carlos.

Prefeito de Aparecida, Márcio Siqueira

Uma das metas do prefeito Márcio Siqueira é o desenvolvimento constante de Aparecida. A cidade que recebe anualmente grande número de romeiros trabalha para melhorar o acolhimento aos fiéis. “Aparecida vive e sobrevive fundamentalmente do número de visitantes que aportam na cidade e, nos últimos anos, sempre tem vindo um número de visitantes maior do que do ano anterior. Nossa expectativa é que venha um número ainda maior de visitantes no próximo ano. Estou convencido de que as perspectivas para 2014 são as melhores possíveis”, afirma Siqueira. Para isso, Aparecida está se estruturando e deve ter novidades em 2014. “Um dos grandes problemas que temos no município é a falta de bolsões de estacionamento para abrigar os veículos que trazem os visitantes, mas estamos buscando alternativas para que possamos acomodar melhor essa situação. Tivemos mudanças na feira livre da cidade, concluindo as obras de reurbanização da Avenida Monumental para acomodar os ambulantes e falta agora completarmos as obras das vias de segurança nas marginais da própria avenida, porque precisamos


deixar aquilo livre para passagem de ambulâncias, carros de bombeiros... Precisamos entregar ali o Centro de Atendimento ao Turista, para que possamos oferecer melhor condição de atendimento tanto ao ambulante quanto à população flutuante. A perspectiva é que possamos entregar esse prédio definitivamente para a população em 2014”. Outras metas do executivo para 2014: “Há investimentos privados sendo feitos na cidade com reflexos para 2014, como o teleférico que ligará a Basílica ao Morro do Cruzeiro, o supermercado Shibata deve ser instalado na cidade, há perspectiva de continuidade da obra de canalização da Avenida Itaú e estamos tratando dos nossos esgotos na ordem de 70%, mas precisamos chegar a 100%. Na educação, temos duas creches para serem entregues e estamos construindo o novo prédio do Centro de Convivência da Melhor Idade. Em breve, a Santa Casa deve inaugurar sua Unidade de Terapia Intensiva e o município vai assinar convênio para a construção de uma Unidade de Pronto Atendimento”. Por fim, o prefeito Márcio Siqueira deixou o seu recado à população de Aparecida. “Acho que a população pode esperar máximo empenho da nossa parte. Estamos correndo atrás de recursos financeiros para adequar a cidade. O ano de 2013 foi um ano especial, novos projetos foram colocados em prática para melhorar a vida do nosso cidadão. Os frutos vamos colher em 2014 um ano que será de muito trabalho e realizações”.

Prefeito de Potim, Benito Thomaz

a construção da obra do Cemitério Municipal, a ampliação da UBS, o Samu... E temos para o ano que vem a conclusão do Projeto Executivo de Construção do Acesso à Dutra, a construção de três Unidades Básicas de Saúde, construção de duas creches, finalização da doação de terreno para o CDHU construir 200 imóveis e o lançamento de três novos loteamentos da iniciativa privada”, explica Benito. Benito Thomaz destaca que em 2014 deve ocorrer a finalização de obras e projetos que foram iniciados neste ano. “Teremos também a conclusão de obras que estão em andamento, como da creche da CDHU, ampliação e reforma do PCFC, conclusão da obra de reforma da UBS e a obra da academia da saúde no Jardim Alvorada, que vamos entregar no início de 2014”. Outros projetos para 2014: “Vamos iniciar em janeiro a reforma da praça da CDHU, temos uma novidade, que é o estudo de viabilidade técnica para a implantação de aeroporto comercial em Potim. Guaratinguetá está com dificuldade de apresentar uma área segura e desabitada para construção de aeroporto, e em Potim temos um local totalmente plano, adequado para isso. Nossa expectativa é que esse estudo aconteça agora no início de 2014. Esses investimentos de acesso à Dutra e construção de aeroporto são investimentos federais que não passam pela prefeitura, e isso que vai trazer o desenvolvimento. Assim, Potim vai iniciar em 2014 um novo momento da sua história. Vou continuar com esse meu ímpeto de buscar melhoria para a nossa cidade”, conclui o prefeito de Potim.

Prefeito de Lorena, Fábio Marcondes

Em Potim, mesmo com dificuldades em relação a investimentos, o prefeito apresenta projetos que podem alavancar o desenvolvimento do município. “A expectativa é que consigamos mais recursos dos governos estadual e federal para investimento na nossa cidade, porque Potim carece de investimento. Neste ano, o investimento que fizemos na educação foi considerável,

No seu primeiro ano de mandato, Fábio Marcondes também diz ter encontrado dificuldades para atuar como chefe do executivo em Lorena. Porém, ele afirma que a cidade está em crescimento e analisa 2013 como um ano positivo para a administração.

“Passamos 2013 buscando um realinhamento administrativo da prefeitura. Pegamos com muitos problemas e o nosso projeto de quatro anos foi bastante compactado para os últimos três anos. Dificuldades orçamentárias, financeiras, estruturais, fizeram com que nós resumíssemos o nosso projeto de quatro anos em três. Estamos avançando em mobilidade urbana, galerias de águas pluviais e recuperando toda a cidade, entre outras áreas”, destaca. Para 2014, Lorena espera avanços em dois principais investimentos na área do desenvolvimento. “Estamos atacando em vários flancos e o principal deles é a instalação e inauguração da COMIL (montadora de ônibus). Já angariamos uma fábrica para 2014 em toda a sua potência, ela já começa a operar agora no final de 2013 em regime experimental e, em 2014, a média será de 20 veículos por dia. Outra grande expectativa é o início da obra civil do shopping de Lorena, o Eco Vale, na entrada da cidade. Temos outras fábricas negociando com a prefeitura. E temos aí o principal: um reordenamento urbano, uma organização, visto que a cidade é muito forte em serviços, então quando você dá uma condição boa para cidade, com a prefeitura investindo – mercado municipal reformado, água do Barão e alguns parques que iremos fazer no ano que vem, tenho certeza que isso agrega um ano de boas expectativas”. Por fim, Fábio Marcondes deixou um recado à população de Lorena. “Acho que a população já percebeu uma mudança, porque o nosso pacto com a população é trabalho, e um prefeito não trabalha sozinho. Temos uma boa relação com os funcionários da prefeitura, já fizemos o que pudemos para eles nesses meses de administração. Repassamos um reajuste salarial de 10% e não só o reajuste, como também uma valorização. É o prefeito cedo na rua, o prefeito acompanhando os serviços, e isso gera uma boa expectativa, isso gera uma relação de trabalho, uma confiança necessária, esse é o ponto fundamental. Deixo a mensagem de que a proposta que fizemos para os quatro anos na cidade está em pé e não desviamos o nosso plano de governo, da nossa mudança que a cidade tanto queria. Uma mudança de comportamento político e um posicionamento dos seus agentes. Isso vai acontecer, está acontecendo”, conclui Marcondes. Dezembro de 2013 Opinião Vale

17


editoria Meio Ambiente Por: colunista Jorge Gomes do Couto Email: jgomes@tubosapolo.com.br

Advogado, formado em Direito pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ, pós-graduado em Gestão de Recursos Humanos pela Universidade Gama Filho – UGF, Mestre em Direito Ambiental pelo Centro Universitário de São Paulo – UNISAL. É Coordenador do Programa “Doutores da Natureza”, de proteção ao meio ambiente na Cidade de Lorena e membro da Câmara Técnica de Educação Ambiental e Mobilização Social do Comitê de Bacias Hidrográficas do Rio Paraíba do Sul – CBHRPS.

De quem é a

responsabilidade? E m meio às catástrofes naturais, com perdas incalculáveis para a humanidade, o Direito Ambiental é uma das principais áreas do conhecimento jurídico capaz de resguardar a vida do ser humano na terra. Com base em estudos da interação do homem com a natureza, estabelece padrões de comportamento que garantam o equilíbrio entre desenvolvimento tecnológico e utilização sustentável dos recursos naturais. Porém, esse mesmo crescimento tecnológico estimula o consumo desenfreado, que exclui pessoas desassistidas, ou desprovidas de formação educacional, gerando situações de miséria. No Brasil, a eficácia da norma ambiental esbarra no descumprimento das leis, por falta de adesão dos atores sociais às diretrizes da Política Nacional do Meio Ambiente (lei 6.938, de 31/08/81). Temos um completo ordenamento jurídico, mas lutamos para fazer cumprir regras básicas, como proteção das margens de rios, descarte correto de resíduos industriais, uso consciente de defensivos agrícolas e consumo sustentável. No Vale do Paraíba, universidades como a FATEA, FATEC, UNISAL, UNESP e USP incluem em suas disciplinas temas que preparam o profissional para uma nova postura diante dos problemas socioambientais. Conselhos Municipais de Meio Ambiente, entre outras ações sociais, exercem a mobilização com foco na sustentabilidade e no desenvolvimento humano. Mesmo que lentamente, o desconhecimento, a

18

Opinião Vale Mês de 2013

influência de interesses individuais e a falta do crédito de que a lei é justa para todos – herança de séculos de direcionamento do poder econômico – vai sendo substituído pelo pensamento de que é possível mudar, se cada um fizer a sua parte. Ao discutirmos a melhoria da qualidade de vida do cidadão, sabemos que a responsabilidade social não é apenas do Estado. Mas, todos estamos envolvidos. A educação socioambiental deve ser tratada como a educação religiosa e a educação para a vida em sociedade. Deve acompanhar o homem em seu processo evolutivo, na família, escola, igreja e demais grupos sociais. Mas, como mudar as características do ser humano? Como integrá-lo para sentir-se responsável pelo meio em que vive? Acreditamos na educação como principal ferramenta, mas também na mobilização social e nas boas práticas socioambientais, para influenciar na formação do indivíduo. Além disso, precisamos aplicar a legislação, punindo o infrator, como nos casos da falta do cinto de segurança e da proibição do tabagismo em locais fechados. Nossa proposta é discutir a lei, evidenciar as boas práticas socioambientais de empresas, ouvir pessoas que atuem nesse segmento e conhecer melhor o que se tem feito em nossa região. Você está convidado a interagir enviando sugestões de pauta, casos de sucesso, dúvidas e oportunidades para fortalecer a defesa do meio ambiente e a erradicação da pobreza em nossa região.


Dezembro de 2013 Opini達o Vale

19


Turismo e Cultura

Guaratinguetá pode ter Teatro Municipal novamente Por: Opinião Vale

N

o segundo semestre de 2013, o presidente da câmara, vereador Dr. Marcelo Meirelles, apresentou um requerimento solicitando informações da prefeitura sobre a possibilidade da elaboração de um projeto para a construção de um teatro no antigo prédio do executivo, na praça Homero Ottoni, no centro de Guaratinguetá. O prédio, há meses deixou de ser a sede da prefeitura, por problemas em sua estrutura. A viabilização dessa obra já está sendo estudada pelo Departamento de Cultura de Guaratinguetá. Autor do requerimento, Marcelo Meirelles está otimista com a possibilidade de um novo palco para artistas na cidade. “Esse prédio já estava muito obsoleto e não satisfazia o interesse da prefeitura para ser sede do governo. Então me surgiu a ideia de transformar aquele local em um teatro. Conversei com o prefeito Francisco Carlos e com o diretor Flávio Augusto e eles gostaram 20

Opinião Vale Dezembro de 2013

da ideia. Foi mostrado também que há recursos para isso, tanto no Governo Estadual quanto no Federal”, afirma o vereador. Para essa construção, o primeiro passo é a criação de uma Secretaria da Cultura na cidade, o que facilitaria a busca de recursos para a obra. “O projeto para a criação da Secretaria de Cultura já está sendo enviado à câmara e tenho certeza que ainda em 2013 ela será criada. Uma Secretaria Municipal da Cultura e um Conselho Municipal de Cultura são imprescindíveis pra que possamos buscar apoios federais e estaduais. Então, acho que a gente já entra janeiro com essas condições satisfeitas, o que nos deixa bastante otimistas no sentido de conseguirmos verbas para pleitear a construção do teatro e efetivamente criarmos e gerirmos melhor a cultura em 2014”, ressalta o diretor de cultura, Flávio Augusto. Em uma possível revitalização, o prédio passaria por mudanças, mas não poderia sofrer alterações significativas em sua parte externa, já que é uma propriedade tombada por ser patrimônio público e histórico. A arquiteta de Guaratinguetá Ana Carolina elaborou um projeto de revitalização do local para a construção desse espaço cultural. “Primeiramente, é necessário que se faça um levantamento estrutural do prédio. Por se tratar de um prédio muito antigo, elementos de funções vitais podem estar danificados, como colunas, fundação, encanamentos, entre outros. Logo após, a elaboração de um Projeto de Reforma e Adaptação, para que itens necessários ao bom funcionamento de um teatro possam ser ali construídos. Por ser um edifício tombado, sua fachada seria conservada e restaurada por profissionais competentes e todo o seu interior modificado. Itens como janelas, por exemplo, seriam cuidadosamente trabalhadas em sua face interna com elementos específicos, de modo que a iluminação, ventilação e acústica do mesmo não pudessem ser

comprometidas. Hoje a alta tecnologia construtiva permite que façamos o que for necessário para se preservar sem destruir, objetivando a funcionalidade do local a ser modificado”, explica. De acordo com a arquiteta, o espaço não seria amplo, mas poderia receber cerca de 180 pessoas. “Para que a comodidade dos usuários seja respeitada, tanto quanto o bom funcionamento do local em termos de acústica, temperatura, locomoção e abalos físicos, a sala principal, ou seja, suas poltronas térreas e de camarote, acomodaria um número máximo de 180 lugares”. No passado, nesse mesmo prédio havia um teatro, que foi palco de muitas apresentações artísticas e recebia diversas pessoas que prestigiavam a cultura, como conta a historiadora de Guaratinguetá Thereza Maia. “No final do século XIX dois guaratinguetaenses construíram naquele local o Teatro Carlos Gomes, em homenagem ao


Turismo e Cultura

grande músico Carlos Gomes, e a praça Homero Ottoni era conhecida como Largo do Teatro. Até então só tinha uns teatrinhos mambembes (sic), inclusive, na rua Frei Lucas. Eles viviam emprestando casas, tudo pra apresentar peças de teatro. Depois de um tempo, o retorno financeiro do teatro, que era de doações, foi diminuindo, e a partir daí esses dois rapazes viram que não tinham condições de dar continuidade aos trabalhos e a prefeitura assumiu a propriedade, inaugurando em 1895 no local o Teatro Municipal”, conta a historiadora. Na época, com o surgimento dos cinemas, o local foi perdendo público e posteriormente desativado. “Quando começaram a surgir os cinemas e cines-teatro, com espetáculos mais modernos para a época, o velho teatro começou a ficar esquecido. Como foi proposta a vinda de uma faculdade de Farmácia e Odontologia para Guaratinguetá, o prédio passou a abrigar a escola, sendo adaptado para isso. Depois de um tempo, foi utilizado como sede da prefeitura”, explica Thereza. Atualmente, a cidade possui apenas um palco oficial para apresentações artísticas, o espaço ViVarte, localizado no bairro do Pedregulho, mas que foi construído com o fim do Cine Colonial. “Guaratinguetá deixa a desejar no que diz respeito à cultura. Tivemos a revitalização do festival Dilermando Reis, temos o Espaço Vivarte, que era um cinema que foi adaptado para teatro, mas lá não é o ideal. Guaratinguetá é uma cidade artística que produziu grandes nomes na música e na cultura, e precisamos continuar com isso. A resposta que o prefeito me deu pessoalmente é que tem interesse na construção desse teatro, e vamos correr atrás disso”, finaliza o vereador Marcelo Meirelles. Dezembro de 2013 Opinião Vale

21


editoria Colunismo Social Por: Luciana colunista Soares

Luciana Soares, Jornalista (Formada Integradas Teresa D’Ávila – Fatea Lorena)

E-mail: luciana.ssoares@hotmail.com

As amigas Natália Nascimento, Laís Carvalho, Gabrielle Alves e Ana Flávia

pelas

Faculdades

Equipe do Salão Bellamary: André Maximo, Arlene, Helena, Mara, Thiago, a proprietária Aline e Danilo é sucesso em profissionalismo, dedicação e beleza.

Belíssimo casal Vicent Vermilliere e Rita Santos aproveitando o dia em Paraty.

O dentista Rodrigo Diniz e o casal que lhe acolheu em sua homestay em Brisbane, na Austrália

Personal trainer Eder Andrade Maranhão na academia do ICC (Itaguará Country Club)

22

Carla Sant’anna, felicidade em pessoa! Linda!

Opinião Vale Mês de 2013

Vereador de Aparecida Diguinho Wendling e sua esposa Dani

O cantor Flávio Pirica animando a noite nos bares e restaurantes da região.

Os amigos Eduardo Henrique e Aline Nogueira. Com eles a vibe é sempre positiva!


Dezembro de 2013 Opini達o Vale

23


editoria Saúde e Bem Estar Por: colunista Julia Tineu Email: juuu.tineu@gmail.com

Nutricionista (Faculdades Metropolitanas Unidas – FMU / São Paulo)

Mantenha-se

saudável no verão Atualmente é comum as pessoas se preocuparem não só com a boa forma, mas também com a saúde. A procura é por uma alimentação saudável e equilibrada, principalmente com a chegada do verão e festas de fim de ano, que normalmente geram dúvidas na hora de escolher o que pôr no prato. Devido às altas temperaturas do verão, a perda de líquidos e sais minerais através do suor é comum, portanto, é importante garantirmos a reposição adequada destes líquidos ao longo do dia. Devemos sempre preferir alimentos de fácil digestão, como as saladas, legumes, carnes magras, sanduíches leves, vitaminas de frutas e sucos naturais. Não existe um segredo único e milagroso para a conquista da saúde e da boa forma. O segredo está na escolha de hábitos que devem ser incorporados no seu dia a dia. Mas não se preocupe, seguem abaixo algumas sugestões e dicas para manter-se saudável e em forma para o final de ano: Use e abuse da água: além de hidratar é essencial para o bom funcionamento do organismo e ajuda na busca por um corpo mais bonito; Coma mais vezes e em menores porções: o ideal é

que as refeições sejam feitas de 3 em 3 horas; Prefira alimentos leves: frutas, verduras e legumes são ideais. Dê preferência aos alimentos integrais e grãos, pois esses são ricos em fibras e vitaminas e dão maior sensação de saciedade, além de terem menos gorduras; Evite frituras, alimentos gordurosos e doces em excesso: para quem quer manter o corpo em forma, optar por alimentos assados, grelhados ou cozidos e preferir carne branca à carne vermelha, pois ela possibilita uma melhor digestão e evita o desconforto intestinal; Troque os refrigerantes pelos sucos naturais: Limão e abacaxi são ótimas sugestões. Além de serem frutas muito comuns nessa época do ano, contêm poucas calorias, refrescam e hidratam bastante; Não exagere no álcool: As bebidas alcoólicas são as chamadas “calorias vazias”, além de serem extremamente calóricas, não contêm nenhum nutriente que favoreça a saúde; Pratique atividades físicas: Com moderação faz bem à saúde e aliada a uma alimentação balanceada ajuda a manter-se em forma para o verão!

IMPORTANTE: Sempre é bom o acompanhamento com um profissional da saúde e fazer tudo com moderação. No caso de dietas, um nutricionista, e de exercícios físicos, um educador físico.

24

Opinião Vale Mês de 2013


Dezembro de 2013 Opini達o Vale

25


Anuncie aqui! (12) 3133-8473 / (12) 98210-7866 (12) 99162-9545 / (12) 78982331 / 923*30921

opiniãovale@gmail.com Praça Santa Rita, 173, Santa Rita – Guaratinguetá/SP – CEP: 12 502-420


RenĂŠ Descartes


Esporte e Lazer

André Gomes supera desafios diários, falta de apoio financeiro e sonha com vaga no mundial de Jiu-Jitsu, em Abu Dhabi Atleta desde 2003, Canetinha desponta como surpresa no esporte, coleciona bons resultados e não esconde que objetivo principal é ser campeão do mundo na modalidade Por: Leandro Oliveira

“A gente tem até que sair pedindo, de porta em porta, pra tentar arrecadar o dinheiro suficiente. É difícil...”

H

á dez anos André Gomes iniciava sua trajetória num dos esportes mais populares no Brasil, o Jiu-Jitsu. De lá pra cá, o atleta soma títulos e resultados importantes no cenário esportivo das artes marciais. Tricampeão da Livajj (Liga Valeparaibana de Jiu-Jitsu) e campeão da Copa Vale, ‘Canetinha’, como é conhecido, tem 24 anos, é de Guaratinguetá e faixa marrom na categoria peso pesado. O atleta foi campeão do São Paulo Open Internacional e chegou ao terceiro lugar no Campeonato Brasileiro, ambas as competições, neste ano. Apesar dos resultados, André revela que precisou pedir dinheiro para competir. Em janeiro de 2014, Canetinha terá a chance de se classificar para o Mundial de Abu Dhabi. As seletivas para a etapa acontecem nos dias 17, 18 e 19, em Osasco. Visando o torneio no Oriente Médio, André já se mobilizou para conseguir dinheiro para pagar a inscrição do campeonato.

Opinião - Porque ‘Canetinha’? André - Meu irmão trabalha como segurança e sempre ficava com uma caneta na mão. Por isso ele era conhecido como ‘caneta’. Eu, como sou mais novo, passei a ser chamado de ‘canetinha’. Mas nunca liguei para o apelido não (risos). Opinião - Quando começou sua trajetória no Jiu-Jitsu? André - Eu comecei com 15 anos de idade, em dezembro de 2003. Opinião - De onde vem essa ideia de praticar o esporte? André - Meu irmão já treinava, antes de mim. Eu sempre gostei de filmes de lutas, de kung-fu, mas nunca tinha treinado ou feito nada do tipo. Um dia ele me trouxe, e eu disse que não ia treinar. Mas aí não resisti. Comecei brincando, quando vi já estava treinando e estou aí até hoje. 28

Opinião Vale Dezembro de 2013

“Quero ser campeão do mundo, chegar no topo.”


Esporte e Lazer Opinião - Desde a ideia de praticar o esporte até a sua primeira luta oficial, sua família e amigos, te apoiaram? André - Meu irmão foi meu maior incentivador. Sempre lutava comigo no tatame. Sempre rolou muito apoio nos treinos e também nas competições, então sempre tive muito apoio de todos. Opinião - Nesses anos de prática esportiva profissional, o que você pode tirar de maior lição no esporte? André - A maior lição que eu posso tirar do esporte é que se você tem um sonho, lute por ele. Faça o possível para tornar real. Não desistir nunca. Essa sim é a maior lição. Opinião - Dentro do esporte, qual sua maior ambição? André - Ah, minha maior ambição é ser o número 1. Quero ser campeão do mundo, chegar no topo. Opinião - Pra cada etapa ou campeonato, quanto você desembolsa? André - Cada campeonato é um valor. Ano passado, fui pra Manaus. Lá gastei R$ 3 mil reais. Saí pedindo dinheiro na rua até fechar o valor. Um foi dando 50, outro 70, outro 10, e graças a Deus deu tudo certo. A falta de incentivo é grande, por isso, às vezes, temos que sair pedindo dinheiro.

que falta para conquistar títulos em âmbitos maiores, como o Brasileiro e até o próprio Mundial? André - Falta incentivo. Falta apoio financeiro. Tanto pra viagem como para inscrição de campeonato. A gente tem até que sair pedindo, de porta em porta, pra tentar arrecadar o dinheiro suficiente. É difícil...

Opinião - Porque você acha que falta apoio ao Jiu-Jitsu e sobra apoio em outros esportes?

Opinião - O que falta para você garantir vaga nessa etapa do mundial?

André - O pessoal dá muito valor para o futebol e o futebol não traz um retorno que se espera. O Jiu-Jitsu é cultura brasileira. Eu espero que o pessoal comece a valorizar o Jiu-Jitsu e passe a olhar pra esse esporte de maneira diferente, assim como olham para o MMA, que já é bem valorizado. Falta mais valor e atenção, não só para o Jiu-Jitsu, mas também para o Judô e outras artes marciais.

André - Treinar muito e viver o meu dia. Não basta treinar pesado, tem que estar num bom dia. Eu entrego nas mãos de Deus e sigo treinando pesado.

“Falta mais valor e atenção, não só para o Jiu-Jitsu, mas também para o Judô e outras artes marciais.”

Opinião - Você pensa em praticar o MMA (Misto de Artes Marciais)? André - No momento, meu foco é o Jiu-Jitsu. Mas não descarto a possibilidade de praticar o MMA. Opinião - Como está o seu psicológico para a seletiva do mundial? André - Agora eu estou começando a focar nos treinamentos, na dieta. Tem a preparação e eu estou pensando na vitória. Como eu trabalho em período integral, eu treino a tarde a noite, mas geralmente é só a noite. Opinião - Você mudou muito sua rotina de treinamentos? André - Eu mudei a duração e um pouco da intensidade dos treinos. Opinião - Como você encara essa oportunidade? André - Isso é minha realização. É um sonho que pode se tornar real. Conseguir esse título mundial em Abu Dhabi é mais um degrau nessa minha escada. Opinião - Você que já foi campeão da Livajj e da Copa Vale, o

Opinião - Quais são suas projeções para o futuro, dentro do esporte?

André - A minha intenção é competir o máximo que eu puder. E quando não puder competir, vou repassar para as crianças, todas as lições do esporte. Afinal, eles são o futuro. Quero dar aulas também, montar minha própria academia. Opinião - Dá pra ganhar dinheiro com artes marciais ou é algo utópico? André - É bem difícil. No Jiu-Jitsu, tem sim, boas premiações. Mas isso pra quem já está lá em cima. Pra quem está começando, é como eu disse, é preciso pedir dinheiro, pois falta apoio. Quando você tem incentivo, é muito mais fácil chegar lá em cima. Quando não se tem, fica muito complicado. Opinião - Atualmente, quem te apoia nos campeonatos? Existe algum apoiador fixo? André - Eu preciso agradecer a quem acreditam em mim, aos meus patrocinadores. Mas ainda preciso de um patrocinador fixo, que esteja sempre me apoiando em competições regionais, nacionais e até internacionais. Deixo meu contato para quem tiver interesse em me apoiar: (12) 98166-0012. Agradeço também aos mestres Otávio Peixotinho, Ganso e Aldo, que sempre me deram uma grande força, desde os meus 15 anos. Dezembro de 2013 Opinião Vale

29


editoria Opinião Por: Miguel colunista Júnior Email: prof.migueljr@terra.com.br

Mestre em Linguística Aplicada pela Unitau-Taubaté, graduado em Jornalismo pela Unesp e licenciado em Língua Portuguesa pela Universidade de Barra Mansa. É professor das Faculdades Integradas Teresa D’Ávila (Lorena-SP), Redes Objetivo e Salesiana, Associação Educacional Dom Bosco (Resende-RJ), e Escola Superior de Cruzeiro.

Só os médicos

resolverão

O

Governo federal lançou o “Programa Mais Médicos” a fim de amenizar o sofrimento dos usuários do Sistema Único de Saúde e, também, proporcionar melhores condições para que os doentes sejam atendidos de forma mais rápida. Tal programa recebeu elogios e críticas em todo o país. Os primeiros surgiram pela real necessidade em se investir em mão-de-obra capacitada no setor de saúde. Já as outras ressaltavam que a medida não solucionaria os problemas apenas com médicos. Ao lançar o Programa, o Ministério da Saúde salientou que as vagas, primeiramente, deveriam ser preenchidas por médicos brasileiros. Na falta destes, estrangeiros seriam convidados para cumprir o papel de levar saúde à população mais carente. Como as vagas não foram preenchidas pelos nativos, milhares de médicos de outros países, principalmente de Cuba, desembarcaram aqui para realizar trabalhos de emergência. O setor da saúde, em todos os cantos do país, está sucateado. Hospitais lotados, pessoas atendidas nos corredores, falta infraestrutura básica para atender a população com dignidade... Apenas médicos não solucionariam o problema. A chegada dos profissionais estrangeiros será apenas um paliativo para o caos que vive a saúde no Brasil. No Vale do Paraíba não é diferente. Segundo dados do próprio site do Ministério da Saúde, Lorena e Potim receberão médicos na segunda etapa do Programa. A primeira, 11 profissionais e a outra, 4. Outras cidades que sofrem com o a falta de condições na saúde não

30

Opinião Vale Mês de 2013

aderiram ao projeto e ficaram de fora, como Cruzeiro, Guaratinguetá e Aparecida. Para receber a ajuda, um dos itens determinado pelo Ministério é: “Município com 20% (vinte por cento) ou mais da população vivendo em alta vulnerabilidade social, com base nos dados do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.” Por isso, a questão política foi fundamental na não inscrição. Certamente, alguns prefeitos amedrontaram-se pelo fato de cadastrarem suas cidades devido a esse item. Questões políticas também são marcantes como partidos opositores ao governo PT em pedirem auxílio dessa magnitude. Na política, sabe-se que mais vale é o ego. A população vem depois. No geral, o Brasil possui apenas 1,8 médico para cada mil habitantes. Índice pequeno se comparado a outros países como Argentina (3,2), Uruguai (3,7) e Espanha (4). Ainda segundo o Ministério da Saúde, R$ 15 bilhões serão investidos em obras de revitalização e construção de novos centros de saúde. Mas, como tudo por aqui é passível de dúvidas tomara que a saúde sofra uma melhora considerável. Se lembrarmos dos tempos da Contribuição Provisória por Movimentação Financeira (CPMF), que resolveria os problemas no setor, já teríamos um ponto negativo para ressaltar. Se somente os médicos resolverão o problema no setor, já adianto que não. Caso não haja um investimento pesado e as pessoas não sejam mais tratadas como bois em matadouro, possivelmente algo de relevante poderá ser destacado. Por enquanto, o Programa não passa de expectativa.


Dezembro de 2013 Opini達o Vale

31


Opinião Vale Revista  

Revista Opinião Vale - Edição de Lançamento - Dezembro de 2013

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you