Page 1

AMOR EM POEMAS | Melissa Bergonsi


Quando escrevo pra você, Sinto como se tocasse teu corpo com a minha alma Me sinto tocando tua’lma com meus dedos lépidos e pacientes Quando te toco com o que escrevo Me sinto no teu corpo gozando com uma selvageria delicada Quando escrevo pra você Me vejo sonhando com uma felicidade que existe guardada dentro de mim Pronta pra ser vivida.


Quarto escuro Parei de escrever. Abandonei a casa da minha memória. Deixei lá, trancadas, as letras. Elas dormem solitárias, amarradas uma a uma, em ordem alfabética, sem que possam se encontrar pra fazer sentido. Sem que possam se encontrar pra fazer amor.


braços os teus r livre d tos de você a c fi a ri o que amen foste Ah, com nder dos pens az ue não p nheira q a pre e s p u e m q d o o e c M is d oa ada ma im com Queria n r ao lado de m a c s Me colo inhas vontade do m ero un Voar em o ninho do m m meu desesp rn ne a id v a E, pousa m seu cheiro, d e restou o te Que nã rteiro o que m que ainda não e c ro e e p d m Tem o te etade d Tem a m tei por inteiro en experim


Minha saudade tem o gosto do seu corpo o som da sua voz o cheiro do seu cheiro Minha saudade é sua presença em mim É a sua ausência. Minha saudade é essa distância próxima que me sufoca na dor da felicidade ausente.


Coloquei no toca-fitas a voz desgastada de Vinícius Seus poemas, sua alma amante Fechei meus olhos Lembrei do seu toque, Seu cheiro ainda em mim arrepiou meu corpo e, e meus pensamentos voaram em devaneios de você Lembrei das noites, das camas, das pias, dos banheiros, das cataratas, seus gemidos, seus gritos de amor Deixei meu coração bater, meus olhos chorarem saudades. Deixei meu corpo sentir meu amor por você ainda quente dentro de mim.


Quero p arar de ler essa Desliga s linhas ra tristes q Jogar fo voz dolorida d ue pree a ra essa c nchem hícara d bethânia frio pela minh’alm e café-c tua ausê a o m n -l c ia eite que Quero e esquen screver ta meu pra voc Escutar corpo ê ve av Deitar n oz forte da be rsos de amor s thânia c em a do o teu co o r rpo bra nco que m meus lábios de te ter perdid Quero v n oltar a d me aqu o ece com os teus ormir e acordar essa luz cansada ofuscan de tanta te felicidad e.


Chamei tua atenção sem querer despertei teu querer sem saber me olhastes com olhos de regalo depois me comeste com facas, beijos, dentes, línguas gostastes me deixou em pedaços digeriu minha alma pediu a sobremesa e eu, eu, dancei.


Receita Pra curar o mau humor Uma torta de amor Bastam duas colheres de beijos Três porções de abraços Pitadas de mordidas no pescoço Untar a forma com coceira nas costas Deixar em fogo calmo até que ferva Lamba a massa para experimentar Coma com gosto para um belo sorriso no rosto.


Meu fruto proibido cor de paixรฃo meu tomate I love you tu mรกtch


manhã. sono de madrugada o it u m Tinha urante a ersos de amor cavas d v poemas Me brin is de compor po alma em E, eu, de e te dar minha r d de amo cansada as em corpo s noites te n a ti ri r b o li e p o Me eng meus desejos u dormia em in as ,e Devorav us braços e, eu te colo em teu Caía em nhacia lá fora dormia a , a m d a a ia m Od s ha a eu, min pleto de estrela nte. E eu, ah pe , re re o c e n d ra u b o quente, bom que acab o ah, sonh


Meu êxtase de amor Sinto falta do calor que me fez sentir Minha felicidade concreta que se tornou irreal Meu eu que me fez crescer em sofrimentos de saudades Minha paixão que me fez amadurecer sem você Sou um abacate pronto para ser colhido...


Minha dor dura mais que o nosso amor Já faz um ano e me parece um dia infinito Daqueles nublados e chuvosos Sinto frio há muito tempo Me dá uma blusa de lã E uma xícara de chá quente


Tiras de mim a felicidade com a distância de centímetros Roubas de mim a paz de pensamentos seus Foges, råpido, antes que a inquietude te agarres que o arrependimento te amarres e, o amor me consuma em versos banhados de dor.


a tinh

tem

p

ro op

po

tem

ite no

a

tod

ê ar a ass . voc p o s a i sta and od qu cê. e p as co com u m am o q do tu bo ra vo n p i a r m m n o e ha p ter o te icia com ue tin des d , acar não . h e s o A oq u o da eix olh ei q . tod ue sau u qu . po s teus que s e t m q mo e os ea Ah jando um t r pro d u ãos n q a . r dá e olh bei egu ize uero nhas m s e d s d q e n ,m mi ra t ue te Ah empo s algu om sp O t á mai dade. a mai strar q rrer c d o . u o co Me ha sa temp pra m e per dades . t ê ê. min á um mais s pra e sau voc voc i s d uco m a m e e e . o s d M po o m ida ei o c pos ouc insan fiqu tenh á tem Um p e u não e h um de oq o Só letas mp o que corr e t p e p o re m tira tem ue Me tira o dor q e M tira a Me


Exalei lembranças de você Aquela manta no chão da sala amarela Suores de amor à luz de velas Eram mãos, coxas, braços, seios, devaneios Seus gritos impedidos pelo silêncio da noite sussurrados em meus ouvidos Todo gozo pareceu sempre pouco pro que sentíamos E queríamos mais Eram dois corpos em um’alma que rolavam, buscavam não sei quê sem encontrar Tudo porque sempre foi muito. Não nos contentávamos em nossos corpos Exalamos espíritos, gozos sem saber, felicidade em sorrisos e suspiros depois que nos cansávamos Enquanto dormíamos, nada se desfazia. Eram bocas grudadas, corpos colados e suados. Nosso amor, nossos desejos, Nada se desfez.


Prazer em te comer aberta, molhada, pelada ĂŠ como cair de boca na fruta predileta melada, lambida, mordida meu banquete, estou perdida.


Onde estou eu agora? Longe de mim. Sinto apenas um torpor de pensamentos Insanos desejos Incorretos à coerência humana Estou eu agora longe de mim Estou eu no mundo que corre pra longe de mim Quero fugir da dor Colocá-la num envelope lacrado sem remetente Assim como fiz com a felicidade Se perdeu e ainda não encontrou o caminho de volta.


Minha mente desgovernada cansou de sonhar momentos loucos de amor Te quero deitar no ch達o dos prazeres Escutar a sinfonia dos teus gemidos em meus ouvidos Sentir o teu cheiro de cama dizendo que me ama Ter teus seios em minhas m達os Teus gozos em minha boca Dentes e unhas por meu corpo Te quero branca, dourada iluminando a noite, ofuscando o dia. Te quero aliviando a minha alma e cansando meu corpo Te quero na realidade do alcance das minhas m達os pra te enlouquecer amar e saciar calar e acalmar e te fazer despertar cada vez mais MULHER.


Tamanho Às vezes me sinto um golias. Suporto a dor dos meus pensamentos que me atormentam.Estou longe de quem daria a vida Amo quem está em outros braços e se entrega, Talvez até, ou mais do que se entregou a mim. Pareço que sou uma grande mulher, pequena o suficiente Pra te ter perdido e caído. Mas, abraço nossas lembranças, Me dissolvo em letras perdidas Que reencontram você em nós Sorrio porque acho que em alguma noite Meus olhos estarão mais perto dos teus Tanto quanto tua boca da minha. E então, me sinto um davi, Que mesmo pequeno, Derrubou a grande tentação De pensar que seria impossível E continuou de pé, te amando (esperando). Cada vez mais (sempre).


A abstinência do teu corpo Me embriaga de saudades. Parece que tomei uma garrafa de desejos alcoólicos. Estou bêbada de tesão. No cenário do nosso momento de amor Tento imaginar o palco onde nossos corpos podem se encontrar. Personagens principais. Nao quero cortinas, nem aplausos. Panos atrapalham E as mãos vão estar ocupadas demais.


Olho pra trás e sinto saudades suas Me calo por meses E meu coração grita de dor Tento não escutar, mas não consigo, sinto Então, na noite calada, converso contigo E conto que te amo pra mim mesma Escuto o eco da sua voz que vem das minhas lembranças Sinto seu cheiro e finjo que estás aqui comigo Viro pra te abraçar e encontro a solidão Não vejo teus olhos verdes, gateados Fecho os meus e sinto a saudade escorrendo CORROENDO


Oh, busca incansável de insensatos sonhos em teu corpo tuas coxas, braços, lábios, línguas Tua pele, teus cabelos dourados Ah, o brilho dos teus olhos colados nos meus cílios Ah, seu calor colado em meu corpo Me desperta deste pesadelo que vivo acordada Me faz sonhar em realidade de novo.


Pensei nesta tarde em te roubar pra mim e te encher de amores que aliviem teu coração. Meus pensamentos de luxúrias pensaram em cada parte do teu corpo. Comecei pelos cabelos e pêlos. Comecei a suar frio e continuei. Pensei em arrancar tua roupa e te dar minha alma. Pensei em encher tua boca com a minha. Comecei a suar quente. Cada vez mais. Meus lábios foram te percorrendo devagar. Pararam minutos em teu pescoço, tua nuca. Teu cheiro me brincava. Desci pro teu colo onde encontrei estrelas. Parei em teus seios. Meus lábios, línguas e dentes ficaram ali por mais eternos minutos. Abri meus olhos pra te encontrar e vi os teus fechados se deliciando em carícias. Não parei. Fiz o trajeto do teu umbigo, cintura e passei reto pra parar em tuas coxas. Você se entregava pra mim e minhas mãos só se encontravam em você. Fui até as extremidades dos teus pés com o extremo do meu amor. Te doei minha alma. Voltei e estacionei. Estacionei em teu sexo e dali por diante me perdi. Por mais que tenha te amado horas senti segundo. Abri meus olhos mais uma vez e não vi os teus porque teu corpo contorcido de prazer me impediu. Meu coração bateu mais forte. Teu gosto na minha boca e nós loucas. Me puxou pelos cabelos até tua boca e encheu a minha boca com a tua. Dormimos em almas coladas que não vão se separa nunca.


Seu corpo branco, nu suas curvas, costas, colo desejo, quero Meu deus, insanos meus pensamentos devoro seu calor em meus sonhos lábios, línguas, levianos são meus suores, salivas Meus braços envoltos em abraços pernas em leçóis minha alma amando


Tempo pra isso Se a dor é a inspiração do poeta O amor é sua matéria-prima E não há poeta que prefira a dor em vez do amor A ausência em vez do corpo O vazio em vez da boca A cama vaga em vez do sexo. Não há poeta que escreva sem tecer com as letras a cama pro amor. Há lençol se houver dois, há poema se houver tempo. Nós é a primeira pessoa Do verbo que a gente conjuga junto: Amar.


a vra cert passo ar a pala consegui tr n Descom o c n smo ee ão , erta me ntade d ntia e, n e fazer e Senti vo s coisas que se se sido a hora c ue dizer lindos demais, q o n a s r z e e v e uma v pra diz s eram ez não ti para ele sei mais em, talv o e pen tinha palavras ainda b rr a ig c ses m ntas fra frases cendi u lhos não utras ta o Então, a contrei seus o r em limitadas m e i e en ca , pens quando emais pra colo cigarros rd s tantos sim, o o m tr a u o ra i e i, acend ão e mesmo as . e, chore a De noit ícius, escutei Jo er o que senti in diz Copiei V era pouco pra , o rt as nto ce ue achei q perdi o mome m minh não era e nti e u e u s q q e o s u h ra q c A lav rto boca pa mais ce o amor apar da minha rdados a c u s mais. g e Deixei ficaram chegue nunca s to n e m o ti ã n n , e z s e ola E, meus certo que talv ue, cart ia loca fraq o r c para o d e v e s te e ra qu e vesti p encontro em s vermelhas sas, Hoje m la e as ro rosa se um e s d fo o e ç s a da carto i m c e m u u como q s o aque, e a na mã os teus e se lev oloquei meu fr vá-las... er os olh v c le ra o e a ã d p n r , o Mas med alque sas, tive ulpa qu oucos... ah, as ro ntei uma desc ta aos p a m e m e v e Então, in a saudade qu teados, en um e matar s, cabelos desp tua ausência... an ra fui de je ados de chora er te abraçar, s, d ch ermelha olhos in s vazias pra po leto de rosas v p ão Fui de m m o coração re medo... ve i co ti e u ... s g a e -l h ê c v ei você não deix ondida, c s e so... paixão r silencio um amo


Ah, sua boca, pescoço, colo, seios Seu sexo, coxas, pés, mãos, cabelos Sua nuca, costas, curvas, contornos Suas pintas e marcas de mulher Trajetos que meus lábios percorrem em caminhos que quero me perder. Quero chegar em seu coração e aliviar o meu.


Detalhes Está nos detalhes o complemento mudo das frases meio-ditas, a sinceridade velada das atitudes, o cuidado involuntário com tudo o que faz parte da vida. Sim. Cabe nos detalhes tudo o que você queria ouvir, mas não disseram por algum motivo tudo o que você queria dizer e não disse por seus motivos. A palavra não dita está gritando no detalhe. É nele que está a revelação. Não existe segredo. Existe detalhe. Olhos que brilham quando te olham é o amor gritando sem palavras.


Ver em Namoro v m você ocê o que é no o que é s a eternid so É namo ade ra r com o Fa Flerta belo É morar zer amor com o sol e d r com as estre no céu, las Cheia d na sua casa co epois abraçar e janela a lua m colch s por on ão de n V d u É tudo o ocê em mim, q e entra a brisa vens ue se tr que há ansform do mar de divin ae o na rea lidade d m nós esta vid a. Sentir e


Poemas  

Poemas versos