Page 1

FAUP Histテウria da Arquitectura Portuguesa Estudos do Castelo de Arraiolos e sua Vila Ana Maio テ]geles Ortega Jesica Jaramillo Patrテュcia Malhテ」o

2009 / 2010

1


Ă?NDICE 1.

Introdução. Objectivos do Trabalho

5

2. 2.1. 2.2.

Arraiolos: anålise territorial Localização Evolução Urbana da Vila de Arraiolos

7

3.

Cronologia

15

4.

SĂ­ntese histĂłrica

21

Estudo do Castelo de Arraiolos 5. 5.1. 5.2. 

Levantamento Planta e cortes da Vila Desenhos de levantamento )RWRJUDÂżDV

23

6. 

Comparaçþes de Castelos 5HÀH[mRVREDVFRPSDUDo}HV

37

7.

ConclusĂŁo

47



%LEOLRJUDÂżD

49

3


1.

Introdução. Objectivos do Trabalho. O tema escolhido para o nosso trabalho prĂĄtico foi o estudo do Castelo de Arraiolos. Trata-se de uma pequena fortaleza, um Castelo e uma muralha que coroam o Monte de SĂŁo Pedro, em Arraiolos, cuja ordem de construção se atribui a D. Dinis VpF;,9 8PDYH]TXHH[LVWHSRXFDLQIRUPDomRVREUHHVWDIRUWDOH]DGHFLGLPRVID]HU paralelamente o estudo da evolução da Vila de Arraiolos, esperando assim tambĂŠm encontrar algumas pistas que nos pudessem orientar no estudo do Castelo. IniciĂĄmos o trabalho com uma anĂĄlise territorial: localizar a Vila de Arraiolos em Portugal, a sua posição relativa ao Alentejo, ao distrito de Évora, ao municĂ­pio, utilizando uma linha de vĂĄrios “zoom’sâ€?, atĂŠ isolarmos a Vila propriamente dita. Para LVVRUHFRUUHPRVDPDSDVFRPYiULDVHVFDODVHpSRFDVHDFDUWDVPLOLWDUHVDÂżPGH fazermos um estudo hipsomĂŠtrico da regiĂŁo atravĂŠs de manchas de cor e cortes no territĂłrio.  $QDOLVDGRRWHUULWyULRSURFHGHPRVFRPDFRQWH[WXDOL]DomRKLVWyULFDGRREMHFWR de estudo. Recolhemos informação sobre os primeiros registos de doação da Vila, e mais tarde da ordem de construção da muralha e do Castelo, apoiando-nos sobretudo QDVUHIHUrQFLDVGRV5HLVHQYROYLGRV)L]HPRVWDPEpPXPDDSUR[LPDomRDRWHPDGDV linhas de castelos, tentando enquadrar o Castelo nĂŁo sĂł cronologicamente mas tambĂŠm o porquĂŞ da sua implantação naquele ponto.  $VVLP DWUDYpV GD  GDWDomR H ORFDOL]DomR JHRJUiÂżFD GR REMHFWR GH HVWXGR tentou--se fazer uma leitura por sucessivas “camadasâ€? de tempo do territĂłrio, o que nos permitiou lançar algumas hipĂłteses sobre qual teria sido a estratĂŠgia de implantação e GLUHFo}HVGHH[SDQVmRGD9LOD1XPDSULPHLUDIDVHDSRLiPRQRVGDFDUWDDUTXHROyJLFD SDUD VH GHWHUPLQDU TXDLV DV SRVVtYHLV HGLÂżFDo}HV TXH H[LVWLULDP QR WRSR GR PRQWH (onde surgiu a primeira vila), e depois analisar a Vila a partir do momento em que ela abandona a cerca e se estende pela encosta. Estudada a Vila, e a sua evolução, debruçåmo-nos sobre o Castelo propriamente GLWR 2V YHVWtJLRV DUTXHROyJLFRV UHYHODP TXH SURYDYHOPHQWH H[LVWLULD RXWUR WLSR GH construção no sĂ­tio onde se ergueu o Castelo. O estado de ruĂ­na, os sucessivos UHDSURYHLWDPHQWRVGDVFRQVWUXo}HVHPDLVWDUGHDVSUySULDVLQWHUYHQo}HVGD'*(01 descaracterizaram o que poderia ter sido o castelo na sua traça original, e atĂŠ mesmo TXDLVSRGHULDPWHUVLGRDVFRQVWUXo}HVSUpH[LVWHQWHVDR&DVWHOR 8PDYH]PDLVUHFRUUHQGRjFDUWDDUTXHROyJLFDÂż]HPRVXPDHVWUDWLÂżFDomRGRVYHVWtJLRV por ĂŠpocas, comparando-os com outros elementos e edifĂ­cios coevos, lançåmos algumas hipĂłteses de como uma suposta construção de carĂĄcter mais palaciano, ou de alguma simbologia de poder (que supomos que houvesse), poderia evoluir atĂŠ Ă construção do Castelo e da muralha. Por Ăşltimo, faremos uma pequena abordagem da relação social que o Castelo tem/mantĂŠm com a Vila. Desde elemento histĂłrico, a elemento de paisagem, com todas as suas tradiçþes, lendas e romarias.

5


2. 2.1.

Arraiolos: anålise territorial Localização

“Essa população que, nos primeiros tempos, se acolhia ao cimo da colina que D. Dinis mandou cercar de muros, veio a preferir o arrabalde como local de residĂŞncia. 5HOHJDGDVDVQHFHVVLGDGHVGHGHIHVDSDUDVHJXQGRSODQRDiUHDH[WUDPXURVRIHUHFLD condiçþes mais favorĂĄveis para habitação, por ser um espaço mais amplo, onde se poGLDPFRQVWUXLUFDVDVPDLRUHVFRPTXLQWDLVPHQRVH[tJXRV(UDWDPEpPXPORFDOPDLV abrigado de intempĂŠries e, sobretudo, mais acessĂ­vel para quem vivia da terra ou de actividades dependentes do trĂĄfego regional e inter-regional. Por isso pouco a pouco, as habitaçþes da cerca foram abandonadas e demolidas e o arrabalde crescendo em seu detrimento.â€? O Foral Manuelino de Arraiolos, Jorge Fonseca

Mapa da PenĂ­nsula IbĂŠrica, (1823)

7


Mapa de Portugal, (1823)

8

Mapa das provĂ­ncias, Estremadura e Alto Alentejo, (1846)


6 Léguas 8 Léguas

3,5 Léguas

Localização feita através do texto, “real academia de la historia, tomo XXVIII”, abaixo referido.

Mapa das províncias, Estremadura e Alto Alentejo, (actual)

1 Légua = 6,600 metros

Mapa da Vila de Arraiolos

9


R.ÂŞ do Div or

moz Estre m 452

do .ÂŞ R

6

or iv D 5

4

e ÂŞd R.

iolos Arra m 400

Estremoz

3

de Vi

800 700

2

600 500 1

400 300

R.ÂŞ de

200 100

Lav re

0

Vila-Viçosa

Arraiolos los Arraio 400 m

700

800

400

500

100

200

300

600

Arraiolos 400 m

Vila-Viçosa 400 m

800 700

0

600 500 400 300

R.ÂŞ de Almansor

200 100 0

4

5

6

7

Évora Évora 291 m 0

3

10

3

2

Memorial HistĂłrico EspaĂąol colecciĂłn de documentos, opĂşsculos y antiguedades que publica la real academia de la historia, tomo XXVIII, Madrid, 1897

2

1

 Âł2LWROpJXDVD3RHQWHGH9LOODYLFLRVDWUrVHPHLDD1RUWHGDFLGDGHGHeYRUD e seis da villa de Estremoz, no caminho Real de Lisboa, em terreno elevado e sano, encontra-se fundada a villa de Arrayolos, que Vasconcelos e outros autores portugueses portugueses querem, por uma inscrição achada no seu termo, que se teria chamado antigamente Calantia, nome desconhecido pelos autores geĂłgrafos; mas sem deter-se mesta opiniĂŁo e na que os sabinos, tusculanos e albanos anteriores Ă Sertorio foram os que fundaram esta cidade, e que pelo nome do seu capitĂŁo, Rayeo, colocaram-lhe Rayolis, que com o tempo passou a Arrayolos , como conta Carvalho, disse que tal nome proveio por estar situado entre dois arroyos, dos quais um ĂŠ o Ovidor, que nasce nas vinhas de Évora, e o outro o da Pontega, que mais tarde se unem, e que estragada (a YLOD FRPFRQWtQXDVJXHUUDVUHHGLÂżFRXDR5H\''LRQLVLRHIRUWLÂżFRXFRPXPFDVWHOR de seis torres, onde haviam algumas casas, que foram queimadaspelos castellanos TXDQGRDFLGDGHGHeYRUDIRLWRPDGD'XUDQWHRGLDHVWDYLOODQmRWHPIRUWLÂżFDo}HVH compĂľem-se por duas ruas que se cruzam em ângulos rectos, e sĂł de uma igreja dediFDGDj1RVVD6HQKRUDGRV0iUWLUHVVLWXDGDGHQWURGRFDVWHORHGDTXDOVmR3ULRUHVRV $UFHELVSRVGHeYRUDTXHS}HPQHODXP5HFWRUH3DGUHFRPTXDWUR%HQHÂżFLDGRVHQD que hĂĄ 461 vizinhos. Tem tambĂŠm casa da MisericĂłrdia, Hospital y vĂĄrias ermitĂŁs; um Convento de religiosos da Ordem Terceira de SĂŁo Francisco, fundado em 1633 e duma boa fĂĄbrica, e outro de canonigos seculares da congregação de SĂŁo JoĂŁo Evangelista, GHGLFDGRD1RVVD6HQKRUDGD$VVXQomRHIXQGDGRHPQDVXDTXLQWDGH9DOIHUmoso por JoĂŁo Garces, hidalgo da Casa de D. Alonso o V.â€?

1

0

1,0 km

2,0 km

3,0 km

0,5 lĂŠguas

4,0 km

5,0 km

1 lĂŠgua

2 lĂŠguas

3 lĂŠguas

4 lĂŠguas

8


)RWRJUD¿D$pUHDGD9LODH&DVWHORGH$UUDLRORV 

11


Arraiolos no SĂŠc. XIV ([LVWrQFLDGR&DVWHORPXUDOKDGR,JUHMDGH66DOYDGRUHYHVWtJLRV,VOkPLFRV  

Arraiolos no SÊc. XV Surgimento de vias e construçþes jå fora da muralha, nomeadamente o Hospital que data de 1409.

QuarteirĂľes mais recentes perifĂŠricos ao centro da Vila. Possivel via Principais Vias da Vila

12

QuarteirĂľes do Centro histĂłrico, provavelmente cuevos aos edĂ­ficos datados pelo IHRU. EdĂ­ficos datados pelo IHRU.


2.2.

Evolução Urbana da Vila de Arraiolos

Arraiolos no SĂŠc. XVI 1HVWDIDVHMiH[LVWHXPGHVHQKRXUEDQRGHÂżQLGRSHODVSULQFLSDLVYLDVHVXSRVWRVTXDUWHLU}HVTXHODGHLDPDOJXQVHGtÂżFRVGDWDGRVGHVWHVpFXOR

Arraiolos no SĂŠc. XVII atĂŠ Ă actualidade )DVHÂżQDOHPTXHDYLODVHYDLGHVHQYROYHQGRFRQIRUPHDWRSRJUDÂżDRSHUPLWH

“ A Vila de Arraiolos organiza-se por bairros de lotes estreitos e profundos, que sĂŁo delimitados por ruas longitudinais paralelas e por um sistema de transversais, que convergem em forma de leque contra a colinaâ€? Gonçalo Byrne

13


4.

Síntese Histórica

Itinerários Régios - Sancho I (1154 / 1211)

Itinerários Régios - Afonso III (1210 / 1279)

Itinerários Régios - D. Dinis (1261 / 1325)

Itinerários Régios e obras - D. Dinis (1261 / 1325)

21


Planta e Cortes da Vila

C

D

4 E3

E32

303.2

303.1

N

303.2 E32

E43 E36

317.6 320.0

E3 6

317.2 318.1

E1

366.6 365.6

E42

372.4

372.4

371.0

Rua

E1

do

tro Cas

o lh Ve

E1

7 E3

371.0 369.7 369.4

E1

C.M.A.-18

E3

6

E1

E1

366,89

E39

1 5 2 N E

E1

Rua Cinco

.23 R1

EN

de Outub

E38

70

ro

E41

B

Escola C+S de Arraiolos

Pelourinho

ARRAIOLOS

412,546

NU 35 399,350

C.R.Civil Predial Camara Municipal Arraiolos

A

NU 13

B'

322,240

Tribunal

Estacao Tratamento de aguas Cine-Teatro

A'

Lar N.S.da Conceicao

IC

10

N (E

4)

Bombeiros Voluntarios de Arraiolos Biblioteca Municipal

o Larg

326,59

G.

Lo pe s

do s Co mb. R.

o o Velh dour do Mata

EN 370

CMA-20

Ba sil io

M ai o de

a Gam

rica Fab

os da Carl

Tv da Matriz

Cemiterio de Arraiolos

da

R. Ant.

is Lu Dr

da

R

ro lvei Si

Rua

R Luis

Gu er ra

Convento de S.Francisco

oes de Cam

R das

R da Matriz

Jo aq uim

cias Aca

Ru a o cisc an Fr

Ru a

do

o Sa

Oute

iro

de

NU 25

Rua

322,356

de Sao Joao

de

Deus

Hospital da Santa Casa da Misericordia de Arraiolos

R das Laranjeiras

Prim eiro

Rua do

ima

Rua

Maria

Fat R dos Pinheiros

de

de Nossa

ra Senho

D'

or nh Se

Caixeiro

Jardim Infantil da Santa Casa da Misericordia de Arraiolos

Bombeiros

Santa

Km 64

Reparticao de Financas

R das Palmeiras

Bec o de San ta Mar ia

de

Rua Comandante

s su Je s do

R das Amoreiras

Complexo Turistico da Manizola Ru a

Av

EN

os ss Pa

(EN4 )

370

CMA-3 293,63

R das Rosas

NU 3 297,353

lias s Da R da

Km 103

do

Rua

Girassol

Km 104

R das

cias Aca

Ru a

s da

Ca ixe iro

do

R

as lip Tu

Ro sm aninh o

do

Camelias

nte anda Com

a Ru

Rua

m cri Ale

das

IC 10

IC 10

(EN4 )

Rua

5.1.

Levantamento

E4 3

5.

EN 0 37

C'

23


24

Corte AA'

Esc. 1:3000

Corte BB'

Esc. 1:3000

Corte CC'

Esc. 1:3000

Corte DD'

Esc. 1:3000


Desenhos de Levantamento

!"#$%&'$#(!#"(%)(!"#$%&*#(+$%&,*'-#($+(,%*#$+./

5.2.

Esc. 1/100

Esc. 1/200

25

!"#$%&'$#(!#"(%)(!"#$%&*#(+$%&,*'-#($+(,%*#$+./


1

2

3

4

2 1

3

4

26


(VTXLVVRLQLFLDOSDUDRHVWXGRGDHYROXomRGR&DVWHORGH$UUDLRORV

27


5.3.

Fotografias

29


17 43 Pelourinho

ARRAIOLOS

412,546

42

NU 35 399,350

37 C.R.Civil Predial Camara Municipal Arraiolos

40

Tribunal

Esc. 1:20.000

Cine-Teatro

33

34

Lar N.S.da

Bombeiros Voluntarios de Arraiolos Biblioteca Municipal

41 35

38

29 Convento

36


6.

Comparaçþes de Castelos

“ (...) De igual modo, as cidades mais importantes necessitavam, para alĂŠm do seu prĂłprio reduto amuralhado, da protecção de outras guardas avançadas que as defenderiam de qualquer ataque sĂşbito, dando-lhes tempo a organizarem a sua prĂłpria defesa. Por isso, a partir do reinado de D. Dinis, quando a fronteira terrestre do Reino se estabelece de XPDIRUPDSUDWLFDPHQWHGHÂżQLWLYDDSUHRFXSDomRIXQGDPHQWDOpDGHSRYRDUWRGDDOLQKD de separação com a Espanha com castelos fronteiriços, sucessivamente restaurados, VREUHWXGRHPpSRFDVTXHVHDGLYLQKDYDPGHFRQĂ€LWRLPLQHQWH  Âł Portugal no Mundo: histĂłria das fortificaçþes portuguesas no mundo, Rafael Moreira

37


38


39


41


42


43


44


45


Os castelos de Amieira do Tejo e de Alvito são exemplos de Paços transformados no período de estabilidade em Portugal, quando já não há necessidades de defesa militar e sendo-lhes atribuída uma função claramente habitacional. Um pouco à semelhança dos Ribats, o recinto militar é transformado em espaço habitacional, organizando o Paço em torno do pátio de armas. Sabendo que Arraiolos era uma fortaleza de segunda linha, muito provavelmente terá sofrido esta transformação. Por outro lado, este é também denominado “Paço dos Alcaides”, havendo registo da permanência de D. Nuno Álvares Pereira neste mesmo Paço, pelo que nos leva a crer que terão existido reformas nesta fortaleza, de modo a torna-la habitável durante um período de tempo mais prolongado. Por este motivo, achamos pertinente relacionar estes castelos com o de Arraiolos, uma vez que se tratam de Paços consolidados, com uso claramente habitacional. Na análise dos Paços, podemos identificar, mais uma vez, alas de habitação organizadas em redor de um pátio. A sua localização e dimensão aproximam-se muito à do Castelo de Arraiolos. Por outro lado, a dimensão dos pátios em torno dos quais se organiza a habitação é também muito semelhante. O Castelo de Alvito é aquele que parece ter mais semelhanças com Arraiolos. É muito clara a sua herança do modelo dos Ribats, com as células habitacionais a contornar todo o pátio e as suas torres semicirculares. Apesar de em Arraiolos as alas de habitação não rodearem o pátio por todos os lados, as suas dimensões são bastante próximas, Tal como o espaço de Pátio.

46

ARRAIOLOS  

Arraiolos castel history

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you