Page 1

distribuição gratuita Ano VI - Edição #16 Agosto/Setembro 2015

Matt DeHarp: De Paris para Pelotas

Entrevista

Ju Lund


2

A cultura não para... Pelotas respira cultura por todos os lados, em todas as vertentes. São artistas que se desdobram, somam forças e não deixam de lutar para que a cultura continue pulsante na cidade. Cinema, dança, literatura, música, teatro, exposições de artes - são muitas as opções oferecidas graças a pessoas incansáveis que amam o que fazem e acreditam que a cultura faz a diferença na qualidade de vida dos habitantes de uma cidade. O e-cult se inspira nestes artistas e produtores locais, mantendo ativa a divulgação do nosso cenário cultural, através das contas no Twitter e no Facebook, do seu site, e, com muita batalha, contando com colaboradores, sempre que possível circula com a sua edição impressa. Nesta edição conheça um pouco mais sobre a escritora pelotense Ju Lund, a qual vem conquistando a literatura nacional; apresentamos também o músico francês, Matt DeHarp - que escolheu Pelotas como seu porto seguro. Estas serão atrações, entre outras matérias superinteressantes. Abraços e até a próxima oportunidade. Deco Rodrigues

EXPEDIENTE Ano VI - Edição #16  |  Agosto/Setembro 2015  |  Pelotas, RS Editor/Fundador Deco Rodrigues | deco@ecult.com.br Diretor Comercial Rafael Dutra Projeto gráfico e Diagramação Bravo! Agência de Conteúdo e Eventos www.bravoagencia.com.br Impressão Gráfica Diário Popular - Pelotas/RS Tiragem 4.000 exemplares

Entrevista:

Ju Lund

E

ISABELLI DOMINGUES

les são sedutores, misteriosos, adoram uma tecnologia e, ainda por cima, se mantém jovem eternamente. Quando a noite cai e a luz da lua ilumina a inspiração dos apaixonados, muitos gostariam de receber a visita de algum deles. O desejo e a sedução tomam conta dos corações ávidos por aventura e romance proibido, quem sabe até um amor além da vida. E tudo isso por apenas algumas gotinhas de seu sangue. Já sabe de quem estou falando? Sim, são eles, os vampiros! Mas e você? Já sonhou em ver ou ter uma história de amor com algum deles? Essas e outras criaturas fantásticas fazem parte do universo da escritora e artista visual pelotense, Ju Lund. Ela fala um pouco de suas inspirações sobre o relançamento de seu livro “Doce Vampira” em formato ebook. Confiram aí! Ainda na infância, você despertou a paixão pela leitura. Quais foram suas maiores influências?

JL - É verdade, na infância lia coisas de crianças (não recordo de quase nada específico) e era bastante compulsiva nas leituras... Gostava de devorar um livro durante o tempo que ficava

no ônibus, da escola para casa. Como a literatura fantástica chegou em sua vida?

JL - Chegou nas fábulas infantis, clássicos que todos conhecem e são cheios de fantasia. Aos poucos fui descobrindo um e outro de teor fantástico, mas minhas paixões só descobri tardiamente e nisso incluo os vampiros. Noutra ocasião, você falou da dificuldade que os autores brasileiros encontram em relação às publicações estrangeiras. Como observa essa realidade, hoje? JL - Hoje vivemos outra realidade, completamente diferente. Há espaço, mídias, editoras, formas de autopublicação, incentivos e etc. Há aceitação do público que até ontem não tínhamos, assim como bons eventos direcionados a literatura e suas divisões. Os vampiros permanecem no imaginário humano há séculos e nunca estiveram tão em alta. De onde vem o seu fascínio por eles?

JL - O meu vem de (onde tudo começou...) Anne Rice e Bram Stoker. Amo!

Eduarda e Esther são personagens marcantes. Lindas,

DIVULGAÇ ÃO ARQUIVO / JU LUND

EDITORIAL

Capa: Manipulação de foto Lordi Design Ilustração Pablo Conde Financiamento: | Edição 12 de 12

*Impresso em papel imune, conforme Inciso VI, Artigo 140 da Constituição Federal*

Ju Lund

de personalidade forte e determinada, não medem esforços para estarem juntas. Até onde você chegaria para viver um amor?

JL - Eu, particularmente, não sou audaciosa não... Sou bastante ponderada e até mesmo temerosa (risos). Admiro quem tem tanta determinação. Duda e Esther são esse tipo de pessoa. O quanto há de você em cada personagem?

JL - Dou um pouco de mim em cada personagem que crio, na mesma proporção que roubo um pouquinho de cada pessoa que conheço e empresto a cada personalidade que descrevo. As protagonistas, no decorrer da história, precisam lutar contra o preconceito da sociedade. O que te motivou a trabalhar esse tema?

JL - Não faço distinções, escrevi sobre o amor... No caso, entre duas meninas, e acho isso tudo muito normal.

Em seu site você diz transformar seus “melhores sonhos e piores pesadelos em contos e romances”. Fale um pouco sobre isso.

JL - Minha inspiração maior sempre vem no subconsciente.


Ano VI - Edição #16  |  Agosto/Setembro 2015

Sendo assim, os sonhos ou pesadelos sempre foram motivadores para escrever um conto ou uma história qualquer. Tenho uma mente bastante fértil neste sentido. Ao ver sua obra concluída, qual a sensação?

JL - Tensa. Você fica feliz e preocupada, alegre e triste ao mesmo tempo. É uma mistura de sentimentos que não saberia descrever, é muita emoção.

AVEC e no formato ebook?

JL - Minhas expectativas são muito positivas. O ebook custa muito mais barato e isso possibilita alcançar mais leitores, além disso será traduzido para espanhol e inglês, terá formato físico e sua continuação também. Ou seja, um sonho!! Uma grande conquista! E seu segundo livro, o “Alma Vampira”?

JL - Alma Vampira é a continuação de Doce Vampira, uma trama que nasceu para ser uma trilogia. Contudo, tentei escrever com ares de final, pois detesto criar expectativas de “mais e mais continuações sem previsões”. Espero que os lei-

DIVULGAÇ ÃO ARQUIVO / JU LUND

Quando foi lançado, Doce Vampira recebeu muitos elogios por parte da crítica e do público, em geral. Quais as expectativas em torno do relançamento, pela editora

www.ecult.com.br

tores gostem e se deliciem com o final de Alma Vampira. Não nego que estou bastante nervosa nesse ponto.

Leandro Maia terá show em São Paulo antecedendo sua mudança para a Inglaterra

Um recadinho para seu público leitor.

JL - Agradeço o carinho e o espaço. Estou muito feliz e agradecida!!! Aos leitores mando mil BJOKAS DOCES NA ALMA e aguardo os comentários sobre o que acharam de Doce Vampira e Alma Vampira. Aproveito para informar que meu conto na Coleção Sobrenatural Vampiros (Avec Editora) está FREE e chama-se Anunciação. Baixem grátis!!!

3

O

CAROL ZATT

cantor, violonista e compositor LEANDRO MAIA apresenta o repertório do disco “Suíte Maria Bonita e Outras Veredas” (lançado em POA e Pelotas em novembro passado) terá show em São Paulo, no Sesc Ipiranga, dia 5 de setembro. Será a última apresentação formal dele em um palco em solo brasileiro. No dia 27 de setembro, Leandro parte com a família para a Inglaterra, contando com bolsa da Capes para Doutorado Pleno no Exterior. O músico vai estudar, justamente, “Canção”. O título do projeto dele é “Poetics of Song: Creative Processes of Brazilian Songwriting” (Poética da Canção: processos criativos da canção popular brasileira). O gaúcho realizará o PhD na School of Music and Performing Arts da Bath Spa University e tem o retorno para o Brasil marcado somente para outubro de 2018. Antes da despedida, Leandro esteve envolvido com a finalização do Prêmio Ibermúsicas, no qual foi contemplado em 2014. Ele recebeu US$ 6 mil para compor seis canções de gêneros populares. A música “Aboio” (link para ouvir abaixo) será incluída em uma coletânea do Prêmio, a ser lançada na Argentina, com produção de Fer Isella - que já produziu Mercedes Sosa e um monte de gente...

Para conhecer mais sobre o trabalho de Ju Lund, visite: www.julund.com.br/ portal.julund.com.br/ facebook.com/JuLundOficial K I R A N F. L E O N

Confira o trabalho de Leandro Maio em: https://soundcloud.com/leandromaia/aboio-leandro-maia

Livro “Doce Vampira”, escrito por Ju Lund

Leandro Maia, cantor e violonista.


4

Espaço de Arte Daniel Bellora

comemora três anos e se firma como multiespaço Interação. Esse é o desejo do Espaço de Arte Daniel Bellora (EADB) para 2015, ano em que completa três anos de atividade, firmando-se como um centro cultural completo, que abriga e abre espaço para as mais diversas atividades artísticas e culturais, tanto em sua galeria de arte, quanto nos seus demais ambientes, que contemplam também um belo jardim, uma cafeteria e um Coworking, inaugurado ainda este ano.

C

riado em 2012 com o objetivo inicial de se tornar o ateliê de sua proprietária, a artista Tânia Bellora, o Espaço de Arte Daniel Bellora foi se transformando aos poucos e moldando seu caminho até chegar ao centro polivalente que é hoje, onde equilibra os encantos e a beleza arquitetônica de uma cidade histórica em seu casarão centenário com um ambiente moderno e vibrante, que clama por novas experiências e inspira novas descobertas. Segundo Tânia Bellora, o casarão foi amor à primeira vista. “Quando vi o porão e o espaço disponível sabia que era aqui que deveria ficar”, diz a artista, que começou a se envolver com arte brincando com a fotografia, sempre em busca de formas não convencionais e de uma visão única e além da imagem. Após ter seu ateliê instalado e o lugar ideal para abrigar suas exposições, veio o questionamento e a solução para o belo e amplo espaço: Por que não abrir as portas para que outros artistas pelotenses pudessem expor suas obras e assim, ainda contar com uma rica troca de experiências, olhares e aprendizado, renovando o clima e a alma do ambiente? Logo posta em prática, a ideia virou um sucesso, e assim surgiu a Galeria de Arte cheia de personalidade que ocupa o porão da casa, confirmando o potencial que o espaço tem como reverberador e impulsionador da arte. O frenesi foi tanto que a galeria terminou 2013 com a agenda de exposições para o próximo ano lotada, recebendo exposições celebradas e muitos novos artistas. Pensado cuidadosamente para receber as mais variadas formas de arte, o espaço reservado para a galeria chama a atenção pela geometria calculada dos ladrilhos hidráulicos e o contraste de seus detalhes com as obras em exposição, que permitem, tanto ao artista como ao visitante, um novo olhar, um momento de contemplação e descobertas que resgate um pouco da calma muitas vezes negada em função da overdose de informação e distrações diárias a que somos submetidos. Para atender a este público, que busca momentos especiais e cheios

de significado, nasceu no ano de 2014 o Café no Espaço, um espaço aliado à galeria de arte que encanta quem passa no local para fazer uma visita, vem contemplar alguma exposição ou simplesmente busca se render às suas delícias e ao seu cantinho aconchegante no jardim. A cafeteria, que funciona do café da manhã ao happy hour, tem como objetivo fornecer uma alimentação natural, e um cardápio diferenciado, valorizando uma alimentação saudável e funcional com opções que agradam aos paladares mais seletos.

AC E R VO E S PAÇO D E A R T E DA N I E L B E L LO R A

LARISSA VIEIRA / BRAVO AGÊNCIA

Privilegiado pela localização, não são somente os pratos saborosos e caprichados em cima do balcão ou que percorrem as mesas que enchem os olhos, mas todo o clima e conceito criados pela decoração e por sua proposta, de estimular os sentidos daqueles que buscam mais que um café, mas um convite para renovar a energia e experimentar novos sabores. Localizado dentro de um universo criativo, o Café no Espaço não poderia ser menos do que um ambiente que inspira e estimula a criatividade. Já com uma grande movimentação em torno de sua Galeria de Arte e do Café no Espaço, foi a vez do Espaço de Arte apostar na inovação e no compartilhamento de ideias. Assim, foi inaugurado em março de 2015 o Hub1005, um espaço de coworking que trouxe ainda mais vida e interação ao EADB. Pioneiro em coworking em Pelotas, o ambiente configura um jeito diferente de trabalhar, onde é possível utilizar a infraestrutura de um escritório completo – localizado nas salas do andar superior do Espaço de Arte Daniel Bellora - para desenvolver projetos, trocar ideias, promover e frequentar reuniões e palestras e dividir conhecimento, além de expandir o networking. Com um custo bem mais acessível que um escritório independente é possível trabalhar em um ambiente inspirador, criativo e colaborativo, propenso para a criação de novos negócios. Esta interação e compartilhamento é o que deixa a proprietária do EADB ainda mais contente.

Fachada do Espaço de Arte Daniel Bellora

Espaço de Arte Daniel Bellora Rua Três de Maio, 1.005

Telefones: Espaço de Arte e Café no Espaço – (53) 3303-0675 Hub1005 Coworking – (53) 3025-2566


“É muito bom ver a evolução e o rumo que o Espaço de Arte tomou, crescendo tão rapidamente. Minha avaliação destes três anos de EADB não poderia ser mais positiva”, completa Tânia Bellora.

De acordo com diretor de marketing e negócios do Hub1005, Lucas Bauer, o trabalho deu frutos e a criação dos novos ambientes é consequência da consolidação do Espaço em seu modelo tradicional.

A entrada é feita pelo Café no Espaço, com vista para o jardim. Ao conhecer a parte interna do café, você fica logo em frente ao corredor que leva à Galeria de Arte, à sala de reuniões e ao miniauditório, que tem capacidade para 20 pessoas. O espaço de coworking, a administração e outras salas de reuniões ficam no andar superior da casa. O EADB ainda conta com salas para oficinas de arte,

churrasqueira e espaço para eventos especiais, de compromissos profissionais à celebração a arte e aos amigos. Nestes três anos de funcionamento, o Espaço de Arte Daniel Bellora se transformou em um lugar único para trabalhar, promover encontros, criar, expor, adquirir e admirar a arte, tornando-se um moderno e aconchegante ambiente de expressão artística em Pelotas, que só enriquece a cena cultural da cidade, fomentando ainda mais a produção artística local.

5

Quem está no Hub? Bravo! Agência, Tintero, Lordi Design, Christian8, Santo Criativo, Zero ou Um, Eugênio Lemertz Marketing, Evoke Energéticos e CoWorkers Esporádicos.

AC E R VO E S PAÇO D E A R T E DA N I E L B E L LO R A

“Agora resolvemos sair do habitual e ampliar a cultura para uma proposta multidisciplinar, oferecendo novas opções. E mesmo em poucos meses de funcionamento o Hub1005 já é conhecido e lembrado como um espaço de trabalho e vem recebendo novos interessados a cada dia”, afirmou.

Para os próximos anos, a meta do EADB é que mais e mais pessoas venham conhecer o multiespaço. O casarão rosa na esquina das ruas Três de Maio com Andrade Neves está sempre de portas abertas e a visitação é gratuita, das 10h às 19h.

www.ecult.com.br

AC E R VO E S PAÇO D E A R T E DA N I E L B E L LO R A

Ano VI - Edição #16  |  Agosto/Setembro 2015

Espaço de Coworking Hub 1005

Próximos eventos 12/09 - Brechó beneficente da ONG SOS Animais Lá você vai encontrar roupas, calçados e variedades com precinho camarada, além dos produtos da SOS Animais e camisetas temáticas da Storm.

E para acompanhar suas compras, o saboroso chopp da Katze Bier e as delícias do Café no Espaço. OBS: aceitamos doações somente de itens em perfeito estado de conservação/funcionamento. As doações podem ser deixadas no local do evento até o dia 11/09, em horário comercial.” Das 12h às 18h

19/09 - Curso INTRODUÇÃO AO COACHING 1ªturma - Pelotas

O curso tem o objetivo de apresentar uma visão ampliada dos conceitos, tipos e práticas da metodologia do coaching associando as técnicas e sua aplicabilidade. Dentre os temas abordados durante o curso estão a autoliderança, crenças limitantes, autoresponsabilidade, comunicação e outros assuntos que apoiam no desenvolvimento integral do ser humano. Das 8h30 às 12h30 | 13h30 às 17h30

29 e 30/09 - Projeto Alecrim (Curso de Fotografia Básica)

Uma experiência de dois dias falando, respirando e fazendo FOTOGRAFIA. Área externa do Café no Espaço

Interessados enviem email para o sharonfotografia@gmail. com e solicite uma vaga

De 02 a 30/10 - Curso Intensivo de Desenho

Serão cinco encontros visando a orientação no desenho com ênfase na aplicabilidade do desenho na ilustração editorial, história em quadrinhos e desenho dinâmico da figura humana. Sextas das 14h às 17h30


6

Matt DeHarp:

de Paris para Pelotas

Após viajar por diversos países da Europa e America do Sul, o músico francês escolheu Pelotas como seu novo lar e trouxe na mala, o melhor da música francesa, blues e folk.

V

ISABELLI DOMINGUES ocê alguma vez já teve vontade de largar tudo para o alto e se aventurar estrada a fora? É preciso coragem e atitude, não é mesmo? Pois isso tudo, somado a uma boa dose de talento, são os ingredientes que qualificam o músico francês Matt DeHarp. Durante vinte anos ele se aventurou pelo continente europeu e desembarcou no Brasi, escolhendo a cidade de Pelotas como sua nova morada. Desde que deixou a terra natal e deu inicio a sua jornada, o artista já passou pela República Tcheca, Suécia, Espanha, Alemanha e por alguns paises sul americanos, como Argentina e Colombia. Trabalhou com diversos grupos musicais, dentre eles o “Tow Dollar Bash”, estabelecendo grandes parcerias. Na companhia de seu violão e tendo como fiel escudeira a paixão pela música, o artista não exita em estar sempre aprimorando seu trabalho e pesquisando diferentes sonoridades . No repertório, o melhor da música francesa, blues, folk e country figuram dentre os seus prediletos. Recentemente, sua mais nova aposta éo Cajun, estilo musical originado no sudoeste de Louisiana, nos Estados Unidos. Porém, engana-se quem pensa que a música de nosso país fica de fora. O artista revela gostar de música brasileira e estar escutando muito forró e os sucessos de Luis Gonzaga. No Brasil, sua chegada foi em 2002. Esteve em São Paulo, Porto Alegre e, mais tarde, encontrou a base de

ISABELLI DOMINGUES

com a música e o mundo na bagagem

que precisava aqui, na cidade do doce. Estudioso da história do Rio Grande do Sul, acredita que Pelotas possui muito potencial e que tem tudo para ser uma cidade modelo. Adepto a uma filosofia mais naturalista, procura viver em sintonia com o meio ambiente. Quando não está se apresentando, tenta usufruir o máximo de seu tempo livre com o chamado Termo Cultura e a bioconstrução, num projeto batizado de “Casa da Árvore”. Seu objetivo é cultivar a jardinagem, plantar e colher o alimento que consome, desvinculando-se do modo de vida capitalista das grandes metrópoles. No entanto, admite não ser tarefa fácil. Para o futuro, DeHarp pretende continuar viajando por todo Brasil e outros paises da América, mas, em seguida, voltar ao seu porto seguro. Um lugar mais tranquilo onde possa descançar, não discartando ser Pelotas. Um artista sem amarras, de espirito livre e destemido que faz do mundo o seu quintal. O seu desejo? Continuar tocando e vivendo, sobrevivendo, diz ele. Um recado para seu público:

-“ que todos os sentimentos que estão contidos nessas canções possam sobrepassar a barreira da linguagem. É o que quero passar e acho que o Brasil sabe.”

Matt DeHarp

Para saber mais sobre a agenda e a carreira do artista, visite:

www.facebook.com/matt.deharp mattdeharp.bandcamp.com/ mattdeharp.wix.com/mattdeharp#!concerts/cnnz


Ano VI - Edição #16  |  Agosto-Setembro 2015

www.ecult.com.br

Almanaque do Bicentenário está disponível para download Arquivo completo pode ser baixado no site do projeto Almanaque do Bicentenário, nos três volumes que completam a obra

O

Volume 3 do Almanaque do Bicentenário já está disponível para download, ofertando ao público uma conexão com os 200 anos de história da cidade de Pelotas. Para acessar o arquivo em PDF basta entrar no site http://www.almanaquedepelotas.com.br/ e baixar o arquivo original das 640 páginas que compõem o terceiro volume do projeto. “Este projeto representa o legado ao terceiro centenário da cidade e um presente real e fático à Princesa do Sul por seus 200 anos”, resume Duda Keiber, da Gaia Cultura &Arte. O lançamento do Almanaque do Bicentenário – volume 3 – acontece no dia 9 de março, às 19h, na Secretaria de Cultura de Pelotas (Secult). A data celebra os 150 anos de nascimento de Simões e o evento marca a primeira solenidade do biênio de comemorações alusivas ao escritor. Com 640 páginas a publicação situa Pelotas no tempo a partir do ano de 1962 até os dias de hoje. Para montar esse mosaico histórico o pro-

jeto contou com a colaboração de mais de 30 fotógrafos, que contribuíram para formação de um acervo iconográfico, divido em 27 temas. “São mais de 1 mil imagens, cedidas por fotógrafos profissionais e amadores, além da colaboração de famílias que enviaram fotos de seu acervo pessoal”, resume Duda. A distribuição dos exemplares impressos é dirigida à bibliotecas, entidades culturais, imprensa especializada e convidados. Dentro da contrapartida do projeto está a doação de exemplares para Prefeitura Municipal de Pelotas, para envio às bibliotecas das escolas municipais. “É importante que as pessoas entendam que no dia do lançamento do Almanaque a entrega de exemplares só será feita aqueles que receberam o convite e constam na lista composta pelos segmentos citados acima”, enfatiza Duda. Segundo ele, é importante frisar que o público terá acesso a toda obra do projeto nas bibliotecas e também através do arquivo digital.

Projeto No primeiro volume o Almanaque do Bicentenário resgatou a revista do 1º Centenário da cidade, um material raro e de cunho histórico, com a assinatura de João Simōes Lopes Neto e que traz dados de Pelotas nos seus primeiros 100 anos. Os volumes 2 e 3 reúnem o trabalho de mais de 30 pesquisadores e historiadores, revendo a história da cidade de 1912 até 2012. O Almanaque do Bicentenário - Volume 3 é uma realização da Gaia Cultura & Arte, financiado através do Procultura-RS, com patrocínio da Josapar, Biri Refrigerantes e Companytec Automação e Controle LTDA. O projeto também conta com a coordenação editorial do professor Luís Rubira, a pesquisa iconográfica de Guilherme Pinto de Almeida e montagem e arte gráfica de Valder Valeirão (Nativu Design).

FOTO DE C APA DO ALMANAQUE: NAURO JUNIOR

GABRIELA MAZZA

Almanaque do Bicentenário de Pelotas

Para acessar o arquivo em PDF basta entrar no site www.almanaquedepelotas.com.br/ e baixar o arquivo original das 640 páginas que compõem o terceiro volume do projeto.

7


contracapa

www.ecult.com.br


Millions discover their favorite reads on issuu every month.

Give your content the digital home it deserves. Get it to any device in seconds.