Issuu on Google+


Veículo: CONFAP Assunto:Detecção

Editoria:

Pag:

precoce

( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

(X) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo

Data: 11/01/2013

(X) Não

Programa:

Detecção precoce Pesquisadores norte-americanos e brasileiros criam teste de DNA para identificar câncer de ovário e endométrio. A nova forma de diagnóstico, ainda em teste, não é invasiva e se aproveita de exame ginecológico de rotina. Um exame rotineiro para muitas mulheres, o papanicolaou, pode se tornar uma ferramenta importante de detecção do câncer de ovário e endométrio. Pesquisadores norte-americanos, em parceria com brasileiros, desenvolveram um teste de DNA que, aplicado na amostra de fluido uterino colhida no procedimento médico, identifica a presença dessas doenças ainda em estágio inicial. Hoje, o exame papanicolaou é usado no diagnóstico de câncer de colo de útero e HPV. Desde que começou a ser amplamente implantado, a morte por essas doenças caiu 75%. O mesmo não ocorreu com o câncer de endométrio, um dos mais comuns, e com o câncer de ovário, que apesar de raro é mais agressivo. Essa constatação foi o que motivou os pesquisadores da Universidade Johns Hopkins e da Universidade de São Paulo (USP) a criar um modo seguro de detecção desses cânceres. No papanicolaou, o médico recolhe um esfregaço de células do colo do útero para análise em laboratório. O endométrio e os ovários ficam acima da região examinada, mas as células cancerosas desenvolvidas nesses locais acabam caindo no colo do útero. E são essas células soltas o alvo do novo teste, batizado de PapGen e descrito em artigo na edição corrente da Science Translational Medicine.


Os pesquisadores acreditavam que um teste de DNA dessas células poderia identificar a presença do câncer. Para provar isso, eles analisaram o material genético de cânceres de ovário e endométrio de 46 pacientes de hospitais universitários, inclusive do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo. As amostras usadas foram de biópsias feitas durante cirurgias e guardadas nas instituições. Com essas análises e estudos anteriores de outras equipes, eles identificaram as 12 principais mutações genéticas nos tumores. Depois, buscaram por esses marcadores genéticos nas amostras de exames de papanicolaou das mesmas pacientes. O teste de DNA foi capaz de identificar o câncer de endométrio em todas as 24 mulheres com a doença. Para o câncer de ovário, a reposta não foi tão eficaz, 9 das 22 pacientes tiveram o câncer detectado. Mas segundo o médico Jesus de Paula Carvalho, chefe do setor de ginecologia oncológica do Instituto do Câncer e coautor do estudo, já é um grande avanço. Carvalho aponta que o câncer de ovário se desenvolve rapidamente e sem sintomas e que os métodos atuais para detecção não são eficientes e podem até causar mais males que benefícios. “O grande desafio da ginecologia é conseguir o que estamos mostrando, um método para detectar o câncer de ovário em estágio inicial”, diz. “O que se faz hoje é usar o exame clínico, a ultrassonografia transvaginal e exames de sangue, mas os resultados têm se mostrado ineficientes em reduzir a mortalidade. As sociedades médicas têm até não recomendado o diagnóstico precoce por meio desses procedimentos por causa do alto número de falsos positivos que acabam levando a intervenções e cirurgias desnecessárias, com risco de morte.” Estudos mostram que a descoberta da doença ainda em estágio inicial, quando o tumor está restrito ao órgão e não se espalhou pelo aparelho reprodutor, resulta em uma chance de sobrevida de cinco anos da paciente de até 90%. Já se for identificado somente em estágio avançado, essa chance de sobrevida cai para 34%. Refinamento Segundo outro autor da pesquisa, o oncologista Isaac Kinde, da Universidade Johns Hopkins, a maior dificuldade de detectar o câncer de ovário com o teste PapGen se deve à distância do órgão em relação à região examinada no papanicolau. As células cancerosas do ovário precisam percorrer as trompas e a parte superior do útero até chegar ao colo; por isso menos material para análise é encontrado. Mas Kinde acredita que é possível tornar o teste mais sensível com pequenas mudanças, como a escolha de determinados períodos do ciclo menstrual para fazer o exame e a coleta de material mais profundo. O pesquisador também avisa que sua equipe já está procurando por novos marcadores genéticos para o câncer. O estudo precisa agora ser replicado com mais pacientes para confirmar os resultados. Aqui no Brasil, a neurologista Suely Marie, da USP, que também participou da pesquisa analisando o DNA dos tumores, avisa que planeja iniciar um experimento maior, com cerca de 100 pacientes. A pesquisadora pretende também verificar se o padrão de aparição das mutações identificadas para os cânceres de ovário e endométrio no estudo internacional é o mesmo entre as brasileiras. “Queremos fazer um perfil genético completo desses cânceres na nossa população porque, como somos muito miscigenados, a frequência dessas mutações pode ser diferente aqui”, diz. “As 12 mutações identificadas muito provavelmente serão observadas nas nossas amostras, mas podemos encontrar também outros marcadores.” Kinde acredita que o teste PapGen deve estar disponível para a clínica em dois ou três anos, a um custo de aproximadamente R$ 200, o mesmo valor cobrado hoje para fazer o teste de DNA para detectar o HPV (que é gratuito pelo SUS) nos Estados Unidos.


Apesar de não parecer muito, os testes de DNA são mais caros que um exame de rotina. Aqui no Brasil, o teste de DNA para HPV não é praxe; é recomendado apenas para pacientes com resultado suspeito no papanicolaou. Mas a ginecologista Shannon Westin, da Universidade do Texas (EUA), acredita que o novo teste pode ser adotado por sistemas de saúde se os recursos forem bem direcionados. “Mulheres jovens que já fazem o papanicolaou regularmente têm baixo risco de desenvolver câncer de endométrio e ovário”, diz. “Essas doenças ocorrem com mais frequência depois da menopausa e o teste teria mais impacto e menos custos se aplicado nesse grupo. Será um grande avanço se bem direcionado.” Fonte: Ciência Hoje On-line – Por: Sofia Moutinho http://www.confap.org.br/deteccao-precoce/


Veículo: SECTI Assunto:

Editoria:

Pag:

Fapeam oferece oportunidade a pesquisadores interessados em coordenar Olimpíadas em

Ciências ( ) Release da assessoria de imprensa (x) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (x) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 11/01/2013

Programa:

Fapeam oferece oportunidade a pesquisadores interessados em coordenar Olimpíadas em Ciências Visando incentivar e melhorar a qualidade do ensino por meio da realização de Olimpíadas em Ciências, entendidas como instrumento de melhoria para os ensinos Fundamental e Médio, e também de identificação de jovens talentos interessados em seguir carreira, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) disponibilizou o Edital 005/2009 que convida pesquisadores e professores de instituições públicas de ensino e pesquisa do Estado a participarem do Programa de Apoio às Olimpíadas em Ciências no Estado do Amazonas (Fluxo Contínuo). Critérios Para participar do edital, os interessados devem ser brasileiros, ter vínculo empregatício com Instituições de Pesquisa ou Ensino Superior com unidade no Estado do Amazonas, ter no mínimo título de especialista, estar com o Curriculum Lattes atualizado na plataforma do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e coordenar uma das Olimpíadas em Ciências. As inscrições devem ser feitas na sede da FAPEAM, situada à Travessa do Dera, s/n, Flores. Acesse www.fapeam.am.gov.br e tenha acesso completo ao edital. http://www.cienciaempauta.am.gov.br/2013/01/fapeam-oferece-oportunidade-a-pesquisadoresinteressados-em-coordenar-olimpiadas-em-ciencias/


Veículo: Nube.com

Editoria:

Pag:

Assunto:Você,doutor? ( ) Release da assessoria de imprensa (x) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (x) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 11/01/2013

Programa:

Você, doutor? Um levantamento realizado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas – Fapeam, apontou um crescimento de 364% do número de doutores no Amazonas de 2000 a 2012, segundo dados do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Você tem refinado a sua carreira com uma qualificação adequada às suas pretensões? Veja na matéria do Nube o bom exemplo dado pelo norte do país. De acordo com o estudo, em 2000 foram 372 e em 2010, 1.728 novos doutores no mercado. Outro dado registra, de 2003 a 2012, a disponibilização de 799 bolsas integrais para doutores. “Tal realidade é essencial para a melhoria da Região Norte no quadro nacional de doutores por região”, acredita a pesquisadora Úrsula Vasconcelos Abecassis, contemplada pelo Programa de Apoio à Formação de Recursos Humanos Pós-Graduados do Estado do Amazonas. Agora, ela realizará estágio de doutorado na Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG. Para concluir a pesquisa na universidade, Úrsula Abecassis deverá receber recursos financeiros no valor de R$ 28 mil em bolsas e auxilio pesquisa para a ralização de estágio do doutorado por um período de nove meses, de acordo com o Edital 002/2012. Pronto para encarar a maratona de estudos? O gerente de comunicação do Nube e doutorando em Marketing e Redes Sociais, Mauro de Oliveira, aconselha: “Expandir o conhecimento acadêmico


exige muita dedicação e também abrir mão de momentos de lazer. No doutorado, você mesmo constrói a sua tese. Ou seja, deve trazer algo novo. É indicado para quem gosta de desafios”. http://www.nube.com.br/nubenews/noticia?id_noticias=6103


Veículo:

Blog Chocolitashow

Editoria:

Pag:

Assunto: Chocolate de cupuaçu em barra é inovação amazônica ( ) Release da assessoria de imprensa (x) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação (x) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (x) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo

Data: 11/1/2013

( ) Não

Programa: Pappe Integração

Chocolate de cupuaçu em barra é inovação amazônica Ainda em fase de elaboração, produto deverá ser disponibilizado em breve ao mercado local, segundo a fábrica Cupuama, instalada no Careiro, próximo a Manaus Manaus - Em breve, o mercado terá disponível mais um produto de pesquisas em inovação com recursos naturais do Amazonas. Trata-se do chocolate em barra feito a partir da amêndoa do cupuaçu (Theobroma grandiflorum) que está em fase de elaboração pela pequena empresa Cupuama, localizada no município do Careiro (AM), a 88 quilômetros de Manaus. O projeto de pesquisa conta com financiamento do governo do Amazonas, via Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), e da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), por meio do Programa de Apoio à Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em Microempresas e Empresas de Pequeno Porte na Modalidade Subvenção Econômica (Pappe Integração). De acordo com a coordenadora do projeto e empresária da Cupuama, Fátima Sales, o objetivo desse trabalho é realizar a otimização do processo fermentativo das sementes de cupuaçu para melhoria da qualidade da ‘torta’ resultante do processo de extração de gordura de cupuaçu que será utilizada para produção do chocolate em barra. “O processo de fabricação ocorre a partir da transformação das amêndoas de cupuaçu (sementes após o beneficiamento) em um derivado com sabor, textura, odor e aparência semelhantes ao do chocolate em barra elaborado com cacau”, explicou Sales. Com recursos da ordem de R$ 282,5 mil, concedidos pela Fapeam e Finep, será possível estudar


três diferentes condições do processo de fermentação em relação à quantidade de polpa presente nas sementes a serem fermentadas. Segundo a empresa, além disso, será possível avaliar sensorialmente os produtos da fermentação do cupuaçu para verificação de seu nível de aceitação e sabor próximo ao ideal no mercado. O cupuaçu tem diversas aplicações. A árvore, o cupuaçuzeiro tem flores grandes, e dá frutos que são os maiores do gênero, chegando a pesar até 1,5 kg. O cupuaçu é uma fonte primária de alimento na floresta amazônica tanto para as populações locais quanto para os animais. Tornou-se conhecido por sua polpa cremosa de sabor exótico. Torna a vida da região amazônica muito mais doce, pois de seu grande fruto são feitos sucos, bombons e doces em geral. De suas castanhas extrai-se uma pasta semelhante àquela com que se produz o chocolate e a manteiga. Esta manteiga é um excelente hidratante, graças à capacidade de absorção da água, duas vezes maior que a da lanolina, o que proporciona a recuperação de umidade da pele. CupuMax promete superar sabor do cacau O referido projeto da Cupuama é uma extensão da primeira inovação desenvolvida pela empresa, realizado com recursos do Pappe Subvenção, que trouxe ao mercado o cupulate, achocolatado feito a partir do cupuaçu. O CupuMax, nome dado ao produto, não possui em sua composição adição de cacau e cafeína e tem sabor superior ao achocolatado de cacau. A coordenadora do projeto e empresária da Cupuama, Fátima Sales, informou que este produto está em processo de patente no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (Inpi). Antes desse projeto, a empresa trabalhava com a extração da gordura do cupuaçu e a ração para peixe. Sales informou que com esses produtos ainda sobravam muitos resíduos sólidos do fruto, foi quando houve a ideia de trabalhar com esses resíduos, de forma que tivessem alguma utilidade. Através de pesquisas, a empresa desenvolveu esse projeto inovador que está com uma boa aceitação entre os empresários do mercado alimentício local. Segundo ela, outro fator positivo é a valorização do achocolatado e a boa aceitação pelas crianças no ambiente escolar, por meio do Programa de Regionalização da Merenda Escolar (Preme) das escolas públicas do Estado. De acordo com Sales, os produtos da empresa contam com uma cadeia produtiva de fornecedores, presentes nos municípios amazonenses do Careiro, Itacoatiara, Manaquiri e Autazes. “O projeto da barra de chocolate surgiu por conta de alguns desafios encontrados pela empresa, tal como a necessidade de maior aproveitamento da extração de óleo do cupuaçu, pois precisamos de volume de sementes para aumentar a venda de gordura para empresas de cosméticos de São Paulo”, disse. Com a produção do chocolate em barra haverá um maior aproveitamento da gordura residual. “A expectativa é de, no mínimo, dobrar”, frisou. Liberação de recursos possibilita projetos A coordenadora do projeto e empresária da Cupuama, Fátima Sales, destacou a iniciativa do Pappe Integração como um incentivo ao desenvolvimento da inovação no Estado. “O papel desse programa, financiado pela Fapeam e Finep, é muito importante. Hoje, passamos de uma micro para pequena empresa, pois a partir dos recursos do Pappe tivemos a possibilidade de aumentar nosso portfólio, triplicamos nosso quadro de empregados e elevamos o faturamento”, declarou ela. A Cupuama foi fundada em 1995 e possui um programa de aproveitamento total do fruto do cupuaçu, que por meio do despolpamento do fruto produz refrescos e doces. A extração da gordura da amêndoa do produto tem fins cosméticos e o aproveitamento da torta é utilizado na fabricação de achocolatado em pó e ração animal. A empresária explicou ainda que nenhum resíduo gerado a partir do cupuaçu é desperdiçado. “Da casca fazemos compostagem, da amêndoa ‘torta’ produzimos ração animal e fornecemos para criadores de gado e carneiro da região e a parte mais nobre do cupuaçu, que é o liquo, aplicamos ao nosso produto Cupumax (cupulate)”, explicou ele. Da polpa do fruto do cupuaçu é produzido o extrato aromático utilizado para perfumação, e da


semente extrai-se a manteiga de cupuaçu, que é um excelente hidratante, graças à capacidade de absorção da água. Os produtos trazem o aromático nas fragrâncias e a manteiga de cupuaçu, como base, em cremes e batons. Povos indígenas assim como comunidades locais ao longo do Amazonas cultivaram cupuaçu como uma fonte primária de alimento desde gerações. http://chocolitashow.blogspot.com.br/2013/01/chocolate-de-cupuacu-em-barra-e.html


Veículo:

Site:Mpsoft Informática

Editoria:

Pag:

Assunto:Especialista explica o que é sensoriamento remoto ( ) Release da assessoria de imprensa (x) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (x) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo

Data: 11/01/2013

( ) Não

Programa:

Especialista explica o que é sensoriamento remoto Atualmente, muitos estudos e descobertas só são possíveis de serem desenvolvidos com o auxílio do sensoriamento remoto que nada mais é do que a coleta de dados sem o contato físico com o objeto de estudo. A técnica começou a ser utilizada no século 19 por meio do registro fotográfico da superfície da terra com o auxílio de balões. Ao longo dos anos, o processo foi aprimorado e evoluiu para captações por meio de aviões e satélites de última geração. Em entrevista à TV FAPEAM, a doutora em sensoriamento remoto, Solange dos Santos Costa fala sobre o processo que envolve esta prática. Confira! http://mpsoftinformatica.blogspot.com.br/2013/01/especialista-explica-o-que-e.html


Veículo:

SECTI

Editoria:

Pag:

Assunto: Investimentos e ações na área de CT & I no Amazonas disponíveis à sociedade ( ) Release da assessoria de imprensa (x ) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( )Release de outra instituição (x) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 11/01/2013

Programa:

Investimentos e ações na área de CT & I no Amazonas disponíveis à sociedade As pessoas interessadas em conhecer mais sobre os indicadores, as ações e os investimentos efetuados na área de Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) no Amazonas, além do desempenho da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI-AM) já podem ter acesso, apenas com um click, às informações por meio do Portal CIÊNCIAemPAUTA. Os indicadores podem ser acompanhados por meio do Boletim de Indicadores e do Sistema de Indicadores Online de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado do Amazonas (SION-AM). O Boletim de Indicadores tem periodicidade trimestral e possibilita a identificação de dados capazes de auxiliar na análise dos cenários ou de temas específicos concernentes à CT&I. Por sua vez, o SION compreende uma plataforma online de informações, composta por cerca de 70 indicadores. O sistema permite aos usuários obter informações sobre os investimentos e apoio as atividades de CT&I no estado, além da facilidade de poder ser acessado de qualquer parte do mundo, seja por notebook, tablet ou celular. TRANSPARÊNCIA NAS AÇÕES É FUNDAMENTAL PARA APOIÁ-LAS O chefe do Departamento de Relações Interinstitucionais e Indicadores de CT&I da SECTI-AM, Moisés Israel Coelho, destacou a importância da divulgação desses indicadores à sociedade. “Através desses indicadores, a população têm uma visão do que vem sendo feito na área de CT&I no Amazonas, além de acompanhar as ações da secretaria”, disse. Caso o cidadão queira conhecer sobre o número de mestres e doutores que o Amazonas possui;


grupos de pesquisa; investimentos financeiros que são alocados anualmente para formação de mão de obra qualificada; características da área de engenharia no estado (vagas, concorrência, número de matriculados e evasão), essas informações já estão disponíveis para consulta. O SION é um sistema de indicadores pioneiro no País. Idealizado pela SECTI-AM em parceria com a Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), é uma ferramenta que torna transparente os investimentos realizados em CT&I no estado. Segundo Coelho, ainda são poucas as secretarias que fazem análises de Ciência e Tecnologia e Inovação no Brasil. Ao ter análises precisas, as instituições de CT&I ajudam o governo nas tomadas de decisões em políticas públicas destinadas CT&I. http://www.cienciaempauta.am.gov.br/2013/01/investimentos-e-acoes-na-area-de-cienciatecnologia-e-inovacao-disponiveis-a-sociedade/


Veículo:

SECTI

Editoria:

Pag:

Assunto:Concurso para Professor de Carreira da Ufam ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

(x) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo

Data: 11/01/2013

(x) Não

Programa:

Concurso para Professor de Carreira da Ufam A Universidade Federal do Amazonas (Ufam) está com inscrições abertas para o preenchimento de cargos na carreira do Magistério Superior até o dia 15 de janeiro. As vagas são destinadas a candidatos com graduação nas áreas de Fisioterapia, Educação Física, Engenharia, Arquitetura e Urbanismo, Química, Biologia, Letras, Contabilidade, Administração, Computação, Matemática, Estatística, dentre outras. Os aprovados serão lotados no Instituto de Ciências Sociais, Educação e Zootecnia de Parintins (ICSEZ) e nas unidades acadêmicas da capital na Faculdade de Educação Física e Fisioterapia (FEFF), na Faculdade de Tecnologia (FT), no Instituto de Ciências Humanas e Letras (ICHL), no Instituto de Ciências Exatas (ICE), no Instituto de Computação (ICOMP), na Faculdade de Ciências Agrárias (FCA), na Faculdade de Educação (FACED), na Faculdade de Estudos Sociais (FES) e no Instituto de Ciências Biológicas (ICB). Os salários variam de R$ 2.872,85 a R$ 7.627,02. http://www.cienciaempauta.am.gov.br/2013/01/concurso-para-professor-de-carreira-da-ufam/


Veículo:

SECTI

Editoria:

Pag:

Assunto: Manaus sedia terceiro Simpósio Nacional de Geografia Política ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria (X) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo

Data: 11/01/2013

(x) Não

Programa:

Manaus sedia terceiro Simpósio Nacional de Geografia Política Considerando a necessidade de compreender as mudanças que ocorrem na organização política do mundo e criar caminhos que possibilitem uma atuação na relação espaço e poder, a Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Instituto de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e a Universidade Federal do Amazonas (Ufam) realizam, em Manaus, o 3º Simpósio Nacional de Geografia Política. O evento acontece no período de 7 a 10 de maio de 2013, no Instituto de Ciências Humanas e Letras (ICHL), da Ufam. Os interessados em submeter trabalhos para serem apresentados durante o evento devem optar entre cinco eixos temáticos: Geografia Política / Geopolítica Clássica e Contemporânea; Meio Ambiente, Política e Poder; outro eixo disponível é Geografia Território e Identidade: Nacionalismo, Regionalismo e Identidades Territoriais; Fronteiras: Um Constante e Poderoso Desafio à Geografia Política e o último eixo diz respeito à Renovação das Políticas Territoriais. O material será avaliado pela Comissão Científica do Simpósio, composta por professores de diversas universidades brasileiras. Podem participar do Simpósio estudantes de Geografia, Ciências Sociais, História, Relações Internacionais, Direito e Turismo, além de pesquisadores e professores de todos os níveis de ensino e políticos das diversas escalas de poder. As inscrições podem ser realizadas, com desconto, até o dia 15 de janeiro no endereço eletrônico geosimposio.wordpress.com. As taxas variam entre R$ 80 e R$ 120. http://www.cienciaempauta.am.gov.br/2013/01/manaus-sedia-terceiro-simposio-nacional-degeografia-politica/


Veículo:

G1.com

Editoria:

Pag:

Assunto: Análise do hálito pode identificar infecção no pulmão, diz estudo ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria (x) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( )Release de outra instituição ( )Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo

Data: 11/01/2013

(x) Não

Programa:

Análise do hálito pode identificar infecção no pulmão, diz estudo Pesquisadores da Universidade de Vermont, nos Estados Unidos, sugerem que a análise do hálito de um paciente pode detectar bactérias do pulmão e diagnosticar infecções em minutos, ao invés das semanas geralmente necessárias para exames usuais com o mesmo objetivo. O diagnóstico de infecções do tipo tradicionalmente envolve coletar uma amostra que é usada para o cultivo da bactéria em um laboratório. A bactéria é então testada e classificada, para que os especialistas possam avaliar qual o antibiótico mais adequado para o tratamento. Já o método que analisa o hálito é bem mais rápido e menos invasivo, segundo os pesquisadores. Para este estudo, os cientistas do Colégio de Medicina da Universidade de Vermont analisaram compostos orgânicos voláteis (VOC, na sigla em inglês) detectados no hálito que é exalado, vindo dos pulmões. Com estes compostos, eles podem identificar bactérias diferentes e também variedades diferentes da mesma bactéria. A pesquisa foi publicada na revista especializada "Journal of Breath Research". Bactérias Os pesquisadores infectaram camundongos com duas bactérias comuns em infecções de pulmão, a Pseudomonas aeruginosa e a Staphylococcus aureus. Depois de 24 horas, eles colheram amostras do hálito dos camundongos. Os compostos no hálito dos roedores foram analisados usando uma técnica chamada espectrometria de massa secundária com ionização por electrospray (SESI-MIS, na sigla em inglês), que é capaz de detectar elementos extremamente pequenos presentes no hálito.


Os pesquisadores encontraram uma diferença "estatística significativa" entre os perfis do hálito dos ratos infectados com as bactérias e aqueles que não foram infectados. Eles também conseguiram diferenciar duas bactérias diferentes e duas variedades diferentes da Pseudomonas aeruginosa. Jane Hill, uma das autoras do estudo, afirmou que ainda existem alguns obstáculos e os testes do novo exame continuam. "Agora estamos colaborando com colegas para retirar amostras de pacientes e demonstrar os pontos fortes e as limitações da análise de hálito", afirmou. http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2013/01/analise-do-halito-pode-identificar-infeccao-nopulmao-diz-estudo.html


Veículo:

G1.com

Editoria:

Pag:

Assunto: Satélite capta a maior galáxia em espiral já registrada ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria (x) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo (x) Não

Data: 11/01/2013

Programa:

Satélite capta a maior galáxia em espiral já registrada Um satélite captou, por acidente, a maior galáxia em espiral já registrada por astrônomos. As imagens mostram uma explosão de luzes ultravioleta que indicam uma colisão com uma galáxia vizinha menor. A equipe, que reúne cientistas da Nasa (agência espacial americana), do Observatório Europeu do Sul no Chile e da USP (Universidade de São Paulo), buscava dados sobre a formação de novas estrelas nas bordas da galáxia NGC 6872. As imagens foram captadas pelo satélite Galex (Galaxy Evolution Explorer). "Não estávamos buscando por uma espiral. Foi um presente", diz Rafael Eufrásio, da Universidade Católica da América e membro do Goddard Space Flight Center, da Nasa. A galáxia NGC 6872, que fica a 212 milhões de anos-luz da Terra, na constelação de Pavo, já era conhecida por ter uma grande espiral. A espiral recorde, no entanto, resulta provavelmente de uma colisão com a galáxia vizinha IC 4970. A galáxia em espiral possui, segundo estimativas dos astrônomos, um tamanho cinco vezes maior que a Via Láctea, que engloba a Terra. A descoberta foi comunicada à Sociedade Astronômica Americana. Colisão O Galex, um telescópio espacial especializado em descobrir novas estrelas, mostrou que a colisão tornou a galáxia NGC 6872 ainda maior. A equipe usou ainda dados de outros telescópios e concluiu que estrelas mais jovens, que ficam nas bordas da espiral, se movem em direção ao centro da galáxia à medida que ficam mais velhas.


"A galáxia que colidiu com a NGC 6872 espalhou estrelas por toda a parte - em 500 mil anos luz de distância", explica Eufrásio. Ele diz que a descoberta mostra como as galáxias podem mudar radicalmente de tamanho com as colisões. "Mostra a evolução das galáxias em um contexto muito maior do universo, como as grandes galáxias que temos ficaram maiores com pequenos rearranjos no universo", diz. http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2013/01/satelite-capta-a-maior-galaxia-em-espiral-jaregistrada.html


Veículo:

G1.com

Editoria:

Pag:

Assunto: Exercitar músculos pode não alterar o peso, mas faz diminuir as medidas ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria (x) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo

Data: 11/01/2013

(x) Não

Programa:

Exercitar músculos pode não alterar o peso, mas faz diminuir as medidas Para ser saudável e resistente, o corpo deve ter de 80% a 82% de músculos e apenas de 18% a 20% de gorduras. Ter a musculatura forte e desenvolvida é importante para sustentar os ossos e prevenir fraturas, como explicaram os médicos do esporte Gustavo Magliocca e Fernanda Lima no Bem Estar desta sexta-feira (11). Ao exercitar os músculos, a pessoa pode continuar com o mesmo peso, mas pode perder medidas. Dois indivíduos que pesam o mesmo número podem ter a aparência diferente e isso significa que um tem mais músculos do que o outro, como mostra o infográfico abaixo. A gordura ocupa mais espaço no corpo e pode se concentrar na barriga, por exemplo. Estudos recentes mostram que exercitar a musculatura estimula a produção de substâncias que defendem o organismo de invasores e ainda aumenta a produção de hormônios que auxiliam no metabolismo da glicose e das gorduras. Além disso, ter os músculos desenvolvidos garante um envelhecimento ativo, com mais autonomia e também uma melhora na autoestima já que ajudam no contorno do corpo. Porém, é importante alertar que o desenvolvimento muscular é diferente para cada pessoa e depende muito de fatores genéticos, do biotipo e também da quantidade de fibras musculares do corpo. Fibras do tipo 1 são aeróbias, de pouca força e resistência; já fibras do tipo 2 têm ação rápida, de força e explosão – quem tem mais o primeiro tipo consegue desenvolver mais os músculos. A atividade mais eficiente nesse processo é a musculação, porém qualquer exercício de força pode aumentar a massa muscular, também conhecida como massa magra. Existem opções dentro da musculação que oferecem menos riscos às articulações, como os


aparelhos pneumáticos que visam preservar a saúde dos músculos, não desenvolvê-los, e também os exercícios funcionais, que causam desequilíbrio e exigem controle e força muscular, como os que utilizam bolas, por exemplo. Pessoas que têm entre 20 e 35 anos estão no auge do desenvolvimento muscular do corpo. A partir dessa idade, tanto o homem como a mulher começam a ter uma perda gradual, principalmente se forem sedentários. Se não se exercitarem, essas pessoas correm o risco de desenvolver a sarcopenia, uma doença provocada pela perda da massa magra e da função muscular. http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2013/01/exercitar-musculos-pode-nao-alterar-o-peso-mas-fazdiminuir-medidas.html


Veículo:

G1.com

Editoria:

Pag:

Assunto:Estudo apresenta material que capta energia de vapor d'água ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria (x) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( )Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo

Data: 11/1/2013

(x) Não

Programa:

Estudo apresenta material que capta energia de vapor d'água Cientistas do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês) inventaram um novo material que gera energia a partir do vapor d’água. O artigo com o estudo foi publicado nesta quinta-feira (10) pela revista “Science”. O sistema funciona da seguinte forma: ao absorver pequenas quantidades de água, um filtro de polímero se enrola repetidas vezes para cima e para baixo. O movimento contínuo é transformado em energia suficiente para abastecer dispositivos micro e nanoeletrônicos, como sensores ambientais. As vantagens da nova tecnologia são muitas, segundo os pesquisadores. “Um sensor alimentado por bateria precisa ser substituído periodicamente. Mas, se você tem este dispositivo, pode captar a energia do ambiente, de modo que não seja necessário substituí-lo muitas vezes", diz Mingming Ma, pós-doutorando do Instituto David H. Koch do MIT, e principal autor do artigo. As potenciais aplicações do novo material incluem, em grande escala, geradores movidos a vapor d’água, e geradores menores para ligar eletrônicos vestíveis. "Ele não precisa de muita água", diz Ma. "Uma quantidade muito pequena de umidade seria suficiente". Captação de energia O novo filme consiste em uma rede interligada por dois polímeros diferentes. Um deles forma uma


matriz dura, mas flexível, que proporciona um suporte estrutural. O outro, é um gel macio que incha quando absorve água. Os esforços anteriores para fazer filmes sensíveis à água utilizaram apenas um dos polímeros, o que gerava uma resposta muito mais fraca ao estímulo. "Ao incorporar os dois diferentes tipos de polímeros, gera-se um deslocamento muito maior, assim como uma força maior," diz Liang Guo, um dos autores do estudo. Quando o filme de 20 milionésimos de metro de espessura é colocado sobre uma superfície que contém uma pequena quantidade de umidade, a camada inferior absorve a água evaporada, obrigando a película a curvar-se para fora da superfície. Uma vez que a parte inferior da película é exposta ao ar, ela rapidamente libera a umidade, saltando para frente, e começa a enrolar-se de novo. Uma vez que este ciclo é repetido, o movimento contínuo converte a energia química em energia mecânica. Esses filmes podem agir tanto como atuadores (um tipo de motor) ou geradores. Como atuador, o material pode ser bastante potente. O estudo demonstra que uma película de 25 miligramas pode levantar uma carga de lâminas de vidro com 380 vezes o seu próprio peso, ou pode ainda transportar uma carga de fios de prata com 10 vezes o seu próprio peso, trabalhando como uma espécie de “minitrator” movido a água. Geração de energia elétrica A energia mecânica gerada pelo material também pode ser convertida em eletricidade, que pode ser armazenada em condensadores capazes de ligar dispositivos microeletrônicos de baixíssima potência, tais como sensores de temperatura e umidade. Para gerar eletricidade em escala maior, o filme precisa ser colocado em cima de um lago ou rio. Ele ainda pode ser preso à roupa, para que a mera evaporação de suor alimente dispositivos como sensores de monitoração fisiológica. "Você pode estar correndo e gerando energia", diz Liang Guo. Os pesquisadores agora trabalham para melhorar a eficiência da conversão de energia mecânica em energia elétrica, o que pode permitir que filmes menores alimentem dispositivos maiores. http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2013/01/estudo-apresenta-material-que-capta-energiade-vapor-dagua.html


Veículo:

G1.com

Editoria:

Pag:

Assunto:Descoberta de vida extraterrestre afetaria religião e filosofia, diz relatório ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria (x) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( )Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo

Data: 11/1/2013

(x) Não

Programa:

Descoberta de vida extraterrestre afetaria religião e filosofia, diz relatório A descoberta de vida alienígena, o uso de medicamentos para aumentar a capacidade cognitiva e a mudança completa das condições climáticas na Terra podem implicar em dilemas éticos e provocar alterações na maneira como a sociedade se organiza e em como ela vê a si mesma, aponta a oitava edição do relatório Riscos Globais, do Fórum Econômico Mundial, divulgado esta semana. A organização listou cinco “fatores X” que gostaria de ver nos debates da comunidade internacional em 2013 por terem consequências incertas para o futuro da humanidade. Descoberta de vida extraterrestre Dado o ritmo de exploração do espaço, é cada vez mais provável se descubra a existência de vida alienígena no sistema solar. Mas quais seriam as consequências dessa descoberta para o fluxo de financiamento da ciência e para a imagem que a humanidade tem de si mesmo? De acordo com o relatório, supondo que astrônomos descubram um planeta que possa servir como uma futura casa para a humanidade, ou detectem a existência de vida em nosso Sistema Solar, esses avanços trariam sérias implicações. Os cientistas iriam deslocar um grande contingente de missões robóticas e humanas para estudar o local, apoiados por agências de financiamento entusiasmadas com as descobertas. No longo prazo, haveria profundas implicações psicológicas e filosóficas desencadeadas pela descoberta de vida extraterreste, desafiando a religião e a filosofia humana, diz o relatório. Para evitar que isso ocorra, o texto aponta a necessidade de campanhas de sensibilização do público, prevenindo a população contra as consequências sociais de descobertas tão profundas e contra a mudança de paradigma quanto à posição da humanidade no universo. Habilidades super-humanas


Antes reservadas à ficção científica, as habilidades sobrehumanas estão se aproximando rapidamente do nosso horizonte de plausibilidade. Mas quais seriam as implicações éticas destes avanços? O documento do Fórum Econômico Mundial aponta que os cientistas estão trabalhando duro para desenvolver medicamentos e terapias que livrem o cérebro humano de doenças neurológicas, como o Mal de Alzheimer e a esquizofrenia. Embora o progresso tenha sido lento, o relatório afirma que, num futuro próximo, pesquisadores irão identificar compostos que melhorem os atuais estimulantes cognitivos, por exemplo, a ritalina - medicamento indicado para pessoas diagnosticadas com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. Embora sejam prescritos para tratar doenças neurológicas, os novos compostos capazes de melhorar a inteligência ou a cognição poderão ser usados ilegalmente por pessoas saudáveis à procura de vantagens no trabalho ou estudo, destaca o relatório. O texto afirma ainda que os novos tratamentos irão trazer sérios conflitos éticos, estando disponíveis no mercado somente para quem puder pagar por eles. O custo de viver mais A expectativa de vida das população tem aumentado nos últimos anos, mas será que a humanidade não está traçando as bases para a criação de uma sociedade futura fadada a lidar com uma massa de idosos, doentes e debilitados? São esperados, num futuro próximo, grandes avanços na medicina para evitar e tratar doenças como câncer, problemas no coração e acidente vascular cerebral, destaca o relatório. No entanto, o texto alerta para a necessidade de analisar o impacto de uma sociedade com um número crescente de idosos enfermos, protegidos das doenças que mais causam mortes, mas com uma qualidade de vida deteriorada por conta de outros males. De acordo com o artigo, esse cenário exige que sejam difundidos hábitos que melhorem a qualidade de vida e afastem possíveis patologias, como a prática de exercícios físicos. Ao mesmo tempo, é preciso tomar medidas para mitigar os custos decorrentes do aumento da população de idosos, por exemplo, fixando uma idade mais avançada para a aposentadoria, defende o texto. O impacto do envelhecimento da população será sentido por toda a sociedade e é preciso encontrar soluções para amenizar doenças crônicas e encontrar meios para tornar os idosos capazes de gerir males crônicos e gerar riqueza ao mesmo tempo, conclui o relatório. Mudanças Climáticas Descontroladas A ameaça da mudança climática é bem conhecida, mas será que já não desencadeamos uma reação em cadeia descontrolada que rapidamente está empurrando a atmosfera para um estado inóspito? O texto sugere que o debate sobre o tema nas últimas décadas ficou centrado na questão se a humanidade poderia ou não ser responsável por alterar um sistema climático tão grande como o da Terra. No entanto, o artigo atesta que estamos caminhando forçadamente para uma discussão sobre a melhor forma de reforçar a resistência dos seres humanos e sua capacidade de adaptação para lidar com essa nova realidade. “Ligada no piloto automático, a mudança das condições climáticas nos empurra impiedosamente para um novo e desconhecido equilíbrio”, afirma o texto. Riscos da geoengenharia Em resposta às preocupações crescentes sobre as mudanças climáticas, os cientistas estão explorando maneiras de manipular o clima da Terra. A maioria das pesquisas tem se concentrado em injeção de enxofre através de aeronaves. Mas e se essa tecnologia for apropriada por um estado ou indivíduo mal intencionado? A ideia básica na geoengenharia - também chamada de gestão da radiação solar - é a de que as


pequenas partículas podem ser injetadas no alto da estratosfera para bloquear parte da energia solar recebida e refletir os raios para o espaço, tal qual as grandes erupções vulcânicas fizeram no passado. De acordo com estudos recentes, esse método poderia compensar o aquecimento global e daria aos seres humanos o controle sobre a temperatura da Terra. No entanto, destaca o relatório, uma série de implicações éticas, legais e científicas rapidamente surgiriam, junto com incontáveis efeitos colaterais, ainda difíceis de prever. De acordo com o artigo, no momento ninguém prevê a implantação da gestão da radiação solar, dadas as dificuldades de um acordo internacional sobre o tema. Mas, ressalva o texto, alguns analistas de geoengenharia já estão pensando nas implicações no caso de um país ou um pequeno grupo de pessoas precipitarem uma crise internacional ao avançar com a pesquisa de implantação da geoengenharia. http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2013/01/descoberta-de-vida-extraterrestre-afetariareligiao-e-filosofia-diz-relatorio.html


Veículo:

D24am

Editoria:

Pag:

Assunto:UEA lança concurso para contratação nas áreas de humanas e saúde ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria (x) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( )Release de outra instituição ( )Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo

Data: 11/01/2013

(x) Não

Programa:

UEA lança concurso para contratação nas áreas de humanas e saúde Manaus - A Universidade do Estado do Amazonas (UEA) lançou editais de concurso público com 19 vagas para o quadro de professores efetivos, com salário mensal inicial de R$ 5,9 mil. Há oferta de 17 vagas para especialistas e mestres das áreas de Letras, Música e Tecnologia e outras duas para área de Medicina. Conforme o edital 8, as inscrições para essas áreas estão abertas até o dia 31 de janeiro. No caso dos interessados em participar da seleção objeto do edital 9, que oferece duas vagas para graduados em Medicina e especializados em Pneumologia, será necessário atender aos procedimentos para inscrição até 1º de fevereiro. As inscrições poderão ser feitas em horário comercial, pessoalmente, por meio de procuração ou por correio. Os endereços disponíveis devem ser consultados nos editais. Os professores que forem aprovados iniciarão o trabalho logo após a divulgação do resultado final de cada concurso. “Queremos oferecer um ensino cada vez melhor aos nossos alunos matriculados em todo o Amazonas”, ressalta o reitor José Aldemir de Oliveira. Aades a Agência Amazonense de Desenvolvimento Econômico e Social (Aades) anunciou processo seletivo para contratação temporária de 270 em 21 municípios. Os contratados vão atuar no Projeto de Implantação das Centrais de Regulação Regionais, em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde (Susam). As inscrições vão até o dia 14. http://www.d24am.com/noticias/economia/uea-lanca-concurso-para-contratacao-nas-areas-dehumanas-e-saude/77938


Veículo:

D24am

Editoria:

Pag:

Assunto:Bosque da Ciência estende horário de visitação nas férias ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria (x) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( )Release de outra instituição ( )Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo

Data: 11/01/2013

(x) Não

Programa:

Bosque da Ciência estende horário de visitação nas férias Manaus - Até o dia 31 de Janeiro, o Bosque da Ciência do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI) oferta um novo horário de funcionamento para melhor atender a crescente demanda de visitantes da região e turistas por conta do período de férias. O Bosque funcionará das 9h às 17h, sem interrupções, todos os dias da semana. Segundo o coordenador do Bosque, Jorge Lobato, a procura pelo espaço como alternativa de turismo durante as férias aumentou bastante nos últimos três anos em que se tem um horário especial e estima-se a visita de 15 mil pessoas ainda nesse mês, três mil pessoas a mais do que em 2012. “O maior público do mês de janeiro são as crianças, porque é mês de férias. Esse último final de semana foi recorde. Sábado e domingo, o Bosque da Ciência recebeu um grande público: duas mil pessoas”, relatou Lobato. Embora o maior público de janeiro não seja os estudantes, as visitações das escolas ainda continuam e podem ser solicitadas. Em 2012, obteve-se o maior número dessas visitas: “Foram 657 escolas atendidas”, especificou Lobato. “É importante dizer que dessas mais de 600 escolas, foi um universo de quase 90 mil estudantes atendidos gratuitamente pelo Inpa. Essa é uma contribuição valiosa que tem permitido não só a socialização, mas também a popularização da ciência”, frisou. O Bosque da Ciência oferece atrativos turísticos e entretenimento, como: trilhas educativas, tanques de peixe-boi, viveiros de ariranhas, Casa da ciência, Ilha da Tanimbuca, Casa da Madeira, Recanto dos Inajás, Condomínio das abelhas, Abraço da Morte, Paiol da Cultura, Trilha suspensa, Lago Amazônico, Viveiro dos Jacarés, Orquidário e Bromeliário, além da apreciação de toda a fauna livre.


Paiol da Cultura Um dos principais atrativos do Bosque da Ciência é o Paiol da Cultura, local onde são realizadas exposições de artistas amazonenses, dentre outros, para visitação. “O Paiol da Cultura é um diferencial, porque geralmente as pessoas não saem de casa exclusivamente para ir a uma galeria de arte e aqui já está dentro do parque, onde é aberto à visitação pública”, atenta o coordenador do Paiol, Ney Amazonas. O trabalho que estará exposto nesse período de férias se intitula “Amazônia: Um Grande Habitat”, do artista Téo Braga. “Nesses 17 anos de existência do Bosque é a terceira vez que o artista expõe aqui. Dessa vez ele veio com uma novidade dentro do seu trabalho que são os quadros em alto relevo, que têm chamado muita a atenção dos visitantes”, explica Amazonas. Serviço O horário de funcionamento do Bosque da Ciência nas férias será todos os dias da semana, das 9h às 17h. As visitas de grupos escolares têm entrada franca, porém precisam ser agendadas por meio de uma solicitação pelo telefone (92) 3643-3192 ou pelos emails bosque@inpa.gov.br e ivaraujo@inpa.gov.br. Artistas interessados em expor no Paiol podem procurar o responsável, Ney Amazonas, nos telefones (92) 9116-1706 ou (92) 3643-3616. A exposição pode ficar no espaço de 30 a 35 dias, se agendada com antecedência. http://www.d24am.com/amazonia/meio-ambiente/bosque-da-ciencia-estende-horario-de-visitacaonas-ferias/77934


Veículo:

Site:CM Consultoria

Editoria:

Pag:

Assunto:Você,doutor? ( ) Release da assessoria de imprensa (X) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (X) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo

Data: 11/01/2013

( )Não

Programa:

Você, doutor? Um levantamento realizado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas – Fapeam, apontou um crescimento de 364% do número de doutores no Amazonas de 2000 a 2012, segundo dados do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Você tem refinado a sua carreira com uma qualificação adequada às suas pretensões? Veja na matéria do Nube o bom exemplo dado pelo norte do país. De acordo com o estudo, em 2000 foram 372 e em 2010, 1.728 novos doutores no mercado. Outro dado registra, de 2003 a 2012, a disponibilização de 799 bolsas integrais para doutores. “Tal realidade é essencial para a melhoria da Região Norte no quadro nacional de doutores por região”, acredita a pesquisadora Úrsula Vasconcelos Abecassis, contemplada pelo Programa de Apoio à Formação de Recursos Humanos Pós-Graduados do Estado do Amazonas. Agora, ela realizará estágio de doutorado na Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG. Para concluir a pesquisa na universidade, Úrsula Abecassis deverá receber recursos financeiros no valor de R$ 28 mil em bolsas e auxilio pesquisa para a ralização de estágio do doutorado por um período de nove meses, de acordo com o Edital 002/2012.


Pronto para encarar a maratona de estudos? O gerente de comunicação do Nube e doutorando em Marketing e Redes Sociais, Mauro de Oliveira, aconselha: “Expandir o conhecimento acadêmico exige muita dedicação e também abrir mão de momentos de lazer. No doutorado, você mesmo constrói a sua tese. Ou seja, deve trazer algo novo. É indicado para quem gosta de desafios”. http://www.cmconsultoria.com.br/vercmnews.php?codigo=61842


Veículo:

Agência Gestão CT&I

Editoria:

Pag:

Assunto: Parceria Sueco-Brasileira oferece bolsas pelo Ciência sem Fronteiras ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria (X) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo

Data: 11/01/2013

(x) Não

Programa:

Parceria sueco-brasileira oferece bolsas pelo Ciência sem Fronteiras Uma parceria entre o CNPq, o Centro de Pesquisa e Inovação Sueco-Brasileiro (Cisb) e a empresa sueca Saab AB resultou no lançamento da segunda chamada de um edital que prevê a seleção de candidatos a bolsas de intercâmbio no exterior. Serão beneficiados queles que apresentarem suas propostas até 28 de março. As bolsas serão oferecidas no âmbito do programa Ciência sem Fronteiras (CsF) para as modalidades doutorado-sanduíche (SWE) e pós-doutorado (PDE). Os trabalhos selecionados serão desenvolvidos nos centros de pesquisa e desenvolvimento (P&D) da Saab AB, empresa da área de defesa e aeroespacial. Serão selecionados candidatos que queiram desenvolver parte de suas teses ou projeto de pósdoutorado dentro das áreas prioritárias do CsF e de interesse para a Saab Ab. Todas as propostas serão analisadas por um comitê julgador e submetidas à apreciação da diretoria executiva do CNPq e do Cisb. Os candidatos recomendados pelo comitê serão entrevistados pelo Cisb. O edital completo está disponível neste link. Mais informações pelo e-mail: suporte@cnpq.br ou pelo telefone 0800 61 9697. (Agência Gestão CT&I de Notícias com informações do MCTI) http://www.agenciacti.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=3228:parceriasueco-brasileira-oferece-bolsas-pelo-ciencia-sem-fronteiras&catid=1:latest-news


Veículo:

Agência Gestão CT&I

Editoria:

Pag:

Assunto:Inpa deposita sete patentes em 2012 ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria (X) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo

Data: 11/1/2013

(x)Não

Programa:

Inpa deposita sete patentes em 2012 O Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) teve mais um ano positivo no desenvolvimento de projetos. Em 2012, foram depositados sete pedidos de patente, dentre eles pesquisas relacionadas ao campo de biologia e farmácia. De acordo com a Coordenação de Extensão Tecnológica e Inovação (Ceti), ao todo são 59 patentes e 83 produtos registrados pelo Inpa. As patentes constituem uma forma de proteção intelectual com a finalidade de incentivar o desenvolvimento econômico e tecnológico. A coordenadora do Ceti, Rosângela Bentes, explica que o Inpa está concentrado também em transformar esse conhecimento em um produto para a sociedade. “O objetivo não é só captar projetos para a proteção intelectual. Pretendemos dar visibilidade a essas pesquisas para o setor produtivo, para que possam conhecer o que o Inpa está desenvolvendo e disponibilizar para a sociedade e para a indústria”, afirma. Segundo Bentes, o processo da proteção prevê três critérios primordiais para um produto ou processo ser patenteado: novidade, atividade inventiva e aplicação industrial. Após o processo, as patentes podem ser disponibilizadas na forma de licenciamento de patentes, na transferência de ‘know how’ ou na prestação de serviços, de tal forma que contribuam para a melhoria da qualidade de vida da sociedade. (Agência Gestão CT&I de Notícias com informações do Inpa) http://www.agenciacti.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=3227:inpadeposita-sete-patentes-em-2012&catid=1:latest-news


Veículo:

Jornal Brasil on-line

Editoria:

Pag:

Assunto:Pesquisadora utiliza a dança em crianças com paralisia cerebral ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

(x) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo

Data: 11/1/2013

(x) Não

Programa:

Pesquisadora utiliza a dança em crianças com paralisia cerebral Dois meninos e quatro meninas melhoraram sua coordenação motora após sessões onde eram estimuladas a se movimentar de acordo com a música. Estudo inédito do Instituto de Psicologia da UnB mostrou como a dança pode ajudar crianças com paralisia cerebral a melhorar seus movimentos. Em sua pesquisa de mestrado, a fisioterapeuta Elizabeth Maia estudou a evolução da capacidade motora de seis crianças, com idades entre 5 e 9 anos, a partir de sessões em que elas eram estimuladas a se mexer conforme a música. “Em cada sessão, a criança era tirada da cadeira de rodas, trazida ao tatame e colocada no meu colo. Ao som de músicas infantis, eu dançava e o movimento do meu corpo estimulava movimentos no corpo dela. Fiz a análise do quanto este contato poderia promover ganho de equilíbrio e reações posturais na criança”, afirma. Segundo ela, a pesquisa teve por objetivo geral avaliar se os exercícios da dança de contato, aplicados à criança com paralisia cerebral, poderiam impactar na modificação e ampliação do seu repertório de mobilidade e de expressões cognitivas (atenção) e emocionais (satisfação e insatisfação) durante a atividade. Duas vezes por semana, cada criança passava por uma sessão de 30 minutos em que eram realizados três exercícios básicos da dança de contato. Criada especificamente para o contexto do estudo, a dança compõe-se de exercícios que combinam ações de rolar, girar, subir, escorregar, aproximar e afastar, inclinar e retornar da inclinação, trazendo a brincadeira para o processo de estimulação das crianças com paralisia cerebral participantes da pesquisa. Elizabeth explicou que o estudo fez a análise de 21 sessões, registrando em vídeo quatro delas. “Eu choro cada vez que assisto aos vídeos porque cada conquista das crianças é uma satisfação indescritível. Elas não têm oportunidade de experimentar o meio como uma criança sem limitações experimenta. Eu sentia os ganhos de interação das crianças principalmente através do olhar”,


afirmou. Especificamente, os exercícios puderam comparar os desempenhos cognitivos e motores com o auxílio de testes neuropsicológicos (testes Gross Motor Function Classification System (GMFCS de mobilidade para determinar o nível de independência locomotora), Columbia Mental Maturity Scale (CMMS/Columbia – de raciocínio e maturidade mental) e Gross Motor Function Measure (GMFM - da função motora grossa) antes e após a intervenção da dança, além de acompanhar a evolução dos desempenhos dos participantes com paralisia cerebral através de um etograma (uma tabela de desempenho e análise) comportamental elaborado a partir das imagens coletadas nos vídeos. BENEFÍCIOS - Foram percebidas modificações na atenção, com evolução no comportamento cognitivo; na motricidade, com a diminuição dos movimentos involuntários de membros superiores e inferiores; diminuição de movimentos incoordenados de cabeça, tronco e membros superiores; aumento de movimento coordenado de cabeça, tronco e membros superiores e inferiores. Em contrapartida, houve diminuição do movimento coordenado global, ou seja, a estimulação impactou o desenvolvimento de aspectos motores, cognitivos e interativos. Segundo Elizabeth, os resultados da pesquisa indicaram que quanto maior o número de sessões, menor foi a falta de coordenação para cabeça, tronco e membros; maior foi a aquisição de controle motor e, consequentemente melhoraram funcionalidade e expressividade. "Os efeitos da intervenção Dança de Contato sobre os aspectos cognitivos, interativos e motores indicaram ser possível a utilização desta abordagem como instrumento de intervenção neuropsicológica”, explica. Em outras palavras, se for levado em consideração que a intervenção totalizou um período de dois meses pode-se sugerir que as modificações dos padrões comportamentais se evidenciaram, não por ter havido maturação neural natural, mas sim, devido aos 53 estímulos recebidos. “Ao adquirir maior controle sobre os próprios movimentos e conquistar independência motora entre as unidades corporais dissociando cintura pélvica e escapular, controlando a mobilidade da cabeça ou controlando o movimento de membros superiores e inferiores, a criança se faz capaz de atribuir funções às unidades corporais”, argumentou a pesquisadora. Elizabeth se envolveu com o tema quando conheceu o professor Sérgio Leme, do Instituto de Psicologia, em um congresso sobre paralisia cerebral. A partir desse contato, Sérgio a estimulou a se inscrever no mestrado em Neurociências do Comportamento e aprofundar o estudo. “Somos todos diferentes e precisamos respeitar as diferenças dos outros. Me senti envolvida o tempo todo. Acho que estou contribuindo e a alegria é imensa. Eu me sinto com o compromisso de continuar”, afirma a fisioterapeuta, formada também em dança contemporânea. METODOLOGIA – A pesquisadora iniciou o estudo fazendo uma triagem a partir da observação de crianças da Escola Especial 2, em Brasília. Seis crianças com idade entre 5 e 9 anos (dois meninos e quatro meninas), foram as escolhidas para a pesquisa por apresentarem um diagnóstico clínico de encefalopatia crônica não progressiva da infância (chamada de paralisia cerebral, é uma desordem caracterizada por alteração do movimento por conseqüência de uma lesão não progressiva do cérebro ainda na fase de desenvolvimento) e quadro clínico de quadriplegia do tipo mista (com comprometimento nos quatro membros do corpo e alto déficit de cognição ou pouca capacidade de compreensão). Elizabeth conversou com os pais das crianças, explicando como seria o estudo e colhendo informações sobre o comportamento em casa. Os responsáveis assinaram termo de consentimento e autorização do uso das imagens para eventos científicos e publicação em revistas, livros e artigos científicos. Ela resguardou o sigilo em relação a todos os participantes substituindo seus nomes por números (o nome dos participantes não foi divulgado). Quanto às perspectivas para o futuro, Elizabeth pretende levar o conhecimento da pesquisa para as escolas. Seus atuais orientandos, alunos de Licenciatura em Dança, pelo Instituto Federal de Brasília (IFB), trabalham com o ensino especial. “Passo a linguagem adiante para esses professores poderem atuar sob este olhar sensível, nas escolas públicas. A meta é formar multiplicadores desta


técnica, pois meu grande sonho é treinar pessoas para se chegar ao maior número possível de crianças”. Elizabeth destacou também que pretende fazer algo pela UnB, especialmente desenvolvendo um trabalho semelhante no Hospital Universitário da UnB (HUB). TRAJETÓRIA – A bailarina Elizabeth Maia formou-se em dança contemporânea e terapia através da dança pela Faculdade Escola Angel Vianna, no Rio de Janeiro em 1992. Após contato com o bailarino tetraplégico norte-americano Bruce Cortes, Elizabeth tomou gosto pela causa da inclusão social e adotou-a em seus estudos já no início da carreira. Foi pioneira no Brasil na área de reabilitação hospitalar, implantando a dança na reabilitação de pacientes com comprometimentos neurológicos nos hospitais da Rede Sarah Kubitschek, em 1993. Em seguida, graduou-se em fisioterapia e concluiu a especialização em fisioterapia neurofuncional pela Escola Superior de Ensino Helena Antipoff, da Sociedade Pestalozzi do Rio de Janeiro, em 2003. Elizabeth tem experiência na área de Fisioterapia Neurofuncional com ênfase em Educação Somática e experiência em dança contemporânea com ênfase em dançoterapia. Atua como docente no Instituto Federal de Brasília (IFB) no curso de Licenciatura em Dança. Fonte: Secretaria de Comunicação da UnB http://www.jornalbrasil.com.br/?pg=desc-noticias&id=68144&nome=Pesquisadora%20utiliza%20a %20dan%E7a%20em%20crian%E7as%20com%20paralisia%20cerebral


Veículo:

Jornal do Brasil

Editoria:

Pag:

Assunto:Bioindicadores marinhos auxiliam análises de impacto ambiental ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

(x) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo

Data: 11/1/2013

(x) Não

Programa:

Bioindicadores marinhos auxiliam análises de impacto ambiental Verão, férias, praias. Para saber quais são as praias próprias para mergulho e quais estão contaminadas, órgãos ambientais fazem análises hidroquímicas de todo o litoral do Brasil. E uma pesquisa conduzida no Instituto de Geociências e na Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (USP) demonstrou a importância da análise geoquímica dos sedimentos e dos bioindicadores marinhos em análises de impacto ambiental, podendo auxiliar na avaliação das praias. O trabalho foi coordenado pela professora Wânia Duleba e teve o objetivo de avaliar a qualidade ambiental da água e dos sedimentos de locais distintos: dos emissários submarinos do Araçá e do Terminal Petrolífero Almirante Barroso (Tebar). “Essas duas regiões estão localizadas em São Sebastião, no litoral de São Paulo, e estão submetidas a esgotos, sendo um deles doméstico (Araçá) e outro industrial ou petroquímico (Tebar)”, disse Duleba. A pesquisa comparativa avaliou a influência de dois tipos de efluentes no meio marinho. As análises foram além dos aspectos hidroquímicos do local. Os pesquisadores determinaram as características geoquímicas do sedimento (ou assoalho) marinho e analisaram como a biota (conjunto de seres vivos do local) reage à presença de diferentes tipos de componentes na água. O organismo vivo escolhido para viabilizar a análise foi uma espécie oportunista de foraminífero bentônico, a Ammonia tepida. “Trata-se de um protozoário com uma carapaça calcária que habita o


assoalho marinho, de onde absorve os elementos químicos que, ocasionalmente, são depositados no mar”, disse Duleba. A coleta dos foraminíferos foi realizada em diferentes estações dos anos de 2005, 2006 e 2007. Logo em seguida, as carapaças dos protozoários ainda vivos foram submetidas a análises químicas por espectrômetros de massa. Duleba destaca a importância de se realizar as análises em organismos vivos. “Anteriormente, estudos ambientais costumavam fazer as observações em organismos mortos. No entanto, nossa pesquisa mostrou que é preciso avaliá-los ainda vivos, pois, quando morrem, já não refletem mais o momento da coleta”, disse. Metal nas carapaças Análises granulométricas e geoquímicas do sedimento, obtidos no Instituto de Geociências, e dados hidroquímicos da coluna d’água, fornecidos pela Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) também foram levados em consideração pelos pesquisadores, que verificaram um pico de contaminação por cobre no efluente do Tebar no segundo semestre de 2006. “Nas carapaças dos foraminíferos coletados no período foi detectada forte presença de cobre. Em 2005/2006, os foraminíferos tinham tamanho reduzido e sua quantidade no assoalho marinho era baixa, assim como a biodiversidade da área, indicando uma possível situação anômala”, disse Duleba. Os elementos químicos das carapaças foram obtidos por espectrometria de massa na Universidade de Bremen, na Alemanha, e por fluorescência de raio X por luz síncrotron no Laboratório Nacional de Luz Síncrotron, em Campinas. A pesquisadora salienta que a área marinha avaliada não excedeu os limites de poluentes permitidos por órgãos ambientais nos demais períodos analisados. “Não se pode afirmar que a coluna d’água de São Sebastião, submetida a intenso despejo de efluentes dos emissários submarinos do Araçá e do Tebar, esteja contaminada”, disse. Entretanto, ao confrontar as variáveis hidroquímicas fornecidas pela Cetesb com as do sedimento e sua biota, os pesquisadores observaram que, nas carapaças dos foraminíferos, a presença de alguns componentes químicos era maior do que a detectada na água. “Em pesquisas de impacto ambiental, não adianta fazer análises apenas da água de uma região marinha. É preciso considerar o sedimento e, principalmente, a biota bentônica do local. Os órgãos ambientais devem se atentar a esse fator”, afirmou Duleba. Agência Fapesp http://www.jb.com.br/ciencia-e-tecnologia/noticias/2013/01/11/bioindicadores-marinhos-auxiliamanalises-de-impacto-ambiental/


Veículo:

Jornal Brasil on-line

Editoria:

Pag:

Assunto:Fórum Econômico Mundial alerta que riscos climáticos são ameaça crescente ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

(x) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo (x) Não

Data: 11/01/2013

Programa:

Fórum Econômico Mundial alerta que riscos climáticos são ameaça crescente O Fórum Econômico Mundial lançou nesta terça-feira (8) um relatório baseado em uma pesquisa de mais de 1000 especialistas da indústria, governos e academia que analisa 50 riscos globais em termos de impactos, probabilidade e interconexões. O Relatório Riscos Globais 2013 aponta que as condições financeiras difíceis, aliadas com os frequentes eventos climáticos extremos, representam uma combinação “cada vez mais perigosa” para a economia global. De um modo geral, a oitava edição do documento sugere que o mundo corre cada vez mais risco à medida que os impasses econômicos enfraquecem a capacidade de se enfrentar os desafios ambientais. O relatório ressalta que a grande diferença de renda, seguida pelos desequilíbrios fiscais, são os dois maiores riscos globais, mas o aumento das emissões de gases do efeito estufa aparece logo em seguida, como o 3º maior risco geral. Rainer Egloff, da seguradora Swiss Re, declarou ao BusinessGreen que as mudanças climáticas também contribuem para outros riscos identificados pelos participantes da pesquisa, como preocupações com a oferta de alimentos e água e riscos relacionados à saúde. “O estresse contínuo do sistema econômico global está posicionado para absorver a atenção dos líderes no futuro próximo. Enquanto isso, o sistema ambiental da Terra está


simultaneamente ficando sob crescente estresse. Os futuros choques simultâneos de ambos os sistemas podem desencadear a ‘tempestade global perfeita’, com consequências potencialmente insuperáveis”, afirma o texto. “Na frente econômica, a resiliência global está sendo testada por políticas fiscais austeras. Na frente ambiental, a resiliência da Terra está sendo testada pelo aumento das temperaturas globais e eventos climáticos extremos que provavelmente se tornarão mais frequentes e severos. Um colapso grande e repentino em uma frente certamente prejudica a chance da outra de desenvolver uma solução efetiva e em longo prazo”, acrescenta. Para lidar com esse impasse, John Drzik, diretor executivo do Fórum Econômico Mundial, pediu que os criadores de políticas tomem medidas urgentes para combater os riscos ambientais e econômicos e sua relação. “Duas tempestades – ambiental e econômica – estão a caminho de uma colisão. Se não alocarmos os recursos necessários para mitigar o crescente risco de eventos climáticos severos, a prosperidade global para futuras gerações pode ser ameaçada. Líderes políticos, líderes empresariais e cientistas precisam se unir para administrar esses riscos complexos”, comentou Drzik. No entanto, Egloff chamou a atenção para a dificuldade de fazer com que criadores de políticas e empresas se comprometam com riscos climáticos. “O relatório argumenta que temos evidências das mudanças climáticas e a necessidade urgente de investir no combate ao problema, mas também temos problemas econômicos urgentes que estão absorvendo a atenção dos líderes políticos”, observou. “Estamos vendo a tomada de decisões frequentemente ir em outra direção e como resultado há um grande risco de que a decisão de agir sobre as mudanças climáticas seja adiada”, concluiu.

Fonte: Instituto CarbonoBrasil/EcoAgência


Veículo:

Jornal A Crítica

Editoria: Economia

Pag: A11

Assunto: Concurso da UEA oferece 19 vagas para professores ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

(x) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam: Programa:

( ) Sim

(x) Não

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo

Data: 11/01/2013


Veículo:

Jornal A Crítica

Editoria: Mundo

Pag: A14

Assunto:Boa notícia para os diabéticos ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam: Programa:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo (x) Não

Data: 11/01/2013


Veículo:

Jornal A Crítica

Editoria: Cidades

Pag: C4

Assunto:(Nota) Novo Horário- Programação de Férias ( ) Release da assessoria de imprensa ( )Matéria articulada pela assessoria (xIniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( )Release de outra instituição ( )Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam: Programa:

( )Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo (x)Não

Data: 11/01/2013


Veículo:

Jornal Diário do Amazonas

Editoria: Economia

Pag: 10

Assunto:UEA lança editais de concurso para contratação de professores nas áreas de humanas e saúde ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

(x) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam: Programa:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo (X) Não

Data: 11/01/2013


Veículo:

Jornal Diário do Amazonas

Editoria: Sociedade

Pag: 16 e 17

Assunto: Longevidade em ilha no lesta da Grécia intriga cientistas ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

(x) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam: Programa:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo (X) Não

Data: 11/01/2013



CLIPPING FAPEAM - 11.01.2013