Issuu on Google+


Veículo: Site – Reporter Parintins Editoria: Assunto: Empresários distribuem da telha na SBPC Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Pag: Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação Publicado no site da FAPEAM:

Programa:

Sim

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Empresários distribuem da telha na SBPC Foto: Denison Silvan/Fapeam A distribuição dos produtos da empresa Telha Leve na cidade de Recife foi o ponto alto da Rodada de Negócios desta sexta-feira (26 de julho), que ocorreu no estande do Governo do Estado do Amazonas. A iniciativa é uma atividade paralela a 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que está sendo realizada na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). A Rodada de Negócios contou com a participação do empresário recifense Paulo Santos e do amazonense Rafael F. Miranda. Sócio do Armazém Casa Amarela, localizado na Avenida Norte, em Recife, Santos demonstrou interesses nas telhas feitas a partir de garrafas PETs recicladas. “O produto parece promissor aqui em Pernambuco. Creio que terá uma boa aceitação pelo público, pois é uma telha bonita e leve. O próximo passo agora é termos um mostruário em nossa loja. Conforme a demanda pelo produto, faremos os pedidos para os donos da empresa Telha Leve”, informou. Para Rafael Miranda, a Rodada de Negócios foi uma oportunidade para mostrar o produto telha leve em outras regiões do País. Miranda disse que a SBPC é uma ocasião também para se fechar negócios, pois permitiu o contato com empreendedores do ramo da construção civil de Pernambuco. “Acredito que sairá grandes negócios daqui, com a possibilidade de distribuição da telha leve em Recife”, salientou. Rodada de Negócios - A atividade é coordenada pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti-AM), com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), em parceria com o Sebrae/AM e Sebrae/PE, e visa não só divulgar os produtos de base tecnológica desenvolvidos por empresas do Amazonas, mas também promover os avanços da ciência nas diversas áreas do conhecimento. http://www.reporterparintins.com.br/?q=276-conteudo-47489-empresarios-distribuem-da-telha-nasbpc


Veículo: Site – Portal do Holanda Editoria: Pag: Assunto:Programa de divulgação científica da Fapeam é destaque na 65ª SBPC Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Programa de divulgação científica da Fapeam é destaque na 65ª SBPC Apesar de ser novo – com apenas sete edições – o Programa de Comunicação Científica da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas tem um papel de destaque no cenário nacional relativo à divulgação científica produzida pelas Fundações de Amparo à Pesquisa do Brasil. A afirmativa ficou evidente durante a apresentação da mesa-redonda ‘A divulgação científica e a Fundações de Amparo à Pesquisa’, como parte da programação da 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. No evento, representantes de comunicação dos Estados do Amazonas, Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais explanaram sobre as atuações de suas instituições no âmbito da divulgação da ciência. A Fapeam é a mais nova em relação às Fundações de Amparo de SP, RJ e MG. Entretanto é a que apresenta um projeto de divulgação científica mais consistente e inovador em relação às demais. Para alcançar tal posto, a Fundação, em parceria com a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, oferece editais específicos com bolsas de pesquisa visando estimular profissionais e estudantes a atuarem na divulgação de ciência, para criar vocações na área. Um dos pontos de destaque da Fundação é a especialização em jornalismo científico, criada pela Fapeam/Secti-AM em conjunto com o Instituto Leônidas e Maria Deane/Fiocruz Amazônia e o Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde, que capacita profissionais no campo da divulgação científica e contribui na criação de uma cultura em divulgação científica na região norte.


Outro diferencial da Fapeam são os encontros promovidos entre jornalistas e cientistas. O objetivo é diminuir a tensão existente entre as duas áreas, no sentido de se reconhecer que é necessária a divulgação da pesquisa do profissional da ciência, todavia, com um entendimento de mais qualidade por parte do profissional do jornalismo. A coordenadora do Programa de Comunicação Científica da Fapeam, Edilene Mafra, mostrou os inúmeros produtos elaborados pela Fundação. O ponto inovador foi o aplicativo para acessar a revista Amazonas Faz Ciência, via tablet. Os produtos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo são os que têm mais alcance e, também, o site da instituição tem sua versão em inglês. Como exemplo, a jornalista Graça Mascarenhas, afirmou que o Boletim Fapesp possui 7 mil assinantes, sendo que deste universo, 1,2 mil são jornalistas. “Isso significa dizer que nosso material é reproduzido em outro sites”, Portal do Holanda http://www.portaldoholanda.com/amazonas/programa-de-divulgacao-cientifica-da-fapeam-edestaque-na-65-sbpc


Veículo: Site – Jus Brasil Editoria: Pag: Assunto:Programa de divulgação científica da Fapeam é destaque na 65ª SBPC Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Programa de divulgação científica da Fapeam é destaque na 65ª SBPC Publicado por Governo do Estado do Amazonas (extraído pelo JusBrasil) - 2 dias atrás Apesar de ser novo – com apenas sete edições – o Programa de Comunicação Científica da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) tem um papel de destaque no cenário nacional relativo à divulgação científica produzida pelas Fundações de Amparo à Pesquisa do Brasil. A afirmativa ficou evidente durante a apresentação da mesa-redonda ‘A divulgação científica e a Fundações de Amparo à Pesquisa’, que ocorreu na tarde de quarta-feira (24), como parte da programação da 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). No evento, representantes de comunicação dos Estados do Amazonas (AM), Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP) e Minas Gerais (MG) explanaram sobre as atuações de suas instituições no âmbito da divulgação da ciência. A Fapeam é a mais nova em relação às Fundações de Amparo de SP, RJ e MG. Entretanto é a que apresenta um projeto de divulgação científica mais consistente e inovador em relação às demais. Para alcançar tal posto, a Fundação, em parceria com a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti-AM), oferece editais específicos com bolsas de pesquisa visando estimular profissionais e estudantes a atuarem na divulgação de ciência, para criar vocações na área. Um dos pontos de destaque da Fundação é a especialização em jornalismo científico, criada pela Fapeam/Secti-AM em conjunto com o Instituto Leônidas e Maria Deane/Fiocruz Amazônia e o Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz), que


capacita profissionais no campo da divulgação científica e contribui na criação de uma cultura em divulgação científica na região norte. Outro diferencial da Fapeam são os encontros promovidos entre jornalistas e cientistas. O objetivo é diminuir a tensão existente entre as duas áreas, no sentido de se reconhecer que é necessária a divulgação da pesquisa do profissional da ciência, todavia, com um entendimento de mais qualidade por parte do profissional do jornalismo. A coordenadora do Programa de Comunicação Científica da Fapeam, Edilene Mafra, mostrou os inúmeros produtos elaborados pela Fundação. O ponto inovador foi o aplicativo para acessar a revista Amazonas Faz Ciência, via tablet. Os produtos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) são os que têm mais alcance e, também, o site da instituição tem sua versão em inglês. Como exemplo, a jornalista Graça Mascarenhas, afirmou que o Boletim Fapesp possui 7 mil assinantes, sendo que deste universo, 1,2 mil são jornalistas. “Isso significa dizer que nosso material é reproduzido em outro sites”, comentou http://gov-am.jusbrasil.com.br/politica/104234868/programa-de-divulgacao-cientifica-da-fapeame-destaque-na-65-sbpc


Veículo: Site – Reporter Parintins Editoria: Assunto:Alunos de escola estadual criam pomada cicatrizante Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Pag: Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria

✘ - Positivo

- Negativo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação Publicado no site da FAPEAM:

Sim

Não Data: 29/07/2013

Alunos de escola estadual criam pomada cicatrizante Foto: Denison Silvan/FAPEAM Com uma enzima encontrada no mamão, a papaína, alunos do Programa Ciência na Escola (PCE), estão desenvolvendo uma pomada para ajudar a cicatrizar queimaduras, um resultado prático do conhecimento científico aprendido em sala de aula na Escola Estadual Professora Ondina de Paula Ribeiro, localizada na zona sul de Manaus. A pomada de mamão está sendo apresentada ao público de Recife, durante a 65ª Reunião Anual da SBPC, que começou no domingo (21 de julho) e termina nesta sexta-feira (26). O programa é uma iniciativa do Governo do Estado, por intermédio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), que oferece bolsas de estudos a alunos do Ensino Médio e disponibiliza a infraestrutura necessária ao desenvolvimento da pesquisa, em parceria com a Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino (Seduc). Coordenado pela professora Valéria Vasconcelos de Andrade, o projeto de pesquisa, vinculado ao PCE, tem como objetivo, além do desenvolvimento da pomada cicatrizante, familiarizar os alunos da disciplina de Química com os aspectos teóricos e práticos da Ciência. As aulas práticas são ministradas no laboratório da escola, equipado com estufa, vidrarias e bancadas. Quando são necessários equipamentos mais sofisticados, como rotaevaporador e liofilizador, o projeto de pesquisa conta com a parceria do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa). “A partir da implantação do PCE na nossa escola, os alunos ficaram mais motivados e passaram a ter mais curiosidade em relação aos procedimentos científicos”, afirmou Valéria Andrade. Para um dos participantes do projeto, o aluno Allan Marques, de 18 anos, que está cursando o


terceiro ano do Ensino Médio, a pesquisa científica estimulada pelo PCE é um diferencial importante em seus estudos, porque permite uma compreensão mais clara dos procedimentos laboratoriais e une a teoria à prática. Ele já pensa em um curso de graduação que dará prosseguimento ao que está aprendendo, possivelmente o de Farmácia ou Química. “Com o projeto de pesquisa, eu tive uma maior aproximação com os professores, fortalecendo o espírito de equipe e assimilando bem melhor o conteúdo apresentado em sala de aula”, afirmou o estudante. Agência de Comunicação do Amazonas (92) 3303 8372 / (92) 3303 8368 http://www.reporterparintins.com.br/?q=276-conteudo-47478-alunos-de-escola-estadual-criampomada-cicatrizante


Veículo: Site – Amazônia na Rede Editoria: Pag: Assunto:Reunião promove debate sobre a Rede de Indicadores Estaduais de C&T Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria

✘ - Positivo

- Negativo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação Publicado no site da FAPEAM:

Sim

Não Data: 29/07/2013

Reunião promove debate sobre a Rede de Indicadores Estaduais de C&T Publicado em Sexta, 26 Julho 2013 12:15 Com a presença de representantes das Fundações de Amparo à Pesquisa (FAPs), o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) realizou na quarta e quinta (24 e 25 de julho) a 2ª Reunião da Rede de Indicadores Estaduais de Ciência e Tecnologia (RIEC&T). O evento faz parte da programação da 65ª Reunião Anual da SBPC, que se estende até esta sextafeira (26), em Recife, Pernambuco. A reunião teve como objetivo a implementação da Rede de Indicadores Estaduais de C&T em todo o País, iniciativa do MCTI que pretende mensurar o quanto o poder público e as empresas privadas estão investindo em pesquisa e desenvolvimento e em outras atividades científicas, além dos resultados em termos de registro de patentes e produção de artigos científicos em todas as unidades da federação. Coordenada pelo MCTI, a Rede envolve instituições do sistema de CT&I dos Estados, Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap) e Conselho Nacional de Secretários Estaduais para Assuntos de Ciência, Tecnologia e Inovação (Consecti), além do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O Amazonas foi representado na reunião por Maria Olívia Simão, diretora-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), instituição vinculada ao Governo do Estado.


Durante o evento, foram apresentadas as metodologias para realizar o levantamento dos recursos disponibilizados pelos governos estaduais em C&T. Com esta ação, será possível elaborar um conjunto de indicadores importantes para subsidiar o planejamento e acompanhamento das ações de CT&I no País. Para a diretora-presidente da Fapeam, será possível, também, oferecer elementos sobre a evolução do setor com dados estaduais que devem ser sempre acompanhados de forma comparativa em relação a outras unidades da Federação. Ela salienta a complexidade de uma articulação como essa, principalmente por envolver equipes multidisciplinares e necessitar de um modelo de governança específico. “Certamente, o esforço é necessário nesse momento em que o País decide investir fortemente em ciência e inovação”, avaliou Maria Olívia Simão. (Agecom) http://www.amazonianarede.com.br/economia/6954-reuni%C3%A3o-promove-debate-sobre-arede-de-indicadores-estaduais-de-c-t


Veículo: Site – A Crítica Editoria: Pag: Assunto:Prevenção à pneumonia hospitalar é tema de pesquisa na FCecon Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação Publicado no site da FAPEAM:

Sim

Programa:

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Prevenção à pneumonia hospitalar é tema de pesquisa na FCecon A idéia original é mostrar através de ensaio clinico, a fisioterapia baseada em evidencias como adjuvante a equipe interdiciplinar na UTI Manaus (AM), 26 de Julho de 2013 ACRITICA.COM Medida da pressão Intra-Cuff está entre as propostas (Divulgação / ASFIAM) Um método preventivo para evitar que pacientes com câncer desenvolvam pneumonia associada à ventilação mecânica, uma infecção pulmonar grave que pode se desenvolver em pacientes que estão respirando com a ajuda de aparelhos, será tema de pesquisa desenvolvida na Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado (FCecon), pelo doutor em Fisioterapia Intensiva e fisioterapeuta da unidade, Daniel Xavier. Ele explica que a pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV) representa, aproximadamente, 60% das infecções hospitalares, sendo considerada um problema de saúde pública, com taxas de mortes significativas. "A prevenção pode reduzir o número de pacientes acometidos por esta infecção e com isso reduzir o uso de antibióticos, o tempo de permanência destes pacientes no hospital e mortes associadas a esta complicação infecciosa", disse. A pesquisa "Implementação da mensuração infra-cuff como rotina na unidade de tratamento intensivo oncológica como método preventivo do desenvolvimento da pneumonia associada à ventilação mecânica", será feita por meio do Programa de Apoio a Iniciação Científica (PAIC) da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam). " A idéia original é mostrar


através de ensaio clinico, a fisioterapia baseada em evidencias como adjuvante a equipe interdiciplinar na UTI. A proposta é incluir determinadas medidas e implementar protocolos na UTI do FCecon como a medida da pressão Intra-Cuff como forma de melhorar o serviço intensivista como todo. Colaborando dessa forma para uma melhor prestação de serviço em saúde e colaborando com a taxa de sobrevida desses pacientes criticamente enfermos", destacou o pesquisador. Daniel, que é presidente da Associação Amazonense de Fisioterapia (Asfiam) destaca a carência de estudos relevantes que contemplem a fisioterapia intensiva oncológica. "Essa pesquisa poderá nos trazer grandes benefícios para os pacientes com câncer internados na Unidade de Terapia Intensiva através de procedimentos e rotinas estabelecidas", afirmou. *Com informações da Assessoria de Comunicação da Asfiam http://acritica.uol.com.br/noticias/Prevencao-pneumonia-hospitalar-pesquisaFCecon_0_962303797.html


Veículo: Site – Parauapebas Editoria: Pag: Assunto:Inscrições ao Edital Criativos - Criação de Ativos da Amazônia seguem até 30/8 Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não

Programa:

Data: 29/07/2013

Inscrições ao Edital Criativos - Criação de Ativos da Amazônia seguem até 30/8 Empresas, institutos de pesquisa tecnológica e pessoas físicas (inventores e pesquisadores) dos estados do Acre, Amazonas, Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins estão convidados a submeter suas propostas até 30 de agosto de 2013. O foco é abordar, como linhas de interesse, produtos regionais (frutas, sementes, óleos essenciais, fibras e peixes); produção (bioindústria, biocosméticos, fitoterápicos, fitocosméticos, artefatos, móveis de madeira e biojoias); turismo e outros planos de negócios de setores que tenham o potencial de desenvolver a economia da região amazônica, como software, logística de transporte fluvial, energia, petróleo e gás, telecomunicações, mineração, eletrônica, entre outros. O Salão de Negócios consiste em promover o III Fórum de Investidores na Amazônia que busca incentivar propostas de negócios que valorizem a potencialidade regional e aliem rentabilidade e agreguem positividade ao desenvolvimento da Amazônia. A divulgação das propostas selecionadas ocorrerá a partir do dia 20 de setembro no site da FAPEAM e a resenha da Decisão do Conselho Diretor publicada no Diário Oficial do Estado do Amazonas (DOE). http://www.parauapebas.ufra.edu.br/


Veículo: Site – Portal do Zacarias Editoria: Pag: Assunto:Rodada de Negócios movimenta estande do Governo do Amazonas na SBPC Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Release da assessoria

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Rodada de Negócios movimenta estande do Governo do Amazonas na SBPC Com o tema ‘Do Amazonas a ciência para o novo Brasil’, o estande faz parte da ExpoT&C dentro da programação do evento A Rodada de Negócios está movimentando o estande do Governo do Estado na 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) que está sendo realizada em Recife (Pernambuco). O estande funciona das 9h às 18h, até esta sexta-feira, 26. Com o tema ‘Do Amazonas a ciência para o novo Brasil’, o estande faz parte da ExpoT&C dentro da programação do evento maior, onde participam profissionais que atuam em instituições de ensino e pesquisa, além das empresas que investem em Ciência, Tecnologia e Inovação. A Rodada de Negócios é coordenada pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti-AM), com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), em parceria com o Sebrae/AM e Sebrae/PE, e visa não só divulgar os produtos de base tecnológica desenvolvidos por empresas do Amazonas, mas também promover os avanços da ciência nas diversas áreas do conhecimento. As empresas participantes são: Mata Tropical, Sohervas, Oiram, LM da Amazônia, Pentop do Brasil, Cupuama, Amazon Doces e a Cooperativa Amazonense de Artesanato (Copamart). Os empresários garantem que a iniciativa está correspondendo aos objetivos, uma vez que é grande a procura por parte dos empresários locais para conhecer os produtos e as propostas visando efetivar negócios. Segundo eles, as expectativas estão sendo superadas.


Um dos exemplos dessa grande repercussão é a procura intensa pelos produtos expostos no estande da Pentop do Brasil. O empresário Marivaldo Albuquerque recebeu a visita de, pelo menos, cinco empresários, somente no primeiro dia. Entre os interessados estão a Prefeitura Municipal de Recife, Distribuidora de Livros, Livraria Recife e o Instituto de Cegos do Estado de Minas Gerais. “Espero até o final do evento conseguir fazer muito mais contatos, porque vejo o interesse dos participantes em conhecer nossos produtos”, complementou. Além da procura pela Rodada de Negócios, o estande recebe a visita de pessoas interessadas em comprar os produtos para consumo e venda. É o que está acontecendo no estande da Empresa Sohervas da Amazônia, que está atendendo um grande público interessado em provar e comprar a aguardente de açaí e o licor de cupuaçu, frutas típicas da região. Outros produtos que estão despertando o interesse dos visitantes são as balas de cupuaçu, castanha, maracujá e açaí, fabricadas pela Amazon Doces.

Todas as empresas participantes da Rodada de Negócios receberam financiamento do Governo do Estado, via Fapeam e Secti-AM, por meio do Programa Pappe Integração. Sobre a SBPC A SBPC é um dos maiores eventos científicos do Brasil e é realizada desde 1948. Com a participação de representantes de sociedades científicas, autoridades e gestores do sistema nacional de ciência e tecnologia, a Reunião Anual da SBPC é um fórum para a difusão dos avanços da ciência nas diversas áreas do conhecimento e para o debate sobre as políticas públicas para a ciência e tecnologia. http://www.portaldoantoniozacarias.com/site/noticia/Rodada-de-Negocios-movimenta-estande-doGoverno-do-Amazonas-na-SBPC/


Veículo: Site – Portal do Zacarias Editoria: Pag: Assunto:Rodada de Negócios movimenta estande do Governo do Amazonas na SBPC Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Empresários discutem distribuição da telha leve em estande do Amazonas na SBPC 26/07/2013 A distribuição dos produtos da empresa Telha Leve na cidade de Recife foi o ponto alto da Rodada de Negócios desta sexta-feira (26 de julho), que ocorreu no estande do Governo do Estado do Amazonas. A iniciativa é uma atividade paralela a 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que está sendo realizada na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). A Rodada de Negócios contou com a participação do empresário recifense Paulo Santos e do amazonense Rafael F. Miranda. Sócio do Armazém Casa Amarela, localizado na Avenida Norte, em Recife, Santos demonstrou interesses nas telhas feitas a partir de garrafas PETs recicladas. “O produto parece promissor aqui em Pernambuco. Creio que terá uma boa aceitação pelo público, pois é uma telha bonita e leve. O próximo passo agora é termos um mostruário em nossa loja. Conforme a demanda pelo produto, faremos os pedidos para os donos da empresa Telha Leve”, informou. Para Rafael Miranda, a Rodada de Negócios foi uma oportunidade para mostrar o produto telha leve em outras regiões do País. Miranda disse que a SBPC é uma ocasião também para se fechar negócios, pois permitiu o contato com empreendedores do ramo da construção civil de Pernambuco. “Acredito que sairá grandes negócios daqui, com a possibilidade de distribuição da telha leve em Recife”, salientou. Rodada de Negócios - A atividade é coordenada pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e


Inovação (Secti-AM), com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), em parceria com o Sebrae/AM e Sebrae/PE, e visa não só divulgar os produtos de base tecnológica desenvolvidos por empresas do Amazonas, mas também promover os avanços da ciência nas diversas áreas do conhecimento. Fonte: Agecom Foto: DENISON SILVAN/FAPEAM http://www.roteiroamazonico.com.br/site/noticias.php?cod=690


Veículo: Site – D24Am Editoria: Pag: Assunto:Embrapa investe no aumento de produção de mandioca para farinha no Amazonas Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação Publicado no site da FAPEAM:

Sim

Programa:

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Embrapa investe no aumento de produção de mandioca para farinha no Amazonas 27 Jul 2013 . 15:41 h . Com informações da assessoria . portal@d24am.com O projeto se chama ‘Manareiro’ e vai acontecer nos municípios de Manaquiri e Careiro Castanho A mandioca é plantada por hastes da planta chamadas manivas Manaus – O projeto da Embrapa Amazônia Ocidental, unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), vai promover capacitações sobre multiplicação rápida de manivas de mandioca, método que permite propagar uma quantidade 160 vezes a mais de manivas comparado ao método tradicional. O projeto se chama ‘Manareiro’ - Estratégia de multiplicação rápida de variedades superiores de mandioca para o aumento da produção de farinha e fécula no Estado do Amazonas - e vai acontecer nos municípios de Manaquiri e Careiro Castanho. A mandioca é plantada por hastes da planta chamadas manivas. Embora a mandioca seja um cultivo tradicional do Amazonas, nem sempre os agricultores conseguem manter uma reserva de manivas dos seus melhores materiais de mandioca para plantio, ou aproveitar adequadamente o potencial de germinação da planta. No Amazonas, a multiplicação de manivas-semente pelos agricultores ocorre geralmente pelo


método tradicional de propagação no qual se tira cerca de cinco a dez manivas-semente de uma planta adulta, quando ela atinge dez a 12 meses. Pelo projeto Manareiro, a Embrapa propõe capacitações no método de multiplicação rápida, pelo qual é possível a partir de uma planta adulta selecionar manivas para produzir cerca de 160 plantas, das quais, depois de estabelecidas em um campo de multiplicação, produzirão cerca de 1.600 manivas-semente de 20 cm, no período total de 16 meses. A Embrapa Amazônia Ocidental vem realizando há mais de 30 anos pesquisas para aumentar a produtividade da mandioca, com a seleção e recomendação de materiais com melhor qualidade para produção de farinha e fécula. As principais tecnologias disponíveis são os sistemas de produção de mandioca e as cultivares selecionadas para várzea e para terra firme. Pesquisas da Embrapa Amazônia Ocidental selecionaram cultivares de mandioca que permitem alcançar produtividade de até 33 toneladas de raiz por hectare, três vezes acima da média regional que é de 8 a 10 toneladas por hectare. Entretanto, a falta de manivas-semente de mandiocas de boa qualidade tem sido um problema enfrentado pelos agricultores do Amazonas. Para ajudar a superar esse problema, a Embrapa além de promover a capacitação na técnica de multiplicação rápida, vai coordenar também a multiplicação de materiais genéticos de mandioca de melhor qualidade selecionados em suas pesquisas, bem como de materiais de preferência dos agricultores dos dois municípios onde será desenvolvido o projeto. O agrônomo Raimundo Rocha, analista da área de Transferência de Tecnologia da Embrapa Amazônia Ocidental e coordenador do projeto Manareiro, explica que o aumento da produtividade da mandiocultura passa pela disponibilização para os agricultores de manivas-semente em quantidade, qualidade genética e fitossanitária adequadas. “Quando os agricultores plantam manivas sem selecionar a qualidade, perdem-se os melhores materiais e se cria uma situação em que vai caindo a produtividade”, afirma. “Por isso nesse projeto queremos contribuir com o aumento da produção de mandioca no estado do Amazonas a partir de uma seleção criteriosa para aumentar a qualidade de manivas-semente que serão multiplicadas”, explica Rocha. O projeto ‘Manareiro’ é uma proposta da Embrapa Amazônia Ocidental atendendo demanda do Governo do Estado do Amazonas, por meio da Secretaria de Produção Rural (Sepror). As atividades do projeto serão executadas pela Embrapa, em parceria com o Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Amazonas (Idam) e as Prefeituras de Manaquiri e Careiro-Castanho, através de suas secretarias municipais de agricultura e produção. Os recursos para o projeto serão financiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), no âmbito do Programa de Apoio à Consolidação das Instituições Estaduais de Ensino e/ou Pesquisa (Pró-Estado). Projeto O projeto pretende implantar duas Unidades de Multiplicação Rápida de Manivas de Mandioca (UMRM), uma no município de Manaquiri e outra no Careiro Castanho.


Em seguida, serão capacitados, principalmente, técnicos da extensão rural estadual e municipal sobre o método de propagação rápida de manivas de mandioca. Uma das metas é produzir cem mil mudas a partir da propagação rápida, para implantar nos campos de multiplicação. Serão implantados dois campos de multiplicação no município de Manaquiri e um campo no município do Careiro Castanho. Com isso será possível disponibilizar aos agricultores 1 milhão de manivas-semente multiplicadas e distribuídas para implantar 100 hectares de mandioca. http://www.d24am.com/amazonia/meio-ambiente/embrapa-investe-no-aumento-de-producao-demandioca-para-farinha-no-amazonas/92141


Veículo: Site – Revista Amazônia Editoria: Pag: Assunto:Pesquisa sobre produtos amazônicos na produção de biocombustíveis desperta interesse na SBPC Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Pesquisa sobre produtos amazônicos na produção de biocombustíveis desperta interesse na SBPC Notícias - Energia Sex, 26 de Julho de 2013 16:07 1374849522911Utilizar resíduos amazônicos como matéria-prima para biocombustíveis despertou a curiosidade dos participantes da 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). O trabalho foi desenvolvido pela pesquisadora da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Antônia Souza. Intitulado ‘Prospecção de cepas fúngicas amazônicas para aproveitamento de subprodutos da cadeia produtiva de biodiesel visando compostagem e produção de biocombustível de segunda geração’, o trabalho analisou dez tipos de resíduos da região. Segundo a pesquisadora, entre os resíduos estão a casca e o caroço do cupuaçu, a casca e a semente do maracujá, as cascas da macaxeira, do urucu, do coco, do guaraná, resíduos de pau-rosa e o bagaço da cana-de-açúcar. Os levantamentos foram realizados nos municípios de Maués, Barcelos e Presidente Figueiredo. A pesquisa é vinculada ao Programa Biocom, que conta com financiamento do Governo do Estado, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Estado do Amazonas (Fapeam), e Conselho Nacional de Pesquisa (CNPq). O projeto já contribuiu com a formação de dois mestres e vários alunos de Iniciação Científica.


Para a professora da rede municipal de ensino de Recife, Geovana Brito, a pesquisa possui grande valor científico e deve ser usada como modelo para outras regiões. "Os resultados apresentados podem impactar não somente o Amazonas, mas todo o Brasil. Acredito que podemos implementar também em nossa região por meio do aproveitamento dos resíduos da macaxeira, abundante no Nordeste", afirmou. Linhas de pesquisa "O trabalho identificou três linhagens de micro-organismos que podem ser utilizados na produção de bioetanol e na compostagem. Foram realizados ensaios com êxito na produção do bioetanol de segunda geração com dois destes resíduos e a compostagem com as amostras dos micro-organismos selecionadas. Esses testes apresentaram por volta de 80% a melhora de crescimento da semente do jerimum", afirmou Souza que é doutora em Genética e Evolução. As próximas etapas da pesquisa consistem em otimizar a produção do bioetanol de segunda geração e, ainda, pesquisar nova matéria-prima para a produção do biodiesel. "De posse desses resultados, queremos agora tornar esse bioetanol economicamente viável. Além disso, vamos buscar novas fontes a partir da biodiversidade microbiana para a produção de biodiesel", detalha. Fonte: Portal Amazônia http://www.revistaamazonia.com.br/energia/3631-pesquisa-sobre-produtos-amazonicos-naproducao-de-biocombustiveis-desperta-interesse-na-sbpc


Veículo: Site – Revista Amazônia Editoria: Pag: Assunto:Embrapa testa técnicas para melhorar produção da mandioca no Amazonas Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria

✘ - Positivo

- Negativo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação Publicado no site da FAPEAM:

Sim

Não Data: 29/07/2013

Embrapa testa técnicas para melhorar produção da mandioca no Amazonas Novo método permite multiplicar plantas e baratear custo do produto para o consumidor Enviar a um amigo MANAUS - A mandioca é um dos alimentos mais consumidos no Amazonas, porém o Estado sofre constantemente com a falta do produto no mercado, o que gera uma alta nos preços. Entre todos os subprodutos da mandioca, a farinha aparece sempre como a grande vilã da cesta básica. De acordo com a pesquisa mensal divulgada no úl3 de julho pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), a farinha de mandioca teve um aumento de 5,28% no último mês de junho. Projeto chamado \'Manareiro\' será implantado nos municípios de Manaquiri e Careiro Castanho. Foto: Divulgação/EmbrapaProjeto chamado \'Manareiro\' será implantado nos municípios de Manaquiri e Careiro Castanho. Foto: Divulgação/Embrapa Para aumentar a produção no Estado, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Emprapa) vai promover capacitações sobre multiplicação rápida de manivas (hastes da planta) de mandioca. O método permite propagar uma quantidade 160 vezes a mais de manivas comparado ao método tradicional. O projeto chamado 'Manareiro' será implantado nos municípios de Manaquiri e Careiro Castanho e receberá recursos do Governo do Estado do Amazonas e Secretaria de Produção Rural (Sepror) no montante de R$ 386.497,05. O projeto foi aprovado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), no âmbito do Pró-Estado (Programa de Apoio à Consolidação das


Instituições Estaduais de Ensino e/ou Pesquisa) e terá ainda o apoio do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam) e das prefeituras dos municípios contemplados e de suas secretarias municipais de agricultura e produção. Pelo projeto 'Manareiro', a Embrapa Amazônia Ocidental, unidade de pesquisas da Embrapa, propõe capacitações no método de multiplicação rápida, pelo qual é possível a partir de uma planta adulta, selecionar manivas para produzir cerca de 160 outras, das quais, depois de estabelecidas em um campo de multiplicação, produzirão cerca de 1.600 manivas-semente de 20 cm, no período total de 16 meses. Resultados futuros Mesmo sendo um cultivo tradicional no Amazonas, nem sempre os produtores conseguem manter uma reserva de manivas-semente que tenham uma boa qualidade ou resistência. O superintendente da área de Transferência de Tecnologia da Embrapa Amazônia Ocidental, Raimundo Rocha, explica que este é um grande gargalo para a produção. "Com o projeto visamos aumentar as safras, que anualmente ficam em torno de oito toneladas para 25 toneladas por comunidade. Para isso levaremos essa tecnologia para o campo, mas sem dispensarmos as tecnologias tradicionais que estão dando certo", disse. Os resultados começarão a ser vistos em 12 meses e poderão equilibrar os valores da cesta básica amazonense. "é o que buscamos com o projeto, o aumento da produtividade e o equilíbrio dos preços, sendo bom para os produtores e para os consumidores. A maior produção de mandioca terá um forte impacto na economia da Região Metropolitana de Manaus que é a maior consumidora de farinha e outros derivados da mandioca", afirma Rocha. Saiba mais sobre o método A multiplicação rápida de manivas é um método que foi desenvolvido pelo Centro Internacional de Agricultura Tropical (Ciat), da Colômbia, na década de 80, e depois adaptado às condições brasileiras por pesquisadores da Embrapa-Mandioca e Fruticultura. Esse método é consideradosimples e barato para propagação rápida de manivas-semente de mandioca e é avaliado como viável para o reestabelecimento em curto prazo, de uma quantidade de manivas-sementes com qualidade genética adequada, que no caso do Amazonas serão priorizadas as mais produtivas. http://www.portalamazonia.com/noticias/ciencia-e-tecnologia/20130726/embrapa-testa-tecnicaspara-melhorar-producao-mandioca-amazonas/978.shtml


Veículo: Site – UEA Editoria: Pag: Assunto:Estudantes de Parintins destacam novas metodologias para o ensino da Astronomia Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Estudantes de Parintins destacam novas metodologias para o ensino da Astronomia 26/07/2013 15:00 Recife (PE) – Ensinar conceitos sobre Astronomia de forma dinâmica e criativa. Essa é a principal essência de seis pesquisas apresentadas durante a 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em Recife. Os trabalhos são desenvolvidos em Parintins como parte das atividades do Núcleo de Ensino e Pesquisa em Astronomia (Nepa), da Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Para incentivar os estudos e o conhecimento das principais constelações, a acadêmica do curso de Física, Gisele Mota, desenvolve o projeto ‘Caça-palavras das Constelações e do Sistema Solar’ com alunos da rede municipal. “Primeiro tivemos aulas de observação com telescópio, ensinamos a posição das constelações no céu e o movimento dos planetas e do sol durante o ano. Com base nesses conhecimentos, também ensinamos técnicas de localização, assim como era feito antigamente”, informa. De posse dos conhecimentos iniciais, os alunos foram desafiados a encontrar o nome das 12 constelações, do sol, da lua e dos planetas em um grande tabuleiro de caça-palavras. “A equipe que encontrasse todos os nomes primeiro vencia a competição. Todos estavam motivados a participar da brincadeira e a interação entre os alunos era grande”, conta. Já o acadêmico Mateus Sarmento apresentou o projeto ‘Conhecendo o Universo’ desenvolvido com alunos do Ensino Médio na Escola Estadual Brandão de Amorim, em Parintins. “Fizemos


introdução teórica seguida de aula prática com uso de telescópio e, como resultado, tivemos a criação de cartas informativas explorando os conceitos estudados”, explica Sarmento. Para o acadêmico, a experiência de participar da SBPC será sempre lembrada por diversos aspectos. “É a primeira vez que eu saio do Amazonas e que eu apresento um trabalho científico. Essa experiência só pôde ser vivida graças ao incentivo do Governo do Amazonas e, com isso, a cidade de Parintins ganha muito, pois agora também passamos a dar destaque a nossa produção científica”, enfatiza. A forma didática e lúdica do ensino da Astronomia no ensino básico foi iniciada a partir de uma necessidade detectada em Parintins. “Fizemos uma busca por literatura sobre o tema no município e não encontramos nada. Com isso, surgiu a ideia de iniciarmos atividades nas escolas e desde o início contamos com o apoio não somente da nossa reitoria, mas também do Governo do Estado do Amazonas, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (FAPEAM)”, destaca o coordenador do Nepa, Nélio Sasaki. O trabalho também busca preparar alunos para atuarem como multiplicadores nas escolas. “O ensino da Astronomia no ensino básico tem sido feito de forma fragmentada. Alguns temas são ensinados em Geografia, História, Matemática e Física, mas aqui procuramos ensinar de forma interdisciplinar”, afirma Sasaki. Do total de nove trabalhos sobre Astronomia apresentados na Sessão de Pôsteres da SBPC na última quarta-feira (24/07), seis eram de alunos da UEA. Agência CT&I Amazonas, por Lívya Braga http://www1.uea.edu.br/noticia.php?notId=27449


Veículo: Site – Correio da Amazônia Editoria: Pag: Assunto:Prevenção à pneumonia hospitalar é tema de pesquisa na FCecon Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Prevenção à pneumonia hospitalar é tema de pesquisa na FCecon Publicado em Sexta, 26 Julho 2013 17:40 Prof. Daniel Xavier apresenta pesquisa na FCeconProf. Daniel Xavier apresenta pesquisa na FCecon Um método preventivo para evitar que pacientes com câncer desenvolvam pneumonia associada à ventilação mecânica, uma infecção pulmonar grave que pode se desenvolver em pacientes que estão respirando com a ajuda de aparelhos, será tema de pesquisa desenvolvida na Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado (FCecon), pelo doutor em Fisioterapia Intensiva e fisioterapeuta da unidade, Daniel Xavier. Ele explica que a pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV) representa, aproximadamente, 60% das infecções hospitalares, sendo considerada um problema de saúde pública, com taxas de mortes significativas. "A prevenção pode reduzir o número de pacientes acometidos por esta infecção e com isso reduzir o uso de antibióticos, o tempo de permanência destes pacientes no hospital e mortes associadas a esta complicação infecciosa", disse. A pesquisa "Implementação da mensuração infra-cuff como rotina na unidade de tratamento intensivo oncológica como método preventivo do desenvolvimento da pneumonia associada à ventilação mecânica", será feita por meio do Programa de Apoio a Iniciação Científica (PAIC) da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam). " A idéia original é mostrar através de ensaio clinico, a fisioterapia baseada em evidencias como adjuvante a equipe interdiciplinar na UTI. A proposta é incluir determinadas medidas e implementar protocolos na


UTI do FCecon como a medida da pressão Intra-Cuff como forma de melhorar o serviço intensivista como todo. Colaborando dessa forma para uma melhor prestação de serviço em saúde e colaborando com a taxa de sobrevida desses pacientes criticamente enfermos", destacou o pesquisador. Daniel, que é presidente da Associação Amazonense de Fisioterapia (Asfiam) destaca a carência de estudos relevantes que contemplem a fisioterapia intensiva oncológica. "Essa pesquisa poderá nos trazer grandes benefícios para os pacientes com câncer internados na Unidade de Terapia Intensiva através de procedimentos e rotinas estabelecidas", afirmou. http://www.correiodaamazonia.com.br/index.php/amazonas-saude/5072-preven %C3%A7%C3%A3o-%C3%A0-pneumonia-hospitalar-%C3%A9-tema-de-pesquisa-na-fcecon


Veículo: Site – D24Am Editoria: Pag: Assunto:Resíduos orgânicos da Amazônia são fontes de biocombustível Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Publicado no site da FAPEAM:

Programa:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Resíduos orgânicos da Amazônia são fontes de biocombustível 29 Jul 2013 . 08:00 h . Redação . portal@d24am.com Pesquisa realizada pela UEA desperta interesse na SBPC. Manaus - A possibilidade de utilizar resíduos amazônicos como matéria-prima para biocombustíveis despertou a curiosidade dos participantes da 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), realizada na capital pernambucana. O trabalho ‘Prospecção de cepas fúngicas amazônicas para aproveitamento de subprodutos da cadeia produtiva de biodiesel visando compostagem e produção de biocombustível de segunda geração’, que esteve disponível no estande do Governo do Amazonas, foi desenvolvido pela pesquisadora da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) Antônia Souza. A pesquisa é vinculada ao Programa Biocom, que conta com financiamento do governo do Estado, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Estado do Amazonas (Fapeam), e Conselho Nacional de Pesquisa (CNPq). O projeto já contribuiu com a formação de dois mestres e vários alunos de iniciação científica na região. Segundo a pesquisadora, foram analisados dez tipos de resíduos da região, entre eles a casca e o caroço do cupuaçu, a casca e a semente do maracujá, as cascas da macaxeira, do urucu, do coco, do guaraná, resíduos de pau-rosa e o bagaço da cana-de-açúcar. Os levantamentos foram realizados nos municípios de Maués, Barcelos e Presidente Figueiredo. “O trabalho identificou três linhagens de micro-organismos que podem ser utilizados na produção de bioetanol e na compostagem. Foram realizados ensaios com êxito na produção do bioetanol de


segunda geração com dois destes resíduos e a compostagem com as amostras dos micro-organismos selecionadas. Esses testes apresentaram por volta de 80% a melhora de crescimento da semente do jerimum”, afirmou Souza, que é doutora em Genética e Evolução. As próximas etapas da pesquisa consistem em otimizar a produção do bioetanol de segunda geração e, ainda, pesquisar nova matéria-prima para a produção do biodiesel. “De posse desses resultados, queremos agora tornar esse bioetanol economicamente viável. Além disso, vamos buscar novas fontes a partir da biodiversidade microbiana para a produção de biodiesel”, detalha. Para a professora da rede municipal de ensino de Recife, Geovana Brito, a pesquisa possui grande valor científico e deve ser usada como modelo para outras regiões. http://www.d24am.com/amazonia/ciencia/residuos-organicos-da-amazonia-sao-fontes-debiocombustivel/92223


Veículo: Site – Inpa Editoria: Pag: Assunto:“A reunião da SBPC é uma prestação de contas com a população” Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

- Negativo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

Não Data: 29/07/2013

“A reunião da SBPC é uma prestação de contas com a população” 2013-07-26 – 11:48:35 A afirmação é da presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Helena Nader, durante coletiva nesta quinta-feira (25), que anunciou ainda Rio Branco (AC) como sede da reunião em 2014 Por Fernanda Farias Recife (PE) A presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Helena Nader, afirmou nesta quinta-feira (25) durante entrevista à imprensa que a Reunião Anual da SBPC é uma forma de prestação de contas à sociedade. Nader e o reitor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Anísio Brasileiro, apresentaram um balanço preliminar da 65ª Reunião Anual, que acontece em Recife (PE). Para a presidente da SBPC, a reunião anual é uma forma de divulgar o que o Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e outras instituições estão fazendo para melhoria da sociedade. “As 110 sociedades científicas afiliadas participam dessa reunião, mostrando ao público tudo o que é realizado lá dentro”, explicou. Já Anísio Brasileiro, que também participou da coletiva de imprensa, demonstrou gratidão a todos os envolvidos e destacou a importância de eventos científicos, como a SBPC, para o desenvolvimento do país. “Antes e durante a SBPC são discutidos vários temas que estão presentes no cotidiano da população, como os problemas de saúde. Isso é fundamental para os jovens que


participam desse congresso”, declarou. Nader destacou ainda mais a participação dos jovens em bate-papo com os egressos do Programa Ciência sem Fronteiras: “Um congresso dessa magnitude muda a visão das pessoas. Vários jovens vieram falar comigo após as palestras dos estudantes que participaram do Ciência sem Fronteira e percebi o real interesse deles em participar do programa. E isso é maravilhoso, porque percebemos que a SBCP realmente muda a vida das pessoas”. No final da coletiva, a presidente anunciou a cidade de Rio Branco, no Acre, como sede da 66ª Reunião Anual da SBPC, que começará dia 20 de julho de 2014, por conta dos jogos da Copa do Mundo da Fifa, que acontecerão em várias capitais brasileiras. Foto da chamada: Josiane Santos http://www.inpa.gov.br/noticias/noticia_sgno2.php?codigo=2866


Veículo: Site – Inpa Editoria: Pag: Assunto:Inpa coordenará sessão paralela sobre a Amazônia durante Fórum Mundial de Ciência Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Inpa coordenará sessão paralela sobre a Amazônia durante Fórum Mundial de Ciência 2013-07-26 – 16:41:24 A confirmação foi feita pelo presidente da Academia Brasileira de Ciência (ABC), Jacob Palis, durante a 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em Recife (PE) Por Josiane Santos Recife (PE) O Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI) coordenará uma sessão paralela sobre o desenvolvimento e sustentabilidade da Amazônia no Fórum Mundial da Ciência (FMC), que acontece em novembro na cidade do Rio de Janeiro (RJ). A participação foi confirmada pelo presidente da Academia Brasileira de Ciência (ABC), Jacob Palis, durante sessão especial sobre o fórum na 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), quando apresentou a programação do evento que contará com a participação de cientistas brasileiros e estrangeiros discutindo e trocando experiência nas áreas em que atuam. O diretor do Inpa, Adalberto Val, considera a participação do Instituto no FMC um motivo de orgulho para o Brasil e em particular para a Amazônia, que mereceu uma sessão sobre o tema. “É um momento extremamente importante porque pela primeira vez na história o fórum vai ser realizado fora do nicho original que é em Budapeste, na Hungria. É uma sessão paralela sobre a Amazônia com a participação de diferentes países não só da América do Sul, mas também da


Europa, que vão discutir sobre diferentes assuntos relacionados à região”, explicou o diretor. Oportunidades de parcerias Palis afirmou ainda que o fórum internacional é uma oportunidade de firmar cooperações entre instituições brasileiras e estrangeiras, ressaltando que representantes de instituições de referências estarão no evento. Na avaliação do diretor do Inpa, as oportunidades de parcerias que surgirem serão avaliadas desde que a participação das instituições sejam igualitárias. “A cooperação precisa ser simétrica sempre e precisa estar pautada no ombro a ombro para que o desenvolvimento dos projetos não vire um processo de colonização e isso não nos interessa”, ressaltou Val. O Instituto tem parcerias com universidades e centros de pesquisas internacionais, a exemplos a Universidade de Kyoto no Japão - mapeamento do genoma do peixe-boi da Amazônia – e o Instituto de Biologia da Eslovênia (NIB – sigla em inglês) - estudo dos efeitos das mudanças climáticas sobre organismos aquáticos da Eslovênia. Adalberto Val acredita que a infraestrutura e a capacitação humana do Inpa são fatores significativos para possíveis cooperações. “ Eu diria que das instituições brasileiras, o Inpa está entre as que se destacam muito nesta área de cooperação internacional por dois motivos internacionais: primeiro por conta da Amazônia e segundo pela competência do instituto”, destacou o diretor. Arte da chamada: Logo oficial do Fórum Mundial da Ciência http://www.inpa.gov.br/noticias/noticia_sgno2.php?codigo=2869


Veículo: Site – Inpa Editoria: Pag: Assunto:SBPC: Inpa apresenta coleção científica ao público na ExpoT&C Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

- Negativo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

Não Data: 29/07/2013

SBPC: Inpa apresenta coleção científica ao público na ExpoT&C 2013-07-26 – 23:26:42 “É muito bacana ver as pessoas interessadas em conhecer mais sobre o que o Inpa vem desenvolvendo na Amazônia e isso é muito gratificante para toda equipe”, declarou o coordenador de Extensão do Inpa, Carlos Bueno Por Fernanda Farias Recife (PE) Entre as coleções científicas que o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI), apresentou no estande da ExpoT&C, da 65° Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), esta a coleção de insetos e de frutos da Amazônia. “O instituto sempre tenta envolver o público mostrando as várias curiosidades que a região amazônica possui, e esse ano trouxemos vários produtos feitos a partir de frutos amazônicos para que a população consiga conhecer um pouco da biodversidade da nossa região, e a SBPC sempre dá a oportunidade disso virar realidade”, disse o pesquisador do Inpa, Carlos Bueno. O Inpa tem a maior referência da biodiversidade da Amazônia, representada por suas coleções científicas iniciadas com a criação do Herbário Instituto em 28 de julho de 1954, imediatamente após a fundação. Na década de 90, o Inpa estabeleceu o Programa de Coleções e Acervos Científicos (PCAC) com objetivo de integrar e coordenar as iniciativas e atividades que visem manter e desenvolver os acervos das coleções científicas biológicas do Inpa.


O objetivo é manter representantes da biodiversidade amazônica para manter e elaborar bancos de dados para fins de pesquisa. A manutenção desse banco de dados também tem finalidade de orientar a tomada de decisões para políticas públicas. Arquivo para conhecimento Vários institutos ligados ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), também possuem acervos e coleções científicos, além de ferramentas de divulgação científica com finalidade de expor para população algumas descobertas que já foram realizadas pelos pesquisadores para que a sociedade tenha conhecimento. Como o Museu Paraense Emílio Goeldi, que possuem coleções científicas relacionadas na área de ciências humanas e ciências naturais, com coleções de botânica, ciências da terra que ficam disponíveis para o público, e em alguns eventos são levadas para demonstração, assim como o Instituto Mamirauá, que apresenta suas coleções em eventos científicos como a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT). No Museu de Astronomia e Ciências afins (Mast) as coleções são oriundas de várias instituições de pesquisas, como instrumentos de museologia e astronomia, e energia nuclear. De modo semelhante o observatório Nacional (ON), instituto de pesquisa que atua nas áreas de astronomia, geofísica e metrologia, disponibiliza pelo site uma coleção de revistas em quadrinho com o objetivo de alcançar o publico juvenil. “Nós temos nove revistas em quadrinhos disponíveis no nosso site, contando de forma lúdica para as crianças sobre os temas que envolve nossas áreas de conhecimento, tudo para que cada vez mais jovens se interessem em seguir a carreira científica e nosso país se desenvolva mais na área de C,T&I”, disse o pesquisador do ON, Rodrigo Rezende. Foto da chamada: Fernanda Farias http://www.inpa.gov.br/noticias/noticia_sgno2.php?codigo=2871


Veículo: Site – Inpa Editoria: Pag: Assunto:Ações ambientais, coleções científicas e pesquisas com frutos da Amazônia são destaques do Inpa na SBPC Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Ações ambientais, coleções científicas e pesquisas com frutos da Amazônia são destaques do Inpa na SBPC 2013-07-27 – 11:12:11 “Grande parte das pessoas que visitaram a ExpoT&C visitaram o estande do Inpa, e interagiram bastante com os expositores, certamente aprenderam algo sobre a potencial”, disse o coordenador de Extensão Carlos Bueno Por Fernanda Farias e Josiane Santos Recife (PE) O Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI) participou intensamente das atividades da 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), envolvendo desde palestras de pesquisadores que atuam no Instituto até degustação de alimentos feitos com frutos amazônicos. O Instituto também mostrou na SBPC um pouco das coleções científicas que mantém em Manaus (AM). Todos os anos o instituto leva para a reunião uma estrutura que abriga as mais diversas pesquisas ao que concernem as pesquisas desenvolvidas na região Amazônia. “Grande parte das pessoas que visitaram a ExpoT&C visitaram o estande do Inpa, e interagiram bastante com os expositores, certamente aprenderam algo sobre a potencial, necessidade de preservação e a interação que Amazônia precisa com outras regiões”, declarou Bueno o coordenador de Extensão do Inpa Carlos Bueno . Segundo a responsável pela Editora do Inpa, Shirley Cavalcante, os visitantes sempre se interessam


muito pelas pesquisas do instituto. “As pessoas são curiosas, gostam de conhecer mais sobre a região, pois muitas nunca foram para lá, e com o contado direto com as obras sobre as pesquisas o interesse deles aumenta”, comentou. Inpa na ExpoT&C Uma novidade que o Inpa mostrou na SBPC foi a palestra que apresentou seus meios de popularizar o conhecimento. “É muito importante o instituto mostrar para sociedade que além de realizar pesquisas referente a Amazônia, ele também se preocupa em disseminar todo esse conhecimento, por meio de educação ambiental, das publicações da editora, e ainda da assessoria de comunicação do Inpa”, afirmou o coordenador do Bosque da Ciência, Jorge Lobato. Outras palestras que o Inpa apresentou a comunidade foi a atividade educacional “Show das Águas” que foi realizada em Itapiranga (AM), e ainda a de tecnologia de criação de peixes em canais de igarapés na Amazônia, além da apresentação que levou o livro “Frutos amazônicos encontrados nas feiras de Manaus”. Outra ação que o Inpa realizou foi o lançamento de livros que este ano teve 24 novas obras 19 foram desenvolvidos durante a vigência do Projeto Fronteira (2007-2011), formato por equipes multidisciplinares do Instituto e apoiado pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). Foto da chamada: Josiane Santos http://www.inpa.gov.br/noticias/noticia_sgno2.php?codigo=2872


Veículo: Site – Portal do Governo do Estado do Amazonas

Editoria:

Pag:

Assunto:Estudantes da UEA destacam novas metodologias para o ensino da Astronomia na SBPC Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Estudantes da UEA destacam novas metodologias para o ensino da Astronomia na SBPC 16:15 - 26/07/2013 Foto - Divulgação Foto - Divulgação Ensinar conceitos sobre Astronomia de forma dinâmica e criativa. Essa é a principal essência de seis pesquisas apresentadas durante a 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em Recife. Os trabalhos são desenvolvidos em Parintins como parte das atividades do Núcleo de Ensino e Pesquisa em Astronomia (Nepa), da Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Para incentivar os estudos e o conhecimento das principais constelações, a acadêmica do curso de Física, Gisele Mota, desenvolve o projeto “Caça-palavras das Constelações e do Sistema Solar” com alunos da rede municipal de ensino. “Primeiro tivemos aulas de observação com telescópio, ensinamos a posição das constelações no céu e o movimento dos planetas e do sol durante o ano. Com base nesses conhecimentos, também ensinamos técnicas de localização, assim como era feito antigamente”, informa. De posse dos conhecimentos iniciais, os alunos foram desafiados a encontrar o nome das 12 constelações, do Sol, da Lua e dos planetas em um grande tabuleiro de caça-palavras. “A equipe que encontrasse todos os nomes primeiro vencia a competição. Todos estavam motivados a participar da brincadeira e a interação entre os alunos era grande”, conta.


Já o acadêmico Mateus Sarmento apresentou o projeto “Conhecendo o Universo” desenvolvido com alunos do Ensino Médio na Escola Estadual Brandão de Amorim, em Parintins. “Fizemos introdução teórica seguida de aula prática com uso de telescópio e, como resultado, tivemos a criação de cartas informativas explorando os conceitos estudados”, explica Sarmento. Para o acadêmico, a experiência de participar da SBPC será sempre lembrada por diversos aspectos. “É a primeira vez que eu saio do Amazonas e que apresento um trabalho científico. Essa experiência só pôde ser vivida graças ao incentivo do Governo do Amazonas e, com isso, a cidade de Parintins ganha muito, pois agora também passamos a dar destaque a nossa produção científica”, enfatiza. Atividades nas escolas – A forma didática e lúdica do ensino da Astronomia no ensino básico foi iniciada a partir de uma necessidade detectada em Parintins. “Fizemos uma busca por literatura sobre o tema no município e não encontramos nada. Com isso, surgiu a ideia de iniciarmos atividades nas escolas e desde o início contamos com o apoio não somente da nossa reitoria, mas também do Governo do Estado do Amazonas, por meio da Fapeam (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas)”, destaca o coordenador do Nepa, Nélio Sasaki. O trabalho também busca preparar alunos para atuarem como multiplicadores nas escolas. “O ensino da Astronomia no ensino básico tem sido feito de forma fragmentada. Alguns temas são ensinados em Geografia, História, Matemática e Física, mas aqui procuramos ensinar de forma interdisciplinar”, afirma Sasaki. Do total de nove trabalhos sobre Astronomia apresentados na Sessão de Pôsteres da SBPC na última quarta-feira (24 de julho), seis eram de alunos da UEA. http://www.amazonas.am.gov.br/2013/07/estudantes-da-uea-destacam-novas-metodologias-para-oensino-da-astronomia-na-sbpc/


Veículo: Site – Portal do Governo do Estado do Amazonas

Editoria:

Pag:

Assunto:Programa de divulgação científica da Fapeam é destaque na 65ª SBPC Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Programa de divulgação científica da Fapeam é destaque na 65ª SBPC 11:15 - 26/07/2013 Apesar de ser novo – com apenas sete edições – o Programa de Comunicação Científica da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) tem um papel de destaque no cenário nacional relativo à divulgação científica produzida pelas Fundações de Amparo à Pesquisa do Brasil. A afirmativa ficou evidente durante a apresentação da mesa-redonda ‘A divulgação científica e a Fundações de Amparo à Pesquisa’, que ocorreu na tarde de quarta-feira (24), como parte da programação da 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). No evento, representantes de comunicação dos Estados do Amazonas (AM), Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP) e Minas Gerais (MG) explanaram sobre as atuações de suas instituições no âmbito da divulgação da ciência. A Fapeam é a mais nova em relação às Fundações de Amparo de SP, RJ e MG. Entretanto é a que apresenta um projeto de divulgação científica mais consistente e inovador em relação às demais. Para alcançar tal posto, a Fundação, em parceria com a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti-AM), oferece editais específicos com bolsas de pesquisa visando estimular profissionais e estudantes a atuarem na divulgação de ciência, para criar vocações na área. Um dos pontos de destaque da Fundação é a especialização em jornalismo científico, criada pela Fapeam/Secti-AM em conjunto com o Instituto Leônidas e Maria Deane/Fiocruz Amazônia e o Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz), que capacita profissionais no campo da divulgação científica e contribui na criação de uma cultura em


divulgação científica na região norte. Outro diferencial da Fapeam são os encontros promovidos entre jornalistas e cientistas. O objetivo é diminuir a tensão existente entre as duas áreas, no sentido de se reconhecer que é necessária a divulgação da pesquisa do profissional da ciência, todavia, com um entendimento de mais qualidade por parte do profissional do jornalismo. A coordenadora do Programa de Comunicação Científica da Fapeam, Edilene Mafra, mostrou os inúmeros produtos elaborados pela Fundação. O ponto inovador foi o aplicativo para acessar a revista Amazonas Faz Ciência, via tablet. Os produtos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) são os que têm mais alcance e, também, o site da instituição tem sua versão em inglês. Como exemplo, a jornalista Graça Mascarenhas, afirmou que o Boletim Fapesp possui 7 mil assinantes, sendo que deste universo, 1,2 mil são jornalistas. “Isso significa dizer que nosso material é reproduzido em outro sites”, comentou. http://www.amazonas.am.gov.br/2013/07/programa-de-divulgacao-cientifica-da-fapeam-e-destaquena-65a-sbpc/


Veículo: Site – Portal do Governo do Estado do Amazonas

Editoria:

Pag:

Assunto:Rodada de Negócios movimenta estande do Governo do Amazonas na SBPC Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria

✘ - Positivo

- Negativo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação Publicado no site da FAPEAM:

Sim

Não Data: 29/07/2013

Rodada de Negócios movimenta estande do Governo do Amazonas na SBPC 10:58 - 26/07/2013 A Rodada de Negócios está movimentando o estande do Governo do Estado na 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) que está sendo realizada em Recife (Pernambuco). O estande funciona das 9h às 18h, até esta sexta-feira, 26. Com o tema ‘Do Amazonas a ciência para o novo Brasil’, o estande faz parte da ExpoT&C dentro da programação do evento maior, onde participam profissionais que atuam em instituições de ensino e pesquisa, além das empresas que investem em Ciência, Tecnologia e Inovação. A Rodada de Negócios é coordenada pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti-AM), com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), em parceria com o Sebrae/AM e Sebrae/PE, e visa não só divulgar os produtos de base tecnológica desenvolvidos por empresas do Amazonas, mas também promover os avanços da ciência nas diversas áreas do conhecimento. As empresas participantes são: Mata Tropical, Sohervas, Oiram, LM da Amazônia, Pentop do Brasil, Cupuama, Amazon Doces e a Cooperativa Amazonense de Artesanato (Copamart). Os empresários garantem que a iniciativa está correspondendo aos objetivos, uma vez que é grande a procura por parte dos empresários locais para conhecer os produtos e as propostas visando efetivar negócios. Segundo eles, as expectativas estão sendo superadas. Um dos exemplos dessa grande repercussão é a procura intensa pelos produtos expostos no estande da Pentop do Brasil. O empresário Marivaldo Albuquerque recebeu a visita de, pelo menos, cinco


empresários, somente no primeiro dia. Entre os interessados estão a Prefeitura Municipal de Recife, Distribuidora de Livros, Livraria Recife e o Instituto de Cegos do Estado de Minas Gerais. “Espero até o final do evento conseguir fazer muito mais contatos, porque vejo o interesse dos participantes em conhecer nossos produtos”, complementou. Além da procura pela Rodada de Negócios, o estande recebe a visita de pessoas interessadas em comprar os produtos para consumo e venda. É o que está acontecendo no estande da Empresa Sohervas da Amazônia, que está atendendo um grande público interessado em provar e comprar a aguardente de açaí e o licor de cupuaçu, frutas típicas da região. Outros produtos que estão despertando o interesse dos visitantes são as balas de cupuaçu, castanha, maracujá e açaí, fabricadas pela Amazon Doces. Todas as empresas participantes da Rodada de Negócios receberam financiamento do Governo do Estado, via Fapeam e Secti-AM, por meio do Programa Pappe Integração. Sobre a SBPC – A SBPC é um dos maiores eventos científicos do Brasil e é realizada desde 1948. Com a participação de representantes de sociedades científicas, autoridades e gestores do sistema nacional de ciência e tecnologia, a Reunião Anual da SBPC é um fórum para a difusão dos avanços da ciência nas diversas áreas do conhecimento e para o debate sobre as políticas públicas para a ciência e tecnologia. http://www.amazonas.am.gov.br/2013/07/rodada-de-negocios-movimenta-estande-do-governo-doamazonas-na-sbpc/


Veículo: Site – Portal do Governo do Estado do Amazonas

Editoria:

Pag:

Assunto:Reunião promove debate sobre a Rede de Indicadores Estaduais de C&T Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Reunião promove debate sobre a Rede de Indicadores Estaduais de C&T 10:47 - 26/07/2013 Com a presença de representantes das Fundações de Amparo à Pesquisa (FAPs), o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) realizou na quarta e quinta (24 e 25 de julho) a 2ª Reunião da Rede de Indicadores Estaduais de Ciência e Tecnologia (RIEC&T). O evento faz parte da programação da 65ª Reunião Anual da SBPC, que se estende até esta sexta-feira (26), em Recife, Pernambuco. A reunião teve como objetivo a implementação da Rede de Indicadores Estaduais de C&T em todo o País, iniciativa do MCTI que pretende mensurar o quanto o poder público e as empresas privadas estão investindo em pesquisa e desenvolvimento e em outras atividades científicas, além dos resultados em termos de registro de patentes e produção de artigos científicos em todas as unidades da federação. Coordenada pelo MCTI, a Rede envolve instituições do sistema de CT&I dos Estados, Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap) e Conselho Nacional de Secretários Estaduais para Assuntos de Ciência, Tecnologia e Inovação (Consecti), além do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O Amazonas foi representado na reunião por Maria Olívia Simão, diretora-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), instituição vinculada ao Governo do Estado.


Durante o evento, foram apresentadas as metodologias para realizar o levantamento dos recursos disponibilizados pelos governos estaduais em C&T. Com esta ação, será possível elaborar um conjunto de indicadores importantes para subsidiar o planejamento e acompanhamento das ações de CT&I no País. Para a diretora-presidente da Fapeam, será possível, também, oferecer elementos sobre a evolução do setor com dados estaduais que devem ser sempre acompanhados de forma comparativa em relação a outras unidades da Federação. Ela salienta a complexidade de uma articulação como essa, principalmente por envolver equipes multidisciplinares e necessitar de um modelo de governança específico. “Certamente, o esforço é necessário nesse momento em que o País decide investir fortemente em ciência e inovação”, avaliou Maria Olívia Simão. http://www.amazonas.am.gov.br/2013/07/reuniao-promove-debate-sobre-a-rede-de-indicadoresestaduais-de-ct/


Veículo: Site – UEA Editoria: Assunto:SBPC encerra com balanço positivo para expositores da UEA Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

Pag:

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

SBPC encerra com balanço positivo para expositores da UEA 26/07/2013 17:18 Recife (PE) - Professores, alunos e técnicos da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) avaliam como positiva a participação na 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), realizada de 22 a 26 de julho, em Recife. Durante cinco dias, a UEA apresentou no estande do Governo do Amazonas os projetos Telessaúde, Produção de Biocombustíveis, Coleção de frutos e pesquisas do laboratório de Proteômica e Genômica. Por meio dos projetos vinculados ao Telessaúde, a UEA mostrou aos participantes da SBPC como é possível facilitar o atendimento de pacientes e o trabalho clínico na atenção primária através de videoconferências, evitando deslocamentos desnecessários do paciente e qualificando os diagnósticos. “Os visitantes entendem que o serviço oferecido é uma solução para resolver os problemas de atendimento médico em comunidades de difícil acesso. Além disso, sugerem que a ferramenta seja disponibilizadas para outros estados com o objetivo proporcionar esse atendimento rápido e de qualidade”, destaca o técnico Sandro Vieira. No estande do Governo do Amazonas também foram mostrados os principais projetos desenvolvidos no laboratório de Proteômica e Genômica da UEA, que atua no desenvolvimento de pesquisas nos campos da genética animal e humana. Os expositores passaram informações a respeito do uso de marcadores moleculares para teste de paternidade, dos estudos das bases moleculares de doenças genéticas e das técnicas de utilização de marcadores microssatélites. Thais Damasceno, 21, é finalista do curso de Biologia e participa pela primeira vez da SBPC. “Pra


mim foi uma grande honra participar da SBPC como expositora e ter a oportunidade de divulgar nossas pesquisas. É interessante notar como o público se interessa pelo assunto de Genética, mesmo sem conhecimentos prévios”, afirma. Para o reitor da UEA, professor Cleinaldo de Almeida Costa, o evento é uma grande vitrine não apenas para expor parte dos projetos e pesquisas desenvolvidos na Universidade, mas também para apresentar o potencial científico e tecnológico do Amazonas e da Região Norte. Durante a SBPC, a UEA também apresentou os resultados da pesquisa sobre produção de Biocombustíveis e o projeto de Coleção de frutos regionais que levou para Recife parte do acervo de frutos do Centro de Estudos Superiores de Parintins, conservados para levar informações sobre o reaproveitamento, cultivo e a preservação do tucumã, castanha, pupunha, entre outros. Agência CT&I Amazonas, por Lívya Braga http://www1.uea.edu.br/noticia.php?notId=27450


Veículo: Site – Blog do Marcos Santos Editoria: Pag: Assunto:Prevenção à pneumonia hospitalar é tema de pesquisa na FCecon Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Prevenção à pneumonia hospitalar é tema de pesquisa na FCecon Postado em 26/07/2013 - 13:16 Um método preventivo para evitar que pacientes com câncer desenvolvam pneumonia associada à ventilação mecânica, uma infecção pulmonar grave que pode se desenvolver em pacientes que estão respirando com a ajuda de aparelhos, será tema de pesquisa desenvolvida na Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado (FCecon), pelo doutor em Fisioterapia Intensiva e fisioterapeuta da unidade, Daniel Xavier. Ele explica que a pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV) representa, aproximadamente, 60% das infecções hospitalares, sendo considerada um problema de saúde pública, com taxas de mortes significativas. “A prevenção pode reduzir o número de pacientes acometidos por esta infecção e com isso reduzir o uso de antibióticos, o tempo de permanência destes pacientes no hospital e mortes associadas a esta complicação infecciosa”, disse. A pesquisa “Implementação da mensuração infra-cuff como rotina na unidade de tratamento intensivo oncológica como método preventivo do desenvolvimento da pneumonia associada à ventilação mecânica”, será feita por meio do Programa de Apoio a Iniciação Científica (PAIC) da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam). ” A idéia original é mostrar através de ensaio clinico, a fisioterapia baseada em evidencias como adjuvante a equipe interdiciplinar na UTI. A proposta é incluir determinadas medidas e implementar protocolos na UTI do FCecon como a medida da pressão Intra-Cuff como forma de melhorar o serviço intensivista como todo. Colaborando dessa forma para uma melhor prestação de serviço em saúde e colaborando com a taxa de sobrevida desses pacientes criticamente enfermos”, destacou o


pesquisador. Daniel, que é presidente da Associação Amazonense de Fisioterapia (Asfiam) destaca a carência de estudos relevantes que contemplem a fisioterapia intensiva oncológica. “Essa pesquisa poderá nos trazer grandes benefícios para os pacientes com câncer internados na Unidade de Terapia Intensiva através de procedimentos e rotinas estabelecidas”, afirmou. http://www.blogmarcossantos.com.br/2013/07/26/prevencao-a-pneumonia-hospitalar-e-tema-depesquisa-na-fcecon/


Veículo: Site – Amazonas Notícias Editoria: Pag: Assunto:Reunião promove debate sobre a Rede de Indicadores Estaduais de C&T Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria

✘ - Positivo

- Negativo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação Publicado no site da FAPEAM:

Sim

Não Data: 29/07/2013

Reunião promove debate sobre a Rede de Indicadores Estaduais de C&T Publicado: Sexta, 26 Julho 2013 13:25 Com a presença de representantes das Fundações de Amparo à Pesquisa (FAPs), o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) realizou na quarta e quinta (24 e 25 de julho) a 2ª Reunião da Rede de Indicadores Estaduais de Ciência e Tecnologia (RIEC&T). O evento faz parte da programação da 65ª Reunião Anual da SBPC, que se estende até esta sexta-feira (26), em Recife, Pernambuco. A reunião teve como objetivo a implementação da Rede de Indicadores Estaduais de C&T em todo o País, iniciativa do MCTI que pretende mensurar o quanto o poder público e as empresas privadas estão investindo em pesquisa e desenvolvimento e em outras atividades científicas, além dos resultados em termos de registro de patentes e produção de artigos científicos em todas as unidades da federação. Coordenada pelo MCTI, a Rede envolve instituições do sistema de CT&I dos Estados, Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap) e Conselho Nacional de Secretários Estaduais para Assuntos de Ciência, Tecnologia e Inovação (Consecti), além do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O Amazonas foi representado na reunião por Maria Olívia Simão, diretora-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), instituição vinculada ao Governo do Estado. Durante o evento, foram apresentadas as metodologias para realizar o levantamento dos recursos disponibilizados pelos governos estaduais em C&T. Com esta ação, será possível elaborar um conjunto de indicadores importantes para subsidiar o planejamento e acompanhamento das ações de


CT&I no País. Para a diretora-presidente da Fapeam, será possível, também, oferecer elementos sobre a evolução do setor com dados estaduais que devem ser sempre acompanhados de forma comparativa em relação a outras unidades da Federação. Ela salienta a complexidade de uma articulação como essa, principalmente por envolver equipes multidisciplinares e necessitar de um modelo de governança específico. “Certamente, o esforço é necessário nesse momento em que o País decide investir fortemente em ciência e inovação”, avaliou Maria Olívia Simão. ww.amazonasnoticias.com.br/notícias/1261-reunião-promove-debate-sobre-a-rede-de-indicadoresestaduais-de-c-t.html


Veículo: Site – Amazonas Notícias Editoria: Pag: Assunto:Prevenção à pneumonia hospitalar é tema de pesquisa na FCecon Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Publicado no site da FAPEAM:

Programa:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Prevenção à pneumonia hospitalar é tema de pesquisa na FCecon Publicado: Sexta, 26 Julho 2013 13:44 | Imprimir | E-mail Um método preventivo para evitar que pacientes com câncer desenvolvam pneumonia associada à ventilação mecânica, uma infecção pulmonar grave que pode se desenvolver em pacientes que estão respirando com a ajuda de aparelhos, será tema de pesquisa desenvolvida na Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado (FCecon), pelo doutor em Fisioterapia Intensiva e fisioterapeuta da unidade, Daniel Xavier. Ele explica que a pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV) representa, aproximadamente, 60% das infecções hospitalares, sendo considerada um problema de saúde pública, com taxas de mortes significativas. "A prevenção pode reduzir o número de pacientes acometidos por esta infecção e com isso reduzir o uso de antibióticos, o tempo de permanência destes pacientes no hospital e mortes associadas a esta complicação infecciosa", disse. A pesquisa "Implementação da mensuração infra-cuff como rotina na unidade de tratamento intensivo oncológica como método preventivo do desenvolvimento da pneumonia associada à ventilação mecânica", será feita por meio do Programa de Apoio a Iniciação Científica (PAIC) da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam). " A idéia original é mostrar através de ensaio clinico, a fisioterapia baseada em evidencias como adjuvante a equipe interdiciplinar na UTI. A proposta é incluir determinadas medidas e implementar protocolos na UTI do FCecon como a medida da pressão Intra-Cuff como forma de melhorar o serviço


intensivista como todo. Colaborando dessa forma para uma melhor prestação de serviço em saúde e colaborando com a taxa de sobrevida desses pacientes criticamente enfermos", destacou o pesquisador. Daniel, que é presidente da Associação Amazonense de Fisioterapia (Asfiam) destaca a carência de estudos relevantes que contemplem a fisioterapia intensiva oncológica. "Essa pesquisa poderá nos trazer grandes benefícios para os pacientes com câncer internados na Unidade de Terapia Intensiva através de procedimentos e rotinas estabelecidas", afirmou. http://www.amazonasnoticias.com.br/not%C3%ADcias/1271-preven%C3%A7%C3%A3o%C3%A0-pneumonia-hospitalar-%C3%A9-tema-de-pesquisa-na-fcecon.html


Veículo: Site – Amazonas Notícias Editoria: Pag: Assunto:Alunos de escola estadual do Amazonas desenvolvem pomada cicatrizante Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação Publicado no site da FAPEAM:

Programa:

Sim

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Alunos de escola estadual do Amazonas desenvolvem pomada cicatrizante Publicado: Sexta, 26 Julho 2013 18:17 | Imprimir | E-mail Com uma enzima encontrada no mamão, a papaína, alunos do Programa Ciência na Escola (PCE), estão desenvolvendo uma pomada para ajudar a cicatrizar queimaduras, um resultado prático do conhecimento científico aprendido em sala de aula na Escola Estadual Professora Ondina de Paula Ribeiro, localizada na zona sul de Manaus. A pomada de mamão está sendo apresentada ao público de Recife, durante a 65ª Reunião Anual da SBPC, que começou no domingo (21 de julho) e termina nesta sexta-feira (26). O programa é uma iniciativa do Governo do Estado, por intermédio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), que oferece bolsas de estudos a alunos do Ensino Médio e disponibiliza a infraestrutura necessária ao desenvolvimento da pesquisa, em parceria com a Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino (Seduc). Coordenado pela professora Valéria Vasconcelos de Andrade, o projeto de pesquisa, vinculado ao PCE, tem como objetivo, além do desenvolvimento da pomada cicatrizante, familiarizar os alunos da disciplina de Química com os aspectos teóricos e práticos da Ciência. As aulas práticas são ministradas no laboratório da escola, equipado com estufa, vidrarias e bancadas. Quando são necessários equipamentos mais sofisticados, como rotaevaporador e liofilizador, o projeto de pesquisa conta com a parceria do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa). “A partir da implantação do PCE na nossa escola, os alunos ficaram mais motivados e passaram a ter


mais curiosidade em relação aos procedimentos científicos”, afirmou Valéria Andrade. Para um dos participantes do projeto, o aluno Allan Marques, de 18 anos, que está cursando o terceiro ano do Ensino Médio, a pesquisa científica estimulada pelo PCE é um diferencial importante em seus estudos, porque permite uma compreensão mais clara dos procedimentos laboratoriais e une a teoria à prática. Ele já pensa em um curso de graduação que dará prosseguimento ao que está aprendendo, possivelmente o de Farmácia ou Química. “Com o projeto de pesquisa, eu tive uma maior aproximação com os professores, fortalecendo o espírito de equipe e assimilando bem melhor o conteúdo apresentado em sala de aula”, afirmou o estudante.


Veículo: Site – Amazonas Notícias Editoria: Pag: Assunto:Empresários discutem distribuição da telha leve em estande do Amazonas na SBPC Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Empresários discutem distribuição da telha leve em estande do Amazonas na SBPC Publicado: Sexta, 26 Julho 2013 18:14 A distribuição dos produtos da empresa Telha Leve na cidade de Recife foi o ponto alto da Rodada de Negócios desta sexta-feira (26 de julho), que ocorreu no estande do Governo do Estado do Amazonas. A iniciativa é uma atividade paralela a 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que está sendo realizada na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). A Rodada de Negócios contou com a participação do empresário recifense Paulo Santos e do amazonense Rafael F. Miranda. Sócio do Armazém Casa Amarela, localizado na Avenida Norte, em Recife, Santos demonstrou interesses nas telhas feitas a partir de garrafas PETs recicladas. “O produto parece promissor aqui em Pernambuco. Creio que terá uma boa aceitação pelo público, pois é uma telha bonita e leve. O próximo passo agora é termos um mostruário em nossa loja. Conforme a demanda pelo produto, faremos os pedidos para os donos da empresa Telha Leve”, informou. Para Rafael Miranda, a Rodada de Negócios foi uma oportunidade para mostrar o produto telha leve em outras regiões do País. Miranda disse que a SBPC é uma ocasião também para se fechar negócios, pois permitiu o contato com empreendedores do ramo da construção civil de Pernambuco. “Acredito que sairá grandes negócios daqui, com a possibilidade de distribuição da telha leve em Recife”, salientou. Rodada de Negócios - A atividade é coordenada pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e


Inovação (Secti-AM), com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), em parceria com o Sebrae/AM e Sebrae/PE, e visa não só divulgar os produtos de base tecnológica desenvolvidos por empresas do Amazonas, mas também promover os avanços da ciência nas diversas áreas do conhecimento. http://www.amazonasnoticias.com.br/not%C3%ADcias/1301-empres%C3%A1rios-discutemdistribui%C3%A7%C3%A3o-da-telha-leve-em-estande-do-amazonas-na-sbpc.html


Veículo: Site – Amazonas Notícias Editoria: Pag: Assunto:Estudantes da UEA destacam novas metodologias para o ensino da Astronomia na SBPC Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Estudantes da UEA destacam novas metodologias para o ensino da Astronomia na SBPC Publicado: Sexta, 26 Julho 2013 16:55 Ensinar conceitos sobre Astronomia de forma dinâmica e criativa. Essa é a principal essência de seis pesquisas apresentadas durante a 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em Recife. Os trabalhos são desenvolvidos em Parintins como parte das atividades do Núcleo de Ensino e Pesquisa em Astronomia (Nepa), da Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Para incentivar os estudos e o conhecimento das principais constelações, a acadêmica do curso de Física, Gisele Mota, desenvolve o projeto "Caça-palavras das Constelações e do Sistema Solar" com alunos da rede municipal de ensino. “Primeiro tivemos aulas de observação com telescópio, ensinamos a posição das constelações no céu e o movimento dos planetas e do sol durante o ano. Com base nesses conhecimentos, também ensinamos técnicas de localização, assim como era feito antigamente”, informa. De posse dos conhecimentos iniciais, os alunos foram desafiados a encontrar o nome das 12 constelações, do Sol, da Lua e dos planetas em um grande tabuleiro de caça-palavras. “A equipe que encontrasse todos os nomes primeiro vencia a competição. Todos estavam motivados a participar da brincadeira e a interação entre os alunos era grande”, conta.


Já o acadêmico Mateus Sarmento apresentou o projeto "Conhecendo o Universo" desenvolvido com alunos do Ensino Médio na Escola Estadual Brandão de Amorim, em Parintins. “Fizemos introdução teórica seguida de aula prática com uso de telescópio e, como resultado, tivemos a criação de cartas informativas explorando os conceitos estudados”, explica Sarmento. Para o acadêmico, a experiência de participar da SBPC será sempre lembrada por diversos aspectos. “É a primeira vez que eu saio do Amazonas e que apresento um trabalho científico. Essa experiência só pôde ser vivida graças ao incentivo do Governo do Amazonas e, com isso, a cidade de Parintins ganha muito, pois agora também passamos a dar destaque a nossa produção científica”, enfatiza. Atividades nas escolas - A forma didática e lúdica do ensino da Astronomia no ensino básico foi iniciada a partir de uma necessidade detectada em Parintins. “Fizemos uma busca por literatura sobre o tema no município e não encontramos nada. Com isso, surgiu a ideia de iniciarmos atividades nas escolas e desde o início contamos com o apoio não somente da nossa reitoria, mas também do Governo do Estado do Amazonas, por meio da Fapeam (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas)”, destaca o coordenador do Nepa, Nélio Sasaki. O trabalho também busca preparar alunos para atuarem como multiplicadores nas escolas. “O ensino da Astronomia no ensino básico tem sido feito de forma fragmentada. Alguns temas são ensinados em Geografia, História, Matemática e Física, mas aqui procuramos ensinar de forma interdisciplinar”, afirma Sasaki. Do total de nove trabalhos sobre Astronomia apresentados na Sessão de Pôsteres da SBPC na última quarta-feira (24 de julho), seis eram de alunos da UEA. http://www.amazonasnoticias.com.br/not%C3%ADcias/1286-estudantes-da-uea-destacam-novasmetodologias-para-o-ensino-da-astronomia-na-sbpc.html


Veículo: Site – Confap Editoria: Assunto:MCTI apresenta iniciativas para alavancar área de TI no país Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

Pag:

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

MCTI apresenta iniciativas para alavancar área de TI no país Tecnologia_da_informacao_no_Brasil “O Start-up Brasil surgiu com a ideia de estimular os jovens empreendedores. Já tínhamos ações no país com esse foco, como as incubadoras de empresas, mas precisávamos de mais velocidade para a área de TI”, contou o analista José Henrique Dieguez, da Coordenação-Geral de Serviços e Programas de Computador da Secretaria de Política de Informática (Sepin) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). “Na incubação o processo pode demorar de 12 a 24 meses ou mais. No Start-up, com as aceleradoras, é diferente: tudo acontece de forma bem mais rápida e tem que ser dessa forma porque alguém no mundo pode ter inventado a mesma coisa”, frisou. “As aceleradoras podem facilitar o acesso ao mercado e têm por trás um fundo de maior porte que dá garantia para que isso aconteça.” O especialista do MCTI palestrou na 65ª Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, nesta sexta-feira (26), em Recife. Apresentou os objetivos do programa – que foi criado pelo MCTI como parte do Programa Estratégico de Software e Serviços de Tecnologia da Informação (TI Maior) e esclareceu dúvidas do público que lotou o auditório arena na ExpoT&C. Dieguez explicou que o objetivo do programa é fortalecer o ecossistema de start-ups no país para ampliar a competitividade nacional e estimular o desenvolvimento econômico. Para isso, nove aceleradoras (que são as investidoras) foram habilitadas e selecionadas para participar da iniciativa. “As aceleradoras são entes privados, não recebem dinheiro, quem recebe é o empreendedor”, esclareceu o palestrante. “A parte de pesquisa, desenvolvimento e inovação é com o governo, mas o


restante não tem sentido o governo pagar. As aceleradoras vão completar esse processo e devem se tornar sócias daquele empreendedor.” Funcionamento O apoio é destinado a empresas nacionais ou internacionais, com até três anos de constituição, que desenvolvam produtos ou serviços inovadores, utilizando ferramentas de software e serviços de TI. “A preocupação do programa é gerar emprego e renda. Os empreendedores recebem a bolsa e têm o dever de auxiliar esse processo no país. É uma mudança de paradigma em termos de gestão pública”, afirmou. A bolsa é concedida pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCTI). O representante do MCTI apresentou as etapas do programa, que funciona com uma edição por ano. Segundo ele, inscreveram-se para a primeira etapa mais de 800 empresas, sendo cerca de 200 de fora do país. O ministério anunciará para a imprensa as 54 empresas selecionadas na segunda-feira (29). “É preciso ficar atento”, alertou Dieguez. “Em dezembro teremos a segunda etapa e outra edição no ano que vem. É um processo contínuo por cerca de quatro anos”, informou. A inscrição para o programa é feita por meio de um formulário eletrônico no site da iniciativa. “A nossa preocupação é apoiar o desenvolvimento do produto. Estamos procurando com essa política promover a economia do futuro. As empresas que vão sustentar o emprego daqui a alguns anos são essas que estão nascendo hoje. Queremos empreender aqueles que têm a tecnologia como essência”, disse. Certificação Já o palestrante Giancarlo Nut Stefanuto, do Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer (CTI/MCTI), falou sobre a Certics – instrumento estratégico de software e serviços de tecnologia da informação, lançado em agosto, criado para identificar competências brasileiras na área de software e promover a autonomia tecnológica a partir da certificação. Ele destacou a dificuldade existente para certificar um programa de computador. “Um software é como se fosse uma coisa invisível que pode ter suas partes feitas em vários países, daí surgiu a ideia de se fazer uma certificação no Brasil”, explicou. “Certifica-se, então, parte da tecnologia e o que gerou inovação no Brasil.” “Isso é importante porque gera emprego e renda e é uma forma de fortalecer a indústria nacional, pois para ir para o mercado mundial é necessária uma inovação de fronteira”, disse. “Também precisamos construir uma inteligência no país para garantir a segurança das informações”, acrescentou, ao citar casos recentes de espionagem por meio da internet e os benefícios da certificação. “A empresa pode ter margem de preferência em compras governamentais, porque a certificação sinaliza que se trata de uma empresa em que vale a pena investir. Dá também mais segurança aos compradores na aquisição do produto, e o governo tem segurança por estar investindo numa tecnologia que vai trazer desenvolvimento para o país”, concluiu. O processo de certificação pode ser feito pela internet e tem início previsto para 19 de agosto. Fonte: Ascom do MCTI | Por: Denise Coelho http://www.confap.org.br/mcti-apresenta-iniciativas-para-alavancar-area-de-ti-no-pais/


Veículo: Site – Confap Editoria: Pag: Assunto:Helena Nader pede agilidade do Congresso na aprovação de propostas sobre pesquisa e desenvolvimento Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Release da assessoria

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Helena Nader pede agilidade do Congresso na aprovação de propostas sobre pesquisa e desenvolvimento A presidenta da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Helena Nader, pediu agilidade do Congresso Nacional na aprovação dos dispositivos que vão integrar o novo marco regulatório das atividades de pesquisa e desenvolvimento no país. Atualmente pelo menos cinco propostas tratam do assunto. “O Brasil está perdendo muito tempo. Ou a gente reverte isso logo ou vamos ter um descompasso muito grande”, disse Nader, em entrevista a jornalistas durante a 65ª Reunião Anual da SBPC. A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Inovação, como ficou conhecida, por exemplo, atualiza o tratamento das atividades da área. Ainda a ser discutida na Câmara dos Deputados, a medida formaliza o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, que vai coordenar as ações de entidades públicas e privadas e fomentar a colaboração, ao permitir compartilhamento de recursos humanos e equipamentos. Outro texto que tramita no Congresso é o Projeto de Lei 2.177/2011, que prevê a elaboração do Código Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação. Entre os pontos da nova lei, estão a criação de ambientes cooperativos de pesquisa e de geração de produtos inovadores e a flexibilização do regime de dedicação exclusiva de pesquisadores vinculados a entidades públicas. Desmembradas desse projeto, estão as propostas de duas novas leis: uma para o acesso à biodiversidade do país e outra para tratar das fundações de apoio à pesquisa das universidades. “O planejamento é que se consiga ter isso votado até agosto. Estou otimista, mas disseram que isso


[aprovação dos dispositivos] não vai acontecer até o fim do ano. Porque, se não acontecer, não vamos conseguir ano que vem, em período eleitoral”, avaliou. Outro ponto é a discussão de uma nova lei para a criação de Regime Diferenciado de Contratação (RDC) para educação, ciência e tecnologia voltado para compras de insumos e equipamentos. “Não vale para construção, mas já é um grande ganho. Nós, educação e ciência, vamos chegar ao nível da Copa do Mundo e das Olimpíadas, finalmente. A gente espera que o governo realmente mande [a proposta de lei ao Congresso] porque vai facilitar a nossa vida”, argumentou. Helena Nader disse que uma das características do Novo Brasil, tema da reunião deste ano, é a mobilização da sociedade, mas destacou que ainda falta pressão da população sobre os parlamentares com propostas claras e específicas. “A gente tem que pressionar. Não precisa sair nesse quebra-quebra, acho que a manifestação foi boa, mas a gente não pode continuar quebrando as coisas. Temos que agora ter pautas e levar documentos”, concluiu. Os debates da 65° Reunião Anual da SBPC terminam hoje (26). No período da manhã, o ministro da Integração, Fernando Bezerra participa da palestra Política Nacional de Desenvolvimento Regional e Pacto pela Inovação, às 10h30. A próxima reunião da SBPC ocorre em Rio Branco, no Acre. A Universidade Federal do Acre (UFAC) deverá sediar o encontro entre os dias 20 e 27 de julho. O evento é promovido desde 1948, com a participação de representantes de sociedades científicas, autoridades e gestores do Sistema Nacional de Ciência e Tecnologia para difundir os avanços da ciência e debater políticas públicas para área. Fonte: Agência Brasil | Por: Heloisa Cristaldo http://www.confap.org.br/helena-nader-pede-agilidade-do-congresso-na-aprovacao-de-propostassobre-pesquisa-e-desenvolvimento/


Veículo: Site – Consecti Editoria: Pag: Assunto:Região amazônica terá plano de ciência e tecnologia, diz Raupp Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Release da assessoria

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Região amazônica terá plano de ciência e tecnologia, diz Raupp O governo federal prepara um plano de ciência e tecnologia para a região amazônica. Prevista para ser lançada em setembro, a medida foi anunciada pelo ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Marco Antonio Raupp, durante a 65° Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). “A proposta é um plano de desenvolvimento sustentável da região amazônica com a utilização de seus recursos naturais. [O plano é construído] com a participação de instituições de ciência e tecnologia da região, governos estaduais e federal”, descreveu Raupp. Segundo o presidente do Centro de Gestão de Estudos Estratégicos (CGEE), órgão ligado ao MCTI e responsável pela coordenação do plano, Mariano Laplane, a proposta foi elaborada de forma colaborativa, com estrito enfoque nas necessidades locais. “O plano é arrojado, e parte de uma pergunta básica: como é que ciência, tecnologia e a inovação devem se estruturar, orientar seus esforços para promover o desenvolvimento da região amazônica?”. A iniciativa é baseada em três eixos: perfis de pesquisadores mais adequados para o trabalho na região, infraestrutura de laboratórios e ambientes de inovação. “Procuramos respostas em três questões fundamentais, como a necessidade de recursos humanos, qual a quantidade e o perfil que a ciência brasileira deve mobilizar na região. Quais as áreas de conhecimento devemos concentrar nossos esforços para alavancar o desenvolvimento sustentável e quais são os recursos laboratoriais, a infraesturura, que junto com o esforço humano vai conseguir fazer com que o conhecimento avance”, aponta Laplane.


O presidente do CGEE explica que o ministério ainda está definindo os recursos que serão aplicados e quantos pesquisadores serão contratados para implementação da iniciativa. Outro plano voltado para a Região Nordeste já começou a ser construído, com a mesma filosofia adotada para a região amazônica, mas ainda não tem previsão para ser lançado. “A região [amazônica] tem uma vocação muito forte com sua biodiversidade. O que falta é um instrumento de desenvolvimento pensando na sustentabilidade. Temos que fugir do pensamento que é preciso destruir a natureza para conseguir riqueza e o contrário também não é verdadeiro. Não é suficiente gerar conhecimento, ele deve chegar à sociedade, à população, às empresas para se transformar em riqueza, gerar bem-estar”, concluiu Lapane. Em outro anúncio, o ministro Marco Antonio Raupp divulgou a aquisição do navio de pesquisas hidroceanográficas para ampliar a presença da ciência nacional no Atlântico Sul e Tropical. A embarcação faz parte do projeto do Instituto Nacional de Pesquisas Oceanográficas e Hidroviárias (Inpoh), que prevê uma série de ações em áreas como a conservação da biodiversidade marinha, a melhoria de processos associados à pesca, proteção e adaptação de zonas costeiras para as mudanças climáticas, realização de estudos sobre vias fluviais, hidráulica fluvial e portuária, além de formação de recursos humanos para o setor. De acordo com o ministério, a compra, no valor de R$ 162 milhões, é resultado de um acordo de cooperação entre a pasta, a Marinha, Petrobras e a empresa Vale. O navio terá capacidade para 146 tripulantes, dos quais 60 pesquisadores, e contribuirá para o avanço de pesquisas nas áreas de química, geologia, biologia e de física marinha. Fonte: Agência Brasil http://www.consecti.org.br/destaques/regiao-amazonica-tera-plano-de-ciencia-e-tecnologia-dizraupp/


Veículo: Site – Consecti Editoria: Assunto:Livro do PROUPE é lançado na 65a Reunião anual da SBPC Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Pag:

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Livro do PROUPE é lançado na 65a Reunião anual da SBPC O Governo do Estado de Pernambuco, através da Secretaria de Ciência e Tecnologia, lançou na tarde desta quinta-feira (25/07) o livro intitulado: “Proupe – uma experiência pernambucana de sucesso”. A apresentação do livro foi feita no stand do Governo na 65º Reunião Anual da SBPC. Estavam presentes o secretário de Ciência e Tecnologia de Pernambuco, Marcelino Granja, a Deputada Federal, Luciana Santos e representantes das 13 autarquias de ensino superior beneficiadas pelo Programa Universidade para Todos (PROUPE). A ação teve início em setembro de 2011, e hoje conta com um investimento anual de R$ 17 milhões do Tesouro do Estado e já beneficiou 20 mil estudantes de todas as regiões do Estado. A publicação foi concebida como um balanço e uma prestação de contas à sociedade dos recursos investidos na ação. Mas também como um guia, que eventualmente pode ser usado por outras administrações (estaduais ou municipais) para a implementação de iniciativas semelhantes. O livro mostra, entre outros fatores, um aumento de 21,6% no número de estudantes de licenciatura dos cursos de Física, Química e Matemática, além de uma queda da evasão escolar da ordem de 70% depois do início do pagamento das bolsas. Durante o Lançamento o Estudante, Átila Carvalho de Medeiros (26 anos) deu seu depoimento sobre a importância do Programa na sua vida. Ele explicou que ao ingressar na Faculdade estava desempregado e sua maior preocupação seria como pagar as mensalidades. “Por sorte consegui um emprego assim que comecei as aulas, mas no decorrer do curso fiquei desempregado novamente. Foi a bolsa do Proupe que não deixou que eu largasse os estudos”, explicou o estudante de educação física da autarquia de Goiânia, Mata Norte do Estado. Na opinião da deputada federal Luciana Santos, o PROUPE é um programa de extrema importância


para o fortalecimento das autarquias e formação dos professores. Luciana destacou ainda a necessidade de inserir as autarquias no debate da federalização das instituições de ensino superior estaduais. “As autarquias desempenham um papel estratégico na formação dos professores”, reforçou. Para o secretário de C&T, Marcelino Granja, a concretização do PROUPE é um reconhecimento da luta dos alunos e professores dessas autarquias. “Esse debate teve inicio em 2011. Fizemos uns apertos, uns ajustes e tocamos o barco para criar uma política pública. Uma política estruturante voltada para melhoraria da formação de professores e garantir um ensino básico de qualidade”, explicou. Proupe - O Programa foi instituído por Lei (LEI Nº 14.430, DE 30 DE SETEMBRO DE 2011) e se destina à concessão de bolsas de estudo integrais e parciais para alunos do Ensino Superior em Autarquias Municipais sem fins lucrativos. Para garantir a materialização dos objetivos do Proupe, uma série de medidas legais foram tomadas, como a elaboração e publicação do DECRETO Nº 37.290, DE 18 DE OUTUBRO DE 2011, que regulamentou e garantiu a oferta de bolsas nas 13 autarquias, presentes de forma equitativa em todas as 12 microrregiões do Estado, com o diferencial de induzir a expansão e a qualificação das Licenciaturas de Matemática, Física e Química que de início beneficiou seis mil , dos 20 mil alunos matriculados. Com isso, hoje se beneficiam nove mil alunos, nos 34 cursos ofertados, com bolsas cobrindo 100%, 50% e 25% do valor das mensalidades do curso. O aspecto mais virtuoso associado ao programa é o mecanismo de indução praticado e expresso na forma de Lei, onde em cada Autarquia integrante do PROUPE é observada a destinação de bolsas para o bloco formado por uma ou mais das licenciaturas de Matemática, Física e Química, nos seguintes percentuais: 55% (cinqüenta e cinco por cento) para bolsas integrais; 20% (vinte por cento) para bolsas parciais de 50% e 10% (dez por cento) para bolsas parciais de 25% do valor das mensalidades e os percentuais restantes, após a destinação inicial, são distribuídos. Fonte: SECTEC-PE http://www.consecti.org.br/destaques/livro-do-proupe-e-lancado-na-65a-reuniao-anual-da-sbpc/


Veículo: Site – Ministério da Ciência, Tecnologia Editoria: e Inovação

Pag:

Assunto:Inpa coordenará sessão sobre Amazônia durante fórum mundial Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Release da assessoria

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Inpa coordenará sessão sobre Amazônia durante fórum mundial 26/07/2013 - 20:10 O Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI) coordenará uma sessão paralela sobre o desenvolvimento e sustentabilidade da Amazônia no Fórum Mundial da Ciência (FMC), que acontece em novembro no Rio de Janeiro. A participação foi confirmada pelo presidente da Academia Brasileira de Ciências (ABC), Jacob Palis, durante sessão especial sobre o fórum na 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). Ele apresentou a programação do evento, que terá a participação de cientistas brasileiros e estrangeiros discutindo e trocando experiências nas áreas em que atuam. O diretor do Inpa, Adalberto Val, considera a participação do Instituto no FMC um motivo de orgulho para o Brasil e em particular para a região amazônia, que mereceu uma sessão temática. “É um momento extremamente importante porque pela primeira vez na história o fórum vai ser realizado fora do nicho original, que é em Budapeste, na Hungria. É uma sessão paralela sobre a Amazônia com a participação de diferentes países não só da América do Sul, mas também da Europa, que vão discutir sobre diferentes assuntos relacionados à região”, explicou o diretor. Jacob Palis afirmou ainda que o fórum internacional é uma oportunidade de firmar cooperações entre instituições brasileiras e estrangeiras, ressaltando que representantes de instituições de referências estarão no evento. Texto: Josiane Santos – Ascom do Inpa http://www.mcti.gov.br/index.php/content/view/348307/Inpa_coordenara_sessao_sobre_Amazonia_ durante_forum_mundial.html


Veículo: Site – Ministério da Ciência, Tecnologia Editoria: e Inovação

Pag:

Assunto:Pesquisa em TI é chave para desenvolvimento do país, afirma secretário Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

Pesquisa em TI é chave para desenvolvimento do país, afirma secretário 26/07/2013 - 19:48 “O desenvolvimento econômico de um país é fortemente impactado pela pesquisa e desenvolvimento”, defendeu o secretário de Política de Informática do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Virgilio Almeida, durante palestra na 65ª Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em Recife. Ele citou o exemplo dos Estados Unidos, onde é possível perceber a clara ligação entre investimento em ciência e a geração de riqueza. “Lá, muitas indústrias foram criadas a partir da pesquisa e o conjunto das empresas que saíram de universidades americanas geram receita de US$ 500 milhões por ano, especialmente com internet em computação em nuvem”, ressaltou. Atento a essa realidade, lembrou ele, o governo brasileiro e, especificamente o MCTI, lançou um série de iniciativas para impulsionar ainda mais esse segmento, que representa 4% do Produto Interno Brasileiro (PIB). “A área de TI ganha grande importância neste cenário pelo fato de permear várias áreas”, sustentou. Virgilio Almeida apresentou ao público, especialmente de estudantes e pesquisadores, as estratégias traçadas para fomentar e ampliar o uso das tecnologias para a sociedade. “A produção científica brasileira cresceu muito nos últimos anos, mas ainda temos o desafio de fazer esse conhecimento ser transferido às empresas”, disse.


Ações Nesse sentido, informou, as ações envolvem três frentes de apoio. Primeiramente, buscou-se fortalecer a produção de hardware, dispositivos, semicondutores e displays, a partir de iniciativas como a Lei de Informática, que completa 20 anos, e o Programa de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Semicondutores (Padis). O objetivo é reduzir a importação de produtos e estimular a indústria de equipamentos do país. “A ideia é, por meio de incentivos e redução de impostos para as empresas que fazem manufatura aqui, fortalecer a cadeia produtiva de equipamentos e o sistema de TI no país”, explicou o palestrante. “Um produto produzido no país significa que segue um PPB [Plano Produtivo Básico], ou seja, parte dos equipamentos pode ser importada, mas a produção e o uso de alguns equipamentos têm que ser feitos no território nacional.” Na segunda frente, voltada para software, o ministério lançou no ano passado o Programa Estratégico de Software e Serviços de TI (TI Maior). A terceira ação envolve a construção de uma infraestrutura cibernética no país, a partir da utilização da computação em nuvem para atender o sistema de pesquisa. “Com todos esses instrumentos cria-se um atrativo e incentivo para as empresas investirem no país”, destacou. Investimentos Somente com o programa TI Maior o governo prevê investimentos da ordem de R$ 500 milhões. Por meio da iniciativa Start-up Brasil espera-se fomentar 300 novos empreendimentos na área de TI, especialmente envolvendo o público jovem e com a ajuda da iniciativa privada por meio das aceleradoras. “Esse é um modelo usado no mundo inteiro. Empresas como o Facebook e o Twitter sugiram de pequenas empresas”, exemplificou Virgilio. “Esse é um mecanismo que visa aumentar o número de empresas atuando no setor de TI com inovação”, frisou. Já com a Certics, a ideia é alavancar o desenvolvimento de software no Brasil com o uso de uma metodologia inovadora que comprova, com credibilidade, o desenvolvimento e a inovação tecnológica no país. “Esse certificado que é fornecido pelo CTI [Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer, do MCTI], e significa que o desenho, a engenharia e a maior parte do produto foram feitas no país”, explicou o secretário. As duas iniciativas foram explicadas na 65ª SBPC pelo analista José Henrique Dieguez. Acompanhe a participação do ministério na reunião anual da SBPC. Texto: Denise Coelho – Ascom do MCTI http://www.mcti.gov.br/index.php/content/view/348305/Pesquisa_em_TI_e_chave_para_desenvolvi mento_do_pais_afirma_secretario.html


Veículo: Site – Ministério da Ciência, Tecnologia Editoria: e Inovação

Pag:

Assunto:Pavilhão do ministério na ExpoT&C atrai público diversificado Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não

Programa:

Data: 29/07/2013

Pavilhão do ministério na ExpoT&C atrai público diversificado 26/07/2013 - 12:35 Estudantes e professores de todos os níveis de ensino frequentam desde a segunda-feira (22) o pavilhão do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) na ExpoT&C. A mostra ocorre em paralelo à 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que termina hoje, em Recife (PE). Rochas de várias cores e formatos chamam a atenção dos visitantes que passam pelo estande do Centro de Tecnologia Mineral (Cetem/MCTI). A estudante de geografia Glaucia Dias, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), ouviu esclarecimentos sobre origens, aplicações e características de materiais como cobre, esmeralda e rosa do deserto. “Procuro conhecer as estruturas das pedras por causa de uma disciplina da faculdade”, diz. O programa AEB Escola, da Agência Espacial Brasileira (AEB), proporciona uma série de cursos educativos para crianças e adolescentes. O estudante Eric Tenório, do 4º ano do ensino básico, participou de uma oficina em que os alunos fazem um carrinho com papelão, tampa de garrafa PET para as rodas e uma bexiga, que, ao esvaziar, impulsiona o veículo. A ideia é explicar o conceito de ação e reação da 3ª Lei de Newton. “Estudei isso em ciências”, conta o garoto. Quem visita o estande do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) pode levar insetos ou substâncias minúsculas para visualizar em um microscópio eletrônico que amplia a imagem em até 1.600 vezes. Professora da rede pública municipal de Recife, Maryjane dos Santos


lamenta que seus alunos não tenham acesso constante ao conhecimento disponível em mostras como a ExpoT&C. “Às vezes, o assunto fica restrito à universidade, e nem eu mesma fico sabendo. Ciência aguça a curiosidade das crianças”. O estande da Nuclebrás Equipamentos Pesados (Nuclep) tem maquetes para simular o funcionamento de uma central de geração de energia atômica. Para o aluno de engenharia da computação Adonias Vicente, da UFPE, as explicações ajudam a desmistificar preconceitos sobre o assunto: “Não sou da área e ouvia dizer que água contaminada era descartada no meio ambiente, mas, pelo que me informaram, existe todo um processo de segurança”. Estudante do curso técnico de química no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco (IFPE), Caline dos Santos encarou a grande fila que se formava na entrada do planetário inflável digital do estande do Museu de Astronomia e Ciências Afins (Mast/MCTI). “Eu estudava astronomia por hobby antes de iniciar projetos de pesquisa na minha área”, lembra. Dentro da cúpula, visitantes observam projeções de imagens do céu noturno, para entender os movimentos dos planetas e a localização das estrelas. Texto: Rodrigo PdGuerra – Ascom do MCTI http://www.mcti.gov.br/index.php/content/view/348274/Pavilhao_do_ministerio_na_ExpoT_C_atra i_publico_diversificado.html


Veículo: Site – Jornal da Ciência Editoria: Pag: Assunto:1. Qualidade da programação científica é destaque na 65ª Reunião Anual da SBPC, que termina hoje Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

Programa:

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

1. Qualidade da programação científica é destaque na 65ª Reunião Anual da SBPC, que termina hoje Helena Nader anunciou que, em 2014, a Reunião Anual da SBPC será no Acre Termina hoje, no Recife, a 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que começou na segunda-feira. Durante esses cinco dias, foram desenvolvidas mais de 260 atividades, entre mesas-redondas, conferências, sessões especiais e minicursos. No total, o evento teve 23.234 inscritos, o maior público dos últimos anos. Na avaliação da presidente da SBPC, Helena Nader, o saldo da reunião é muito positivo. Segundo ela, mais importante que os números foi a qualidade científica da programação. "Reunimos aqui o que existe de melhor na ciência brasileira", disse, em entrevista coletiva, ontem. "Nós trouxemos para o Recife os expoentes, os melhores pesquisadores, de cada um dos temas discutidos durante a Reunião." Helena destacou outra característica comum a todas as reuniões da SBPC, que é o acesso livre de qualquer pessoa a todas as atividades da programação do evento, com exceção dos minicursos. É reunião aberta, que funciona como uma prestação de contas para a sociedade do que os cientistas brasileiros estão fazendo. "Todo mundo pode assistir sem pagar", disse. "É um congresso envolvendo as nossas 110 sociedades científicas afiliadas, todos os nossos sócios e todas as áreas do conhecimento. É uma oportunidade única para a população. Não se vê isso em nenhum outro congresso no Brasil." Em relação a esta reunião do Recife, a presidente da SBPC lembrou que ela é diferente das outras


realizadas até hoje, porque aconteceu em duas semanas - todas as reuniões anuais duram seis dias, de domingo à sexta-feira. Neste ano, em dois dias da semana anterior, 16 e 17 de julho, foi realizada a SBPC Educação, evento para a atualização de professores estaduais de Pernambuco, de todos os níveis, em cinco cidades: Recife, Caruaru, Petrolina, Garanhuns e Serra Talhada. "No total, houve 6.892 professores inscritos", informou Helena. Também presente à entrevista coletiva, o reitor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Anísio Brasileiro de Freitas, falou da infraestrutura do campus de sua instituição, onde foi realizada a 65ª Reunião Anual da SBPC. "Não tivemos problemas com logística, segurança nem alojamento", disse. Ele aproveitou a ocasião para ressaltar a importância do evento para a UFPE. "Somos gratos à SBPC pela confiança em nossa instituição." Helena, por sua vez, também aproveitou o momento para adiantar o local da próxima Reunião Anual, a 66ª. "Será em Rio Branco, no Acre, e terá início no dia 20 de julho, uma semana após o término da Copa do Mundo", informou. Quanto à dificuldade de acesso a Rio Branco, por causa da escassez de voos diretos de outras capitais para lá, a presidente da SBPC disse que pretende conversar com as companhias aéreas para ver se consegue que alguma delas disponibilize vôos diretos no período do evento. (Evanildo da Silveira / Ascom da SBPC) http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=88366


Veículo: Site – Jornal da Ciência Editoria: Pag: Assunto:5. Sociedades científicas associadas da SBPC e ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação discutem o momento da ciência no Brasil Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Release da assessoria

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 29/07/2013

5. Sociedades científicas associadas da SBPC e ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação discutem o momento da ciência no Brasil Qualidade de animais para pesquisas, recursos humanos para biotérios, doenças tropicais, paleontologia, geodiversidade e ética foram alguns dos temas abordados Do Recife - Pela segunda vez em três meses, a SBPC promoveu uma reunião das suas sociedades científicas associadas com o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marco Antonio Raupp. O segundo encontro "Diálogos com o Ministro" foi realizado na quarta-feira, dia 24, durante a 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, que começou no domingo e se encerra hoje no Recife. A primeira reunião ocorreu no início de abril, na sede da SBPC, em São Paulo. Ambas foram coordenadas pela presidente da SBPC, Helena Nader. Também participaram do evento de ontem, o secretário executivo do MCTI, Luiz Antonio Elias, e o presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Glaucius Oliva. De maneira semelhante à primeira, a reunião de ontem começou com uma pequena explanação de Raupp, na qual ele falou do momento que o Brasil vive na área de ciência, tecnologia e inovação e sobre as ações, projetos novos e programas em andamento de seu ministério. "Vivemos um bom momento para as atividades de ciência e tecnologia no Brasil, tanto em termos de financiamentos como de entendimento do governo da importância dessa área", disse. "A presidenta Dilma Rousseff expressou claramente, em reunião do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia, a importância que ela atribui a essas atividades no país. A ciência, tecnologia e inovação são consideradas, no


planejamento estratégico do governo, um eixo estruturante para o desenvolvimento sustentado." Raupp afirmou à plateia, formada basicamente por representes das sociedades científicas associadas da SBPC, que estava ali para coletar ideias e impressões deles. "Gostaria de sair daqui com a opinião de vocês, como ocorreu na reunião anterior, na sede da SBPC", disse. Foram muitas as questões levantadas e as perguntas feitas, sobre temas como Amazônia, qualidade de animais para pesquisa e recursos humanos para biotérios, doenças tropicais, paleontologia e geodiversidade, além da ética nas pesquisas e acesso ao conhecimento. Houve também pedidos por mais recursos para o CNPq e reclamação contra escassez de financiamentos para projetos na área de ciências humanas e sociais. Neste caso, Raupp disse que não há discriminação e que existe, inclusive, um edital praticamente pronto para ciências humanas e sociais. No final do encontro, a presidente da SBPC disse que gostaria de fazer um agradecimento público. "Um agradecimento muito especial ao ministro Marco Antonio Raupp por ter transferido, numa deferência à SBPC, que congrega 110 sociedades científicas, o ministério para nossa 65ª Reunião Anual, de onde ele está despachando", declarou. "É um tratamento que mostra seu apreço por nós. Sabemos que ele está lutando e conhecemos as dificuldades. Por isso, esse diálogo para nós é muito importante. Para mim, que represento a SBPC, é um orgulho poder recebê-lo e ouvi-lo." https://mail.google.com/mail/u/0/images/cleardot.gif (Evanildo da Silveira / Ascom da SBPC) http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=88370


Veículo: Jornal – Diário do Amazonas Editoria:Sociedade Pag: 16/17 Assunto:Resíduos orgânicos da Amazônia são fontes de biocombustível Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Release da assessoria

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 29/07/2013


Veículo: Jornal – Diário do Amazonas Editoria:Cidades Pag: 15 Assunto:Pesquisador alerta sobre potencial energético do lixo durante conferência na 65° Reunião da SBPC Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Release da assessoria

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 29/07/2013


Veículo: Jornal – Jornal do Commercio Assunto:Inpa abre seleção para bolsista Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Pag: B5 Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Editoria:Negócios

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 29/07/2013


CLIPPING FAPEAM - 29.07.2013