Issuu on Google+


Veículo: Site – Eco Debate Editoria: Pag: Assunto: Pesquisa em rede busca soluções para praga e doença do cupuaçuzeiro no AM Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Release da assessoria

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

Pesquisa em rede busca soluções para praga e doença do cupuaçuzeiro no AM Publicado em dezembro 19, 2013 por Redação A grande incidência de pragas e doenças nos plantios de cupuaçuzeiro (Theobroma grandiflorum) no Estado do Amazonas está desestimulando os agricultores a cultivarem essa fruteira de grande aceitação no mercado. Nos últimos três anos, a área plantada caiu 54%, passando de 11 mil hectares para aproximadamente cinco mil hectares. Os dados são do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam), apresentados no projeto “Pesquisas e Inovações Tecnológicas para o Desenvolvimento da Cultura do Cupuaçuzeiro no Estado do Amazonas”, coordenado pela engenheira agrônoma Aparecida Claret, pesquisadora da Embrapa Amazônia Ocidental (Manaus-AM). A queda na área plantada de cupuaçuzeiro se deve à baixa produtividade em consequência da alta incidência da praga broca-do-fruto (Conotrachelus sp), a suscetibilidade das plantas à doença vassoura-de-bruxa, causada pelo fungo Moniliophthora perniciosa, e ao manejo inadequado da cultura. O cupuaçuzeiro é encontrado em toda região Norte, porém o problema da broca-do-fruto é mais grave nos Estados do Amazonas e Rondônia onde os plantios estão sendo abandonados devido à alta incidência, e já se tem relato da praga no Pará e no Amapá. A praga também é problema sério no cacau, principalmente em Rondônia, sendo, portanto, uma ameaça para essa cultura no Amazonas.


A evolução da incidência deste inseto-praga nos últimos 15 anos foi grande e as medidas de controle estão sendo praticamente inviáveis e não se tem alternativas eficazes, sendo um desafio para pesquisa dar resposta à demanda de produtores por solução, devido aos prejuízos econômicos que lhes são causados pela praga. O avanço no conhecimento da bioecologia de Conotrachelus sp e estudos estratégicos de diferentes métodos de controle poderão contribuir significativamente para o estabelecimento de táticas que permitam a implementação de programa de manejo integrado da praga. Outro problema importante para a cultura é a doença vassoura-de-bruxa, que está amplamente distribuída em todas as áreas produtoras da Amazônia. A doença vassoura-de-bruxa pode causar danos de 40% a 100%. Para buscar soluções de controle dessas doenças, a Embrapa Amazônia Ocidental, empresa vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, apresentou e teve aprovado o projeto “Pesquisas e Inovações Tecnológicas para o Desenvolvimento da Cultura do Cupuaçuzeiro no Estado do Amazonas”, junto à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam). O projeto propõe ações integradas entre a pesquisa, a extensão e os agricultores, num processo de pesquisa participativa, com atividades de capacitação a diversos multiplicadores e troca de informações entre os atores envolvidos na cadeia produtiva do cupuaçu. Neste projeto, que teve início em agosto de 2013 e termina em agosto de 2015, o estudo sobre o manejo da vassoura-de-bruxa nas condições do Amazonas terá ênfase no controle genético, cultural, biológico e alternativo, de modo que, em curto, médio e longo prazo sejam produzidas tecnologias de controle da enfermidade, através do manejo integrado. A Embrapa contribuirá para o desenvolvimento da cultura no Amazonas, com inovação de clones selecionados com alta produtividade e resistência à doença. O objetivo geral do projeto é desenvolver pesquisas e inovações tecnológicas como contribuição para o desenvolvimento da cultura do cupuaçuzeiro no Estado do Amazonas e especificamente se busca ampliar o conhecimento sobre os aspectos bioecológicos da broca-do-fruto para embasar estratégias e táticas componentes do manejo integrado deste inseto-praga, determinar a existência de feromônio sexual da broca-do-cupuaçu e buscar a sua identificação dentre outras. A engenheira agrônoma Aparecida Claret explica que as perspectivas são muito positivas em relação ao projeto, no que concerne a contribuir com ações inovadoras de pesquisas para o controle da broca-do-fruto e da vassoura-de-bruxa e ações de transferência de tecnologia, visando estabelecer estratégias para a sustentabilidade do sistema produtivo do cupuaçuzeiro no Estado do Amazonas. O projeto está sendo desenvolvido em rede, em parceria entre Unidades da Embrapa no Amazonas (Embrapa Amazônia Ocidental), Rondônia (Embrapa Rondônia) e Brasília (Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia), Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac) do Amazonas e Rondônia, e o Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam). Nos dias 26, 27 e 28 de novembro, os participantes do projeto estiveram reunidos em Manaus para discutir o desenvolvimento das atividades. Na quinta-feira (28/11), houve a palestra “Ecologia Química Aplicada ao Manejo de Pragas Agrícolas”, proferida pelos pesquisadores Miguel Borges e Maria Carolina Blassioli Moraes, da Embrapa Recursos Genéticos (Brasília-DF), com o objetivo de orientar os participantes sobre técnicas e metodologias de pesquisa para isolamento e identificação de semioquímicos, tais como feromônios, na avaliação comportamental de insetos e na aplicação no manejo de pragas agrícolas. Colaboração de Maria José Tupinambá, da Embrapa Amazônia Ocidental, para o EcoDebate, 19/12/2013 http://www.ecodebate.com.br/2013/12/19/pesquisa-em-rede-busca-solucoes-para-praga-e-doencado-cupuacuzeiro-no-am/


Veículo: Site – G1.Globo Editoria: Pag: Assunto: Cientistas suíços descobrem gene que reduz obesidade em roedores Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Release da assessoria

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

Cientistas suíços descobrem gene que reduz obesidade em roedores Cientistas suíços descobriram um gene que impede o desenvolvimento da obesidade, em um estudo com roedores geneticamente modificados que se submeteram a uma dieta rica em gordura e açúcar. A descoberta é resultado de 15 anos de pesquisa de cientistas da Universidade de Lausanne (Unil) na Suíça, segundo informou a instituição em comunicado. Roedores transgênicos submetidos ao estudo tiveram uma deficiência parcial do gene MCR1, um transportador de lactatos do alimento para os neurônios, além de uma menor acumulação de gordura no fígado. "Enquanto o peso dos roedores do tipo selvagem aumentou 16,7% após 12 semanas, os roedores transgênicos só engordaram 7,7%", explicou o professor do Instituto de Fisiologia da Unil, Luc Pellerin. Os resultados do estudo sugerem que no futuro se poderia utilizar o descobrimento com fins terapêuticos e bloquear parcialmente o gene MCR1 através de um inibidor de sínteses, embora sejam necessários mais estudos sobre o assunto. Pellerin insistiu que o enfoque farmacológico só pode ser uma ajuda na luta contra a obesidade e que o estilo de vida, a dieta e a atividade física continuam sendo as principais armas contra a doença. http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2013/12/cientistas-suicos-descobrem-gene-que-reduzobesidade-em-roedores.html


Veículo: Site – Inpa Editoria: Pag: Assunto: Pesquisadores do Inpa são selecionados para receber auxílio financeiro a projetos na área ambiental Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

Pesquisadores do Inpa são selecionados para receber auxílio financeiro a projetos na área ambiental 2013-12-18 – 12:50:25 De acordo com a Chamada Pública nº68, o objetivo é priorizar estudos sobre os impactos de mudanças ambientais nas interações entre biosfera e atmosfera, com ênfase no ciclo do carbono Por Luciete Pedrosa Pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI) foram selecionados para receber apoio financeiro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) para projetos, que visem contribuir significativamente para o desenvolvimento científico do País, dentro do Programa de Grande Escala da Biosfera-Atmosfera na Amazônia (LBA, na sigla em inglês). Ao todo, cerca de 60 propostas foram apresentadas para avaliação da Chamada Pública MCTI/CNPq/FNDCT/Ação Transversal nº68/2013, das quais 14 foram aprovadas para financiamento com recursos no valor global estimado de R$ 11 milhões. Desse total de pesquisadores contemplados, quatro são do Inpa, sendo que os demais projetos incluem pesquisadores colaboradores da instituição. Para o gerente científico do Programa LBA, Laszlo Naggy, a vinda desses recursos é inestimável. “A ênfase, nesta segunda fase do LBA, é a interdisciplinaridade e a integração. A chamada foi feita para projetos inter e multidisciplinares sendo que as propostas aprovadas representam uma ampla variedade de tópicos. O nosso trabalho, agora na direção científica do LBA, é estabelecer uma coordenação e buscar sinergias na implementação dos projetos para que a execução do Plano Científico do LBA possa ser maximizada”, disse o pesquisador.


Beneficiados Os pesquisadores do Inpa que tiveram suas propostas aprovadas pelo CNPq foram: Rita de Cassia Mesquita, pesquisadora do Projeto Dinâmica Biológica de Fragmentos Florestais (PDBFF): “Como as florestas da Amazônia Central respondem às variações climáticas? Efeitos sobre dinâmica florestal e sinergia com a fragmentação florestal"; Carlos Alberto Nobre Quesada, pesquisador do Laboratório Temático de Solos e Plantas: “Interações biológicas da ciclagem do fósforo em solos da Amazônia”; Maria Tereza Piedade, pesquisadora da Coordenação de Dinâmica Ambiental (CDAM): "Distúrbios hidrológicos na vegetação de florestas alagáveis por rios de água-preta (igapó na Amazônia Central: diferenciando anomalias climáticas de impactos antropogênicos"; e Bruce Ride Forsberg, também do CDAM: “A influência de potenciais mudanças climáticas e no uso da terra sobre a biogeoquímica do carbono e nutrientes nos rios e várzeas da Amazônia Central”. A chamada pública teve como objetivo apoiar projetos de pesquisa que visem promover o avanço do conhecimento sobre o funcionamento dos ecossistemas da Amazônia e de áreas de transição com o Cerrado; priorizar estudos sobre os impactos de mudanças ambientais nas interações entre biosfera e atmosfera, com ênfase no ciclo do carbono, incluindo a resposta da floresta tropical à elevação da concentração de CO2 atmosférico e associar abordagens observacionais e experimentais com a formação de recursos humanos, além de fortalecer a infraestrutura de pesquisa de forma a contribuir para integração de diferentes componentes de estudos ecossistêmicos. A gerente operacional do Programa LBA e pesquisadora do Inpa, Hillandia Brandão, destacou a importância dos investimentos para a pesquisa na região. “Este edital do CNPq era muito esperado pelos pesquisadores do Inpa porque são recursos que vão ajudar a apoiar pesquisas em diversas áreas de estudos na Amazônia”, disse. De acordo com a chamada pública, os projetos selecionados vão trabalhar em três linhas de ação: o ambiente amazônico em transformação: interações entre o meio físico e biótico, as práticas e mudanças de uso da terra e impactos sociais e ambientais das alterações climáticas; sustentabilidade dos serviços ambientais e os sistemas de produção terrestres e aquáticos; e variabilidade climática e hidrológica. O que é o LBA O LBA tornou-se um programa de governo em setembro de 2007, por meio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), renovando a agenda de pesquisas iniciada em 1998, quando era mantido por acordos de cooperação internacional. Hoje, o LBA, sob a coordenação científica do Inpa, é uma das maiores experiências científicas do mundo na área ambiental e é considerado o maior experimento sobre ecossistemas tropicais já realizado. O LBA tem contribuído para melhorar os modelos de previsão climática; medir as emissões de carbono das hidrelétricas na Amazônia e o potencial uso do metano para geração de energia elétrica adicional nas usinas; realizar novas medidas reais de densidade da madeira no sul da Amazônia, mostrando que biomassa acumulada é menor do que em estimativas anteriores. Durante os primeiros 10 anos de existência (1998-2007), o LBA foi gerenciado pelo MCTI e coordenado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), tendo a NASA e outras instituições dos Estados Unidos e Europa como parceiros. Eles cobriram cerca de metade dos US$100 milhões investidos neste período. Hoje,


transformado em programa governamental, o LBA conta com recursos brasileiros previstos do Plano Plurianual (PPA) que garantem a manutenção de sua infraestrutura básica. A missão agora é buscar outras fontes de financiamento para continuar ampliando as pesquisas. Os resultados integrados, obtidos pelas diferentes equipes de cientistas, têm permitido entender alguns mecanismos que governam as interações da floresta com a atmosfera, tanto em condições naturais (da floresta intacta) como alteradas. Foto da chamada: Tabajara Moreno (Acervo Ascom/Inpa) https://www.inpa.gov.br/noticias/noticia_sgno2.php?codigo=3097


Veículo: Site – Ciência em Pauta Editoria: Pag: Assunto: Programas RH-TI e Pró-Engenharias terão continuidade em 2014 Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

Programas RH-TI e Pró-Engenharias terão continuidade em 2014 Postado em 18/12/2013 O Governo do Estado, por intermédio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), anunciou nesta terça-feira (17) a continuidade dos programas estratégicos de Indução à Formação de Recursos Humanos em Engenharias no Amazonas (Pró-Engenharias) e de Indução à Formação de Recursos Humanos em Tecnologia da Informação (RH-TI). Os programas, pioneiros no Brasil, atendem atualmente a 80 estudantes e envolvem a Fapeam, que financia parte dos recursos, com a cooperação da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), e das Secretarias de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI-AM) e de Educação e Qualidade do Ensino (Seduc). O anúncio foi feito pela diretora-presidenta da Fapeam, Maria Olívia Simão, durante cerimônia de entrega de certificados aos alunos participantes das primeiras turmas dos dois programas, que aconteceu no Salão Nobre do Instituto de Educação do Amazonas (IEA). Segundo Maria Olívia, a continuidade significa que o esforço em desenvolver e implementar os programas foi proveitoso, contando sempre com a intensa contribuição, por parte da equipe de idealizadores, coordenadores, professores e alunos. Para o próximo edital serão disponibilizados R$ 2 milhões e selecionados 80 novos alunos do ensino médio, sendo 40 alunos para o Pró-Engenharias e 40 para o RH-TI. Olívia acredita que com profissionais capacitados nas ��reas de engenharias e de tecnologia da


informação será possível, por meio da industrialização inovadora, aproveitar melhor as potencialidades econômicas existentes no Amazonas. Para o titular da SECTI-AM, Odenildo Sena, os heróis dessa jornada são os próprios alunos, que cumpriram com êxito a primeira etapa dos dois programas. O secretário destacou que a formatação dos programas RH-TI e Pró-Engenharias é uma experiência inédita no Brasil, e acredita que outros Estados venham a tomar a experiência desenvolvida no Amazonas como referência para formatar políticas públicas na área educacional. Outro aspecto inédito salientado pelo secretário é que os alunos participantes dos programas já entrarão nas universidades como bolsistas de iniciação científica da Fapeam, o que dará um conforto financeiro. “Tenho tranquilidade em afirmar que o RH-TI e o Pró-Engenharias são programas vitoriosos. Com isso, colocamos nos ombros desses jovens uma responsabilidade imensa, pois, durante dois anos, eles deram conta desse desafio inicial, o que coloca o Amazonas no topo dos programas originais na formação de recursos humanos de alto nível na área de ciências exatas, que são cruciais para o desenvolvimento do Brasil”, disse. SOLENIDADE Além dos titulares da Fapeam e da SECTI-AM, a solenidade de entrega dos certificados contou com a participação da professora Magaly Portela, representando o secretário de Educação, Rossieli Silva; Shirley Maria Vieira, diretora do IEA; Ruiter Caldas, coordenador do programa RH-TI; Disney Douglas Oliveira, coordenador do Pró-Engenharias; secretário-executivo adjunto da SectiAM, Eduardo Taveira; coordenadora distrital da Seduc, Shirley Costa; professores e alunos dos dois programas. Aluna Bianca Ferreira Gomes, do Programa Pró-Engenharias. Foto Denison Silvan Aluna Bianca Ferreira Gomes, do Programa Pró-Engenharias. Foto Denison Silvan A estudante Bianca Ferreira Gomes, do Programa Pró-Engenharias, agradeceu em nome da sua turma, a oportunidade de participar do programa e destacou experiências e conhecimentos. Ela acredita que levará esse histórico por sua trajetória social, acadêmica e profissional. “Sabemos que ingressar em uma universidade pública em cursos concorridos, como o de Engenharia, é uma tarefa difícil, mas estamos confiantes”, afirmou. Bianca salientou que o primeiro ano do curso de engenharia é o período que mais apresenta evasão, por conta das dificuldades nas disciplinas básicas. “Ficamos mais tranquilos, pois sabemos que teremos um acompanhamento no primeiro ano de faculdade, não somente pela bolsa de estudos, mas pelo acompanhamento que será dado e o incentivo à participação em ações de ciência”. SOBRE OS PROGRAMAS Os programas têm como objetivo estimular estudantes, a partir do segundo ano do Ensino Médio, a seguirem carreira na área de Tecnologia da Informação (TI) e de Exatas, por meio de atividades orientadas e executadas em escolas da rede pública estadual de ensino. Fonte: Agência Fapeam, por Denison Silvan http://www.cienciaempauta.am.gov.br/2013/12/programas-rh-ti-e-pro-engenharias-teraocontinuidade-em-2014/


Veículo: Site – Ciência em Pauta Editoria: Pag: Assunto: Estudos e resultados serão apresentados no Fórum de Gestores Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria

✘ - Positivo

- Negativo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação Publicado no site da FAPEAM:

Sim

Não Data: 19/12/2013

Estudos e resultados serão apresentados no Fórum de Gestores CIÊNCIAEMPAUTA, POR MARLÚCIA SEIXAS Postado em 17/12/2013 Informações sobre o mercado de trabalho dos engenheiros na Região Norte e um estudo de caracterização das incubadoras de empresas do Amazonas serão apresentados durante a 9ª Reunião Ordinária do Fórum Estadual de Gestores de Instituições de Ensino e Pesquisa. As duas pesquisas foram realizadas pelo Departamento de Relações Interinstitucionais e Indicadores de CT&I (DIN), da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTIAM) e, agora, começam a ser disponibilizadas também na versão impressa, na série intitulada Cadernos de CT&I Amazonas. A primeira edição foi lançada no último dia 05, no Fórum de Inovação, e tratou da caracterização das incubadoras. O lançamento da próxima edição, sobre a empregabilidade dos mestres na Região Norte, está previsto para janeiro. Ainda no campo das engenharias, durante o Fórum também será apresentado o artigo “Programa estratégico da indução à formação de recursos humanos em engenharias no Amazonas PróEngenharias”. O trabalho foi desenvolvido pelo coordenador do Programa de Apoio ao Ensino e à Pesquisa Científica e Tecnológica em Engenharias (Pró-Engenharias), Disney Douglas, em parceria com as coautoras Rosângela Fernandes e Cristiane Lima, pedagogas participantes do processo de formação dos alunos.


PRÓ-ENGENHARIAS O Pró-Engenharias é uma iniciativa do Governo do Amazonas, por meio da SECTI-AM, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) e Secretaria de Estado de Educação (Seduc). O objetivo é desenvolver as engenharias a partir do estímulo ao ingresso em cursos da área de Exatas. O programa é direcionado a estudantes do ensino médio da rede pública estadual. Os alunos que fazem parte do Pró-Engenharias participam de diversas atividades extracurriculares como visitas técnicas, palestras, oficinas e grupos de estudo. No período de 25 a 27 de novembro, um grupo composto por professores e alunos visitou cinco instituições ligadas à ciência, tecnologia e inovação no Estado de São Paulo: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe); Catavento Cultural e Educacional; Museu da Língua Portuguesa; Universidade de São Paulo (USP) e Aquário de São Paulo. As redes fito visam articular parcerias no campo da biodiversidade brasileira. Foto: reprodução As redes fito visam articular parcerias no campo da biodiversidade brasileira. Foto: Reprodução REDES FITO Com o intuito de promover a Rede Fito Amazônia, Fabiana Frickmann, do Núcleo de Gestão em Biodiversidade e Saúde (NGBS) da Fiocruz apresentará uma palestra sobre o funcionamento das redes de fitoterápicos, bem como tratará da importância de parcerias para garantir o acesso seguro e uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos no País. As redes fito atuam com o objetivo de articular com diversos segmentos a formação de parcerias no campo da biodiversidade brasileira, de acordo com os biomas: Amazônia, Cerrado, Caatinga, Pantanal, Mata atlântica e Pampa. A reunião ordinária do Fórum Estadual de Gestores de Instituições de Ensino e Pesquisa será realizada na próxima quarta-feira (18), a partir das 14h no auditório da Faculdade La Salle, à avenida Dom Pedro, 1.151, bairro Dom Pedro, Zona Centro-Oeste de Manaus. Acesse a programação completa aqui. CIÊNCIAemPAUTA, por Marlúcia Seixas http://www.cienciaempauta.am.gov.br/2013/12/estudos-propostas-e-resultados-serao-apresentadosna-ultima-reuniao-de-2013-do-forum-de-gestores/


Veículo: Site – Ciência em Pauta Editoria: Pag: Assunto: Pesquisa percorre rio para estimar população de botos na Amazônia Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

Pesquisa percorre rio para estimar população de botos na Amazônia Postado em 18/12/2013 O Instituto Mamirauá realizou, de 3 a 12 dezembro, a primeira expedição para estimativa da abundância de botos no lago e rio Tefé, um afluente do rio Solimões, no estado do Amazonas. A expedição científica é parte de um esforço de colaboração entre a instituição brasileira e a Fundação Omacha, da Colômbia, com o objetivo de avaliar e monitorar as populações de boto vermelho e tucuxi na América do Sul, nas bacias dos rios Amazonas e Orinoco. “A ideia é obter estimativas populacionais de golfinhos amazônicos (boto vermelho (Inia geoffrensis) e tucuxi (Sotalia fluviatilis)) na Amazônia. Com esses dados, nós poderemos comparar a densidade populacional entre as áreas amostradas, pois até recentemente pouco se sabia sobre essas estimativas. Em alguns anos, vamos poder dizer se a população desses animais está aumentando ou diminuindo e propor estratégias para a conservação em áreas prioritárias”, disse a bióloga PhD. Catarina Gomez, da Fundação Omacha. Segundo Heloíse Pavanato, pesquisadora do Instituto Mamirauá, a equipe percorreu aproximadamente 900 quilômetros, a bordo de um barco regional. “Nós avistamos cerca de 400 grupos, entre boto vermelho e tucuxi. Resultados parciais indicam que na região do rio e lago Tefé há mais boto vermelho”, informou a pesquisadora. Os 12 pesquisadores dividiam-se em grupos para avistar os animais. Observadores ficavam na parte da frente e outros na parte de trás do barco, registrando os dados de avistagem em uma planilha com horário, coordenadas geográficas, distância (da embarcação para o animal), tamanho do grupo e


condições ambientais. Ao longo dos nove dias de duração da expedição, o esforço diário de observação foi de cerca 12 horas. Agora os dados serão analisados, conforme o método utilizado nas expedições anteriores, que incluem embarques realizados também na Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia, conforme explicou Heloise: “Vamos obter a densidade populacional das duas espécies, então teremos o número de animais por quilômetro quadrado. É esse resultado que nós queremos”. A expedição contou com a participação de pesquisadores da Universidade Federal de Juiz de Fora, Universidade Federal do Maranhão, Universidade Estadual do Maranhão, Instituto de Pesquisas do Amapá e Fundação Mamíferos Aquáticos. Em 2012, o Instituto Mamirauá e a Fundação Omacha realizaram a mesma expedição no Rio Purus, com membros da Associação Amigos do Peixe-boi (Ampa), Instituto Piagaçu Purus e colaboradores do Grupo de Pesquisa em Mamíferos Aquáticos do Instituto Mamirauá dos estados do Amapá, Maranhão e Piauí. Fonte: Instituto Mamirauá http://www.cienciaempauta.am.gov.br/2013/12/pesquisa-percorre-rio-para-estimar-populacao-debotos-na-amazonia/


Veículo: Site – Ciência em Pauta Editoria: Pag: Assunto: Revista Science explica como as doenças se propagam pelo mundo Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Release da assessoria

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

Revista Science explica como as doenças se propagam pelo mundo Postado em 18/12/2013 Matéria da revista Science aborda como as doenças são disseminadas em todo o mundo. A publicação afirma que a disseminação global de infecções pode ser entendida como um processo de reação-difusão simples através da rede de transporte. Quando uma infecção emergente aparece, as pessoas se perguntam se ela virá, onde vivem e quanto tempo vai demorar a chegar. As doenças infecciosas há muito tempo se espalham com as viagens e o comércio, como a disseminação da SARS em 2003 e da gripe H1N1 em 2009. A rede global de aviação tornou-se um propagador potente de infecções pelo mundo. No entanto, a distância geográfica não pode explicar a propagação global de infecções, porque há muitas viagens de longa distância em toda a rede de viagens aéreas. Para superar este problema, Brockmann e Helbing definiram a distância de aeroportos na rede de transporte global. Simulações concluíram que as epidemias emergentes podem chegar a qualquer lugar a partir de um ponto específico. A matéria da revista diz ainda que as infecções são impulsionadas pela proporção de pessoas que deixam um aeroporto para ir para outro. Uma vez que as distâncias efetivas entre os aeroportos foram definidas, a propagação da infecção em toda a rede global da aviação reduz a um processo de reação-difusão simples, com ondas de propagação da infecção através de um conjunto de caminhos de uma cidade para outra. A nova definição de distância explica com bastante precisão a velocidade com que a SARS e a gripe H1N1 se espalhou para diversos países ao redor do mundo. Uma das ideias desta análise é que o tempo de chegada de uma nova infecção de um local para o


outro é o produto de dois componentes: a distância efetiva entre elas e a velocidade da frente de onda. A primeira delas depende apenas da rede de viagem subjacente estática, ela não é alterada pelos parâmetros específicos que definem o quão rápido uma determinada doença pode se espalhar. Em contraste, a velocidade de propagação depende apenas de parâmetros epidemiológicos de doenças específicas. Tratar sobre este problema complexo envolve algumas hipóteses simples. O número de passageiros que voam para fora de um aeroporto é proporcional ao tamanho da população atendida por esse aeroporto. Embora seja uma hipótese plausível, não é apoiada por todos os dados em Brockmann e papel de Helbing. Essa hipótese precisa de testes com dados específicos sobre o tráfego de passageiros em vários aeroportos e os tamanhos das populações que servem. A revista finaliza a matéria afirmando que nos últimos anos, as teorias de rede têm sido amplamente aplicadas para explicar a propagação de doenças. Esses estudos assumem frequentemente (como fazem Brockmann e Helbing) que a rede de transmissão subjacente é fixa. Para muitas redes, tais como as interações sociais entre os indivíduos, essa suposição é totalmente restritiva. Talvez uma das razões para que a teoria de Brockmann e Helbing de redes de epidemias funcione tão bem. Dado o crescimento projetado de número de passageiros durante as próximas décadas, essa teoria pode ser capaz de eliminar o quanto antes as próximas SARS ou H1N1. Fonte: Jornal do Brasil http://www.cienciaempauta.am.gov.br/2013/12/revista-science-explica-como-as-doencas-sepropagam-pelo-mundo/


Veículo: Site – Ciência em Pauta Editoria: Pag: Assunto: Ministérios e Fapesp anunciam apoio a pesquisas sobre a internet Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Release da assessoria

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

Ministérios e Fapesp anunciam apoio a pesquisas sobre a internet Postado em 18/12/2013 Os ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e das Comunicações (MiniCom) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) firmarão convênio de cooperação para apoiar projetos de pesquisa científica e tecnológica que contribuam para o desenvolvimento da internet no Brasil. A assinatura do convênio ocorreu na manhã desta quarta-feira (18), na sede da Fapesp. Estiveram presentes os ministros Marco Antonio Raupp (MCTI) e Paulo Bernardo (MC); o presidente da Fapesp, Celso Lafer; o secretário de Política de Informática do MCTI e coordenador do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), Virgilio Almeida, e o diretor científico da Fapesp, Carlos Henrique de Brito Cruz. O valor a ser destinado a projetos corresponde aos recursos remanescentes do período em que a Fapesp, por delegação do CGI.br, geriu as atividades de registro de domínio e alocação de endereços IP no País, entre 1998 e dezembro de 2005. Os recursos serão distribuídos entre projetos apresentados por pesquisadores de todo o País. Fonte: Fapesp http://www.cienciaempauta.am.gov.br/2013/12/ministerios-e-fapesp-anunciam-apoio-a-pesquisassobre-a-internet/


Veículo: Site – Ciência em Pauta Editoria: Pag: Assunto: EUA convocam primeiras ajudas para programa de pesquisa do cérebro Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Release da assessoria

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

EUA convocam primeiras ajudas para programa de pesquisa do cérebro Postado em 18/12/2013 O Instituto Nacional de Saúde (NIH) dos Estados Unidos anunciou nesta terça-feira (17) a convocação das seis primeiras ajudas, de US$ 40 milhões, para o programa de pesquisa que pretende conseguir mapear o cérebro humano para ajudar a curar doenças como Alzheimer e epilepsia. Estes investimentos viabilizarão o projeto Pesquisa Cerebral Mediante Neurotecnologias Inovadoras de Vanguarda (Brain) que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou em abril e que quer ser o equivalente no cérebro do projeto do genoma humano, disse o NIH. O objetivo desta primeira convocação, cujos seis beneficiados serão divulgados em setembro de 2014, é criar um novo arsenal de ferramentas técnicas que permitam um avanço da ciência básica, seguindo as recomendações emitidas pelo Comitê Assessor do diretor do grupo de trabalho de Brain, em setembro. Serão financiados dois projetos centrados no desenvolvimento de métodos para classificar as diferentes células e circuitos do cérebro e, outro, destinado a apoiar a formação de equipes científicas interdisciplinares para desenvolver a próxima geração de scanners não invasivos. Os três outros serão destinados a otimizar as técnicas para captar os conjuntos de células que operam no cérebro. “Temos uma oportunidade sem precedentes de desenvolver novas tecnologias que nos permitirão cartografar os circuitos do cérebro, medir a atividade existente e entender como suas interações


mantêm a saúde e modulam o comportamento humano”, afirmou o diretor do NIH, Francis Collins. Obama explicou na apresentação que o objetivo do programa é “dar aos cientistas as ferramentas que necessitem para conseguir uma imagem dinâmica do cérebro em ação e um melhor entendimento de como pensamos, aprendemos e lembramos”. A iniciativa Brain, na qual a Fundação Nacional de Ciência, a Agência de Projetos de Pesquisa de Defesa Avançados e organizações privadas colaboram com o NIH, é um esforço federal que contará em 2014 com um orçamento de US$ 110 milhões. Fonte: EFE http://www.cienciaempauta.am.gov.br/2013/12/eua-convocam-primeiras-ajudas-para-programa-depesquisa-do-cerebro/


Veículo: Site – Ciência em Pauta Editoria: Pag: Assunto: Pesquisadores da USP criam raio X digital que reduz a radição em até 80% Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Release da assessoria

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

Pesquisadores da USP criam raio X digital que reduz a radição em até 80% Postado em 18/12/2013 Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), em São Carlos, desenvolveram o protótipo do primeiro raio X digital com tecnologia totalmente brasileira. O aparelho melhora a qualidade das radiografias e reduz a radiação em até 80%. O equipamento foi desenvolvido para uso em consultórios odontológicos e deve entrar no mercado em 2016. Dentista há 16 anos, Julio Cesar Pedro, sempre se preocupou com a permanência excessiva de radiação. Ele segue a risca todas as normas de segurança. “Pode causar problemas de articulação, ósseos, na pele. Essa radiação é cumulativa e pode ser perigosa”, afirmou. Pensando em diminuir a radiação, uma pesquisa desenvolvida pelo Instituto de Física da USP criou protótipo de raio X digital, após 18 meses de trabalho. “Os métodos tradicionais de radiologia terão que ser substituídos por essa tecnologia nova, por questões de Proteção ambiental, facilidade, preço e disponibilidade”, disse o pesquisador da USP Vanderlei Bagnato. A universidade ficou responsável pela ótica mecânica e o Instituto de Pesquisa do Ceará, o Atlântico, desenvolveu os componentes eletrônicos e o programa de processamento. Um chip é fixado em uma placa, onde a imagem é gravada. O raio X é acionado e, sem seguida, a placa é colocada no equipamento e o resultado vai para a tela do computador. Os detalhes são nítidos. “Ela tem uma resolução muito maior, eu posso ver detalhes que eu não veria no convencional”, afirmou Bagnato.= O equipamento para capturar a imagem é o mesmo usado atualmente nos consultórios


odontológicos. A principal vantagem é que a nova tecnologia reduz os níveis de radiação entre 50% e 80%. Isso pode diminuir o risco de exposição não só para os profissionais da área da saúde, mas também para pacientes. O raio X digital usado atualmente nos consultórios do País é importado. Há um ano, a dentista Claudia Soares comprou o equipamento de um fabricante americano. Ela eliminou os produtos químicos usados na revelação e está feliz com os resultados. “Consigo ver coisas que na radiografia normal a gente não consegue. Ela é muito pequena e às vezes precisa de lupa. Com o raio x digital eu vejo na hora. Consigo ampliar alguma lesão, anatomia dentro do canal, que eu não conseguiria ver no raio x normal”, afirmou. O protótipo desenvolvido na USP só deve chegar ao mercado em 2016. O próximo passo é desenvolver um aparelho para ser usado na área de ortopedia. Os pesquisadores também querem que a tecnologia chegue rapidamente à rede pública de saúde. Fonte: G1 http://www.cienciaempauta.am.gov.br/2013/12/pesquisadores-da-usp-criam-raio-x-digital-quereduz-a-radicao-em-ate-80/


Veículo: Site – Portal do Governo do Estado do Amazonas

Editoria:

Pag:

Assunto: Governo do Estado certifica a primeira turma de estudantes beneficiados pelos programas ‘Pró-Engenharias’ e ‘RH-TI’ Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

Governo do Estado certifica a primeira turma de estudantes beneficiados pelos programas ‘Pró-Engenharias’ e ‘RH-TI’ Um grupo de 60 jovens, estudantes do ensino médio da rede pública estadual foi certificados, nesta terça-feira (17 de dezembro) pelos programas estratégicos de Indução à Formação de Recursos Humanos em Engenharias (Pró-Engenharias) e de Indução à Formação de Recursos Humanos em Tecnologia da Informação (RH-TI). Oportunizados pelo Governo do Estado de forma inédita no Brasil e sendo coordenados conjuntamente pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc), Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) e Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), os dois programas têm por finalidade suscitar talentos para as áreas de exatas e favorecer o surgimento de profissionais de referência em engenharias e no segmento das tecnologias da informação (TI). Os 60 estudantes que receberam a certificação representam a primeira turma de formandos dos dois cursos, que abrirão vagas para a participação de novos alunos em 2014, conforme anunciado pela diretora-presidente da Fapeam, Maria Olívia Simão. “Os programas terão continuidade e serão aprimorados. O Governo do Estado já está trabalhando na formatação do novo edital de seleção e já destinou dois milhões de reais para o desenvolvimento das futuras atividades”, anunciou Maria Olívia Simão. Durante a cerimônia de certificação, a diretora-presidente da Fapeam destacou a motivação e a perseverança dos estudantes em concluir os trabalhos. “Colocamos em prática este projeto-piloto que foi muito bem sucedido em sua primeira etapa de desenvolvimento. Recebendo um acompanhamento especializado, a participação no Pró-Engenharias e no RH-TI faz de cada um dos


participantes um diferencial para o ingresso no ensino superior e, futuramente, para a inserção no mercado”, apontou Maria Olívia. O secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), Odenildo Sena, destacou o caráter inovador dos programas estaduais e parabenizou os primeiros formandos. “Há de se destacar que esta experiência é inédita no Brasil e posiciona o Amazonas como Estado precursor no fomento ao surgimento de engenheiros e profissionais de TI”, destacou o secretário. Odenildo Sena citou também que, por meio dos dois programas, o Estado do Amazonas aponta uma solução para o que ele chama de ‘crise’ brasileira. “É notável o déficit de engenheiros. Com os dois programas, o Amazonas faz frente a esse desafio”, mencionou o secretário. A secretária adjunta Pedagógica da Seduc, Magaly Portela Régis, parabenizou os 60 estudantes que concluíram os programas e os motivou a dar continuidade aos estudos. “Parabenizamos a todos e enfatizamos que ainda há uma longa jornada para ser seguida por cada um. Integrando a primeira turma dos dois programas, vocês foram privilegiados e cabe a cada um colocar em prática, agora no ensino superior, as orientações recebidas pela equipe técnica que os acompanhou”, apontou Magaly Régis. Aprendizado - Bianca Gomes é estudante do Colégio Amazonense Dom Pedro II e conclui a formação em RH-TI. Satisfeita com o aprendizado adquirido, a jovem revela que pretende dar continuidade aos estudos e ingressar no ensino superior. “Participando do programa crescei muito, como estudante e como pessoa. Confesso que não tinha muito interesse pela área (de exatas), mas a formação ampliou minhas perspectivas e hoje pretendo ingressar no ensino superior e buscar uma maior qualificação”, mencionou. Para Sandro de Oliveira, que é aluno da escola estadual Francisco das Chagas Albuquerque e concluiu o Pró-Engenharias, a certificação é só o ‘primeiro passo’ de uma jornada que terá continuidade. “O certificado que hoje recebemos é apenas o começo. Estamos motivados e temos pela frente: faculdade, mestrado e doutorado. Os frutos, com certeza, colheremos em um futuro próximo”, disse Sandro. Pioneirismo - Lançados de forma pioneira no país, os programas Pró-Engenharias e RH-TI asseguraram aos estudantes um acompanhamento especializado. Participando dos programas, desenvolvidos no espaço do Instituto de Educação do Amazonas (IEA), os alunos contaram com uma equipe de professores, responsáveis por ministrar os conteúdos programados, esclarecer dúvidas, acompanhar pedagogicamente o desenvolvimento das ações e desenvolver projetos em prol do aprendizado. Inseridos nos programas, cada um dos 60 estudantes recebeu um netbook, uniformes, tiveram acesso a refeições diárias e também a uma bolsa de incentivo, mensal, no valor de R$ 196,00. Os jovens que participantes foram selecionados tendo como base as maiores médias obtidas no Processo Seletivo Contínuo (PSC) da Universidade Federal do Amazonas (Ufam). Conforme a coordenação de ambos os programas, logo que ingressaram no ensino superior, os estudantes que integraram o Pró-Engenharias e o RH-TI continuarão sendo assessorados pela equipe e também receberão, ao longo da graduação, uma bolsa de estudo associada a atividades de pesquisa. http://www.amazonas.am.gov.br/2013/12/governo-do-estado-certifica-a-primeira-turma-deestudantes-beneficiados-pelos-programas-pro-engenharias-e-rh-ti-2/


Veículo: Site – Amazonas Notícias Editoria: Pag: Assunto: Governo do Estado certifica a primeira turma de estudantes beneficiados pelos programas “Pró-Engenharias” e “RH-TI” Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

Governo do Estado certifica a primeira turma de estudantes beneficiados pelos programas “Pró-Engenharias” e “RH-TI” 17 dezembro, 2013 Um grupo de 60 jovens, estudantes do ensino médio da rede pública estadual foi certificados, nesta terça-feira (17) pelos programas estratégicos de Indução à Formação de Recursos Humanos em Engenharias (Pró-Engenharias) e de Indução à Formação de Recursos Humanos em Tecnologia da Informação (RH-TI). Oportunizados pelo Governo do Estado de forma inédita no Brasil e sendo coordenados conjuntamente pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc), Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) e Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), os dois programas têm por finalidade suscitar talentos para as áreas de exatas e favorecer o surgimento de profissionais de referência em engenharias e no segmento das tecnologias da informação (TI). Os 60 estudantes que receberam a certificação representam a primeira turma de formandos dos dois cursos, que abrirão vagas para a participação de novos alunos em 2014, conforme anunciado pela diretora-presidente da Fapeam, Maria Olívia Simão. “Os programas terão continuidade e serão aprimorados. O Governo do Estado já está trabalhando na formatação do novo edital de seleção e já destinou dois milhões de reais para o desenvolvimento das futuras atividades”, anunciou Maria


Olívia Simão. Durante a cerimônia de certificação, a diretora-presidente da Fapeam destacou a motivação e a perseverança dos estudantes em concluir os trabalhos. “Colocamos em prática este projeto-piloto que foi muito bem sucedido em sua primeira etapa de desenvolvimento. Recebendo um acompanhamento especializado, a participação no Pró-Engenharias e no RH-TI faz de cada um dos participantes um diferencial para o ingresso no ensino superior e, futuramente, para a inserção no mercado”, apontou Maria Olívia. O secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), Odenildo Sena, destacou o caráter inovador dos programas estaduais e parabenizou os primeiros formandos. “Há de se destacar que esta experiência é inédita no Brasil e posiciona o Amazonas como Estado precursor no fomento ao surgimento de engenheiros e profissionais de TI”, destacou o secretário. Odenildo Sena citou também que, por meio dos dois programas, o Estado do Amazonas aponta uma solução para o que ele chama de ‘crise’ brasileira. “É notável o déficit de engenheiros. Com os dois programas, o Amazonas faz frente a esse desafio”, mencionou o secretário. A secretária adjunta Pedagógica da Seduc, Magaly Portela Régis, parabenizou os 60 estudantes que concluíram os programas e os motivou a dar continuidade aos estudos. “Parabenizamos a todos e enfatizamos que ainda há uma longa jornada para ser seguida por cada um. Integrando a primeira turma dos dois programas, vocês foram privilegiados e cabe a cada um colocar em prática, agora no ensino superior, as orientações recebidas pela equipe técnica que os acompanhou”, apontou Magaly Régis. Aprendizado Bianca Gomes é estudante do Colégio Amazonense Dom Pedro II e conclui a formação em RH-TI. Satisfeita com o aprendizado adquirido, a jovem revela que pretende dar continuidade aos estudos e ingressar no ensino superior. “Participando do programa crescei muito, como estudante e como pessoa. Confesso que não tinha muito interesse pela área (de exatas), mas a formação ampliou minhas perspectivas e hoje pretendo ingressar no ensino superior e buscar uma maior qualificação”, mencionou. Para Sandro de Oliveira, que é aluno da escola estadual Francisco das Chagas Albuquerque e concluiu o Pró-Engenharias, a certificação é só o ‘primeiro passo’ de uma jornada que terá continuidade. “O certificado que hoje recebemos é apenas o começo. Estamos motivados e temos pela frente: faculdade, mestrado e doutorado. Os frutos, com certeza, colheremos em um futuro próximo”, disse Sandro. Pioneirismo Lançados de forma pioneira no país, os programas Pró-Engenharias e RH-TI asseguraram aos estudantes um acompanhamento especializado. Participando dos programas, desenvolvidos no espaço do Instituto de Educação do Amazonas (IEA), os alunos contaram com uma equipe de professores, responsáveis por ministrar os conteúdos programados, esclarecer dúvidas, acompanhar pedagogicamente o desenvolvimento das ações e desenvolver projetos em prol do aprendizado.


Inseridos nos programas, cada um dos 60 estudantes recebeu um netbook, uniformes, tiveram acesso a refeições diárias e também a uma bolsa de incentivo, mensal, no valor de R$ 196,00. Os jovens que participantes foram selecionados tendo como base as maiores médias obtidas no Processo Seletivo Contínuo (PSC) da Universidade Federal do Amazonas (Ufam). Conforme a coordenação de ambos os programas, logo que ingressaram no ensino superior, os estudantes que integraram o Pró-Engenharias e o RH-TI continuarão sendo assessorados pela equipe e também receberão, ao longo da graduação, uma bolsa de estudo associada a atividades de pesquisa. http://amazonasnoticias.com.br/governo-do-estado-certifica-a-primeira-turma-de-estudantesbeneficiados-pelos-programas-pro-engenharias-e-rh-ti-2/


Veículo: Site – Amazônia na Rede Editoria: Pag: Assunto: Formada primeira turma de beneficiados pelos programas “PróEngenharias” e “RH-TI” Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação Publicado no site da FAPEAM:

Programa:

Sim

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

Formada primeira turma de beneficiados pelos programas “Pró-Engenharias” e “RH-TI” Publicado em Quarta, 18 Dezembro 2013 09:04 (Foto: Divulgação) Um grupo de 60 jovens, estudantes do ensino médio da rede pública estadual foi certificados, nesta terça-feira (17 de dezembro) pelos programas estratégicos de Indução à Formação de Recursos Humanos em Engenharias (Pró-Engenharias) e de Indução à Formação de Recursos Humanos em Tecnologia da Informação (RH-TI). Oportunizados pelo Governo do Estado de forma inédita no Brasil e sendo coordenados conjuntamente pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc), Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) e Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), os dois programas têm por finalidade suscitar talentos para as áreas de exatas e favorecer o surgimento de profissionais de referência em engenharias e no segmento das tecnologias da informação (TI). Os 60 estudantes que receberam a certificação representam a primeira turma de formandos dos dois cursos, que abrirão vagas para a participação de novos alunos em 2014, conforme anunciado pela diretora-presidente da Fapeam, Maria Olívia Simão. “Os programas terão continuidade e serão aprimorados. O Governo do Estado já está trabalhando na formatação do novo edital de seleção e já destinou dois milhões de reais para o desenvolvimento das futuras atividades”, anunciou Maria Olívia Simão.


Durante a cerimônia de certificação, a diretora-presidente da Fapeam destacou a motivação e a perseverança dos estudantes em concluir os trabalhos. “Colocamos em prática este projeto-piloto que foi muito bem sucedido em sua primeira etapa de desenvolvimento. Recebendo um acompanhamento especializado, a participação no Pró-Engenharias e no RH-TI faz de cada um dos participantes um diferencial para o ingresso no ensino superior e, futuramente, para a inserção no mercado”, apontou Maria Olívia. O secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), Odenildo Sena, destacou o caráter inovador dos programas estaduais e parabenizou os primeiros formandos. “Há de se destacar que esta experiência é inédita no Brasil e posiciona o Amazonas como Estado precursor no fomento ao surgimento de engenheiros e profissionais de TI”, destacou o secretário. Odenildo Sena citou também que, por meio dos dois programas, o Estado do Amazonas aponta uma solução para o que ele chama de ‘crise’ brasileira. “É notável o déficit de engenheiros. Com os dois programas, o Amazonas faz frente a esse desafio”, mencionou o secretário. A secretária adjunta Pedagógica da Seduc, Magaly Portela Régis, parabenizou os 60 estudantes que concluíram os programas e os motivou a dar continuidade aos estudos. “Parabenizamos a todos e enfatizamos que ainda há uma longa jornada para ser seguida por cada um. Integrando a primeira turma dos dois programas, vocês foram privilegiados e cabe a cada um colocar em prática, agora no ensino superior, as orientações recebidas pela equipe técnica que os acompanhou”, apontou Magaly Régis. Aprendizado - Bianca Gomes é estudante do Colégio Amazonense Dom Pedro II e conclui a formação em RH-TI. Satisfeita com o aprendizado adquirido, a jovem revela que pretende dar continuidade aos estudos e ingressar no ensino superior. “Participando do programa crescei muito, como estudante e como pessoa. Confesso que não tinha muito interesse pela área (de exatas), mas a formação ampliou minhas perspectivas e hoje pretendo ingressar no ensino superior e buscar uma maior qualificação”, mencionou. Para Sandro de Oliveira, que é aluno da escola estadual Francisco das Chagas Albuquerque e concluiu o Pró-Engenharias, a certificação é só o ‘primeiro passo’ de uma jornada que terá continuidade. “O certificado que hoje recebemos é apenas o começo. Estamos motivados e temos pela frente: faculdade, mestrado e doutorado. Os frutos, com certeza, colheremos em um futuro próximo”, disse Sandro. Pioneirismo - Lançados de forma pioneira no país, os programas Pró-Engenharias e RH-TI asseguraram aos estudantes um acompanhamento especializado. Participando dos programas, desenvolvidos no espaço do Instituto de Educação do Amazonas (IEA), os alunos contaram com uma equipe de professores, responsáveis por ministrar os conteúdos programados, esclarecer dúvidas, acompanhar pedagogicamente o desenvolvimento das ações e desenvolver projetos em prol do aprendizado. Inseridos nos programas, cada um dos 60 estudantes recebeu um netbook, uniformes, tiveram acesso a refeições diárias e também a uma bolsa de incentivo, mensal, no valor de R$ 196,00. Os jovens que participantes foram selecionados tendo como base as maiores médias obtidas no Processo Seletivo Contínuo (PSC) da Universidade Federal do Amazonas (Ufam). Conforme a coordenação de ambos os programas, logo que ingressaram no ensino superior, os estudantes que integraram o Pró-Engenharias e o RH-TI continuarão sendo assessorados pela equipe e também receberão, ao longo da graduação, uma bolsa de estudo associada a atividades de pesquisa. http://www.amazonianarede.com.br/mais-noticias/ci%C3%AAncia-e-tecnologia/10239-formadaprimeira-turma-de-beneficiados-pelos-programas-%E2%80%9Cpr%C3%B3-engenharias %E2%80%9D-e-%E2%80%9Crh-ti%E2%80%9D


Veículo: Site – Confap Assunto: Câmara adia votação da PEC 290 Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Editoria:

Pag: Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não

Programa:

Data: 19/12/2013

Câmara adia votação da PEC 290 Frustrando expectativas da comunidade científica brasileira, do governo em seus vários níveis, do empresariado dedicado à inovação e dos próprios membros da Comissão Especial da Câmara dos Deputados que trata do novo marco legal para atividades de ciência, tecnologia e inovação no Brasil , os deputados federais não votaram a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) na data prevista, 17/12/2013. Durante aquele dia, os parlamentares se ocuparam da Lei do Orçamento e de outras matérias, deixando – provavelmente para 2014 – a apreciação da PEC 290-B. Foto externa do Congresso Nacional<br /> 22.11.03<br /> Foto Reynaldo Stavale Nesta terça-feira, por outro lado, o Plenário do Senado aprovou o projeto de lei (PLC 55/2013) que cria três centros de pesquisa ligados ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação : o Centro de Tecnologias Estratégicas do Nordeste, o Instituto Nacional de Pesquisa do Pantanal e o Instituto Nacional de Águas. De autoria do Executivo, o projeto foi votado em regime de urgência. Como já foi aprovado na Câmara, a matéria agora segue para a sanção presidencial. O texto prevê também a criação de 83 cargos comissionados e a transferência do Museu de Biologia Professor Mello Leitão, localizado em Santa Tereza (ES), do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) para o ministério. O nome do museu será alterado para Instituto Nacional da Mata Atlântica. O impacto anual no orçamento com o pagamento de pessoal, de acordo com a exposição de motivos que acompanhou o projeto, será de R$ 5,3 milhões. Centros


De acordo com o projeto, o Centro de Tecnologias Estratégicas do Nordeste buscará o desenvolvimento econômico e social da região e atuará como facilitador da formação de redes temáticas de pesquisa, identificando oportunidades e necessidades e realizando estudos e projetos interdisciplinares. O Instituto de Pesquisa do Pantanal terá como foco a instalação de infraestrutura de apoio às pesquisas na região. Também buscará integrar e articular ações, fomentando o desenvolvimento de modelos e bancos de dados para a transferência de conhecimento. Já o Instituto Nacional de Águas estará voltado à geração de conhecimento e de novas tecnologias para o uso racional dos recursos hídricos, buscando ainda soluções para minimizar impactos das mudanças climáticas e promovendo educação ambiental e melhor gestão dos recursos hídricos. Fonte: Assessoria de Imprensa da FAPESC, com dados da Agência Senado http://www.confap.org.br/camara-adia-votacao-da-pec-290/


Veículo: Site – Ministério da Ciência, Tecnologia Editoria: e Inovação

Pag:

Assunto: CsF abre oportunidades para pesquisa na Suécia Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

Programa:

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

CsF abre oportunidades para pesquisa na Suécia 18/12/2013 - 18:17 Os interessados em realizar pesquisas na Suécia têm até 17 de maio de 2014 para formalizar a inscrição na terceira chamada pública fruto da parceria entre o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCTI) e o Centro de Pesquisa e Inovação Sueco-Brasileiro (Cisb). As bolsas são oferecidas pelo programa Ciência sem Fronteiras (CsF). Os beneficiados poderão desenvolver os projetos de pesquisa tanto nas universidades suecas parceiras como nos centros de pesquisa e desenvolvimento da empresa do país escandinavo de defesa e segurança Saab AB. O edital completo está disponível aqui. Sediado em São Bernardo do Campo (SP), o Cisb foi criado pela Saab em maio de 2011 com objetivo implementar acordos de cooperação em ciência, inovação e alta tecnologia entre Brasil e Suécia. Empresas suecas como Stora Enso e Scania são alguns dos membros do centro e incentivadoras da iniciativa. Na segunda chamada da parceria foram inscritos mais de 48 projetos na plataforma colaborativa do Cisb, um aumento de 41% em relação à primeira chamada. Ao final, 31 propostas foram aplicadas oficialmente na plataforma Carlos Chagas do CNPq, das quais dez foram contempladas com bolsas de pós-graduação. Texto: Ascom do Cisb http://www.mcti.gov.br/index.php/content/view/352002/CsF_abre_oportunidades_para_pesquisa_na _Suecia.html


Veículo: Site – Ministério da Ciência, Tecnologia Editoria: e Inovação

Pag:

Assunto: MCTI apoiará projetos de pesquisa e desenvolvimento para o clima Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Release da assessoria

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

MCTI apoiará projetos de pesquisa e desenvolvimento para o clima 18/12/2013 - 18:50 O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCTI) divulgaram o edital n 65/2013. Serão apoiados projetos de pesquisa cujo objetivo é aumentar a capacidade brasileira de previsão do tempo e do clima, em especial a de eventos extremos. A ideia é também fortalecer os Centros de Meteorologia, Climatologia e Hidrologia dos estados para descentralizar as atividades de pesquisa e desenvolvimento em meteorologia e climatologia. No total, serão disponibilizados R$ 15 milhões. Os interessados devem encaminhar as propostas ao CNPq via internet, por intermédio do Formulário de Propostas, disponível na Plataforma Carlos Chagas. Os projetos devem estar caracterizados como pesquisa científica tecnológica ou inovação. O prazo termina em 17 de março de 2014. Cada proposta deverá ter prazo máximo de execução estabelecido em 24 meses. A previsão é a de que o resultado seja divulgado em maio de 2014. Mais informações pelo e-mail chamada65-2013@cnpq.br . Texto: Raphael Rocha – Ascom do MCTI http://www.mcti.gov.br/index.php/content/view/352003/MCTI_apoiara_projetos_de_pesquisa_e_de senvolvimento_para_o_clima.html


Veículo: Site – Ministério da Ciência, Tecnologia Editoria: e Inovação

Pag:

Assunto: INCT em saúde integra grupo de avaliação de tecnologias no Mercosul Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Release da assessoria

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

INCT em saúde integra grupo de avaliação de tecnologias no Mercosul 19/12/2013 - 10:32 O Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Avaliação de Tecnologia em Saúde (INCT IATS), ingressou pela primeira vez no programa de tutorias em avaliações econômicas da área do Mercado Comum do Sul (Mercosul).Foi viabilizado, por meio de uma parceria doinstituto com os ministérios da Saúde da Argentina e Uruguai, o Curso Avançado de Avaliação Econômica de Tecnologias em Saúde. Sob a coordenação de Carisi Polanczyk, o IATS forneceu tutores com experiência no desenvolvimento de revisões sistemáticas da literatura, metanálises e avaliações econômicas de tecnologias da saúde.Os técnicos brasileiros trabalharam com equipes uruguaias e argentinas em encontros presenciais e teleconferências. As duas organizações brasileiras beneficiadas pelo programa de tutorias foram o Departamento de Ciência e Tecnologia (Decit), que realizou um estudo de avaliação econômica de prótese valvar cardíaca implantável por via percutânea, e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), com a avaliação do impacto da implementação de um medicamento imunobiológico no tratamento de melanoma cutâneo. A participação dos tutores destes organismos e o desenvolvimento de práticas por meio do sistema de tutoriais capacita as equipes do Decit e da Anvisa para as futuras interpretações e avaliações econômicas das tecnologias destinadas à saúde.


Já o grupo do Uruguai, por sua vez, realizou a avaliação de múltiplas tecnologias da saúde, incluindo medicamentos imunobiológicos e dispositivos médicos. Da parte do grupo da Argentina, foi realizada a avaliação econômica de um medicamento imunobiológico para o tratamento de câncer colorretal. A existência de equipes capacitadas nos governos dos três países pode ainda auxiliar na resolução dos dilemas incomuns ou na incorporação de novas opções terapêuticas nos sistemas públicos de saúde. Texto: Ascom do CNPq http://www.mcti.gov.br/index.php/content/view/352008/INCT_em_saude_integra_grupo_de_avalia cao_de_tecnologias_no_Mercosul.html


Veículo: Site – Ministério da Ciência, Tecnologia Editoria: e Inovação

Pag:

Assunto: Senado aprova criação de três centros de pesquisa Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não

Programa:

Data: 19/12/2013

Senado aprova criação de três centros de pesquisa 18/12/2013 - 19:12 O Senado Federal aprovou o projeto de lei da Câmara (PLC 55/2013) que cria três centros de pesquisa: o Centro de Tecnologias Estratégicas do Nordeste, o Instituto Nacional de Pesquisa do Pantanal e o Instituto Nacional de Águas. A matéria agora segue para a sanção presidencial. Além dos novos órgãos, que estarão ligados ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), o texto prevê a criação de 83 cargos comissionados e a transferência do Museu de Biologia Professor Mello Leitão, localizado em Santa Teresa (ES), do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) para a pasta federal. O nome do museu será alterado para Instituto Nacional da Mata Atlântica. De acordo com o projeto, votado nesta terça-feira (17), o Centro de Tecnologias Estratégicas do Nordeste (Cetene) terá por finalidade desenvolver, introduzir e aperfeiçoar inovações tecnológicas que tenham caráter estratégico para o desenvolvimento econômico e social da região Nordeste, promovendo cooperações baseadas em redes de conhecimento e nos agentes da economia nordestina. O Instituto Nacional de Pesquisa do Pantanal buscará articular ações nesse bioma do Centro-Oeste, promover novas iniciativas e propiciar o desenvolvimento de modelos e de bancos de dados para integrar a transferência do conhecimento gerado na região. Com o Instituto Nacional de Águas, a intenção é implementar ações inovadoras na área de meio ambiente, tendo como foco a preservação e a geração de conhecimento e de novas tecnologias na utilização racional dos recursos hídricos.


De autoria do Executivo e já aprovada pela Câmara dos Deputados, a proposta foi votada em regime de urgência pelos senadores. Estrutura O Cetene atualmente funciona como uma coordenação regional do Instituto Nacional de Tecnologia (INT/MCTI). A unidade atua nas áreas de biotecnologia, nanotecnologia e microeletrônica e, com a formalização como instituto, passará a ter ação independente e maior mobilidade em suas atividades. Com a entrada das quatro unidades de pesquisa, a estrutura do ministério passará a ser integrada por 17 institutos. Também fazem parte do Sistema MCTI sete organizações sociais – que são supervisionadas pelo órgão em seus contratos de gestão na área de ciência e tecnologia –, entre elas a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) e o Instituto de Pesquisa Oceanográfica e Hidroviária (Inpoh), recém-criados. O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação conta ainda com quatro agências: o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), a Agência Brasileira de Pesquisa Espacial (AEB) e a Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen). Completam o sistema empresas públicas vinculadas à pasta: Ceitec S.A, Indústrias Nucleares do Brasil (INB), Nuclebrás Equipamentos Pesados S.A. (Nuclep) e a binacional Alcântara Cyclone Space (ACS). Texto: Denise Coelho – Ascom do MCTI http://www.mcti.gov.br/index.php/content/view/352005/Senado_aprova_criacao_de_tres_centros_d e_pesquisa.html


Veículo: Site – Agência Gestão CT&I Editoria: Pag: Assunto: Empresa biofarmacêutica multinacional é a nova parceira do Ciência sem Fronteiras Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Release da assessoria

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

Empresa biofarmacêutica multinacional é a nova parceira do Ciência sem Fronteiras Qua, 18 de Dezembro de 2013 14:41 Escrito por Agência Gestão CT&I A empresa biofarmacêutica AstraZeneca firmou um acordo com o programa Ciência sem Fronteiras (CsF) por meio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCTI) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). A multinacional levará 30 profissionais brasileiros para cursar pós-doutorado em centros da unidade Medlmmune. Para o primeiro trimestre de 2014, dez bolsas já estarão disponíveis. Os inscritos passarão por um processo de seleção, sendo necessário encaminhar currículo atualizado na Plataforma Lattes e carta de apresentação para realização do pós-doutorado. É indispensável ter proficiência em inglês para se candidatar. Estão contempladas na cooperação pesquisas nas seguintes áreas farmacêuticas: oncologia, respiratória, inflamatória, autoimune, cardiovascular, doenças metabólicas, doenças infecciosas e vacinas, ciência translacional, concepção de anticorpos e construção de proteína, desenvolvimento biofarmacêutico e biosuperiores. Os interessados em participar da seleção devem contatar a AstraZeneca pelo telefone (11) 37374220 ou pelo e-mail curriculos.posdoc@astrazeneca.com . AstraZeneca


É uma empresa voltada para inovação, com foco na descoberta, desenvolvimento e comercialização de medicamentos. Ela opera em mais de 100 países, com remédios usados por milhões de pacientes. A MedImmune é o braço da AstraZeneca que explora novas formas de tratamento em diversas áreas terapêuticas. (Agência Gestão CT&I com informações do CNPq) http://www.agenciacti.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=4978:empresabiofarmaceutica-multinacional-e-a-nova-parceira-do-ciencia-sem-fronteiras&catid=1:latest-news


Veículo: Site – Agência Gestão CT&I Editoria: Assunto: Prêmio Jovem Cientista é entregue em Brasília Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Pag: Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

Programa:

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

Prêmio Jovem Cientista é entregue em Brasília Qua, 18 de Dezembro de 2013 14:39 Escrito por Agência Gestão CT&I A premiação do Prêmio Jovem Cientista 2013 ocorreu nesta segunda-feira (17), no Palácio do Planalto, em Brasília (DF). A cerimônia contou com a participação da presidente da República, Dilma Rousseff. Na ocasião, Dilma destacou a escolha do tema "Água: desafios da sociedade" para a edição deste ano e lembrou a importância estratégica dos recursos hídricos para o País. A presidente também ressaltou a relevância do tema para a solução de problemas estruturais no País, como períodos de estiagem no Nordeste, que vive a pior seca dos últimos 50 anos. "Conviver com a seca significa construir os mecanismos com os quais poderemos superá-la", disse. Dilma destacou a pesquisa do estudante de agronomia da Universidade Federal Rural do Semiárido (RN), José Leôncio de Almeida Silva, de 23 anos, vencedor na categoria Ensino Superior. Ele desenvolveu um método inovador para otimizar o uso de água na irrigação e alimentação de animais no Nordeste do País, o qual a presidente afirmou ter solicitado à Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) a continuidade. O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Marco Antonio Raupp, usou as parcerias com a Fundação Roberto Marinho, Gerdau e GE para ilustrar o potencial de energias conjugadas entre governo e empresas. "Os patrocinadores do prêmio estão mostrando o quão benéfica é para o Brasil e a sociedade a soma de esforços entre instituições públicas e privadas. Essa é uma necessidade permanente do País: precisamos melhorar nossa produtividade e aumentar nossa competitividade", afirmou o Raupp.


27º Prêmio Jovem Cientista A premiação deste ano ofereceu R$ 700 mil, distribuídos em bolsas de estudo, quantias em dinheiro, laptops, participação na runião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e publicação das pesquisas em livro próprio. A 27ª edição estimulou pesquisadores a propor soluções para a gestão de recursos nessa área, alinhada com a Política Nacional de Recursos Hídricos do governo federal e com o Ano Internacional de Cooperação pela Água, promovido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Em 2013, o Prêmio recebeu um número recorde de 3.226 inscrições de todo o Brasil, sendo 384 na categoria Mestre e Doutor, 301 na categoria Estudante do Ensino Superior e 2.541 na categoria Estudante do Ensino Médio. (Agência Gestão CT&I com informações do CNPq) http://www.agenciacti.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=4977:premiojovem-cientista-e-entregue-em-brasilia&catid=1:latest-news


Veículo: Site – Agência Gestão CT&I Editoria: Assunto: Convênio apoiará pesquisas sobre a internet Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Pag: Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

Programa:

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

Convênio apoiará pesquisas sobre a internet Qua, 18 de Dezembro de 2013 14:43 Escrito por Agência Gestão CT&I Os ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e das Comunicações (MC) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) firmarão convênio de cooperação para apoiar projetos de pesquisa científica e tecnológica que contribuam para o desenvolvimento da internet no Brasil. A assinatura do convênio, nesta quarta-feira (18), na sede da Fapesp, contou com a presença dos ministros Marco Antonio Raupp (MCTI) e Paulo Bernardo (MC); o presidente da Fapesp, Celso Lafer; o secretário de Política de Informática do MCTI e coordenador do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), Virgilio Almeida e o diretor científico da Fapesp, Carlos Henrique de Brito Cruz. O valor a ser destinado a projetos corresponde aos recursos remanescentes do período em que a Fapesp, por delegação do CGI.br, geriu as atividades de registro de domínio e alocação de endereços IP no País, entre 1998 e dezembro de 2005. Os recursos serão distribuídos entre projetos apresentados por pesquisadores de todo o Brasil. (Agência Gestão CT&I com informações do MCTI) http://www.agenciacti.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=4980:convenioapoiara-pesquisas-sobre-a-internet&catid=1:latest-news


Veículo: Site – Agência Gestão CT&I Editoria: Assunto: Unisinos abre nova incubadora para projetos de tecnologia Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Publicado no site da FAPEAM:

Programa:

Sim

Pag:

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

Unisinos abre nova incubadora para projetos de tecnologia News - Latest Qua, 18 de Dezembro de 2013 14:39 Escrito por Agência Gestão CT&I E-mail Imprimir PDF Uma parceria entre e Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos) e a Secretaria da Ciência, Inovação e Desenvolvimento Tecnológico (SCIT) vai dar início à construção de uma nova incubadora de projetos no Rio Grande do Sul. O foco da unidade será em projetos de inovação tecnológica criados dentro do ambiente acadêmico da Unisinos por meio de pesquisa aplicada. Batizada de Unitec 2, a unidade será instalada na cidade de São Leopoldo e receberá investimentos próximos a R$ 2 milhões. Ela fará parte do Parque Tecnológico de São Leopoldo, o Tecnosinos. Segundo dados do governo gaúcho, os investimentos no parque tecnológico somam R$ 4,6 milhões nos últimos três anos. (Agência Gestão CT&I, com informações da SCIT-RS) http://www.agenciacti.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=4976:unisinosabre-nova-incubadora-para-projetos-de-tecnologia&catid=1:latest-news


Veículo: Site – Jornal da ciência Editoria: Pag: Assunto: 10. TI Maior apoiará cinco centros de pesquisa e desenvolvimento Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

Programa:

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

10. TI Maior apoiará cinco centros de pesquisa e desenvolvimento São R$ 6,2 milhões em bolsas, que constituem contrapartida do MCTI, por meio do CNPq/MCTI Cinco centros de pesquisa e desenvolvimento (P&D) receberão apoio do Programa Estratégico de Software e Serviços em Tecnologia da Informação (TI Maior). São R$ 6,2 milhões em bolsas, que constituem contrapartida do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), por meio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCTI), aos R$ 21,9 milhões de investimento com que as empresas selecionadas se comprometeram em suas propostas. Os projetos selecionados foram das seguintes empresas e institutos: IBM Research Brasil, em São Paulo; Intel Semicondutores, no Rio de Janeiro; ITVale, em Belém; e CPqD e Freescale, ambos em Campinas (SP). As áreas de aplicação contempladas são educação, energia (petróleo e gás), transporte/logística, tecnologias da informação e da comunicação (TICs) e mineração e meio ambiente. Além do fortalecimento das atividades de P&D nesse setor no Brasil, o edital de seleção teve como objetivos a geração de pesquisa aplicada de alto nível, novos produtos e serviços, novas empresas de base tecnológica, integração entre indústria e academia, a inserção profissional dos alunos do programa Ciência sem Fronteiras (CsF) e o fomento à geração de patentes e outras formas de propriedade intelectual, além de maior projeção internacional para as tecnologias desenvolvidas no país.


Aperfeiçoamento "As bolsas permitirão o aperfeiçoamento de profissionais de perfil variado", explica o secretário de Política de Informática (Sepin) do MCTI, Virgílio Almeida. "São várias modalidades de bolsas contempladas, que vão desde estágios de desenvolvimento tecnológico até a atração de pósdoutores." As bolsas deverão ser usadas entre 2014 e 2016. O investimento por parte dos cinco centros deverá ocorrer também ao longo desses três anos, na forma de capital (equipamentos e infraestrutura), custeio e remuneração de recursos humanos. Um novo edital com os mesmos objetivos está previsto para 2014. "Faremos alguns ajustes, principalmente do ponto de vista da divulgação com relação ao proponente do edital, de forma a apoiar projetos com um perfil semelhante ao destes", diz o diretor de Políticas de TIC da Sepin, Rafael Moreira. A atração de centros de P&D é um dos eixos do TI Maior. Quatro estruturas desse tipo alinhadas ao programa já estão instaladas ou em instalação no país. (Pedro Biondi - Ascom do MCTI) http://www.mcti.gov.br/index.php/content/view/351940/_TI_Maior_apoiara_cinco_centros_de_pes quisa_e_desenvolvimento.html http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.php?id=91296


Veículo: Site – Jornal da ciência Editoria: Pag: Assunto: 2. Presidente da SBPC se manifesta contra perda de recursos para a pasta de C,T&I Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Publicado no site da FAPEAM:

Programa:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

2. Presidente da SBPC se manifesta contra perda de recursos para a pasta de C,T&I Helena Nader enviou carta ao relator do PLOA pedindo substituição de fontes vinculadas ao FNDCT Com o intuito de reverter a perda de recursos da pasta de Ciência, Tecnologia e Inovação (C,T&I) no orçamento de 2014, a presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Helena Nader, enviou uma carta ao deputado Miguel Corrêa (PT-MG), relator geral do Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA), solicitando que substitua as fontes vinculadas ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) destinadas ao programa Ciência sem Fronteiras (CsF) por fonte do Tesouro Ordinário. Segundo a carta, esses recursos devem ser alocados dentro do orçamento do FNDCT, liberando desta forma os investimentos diretos em CT&I em andamento no país. Na carta, Helena ressaltou que nos últimos dez anos o Brasil teve grandes avanços no desenvolvimento da C,T&I, graças aos investimentos recebidos, e que este ano o orçamento põe em risco importantes iniciativas voltadas para esta área, em função da diminuição dos recursos destinados ao FNDCT. (http://www.sbpcnet.com.br/site/arquivos/arquivo_375.pdf) http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.php?id=91288


Veículo: Site – CNPq Editoria: Pag: Assunto: Pesquisador desenvolve turbina eólica para agricultura familiar Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Release da assessoria

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

Pesquisador desenvolve turbina eólica para agricultura familiar Qui, 19 Dez 2013 09:32:00 -0200 A agricultura familiar é um segmento importante do agronegócio brasileiro e tem grande participação na produção de alimentos essenciais para a segurança alimentar do Brasil. Por isso, é preciso o fornecimento de energia para esses agricultores. Para Daniel Albiero, professor da área de máquinas e energia para a agricultura na Universidade Federal do Ceará e bolsista do CNPq de Produtividade em Desenvolvimento Tecnológico e Extensão Inovadora (DT), uma alternativa é a energia eólica. No entanto, ele ressalta que um dos desafios para usar o vento em pequenas propriedades é a condição operacional do vento quando ele é de baixa velocidade (ventos < 6 m s1). Foi pensando nisso que Albiero e os colegas Sérgio Daher, Leonardo Monteiro e Francisco Canafístula desenvolveram um sistema eólico para pequenas propriedades do Estado do Ceará com inovações tecnológicas. Todos os sistemas foram concebidos e dimensionados em uma turbina inovadora e apropriada para as pequenas propriedades. A estimativa de custo indica um baixo valor de aquisição e através de redes inteligentes e da geração distribuída pode-se gerar renda. Albiero lembra que embora o programa Luz para Todos do Governo Federal tenha tornado acessível a energia elétrica para a maioria das propriedades familiares, o custo desta energia é alto para o poder aquisitivo e produtivo deste setor agrícola. “Portanto, uma forma de melhorar a renda da agricultura familiar é possibilitar o acesso à tecnologia de aerogeradores que devem ser apropriados para cada cenário, além do que a geração eólica não contamina o ar, solo e água e é inesgotável”, diz o pesquisador com base em referências bibliográficas. A estimativa do custo total deste sistema eólico de geração de energia elétrica é


significativamente menor em relação a sistemas comerciais importados atuais, na categoria de 1 kW. Uma grande vantagem em comparação a operacionalidade deste sistema com os importados é que todos os componentes utilizados são de fácil obtenção em qualquer cidade pequena do Brasil. Outro ponto de destaque é que o sistema proposto pretende ser operado continuamente sem utilização de sistemas de armazenamento de energia, tais como baterias. Outra vantagem é que nos períodos em que os equipamentos consumidores de energia não estiverem sendo utilizados, este excedente de energia elétrica pode ser vendido à concessionária. Este panorama é garantido pela Resolução Normativa da ANEEL REN-482, que estabelece as condições gerais para o acesso de microgeração e minigeração distribuída aos sistemas de distribuição de energia elétrica e o sistema de compensação de energia elétrica. Daniel Albiero disse que o projeto foi concluído com sucesso, todos os sistemas foram conceituados e dimensionados, culminando em uma turbina eólica inovadora e adequada às necessidades a que se propôs atender. Pelas estimativas, tal sistema é capaz de fornecer energia a baixo custo e supostamente através de redes inteligentes e a geração distribuída poderá gerar renda. O resultado do trabalho de Albiero foi publicado na Revista Ciência Agronômica. Veja o artigo completo AQUI Equipe Popularização da Ciência http://www.cnpq.br/web/guest/noticiaspopularizacao/-/journal_content/56_INSTANCE_a6MO/10157/1649768


Veículo: Site – CNPq Editoria: Pag: Assunto: INCT integra grupo responsável pela avaliação de tecnologias da saúde no Mercosul Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Release da assessoria

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

INCT integra grupo responsável pela avaliação de tecnologias da saúde no Mercosul 18 Dez 2013 16:02:00 -0200 O ano de 2013 foi de reconhecimento para o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Avaliação de Tecnologia em Saúde (INCT IATS), pois integrou pela primeira vez o programa de tutorias em avaliações econômicas da área na região do Mercosul. O Curso Avançado de Avaliação Econômica de Tecnologias em Saúde foi viabilizado através da parceria do INCT com os Ministérios da Saúde da Argentina e Uruguai. Sob a coordenação de Carisi Polanczyk, o IATS forneceu tutores com experiência no desenvolvimento de revisões sistemáticas da literatura, metanálises e avaliações econômicas de tecnologias da saúde. Os tutores trabalharam com equipes uruguaias e argentinas, além das organizações brasileiras beneficiadas, em encontros presenciais e teleconferências. As duas organizações brasileiras beneficiadas pelo programa de tutorias foram o Departamento de Ciência e Tecnologia (Decit), que realizou um estudo de avaliação econômica de prótese valvar cardíaca implantável por via percutânea, e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), com a avaliação do impacto da implementação de um medicamento imunobiológico no tratamento de melanoma cutâneo. Além do auxílio das análises nas decisões administrativas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a participação dos técnicos destes organismos e o desenvolvimento de práticas através do sistema de tutoriais capacita as equipes do Decit e da Anvisa para as futuras interpretações e avaliações econômicas das tecnologias destinadas à saúde.


Já o grupo do Uruguai, por sua vez, realizou a avaliação de múltiplas tecnologias da saúde, incluindo medicamentos imunobiológicos e dispositivos médicos. Da parte do grupo da Argentina, foi realizada a avaliação econômica de um medicamento imunobiológico para o tratamento de câncer colorretal. Através do projeto de tutorias em ATS para o Mercosul, o IATS cumpre seu papel de disseminar o conhecimento para avaliações de tecnologias da saúde. A existência de equipes capacitadas nos governos dos três países pode ainda auxiliar na resolução dos dilemas incomuns ou na incorporação de novas opções terapêuticas nos sistemas públicos de saúde. Coordenação de Comunicação Social do CNPq http://www.cnpq.br/web/guest/noticiasviews/-/journal_content/56_INSTANCE_a6MO/10157/1648 838


Veículo: Site – CNPq Editoria: Pag: Assunto: Ciência sem Fronteiras abre oportunidades para pesquisa e pós-graduação na Suécia Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Release da assessoria

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

Ciência sem Fronteiras abre oportunidades para pesquisa e pós-graduação na Suécia 18 Dez 2013 14:24:00 -0200 Foi lançada no dia 16 de dezembro a terceira chamada para inscrições de projetos de pesquisa na parceria entre o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Centro de Pesquisa e Inovação Sueco-Brasileiro (CISB) pelo Programa Ciência sem Fronteiras. O prazo para envio de propostas segue até 17 de maio de 2014. O objetivo é oferecer bolsas de estudo para que pesquisadores brasileiros tenham a oportunidade de desenvolver seus projetos nas universidades suecas parceiras e ou nos centros de Pesquisa & Desenvolvimento da empresa sueca de defesa e segurança Saab AB. Mais informações e regulamento no site do CNPq. Na segunda chamada da parceria foram inscritos mais de 48 projetos na plataforma colaborativa do CISB, registrando um aumento de 41% em relação à primeira chamada. Ao final, 31 propostas de projetos foram aplicadas oficialmente na plataforma Carlos Chagas do CNPq, das quais 10 foram contemplados com bolsas de pós-graduação. Todos os aprovados na segunda chamada estarão na Suécia antes do final do primeiro semestre de 2014. O pesquisador Renato Machado, doutor em engenharia elétrica pela Universidade Federal de Santa Catarina já se encontra na Blekinge Institute of Technology, na cidade de Karlskrona. Com desenvolvimento de seu projeto de pós-doutorado intitulado Detecção de Alvos Utilizando Radar de Abertura Sintética com Resolução de Comprimento de Onda para Baixa Freqüência, ele pretende ajudar o Brasil a mapear o relevo e monitorar as fronteiras e regiões de desmatamento.


Segundo o pesquisador “a intenção é, após minha estada na Suécia, trazer a linha de pesquisa para o Brasil, pois temos poucos institutos de pesquisa e profissionais que lidem com essa tecnologia na prática. Precisamos tirar o projeto do papel e passar a desenvolver de fato o transmissor e o radar. Essa troca de experiência com profissionais suecos será extremamente agregadora para o país”, salientou Renato. Pablo Viana da Silva, doutor em Ciências da Computação pela Universidade Federal de Pernambuco, irá desenvolver o projetoManufaturabilidade de Circuitos Flash FPGA para Interfaces de Sistemas Aviônicos como requisito para o pós-doutorado. Pablo Viana afirmou: “além dos conhecimentos técnicos no contexto da pesquisa, os quais permitirão o desenvolvimento de projetos de equipamentos aviônicos da próxima geração, a experiência de viver em um país desenvolvido, reconhecido por sua justiça social e considerado um dos mais inovadores e sustentáveis do planeta, me ajudarão a compreender melhor os desafios do Brasil e aproveitar nosso potencial de oportunidades”. O pesquisador permanecerá na Universidade de Linköping por um período de doze meses. A doutora em engenharia mecânica, Emília Villani, que foi selecionada na primeira chamada do programa para desenvolver o projeto de pesquisa Mecanismos de Software para Tratamento de Falhas de Hardware em Sistemas Embarcados Críticos, na Chalmers University of Technology, em Göteborg, já retornou ao Brasil e planeja voltar para sua instituição de origem, o Instituto Tecnológico de Aeronáutica e dar prosseguimento a cooperação com a universidade sueca por meio de projetos executados em parceria. Segundo Emília Villani, “a pesquisa desenvolvida na Suécia pode ser continuada no Brasil e aplicada ao desenvolvimento de sistemas embarcados críticos das indústrias aeronáutica, aeroespacial, automotiva, entre outras. Além disso, o conhecimento adquirido aqui pode ser disseminado no Brasil por meio de cursos e orientação de trabalhos de pós-graduação”, disse a engenheira. O CISB - Sediado em São Bernardo do Campo, o Centro de Pesquisa e Inovação Sueco-Brasileiro (CISB) foi criado pela Saab em maio de 2011. Tem como objetivo implementar acordos de cooperação em ciência, inovação e alta tecnologia entre Brasil e Suécia, integrando o bem sucedido sistema de inovação sueco com o dinâmico sistema de inovação que vem se consolidando no Brasil, além de atrair investimentos e interesse de todo o mundo. Empresas suecas como Saab, Stora Enso e Scania são alguns dos membros do Centro e incentivadoras da iniciativa. Fonte:Centro de Pesquisa e Inovação Sueco Brasileiro (CISB) http://www.cnpq.br/web/guest/noticiasviews/-/journal_content/56_INSTANCE_a6MO/10157/1648 499


Veículo: Site – Jornal do Brasil Editoria: Pag: Assunto: MCTI apoiará projetos de pesquisa e desenvolvimento para o clima Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Release da assessoria

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

MCTI apoiará projetos de pesquisa e desenvolvimento para o clima 19/12/2013 Quinta-Feira, Dia 19 de Dezembro de 2013 as 11 da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCTI) divulgaram o edital n 65/2013. Serão apoiados projetos de pesquisa cujo objetivo é aumentar a capacidade brasileira de previsão do tempo e do clima, em especial a de eventos extremos. A ideia é também fortalecer os Centros de Meteorologia, Climatologia e Hidrologia dos estados para descentralizar as atividades de pesquisa e desenvolvimento em meteorologia e climatologia. No total, serão disponibilizados R$ 15 milhões. Os interessados devem encaminhar as propostas ao CNPq via internet, por intermédio do Formulário de Propostas, disponível na Plataforma Carlos Chagas. Os projetos devem estar caracterizados como pesquisa científica tecnológica ou inovação. O prazo termina em 17 de março de 2014. Cada proposta deverá ter prazo máximo de execução estabelecido em 24 meses. A previsão é a de que o resultado seja divulgado em maio de 2014. Mais informações pelo e-mail chamada65-2013@cnpq.br . Fonte: Ascom do MCTI http://www.jornalbrasil.com.br/index.php?pg=desc-noticias&id=116569&nome=MCTI%20apoiar %E1%20projetos%20de%20pesquisa%20e%20desenvolvimento%20para%20o%20clima


Veículo: Site – Agência Fapesp Editoria: Pag: Assunto: Encontro na FAPESP reúne interessados em apoio à inovação Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Release da assessoria

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

Encontro na FAPESP reúne interessados em apoio à inovação 19/12/2013 Agência FAPESP – Cerca de 150 pesquisadores e pequenos empresários participaram, na quartafeira (18/12), do encontro “Diálogo sobre Apoio à Inovação na Pequena Empresa”, promovido pela FAPESP e pelo Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) na sede da Fundação, em São Paulo. O encontro é realizado periodicamente, antes de cada ciclo de análise do Programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE), da FAPESP, e tem o objetivo de divulgar o programa e esclarecer dúvidas sobre a formulação de propostas. Até 3 de fevereiro, os interessados podem submeter propostas de pesquisa para o primeiro ciclo de análise de 2014. Nessa etapa do programa, a FAPESP disponibilizará até R$ 15 milhões para financiamento dos projetos selecionados. Ainda em 2014 haverá outras três oportunidades para submissão de propostas: até 28 de abril, até 21 de julho e até 13 de outubro. Para Sérgio Robles Reis de Queiroz, professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e coordenador adjunto da área de Pesquisa para Inovação da FAPESP, os encontros promovidos com potenciais proponentes ajudam a qualificar as propostas e a ampliar o alcance do programa. “O diálogo com pesquisadores e pequenos empresários interessados no financiamento aumenta a eficiência do PIPE e, por meio da parceria existente com o Ciesp, temos a oportunidade de difundir o programa em muitos municípios do interior do Estado”, disse. Hoje, a maioria dos projetos


selecionados está concentrada em São Paulo, Campinas, São Carlos, Ribeirão Preto e São José dos Campos. Podem participar da chamada pesquisadores ligados a empresas de pequeno porte (com até 250 empregados) com unidade de pesquisa e desenvolvimento no Estado de São Paulo. Desde 1997, a FAPESP desembolsou mais de R$ 180 milhões para apoio a 1.159 projetos inovadores no PIPE, desenvolvidos em microempresas e empresas de pequeno porte com sede no estado. O programa apoia a pesquisa para o desenvolvimento de produtos, processos e serviços, em todas as áreas do conhecimento. O valor máximo do apoio da FAPESP a cada projeto selecionado é de R$ 1,2 milhão, em duas fases. Na fase 1, até R$ 200 mil podem ser destinados ao longo de nove meses para a demonstração da viabilidade técnica e econômica da inovação proposta. Para a fase 2, destinada à execução do produto, processo ou serviço em prazo de até 24 meses, o limite de recursos por projeto é R$ 1 milhão. A Fundação também analisa propostas de pesquisa para a Fase 2 Direta, nos casos em que a análise de viabilidade da inovação estiver concluída. Os resultados do processo de seleção de propostas no primeiro ciclo de análise serão divulgados pela FAPESP em 6 de junho de 2014. Os proponentes receberão pareceres técnicos de avaliadores que poderão ser úteis para o aperfeiçoamento da proposta, mesmo em caso de não aprovação. Neste caso, o proponente poderá reformular e reapresentar uma nova solicitação de apoio em ciclo subsequente. A chamada de propostas para o primeiro ciclo de análise de propostas do PIPE em 2014 está publicada em www.fapesp.br/8303 e as normas do programa, em www.fapesp.br/pipe. http://agencia.fapesp.br/18395


Veículo: Site – Ciência em Pauta Editoria: Pag: Assunto: Plano dispõe de R$ 1,5 bilhão para projetos em telecomunicações Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

Programa:

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 19/12/2013

Plano dispõe de R$ 1,5 bilhão para projetos em telecomunicações Postado em 19/12/2013 Uma das principais metas do Inova Telecom é elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira por meio de projetos de desenvolvimento tecnológico. Foto: Rogerio Capela/ MCTI Uma das principais metas do Inova Telecom é elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira por meio de projetos de desenvolvimento tecnológico. Foto: Rogerio Capela/ MCTI Foi lançado nesta quarta-feira (18), em Campinas (SP), o Plano Inova Telecom, com R$ 1,5 bilhão para projetos científicos e tecnológicos ligados a telecomunicações. Três acordos de cooperação técnica envolvendo os ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), das Comunicações (MiniCom) e da Saúde (MS), o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) foram assinados com o objetivo de apoiar iniciativas associadas às três pastas federais. Uma das principais metas do Inova Telecom é elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira por meio de projetos de desenvolvimento tecnológico, além de gerar medidas práticas no cotidiano da população do País. O novo programa –com edital já publicado, integra o Plano Inova Empresa, lançado pelo Governo Federal em março com um total de R$ 32,9 bilhões para os anos de 2013 e 2014. O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marco Antonio Raupp, avaliou que o Inova Telecom irá “reverter o atraso tecnológico do Brasil”. “Estamos muito bem em diversas áreas, mas só agora


poderemos incluir a ciência no cotidiano das pessoas”, disse na cerimônia, no Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer (CTI/MCTI). Raupp citou a disponibilização dos pluviômetros às cidades que sofrem com as enchentes nesta época do ano. Ele informou a verba do programa permitirá distribuir em mais áreas de todo o país o equipamento, que permite antever riscos de desastres naturais, facilitando ações de defesa civil das prefeituras das cidades ameaçadas. “É um exemplo prático de como o acordo afetará positivamente na vida das pessoas”, resumiu. Segundo o presidente da Finep, Glauco Arbix, a previsão é de envolvimento de mais de 2 mil empresas e 250 institutos de perfil tecnológico a partir do ano que vem. “O Inova Telecom será fundamental para permitir o protagonismo brasileiro no setor de tecnologia. Temos diversas empresas bastante capacitadas para criar e desenvolver projetos nas mais diferentes áreas, mas ainda faltava um incentivo público à altura”. UNIVERSALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Para o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, os acordos assinados são o primeiro passo para promover a universalização da tecnologia no Brasil. “Tivemos muitos avanços nos últimos anos, mas é preciso levar benefícios como internet e telefonia para todas as regiões do país, pois o uso dessas ferramentas ainda é muito centralizada”, ressaltou. Uma das medidas imediatas, segundo o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, é disponibilizar, a partir de janeiro de 2014, internet e banda larga em todos os postos de saúde do território nacional. “A tecnologia tem colaborado e muito para o atendimento de pacientes”, destacou Padilha, lembrando que a pasta investirá R$ 80 milhões da verba oferecida pelo acordo para o financiamento de projetos do Telessaúde Redes Brasil, ferramenta que oferece consultoria a distância para as equipes do Sistema Único de Saúde (SUS). Fonte: MCTI http://www.cienciaempauta.am.gov.br/2013/12/plano-dispoe-de-r-15-bilhao-para-projetos-emtelecomunicacoes/


CLIPPING FAPEAM - 19.12.2013