Issuu on Google+


Veículo: Jornal a Crítica

Editoria: Cidades

Pag: C1

Assunto: Rosa é a cor do dia Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 08/03/2013


Veículo: SITE - a Crítica

Editoria:

Pag:

Assunto: Rosa é a cor do dia: Mulheres avançam em áreas outrora feudos masculinos Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 08/03/2013

Rosa é a cor do dia: Mulheres avançam em áreas outrora feudos masculinos Postado em 08/03/2013 Ainda não é visível, mas as mulheres ocupam, cada vez mais, espaços antes predominantemente masculinos, como na área científica. O perfil da pesquisa no Amazonas está mudando e tornando-se feminino, afirma a presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Amazonas (Fapeam), Maria Olívia Simão. Com escolaridade maior que a dos homens, elas dominam não só a carreira científica, mas a educação em geral. Doutora em Biologia de Água Doce e Pesca Interior, Olívia está desde 2011 presidindo a fundação estratégica para o desenvolvimento da ciência, tecnologia e inovação no Estado. E assegura fazer parte do passado o fato de que carreira científica era exercida predominantemente pelos homens. Olívia afirma que para desenvolver trabalhos de pesquisas, as mulheres têm algumas aptidões que a levam a conseguir resultados interessantes, pois dificilmente abandona a busca de metas, ainda que mantenha a dupla jornada de trabalho, dando conta dos dois papéis de mãe e pesquisadora. Em outro aspecto, ela diz que a delicadeza da mulher é fundamental no exercício de algumas atividades em laboratórios, onde há exigência de precisão, uma habilidade feminina.


Embora admita que esse novo cenário, da mulher como protagonista na ciência, não está claro para a sociedade, que mantém o estereótipo do cientista como um homem vestido de jaleco e com aparência esquisita, Olívia aposta que o trabalho feito pelo órgão na divulgação da pesquisa, dará frutos a médio e longo prazos e mudará esse quadro. Na área dos direitos humanos, no entanto, a Coordenadora da Marcha Mundial de Mulheres em Manaus, Francy Guedes, 52, ressente-se de mais respeito à mulher no seu dia a dia. Ao citar o elevado índice de casos de violência praticados contra a mulher, principalmente tendo os companheiros como autores desses atos, Francy lamenta a mulher aceitar, em nome de amor, relações nas quais é vítima de atos violentos. “Falta respeito a nós mesmas”, assegurou ela, citando a questão do trabalho, onde a mulher trava uma verdadeira batalha com o homem, que detesta ver a mulher lutando para ocupar um espaço que acha ser dele. No entendimento dela, é preciso, no entanto, que as mulheres comecem a educar meninos para serem os novos homens, capazes de entender e respeitar as diferenças. Infelizmente, admite a ativista, as mães ainda educam para a separação. “Meninas lavam louça, varrem casa, os meninos ficam assistindo televisão”, observa ela, lamentando que na maioria das casas onde nascem crianças, as mulheres não tenham visão para entender que a mudança vai começar a partir delas. Igualdade só virá pela educação Desde que as mulheres eduquem os homens, não é utopia esperar que, no futuro, eles sejam iguais na sociedade, acredita a professora universitária Arlete Anchieta, 63, assistente social e coordenadora Fórum Permanente dos Afrodescentes do Amazonas (Fopa-Am). Ao destacar que a mulher é quem educa os filhos, por isso acaba passando para eles toda a carga da opressão sofrida, ela cita que os homens mais machistas são filhos de mulheres mais reprimidas. Há, no entanto, mudanças acontecendo e a educação está determinando isso, explica ela, ao exemplificar o fato de hoje ver homens pais só de meninas viverem felizes e despreocupados com isso, fato impensável há algumas décadas. “Isso é resultado de educação”, afirma. Arlete, que dá aulas na Faculdade Salesiana Dom Bosco, cita a existência de uma legislação forte com a Lei Maria da Penha, estimulando a mulher a denunciar as agressões, importante para a auto-valorização da mulher. Sem abrir mão de achar que um mundo melhor é possível, a professora diz que é possível ser otimista porque muitos estão trabalhando para que a educação aconteça. Ao finalizar, Arlete diz sentir que a sociedade está num caminho sem volta e, embora ainda tenha muita gente que ainda não entendeu esse caminhar, a educação é o caminho único e sem para assegurar a igualdade para os seres humanos. http://acritica.uol.com.br/manaus/manaus-amazonas-amazonia-dia-internacional-Mulheresavancam-outrora-masculinos-profissoes_0_878912102.html


Veículo: SITE – Amazonas Notícias

Editoria:

Pag:

Assunto: Mestrado em Ciências da Comunicação lança primeiro livro Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Release da assessoria ✘

Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação Publicado no site da FAPEAM:

Sim

Programa:

- Negativo

Não Data: 08/03/2013

Mestrado em Ciências da Comunicação lança primeiro livro Postado em 07/03/2013 Na tarde de hoje (07) será lançado o livro Estudos e perspectivas dos ecossistemas na comunicação. A obra é um dos resultados da parceria entre o Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da UFAM (PPGCCOM) – primeiro mestrado acadêmico de Comunicação da Região Norte aprovado pela Capes - e o Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal do Pará, que juntos, objetivam viabilizar publicações que colaborem para consolidar a pesquisa em Comunicação na Amazônia. Organizado pelos professores Gilson Vieira Monteiro, Maria Emília Abbud e Mirna Feitoza, o livro contou com a colaboração de 24 renomados especialistas da área de comunicação e afins. Entre eles, os professores Walmir Albuquerque, Sérgio Freire e Cláudia Guerra Monteiro. A obra foi editada pela EDUA (Editora Universitária da UFAM) e financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (FAPEAM). Para a Coordenadora do PPGCOM e organizadora da obra, professora Mirna Feitoza, a publicação estimula a compreensão dos fenômenos comunicativos e de seus impactos na vida social contemporânea, em especial, na Amazônia. “O que interessa a nós, pesquisadores, é investigar a complexidade e a diversidade envolvidas nas práticas comunicativas, de que modo a comunicação gera e ao mesmo tempo é gerada pela diversidade da cultura, a ponto de instituir ambientes culturais próprios, específicos e dos quais os processos comunicacionais são inteiramente dependentes. São


os chamados ecossistemas comunicacionais. Compreender como eles funcionam é o nosso desafio”. A publicação está dividida em três partes. A primeira apresenta ferramentas conceituais capazes de auxiliar a compreensão de ecossistemas comunicacionais de alta complexidade; a segunda congrega cinco estudos empíricos que buscam evidenciar sistemas e ecossistemas na comunicação e a terceira seção contém uma amostra da densidade de relações envolvidas nos objetos comunicacionais em contexto amazônico. A solenidade de lançamento da publicação está agendada para hoje, 07 de março, às 15h, no Auditório Rio Negro do Instituto de Ciências Humanas e Letras - Setor Norte da Universidade Federal do Amazonas. http://amazonasnoticias.com.br/manaus/2-amazonas/28247-mestrado-em-ciencias-da-comunicacaolanca-primeiro-livro.html


Veículo: BLOG – Focaia

Editoria:

Pag:

Assunto: Pecuária leiteira sustentável é incentivada Cita a FAPEAM: ✘

Sim Não

Conteúdo:

Release da assessoria

Matéria articulada pela assessoria

Release de outra instituição

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Publicado no site da FAPEAM:

Programa:

Sim

✘ - Positivo

- Negativo

Não Data: 08/03/2013

Pecuária leiteira sustentável é incentivada Postado em 08/03/2013 Juiz de Fora - A Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) é uma tecnologia que permite a produção de leite, carne, grãos, hortaliças, fibra, energia e madeira em uma mesma área ou propriedade. De acordo com o pesquisador da Embrapa Gado de Leite (Juiz de Fora/MG), Alexandre Brighenti, convidado do Prosa Rural, o sistema produz alimentos e energia renovável de maneira sustentável, diminuindo os impactos ambientais existentes na atividade agrícola. Além disso, proporciona a preservação de florestas e matas ciliares, recupera áreas degradadas, cria condições para a produção e diminui a necessidade de desmatamento de novas áreas. Segundo Brighenti, o ganho do produtor com o sistema ILPF se dá não apenas pela possibilidade de cultivos de diferentes produtos, mas pelo aumento da produtividade das diferentes culturas implantadas na fazenda, com a maior eficiência dos insumos utilizados na produção e o uso racional de energia e outros recursos naturais. “Com o componente floresta, o produtor embeleza sua propriedade e proporciona um ambiente mais confortável para os animais e para os trabalhadores com a arborização das áreas produtivas, o que permite, ainda, a exploração da madeira. A produção de frutas ou hortaliças reduz o custo da nutrição do rebanho e também ajuda na produção de alimentos para subsistência. Por outro lado, a atividade pecuária proporciona a produção de adubo sem custo. É um ciclo que se fecha, reduzindo


o impacto ambiental e melhorando a renda do produtor”, explica Brighenti. O pesquisador destaca, ainda, que o sistema diminui a incidência de pragas na propriedade, o que também reduz o uso de pesticidas ou produtos fitossanitários. O processo de integração lavourapecuária-floresta facilita a certificação e a rastreabilidade dos produtos agrícolas. Saiba mais sobre este assunto ouvindo o Prosa Rural, o programa de rádio da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. O programa conta com o apoio do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Fonte: Agência Fapeam http://focaia.blogspot.com.br/2013/03/pecuaria-leiteira-sustentavel-e.html


Veículo: SITE – Inovação Tecnológica

Editoria:

Pag:

Assunto: Recicle você mesmo e fabrique você mesmo Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

Programa:

- Negativo

Não Data: 08/03/2013

Recicle você mesmo e fabrique você mesmo Redação do Site Inovação Tecnológica – 08/03/2013 Recicle você mesmo e fabrique você mesmo Acima, o Recyclebot, responsável por triturar os plásticos e gerar os filamentos adequados para as impressoras 3D (embaixo).[Imagem: Appropedia] Meios de produção Que tal substituir o "Made in China" por um "Feito por Mim Mesmo"? Esse é o sonho da proposta "Era das Máquinas Livres", uma quarta revolução industrial em que cada pessoa poderá ter sua própria fábrica de qualquer coisa. Recentemente listadas entre as 10 tecnologias que podem salvar a economia mundial da crise atual, as impressoras 3D prometem fazer de tudo, de orelhas artificiais para implantes até bases na Lua. E, se o assunto é a democratização da capacidade de produção, o sonho agora ficou mais próximo da realidade. Apresentada primeira máquina capaz de construir uma cópia dela mesma


Recicle você mesmo Apesar de já existirem projetos de hardware livre de impressoras 3D, e sites como o Thingiverse, que disponibilizam um "universo de coisas" para serem fabricadas por qualquer um, a matériaprima das impressoras 3D ainda precisa ser comprada. Em lugar de tinta, essas impressoras fazem sua fabricação aditiva depositando camadas de filamentos plásticos derretidos umas sobre as outras. O Dr. Joshua Pearce, da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, está desenvolvendo uma forma para que cada um possa também criar a matéria-prima de sua impressora 3D em casa. "Um dos impedimentos para uma disseminação ainda maior [das impressoras 3D] é o custo do filamento," justifica ele. Todo o mundo tem frascos plásticos em casa, que nem sempre podem ser enviados para reciclagem devido à falta de sistemas de recolhimento. Assim como "fabrique você mesmo", a ideia de Pearce é "recicle você mesmo" - neste caso, fabricar os polímeros que sua impressora 3D possa usar para fabricar qualquer coisa. Reciclagem de plástico em casa O projeto consiste em uma unidade de reciclagem de plástico, que os pesquisadores batizaram de RecycleBot, uma máquina de reciclagem que qualquer pessoa pode construir em casa. O processo ainda não é perfeito, mas já consegue produzir filamentos de polietileno de alta densidade (HDPE) razoavelmente adequados para as impressoras 3D. E isso consumindo apenas o plástico que seria jogado fora, e energia elétrica equivalente a 1/10 do custo dos filamentos 3D comerciais - 20 frascos plásticos produzem 1 quilograma de filamento, que atualmente custa entre R$60 e R$100. Os pesquisadores agora pretendem miniaturizar sua unidade de reciclagem de plástico para viabilizar sua fabricação e uso domésticos. http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=recicle-voce-mesmo-fabriquevoce-mesmo&id=010125130308


Veículo: SITE – Inovação Tecnológica

Editoria:

Pag:

Assunto: Sinapses artificiais são incorporadas em circuito integrado Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

- Negativo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

Programa:

Não Data: 08/03/2013

Sinapses artificiais são incorporadas em circuito integrado Redação do Site Inovação Tecnológica – 08/03/2013 Sinapses artificiais são incorporadas em circuito integrado O circuito integrado com a rede neural permitirá fazer testes e avaliar funcionalidades dos processadores neuromórficos de forma muito mais rápida.[Imagem: Bielefeld University] Processador neural Há muito tempo os cientistas sonham em construir um computador que funcione de forma similar a um cérebro. Eles começaram conectando neurônios a circuitos eletrônicos, e logo conseguiram montar tecidos ciborgues, que misturam componentes biológicos e eletrônicos. Mas existem outras abordagens, que não usam tecidos biológicos: é o caso dos processadores neuromórficos, chips neurais feitos de materiais inorgânicos, mas que imitam o cérebro. A teoria propõe que, quando essas pesquisas avançarem o suficiente, será possível construir processadores neurais que aprendam sozinhos e que não precisem ser programados.


Agora será mais fácil começar a testar essas teorias. A equipe do Dr. Andy Thomas, da Universidade Bielefeld, na Alemanha, criou um chip completo totalmente baseado nas sinapses artificiais. O circuito integrado permitirá fazer testes e avaliar funcionalidades de forma muito mais rápida. Sinapses artificiais Embora imitem o funcionamento dos neurônios, as sinapses artificiais são feitas usando um componente eletrônico construído recentemente, chamado memristor. A grande vantagem dos memristores é que eles se lembram da corrente elétrica que passou por eles, adaptando seu funcionamento a esses valores variáveis - em suma, eles são capazes de "aprender". Essa possibilidade de aprendizado ficou claramente demonstrada em um experimento recente, que criou um cão de Pavlov eletrônico. Tal como as sinapses, os memristores aprendem com os impulsos anteriores a que foram submetidos. Por enquanto são impulsos elétricos que (ainda) não vêm de células nervosas, mas de circuitos elétricos comuns. A intensidade da corrente que um memristor deixa passar depende da intensidade da corrente que fluiu através dele no passado, e por quanto tempo ele foi exposto a ela. Emergência neural O Dr. Thomas agora está definindo quais princípios da natureza devem ser transferidos para a rede neural do chip feito com memristores para que um processador neuromórfico possa começar a apresentar os primeiros sinais de funcionalidade. Esses experimentos serão realizados muito mais rapidamente e com maior facilidade graças à integração das sinapses artificiais em um circuito integrado padrão, que poderá ser conectado diretamente a circuitos eletrônicos tradicionais para avaliar seu funcionamento. http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=sinapses-artificiaisincorporadas-circuito-integrado&id=010110130308


Veículo: SITE – Inovação Tecnológica

Editoria:

Pag:

Assunto: Gerador de pistão livre dá mais liberdade a carros elétricos Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

Programa:

- Negativo

Não Data: 08/03/2013

Gerador de pistão livre dá mais liberdade a carros elétricos Redação do Site Inovação Tecnológica – 08/03/2013 Gerador de pistão livre dá mais liberdade a carros elétricos O motor de pistão livre com gerador incorporado agora será retirado de sua bancada de testes para se transformar em um protótipo para testes de campo. [Imagem: DLR] Extensor de autonomia Engenheiros do Centro Espacial Alemão (DLR) criaram um tipo inteiramente novo de motorização capaz de aumentar a autonomia dos veículos elétricos. Trata-se de um gerador linear de pistão livre. É essencialmente um motor a combustão dedicado a gerar eletricidade para alimentar carros elétricos quando as baterias ficam descarregadas. A diferença é que, com um pistão livre, o motor é muito mais simples, dispensando biela, virabrequim, comandos de válvulas e todos os outros componentes grandes e pesados dos motores tradicionais.


Ele se enquadra em uma categoria chamada "extensores de autonomia" dos veículos elétricos - a intenção é substituir os motores elétricos usados nos atuais carros híbridos, que misturam motores a combustão, geradores e motores elétricos. Motor linear de pistão livre A maior vantagem do motor de pistão livre é que ele aceita virtualmente qualquer tipo de combustível, líquido ou gasoso. O conceito não é novo, mas só agora ele se mostrou funcional, graças ao que os engenheiros da DLR chamam de "mola de gás" - o mecanismo que faz com que o pistão volte depois da explosão funciona com base em um gás. O gerador linear de pistão livre retira a energia do combustível de forma similar a um motor de carro convencional. Contudo, em vez de converter o movimento linear dos pistões em movimento rotacional de um eixo, ele gera eletricidade diretamente. A ignição detona a mistura ar-combustível dentro de uma câmara de combustão, que se expande e empurra o pistão em direção às molas de gás, que desaceleram o pistão e o mandam de volta. Esse movimento linear faz com que um ímã passe no interior de um conjunto de bobinas, gerando eletricidade. Combustível líquido ou gasoso O sistema de controle criado pelos engenheiros alemães controla o movimento do pistão com uma precisão na casa dos décimos de milímetro, permitindo ajustar a taxa de compressão, a velocidade do pistão e a capacidade cúbica da câmara de combustão. Isso significa que praticamente qualquer combustível pode ser utilizado, incluindo gasolina, diesel, etanol, gás natural ou hidrogênio. Outra vantagem é que o funcionamento do gerador - e o combustível que ele consome - pode ser ajustado continuamente, de acordo com o padrão de uso do carro elétrico. A grande vantagem dos extensores de autonomia é que eles substituem os conjuntos motor/gerador dos veículos híbridos atuais, muito mais pesados, e permitem a construção de veículos elétricos com conjuntos de baterias menores, mais leves e mais baratos. "Com nosso demonstrador funcional, nós mostramos pela primeira vez que nosso princípio de gerador linear de pistão livre pode ser implementado. No próximo passo, precisaremos trabalhar com a indústria para desenvolver essa tecnologia e construir um protótipo," disse Horst Friedrich, coordenador do projeto. http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=gerador-pistaolivre&id=010170130308


Veículo: SITE – UOL

Editoria:

Pag:

Assunto: Apesar de muito estudado, funcionamento do cérebro ainda é um mistério Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 08/03/2013

Apesar de muito estudado, funcionamento do cérebro ainda é um mistério Postado em 08/03/2013, 07:00 O cérebro, por toda a sua complexidade, é um órgão que vem sendo cada vez mais estudado. Mas a verdade é que ainda se sabe pouco sobre ele. Uma das teses mais propagadas sobre essa parte do corpo tem a ver com as funções de cada hemisfério. O direito é apontado como mais emocional, e o esquerdo, como racional. De acordo com o neurologista Leandro Teles, tal divisão é muito simplista. "O cérebro é, sim, dividido em duas metades que, de fato, apresentam algumas funções diferentes. O hemisfério esquerdo está mais relacionado à linguagem, ao raciocínio lógico sequencial e à matemática, enquanto o direito é mais criativo, intuitivo, viso-espacial. Apesar dessa separação, ambos tratam aspectos racionais e emocionais. Aliás, sempre que entra em jogo um ângulo cognitivo complexo, o direito e esquerdo trabalham em franca parceria." Ampliar Conheça alguns mitos e verdades sobre o cérebro22 fotos 17 / 22 Usar drogas prejudica o funcionamento cerebral. VERDADE: drogas agem negativamente na atividade cerebral. O prejuízo dependerá, obviamente, do tipo de droga, da forma de uso e da quantidade e frequência. "Mas todas, de modo geral, geram alterações imediatas nas redes neurais, provocando perturbação aguda e crônica do funcionamento do órgão e levando à dependência física


e psíquica", considera o neurologista Leandro Teles. "A área relacionada ao prazer é ativada de maneira compulsiva. E, uma vez estabelecida a dependência, o mecanismo cerebral será afetado. Além disso, no caso de drogas ilícitas, o paciente apresentará outros sintomas relacionados à dependência química", completa o neurocirurgião Antonio Salles Ted S. Warren/AP Para Antonio de Salles, chefe do Centro de Neurociências do Hospital do Coração e professor do Departamento de Neurociência da Universidade da Califórnia (EUA), tal divisão, de qualquer forma, foi confirmada em pesquisa recente feita no Canadá com dois pacientes que tiveram remoção de um dos hemisférios cerebrais para tratamento de epilepsia. "O indivíduo com a parte direita retirada apresentava extrema dificuldade em avaliar emoções durante o convívio com outras pessoas, principalmente julgamento de expressões faciais. Já o outro, que perdeu o lado esquerdo, mostrava excelente capacidade de relacionamento e percepção de emoções, ao mesmo tempo em que não era hábil para se exprimir. Aliás, o envolvimento do hemisfério direito em emoções já está mais do que sacramentado em exames de ressonância magnética funcional, que revelam o aumento da demanda sanguínea em atividade." Semana Nacional do Cérebro Divulgação A Semana do Cérebro (Brain Awareness Week) é uma campanha global para divulgar os benefícios do estudo do cérebro. A cada ano, no mês de março, universidades, hospitais e outras organizações do mundo todo se unem durante uma semana para popularizar conhecimentos em neurociências. Coordenada pela Dana Alliance for Brain Initiatives e a European Dana Alliance for the Brain, a próxima Semana do Cérebro acontecerá entre 11 e 17 de Março de 2013. No Brasil, os primeiros eventos da Semana do Cérebro aconteceram em 2010 no Rio de Janeiro, por iniciativa de várias instituições e universidades. Em 2011, professores e pós-graduandos da USP de Ribeirão Preto abraçaram a causa com entusiasmo. Em 2012, pela primeira vez a Semana do Cérebro foi organizada nacionalmente, com apoio da Sociedade Brasileira de Neurociências e Comportamento (SBNeC). Como participar? A proposta é que cada grupo de interessados organize e apresente, durante a semana de 11 a 17 de Março de 2013, palestras, aulas públicas, exposições, exibições de filmes, etc., sempre sob a responsabilidade de cada proponente, utilizando os mais variados espaços: escolas, feiras, praças, teatros, shoppings, universidades, etc. Esta é a segunda vez que a Semana do Cérebro é articulada nacionalmente. No Brasil, a promoção é da Sociedade Brasileira de Neurociências e Comportamento – SBNeC que chancelará e divulgará os eventos que forem cadastrados em dois sites: no Blog da Semana Nacional do Cérebro e no site da DANA Foundation. Uma vez cadastrados, os eventos ficarão registrados na agenda para livre divulgação. http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2013/03/08/apesar-de-muito-estudadofuncionamento-do-cerebro-ainda-e-um-misterio.htm


Veículo: SITE – UOL

Editoria:

Pag:

Assunto: Médicos desenvolvem cateter para tratar mais rápido casos de fibrilação auricular Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 08/03/2013

Médicos desenvolvem cateter para tratar mais rápido casos de fibrilação auricular Postado em 08/03/2013, 13:57

Uma equipe de médicos da Áustria desenvolveu um novo cateter que funciona com o frio e permite um tratamento mais rápido e efetivo nos casos de fibrilação auricular, um tipo frequente de arritmia cardíaca. "Por enquanto submetemos dez pacientes de Innsbruck e Linz a esta nova prova, e os resultados foram positivos", afirmou nesta sexta-feira (8) Markus Stühlinger, um cardiologista do Hospital Clínico de Innsbruck, em entrevista coletiva. A principal vantagem deste cateterismo cardíaco com relação aos outros já conhecidos é a inovação de funcionar com o frio, já que a refrigeração atua com maior suavidade nos tecidos, conservando suas estruturas. "Até agora, no tratamento desta doença usávamos com frequência remédios. No entanto, estes medicamentos não são muito efetivos", disse Stühlinger, que explicou que, além disso, até agora o uso do cateter no coração era complicado e doloroso.


"Este método é mais simples e o tratamento é mais efetivo", ressaltou o médico, segundo entrevista para agência austríaca APA. "O novo cateter é inserido no átrio esquerdo. Ali, libera a refrigeração em certas veias, suprimindo assim a fibrilação auricular", declarou. Segundo o médico, a fibrilação auricular é um tipo de doença que pode derivar em embolias cerebrais ou no enfraquecimento paulatino do coração se não for tratada adequadamente. Atualmente, a doença afeta cerca de quatro milhões e meio de pessoas só na Europa. http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/efe/2013/03/08/medicos-desenvolvem-cateterpara-tratar-mais-rapido-casos-de-fibrilacao-auricular.htm


Veículo: SITE – UOL

Editoria:

Pag:

Assunto: Pesquisa descobre 2 espécies de mosca branca consideradas extintas Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 08/03/2013

Pesquisa descobre 2 espécies de mosca branca consideradas extintas Postado em 08/03/2013, 12:57 Pesquisadores da Unesp (Universidade Estadual Paulista), do campus de Botucatu, no interior de São Paulo, constataram a existência de duas espécies da mosca branca, denominadas New World 1 e New World 2, possivelmente nativas do Estado de São Paulo. A descoberta causou surpresa, pois acreditava-se que essas espécies haviam sido substituídas ou até mesmo extintas após a introdução do Biótipo B de mosca branca, conhecido como Middle EastAsia Minor 1 (MEAM1), que chegou ao país na década de 1990 e é altamente invasiva. A mosca branca é um dos maiores pesadelos dos produtores de hortaliças, plantas ornamentais e outras culturas, pois, ao se alimentar da seiva da planta hospedeira, ela gera uma redução em seu vigor, além de induzir anomalias fisiológicas. "Além de todos esses problemas, a mosca branca é transmissora de vírus, entre eles os begomovírus e crinivírus, que podem limitar o cultivo de hortaliças como o tomateiro", explica a professora Renate Krause Sakate, do departamento de Produção Vegetal da Faculdade de Ciências Agronômicas da Unesp. "Ela também deposita sobre as folhas grande quantidade de secreção açucarada, favorecendo a


formação de fungos que impedem a fotossíntese e, assim, afetam o crescimento da planta e reduzem sua produtividade", completa a autora da pesquisa publicada no Journal of Applied Entomology, de alto impacto na área. No Brasil, as principais vítimas das moscas brancas são o tomate, o feijão, o melão e a batata. Além delas, também a soja, a abóbora, a melancia, hortaliças diversas e plantas ornamentais têm sido afetadas. Espécies mais antigas A pesquisa fez um levantamento em mais de 40 municípios do Estado de São Paulo e 13 de Alagoas, usando um teste altamente sensível e específico para identificar essas espécies mais antigas. A espécie New World 1 foi encontrada nas regiões de Registro, Iguape e Ilha Comprida, todas no Estado de São Paulo, colonizando jiló e corda-de-viola. Em Alagoas, esta espécie foi, curiosamente, achada em plantas de tomateiro. "É possível que a New World 1 seja a espécie que existia no Brasil antes da entrada do Biótipo B. Porém, como não há material preservado dessa época, isto ainda é uma suposição", afirma Renata. A New World 2 foi coletada em amendoim-bravo, uma planta daninha muito comum no campo e que é infectada por begomovírus. Trata-se do primeiro registro de sua existência no Brasil. Um fato que surpreendeu foi ter localizado as duas espécies New World, que são supostamente mais antigas, em plantas colonizadas pela MEAM1, indicando a possibilidade de as várias espécies ocuparem o mesmo nicho ecológico. As New World 1 e 2, no entanto, são mais frágeis e foram encontradas sempre em número reduzido. Além disso, o seu papel na transmissão de vírus, principalmente do begomovírus, ainda é desconhecido. "Isolamos colônias da espécie New World 2, supostamente mais antiga, as infectamos com o begomovírus e estamos acompanhando, dia a dia, a reação das plantas hospedeiras, para saber se as espécies são ou não transmissoras", diz Renata, que vai continuar a pesquisa com esse novo foco. Mosca branca Com o nome científico de Bemisia tabaci, a mosca branca mede de 1 a 2 milímetros. Os adultos têm o dorso amarelo pálido e asas brancas, que cobrem quase todo o corpo - daí a denominação que lhe foi atribuída. Sob condições que lhe são favoráveis, com temperatura em torno de 28 graus Celsius e umidade relativa do ar de 70%, a espécie MEAM1 pode ter de 11 a 15 gerações por ano – cada fêmea colocando de 100 a 300 ovos durante o seu ciclo de vida. Sua ação traiçoeira deve-se ao fato de a mosca branca ser capaz de transmitir mais de 200 espécies de vírus, grande parte deles com significativo impacto econômico na produção de hortaliças. "Os begomovírus são os mais importantes limitadores da produção de tomate, além de sua


incidência ter sido verificada também em culturas de pimentão e batata. Eles ocasionam redução do crescimento, alterações fisiológicas e produção de frutos isoporizados e com amadurecimento irregular", diz Renata. http://noticias.uol.com.br/meio-ambiente/ultimas-noticias/redacao/2013/03/08/pesquisa-descobre-2especies-de-mosca-branca-nativas-das-americas.htm


Veículo: SITE – UOL

Editoria:

Pag:

Assunto: Aquecimento global pode reduzir 20% das geleiras do Canadá até 2100 Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 08/03/2013

Aquecimento global pode reduzir 20% das geleiras do Canadá até 2100 Postado em 11:15

Um total de 20% das geleiras do Canadá podem desaparecer até o fim do século, o que representaria um aumento de 3,5 centímetros no nível do mar. Segundo um estudo divulgado nesta quinta-feira (7), a redução seria resultado do aquecimento global. "Mesmo que consideremos um aquecimento global moderado ainda é muito provável que o gelo afunde em um nível alarmante", afirmou o coordenador do estudo, Jan Lenaerts. "E as possibilidades de que voltem a crescer são muito poucas", afirmou o meteorologista da Universidade de Utrecht, na Holanda. O cientista afirmou que o processo é irreversível e que está sendo reforçado, já que a neve e o gelo da Tundra e as águas do Norte do Canadá ajudam a refletir para fora o calor do sol. Caso desapareçam, grande parte dos raios solares serão absorvidos pela água e pela terra, o que provocará o aumento das temperaturas.


Caso as geleiras do Canadá diminuam 20%, segundo o cenário, isto corresponderia a um aumento médio da temperatura de 3 graus Celsius. Mas o aumento da temperatura nas regiões glaciares do norte do Canadá seria muito maior, de até 8 graus Celsius, segundo as estimativas de Lenaerts, que enfatizou que este não é o pior dos cenários previstos. http://noticias.uol.com.br/meio-ambiente/ultimas-noticias/redacao/2013/03/08/aquecimento-globalpode-reduzir-20-das-geleiras-do-canada-ate-2100.htm


Veículo: SITE – UOL

Editoria:

Pag:

Assunto: Cientistas japoneses clonam 26 gerações do mesmo rato Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

Programa:

- Negativo

Não Data: 08/03/2013

Cientistas japoneses clonam 26 gerações do mesmo rato Postado em 08/03/2013 08:24

Cientistas japoneses produziram 26 gerações de clones do mesmo rato, partindo cada vez do último espécime clonado, durante um experimento que seu diretor apresentou como único e que pode abrir caminho para uma reprodução em massa das espécies de gado com melhores características. A equipe de Teruhiko Wakayama, do Centro Riken para o Desenvolvimento da Biologia, produziu um total de 598 ratos que eram cópias genéticas de uma criatura original, durante um experimento que durou sete anos. O estudo foi publicado na revista americana Cell Stem Cell. "É de longe o projeto mais importante de clonagem de um mamífero", afirmou Wakayama. "Aplicando nossos avanços, a reprodução em massa de animais valiosos é possível, inclusive após a morte das criaturas originais", completou. LEIA MAIS "Eu posso clonar um neandertal", diz pai do Projeto Genoma


Embrapa busca clonagem inédita de animais ameaçados no Brasil Os métodos confiáveis para clonar um grande número de gerações podem ser muito benéficos para os fazendeiros que, por exemplo, tenham uma vaca que produz muito leite ou um animal do qual se espera obter uma carne de grande qualidade. Wakayama explicou ter elevado a taxa de êxito de um sistema de clonagem já existente e aumentou o número de reproduções consecutivas possíveis. Esta técnica de base, chamada transferência nuclear de células somáticas, consiste em extrair o núcleo de uma célula do animal que se deseja clonar e, em seguida, introduzi-lo no ovócito extirpado de um indivíduo da mesma espécie, que será trasplantado em uma mãe portadora que dará à luz o clone. Depois, a equipe de Wakayama extraiu o núcleo de uma célula deste clone para criar, com o mesmo método, um clone "de segunda geração" - e, assim, por várias vezes. Para poder repetir a mesma operação em diversas ocasiões, os cientistas utilizaram um agente químico, chamado "inibidor da histona deacetilase", e executaram outras melhorias técnicas, explicou o cientista. Os ratos clonados têm características biológicas normais, vivem o mesmo tempo que os outros ratos e possuem as mesmas capacidades reprodutoras, insistiu Wakayama. Apesar de os cientistas japoneses terem constatado algumas anomalias nos clones, como uma placenta maior, Wakayama destacou que estas especificidades não colocam em risco a vida dos animais e não se agravam com o avanço das clonagens. "Vamos continuar este experimento até o fim", completou Wakayama. "Quero chegar ao ponto em que seja possível dizer que poderíamos prosseguir a cadeia até o infinito." http://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/afp/2013/03/08/cientistas-japoneses-clonam-26geracoes-do-mesmo-rato.htm


Veículo: SITE – UFAM

Editoria:

Pag:

Assunto: PROPESP abre inscrições para PIBIC, PIBIC Jr e PIBIT para alunos e orientadores Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 08/03/2013

PROPESP abre inscrições para PIBIC, PIBIC Jr e PIBIT para alunos e orientadores Postado em 08/03/2013, 16:54 A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação torna públicos os editais de abertura das inscrições para seleção de projetos, orientadores e bolsistas interessados em participar do PIBIC AF, PIBIC PIBIT E PIBIC Jr., edição 2013/2014.

O objetivo dos programas é estimular pesquisadores produtivos a envolverem estudantes de graduação nas atividades científicas, tecnológicas e artístico-culturais na Universidade e despertar a vocação científica além de prestar contribuição para a formação de recursos humanos para a pesquisa, desenvolvimento tecnológico e inovação. Participando de uma das modalidades, os alunos podem aproveitá-las, entre outros benefícios, como crédito optativo, conforme resolução n° 021/2007-CONSEPE, além de aproveitar, também, o relatório final do projeto de pesquisa e desenvolvimento tecnológico e inovação, quando transformado em trabalho publicado como monografia de graduação, de acordo com a Resolução N° 021/2007-CONSEPE. Ao melhor bolsista escolhido por cada comitê local, a UFAM, uma das instituições financiadoras dos projetos junto com a Fapeam e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), concedirá passagem aérea para que o aluno participe em evento científico em sua respectiva área e financiamento da participação presencial dos consultores do CNPq nas fases


de seleção e avaliação final do programa. Por parte do CNPq, há financiamento de bolsas de iniciação científica no âmbito dos programas PIBIC e PIBITI/CNPq, com duração de 12 meses, para alunos que cumpram os requisitos da agência. A Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado do Amazonas (FAPEAM) também promove o financiamento de bolsas de iniciação científica no âmbito do programa PAIC/FAPEAM, com duração de 12 meses, para alunos que cumpram os requisitos desta agência. De acordo com o diretor do departamento de Apoio à Pesquisa, professor Antônio José Inhamuns da Silva, neste ano, as novidades ficam por conta da ajuda de custo de R$ 1.500 aos projetos inscritos no PIBIC e também no trâmite de inscrição, pelos quais os documentos comprobatórios deverão ser digitalizados e inseridos no portal Lira e não mais entregues pessoalmente à Propesp. Abaixo, as datas do processo:

http://portal.ufam.edu.br/index.php/comunicacao/467-propesp-abre-inscricoes-para-pibic-pibic-jr-epibit-para-alunos-e-orientadores


Editoria: Pag: Veículo: SITE – UFAM Assunto: Lançado o primeiro livro do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação (PPGCCOM) Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Programa:

Sim

- Negativo

Não Data: 08/03/2013

Lançado o primeiro livro do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação (PPGCCOM) Postado em 08/03/2013, 18:31 Segunda obra do PPGCCOM já está pronta para a edição.

No discurso de abertura do evento, a coordenadora do Programa de Pós-graduação em Ciências da Comunicação (PPGCCOM) e uma das organizadoras da obra, professora Mirna Feitoza, destacou que o livro “Estudos e Perspectivas dos Ecossistemas na Comunicação” torna público o conhecimento gerado nesses cinco anos de PPGCCOM. “Este lançamento é um momento muito especial porque uma das missões de um programa de pós-graduação é exatamente a produção científica, que em nosso país se dá no âmbito das universidades e, particularmente, nos programas de pós-graduação. O PPGCCOM hoje conquista uma relevância muito maior divulgando seu trabalho, dando mostras para a sociedade de sua competência, de sua capacidade. Aproveitamos a oportunidade para anunciar que a segunda publicação do PPGCCOM já está pronta, pois não almejamos somente os conceitos de excelência do Mestrado; nossa meta é também oferecer o doutorado em Ciências da Comunicação!”, declarou a coordenadora do PPGCCCOM.


EDUA – a editora mais importante da região Norte Durante o evento, a presidente da EDUA, professora Iraildes Caldas, elogiou a publicação do PPGCCOM e compartilhou com o público a posição de destaque da Editora da UFAM nos cenários regional e nacional. “A Associação Brasileira de Editoras Universitárias (ABEU) considera a EDUA como a editora mais importante da região Norte. Junto à Capes, principalmente na área de Educação, nossa editora tem o conceito Qualis B Nacional. Logo, quem publica na Edua está bem pontuado junto a Capes. Uma publicação como esta que é lançada agora envolve persistência, boa vontade e compromisso com a ideia de crescimento da pós-graduação na nossa UFAM e, por isso, quero parabenizar os organizadores pela produção da coletânea. É isso que dá visibilidade à ciência e à tecnologia da região amazônica”, disse a presidente da EDUA. Humanitas - Prédio exclusivo para a Pós-graduação A diretora em exercício do Instituto de Ciências Humanas e Letras (ICHL), professora Simone Baçal de Oliveira, aproveitou a solenidade de lançamento do livro do PPGCCOM para anunciar a construção do Humanitas, prédio que deverá abrigar os cursos de pós-graduação do ICHL; da FES e da FACED. “O lançamento deste livro demonstra o quanto nossas pós-graduações vêm se consolidando. Há vinte anos, o ICHL possuía apenas um programa de pós-graduação, o Natureza da Amazônia, posteriormente renomeado como Sociedade e Cultura na Amazônia. De 2007 pra cá, com o fortalecimento e a qualificação do nosso quadro docente, observamos a expansão da pósgraduação. Hoje, o Instituto de Ciências Humanas e Letras conta com sete programas de mestrado e 1 de doutorado. Esse crescimento nos faz merecedores do Humanitas, um prédio com três andares que vai ser construído exclusivamente para a pós-graduação e que deverá contemplar também cursos de pós-graduação da FES e da FACED”. PPGCCOM oferece ciência com qualidade Em suas considerações, a Pró-reitora de Pesquisa e Pós-graduação, professora Selma Baçal, elogiou a iniciativa de lançamento da publicação com a produção intelectual do Programa de Pós-graduação em Ciências da Comunicação e disse que a UFAM é importante não só por ser uma instituição centenária, mas também por ter pessoas preocupadas com o crescimento da ciência e da inovação tecnológica na região amazônica. “Na PROPESP, fazemos um constante acompanhamento dos programas e somos cientes do esforço de docentes e de discentes para a produção de publicações na e sobre a nossa região. O que mais almejamos é ciência com qualidade e essa publicação traduz exatamente o que almejamos”. A Pró-Reitora aproveitou ainda para anunciar a decisão da Câmara de Pesquisa e Pós-graduação de estender aos alunos da capital o benefício dado aos alunos de iniciação científica do interior do estado. “Sabemos que um bom aluno da iniciação científica é candidato de excelência dos nossos programas de mestrado e doutorado. Vamos investir aproximadamente um milhão e quinhentos mil reais para que discentes e orientadores da capital possam executar os trabalhos de iniciação científica com qualidade superior”. Reconhecimento ao esforço coletivo Ao fim da solenidade de lançamento do livro do PPGCCOM, todos os autores e colaboradores receberam um exemplar da obra. “Este livro é fruto do comprometimento coletivo de professores, autores (sejam eles alunos ou professores) e do trabalho técnico realizado por nossos alunos. Não há nada mais justo do que reconhecer toda essa dedicação que conduz ao mérito”, declarou a coordenadora do PPGCCOM, professora Mirna Feitoza.


A solenidade de lançamento do livro “Estudos e Perspectivas dos Ecossistemas na Comunicação” ocorreu nesta quinta-feira (7), no auditório Rio Negro do instituto de Ciências Humanas e Letras. Os livros encontram-se à venda na Livraria da Universidade Federal do Amazonas (LUA) ao preço de R$30,00. http://portal.ufam.edu.br/index.php/comunicacao/468-lancado-o-primeiro-livro-do-programa-depos-graduacao-em-ciencias-da-comunicacao-ppgccom


Veículo: SITE – JB

Editoria:

Pag:

Assunto: Justiça determina que OSX de Eike preserve restingas do Complexo do Açu Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 08/03/2013

Justiça determina que OSX de Eike preserve restingas do Complexo do Açu Postado em 08/03/2013, 14:38 A Justiça Federal de Campos de Goycatazes (RJ) concedeu liminar determinando que a OSX Construção Naval S/A abstenha-se de suprimir as restingas localizadas em área de preservação permanente durante a instalação da Unidade de Construção Naval do Açu (UCN Açu), sob pena de multa diária de R$ 100 mil. A UCN Açu é um empreendimento dedicado à construção, reparos e manutenção de embarcações e faz parte do Complexo Logísitico Industrial do Porto do Açu, localizado em São João da Barra, no Norte Fluminense. (Processo 0000149-98.2012.4.02.5103) A UCN Açu é dedicada à construção, reparos e manutenção de embarcações e faz parte do Complexo Logísitico Industrial do Porto do AçuA UCN Açu é dedicada à construção, reparos e manutenção de embarcações e faz parte do Complexo Logísitico Industrial do Porto do Açu A liminar, concedida pela 1ª Vara Federal de Campos, determina ainda que o Ibama realize em um prazo de 15 dias uma auditoria no local do empreendimento para informar à Justiça qual a extensão da área de preservação permanente em que a vegetação de restinga foi suprimida, se essa supressão já ocorreu totalmente e quando teria sido concluída. Caso o Ibama não cumpra a determinação, a multa diária para o órgão será de R$ 10 mil. A decisão da Justiça foi motivada por uma ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal (MPF) em Campos, pela Associação dos Proprietários de Imóveis e Moradores do Açu,


pelos Institutos Visão Social e Justiça Ambiental e pela Comissão Pastoral da Terra. "Esta decisão significa uma vitória importante, mas parcial. O MPF continuará seus esforços para convencer tanto o Judiciário quanto a empresas envolvidas de que as graves consequências sociais e ambientais do empreendimento não devem e não podem ser desconsideradas" - disse o procurador da República Eduardo Santos de Oliveira, responsável pelo processo. Na ação, são questionados os licenciamentos ambientais concedidos para os diversos empreendimentos do Complexo do Porto do Açu, expedidos pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea). São réus no processo as empresas LLX, OSX, OGX, EBX, Anglo Ferrous Minas-Rio Mineração, o Instituto Estadual do Ambiente (Inea), a Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro (Codin) e o Ibama. http://www.jb.com.br/ciencia-e-tecnologia/noticias/2013/03/08/justica-determina-que-osx-de-eikepreserve-restingas-do-complexo-do-acu/


Veículo: SITE – JB

Editoria:

Pag:

Assunto: Asteroide de 80m deve cruzar 'perto' da Terra neste fim de semana Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

- Negativo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

Não Data: 08/03/2013

Asteroide de 80m deve cruzar 'perto' da Terra neste fim de semana Postado em 08/03/2013, 11:05 Um asteroide com 80 metros de largura deve passar "próximo" à Terra neste fim de semana, mas especialistas da agência espacial americana (Nasa, na sigla em inglês) garantem que não há riscos para o planeta. O corpo celeste vai se aproximar no final da tarde de sábado, a uma distância de 975 mil quilômetros. As informações são da CNN. "É um asteroide de bom tamanho, mas não vai cruzar tão perto da Terra, pelo menos em comparação ao padrão recente", disse Don Yeomans, cientista da Nasa. Em fevereiro, no mesmo dia em que um meteorito cruzou o céu da Rússia deixando mais de 1 mil pessoas feridas, um asteroide de grandes proporções cruzou a uma distância de 28 mil quilômetros do nosso planeta. Especialistas garantiram que a queda do meteorito não tinha nenhuma relação com o asteroide. O asteroide que cruzou próximo a Terra em fevereiro foi monitorado pelo site da Nasa. O mesmo deve ser feito com o novo corpo celesteO asteroide que cruzou próximo a Terra em fevereiro foi monitorado pelo site da Nasa. O mesmo deve ser feito com o novo corpo celeste Chamado de 2013ET, o corpo celeste que vai cruzar neste fim de semana foi descoberto há apenas uma semana. Agora que está em vista, disse Yeomans, a rota da rocha espacial pode ser monitorada pelos pesquisadores.


Segundo o cientista da NASA, o asteroide já poderá ser visto no Hemisfério Norte na noite de hoje, com a ajuda de telescópios. A partir de amanhã a visão será dificuldada porque ele deve cruzar durante o dia. Fonte: Terra http://www.jb.com.br/ciencia-e-tecnologia/noticias/2013/03/08/asteroide-de-80m-deve-cruzarperto-da-terra-neste-fim-de-semana/


Veículo: SITE – Correio Braziliense

Editoria:

Pag:

Assunto: Células do sistema nervoso humano deixam ratos mais inteligentes Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

Programa:

- Negativo

Não Data: 08/03/2013

Células do sistema nervoso humano deixam ratos mais inteligentes Postado em 08/03/2013, 06:05 O que acontece quando células do cérebro humano que dão suporte aos neurônios são colocadas em camundongos recém-nascidos? Eles ficam muito mais inteligentes e com a memória muito mais desenvolvida do que os ratos sem o enxerto humano. Isso é o que mostra uma pesquisa do Centro Médico da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos. Em um surpreendente experimento, os neurocientistas extraíram as chamadas células da glia do cérebro humano e as implantaram em camundongos recém-nascidos. Com isso, além de obter o curioso efeito de tornar os roedores mais espertos, eles mostraram que essas células desempenham uma importante função para a cognição e podem ter beneficiado os humanos ao longo de seu processo evolutivo. Os resultados foram publicados na edição de hoje da revista científica Cell Press. Leia mais notícias em Ciência&Saúde Saiba mais... Mudanças nos refeitórios constroem habitos alimentares melhores Falta de libido é principal queixa de 65% das mulheres que procuram médicos O abuso de sal poderia aumentar o risco de doenças autoimunes Estudo relaciona o sal a doenças autoimunes, dizem pesquisadores Aquecimento global: temperatura é uma das mais altas em 11,3 mil anos Por muito tempo, as células da glia foram negligenciadas, pois acreditava-se que elas apenas davam um suporte mecânico para os neurônios, explica Ana Maria Martinez, professora do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade Federal do Rio de Janeiro, que não participou do estudo.


“Aliás, o termo glia vem do inglês glue, que significa cola. Ou seja, elas estariam apenas preenchendo um espaço entre os neurônios, como se fossem o cimento colocado entre os tijolos em uma construção”, exemplifica a professora. Nos últimos anos, entretanto, descobriu-se que, principalmente os astrócitos — células que se diferenciaram a partir de progenitores gliais —, são essenciais para garantir o funcionamento adequado dos neurônios. De acordo com Maiken Nedergaard, uma das autoras do novo estudo, os astrócitos estão presentes no cérebro de todos os mamíferos, mas foi somente nos humanos que eles se complexificaram. Fonte: Marcela Ulhoa http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/ciencia-esaude/2013/03/08/interna_ciencia_saude,353588/celulas-do-sistema-nervoso-humano-deixamratos-mais-inteligentes.shtml


Veículo: SITE – Correio Braziliense

Editoria:

Pag:

Assunto: Mudanças nos refeitórios constroem habitos alimentares melhores Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 08/03/2013

Mudanças nos refeitórios constroem habitos alimentares melhores Postado em 08/03/2013, 06:08 O combate à obesidade infantil nos Estados Unidos — intensificado, nos últimos anos, desde que a primeira dama, Michelle Obama, abraçou a causa — é baseado principalmente em obrigações e estratégias legais que garantam o abastecimento de lanchonetes e refeitórios escolares com alimentos frescos e nutritivos. No entanto, o aumento da disponibilidade de frutas, vegetais, sucos naturais e leite nas cantinas não significou uma melhora na dieta dos estudantes. A preferência por refrigerantes, pizzas, hambúrgueres, tacos e batatas fritas se manteve quase intacta. Em outras palavras, os alimentos saudáveis só chegaram aos olhos das crianças e dos adolescentes, não à boca. É como diz o lema adotado pelos pesquisadores Andrew Hanks, David Just e Brian Wansink, da Universidade de Cornell, em Nova York: “Para ser nutritivo, é preciso ser engolido”. O trio é responsável por uma estratégia que se mostrou surpreendentemente eficaz em convencer alunos americanos a escolherem opções saudáveis na hora do lanche. E o melhor: a transformação realizada nos refeitórios escolares pode ser feita em menos de três horas e por menos de US$ 50 (cerca de R$ 98). Os resultados positivos alcançados pelo grupo, que trabalha no Centro Cornell de Economia Comportamental em Programas de Nutrição Infantil, estão publicados no Jornal de Pediatria dos EUA. http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/ciencia-esaude/2013/03/08/interna_ciencia_saude,353589/mudancas-nos-refeitorios-constroem-habitosalimentares-melhores.shtml


Veículo: SITE – Correio Braziliense

Editoria:

Pag:

Assunto: Aquecimento global: temperatura é uma das mais altas em 11,3 mil anos Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

Programa:

- Negativo

Não Data: 08/03/2013

Aquecimento global: temperatura é uma das mais altas em 11,3 mil anos Postado em 08/03/2013, 10:09 Nos últimos 11,3 mil anos, poucas vezes o planeta esteve tão quente. Em um estudo inédito, cientistas conseguiram reconstituir o clima da Terra desde o fim da idade do gelo em 73 regiões de todo o mundo. O resultado foi alarmante. Hoje, a temperatura está mais alta do que foi em 70% a 80% do longo período de 113 séculos. A situação, de acordo com modelos climáticos do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), ligado à Organização das Nações Unidas, vai se agravar e, em 2100, o aquecimento atingirá seu ápice desde o início do Período Holoceno, que colocou fim à última era glacial. As projeções da ONU têm como base diversos cenários de emissão de gases de efeito estufa. Leia mais notícias em Ciência&Saúde Saiba mais... Mudanças nos refeitórios constroem habitos alimentares melhores Células do sistema nervoso humano deixam ratos mais inteligentes Falta de libido é principal queixa de 65% das mulheres que procuram médicos O abuso de sal poderia aumentar o risco de doenças autoimunes O resultado da pesquisa da Universidade Estadual de Oregon (USO) e da Universidade de Harvard foi publicado na edição desta semana da revista Science. De acordo com o principal autor do artigo, Shaun Marcott, estudos anteriores conseguiram reconstituir o clima de até 2 mil anos atrás, um período curto para afirmar, sem nenhuma dúvida, que o aumento recente da temperatura está


relacionado à atividade humana. “Já sabíamos que, em uma escala global, a Terra está mais quente hoje do que foi nos últimos 2 mil anos. Agora, sabemos que está mais quente do que a maior parte dos últimos 11,3 mil anos. Isso é particularmente interessante, porque o Holoceno abrange todo o período da civilização humana”, observa Marcott. O desenvolvimento agrícola, que ocorreu há cerca de 12 mil anos, é tido como o marco do início da civilização. Foi quando o homem se assentou e começou a controlar os recursos naturais. http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/ciencia-esaude/2013/03/08/interna_ciencia_saude,353633/aquecimento-global-temperatura-e-uma-das-maisaltas-em-11-3-mil-anos.shtml


Veículo: Jornal a Crítica

Editoria: Cidades

Pag: C6

Assunto: Boa nova no dia da Mulher Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 08/03/2013


Editoria: Sociedade/Bemestar

Veículo: Jornal Diário do Amazonas

Pag: 16

Assunto: Dieta brasileira à base de arroz e feijão é aliada da boa saúde Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 08/03/2013


Veículo: Jornal a Crítica

Editoria: Cidades

Pag: C2

Assunto: Amazonas sai na frente Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 08/03/2013


Editoria: Cidades/Educação

Veículo: Jornal a Crítica

Pag: C4

Assunto: Falta espaço para cumprir lei Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 08/03/2013


Editoria: Ciência & Inovação

Veículo: Jornal do Commercio

Pag: B5

Assunto: Leilões de energia se adaptam à tecnologia Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 08/03/2013


Editoria: Ciência & Inovação

Veículo: Jornal do Commercio

Pag: B5

Assunto: Transformador verde ganha prêmio Finep Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 08/03/2013


Veículo: Jornal do Commercio

Editoria: Empresas

Pag: B4

Assunto: Natura se destaca no mercado exterior Cita a FAPEAM:

Sim ✘

Não

Release da assessoria Release de outra instituição

Pesquisa financiada pela FAPEAM Programa:

Conteúdo:

Matéria articulada pela assessoria ✘

✘ - Positivo

Iniciativa do próprio veículo de comunicação

Publicado no site da FAPEAM:

Sim

- Negativo

Não Data: 08/03/2013


CLIPPING FAPEAM