Issuu on Google+

Voz Jovem Jornal-revista do Centro de Ensino Fundamental 01 de Brasília Maio de 2009

Nessa edição: Sobre a Violência................... 2 A Ida do Homem À Lua....... 3 Pense Bem............................ 3 Conhecendo melhor................. 4 Solidariedade......................... 4 “A Corrente do Bem” História Envolvente............. 5

Vamos deixar o nosso jornal mais bonito? Dê sugestões de slogan para o jornal ou de um mascote para ele. Participe!!!


Palavra do Professor!

A

idéia de criar um jornal-revista surgiu com o objetivo de valorizar os trabalhos dos alunos. Surpreendentemente logo no 1º Bimestre nos deparamos com trabalhos excelentes, mas por outro lado,

também sentimos a ausência de alguns. O que esperamos com essa iniciativa é estimular os alunos a lerem e escreverem, a retirar de livros, jornais, revistas, filmes, uma mensagem, uma reflexão que os façam mudar de atitude e se posicionar de forma responsável diante da vida. Todos eles têm muito a dizer, a trocar, podemos esperar muita coisa legal pela frente. Esperamos também ter maior participação dos alunos para a próxima edição, na realização dos trabalhos, na criação de um slogan diferente para o jornal, com sugestões e críticas. Não foi fácil selecionar os textos para essa edição, o espaço limitado não permitiu que muita coisa boa fosse publicada, por isso, se quisermos ter nossos textos publicados aqui devemos nos esforçar bastante para isso. Esse jornal-revista é uma tentativa de inserir a escola num contexto em que se cria e compartilha informação e conhecimento dentro e fora da

escola.

Muito se pode fazer, precisamos começar, por

isso, Seria mentira se eu agradeço a colaboração da professora de dissesse que a minha português Celestina ao nos fornecer leitura é presa à sala de aula. Meu amor pelos ricos textos e tirinhas bem humoradas, livros passa da portinha fruto de seu trabalho com os alunos. verde de ferro. São letras, Agradecemos também à direção palavras, parágrafos, textos, rascunhos, todos (ou quase todos) pelo apoio e por conseguir ver apaixonantes. Confesso que as conosco uma possibilidade de palavras me chamam a toda hora, desde os rótulos dos refrigerantes realizar algo diferente. Gostaria de aos livros de 300 páginas, dos enfatizar a importância do estímulo romances aos contos de fada; apesar de que eu nunca gostei de nenhum. à criatividade com as palavras de Achava-os um tanto...patéticos. Mas Lorena Loschi, aluna da 8C... enfim, isso não vem ao caso. O meu amor pela leitura é tão Professora Deborah R S Orlandini grande que eu precisaria de um Criação e Edição livro para descrevê-lo. Lorena Loschi 8C


Gosto de ler. Quando estou lendo um conto, um suspense, um romance, ou até mesmo uma história em quadrinhos, me sinto e me imagino próxima dos vampiros, das guerras, dos castelos, dos vilões e de tudo o que está escrito, de tudo o que estou lendo. Não leio apenas porque tenho que ler, por obrigação. Leio porque gosto, tenho prazer em me imaginar nas histórias. Juliana Bastos 8A

Eu acho que a leitura se torna algo prazeroso e bom, dependendo do tipo de livro que se lê. É mais fácil eu gostar de um livro se eu estou interessada no conteúdo do que o autor me apresenta. No entanto, há leituras que precisam ser feitas no dia-a-dia, mesmo que não gostemos. Para uma boa saúde, para adquirir conhecimentos sobre cultura... Eu, como adolescente, gosto mais de livros que me ajudem a ver “o novo mundo” onde eu ainda vou entrar. Selle Moreira 8C

Sobre a Violência

H

oje em dia a violência é constante. Nas ruas, nos lugares públicos como: boates, casas de shows, dentro de casas, etc. As violências são muitas: domésticas, públicas, escolares, sexuais, social, entre muitas outras. Hoje em dia a violência aumentou muito, o que vemos hoje na televisão são casos de pais estuprando filhos, alunos com arma de fogo e matando amigos, abandono de crianças, sequestros relâmpago, roubos de grandes lojas, pedofilia, violência contra a mulher. A violência de um modo geral é uma coisa que todo mundo luta diariamente para combater. A violência hoje em dia está muito grande, devemos evitá-la, pois quanto mais violência tiver, mais violência gerará. Para evitarmos a violência devemos: Exigir mais policiamento nas ruas e escolas. Protestar para o governo ter mais consciência sobre o caso da violência. Incentivar os jovens de que a violência e as drogas não são necessárias. Mais trabalhos sociais para os jovens. Devemos nos conscientizar que a violência não é a melhor forma de resolver nossos problemas e sim conversar calmamente. A violência não compensa! Matheus Gomes, Gabriel Lucas, Lukas Henrique, Andrey Lago 7B

Voz Jovem  ●  3 


A Ida do Homem à Lua

C

om o fim da Segunda Guerra Mundial, em 1945 e a vitória dos EUA e da União Soviética, a corrida espacial começou a se tornar um propósito concreto. Em 1957, os soviéticos lançaram o primeiro satélite artificial da Terra, o Sputnik. Em 12 de abril de 1961, o russo Yúri Gagari fez o primeiro vôo orbital tripulado. Quando um líder soviético resolveu desafiar os EUA em relação a corrida e s p a c i a l , e n t ã o, o presidente Kennedy resolveu, com seus assessores, elaborar um plano para ganhar manchetes do mundo inteiro: levar o homem à lua. E em poucos anos este plano se realizaria. Os americanos já 4  ●  Voz Jovem

Pense Bem...

P

ense bem. Como podemos mudar o mundo? Então não consiguiu ter uma ótima idéia, não é mesmo? Mas existe uma pessoa que pensou nisso, mas não é uma pessoa formada em faculdade, e sim uma criança do colegial, Trevor McKinney. Apenas imagine. Você faz um favor que realmente ajuda alguém e diz para a pessoa não pagar de volta, mas passar a diante para três pessoas que, em troca, devem passar para mais três pessoas e sem parar em uma abundância global de generosidade e decência. Impossível? Você deve estar pensando que sim, mas para Trevor, não. Tudo começou na escola, quando o professor deu um trabalho em que os alunos deveriam ter uma idéia para mudar o mundo, entre todas as idéias a de Trevor era a mais idiota, todo mundo deu gargalhadas da idéia dele, mais ele não desistiu.

Começou com um mendigo que encontrara na rua, deu todas as suas economias para ele, o levou para casa, o mendigo deveria ajudar mais três pessoas. Então Trevor também ajudou o professor, que em uma confusão se apaixonou pela mãe dele. Trevor ajudou fazendo com que eles ficassem juntos, e acabou que eles ficaram juntos mesmo! Depois foi então o amigo, que quase foi surrado na escola, mas a historia não foi a mesma porque quando ele foi separar o menino que ia bater no seu amigo e levou uma facada na barriga. Mas essa história foi só mais uma entre outras que deixou a sua marca e o seu exemplo na sociedade, na escola, na família. É mais uma idéia que parecia idiotice e ficou como uma história para nós refletirmos como é importante ser solidário. Jacqueline Nastassja 7C

tinham tudo para ir para lua mas uma explosão que matou seus astronautas preocupou seus dirigentes. Na manhã do dia 16 de julho de 1969,os três astronautas Collins, Aldrin e Armstrong estavam a bordo da Apolo 11. Chegaram (pelo horário de Brasília) às 23 hs, 56 min e 20 s do dia 20 de julho de 1969.Eles recolheram 27Kg de pó e pedras da Lua. Neil Armstrong ao descer falou a famosa frase: “Este é um pequeno passo para o homem, um gigantesco salto para a humanidade”. A volta a Terra foi emocionante,eles mergulharam no Pacífico Sul no dia 24 de julho de 1969, sãos e salvos. Para evitar que pudessem ter trazido algum microorganismo nocivo ao ser humano, ainda ficaram de quarentena junto com cobaias. Um projeto custou 22 bilhões de dólares aos EUA. Arthur 8C


Conhecendo melhor...

S

ou um garoto chamado Lucas Siqueira, e tenho 15 anos de idade. Nasci em dois de novembro de 1993, dia de finados. Já reprovei duas vezes, a 5ª e a 7ª série. Este ano estou melhorando na escola para os meus pais se orgulharem de mim e para eu ser alguém na vida. Pretendo ser jogador de futebol para eu comprar uma mansão para os meus pais. Meu pai é o presidente do Tribunal Regional Federal da primeira região. Minha mãe é dona de uma Instituição de ajuda aos portadores do vírus do HIV e de pessoas que não tem onde morar, no Recanto das Emas e em Uberlândia (MG). O nome do meu pai é Jirair Aram Meguerian e o da minha mãe é Jussara Santos Meguerian. Tenho quatro irmãs Puhi Rosa e Milany. Sou o mais novo. Já morei em Campo Grande em Uberlândia e hoje moro em Brasília. Sou um garoto nervoso, brigão, já levei muitas advertências. Eu nunca estudo, só esse ano que eu resolvi estudar..Já viajei para muitas cidades com os meus pais, para São Paulo, Belo Horizonte, Goiânia, Pirinópolis, Anápolis e etc. Quando crescer eu acho que vou morar fora do Brasil. A maioria das pessoas acha que eu não posso conseguir ser jogador, mas não desistirei.

Solidariedade

Solidariedade

S

Solidariedade é amar ao próximo Mostrar que tem respeito por alguém É ajudar o próximo Sem saber quem.

olidariedade não é somente dar um copo de leite, mais sim amar alguém como seu irmão. Várias pessoas acham que solidariedade é só você dar um pão ou um copo de leite. Sabemos que várias pessoas não dão nenhum copo de leite ou um simples pedaço de pão. A humanidade precisa repensar o verdadeiro significado da solidariedade. Respeitar e ter compaixão pelo próximo é saber o verdadeiro sentido do amor e conviver com a paz interior e exterior. Muitas pessoas não sabem o que é respeitar, amar e ter compaixão.

Deus é um ser supremo que nos ajuda quando nós ajudamos a todos que Nele acredita. Sabemos que solidariedade é ser solidário, então nos temos que ser solidário para que outras pessoas sejam solidárias com a gente, como no filme ‘A corrente do bem’ que fala de um menino que faz uma espécie de corrente onde três pessoas ajudam outras três e assim por diante. Nós temos que fazer igual a ele, respeitar para ser respeitado não importa o que seja, nós temos que respeitar quem quer que seja. Isabella, Deysiane, Jeniffer, Yasmin 7B Voz Jovem  ●  5 


“A Corrente do Bem” História Envolvente

A

“Corrente do Bem” é um filme com o tema “histórias envolventes”, mas que possui um final triste e uma bela mensagem. No Brasil, parte do dinheiro obtido na bilheteria dos cinemas foi doado às Instituições Brasileiras. Esse filme nos faz refletir e pensar no que temos feito pra ajudar a mudar o mundo pra melhor. O filme “A corrente do bem”, conta a história de Trevor, um menino que observa bastante as pessoas, um pouco diferente dos outros, que mora com a mãe, chamada Arlene (alcoólica e um pouco ausente, pois trabalha bastante, o pai aparece bem pouco no filme, é mais ausente ainda). Durante a primeira aula de Estudos Sociais, na sétima série, o professor de Trevor, Eugene Simonet, pede para que os alunos façam um trabalho em que os alunos teriam de pensar num jeito de mudar nosso mundo (pensando que não vai dar em nada), e colocar esse plano em pratica. O menino Trevor, leva o trabalho adiante, e pensa bastante, e tem uma idéia incrível. Trevor cria a corrente do bem, título do trabalho dele, a idéia se consiste nisso: você ajuda três pessoas em algo que ela não consiga fazer sozinha, e essas três pessoas que receberam sua ajuda, ajudam mais três, e assim indo pra nove pessoas, essas nove pessoas ajudam mais três, indo pra vinte e sete e assim por diante. Trevor tenta defender as pessoas que estão certas, e achamos que é assim que ele teve a idéia de criar a corrente do bem. Arlene fica nervosa sobre as ultimas atitudes de Trevor (levar um mendigo e viciado em drogas pra casa, como uma das pessoas que ele iria ajudar na corrente do bem, por exemplo) e procura o professor de Estudos Sociais pra saber o que estava acontecendo. Trevor continua adiante com o seu trabalho, e um repórter, que soube da corrente do bem, pesquisa quem teve a idéia e acaba chegando ao Trevor, entrevistando ele. Trevor não sabe mas, a corrente do bem não estava só em Las Vegas, onde ele morava, mas também estava aparecendo nos Estados Unidos. Trevor, tenta ajudar um menino de sua escola... Não vamos contar o final da história do filme! Elenco e Principais Personagens Haley Joel Osment (Trevor McKinney, o garoto, criador da corrente do bem), Kevin Spacey (Eugene Simonet, o professor), Helen Hunt (Arlene McKinney, mãe de Trevor), James Caviezel (Jerry), Shawn Pyfrom (Sean), Jon Bon Jovi (Ricky), Angie Dickinson (Grace), Jay Mohr (Chris Chandler) O filme é de 2000, o gênero é Drama, o título original é “Pay It Forward” e a direção é de Mimi Leder. Escolhemos esse tema (histórias envolventes), porque, definitivamente, o filme envolve todos que assistem (talvez pelos atores que são muito bons, quase todos indicados a Oscars), pois 6  ●  Voz Jovem


nos fazem sentir dentro da história, como se estivéssemos lá participando da história do filme, ou até sendo um dos personagens, principalmente o menino Trevor, que em algumas partes, nós entendemos como ele deve se sentir, com a sua mãe fora de casa, sempre trabalhando, e ainda, alcoólica, o seu pai que era ausente, e quando aparece, deixa o menino mais triste do que parece ser, batendo na mãe dele, e a avó de Trevor, que era mendiga e também brigada com a própria filha e ainda, ele não tinha quase nenhum amigo (apesar de que ele conquista vários ao longo do filme, pelo que vimos no final). O professor, pelo que dá pra perceber é o único que entende um pouco o Trevor, pois também não foi muito feliz durante sua infância, a mãe batia nele, tem marcas e cicatrizes de queimaduras causadas pelo pai, que sumiu depois disso, eles dois tem muitas coisas em comum, talvez por isso. Nós sentimos a mesma coisa no final, ficamos tristes, como se conhecêssemos de verdade Trevor, como se fossemos amigos dele e sentíssemos a falta dele. O filme é diferente do que se prevê, ou seja, não é previsível, no começo, pensamos que vai ser igual a todos com “final feliz”. Mas não é bem isso. Isso influencia e acaba deixando o filme mais ainda perto do nosso tema. Filipe, Hugo, Lucas Silva, Ailton 8B

Um livro significa muito para mim, nele eu consigo viajar, me tornar qualquer um dos personagens da história (desde que ele se enquadre comigo). Isso é muito bom porque eu penso coisas extremamente divertidas, que são quase impossíveis de se imaginar hoje, nesse mundo cheio de correrias e barulhos. Eu gosto muito de ler, principalmente essas novas coleções que aparecem aí, mas se eu passo em frente à lotérica e vejo: Mega-sena acumulada 28 milhões de reais, já começo a me ver com essa grana toda. E eu acho que leitura é isso, você imaginar aquilo que lê, como se fosse real. Maria José dos Reis 8C

Um livro é muito mais que um monte de papel, é um “portal” para um mundo diferente em que você aprende, se encanta, se emociona e às vezes sente até angústia; mas particularmente, leio livros muito pouco, gosto de ler revistas de carros onde eu me empolgo e sonho acordado. Às vezes, me empolgo tanto que faço gestos com as mãos, gosto muito de carros e eu me imagino montando, construindo. Isto para mim é ler, é se divertir e aprender. Filipe Alves 8A

Gosto muito de ler, sempre que estou desocupado, eu estou lendo. Não gosto muito de livros de autoajuda, gosto mais de livros históricos, contos... Atualmente, estou lendo Jô Soares: O homem que matou Getúlio Vargas; mas, muitas vezes fico sem ler, pois não tenho acesso à biblioteca na minha cidade. Quando eu tinha 11 anos, despertou em mim a sede da leitura. Comecei a ler livros de contos, como: Rei Arthur e os Cavaleiros da Távola Redonda, Tom Sawyer e fábulas de Esopo. Hoje, leio Chico Buarque e acabei me apaixonando pelo detalhes, não só da história, como a perceber os detalhes. O livro tem um papel muito interessante na minha vida que é passar o conhecimento que está por trás das palavras escritas nele e assim, me envolver com a cultura. O livro me ajuda a falar, Wily Oliveira escrever e ouvir. 8A

Voz Jovem  ●  7 


Voz Jovem