Page 47

têm um processo de troca incrível, toda hora vocês estão nos discos de todos, todos nos palcos de todos”. Isso é uma coisa que foi até inspiradora para certos grupos europeus e americanos que passaram também a adotar esse estilo de vida artística. Isso é muito bom, muito bom. O show que você fez no Fashion Rio, no Cais do Porto, foi o último que vi, e eu me emocionei muito com a sua canção sobre o medo da morte. Foi aquele silêncio, criou aquela atmosfera coletiva, todo mundo ficou envolvido... Gilberto Gil Ainda hoje eu cantei essa música sozinho em casa, antes de vir aqui, para a entrevista. Porque fazia tempo, e eu me dizia assim: “Será que eu me lembro da letra toda?”. Aí comecei a cantar sozinho, em frente ao computador em que eu estava trabalhando para uma palestra que eu vou fazer daqui a alguns dias, que é sobre mercado musical, cultura e política, então eu fiquei pensando, lá no momento me veio essa coisa da morte. Fiquei me lembrando como a música foi feita na Espanha, em Sevilha, onde eu estava participando de um seminário sobre cultura digital e cultura da informação e políticas culturais para o mundo, com Manuel Castells, John Perry Barlow e António Damásio, neurocientista português, que escreveu O erro de Descartes (Companhia das Letras). Foi lá nesse contexto, nesse ambiente que fiz essa música. Por causa dessas interligações com o computador, me lembrei dela hoje.

E fica mais bonito ainda de ver você cantando acompanhado pelo seu filho Bem. Gilberto Gil Símbolo da continuidade da nossa vida, o filho fazendo a mesma coisa que eu, tocando violão, fazendo música, dividindo o mesmo ambiente de trabalho comigo. Isso tudo é muito bonito e além disso um momento esteticamente tão bonito, como o Andrucha fez daquilo, como ele instalou o palco e os elementos de cena e tudo. É um dos vídeos mais bonitos, independente de mim [risos]. Você faria um trechinho dessa música para a gente? [Gil canta] Não tenho medo da morte Mas sim medo de morrer Qual seria a diferença? Você há de perguntar É que a morte já é depois Que eu deixar de respirar Morrer ainda é aqui Na vida, no sol, no ar Ainda pode haver dor Ou vontade de mijar. Assista à entrevista com Gilberto Gil no site www.saraivaconteudo.com.br.

www.SARAIVACONTEUDO.com.br

47

Revista Saraiva Conteúdo - 2ª edição  

Esta segunda edição optamos por trazer aos leitores uma edição mais musical, reverenciando mestres como Noel Rosa, Adoniran Barbosa e Gilber...

Revista Saraiva Conteúdo - 2ª edição  

Esta segunda edição optamos por trazer aos leitores uma edição mais musical, reverenciando mestres como Noel Rosa, Adoniran Barbosa e Gilber...

Advertisement