Issuu on Google+

évoralocal

197

Câmara Municipal de Évora / Director: Carlos Pinto de Sá // Semanário, 05 Junho de 2014

Num contato mais direto com a população: Eleitos camarários visitaram Freguesia de Nª Sª da Graça do Divor    A Freguesia de Nª Sª da Graça do Divor foi este sábado (31 de maio) visitada pelos

eleitos camarários com Pelouros e assessores, no âmbito da iniciativa “Pelos Caminhos do Concelho – Ao Encontro das Populações”, que visa, através de uma gestão aberta e participada, perceber as necessidades da população e ver o que é possível fazer dentro das limitações financeiras camarárias já conhecidas. O Presidente da Junta de Freguesia, Nuno Deus, outros eleitos e dirigentes locais também acompanharam a visita por vários locais da Graça do Divor, entre eles, a sede da Junta, a Associação de Idosos, o Jardim de Infância, a Escola Básica, a zona industrial e a Casa do Povo, onde decorreu a reunião com a população.

Deliberações

da C.M. de Évora

pág.05

pág.07

Sabia que... A Porta de D. Isabel é a única que resiste das 4 que delimitavam a "Liberalitas Iulia"?

TEATRO

pág.09 pág. 09

Cinema Garcia de Resende


évoralocal / pág. 02


Num contato mais direto com a população: Eleitos camarários visitaram Freguesia de Nª Sª da Graça do Divor 

A Freguesia de Nª Sª da Graça do Divor foi este sábado (31 de maio) visitada pelos eleitos camarários com Pelouros e assessores, no âmbito da iniciativa “Pelos Caminhos do Concelho – Ao Encontro das Populações”, que visa, através de uma gestão aberta e participada, perceber as necessidades da população e ver o que é possível fazer dentro das limitações financeiras camarárias já conhecidas. O Presidente da Junta de Freguesia, Nuno Deus, outros eleitos e dirigentes locais também acompanharam a visita por vários locais da Graça do Divor, entre eles, a sede da Junta, a Associação de Idosos, o Jardim de Infância, a Escola Básica, a zona industrial e a Casa do Povo, onde decorreu a reunião com a população. Um conjunto de questões foi abordado durante a visita pela Freguesia bem como na reunião com a população às quais a autarquia irá agora avaliar e responder. Entre estas, salienta-se, por exemplo, a melhor forma de aproveitamento de um terreno camarário contíguo à sede da Junta; a necessidade de projeto para ampliação do lar de idosos (que tem uma lista de espera para cama na ordem das várias dezenas), o desbloqueamento de questões burocráticas relativas aos terrenos do Grupo Desportivo, a necessidade de melhorias no Parque Infantil e em ruas adjacentes à Rua de Évora; a melhoria da segurança rodoviária na Rua de Évora; a necessidade de não encerrar a escola básica e algumas outras questões de regulamentação urbanística colocadas por moradores. Na reunião, o Presidente da Câmara Municipal de Évora, Carlos Pinto de Sá, procurou esclarecer quanto à difícil situação financeira camarária e os impactos que ela tem na atividade do Município, assim como os principais problemas herdados para os quais têm procurado soluções, conseguindo resolver já alguns, caso do avanço da obra de requalificação da Escola André de Resende ou das melhorias verificadas nas áreas da limpeza pública e da cultura.

“Estamos a trabalhar para encontrar soluções que permitam, com os parcos recursos que temos, fazer alguma coisa e julgo que se começam a ver algumas diferenças”, afirmou o autarca, defendendo também esta ideia: “Precisamos que Évora volte a ser referência enquanto Património da Humanidade, por que isto atrai pessoas e estamos a fazer um esforço muito grande para tal, nomeadamente tentando atrair investimentos”. O conjunto de ataques ao Poder Local   Democrático, poder que, explicou “levanta a voz em favor dos interesses das populações”, foi também outros dos temas abordados. Sublinhando que a “defesa dos serviços públicos é essencial”, deu como exemplo a importância da não privatização da água e considerou que “o encerramento de escolas é passar uma certidão de óbito ao mundo rural e às freguesias rurais, obrigando os casais jovens a saírem para outros lugares em busca de melhores condições”. Mostrando o empenho e solidariedade na defesa da continuação da Escola Básica na Graça de Divor, o Presidente agradeceu também à Junta, a todas as entidades e habitantes que os acompanharam na visita à freguesia, mostrou a disponibilidade para o trabalho conjunto e respondeu a um conjunto de questões colocadas pelos moradores, no que foi também acompanhado pelo Vereador Eduardo Luciano e pelo Presidente da Junta de Freguesia.

évoralocal / pág. 03


évoralocal / pág. 04


Deliberações da Câmara Municipal de Évora Em reunião pública de 21 de maio: Câmara de Évora aprovou acordo com ADRAL para funcionamento de incubadora de empresas A Câmara Municipal de Évora aprovou por unanimidade o Protocolo Específico de Colaboração com a Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo (ADRAL) e Acordo de Cedência referente à Incubadora de Base Tecnológica do Tecnopolo de Évora. Este, visa a implementação, funcionamento e dinamização da Incubadora, um dos projetos incluídos no Programa Estratégico da Rede Urbana para a Competitividade e Inovação - Corredor Azul. O acordo de cedência tem por objeto a cedência pelo Município à ADRAL das instalações/espaço Tecnopolo para gestão e dinamização da referida Incubadora. Deste modo, segundo o Presidente da Câmara Municipal, é assegurada a garantia de financiamento do que falta da incubadora e a entrada em funcionamento desta, ficando todos os eleitos satisfeitos com a solução encontrada, dadas as dificuldades do processo. No período da Ordem do Dia foi dado conhecimento à Câmara do Acordo de Cooperação Institucional celebrado entre a autarquia e a Biblioteca Nacional de Portugal referente à colaboração mútua, desenvolvimento iniciativas conjuntas e de estratégias que contribuam para a fruição e valorização integradas do património da Biblioteca Pública de Évora. Foi tomado conhecimento da rescisão do contrato de financiamento da remodelação da Rede de Águas e Esgotos de S. Manços por parte da Comissão Diretiva do Programa Operacional Temático Valorização do Território, dado que a obra não teve execução física nem financeira nos prazos estabelecidos contratualmente. O Tribunal de Contas não concedeu o visto necessário, por que a Câmara não pode provar a existência de fundos disponíveis para a parte não comparticipada da obra. Isto deve-se à situação financeira da autarquia extremamente condicionada, nomeadamente pelo PAEL e pela Lei dos Compromissos. Tentando ultrapassar a situação, a Câmara Municipal candidatou-se a um empréstimo BEI para assegurar a parte não comparticipada, mas nunca obteve resposta por parte do Governo e, ao entrar em vigor o atual Orçamento de Estado, essa possibilidade acabou. O Presidente Carlos Pinto de Sá informou a Câmara - e também a Presidente da União de Freguesias de S. Manços e S. Vicente de Pigeiro que veio à reunião solicitar esclarecimentos e disponibilizar-se para unirem esforços conducentes à resolução do problema – que estão empenhados e a trabalhar com propostas concretas junto de várias entidades de modo a encontrar uma solução que no próximo quadro comunitário garanta verbas para esta área. Até lá, a autarquia irá ver com os seus próprios meios como poderá minorar a situação, uma vez que se trata de um problema estrutural da rede, não solucionável a curto prazo.

Nesta reunião, entre outros pontos, foram também aprovadas várias propostas de cedências de transporte e de apoios logísticos às associações que trabalham na área educativa, social e desportiva no Concelho. De salientar ainda que, no Período Antes da Ordem do Dia, o Presidente Carlos Pinto de Sá deixou uma nota de congratulação pelo término do processo negocial com a empresa Capgemini de que resulta a instalação desta no Parque Industrial e Tecnológico de Évora e a criação de centena e meia de postos de trabalho altamente qualificados e sua importância para Évora. Falou também da satisfação e significado prestigiante para o Concelho da escolha da nossa cidade para as comemorações do Dia do Advogado pela Ordem dos Advogados e dos 40 anos do Conselho Distrital, eventos que trouxeram a Évora um significativo número de advogados oriundos de todo o País. O Vereador da Cultura, Eduardo Luciano, informou sobre a realização, pela primeira vez, da Feira do Livro em conjunto com a Feira de S. João, o que possibilitará uma melhor gestão de meios. Após o evento, será feita a avaliação dos resultados em conjunto com os livreiros e também quanto à decisão da permanência em definitivo ou não deste evento no novo espaço, o Jardim Público de Évora, onde beneficiará do Palácio de D. Manuel para a realização de iniciativas caso da apresentação de livros, entre outras. A Vice-Presidente, Elia Mira, deixou uma nota de congratulação pela recente entrega de mais 40 habitações do empreendimento Hagen (Bairro das Pites) a agregados familiares com graves carências, tendo o Presidente da autarquia adiantado que existem mais cerca de uma dúzia de fogos quase terminados naquele local, em relação aos quais a Câmara Municipal está a desenvolver esforços no sentido de que possam também ser utilizados a curto prazo para habitação social.

évoralocal / pág. 05


évoralocal / pág. 06


Sabia que

A Porta de D. Isabel é a única que resiste das 4 que delimitavam a "Liberalitas Iulia"?

PORTA DE D. ISABEL "...Giraldo...com os seus se meteu na cidade pela mesma porta, que diz a tradição ser onde hoje chamam arco de D. Isabel". António Franco, com base na obra seiscentista de Manuel Fialho, diz-nos que o que hoje chamamos de Porta de D. Isabel (denominação que advém do século XVII), se integra no episódio que viria a definir os inícios do domínio cristão de Évora: a reconquista da cidade aos mouros, no ano de 1165. Irónico que, em pleno século XIV, dela se acedesse à "...alcarcoua da mouraria noua..." Contudo, é esta porta reminiscência mais antiga, pois é a única entrada que resiste, das 4 que deteria a cidade de "Liberalitas Iulia" no século IV d.C. Reforçada e alterada no século XIII, conserva ainda a arcaria que herdou do período romano, sendo portanto raridade eborense e construção icónica da sua antiguidade. Já no século XX, quando se demolia um convento que lhe estava anexo, é preservado este arco, que ficou solitário, a aguardar posterior integração na obra do CTT. Contudo, permanece uma interrogação, pois ainda hoje não se sabe ao certo que Isabel era esta, eternizada em tão antigo vestígio... Gustavo Val-Flores, Divisão do Centro Histórico, Património, Cultura e Turismo

évoralocal / pág. 07


évoralocal / pág. 08


CINEMA | Igreja São Vicente

évoralocal / pág. 03


évoralocal / pág. 10


évoralocal / pág. 11



Évora local197