Page 1

De janeiro a outubro de 2011, o mercado de trabalho paraense registrou a abertura de 49.288 novos empregos formais. O Mercado de Trabalho Formal do Estado do Pará em Outubro de 2011. De acordo com os resultados apresentados pelo Cadastro Geral dos Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), no mês de outubro de 2011 foram criados 126.143 empregos com carteira assinada em todo país, o que elevou o estoque de postos de trabalho celetistas em 0,33%, acumulando no ano um saldo de 2.241.574 novos postos de trabalho formal. A região Norte e o estado do Pará, por seu turno, apresentaram crescimento relativo acima do registrado em nível nacional, com variações no emprego de 0,62% e 0,89% respectivamente. Em termos absolutos, correspondeu a criação de 10.152 novos postos de trabalho na região Norte, dos quais 5.963 gerados no estado do Pará que, pelo quarto mês consecutivo registrou o melhor desempenho dentre os sete Estados que compõem a Região, e o maior saldo da série histórica do CAGED para o período de outubro desde 2000.

Número de empregos formais

Gráfico 1. Empregos Formais - Brasil, Região Norte e Pará, Outubro de 2011. 2.000.000 1.700.000 1.400.000 1.100.000 800.000 500.000 200.000 -100.000

Admissões Desligamentos Saldo

Brasil Brasil 1.664.566 1.538.423 126.143

Região Norte Região Norte 72.831 62.679 10.152

Pará Pará 29.111 23.148 5.963

Fonte: CAGED/MTE. Elaboração: Núcleo de Análise Conjuntural – IDESP

No acumulado do ano, a variação percentual do emprego no mercado de trabalho paraense foi de 7,69% em relação ao estoque de empregos existente em primeiro de janeiro de 2011, abaixo da variação regional (8,75%). Em termos absolutos, equivale à criação de 49.288 postos de trabalho, colocando o Pará em primeiro lugar no ranking


dos estados que mais geraram empregos na Região Norte. No acumulado dos últimos dozes meses, o Pará volta a se destacar dentre os estados da região, assinalando saldo de 49.734 postos de trabalho e variação de 7,77%. O gráfico 2, a seguir, traz um demonstrativo do comportamento do emprego nos estados da Região Norte, no mês de outubro, no acumulado do ano (janeiro a outubro de 2011) e nos últimos doze meses (novembro de 2010 a outubro de 2011). Gráfico 2. Saldo de empregos formais no mês, no ano e nos últimos 12 meses. Acre Rondônia Roraima Amapá Tocantins Amazonas Pará -10.000

0

10.000

20.000

Amazonas Tocantins 43.745 6.989

30.000 Amapá 6.271

40.000

50.000

Roraima Rondônia 2.449 13.461

60.000

Nov./2010 a Out./2011

Pará 49.734

Acre 3.659

Jan./2011 a Out./2011

49.288

47.915

9.660

6.364

2.042

15.419

5.127

Outubro/2011

5.963

2.627

779

673

183

-33

-40

O comportamento do emprego segundo setores de atividade econômica Analisando os dados do CAGED por setor de atividade econômica, verificou-se que, à exceção da Agropecuária e da Administração Pública que eliminaram, respectivamente, 338 e 5 postos de trabalho, todos os demais setores apresentaram saldos positivos. O setor de Serviços, com a criação de 2.319 novos empregos, o da Construção Civil e do Comércio que geraram, respectivamente, 2.273 e 1.202 postos de trabalho, foram os que mais influenciaram no resultado registrado em outubro, conforme se verifica na Tabela 1.


Tabela 1. Comportamento do emprego no Pará por setor de atividade econômica – Outubro de 2011. Setores de Atividade

Total de Admissões 313 3.521 193 6.698 7.136 8.711 16 2.523 29.111

Extrativa Mineral Indústria de Transformação Serviços Indust. De Util. Pública Construção Civil Comércio Serviços Administração Pública Agropecuária Total Fonte: CAGED/MTE. Elaboração: Núcleo de Análise Conjuntural – IDESP

Total de Desligamentos 129 3.271 115 4.425 5.934 6.392 21 2.861 23.148

Saldo 184 250 78 2.273 1.202 2.319 -5 -338 5.963

Variação do Emprego (%) 1,15 0,27 0,89 3,00 0,68 1,03 -0,02 -0,66 0,89

 Serviços: as maiores contribuições originaram-se dos subsetores “Comércio e Administração de Imóveis e Serviços Técnico-profissionais” (939 postos), “Serviço de Alojamento, Alimentação, Reparo e Manutenção” (808 postos) e “Transportes e Comunicações” (334 postos).  Construção Civil: devido à ampliação de obras privadas e públicas no estado, o setor da Construção Civil segue aquecido, o que explica a manutenção do bom desempenho registrado neste mês de outubro com saldo de 2.273 novos empregos. Cabe ressaltar a contribuição significativa do município de Altamira, com um saldo de 1.294 postos neste setor, em função do projeto UHE de Belo Monte.  Comércio: apresentou o terceiro maior saldo de postos de trabalho (1.202 postos), tendo como destaque o Comércio Varejista com 916 postos de trabalho, contra 286 postos do Comércio Atacadista.  Indústria de Transformação: o setor apresentou saldo positivo de 250 postos, impulsionado pelos subsetores “Indústria de Madeira e Mobiliários” (397 postos), “Indústria Metalúrgica” (143 postos), “Indústria de Produtos Minerais Não Metálicos” (43 postos) e “Indústria Mecânica” (27 postos).  Extrativa Mineral: apresentou o quinto melhor desempenho na geração de empregos formais no mês com saldo de 184 postos de trabalho.  Serviços Industriais de Utilidade Pública: registrou um saldo de 78 postos de trabalho, resultado da admissão de 193 pessoas, contra o desligamento de 115 trabalhadores.  Administração Pública: este setor registrou um saldo de -5 postos, decorrente da admissão de 16 pessoas contra o desligamento de 21 funcionários.  Agropecuária: este setor foi o que registrou o pior saldo, eliminando um número significativo de -338 postos de trabalho formal.

Comportamento do emprego na RMB e municípios no mês de outubro. A Região Metropolitana de Belém alcançou, no mês de outubro, a geração de 2.081 novos empregos celetistas, o equivalente a 35% do total gerado em todo o estado do Pará. Este é o segundo melhor resultado de toda a série histórica do CAGED para o


período, sendo menor apenas do que os 3.011 empregos formais assinalados no ano de 2009. Os setores de atividade com maior destaque foram Serviços com 1.521 postos, Construção, com 387 postos de trabalho e Comércio, com 126 postos. Tabela 2. Comportamento do emprego na RMB e demais municípios – Outubro de 2011. RMB

Demais Municípios

Estado do Pará

Extrativa Mineral

4

180

184

Indústria de Transformação

98

152

250

Serv. Industriais de Utilidade Pública

3

75

78

Construção Civil

387

1.886

2.273

Comércio

126

1.076

1.202

Serviços

1.521

798

2.319

Administração Pública

-6

1

-5

Agropecuária

-52

-286

-338

3.882

5.963

Setores de Atividade Econômica

Total 2.081 Fonte: MTE - CAGED. Elaboração: Núcleo de Análise Conjuntural – IDESP.

Quando se analisa o comportamento do emprego em nível municipal no mês de outubro de 2011, verifica-se que no ranking dos dez municípios paraenses com população de 30 mil habitantes ou mais, Belém registra a primeira posição, ao gerar 1.532 novos postos de trabalho, majoritariamente no setor Serviços (1.228 postos), seguido pela Construção Civil com 237 postos de trabalho. O município de Altamira ocupa a segunda posição com 1.473 postos, impulsionada pelo setor da Construção Civil, com 1.294 postos, seguido pelo setor Comércio com 96 postos de trabalho, em grande medida decorrentes das obras de implantação da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, Parauapebas, que ocupou o terceiro lugar no ranking, também se destacou no saldo de empregos com um total de 832 postos, também com destaque para a Construção Civil, setor que contribuiu com a geração de 383 novos postos, seguido do setor Serviços (166 postos) e Extrativa Mineral (137 postos). Ananindeua localizado na região Metropolitana ocupou o quarto lugar com saldo de 406 empregos gerados, destacando-se os setores de Serviços e da Construção Civil com a geração de 261 e 164 novos empregos. O município de Barcarena apresentou saldo positivo de 322 novos postos, decorrentes do bom desempenho registrado na Construção Civil e na Indústria de Transformação, setores que geraram 200 e 86 novos postos de trabalho formal. Santarém também se destaca entre os 10 municípios com maior saldo, 261 novos postos


de trabalho sendo (129), no setor Serviços seguido do comércio com (96) postos de trabalho. Tomé-Açu apresentou saldo positivo de 145 postos ocorrendo certa dinâmica de distribuição entre setores: Comércio com saldo de (44) postos, seguido da Indústria de Transformação com (38) postos, Agropecuária e Construção Civil com 34 e 28 postos respectivamente. Na seqüência, o município de Tucuruí apresentou saldo de 133 novos empregos, sendo que o setor Comércio foi o que mais contribuiu para este resultado, com a geração de 46 postos de trabalho, seguido do setor Serviço. Em Marituba, o saldo de 119 empregos formais foi assim distribuído: Serviço e Comércio com saldo positivo de 42 postos de trabalho cada, seguido por Indústria de Transformação com saldo também positivo de 40 postos de trabalho. Finalmente, na décima posição no ranking, o município de Mojú gerou saldo de 104 postos de trabalho neste mês, puxado pelos setores de atividade da Agropecuária (63 postos), Serviços (25), e da Construção Civil (20 postos).

Belém Altamira Parauapebas Ananindeua Barcarena Santarém Tomé Açú Tucurui Marituba Moju Castanhal Vigia Oriximiná Óbidos Itaituba Acará Capitão Poço Itupiranga Igarape-Miri Almerim -500

1.532 1.473 832 406 322 261 145 133 119 104 -197 -146 -60 -56 -52 -44 -43 -9 -7 -6

0

500

Fonte: MTE - CAGED. Elaboração: Núcleo de Análise conjuntural – IDESP

1.000

1.500

2.000


No outro extremo, entre os municípios que registraram os piores saldos no mês, encontram-se o de Castanhal, com saldo negativo de 197 postos, grande parte decorrente do setor Agropecuário, o qual registrou o fechamento de 190 postos de trabalho. Seguido pelo município de Vigia com saldo negativo de 146 postos de trabalho, também com predominância do setor Agropecuário (-144 postos de trabalho) no mês de referência. Quanto ao município de Oriximiná, o saldo negativo de 60 empregos formais se deu, especialmente, pela eliminação de postos de trabalho registrados no setor da Construção Civil. Itaituba também figura, neste mês, entre os dez municípios com os piores saldos, assinalando o encerramento de 52 postos, grande parte no setor da Construção Civil. Em seguida, enumera-se o município de Acará com um saldo negativo de 44 postos de trabalho, resultado influenciado pelo fechamento de 57 postos de trabalho no setor de Serviços. O município de Capitão Poço também fechou o mês com saldo negativo de 43 postos, em função de um maior número de desligamentos frente às admissões em dois setores: Agropecuária e Serviços. Em Itupiranga, o saldo negativo de 9 postos de trabalho é explicado pelo fraco desempenho do setor da Agropecuária que apresentou saldo negativo de 13 postos de trabalho. O município de Igarapé Miri, por sua vez, teve saldo negativo de 7 postos de trabalho devido, fundamentalmente, ao saldo negativo idêntico de 13 postos de trabalho no setor da Indústria de Transformação e Construção Civil. Por fim, Almerim, aparece como o último entre os dez municípios com os piores saldos no mês, registrando o fechamento de 6 postos de trabalho, a maioria destes, no setor da Agropecuária.

mercado trabalho outubro 2011  

mercado trabalho outubro 2011

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you