Issuu on Google+

Governo do Estado do Pará Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará

Diretoria de Estudos e Pesquisas Socioeconômicos e Análises Conjuntural Coordenadoria do Núcleo de Indicadores Socioeconômicos

Janeiro/2011

IPC / RMB

ÍNDICE DE PREÇOS AO CONSUMIDOR DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM


GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ

Simão Robison Oliveira Jatene VICE-GOVERNADOR Helenilson Pontes

PRESIDENTE Maria Adelina Guglioti Braglia DIRETOR DE ESTUDOS E PESQUISAS Cassiano Figueiredo Ribeiro GERÊNCIA DE INDICADORES SOCIOECONÔMICOS

Maria Augusta Esteves Pereira EQUIPE EXECUTORA

Daniel Carlos Nascimento Serpa José Luiz dos Santos Lobato Nilceli Figueiredo Montalvão ESTAGIÁRIO

Emmanuel Oliveira da Silva COLETADORES DE CAMPO

Ana Carla Moreira do Vale, André Anderson Marcias Vale, Elizabeth Valadares da Silva, Flávio Ruanito Rodrigues Coelho, Helaine Thaís Pimentel Cardoso, Iraelson Monteiro Pereira, Jeferson Pinho Barbosa, Karla Karoline Botelho Gomes, Kelly Pereira Quaresma, Willani Henrique Freitas Lima.

Objetivo principal mensurar através da média aritmética, pelo método de Laspeyres com base modificada, as variações de preços médios que compõem a cesta básica de consumo dos bens e serviços dos belenenses, considerando os intervalos de rendimentos entre 1 e 8 e 1 e 40 salários mínimos.


Educação pressiona inflação na RMB 1,81% em janeiro O Índice de Preços ao Consumidor – IPC da Região Metropolitana de Belém – RMB calculado pela Secretaria de Planejamento Orçamento e Finanças – SEPOF, através da Diretoria de Planejamento – DIPLAN, registrou no mês de janeiro de 2011 a taxa de 1,81% com aumento médio na ordem de 0,77%. Esta pressão altista deve-se ao grupo Educação, Leitura e Papelaria, que no mês em análise registrou taxa média de 5,84%. Mas ao analisarmos no cômputo geral podemos dizer que esta inflação é pontual, porque no retorno do ano letivo sempre ocorrem estas variações em função das despesas extras com matrículas escolares, mensalidade, uniforme, livros, cadernos e artigos de papelaria. Mas vale ressaltar que o grupo Alimentação e Bebidas teve participação influente no resultado do índice médio no mês ao registrar taxa de 2,52%. Os alimentos que exerceram forte pressão inflacionária no Mês de janeiro/2011 foram as Carnes Frescas e Vísceras, cujo aumento médio foi de 3,44%. Tal fato continua sendo explicado pela alta exportação e pela grande diminuição de oferta de bois para o abate. Os substitutos imediatos das carnes vermelhas também seguiram esta tendência altista, destaque para Aves e Ovos (6,37%), Peixes e Crustáceos (10,60%) e Carnes e Peixes Industrializados (0,73%). Apesar das instabilidades climáticas, que estariam prejudicando fortemente a produção, e da tendência de uma demanda crescente verificados no período, os Cereais,

Leguminosas

e

Oleaginosas

tiveram

comportamento

inverso

e

registraram taxas negativas de 7,70%, assim como a Farinha, Féculas e Massas (3,62%) e Tubérculos e Raízes (-0,77%). Já as Hortaliças, Legumes, e Verduras, que apresentaram taxa positiva de 6,22%, foram influenciadas pela Couve (9,80%), cheiro verde (10,00%) e tomate (4,66%). O conjunto dos nove grupos de despesas que integra a estrutura de consumo do IPC, no mês de Janeiro de 2011, teve o seguinte comportamento: cinco grupos registraram taxas inflacionárias acima do Índice Médio: Educação, Leitura e Papelaria (5,84%), Habitação (3,57%), Despesas de Serviços Pessoais (2,58%), Alimentação e Bebidas (2,52%) e Móveis e Equipamentos Domésticos


(2,02%). Os que ficaram no intervalo médio foram: Vestuário (0,57%) e Saúde e Cuidados Pessoais (0,56%). E dois grupos registraram taxas negativas: Transporte (0,63%) e Comunicação (2,19%). Educação, Leitura e Papelaria Habitação

5,84%

Despesas e Serviçoes Pessoais

5,50%

Alimentação e Bebidas

4,50%

Móveis e Equipamentos Domésticos Vestuário

3,57%

3,50%

2,58%2,52% 2,02%

2,50%

Saúde e Cuidados Pessoais Transportes

1,50%

0,57% 0,56% Comunicação

0,50% -0,50%

-0,63%

-1,50% -2,19%

-2,50% Fonte: SEPOF/DIPLAN/GERIN

O Grupo Educação, Leitura e Papelaria apresentou taxa ascendente de 5,84%, caracterizando uma inflação pontual, reflexo da aproximação do início do ano letivo. Os itens responsáveis por esta elevação foram: as mensalidades escolares, que tiveram aumento médio na ordem de 6,86%, livros e revistas técnicas (13,44%), livros escola do ensino fundamental e ensino médio (9,11%) e outros artigos de papelaria (12,80%). No grupo Habitação a taxa positiva de 3,57% se deu fundamentalmente em virtude dos aumentos nos itens aluguel (6,22%), material de conserto em geral (0,59%), material hidráulico (4,15%) e ferragens (5,29%). Os bens administrados, como tarifa de energia elétrica e tarifas de água e esgoto, permaneceram com seus preços médios inalterados, enquanto os demais itens do grupo registraram taxas negativas. O grupo Despesas e Serviços Pessoais apresentou taxa de 2,58%, sendo influenciada pela maioria dos “serviços” que compõem este grupo, cujos preços geralmente são majorados em função do aumento do salário mínimo, com


destaque para: empregada doméstica (5,81%), barbeiro (1,82), manicure (14,77%), sapateiro (14,29%) e boate, danceteria e discoteca (25%). Outros itens deste mesmo grupo que também tiveram comportamento ascendente foram: bicicleta (1,59%), brinquedos e jogos (1,51%) e funeral (4,14%). Apesar de toda a queima de ponta de estoque, o grupo Móveis e Equipamentos Domésticos registrou a taxa de 2,02%. Esta taxa ascendente no setor comércio está atrelada principalmente à taxa SELIC, que tem influência sobre as demais taxas de juros praticados no mercado.

Assim, constataram-se aumentos nos

seguintes itens: Mobiliário (1,11%), guarda-roupa (2,20%) colchão (6,92%) e cômoda de quarto (15,73%) e, bem como, nos subitens Equipamentos Eletrônicos (9,18%). O grupo Vestuário (0,57%), também pertencente ao setor comércio, teve sua participação influenciada pelas altas da taxas de juros ocorridas no período, conforme verificação nos preços médios dos seguintes itens: roupas de homens (1,35%), acessórios femininos e masculinos (2,43%), calçados masculinos (3,02%), calçados femininos (2,28%) e jóias e bijuterias (4,52%). Em Saúde e Cuidados Pessoais a taxa de 0,56% foi influenciada pelo item serviços: consultas médicas (0,64%), óculos e lentes (11,14%) e medicamentos (0,50%). Vale ressaltar que esta elevação foi atenuada pelas taxas constantes apresentadas pelos planos de saúde, exames de laboratório, hospitalização e eletrodomésticos. Os dois grupos que registraram taxas negativas no mês em análise foram: Transportes (0,63%) e Comunicação (2,19%). Apesar da taxa negativa do grupo Transporte, alguns itens dentro do mesmo tiveram comportamento inverso como, por exemplo, Combustível para veículos (0,42%), IPVA (1,65%), câmara e pneu (3,18%), óleo lubrificante (3,16%), emplacamento de automóvel (5,64%), outras peças e acessórios (10%) e motocicleta (7,99%). No grupo Comunicação todos os itens registraram decréscimo, ou seja, tiveram seus preços médios praticados abaixo de mercado, registrando taxas negativas como: aparelho de telefone comercial (-13,92%), aparelho de telefone celular (-15,29%) e taxas constantes em tarifas de telefone residencial e tarifas de telefone celular.


IPC – ÍNDICE DE PREÇO AO CONSUMIDOR E IPCA – ÍNDICE DE PREÇO AO CONSUMIDOR AMPLO 1.

IPC/SEPOF/PA

Mensal Acumulado no ano Acumulado em seis meses Acumulado em doze meses 2. IPCA/SEPOF/PA Mensal Acumulado no ano Acumulado em seis meses Acumulado em doze meses

(%) Janeiro/11 Dezembro/10 1,81 1,03 1,81 10,66 5,70 4,47 11,12 10,66 1,66 1,66 5,07 9,96

0,80 10,01 4,21 10,01

(%) Janeiro/10 Dezembro/09 1,39 0,51 1,39 5,47 3,54 2,61 6,49 5,47 1,71 1,71 4,03 7,28

0,31 5,66 2,94 5,66

FONTE: SEPOF/DIPLAN/GERIN

CESTA BÁSICA DA RMB REGISTRA A TAXA DE 1,13% EM JANEIRO/2011

A Cesta Básica do mês de janeiro/11 foi de R$ 203,35 (Duzentos e três reais e trinta e cinco centavos), correspondendo a 37,66% do salário mínimo vigente, de R$ 540,00 (Quinhentos e quarenta reais), apresentando variação de 1,13% em relação ao mês de dezembro/10, quando a Cesta Básica registrou o valor de R$ 201,08 (Duzentos e um reais e oito centavos). Dos produtos que compõem a Cesta Básica, no mês em análise, cinco produtos apresentaram taxa positiva: carne (3,67%), tomate (4,66%), pão comum (6,99%), açúcar (2,07%) e óleo (0,67%). Os que apresentaram taxas negativas foram: leite in-natura (1,20%), arroz (1,50%), feijão (17,65%), café moído (1,61%), banana (0,42%) e manteiga (2,57%). O único produto que apresentou preço inalterado foi a farinha de mandioca.


Para adquirir os produtos da Cesta Básica em Janeiro/11, o trabalhador precisou cumprir uma jornada de trabalho de 90 horas e 23 minutos.

Gasto do Salário Mínimo com Cesta Básica em Belém Janeiro/11 Cesta Básica 37,66%

Fonte: SEPOF/DIPLAN/GERIN

62,34%

Outras Despesas


CESTA BÁSICA* – JANEIRO/2011 Tabela 1: Gastos Mensais e Variação. Produtos

Quantidade

Carne de 2ª Leite in natura Arroz polido Feijão rajado Farinha de mandioca Tomate Pão comum Café moído Banana prata Açúcar refinado Manteiga Óleo de Soja

4,5 Kg 6,0 Lt 3,6 Kg 4,5 Kg 3,0 Kg 12,0 Kg 6,0 Kg 300 G 7,5 Dz. 3,0 Kg 750 g 900 Ml

Gasto total mensal/R$ Gasto salarial (%) Salário mínimo/R$ Horas trabalhadas

Gastos em Janeiro/11 (R$)

Gastos em Dezembro/10 (R$)

40,73 14,82 7,20 13,86 8,82 29,64 45,90 3,05 18,75 7,41 10,22 2,95 203,35 37,66% 540,00 90h e 23 min

39,29

variação Mensal

3,67 -1,20 -1,48 -17,65 0,00 4,66 6,99 -1,55 -0,42 2,07 -2,57 0,68 1,13%

15,00 7,31 16,83 8,82 28,32 42,90 3,10 18,83 7,26 10,49 2,93 201,08 39,43% 510,00 94h 24min

Fonte: SEPOF/DIPLAN/GERIN (*) A Cesta Básica representa os gastos com alimentação de um trabalhador adulto, (Decreto Lei nº399/38 de

30.04.1938).

Tabela 2: Gastos Mensais, Taxas mensais, Taxas acumuladas no ano. (Cesta Básica*) 2011 Mês Janeiro

2010

Taxa Gasto Taxa Gasto Taxa Acumulada no Mensal (R$) Mensal (%) Mensal (R$) Mensal (%) Ano (%) 203,35

1,1 3

1,13

201,08

-0,40

Taxa Acumulada no Ano (%) 4,14

Fonte: SEPOF/DIPLAN/GERIN (*) A Cesta Básica representa os gastos com alimentação de um trabalhador adulto, (Decreto Lei nº399/38 de 30.04.1938).


PARTICIPAÇÃO NO ORÇAMENTO FAMILIAR – JANEIRO/2010

Participação relativa no orçamento familiar, variação no mês, do Índice de Preços ao Consumidor da Região Metropolitana de Belém, segundo grupos de consumo, na faixa de rendimento familiar entre: Tabela 1:

1 e 8 Salários Mínimos Contribuição em pontos percentuais

Grupos

Participação no Orçamento

Variação no mês (%)

GERAL

100,0000

1,81

Alimentação e Bebidas

34,1035

2,52

0,86

Vestuário

9,7721

0,57

0,06

Habitação

12,0788

3,57

0,43

Móveis e Equipamentos Domésticos

7,8599

2,02

0,16

Saúde e Cuidados Pessoais

10,5623

0,56

0,06

Transporte

11,1953

-0,63

-0,07

Despesas e Serviços Pessoais

8,3406

2,58

0,22

Educação, Leitura e Papelaria

2,9512

5,84

0,17

Comunicação

3,1363

-2,19

0,07

Fonte: SEPOF/DIPLAN/GERIN

Tabela 2:

1 e 40 Salários Mínimos

Grupos

Participação no Orçamento

Variação no mês (%)

GERAL

100,0000

1,66

Alimentação e Bebidas

30,8024

Vestuário

9,2880

Habitação

11,5427

Móveis e Equipamentos Domésticos

6,9599

Saúde e Cuidados Pessoais

11,1358

Transporte

13,8161

Despesas e Serviços Pessoais

9,1831

Educação, Leitura e Papelaria.

3,4621

Comunicação

3,8099

Fonte: SEPOF/DIPLAN/GERIN

Contribuição em pontos percentuais

2,76

0,85

0,61

0,06

4,11

0,47

1,58

0,11

0,39

0,04

-2,42

-0,33

3,76

0,35

5,53

0,19

-1,72

-0,07


ÍNDICE DE PREÇOS AO CONSUMIDOR DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM, SEGUNDO FAIXAS DE RENDIMENTOS FAMILIARES, CONSIDERANDO O ÍNDICE GERAL E ALIMENTAÇÃO E BEBIDAS. JANEIRO/2010 ÍNDICES MENSAIS Ago/94 = 100

Base: 1 a 8 salários Mínimos

Período

Jan

486,94

Alimentação e Bebidas 2009 420,97

Geral

1 a 40 Salários Mínimos Geral

Alimentação e Bebidas

553,82

410,01

Fev

489,47

425,90

558,25

414,77

Mar

492,60

425,72

561,15

415,17

Abr

493,68

422,83

562,72

413,18

Mai

495,01

425,96

563,85

416,77

Jun

498,43

428,52

466,82

418,60

Jul

500,97

422,65

469,85

412,61

Ago

505,83

421,30

474,41

411,70

Set

506,13

414,43

475,45

405,15

Out

507,34

418,57

476,30

408,92

Nov

509,01

421,50

479,30

411,74

Dez

511,61

429,13

480,79

419,52

2010 Jan

518,72

438,79

489,01

430,55

Fev

527,43

452,92

495,27

443,64

Mar

532,02

456,90

500,42

447,37

Abr

534,36

463,71

500,62

452,33

Mai

540,14

471,83

506,23

460,16

Jun

Nov

541,92 545,33 546,10 547,08 551,89 560,39

467,35 471,13 462,13 464,72 582,76 606,07

507,29 511,75 511,55 512,73 516,62 524,73

454,50 458,86 450,19 451,93 463,86 482,79

Dez

566,16

617,22

528,93

491,58

Jan

576,41

2011 632,77

537,71

499,74

Jul Ago Set Out

Fonte: SEPOF/DIPLAN/GERIN



IPC0111