Issuu on Google+

Introdução

Encapsulamento IP

1


Introdução

2

É sabido que o hardware subjacente não entende o tipo de endereçamento de inter-rede. Portanto, uma tradução é realizada para que os dados sejam entregue pelo método de endereçamento físico existente.

Os datagramas são todos encapsulados de acordo com o formato de quadros do hardware subjacente;

Professor: Arlindo Tadayuki Noji

Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF


Encapsulamento  

3

Para um quadro de hardware, um pacote de inter-rede é tudo encarado como dado; Um campo específico do quadro gerado pelo hardware diferencia um datagrama IP dos demais dados:

Professor: Arlindo Tadayuki Noji

Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF


Transmissão através de uma inter-rede

4

A cada salto, o datagrama é extraído do quadro gerado pelo hardware. O quadro é descartado e se houver necessidade de encaminhar para um próximo salto, o datagrama é encapsulado novamente em um quadro correspondente a tecnologia utilizada pela rede subjacente ao salto.

Problema: Um quadro pode diferir a cada salto.

Professor: Arlindo Tadayuki Noji

Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF


Transmissão através de uma inter-rede 

5

Ex.

Professor: Arlindo Tadayuki Noji

Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF


Tamanho de Datagrama - MTU

6

Cada tecnologia de rede especifica uma quantidade máxima que um quadro pode transportar.

MTU - Unidade máxima de transmissão.

Então o que acontece se o Datagrama for maior que o quadro de uma determinada tecnologia de rede?

Professor: Arlindo Tadayuki Noji

Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF


Tamanho de Datagrama - MTU  

7

Ex: A rede 1 tem MTU = 1500 e precisa enviar para a rede 2, mas que suporta apenas MTU=1000.

Professor: Arlindo Tadayuki Noji

Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF


Fragmentação

8

Para resolver o problema de enviar uma informação maior que a rede pode suportar, um roteador usa a técnica de Fragmentação.

O roteador divide um Datagrama em fragmentos menores e envia cada um até o destino.

Um bit é usado no campo FLAG para indicar que um datagrama gerado por roteador é fragmentado ou não. O Campo Fragment Offset indica a organização dos fragmentos para ajudar na montagem do datagrama original.

Professor: Arlindo Tadayuki Noji

Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF


Fragmentação  

9

Sabendo o MTU da rede, o roteador consegue calcular o tamanho máximo de um fragmento. Cada fragmento contém uma cópia do cabeçalho original.

Professor: Arlindo Tadayuki Noji

Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF


Remontagem

10

A remontagem, ou seja o processo de recriar o datagrama original a partir dos fragmentos é realizada apenas no destino.

Ex.

Professor: Arlindo Tadayuki Noji

Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF


Remontagem 

Motivo para remontagem acontecer apenas no destino: – –

11

Os roteadores subsequentes não precisam verificar se o pacote é fragmento ou não; Permite que os fragmentos tomem rotas alternativas;

Professor: Arlindo Tadayuki Noji

Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF


Identificando um Datagrama

12

O campo Identification permite em conjunto com Fragment Offset determinar a ordem para compor o datagrama original a medida que os fragmentos forem chegando ao destino.

A perda de um fragmento não pode ser recuperada. Não faz sentido porque o remetente não sabe fragmentação.

Professor: Arlindo Tadayuki Noji

Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF


Fragmentando um Fragmento

13

O que acontece se um Datagrama fragmentado passar por uma rede menor ainda?

O esquema de fragmentação desenvolvida para o IP permite múltiplas fragmentações. O Destino recebe os fragmentos normalmente e os remonta, mas não sabe quantas vezes ocorreram as fragmentações durante o percurso.

Professor: Arlindo Tadayuki Noji

Instituto de Ensino Superior Fucapi - CESF


17 - Encapsulamento IP