Issuu on Google+


GEOGRAFIA 1


A GEOGRAFIA COMO CIÊNCIA DA SOCIEDADE. A Evolução do Conhecimento Geográfico Desde os tempos remotos o homem sentiu a necessidade de conservar informações sobre os caminhos percorridos e suas direções. Dessa necessidade, surgiram os primeiros conhecimentos geográficos, que podemos citar como exemplo pelas idades históricas: Idade Antiga Assírios e Caldeus identificaram planetas e estrelas. Fenícios navegaram pelo Mediterrâneo. Os gregos Filolaus (Teoria Pirocêntrica), e Ptolomeu (Teoria Geocêntrica). Aristóteles Afirmou a redondeza da Terra. Idade Média O conhecimento não evoluiu e muitas explicações foram dadas a partir de interpretações bíblicas e as grandes contribuições vieram de descrições como de Marco Pólo e dos Árabes. Idade Moderna Idade Áurea para o conhecimento geográfico com: Introdução da bússola e imprensa na Europa Sistema Heliocêntrico (Copérnico) Leis da mecânica celeste (Johannes Kepler) Galileu Galilei (Luneta) Willian Herschei (Telescópio) Isaac Newton (Gravitação Universal) No entanto, o caráter científico da Geografia só viria a consolidar-se no século XIX devido a inúmeros trabalhos, a exemplo dos de Alexander Von Humboldt a Karl Ritter, que deram à Geografia uma m etodologia através dos princípios geográficos. Bases da Geografia Alexander Von Humboldt : Geógrafo, naturalista e explorador alemão, foi o primeiro a sistematizar e a interrelacionar os conhecimentos de climas, solos e vegetações, traçando a partir destes dados o panorama das paisagens vegetais da Terra. Viajou por quase toda América Latina, inclusive pela Amazônia, Europa e sibéria. Destas viagens e tentavita abrangente de descrever o universo como um todo e mostrar que tudo era inter-relacionado. O precursor da geografia moderna é Humboldt, positivista empirista. Em 1870 a geografia chegou à 6 na Alemanha. Somente no século XIX a geografia se consolidou como ciência e a partir daí aprofundou os estudos acerca do meio-ambiente e automaticamente gerando preocupações em relação ao equilíbrio ecológico no planeta. Humboldt é considerado o pai da Geografia como Ciência. Karl Ritter : Geógrafo alemão, fundador da moderna ciência geográfica, advoga a utilização de todas as ci ências para o estudo da Geografia. Seus trabalhos mostram ao mundo o princípio da relação entre a natureza e as sociedades fenômenos físicos na atividade humana. Friedrich Ratzel : Etnólogo e geógrafo alemão, fundador da Geografia Política moderna ou Geopolítica, aborda o (Lebensraum) que se encarrega de analisar as relações dos grupos humanos com os espaços do seu ambiente. Funda a Escola Determinista que prega o Meio como fator determinante para as condições de desenvolvimento do homem e das sociedades. Quase meio século após a sua Socialista (Nazista) para justificar a expansão germânica e a anexação de território na Europa, pouco antes da eclosão da Segunda Grande Guerra Mundial. Paul Vidal de La Blache: Criador da Escola Possibilista, Francesa ou Escola Regional, que se apresenta como uma oposição à Escola Determinista. Baseia-se na idéia de que o homem poderia receber influência do meio, mas esta não seria determianante no seu processo de desenvolvimento, visto que o homem pode utilizar o meio de diversas formas, adaptando-se, criando imensas possibilidades que favorecem a vida da sociedade. Alfred Hettner: Geógrafo alemão, nascido em 1859 e falecido em 1941, que se interessou profundamente pela filosofia quando completava a sua tese de doutoramento na Universidade de Estrasburgo, tendo baseado as suas conceções epistemológicas da geografia nas idéias do seu compatriota, o filósofo Kant. Seguiu a escola regional e defendeu o carácter corográfico da geografia, considerando-a como uma ciência interessada, exclusivamente, no estudo de unidades espaciais, únicas e singulares - as regiões. Partindo do princípio que a região devia ser estudada sob o ponto de vista da geografia física e humana, contribuiu para esbater o carácter dualista da disciplina, evitando a sua divisão nesses dois ramos. De entre a sua obra destaca-se Die Geographie.

1


Importância da Geografia estudo da superfície terre . Esta concepção é a mais usual, embora seja a mais vaga, já que não exprime a real importância da Geografia. Esta definição do objeto apóia -se no próprio significado etimológico do termo Geografia descrição da Terra. Assim, caberia ao estudo geográfico descrever todos os fenômenos manifestados na superfície do planeta, sendo uma espécie de síntese de todas as ciências. Esta concepção origina-se das formulações de Kant. Para este autor, haveria duas classes de ciências: as especulativas, apoiadas na razão, e as empíricas, apoiadas na observação e nas sensações. Ao nível das segundas, haveria duas disciplinas de síntese: a Antropologia, síntese dos conhecimentos relativos ao homem, e a Geografia, síntese dos conhecimentos sobre a natureza. Desta forma, a tradição kantiana coloca a Geografia como uma ciência sintética (que trabalha com dados de todas as demais ciências), descritiva (que enumera os fenômenos abarcados) e que visa a abranger uma visão de conjunto do planeta. Outros autores vão def estudo da paisagem restrita aos aspectos visíveis do real. Nessa concepção, a paisagem, posta como objeto especifico da Geografia, é vista como uma associação de múltiplos fenômenos, o que mantém a concepção de ciência de síntese, que trabalha com dados de todas as demais ciências. Como definir a Geografia?

as pelo homem, localizando-as, descrevendo-as e comparando-as entre si". (Levi Marreno) (Jean Brunhes) es espaciais dos fenômenos da superfície da terra(sejam bióticos,abióticos ou culturais), assim como as relações do meio natural com o homem e a sua individualização

As correntes do pensamento geográfico A Geografia atualmente é uma ciência que não se preocupa somente em descrever paisagens, e sim, busca entender fenômenos, explicá-los, assim como o entendimento das relações Homem X Natureza e as relações sociais. Assim, temos as seguintes concepções ou correntes geográficas: Determinismo ambiental Surgiu na Alemanha, no final do século XIX por ocasião de sua unificação; Teve entre seus principais teóricos o alemão Friedrich Ratzel que, além deste paradigma, fundou a Geopolítica e a teoria do Espaço Vital; Tendo em vista sua filiação positivista, o homem foi colocado como mero espectador do meio natural e as desigualdades sociais e internacionais foram vistas como decorrentes da ordem natural das zonas climáticas onde habitavam. Possibilismo Surgiu na França, no final do século XIX, como reação ao Determinismo Ambiental alemão; Teve em Vidal de La Blache um de seus principais proponentes, o qual formulou o conceito de Gênero de Vida; A natureza exerce influências no desenvolvimento do homem, mas este pode superar as adversidades naturais. Método Regional Representou uma 3ª via do estudo geográfico, buscando superar as duas correntes anteriores; Este paradigma parte do pressuposto de que a superfície terrestre é, em essência, muito heterogênea, diversificada, daí, a necessidade de se estudar parte a parte, região por região. Nova Geografia Emergiu no pós II Guerra e faz parte do movimento de Renovação da Geografia; Surgiu em meio à recuperação econômica europeia, descolonização afroasiática, industrialização de alguns países do Terceiro Mundo e à concentração de capital; tudo isto exigia uma nova abordagem geográfica. Geografia Crítica ou Marxista Emergiu na década de 70 como outra corrente do Movimento de Renovação da Geografia; Faz severas críticas às correntes positivas, sobretudo à contemporânea Nova Geografia; Baseia-se, principalmente, no Materialismo Histórico e na Dialética Marxista.

2


Os Princípios Geográficos EXTENSÃO = Formulado por Friedrich Ratzel, fundamenta-se na localização e delimitação em um mapa da paisagem, espaço ou fato geográfico que o geógrafo deseja estudar. ANALOGIA = Formulado por Karl Ritter e Paul Vidal de La Blache, baseia-se em um trabalho de comparação que o geógrafo estabelece entre as características da área estudada com as de outras regiões do Planeta, estabelecendo semelhanças e diferenças existentes. CAUSALIDADE = Formulado por Alexandre Von Humboldt, baseia-se na explicação da origem e evolução das paisagens estudadas pelo geógrafo. CONEXIDADE = Formulado por Jean Brunhes. Nele, o geógrafo focaliza o fato estudado e a partir daí observará suas inter-relações e conexões com outros fatores e jamais um fato isolado. ATIVIDADE = Formulado por Jean Brunhes. Por este o geógrafo encara a paisagem por ele estudada como sendo de caráter dinâmico, admitindo que está em constante mutação, sendo, portanto, resultado da contínua evolução e sempre se transformará. O ESPAÇO GEOGRÁFICO

Estudar um país do ponto de vista geográfico é sempre um grande desafio. Até porque, já passou da hora destes estudos serem mais explicativos e menos descritivos. A Geografia deve partir do seu objeto de estudo que é o homem e o objetivo que são as transformações que este faz na natureza produzindo o espaço geográfico, que não é apenas palco ou cenário e sim como elemento componente de uma dimensão onde existem pessoas, culturas, economia, história, política etc. O espaço é um meio científico e tecnológico. Espaço Geográfico É o espaço produzido pelo homem, por meio das transformações impostas ao espaço natural pelo trabalho. As transformações serão mais significativas quanto maior for a disponibilidade de capitais e tecnologia para aplicar sobre o espaço natural. A organização do espaço geográfico dispõe de três elementos fundamentais: O Espaço da produção; O Espaço da circulação; O Espaço das idéias. Conceituação das Principais Categorias Espaciais Paisagem são as várias porções de superfície terrestre em suas características naturais e humanizadas. Diz-se que a paisagem é natural quando o homem ainda não a alterou e que é artificial ou humanizada, quando o homem, direta ou indiretamente, já a alterou. Território é qualquer porção da superfície terrestre, apropriada por grupos humanos que, estabelecendo suas fronteiras ou limites, exerceram alguma relação prática de poder no espaço. Por isso que se diz que o território é um conceito também político. Lugar é a porção delimitada da superfície da Terra, compreendida pelo indivíduo com base na sua experiência pessoal e nas relações do cotidiano, onde se vive, estuda, trabalha etc. As Áreas de Estudo da Geografia Geografia Física - o conjunto das disciplinas que estudam os componentes do meio natural, geomorfologia, climatologia, hidrologia, pedologia e biogeografia. Geografia Econômica - estuda os fenômenos da produção, da troca, da circulação e do consumo de bens materiais e de serviços em sua dimensão espacial. Geografia Humana - estuda os fenômenos relacionados à população evolução demográfica e espacial da população, localização e forma de assentamentos dos grupos humanos e suas atividades (o que acaba englobando a geografia econômica). Geografia Regional - ocupa-se do estudo monográfico de uma região ou de uma combinação de fenômenos no âmbito de uma região. Geografia Política ou Geopolítica - estuda a relação entre o espaço e o poder, ou entre o Estado e o território.

3



Apostila FACAPE - BioS