Issuu on Google+


página Introdução

2

Sistema PLUS

3

Sistema PRO

4

Sistema POOL

5

Sistema NAT

6

Tabela de Preços

7

Guia Técnico

17

Tipos de instalação solar

18

Sistema solar Evosolar

22

Instalação de componentes

40

Sobreaquecimento

65

Resolução de problemas

67

1


Nos últimos anos, as tecnologias que permitem a conversão da energia solar em energia sob a forma de calor têm atraído cada vez mais interesse. As tensões internacionais que têm levado ao aumento do preço dos combustíveis fósseis e a consciencialização dos problemas ambientais causados por esses mesmos combustíveis deram um novo crédito a esta energia limpa e económica. A energia solar, já conhecida desde os anos 70 do último século, nunca foi utilizada com verdadeiro sucesso devido ao pobre conhecimento tecnológico e associada muitas vezes a instalações incorrectas

Os sistemas de circulação forçada são mais modulares, quer na

e a elevados custos iniciais.

sua capacidade, quer na possibilidade de integração com um eventual sistema de aquecimento ambiente por piso radiante,

Neste momento existe a tecnologia e o conhecimento disponível

ou para o aquecimento da sua piscina.

para que a energia solar seja aproveitada com o máximo sucesso. Em todos os nossos sistemas são utilizados colectores solares de Sendo Portugal um dos países com maior exposição solar, é de

alumínio selectivo, de elevado rendimento e com uma baixíssima

grande utilidade realizar um aproveitamento da energia solar,

taxa de emissão, sendo praticamente utilizada a totalidade da

contribuindo para a redução substancial dos gastos mensais de

radiação captada.

energia fóssil para o aquecimento de água quente sanitária (AQS) e das emissões de CO 2 para a atmosfera. A OLI apresenta a sua mais recente gama de produtos para

Como complementos, destacamos a extensa gama de

energia solar. Dividida em três categorias principais: os sistemas

regulação electrónica, e claro, todo tipo o de estruturas de suporte

termossifão, os sistemas de circulação forçada e todos os

para montagem plana ou inclinada.

complementos desta área.

2

acumuladores, os kit’s de circulação solares, os dispositivos de

Os sistemas termossifão são a solução mais fácil e económica

® A Oliveira & Irmão,S.A. como representante da marca EVOSOLAR

para auxiliar e complementar a produção de água quente

fornece sistemas completos para produção de Águas Quentes

sanitária numa habitação. Simples de instalar, de fácil e reduzida

Sanitárias e Águas Quentes Sanitárias com Aquecimento dispondo

manutenção e com diversas capacidades previamente definidas.

de um gabinete técnico e de assistência técnica.


Soluções completas para a produção de água quente sanitária (AQS). Cobertura de até 70% das necessidades de AQS. Complete set of solar plant components for domestic hot water (DHW) production. Covers approx. 70% of the hot water requirement.

Plus 200 ð

Grupo de circulação completo

Complete pump station ð

Acumulador de 200 litros

Storage Tank 200 litres ð 1 colector 2,5 m2 1collector 2,5 m2 ð

Centralina de controlo (standard)

Digital control unit (standard) ð

Acessórios

Acessories

Plus 300 ð

Grupo de circulação completo

Complete pump station ð

Plus 500 ð

Grupo de circulação completo

Complete pump station

Acumulador de 300 litros

ð

Acumulador de 500 litros

Storage Tank 300 litres

Storage Tank 500 litres

ð 2 colectores de 2 m2 2 collector 2 m2

ð 4 colectores de 2 m2 4 collector 2 m2

ð

Centralina de controlo (standard)

Digital control unit (standard) ð

Acessórios

Acessories

ð

Centralina de controlo (standard)

Digital control unit (standard) ð

Acessórios

Acessories

Centralina de controlo standard, 2 saídas, 6 instalações solares diferentes, 3 sensores de temperatura. Standard digital control unit, 2 output, 6 different solar plants, 3 temperature sensor.

Esquema funcional. Functional diagram.

3


Solução completa para a produção de AQS e aquecimento. Cobertura em habitações perfeitamente isoladas: aquecimento até 30% e AQS até 80%. Complete set of solar plant components for DHW production and heating integrations. Solar coverage in well-insullated houses: Heating up to 30%, hot water up to 80%.

Pro 600 ð

Grupo de circulação completo

Complete pump station ð

Acumulador combinado

Storage “tank in tank” ð 4 colectores 2 m2 4 collector 2 m2 ð

Centralina de controlo (profissional)

Digital control unit (professional) ð

Acessórios

Acessories

Pro 800 ð

Pro 1000

Grupo de circulação completo

Complete pump station ð

Acumulador combinado

ð

8 collector 2 m2

Centralina de controlo (profissional)

Digital control unit (professional) Acessórios

Acessories

Acumulador combinado

Storage “tank in tank” ð 8 colectores 2 m2

6 collector 2 m2

ð

Grupo de circulação completo

Complete pump station

Storage “tank in tank” ð 6 colectores 2 m2 ð

ð

ð

Centralina de controlo (profissional)

Digital control unit (professional) ð

Acessórios

Acessories

Centralina digital de controlo profissional, 4 saídas, 19 instalações solares diferentes, 4 sensores de temperatura. Professional digital control unit, 4 output, 19 different solar plants, 4 temperature sensor.

Esquema funcional. Functional diagram.

4


Solução completa para aquecimento de piscinas. Complete set of solar plant components for swimming pool heating.

Pool ð

Grupo de circulação completo

Complete pump station ð

Permutador de placas definido por projecto

Heat Exchanger defined by project ð

Número de Colectores definido por projecto

Number of collectors defined by project ð

Centralina de controlo (standard)

Digital control unit (standard) ð

Acessórios

Acessories

Esquema funcional. Functional diagram.

Grupo de circulação completo. Complete pump station.

5


Uma solução simples que assegura a produção de AQS para uso doméstico e industrial. Todo o sistema foi realizado com o objectivo de produzir água quente mesmo em zonas com baixa radiação solar. A simple solution that ensures the production of industrial and domestic hot water. The whole system has been made with the aim of producing hot water for as long as possible, also in areas or at altitudes with little solar radiation.

Kit de instalação standard de série

ð

Standard roof installation kit; Acumulador esmaltado a 860º, em conformidade com

ð

a DIN 4753/T3 (ENAMEL), com duplo ânodo de magnésio Enamelled 860º storage tank in conformity with DIN 4753/T3 (ENAMEL), with double magnesium anode; Isolamento em poliuretano de elevada espessura

ð

Insulation in very thick polyurethane foam; Capa externa livre de soldadura

ð

Weldless external casing; Isolamento interno mediante injecção de espuma de

ð

alta densidade, atóxica e ecológica; Internal insulation with non-toxic, ecological, high-density injected foam; ð Sistema completo de painel solar, depósito de acumulação, tubo em aço inox isolado, acessórios, válvula de segurança, líquido anti-congelante. Complete system with collector, storage tank, fixing kit, pre-insulated stainless steel pipe, fittings, relief valve, primary heat transfer fluid fill. ð Disponível com sistema de fixação para cobertura plana ou inclinada Available with flat roof fixing system or tile roof fixing system.

N 150 ð

Acumulador de 150 lt

Tank 150 litres 1 colector de 2 m2 1 collector 2 m2

ð

6

N 200 ð

Acumulador de 200 lt

Tank 200 litres 1 colector de 2,5 m2 1 collector 2,5 m2

ð

N 300 ð

Acumulador de 300 lt

Tank 300 litres 2 colector de 2 m2 2 collector 2 m2

ð


7

www.oli.pt


KIT EVOSOLAR PLUS (DUPLA SERPENTINA) DESCRIÇÃO DO PRODUTO

PREÇO

EVOSOLAR PLUS 200 inclui: acumulador de 2 serpentinas 200L, 1 colector de 2,5 m2, estrutura de suporte, válvula de segurança, centralina e kit de bombagem, vaso de expansão 18L e respectivo suporte de fixação, misturadora termostática, glycol e acessórios de montagem.

2550,00 €

códigos: montagem plana - KA530000001 montagem inclinada - KA530000011

EVOSOLAR PLUS 300 inclui: acumulador de 2 serpentinas 300L, 2 colector de 2,0 m2, estrutura de suporte, válvula de segurança, centralina e kit de bombagem, vaso de expansão 25L e respectivo suporte de fixação, misturadora termostática, glycol e acessórios de montagem.

3200,00 €

códigos: montagem plana - KA530000002 montagem inclinada - KA530000012

EVOSOLAR PLUS 500 inclui: acumulador de 2 serpentinas 500L, 4 colector de 2,0 m2, estrutura de suporte, válvula de segurança, centralina e kit de bombagem, vaso de expansão 40L e respectivo suporte de fixação, misturadora termostática, glycol e acessórios de montagem.

4780,00 €

códigos: montagem plana - KA530000003 montagem inclinada - KA530000013

KIT EVOSOLAR PLUS (SERPENTINA SIMPLES) DESCRIÇÃO DO PRODUTO

PREÇO

EVOSOLAR PLUS 200 S inclui: acumulador de 1 serpentina 200L, 1 colector de 2,5 m2, estrutura de suporte, válvula de segurança, centralina e kit de bombagem, vaso de expansão 18L e respectivo suporte de fixação, misturadora termostática, glycol e acessórios de montagem.

2520,00 €

códigos: montagem plana - KA530000101 montagem inclinada - KA530000111

EVOSOLAR PLUS 300 S inclui: acumulador de 1 serpentina 300L, 2 colector de 2,0 m2, estrutura de suporte, válvula de segurança, centralina e kit de bombagem, vaso de expansão 25L e respectivo suporte de fixação, misturadora termostática, glycol e acessórios de montagem.

3130,00 €

códigos: montagem plana - KA530000102 montagem inclinada - KA530000112

EVOSOLAR PLUS 500 S inclui: acumulador de 1 serpentina 500L, 4 colector de 2,0 m2, estrutura de suporte, válvula de segurança, centralina e kit de bombagem, vaso de expansão 40L e respectivo suporte de fixação, misturadora termostática, glycol e acessórios de montagem.

códigos: montagem plana - KA530000103 montagem inclinada - KA530000113

8

4700,00 €


KIT EVOSOLAR PRO DESCRIÇÃO DO PRODUTO

PREÇO

EVOSOLAR PRO 600 inclui: acumulador combinado de 600L, 4 colector de 2,0 m2, estrutura de suporte, válvula de segurança, centralina e kit de bombagem, vaso de expansão 40L e respectivo suporte de fixação, misturadora termostática, glycol e acessórios de montagem.

5950,00 €

códigos: montagem plana - KA530000051 montagem inclinada - KA530000151

EVOSOLAR PRO 800 inclui: acumulador combinado de 800L, 6 colector de 2,0 m2, estrutura de suporte, válvula de segurança, centralina e kit de bombagem, vaso de expansão 60L e respectivo suporte de fixação, misturadora termostática, glycol e acessórios de montagem.

7700,00 €

códigos: montagem plana - KA530000052 montagem inclinada - KA530000152

EVOSOLAR PRO 1000 inclui: acumulador combinado de 1000L, 8 colector de 2,0 m2, estrutura de suporte, válvula de segurança, centralina e kit de bombagem, vaso de expansão 80L e respectivo suporte de fixação, misturadora termostática, glycol e acessórios de montagem

9300,00 €

códigos: montagem plana - KA530000053 montagem inclinada - KA530000153

KIT EVOSOLAR NATURAL DESCRIÇÃO DO PRODUTO

PREÇO

EVOSOLAR NATURAL A168 inclui: acumulador de 150L, 1 colector solar em alumínio selectivo de 2,0 m2, estrutura de suporte, válvulas de segurança, tubagens de ligação e restantes acessórios.

1365,00 €

códigos: montagem plana - KA520100007 montagem inclinada - KA520100017

EVOSOLAR NATURAL A228 inclui: acumulador de 200L, 1 colector solar em alumínio selectivo de 2,5 m2, estrutura de suporte, válvulas de segurança, tubagens de ligação e restantes acessórios.

1785,00 € códigos: montagem plana - KA520100008 montagem inclinada - KA520100018

EVOSOLAR NATURAL A308 inclui: acumulador de 300L, 2 colector solar em alumínio selectivo de 2,0 m2, estrutura de suporte, válvulas de segurança, tubagens de ligação e restantes acessórios.

2415,00 €

códigos: montagem plana - KA520100009 montagem inclinada - KA520100019

9


COLECTORES SOLARES DESCRIÇÃO DO PRODUTO

PREÇO

COLECTOR EVOSOLAR 2003 colector solar vertical em cobre não selectivo de 2,0 m2

390,00 €

código - KA510100001

COLECTOR EVOSOLAR 2004 colector solar vertical em alumínio selectivo de 2,0 m2

560,00 €

código - KA510100003

COLECTOR EVOSOLAR 2503 colector solar vertical em cobre não selectivo de 2,5 m2

510,00 €

código - KA510100004

COLECTOR EVOSOLAR 2504 colector solar vertical em alumínio selectivo de 2,5 m2

710,00 €

código - KA510100006

COLECTOR EVOSOLAR 2004H colector solar horizontal em alumínio selectivo de 2 m2

580,00 €

código - KA510100007

ACUMULADORES PARA SISTEMAS TERMOSSIFÃO (EM AÇO VITRIFICADO) DESCRIÇÃO DO PRODUTO ACUMULADOR S150 código - KA550000102

ACUMULADOR S200 código - KA550000103

ACUMULADOR S300 código - KA550000104

PREÇO 550,00 €

700,00 €

980,00 €

ACESSÓRIOS PARA SISTEMAS TERMOSSIFÃO DESCRIÇÃO DO PRODUTO RESISTÊNCIA ELÉCTRICA 1"1/4 2,5kW código - KA550000119

TERMÓSTATO

PREÇO 40,00 €

18,00 €

código - KA550000120

MA400 - ÂNODO DE MAGNÉSIO código - KA550000121

10

44,00 €


ESTRUTURAS PARA SISTEMAS TERMOSSIFÃO DESCRIÇÃO DO PRODUTO

PREÇO

ESTRUTURA DE SUPORTE SBF150 montagem plana

130,00 €

código - KA550000106

ESTRUTURA DE SUPORTE SBF200 montagem plana

145,00 €

código - KA550000107

ESTRUTURA DE SUPORTE SBF300 montagem plana

175,00 €

código - KA550000108

ESTRUTURA DE SUPORTE SBT150-200 montagem inclinada

175,00 €

código - KA550000109

ESTRUTURA DE SUPORTE SBT300 montagem inclinada

190,00 €

código - KA550000110

ESTRUTURAS DE SUPORTE PARA CIRCULAÇÃO FORÇADA DESCRIÇÃO DO PRODUTO

PREÇO

ESTRUTURA DE SUPORTE EVOPZ1 - SBF1 montagem plana, 1 colector vertical

145,00 €

código - KA550000112

ESTRUTURA DE SUPORTE EVOPZ1 - SBF2 montagem plana, 2 colectores verticais

165,00 €

código - KA550000113

ESTRUTURA DE SUPORTE EVOPZ1 - SBT1 montagem inclinada, 1 colector

105,00 €

código - KA550000114

ESTRUTURA DE SUPORTE EVOPZ1 - SBT2 montagem inclinada, 2 colectores

125,00 €

código - KA550000115

ESTRUTURA DE SUPORTE SBFH montagem plana, 1 colector horizontal

120,00 €

código - KA550000116

ESTRUTURA DE SUPORTE SBTH montagem inclinada, 1 colector horizontal

107,00 €

código - KA550000117 11


ACUMULADORES PARA CIRCULAÇÃO FORÇADA (EM AÇO VITRIFICADO) DESCRIÇÃO DO PRODUTO

PREÇO

ACUMULADOR SOLAR BSS 120 120L, 1 serpentina

678,00 €

código - KA550822808

ACUMULADOR SOLAR BSS 160 160L, 1 serpentina

698,00 €

código - KA550822807

ACUMULADOR SOLAR BSS 200 200L, 1 serpentina

821,00 €

código - KA550822803

ACUMULADOR SOLAR BSS 300 300L, 1 serpentina

912,00 €

código - KA550822804

ACUMULADOR SOLAR BSS 400 400L, 1 serpentina

1132,00 €

código - KA550822805

ACUMULADOR SOLAR BSS 500 500L, 1 serpentina

1249,00 €

código - KA550822806

ACUMULADOR SOLAR BSS 600 600L, 1 serpentina

1479,00 €

código - KA550822809

ACUMULADOR SOLAR BSS 800 800L, 1 serpentina

2250,00 €

código - KA5508228011

ACUMULADOR SOLAR BSS 1000 1000L, 1 serpentina

2500,00 €

código - KA550822812

ACUMULADOR SOLAR BSD 200 200L, 2 serpentinas

851,00 €

código - KA550822810

ACUMULADOR SOLAR BSD 300 300L, 1 serpentina

código - KA550822800

12

984,00 €


ACUMULADORES PARA CIRCULAÇÃO FORÇADA (EM AÇO VITRIFICADO) DESCRIÇÃO DO PRODUTO

PREÇO

ACUMULADOR SOLAR BSD 400 400L, 2 serpentinas

1213,00 €

código - KA550822801

ACUMULADOR SOLAR BSD 500 500L, 2 serpentinas

1325,00 €

código - KA550822802

ACUMULADOR SOLAR BSD 600 600L, 2 serpentinas

1700,00 €

código - KA550822813

ACUMULADOR SOLAR BSD 800 800L, 2 serpentinas

2350,00 €

código - KA550822814

ACUMULADOR SOLAR BSD 1000 1000L, 2 serpentinas

2600,00 €

código - KA550822815

GRUPO ELÉCTRICO 2,0 KW

64,00 €

código - KB200822903

GRUPO ELÉCTRICO 3,0 KW

68,00 €

código - KB200822904

GRUPO ELÉCTRICO 10,0 KW

235,00 €

código - KB200822907

ACUMULADOR COMBINADO EVOTT 600L Ligações de 1"

2376,00 €

código - KA550822833

ACUMULADOR COMBINADO EVOTT 800L Ligações de 1"

2889,00 €

código - KA550822834

ACUMULADOR COMBINADO EVOTT 1000L Ligações de 1"

3088,00 €

código - KA550822835

13


ACESSÓRIOS CIRCULAÇÃO FORÇADA DESCRIÇÃO DO PRODUTO

PREÇO

KIT CIRCULAÇÃO SOLAR K7300P completo

380,00 €

código - KA550000001

KIT CIRCULAÇÃO SOLAR K7301P monovia

325,00 €

código - KA550000002

CENTRALINA PROFISSIONAL TS25 inclui: 4 sondas PT 1000, 19 configurações

270,00 €

código - KA550000003

CENTRALINA STANDARD TS20 inclui: 3 sondas NTC, 5 configurações

195,00 €

código - KA550000004

CENTRALINA ANALÓGICA TS01 inclui: 3 sondas NTC

100,00 €

código - KA550000020

MISTURADORA TERMOSTÁTICA MT73 campo de utilização: 30 a 50ºC

95,00 €

código - KA550000007

VÁLVULA DE SEGURANÇA VSE73 pressão máxima: 6 bar

13,50 €

código - KA550000008

PURGADOR AUTOMÁTICO VSA73 temperatura máxima de utilização: 160ºC, pressão máxima de trabalho: 12 bar

14,00 €

código - KA550000009

KIT DE FIXAÇÃO KVE7300 ligação 3/4"

40,00 €

código - KA550000010

GLYCOL 10L 60,00 € código - KA550000013

TUBO INOX FLEXÍVEL CORRUGADO 13 m

código - KA550000014

14

750,00 €


ACESSÓRIOS CIRCULAÇÃO FORÇADA DESCRIÇÃO DO PRODUTO

PREÇO

TUBO INOX FLEXÍVEL CORRUGADO 23 m

1200,00 €

código - KA550000015

UNIÃO PAINEIS 2000 Ligação Ø 22

7,00 €

código - KA550000016

TAMPÃO PAINEL SOLAR 2005 Ligação Ø 22

4,00 €

código - KA550000017

EASY 1 DN20 x 22 mm

14,00 €

código - KA550000021

EASY 2 DN20 x DN20

20,00 €

código - KA550000022

EASY 3 DN20 x 3/4”M

14,00 €

código - KA550000023

PORTA SONDA E PURGADOR 2060 Ligação 22mm x 3/4" F e 3/8" para purgador

22,00 €

código - KA550000018

PERMUTADOR DE PLACAS 15 KW 595,00 € código - KA5500000307

PERMUTADOR DE PLACAS 20 KW

655,00 €

código - KA5500000305

MOTOR ELÉCTRICO 3 VIAS M50Z

135,00 €

código - KA5500000303

VÁL. DE 3 VIAS MOTORIZADA 1" 50SBZ 48,00 € código - KA5500000304

GRUPO ENCHIMENTO SOLAR 950,00 € código - KA5500000308

15


ACESSÓRIOS CIRCULAÇÃO FORÇADA DESCRIÇÃO DO PRODUTO

PREÇO

VASO DE EXPANSÃO 5L ligação 3/4"

26,00 €

código - KA5500000201

VASO DE EXPANSÃO 8L ligação 3/4"

27,50 €

código - KA5500000202

VASO DE EXPANSÃO 12L ligação 3/4"

31,00 €

código - KA5500000203

VASO DE EXPANSÃO 18L ligação 3/4"

34,50 €

código - KA5500000204

VASO DE EXPANSÃO 25L ligação 3/4"

39,00 €

código - KA5500000205

VASO DE EXPANSÃO 40L ligação 3/4"

62,50 €

código - KA5500000206

VASO DE EXPANSÃO 60L ligação 3/4"

87,00 €

código - KA5500000207

VASO DE EXPANSÃO 80L ligação 3/4"

120,00 €

código - KA5500000208

VASO DE EXPANSÃO 100L ligação 3/4"

164,50 €

código - KA5500000209

VASO DE EXPANSÃO 200L ligação 3/4"

277,00 €

código - KA5500000210

VASO DE EXPANSÃO 300L ligação 3/4"

código - KA5500000211 16

408,00 €


17

www.oli.pt


TIPOS DE INSTALAÇÃO SOLAR Tal como foi mencionado na introdução, as diferenças na disponibilidade da energia solar, dependendo do clima heterogéneo por toda a Europa, conduziu ao desenvolvimento de diferentes tipos de instalação, que podem ser divididos em dois tipos principais de famílias:

SISTEMAS DE CIRCULAÇÃO NATURAL O fluído transmissor de calor pode circular nesta instalação sem que haja a necessidade de um circulador, graças ao efeito da circulação natural. A diferença de temperatura entre o painel e o acumulador conduz à estratificação do líquido e as partes mais quentes irão situar-se na secção superior do sistema. Devido ao princípio de circulação natural, o acumulador deverá localizar-se sempre a uma altura superior à do painel. Esta limitação estrutural vai fazer com que a utilização deste sistema seja significativamente reduzida. De facto, ele só pode ser utilizado em pequenas habitações domésticas e principalmente para a produção de águas quentes sanitárias.

A FIGURA 1 ilustra um exemplo típico de um sistema de circulação natural (sistema termossifão) Assim, o fluído frio no fundo do painel é gradualmente aquecido graças à radiação solar e retorna ao acumulador como resultado do gradiente térmico, que gera a pressão necessária. A água fria no acumulador é igualmente canalizada através do painel solar.

FIGURA 1

SISTEMAS DE CIRCULAÇÃO FORÇADA Neste caso, a circulação do fluido é gerida através de circuladores controlados electronicamente. Se a temperatura do fluído no painel solar for •T superior à temperatura do fluído no tanque (por exemplo •T=3ºC), então a unidade de controlo liga o circulador da instalação e activa o permutador de calor do acumulador. O circulador é desligado quando

•T desce

abaixo do definido (que neste caso •T<3ºC). A figura que se segue mostra os componentes de um sistema de circulação forçada.

1- Circulador 2- Vaso de expansão 3- Termómetro 4- Manómetro

3

5- Válvula de segurança

4

5

11

7- Válvula reguladora de caudal

9 10

6 1

2 12

7 8

6- Acumulador

8- Purgador 9- Válvulas de corte 10- Válvula anti-retorno 11- Unidade de controlo electrónica 12- Válvula de enchimento/drenagem

FIGURA 2

18


Devido à bomba e à unidade de controlo electrónica, esta instalação é bastante mais flexível do que o sistema de circulação natural. O número de m2 de painéis a instalar, depende principalmente da altura manométrica do circulador e do volume do acumulador. A mesma instalação pode ser realizada usando a gama de produtos EVOSOLAR. O esquema de instalação, e especialmente as partes hidráulicas (carga/descarga e válvulas de segurança, etc.) serão muito mais simples: A figura 3 representa o diagrama demonstrado na figura 3 com os componentes EVOSOLAR; o sistema de apoio pode ser realizado através de uma caldeira.

FIGURA 3

O calor armazenado através desta instalação pode ser usado numa das seguintes três aplicações: • Instalações para a produção de águas quentes sanitárias • Instalações para a produção de águas quentes sanitárias e para aquecimento integrado de baixa temperatura • Instalações de aquecimento de piscinas

19


INSTALAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE AQS O fluído térmico da instalação solar circula desde os painéis A até ao permutador B, onde o calor é transferido ao fluído contido no acumulador C. A caldeira D é activada quando as necessidades térmicas são superiores à energia solar fornecida. A unidade de controlo electrónica E controla o circuito solar e liga/desliga a caldeira. A válvula misturadora F controla a temperatura para utilização sanitária.

D E F

A

C

B

FIGURA 4

INSTALAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE AQS E AQUECIMENTO O princípio de funcionamento é similar ao que foi apresentado na figura 5; neste caso, o circuito solar aquece o circuito de aquecimento, que por sua vez aquece o sistema sanitário.

FIGURA 5

20


INSTALAÇÕES PARA AQUECIMENTO DE PISCINAS Para este género de instalação, não é necessário nenhum acumulador térmico. Assim, a troca de calor ocorre através de um permutador de placas de modo instantâneo.

FIGURA 6

21


O SISTEMA SOLAR EVOSOLAR Este capítulo providencia uma descrição pormenorizada dos componentes descritos anteriormente, que formam as partes essenciais do sistema EVOSOLAR.

PAINEL SOLAR

FIGURA 7 - painel solar

FIGURA 8 - revestimento painel solar

O painel EVOSOLAR com fluído é protegido por um vidro especial com características ópticas adequadas. A radiação solar é absorvida por um absorsor de folha de alumínio revestido com um material altamente absorvente (alumínio selectivo)figura 8 - usando a técnica PVD (Physical Vapour Technique), que é a tecnologia de ponta no campo de revestimento. A técnica mais comum nesta área é a deposição por dispersão e a vaporização de feixes de electrões. O revestimento deve ser efectuado dentro de requerimentos específicos, ou seja, a luz solar deve ser absorvida o mais eficientemente possível, enquanto que as perdas de calor devem ser minimizadas ou prevenidas. Este objectivo pode ser atingido através de um sistema de revestimento selectivo. A qualidade do absorvedor é testada de acordo com as normas europeias. A placa absorsora de alumínio selectivo é soldada a laser aos tubos de cobre, onde circula o fluído solar. Esta estrutura encontra-se no meio do painel, absorvendo a radiação solar e convertendo-a em calor. Para que esse calor gerado não se disperse antes de ser transferido para o acumulador, a rede de tubos de cobre ligada ao absorsor de alumínio selectivo é normalmente montado numa caixa de alumínio. Material isolante é colocado entre a rede de tubos de cobre e o fundo da caixa, e na parte lateral da mesma.

22


A figura que se segue (figura 9) mostra uma vista de secção de um painel EVOSOLAR; todos os componentes e as características técnicas são claramente visíveis.

1 - Caixa Aumínio, RAL 9006 (cinzento) 2 - Isolante lateral Lã de vidro - espessura 20 mm Condutividade térmica: 0.044 W/mK (100ºC) Densidade: 40 Kg/m3 3 - Tubos de cobre Colector: ø22 x 0,8 mm Distribuidores: ø8 x 0,5 mm 4 - Isolante posterior Lã de rochal - espessura 40 mm Condutividade térmica 0.044 W/mK (100ºC) Densidade: 40 Kg/m3

1

5 - Chapa posterior AIZn (aluminio zincado)

2

4

3

5

6 - Absorsor Alumínio selectivo

7

6

7 - Vidro Vidro temperado, espessura de 4 mm De acordo com a norma prEN12150, BS6206 classe A

FIGURA 9 - componentes do painel

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DO PAINEL EVOSOLAR

A

C

DIMENSÕES TIPO DE PAINEL 2.5 2

B

m2

m2

A [mm]

B [mm]

C [mm]

Peso [Kg]

1030

2030

88

46,4

1230

2030

88

50,5

OUTRAS CARACTERÍSTICAS TIPO DE PAINEL

Área de absorção [m2]

Área de abertura [m2]

Capacidade de absorção [l]

2.5 m2

1,92

2,01

2,13

m2

2,31

2,41

2,27

2

FIGURA 10 - dimensões do painel

23


DIAGRAMA DE PERDA DE CARGA

TIPO DE PAINEL 2.5 2

2

m2

m2

Kv

Pn

4,6

10

4,8

10

2

CURVA DE EFICIÊNCIA PARA UM PAINEL DE 2 m E COM UMA INCIDÊNCIA DE RADIAÇÃO SOLAR DE 800 W/m

Temperatura de estagnação: 210º C Pressão máxima de funcionamento: 10 bar Eficiência: 78.6 %

24

Tm: temperatura do fluído térmico [ºC] Ta : temperatura ambiente [ºC] G : radiação solar [W/m2]


ACUMULADOR O acumulador é um componente crucial de uma instalação solar. Ele armazena o calor proveniente do sol e torna-o disponível, sempre que necessário. As dimensões criticas para um bom projecto são o volume do tanque e a capacidade de manter armazenado o calor, que irá depender do tipo de isolamento e da sua espessura. Outro parâmetro chave, de forma a prevenir a corrosão nas aplicações em circuito aberto (águas sanitárias) é o material de que é feito o acumulador. Os dois principais tipos de acumuladores são: acumuladores em aço inoxidável e acumuladores em aço vitrificado. Os acumuladores em aço inoxidável são resistentes à corrosão, daí que possuam um custo maior. O cordão de soldadura, se não for correctamente efectuado, pode reduzir significativamente o tempo de vida do acumulador e comprometer a decisão de preferência da alta qualidade do aço inoxidável. Os acumuladores de aço vitrificado são totalmente isolados com materiais anticorrosivos que tornam o acumulador adequado para algumas aplicações. O acumulador, com o isolamento interno de protecção, sofre o processo de recozimento a uma temperatura que ronda os 850ºC. Ânodos de magnésio, são usados de forma a aumentar a fiabilidade dos acumuladores vitrificados. Um acumulador de dupla serpentina é normalmente usado para aplicações de águas sanitárias, enquanto que um acumulador combinado, igualmente conhecido como um “tank in tank”, é usado nas instalações de aquecimento.

ACUMULADORES DE DUPLA SERPENTINA Os acumuladores de dupla serpentina são compostos por um acumulador que contém duas serpentinas, a distâncias diferentes da base. Assim, a serpentina inferior é sempre ligada à instalação solar, enquanto que a serpentina superior é, na maioria dos casos, ligada com uma fonte auxiliar de aquecimento (como por exemplo, uma caldeira) e permite que a água atinja a temperatura necessária mesmo quando o calor proveniente da instalação solar é insuficiente ou mesmo quando nenhum calor é fornecido.

Fornecimento de água quente

FIGURA 11 - acumulador de dupla serpentina

Aquecimento auxiliar

A serpentina inferior (solar) fornece a primeira fase de aquecimento através da serpentina e do fluído térmico. O circuito adicional é activado quando o circuito solar não consegue satisfazer as necessidades térmicas.

Circuito solar Fornecimento de água fria

25


ACUMULADORES EVOSOLAR

O acumulador EVOSOLAR para águas quentes domésticas contém duas serpentinas.

1 2

3 4

FIGURA 12

FIGURA 13

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1 – Acumulador

3 – Revestimento externo

Vidro revestido de aço – método de fluxo de revestimento (850º C),

Revestimento em PVC azul.

de acordo com a norma DIN 4753 parte 3. 4 – Serpentinas 2 – Revestimento

Serpentina dupla em aço, optimizadas para máximas permutas de

Livres de CF e HCFC, Camada isolante em espuma de poliuretano

calor.

(PU) de alta espessura.

DIMENSÕES 11

2

1

3

13 10 3

12

4 9

Q

Medidas [mm]

200 L

300 L

500 L

A

610

650

750

B

1000

1390

1425

C

885

1045

1060

D

810

955

960

E

320

320

365

F

220

220

265

G

290

290

345

H

375

375

440

I

750

890

880

L

835

1005

1015

N

635

1165

1170

O

975

1320

1330

P

-

1390

1415

Q

1329

1560

1818

R

150

150

150

P B

O C

M D 8

L

7

I

6

H

E

G F 5

A

R

FIGURA 14 - dimensões do acumulador EVOSOLAR

26


CARACTERÍSTICAS HIDRÁULICAS

Acumulador

Perda de carga [mbar]

Caudal primário [m3/h]

EVOB 200: superior

119

2,0

EVOB 200: inferior

182

2,0

EVOB 300: superior

100

3,0

EVOB 300: inferior

138

3,0

EVOB 500: superior

100

3,0

EVOB 500: inferior

223

3,0

Pressão máxima de funcionamento [bar]

Acessórios hidráulicos

Acessórios do permutador

Acessórios de recirculação

10

Rp 3/4”

Rp 3/4”

Rp 3/4 ”

10

Rp 1”

Rp 1”

Rp 1”

10

Rp 1”

Rp 1”

Rp 1”

CARACTERÍSTICAS TÉRMICAS Superfície de permuta de calor

Acumulador

EVOB 200: superior

Perda de calor 65ºC [kWh/24h]

0,5

Potência (•T = 35 K) [kW]

Produção D.H.W. (•T = 35 K) [l/h]

22

541

25,5

627

31,5

774

44

1081

31,5

774

63

1543

2,00 EVOB 200: superior

0,7

EVOB 300: superior

0,90 2,40

EVOB 300: superior

1,40

EVOB 500: superior

0,90 3,30

EVOB 500: superior

2,10

Espessura de isolamento [mm]

Temperatura máxima de funcionamento[ºC]

50

95

50

95

50

95

Perda de carga mbar EVOB 200

Perda de carga mbar EVOB 300

Caudal m3/h

Caudal m3/h

Perda de carga mbar EVOB 500

FIGURA 15 - diagramas das perdas do circuito solar

Caudal m3/h

27


ACUMULADOR COMBINADO (TANK IN TANK) Os acumuladores combinados são muito úteis sempre que a instalação tem de gerir simultaneamente a produção de água quente sanitária e água quente de aquecimento. A água quente de aquecimento, resultante do sistema solar, é normalmente utilizada em sistemas de baixa temperatura (como por exemplo, o sistema de aquecimento por chão radiante). Dificilmente se alcançam resultados satisfatórios com o sistema tradicional de aquecimento por radiadores.

Fornecimento de água fria

Fornecimento de água quente sanitária

Aquecimento auxiliar Circuito de aquecimento FIGURA 16 - esquema acumulador “tank in tank”

Circuito solar

FIGURA 16

ACUMULADOR “TANK IN TANK” EVOSOLAR

FIGURA 17 - acumulador “tank in tank” EVOSOLAR

28

A serpentina inferior (solar) fornece a primeira fase de aquecimento através da serpentina e do fluído térmico. O circuito adicional é activado quando o circuito solar não consegue satisfazer as necessidades térmicas.


CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

1 – Acumulador aquecimento Aço carbonado

1

2

2 – Acumulador sanitário Aço vitrificado (duas camadas), de acordo com a norma DIN 4753 parte 3

3

4

3 – Isolamento Espuma de poliuretano (PU), com baixos conteúdos de isolamento de CFC e HCFC 4 – Revestimento exterior Revestimento branco de PST

5

5 – Serpentinas Serpentina de aço, optimizada para permutas térmicas máximas FIGURA 18 - acumulador “tank in tank

A T

Medidas [mm]

600 L

800 L

1000 L

A

750

750

790

B

240

240

240

C

330

330

330

D

595

800

595

E

880

1040

880

F

1055

1240

1290

G

1235

1380

1440

H

1450

1690

1745

I

1710

1980

1985

L

340

340

360

N

590

590

640

O

890

890

910

P

950

1050

1050

Q

1160

1160

1190

R

1450

1690

1695

S

220

220

240

T

290

290

290

U

220

220

220

S

17

4 15 14 16

1

2

13

4 4 11 12 11

L

9 K

R I

11

7

Q

H

P O 10

F

N

E M B

C

1 - Purgador 1/2"

11 - Livre1 1/2"

2 - Termómetro 1/2"

12 - Resistência eléctrica 1 1/2"

4 - Sonda 1/2"

13 - Ida aquecimento 1 1/2"

6 - Ida circuito solar 1"

14 -Água fria 1”

7 - Sonda solar 1/2”

15 - Recirculação 1”

8 - Retorno circuito solar 1"

16 - Ânodo

9 - Dreno 3/4”

17 - Água quente sanitária 1”

10 - Retorno aquecimento 1 1/2" FIGURA 19 - acumulador “tank in tank

29


CARACTERÍSTICAS HIDRÁULICAS

Perdas de carga primárias [mbar]

Caudal primário [m3/h]

EVOTT 600

33

2.7

EVOTT 800

37

2.9

EVOTT 1000

86

3.2

Acumulador

Pressão máxima de funcionamento [bar]

Ligações de aquecimento

Ligações do permutador

Ligações de recirculação

6

Rp 1 ½”

Rp 1”

Rp 1”

Condutividade térmica [W/Km]

Espessura do isolamento [mm]

Temperatura máxima de funcionamento [ºC]

0,0189

100

95

CARACTERÍSTICAS TÉRMICAS Superfície da serpentina [m2]

Potência (•T = 35 K) [kW]

Produção de água (•T = 35 K) [m3/h]

EVOTT 600

2,5

63

1,5

EVOTT 800

2,7

68

1,7

EVOTT 1000

3,0

75

1,8

Tanque de Armazenamento

Perda de carga mbar EVOTT 600

Perda de carga mbar EVOTT 800

Caudal m3/h

Caudal m3/h

Perda de carga mbar EVOTT 1000

FIGURA 20 - diagramas das perdas do circuito solar

Caudal m3/h

30


KIT DE CIRCULAÇÃO SOLAR O kit de circulação inclui todos os componentes hidráulicos que são necessários para uma instalação solar. De seguida encontra-se a lista de principais funções do kit de circulação solar: - Válvulas de enchimento/drenagem - Medição do caudal do fluído solar - Regulação do caudal do fluido solar - Medição da temperatura - Descarga do fluído solar, em caso de ocorrer sobrepressão - Ligação ao vaso de expansão - Purgador da instalação solar - Circulação do fluído entre os painéis para o acumulador Inclui igualmente válvulas de corte, reguladoras de caudal e válvulas de segurança, termómetros, manómetros e circulador. A sua função principal é incluir num só produto todos os componentes cuja instalação em separado seria morosa e dispendiosa.

UNIDADE DE DISTRIBUIÇÃO EVOSOLAR

FIGURA 21 - unidade de distribuição EVOSOLAR

FIGURA 22 - unidade de distribuição EVOSOLAR- interior

O kit de circulação para instalações solares EVOSOLAR inclui uma bomba, válvulas de fecho com termómetros, caudalímetro [0-15] l/min com válvula reguladora de caudal instalada, purgador de ar, válvula de segurança de 6 bar. A unidade de controlo digital pode ser instalada na parte frontal do kit.

31


DIMENSÕES O design compacto simplifica o esforço da instalação, mesmo quando não há muito espaço disponível. O kit de circulação pode ser montado na parede usando abraçadeiras incluídas no fornecimento. O caudal de circulação correcto pode ser regulado através da válvula integrada.

FIGURA 23 - kit de circulação EVOSOLAR - dimensões

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

5 5 2

1

1 – Válvulas de fecho Latão; Ligações Rp ¾”

1 4

13

2 – Isolamento Poliestireno EPS Densidade: 60 Kg/m3 3 – Purgador Latão; Ligações Rp ¾” 4 – Válvula de segurança (6 bar) Latão; Ligações Rp ¾”

6 3

5

5 – Ligação ao circuito Rp ¾” 6 – Manómetro 0 – 10 bar

7

7 – Circulador Grundfoss 6mH2O head Potência nominal: 75 W

8 9

8 – Válvula de reguladora de caudal Válvula integrada no caudalímetro – operada com chave de fendas 12

10

9 – Válvula de enchimento Ligação (16.2 mm) 10 – Válvula de drenagem Ligação (16.2 mm)

11

5

FIGURA 24 - kit de circulação K7300P – características técnicas

32

11 – Caudalímetro 0 – 15 l/min 12 – Chave de bocas de 12 mm


DIAGRAMA DE LIGAÇÃO

FIGURA 25 - diagrama de ligação

O esquema mostra uma possível aplicação do produto para águas quentes domésticas. O circulador deve estar sempre ligada com o lado que transmite a água fria da serpentina do acumulador para os painéis solares. Este é um exemplo não aplicável.

Velocidade 1: 3m H2O (~0.3 bar) Velocidade 2: 5m H2O (~0.5 bar) Velocidade 3: 6m H2O (~0.6 bar)

altura manométrica mmH20

Diagrama do circulador: potência total da circulador (valor calculado a 0 l/h)

Caudal [l/h] FIGURA 26 - diagrama da circulador

33


UNIDADE DE CONTROLO ELECTRÓNICA UNIDADE DE CONTROLO STANDARD EVOSOLAR TS20

DIMENSÕES

FIGURA 27 - unidade de controlo EVOSOLAR

Unidade de controlo digital para aplicações solares (230 V). 2 outputs (relés) e 3 inputs (sondas). 6 possivéis configurações solares. O ecrã LCD mostra as temperaturas das sondas, o estado dos relés e diagnóstico de erros. Inclui 3 sondas NTC. Para aplicação com o kit de circulação K7300P. Controlo diferencial, microprocessador base, para instalações solares com 3 inputs para sondas de temperatura NTC e 2 outputs (relés) SPST, livres de voltagem. A função principal é controlar o diferencial de temperatura entre o painel e o acumulador, ligando o circulador quando •T atinge um determinado valor. A segunda função mais importante é controlar a intervenção do apoio auxiliar, sempre que a temperatura no acumulador for inferior a um valor pré-definido. O ecrã LCD permite visualização da configuração da instalação solar escolhida (6 possíveis configurações solares), das temperaturas, estados dos relés e das funções auxiliares. Função anti-gelo ajustável, temperaturas de segurança ajustáveis. Função de autodiagnóstico com alarmes acústicos e visuais. Terminais base dedicados. Parâmetros de configuração protegidos por password. DIAGRAMA DE LIGAÇÕES

FIGURA 28 - diagrama de ligação

34


PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS • Alimentação de energia 230V ~ ± 10% 50Hz • Ecrã LCD alfanumérico com iluminação • Gestão de 2 relés de saída • Possibilidade de configurar a saída lógica dos relés (normal ou invertida) • 3 entradas para sondas NTC • Gama de leitura de temperatura de sondas -10ºC a 120ºC • Correcção individual das sondas ±5ºC • Possibilidade de escolha entre 6 diferentes configurações solares • Visualização gráfica da instalação escolhida • Diagnóstico visualizável no ecrã (estado input/output, mensagens de erro) • Visualização da temperatura do painel, caldeira e restantes componentes • Sinal sonoro e visual de alarme em caso de falha ou de alarme • Activação de um relé auxiliar em caso de alarme • Auto-diagnóstico da instalação actual (função teste da instalação) • Configuração protegida por password para os parâmetros de configuração • Possibilidade de activação da função anti-gelo • Operação AUTOMÁTICA/ MANUAL/ ABC (Automatic Boiler Control) • Contador de calor integrado

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS • Alimentação de energia 230V ~ ± 10% 50Hz • Potência absorvida: 4 VA • Tipo de sondas: 3 x NTC 4K7 Ohm @25ºC • Gama de funcionamento das sondas: -10ºC a +120ºC • Precisão: ± 1ºC • Resolução: 0,1ºC • Regulação do offset - Em S1 : ± 5.0 ºC - Em S2 : ± 5.0 ºC - Em S3 : ± 5.0 ºC - Em S4 : ± 5.0 ºC • Password de instalação: 0000 … 9999 (por defeito, é 0000) • Sinal sonoro : ligado / desligado (por defeito, o sinal sonoro encontra-se ligado) • Temporização da iluminação do ecrã : 20 segundos desde a última tecla premida • OUT2 Relé lógico : NOR = N.O. REV = N.C. • Contactos: 4 x 2(1)A mas @250V ~ (SPST) contactos alimentados • Grau de protecção : IP 40 • Gama da temperatura de trabalho: 0ºC a 40ºC • Limites de humidade: 20% a 80% RH sem condensação • Material da caixa: ABS V0 auto-extinguível • Cor: sinal branco (RAL 9003) • Dimensões: 156 x 108 x 47 (W x H x D) • Peso: ~723 gr. (para a versão com sonda) ~553gr. (para a versão sem sonda) • Instalação: Montagem em parede ou em nicho de 144x96 mm, ou no kit solar K7300P)

35


INSTALAÇÕES SOLARES

FIGURA 29 - instalações solares

DIAGRAMA DE LIGAÇÕES

FIGURA 30 - diagrama de ligação

36


UNIDADE DE CONTROLO PROFISSIONAL EVOSOLAR TS25 DIMENSÕES

FIGURA 31 - unidade de controlo profissional EVOSOLAR – dimensões

Unidade de controlo digital para aplicações solares (230 V). 4 outputs (relés) e 4 inputs (sondas). 19 possivéis configurações solares. O ecrã LCD mostra as temperaturas das sondas, o estado dos relés e diagnóstico de erros. Inclui 4 sondas PT1000. Para aplicação com o kit de circulação K7300P. Controlo diferencial, microprocessador base, para instalações solares com 4 inputs para sondas de temperatura PT1000 e 4 outputs (relés) SPST com voltagem. A função principal é controlar o diferencial de temperatura entre o painel e o acumulador (até 3 acumuladores), ligando o circulador quando •T atinge um determinado valor. A segunda função mais importante é controlar a intervenção do apoio auxiliar, sempre que a temperatura no acumulador for inferior a um valor pré-definido. O ecrã LCD permite visualização da configuração da instalação solar escolhida (19 possíveis configurações solares), das temperaturas, estados dos relés e das funções auxiliares. Função anti-gelo ajustável, temperaturas de segurança ajustáveis. Função de auto-diagnóstico com alarmes acústicos e visuais. Terminais base dedicados. Parâmetros de configuração protegidos por password.

DIAGRAMA DE LIGAÇÃO

19 18 17 16 15 14

S4 S3

S2 S1

13 12 11 10

9

8

7

6

N

N

L

N

L

L

N

L

5

4

3

2

1

NC NA C

N

L

FIGURA 32 - diagrama de ligação

37


PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS • Alimentação de energia 230V ~ ± 10% 50Hz • Ecrã LCD alfanumérico com iluminação • Gestão de 4 relés de saída • Possibilidade de configurar a saída lógica dos relés (normal ou invertida) • 4 entradas para sondas PT1000 • Gama de leitura de temperatura de sondas -10ºC a 260ºC • Correcção individual das sondas ±5ºC • Possibilidade de escolha entre 19 diferentes configurações solares • Visualização gráfica da instalação escolhida • Diagnóstico visualizável no ecrã (estado input/output, mensagens de erro) • Visualização da temperatura do painel, caldeira e restantes componentes • Sinal sonoro e visual de alarme em caso de falha ou de alarme • Activação de um relé auxiliar em caso de alarme • Auto-diagnóstico da instalação actual (função teste da instalação) • Configuração protegida por password para os parâmetros de configuração • Possibilidade de activação da função anti-gelo • Operação AUTOMÁTICA/ MANUAL/ ABC (Automatic Boiler Control) • Contador de calor integrado

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS • Alimentação de energia 230V ~ ± 10% 50Hz • Potência absorvida: 4 VA • Tipo de sondas: 4 x pt1000 • Gama de funcionamento das sondas: -10ºC a +270ºC • Precisão: ± 1ºC • Resolução: 0,1ºC • Regulação do offset - Em S1 : ± 5.0 ºC - Em S2 : ± 5.0 ºC - Em S3 : ± 5.0 ºC - Em S4 : ± 5.0 ºC • Password de instalação: 0000 … 9999 (por defeito, é 0000) • Sinal sonoro : ligado / desligado (por defeito, o sinal sonoro encontra-se ligado) • Temporização da iluminação do ecrã : 20 segundos desde a última tecla premida • OUT2 Relé lógico : NOR = N.O. REV = N.C. • OUT3 Relé lógico : NOR = N.O. REV = N.C. • OUT4 Relé lógico : NOR = N.O. REV = N.C. • Contactos: 4 x 2(1)A mas @250V ~ (SPST) contactos alimentados • Grau de protecção : IP 40 • Gama da temperatura de trabalho: 0ºC a 40ºC • Limites de humidade: 20% a 80% RH sem condensação • Material da caixa: ABS V0 auto-extinguível • Cor: sinal branco (RAL 9003) • Dimensões: 156 x 108 x 47 (W x H x D) • Peso: ~723 gr. (para a versão com sonda) ~553gr. (para a versão sem sonda) • Instalação: Montagem em parede ou em nicho de 144x96 mm, ou no kit solar K7300P)

38


INSTALAÇÕES SOLARES

FIGURA 33 - configurações da unidade de controlo profissional EVOSOLAR

DIAGRAMA DE LIGAÇÃO DE FIOS

19 18 17 16 15 14

13 12 11 10

N

L

9

8

7

6

5

4

3

2

1

NC NA C

FIGURA 34 - configurações da unidade de controlo profissional EVOSOLAR

39


INSTALAÇÃO DE COMPONENTES PAINEL SOLAR As instruções seguintes aplicam-se aos painéis EVOP. Descrição: painel solar plano com absorsor em alumínio selectivo. O absorsor é soldado a laser aos tubos de cobre. A estrutura interna é protegida por 4 mm de espessura de vidro temperado. Os tubos são protegidos termicamente por lã de vidro.

FIGURA 37 - painel solar EVOSOLAR

Verificar os seguintes pontos antes de iniciar a instalação: A existência de obstáculos que possam causar sombreamento aos painéis; Se o telhado resiste a uma força do vento de pelo menos 100 Kg/m2 (este valor deve ser confirmado por um técnico). Os painéis solares devem ser instalados em estruturas EVOPZ ou EVOPZ1; caso não seja possível a instalação nas estruturas EVOPZ outras soluções devem ser encontradas.

40


SELECÇÃO DAS ESTRUTURAS DE SUPORTE A tabela 1 permite a escolha do número de estruturas de suporte (EVOPZ ou EVOPZ1) em função do número de painéis.

Nº DE PAINÉIS SOLARES

EVOPZ/EVOPZ1 -1m

EVOPZ/EVOPZ1 -2m

1

1

-

2

-

1

3

1

1

4

-

2

5

1

2

6

-

3

7

1

3

INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA

A estrutura EVOPZ deve ser instalada por um instalador profissional. O Instalador deve utilizar equipamento de segurança (luvas, capacete, sistema de fixação, etc.).

Antes de iniciar a instalação, o instalador deve perceber como a estrutura deve ser montada e ler este manual de instruções.

Não modificar os componentes da estrutura EVOPZ. Tais acções tornam a garantia da estrutura nula.

As operações de manutenção da estrutura devem ser realizadas por um profissional.

41


MANUSEAMENTO O painel solar deverá ser manuseado de acordo com a figura seguinte:

FIGURA 38 - manuseamento

O manuseamento do painel não deve ser realizado pelos tubos de cobre.

FIGURA 39 - manuseamento

Assegurar que o painel não bate contra nenhum objecto e não se danifica durante as fases de manuseamento e instalação. Especial atenção deve ser dada ao vidro e aos tubos de cobre.

LIGAÇÃO DOS PAINÉIS O painel solar EVOP possui tubo de cobre de 22mm. As ligações dos painéis devem ser realizadas com os acessórios fornecidos (caso tenha adquirido o kit completo EVOSOLAR) ou utilize acessórios fabricados de acordo com a norma EN1254-2.

FIGURA 40,41

42


Os painéis solares podem ser ligados em série, paralelo ou de uma forma mista.

LIGAÇÃO EM PARALELO

FIGURA 42 - ligação em paralelo

A eficiência do segundo painel e do terceiro é igual à eficiência do primeiro painel já que a temperatura de entrada é a mesma. Este tipo de ligação é aconselhada para caudais de circulação elevados e temperaturas de saída médias.

LIGAÇÃO EM SÉRIE

FIGURA 43 - ligação em série

A eficiência do segundo painel e do terceiro painel não é igual à eficiência do primeiro já que a temperatura de entrada do segundo painel é igual a temperatura de saída do primeiro painel e a temperatura de entrada do terceiro painel é igual à temperatura de saída do segundo painel. Este tipo de ligação é recomendado para temperaturas de saída elevadas e caudais de circulação baixos devido às elevadas perdas de carga.

43


LIGAÇÃO MISTA É a solução mais comum quando a instalação tem mais que 5/6 painéis ligados em série a dividir os painéis em grupos. Este tipo de divisão reduz as perdas de pressão.

FIGURA 44 - ligação mista

O número máximo de painéis que pode ser ligado em série depende da altura manométrica do circulador. Os painéis ligados em paralelo podem igualmente ser divididos em grupos. Este tipo de divisão minimiza as perdas de carga, mantendo a eficiência dos painéis aceitável.

FIGURA 45

44


A figura 46 mostra a ligação de painéis divididos em grupos de 5, cada grupo composto por 10 painéis ligados em paralelo.

FIGURA 46

A figura 47 mostra o balanceamento do circuito; deve ser instalado de modo a que todos os grupos compostos pelo mesmo número de painéis possuam o mesmo caudal de circulação.

FIGURA 47

45


SONDA E ACESSÓRIOS Utilizar a sonda fornecida na unidade de controlo (TS20 ou TS25). Instalar o purgador no topo do painel. O purgador após a purga do sistema deve ser mantido fechado.

FIGURA 48

A figura seguinte mostra o exemplo de uma ligação:

2

3 1

1 - Sonda 2 - Purgador de 3/8” (EN10226-1) 3 - Tubo de cobre 22 mm do painel (EN1254-2) 4 - Ligação de 3/4” F (EN10226-1)

4

Ida para o acumulador

Retorno do acumulador

46

FIGURA 49


ENCHIMENTO DOS PAINÉIS Antes do enchimento dos painéis com água e glycol na percentagem correcta, limpar o sistema fazendo circular água cerca de 4-5 minutos de modo a remover sujidade e resíduos da instalação. O glycol deve ser misturado com a água na percentagem correcta. A percentagem de glycol a misturar depende da temperatura mínima da respectiva zona climática. Pela tabela 2 é possível determinar a quantidade de glycol a misturar com a água dependendo da temperatura mínima.

% DE VOLUME DE ANTICONGELANTE

TEMPERATURA DE CONGELAÇÃO

TEMPERATURA DE EBULIÇÃO

20

-8

101

30

-14

103

40

-22

103

50

-33

104

60

-48

106

100

-60

160

VIDRO DO PAINEL SOLAR O vidro do painel solar deve ser limpo regularmente de modo a evitar quebras na eficiência.

ENCERRAMENTO DA INSTALAÇÃO A instalação de uma válvula de segurança (6 bar) é obrigatória (válvula incluída no kit de circulação K7300P). No caso de ausência prolongada da habitação, os painéis solares devem ser cobertos de modo a prevenir problemas de sobreaquecimento. Caso estas medidas não sejam possíveis de executar, outras medidas devem ser adoptadas de modo a prevenir o sobreaquecimento.

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Caso exista uma redução da eficiência da instalação solar, verificar se: • O grupo de painéis se encontra correctamente orientado (devem estar orientados ao Sul geográfico); • Não existem obstáculos a criar sombreamento aos painéis; • A superfície de vidro do painel está limpa; • Não existem fugas no circuito solar; • A pressurização do sistema solar é a correcta (1,5bar); • A unidade de controlo activa o circulador quando é necessário; • Não existe ar no circuito.

Inspeccionar regularmente o painel solar EVOPZ e o sistema de montagem de modo a prevenir o desaparafusamento dos parafusos e porcas

e manter o vidro do painel limpo.

47


SISTEMAS DE MONTAGEM PARA TELHADOS INCLINADOS As seguintes instruções de montagem aplicam-se para o sistema de montagem EVOPZ. Verificar que todos os componentes abaixo indicados estão presentes na embalagem antes de iniciar a montagem da estrutura.

DESCRIÇÃO DOS COMPONENTES – SISTEMA DE MONTAGEM EVOSOLAR

QUANTIDADE

Perfis verticais Comprimento 2200 mm

2

Perfis horizontais Comprimento: 950*/1350** mm

2

Suportes flexíveis

4

Anilhas

12

Parafusos, M8

4*, 8*

Parafusos, M10

8

Porca, M10

8

* Estrutura para um painel solar (EVOPZ – 1 m) ** Estrutura para dois painéis solares (EVOPZ – 2 m)

Depois de assegurar a existência de todas as peças necessárias, verificar se: • Existem obstáculos que possam causar sombreamento aos painéis; 2 • O telhado resiste a uma força do vento de pelo menos 100 Kg/m (este valor deve ser confirmado por um profissional)

48


SELECÇÃO DO NÚMERO DE ESTUTURAS DE SUPORTE

De acordo com a tabela 3 é possível escolher o número de estruturas EVOPZ necessárias em função do número de painéis.

Nº DE PAINÉIS SOLARES

EVOPZ/EVOPZ1 -1m

EVOPZ/EVOPZ1 -2m

1

1

-

2

-

1

3

1

1

4

-

2

5

1

2

6

-

3

7

1

3

INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA

A estrutura EVOPZ deve ser instalada por um instalador profissional. O instalador deve utilizar equipamento de segurança (luvas, capacete, sistema de fixação, etc.)

Antes de começar a instalação, o instalador deve saber como a estrutura deve ser montada e ler este manual de instruções.

Não modificar os componentes da estrutura EVOPZ. Tais acções tornam a garantia da estrutura nula.

Operações de manutenção devem ser realizadas por profissionais.

49


MONTAGEM

Passo 1

Passo 2

Identificar os quatro cantos para a fixação dos suportes flexíveis.

Remover as telhas do local onde os suportes flexíveis irão ser ligados à estrutura do telhado(placa ou vigas).

Passo 3

Passo 4

Colocar os suportes flexíveis de modo a que a distância entre eles seja de 2 ou 3 cm menos que o comprimento do perfil horizontal (950 mm para EVOPZ – 1 m e1350 mm para EVOPZ – 2 m).

Dobrar os suportes flexíveis e adaptá-los à viga do telhado, de acordo com a imagem. Fixar os suportes flexíveis utilizando os parafusos M8x50.

Os parafusos e as porcas não devem estar completamente apertados, de modo a que os perfis possam ser ajustadosl após a instalação dos painel.

50


Passo 5

Passo 6

Instalar os suportes flexíveis de acordo com a imagem indicada.

Colocar de novo as telhas de modo a que os suportes flexíveis passem por entre as telhas conforme a imagem indicada.

Passo 7

Passo 8

Montar os perfis verticais nos suportes flexíveis e apertalos utilizando os parafusos M10 fornecidos conforme a imagem indicada.

Fixar os perfi s horizontais utilizando os parafusos M10 conforme a imagem indicada.

Passo 9 Instalar o painel solar de acordo com a imagem indicada e ajustar os perfis; Verificar que os buracos existentes coincidem. Apertar os parafusos M8 nos perfis horizontais de modo a fixar o painel. O painel solar possui porcas M8 nas calhas horizontais.

A estrutura EVOPZ deve ser verificada pelo menos uma vez por ano para verificar as ligações de apertos dos parafusos, porcas, etc.

51


SISTEMAS DE MONTAGEM PARA TELHADOS PLANOS As seguintes instruções de montagem aplicam-se para o sistema de montagem EVOPZ1. Assegurar de que todos os componentes se encontram na sua posse antes de proceder à instalação:

DESCRIÇÃO DOS COMPONENTES – SISTEMA DE MONTAGEM EVOSOLAR

QUANTIDADE

Perfis inclinados Comprimento: 2250 mm

2

Perfis horizontais Comprimento: 950*/1350** mm

2

Base Comprimento: 2000 mm

2

Perfis verticais Comprimento: 1250 mm

2

Perfil de contraventamento Comprimento: 1525 mm

2

Anilha

19

Parafuso, M8

4*, 8*

Parafuso, M10

15

Porca, M10

15

Parafuso de madeira, M8x50

4

* Estrutura para um painel solar (EVOPZ – 1 m) ** Estrutura para dois painéis solares (EVOPZ – 2 m)

Depois de assegurar a exsitência de todas as peças necessárias, verificar se: • Existem obstáculos que possam causar sombreamento aos painéis; 2 • O telhado resiste a uma força do vento de pelo menos 100 Kg/m (este valor deve ser confirmado por um profissional)

52


SELECÇÃO DO NÚMERO DE ESTUTURAS DE SUPORTE

Siga a tabela para que possa escolher o número dos sistemas de fixação de acordo com o número de painéis solares.

Nº DE PAINÉIS SOLARES

EVOPZ/EVOPZ1 -1m

EVOPZ/EVOPZ1 -2m

1

1

-

2

-

1

3

1

1

4

-

2

5

1

2

6

-

3

7

1

3

INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA

A estrutura EVOPZ deve ser instalada por um instalador profissional. O instalador deve utilizar equipamento de segurança (luvas, capacete, sistema de fixação, etc.)

Antes de começar a instalação, o instalador deve saber como a estrutura deve ser montada e ler este manual de instruções.

Não modificar os componentes da estrutura EVOPZ. Tais acções tornam a garantia da estrutura nula.

Operações de manutenção devem ser realizadas por profissionais.

53


MONTAGEM

Passo 1

Passo 2

Colocar as bases de acordo com a imagem indicada.

Fixar os suportes verticais às bases utilizando os parafusos e porcas M10 fornecidos. Escolher o buraco de acordo com o ângulo de instalação pretendido.

Passo 3

Passo 4

Fixar os perfis inclinados aos perfis verticais e às bases e

Fixar os perfis horizontais aos perfis inclinados conforme

apertá-los utilizando parafusos e porcas M10 fornecidos.

a imagem indicada e apertá-los utilizando os parafusos

Escolher o buraco de acordo com o ângulo de instalação

e porcas M10 fornecidos.

pretendido.

54


Passo 5

Passo 6

Fixar os perfis de contraventamento aos perfis verticais

Colocar o painel nos suportes e fixá-lo utilizando os

utilizando os parafusos e porcas M10 fornecidos.

parafusos M8. Finalmente fixar a estrutura à cobertura

Os parafusos e porcas não devem estar completamente

utilizando os parafusos M8 x 50. Antes de apertar os

apertados, de modo a que os perfis possam ser ajustados

parafusos, verificar se o ângulo da estrutura é o correcto.

após a instalação dos painéis.

A estrutura EVOPZ deve ser verificada pelo menos uma vez por ano para verificar as ligações de apertos dos parafusos, porcas, etc.

55


KIT DE CIRCULAÇÃO AVISO: O kit solar evosolar K7300P / K7301P é um componente que contém líquido a alta temperatura. Antes de proceder à instalação, ao enchimento e descarga do sistema verifique se tomou todas as precauções necessárias com o fim de garantir a segurança de quem trabalha com os componentes. Assegure-se que todas as ligações eléctricas estão realizadas correctamente com o objectivo de garantir a segurança do sistema. verifique se o circuito está carregado de maneira correcta e se o líquido contém a percentagem necessária de glycol em função da zona climatérica em que o mesmo é instalado.

K7300P

K7301P 4

4

1

5

5

2 6

6

7

3

7

8

8

9

9

10

10

13

11 11

12

FIGURA 50 - K7300P

12

FIGURA 51 - K7301P

1 - Válvula de corte com termómetro (0 - 120 ºC) com ligação de cobre por compressão BS 864.2 de 22 mm (EN 10226-1)

7 - Válvula de corte de ida com termómetro (0 -120 ºc) com ligação de cobre por compressão bs 864.2 de 22 mm (EN 10226-1)

2 - Isolamento

8 - Circulador solar 15-60

3 - Purgador (RP ¾”)

9 - Válvula reguladora de caudal com ligação RP ¾”

4 - Válvula de segurança (6 bar) RP ¾” (ligar tubo de descarga e recipiente de recolha)

10 - Válvula de enchimento 11 - Válvula de descarga

5 - Ligação G3/4” para o vaso de expansão 12 - Caudalímetro (0-15 l/min) 6 - Manómetro (0 - 10 bar) 13 - Chave de bocas 12 mm para accionar as válvulas de corte

56


PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO K7300P

K7301P

1 - fixar o suporte metálico à parede mediante os parafusos e as buchas fornecidos

2 - instalar a parte posterior da protecção

3 - instalar o kit segundo a sequência indicada

4 - ligar o tubo de ida e de retorno do painel solar, o tubo de ida e retorno do sistema e os tubos flexíveis da válvula de segurança e do vaso de expansão binários de aperto aconselhados: -ligação em cobre (superior): 60 nm max -ligação tubo flexível para ligação ao vaso de expansão: 40 nm max

INSTALAÇÃO DA UNIDADE DE CONTROLO (SÓ PARA K7300P) 1- Com uma broca de diâmetro 4 mm furar completamente os dois furos indicados na parte interna da tampa de protecção; 2- Inserir a cablagem eléctrica através da passagem predefinida na capa de protecção; 3- Ligar a cablagem eléctrica à centralina; 4- Aproximar a placa de fixação ao plano interno da tampa na correspondência dos dois furos; 5- Por meio da chave de fendas apropriada inserir e apertar os parafusos autoroscantes fornecidos nos furos respectivos da parte posterior da centralina tendo o cuidado de não apertar excessivamente.

FIGURA 52 - instalação da unidade de controlo

ATENÇÃO: no caso da centralina ser adquirida e instalada posteriormente à aquisição do kit, remova o tampão na parte da frente da cobertura, empurrando-o de dentro para fora e proceda à instalação segundo o procedimento indicado anteriormente

57


REGULAÇÃO DO CAUDAL O caudal do sistema pode ser regulado fazendo rodar o comando 5 (1) mediante uma chave fixa. O valor do caudal (l/mim) pode ser lido directamente na escala graduada do medidor (2) CARGA DO SISTEMA Fechar a haste do comando (1) e abrir a válvula de carga agindo na haste do comando (3). Ao mesmo tempo abrir a válvula de descarga agindo na haste do comando (4). Fazer circular o fluído até ao momento em que na válvula de descarga apareça o fluído e não se sinta mais o típico ruído de ar presente no sistema. Neste momento fechar a válvula de descarga. Completar a carga do sistema até uma pressão de 1.5 bar. K7300P Durante o normal funcionamento do sistema, se no mesmo se criar ar, utilizar o purgador de ar (5) para o eliminar. Nota: o quadrado moldado na tampa da válvula de enchimento (3) pode ser utilizado para manobrar a válvula de carga e descarga. DESCARGA DO SISTEMA Abrir a válvula de descarga agindo sobre a haste de comando (4), verificando se a válvula de enchimento está fechada. LAVAGEM DA INSTALAÇÃO Depois de ter feito as ligações da tubagem com todos os dispositivos é necessário efectuar a lavagem do circuito solar com água durante um período de 10 minutos, com a finalidade de eliminar as eventuais impurezas presentes no mesmo. K7301P

K7300P

5

1

1

2

2

3

3

4

4

FIGURA 54

FIGURA 55

fechar/abrir a válvula de ida e de retorno mediante o uso de uma chave de bocas (na figura está representada a válvula em posição aberta)

FIGURA 56

58


INFORMAÇÃO TÉCNICA

UNIDADE DE BOMBA SOLAR

K7300P

K7301P

Altura

437 mm

426 mm

Largura:

306 mm

247 mm

Ida / retorno 110 mm

-

6 bar

6 bar

Temperatura máxima de funcionamento:

100º C

100º C

Dimensão da ligação:

Rp ¾” F

Rp ¾” F

6 bar

6 bar

0-10 bar

0-10 bar

R ¾” plano

R ¾” plano

Rp ¾”

Rp ¾”

0 – 120º C

0 – 120º C

1 – 15 l/min

1 – 15 l/min

Rp ¾”

Rp ¾”

Mangueira ø 16,2 mm

Mangueira ø 16,2 mm

EPDM - ver gráfico

EPDM - ver gráfico

Klinger

Klinger

EPS, densidade: 60 Kg / m3

xEPE, densidade : 60 Kg / m3

Entre-eixos: Pressão máxima de funcionamento:

GRUPO DE SEGURANÇA Pressão de descarga: Manómetro: Ligação para o vaso de expansão: MEIO DE ENCERRAMENTO Válvula: Termómetro analógico: CAUDALÍMETRO Escala: Ligação de acessório: Ligação de carga/descarga: VEDAÇÃO O-ring: Guarnição: ISOLAMENTO

Bar

Material:

ºF 14

32 50

68 86 104 122 140 158 176 194 212 230 248 266 284 302 320 338 374 356

11

785

10

714

9

642,6

8

571

7

500

6

428

5

357

4

285,6

3

214

2

143

1

71

-20 -10

0 10

20

30 40

50

60 70

ZONA RECOMENDADA

ZONA NÃO RECOMENDADA

Psi

Kg/cm2

12

4

ZONA DE ACÇÃO DA VÁLVULA DE SEGURANÇA

ZONA PROIBIDA

80 90 100 110 120 130 140 150 160 170 180 190 200

ºC

FIGURA 57

59


ACUMULADOR CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E DIMENSÕES As dimensões do equipamento encontram-se ilustradas na figura 14. A performance encontra-se indicada no equipamento. 1) RECOMENDAÇÕES GERAIS O produtor não deve ser responsabilizado em casos de má instalação ou não cumprimento das instruções contidas no manual. Deve-se dar especial atenção: • Instalar a unidade de segurança hidráulica sem alteração da mesma. Guardar o manual para futura referência. • As actividades de instalação e de manutenção devem ser realizadas por pessoal especializado em conformidade com os regulamentos em vigor e de acordo com as recomendações do produtor. • Antes de efectuar as operações de limpeza de manutenção, desligar o equipamento. • Remover o material da embalagem e certifique-se de que este não se encontra danificado. Manter o material de embalagem (clipes, sacos de plástico, espuma de poliestireno) longe do alcance das crianças. 2) RECOMENDAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO a) Instalação Este equipamento é usado no aquecimento de águas domésticas quentes até uma temperatura abaixo da temperatura de ebulição à pressão atmosférica e deve ser ligado a um sistema de aquecimento e a um sistema de distribuição de águas quentes domésticas que sejam adequados para o seu desempenho e a sua potência. A sala de instalação deve ser protegida do congelamento. O permutador deve ser colocado o mais próximo possível do gerador de calor de modo a prevenir perdas de calor. Caso isto não seja possível, então os tubos de abastecimento devem ser propriamente isolados. Deve ser instalado de modo a que garanta um trajecto correcto das redes sanitárias e de água quente. b) Ligação hidráulica (ver figura 58) A posição e a função dos acessórios encontram-se representadas na figura 58, bem como na parte de trás do equipamento. O equipamento deve ser instalado perto do ponto de admissão de água quente, de modo a prevenir a dissipação de calor ao longo da tubagem, e de um ponto de descarga de forma a facilitar o esvaziamento do acumulador sempre que necessário. De seguida encontra-se a listagem do material representado na FIGURA 58: A - Válvula de segurança hidráulica B - Torneira de descarga C - Tubo de descarga D - Vaso de expansão E - Redutor de pressão F - Válvula de verificação G - Válvula de corte H - Circulador I - Caldeira L - Painel solar M - Válvula reguladora de caudal N - Purgador

60


Deve proceder-se à instalação de uma válvula de segurança no tubo de fornecimento de água fria. O ramal de tubo entre a válvula de segurança e o permutador não deve ser desligado de forma a evitar que se danifique o permutador devido a sobrepressão. Uma atenção especial deve ser dada à válvula de segurança durante a fase de instalação (figura 92 – componente A), não devendo ser forçada ou alterada. A válvula de segurança pode pingar ligeiramente durante a fase de aquecimento, pelo que deve encontrar-se ligado a um sifão de descarga. Se a pressão do circuito for aproximada ao valor da válvula de calibração, então devemos proceder à instalação de um redutor de pressão (FIGURA 58 - componente E) o mais longe possível do equipamento. Um vaso de expansão (FIGURA 58 - componente D) com uma capacidade de pelo menos 5% da capacidade nominal de cada dispositivo de aquecimento deve ser instalado se for montado no circuito um redutor de pressão ou uma válvula de descarga. Não se deve montar nenhuma válvula de descarga entre a válvula de segurança e o vaso de expansão. Um vaso de expansão com as características mencionadas anteriormente deve ser instalado por forma a proteger o circuito e todo o equipamento. Encher a câmara da membrana do vaso de expansão tal como é recomendado pelo produtor. Encher o equipamento com água, tal como se descreve de seguida, antes de ligar o equipamento ao circuito: • Abrir a válvula que fornece a água fria • Abrir uma torneira de água quente para escoar o ar e esperar que o fluxo de água seja constante em todas as torneiras de água quente • Procurar vazamentos ao longo da tubagem. 3) INSTRUÇÕES DE FUNCIONAMENTO a) Início Após completar a instalação, encher o permutador com água e seguir o procedimento de aquecimento que se segue: • Encher o circuito com água de aquecimento e efectuar a purga do mesmo; • Encher com água sanitária através da entrada de água fria e abrir uma torneira de água quente; • Instalar um termóstato no acumulador (FIGURA 14); • Proceder ao início de funcionamento do acumulador. b) Enchimento da serpentina A serpentina do equipamento é ligada ao circuito da caldeira; Para que o fluído circule no equipamento, garantir que a pressão da água no circuito é suficientemente alta. NOTA: O funcionamento da caldeira deve ser feito de acordo com as instruções fornecidas. c) Enchimento do circuito É necessário instalar no circuito um tampão para que se possa proceder ao enchimento do circuito sanitário. Abrir o tampão de enchimento do permutador e escoar o circuito através da abertura de uma torneira. d) Esvaziamento do circuito Para esvaziar o circuito, fechar o tampão de enchimento, ligar uma mangueira flexível para o dispositivo de descarga e colocar a outra extremidade do tubo numa área onde seja possível a descarga. Abrir uma torneira e deixar a água correr; Abrir a válvula de descarga e completar o procedimento de esvaziamento.

61


2) MANUTENÇÃO E LIMPEZA Antes de se proceder a qualquer operação de manutenção e limpeza do equipamento, deve proceder-se ao esvaziamento do equipamento. a) Recomendações gerais • Limpar o exterior do permutador com um pano molhado. Adicionar algum detergente, se necessário • Não usar solvente (gasolina, abrasivos, etc.) • Verificar o ânodo de magnésio pelo menos uma vez por mês • Se o equipamento for instalado numa sala onde se verifiquem temperaturas muito baixas, manter o equipamento em funcionamento ou proceder ao seu esvaziamento b) Inspecção do acumulador e limpeza interna Para limpar a parte interna do tanque, esvaziar o equipamento e remover a sua cobertura desapertando os parafusos da cápsula de plástico. Remover a contraflange da porta de inspecção. Enquanto se procede à limpeza, não danificar a camada de esmalte do tanque e do permutador. Para limpar, utilizar uma ferramenta de plástico ou de madeira (se necessário) para remover os sedimentos sólidos. Monte novamente as flanges. Encha novamente o equipamento de acordo com o procedimento e verifique a dureza da água. c) Verificação do ânodo O tratamento da porcelana de vidro na superfície interior e a serpentina do permutador protegem o equipamento da corrosão. O acumulador encontra-se igualmente equipado com um ânodo de magnésio dependendo o seu tempo de vida da qualidade da água. O ânodo deve ser inspeccionado pelo menos uma vez por ano e substituído.

FIGURA 58

62


ACUMULADOR COMBINADO ÁGUA Assegure-se que as características físico-químicas da água se encontram de acordo com a directiva EC 80/778. Use sistemas de tratamento capazes de assegurar a potabilidade da água, de acordo com as recomendações das autoridades competentes. PROTECÇÃO CONTRA A CORROSÃO A superfície do acumulador sanitário foi tratada com uma dupla camada anti-corrosão, possuindo uma excelente resistência contra choques térmicos. Devido a este tratamento, os acumuladores são adequados para o armazenamento de água sanitária, de acordo com as normas europeias. ARRANQUE • Encher o acumulador com água • Verificar a vedação do ânodo CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO Capacidade total: 600 – 800 – 1000 litros Temperatura de armazenamento de projecto: 95ºc Pressão de armazenamento de projecto: 6 bar Temperatura de projecto do acumulador sanitário: 99ºC Pressão de projecto do acumulador sanitário: 6 bar Instalação: vertical, assente no chão Revestimento interno do acumulador sanitário: revestimento em aço vitrificado, de acordo com a norma DIN 4573 parte 3 Acessórios: ânodo de magnésio (standard) com revestimento de dupla camada.

63


INSTALAÇÃO, FUNCIONAMENTO E MANUTENÇÃO INSTALAÇÃO As válvulas de segurança e os vasos de expansão para os circuitos primários e secundários devem ser sempre instalados. Durante a instalação, seguir os diagramas em anexo e respeitar os regulamentos em vigor. O equipamento deve possuir sempre um cátodo de protecção (ânodo de magnésio) e um dispositivo de protecção catódica. Um purgador automático deve ser sempre instalado na parte superior , perto da tubagem de saída de água quente. Utilizar ligações dieléctricas quando o acumulador se liga a tubagem com um material diferente. FUNCIONAMENTO O acumulador foi desenhado para produzir água quente e qualquer outro uso é inapropriado e perigoso. Use o acumulador de acordo com os valores de temperatura e pressão indicados na placa e neste manual. MANUTENÇÃO E LIMPEZA Esvaziar o equipamento antes de proceder a qualquer actividade de manutenção do mesmo. a) Recomendações gerais • Limpar as partes exteriores do permutador com um pano humedecido. Adicionar detergente líquido, se necessário • Não usar detergentes em pó ou solventes (abrasivos, gasolina, etc.) • Verificar o ânodo de protecção pelo menos uma vez por ano • Se o equipamento for instalado numa sala onde possa sofrer congelamento, manter o equipamento em funcionamento ou em alternativa, esvazie-o b) Inspecção do acumulador e limpeza interna Para limpar a parte interior do tanque, esvaziar o equipamento e remover a sua cobertura desapertando os parafusos da caixa de plástico. Remover a contraflange da porta de inspecção. Durante a limpeza, ter cuidado para não danificar o acumulador e a camada da serpentina. Para limpar, pulverizar com água e usar uma ferramenta de plástico ou de madeira, se necessário, para remover os sedimentos sólidos. Re-instalar a contraflange e verificar o estado dos seus anéis de vedação (se necessário, voltar a instalar um anel de vedação novo). Voltar a encher o acumulador de acordo com o procedimento. c) Verificação do ânodo O tratamento da porcelana de vidro na superfície interior e a serpentina do permutador protegem o equipamento da corrosão. O acumulador encontra-se igualmente equipado com um ânodo de magnésio dependendo o seu tempo de vida da qualidade da água. O ânodo deve ser inspeccionado pelo menos uma vez por ano e substituído.

64


SOBREAQUECIMENTO O sobreaquecimento pode ocorrer durante o verão, quando o armazenamento de energia é superior ao consumo de energia. Quando a temperatura no acumulador chega aos 95ºC, a unidade de controlo desliga a bomba solar. O fluído no interior do painel pode alcançar uma temperatura de estagnação de 120ºC a 250ºC (nos tubos dos painéis). A estas temperaturas, a pressão no circuito solar é muito elevada e se a temperatura máxima de funcionamento do fluído for excedida, as propriedades químicas do fluído podem ser alteradas. Independentemente do sistema se encontrar danificado ou da instalação ser esvaziada porque a pressão de segurança entrou em funcionamento, esta situação deve ser evitada. Diversas medidas de precaução podem ser tomadas de forma a prevenir o sobreaquecimento da instalação durante o Verão, em adição à cobertura dos painéis; esta solução não é muito prática mas deverá ser adoptada em casos extremos.

FIGURA 59 A figura mostra um tipo de instalação solar que pode ser activado em caso de sobreaquecimento. Ligando uma válvula desviadora à unidade de controlo de modo a que o fluído que saia do painel vá directamente para um dissipador de calor, se necessário.

65


Esta solução compromete a eficiência da instalação, uma vez que não será armazenado nenhum calor extra.

FIGURA 60 A figura 60 mostra uma outra configuração desenhada de forma a prevenir o sobreaquecimento. Neste caso, o fluído solar é desviado pela válvula (M) para um acumulador secundário. A água aquecida pode ser usada para outros propósitos, em adição às águas sanitárias. Quanto mais água quente aquecer, maior será a eficiência da instalação. Contudo uma completa protecção ao sobre aquecimento não será garantida com esta opção.

O terceiro tipo de instalação que se pode utilizar para prevenir o sobreaquecimento é baseada num esvaziamento automático dos painéis quando uma dada temperatura é atingida.

Este género de instalação pode ser mais caro, mas oferece um leque maior de vantagens: • Protecção completa contra o sobreaquecimento • Pode-se usar somente água como fluído solar • Pode ser utilizada tubagem em plástico para o circuito solar

Este sistema requer um acumulador de recolha do fluído solar, bem como um circulador de maior altura manométrica para inicializar a instalação depois da etapa de esvaziamento.

Para um esvaziamento perfeito da instalação, os painéis devem ser correctamente instalados de forma a prevenir um esvaziamento parcial e consequente estagnação do fluido. A figura 61 mostra um exemplo de um mau esvaziamento dos painéis (à esquerda) e de um bom esvaziamento dos painéis (à direita).

FIGURA 61

66


RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS A – SE OCORRER UMA REDUÇÃO DA EFICIÊNCIA DA INSTALAÇÃO, DEVE-SE VERIFICAR SE: • Os painéis se encontram devidamente orientados • Não existem obstáculos que façam sombra aos painéis • A superfície de vidro do painel se encontra limpa • Não existem perdas no circuito solar • A unidade de controlo activa a bomba, quando necessário • Não existe ar no interior da instalação

B – FALHAS NO CIRCULADOR A bomba do motor não funciona: Assegure-se de que a instalação se encontra devidamente ligada. Se o rotor não funcionar, mesmo quando é fornecida energia, deve-se remover o parafuso do circulador e com uma chave de fendas libertar o motor do circulador. ATENÇÃO! A alta temperatura do fluído pode causar queimaduras. Barulho pouco comum da bomba: Aumente a pressão da instalação (não excedendo contudo o valor máximo admissível da pressão) ou altere a velocidade do circulador de forma a resolver o problema.

C – PROBLEMAS DE CIRCULAÇÃO NA INSTALAÇÃO O motor da bomba funciona, mas o circuito solar não é inicializado: Em algumas condições de estagnação, algum fluído na instalação solar pode evaporar. Se a tubagem for muito longa, o aumento de pressão determinado pelo estado de vapor excede a potência total da bomba e não permite que a circulação se inicie. O valor da pressão no manómetro indica a evaporação de algum fluído (preso no interior do painel, devido a um grande comprimento de tubagem). Espere que o fluído condense antes de inicializar a instalação.

67


68



Energia