Issuu on Google+


DIRETOR David Benedetti

DIRETORES RESPONSÁVEIS David Benedetti • david@qrevista.com.br Danielle Benedetti • danielle@qrevista.com.br REDAÇÃO Amanda Dias de Souza Roberta de Sá Silvia Chamma Elisa Feris PROJETO GRÁFICO E ARTE David Benedetti ARTE E CRIAÇÃO David Benedetti e Renato Antonio FOTOGRAFIA Luciano Momesso • www.lucianomomesso.com.br Tels. 11 8131.3294 / 4524.3449

Lucimara Benedetti • lucimara@qrevista.com.br Cel. 11 9848.7950 / 6067.7454 Márcia Almeida • Tel. 11 4524.0260 REVISÃO Camila Pelisson • revisao@qrevista.com.br Cel. 11 6473-0278

PUBLICIDADE Danielle Benedetti • Cel. 11 9804-9105 danielle@qrevista.com.br

Lucimara Benedetti • Cel. 11 9848-7950 lucimara@qrevista.com.br COLABORADORES Ana Paula Padovani, André de Oliveira Martins, André L. Freitas, Fernanda C. Marques, João Paulo Munhoz, José A. Benedetti, Thiago Momentel, Patrick Fernandes, Rodrigo Majoline e Saulinho Grilo.

Queria iniciar essa carta ao leitor com uma homenagem a Erika (sobrenome), que teve seu descanso no ultimo mês. Erika, além de ser nossa amiga, fez parte de nossa equipe por muito tempo. Ela nos ajudou a entender como lidar com algumas situações e a ter mais calma e paciência. Para nós, ela foi um exemplo de vida, e mostrou que nunca podemos desistir, por mais difícil que seja a situação. Erika, temos certeza de que tudo está bem agora. Agradecemos muito por tudo; pela amizade, pelas alegrias, pelo trabalho. Fica com Deus. Um grande beijo, da equipe da Q! Revista. Em parceria com o site Amigos da Velocidade, a Q! Revista entrevista Christian Fittipaldi, realeza do automobilismo brasileiro.

Hora de voltar para a escola e, no momento pós férias, veja como melhorar o caderno de seu filho para o reinício das aulas. Sobre tecnologia, conheça os modelos dos Tablets que estão virando febre. Fique atento as novas regras dos cartões de créditos e dos cheques, a Q! traz maiores informações na sessão de economia. Essa revista está recheada de novidades sobre decoração, saúde, trabalho, família. As férias acabaram, mas sempre encontramos um tempinho para relaxar e se informar. Aguarde a próxima edição especial dia das crianças. Boa leitura e até a próxima.

Receba a Q! na sua casa*. Ligue 11 4534-0519 e saiba como.

CAPA:

ASSESSORIA JURÍDICA Alvaro Bortolossi - OAB/SP 106.885 Washington Bortolossi - OAB/SP 223.235

Duda Bairros Diagramação e Arte Gráfica:

Q

David C. Benedetti

TM

Q Revista Ltda. EPP

A U D I T O R I A C R E D I B I L I D A D E

4534.0519

E

C O N F I A N Ç A

Av. Olga Tarrussello Geromel, 211 Jd. São Luiz II • Itatiba - SP tel.: 11 4524.5707 • cel.: 11 9969.9440

ID 14*555*064 contato@qrevista.com.br www.qrevista.com.br Rua Aristides Lobo, 237 - Centro 13250-380 - Itatiba - SP

*Taxa anual para entrega em domicílio: R$36,00.

A tiragem desta edição é de 6.000 exemplares (comprovados) A Q! Revista é uma publicação bimestral da:

Fotos:

PARA ANUNCIAR

IMPRESSÃO Editora Grilo - (11) 4524.1124

DESTAQUE EMPRESARIAL

Christian Fittipaldi

Os conceitos emitidos nos artigos assinados são de total responsabilidade de seus autores e não se referem necessariamente à opinião da Q! Revista. O conteúdo dos anúncios publicados na Q! Revista é de total responsabilidade dos anunciantes. É proibida qualquer reprodução das matérias, fotos e ilustrações sem a prévia autorização.

(11)

16 PRÊMIOS

Modelo:

Rua Orminda Mani Leoni, 63 - Bairro do Engenho Tel.: 4524-0804 - e-mail: wbortolossi@gmail.com

Tel.

e valorizando os profissionais da nossa cidade

Carta ao Leitor

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA Academias, agências de turismo e propaganda, arquitetos, bancas de jornal, livrarias, cabeleireiros, clinicas, condomínios, decoradores, hotéis, indústrias, pontos comerciais e restaurantes.

CRESCENDO COM ITATIBA!

revista

Q

revista

EXPEDIENTE

TM

Auditoria feita para a confirmação da quantidade de (6.000 exemplares) realizada e aprovada no dia 08 de Junho de 2011 pela anunciante Márcia Rosana da Silva. Márcia Rosana

da

Silva

Você leitor e anunciante que quiser participar da auditoria para a próxima edição, entre em contato.


Í n d i c e Saúde

CAPA

Veículos

32

24

Christian Fittipaldi

Correndo contra o tempo Mais médicos em menos tempo Desafio do espelho

Educação

Como montar um 1.0 turbo Armadilha chinesa Clube do carro antigo

Tecnologia

42 Limites: Crianças e Adolescentes Vamos arrumar os cadernos?

36 Perfil

52 Tablet

60 Antonio Ferrari

Amor ao Próximo

10

Bicho

54

Moda

14

Economia

56

Turismo

30

Marketing

57

Inauguração

44

Aconteceu

58

Casa e Decoração

46

Música

59

Programa “Mãe Itatibense”

Não se enrole com a gravata

Turismo em duas rodas / Motorhome / Paris...u-lá-lá!

Café, muito prazer!

Parece mas não é / Tudo junto / Decorar espaços pequenos

Superpopulação de cães e gatos / Cuidados exóticos

Cheques e cartões entenda as principais mudanças

Clientes na rede

Dupla Edson & Luis grava DVD

Grupo Rhaas


TM

revista

Q

WWW.QREVISTA.COM.BR

AGOSTO/SETEMBRO2011 7


AGOSTO/SETEMBRO2011 Q

TM

revista

8 WWW.QREVISTA.COM.BR


Amor ao Próximo

Um sonho de fanfarra Elisa Feres|redacao@qrevista.com.br

Entre os anos de 1977 e 1987, Itatiba se destacou, não só no interior de São Paulo, mas em todo o território nacional, participando de competições de fanfarra. A FAMEB, principal grupo da cidade que atuou durante esses dez anos, chegou a ser três vezes campeã brasileira e nove vezes campeã estadual. Com o passar dos anos, porém, a fanfarra deixou de ser uma tradição por aqui. Até que, em 2010, o professor Marco Antônio de Camargo, 46, resolveu resgatar parte dessa história.

como funcionava, tivemos grande número de adesões”, disse. Atualmente, a FANASA possui cerca de 90 integrantes. “Um dos pontos mais interessantes desse projeto é que ele também tem um forte caráter social. Antes, o Porto Seguro era visto como um bairro perigoso, violento. Hoje, os próprios moradores se sentem melhor por aqui. Nós fazemos apresentações e ensaios pelas ruas, todos saem para assistir. Melhorou até mesmo a auto-estima dos nossos alunos”, explica. Agora, o grande sonho de Marco é conseguir uniformes para a sua fanfarra. Assim, o grupo poderá viajar e participar de competições pela região. “Nós já pedimos e a prefeitura já nos garantiu essa ajuda. Quando isso acontecer, será mais um sonho realizado para mim”. Para participar da FANASA, basta fazer a inscrição diretamente na escola. Q

AGOSTO/SETEMBRO2011 Q

TM

revista

10 WWW.QREVISTA.COM.BR

revista

TM

Marco era um dos integrantes da antiga FAMEB. Com o encerramento das atividades daquele grupo, ele começou a pensar na ideia de montar, um dia, uma nova fanfarra na cidade. “Eu sempre tive o sonho de montar uma fanfarra em um bairro periférico de Itatiba. E uma das maneiras que encontrei para poder desenvolver esse projeto foi prestando concurso para diretor”, conta Marco. Após se tornar diretor da escola Profª. Nazareth de Siqueira Rangel Barbosa, em 2010, Marco criou o projeto e enviou para a Secretaria de Educação, que logo aprovou a criação da fanfarra. E, logo no início das atividades, já havia 70 alunos inscritos. “O começo foi mais difícil porque esses jovens não tinham noção alguma de fanfarra, nunca tinham visto uma apresentação. Mas, depois que expliquei


Studio Neide Tuon A preparação da pele da noiva pode começar a ser feita até seis meses antes do grande dia para obter como resultado uma pele perfeita e sem manchas. Para isso, contamos com tratamentos específicos para cada tipo de pele. Tudo começa com uma análise detalhada da pele da noiva, com o intuito de buscar qualidade através de produtos e equipamentos de alta tecnologia. O peeling de Diamante facial é um grande meio de renovação celular que devolve a elasticidade, clareia as manchas, diminui a oleosidade. Isso é feito usando uma ponteira de diamante que desliza sobre a pele promovendo uma esfoliação, reduzindo as rugas e diminuindo os poros que estão dilatados. O Studio Neide Tuon também disponibiliza um completo tratamento para acne com combinações de luzes de Leds, fazendo com que a decapagem de luz atue desde a inibição da atividade exagerada da glândula sebácea até a lesão já instalada. Também investimos em tratamentos corporais, tais como: combate a celulite, redução de medidas, diminuição de flacidez e terapias modeladoras que deixam o seu corpo novamente na medida certa, proporcionando momentos agradáveis para cuidar de si mesma. Se toda mulher já sonhou com seu casamento, temos a certeza de que depois de nosso atendimento personalizado ele será ainda mais encantador.

AGOSTO/SETEMBRO2011 Q

TM

revista

12 WWW.QREVISTA.COM.BR


TM

revista

Q

WWW.QREVISTA.COM.BR

AGOSTO/SETEMBRO2011 13


Moda

Não se enrole com a gravata Q! Revista

ensina a dar alguns nós na gravata

usá-los

e quando

sem dar um nó na sua cabeça

Amanda Dias de Souza | redacao@qrevista.com.br

Fato: existem mais de 80 tipos de nós de gravata. Outro fato: se muita gente se embanana na hora de fazer um, imagine aprender todos. Por sorte, isso não é necessário. Com a internet, está cada vez mais fácil dominar com maestria a arte de dar um nó na gravata. É possível até baixar aplicativos que ensinam passo a passo. Mas não é preciso ir mais longe. A Q! Revista apresenta agora os quatro nós mais importantes para o homem moderno, explicando qual é o melhor momento para utilizá-los. NÓ SIMPLES É o mais usado por aí e o mais fácil de dar. Vai bem na maioria das ocasiões e é melhor dado numa camisa de colarinho clássico, sem que este seja muito aberto, mas pode passar como uma opção nos outros também. Ótimo para quem tem pescoço curto, pois alonga. Use-o nas gravatas de tecido encorpado e pesado, já que numa de seda, por exemplo, vai ficar muito estreito. NÓ DUPLO É mais amplo do que o simples e dá um ar mais polido, formal ao seu look. Pode ser dado em todos os tipos de gravata, mas é melhor se dado nas de tecido leve ou médio. Cai bem na maioria das ocasiões.

Simples

DUPLO

WINDSOR

SEMI-WINDSOR

SEMI-WINDSOR É um nó que não é muito grosso nem muito fino (como o nó duplo) e, por isso, pode ser usado em gravatas de diferentes tecidos, caindo bem na maioria das ocasiões. Além de ser o mais usado por aqui, é bem mais fácil do que o windsor, que vem a seguir. Na dúvida, aposte nele. WINDSOR É o mais grosso e pomposo dos quatro. Dito por muitos, é o melhor para usar em situações mais formais ou nas quais você precisa passar uma ótima primeira impressão. Melhor usado com camisas de colarinho mais amplo de corte francês ou europeu, por exemplo, e em gravatas de tecido leve e fino. Também veste melhor os que têm pescoço longo e/ou magro. Não use com gravatas muito grossas. Fonte: http://homensmodernos.wordpress.com

AGOSTO/SETEMBRO2011 Q

TM

revista

14 WWW.QREVISTA.COM.BR


AGOSTO/SETEMBRO2011 Q

TM

revista

18 WWW.QREVISTA.COM.BR


Saúde - Colunista Sabrina Naldos

Terapia Cognitiva

TM

AGOSTO/SETEMBRO2011 Q

TM

revista

22 WWW.QREVISTA.COM.BR

comportamento você estará sendo empático e validando o sentimento de seu filho, além de ajudá-lo a nomear o que ele está sentindo neste momento. Não é o caso, nesse momento, de “comprar” outro peixinho. Resolução de problemas – Infelizmente, é nesse ponto que geralmente o sermão impera. Cada um quer defender o seu ponto de vista. Ninguém quer perder, e todos querem ganhar e, por isso, as imensas discussões acontecem. Sugiro um ótimo exercício: coloque no papel o problema. Liste-o do ponto de vista de todos, sem censura, e cada um pode ver livremente o problema de forma diferente. Uma vez que está definido o problema, o próximo passo consiste em listar todas as ideias e soluções, mesmo as mais absurdas. É neste momento que ocorre “uma tempestade de ideias”. Depois, todos juntos avaliam cada uma das idéias propostas, lembrando de observar o ponto de vista de todos e sem nenhum tipo de repressão. Desta forma, pode-se chegar a um consenso sobre as melhores ideias para resolução dos problemas, sendo de comum acordo a todos os envolvidos. Com as melhores ideias selecionadas, agora é o momento de se pensar em formas para colocá-las em prática. É importante também definir o que acontecerá caso alguém desrespeite o combinado. Se seu filho desrespeitar o acordo você pode, por exemplo, diminuir a mesada, não permitir que ele saia com amigos, etc. Por outro lado, poderá também definir o que acontecerá caso seja cumprido o que foi combinado, por exemplo, através de elogios, passeios extras, aumento da mesada, etc. O mais importante nessa estratégia proposta é perceber que estamos ouvindo todas as pessoas envolvidas, dando voz e validando a sua importância na solução desse problema. As chances de o problema ser resolvido são muito grandes, porque todos foram ouvidos e o que foi combinado respeitou a opinião de cada um. Não houve imposição unilateral. E, se caso algo sai do combinado, já foram acordadas as conseqüências. Nada é imprevisível e injusto. Dessa forma, estamos ensinando as crianças e os jovens a ter capacidade de negociação, a considerar os diferentes pontos de vista, a assumir um combinado e a arcar com as conseqüências dele. Diminuímos a violência doméstica e nos aproximamos dos nossos jovens. Experimentem! Geralmente as crianças e os jovens têm ótimas soluções para problemas, e muitas vezes são melhores do que aquelas que nós, adultos, propomos. Cuidado, pois geralmente não ouvimos as suas idéias, acreditando que não são maduros o suficiente para terem capacidade de resolverem problemas. Este é o mais puro mito. No consultório vejo crianças pequenas com idéias fantásticas, elas apenas precisam ser ouvidas e reconhecidas e isso não tira a autoridade do adulto, pelo contrário, mostra para as crianças e jovens que ouvir o outro e chegar num consenso é sabedoria. Pense nisso e ótimo mês! Q revista

Foto: Luciano Momesso

Quem nunca falou ou pensou essa frase: “CHEGA DE SERMÕES”. Por outro lado, quem nunca deu um sermão? Acredito que todos nós caímos nessa tentação. Afinal, de forma geral, ele nos dá uma sensação de desabafo, de alívio. Mas isto será verdade? Será que existe algum efeito nos sermões dados? Será que funciona para quem os recebe? No consultório, geralmente o que ouço dos pacientes é algo assim: eu falo, falo e ele não me ouve; até parece que falo para as paredes; eu já cansei de falar, mas não adianta; etc. Mas isto é a mais pura verdade, na maioria das vezes o sermão não exerce função alguma. Os sermões apenas desgastam a relação e as pessoas ganham fama de chatas. Desta forma, eu gostaria de dar algumas dicas para substituir os sermões e, assim, melhorar a comunicação, a afetividade e as estratégias de soluções de problemas na sua casa. Empatia – capacidade de reconhecer os sentimentos do outro, ou seja, saber colocar-se no lugar do outro. Termos um comportamento empático é fundamental para a boa convivência. Podemos começar com ações simples, como: olhar nos olhos, fazer sinais positivos com a cabeça mostrando que está interagindo com o outro e sinais sonoros como “humhum”, “sim”, “tá”, também contribuem para uma conversa mais empática. Desligar a TV, parar de fazer a atividade e voltar-se à pessoa é fundamental. Vamos pensar no quanto este comportamento é importante quando estamos lidando com uma criança em formação. Esse modelo será incorporado pela criança na sua vida afora. Reconhecer o sentimento do outro – muitas vezes nossos companheiros, filhos ou amigos reclamam de coisas ou situações que, pra nós, são banais ou insignificantes. Porém, se voltarmos à empatia e enxergar os sentimentos dele a partir dos seus olhos e das suas experiências, nós iremos ver que essa situação deixa de ser banal. Um bom exemplo: o peixinho do seu filho morreu. Como boa mãe ou pai, você, na maior boa vontade de resolver a situação que causa dor em seu filho, diz que vai comprar outro peixinho. Mas a criança dispara a chorar!!! Extremamente inconsolado, seu filho diz que não quer outro. Na verdade, essa criança está dizendo que está muito triste, pois perdeu seu amiguinho peixe e que ele era muito especial! Seria mais interessante conversar com a criança, mostrando que realmente é triste perder um amiguinho, que ele e o peixe se divertiram muito, que o peixinho foi um grande companheiro para ele, etc. Com este


Saúde • Fisioterapia

Correndo

o p m e t o a r t n co O

desafio da

Fisioterapia Esportiva

é conjugar menor tempo

com eficácia na reabilitação de lesões em atletas João Paulo L. Munhoz | redacao@qrevista.com.br

Nenhum atleta passa incólume pelas lesões ao longo de sua carreira. Contato físico vigoroso, movimentos repetitivos, músculos elevados à exaustão e explosões máximas são as principais causas de lesões musculares e em ligamentos. No histórico do futebol, por exemplo, é possível listar grandes craques que penduraram as chuteiras precocemente em decorrência desses suscetíveis hiatos, como Garrincha (que foi derrotado por sua artrose nos dois joelhos, agravada pelas inúmeras pancadas sofridas durante os jogos), Reinaldo (com lesão no menisco), e, talvez o caso mais insólito de resiliência no esporte, Ronaldo Nazário, o ‘Fenômeno’. Mas, se depender das pretensões e dos desejos de médicos e fisioterapeutas do esporte, a palavra “lesão” e o termo “reabilitação física” nunca mais causarão temores em atletas de ponta. Para eles, (diminuir o) tempo significa muito mais do que dinheiro: expressa o sucesso de um trabalho sistêmico e desgastante. E os investimentos cada vez maiores na área vêm ajudando esses profissionais nessa corrida contra o tempo. Os procedimentos cirúrgicos e de reabilitação aos quais foi submetido Ronaldo ‘Fenômeno’ possuem recursos muito mais avançados dos empregados na época de Garrincha e Reinaldo. “Antigamente, as intervenções cirúrgicas eram muito mais invasivas para os atletas”, diz o fisioterapeuta da Fisio Bem, em Itatiba, Henrique Monte do Nascimento. Atualmente, porém, intervenções cirúrgicas mais complicadas e muito comuns, como de reconstrução no ligamento cruzado, ganharam novos métodos que se tornaram cruciais, tanto para a qualidade quanto para a rapidez da reabilitação do atleta. “Isso foi e está sendo fundamental, já que os atletas têm pressa e apresentam muita ansiedade para voltar as suas atividades normais diárias”, explica. O trabalho do fisioterapeuta, portanto, age de forma conjugada com o do médico. A lógica, neste caso, é: quanto mais eficiente a cirurgia – posteriormente acrescentado de um trabalho de fortalecimento muscular e articular -, mais rápido é o retorno do jogador aos campos e maior é o seu tempo útil como atleta.

Fenômeno

revista

TM

Serviço: Henrique Monte do Nascimento - CREFITO 139808-F Tels.: 11 4538-6781 / 9681-4177 • e-mail: henriquemonte@hotmail.com Rua Campos Salles, 631 - Centro - Itatiba - SP 24 WWW.QREVISTA.COM.BR

Henrique

scimento

Monte do Na Fisioterapeuta

Foto: Lucimara Benedetti

AGOSTO/SETEMBRO2011 Q

TM

revista

A imagem de Ronaldo desmoronado no gramado do estádio Olímpico de Roma, no dia 12 de abril de 2000, com a patela solta após romper completamente o tendão patelar, deixou até seus rivais perplexos. Após verem as imagens, muitos especialistas decretaram o fim da carreira do então duas vezes eleito melhor do Mundo pela FIFA. Contrariando as previsões, Ronaldo surpreendentemente se recuperou a ponto de disputar, ganhar, ser artilheiro da Copa de 2002 e, de quebra, fisgar mais uma nomeação de melhor jogador de futebol do planeta no mesmo ano. “O papel do fisioterapeuta esportivo neste caso foi fundamental”, crê Nascimento. “Possivelmente, pelo estudo do caso, pode-se dizer que foi realizado um trabalho intenso de fortalecimento, pois durante o processo de recuperação da cirurgia ele perdeu muita massa muscular. Também foi feito alongamento para ganho de amplitude do movimento e tratamento analgésico”. Q


TM

revista

Q

WWW.QREVISTA.COM.BR

AGOSTO/SETEMBRO2011 25


Saúde • Plano de Saúde Vandré Luiz

de

Souza

Mais médicos Resolução

normativa da

ANS

em menos tempo

que determina prazo para atendimento através do plano de saúde entra em vigor em setembro

Amanda Dias de Souza | redacao@qrevista.com.br

O que muda com a Resolução? “Ela determina que a operadora de plano de saúde tenha profissionais credenciados para atender todas as especialidades descritas no contrato e também que os usuários sejam atendidos dentro de um prazo máximo”, explica Vandré. “A partir de setembro, quem vai marcar a consulta é a operadora, mas não há como escolher o médico. A operadora vai encaixar com aquele que pode atender dentro do prazo determinado”. 26 WWW.QREVISTA.COM.BR

O

que acontece se não houver um médico disponível dentro

do prazo?

“Caso a operadora não ofereça as alternativas para o atendimento deverá reembolsar os custos assumidos pelo beneficiário em até 30 dias. Nos casos de planos de saúde que não possuam alternativas de reembolso com valores definidos contratualmente, o reembolso de despesas deverá ser integral”, conta.

E se não houver um especialista na minha cidade? “A ANS explica que a norma visa que a operadora ofereça pelo menos um serviço ou profissional em cada área contratada. Em municípios onde não existam prestadores para serem credenciados, a operadora poderá oferecer rede assistencial nos municípios vizinhos”, explica Vandré. Casos de urgência e emergência têm um tratamento diferenciado. “A operadora deverá oferecer o atendimento invariavelmente no município onde foi demandado ou se responsabilizar pelo transporte do beneficiário até o seu credenciado”. Q TM

revista

Quem tem plano de saúde já viveu a situação: você liga para o médico para marcar a consulta e descobre que o atendimento particular pode ser feito no dia seguinte, mas através do plano de saúde é preciso esperar semanas ou até meses para se encaixar na agenda. Para evitar situações assim, a Agência Nacional de Saúde Suplementar, a ANS, publicou em junho a Resolução Normativa nº 259, que garante ao beneficiário de plano de saúde o atendimento, com previsão de prazos máximos, aos serviços e procedimentos por ele contratados. A Q! Revista conversou com Vandré Luiz de Souza, proprietário da corretora SG Saúde, para esclarecer algumas dúvidas sobre essa resolução que entra em vigor em setembro.

Confira os prazos para cada especialidade e mais informações sobre o assunto no site da Q! Revista. Serviço SG Saúde Corretora • Contato: 11 4524-0049 www.sgsaude.com • email: corretorsaude@uol.com.br AGOSTO/SETEMBRO2011 Q

TM

revista

Foto: Lucimara Benedetti

Empresário


TM

revista

Q

WWW.QREVISTA.COM.BR

AGOSTO/SETEMBRO2011 27


Desafio

do espelho

Nome: Antonella Rossi Fattori Idade: 26 anos Profissão: Cirurgiã Dentista Peso: 65 Kg Altura: 1.68 m Motivo para começar o programa na academia: Perder peso O que espera atingir em 6 meses: Menos gordura e mais massa magra!

28 WWW.QREVISTA.COM.BR

Três

itatibenses com objetivos diferentes querem mudar seus

corpos e suas vidas com muito exercício e determinação; acompanhe essa jornada. Amanda Dias de Souza | redacao@qrevista.com.br

O desafio é simples: estabelecer um objetivo e ter resultados visíveis em seis meses. Os desafiados são Antonella, Felipe e Fabiana, que você vai conhecer melhor em suas fichas abaixo. Seja para perder peso, ganhar massa ou ter formas mais definidas, esses três vão contar com o apoio e dicas da nutricionista Josiani Dian Leardini e devem mostrar comprometimento nos exercícios na Academia ForLife. Nessa primeira etapa, vamos conhecer os participantes, seus objetivos e as primeiras orientações da nutricionista.

Nome: Felipe Guimarães Coelho Idade: 28 anos Profissão: Designer Industrial Peso: 73,3kg Altura: 1,78 m Motivo para começar o programa na academia: Saúde e aparência. O que espera atingir em 6 meses: Bom ganho de massa magra e perda da massa de gordura.

Nome: Fabiana Rossi Idade: 22 anos Profissão: Protética Peso: 45 Kg Altura: 1.60 m Motivo para começar o programa na academia: Ganhar massa O que espera atingir em 6 meses: Formas mais definidas e mais massa magra

AGOSTO/SETEMBRO2011 Q

TM

revista

Saúde • Academia


Dicas

Fotos: Lucimara Benedetti

FABIANA ROSSI, QUE ESPERA ATINGIR EM 6 MESES FORMAS MAIS DEFINIDAS E MAIS MASSA MAGRA.

CORTE CARBOIDRATOS À NOITE O ideal é combinar uma carne magra (boi, peixe ou ave), uma porção de legumes e verduras à vontade ou até uma sopa de legumes sem carboidratos. Ao eliminar a ingestão de carboidratos à noite, o emagrecimento fica mais fácil. Quando o carboidrato entra, ele é metabolizado em forma de glicose, estimulando o pâncreas a liberar insulina para a corrente sangüínea; o que favorece o depósito de gordura nas células.

PROTEÍNA EM TODAS AS REFEIÇÕES Incluir proteína magra em todas as refeições. Se fizer isso, você se sente satisfeito por mais tempo, evitando ataques de fome fora de hora. Elas podem ser atum, barra de proteínas, carnes magras, claras de ovos, iogurte 0 % de gordura, omelete de ovos, peito de frango, peixes e queijos magros (cottage, ricota, fresco). CUIDADO COM MASSAS E PÃES As massas, os pães e grãos integrais também têm amido e, por isso, não devem ser liberados no jantar. BEBA MAIS ÁGUA Além de ser fundamental para hidratar o corpo, transportar os nutrientes para as células e ajudar a eliminar as toxinas produzidas pelo organismo, a água é uma aliada na perda de peso. Ingerida um pouco antes das refeições, diminui a sensação de fome, fazendo você maneirar na porção. REDUZA ALIMENTOS COM MUITA GORDURA Mesmo magros, os alimentos fontes de proteína carregam uma quantidade de gordura suficiente para as necessidades do seu corpo. Portanto, reduza ao máximo outras fontes de gordura, como carnes gordas, óleos e molhos gordurosos. TREINO INTENSO, AERÓBIOS E MUSCULAÇÃO A melhor forma de perder massa gorda e ganhar massa magra é combinar dieta e exercício. É simples: quando você come menos e se exercita mais, diminui o risco de estocar gordura. Além disso, o exercício aumenta a musculatura e, consequentemente, acelera o metabolismo para alimentar os músculos; o corpo gasta mais calorias mesmo em repouso.

CARBOIDRATOS Tão importante quanto as proteínas nunca deixe de fora o bom consumo de carboidratos, um das suas grandes funções é manter a água retida em seus músculos e ajudar na produção de insulina a combinação de carboidratos e proteínas são perfeitas para o aumento muscular. Alguns exemplos de alimentos ricos em carboidratos: Arroz, massas, açúcar (o carboidrato no organismo se transforma em açúcar, ou melhor, glicose).

ini n Leard Josiani Dia ta is n io ic Nutr

GORDURAS A gordura ajuda na produção de hormônios (entre eles a testosterona) o consumo de gorduras para quem pretende ganhar massa é bem indicado, mas cuidado com os tipos de gordura (não vá comer um pote de manteiga no café da manha) se consumido em excesso você terá problemas de colesterol, boas gorduras para serem consumidas são o azeite virgem ou extra-virgem, as gorduras de peixe (rico em ômega 3) e as nozes. FIBRAS E VITAMINAS No caso das fibras ela ajuda na formação do bolo fecal e acaba “sugando” as gorduras consumidas em excesso. Os melhores alimentos ricos em fibras são: couve, repolho, espinafre, almeirão, rúcula, acelga, brócolis, alface, cenoura, beterraba, mandioca, nabo, rabanete, laranja, tangerina, poncã, maçã, abacaxi, trigo, arroz, aveia, centeio, feijão, ervilha, lentilha e fava. As vitaminas A, B, B6, B9, B12, C, D, e E são ótimos exemplos de vitaminas para melhorar o rendimento muscular e facilmente encontrado em quase todos os alimentos. SUPLEMENTO Pode ser utilizado um whey protein não isolado e tribulus terrestris para ganho de massa muscular. Q TM

revista

MAIS REFEIÇÕES PEQUENAS AO DIA O hábito de passar longas horas sem comer faz com que seu corpo acione um mecanismo de economia de calorias para garantir energia até a próxima refeição e, com isso, o metabolismo fica preguiçoso. Tem mais: você fica faminto e tende a concentrar as calorias que deveriam ser distribuídas ao longo do dia em uma única refeição.

PROTEÍNAS Este é o alimento campeão para ajudar na criação da massa muscular, o consumo de carnes vermelhas serão de ótima ajuda em seu organismo, ovos leites, peixes e cereais também dão uma ajuda, mas invista em um bom pedaço de bife.

SUPLEMENTOS FELIPE Pode ser utilizado um thermogênico e uma dose de whey no pós treino. SUPLEMENTOS ANTONELLA Pode ser utilizado um ácido linoléico com picolinato de cromo e recomendaria que intensificasse mais os treinos de musculação com cargas, número de repetições, para deixá-la mais “forte”. Assim, terá uma queima de gordura, acelerando o metabolismo basal e tendo um ganho de massa magra. TM

revista

Q

WWW.QREVISTA.COM.BR

AGOSTO/SETEMBRO2011 29


Turismo

Turismo em duas Caminho

da

rodas

é opção para quem curte aventura, natureza e não tem medo de longas distâncias Amanda Dias de Souza |redacao@qrevista.com.br

oto

ucimara

enedetti

TM

AGOSTO/SETEMBRO2011 Q

TM

revista

30 WWW.QREVISTA.COM.BR

Basílica, sabendo que sem o carro de apoio ficamos mais vulneráveis a imprevistos. Gava conta que ficou sabendo do caminho através de outro ciclista, Gustavo Minutti Gava durante uma das viagens F :L B que fez saindo de Itatiba até Aparecida. Apaixonado pelo cicloturismo, juntou a fé com o esporte e o prazer de estar com a natureza. “Faço o caminho como uma forma de agradecer”. Pelo menos três meses antes da viagem que dura de 6 a 7 dias, Gustavo começa sua preparação mudando a alimentação e intensificando mais os treinos de pedal . “Não é possível enfrentar o caminho sem se preparar. É um caminho no qual tem que ter determinação para chegar. A bicicleta acaba se tornando parte do seu corpo.” Além das memórias, o empresário guarda os certificados de conclusão e as credenciais com os carimbos de todas as cidades por onde passou. Q revista

Muitas vezes o destino não é o mais importante, mas sim a viagem. Para quem curte apreciar a paisagem e não tem medo de passar dias na estrada, o cicloturismo é a modalidade indicada. Percorrer longas distâncias em cima da bike não é apenas um desafio, é uma forma de curtir a viagem. O Caminho da Fé é um exemplo de cicloturismo que atrai aventureiros e peregrinos. Inspirado no Caminho de Santiago de Compostela, na Espanha, foi criado para dar estrutura às pessoas que sempre fizeram peregrinação ao Santuário Nacional de Aparecida, oferecendo-lhes os necessários pontos de apoio. Com ajuda de um mapa e partindo de Águas da Prata, foi imaginado um caminho que chegasse até Aparecida privilegiando a rota mais lógica e que atendesse ao perfil peregrino, sem interferência política. Dando continuidade, seu traçado poderá sempre ser alterado, saindo do estado de São Paulo e cortando todo o Sul de Minas hoje são 497 km passando por mais de 23 cidades dos quais aproximadamente 300 km atravessando a Serra da Mantiqueira variando a altimetria de 700 até 1800m de altitude por estradas vicinais, trilhas, bosques e asfalto, proporcionando momentos de reflexão e fé, saúde física e psicológica e integração do homem com a natureza. O itatibense Gustavo Minutti Gava, 33, já fez o Caminho de bicicleta quatro vezes e espera repetir a viagem em 2011. “Quero fazer todos os anos. É como eu termino meu ano, faço um resumo de tudo o que fiz e faço planos para o ano seguinte”, contou o empresário que viaja sempre no mês de setembro. “Na minha primeira vez fiz com o grupo de ciclistas ItatiBiker´s e, contando com um carro de apoio, partimos de Tambaú. Na segunda também tive carro de apoio saindo de Descalvado, mas na terceira e quarta vez fiz sem apoio; é muito mais emocionante a chegada na


Turismo • Motorhome

No caminho para o fim O

casal

Silvia

e

do mundo

Ricardo Di Grazia deixa as terras brasileiras e América do Sul em sua casa sobre rodas

parte para desbravar a

Amanda Dias de Souza |redacao@qrevista.com.br

TM

TM

revista

Q

go) somente de passagem, afinal grandes centros não são o nosso negócio. Q revista

Nesta edição vamos relatar a 3ª Etapa do Projeto Águia “O Sonho”. Nosso destino será o fim do mundo, isto mesmo, indo para o Ushuaia – Patagônia Argentina. Não existe no mundo outra cidade na mesma latitude, por este motivo a cidade de Ushuaia é chamada de O FIM DO MUNDO. Quando perguntado o porquê de chegar até o fim do mundo, temos a resposta: “é um grande desafio”, e não existe aventureiro que não tenha o sonho de ir para o Ushuaia. Optamos em seguir via Sul do Brasil (saímos pelo Chuí). Aproveitamos para rodar o Uruguai, Chile e percorrer o interior da Argentina. Como princípio, procuramos nunca passar duas vezes pelo mesmo local, ou seja, pretendíamos ir por um caminho e voltar pelo outro. Este roteiro teve uma duração de 142 dias (5 meses), com 19.314 km rodados. Nos países que visitamos, focamos mais conhecer as cidades do interior e seus pontos turísticos, as grandes cidades (Montevidéu, Buenos Aires e Santia-

WWW.QREVISTA.COM.BR

AGOSTO/SETEMBRO2011 31


CAPA

A toda

velocidade

Christian 2011

Em parceria com o site Amigos da Velocidade, a Q! Revista Christian Fittipaldi, realeza do automobilismo brasileiro

entrevista

Por: Sandro Varela @sandrovarela Amigos da Velocidade – Yahoo!

Christian Fittipaldi já está na casa dos 40 anos. O filho de Wilsinho, sobrinho de Emerson, mudou bastante sua vida recentemente. O piloto voltou a morar no Brasil, depois de anos radicado nos EUA, e decidiu montar uma equipe de competição, correndo com carros de turismo no Trofeo Linea. Também iniciou o trabalho de comentarista de F-1 na rádio Jovem Pan de São Paulo. Além disso, e certamente o mais importante, tornou-se pai. Christian acumula uma experiência notável no automobilismo. Correu na Fórmula 1, na Fórmula Indy, na NASCAR, na Stock Car (Brasil), sem contar outras categorias. É um dos poucos brasileiros que venceram as tradicionais 24 Horas de Daytona e, de quebra, ele ganhou também as 24 Horas de Spa-Francorchamps – outra importante corrida de longa duração. Na entrevista exclusiva que segue, Christian Fittipaldi desenha um panorama de sua nova vida. E diz que deveria ter insistido mais na F-1, deixando a sensação de que ficou com algo inacabado na categoria. Christian entende que, a não ser por uma catástrofe, Sebastian Vettel conquista o bicampeonato mundial nesse ano. Confira: Q! Revista: Christian, seu 2011 por enquanto está atribulado no Trofeo Linea. Quais as razões para um começo de ano complicado? Christian Fittipaldi: Por incrível que pareça, nosso carro está mais rápido do que no ano passado. Se comparar a corrida de São Paulo deste ano com a do ano passado, estávamos bem

11 féu Linea 20 ro T n a ti s ri h C

Fotos José Mário Dias

mais competitivos. Em Brasília, na segunda corrida, perdi a pole por dois centésimos e o carro também estava melhor. Infelizmente, sofri batidas nas duas corridas e isso me prejudicou. O problema é que não consegui terminar as corridas. Em São Paulo, na primeira prova, tive uma quebra e abandonei. Na segunda, larguei em último e fui quarto. Em Brasília, não terminei nenhuma das duas, porque levei as batidas. Então, se terminar as corridas, acho que vamos ter bons resultados. Q!: O que esperar das próximas pistas que o Trofeo Linea vai correr? CF: Acho que vai ser tão competitivo quanto nas outras duas pistas. Fizemos uma modificação no carro da etapa de São Paulo para Brasília e já andamos bem melhor. Não vejo motivo para não continuarmos melhorando. Estou esperando boas corridas. Existe outros 4 ou 5 carros que são ‘ossos duros de roer’, mas acho que também vamos andar bem. Q!: Sobre a F-1, como é comentar as corridas na Jovem Pan? CF: Tenho aprendido bastante desde o começo. Me divirto nas transmissões e estou pegando gosto. Me dou muito bem com o Téo José (desde a Fórmula Indy), também me dou bem com o Felipe (Motta) e o mestre (Claudio) CarAGOSTO/SETEMBRO2011 Q

TM

revista

32 WWW.QREVISTA.COM.BR


TM

revista

Q

WWW.QREVISTA.COM.BR

AGOSTO/SETEMBRO2011 33


Christian Fórmula 1 1993

Christian Kart

1999

1999

Q!: Em relação aos acidentes que o Lewis Hamilton se envolveu neste ano, qual sua opinião? Ousadia demais ou muita vontade do inglês da McLaren? CF: Acho que foi muita agressividade. Em alguns incidentes, colocaram mais culpa nele do que realmente ele tinha e outros ele cometeu mesmo. Teve 100% de culpa. Mas acho que foi pela agressividade. Q!: E o quer dizer de Sebastian Vettel, ele leva o ano fácil ou ainda há chance de reviravolta? CF: Com certeza ele leva o ano fácil. Ele está guiando o melhor carro da F-1 ou o segundo melhor. Está numa fase fantástica, já tem um título no bolso e vai em busca do bicampeonato. Não vejo isso não acontecendo. A não ser por uma fatalidade muito grande. Q!: Sempre dizem que a vida começa aos 40. Olhando para trás, o que você mudaria na sua carreira se tivesse uma segunda 34 WWW.QREVISTA.COM.BR

chance? CF: Poderia passar horas dizendo o que mudaria, mas se tivesse que escolher uma coisa talvez eu tivesse começado a correr na F-1 um pouco mais tarde. Hoje vejo a diferença que faz estar lá com 20 ou 23 anos. Deveria ter segurado um pouco mais. Além disso, também deveria ter insistido um pouco mais na F-1. Havia poucas vagas, não insisti o suficiente e fui para a Indy. Achei que fosse ficar lá um ano e voltar. Mas no meio da primeira temporada, eu já fechei um contrato de três anos com a Newman Haas, renovei por dois e quando vi já tinham passado cinco anos - o que, na vida do atleta, é uma infinidade. Quando olhei pra trás já tinha perdido o meu bonde na F-1. Q TM

*Editado por Rogério Elias & Guilherme Baptistella Rogério Elias é especialista em automobilismo e editor-chefe do site Amigos da Velocidade Carlos Guilherme Baptistella é especialista em automobilismo e colaborador do site Amigos da Velocidade AGOSTO/SETEMBRO2011 Q

TM

revista

sughi. É muito divertido, ninguém compete, um acrescenta para o outro. É uma equipe que tem funcionado extremamente bem.

revista

Christian Fórmula 1 1994


TM

revista

Q

WWW.QREVISTA.COM.BR

AGOSTO/SETEMBRO2011 35


RECEITA COMPLETA Todos

os detalhes de como montar um

Ter um carro preparado com muitos cavalos para rodar no dia a dia, não é uma escolha muito feliz. Além do alto consumo de combustível, também existe aquela preocupação de onde estacionar e, frequentemente, alguma peça precisa de substituição ou ajuste, então você fica a pé. Muitos entusiastas acabaram por optar em ter um carro 1.0 ou uma moto, para enfrentar o trânsito e deixaram o ‘brinquedo matador da faixa esquerda’, para os finais de semana. Andar de moto é muito divertido, pois, além da mobilidade, você sabe que por menor que seja o motor, ele foi feito para produzir o máximo de cavalos. Os pontos fracos são a insegurança e os dias de chuva. Pra quem escolheu o 1.0, o problema da chuva não existe, mas pisar no acelerador parece consumir o estômago, é como uma úlcera. Existe um consumo proporcionalmente inverso entre combustível e paciência. Mas seus dias de desespero podem chegar ao fim, como mostra esse Gol 1.0 2008/9. Um carro que, na fase aspirada, tem consumo menor que o original e, quando necessário, pode produzir mais de 100 cavalos. Você pode ter um carro econômico e no início do mês, quando a conta corrente estiver gorda, fica a seu critério abusar do consumo e potência. Esse carro roda a 12 mil km apenas com trocas de óleo, nem a embreagem de fábrica pediu socorro. O feliz proprietário do Gol 1.0 é Rafael Moreschi, morador da cidade de São José do Rio Preto (SP) e profissional do ramo automotivo. A primeira modificação do VW, foi a instalação da injeção eletrônica mapeável EFI-4 da Pandoo. “Nessa época eu viajava a trabalho duas vezes por semana com o carro. Com o novo mapa de ponto que programei, o motor ficou mais solto e o consumo diminuiu com a estratégia de correção por sonda que escolhi. Gosto de andar rápido e, nessa

36 WWW.QREVISTA.COM.BR

1.0

turbo para o dia a dia

condição, ele percorria onze quilômetros com um litro de álcool na estrada”, conta Rafael. O passo seguinte foi instalar o sistema de turbo, que tem coletor em ferro fundido da SPA e um turbo Garrett da família T2, montado pela DNT. Como o carro anda muito em estradas, as medidas internas do sobrealimentador são superiores as tradicionais de T2: eixo de 42mm e rotor de 40mm. O turbo está regulado para 0,8 BAR e é alimentado por quatro injetores de GM Montana 1.8, com vazão ampliada em 50%. O restante do sistema de combustível está como saiu de fábrica. A parte de ignição sofreu algumas modificações: velas mais frias NGK VPower 9 e a ignição interna das bobinas foi removida e substituída por um módulo indutivo Spark Doo 2. Nos regimes de 1.000 a 4.500 RPM com até 80% de TPS e 0,1 BAR de turbo a EFI-4, está programada para manter a sonda em 580 mV, bem próxima da mistura estequiométrica. Nessa condição de malha aberta, o gerenciador mantém o ponto de ignição como programado e o tempo de injeção é alterado constantemente para satisfazer o alvo de sonda escolhido. Quando o acelerador passa dos 80%, ou o turbo enche ‘de acordo’, a injeção obedece ao mapa programado, malha fechada. Esse carro tem borboleta eletrônica, então foi necessário usar o driver E-TPS, também da Pandoo. No estilo ‘race’ de dirigir de Rafael, que produz performance suficiente para ficar a frente do Astra 2.0 do seu irmão, o consumo está em 7,5km/l de álcool, em um trajeto misto. Para quem ficou interessado na proposta dele, o completo mapa de injeção, ignição e correções da sua injeção está disponível em nossa redação, basta enviar um e-mail para tecnica@racemaster.com.br que encaminhamos para você. Q TM

AGOSTO/SETEMBRO2011 Q

TM

revista

STREET CA oncellos Por Régis Vasc ey G. Filho Fotos por Sidn

revista

7 ASTER 0 RACE M O B R R/ GOL 1.0 TU


Veículo - Culunista

Armadilha

Chinesa Aloysio S. Coelho redacao@qrevista.com.br

Um dos temas mais comentados no momento, tanto na imprensa especializada quanto entre os profissionais da área automobilística é a chegada dos automóveis chineses, agora de forma planejada, com forte campanha publicitária, ampla rede de distribuição, assistência técnica e design ligeiramente mais agradável do que o dos primeiros exemplares. As reações são variadas, com os mais otimistas afirmando que os carros chineses não têm qualidade nem segurança para competir com os nossos e os pessimistas prevendo o fim da “nossa” indústria automobilística. Aos primeiros, sugiro que aguardem mais uns quatro ou cinco anos e acompanhem o que acontecerá com a qualidade e o design dos próximos lançamentos chineses, assim como ocorreu com os coreanos. Aos segundos, lembro que “nós” não temos indústria automobilística, uma vez que, em 55 anos de história, o Brasil não teve competência para consolidar ao menos uma das muitas iniciativas que aqui surgiram. Ao contrário da China, todas as montadoras aqui instaladas são estrangeiras. Portanto, alguma reação à invasão chinesa dependerá apenas dos interesses e estratégias internacionais das montadoras aqui instaladas, que, por sinal, andam tomando uma surra em outros mercados emergentes. Outra novidade é que muito em breve nossos profissionais da área automobilística, além de patrões americanos, europeus e japoneses, passarão a ter patrões chineses, como o pessoal da indústria eletroeletrônica já está tendo o prazer. O que estamos vivendo não deveria ser surpresa. Trata-se

TM

TM

revista

Q

próprios japoneses. Tentaremos competir baixando custos e reduzindo a qualidade de nossos produtos, enquanto os chineses persistirão em seu plano de longo prazo, investindo em design, tecnologia e qualidade. Pesquisas recentes mostraram que o público brasileiro já considera vantajosa a compra de automóveis chineses, quando leva em conta preço versus equipamentos de série. Lembro-me bem do tempo em que trabalhava na Autolatina, casamento exótico entre Ford e Volkswagen, e tínhamos conosco alguns projetistas chineses em treinamento. Estávamos no final dos anos oitenta e o melhor carro que se fabricava na China era o nosso velho Santana, um pouco alongado. Vinte anos depois eles estão próximos de se tornar os maiores fabricantes mundiais de automóveis. A armadilha é simples: invadem-nos com produtos baratos, desaprendemos como fazer os nossos e continuamos a cavar o chão, exportar pedra e importar produtos industrializados cada vez mais sofisticados. Afinal de contas, somos fidalgos e temos origem europeia. Estudo e trabalho duro ficam para os povos menos sofisticados. Em 16/07/11, quando concluía esta coluna, o jornal O Estado de S. Paulo publicou a seguinte notícia: “No primeiro semestre deste ano, as marcas chinesas venderam 26,5 mil veículos no Brasil, 54,8% a mais que em todo o ano de 2010”. Armadilhas apostam justamente na ingenuidade e na preguiça de suas vítimas. Oferecem alguma facilidade e o desavisado perde a liberdade ou a própria vida. Q revista

Foto: Divulgação

apenas da repetição do que aconteceu no final dos anos 50 com a invasão de produtos japoneses e mais recentemente com os coreanos, que inclusive já superam em inovação, qualidade e design os

WWW.QREVISTA.COM.BR

AGOSTO/SETEMBRO2011 37


Clube do Carro Antigo

Um Chevrolet que

conquistou três gerações

Osvaldo Nikonovas

fala sobre sua coleção que começou com a paixão de seu pai e continua agora com a sua filha

Fotos Lucimara Benedetti

Amanda Dias de Souza| redacao@qrevista.com.br

Osvaldo Nikonovas com Rosangela Cosenza Nikonovas e filha Natacha Cosenza Nikonovas sua esposa

Como começou a colecionar: Comecei minha coleção em 2007, quando, ao rever algumas fotos antigas de meu pai, deparei-me com uma que chamou muito a atenção, pois se travava de um Chevrolet 1951, onde ele estava ao lado do mesmo, daí minha paixão pelo carro. Foi enorme a minha surpresa ao comentar com um amigo sobre a foto, e o mesmo me falou que tinha um exemplar em sua garagem e que pretendia vendê-lo, mas havia um porém: seu motor estava fundido. Fui ver o carro e foi paixão a primeira vista, pois mesmo com o motor fundido, a lataria estava totalmente alinhada e em perfeito estado, to38 WWW.QREVISTA.COM.BR

Dicas para quem quer começar uma coleção: Uma dica para aqueles que já querem sair rodando é procurar um carro já pronto, mas se quiser botar a mão na ferrugem, tem inúmeros modelos esperando para serem cuidados, ou melhor, recuperados. Mas aviso: isso leva tempo. Q TM

Serviço: Osvaldo Nikonovas e-mail: clubedocarroantigodeitatiba@hotmail.com AGOSTO/SETEMBRO2011 Q

TM

revista

Carros de coleção: Chevrolet Styleline de luxo, 4 portas, preto, 1951, com 97% de originalidade, adquirido em 2008; Ford Landau ano 79 em fase de restauração e “um fordinho branco da sogra, ano 1929, adquirido em julho de 2011, de cor verde”

talmente original. Não deu outra: negociei com ele os valores e acabei pegando o mesmo. No afinal da restauração - depois de diversas idas e vindas de peças erradas - com problemas sanados, fomos fazer os devidos testes. Ficou maravilhoso, andando muito bem e macio; nem parecia um carro com 59 anos de existência. Minha filha, que também se apaixonou, me pediu que a levasse para a sua festa de seus 15 anos no carro. Foi um sucesso total, todos amaram e a partir daí minha paixão, ou melhor, a paixão de toda minha família aumentou.

revista

Proprietário: Osvaldo Nikonovas, comerciante


Turismo

PARIS...U-LÁ-LÁ!

Ah, Paris! Chegar

a esta cidade sem sentir uma forte emoção batendo no peito é difícil... Sheyla Desirée Flaibam|redacao@qrevista.com.br

Tudo em Paris dá a impressão de harmonia, arte, charme e cultura. Poucos são os que conseguem permanecer indiferentes à magia da Cidade Luz. Entre o aeroporto e o hotel mil coisas já excitam nossa imaginação e nos dão ímpetos de saltar do táxi ali mesmo e já sair pelas ruas, sem perder um só minuto. Por onde começar a visita? Eis aí uma pergunta difícil, pois toda Paris merece ser percorrida. Se você está chegando pela primeira vez e, quem sabe numa excursão, com certeza irá começar pelos pontos turísticos tradicionais, como a Torre Eiffel, Arco do Triunfo, Louvre e Catedral de Notre Dame. Mas nem pense em ficar só no óbvio. Permaneça na cidade alguns dias a mais, por conta própria, para conhecê-la mais intimamente, com calma. Paris é dividida em “arrondisements” e uma boa forma de conhecer a cidade é dedicar uma manhã ou tarde a cada uma destas regiões, caminhando e deixando-se levar pelo que vier pela frente. Basta um carnet do metrô, um mapa da cidade, um mapa do metrô e pronto, você está apto para iniciar a conquista da Cidade Luz! Descer a Champs Elisées, almoçar no Chez Clement, (plat Du jour, a preço convidativo), tomar um café no bar do George V, ver as vitrines da Louis Vuiton, Chanel, Prada, entre outras. Parar na Ladurée, para saborear o melhor macaron de Paris (verdadeiro patrimônio da gastronomia francesa). Descendo um pouco mais e, virando a direita, flanar pela Av. Montaigne, onde se concentram as melhores e mais caras grifes e o famoso Hotel Plaza Athenée. Visitar o Petit e o Grand Palais, atravessar a Pont Alexandre III, um presente dos russos para a França. Caminhar as margens do Sena e ver o “vai e vem” dos parisienses, comprar pôster e livros nas barracas ao lado do rio. Não deixe de visitar também um dos mais famosos museus do mundo, o Louvre. Mas não deixe de sorver um delicioso café “avec croissant” sentado em seu Café Marly. Vá a Montmartre, lá você encontrará um imenso carrousel. As escadarias desse bairro nos conduzem à Paris dos cafés e pintores de rua, concentrados na Place du Tertre e arredores. Eternize esse momento, pois há sempre artistas se oferecendo para pintar seu retrato ou pintando suas telas tendo Paris como motivo. Cést Paris!!! Quantas vezes você for, quantas vezes serão necessárias para descobrí-la. É impossível definir toda magia nela contida, em uma página apenas! Q

Torre Eiffel

Jardin

de

Grand Palais

Luxemburg

revista

TM

40 WWW.QREVISTA.COM.BR

Hotel Plaza Athenée AGOSTO/SETEMBRO2011 Q

TM

revista

Louvre


Vanessa Chenta Psicóloga

Educação

Patrícia Gianini

Limites:

Psicóloga

Crianças e Adolescentes

É importante: • Levar em conta a personalidade e o temperamento individual dos filhos. Os limites devem ser, num certo sentido, feitos na “medida”. • Os pais nunca devem esquecer de que justamente eles devem ser exemplos pelos mesmos limites. • Demonstrar o bom efeito do cumprimento dos limites por meio de elogios e carinhos e jamais por compensações materiais. Q TM

AGOSTO/SETEMBRO2011 Q

TM

revista

42 WWW.QREVISTA.COM.BR

Foto: Lucimara Benedetti

não fazer, e podendo prever o que ocorrerá em caso de descumprimento. Pais que não toleram a frustração momentânea de seus filhos ensinam a mensagem que se deve obter tudo o que se deseja a qualquer custo e que qualquer sofrimento é intolerável. Um limite não deve ser quebrado porque a criança teve alguma reação negativa. É natural que ela teste os limites e é função do adulto manter o que foi combinado anteriormente. Os limites, uma vez colocados, devem ser respeitados. Como fazer isso? Fornecendo as conseqüências previstas para o seu descumprimento e das quais a criança já deverá ter sido informada anteriormente (não brincar por não ter estudado, ir para o quarto se estiver jogando tudo no chão, não ir ao shopping se a nota tiver sido baixa, etc.). As consequências devem ser significativas à criança, caso contrário, ela não se esforçará para respeitar os limites. É importante dizer que, além das consequências restritivas ao descumprimento de limites, conseqüências positivas devem se seguir ao cumprimento dos limites. A criança deve ser incentivada a cumprir acordos com elogios, atenção e afeto. Reforçar positivamente é o segredo da aprendizagem. A criança, após repetições de punições e elogios, passa a compreender que é melhor seguir o modelo dos limites e receber afeto do que deixar de receber. Fica a dica então: Mais e melhor do que punir o inadequado é reforçar o que é adequado. Algumas das orientações anteriores podem parecer fáceis e até óbvias, mas o fato é que adultos em geral têm uma grande dificuldade em implementá-las. Alguns tentam uma vez e desistem logo na primeira frustração. Mas o estabelecimento e o cumprimento de limites é uma aprendizagem para pais e filhos que vale a pena se permitir. Em caso de necessidade, vale a orientação de sempre: Procure um profissional especializado para ajudá-lo, como psicólogos e psicopedagogos. Os limites são um dos pilares para uma boa educação, pois fornecem aquele sentido de segurança física e emotiva de que ela tanto necessita para aprender as grandes lições do autocontrole e do comportamento ético. Mas, justamente, porque ajudam a formar a estrutura da personalidade, os limites devem ser coerentes, mas também o olhar desses cuidadores também tem que ter limite, para poder identificar os comportamentos “fora dos padrões”; sendo assim, é preciso ter um olhar para esses padrões pré-estabelecidos e observar se estão fora mesmo (algo para ser pensado).

revista

Frequentemente ouvimos queixas de pais e professores em gerenciarem limites com relação a crianças e adolescentes. Pais sobrecarregados pelas tarefas profissionais ou mesmo domésticas, tendem a passar menos tempo com os seus filhos e, frequentemente, delegam a responsabilidade de sua educação a terceiros, como a própria escola. Outros têm tempo para seus filhos, porém, não sabem como gerenciar as dificuldades no estabelecimento de limites. Saber impor limites e respeitá-los é uma tarefa difícil não somente às crianças e jovens, mas também é difícil aos pais e professores. Por quê? Alguns, movidos pela ‘culpa’ em função do pouco tempo dispendido aos filhos, acabam por fazer concessões que podem desfavorecer o aprendizado de regras culturais e morais importantes. Há, ainda, aqueles que tentam utilizar as orientações oferecidas em tempos passados, em que a educação caracterizada por limites muito severos era criticada, entendendo que dizer ‘não’ aos filhos pode ser ‘prejudicial’. A excessiva severidade, de fato, é desaconselhada, mas a liberdade extrema é igualmente prejudicial. A ausência de regras e limites na educação pode trazer sérios problemas ao relacionamento familiar, além de produzir adolescentes e adultos com falhas em seu desenvolvimento pessoal e social, entre eles, não saber lidar com a frustração e a infelicidade pessoal, o envolvimento com drogas, a delinquência juvenil, ou até mesmo, o desenvolvimento de ‘psicopatias’ ou ‘sociopatias’. A análise do comportamento e a psicologia possuem inúmeros estudos que comprovam a eficácia de algumas medidas razoavelmente simples, que os pais desconhecem ou encontram dificuldades para executá-las. Em primeiro lugar, é necessário definir quais limites se deseja estabelecer, ou seja, o que ‘pode’ e o que ‘não pode’ ser feito, o que vale a pena proibir, quais regras vale a pena estipular ou não. Isso varia de acordo com a época histórica em que vivemos, com a cultura na qual estamos inseridos, com cada família e com a idade da criança ou do adolescente, bem como o seu nível de desenvolvimento. Uma vez estabelecidos quais limites respeitar (horário de dormir, das refeições, dos estudos, das saídas com amigos, gerenciamento da mesada etc.), é necessário explicitá-los antecipadamente por meio de uma conversa, deixando claras quais conseqüências se seguirão ao seu descumprimento. Qualquer limite deve ser o mais claro possível, deve ser breve e sem aqueles intermináveis rodeios e justificativas, em outras palavras, se deve ir direto ao ponto. É importante agir com firmeza e sem hesitação. Uma criança identifica quando um “não” pode ser um “talvez” e, nesse caso, não irá cumprir o estipulado. Pais e professores inseguros em suas decisões geram crianças que testam suas possibilidades, de acordo com seus desejos, que nem sempre são os mais recomendáveis naquela situação. As crianças não ficam infelizes com a imposição de regras e limites. Pelo contrário, sentem-se mais seguras sabendo o que podem ou


Educação • Volta às aulas

Vamos arrumar

os cadernos? Roberta de Sá|redacao@qrevista.com.br

Isabela Papa Teixeira é um exemplo quando o assunto é organização do caderno

As férias escolares, se ainda não acabaram, serão encerradas em breve. Então, nada melhor do que iniciar o segundo semestre com o material em ordem e com um novo ‘pique’ para concluir o ano. Grande parte dos alunos não se importa muito com seus cadernos e fichários. A capa geralmente é maravilhosa, mas dentro... Folhas estragadas, rabiscadas, rasgadas e até sujas. No entanto, isso não é muito bom: pode até atrapalhar o desempenho do estudante e dar uma impressão errada sobre ele. Apesar da pouca idade – 11 anos -, a aluna do sétimo ano Isabela Papa Teixeira é um exemplo quando o assunto é organização do caderno. A garota optou por um de dez matérias e fez a divisão conforme a necessidade da disciplina: para português e matemática, como há mais deveres, deixou mais folhas. Ela também utiliza muitas canetas coloridas para dar um charme todo especial ao que escreve. A letra está sempre muito caprichada e até o famoso branquinho, ela evita usar. Figurinhas ainda completam a ‘decoração’. “Isabela, desde o pré, cuida muito de seus cadernos. Isso ajuda a mostrar o quanto ela é dedicada aos estudos e que é uma boa aluna”, comenta orgulhosa a mãe da menina, Maria Cristina Papa. Ninguém precisa ser totalmente igual à estudante. No entanto, para a psicóloga e psicopedagoga da Escola Criatibrincando Berçário e Educação Infantil, Patrícia Pacheco, ter cuidado com o material escolar, principalmente com os cadernos e fichários, é sempre importante, porque o aluno que mantém organizado acaba tendo mais motivação quando vai estudar para uma prova, por exemplo. “Isso também mostra o quanto o estudante está valorizando a escola e o aprendizado”, ressalta. Para ela, deixar o caderno arrumadinho é simples. “Deixe sempre as matérias em dia; ao faltar na escola, não deixe acumular matéria; escolha um ambiente e um local limpo para fazer as lições; tenha todos os materiais – lápis, lapiseira, caneta, régua, apontador e borracha – organizados e à mão; e procure caprichar na letra”, destaca. Segundo a especialista, os pais também devem ficar atentos a isso. “O acompanhamento é sempre essencial para o bom desempenho da criança ou do adolescente.”Q revista

TM

TM

revista

Q

WWW.QREVISTA.COM.BR

AGOSTO/SETEMBRO2011 43


Café, muito prazer!

Inauguração

Bebida que faz parte da cultura brasileira ganha espaço privilegiado na Estação das Flores

• O café é originário das terras altas da Etiópia (possivelmente com culturas no Sudão e Quênia) e difundiu-se para o mundo através do Egito e da Europa. • A introdução da cultura cafeeira no Brasil aconteceu em 1727, quando algumas mudas foram trazidas da Guiana Francesa e plantadas em Belém do Pará.

44 WWW.QREVISTA.COM.BR

TM

revista

Curiosidades do fundo da cafeteira

• Atualmente o Brasil é o maior produtor mundial de café, sendo responsável por 30% do mercado internacional de café, volume equivalente à soma da produção dos outros seis maiores países produtores. É também o segundo mercado consumidor, atrás somente dos Estados Unidos. • Em alguns períodos da década de 1980, o café era a segunda commodity mais negociada no mundo por valor monetário, atrás apenas do petróleo. • Em 1822, surgiu na França o protótipo da primeira máquina de café expresso. Em 1855, é apresentada em uma exposição, em Paris, uma máquina mais desenvolvida, mas foi na Itália que a aperfeiçoaram. • Assim, coube aos italianos, apenas em 1905, comercializar a primeira máquina de expresso, precisamente no mesmo ano em que foi inventado um processo que permitia descafeinar o café. Q

AGOSTO/SETEMBRO2011 Q

TM

revista

Muita gente não consegue começar o dia sem um cafezinho. No Brasil, a tradição do café é tão antiga quanto a sua cultura e a sua relação com Itatiba também é muito próxima. O café é parte do cotidiano brasileiro e é associado a momentos alegres e de prazer. A Estação das Flores inaugura no começo de agosto um espaço reservado para aqueles que sabem que café é tudo de bom. “Minha intenção é abrir algo diferenciado em Itatiba, uma cafeteria aconchegante, ao fundo tocando MPB ou jazz, única na cidade com uma máquina de expresso legitimamente italiana”, explica o proprietário Tiago De Nardi. Segundo ele, o lugar tem tudo para se tornar um ponto de encontro. “Será um lugar perfeito para bater um papo ou fazer uma happy hour no fim da tarde”.

Foto: Lucimara Benedetti

Amanda Dias de Souza |redacao@qrevista.com.br


TM

revista

Q

WWW.QREVISTA.COM.BR

AGOSTO/SETEMBRO2011 45


Casa e Decoração

Parece

mas não é

Tecnologia HD transforma porcelanatos nas mais diferentes texturas com perfeição Amanda Dias de Souza |redacao@qrevista.com.br

Conheça um pouco mais sobre alguns estilos de porcelanato. Madeira – Linha Wood HD, o porcelanato da coleção Madeira é apresentado em dois acabamentos. O Demolição HD, com a aparência rústica e os veios da madeira de demolição que retrata madeiras encontradas em construções históricas e o modelo Parquet HD, que confere ao ambiente a elegância das madeiras nobres. Breccia HD – Linha Stone, o porcelanato Breccia HD utiliza a técnica do relevo de prensa para criar no revestimento o desenho de relevos apresentados nas pedras canjiquinhas. Minerale – Linha Sedimento, o Minerale é um porcelanato esmaltado, com acabamento rústico e alto coeficiente de atrito, tem fácil manutenção. Petra Nativa HD – Linha Stone, o revestimento Petra Nativa HD, acetinado, com aparência rústica e aspecto fino, utiliza a técnica do relevo de prensa, o resultado é a sensação de sobreposição e naturalidade das pedras. Q TM

AGOSTO/SETEMBRO2011 Q

TM

revista

46 WWW.QREVISTA.COM.BR

tricamente retas e se encaixam perfeitamente. “Uma grande vantagem é a praticidade da manutenção e também a possibilidade de ser utilizado em exteriores. Para um deque, por exemplo, a manutenção da madeira exposta é trabalhosa e cara. Com o uso do porcelanato, o visual é o mesmo e não há essa preocupação com a deterioração”, conta.

revista

A impressão digital foi o principal destaque das cerâmicas e porcelanatos na Expo Revestir neste ano. Os fabricantes, que já gostavam de produzir cerâmicas imitando outros materiais, conseguiram através desta técnica uma riqueza maior de detalhes. Este sistema, realizado com a máquina Inkjet, traz como vantagens a alta definição da imagem (HD), variação visual ilimitada (Infinity Design) e impressão nos relevos (3D Image). O equipamento eleva o nível de qualidade de impressão como uma fotografia e possibilita criar produtos com características estéticas diferenciadas. Assim, as cerâmicas parecem qualquer coisa: piso de madeira, mármore, cimento queimado, granito. E pode ser utilizado no chão e nas paredes. Paulo Fernando Toth, 33, proprietário do Empório do Piso, em Itatiba, explica que essa tecnologia está conquistando cada vez mais adeptos por suas vantagens. “Encontrar mão de obra qualificada para instalar as diversas superfícies hoje está mais difícil, então, no que diz respeito a preço e beleza, o porcelanato HD é o mais procurado por ser uma cópia fiel e idêntica do original”. Segundo Toth, os porcelanatos do tipo polido, esmaltado e acetinado já estão se tornando ultrapassados diante das possibilidades que a tecnologia HD propicia para o design. “Essa tecnologia, que é importada da Europa, tem na Via Rosa um ótimo representante. E uma empresa nova, mas que deixou para trás muitas empresas mais famosas. A variedade é grande e a qualidade excelente” O tamanho também é outra coisa que mudou. Os painéis são retangulares e em tamanhos maiores. Outro detalhe que faz a diferença no visual depois da instalação é o fato de o porcelanato ser retificado. Isso significa que as laterais são milime-


TM

revista

Q

WWW.QREVISTA.COM.BR

AGOSTO/SETEMBRO2011 47


Casa e Decoração

Tudo junto numa coisa só Os apartamentos estão, cada vez mais, tornando-se verdadeiros ‘apertamentos’. Como aliar estética e funcionalidade em espaço reduzido? João Paulo L. Munhoz |redacao@qrevista.com.br

Renata Fornari

Designe de Projetos Contemporânios

Um recém-formado consegue, enfim, expandir a sua liberdade e alcançar um sonho antigo de ter o seu próprio espaço. E, nessa mesma toada, receber amigos no final de semana para uma home party agradável e divertida. Tudo isso num espaço de 40m², com quarto, sala, cozinha e banheiro. Agregar toda essa funcionalidade com conforto, estética e diversão num espaço tão reduzido parece um desafio e tanto, não? Mas isso não é tão difícil como sugere. Ter cuidados minuciosos na escolha dos móveis e buscar a verticalização basta para aproveitar ao máximo seu novo ‘apertamento’. Porém, para você que é leigo quando o assunto é decoração, a Q! Revista ouviu a especialista em Design de Móveis e Projetista Renata Fornari. “O primordial é ambientar o espaço de forma que atenda as necessidades básicas do morador, sem carregar o visual”, crê Renata, frisando também a necessidade de organização do ambiente. A escolha por móveis com dupla funcionalidade é uma ótima resolução. Beliches nos quartos, estantes que ‘abrigam’ computador, televisão e bar na sala, ou até mesmo aqueles armários que descem uma cama podem aperfeiçoar o recinto. “Mobílie sempre pensando na funcionalidade”, ressalta. “Hoje vale tudo: até acrescentar bicamas, sofás retráteis ou sofás-cama, mesa-bar, etc.” Além disso, é necessário se apegar aos detalhes: Cortinas e persianas adequadas – de preferência com automação - tapetes aconchegantes e que exibem o estilo pessoal do morador; espelhos para a sensação de amplitude; papéis de parede e adesivos decorativos; equipamentos eletrônicos Hi-tech com design inovador. (“Alguns são releituras dos eletros dos anos 70 e 80, que, conjugados com móveis modernos, dão um toque especial em vários ambientes”); tudo isso, de forma muito bem composta, ilustra harmonicamente o apartamento sem abrir mão da necessidade primordial: a praticidade. Q revista

TM

ialista:

Confira as dicas elaboradas pela espec

Verticalizar menores e, por conta disso, “Os apartamentos estão cada vez r veita ao máximo o pé direito de cresce a necessidade de se apro calizar. Usando estantes multiVerti seja: Ou ra). (altu cada ambiente o móvel pode ser preenchido iores infer s parte funcionais, onde nas partes superiores abusa-se nas e r, corre com ‘gavetões’ e portas de es, mas sempre ajustando ulant de nichos, prateleiras e módulos basc dor” mora cada de estilo ao e des ssida tudo às nece Menos paredes, maior espaço bar algumas paredes diEm alguns casos, não hesite em derru lo salão, por exemplo, é a amp um por odos côm dois ar visórias. Troc usar uma estante estrategicamente escolha certa. Após isso, pode-se sala. da to posicionada para separar quar são

Cores claras = sensação de maior dimen ntal, porque realmente dá a “Cores Claras é uma dica fundame Outra dica é usar muito vie. litud amp , sensação de maior dimensão ue porq traz a noção de leve e modro (transparente, fosco, colorido), cnica) também ajuda muito.” inoté (lum o naçã ilumi a uar derno. Adeq TM

revista

Q

WWW.QREVISTA.COM.BR

AGOSTO/SETEMBRO2011 49


Casa e Decoração

Decorar espaços pequenos não é mais um bicho de sete cabeças Roberta de Sá|redacao@qrevista.com.br

Apartamentos e casas com espaços pequenos e apertados são cada vez mais comuns. Pensar na decoração para conseguir dispor os móveis de uma maneira que não fique impossível transitar nos ambientes, tem sido a grande preocupação de muitas pessoas. Ninguém quer ter que se esgueirar o tempo todo, entre a mesa e o sofá da sala. Para acabar com esse problema, o mercado imobiliário lançou diversas técnicas de produtos que, de certa forma, expandem o ambiente e proporcionam um charme todo especial para o lugar. “Hoje em dia, até artifícios de ilusão de visão são agregados ao contexto do ambiente para dar uma impressão de leveza e amplitude ao espaço. Peças reluzentes e transparentes estão em alta”, comenta o vendedor e empresário da Loja Fasolo Mobiliário, Tiago Campos. Para os especialistas, a grande dica, em primeiro lugar, é apostar em cores claras para pintar as paredes e também para os móveis. “Os móveis mais claros, por exemplo, não pesam o ambiente e quando há espelhos, a impressão que fica é que o cômodo é maior”, frisa a gerente de vendas da Requinte Design, Neide Bonatto. Optar por móveis planejados, eletrodomésticos embutidos nos armários e homes com espessura fina é outra indicação para quem quer aproveitar o pequeno ambiente. “Na sala, por exemplo, o mais aconselhado é não encher muito de sofá. Deve-se colocar uma peça só de três lugares ou até dois, ou apenas duas poltronas. Hoje, o mercado também oferece sofá retrátil e racks com painel. Já para os quartos, o melhor são os móveis com madeiras mais claras ou até as camas embutidas no armário”, destaca Neide. Na opinião de Campos, também se deve optar por móveis de uma linha mais contemporânea, que é considerada ideal para ambientes que necessitam de funcionalidade e estética. “O alumínio anodizado e polido compõe peças de grande luxo, além de agregar ilusão de visão, tornando o móvel expansivo para o ambiente.” Caso seja possível, procure um profissional – arquiteto ou decorador – e exponha suas preferências pessoais! “Ele poderá dar as dicas essenciais para mesclar o gosto do cliente com as técnicas atuais disponíveis para decoração de ambientes pequenos”, acrescenta Campos. Q revista

TM

TM

revista

Q

WWW.QREVISTA.COM.BR

AGOSTO/SETEMBRO2011 51


Tecnologia

Na ponta dos dedos

Saiba o que é o tão comentado Tablet e qual modelo é o melhor na hora de escolher o seu Amanda Dias de Souza |redacao@qrevista.com.br

52 WWW.QREVISTA.COM.BR

Vantagens • Mobilidade • Toque • Conectividade

X

TM

Desvantagens • Tela • Postura corporal • Quedas

AGOSTO/SETEMBRO2011 Q

TM

revista

Na hora de escolher Não há um Tablet melhor do que o outro, mas sim um Tablet

que possui as funcionalidades necessárias às suas atividades. Por isso, pesquise antes de comprar para que você não exagere na tecnologia, mas também não compre um equipamento que poderá se tornar obsoleto com pouco tempo de uso. A Q! Revista escolheu alguns modelos priorizando algumas características. Mais barato: Se sua intenção não é investir muito, uma boa opção é o ZTE V9. O preço é camarada (R$996), a tela de 7” tem ótima resolução e o sistema operacional é Android. A desvantagem é que ele é um pouco mais lento que os concorrentes. Preço médio: O badalado Apple iPad e o Samsung Galaxy Tab estão na casa dos R$1500. O primeiro tem a vantagem de ter uma tela de 9,7” e acesso a áreas restritas para usuários da Apple, como a Apple Store. O Samsung tem mais recursos, como TV digital e analógica, rádio FM, suporte ao Flash e câmera traseira de 3 megapixels que também grava vídeos, além de uma segunda câmera frontal para videochamadas. Ele também tem entrada para cartão MicroSD e pode fazer ou receber chamadas telefônicas como um smartphone, coisa que o iPad não faz. Top de linha: O iPad 2 e o Motorola Xoom são os mais avançados em tecnologia e também no preço, que varia de acordo com a capacidade de armazenamento e conectividade. Os valores variam de R$1600 a R$2600. Os dois têm processadores de núcleo duplo e câmera. Apesar de o Xoom ter a versão mais nova do sistema Android (Honeycomb), o iPad2 leva vantagem por ter mais aplicativos disponíveis, por enquanto. Q revista

Um nome tem dominado as conversas sobre tecnologia. Os Tablets estão em todos os lugares e, com uma interface simples e atraente, se tornaram objeto de desejo entre homens e mulheres de todas as idades. Mas o que é um Tablet? Segundo a Wikipédia, “Um tablet PC ou simplesmente tablet é um dispositivo pessoal em formato de prancheta que pode ser usado para acesso à Internet, organização pessoal, visualização de fotos, vídeos, leitura de livros, jornais e revistas e para entretenimento com jogos 3D. Apresenta uma tela touchscreen que é o dispositivo de entrada principal. A ponta dos dedos ou uma caneta aciona suas funcionalidades. É um novo conceito: não deve ser igualado a um computador completo ou um smartphone, embora possua diversas funcionalidades dos dois”. Um profissional que necessita se deslocar a vários lugares, por exemplo, talvez opte por um Tablet; enquanto outro que passa o dia digitando ou navegando pela internet se sinta mais confortável com um PC/MAC. Já para quem precisa receber e enviar mensagens (Twitter, Facebook, email, etc) de qualquer lugar, a melhor escolha, com certeza, vai recair sobre um smartphone.


TM

revista

Q

WWW.QREVISTA.COM.BR

AGOSTO/SETEMBRO2011 53


Bicho • Colunista

Superpopulação Bado

54 WWW.QREVISTA.COM.BR

Tenho certeza de que o apoio da população será unanime. Gostando ou não de animais, todos querem uma solução. Um projeto dessa envergadura não terá eficiência sem o apoio da população, principalmente das pessoas que hoje trabalham voluntariamente, com seus próprios recursos, sal“quando o homem vando e protegendo animais carentes. É preciso uma aprender a respeitar apresentação pública, para até o menor ser da cria- haver uma unificação das ações. ção, seja animal ou veNão estamos falando de objetos, estamos falangetal, ninguém precisa- do de um tema que envolve rá ensiná-lo a amar seu vida. Os animais continuam sofrendo, morrendo, ensemelhante.” quanto aguardamos uma solução. Q TM

Albert Schwweitzer (Nobel

da

Paz - 1952)

Pense nisso. Vida longa e até a próxima edição.

AGOSTO/SETEMBRO2011 Q

TM

revista

Vamos usar nossa imaginação: Um hospital onde engenheiros operam pacientes... Um júri onde economistas defendem réus... A obra de um prédio sendo executada por secretárias executivas... Podemos imaginar vários outros casos. Os resultados seriam desastrosos. A falta de um profissional qualificado para uma determinada tarefa é sinônimo de fracasso. Mesmo com boa vontade. Poucas pessoas possuem qualificação para administrar o problema da superpopulação de animais. É um assunto que exige: estudo, conhecimento, experiência, pesquisa, desenvolvimento e implantação de projetos. O gerenciamento do CCZ (Centro de Controle de Zoonozes), realizado por uma entidade qualificada, independente, que apresenta projetos eficientes e humanitários é, sem dúvida, a melhor solução. Os quatros pilares da proteção animal (castração, identificação, doação e informação) trazem a solução definitiva, mas não podemos esquecer que a implantação exige competência e compatibilidade.

qrevista@animaisnatv.com.br

revista

Fotos Divulgação

de cães e gatos, qual a solução?


Bicho

Cuidados exóticos Veterinária fala sobre particularidades no cuidado de animais de estimação diferentes Hoje em dia, existe uma crescente procura por animais exóticos, para serem criados como “pet” de estimação. Algumas espécies (fauna brasileira  arara, papagaio) precisam da autorização do Ibama. Estas devem ser compradas em lojas ou criadouros legalizados.

Elaine C. V. Zanatta Médica Veterinária

Cada espécie tem suas particularidades quanto à alimentação, manejo, habitação (gaiola, terrário, aquário), expectativa de vida, vacinação, etc. Os ferrets já estão castrados quando comprados. Devem ser vacinados anualmente.

tem a função de orientar sobre nutrição, manejo, habitação, prevenção de doenças e tratamento quando necessário. Q

Os roedores (hamster, cobaia, gerbil, rato, chinchila, porquinho da índia, etc.), têm dentes que crescem constantemente, sendo necessária uma alimentação adequada para não ocorrer problemas na dentição.

revista

TM

Os répteis (serpentes, iguanas, jabutis, tartaruga de água, etc.) necessitam de temperatura e umidade adequada, para poder digerir alimentos e trocar de pele.

Clinica Veterinária Petland Faro Animal Amigo Médica Veterinária Elaine C. V. Zanatta CRMV-SP 11.229

As aves podem alterar a coloração das penas quando a alimentação for inadequada. Antes de adquirir seu “pet” exótico, pesquise sobre ele, para saber se o espaço que você tem disponível é o ideal para que o animal tenha uma boa qualidade de vida. E se você tem tempo suficiente para se dedicar a ele. Também é necessário saber onde encontrar alimento, artigos de higiene e veterinário especializado na região. A principal causa de doenças destes “pets” é de origem nutricional, mas eles também transmitem muitas zoonoses. O médico veterinário TM

revista

Q

Serviço: Petland Clínica Veterinária Av. Comendador Franco, 674 - Centro - Itatiba - SP Fones: (11) 4487.7340 / 4594.5458 www.petlandfaro.com.br - petlandfaro@petlandfaro.com.br

WWW.QREVISTA.COM.BR

AGOSTO/SETEMBRO2011 55


Economia

Cheques e cartões:

entenda as principais mudanças Roberta de Sá |redacao@qrevista.com.br

R$ 1,2 bilhão para o comércio e de R$ 283 milhões para os bancos. Atualmente, são movimentados 90 milhões de cheques por mês no Brasil.

Cartões

AGOSTO/SETEMBRO2011 Q

TM

revista

56 WWW.QREVISTA.COM.BR

TM

revista

Os consumidores já convivem com duas ‘novidades’ criadas para ajudá-los. No entanto, muitos ainda desconhecem ou têm dúvidas. Desde o dia 20 de julho, os cheques passaram a ser compensados em até dois dias. Já os cartões de crédito tiveram elevado o percentual de pagamento mínimo da fatura. Antes da nova regra dos cheques, dependendo da localidade, a compensação demorava até 20 dias úteis. De acordo com a Febraban (Federação Brasileira de Bancos), a alteração no sistema ocorre devido à implantação da compensação digital, que substitui o procedimento físico. Agora, os cheques não precisam ser mais transportados entre os bancos para averiguação de saldo, conferência de assinatura, data, etc. Com o novo processo, a instituição financeira captura as informações do documento por meio de código de barras e imagens. Essas informações são enviadas para o Banco do Brasil, que as processa e envia ao banco de origem. Cheques de até R$ 299,99 passaram a ser compensados em até dois dias. Para valores acima de R$ 300, a compensação irá demorar apenas um dia. A Febraban acredita que o novo procedimento deve reduzir a possibilidade de clonagem, extravio, perdas e roubos de cheques. Só em 2010, a falsificação proporcionou um prejuízo de

Quanto aos cartões de crédito, além da obrigatoriedade do pagamento de 15% do valor total da fatura - percentual que sobe para 20% a partir de 1º de dezembro deste ano -, as instituições financeiras não podem enviar cartões sem a solicitação prévia do consumidor e só estão autorizadas a cobrar cinco tarifas pelo uso do cartão: anuidade, emissão de segunda via (por motivo não atribuído a operadora), avaliação emergencial do limite de crédito, saque e pagamento de contas. As novas determinações foram implantadas no dia 1º de junho e são válidas apenas para cartões adquiridos a partir desta data. Para a coordenadora do Procon de Itatiba, Aline Fernandes Favorito, as mudanças impostas tanto para os cartões como para os cheques vêm para ajudar o consumidor. “Ambas demonstram a preocupação do Conselho Monetário Nacional perante os problemas que vêm sendo apresentados pelos consumidores. A transparência e a clareza nessas relações comerciais estão previstas no Código de Defesa do Consumidor e foram reforçadas pela determinação do Conselho Monetário.” Caso os consumidores tenham dúvidas, a orientação é sempre procurar o Procon. Em Itatiba, o órgão está localizado na Rua Benedita de Oliveira, 51, Jardim São José. O atendimento é realizado de segunda a sexta-feira, das 9h às 11h30 e das 13h às 17h. Q


Marketing

Clientes

Marketing online é opção democrática de divulgação e captação de clientes, como explica o especialista Adilson Jorge Elias

na rede

Roberta de Sá|redacao@qrevista.com.br

Adilson Jorge Elias

deste tipo site e a otimização dos mesmos fica comprometida, prejudicando um bom posicionamento. • Não entre na internet com a intenção focada exclusivamente na venda. Primeiro informe e eduque seu prospecto. Dê a ele informações importantes sobre seu produto ou serviço e terá ganhado a confiança dele; a partir de então ele estará pronto para comprar de você. Q Saiba mais sobre PPC (pay per click), SEO (Search Engine Optmization), Google Places, Email marketing, Mensagens de texto em massa e Redes sociais no site. www.qrevista.com.br

Foto: Lucimara Benedetti

revista

TM

Sabe aquele anúncio no canto ou topo da página ou aquela parte que diz “links patrocinados” no seu mecanismo de busca? Essas ações, muitas vezes, fazem parte de uma estratégia de mar­keting online, como explica o especialista no assunto Adilson Jorge Elias, 44. “Existem várias ferramentas de marketing online, como o PPC (pay per click), SEO (Search Engine Optmization), Google Places, Email marketing, Mensagens de texto em massa e Redes sociais. O objetivo primário é a geração de novos negócios. No caso do marketing online é vital para as empresas, profissionais liberais e autônomos que tenham uma forte presença na internet, pois todo mundo está conectado, e as compras online crescem em um ritmo acelerado”. Com tantas opções de anúncios e suas diversas formas, é trabalho do especialista otimizar o efeito e o resultado da divulgação on line. Elias dá algumas dicas para quem quer começar a investir nesse mercado. • “A concorrência na internet em determinados mercados é mais acirrada do que aqui fora. Então, para todas as empresas interessadas em tirar proveito desta fantástica ferramenta, meu conselho é que procurem um especialista para que o mesmo faça uma pesquisa sobre como está seu mercado na internet.” • A grande maioria das pessoas acha que basta criar um site para estar automaticamente online. A pergunta que sempre faço é: Se eu pesquisar pelo seu produto ou serviço agora e seu website não aparecer como um dos resultados para mim, então você não tem um site. • Outra dica importante é não criar um website cheio de efeitos e com muito flash. A velocidade da nossa internet ainda não é das melhores, então um site assim demora muito para carregar e seu prospecto vai desistir e clicar no site da concorrência, além disso, os buscadores também não gostam TM

revista

Q

Contato: Adilson Jorge Elias - Consultor de Marketing na Internet Fones (11) 4534 2580 e (11) 7309 2611 www.consultoriadesites.com.br www.facebookx.com.br email: contato@consultoriadesites.com.br

WWW.QREVISTA.COM.BR

AGOSTO/SETEMBRO2011 57


Aconteceu

Dupla Edson & Luis grava DVD

Fotos: Lucimara Benedetti

no teatro Ralino Zambotto

No começo do mês de julho, Itatiba foi palco de um grande evento sertanejo. A dupla Edson & Luis realizou a gravação do seu primeiro DVD no show realizado no dia 10 no teatro Ralino Zambotto. A entrada foi uma lata de leite em pó e o público compareceu em peso. Confira fotos do evento:

Conheça a dupla ade de Nascidos na cid u Irine Vieira Itatiba, Edson rlos Franchin Junior e Luis Ca sua carreira Filho, iniciaram do, sendo musical muito ce tinha 5 anos que quando Luis ganharam e Edson tinha 6, tru ins mentos seus primeiros saiam notas dos pais, onde já ros de timafinadas, sem er os, os menibres e, aos pouc m com seu nos surpreendera os palcos talento, ganhando interior. do s de todas as festa expeais Hoje, bem m o ícosã is Lu rientes, Edson & s os do to em nes, requisitados gião re da eventos sertanejos trade on , do interior paulista do los ba em zem consigo os m se ”, rio tá “Sertanejo Universi pe es ixõ pa deixar de lado as jo. ne rta se o las raízes do noss seu primeiro A dupla gravou em novemCD independente doze faixas bro de 2009, com s por eles inéditas composta Q s. mesmos e amigo revista

TM

AGOSTO/SETEMBRO2011 Q

TM

revista

58 WWW.QREVISTA.COM.BR


Música

Da brincadeira para os

grandes palcos

Elisa Feres |redacao@qrevista.com.br

mais o público, até que chegou também aos ouvidos de Luis Gustavo – produtor e diretor artístico que já trabalhou ao lado de importantes nomes da música brasileira como Simone, Ivan Lins, Chitãozinho e Xororó e Ney Matogrosso. A convite do produtor, a banda se mudou para São Paulo, onde conseguiram chegar de vez aos grandes palcos. Em 2009, lançaram o segundo trabalho, o CD e DVD A Revolução, gravado ao vivo em Varginha-MG com a presença de mais de 30 mil pessoas e participação especial de Eduardo Costa. “Este foi, com certeza, uma apresentação muito marcante na nossa carreira. Mas, na verdade, sempre que entramos no palco, fazemos o show do mesmo jeito, com a mesma energia e felicidade. Não importa se o público é de uma pessoa ou de um milhão”, comentou o vocalista. Agora, em 2011, quando já surpreendeu novamente ao ter participado do Festival de Verão de Salvador, o grupo lançará o terceiro disco da carreira, que trará a música Vaneration, hit já conhecido pelos fãs, ao lado de outras canções inéditas, como Quebrou a Cara e Butecologia. Antes mesmo do lançamento, algumas faixas já podem ser ouvidas pelo site www.rhaas.com.br. Q revista

TM

A trajetória de sucesso do grupo Rhaas começou despretensiosamente há mais de 10 anos na cidade de Toledo, no Paraná: cinco jovens, todos músicos profissionais, costumavam se encontrar entre um show e outro na região Sul do Brasil e aos poucos foram se tornando amigos. No ano de 2007, porém, essa amizade rendeu um fruto que transformou de vez a vida daqueles meninos. A iniciativa de criar a banda naquele ano veio de Cláudio Haas, pai dos irmãos Ricardo (voz e violão) e Adolfo (voz e acordeom); que sempre acreditou no sucesso profissional dos filhos no meio musical. A partir da ideia do pai, os jovens convidaram Alessandro de Lara Ferreira (bateria), Edson Lisboa Vieira (voz e baixo) e Régis Wollenhaupt (voz) para participarem do projeto. E, ainda naquele ano, lançaram o álbum de estreia, Rhaas Ao Vivo, gravado em Cascavel-PR. “O começo foi bem difícil, mas importante para o nosso crescimento pessoal e profissional. Nós tocávamos em todo evento que aparecia, como em bailes, rodeios e festas, fazendo um repertório diferente para cada um deles. Mas nosso objetivo não era esse. Só um tempo depois, com esse primeiro CD, conseguimos ter nosso próprio show, com nossas próprias músicas”, disse Ricardo. A mistura original de sertanejo com vaneira, ritmo típico das regiões sul do país, passou a encantar cada vez TM

revista

Q

WWW.QREVISTA.COM.BR

AGOSTO/SETEMBRO2011 59


Perfil

As várias faces de

Antonio Ferrari Para o professor, advogado, juiz de paz, pai, marido, avô, a vida toda foi uma grande conquista Amanda Dias de Souza |redacao@qrevista.com.br

revista

TM

Foto: Lucimara Benedetti

60 WWW.QREVISTA.COM.BR

ses, o de turaçõ u f o ã s d iz ê so “Porém is vezes será preciso utro, x is t e o u a n ta s o não e t in o , q fefre com o c berto e m a u - lo , é po está os m m e e t d o o p m mes o dele, r t que ao n e a, d d s a pa s s a olhamo u , a v id e c chado, e e u t q n o o mas d u e já a c m p r id o , ver o q u is c a m o s in o a dest ançam tornad não alc s in suceder a os, uma r t a n p e im t está n e s s e uns pr amago) do que osé Sar (J ” .. .. t u iç õ e s

AGOSTO/SETEMBRO2011 Q

TM

revista

Não é por acaso que digo que o advogado Antonio Ferrari é um homem de palavra. Palavras, na verdade. Eu o conheci numa ocasião muito feliz – um casamento – e, como todos os presentes, não pude deixar de notar o carinho e o cuidado que ele demonstrava ter em sua oratória. Depois de conhecer sua história, pude compreender que as palavras e o homem são intimamente ligados e o resultado é uma pessoa de muitos estados, como ele mesmo explica: “Não sou Juiz de Paz. Depois de ter cursado Teologia na Faculdade da Igreja Metodista, tornei-me pastor, e ordenado que sou para a Palavra e os Sacramentos, e autorizado pelo Cartório de Registro Civil, faço casamentos religiosos com efeito Civil. Sempre digo, por ocasião das solenidades nupciais - não sou Juiz de Paz, agora estou como Juiz de Paz”. Sua infância não foi fácil, pois desde criança ajudava em casa e começou a trabalhar muito cedo, em lugares pouco adequados para o serviço infantil. “Posso dizer, seguramente, que não tive infância. Sempre me vi trabalhando. Minha mãe e meu pai trabalhavam, e morando em lugar inóspito, tinha a obrigação, depois da escola, de tirar água do poço para abastecer a casa e lenhar para o fogão, além de outros serviços caseiros. Depois dos onze anos ajudava meu pai, que era canteiro, a cortar pedras. Voltando para Itatiba, aos doze anos, entrei na Têxtil Paulo Abreu, onde fui trabalhar na Fiação de Algodão. Entrava às 22h e saía às 5h. Depois de um ano, fui trabalhar na Rádio Progresso de Itatiba, ZYR-71, onde fui o primeiro técnico de som. Eu, Paulo Abreu e Jorge Robertson Barg colocamos, pela primeira vez, a Rádio no ar.”, conta, falando também de muitos outros empregos que teve, já mais velho. Grande parte de sua vida foi dedicada ao magistério – 46 anos para ser mais exata – função da qual ele se orgulha e exerce até hoje. “Sempre dei aulas. Não posso esquecer-me também de uma pessoa que me conduziu para o Magistério - o professor e contador, Luiz Roberto Zuppi, na época Diretor da Escola Técnica de Comércio de Itatiba. Hoje leciono italiano na AIBI - Associação Ítalo-brasileira de Itatiba. Minha primeira formação é Letras Português/Francês. Lecionei na USF. Língua e Literatura Latina, como também Língua Portuguesa (Gramática Histórica ou Filologia), pois tenho Especialização pela Faculdade Oswaldo Cruz de São Paulo. Depois que me aposentei, aos 48 anos, fui fazer Direito. Cursei-o porquê, além de gostar, fui fazer companhia para minha filha, que também é advogada”, explica. Segundo Ferrari, suas maiores conquistas estão dentro de toda sua vida, partindo do menino paupérrimo que se forma magistério e advogado, cidadão querido e respeitado. Mas, em primeiro lugar, está a família. “A família, para mim, é o que existe de mais importante minha esposa, companheira de 46 anos, minha única filha Glenda e meus netos Lucca e Laura. A importância está em considerá-la uma bênção divina.” Sobre o futuro, entre seus desejos de voltar a advogar na área de Júri, o professor responde daquele seu jeito característico: com lindas citações. “Jó, diz que a nossa vida tem prazo. Não sei ainda quando termina o meu. E o futuro? E lendo, esta semana, José Saramago, ele prefere Futurações, e estas ele chama de Destino. Qual ainda é o meu? Só Deus o sabe.” Q


Indíce

Indice Remissivo Encontre aqui os anúncios veiculados na Q! Revista Página

Anunciante

Página

57

JF Piscinas

53

Advocacia Bortolossi

56

JJBL

56

Alegria e Festa

10

K Store

15

Armazem da Fazenda

13

KR Limpeza Pós Obra

08

Art-Cell

13

Le Monde

40

AS Distribuidora

37

LTL

07

ATL

49

Luchini

33

Avenida Pneus

35

Lui

19

AZ Restaurante

09

Luxury Veículos

08

Bellarmina

14

Mais Sabor

10

Big Car

33

Maxxima

45

Bruxinha

17

MS Transportes

08

Casa da Música

08

Nadia Greco Ballet

41

Centaurus

35

Netwave

63

Corcelli

21

Hansa

64

Costa Rica

53

Nutricionista Josiani Dian Leardini

29

Csthetic

25/27

Odontologia Dra Natália B. Autran

25

Curso de Redação

43

Opa Ofertas / Nova Informática

61

Delicaty

27

Parque Imóveis

30

Diama

54

Paturca

53

Empório do Piso

46

Petland

03

Empório Vinis

59

Pharma Pura

27

Eskinão

53

Pimenta Malagueta

16/18

Estação das Flores

44

Prefeitura de Itatiba

11

Estância Grill

02

Renova

47

Estética Mary Custódio

25

Requinte

51

Estúdio Versátil

58

RR Odontologia

23

Farmácia Belém

27

Sabrina Naldos

22

First Class

31

Serraria e Madeireira Décio Flaiban

03

ForLife

28

Shopping Center Itatiba

20

FSF Inovatix

35

Silvia Scali

48

Garagem do Micro

52

Sirião

33

Gavas Decor

47

Soldente

03

Global Tabacaria

08

Star Beauty

42

Gráfica Grilo

50

Studio Neide Tuon

12

Gremilys

18

Sys Evolution

07

Grillo´s Comércio de Peças

37

Thor Madeiras

03

GTM

08

Tutti Bonna

05

Ita-Fest

08

Vicenza Engenharia

52

Itatibatur

07

Vlinder

08

Itaturbos

36

West Design

45

62 WWW.QREVISTA.COM.BR

JUNHO/JULHO2011 Q

TM

revista

Anunciante Adriano Naldos



21edicaoweb