Page 1


ApresentaçãO

1

O

que é correto? Correto é mostrar aos outros como somos de verdade ou fingir que nossa realidade é outra? Correto é falar com nossas palavras ou decorar outras pronunciadas, repetindo tudo que já estamos cansados de ver e escutar? O certo e o errado são apenas convenções; tudo é fruto de interpretações? Está na hora de todos pararem com tanto egoísmo para tentar ver várias situações com os olhos de quem sofre. É fácil gritar quando se tem fome, o difícil é dividir quando se tem o que comer... Mas é errado não querer repartir? Temos que ter pena de quem está em uma situação desfavorável? A melhor forma de se chegar às respostas é fazendo perguntas sinceras e poder ver a sociedade e as pessoas como elas realmente são. Precisamos olhar nos olhos dos outros com a certeza de que as palavras ditas realmente correspondem ao que elas acreditam para se construir uma sociedade diferente da que exclui e julga a todos, que satisfaz uns e outros não, que, ao mesmo tempo, afaga e inquieta. Para tanto, é preciso deixar as máscaras caírem e mostrarmos o que realmente pensamos para reconstruir os nossos conceitos e nossa sociedade. É hora de confrontar pensamentos, debater, e assim, pensarmos numa vida onde possamos assumir uma postura mais justa e os benefícios sejam para todos os elementos que a compõe, independente de sua origem ou crença. Com o ENECOM 2009, temos a oportunidade de derrubarmos as nossas máscaras e nos confrontarmos com os nossos próprios conceitos, assumindo a responsabilidade de construção da sociedade com um olhar mais apurado e consciente, que pense em novas alternativas de ação social. Desenvolvendo a nossa inquietação, nossas insatisfações com os clichês, ismos e nias atuais, devemos, como comunicólogos/comunicadores, questionar se seremos mais um elemento a endossar os sistemas ou se utilizaremos nossa força para inovar e transformar a realidade, [des]construindo a sociedade e fazendo da nossa indignação, a nossa comunicação!


2

PAINÉIS:

PAINEL 1: COMUNICAÇÃO E CONSUMO EM TEMPOS DE CRISE Para abrir o Enecom 2009, será contextualizado e debatido o atual modelo de sociedade, as várias crises que estão ocorrendo e como elas colocam em xeque este modelo de sociedade. Mas o que a comunicação tem a ver com tudo isso? Esta é a reflexão proposta para este espaço de discussão: partindo de uma contextualização da conjuntura atual, pensaremos qual o papel da comunicação e do comunicador na manutenção ou transformação do modelo de sociedade atual.

PAINEL 2: CULTURA

Como adianta o título, o segundo painel do Enecom discutirá a cultura em uma perspectiva contra-hegemônica. O painel procura contribuir com discussões sobre a produção cultural popular e de resistência. Além disso, pretendemos abordar de que maneira a cultura pode atuar como ferramenta de contra-hegemonia.

PAINEL 3: COMUNICAÇÃO E CONTRA-HEGEMONIA Nesse momento, meio do ENECOM 2009, é debatido o tema central do encontro. O objetivo desse painel é aproximar a discussão sobre comunicação e contra-hegemonia, enfatizando a importância da primeira na formação do imaginário coletivo para fomentar o debate acerca da importância da comunicação contrahegemônica para a sociedade.

PAINEL 4: VALORES Com uma metodologia diferenciada dos demais, este painel se propõe a debater quais valores estão colocados nesta sociedade de consumo e de que forma eles servem como pilares para relações de opressões. É preciso promover não só críticas, mas também indicar valores para construir uma sociedade livre, justa e igualitária, com ênfase no papel da juventude neste processo.

PAINEL 5: EDUCAÇÃO Na concepção desse painel, admite-se a educação como um elemento crucial para definir qualquer projeto de sociedade. A partir disso, serão discutidas maneira de utilizar a educação como uma ferramenta libertadora, a forma que a educação em comunicação se correlaciona com a disputa de hegemonia e quais os desafios dos estudantes de comunicação por uma educação popular e socialmente referenciada.


CULTURAIS

3

N

a tentativa de pensar e fazer da comunicação uma possibilidade de se manifestarem vários discursos e vozes, a cultura – um elemento vital para a construção da sociedade – adquire grande importância. Percebemos a cultura como ferramenta para levar o debate além do encontro, mostrando funções que transcendem o entretenimento. Ao relacioná-la com a temática do ENECOM 2009, decidimos basear nosso projeto na Massafeira Livre, movimento artístico-cultural que aconteceu em Fortaleza no final da década de 70, o qual reuniu as mais diversas formas de expressão como artes plásticas, música, cinema, gastronomia e fotografia; uma verdadeira feira livre das massas na qual a energia de festa e a alegria eram transmitidas ao público sem filtros. Dessa forma, pretendemos fazer com que a arte esteja em diversos espaços do encontro, congregando as múltiplas expressões culturais dos estados participantes. Nossa intenção é que os participantes presenciem e participem de apresentações musicais, dança, teatro, mística, mostras de cinema, além de uma feira com exposições de fotografia, cordel e artesanato, agregada à programação do encontro.

MÍSTICAS

A

mística é uma dimensão da experiência humana e se coloca como um dos pilares do ENECOM 2009. Por meio dela, torna-se possível desenvolver outras formas de sensibilidade além de mostrar uma disposição permanente de aprender a partir de outras fontes do saber e diversas tradições culturais. Seu significado é particularmente forte em ambientes nos quais as pessoas e grupos se confrontam com o fracasso e a derrota e, ao mesmo tempo, mantêm a coragem para resistir, protestar, se empenhar, se arriscar em prol de causas dignas. Há algum tempo, vem sendo debatida sua utilização em espaços como os encontros da Executiva. Não entendemos qualquer dinâmica de integração de grupo como mística, por isso, a fim de alcançá-la, é importante experienciar um momento ritualístico. Durante a sua aplicação, procuraremos utilizar símbolos que, de certa forma, possam representar as causas e bandeiras do Mecom.


4

Mostras

ARTCOM Como o próprio nome já sugere, o Artcom é o espaço do encontro dedicado à arte. Será possível ver caricaturas, cordéis, desenhos, fotografias, fanzines e panfletos. Para não restringir, optamos por deixar os trabalhos expostos durante todo o ENECOM 2009. Não será preciso muito esforço e você, encontrista, poderá esbarrar em algo que lhe chame a atenção. Uma boa pedida para refletir de outras formas sobre a comunicação dentro da sociedade.

Cinecom Outro espaço para os que manjam, gostam e admiram as artes é o Cinecom. Provavelmente a mais fascinante delas, o cinema ganhou um espaço só seu no ENECOM 2009. Não fugindo à idéia da maior colaboração possível d@s participantes, serão exibidas apenas produções de encontristas. O Cinecom ocorre no sábado, 25, das 9h às 12h e das 14h às 16h.

Simpecos Idealizado para valorizar mais ainda o ENECOM 2009, o Simpósio de Pesquisa em Comunicação Social (SIMPECOS) foi pensado para que o encontro estudantil supere suas atividades tradicionais e possa dar ênfase naquilo que é essencial para a boa formação do comunicador: o estudo. Com quatro divisões temáticas (Audiovisual, Cibercultura, Jornalismo e Publicidade), o espaço objetiva a troca de experiências em estudos acadêmicos, oferecendo aos encontristas um retorno em seus artigos, relatos de pesquisa ou de extensão, promovidos por professores cearenses de faculdades públicas e particulares, convidados pela CO.


MÍDIA

5

JORNAL Mais uma iniciativa que procura valorizar o que acontece no ENECOM, o jornal do encontro se dispõe a atender não só as demandas de divulgação das atividades, mas também trazer informações e análises sobre os temas pertinentes ao encontro. Nele, qualquer encontrista poderá colaborar. Por isso, se você está a fim de escrever um texto a respeito de algo que ache importante e tenha relação com as atividades da nossa programação, basta procurar alguém da CO e pronto! A periodicidade vai ser diária e entregue na hora do almoço a todos.

RÁDIO Quando estiver andando pelo Campus do Benfica e ouvir vozes, não se assustem. Trata-se apenas de nossa charmosa e bem-intencionada radiadora. Bom se acostumar porque todos os dias vão ocorrer inserções durante momentos nem sempre tão oportunos. Nossos objetivos são muitos e também nobres: iremos conquistar as mentes dos encontristas desocupados, informar alguns detalhes da programação, mostrar bastidores do ENECOM, tentar de alguma forma diverti-lo e, em último caso, ser ao menos um ruído do qual vocês se lembrarão quando voltarem para casa. Além disso, a rádio do ENECOM 2009 vai abrir mais uma vez espaço para as produções. Mostrando que a C.O. é muito boazinha e não deseja ser a dona do pedaço, recebemos material de todo o país para ser utilizado durante o encontro. Exibiremos os programas de rádio produzidos nos laboratórios Brasil afora e vamos abrir espaço para as ótimas e, apenas por enquanto, desconhecidas bandas dos estados participantes.

Para fazer inserções na rádio, fale com o Alan Dantas, no fone (85) 8640.3843. Para participar do jornal ligue para Carol Nogueira (85)88164644


6

Mini-Cursos

1-Radio Web

6-Consumo e Permacultura

Facilitadores: Rodney Mendes/Julliene Gomes/Rafael Arraes/ Fredisson Lima Mostrar aos participantes que a rádio web pode ser um fundamental instrumento de mediação entre as instituições de ensino superior, acadêmicos e estudantes. Local: Estúdio de rádio com acesso a Internet Quantidade: 20 pessoas

Facilitador (es): Eveline de Alencar/ João Ernesto Refletir sobre os padrões de consumo prontamente aceitos como normais pela sociedade, assim como apresentar valores e práticas permaculturais. Local: Sala de aula com TV/DVD ou Data show. 20 pessoas

2- Comunicação Interna Facilitadores: Swellen Danuza/ Jessica Dunther/ Thalyta da Silva Discutir a importância do desenvolvimento do trabalho de comunicação interna através de teorias propostas e na confecção de um mural para expor atividades e programação do Enecom. Local: Sala de aula (Data-show no 1º dia) 20 pessoas

7-Fotografia - O princípio da arte Facilitador (es): Rayanne Lindoso/ Maria Glauciara Apresentar um breve relato histórico da fotografia na perspectiva da foto como arte além desse mundo digitalizado. Discussão crítica sobre o uso da imagem e uma oficina de fotografia Pinhole em caixinha de fósforo. Local: Sala de aula (Próximo a espaço aberto para utilização da luz do sol) 25 pessoas

3-Movimento Estudantil :Concepção, 8-Identidade de Gênero Sexuais na mística e novas formas de interven- Comunicação ções artísticas. Facilitador (es): Fernando Matos/ Vinicios Kabral Facilitadores: Antônio Vinícius/ Pedro Alves/ Bruna Távora Debater sobre concepção do movimento estudantil classista e como movimento social; Pensar e desenvolver novas formas de comunicação e intervenção artística neste espaço. Local: Sala de aula 35 pessoas

4-Produção Audiovisual Independente Facilitadores: Justino Batista/ Tatiana Tarquino/ Bruno Luiz Mostrar aspectos da produção executiva do audiovisual com aplicações práticas, considerando a restrição de recursos e equipamentos enfatizando a criatividade. Local: Sala de aula com computador para edição, TV e DVD. 15 pessoas

5- Computação Gráfica Facilitador (es): Josemar Argollo Reciclagem, familiarização de algumas ferramentas da computação gráfica e entendimentos para fechamentos de arquivos. Utilização do Photoshop, Corel e Indesign. Local: Sala de aula com computadores, Data-Show Scanners e impressora. 20 pessoas

Debater a exploração do gênero e da sexualidade pelos meios de comunicação. Fomentar a discussão deste tema nas escolas de comunicação que não possuem núcleos de estudo e/ou movimentos organizados. Local: Sala de aula com computador, som e Data-Show. 30 pessoas

9-Teatro do Oprimido Facilitador (es): Camila Chaves/ Udson Araújo Trabalhar a partir do método teatral que reúne exercícios, jogos e técnicas elaboradas pelo teatrólogo brasileiro Augusto Boal. Despertar a necessidade de democratização dos meios de produção teatral e o acesso das camadas sociais menos favorecidas. Local: Sala de aula X pessoas


Mini-Cursos 10-Contrapropaganda Facilitador (es): Daniel Bandeira, Darwin Marinho, Márcio Moreira Produzir novos ativismos a partir do material exposto, baseado na crítica ao comercialismo e ao corporativismo se utilizando dos contrastes disponíveis. Local: Sala de aula 20 pessoas

11-Direitos Reprodutivos e Autonomia das Mulheres Facilitador (es): Diana Maia/ Raylka Franklin Dialogar sobre os impactos da mídia na vivência dos direitos reprodutivos e apontar aspectos políticos do debate. Local: Sala de aula com Data-Show e computador 25 pessoas

12-Intervenção Urbana Facilitador (es): Ruth Vaz Debater e apresentar novas formas de intervenções urbanas, além da produção dos mesmos. Local: Sala de aula e espaço aberto 20 pessoas

13- Regulamentação Profissional Debater sobre a regulamentação profissional e de organização em movimentos sociais e sindicais Local: Sala de aula 20 pessoas

14- Políticas Públicas de Comunicação Breve relato das políticas públicas implementadas para a comunicação em nosso país, discussão sobre a realidade e propostas para novas políticas com o intuito de democratizar a comunicação. Local: Sala de aula 20 pessoas

7

15- Ecossocialismo 16- Produção Alternativa (Fanzine) Facilitador (es): Fernanda Meireles Apresentar este veículo de comunicação e seu contexto histórico, assim como a filosofia e características originais. O fanzine é uma maneira lúdica, autônoma e adaptável de trabalhar expressão artística, a criatividade, a interdisciplinaridade e a criação de redes reais de comunicação. Sala de aula 20 pessoas

17-Cultura Popular Facilitador (es): Antonio Fabrício Propor uma reflexão sobre a Cultura Popular e as formas de produção cultural que vise a preservação e o resgate de suas diversas manifestações. Sala de aula com TV e DVD 25 pessoas

18-Qualidade de Formação em Comunicação 19-Agitação e Propaganda Facilitador (es): Natalia Martinuzzi Castilho Agitação e propaganda é um conjunto de métodos produzidos como formas de comunicação crítica, denúncia e fomento à indignação das classes populares, visando potencializar processos de lutas sociais. Sala de aula com TV, DVD e som. 20 pessoas

20 - AGÊNCIAS EXPERIMENTAIS E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM COMUNICAÇÃO Facilitadores: LIGA Experimental Durante o ENECOM a Liga pretende realizar um encontro com os membros de agências experimentais de outros cursos de comunicação, expor os trabalhos realizados e discutir o funcionamento das agências dentro dos cursos e sua contribuição para a universidade e para a sociedade. Local: Sala de Aula Vagas ilimitadas Fiquem Atentos! Essa programação pode sofrer alterações


10

Lista Núcleos de Vivência (NVs)

1.Movimento dos Rurais Sem Terra

Trabalhadores

4.Comunidade Maravilha

Objetivo: Conhecer a organização do movimento Objetivo: Conhecer a dinâmica do assentamento, de catadores, levantar discussões acerca da coleta discutir com os militantes do movimento, realizar al- seletiva do lixo, das experiências de reciclagem, do lixo como gerador de renda. Conhecer o projeto guma atividade conjunta com a comunidade. Localização: Caucaia (município da Região Metropol- desenvolvido pela fotógrafa francesa Francesca Noccivelli de fotografia com jovens e crianças do bairro itana de Fortaleza e o projeto saúde ambiental desenvolvido pelas mulheres da comunidade. 2.Tapebas Localização: Bairro Maravilha (periferia de Fortaleza) Objetivo: Conhecer a comunidade: a escola, área de plantio, terreno sagrado, a organização social. Esta- 5.Movimento dos Conselhos Popubelecer contatos com o movimento indígena e con- lares (MCP) hecer suas demandas de luta pela terra, explorar Objetivo: Conhecer um dos núcleos onde o movimenos aspectos culturais e religiosos e realizar atividade to atua, onde sua atuação tem ênfase em questões conjunta. A tribo Tapeba é produto de frações de di- relacionadas ao trabalho, moradia e ao combate à versas sociedades indígenas nativas (Cariri, Potiguar especulação imobiliária. O objetivo é acompanhar e Tremembé) reunidas na Aldeia de Nossa Senhora as lutas daquela localidade, entender a dinâmica do dos Prazeres de Caucaia, que deu origem ao mu- movimento urbano, resgatar as ações já realizadas. nicípio de mesmo nome. Localização: Núcleo Parque Água Fria (em Fortaleza) Localização: Caucaia (município da Região Metropolitana de Fortaleza) 6.Conjunto Palmeiras www.tabepa.org.br Objetivo: Conhecer a história da extinta rádio Santos Dias, que, após muitas perseguições, foi fechada pela 3.COMUNIDADE PRAIA DO BALBINO Polícia Federal e a experiência de auto-gestão como Balbino é uma praia situada em Cascavel, Ceará. Fica a do banco Palmas, uma experiência de economia na colônia de pescadores homônima. Grande parte solidária bem sucedida reconhecida nacionalmente. dessa colônia é uma Área de Proteção Ambiental, Localização: Conjunto Palmeiras (bairro da periferia protegida por lei. Atualmente na praia do Balbino de Fortaleza) está sendo desenvolvido um trabalho com ONGs e a Universidade Federal do Ceará em parceria com 7.Comunidade das Quadras (Cufa a associação dos moradores e lideranças locais na Objetivo: Conhecer as ações desenvolvidas pela Coperspectiva de contribuir para um desenvolvimento munidade das Quadras (basquete de rua, Hip-Hop, produção audiovisual, radiofônica e literária), ações sustentável e responsável da localidade da Central Única das Favelas ligadas ao combate à violência e ao uso de drogas pela juventude. Localização: Aldeota (bairro nobre de Fortaleza) www.ceará.cufa.org.br

Fiquem Atentos! Essa programação pode sofrer alterações


Lista Núcleos de Vivência (NVs) 11 8.Ultras Resistência coral

12.Percurso sub-urbano I

Objetivo: Conhecer a Vila Olímpica Elzir Cabral e a história do Ferroviário Atlético Clube, time nascido da paixão dos operários das extintas companhias ferroviárias cearenses. “Nem guerra entre as torcidas nem paz entre as classes”. Localização: Barra do Ceará (Litoral de Fortaleza)

Objetivo: Conhecer o centro histórico de Fortaleza: Theatro José de Alencar com parada também no Lord Hotel, Praça do Ferreira, Cemitério São João Batista, museu do Ceará e passeio público. Discutir os aspectos históricos, culturais e urbanísticos destes espaços. A ocupação das praças, as feiras, o comércio ambulante. Localização: Centro de Fortaleza

9.TV Janela Objetivo: Conhecer o projeto de experiência de educomunicação utilizando vídeo, ajudando na produção e exibição de um vídeo junto com jovens da comunidade. Localização: Bairro Pantanal (Periferia de Fortaleza) www.tvjanela.org.br

10.Serviluz Sem Fronteiras

13.Percurso sub-urbano II Objetivo: Conhecer as praias de Fortaleza partindo da praia do Caça e Pesca até a ponte do Rio Ceará, discutindo as disputas territoriais, a especulação imobiliária e as questões sócio-ambientais. Localização: Praia do Futuro, Beira-Mar, Praia de Iracema (aterro e Pote Metálica) e Barra do Ceará

Objetivo: Conhecer o trabalho da ONG que atua com comunicação comunitária (produção audiovisual, fotografia, cine-clube, internet, musica, mídias digitais e literatura) e esportes (basquete de rua e surf). Localização: Serviluz

11.Vista Boa em Boa Vista Objetivo: Conhecer o trabalho do grupo de fotografia participativa formado por crianças e jovens que utilizam da fotografia artesanal para a afirmação de identidades e na compreensão do cotidiano da localidade, e participar de uma oficina de confecção de máquinas fotográficas artesanais. Localização: Bairro Boa vista (periferia de Fortaleza)

Horário das refeições: Para não ficar de barriga vazia, estejam atentos para o horário das refeições. O café da manhã ocorre das 7h às 8h; o almoço, das 12h às 13h 30m e o jantar, das 18h às 19h 30m (exceto no primeiro dia, quando será realizado das 17h às 18h).


12

CONTATOS

CONTATOS DA C.O Comissão de Cultura Thiago Rodrigues 8659-7170 Comissão de Programação Amanda Sampaio 9989-4542 Comissão de Articulação Priscila Lima de castro

8845-8822

Comissão de Finanças Raquel Dantas Pinheiro

9936-5373

Comição de Comunicação Ana Carolina Soares Nogueira

8816-4644

Comissão de Estrutura Lia Lauriano Maciel 8678-5329

TELEFONES ÚTEIS Bombeiros – 193 Polícia – 190 Samu – 192 Etufor (responsável (85) 3452.9301

pelas

linhas

de

ônibus)

Perda de crachá: Fique atento e não perca o crachá nem a pulseira que identifica você! Em caso de perda, o custo é alto: 12 reais para C.O. mandar fazer as novas!


Mapa


Manual de Sobrevivência 19° Enecom  
Manual de Sobrevivência 19° Enecom  

Manual de sobrevivência do 19° Encontro Nacional dos Estudantes de Comunicalçao. O manual contém informações sobre as atividades e o local o...

Advertisement