Issuu on Google+

o novo ídolo dos ateus o físico 5tephen

Hawking diz que Deus não é "necessário" para explicar o Universo

PeterMoon

REVIRAVOLTA

U

mdos livros mais vendidos - e menos lidos - de 1988 foi Uma breve história do tempo, do cosmólogo inglês Stephen Hawking, hoje com 68 anos. Era um livro curto, em que Hawking se propunha a explicar de forma acessível as teorias mais obscuras da física. Falava em viagens no tempo através de estruturas conhecidas como "buracos de minhoca", tentava desvendar para o leigo o que são os tais "buracos negros" e citava ainda "universos-bebês", que saíam do interior desses buracos para se expandir em outras dimensões. Pouca gente foi capaz de entender o que ele dizia. Mesmo assim, o livro - que vendeu 9 milhões de exemplares - fez de Hawking o primeiro cientista depois de Albert Einstein (1879-1955) alçado à categoria de celebridade. Uma breve história termina dizendo que o maior trunfo da razão humana seria descobrir um conjunto de equações que explicasse por que o Universo é como é, algo que os físicos chamam de Teoria Final- e que Einstein perseguiu sem sucesso em seus últimos 30 anos de vida. "Só então deveremos conhecer a mente de Deus", escreveu Hawking no fecho da obra. Em 2010, seu sonho de teoria final permanece no plano onírico. Mas sua mente sofreu uma reviravolta. Seu universo, agora, prescinde completamente de Deus. "Não é preciso invocar Deus para uma centelha inicial pôr o universo em movimento", lê-se num trecho de seu novo livro, The great design (O grande projeto), cujo lançamento está previsto para esta semana nos Estados Unidos. O título dessa nova cosmologia de Hawking bem poderia ser "Esqueçam tudo o que escrevi". Preso há 30 anos a uma cadeira de rodas por sofrer de esclerose lateral amiotrófica - uma doença degenerativa incurável -, Hawking escreveu The great design com o físico americano Leonard Mlodinow, autor de O andar do bêbado. Para Hawking, a descoberta de planetas orbitando outras estrelas é uma evidência que a Terra não tem nada de especial. "A Terra não foi cuidadosamente projetada 74) ÉPOCA,6 de setembro de 2010

Vinte e dois anos depois de "querer conhecer a mente de Deus", o fisico inglês Stephen Hawking renega a busca da Teoria Final e diz que Deus não criou o Universo

apenas para agradar aos humanos", diz ele. "O Universo pode surgir do nada. A criação espontânea é a razão por que existe algo em vez de nada, por que o Universo existe e por que nós existimos." É irônico notar que a mudança de postura de Hawking tenha se dado um ano depois que ele se aposentou da cátedra de matemática que já foi ocupada por Isaac Newton na Universidade de Cambridge, berço da teologia anglicana. No século XVII, Newton desvendou as leis que regem a gravidade e o movimento dos corpos. Ao fazê-lo, disse ter um vislumbre da lógica divina. Em 1905, Einstein descobriu a relatividade e ultrapassou Newton no enten-

dimento da realidade do Universo. Embora se declarasse descrente, ele não desmentia aqueles que atribuíam essa lógica mais poderosa à mente divina. Agora, Hawking renegou Deus de modo explícito. Sua atitude só pode ser entendida no contexto do novo ateísmo militante que tomou conta da intelectualidade anglosaxã por iniciativa de gente como o escritor e jornalista anglo-americano Christopher Hitchens (leia sua coluna à página 95), o filósofo americano Daniel Dennett, o neurocientista americano Sam Harris ou o biólogo britânico Richard Dawkins. Com seu novo livro, Hawking passa a ocupar um lugar de honra nesse panteão de ateus. • Foto: Eleanor

Bentall/CorbisfLatinstock

,.

"


Stephen Hawking - O novo ídolo dos ateus