Issuu on Google+


Serpentes da Mata Atlântica ~.

Guia ilustrado para a Serra do Mar

Otavio AV Marques AndrĂŠ Eterovic Ivan Sazima


Sumário Centro de Toxinologia Aplicada Prefácio Agradecimentos Dedicatória Objetivos

Introdução

6 7 8 9 10

Conservação Organização do Guia Descrição dos Ícones

Padrão Padrão 11 Padrão 12 Padrão 14 Outras

A Serra do Mar A Mata Atlântica As Serpentes 16 Características Gerais 16 Sentidos 18 Classificação 20 Uso do Hábitat 22 Alimentação 25 Reprodução : 28 Defesa 30 Ofidismo 34 Identificação de Serpentes Peçonhentas .. 38

39 40 42

:..;

verde : uniforme ou com linhas vermelho ou coral variegado ou manchado informações

44 59 80 103 164

Espécies Invasoras 165 Répteis Serpentiformes 167 Lista das Espécies e sua Distribuição 169 Comentários Taxonôrnicos 171 Notas sobre os Exemplares Fotografados .. 172 Bibliografia 173

Anexo I Anexo 11 Índice

:

180 182 183

5


Organização do Guia Este guia trata das serpentes encontradas na vertente oceânica da Serra do Mar, incluindo a baixada litorânea. As cobras estão agrupadas em seções, de acordo com sua coloração predominante, de modo a facilitar sua identificação: 1- padrão verde, 2- padrão uniforme ou com linhas, 3- padrão vermelho ou coral e 4- padrão variegado ou manchado. Em cada urna destas seções, as espécies estão dispostas alfabeticamente pelo nome científico. Espécies com grande variação na coloração são representadãs mais de uma vez, podendo estar em seções diferentes. Nem todas as variações estão ilustradas e a semelhança de cor entre algumas espécie pode dificultar o seu reconhecimento. Algumas características de coloração que não estão visíveis na ilustração são indicadas na forma de um texto curto ao final do guia (um asterisco assinala os comentários sobre exemplares fotografados). O exame cuidadoso das

40

ilustrações permite o reconhecimento da maioria das espécies, mas uma identificação segura depende de consulta a textos especializados ou do auxílio de um especialista. Os ícones apresentados junto a cada espécie representam alguns dos atributos morfológicos e sintetizam o conhecimento sobre a sua história natural. Também está indicada a freqüência com que as serpentes podem ser encontradas. E importante notar que esta chance de encontro pode variar de região para região. Devido ao espaço limitado, aspectos como alimentação e defesa podem não estar plenamente representados, ficando restritos aos mais comuns ou típicos. No final do guia, está indicada a distribuição geográfica registrada para cada espécie, por Estado ou região. A página seguinte mostra um modelo de apresentação das informações sobre cada espécie. A seguir, é descrito o significado de cada ícone usado no guia.

Serpentes da Mata Atlântica


nome popular Nome científico (juvenil)*

Família atividade

encontro

.. comprimento e massa

comprimento da cauda

dentição

reprodução

liábitat

hábitat

alimento

alimento

defesa

defesa

defesa

defesa

FOTO

Marques, Eterovic & Sazima

41


Descrição dos Ícones

42

01 Acidente

Risco de envenenamento

02 Atividade

Diurna

03 Atividade

Noturna

04 Atividade

Diurna e noturna

05 Encontro

Freqüente

(ativa durante

grave

o dia)

(ativa durante

a noite)

(ativa durante

o dia e à noite)

(grande chance de ,;,yi§tar)

24 Hábitat

Arborícola

25 Hábitat

Aquática

(ativa sobre a vegetação) (ativa na água)

26 Hábitat

Subterrânea

27 Alimento

Mamíferos

28 Alimento

Aves (inclui filhotes e ovos)

(ativa sob o solo e folhiço) (roedores,

marsupiais)

06 Encontro

Pouco freqüente

29 Alimento

Lagartos

07 Encontro

Raro (chance muito remota de avistar)

30 Alimento

Cobras (inclui cobras-cegas

31 Alimento

Sapos '(inclui rãs e pererecas)

32 Alimento

Peixes (espécies

33 Alimento

Moluscos

(lesmas,

34 Alimento

Minhocas

(inclui minhocuçus

35 Alimento

Artr6podes

(pequena

chance de avistar)

(lagartixas,

camaleões,

teiú)

e cobras-de-vidro)

08 Comprimento

Pequeno

09 Comprimento 10 Comprimento 11 Massa

Médio

12 Massa

Média (entre 100 e 250 gramas)

13 .Massa 14 Cauda

36 Defesa

Achatamento dorsal (aplanamento horizontal de partes do corpo)

Curta (menor que 15% do comprimento

total do animal)

37 Defesa

Achatamento

15 Cauda

Média

(entre 15 e 30% do comprimento

total do animal)

38 Defesa

Triangular

16 Cauda

Longa (maior que 30% do comprimento

total do animal)

39 Defesa

Esconder

17 Dentição

Áglifa (sem dentes injetores

de veneno)

40 Defesa

Vibrar cauda (movimento

18 Dentição

Opist6glifa

posteriores)

41 Defesa

Enrolar

(meuor'que

meiometro)

(entre meio metro e um metro)

Grande

(maior que um metro)

Pequena

(menor 'que 100 gramas)

Grande (maior que 250 gramas)

(dentes

injetores

de água doce, salobra e marinha)

(lacraias,

caramujos) aranhas,

e sanguessugas) insetos)

lateral (inclui inflar parte anterior cabeça (expansão

cabeça (ocultar ou envolver cauda (levantar,

do corpo)

lateral dos maxilares) por parte do corpo)

rápido e repetido

da ponta)

exibindo-a)

19 Dentição

Proter6glifa

(dentes injetores

anteriores

com sulco)

42 Defesa

Escancarar

20 Dentição

Solen6glifa

(dentes injetores

anteriores

ocos)

43 Defesa

Dar bole (inclui IIlOIdidas, injeçã:>de vereoo e golpes com a cabeça)

21 Reprodução

Ovípara

44 Defesa

Movimentos

22 Reprodução

Vivípara (dá à luz filhotes)

45 Defesa

Descarga

23 Hábitat :

Terrícola

(põe ovos)

boca (exibir mucosa bucal) erráticos (mudança brusca e repetida de postura)

cloacaJ (expulsão

de fezes e outras substâncias)

(ativa sobre o solo)

Serpentes da Mata Atlântica


~

~ 1

I 10

<l 2

345

El . " II

~«.~ ~

678

. i úll 13

12

~

20

~..

14

21

22

~

23

~

Marques, Eterovic & Sazima

40

24

~

29

38

15

--=..::.16--,

~ ~ff!;~t---'l

<fN~ ~.~ 19

EJ ~. úl frll

41

26

~27~

--- ~-------.... 45

43


Padr찾o vermelho ou coral

s처

Serpentes da Mata Atl창ntica


coral

. )

Atractus trihedrurus (juv

Marques, Eterovic & Sazima

81


cobra-coral Colubridae ~----~r..~----~~ __'-----~------~--~

Atractus zebrinus

82

Serpentes da Mata Atl창ntica


'cob~a-coral

.

Atractus zebrinus (jlIV)

Marques, Eterovic & Sazima

83


coral Clelia montana (juv)

Colubridae

I==""""'r==""""~

84

Serpentes da Mata Atl창ntica


Marques, Eterovic & Sazirna

85


â&#x20AC;˘.

coral Clelia plumbea (juv)

86

Colubridae

Serpentes da Mata Atlântica


cobra-veadeira Corallus hortulanus

Marques, Eterovic. & Sazima

87


Colubridae

88

Serpentes da Mata Atl창ntica


cobra-coral

..

Erythrolamprus aesculapii

Marques,Bterovic

& Sazima

89


cobra-coral .------.--------,

90

Erythrolamprus aesculapii

Colubridae

Serpentes da Mata Atl창ntica


cobra-coral

..

Erythrolamprus aesculapii

~larques, Eterovic & Sazima

91


cobra-de-capim, cobra-de-lixo ",....-.,.,...".--rr-----.-,....,

92

Liophis poecilogyrus*

Colubridae

Serpentes da Mata Atl창ntica


cobra-coral, coral Micrurus corallinus

" Ă­arques, Eterovic & Sazima

93


cobra-coral ....---r----.,

94

Micrurus decoratus

Serpentes da Mata, Atl창ntica


cobra-coral Micrurus ibiboboca"

Marques, Eterovic & Sazima

95


cobra-coral .-----.....----....,

96

'Oxyrhopus clathratus

Colubridae

Serpentes da Mata Atl창ntica


cobra-coral

*

Oxyrhopus clathratus

" Iarques, Eterovic. & Sazima

97


coral .----....--------.

98

Oxyrhopus petoIa (juv)

Colubridae

Serpentes da Mata Atl창ntica


coral

. )*

Pseudoboa haasi (juv

Marques, Eterovic & Sazima

99


Siphlophis compressus

100

Colubridae

Serpentes da Mata Atl창ntica


dorme-dorme Siphlophis pulcher

Marques, Eterovic & Sazima

101


corre-campo TOn1odon dorsatus

102

Colubridae

Serpentes da Mata Atl창ntica



Serpentes da Mata Atlântica 4ª parte - Padrão vermelho ou coral