Page 1

1r:=====1;;;.

=:::;;;ii:::iiiiii

5Z7

Islã EXPANSÃO DO ISLÃ NA ÉPOCA DA OUEDA DOS OMiADAS

s

A

A

R

17501

A

Expansao do Islão nos tempos de Maomé e dos quatro pomeuos cahlas Umar Maomé 634·644 Ulhman ibn Allan 644·656

[~~ITI

O

MAR

D~~·~~~ O --+ Avanço muçulmano

Zonas cnsputaoas entre Muçulmanos e Brzantmos

Omeiadas.661·750

I --.

I

Avanço muçulmano

em direção ao leste

Avanço muçulmano

em direção ao oeste

~ Conquista --

Ataques da frota e das armas árabes contra o ImpérIO blzanllno

Conquistas Ome:adas

da Espanha,

7 t t- 7 t 4

. _ !rwasão árabe no reino franco

munidade muçulmana,

o

Cerco de Consrantmoola pelos árabes. c.674·678

DEOMAN

e 71 7·718

O enpéuo tnzanuno chinês sobre O em 750

<V$ocorORA

Protetoraoo a dinastia dos Tang, 618·907

*

Batalhas

podendo chegar até

à guerra santa Uillac/). Desde 1924, quando foi abolida por Mustafá Kemal, na Turquia, a última instância legítima de poder político pan-islâmico - o califado otomano -, tais temas vêm sendo regularmente retomados no mundo muçulmano, através da luta contra a laicização e as potências coloniais ou percebidas como "imperialistas". Ao longo do séc. XX, no entanto, o papel do Islã na política assumiu formas bastante variadas. Sendo tanto fé como cultura e sistema jurídico, O Islã não reconhece diferença entre religião (din) e política (siyasa). No entanto, em toda a história do mundo muçulmano, os ulemás jamais reivindicaram o poder polítioo para si. A preocupação deles sempre foi garantir que o poder vigente (rei, general, presidente ou até mesmo potência colonial) fizesse aplicar a sharia, ou lei islâmica. Esse esforço para voltar aos textos fundamentais (Corão e tradiçóes), para fazer deles a base do comportamento individual e social, é chamado fundamentalismo. Foi somente nos anos 60 que o imá Khomeini definiu condições para que o clero exercesse o poder, rompendo com o fundamentalismo apolítico dos ulemás. Mas essa t~, minoritária mesmo entre o alto clero xiita iraniano, não sobreviveu à morte de Khomeini, e 1989. Embora o clero sunita seja espontaneamente fundamentalista, é raro 'se encarregar do poder executivo. Dos quatro países que, nos anos 80, faziam da sharia a fonte exclusiva do' direito. três eram dirigidos por chefes não religiosos: o Paquistão, o

l0C?0km

Sudão (no tempo de Nimayri) e a Arábia Saudita. Só o Irã é dirigido por mulás. Na segunda metade do séc. XX, um novo tipo de movimento islâmtco contestatório apareceu no cenário político, rompendo com o rundamentalísráõ tradicional. Os precursores foram: a Irmandade Muçulmana, fundada no Egito por Hassan alBanna em 1928, e o Jamaat-e Islami, fundado na Índia, em 1941, por Abul Ala Mawdudi. Esses movimentos apresentavam como características inéditas o fato de serem dirigidos por leigos e fazerem do Islã muito mais uma ideologia política do que uma religião. (-+ ISLAMISMO.) O islamismo radical desenvolveu-se sob a influência do egípcio Sayyid Qutb, da Irmandade Muçulmana (executado em 1966). Várias cisões opuseram os elementos mais moderados aos mais radicais, que se engajaram em ações violentas (como o assassinato do presidente egipcio Anwar alSadat pelo grupo Jihad em 1981). Os islamitas radicais. tomaram o poder no Irã (1979) graças à aliança entre o clero e jo- . vens intelectuais. Mas o caráter nitidamente xiíta da revolução iraniana impediu que ela se enraizasse no mundo sunita. Não existe uma "internacional" islamita radical. Entretanto,' a nostalgia da umma, a comunidade muçulmana, provocou o aparecimento de instâncias r.upranacionais, bastante conservadoras, mas que diferem conforme se originem de Estados existentes ou de redes.rrulítantes. Tais movimentos se empenham em criar redes de pregação e de orga-

nização social para reunir os muçulmanos em torno de uma prática purificada do Islã. independentemente de fronteiras e de nacionalidades. Os irmãos muçulmanos procuram, sobretudo, infiltrar-se nas elites. A partir dos anos 70, o movimento de retorno ao Islã cresceu junto às massas urbanas e também entre as elites ocidentalizadas da maíoraa dos países muçulmanos (Turquia e Egito, entre outros). Paralelamente, a Arábia Saudita, fortalecida em seu papel de guardiã dos Lugares Santos e de seus recursos petrolíferos, criou em 1962 a Liga Islârnica Mundial, que propaga um modelo de Islã puritano, rigoroso e "escrituralista", contrário tanto à religião popular como à influência ocidental, mas politicamente conservador. Em 1969 foi criada a Organização da Conferência Islâmica, que reuniu todos os governos dos países muçulmanos. Entretanto, os interesses divergeru,es entre esses países, bem como a opoSição entre o islamismo militante - representado pela revolução iraniana - e o fundamentalismo conservador - representado pela Arábia Saudita -, tornaram vàs as tentativas de dar uma forma política à comunidade dos muçulmanos. FILOSOFIA Aproximadamente no final do séc. VIII, as obras filosóficas gregas começaram a ser traduzidas para o :j.rabe. Os tradutores eram prmcípalmentf ctistãos que conheciam o grego e o sir íaco. Um dos primeiros pensadores muçulmanos foi Alcuíno (séc. IX), que se interessou tanto pela

,. I

Islã, Expansão do  

I I Conquistas Ome:adas Embora o clero sunita seja espontanea- mente fundamentalista, é raro 'se encarre- gar do poder executivo. Dos quatro...

Advertisement