Page 1

Manual de Aplicação da Marca


Manual de Aplicação da Marca


Desenvolvido por André Alves Felipe Rodrigues Vladimir Lopes Sob a orientação da Professora Camila Assis Disciplina – Projeto Integrador 1 Em colaboração com disciplinas Editoração Eletrônica – Andrea Aminger Fotografia – Denise Ricardo Imagem Digital –Márcia Leite Marketing Aplicado ao Design – Camila Assis Produção Gráfica – Andrea Aminger Sistema de Identidade Visual - Gisela Monteiro Coordenadora Mirella Migliari Faculdade Senac Rio Graduação Tecnológica em Design Gráfico Turma 2013.2


SUMÁRIO


Em Cores Negativo Monocromática

APRESENTAÇÃO O Manual

O Roteiro Orla Guanabara 14

Conceito da Marca

Monocromática Positiva

31

Monocromática Negativa

32

13

CORES E ADEQUAÇÕES 36

Cromias Institucionais Fundos Claros

15

Processo Criativo

Fundos Escuros

A MARCA

37 38

Fundos com Retícula de Preto 39 18

Marca Prioritária

Composições Diversas

Fundos Fotográficos 40 19

Usos Indevidos

41

20

Malha Construtiva

TIPOGRAFIA

Área de Proteção 21

Tipografia da Marca

22

Dimiensionamento Mínimo

24

44

Tipografia Institucional

45

PAPELARIA INSTITUCIONAL

VERSÕES Em Cores Positivo

30

Retícula de Preto 33

12

Comportamento

29

28

Papel de Carta

48


Cartão de Visita

48

49

Envelopes

IDENTIFICAÇÃO Uniforme Feminino

52

Uniforme Masculino

53

69

SOUVENIR

MÍDIAS DIGITAIS

Assinatura de E-mail

72

Sacola

58

72

Bloco 58

59

Twitter

68

Ônibus

Crachá 54

Facebook

Van

Agenda

72

Caneta

73

MÍDIAS EXTERNAS

Lápis 73

E SINALIZAÇÕES

Lapiseira

Publicidade de Poste Placas de Informações Totens

62 63

Backlight 64 Painel Ponto de ônibus 65 Mobiliário

Chaveiro 74

66

Placas de Sinalização 67

74

Pen Drive Chinelo

63

73

75

Squeeze 75 Capa de Chuva 76 Boné

77

Água Mineral 78


“Ah, como é mágico ver surgir na folha branca de papel um palácio, um museu, uma bela figura de mulher! Como as desejo e gosto de desenhá-las! Como as sinto nas curvas da minha arquitetura!” Oscar Niemeyer


APRESENTAÇÃO


O MANUAL

Para uma marca se estabelecer, ser reconhecida e distinguida das demais, é necessário integração, consistência e uniformidade em suas aplicações. O manual é uma ferramenta para auxiliar a gestão da marca. Nele você encontrará todas as informações técnicas, para correta aplicação em diferentes mídias e meios de comunicação. As instruções descritas neste manual não possuem um carater limitador. A intenção é ser um facilitador na elaboração de peças que demandem maior execução criativa.

12

APRESENTAÇÃO


O ROTEIRO ORLA GUANABARA

O projeto Roteiro Orla Guanabara teve início no ano de 2013, oferecendo visita aos principais pontos turísticos de Niterói, como o Caminho Niemeyer composto por diversas obras do arquiteto, a Fortaleza de Santa Cruz, a praia de Icaraí, entre outros. Através de um Protocolo de Intensões, assinado entre a Prefeitura de Niterói e o Ministério do Turismo, o município contará com ajuda financeira para obras de infraestrutura e revitalização de espaços. Essas mudanças têm o objetivo de colocar Niterói entre os principais polos turísticos do estado.

APRESENTAÇÃO

13


CONCEITO DA MARCA

A criação da marca Roteiro Orla Guanabara teve como inspiração a unificação das palavras Movimento, Integração e Arte. Nossas pesquisas se concentraram na busca de um novo elemento, que pudesse representar Niterói, e que se diferenciasse da própria marca da cidade, que tem o MAC como símbolo. Ao mesmo tempo, tentamos não fugir dos traços do mestre Oscar Niemeyer, que presenteou Niterói com diversas obras assinadas por ele. Outro elemento importante para a construção da marca foi a própria Orla Guanabara, que compõe o nome do roteiro. Nas próximas páginas vamos traduzir, em ilustrações e textos, nossa percepção de entendimento das três palavras.

14

APRESENTAÇÃO


PROCESSO CRIATIVO

APRESENTAÇÃO

15


A MARCA


MARCA PRIORITÁRIA

18

A MARCA


COMPOSIÇÕES DIVERSAS (ASSINATURAS)

A MARCA

19


MALHA CONSTRUTIVA O desenho da marca se constitui a partir das relações entre seus elementos: as distãncias e os alinhamentos estabelecidos proporcionam uma sensação visual de equilíbrio, harmonia e estabilidade. O diagrama a seguir possibilita a visualização da geometria da marca e a malha quadriculada estabelece as poporções entre os elementos. 26x 19,75x

=

= x

9,75x

1x 2x 2x

20

A MARCA

17x


ÁREA DE PROTEÇÃO A área de proteção objetiva preservar a visibilidade e leitura da marca, evitando a aproximação excessiva de outros elementos. Portanto, nenhuma informação ou elemento gráfico podem ultrapassar o espaço delimitado pela módulo X. O módulo X equivale a letra ‘O’ (ROTEIRO), e a área de proteção é definida obtida por 3X. 3x

3x

=

= x

3x

3x

A MARCA

21


COMPORTAMENTO

É maravilhoso vê-lo nas manhãs em que o sol banha generosamente a Boa Viagem. Pousado no seu promontório, o museu destaca-se, em sua brancura imaculada, contra o pano de fundo em que a natureza – artista caprichosa, perfeccionista – exagerou na beleza, pintando a exuberância em verdes escuros de mata e azuis-esverdeados profundos de mar. Porém, é igualmente maravilhoso olhá-lo à noite, em destaque contra o veludo negro da escuridão que cobre o mar e as montanhas, sobre o qual aparece apenas o colar de pérolas das luzes ao longe, que enfeita o colo vaidoso da madrugada. A alvura do museu transfigura-o, transformando-o quase numa visão sobrenatural que paira sobre a cidade e sobre o mundo. O espelho d’água no qual a base do museu repousa faz com que a iluminação, em profusão de cores, refletida na superfície branca, crie a impressão de que a magistral obra de arte arquitetônica flutua e tremula, ligeiramente, tornando a visão do MAC ainda mais misteriosa e encantadora. Oscar Niemeyer não se cansa de afirmar sua dívida para com as curvas femininas, que sempre foram transpostas da sua imaginação para as obras arquitetônicas, suavizando e sensualizando a rudeza do concreto. O MAC é uma prova inequívoca dessa paixão pelo curvilíneo vivida por nosso genial arquiteto. Lá estão – para quem tem olhos de ver com paixão -, na cúpula, na rampa de acesso, no corpo central de sustentação, as curvas de quadris, o arredondado de seios, o roliço de braços e coxas, o arrebitado de nádegas, o convexo de maçãs de rosto... Estão lá, enfim, as formas supremas e deliciosas do corpo da mulher. O museu atrai chusmas de turistas. No meio de tardes que pareceriam destinadas à tranqüilidade, o silêncio é quebrado pelo vozerio de crianças. Elas saltam de ônibus de excursão e se lançam, com seu alarido, em direção à rampa do MAC, muitas vezes perseguidas por professoras preocupadas e atentas para que o entusiasmo não se transforme em algum acidente. Mas qual, o museu recebeas em suas entranhas, nas quais lhes oferece, generosamente, visões de beleza e de cultura inesquecíveis.

22

A MARCA


COMPORTAMENTO

A MARCA

23


DIMENSIONAMENTO MÍNIMO Para garantir a reprodução legível da marca foi estabelecida a redução máxima para cada uma de suas assinaturas. Deve-se respeitar a proporção entre os elementos de cada assinatura, não podendo haver nenhum tipo de alteração nas respectivas formas e espaçamentos para não comprometer a legibilidade. impresso

digital

20 mm

56,69 px

14 mm

10 mm

24

impresso

digital

6 mm

17,01 px

3 mm

8,5 px

39,69 px

28,35 px

A MARCA


VERSÕES


EM CORES POSITIVO

28

VERSÕES


EM CORES NEGATIVO

VERSÕES

29


MONOCROMÁTICA

30

VERSÕES


MONOCROMÁTICA POSITIVA

VERSÕES

31


MONOCROMÁTICA NEGATIVA

32

VERSÕES

32


RETÍCULA DE PRETO

VERSÕES

33


CORES E ADEQUAÇÕES


CROMIAS INSTITUCIONAIS

C 60 M 0 Y 20 K 0 R 86 G 197 B 208 HEXADECIMAL # 56C5D0 PANTONE 325 C C 100 M 75 Y 25 K 0 R 3 G 85 B 139 HEXADECIMAL # F15A22 PANTONE 287 C

36

CORES E APLICAÇÕES


FUNDOS CLAROS Para permitir uma maior flexibilidade na aplicação da marca, é possível aplicá-la com as cores originais sobre fundos homogêneos e claros até uma porcentagem equivalente a 10% da saturação total da cor.

fundo = 10% ciano

fundo = 10% magenta

fundo = 10% amarelo

fundo = 10% preto

CORES E APLICAÇÕES

37


FUNDOS ESCUROS Para aplicações em fundo escuro, deve-se optar por uma versão monocromática, respeitando critérios de contraste e legibilidade.

C 9  M 60  Y 17  K 2

C 0 M 10

38

C 70 M 84 Y 0 K 0

C 61 M 0 Y 100 K 0

C 24 M 9

Y 97 K 0

Y 80 K 0

C 0 M 47 Y 100 K 0

C 0 M 80 Y 100 K 0

C 34 M 82 Y 80 K 45

C 0 M 99 Y 100 K 2

C 10 M 100 Y 0 K 0

C 16 M 64

C 45 M 82 Y 0 K 0

Y0 K0

CORES E APLICAÇÕES


FUNDOS COM RETÍCULA DE PRETO Para fundos em tonalidades de cinza, deve-se optar por uma versão monocromática, de acordo com a tabela de legibilidade apresentada abaixo:

30%

70%

CORES E APLICAÇÕES

10%

20%

40%

50%

60%

80%

90%

100%

39


FUNDOS FOTOGRÁFICOS

40

CORES E APLICAÇÕES


USOS INDEVIDOS A marca não deve ser alterada, seja nas suas cores, diagramação ou proporções. Abaixo alguns exemplos de erros que podem ocorrer. Certifique-se que a marca seja reproduzida com fidelidade.

não esticar

não modificar a tipografia

não adicionar linha de contorno

não modificar as cores da tipografia

não utilizar efeitos

CORES E APLICAÇÕES

não distorcer

não modificar as cores dos elementos

não modificar a disposição da tipografia

não girar

não inverter os elementos

41


TIPOGRAFIA


TIPOGRAFIA DA MARCA A fonte utilizada na marca n찾o deve ser alterada em nenhuma circusnt창ncia. O mau uso da tipografia descaracteriza a marca.

Champagne & Limousines 1234567890 ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ Bold

Bold

abcdefghijklmnopqrstuvwxyz Regular

abcdefghijklmnopqrstuvwxyz 44

TIPOGRAFIA


TIPOGRAFIA INSTITUCIONAL A uniformização da tipografia é um recurso capaz de conferir unidade e profissionalismo à imagem de uma empresa e, consequentemente, otimizar a experiência da marca nos pontos de contato com os públicos internos e externos. Para materiais de caráter institucional (impressos administrativos, diplomas e certificados, documentos corporativos etc.), deve-se utilizar a família Helvética Neue, nas seguintes variações:

Helvética Neue LT Pro 45 Light

Helvética Neue LT Pro 46 Light Italic

ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUV

ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUV

abcdefghijklmnopqrstuvwxyx

abcdefghijklmnopqrstuvwxyx

1234567890

1234567890

Helvética Neue LT Pro 65 Medium

Helvética Neue LT Pro 66 Medium Italic

ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUV

ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUV

abcdefghijklmnopqrstuvwxyx

abcdefghijklmnopqrstuvwxyx

1234567890

1234567890

Helvética Neue LT Pro 75 Bold

Helvética Neue LT Pro 76 Bold Italic

ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUV

ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUV

abcdefghijklmnopqrstuvwxyx

abcdefghijklmnopqrstuvwxyx

1234567890

1234567890

TIPOGRAFIA

45


PAPELARIA INSTITUCIONAL


PAPEL DE CARTA E CARTテグ DE VISITA

297 mm

210 mm

50 mm

90 mm

www.roteiroorlaguanabara.com

Rubens Branquinho Diretor de Turismo

21 2611-1462 diretoria@roteiroorlaguanabara.com www.roteiroorlaguanabara.com Av. Jornalista Rogテゥrio Coelho Neto, s/nツコ Centro - Niterテウi | Tel: 2611.1462

48

www.roteiroorlaguanabara.com

PAPELARIA INSTITUCIONAL


ENVELOPES

320 mm

230 mm

115 mm

230 mm

Av. Jornalista Rogério Coelho Neto, s/nº - Centro - Niterói | Tel: 2611.1462 - www.roteiroorlaguanabara.com

Av. Jornalista Rogério Coelho Neto, s/nº - Centro - Niterói | Tel: 2611.1462 - www.roteiroorlaguanabara.com

PAPELARIA INSTITUCIONAL

49


IDENTIFICAÇÃO


UNIFORME FEMININO

52

IDENTIFICAÇÃO


UNIFORME MASCULINO

IDENTIFICAÇÃO

53


CRACHÁ

Nome Completo Emerson José Ribeiro Data de Nascimento 29/11/65

Emerson José Secretário de Turismo

54

Data de Admissão 02/01/2013

IDENTIFICAÇÃO


Mテ好IAS DIGITAIS


FACEBOOK E ASSINATURA DE E-MAIL

58

Mテ好IAS DIGITAIS


TWITTER

Mテ好IAS DIGITAIS

59


MÍDIAS EXTERNAS E SINALIZAÇÕES


PUBLICIDADE DE POSTE

62

MÍDIAS EXTERNAS E SINALIZAÇÕES


PLACAS DE INFORMAÇÕES E TOTENS

Teatro Popular de Niterói

TEATRO POPULAR DE NITERÓI

Localizado às margens da Baía de Guanabara, numa área dotada de ampla visão panorâmica, o prédio tem sua cobertura modelada em linhas que remetem ao movimento das ondulações marítimas. Na fachada do prédio há cerâmicas de Niemeyer, e no foyer superior as paredes são adornadas com um grande painel que retrata uma marcha do MST — evocativo não apenas das convicções políticas do arquiteto, mas de seu desejo de fazer com que o teatro fosse destinado à convivência das classes populares

FUNDAÇÃO OSCAR NIEMEYER

CENTRO DE MEMÓRIA ROBERTO SILVEIRA

CENTRO DE ATENDIMENTO AO TURISTA

MÍDIAS EXTERNAS E SINALIZAÇÕES

63


BACKLIGHT

64

MÍDIAS EXTERNAS E SINALIZAÇÕES


PAINEL PONTO DE ÔNIBUS

MÍDIAS EXTERNAS E SINALIZAÇÕES

65


MOBILIÁRIO URBANO

66

MÍDIAS EXTERNAS E SINALIZAÇÕES


PLACAS DE SINALIZAÇÃO

MÍDIAS EXTERNAS E SINALIZAÇÕES

67


VAN

68

MÍDIAS EXTERNAS E SINALIZAÇÕES


ÔNIBUS

MÍDIAS EXTERNAS E SINALIZAÇÕES

69


SOUVENIR


SACOLA BLOCO E AGENDA

72

SOUVENIR


CANETA LÁPIS E LAPISEIRA

SOUVENIR

73


CHAVEIRO E PEN DRIVE

74

SOUVENIR


CHINELO E SQUEEZE

SOUVENIR

75


CAPA DE CHUVA

76

SOUVENIR


BONÉ

SOUVENIR

77


ÁGUA MINERAL

300ml

78

SOUVENIR


Este manual foi produzido em papel couché 120 g/m² As fontes utilizadas foram: para os títulos, Helvética Neue LT Pro 75 bold, para os subtítulos, Helvética Neue LT Pro 33 thin Extended Oblique e para o corpo de texto, Helvética Neue LT Pro 45 Light. Na biblioteca da Faculdade de Tecnologia do Senac - FATEC, há um exemplar disponível para consulta pública. A FATEC fica na Rua Santa Luzia, 735 - 4º andar Centro - Rio de Janeiro - RJ.


80

Orlagua AFV  

Manual de Aplicação da Marca - Roteiro Orla Guanabara Faculdade Senac André Alves Felipe Ribeiro Vladimir Lopes