Page 1

Principal Sousa Ilustrações de Daniela Sequeira a partir da obra Felizmente Há Luar de Luis de Sttau Monteiro Novembro 2011

J

(J

o O o

(

J

D

IT

Q

(

J

o

(/

V V

C

LL

11 I

(

o O

Q

X


Nasceu em Lisboa, em 3 de Abril de 1926. Aos 13 anos foi viver para Londres, onde seu pai desempenhava as funções de embaixador. O tempo que aí passou terá condicionado muitos aspectos da sua formação estética e literária. Nesses anos, viveu de perto a tragédia da Segunda Guerra Mundial. De regresso a Portugal, licenciou-se em Direito pela Universidade de Lisboa, tendo exercido, por um breve período de tempo, a advocacia. Publicou o seu primeiro romance em 1960, Um Homem Não Chora. Em 1961, publica-se Angústia para o Jantar, que o colocou desde logo, num lugar de relevo no panorama da literatura portuguesa. Desse mesmo ano é também a peça Felizmente Há Luar!, que revelou um dos mais notáveis dramaturgos das nossas letras. Foi-lhe atribuído, em 1962, o “Grande Prémio de Teatro”. Por várias vezes, foi preso pela PIDE, devido ao cunho irreverente que impôs à sua obra. Fez parte do conselho redactorial de “A Mosca”, suplemento do Diário de Lisboa, onde se celebrizou pela criação da irreverente figura da Guidinha.. Trabalhou em publicidade e escreveu, também, sobre gastronomia, com o pseudónimo de Manuel Pedrosa. Foi jornalista e colaborador regular de várias publicações – Diário de Lisboa, Se7e, O Jornal, Expresso.


PRINCIPAL SOUSA O marechal Beresford sabe de alguma coisa mais séria do que a conservação do reino do Senhor? O reino de Deus está a saque e os inimigos do Senhor já não se encontram apenas na rua... Háos nos palácios e no próprio Conselho da Regência. Ao que o mundo chegou, para que me veja obrigado a aceitar o auxílio dum herege a fim de combater outros hereges... São muitos os inimigos do Senhor, nos dias que vão correndo. Fala-se de Deus com ironia e da sua Igreja como se de letra morta se tratasse.. .

2-3


i

Oi OY

+

I O i i

VWiV

Vw Y

Oi O

O

i

i

I

w

O

V VW

V

I

+

i

+I

I

+

i

+ +I

Y

I

I

i

i

Oi O

+

O

O i i OY i i

+

i

Vw

+

VWi V

VWiV

I

i

+I

i

Vw i i

i

i

Oi

+I

V VW +I

i

i

+I

+I

Oi OY

Vw

+I


PRINCIPAL SOUSA Tenho medo... Senhor Governador, tenho medo. Há dois dias que quase não durmo e mesmo, quando passo pelo sono, perseguem-me imagens terríveis: imagino-me réu perante um tribunal que me não respeita. Dedos imundos tocam-me as vestes. Sonhei já três vezes que estava no Campo de Sant'Ana, subindo ao cadafalso, enquanto à minha volta os gritos do povo me não deixavam, sequer, ouvir a sentença...

4-5


C o O

C

C o O

C o

(

o

(/ X

o O o

Q O o

(/

o

o

/

Q

(

o O

o O o

/X

(

Q

o

(

QQ

C

(

X

o O

o O o

X

Q

o O

( X

(/

(

o

Q

o

Q

Q o O

Q


PRINCIPAL SOUSA Há que apagar o fogo perseguindo os insensatos, Sr. Governador. Se o poder é de origem divina, os que contra ele se batem, a si mesmos trazem a condenação, como S. Paulo inculcou aos Romanos...

D. MIGUEL Tenho uma missão para si. Quero que se torne conhecido para os lados do Rato e que veja quem entra em casa de meu primo. Quero que me venha aqui trazer, todas as manhãs, uma lista das pessoas com quem o general se dá. Uma lista a que não falte ninguém. Se cumprir esta missão com o zelo que lhe impõe o seu dever e a gravidade da situação, prom eto-lhe que não acabará os seus dias a pedir. Interessa-lhe a chefia dum posto de polícia?

PRINCIPAL SOUSA Vá, meu filho, e ajude-nos a cuidar do rebanho, indicando-nos as ovelhas tresmalhadas antes que elas contagiem as restantes. . Que Deus o proteja na sua missão.

6-7


II $

$

$

II

II D

II

I

$

$

||

II

$

$

I I II

I

$

|

$

|

II

|

I I II

$

|

$

||

-D I

| |-| |

|| |

||

||

|

|

-

|

||

I I I -I

|

-

I I --

$

I I I II

II

o

-

I

I II

D I --

I I I II

II

o

--

o

I I --

| |-| |

|

I-

|

II

|

|

||

o


PRINCIPAL SOUSA Quem será, Sr. Governador, o chefe da conjura? E condena-se um inocente? Não me agrada a condenação dum inocente.

CORVO Um só nome anda na boca de toda a gente.

PRINCIPAL SOUSA Agora me lembro de que há anos, em Campo d'Ourique, Gomes Freire prejudicou muito a meu irmão Rodrigo!

D. MIGUEL Se eu fosse a falar do ódio que lhe tenho...

8-9


I

(

V

J

J

J

J

J

I

V

(

I

(

J

V TD

(

TD

J

TD

LL

(

LL

(

LL

11 II

J

11 II

11 II

J

(

J

V

J

J

V

V


PRINCIPAL SOUSA Agora me lembro de que há anos, em Campo d'Ourique, Gomes Freire prejudicou muito a meu irmão Rodrigo! Meus filhos, meus filhos, a Pátria está em perigo! Os inimigos de Deus preparam, na sombra, a ruína dos vossos lares, a violação das vossas filhas, a morte d'el-rei! Morte aos inimigos de Cristo!

10 - 11


o

I I I I)I I

V

o

-

V

B

B

B

---

I

Y

D

)/ )I

I

-- I I I I I --

)/

D

)I II II

I-

---

B

)/

D

)I II II

I-

o

B

B

I

D

I

I

---

I

I

OI

I

)

I

-

-

o

V

V

-

OI

V

-

I

--

I I I I-)I I

I

B

o

B

V

o

V

OI Y Y

I

I

O /)

)

o

/)

I

---

)

-

I

-

---

)/

D )/

I

I

I I-I-I-I I )-

B

o

/)

o

o

)I II II

II

-

OI D )/)/

Y

-I I I I-I

-

I

-

-

I

I

I

I I-I-I I I )- - --- I

) I II II

)

o

/

o

II I

)

o

/)

/

I

II I

I

I

B B

O I Y )/

OI Y Y D

-I--

I -

II---

-

o

B B

I

)

) II I

I

I

I-I -I-I- II

B


PRINCIPAL SOUSA Entre, minha filha, entre nesta casa, onde encontrará a resignação de que tanto necessita. . . Deus abre todas as portas... Cale-se! Há lábios que não têm o direito de pronunciar esse nome! Tudo o que dizer a essa mulher só lhe poderá aumentar o sofrimento. Tenho estado a ouvi-Ia, pedindo a Deus que me dê paciência para lhe não responder... Há quem não esteja preparado para ouvir a palavra do Senhor Paciência, minha filha... Até Deus se resignou ao Seu destino! .

12 - 13


U

0

I

U

D

0

U 0 0

0

0

c

J

0

I

U

D

c

I

J

0

D

I

J

I

J

0

I

U

0

J

c

J

U 0

0


BERESFORD Conheço o nome de alguns conspiradores, mas não sei quem seja o chefe...

PRINCIPAL SOUSA Os pormenores, Sr. Capitão, são consigo. Não me interessa saber como são castigados os inimigos do Senhor mas, apenas, que o são

BERESFORD Verá, Rev erência, que também não faltarão braços para esta seara... basta prometer melhoria de rancho a todos os que colaborarem...

PRIN CIPAL SOUSA Não seria preferível meter todos os conspiradores numa fragata, e mandá-los... .

14 - 15


O

B

B

B

L

VVV

B

O

III IoI

B

B

B

L

---

LLVV

VV

O

VV

O

V V

II - Io- -II

II IoI

V

- ---

- ---

O

B

V

/O/

I

IIII Io

!

V

!

/O/

V V

V

!

!/ /

/O/

V V


Fanatismo

2

Opressão

4

Corrupção

6

Injustiça

8

Rancor

10

Hipocrisia

12

Crueldade

14

16 - 17


P

rincipal Sousa é um representante da igreja que defende um Deus feito à imagem e semelhança dos homens. Pretende manter o povo na ignorância para poder exercer a sua tirania. Preocupam-no também as ideias revolucionárias, oriundas de França, uma vez que a sua divulgação poria em causa o poder eclesiástico. É cúmplice e comprometido com o poder, aspecto evidenciado no seu diálogo com Beresford. Revela ser hipócrita e falso, quando demonstra uma preocupação não sincera em relação à condenação de um inocente.

560 e s dj g f a

201 1

da n i el a

s e q u e i r a 1 2D

Principal Sousa  

Principal Sousa

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you