Page 1

entrevista Carlos Silva, administrador dos Serviços de Acção Social da Universidade do Minho em exclusivo para ACADÉMICO/RUM Página 11 e 12 Carlos Silva assumiu a administração dos Serviços de Acção Social da Universidade do Minho fez, no passado dia 1 de Outubro, sete anos. De todos estes anos, faz questão de destacar as suas relações com os reitores Sérgio Machado dos Santos, António Guimarães Rodrigues e, actualmente, António Cunha. Para o futuro, ambiciona a abertura de um restaurante panorâmico no campus de Azurém, assim como a inauguração de duas pizzarias. No entanto, o tema dominante da entrevista foi a questão dos apoios sociais. Apesar de garantir que mal sejam publicadas as normas técnicas de cálculo das bolsas, os SASUM irão, em 30 dias, disponibilizar esse apoio, Carlos Silva admite que no panorama nacional, apenas em Fevereiro ou Março grande parte dos estudantes do Ensino Superior recebem as bolsas de estudo.

cultura Testamentos perpetuam uma Gata histórica, mas “atrevida” É momento de recuperar a história. São dezenas de anos, milhares de testemunhos de uma Gata que, ano após ano, insiste em morrer e deixar os seus testemunhos. Associação Cultural Francisco Sá de Miranda e Associação Académica da Universidade do Minho deixam assim, perpetuado todo este espólio valioso, agora registado num livro com cerca de 500 páginas... De pura história. Página 16 e 17

reportagem Socialização ao som das danças latinas na UM Jornal Oficial da AAUM DIRECTOR: Vasco Leão DISTRIBUIÇÃO GRATUITA 130 / ANO 5 / SÉRIE 3 / TERÇA-FEIRA, 5.OUT.10

www.academico.rum.pt www.facebook.com/jornalacademico www.twitter.com/jornalacademico

A Universidade do Minho, de entre as muitas modalidades desportivas que permite praticar ao longo do ano, tem também as danças latinas. Uma modalidade que talvez muita gente pense que tem pouca procura, e que muitos outros nem saberão da sua existência. Vamos conhecê-la um pouco melhor... Página 13


05.OUT.10 // ACADÉMICO DANIEL VIEIRA DA SILVA // daniel.silva@rum.pt

BARÓMETRO EDITORIAL

Para publicares a tua opinião no ACADÉMICO, envia o texto com uma semana de antecedência à publicação do jornal para: jornalacademico@rum.pt. O autor deve identificar-se com o primeiro e último nome e número de aluno. Esta rúbrica pretende ser um espaço aberto para que todos possam interagir com o jornal, através da exposição de questões relativas à UM e o meio envolvente. Os textos serão publicado por ordem de chegada.

FICHA TÉCNICA // Jornal Oficial da Associação Académica da Universidade do Minho. // Terça-feira, 28 setembro 2010 / N128 / Ano 5 / Série 3 // DIRECÇÃO: Vasco Leão // EDIÇÃO: Daniel Vieira da Silva 77 REDACÇÃO: Ana Cristina, Cátia Alves, Cláudia Rêgo, Diana Sousa, Eduardo Rodrigues, Elsa Moura, Franscisco Vieira, Helena Sofia Costa, Joana Gramoso, Sónia Ribeiro, Sónia Silva, Tânia Ramôa // COLABORADORES: Cátia Castro, José Reis, // GRAFISMO: Daniel Vieira da Silva e Luís Costa // MORADA: Rua Francisco Machado Owen, 4710 Braga // E-MAIL: jornalacademico@rum.pt // TIRAGEM: 2000 exemplares

SEGUNDA PAGINA EM ALTA

NO PONTO

EM BAIXO

Festival de Outono Excelente iniciativa. Pelo primeiro ano, o Conselho Cultural deu azo à festa para os estudantes, abrindo, de igual forma, as portas às cidades. Sinergias positivas criadas em torno de um evento onde a Universidade e seus parceiros saíram claramente com uma imagem (com punho cultural) assumidamente mais forte.

Praxe na U. Minho Até ao momento, a situação, a julgar pelos comentários e opiniões dos novos alunos, tem sido exemplar. A praxe, um “bicho” para quem trazer credibilidade e seriedade a uma instituição de ensino está, no presente ano, bastante calma e ponderada. O respeito pela dignidade e valor humano são traves-mestre neste arranque.

Acção Social no Ensino Superior Deixo (quase) o mesmo texto que na edição passada. Uma semana volvida... A situação mantém-se. Vergonhoso! A publicação de normas técnicas para o cálculo da bolsa continua a dominar (ou não) a “extenuante” agenda do Ministério. Quem sofre na pele são, uma vez mais, os estudantes. Façam-se ouvir!!!

É num ambiente de austeridade instalado no país que o semanário dos estudantes volta na sua segunda edição deste ano. Austeridade essa que obriga ainda mais a “apertar o cinto”, apesar de a única coisa que temos ser uma simples “tanga”. Esperemos então que não seja “tanga”, esta história da recuperação de prestígio e reputação nos mercados estrangeiros. “Tanga” essa que nos querem fazer acreditar. Considero ser verdade, contudo. Mas considero igualmente um tremendo absurdo a tanga ser feita de diamantes em muitas casas de alguns “senhores” deste país. Acumulam-se os prémios e os ordenados assumidamente futebolísticos de alguns (que ainda ficam aborrecidos por lhe tirarem umas migalhas que dariam para alimentar milhares). Ainda assim, volto aos mercados internacionais, para deixar aqui a nota de que esta instabilidade em torno do país é, também, na minha opinião, factor desastroso para o nosso futuro. Governar com um Orçamento de Estado de outros partidos é uma ideia absurda. Agora quando as “comadres” estão zangadas, fica tudo ainda mais difícil. É tempo de sermos Portugal sem ser na altura dos jogos da selecção. Pego, como nota final, na questão das bolsas, para voltar a classificar a situação de vergonhosa. Fevereiro/Março para se pagar bolsas??? Isto nem numa piada me fazia rir. Não se “brinca” com coisas destas. É o futuro do país, são os jovens que estão em causa. Haja vergonha senhores! Enquanto tudo passa e nada muda... Voltemos ao futebol, o nosso “alegre fado” para os momentos maus.


PÁGINA 03 // 06.OUT.10 // ACADÉMICO

LOCAL

Comida típica por 12,5 euros em restaurantes de Braga Cláudia Fernandes alaufernandes@hotmail.com

Apreciar as iguarias da gastronomia bracarense é possível por 12,5 euros em alguns restaurantes da cidade de Braga, ao longo de todos os fins-de-semana do mês de Outubro. Isto surge no âmbito da edição deste ano do “Braga à Mesa”, que arrancou na passada sextafeira, no restaurante “El Olivo”, no Hotel Meliã, na cidade minhota. Entre os pratos que podem ser provados constam o “Bacalhau à Braga”, “Papas de

Sarrabulho com Rojões à Minhota”, “Arroz de Pato” e “Cabrito Assado à Moda de Braga”, não tendo sido deixados de partes os “bolinhos de bacalhau” e o “Leite-creme”. A iniciativa, que já se realiza há alguns anos, inserese no “quadro de formação turística do concelho”, em que o principal objectivo é, segundo Vítor Sousa, vicepresidente da Câmara Municipal de Braga e vereador para o Turismo, “a promoção de um património turístico de grande relevo e potencial, como é a nossa

gastronomia”. Sabendo ser necessário desenvolver esforços para tornarem este evento apelativo, o vice-presidente da Câmara Municipal de Braga garante que tem trabalhado nesse sentido “com os restaurantes que querem aderir à iniciativa”. Vítor Sousa referiu, em declarações à RUM, que na gastronomia “o factor preço também é importante”. “Todos os restaurantes que se associaram à iniciativa vão ter uma ementa completa a 12,5 euros”, explicou. Esta novidade, ou seja o facto de haver um preço fixo, resulta

desse trabalho junto dos espaços de restauração. Paralelamente à promoção da gastronomia local, esta actividade visa, de igual modo, uma divulgação dos pontos turísticos da região. O também vereador para o Turismo, Vítor Sousa, revela que estes dispuseram de “50% nas entradas” para aderirem a este programa. As Termas Romanas da Cividade, Museu dos Biscainhos, Mosteiro de Tibães e Museu da Sé de Braga são alguns dos aderentes. Em termos de promoção, além de haver uma aposta a

nível nacional, há também o interesse em divulgar a iniciativa em terras galegas. “Temos sempre a particularidade de procurar entrar no mercado galego que, além de vizinho, tem uma apetência a nível gastronómico”, afirma o vereador para o Turismo da Câmara Municipal de Braga. Os pratos típicos de Braga podem ser apreciados em vários espaços de restauração da cidade, entre os quais figuram, “Migaitas Braga”, “Mini Sport”, “O Lago”, “Taberna do Migaitas” e “Café Astória”.

RUM e AAUM promovem Laboratório de Jornalismo Sónia Ribeiro sonia_cc@live.com.pt

A Rádio Universitária do Minho (RUM) e a Associação Académica da Universidade do Minho (AAUM) promovem mais um ‘Laboratório de Jornalismo’, desta vez subordinado ao tema do

Ano Europeu da Luta contra a Pobreza e Exclusão Social. A apresentação de mais um dos módulos deste projecto decorreu na FNAC Braga, na passada Quarta-feira, dia 28 de Setembro. Com a ajuda dos profissionais da RUM, a ideia é estimular a participação, o debate e a intervenção de

todos os jovens, tornandose numa ferramenta fundamental de aprendizagem não formal na área do jornalismo. Financiado pela Agência Nacional para a gestão do programa “Juventude em Acção”, o laboratório procura promover debates construtivos sobre o Ano

Europeu de Luta contra a Pobreza e Exclusão Social, o programa “Juventude em Acção”, o diálogo intercultural, a participação e diálogo estruturado, as minorias sociais e anti-racismo, os programas europeus e a integração europeia e cidadania. O Laboratório de Jornalismo será realizado para seis gru-

pos distintos, constituídos por 60 jovens da região do Minho, durante seis meses. Os trabalhos jornalísticos serão depois publicados no Jornal Académico e na AAUM TV. Haverá ainda a realização de um seminário final, para apresentação do trabalho realizado durante o projecto.


PÁGINA 4 // 06.OUT.10 // ACADÉMICO

CAMPUS

Cartaz da Recepção promete soltar o lado selvagem dos novos alunos Sara Pestana sarapestana@hotmail.com

Prontos para a “Party animal” é a pergunta que se impõe no momento. Marisa Ribeiro, responsável pelo departamento recreativo da Associação Académica da Universidade do Minho (AAUM) dá as boas vindas a todos os novos alunos, garantindo momentos de diversão e descontracção, pois a “vida académica não passa só pelos estudos”. Os estudantes da “melhor academia do país” estão convi-

dados para a “festa de macacos”. E como já vem acontecendo, a Recepção ao Caloiro começa com as Serenatas Velhas, no Largo da Oliveira, dia 11 de Outubro. Dia 12, destaque para a banda de reggae “Soul of Fire” e para nos levar bem longe, segue-se a actuação de Marcelinho da Lua. Marisa salienta que a maior aposta do evento será no dia 13, dia da famosa latada em Guimarães. E para prolongar a nossa noite, a festa continuará com músicas bem animadas e que ficam

no ouvido. Com um reportório variado e popular, terá lugar a actuação de Zézé Fernandes e, posteriormente, Toy. Já no dia 14, para terminar em grande, espera-se uma noite ao sabor do tipicamente português. Fica-se, assim, com os Anaquim, que na passada semana brilharam no concerto de aniversário da Rádio Universitária do Minho, e de seguida com Pedro Abrunhosa, ao som de algumas músicas do seu novo álbum “Longe”. Marisa Ribeiro destaca ainda a importância das “barraquinhas de curso” ao

longo dos três dias do evento que são sempre “pontos de encontro” de cada curso, representando-os sempre em peso. A AAUM volta a disponibilizar transporte gratuito a todos entre os pólos da Universidade (Gualtar e Azurém) e o Pavilhão Multiusos, local dos espectáculos. Os bilhetes, esses, continuam a um preço atractivo e estarão à venda nas sedes da associação académica e nos gabinetes de apoio ao aluno. A AAUM oferece uma pulseira e uma t-shirt com edição limitada (uma novi-

dade neste ano) para quem comprar o bilhete geral que se fixa nos 15 euros. E para os “macacos” mais animados da festa e não só, a Gata na Saúde disponibiliza aos estudantes um atendimento personalizado em caso de qualquer eventual situação menos lúcida. Para concluir, Marisa Ribeiro acredita que é importante a participação de todos nestes eventos, bem como o associativismo em núcleos de curso, associação académica e todas as outras actividades que nos dizem sempre respeito.

Alunos dentro de água no “Caloiro de Molho” Vânia Barros vaniastefa@hotmail.com Diogo Araújo diogorafael@msn.com Sónia Silva sonia.silva8@hotmail.com

Na passada tarde do dia 29 de Setembro, teve lugar nas piscinas municipais de Braga, o “Caloiro de Molho”. Realizada anualmente pela Associação Académica da Universidade do Minho e inserida no programa de Acolhimento e Recepção dos novos alunos, a edição

2010 do evento destacou-se com o slogan “Vai afundar” e contou com a presença de grande parte da comunidade estudantil da academia minhota. A tarde foi animada com inúmeras actividades dentro de água, caracterizadas pelo espírito de competição inter-cursos. Num ambiente eufórico, os estudantes recém-chegados, mostraram grande adesão. Luís Pires, que ingressou no primeiro ano de Economia, considerou “um espectáculo. Nunca pensei que fosse tão bom, estou surpreendido” o que reforçou, referindo “as

actividades proporcionadas pela academia foram espectaculares”. Petra Ferreira confirmou esta declaração, aferindo que gostou do acontecimento, destacando o convívio dentro de água. Economia, MIECOM e Medicina distinguiram-se pelo sucesso das suas prestações nas provas aquáticas, das quais saíram vencedores, e Engenharia Informática, surpreendeu pela indumentária utilizada. Terminada mais uma edição do “Caloiro de Molho”, faz-se, de acordo com a opinião dos participantes, um balanço positivo da activi-

A euforia tomou conta dos presentes e não foram só os caloiros a irem a banhos dade decorrida. Aguardase, agora, com expectativa, a chegada da Recepção ao

caloiro, que irá acontece em Guimarães, já a meio do presente mês.


CAMPUS PÁGINA 05 // 06.OUT.10 // ACADÉMICO

UM abre inscrições para curso de preparação para maiores de 23 anos Tânia Ramôa tania_ramoa@hotmail.com

Em tempos em que os novos alunos do ensino superior acabam de entrar na universidade, a Universidade do Minho abre, pela oitava vez, o curso de preparação

e avaliação para candidatura ao acesso superiores para pessoas maiores de 23 anos. As inscrições estão abertas até ao dia 8 de Outubro e podem ser feitas em Braga, no Gabinete de Apoio ao Acesso (situado no CP III), e em Guimarães, nos serviços académicos. Destinando-se àqueles que

pretendam ingressar no ensino superior através deste regime de acesso, este curso promete desenvolver as competências essenciais ao seu sucesso. A formação é dividida em dois semestres em horário pós-laboral e integra duas disciplinas. A Língua Portuguesa é uma delas e cabe ao

aluno a escolha de uma unidade curricular específica (Tópicos de Economia I e II ou Filosofia e Pensamento Crítico I e II ou História I e II ou Tópicos de Matemática I e II). A avaliação das mesmas, em conjunto com uma entrevista final e análise do currículo, darão ao candi-

dato as ferramentas para a candidatura aos cursos de Licenciatura ou de Mestrado integrado da UM. O 1º semestre decorrerá de 25 de Outubro de 2010 a 29 de Janeiro de 2011, sendo que o 2º semestre nas datas de 14 de Fevereiro a 21 de Maio de 2011, ambos num total de 72 horas de aulas.

À “moda” do Minho Diana Isabel Sousa diana_sous@hotmail.com

O início do ano lectivo 2010/11 traz consigo a 9ª edição do University Fashion, um evento de moda organizado pela Associação Académica da Universidade do Minho (AAUM). Este divide-se em quatro concursos: de manequim feminino e masculino, de apresentador/a do desfile final, de repórter do evento e de designer. As inscrições já estão abertas, terminando no próximo dia 5 de Novembro. O Fashion está sobre a alçada do Departamento de Saídas Profissionais da AAUM e é mais do que um concurso entre manequins. Segundo o vice-presidente deste departamento, Eduardo Pereira, o principal objectivo do certame é “provar à comunidade que os estudantes da academia são capazes de organizar um evento

com qualidade acrescida”. “Qualquer aluno pode participar activamente no University Fashion, seja como manequim, apresentador, repórter ou designer”, relembrou Eduardo. Os candidatos a manequim universitário enfrentam quatro eliminatórias. Estas vão decorrer no Bar Académico de Braga e de Guimarães, no Sardinha Biba (Braga) e no Club Trás-Trás (Guimarães), todas as quartas-feiras antecedentes ao desfile final a 17 de Novembro. Nestas quatro etapas serão apurados 14 finalistas que receberão formação em técnicas de passerelle, técnicas de fotografia, entre outras e terão, também, actividades para fomentar o espírito de grupo. Toda esta formação decorrerá em regime de residência, pois os finalistas vão ficar alojados na residência universitária de Azurém, durante os dias anteriores ao último desfile.

Relativamente à área de apresentador do evento, o aluno interessado será sujeito a provas de pré-selecção. Os escolhidos nesta fase inicial vão ter a oportunidade de apresentar as eliminatórias. O melhor apresentador dos castings será, depois, o apresentador do desfile final. Por sua vez, os alunos candidatos a repórteres vão fazer uma reportagem sobre as eliminatórias, sendo as melhores publicadas nos órgãos de comunicação da AAUM. O melhor repórter de cada casting terá a oportunidade de fazer uma reportagem sobre a final. Por fim, os concorrentes a melhor designer têm de entregar os seus projectos, sendo os melhores seleccionados para a última passerelle. Para cada uma das áreas em concurso existe um júri especializado, composto por estilistas de referência, produtores de moda/manequins conhecidos do públi-

co e especialistas na área da comunicação. De acordo com o vice-presidente do departamento responsável pelo University Fashion, Eduardo Pereira, o que se procura é “bons exemplos a nível universitário e não vencedores standard”. Os estudantes vencedores em cada uma das áreas vão receber incentivos à continuação da sua carreira. Na

área de manequim, serão oferecidos books, novas oportunidades na área e agenciamento. Aos melhores designers será dada a possibilidade de exporem as suas obras e de conhecerem ateliês de referência, podendo até conseguir um estágio. Por fim, os melhores repórteres e apresentador do evento poderão repetir, futuramente, a experiência.


PÁGINA 06 // 06.OUT.10 // ACADÉMICO

UNIVERSITÁRIO

Rankings do Ensino Superior criticados Bruno Fernandes micanandes@gmail.com

Os rankings das instituições de Ensino Superior a nível mundial, recentemente apresentados, não recolhem consenso entre os líderes e professores das universidades. Segundo o QS Top World Universities 2010, houve várias mudanças nestes rankings. A que teve maior impacto terá sido a mudança da líder da tabela: a Universidade de Cambridge, no Reino Unido, destronou a de Harvard, nos Estados Unidos, que se mantinha no primeiro lugar desde 2005. Charles Reed, vice-reitor da Universidade Estadual da Califórnia, disse que as universidades melhor classificadas não são melhores

do que as outras: “Todas são boas porque agregam valor ao que fazemos”. Outra das vozes discordantes dos rankings Janyne Hodder, ex-reitora da Universidade das Bahamas, que considera que o ranking desvirtuou-se dos objectivos das universidades dos países em desenvolvimento. Hodder considera ainda que estes rankings colocam pressão sobre as universidades, fazendo com que estas adoptem uma postura de divulgação internacional de forma a melhorar o desempenho no ranking e não o desempenho académico. Por sua vez, Barbara Ischinger, directora da OCDE de Educação, referiu que se sabe muito pouco sobre o que os alunos aprendem durante os seus estudos nas Universidades.

Quanto às universidades portuguesas, houve também algumas mudanças. Pela primeira vez em cinco anos, a Universidade Nova de Lisboa ultrapassou a de Coimbra. A primeira fixouse no 384º lugar, enquanto a Universidade de Coimbra se fixou no 396º lugar. O destaque dado à Nova de Lisboa acontece graças à elevada taxa de empregabilidade e internacionalização. A Universidade do Porto ficou no 85º lugar, no Top 100 Europeu de Produção Científica, em produção de textos científicos mais publicados, em 2009. É também a 141º europeia no balanço de todos os indicadores. Quanto à Universidade do Minho, infelizmente, não está presente no referido ranking. No entanto, no top “Ranking Web of European

Quanto à Universidade do Minho, infelizmente, não está presente no referido ranking

A ex-reitora da Universidade das Bahamas considera que o ranking se desvirtuou Universities”, publicado em Junho de 2010 pelo Conselho Superior de Investigações Científicas (CSIC), de Espanha, a Academia Minhota é apontada em 211º a nível europeu e em 484º

a nível mundial. Este top mede as actividades científicas, a visibilidade que cada instituição obtém mediante cada iniciativa e a sua presença na internet, entre outros parâmetros.


UNIVERSITÁRIO PÁGINA 07 // 06.OUT.10 //ACADÉMICO

A Piada de Ser Cientista

O projecto que junta ciência e humor numa fórmula explosiva surgiu com o propósito de reduzir o distanciamento entre cientistas e sociedade em geral Goreti Faria goreti.fcs@gmail.com

São cientistas com piada. Fazem stand up comedy e ganharam um prémio. Vão pelo nome de “Cientistas de Pé”, porque a ciência é muito mais do que um lugar no laboratório e porque é de pé que as piadas se contam Cabelos no ar, bata branca, hábitos de higiene um tanto ou quanto duvidosos e óculos com lentes de tal forma avolumadas que se torna difícil ver os olhos que se escondem por detrás delas – eis a imagem estereotipada que é tendencialmente atribuída aos cientistas. Afinal, eles trabalham em laboratórios, dizem palavras como iões e neutrões e utilizam instrumentos como a bureta, o balão volumétrico e o acelerador de partículas. No entanto, uma investigação levada a cabo por David Marçal, licenciado em Química Aplicada e doutorado em Bioquímica, com recurso a dados empíricos e à realização de experiências em campo, veio desmistificar esta imagem: os cientistas têm piada, fazem comédia e ganham prémios por isso. Surpreendente revelação de um segredo bem guardado. Nome de código: Cientistas de Pé. O projecto surgiu em 2009 no contexto da Noite dos Investigadores, uma iniciativa levada a cabo pela Comissão Europeia com o propósito de reduzir o distanciamento entre os cientistas e os restantes membros da sociedade. “Cientistas ao Palco”

encarregou-se de dinamizar o evento nos últimos dois anos com actividades insólitas como speed-dating com cientistas e espectáculos teatrais. É entre os últimos que se enquadra “Cientistas de Pé”, um espectáculo de stand up comedy que conta com a direcção de texto de David Marçal, a direcção de actores de Romeu Costa, a contribuição da organização sem fins lucrativos e com cientistas de várias áreas como protagonistas – aproximadamente sete, assim o disse David Marçal na introdução de um dos espectáculos, em jeito de prenúncio do registo que se avizinha.

Gostaria de fazer teatro? Recrutar cientistas para fazer teatro é um processo cómico. À pergunta de Romeu Costa, “Gostaria de fazer teatro?”, feita a cientistas que se encontravam a trabalhar no Instituto de Tecnologia Química e Biológica da Universidade Nova de Lisboa, as reacções foram das mais variadas: desde o discreto “não tenho jeito para isso” ao entusiasta “Vamos a isso, é na boa”, passando pelo inevitável “Teatro?!” e pelo categórico “Não!”. Aqueles que embarcaram na aventura viram-se frente a frente com a execução de exercícios de expressão, de descontracção e afins – para baixo e para cima, tirar os óculos para não caírem, para a frente e para trás, gritar, berrar e falar dos tais iões e neutrões com raiva ou amor. Assim se faz de um cientista um actor. Afinal, na natureza

tudo se transforma. O produto final, as várias actividades levadas a cabo no âmbito do “Cientistas ao Palco”, revelou-se um sucesso. Em particular, “Cientistas de Pé” foi exibido em

diferentes zonas do país, bem acompanhado por gargalhadas audíveis por parte da audiência, e venceu o prémio Ideias Verdes 2010, uma iniciativa conjunta da Fundação Lusa e do Jornal

Expresso que visa promover a expressão de novos valores na concretização de projectos inovadores na área do ambiente. Está visto, cientistas mais comédia igual a sucesso.


PÁGINA 08 // 06.OUT.10 // ACADÉMICO

NACIONAL Sonae promove a partilha de ideias criativas Ângela Coelho angelacoelho72@hotmail.com

Foi no passado dia 28 de Setembro que se realizou a segunda edição do prémio de inovação “Sonae Call for Solutions Flash”. A iniciativa decorreu na Faculdade de Economia da Universidade do Porto, reunindo mais de

100 alunos em torno de um desafio sobre o futuro do mercado de retalho. Este projecto, promovido pela Sonae, a Associação Internacional de Estudantes de Ciências Económicas e Comerciais e a Faculdade de Economia da Universidade do Porto, tem como principal objectivo encarar as universidades portuguesas como parceiros privilegia-

dos na partilha do conhecimento e de ideias criativas. Na primeira edição foram premiados os alunos Carla Gonçalves, Cristina Magalhães, Claúdia Brandão e João da Silva por uma ideia inovadora na área dos produtos gourmet. Nesta edição foram mais de 60 os alunos da Universidade do Porto que durante uma hora tentaram respon-

der à questão: “Como será um hipermercado daqui a 25 anos?”. Deste brainstorming resultaram mais de 100 ideias. A acção está inserida na iniciativa “We Can Solve It” da AIESEC, a maior associação internacional de estudantes criada em 1948, que procura fomentar a aproximação dos alunos ao meio empresarial e fazer com que os

estudantes encontrem uma solução para os casos práticos reais que estão a ser desenvolvidos pelas empresas participantes. Actualmente, esta associação continua a promover o crescimento dos estudantes, dando a oportunidade de gerir os escritórios espalhados por 107 países e permitindo uma ligação mais próxima com mercado de trabalho.

Juventude pensou República em Almada Neuza Alpuim neuzinha14@hotmail.com

O Conselho Nacional da Juventude (CNJ) organizou um Seminário intitulado de “República e a Juventude” que decorreu entre o dia 2 e 5 de Outubro na Pousada da Juventude de Almada. A organização contou com cerca de 100 jovens para celebrar o centenário da República, criando um espaço de debate transversal onde a educação não-formal predominou como metodologia de apren-

dizagem e interacção. Os jovens foram divididos em workgroups que contaram com a participação de vários convidados onde a temática da república foi ponto central nos diversos subtemas como a educação, direitos dos jovens, emprego e desenvolvimento sustentável. Como salienta Sara Castro, membro da direcção, responsável pela área de associativismo e participação juvenil, “existiram vários momentos de lazer e convívio de forma a que os jovens

se conheçam, desde DJ’s a animar, a noite a sessões de cinema ligados à República”. Antes deste evento, a organização esperava obter o máximo contributo possível dos jovens portugueses. Um dos pontos fulcrais desta actividade foi construir um documento que aborda todas as temáticas e áreas relativas à república participado pelos jovens envolvidos e pelo CNJ, sendo “um pensar para o futuro” no ponto de vista de Sara Castro. O documento final foi apre-

sentado no último dia da actividade, 5 de Outubro no Terreiro do Paço, onde se

realizaram as Cerimónias oficiais de Comemoração do Centenário da República.


PÁGINA 09 // 06.OUT.10 //ACADÉMICO

INQUÉRITO O que achas do Cartaz da Recepção ao Caloiro ? Manuel Passos, um novo “aluno minhoto”, considera que o cartaz da Recepção ao Caloiro 2010/2011 não corresponde às expectativas. Segundo ele, o repertório, para além de não abranger todos os gostos, não possui qualquer cabeça de cartaz capaz de atrair um vasto leque de pessoas. De entre os artistas convidados, Pedro Abrunhosa será o nome que acredita gostar mais de ver. Se pudesse escolher alguém para abrilhantar o elenco de uma futura edição, nomearia “uma banda como Pearl Jam ou Alice in Chains”, diz o estudante, revelando ainda algum desfasamento em relação às possibilidades que o orçamento impõe. Independentemente de “a música ser fraca”, o futuro engenheiro aguarda, com expectativa, quatro dias divertidos para toda a comunidade académica, e remata: “Guimarães, a cidade que acolherá o evento, tem muito para oferecer e compensará, com toda a certeza, a falta de artistas”. Manuel Passos 1º ANO // Engenheira Biomédica

Patrícia Painço 2º ANO // Ciências da comunicação

Sobre o cartaz da Recepção ao Caloiro 2010/2011, Patrícia Painço realça a estética do mesmo, considerando-o “pouco apelativo”. Descreve, da mesma forma, os cabeça de cartaz, dizendo que nenhum deles se relaciona com o género de música que ouve. Apesar da sua insatisfação, a aluna de Ciências da Comunicação compreende que os artistas chamados a actuar este ano são os mesmos que, geralmente, se associam às festas académicas, “e não os que se ouvem em casa”. Assim sendo, Pedro Abrunhosa será o músico que, dentro do rol de convidados, provavelmente mais apreciará. Expectativas? “Acho que vai ser bom porque estamos com os amigos e fugimos do stress académico. Serão, com certeza, três dias divertidos”.

Para Joana Arantes, o cartaz da edição 2010/2011 da Recepção ao Caloiro parecelhe relativamente criativo. Quanto aos nomes que marcam presença este ano no Pavilhão Multiusos de Guimarães, a aluna de Engenharia Informática considera que os mesmos “poderiam ter sido um pouco melhores”. Desta gama de nomes, aquele que mais a cativa é a banda portuguesa Souls of Fire que irão actuar no primeiro dia de concertos no Pavilhão Apesar disso, pensa não ir a qualquer dia do evento. Caso pudesse escolher um nome de peso para marcar presença na próxima edição, a primeira aposta desta estudante do primeiro ano seria o dj Tiësto, ou “outro [artista] relacionado com a música electrónica”.

Joana Arantes 1º ANO // Engenharia Informática

Herawaty Natsir ERASMUS // Ciências da Comunicação

José Miguel Lopes jose.sepol@hotmail.com

Eduarda Fernandes duda71@live.com.pt

“Porque é que puseram um macaco a representar os caloiros?” Herawaty Natsir não compreende a escolha do tema e subsequente cartaz da festa. Quanto às bandas que se deslocarão a Guimarães, esta estudante erasmus admite não saber o que esperar, com excepção da Tuna Universitária do Minho, da qual confessa ser fã. Por este motivo, ainda não decidiu se irá aos quatro dias do evento, ou apenas ao último. Seja como for, Herawaty acredita que a festa constitui uma oportunidade não só para os caloiros, mas também para os estudantes estrangeiros se familiarizarem com o meio universitário. Se pudesse eleger um artista para a edição do próximo ano, ficaria encantada em rever Daniela Mercury e Emir Kusturika ou, até mesmo, ver os Franz Ferdinand.

Como não poderia deixar de ser, os novos alunos e toda a comunidade académica serão, uma vez mais, brindados com a já conhecida “Recepção ao Caloiro”. A festa, que começa no dia 11 de Outubro, prolongando-se até ao dia 14, contará com a presença de Pedro Abrunhosa, Marcelinho da Lua, e Souls of Fire, entre outros nomes que celebrarão, em parceria com os estudantes minhotos, a chegada de mais uma geração de estudantes à nossa academia. Como se sabe, o cartaz que divulga o evento já anda por aí. O ACADÉMICO foi ter com os alunos da Universidade do Minho para saber o que eles acham do mesmo.


PÁGINA 11 // 06.OUT.10 // ACADÉMICO

ENTREVISTA carlos silva

Administrador dos Serviços de Acção Social lança o alarme, avisando que apenas no próximo ano alguns alunos receberão bolsa. Residências, cantinas, Escola Superior de Desporto, são outros temas desta entrevista, um exclusivo ACADÉMICO/RUM Luís Costa

DANIEL VIEIRA DA SILVA* daniel.silva@rum.pt

Durante o seu percurso na Associação Académica foram anos conturbados a nível de acção social. Voltamos agora a viver um momento dramático com a publicação de um novo regulamento e consequente indefinição que está patente até hoje, não conhecendo ainda as regras técnicas do processo de atribuição de bolsas. Como explica esta demora com o ano lectivo já iniciado? Este processo, para quem não acompanhou de perto e não o conhece, teve início em meados de Fevereiro com reuniões com os reitores e o ministro. Começou cedo e, depois, foi esquecido, voltando a ser relembrado em Julho e Agosto. Demorou muito tempo e foi finalizado apenas em Setembro com a publicação do regulamento de atribuição de bolsas. O regulamento fixa os princípios gerais da atribuição de bolsas no ensino público e privado, faltando-lhe um aspecto fundamental – a regulamentação. É aqui que se centram

todos os critérios da sua atribuição como, por exemplo, saber qual é o limite a partir do qual o estudante tem uma bolsa de estudo, os critérios de aproveitamento escolar, entre outros. Há critérios específicos que precisam de ser definidos. Eu sou umas pessoas que faz parte do grupo de regulamentação e na única reunião que tivemos, a principal ideia defendida foi que antigos critérios deveria ser transpostos para o actual regulamento, algo que funcionaria de forma justa para os estudantes. No entanto, nos aspectos mais importantes não participamos nessa definição. Desde início de Setembro, temos feito uma série de contributos, mas sem grandes efeitos. A quem atribui a responsabilidade deste atraso? Não há um nome a quem possa ser atribuído o atraso. Há na generalidade uma responsabilidade política que tem se ser assumida Quando diz “política”, está a pensar no Governo e no Ministério? Estou a pensar em alguém com responsabilidade política que deve assumir este

atraso. Este processo vai ter consequências muito difíceis de resolver neste ano lectivo. Os candidatos entregaram as suas declarações entre Maio e Junho. Na Universidade do Minho foi até final de Maio e nas restantes, no máximo, até Junho. Em Agosto, recebemos alguma informação sobre o que deveríamos fazer, o qual foi concluído em Setembro. Nesse mês, os serviços de Acção Social solicitaram informações complementares aos estudantes para finalizar o processo de candidatura que teve de ser entregue até ao último dia do mês de Setembro. Em situações normais, no início de Setembro, teríamos todos os documentos para análise e respectivos critérios de atribuição. Neste momento, a maior parte das universidades de Portugal ainda não olharam para nenhum processo de candidatura a bolsa, o que terá um reflexo. Provavelmente apenas em Fevereiro/Março, as universidades conseguirão concluir a atribuição de bolsas. Mas a UM irá conseguir fazêlo mais cedo? A UM optou por uma estra-

Carlos Silva aproveitou a entrevista para dar conta da intenção da abertura de um restaurante panorâmico em Azurém e duas pizzarias nos campi tégia de análise diferente. A maioria das universidades só partirá para a análise quando tiver a regulamentação. A UM tentou transformar o seu método de trabalho à semelhança de um processo de engenharia, não sabemos os resultados mas sabemos algumas das variáveis que contribuirão para o mesmo. Guardamos toda a informação e passámos para um sistema electrónico. Ao longo destes meses, fizemos um trabalho de recolha de dados dos documentos e acreditámos que em, muito pouco

tempo, conseguimos aplicar a fórmula para atribuição de bolsas segundo o novo diploma. Só queremos que definam os novos critérios e a fórmula de cálculo das bolsas. Quando fala em muito pouco tempo, pode precisar um período mais específico? Menos de trinta dias. Partindo dos dados da base de dados do ano passado, consegue estimar quantos alunos estão a ser afectados por este problema? Nos últimos dois anos, o número de candidatos a bolsa,


ENTREVISTA PÁGINA 12 // 06.OUT.10 // ACADÉMICO

tem variado entre os 5500 e 5800, é um número elevado dentro do nosso universo. Esta realidade reflecte o nível elevado de desemprego da nossa região que tem o PIB mais baixo do País, o que causa uma maior procura de apoios sociais. Somos a Universidade que tem mais bolseiros e que “gasta” mais dinheiro via orçamento de estado. É uma obrigação do Estado pagar a bolsa ao estudante e não das Universidades. Sendo o “bolo da acção social” o mesmo, acha justo que, para os mais carenciados receberem mais bolsa (um dos intentos do regulamento), diminuirá o número de alunos abrangidos pela bolsa? Faço uma leitura diferente em relação a este processo. Esta revisão tem um intuito claro, o bolo é o mesmo mas o critério será financeiro. Atribuído em função dos candidatos e do dinheiro disponível.

excluídos do acesso a bolsa, caso não entreguem os documentos necessários atempadamente, o que levará a nível nacional à diminuição dos candidatos. Assim, sabendo o número de estudantes e em função do Orçamento disponível para bolsas, serão definidos os critérios de atribuição. Não tenho dúvidas que é o que está a ser feito este ano. Quase todos os serviços do SASUM estão certificados, quais são as principais mudanças de ordem prática que isso acarreta? A certificação já era um objectivo com alguns anos, e conseguimos atingi-lo em 2009, sendo que era o resultado do nosso trabalho ao longo dos primeiros quatro anos. Estes serviços têm sofrido alterações que permitiram aumentar o seu orçamento, o nível de satisfação das pessoas que os usam diariamente os nossos serviços, dos nossos colaboradores

Carlos Silva pretende a ampliação de alguns serviços para toda a comunidade académica

E acha possível que esses critérios sejam afectados pelas medidas de austeridade recentemente divulgadas? Tenho dúvidas quanto à existência de cortes na acção social. O valor não tem sofrido alterações significativas ao longo dos anos. Penso que este ano, face aos critérios do aproveitamento e do valor máximo que o estudante terá direito a bolsa, o valor disponível para as bolsas serão dados face ao número de candidaturas válidas. As universidades até 7 de Outubro terão de comunicar ao Ministério o número de candidaturas válidas, ou seja, com o processo verificado (completo). Actualmente, os alunos serão automaticamente

que se sentem motivados a trabalhar. A certificação foi um “chapéu” para atingir estes fins. Agora, o objectivo é mantê-la. A certificação é um reconhecimento por parte das entidades externas daquilo que nós somos e fazemos. São selos que dão orgulho a nós e aos nossos colaboradores. Obrigam-nos a um trabalho diário por parte de todos para que possamos satisfazer as pessoas que usam os nossos serviços. Não tenho dúvidas que é uma garantia de qualidade. Claro que existem sempre pessoas insatisfeitas, mas pretendemos que o número seja cada vez menor, seja no processo de alimentação, desporto ou de bolsas. Nesse caso con-

creto, tenho pena que isso não dependa de nós directamente. Caso contrário, não teria dúvidas que estariam a ser atribuídas. É algo que me preocupa, até porque eu já fui estudante e tenho noção que as pessoas precisam de dinheiro no imediato e não apenas três meses depois do início do ano lectivo. Começou recentemente a funcionar o serviço de enfermagem, já está certificado ou irá ser mais à frente? O processo clínico já teve certificação e à medida que os processos são alterados, serão a seu tempo auditados durante a renovação da certificação. Na Universidade, os dois pólos têm 20 mil pessoas, uma pequena cidade. Achámos importante transpor serviços de primeira linha para dentro da Universidade, criando serviços que não serão pagos ou com custos muito reduzidos em relação à realidade exterior, o que levará à adesão da comunidade. Que tipo de serviços serão oferecidos? Temos serviços de apoio à medicina preventiva que é uma mais-valia para os alunos deslocados, apoio psicológico em vários dias da semana, que em conjunto com a Escola de Psicologia irá possibilitar o alargamento a toda a comunidade. Há também a vertente da medicina de trabalho para os trabalhadores da instituição. Todos os serviços estão integrados com uma estrutura clínica de profissionais que irão dar apoio a todas as vertentes. Quantos profissionais de saúde estão envolvidos? São cinco médicos, três enfermeiros e vários psicólogos. Envolve uma equipa grande que envolve custos e que deve ser orientadas da melhor forma. O objectivo não é ganhar dinheiro com a saúde, mas sim dinamizála e orientá-la para as necessidades da academia. Deve ser feito de forma global para que acha uma economia de recursos.

A 15 de Outubro os três blocos de Azurém terão cobertura wireless. Em Guimarães haverá ainda um restaurante panorâmico

Neste momento, a sustentabilidade está garantida? Sim, parte dela está garantida e ao longo do tempo pretende-se que seja autosustentável. Gostaria, por exemplo, de oferecer serviços na área dentária e outros serviços aos estudantes a baixo custo (seria muito positivo para o estudante ir ao dentista por 5 a 10 euros). Não é fácil implantar isto de um dia para outro, obrigando a processos muito complexos de gestão que vêm com o tempo. Foi por essa lógica dos serviços sustentáveis que, em relação às residências, já há alguns anos, decidiram abri-las ao público durante o Verão? Uma coisa que me faz confusão é ver algo que é do Estado, que todos nós pagámos, fechado durante 30 dias porque não há imaginação para rentabilizar esses recursos. Não faz sentido, quer uma residência ou pavilhão, que são públicos, não sejam direccionados para determinados canais, uma vez que também não estamos a tentar fazer concorrência a esses sectores de actividade. Mas como encara as críticas por parte do sector hoteleiro que falam em concorrência desleal? As pessoas, à partida, pensam que somos alternativa à estadia num hotel de Braga. No entanto, não somos porque os destinatários não são os mesmos. Os nossos canais não são propriamente para uma pessoa que chega a Braga e procure alojamento numa residência universitária. Contudo, é algo normal na Europa onde as residências estão voltadas para o público. Nós já temos presente no nosso plano estratégico, a continuação destes programas em parceria com Espanha, até 2012. No que toca ao pavilhão, sabemos que a UM tem uma prestação classificada no top europeu no que ao nível desportivo diz respeito. No entanto não existe um curso de desporto. Sabendo que vai abrir uma escola superior de Desporto em Braga nos próximos anos, deixa-o descontente que esta escola não faça parte da Universidade? Essa estratégia não é definida pelo SASUM, mas pela Universidade. Há algumas lógicas que têm de ser percebidas e são incompatíveis.

Não tenho dúvidas que ao longo dos anos a UM tem incentivado esse processo. Contudo, apostámos principalmente na massificação do desporto para todos os estudantes. Não há dúvidas que existindo um curso superior de desporto, com as mesmas infraestruturas, haveria alguém prejudicado. Teria, nesse caso, de existir um investimento em mais infraestruturas? Sim. Caso isso constasse no plano da Universidade, teria de existir um espaço de aulas e outros locais que permitissem aos restantes estudantes a prática desportiva e assim todos ganhávamos com o processo. O curso de desporto poderia ser uma decisão interessante, mas o principal é mesmo contribuir positivamente para o melhor desporto na cidade, mas é uma opção da Universidade. Faz muitas vezes questão de salientar o importante papel que os ex-reitores Sérgio Machado dos Santos e António Guimarães Rodrigues desempenharam na sua vida. Nesta altura, após sete anos em funções e um ano na reitoria de António Cunha, qual tem sido a relação entre o administrador dos SASUM e o reitor da UM? Há, antes de mais, uma coisa comum entre todos, são todos engenheiros. Foram pessoas que me marcaram. No meu percurso de estudante, o professor Sérgio Machado dos Santos foi reitor no meu período de dirigente associativo e mesmo em tempos conturbados, foi sempre uma pessoa excepcional. O professor António Guimarães Rodrigues… Trabalhámos lado a lado durante todo o seu percurso, desde Presidente da Escola de Engenharia até Reitor, foi um excelente Reitor. E agora, o professor António Cunha . Sempre vi com bons olhos a sua candidatura por ser uma pessoa muito dinâmica, como se tem vindo a verificar. Estes reitores percebem as áreas essenciais aos estudantes. São excelentes parceiros para os SASUM com uma forte preocupação com os estudantes. Há também uma relação próxima entre a associação académica e a reitoria, o que tem contribuído para o sucesso da Universidade.


PÁGINA 13 // 06.OUT.10 // ACADÉMICO

REPORTAGEM

Grupo de danças latinas “jovens” na UM em crescimento constante A procura tem sido de tal forma significativa que já justificou a criação de dois grupos de níveis diferentes Elsa Moura elsa.moura@rum.pt

A Universidade do Minho, de entre as muitas modalidades desportivas que permite praticar ao longo do ano, tem também as danças latinas. Uma modalidade que talvez muita gente pense que tem pouca procura, e que muitos

outros nem saberão da sua existência, mas que na realidade é composta por um vasto número de estudantes da academia minhota, e que todos os anos consegue arrecadar novos alunos. Carlos Sousa é o responsável pelas danças latinas na Universidade do Minho. Nomeado monitor do ano na Gala de Desporto da Universidade do Minho, já se encontra “há dois anos nas danças latinas” na academia minhota. O monitor diz que todos os anos é feita “uma aula gratuita, aberta a toda a gente”, para trazer cada vez mais alunos e “mostrar às pessoas que as danças latinas não são o que muita gente pensa”. Este ano, a aula gratuita contou com a participação de mais de cinquenta pessoas, e muitas outras que apenas queriam ver. O jovem monitor comprova isso, e diz que as “pessoas quando lá chegam ficam muito surpreendidas, porque têm a ideia de que é muito mais clássico, o que na realidade não corresponde à verda-

Carlos Sousa valoriza muito a socialização durante as aulas, acabando por surgir algumas amizades dentro do grupo

de”. Carlos Sousa salienta a socialização constante nas aulas e sublinha que “não há pares fixos, toda a gente dança com toda a gente”. Há estilos mais marcados neste grupo de danças: “salsa, merengue, kizomba, kuduro, roda de casino e bachata”. E este ano há já dois grupos, visto que são muitos os alunos a participar. Todas as segundas, há duas horas de aula. E o professor de danças latinas da Universidade do Minho acrescenta que “a turma que estava no ano passado ensaia agora à terça-feira, de maneira a que esses alunos que já estão há mais tempo, possam continuar a aprender novos passos e que os que entram possam aprender ao seu ritmo”.

Socialização é a palavra de ordem

Segundo Carlos Sousa, os jovens gostam muito das aulas, sendo que o ambiente é verdadeiramente sociável. As aulas são descritas por este monitor, como sendo

essencialmente “um grupo de pessoas que ensaiam de uma forma aberta, saudável, animada, dinâmica e descontraída”, tendo muitos

Todos os anos é oferecida uma primeira aula gratuita aberta a todos os interessados. momentos de diversão ao longo das aulas, e que acabam por criar uma amizade.

O monitor diz que valoriza muito “a sociabilização”, dando as aulas “de uma forma mais descontraída possível”. Carlos acrescenta ainda que, tendo em conta o estilo que procura vincar na modalidade, esta deveria chamar-se “danças latinas jovens”. Este ano, nalguns bares nas imediações da Universidade (pólo de Gualtar) haverá lugar a noites temáticas, sendo que o grupo de danças latinas também participará. O monitor encoraja os interessados a aparecerem numa aula: “basta dirigirem-se ao Complexo Desportivo às segundas-feiras, às 21h30, sendo que a primeira aula é gratuita”.


TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

PÁGINA 14 // 06.OUT.10 // ACADÉMICO

twittadas

Diana Teixeira diana_adelaide_teixeira@hotmail. com Patrícia Painço goreti.fcs@gmail.com

Primeira televisão da Internet do mundo nasce na próxima semana No próximo dia 12 de Outubro, realizar-se-á em Nova Iorque a apresentação da primeira televisão que integra a plataforma Google Tv.

Esta nova plataforma é composta, entre outros dispositivos, por gravadores de vídeo digital e interface gráfica baseada em televisores. Durante o evento, a Sony irá apresentar os primeiros equipamentos que convergem a televisão e a Internet. Empresa portuguesa premiada em concurso internacional de tecnologia móvel A empresa CardMobili, que representou Portugal no concurso internacional Vodafone Mobile Clicks 2010, conquis-

tou novo primeiro prémio. O concurso decorreu em quatro países europeus e tinha como objectivo premiar o melhor projecto de internet móvel. A CardMobili apresentou uma aplicação que permite juntar e utilizar no telemóvel todos os cartões de cliente e de associado de pontos e cupões de descontos. Este concurso envolveu 160 participantes que se aventuraram a um prémio de 100 mil euros. Primeiro videojogo português para Playstation 3 lançado em

Novembro

em mente.

Os Seed Studios lançaram o primeiro videojogo português para a Playstation 3. Disponível no mercado em Novembro, “Under Siege” e um jogo de estratégia em tempo real com características peculiares. Recuando a época medieval, os potenciais jogadores terão como objectivo derrotar um exército invasor. Apesar das dificuldades encontradas como a falta de infra-estrutura de videojogos em Portugal, este estúdio português já terá outros projectos

Research in Motion apresentou computador tablet A Research in Motion (RIM), fabricante do Blackberry, lançou um computador chamado Playbook tido como potencial concorrente do iPad. Principalmente indicado para uso profissional, este novo aparelho não tem ligação 3G, ao contrário do iPad, mas apresenta em contrapartida suporte para Flash. Sem preço ainda definido, a RIM afirma que estará disponível nos EUA em 2011.

liftoff apresenta... Na semana passada já levantamos um pouco o véu do que irá ser o LIFTOFF – Gabinete do Empreendedor da AAUM. Os preparativos estão a decorrer e já só faltam três semanas para a abertura oficial. Nesta fase, todo o projecto encontrase a receber contributos de várias individualidades e instituições estreitamente ligadas ao empreendedorismo. É neste sentido que também gostaríamos de receber sugestões dos mais interessados neste projecto, que és tu, o aluno, ex-aluno, a comunidade académica. Desta forma, lançamos-te, então, o desafio. Visita a nossa página no facebook e no twitter e deixa a tua opinião. Diznos o que esperas ver neste gabinete, que actividades, formações ou cursos gostarias de poder frequentar.

Entretanto, no passado dia 1 de Outubro a Associação Académica da Universidade do Minho associou-se à parceria estabelecida entre a Run Vision e o IEFP, ao promover o curso “Empreendedorismo na Euro-Região Norte de Portugal / Galiza”. Esta formação (em sala) decorreu na sede da AAUM e contou com o número máximo de participantes (quinze) que irão agora contar com formação online orientada pelos respectivos formadores. Mais informações em: www.aaum.pt ou através do email: liftoff@aaum.pt

Segue-nos nas redes sociais

> 1 de OUTUBRO ‘10 Decorreu Formação “Empreendedorismo na Euro-Região Norte de Portugal/Galiza”;

> 26 de OUTUBRO ‘10 Abertura oficial do Gabinete do Empreendedor

AAUM - LIFTOFF

>29 de NOVEMBRO ‘10 Início de apresentação de candidaturas do Concurso de Ideias “Atreve-te 2010”;

> 3 de Dezembro ‘10 Limite de entrega de Candidaturas “Atreve-te 2010”


TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PÁGINA 15 // 06.OUT.10 // ACADÉMICO

Tendência colonizadora portuguesa no Second Life Cátia Alves catia_gomes_alves@hotmail.com

Paulo Frias, Professor Universitário e Investigador na Universidade do Porto, afirma, na sua tese de doutoramento, que os Portugueses têm uma atitude colonizadora na plataforma Second Life Durante um período de três anos, este investigador estudou a actividade portuguesa na plataforma Second Life e concluiu que os portugueses «têm uma tendência para simular - numa plataforma que está vazia e onde podiam construir qualquer coisa - elementos simbólicos da sua nacionalidade». O Second Life, criado em 1999 e desenvolvido em 2003, é um ambiente vir-

tual em três dimensões que simula a vida real e social do ser humano. Pode ser entendido como um jogo, um simulador ou ainda uma rede social, mas a verdade é que já cativou cerca de 6000 portugueses, «65 por cento tinham entre 35 e 49 anos, 24 por cento entre 18 e 34 anos e 11 por cento mais de 50 anos», afirma. O nome Second Life traduzse para “segunda vida”; nesta vida paralela, os portugueses parecem querer preservar a sua identidade nacional, os traços que melhor os caracterizam. Em entrevista à comunicação social, Paulo Frias, considera que tal atitude “induz um certo conforto e constrói símbolos de poder», dando espaço a «alguma exclusividade, que afasta aqueles que não se identificarem”.

A seu ver, os portugueses transportam para dentro do mundo virtual uma certa simbologia, através de edifícios e objectos, o que reproduz um discurso histórico, uma identificação nacional com a nossa história, o nosso passado, as nossas raízes. Como discípulos dos mesmos valores nacionais de outrora, da mesma alma mater, como se esse traço de espírito se tenha feito tatuar indelevelmente em nós. Também noutras comunidades se verifica uma tendência de afirmação nacional. Os brasileiros centram-se na construção dos próprios avatares e reproduzem frequentemente “aquela figura feminina mais difundida”. Já a comunidade polaca afirma-se pelo idioma. O investigador lança o desa-

Portugueses continuam a revelarse colonizadores mesmo num mundo virtual

fio - «um trabalho interessante é ver de que forma as pessoas de nações diferentes se afirmam no ciberespaço e nos mundos virtuais». O Júri, presidido por João Mário Grilo, da Universi-

dade Nova de Lisboa, e que contou ainda com membros das Universidades do Porto, Aveiro e da Universidade do Minho, classificou a tese com um “Bom com distinção”.

Let’s play FIFA? A batalha FIFA – PES parece estar de nvo ao rubro. Cabe agora ao utilizador escolher o jogo que melhor se adapta ao seu estilo FRANCISCO VIEIRA dmvieira04@hotmail.com

Nesta época do ano é tempo de lançamento de jogos de futebol. Surge-nos FIFA 11, o mais recente título da faceta desportiva da Electronic Arts. FIFA 11 demonstra ter a “cara lavada”, estando muito próximo do que é a realidade do futebol hoje em dia. No entanto, não se compreendendo, a Electronic Arts continua a “desprezar” os portadores de PC, sistema para o qual praticamente nada foi mudado desde a

anterior versão, excepto um ligeiro melhoramento gráfico. A maior parte das novidades de FIFA 11 ficou de fora na versão PC. De entre todas as novidades, certamente que a mais aguardada seria a possibilidade de controlar um guarda-redes, fazendo carreira com ele. Este novo modo de jogo demonstra ser bastante viciante numa primeira fase, tornando-se depois um pouco cansativo pois, quanto melhor for a equipa em que o nosso guarda-redes esteja, menos trabalho terá. Outra das principais novidades é o sistema de Pro Passing,

Qualidade gráfica foi das poucas alterações que a versão para PC sofreu estando os passes completamente redesenhados, a 360º. O grafismo é simplesmente espantoso, de ficar de boca aberta. À parte de todos os melhoramentos, FIFA 11 acaba por ser inconsistente, muito devido à di-

ferença entre as versões das diversas plataformas para o qual foi lançado. A Electronic Arts certamente teria mais sucesso se implementasse uma versão única do jogo. A batalha FIFA – PES está de novo ao rubro. Cabe

ao utilizador experimentar cada um e optar pelo que se adapta melhor ao seu estilo de jogo, com certeza que nenhum o desiludirá. Site Oficial: http://www. ea.com/intl/football/fifa


PÁGINA 16 // 06.OUT.10 // ACADÉMICO

CULTURA

José Miguel Braga e Camilo Silva deram voz a alguns dos lamentos deixados pela “pobre bixana” nos seus testamentos anuais

Testamentos perpetuam uma Gata histórica, mas “atrevida” cine rum: “Embargo”

Humor negro à portuguesa CÁTIA CASTRO catia.castro@rum.pt

Nuno fica preso no carro sem razão aparente. Nuno é um jovem pai de família que trabalha numa roulotte de bifanas e espera dar o salto através de uma nova engenhoca. Um digitalizador de pés que promete

revolucionar a indústria do calçado. Entretanto, Portugal está paralisado às custas de um embargo petrolífero. O nosso visionário não poderia ter escolhido pior altura para ficar preso num carro. É neste mundo em colapso que se move o novo filme de António Ferreira. A inspiração surge a partir de um conto de José Sara-

Filipe Costa é também teclista dos Sean Riley & The Slowriders

mago, mas o prémio Nobel não viveu o suficiente para ver a terceira adaptação de uma obra sua ao cinema. O filme é um retrato irónico sobre a sociedade, polvilhado por momentos de um humor negro que o aproxima timidamente ao universo dos manos Coen. No entanto, algo falha na abordagem feita ao mundo absurdo que brota da escri-

ta cinematográfica de Saramago. Afinal, onde estão os sinais que guiam o espectador até à moral da história? Apesar de tudo, o realizador de “Respirar Debaixo de Água” conta com um elenco competente, encabeçado pelo actor e músico Filipe Costa e secundarizado por actores como José Raposo. Sendo bem sucedido na fotografia e na banda sonora,

que vai de JP Simões a João Coração. Se “Ensaio Sobre a Cegueira” conseguiu arrancar lágrimas de contentamento a Saramago, com “Embargo” ficaremos para sempre na dúvida. E por vezes, nada é pior do que viver no limbo. «Embargo» de António Ferreira em exibição nos cinemas do BragaParque.


CULTURA PÁGINA 17 // 06.OUT.10 // ACADÉMICO

ELSA MOURA elsa.moura@rum.pt

Saiu a primeira compilação dos “Testamentos da Gata”. O lançamento decorreu no sábado passado, no Salão Nobre da reitoria, inserido no programa ‘Festival de Outono’ As tradições estudantis (dos anos 20 aos 90) com relatos históricos e recortes originais estão agora compilados num só livro, fruto do desafio da Associação Cultural Francisco Sá de Miranda e apoiado pela Associação Académica da Universidade do Minho (AAUM). A apresentação decorreu no passado sábado à tarde, no Salão Nobre da Reitoria e contou com a presença de inúmeras figuras ilustres da cidade de Braga. Dos antigos alunos do Liceu Sá de Miranda, aos mais jovens estudantes

cd rum: «Swanlights», 2010

“Swanlights” O regresso de Antony & The Johnsons ELISABETE APRESENTAÇÃO elisabete.apresentacao@rum.pt

Antony and the Johnsons, grupo nova-iorquino, liderado pelo cantor e pianista Antony Hegarty, vão editar um novo disco. Segunda, dia 11 no Reino Unido e resto da Europa com o selo da Rough Trade e no dia 12 nos Estados Unidos via Secretly Canadian. O registo, “Swanlights”, sucessor de “The Crying Light”, estará disponível em CD, LP, em formato digital, bem como numa versão especial que junta ao disco um livro de 144 páginas com reproduções de desenhos, colagens, fotografias e textos de Antony. A banda já ganhou um Mercury Prize em 2005 pelo trabalho “I’m a Bird Now” e Antony foi já nomeado

como melhor cantor masculinho nos Brit Awards de 2006. Depois de Antony ter participado no tema “Dull Flame of Desire” e “My Juvenile”do álbum “Volta” de Bjork, é agora a vez da cantora islandesa participar em “Swanlights” com o tema “Flétta”. Entretanto, o grupo lançou recentemente um Ep “Thank you for your love”, que é também título de uma tema de “Swanlights”, registo que contém uma versão de “Imagine” de John Lennon. Tanto o disco como o livro são uma continuação da exploração do mundo natural de Antony. No vídeo do single “Thank you for your love”, Antony recupera imagens da sua adolescência, quando chegou a Nova Iorque no início dos anos 90. Este é sem dúvida um disco a ouvir.

agenda cultural

da Universidade do Minho, muitos foram os que não quiseram faltar ao lançamento dos “Testamentos da gata”, em que hábitos e costumes de várias gerações, registam a cidade de Braga. Após a criação da Universidade do Minho, em 1974, os seus estudantes assumiram as tradições académicas. Com séculos de existência, as tradições voltaram com a AAUM, presidida então por Luís Novais, que fez ressurgir, com muita polémica à mistura, as comemorações do 1º de Dezembro e a realização do Enterro da Gata. Os ‘Testamentos da Gata’, tal como o Presidente da AAUM, Luís Rodrigues explicou, é “um legado que os autores, sobre o pseudónimo da gata, deixaram à sociedade, e que completa o cerimonial estudantil do Enterro da Gata. Este livro

documenta a disponibilidade dos estudantes, na velha tradição de Rafael Bordalo Pinheiro e tantos outros praticantes, para assumir causas utilizando a sátira para provocar mudanças, denunciando e obrigando à reflexão”. Uma coisa é certa, a Gata morreu, tem mais de sete vidas e morre todos os anos de novo. Deixa, todos os anos, um testamento onde levanta questões sociais e faz críticas muito próprias a quase todos os intervenientes na sociedade actual. Continuam os actores a “esconder-se” por detrás de um pseudónimo de Gata e a dar voz a aos males (e bens) da Universidade, da cidade, do país e até da Europa. Tudo agora compilado, dá num livro de 500 páginas que pode ser adquirido por 30 euros.

Música 9 de Outubro Peixe:Avião - Madrugada Theatro Circo

Famalicão

Guimarães Braga

Teatro Musical 5 a 7 de Outubro GABY, a primeira de António Torrado Casa das Artes

Teatro 5, 7 e 10 de Outubro A Cabeça do Baptista – CTB Theatro Circo

Dança 8 de Outubro MAIORCA – Companhia Paulo Ribeiro CCVF

Dança 6 de Outubro Kings of Salsa Theatro Circo

Teatro 11 de Outubro O Santo e a Porca São Mamede

Barcelos

sérgio godinho 8 SLIMMY - Be someone else 9 PELTZER - A story to tell me 10 BLACK REBEL MOTORCYCLE CLUB - Conscience killer 11 GRIZZLY BEAR - Two weeks 12 DIVINE COMEDY, THE - At the indie disco 13 ARCADE FIRE - The suburbs 14 CYPRESS HILL - It ain’t nothin 15 NEW YOUNG PONY CLUB Chaos 16 EVERYTHING EVERYTHING - Photoshop handsome

17 ALTO! - Gin tonic - we are the no ones conquering china 18 OS GOLPES - Vá lá senhora 19 FRANKIE CHAVEZ - The train is gone 20 DRUMS, THE - Best friend

rum box TOP RUM - 39 / 2010 01 OUTUBRO 1 BUNNYRANCH - Where am I? Where are you? 2 NATIONAL, THE - Bloodbuzz ohio 3 PEIXE AVIÃO - No jogo da quimera 4 MÃO MORTA - Novelos da paixão 5 CLÃ - Golden skans 6 JÓNSI - Boy lilikoi 7 B FACHADA - Os discos do

Música 8 de Outubro Mikadolab Casa das Artes

Música 8 de Outubro Rocketnumbernine Subescuta

POST-IT 4 Outubro > 8 Outubro BALLA - montra (equilíbrio) THE WOMBATS - tokyo (vampires & wolves) MAXIMUM BALLOON groove me (maximum balloon)


PÁGINA 18 // 06.OUT.10 // ACADÉMICO

DESPORTO Universidade de Coimbra destacada como a melhor da Europa MARIA JOÃO QUINTAS miaquintas@hotmail.com

A European University Sports Association (EUSA) atribuiu à Universidade de Coimbra o prémio de Best University of 2010, como reconhecimento do seu mérito no que diz respeito ao desporto universitário. A Associação Académica de Coimbra (AAC) foi campeã europeia universitária de Futsal feminino e Rugby 7’s masculino e o atleta João Santos foi vice-campeão europeu universitário de Remo Mx1. As equipas da AAC ob-

tiveram bons resultados, tanto nos Campeonatos Nacionais Universitários (CNU’s), como nos Campeonatos Europeus Universitários (CEU’s), o que contribuiu para valorizar a Universidade e a Associação Académica de Coimbra a nível internacional. O principal objectivo é, agora, manter a qualidade. As inscrições das equipas da AAC para a próxima época estão já a ser oficializadas, embora esperem ainda vir a encontrar um patrocinador que reduza o esforço financeiro a que a Associação está sujeita para que estas possam competir.

Europeu de Montanha em Guimarães RITA VILAÇA riiita_@hotmail.com

É já a 7 de Julho do próximo ano que a “cidade berço” acolhe o Campeonato Europeu de Corrida de Montanha. Com a participação de cerca de 500 atletas de mais de 20 países, esta actividade contará com o apoio da Associação Europeia de Atletismo. Organizado pela Federação Portuguesa de Atletismo, este evento internacional será coadjuvado pela Associação de Atletismo de Braga e pela Câmara Municipal de Guimarães. A candidatura,

elaborada pela entidade organizadora e pela C. M. de Guimarães, foi aprovada no passado mês de Setembro, na Suíça. O percurso, delineado pelas organizações coordenadoras, tem como ponto de partida e de chegada o Parque da Cidade. Os desportistas terão de subir até ao monte de Monchique num total de 4 mil metros e até uma altitude de 460 metros. Será também em 2012, ano em que a cidade albergará o título de Capital Europeia da Cultura, que os vimaranenses serão os anfitriões do Campeonato Mundial de Xadrez Universitário.

Bracarenses avançam na Taça de Portugal EDUARDO RODRIGUES e_du_rodrigues@yahoo.com.br

A equipa de futsal do SCBraga/AAUM teve, no passado sábado, a sua primeira prova de fogo. Os arsenalistas deslocaram-se ao reduto do Gondomar Futsal, formação que milita na III Divisão Nacional e, apesar das dificuldades, conseguiram o triunfo por 5-2, avançando para a segunda eliminatória da Taça de Portugal. Para este encontro, os treinadores Pedro Palas e Luís Silva não convocaram o guarda-redes Pli e os jogadores Rui Coroas, Peixoto e Ricardo. Quanto à equipa inicial, esta foi composta por Hélder na baliza, Fabrício, André Machado, Faria e Pedrinho. O SCBraga/AAUM entrou muito bem na partida e logo aos 3 minutos André Machado fixou o 1-0. A superioridade minhota permaneceu e, fruto disto, facilmente conseguiram mais dois golos, por intermédio de Faria e Lino. Com a vantagem adquirida, os bracarenses recuaram sensivelmente as linhas de marcação e permitiram que o adversário criasse algum perigo. No entanto, o guardião arsenalista negou o golo até aos 19 minutos, altura em que o Gondomar reduziu a vantagem (3-1). Na segunda metade, Skat substituiu Hélder na baliza. Os da casa continuaram a acreditar que era possível uma reviravolta no resultado, no entanto, o SCBraga/AAUM estava numa tarde feliz e bastante eficaz. Aos 26 minutos, numa rápida transição ofensiva, o estreante Zé Rui fez o gosto ao pé e marcou o quarto golo para os minhotos. Os gondomarenses ainda marcaram novamente, atenuando a distância no marcador, contudo, após boa jogada de André Machado, Serginho apareceu ao segundo poste para dar números finais à contenda (5-2). Cumprido o primeiro objectivo, referente à taça, o SCBraga/ AAUM volta-se agora para a preparação do primeiro jogo do campeonato. A partida realizar-se-á no próximo domingo, às 17 horas, no reduto do Lamas Futsal.

desporto.zip

by DVS

AUTOMOBILISMO Loeb volta a ser campeão do Mundo de WRC O francês Sébastien Loeb (Citröen C4) venceu, este domingo, o Rali de Franca e alcançou, assim, o seu sétimo campeonato mundial de ralis (WRC) consecutivo. “É alucinante vencer em casa”, declarou Loeb no final da corrida. Na prova, o seu colega de equipa espanhol Dani Sordo acabou a prova em segundo e o norueguês Peter Solberg ficou em terceiro.

CICLISMO Contador ameaça final de carreira O ciclista espanhol Alberto Contador, que apresentou um resultado “anormal” num controlo antidoping em julho, disse estar confiante no desenrolar do processo, mas ameaça abandonar a carreira caso seja punido. “Se tudo isto não terminar de uma forma favorável e justa, hesitarei muito em voltar a montar uma bicicleta”, afirmou o tricampeão da Volta a França. No entanto, Contador sublinha: “Creio que tudo vai acabar bem”.

INSÓLITO Ricardo Quaresma caçador no Besiktas? O avançado português Quaresma parece estar a aterrorizar adversários... E pássaros na sua passsagem pelo Besiktas. No último jogo da Liga turca, o luso avistou uma ave que apenas teve o azar de estar na hora errada no sítio errado. Mas Quaresma não perdoou. Avançou, determinado e apanhou suavemente o animal. Sem espinhas pelos vistos!


Jornal Académico nº2  

Segunda edição do ano lectivo 2010/2011

Advertisement