Page 1


Disponibilizado: Juuh Alves Tradução e Revisão Inicial: Grazi Revisão Final: Aline Leitura Final: Gessica Verificação: Alessandra Formatação: Regina


Distraction SĂŠrie Underground Kings

Aurora Rose Reynolds


Sinopse. Sven é um homem que se orgulha de sua capacidade de separar-se de suas emoções. Ele é um homem que sabe quem ele é e onde ele está indo na vida, um homem que não precisa de ninguém, porque precisar de alguém, qualquer um, é uma fraqueza. Seu passado ensinou-lhe que o amor não é suficiente. Maggie quer o felizes para sempre, mas nunca pegou o homem certo, ou segurou por tempo suficiente, para construir um para sempre. Ela sempre se afastou antes das emoções tornarem as coisas confusas. Quando Maggie acorda nua na cama de Sven, sem nenhuma memória da noite anterior, os dois precisam ser honestos sobre seus sentimentos e enfrentar seus medos, para que eles possam construir um futuro juntos. Será que o amor vai ser suficiente para eles para terem o seu final feliz juntos, ou uma ameaça de fora irá derrubálos antes que eles tenham uma chance?


Prólogo Sven, dez anos de idade. Andando pelo mal iluminado corredor para o escritório do meu pai, eu paro fora da porta, observando-o tirar os óculos e esfregar os olhos. Eu odeio incomodá-lo, mas eu realmente preciso da autorização assinada para minha viagem de campo amanhã, e eu não posso ir para a minha mãe, porque eu sei que ela vai surtar. Ela está sempre surtando sobre algo ultimamente. Puxando o papel dobrado para fora do meu bolso de trás, eu passo pela porta, em seguida paro, sentindo meu estômago revirar e ficar doente quando vejo minha mãe dormindo no sofá sob a janela atrás da porta. "O que há amigo?" Puxando os olhos da minha mãe, eu olho para o meu pai e dou um passo para trás. "Ela está dormindo. Está tudo bem", ele diz suavemente, me estudando. "Eu posso voltar", eu sussurro, oscilando meus olhos para a minha mãe para ter certeza de que ela não acordou quando falei. "Eu dei-lhe os comprimidos para dormir. Ela estará fora por um tempo", diz ele gentilmente, e eu cerro minhas mãos em punhos, esmagando o papel no meu aperto. É uma merda que eu tenha medo da minha própria mãe. Lambendo meus lábios, eu puxo meus olhos dela no sofá, movo-me rapidamente para o lado da mesa do meu pai, e desdobro o papel, colocando-o no topo da pilha de papéis de trabalho posicionados na frente dele. "Nós temos uma viagem de campo amanhã e eu preciso disso assinado", digo-


lhe calmamente, movendo os olhos para a minha mãe mais uma vez quando o medo faz minhas mãos tremerem. "Onde vocês estão indo?" Pergunta ele, destampando uma de suas canetas de luxo, uma das poucas que o vovô lhe deu de natal, uma das centenas que ele tem, porque ela sempre lhe compra canetas, da mesma forma que ela sempre me compra meias. Seus presentes de merda, mas ela nunca deixa de trazer biscoitos de manteiga de amendoim cobertos com chocolates Hershey que ela assa, o que faz seus lamentáveis presentes valerem a pena quando ela vem visitar. "Hum... algum museu", digo-lhe, lambendo meus lábios novamente, então, sentindo meu coração parar quando minha mãe geme e rola no sofá virando de costas contra ele. "Isso parece divertido." Ele ri. Eu gostaria de poder rir com ele, mas eu não consigo respirar enquanto espero ansiosamente por ele assinar o documento para que eu possa sair. "Você conseguiu algo para comer?" Ele pergunta, colocando a caneta no papel. "Sim", eu minto. Quando eu saí do ônibus da escola, fui direto para o meu quarto, fiz minha lição de casa, e fiquei lá até agora, porque eu não queria acidentalmente correr para minha mãe, que eu sabia que estava em casa porque seu carro estava estacionado na rua, metade na entrada e metade na grama, como se ela estivesse com pressa quando parou. "Eu sei que as coisas não têm sido fáceis, amigo, mas eu prometo que vão melhorar", diz ele, e meus olhos encontram os seus. Eu gostaria que ele estivesse dizendo a verdade, mas eu sei que ele está mentindo. Não importa quantas vezes minha mãe veio para a minha escola e me envergonhou, ou quantas vezes a polícia veio aqui quando ela estava surtando, ele ainda age como se nada estivesse


errado. Ele sempre diz que as coisas vão melhorar, mas eles nunca fazem. "Eu sei," eu minto de volta, vendo seus olhos piscam com algo antes de cair para o papel e assinar seu nome na parte inferior. "Você precisa de dinheiro para amanhã?", Ele pergunta, mudando para o lado, empurrando a mão no bolso e tirando um maço grande de dinheiro antes que eu possa dizer-lhe sim ou não. "Você pode querer comprar uma lembrança ou comer alguma coisa", ele murmura, tirando duas notas de vinte do maço, envolvendo-os na autorização, e devolvendo para mim. "Obrigado." "Vá dormir um pouco. Vou levá-lo para a escola na parte da manhã então você pode dormir até mais tarde." "Eu posso pegar o ônibus", eu corro para fora, sabendo que se eu não fizer isso, eu vou ter que ver minha mãe de manhã, e hoje em dia, faço tudo ao meu alcance para evitar qualquer tipo de contato com ela. "Nós precisamos conversar sobre algo, então eu vou leválo." "Claro", eu concordo e sua mão vem descansar no meu ombro, dando-me um aperto antes de me deixar ir. "Noite, amigo." "Noite", murmuro, apressando-me para fora de seu escritório indo em direção ao meu quarto. Desdobrando o papel, colocando ambas as notas de vinte na minha mesa, e abrindo a gaveta de cima, eu adiciono-os à pilha de dinheiro que eu já tenho. Meu pai está sempre me dando dinheiro, eu querendo ou não. Eu acho que ele usa o dinheiro como uma maneira de não se sentir culpado pelo modo que as coisas têm estado ultimamente. No começo eu pensei que era legal porque eu era capaz de conseguir o que eu queria, mas agora não. Agora, eu


odeio isso. Fechando a gaveta, eu vou para a minha mochila e coloco a autorização dentro de um dos bolsos, em seguida, escavo no fundo da mochila até encontrar a barra de chocolate que eu comprei da máquina de venda automática na escola. Eu jogo isso para baixo, odiando a forma como o meu peito dói quando me lembro das vezes que costumávamos jantar como uma família normal. Despertando do meu sono, meu coração começa a bater. Eu não sei o que me acordou, mas medo corre através de mim quando me viro para olhar para a porta do quarto e ver pela fenda na parte inferior que está escuro no corredor. Fechando os olhos, eu faço o que eu sempre faço quando isso acontece, eu assisto desenhos animados engraçados na minha cabeça, tentando fazer com que o meu coração se acalme e eu volte a dormir. Ouvindo um barulho estranho, meus olhos saltam abertos e meu coração bate duro mais uma vez. Saindo da cama em silêncio, eu abro a minha porta e espreito em ambos os lados antes de ir na ponta dos pés tão rapidamente e silenciosamente quanto eu posso passar pelo corredor, pela sala de estar, e para o quarto dos meus pais no outro lado da casa, me perguntando se eles ouviram o barulho também. Quando eu chego ao corredor para o quarto deles, me alivio um pouco. Sua luz está acesa, e posso ouvir murmúrios vindos de dentro, deixando-me saber que eles estão acordados e eu não estou sozinho. Dando um passo em direção a sua porta, que está uma polegada aberta, eu sinto umidade quente mergulhar na frente da minha calça de pijama. Quando eu olho através da fenda, minha mãe está em pé sobre o meu pai com uma faca em suas mãos, os braços e a frente da sua camisola cobertos de sangue. Cobrindo minha boca com a mão, eu tropeço longe da porta, caio de bunda, em seguida me lanço e escapo chorando com


medo quando luzes inundam o corredor. Eu ouço minha mãe gritar algo atrás de mim. Correndo para a cozinha, eu pego o telefone que fica no balcão e uma faca do faqueiro. Vou para o meu quarto, não ouvindo nada atrás de mim enquanto corro para a parte de trás do meu armário e me escondo no forro, onde eu costumava me esconder para brincar quando eu era pequeno. Respirando pesadamente, eu disco 911 no telefone e espero apenas um toque para o operador atender. "911, qual a sua emergência?" Agarrando a faca no meu peito, minha voz engasga enquanto eu sussurro, "Minha mãe acabou de matar meu pai."


Capítulo 1 Sven Você é um Lint-Licker "Fique de joelho", digo a loira na minha frente. Uma coisa que as mulheres que querem que eu as foda, aprendem de imediato é que eu não digo nada duas vezes. Observando os olhos dela se arregalarem, ela cai de joelhos e suas mãos vão atrás das costas. Suas coxas se espalham, mostrando sua boceta nua. "Abra a boca", murmuro, correndo a mão suavemente ao longo de sua mandíbula em aprovação. Quando a cabeça levanta e ela olha para cima, eu alimento-a com meu pau até atingir o fundo da garganta. Ouvindo-a engasgar, eu puxo para trás, apenas para empurrar de novo. "Lamba, apenas a ponta", eu comando, observando sua língua circular em torno da ponta, em seguida, pressiono em sua boca, deixando minha cabeça cair para trás enquanto ela balança para cima e para baixo ao longo do meu comprimento até que eu sinta aquela pressa familiar na minha espinha. "Pare", eu rosno, puxando-a para seus pés, virando para enfrentar minha mesa e dobrando-a por cima. Eu ouço seu gemido, chuto seus pés separados e coloco o preservativo. Minhas mãos deslizam em volta da sua cintura, uma segurando seus seios e a outra concentrada em seu clitóris, deslizando sobre ele, como em sugestão, seus quadris empurram para trás e eu deslizo dentro dela. Isto é apenas sobre uma coisa; é sempre apenas sobre uma coisa. Empurrando dentro e fora dela, eu sinto suas paredes


começarem a ter espasmos enquanto eu me planto até o punho e solto para frente, gozando duro. Eu tomo um segundo para recuperar o fôlego, e eu ainda posso senti-la tremer em meus braços quando eu me retiro e dou um passo atrás. "Você pode ir," eu digo a ela, tirando o preservativo e amarrando antes de entrar no banheiro ao lado, jogando-o no vaso sanitário, e, em seguida, lavo as mãos e meu pau. "Eu posso ir?", ela repete, não se afastando da minha mesa ou ajustando seu vestido que ainda está em torno de sua cintura. Virando-me para olhar para ela, eu tenho certeza que ela é filha ou irmã de alguém; ela pode até ser uma boa garota, mas ela não significa nada para mim. Como todas as outras mulheres que minha segurança pede para vir até aqui, eles vêm sem saber nada sobre mim, exceto o que dizem os rumores. "Sim, você pode ir," eu digo a ela, me enfiando de volta e ajustando minha camisa antes de caminhar até minha mesa e me sentar. "Você é um idiota", ela murmura, balançando o vestido de volta para baixo sobre sua bunda e pisando em seus calcanhares sobre o tapete pegando a bolsa que ela jogou no sofá quando entrou. "Você conseguiu o que queria", eu lembro enquanto ela empurra com raiva seu braço na alça de sua bolsa. Eu posso ser um idiota, mas eu não enchi sua cabeça com falsas expectativas antes de transar com ela e dizer para ela sair. Ela sabia o que ia acontecer antes de caminhar sua bunda até as escadas para o meu escritório, ou pelo menos ela tinha uma boa ideia do que iria ocorrer, e eu com certeza não a forcei a se ajoelhar e me chupar. "Que seja", diz ela, olhando para mim mais uma vez, e eu sei a partir do olhar em seus olhos que tudo o que eu teria que fazer é chamá-la de volta e ela viria. Irritado com isso,


eu olho para a folha de cálculo na minha frente, ouvindo a porta bater duro. Virando minha cadeira, eu olho para o clube através da grande janela. Há centenas de pessoas lá em baixo e algumas noites, como hoje, eu vou escanear o chão e dizer a minha segurança, qual mulher eu quero. Eles vão se aproximar dela e dar-lhe a opção de vir a mim ou não. Eu nunca tive uma mulher dizendo não, e na maioria das vezes elas vão embora felizes. Mas, então, há momentos em que vão embora chateadas, porque elas pensam que sua boceta é feita de ouro e eu deveria pedir novamente ou deixar cair um anel em seu dedo. Escaneando o clube, um flash de luz prende minha atenção, e meus olhos pousam em uma mulher que está entre dois caras com o seu telefone na mão. Ela está apontando o seu celular. Normalmente, eu não pensaria muito sobre isso, mas algo nos olhos da mulher não está certo. Pegando o telefone da minha mesa, eu disco dois. "Já estou fazendo isso," Zack, o meu chefe de segurança declara e desliga. Voltando para a janela, eu assisto Zack e Lane se aproximarem dela no meio da multidão, em seguida, faço uma carranca. Ela não está vestida como se ela fosse sair para uma noite de diversão com seus amigos; ela parece como se estivesse vestindo pijamas, e nem mesmo o tipo sexy. Vivendo na cidade do pecado, você vê um monte de merdas, e mulheres mostram-se no clube nas roupas mais estranhas, especialmente se elas estão tendo uma festa de despedida. Uma vez que Zack chega a ela, ele empurra um dos caras em direção a Lane, em seguida, dobra o seu rosto em direção à mulher, que levanta seu telefone para ele. Apertando meus olhos, eu tento ver o que está na tela, mas a distância e iluminação no clube faz com que seja difícil ver qualquer coisa. Balançando a cabeça, a mulher aponta para o telefone


de novo, e Zack toca seu ouvido quando meu telefone toca na mesa. "Sim?" "Ela está procurando por alguém que drogou sua irmã," Zack diz sobre a música e a multidão lá embaixo. "Drogou e bateu à merda fora da minha irmã, neste clube," a mulher grita no microfone. "Traga-a para cima," Eu rosno, desligando o telefone, levantando minha jaqueta da parte de trás da minha cadeira, deslizando-a, e, em seguida, endireitando a minha gravata. Eu não preciso desta merda, não agora, não enquanto outra merda está acontecendo ao meu redor. Ao longo dos últimos meses, uma multidão de mulheres tem sido drogada enquanto festejavam aqui, mas ninguém jamais se machucou, ninguém que eu estou ciente de qualquer maneira. "Coloque-me no chão agora!", A mulher grita, chutando seus pés e batendo nas costas de Zack, enquanto ela entra no meu escritório com ela por cima do seu ombro. Baixandoa no chão, ele resmunga enquanto ela o bate no peito e grita: "Eu não estou pagando por suas contas do massagista, você gigante, caipira idiota." "Senhorita, você pode, por favor, se sentar?", pergunto, e sua cabeça se vira para mim, seus grandes olhos cor de mel me pegando desprevenido. Vendo o olhar no seu rosto faz alguma merda no meu peito que me deixa desconfortável. Puxando meus olhos dos dela, eu faço uma varredura pelo seu corpo. Eu não tenho ideia do caralho de como ela entrou no clube vestindo pijamas, mas ela fez. A calça azul é cerca de quatro tamanhos maiores e está arrastando debaixo de seus chinelos de borracha. O fino e apertado top branco que ela usa na parte superior, permite um vislumbre dos seus seios com mamilos escuros. Eu não diria que ela é gorda; ela é


toda preenchida com curvas, com seios grandes e quadris largos. Seu cabelo longo e escuro está em um rabo de cavalo baixo, e seu rosto é redondo e suave, quase de aparência inocente. Ela é linda de uma forma que eu não estou acostumado. "Como é que você entrou aqui?", pergunto quando meus olhos encontram os dela mais uma vez. "Eu paguei ao cara da frente uma centena de dólares para me deixar entrar", diz ela, olhando para mim e cruzando os braços sobre o peito, acentuando seu decote. Olhando por cima de sua cabeça, meus olhos encontram Zack e ele acena com a cabeça antes de sair do escritório, fechando a porta atrás de si. "Você quer me dizer por que você está aqui?", pergunto, sentando-me e apontando para ela fazer o mesmo à minha frente. "Minha irmã esteve aqui mais cedo esta noite", diz ela, alcançando a parte superior do seu top, retirando um celular que deve ter cerca de vinte anos, abrindo e empurrando-o sobre a mesa. Pegando o telefone, a imagem granulada de uma mulher sorridente que se parece com a que está a minha frente está na tela. Ela é muito mais magra do que sua irmã, tão magra que parece doente. "Você disse a Zack, que ela foi drogada aqui e espancada. Se você não se importa que eu pergunte, por que não é a polícia que está aqui ao invés de você?" Eu questiono, observando seu rosto fechar instantaneamente. "Se isso é algum tipo de estratégia para conseguir dinheiro, isso não vai funcionar", eu digo a ela, empurrando o celular de volta sobre a mesa. "Uma estratégia para conseguir dinheiro? Você quer dizer como chantagem?", Ela rosna, pegando o telefone e apertando-o firmemente em sua mão.


"Isso é exatamente o que quero dizer." Eu aceno, observando-a se levantar. "Você é um... você é um Lint-Licker, você sabia?" Ela anda na frente da minha mesa, levantando a mão e soltando seus cabelos permitindo que caíssem em cascata pelas costas e sobre os ombros. "Pé no Saco", repito, tentando não sorrir enquanto olho para ela. "Pé no Saco" Ela balança a cabeça, em seguida, para de andar e se vira para olhar para mim. "Eu não quero dinheiro. A polícia não virá, porque minha irmã não é saudável. Ela tem um problema com drogas, e eles não se importam com o que acontece a ela. Ela é apenas mais uma drogada sem rosto em um mar de drogados. Mas eu a amo. Ela é minha irmã, então eu quero encontrar o bando de escória que fizeram isso com ela e leva-los para baixo eu mesma.", diz ela, e perco meu ânimo instantaneamente. "Você nunca vai voltar aqui novamente," Eu rosno, ficando em pé e colocando minhas mãos em cima da minha mesa, inclinando-me. "Você não pode me parar." Ela encolhe os ombros, e assim, ela vira as costas para mim e deixa meu escritório antes que eu possa sequer compreender o que acabou de acontecer. Seguindo atrás dela, eu corro pelas escadas para o clube lotado. Uma vez que eu chego à entrada, eu pego um vislumbre dela a direita antes que ela entre em um carro do tamanho da minha mesa e saia pela rua. "Está tudo bem, chefe?" Virando a cabeça para olhar por cima do meu ombro, eu olho para Zack e balanço a cabeça. "Ela vai ser um problema." Eu o advirto, massageando meu peito enquanto eu volto para dentro.


"Chefe, ela está aqui novamente." Encaro Teo, que apenas entrou no meu escritório, eu volto para olhar através da grande janela de vidro com vista para o piso abaixo no clube. Observo-a sentada no bar com uma bebida na frente dela, eu sei que é o suco de cranberry, a única coisa que ela pede. "Quem diabos a deixou entrar desta vez?", pergunto, me virando e vendo Lane dar um encolher de ombros e a contração de um sorriso em seus lábios. "Zack disse que ia perguntar a Maggie se ela queria um emprego." Ele sorri. "Quem diabos é Maggie?" "A garota... este é o nome dela. Maggie." "Vocês estão na base do primeiro nome agora?", pergunto, recostando-me na cadeira e inclinando a cabeça para trás, sentindo uma dor de cabeça chegando. "Bem, ela está aqui todos os dias. Seria rude não saber o seu nome." "Esta merda está ficando ridícula", murmuro para o teto. A maldita mulher apareceu todas as noites durante as duas últimas semanas. Ela chega aqui quando o clube abre e fica até fechar. Ela já não pergunta as pessoas se eles conhecem sua irmã, mas ela inspeciona as bebidas, e fala com as mulheres no bar para se certificarem de que estão a salvo. Ela está me deixando porra louco. "Ela é bonitinha." Abaixando minha cabeça, eu olho para Teo e estreito meus olhos, observando-o levantar as mãos na frente dele. "Mas ela tem um namorado", acrescenta com um sorriso. "Quem?", pergunto, sem pensar.


"Não sei." Ele dá de ombros, caminhando até a janela, olhando para baixo em direção ao bar. "Bem, o cara é obviamente um pedaço de merda se ele deixa sua mulher fora de casa todas as noites para vir a um clube, sozinha", murmuro sob a minha respiração. "O que você vai fazer sobre ela?", Ele questiona, virandose para olhar para mim. "Dê-lhe um emprego," Eu brinco. Ela é persistente como a foda, e se as coisas continuarem do jeito que tem sido, ela vai acabar causando problemas, e eu não preciso de mais problemas. Pelo menos, essa é a mentira que eu estou dizendo a mim mesmo. "Você precisa de um novo assistente." "Porra, não," eu estalo, soltando minha gravata. A última assistente que eu tinha acabou sendo um caos completo. A mulher estava chateada por que eu não iria transar com ela. Eu finalmente tive que demitir sua bunda quando ela trouxe outra mulher ao meu escritório e começou a tentar com que eu me juntasse a elas no meu sofá quando eu entrei e as encontrei seminuas. Trabalho é trabalho. Sim, eu posso convidar as mulheres aqui para foder, mas nunca ninguém com quem trabalho. "Não é como se ela fosse o seu tipo", diz ele, e eu sinto minha mandíbula apertar. "Além disso, se ela está aqui com você, ela vai parar de assediar as mulheres lá embaixo." Ele acena com a cabeça na direção de onde ela está sentada e meus olhos seguem o movimento, a vendo conversar com uma garota que parece um pouco assustada com tudo o que Maggie está dizendo. "Isso não está acontecendo. Vocês caras precisam mantêla fora do clube," eu digo a ele, me afastando da janela. "Só estou dizendo que seria uma boa maneira de manter um olho sobre ela", ele se queixa, batendo no meu ombro antes de sair de meu escritório, fechando a porta atrás dele.


Soltando um suspiro de frustração, me afasto da janela e tento me concentrar em toda a merda que eu preciso para ficar pronto. "Sim", eu pego meu telefone de mesa quando ele toca e olho para o relógio, vendo que uma hora se passou desde de que Teo saiu. "Olhe pela janela", Zack diz, e eu giro minha cadeira ao redor e faço a varredura do chão, imaginando o que ele quer que eu veja. Então vejo Maggie com a cabeça de um homem enfiada debaixo de seus braços enquanto ela leva-o para frente do clube, com Lane e Zack logo atrás deles. "Que diabos está acontecendo?" "Aquele cara tentou colocar algo na bebida de uma garota, e Maggie viu e foi chutar a sua bunda", explica ele quase com orgulho. "Jesus Cristo, para que porra eu pago você?" Eu grito. "Eu vi a coisa toda. Eu estava pronto para entrar em ação quando ela se levantou de sua banqueta, pulou nas costas do cara, e depois fez alguma porra de merda ninja, envolvendo o braço em torno da cabeça do cara e forçandoo em seus joelhos. Ela não vai deixá-lo ir. Ela disse que quer lhe fazer algumas perguntas." "Eu estou no meu caminho", eu digo, batendo o telefone e empurrando a porta aberta do meu escritório, descendo as escadas dois degraus de cada vez. Atingindo a frente do clube, eu vejo Zack segurando o cara e os braços de Lane em volta da cintura de Maggie, tentando arrastá-la para longe. “Que diabos está acontecendo?" Eu berro, e todos os olhos viram-se para mim, exceto Maggie, que aproveita a oportunidade para agarrar e torcer a orelha do homem, fazendo-o cair duro no chão de joelhos. "Você acha que é engraçado drogar mulheres inocentes, você flamejante balde de bosta?", ela grita, batendo no topo da cabeça careca do cara, e Zack ri junto com Lane, mas eu


não vejo uma coisa maldita que é engraçada sobre essa merda. "Maggie, deixe-o ir e venha aqui," Eu rosno, e ela levanta os olhos para encontrar os meus, olhando assustada. "Ele— " "Eu disse traga sua bunda aqui agora!" Eu grito, cortandoa e sentindo a veia do meu pescoço levantar quando eu aponto para o chão aos meus pés. "Tudo bem." Ela faz beicinho deixando o cara ir, caminhando rabugenta para mim, quando Zack coloca o homem em seus pés, levando-o com ele ao virar a esquina, com Lane atrás deles com o seu telefone no ouvido. Tenho certeza que eles vão ter uma conversa e esperar pela polícia. "Vamos", eu digo, passando a mão em torno da sua nuca, levando-a através do clube e subindo as escadas para o meu escritório. Sentando-a na cadeira em frente a minha mesa, vou até os armários onde guardo minha garrafa pessoal de whisky e retiro a tampa. Eu, então, levanto a garrafa aos lábios tomando um gole enquanto tento me acalmar. "Álcool não é bom para você", ela informa enquanto eu me sento atrás da minha mesa. "Parece que eu dou a mínima para isso?", eu perguntolhe, tomando mais um gole. "Você pode não se preocupar com o que pode fazer para o seu corpo agora, mas você pode querer saber que ela reduz a contagem de espermatozoides e resistência a longo prazo." "Jesus." Eu balanço minha cabeça e esfrego meus olhos em irritação. "Só dizendo que não é bom para você", ela murmura, deixando cair os olhos para seu colo. "O que aconteceu lá embaixo não é bom, Mags." "Maggie", ela corrige, ainda não olhando para mim. "Que seja," Eu digo, tomando mais um gole. "Você poderia ter se machucado."


"Eu tenho uma faixa preta—” "Olhe para mim," Eu exijo, cortando-a e batendo a garrafa no topo da mesa, esperando que seus olhos encontrarem os meus. "Você poderia ter se machucado ou pior. Você entende isso? Ele poderia ter uma arma com ele." "Você não entende", ela sussurra, enquanto as lágrimas enchem seus os olhos, mas eu endureço contra elas, precisando que ela entenda que isso não é um maldito filme. Esta é a vida real, e existem más - realmente muito más pessoas neste mundo. "Você não tem mais permissão para entrar no Club Floor", afirmo com firmeza. "Eu vou encontrar os caras que machucaram minha irmã", ela afirma, e vejo a determinação em seus olhos, o que me deixa orgulhoso e chateado ao mesmo tempo. "Se você vier, venha ao meu escritório, e se algo acontece lá em baixo"— aponto para o clube por cima do meu ombro— "você será a primeira, a saber." "Por que eu iria vir para o seu escritório? Eu preciso estar no bar onde eu possa ver o que está acontecendo." "Você acabou de ganhar o trabalho como minha nova assistente," eu digo a ela, observando-a fazer uma carranca enquanto se pergunta o que diabos eu estou fazendo. Esta garota é uma distração que eu não preciso agora, ou nunca, se isso importa. "Eu já tenho um emprego", diz ela quando sua carranca cresce mais profundo. "Bem, demita-se. Você está aqui todas as noites, Mags, e você não vai embora até o clube fechar a uma. Eu posso dizer pelas bolsas sob os seus olhos que você está exausta." "Por que você me quer trabalhando aqui?" Agora, essa não é a pergunta de um milhão de dólares? "Ou você aceita minha oferta, ou eu vou ter uma ordem de restrição colocada contra você e você não será permitida


a estar poucos metros do clube." Eu dou de ombros como se fosse tudo a mesma coisa para mim. "Você sabe que isso é um absurdo, certo?", ela se levanta e a vejo totalmente pela primeira vez esta noite. Seu vestido solto, transparente, preto é apertado com um cinto fino enfatizando o mergulho da sua cintura entre os quadris cheios e seus seios. Seu cabelo caí em uma massa de ondas desarrumadas, e sua maquiagem é sutil, mas ainda chama a atenção para os olhos, que parecem ainda mais dourados agora que ela está de pé na minha frente olhando irritada. "Eu não estou brincando mais com você. Você aceita o meu acordo, ou chamo a polícia e os tenho te escoltando para fora das minhas instalações", eu digo a ela, ignorando o fato de que estou ficando duro só de olhar para ela. "Isso é uma total porcaria", ela murmura, olhando ao redor antes de encontrar meus olhos novamente. "É pegar ou largar." "Nossa, eu posso ter um segundo para pensar?", ela chora, e eu sinto meus lábios se contraírem, então eu esfrego minha mão sobre minha boca para esconder. "Dez", eu declaro, observando seus olhos se estreitarem. "Nove... oito... sete..." Eu continuo contando, vendo como ela olha para mim como se estivesse pronta para me matar. "Seis," eu levanto uma sobrancelha. "Cinco…" "Tudo bem!", ela grita quando eu abro minha boca para terminar a contagem regressiva. "Pensei assim", eu digo triunfante. "Você é tão... você é um bundão* (bigasterd)", ela rosna. "Um o quê?", pergunto, e eu não posso me ajudar, eu rio. "Quando eu começo?", ela pergunta, ignorando a minha pergunta enquanto vermelho se espalha por todo o seu rosto e para baixo em seu pescoço. "Amanhã. Esteja aqui as cinco, e eu vou mostrar-lhe em torno do clube e dizer-lhe as suas responsabilidades."


"Ok." "Agora, vá. Eu tenho merda para fazer", eu digo a ela, levantando e colocando meu paletó. "O quê?", Ela pergunta, apoiando-se pra cima. "Vou levá-la até seu carro," eu digo, andando com ela pela porta. "Eu posso andar sozinha", diz ela, com as sobrancelhas puxadas juntas. "Sim, e eu sei que você é sua própria marca de caos, por isso não posso deixá-la sozinha no clube até que haja confiança entre nós." "Isso é tão... tão estúpido", ela murmura parecendo adorável. "Agora", eu digo a ela, balançando a porta aberta e apontando para fora para ela sair antes de mim. "Pé no saco - Lint-licker", murmura sob sua respiração enquanto ela passa na minha frente e pisa para baixo descendo as escadas, dando-me uma visão de sua bunda e pernas que ficará queimado em meu cérebro por anos. Uma vez que chegamos ao piso do clube, eu enrolo minha mão em torno de sua nuca, ganhando um olhar dela que eu ignoro enquanto eu conduzo-a pela multidão. Passando Teo, que está cuidando da porta da frente, eu dou-lhe uma elevação de queixo, observando seus olhos dirigirem-se entre Maggie e eu. "Você está bem?" Eu ouço-o perguntar, pensando que ele está falando comigo. Eu olho para ele como se perguntando, Por que diabos você está perguntando isso? Então eu vejo que seus olhos estão em Maggie. "Sim, obrigada, Teo. Tenha uma boa noite," ela diz suavemente, sorrindo para ele, o que me irrita. "Onde está seu carro?" Seus olhos voam para mim, perdendo a suavidade instantaneamente e ela tenta se afastar.


"Dois blocos para baixo. Eu posso andar sozinha. Estamos do lado de fora, então você não precisa se preocupar comigo causando quaisquer problemas." “Vamos lá." Eu a ignoro e pego sua mão, sentindo a maciez dela contra a palma da minha e em seguida, apertando os dedos quando ela tenta se afastar novamente. Caminhando os dois blocos, eu tento entender o que está acontecendo na minha cabeça. Nunca deixei uma mulher me afetar, mas esta mulher fez exatamente isso, mesmo sem perceber, e eu não tenho ideia do que diabos eu vou fazer sobre isso. "Este é o meu carro", ela me diz, forçando vigorosamente a mão livre da minha. Olhando para o carro, minha raiva volta dez vezes maior. A coisa parece como se eu pudesse pegá-lo e lançá-lo com as mãos atadas atrás das costas. E certeza como o inferno não parece seguro para qualquer um dirigir, especialmente nesta cidade. "Que diabos é isso?" Eu pergunto, olhando para ela puxar uma chave fora de seu sutiã—onde eu estou pensando que ela deve manter tudo, desde a última vez que eu estive com ela, que é onde o seu telefone estava. "É um carro." Ela revira seus olhos. "Esta é uma armadilha mortal, Mags. Uma pequena colisão neste pedaço de merda e você já era," eu digo, passando a mão pelo meu cabelo. "É Maggie, M-A-G-G-I-E, Sven, e é seguro. Além disso, é bom para o meio ambiente." "Sim, porque mata as pessoas, para que haja menos uma pessoa na Terra para foder com isso." "Você é muito dramático e amaldiçoa demais", diz ela, empurrando-me um passo para trás, ficando atrás do volante e batendo a porta. Uma vez que o carro está ligado, ela desce o vidro da janela. "Vejo você amanhã, Chefe."


"Dirija com cuidado, e ligue para o clube quando você chegar em casa," eu digo a ela, sabendo que ela não tem o número do meu celular, o que eu vou ter que corrigir amanhã. Além disso, eu vou lhe dar um telefone que não é da idade média e dizer-lhe que é para o trabalho, porque eu sei que ela não vai aceitá-lo de outra maneira. "Sim, eu não estou te chamando, mas eu vou vê-lo amanhã", ela retruca e, em seguida, puxa para fora do pequeno espaço, errando por pouco um carro que está passando. Deixando escapar um suspiro irritado, eu me viro e caminho de volta para o clube, murmurando baixinho todo o caminho de volta, me perguntando o que diabos eu estou fazendo?


Capítulo 2 Maggie Mostre-me o dinheiro Olhando para mim no meu espelho de corpo inteiro, viro-me de lado me certificando de que pareço bem. Desde que eu estou trabalhando com Sven, ele quer que eu vista nada além de ternos, eu escolhi usar a minha camisa preta sem mangas com uma gola alta e com laços que amarram em meu pescoço. Minha saia de cintura alta de cor creme se encaixa confortavelmente contra as minhas curvas deixando minhas pernas nuas, mostrando um dos meus pares favoritos de saltos com estampa de leopardo que têm um dedo do pé pontudos e um salto fino cravado. Eu deixei meu cabelo comprido para baixo, exceto a minha franja, que eu joguei para o lado e prendi para trás longe do meu rosto. Eu mantive a minha maquiagem mínima, com apenas rímel e um pouco de blush, não realmente com vontade de fazer um rosto cheio de maquiagem. Pegando minha bolsa da minha cama, eu vou para a sala onde encontro minha irmã, Morgan, sentada no sofá, assistindo TV. Ela se curou muito ao longo das últimas semanas, mas ela ainda está carregando contusões que me lembram o que poderia ter acontecido, que eu poderia tê-la perdido. "Você está indo para o trabalho?", pergunta ela, pressionando pause no programa que ela está assistindo. "Sim, há sobras na geladeira se você ficar com fome. Não tenho certeza de que horas eu vou estar em casa, mas se


precisar de mim, eu tenho o meu celular", eu digo a ela enquanto eu pego as chaves do carro do balcão na cozinha. "Eu posso cuidar de mim mesma", ela resmunga, pegando um saco de Cheetos da mesa de café. "Eu sei", eu concordo, não querendo apontar que ela fez um trabalho horrível de cuidar de si mesma até agora. "Eu posso sair hoje à noite", diz ela casualmente apertando o play no programa que ela está assistindo. "Onde?", pergunto enquanto a minha fachada rigidamente controlada desliza. "Eu não sei. Amy ligou e disse que eu precisava sair de casa, e eu concordei com ela." Eu odeio a melhor amiga da minha irmã. Eu nunca confiei nela, e toda vez que Morgan ficou em apuros, Amy estava envolvida de um jeito ou de outro. "Você ainda tem hematomas da última vez que você saiu com ela," eu aponto esperando que ela vai ver por si mesma o tipo de amiga que Amy realmente é. "Não é justo você fazer o que aconteceu parecer ser culpa da Amy." "Você vai me telefonar e dizer onde você está indo?" Eu pergunto, sabendo que é completamente inútil discutir com ela sobre seu relacionamento com Amy. Eu não acho que ela jamais verá como ser amiga dela está afetando-a. "Eu vou ligar", diz ela, distraída, empurrando a mão no saco de Cheetos em seu colo e olhando para a TV. "Eu te amo", eu digo a ela, recebendo um aceno de cabeça em troca antes de sair pela porta da frente e descer as escadas para o meu carro. Andando no escritório de Sven, eu luto contra o instinto de virar e correr de volta para fora quando eu vejo que ele está no telefone. Eu não tenho ideia do que eu estava pensando ao concordar em vir trabalhar para ele, mas,


novamente, minha vida tem sido uma série de eventos apenas como isto. "Espere, Mags", diz ele, assustando-me. Puxando seu telefone longe de sua orelha, ele faz um gesto para eu tomar um assento em uma das duas cadeiras altas de veludo azul escuro, na frente de sua grande mesa de carvalho. Revirando os olhos para ele, eu me sento, observando o canto de sua boca elevar antes que ele cubra com a mão. Eu odeio que ele me chame de Mags, ou isso é o que eu estou dizendo a mim mesma, de qualquer maneira. Mas, além disso, é melhor do que o apelido que meus pais me deram na minha cerimônia espiritual, quando me chamaram de a deusa da lua enquanto estava nua no meio de um campo em meu décimo aniversário. Acho que ainda estou traumatizada por essa experiência. Cruzando uma perna sobre a outra eu puxo uma respiração enquanto eu estudo ele. Sven é lindo de uma maneira que é completamente injusta para o resto dos homens na Terra. Ele é alto o suficiente para que eu pudesse usar meus saltos de quinze centímetros e ele ainda iria se sobressair sobre mim. Seu corpo é magro, com apenas a quantidade certa de músculos. Seu cabelo loiro escuro, é cheio na parte superior e pouco mais curto dos lados, dandolhe uma aparência desleixada, sexy. Seus olhos são de um azul surpreendente que fica verde quando está irritado, e os cílios longos e escuros que os cercam o fazem parecer muito mais atraente. Seu nariz é reto, as maçãs do rosto são altas, e os seus lábios são cheios e estão rodeados por uma sombra de cinco horas de barba que eleva seu nível de gostosura. Parece que ele poderia estar na capa da GQ (Revista) ─ inferno, pelo que sei, ele esteve na capa. As poucas noites que eu me sentei no bar, eu ouvi as mulheres falando sobre ele, e pelo que eu percebi a maioria da população feminina de Vegas sabe


quem ele é. Juro que cada solteira de pernas bonitas, loira, ruiva e morena sabia exatamente quem ele era pelo nome e, a julgar pela forma como elas falaram sobre ele, elas provavelmente gritaram isto algumas vezes. "Que bom que apareceu, Mags", diz ele, puxando-me para fora da minha leitura e definindo seu telefone em cima da mesa. Sentando-me um pouco mais ereta, eu estreito meus olhos e vejo-o andar ao redor da mesa para mim, desabotoando o paletó e sentando no topo da superfície de madeira, inclinando-se um pouco mais perto do que o necessário. "Você disse para eu estar aqui as cinco, são cinco." Eu ergo minha mão quando parece que ele vai dizer outra coisa. "E nós precisamos discutir o meu salário", afirmo, descruzando as pernas, em seguida, cruzando-as na outra direção, ignorando o modo como seus olhos seguem o movimento e mudam de cor. "Salário?" Ele franze a testa, e eu não posso evitar o sorriso que se forma nos meus lábios pela confusão em seu rosto. "Sim, o meu salário. Ora, você realmente não achou que eu estava indo trabalhar para você de graça, não é?" Eu pergunto, levantando a sobrancelha. "Claro que não. Vou começar com trinta e cinco mil—" "Sim, isso não vai funcionar para mim. No meu antigo emprego, aquele que eu acabei de me demitir para vir trabalhar para você, eu recebia 175 mil por ano, com férias remuneradas de quatro semanas e uma semana de auxílio doença", eu digo, interrompendo-o. Eu realmente faço muito mais modelando, mas ele não precisa saber disso. "Onde diabos você trabalha?", Ele rosna, fazendo minhas partes femininas formigarem. Ignorando a reação do meu corpo a ele, eu aceno com a mão na minha frente e continuo: "Isso não importa agora,


então desde que eu estou apenas começando aqui, eu vou aceitar 150 mil, mas eu quero o mesmo para dias de folga, incluindo dias de doença.” "Não." "Sim." "Jesus, o que diabos eu estava pensando?", pergunta ele, inclinando a cabeça para trás e olhando para o teto pela resposta à sua pergunta. "Você estava pensando que você só contratou a melhor assistente que o dinheiro pode comprar", retruco em seguida, pressionando meus lábios para não sorrir ao ver a expressão melancólica em seu rosto quando seus olhos encontram os meus. Passando a mão pelo cabelo, seus olhos me digitalizam e ele balança a cabeça. "Tudo bem, mas você estará a minha disposição. Isso significa vinte e quatro horas por dia, sete dias por semana, se eu chamar, você vem correndo." "Eu não trabalho nos fins de semana." Eu sorrio bobamente, depois me pergunto por que diabos eu amo tanto lutar com ele. Seus olhos me estudam por um longo tempo, tanto tempo que eu luto contra a vontade de me contorcer no lugar. "Tudo bem, mas cinco dias por semana, você é minha 24 horas por dia." "Claro." Eu dou de ombros, sabendo que ele não tem ideia de onde ele se meteu. "Então o que você quer que eu faça hoje?", pergunto olhando ao redor do seu escritório, notando como é arrumado. O topo da sua mesa é limpo com seu computador top de linha e uma pilha de papéis organizados. Os armários superiores e inferiores à direita de sua mesa com apenas um balcão entre eles está vazio, com apenas uma garrafa de cristal que está meio cheia de um líquido escuro e dois copos posicionados em cima. O sofá de couro atrás de mim com a mesa de café redonda, rústica e de


madeira está limpa com uma pilha de livros em cima, que estou certa de que ninguém nunca leu e está lá apenas para decoração. Tudo parece ter um local específico, mas não há nada demasiadamente pessoal no espaço. Nem uma única foto de família ou amigos, nem lembranças de lugares que ele foi. Parece um anúncio de revista para o escritório de um homem. O pequeno diabo, que assumiu um lugar no meu ombro desde que conheci Sven, está me implorando para mover coisas ao redor para ver o que vai acontecer se eu fizer isso, enquanto o anjo do outro lado está balançando a cabeça em desaprovação. Franzindo a testa, ele me olha, em seguida, olha em volta, antes de trazer seu olhar de volta para mim. "Há alguns pedidos que precisam ser preenchidos. Você pode assistirme fazer isso, e então eu vou levá-la lá em baixo, mostrarlhe em torno do clube, e apresentá-la a todos." "É o seu show, Chefe." Eu sorrio e vejo-o tirar seu paletó e colocá-lo cuidadosamente sobre a borda da mesa, e então eu encosto-me à minha cadeira enquanto ele caminha em minha direção para que ele possa pegar a cadeira ao meu lado. Levando a cadeira em volta da mesa, ele a define para baixo perto dele em seu lado oposto. "Você pode sentar aqui... a não ser que você queira se sentar no meu colo?" Ele sorri enquanto acena para a cadeira ao seu lado. "Será que Shiszlle * como essa realmente funciona para você?", pergunto, levantando da cadeira que estou e caminho ao redor para me sentar. "Você alguma vez amaldiçoa?", Ele rebate, ignorando minha pergunta, e eu sinto o seu joelho magro contra a minha coxa. "Sim." Eu dou de ombros. Eu posso não amaldiçoar com as mesmas palavras que ele, mas o significado é o mesmo.


"Diga 'Foda', ele me desafia levantando sua sobrancelha. "Frick." Eu sorrio, puxando a minha perna longe da dele quando parece que ele não vai se mover. "Isso não é a mesma coisa." "Quem disse? Todos os dias, as palavras são adicionadas ao idioma. Quem vai dizer que *Frick*, não significa a palavra que você disse daqui a poucos anos?" "Você é alguma coisa", ele murmura sob sua respiração enquanto seus olhos ficam trancados no meu. "Você vai me mostrar o que eu preciso saber, ou vai me encarar o dia todo?" Eu questiono, apontando para a tela, precisando que ele desvie o olhar, porque ele olhando para mim está causando uma gama de emoções que eu não estou confortável para sentir. "Eu definitivamente vou lhe mostrar uma coisa", ele resmunga, puxando os olhos dos meus. Cruzando os braços, eu ignoro a sensação de calor na parte inferior da minha barriga e assisto por uma hora enquanto ele me mostra como usar o sistema de computador para fazer pedidos para o clube. Então, eu o sigo para o piso do clube, onde ele me apresenta a todos e me mostra ao redor. "Eu estou indo pedir alguma comida. Gostaria de alguma coisa?", pergunto a Sven, levantando do sofá, onde ele me disse para sentar a três horas atrás, depois de me entregar um dos livros mais chatos do mundo sobre códigos e políticas dos clubes noturnos de Vegas. Alongo-me, eu olho para ele e faço uma careta, percebendo que ele não se moveu. "Sven", repito, caminhando em direção a sua mesa. "Hey." Eu estalo os dedos perto do seu ouvido, fazendo-o saltar. "Você está bem?", pergunta ele, passando as mãos pelo cabelo.


"Eu preciso de comida. Gostaria de alguma coisa?" Eu repito, olhando para o relógio na parede, vendo que é um pouco depois das onze. "Claro", ele murmura, enfiando a mão no bolso de trás, puxando a carteira e, segurando-a para mim. "Você tem alguma preferência?" Eu pergunto, ignorando a mão estendida. "Eu vou ter o que você está tendo", diz ele, pegando uma nota de cem dólares de sua carteira, na tentativa de entregála a mim. "Tem certeza de que quer comer o que eu estou comendo?" Pergunto quando ele franze a testa, olhando pra mim e o dinheiro em sua mão. Agitando sua mão, ele empurra o dinheiro para mim novamente. "Tenho certeza, agora pega o dinheiro." "Eu posso comprar minha própria comida." Eu pego meu celular de cima da sua mesa, onde eu deixei para carregar. "Você não está pagando", afirma, levantando. Ignorando ele, viro-me e saio do escritório, o ouvindo amaldiçoar quando eu desço as escadas, onde eu faço a chamada para um dos meus restaurantes Indianos favoritos antes de ir para o exterior do clube, esperar pela entrega. "O Chefe sabe que você está aqui?" Teo me pergunta assim que eu passo através das portas e para o lado de fora, sorrindo para um grupo de homens que dizem oi quando eles passam por mim em seu caminho para dentro do clube. "Ele sabe que eu estou conseguindo alimentos", digo a ele, passando os braços ao meu redor quando o ar da noite atinge minha pele exposta, enviando um arrepio através de mim. Eu conheci Teo na primeira noite em que apareci aqui depois que minha irmã foi atacada. Ele aceitou cem dólares que eu lhe dei e me deixou entrar no clube. Na segunda vez que eu voltei, ele levou mais cem, mas na terceira vez me devolveu todo o meu dinheiro.


"Não pulou em ninguém no seu caminho para fora?", Ele questiona com um sorriso antes de pegar o dinheiro de um casal na fila. "Ha, ha. Muito engraçado," murmuro, mas sinto meu rosto queimar com o pensamento do que aconteceu ontem quando eu estava aqui. "Só perguntando." Ele ri enquanto eu me inclino para trás contra a parede, encolhendo-me quando três mulheres passam à frente da fila vestindo o que parece ser mais uma lingerie provocativa. Isto é Vegas, por isso, a sua escolha de vestuário realmente não me surpreende, mas como uma mulher, eu nunca vou entender a necessidade de usar roupas que não deixam nada para a imaginação. "Aquele cara foi preso?", eu pergunto silenciosamente quando as mulheres se dirigem para o clube. "Ele foi preso e ainda está à espera de fiança." "Isso é bom", eu digo, deixando escapar um suspiro aliviado que pelo menos um cretino está fora das ruas por agora. "Como está a sua irmã?", ele pergunta, dobrando seu corpo grande ao meio quando se senta em um banquinho de metal pequeno que parece pronto para quebrar sob o seu peso. "Ela está melhorando", eu respondo suavemente, inclinando a cabeça para trás para olhar para o céu noturno. "Aqui." Eu olho para a mão estendida e o cartão que ele está segurando para mim. "O que é isso?" Eu pergunto, levando o cartão dele. A frente está em branco, e na parte de trás tem apenas um número de telefone. "Se sua irmã quer ajuda, eu sei de algumas pessoas que podem dar isso a ela", diz ele em voz baixa, e eu o estudo por um longo tempo, imaginando como ele sabe. Lágrimas


enchem meus olhos e eu aceno segurando o cartão apertado, desejando que fosse tão fácil como fazer um telefonema. "Às vezes, você não tem uma escolha e tem que deixar ir", ele resmunga, mas para minha sorte, não tenho que responder por que o motorista da entrega do meu pedido, chega bem a tempo. Pago com cinquenta dólares, eu digo ao motorista para manter o troco, em seguida, caminho por Teo, dando-lhe um aceno curto quando volto para dentro do prédio e ao redor do abarrotado chão do clube. Encontrando Zack, chefe de segurança de Sven, na parte inferior das escadas que leva ao seu escritório, eu sinto um sorriso se formar nos meus lábios quando seus olhos travam em mim. "Hey, Maggie", ele cumprimenta suavemente, inclinandose para pressionar um beijo suave na minha bochecha. Zack é um homem negro bonito, com grandes músculos, volumosos, escuro, pele cremosa, uma cabeça careca e, macios olhos com alma. Ele é o tipo de homem que eu normalmente me vejo namorando, e é o oposto do meu atual namorado de sete meses, Wyatt. Eu conheci Wyatt em uma sessão de fotos que fizemos juntos quando eu estava trabalhando em uma campanha publicitária para uma das minhas marcas plus-size favoritas. Wyatt é o tipo de garoto da porta ao lado, com a pele beijada pelo sol, cabelo loiro escuro e olhos azuis. Ele não é muito mais alto que eu, e nunca posso usar saltos altos quando saímos, mas o seu sorriso e boas maneiras fazem estar com ele fácil. "Você está bem?" "Ótima." Eu sorrio, então sinto minha espinha endurecer quando uma mulher pede com uma voz estridente, "Sven está lá em cima?" Olhando para ela eu percebo que ela é uma das mulheres lá de fora vestindo lingerie. Sorrindo, suas amigas vêm para ficar cada uma de um lado dela.


"Desculpe boneca. Ele não está aceitando companhia neste momento", Zack diz, e algo no meu peito aperta. "Bem, eu trouxe minhas amigas desta vez. Você não pode chamar e pedir pra ele olhar aqui pra baixo? Talvez ele mude sua mente quando ele nos vir", diz ela com um beicinho. "Eu vou subir", eu digo suavemente, ganhando um olhar suave e um aceno de Zack quando eu subo as escadas tão rápido quanto meus calcanhares me levam. Chegando à porta lá em cima, eu respiro fundo empurro-a aberta e entro. "É seguro andar descalço aqui?", pergunto a Sven, que se levanta por trás de sua mesa enquanto me viro para fechar a porta atrás de mim. "Por que você está perguntando isso?", Ele questiona, andando na minha direção. "Eu não sei o quanto de DNA está no chão, e os meus saltos estão me matando", digo a ele quando ele pega os sacos de minhas mãos. "DNA?" Ele franze a testa, colocando os sacos na mesa de café, então se vira para mim cruzando os braços sobre o peito. Percebo que enquanto estava fora, ele perdeu a gravata e desabotoou os dois primeiros botões de sua camisa, expondo seu pescoço bronzeado. "Bem, um grupo de mulheres — que obviamente, não entendem que é chamado de Victoria Secret por uma razão — estão lá embaixo. Elas estão pedindo para vir para jogar com você, porque uma amiga delas esteve aqui há algumas semanas, e agora elas querem ver o que é toda a propaganda." "Jesus", ele murmura, esfregando o queixo e olhando para a porta como se esperando que ela se quebre. "Não se preocupe, Zack está lá montando guarda. Mas eu posso tirar meus sapatos, ou devo deixá-los?" "Tire os malditos sapatos, Mags," ele anda por mim para a porta, batendo-a atrás dele quando sai.


"Tudo bem então", murmuro para o escritório vazio, quando eu lanço meus sapatos perto da porta. Indo para o sofá, eu paro e, em seguida, viro-me indo ao banheiro, eu pego a lata de Lysol para pulverizar o sofá e o chão. "O que diabos você está fazendo?" Sven pergunta, me fazendo pular. Eu estava tão envolvida desinfetando que eu nem sequer o ouvi entrar. "Desinfetando", digo a ele com uma agitação da lata de Lysol, que ele agarra afastando-se de mim e leva de volta para o banheiro, voltando um segundo mais tarde parecendo irritado enquanto agita sua mão na frente do rosto. "Se você quiser, eu posso sair por um tempo e voltar quando você estiver acabado com as brincadeiras e estiver com um humor melhor," Eu ofereço, observando enquanto um sorriso estremece seus lábios. "Pare de ser uma espertalhona e me alimente", ele murmura desabotoando os punhos da camisa e enrolandoos, dando-me um vislumbre de tatuagens que eu nunca teria imaginado que ele tinha. "Terra para Mags." Desatando o laço no meu pescoço que, de repente, ficou muito apertado, eu me sento no sofá, percebendo que ele não se moveu. "Você tem bebidas? Eu nem sequer pensei em encomendar algumas", acrescento, ignorando o que quer que seja o olhar que ele está me dando. "O que você gostaria?", Ele pergunta com a voz rouca antes de limpar a garganta. "Você tem algum suco?" Eu questiono puxando o alimento para fora do saco e colocando-os sobre a mesa de café. "Claro." Ele pega duas garrafas de suco de laranja da geladeira, em seguida, se senta ao meu lado no sofá. "O que você pediu?", pergunta ele, abrindo os recipientes de isopor e cheirando o conteúdo.


"Korma vegetais, tikka masala, e queijo nan", eu digo e lhe entrego um guardanapo e um garfo. Então, eu reparto o arroz em dois pratos e entrego-lhe um. "Onde está a carne?", ele questiona com uma careta enquanto eu adiciono korma vegetais no meu prato. "Você disse que iria comer o que eu estava comendo", eu lembro-o, tirando o prato que eu lhe entreguei de sua mão, colocando uma colher de tikka masala no arroz, e, em seguida, entrego de volta para ele. "Isto é tofu?" Ele cutuca um dos pedaços de tofu com o garfo enquanto seu rosto amassa como se fosse um menino e lhe foi dito que ele tinha que comer seus vegetais. "É bom. Experimente", eu encorajo pegando alguns com meu garfo e segurando perto de sua boca como eu costumava fazer com as crianças que eu era babá. "Você está seriamente tentando me alimentar agora?", Ele pergunta com seus olhos brilhando com diversão. "Desculpe," eu murmuro, e começo a afastar o garfo, mas antes que eu possa, sua boca fecha em volta do garfo e meus olhos travam em seus lábios, sentindo meu núcleo apertar. Eu o vejo mastigar, e depois rio quando ele faz uma careta. "Isso é horrível." "Tente isto." Eu pego um pouco de korma do meu prato e seguro em direção a ele. Desta vez, seus olhos travam nos meus enquanto sua boca se fecha em torno do garfo. O olhar em suas profundezas azul-esverdeadas tem meu pulso batendo nos meus ouvidos. Engolindo, eu puxo o garfo para trás, em seguida, olho dele para sua boca. "Melhor", diz ele roucamente e sua mão quente surge e envolve em torno de meu queixo. Assustada, meu olhar encontra o seu por um momento antes de seus olhos caírem para minha boca e ele começa a se inclinar. "Vamos comer antes que esfrie," Eu digo, virando minha cabeça, então sua mão é forçada a me soltar. "Você pode ter


esse, já que você não gostou do tikka," eu digo a ele, entregando meu prato e garfo e tomando o seu fora de seu colo, evitando olhar para ele. Recostando-me no sofá, eu encho minha boca com um pedaço de Nan e mastigo lentamente, de modo que não faço nada de absolutamente estúpido, como empurrá-lo no sofá, arrancar sua camisa, e ver se ele está escondendo mais alguma tatuagem. "Então, ou você é vegetariana, ou você está me testando", diz ele, e eu mastigo, engolindo antes de olhar para ele. "Eu sou vegetariana," Eu concordo, observando-o sentar para trás e colocar o tornozelo sobre o joelho. "Por quê?" "Por que o que?" Eu franzo a testa. "Por que você é vegetariana?" "É apenas algo que eu sempre fui. Meus pais são vegetarianos, e eles me criaram para ser uma." "Você alguma vez já comeu carne?" "Uma vez, quando eu estava no colégio. Nunca houve tanto no cardápio de almoço para vegetarianos. Eu sou uma menina grande e estava morrendo de fome na maioria dos dias, então eu tentei comer bolo de carne. Essa foi a primeira e a última vez.", acrescento com um sorriso enquanto seus olhos passeiam sobre mim. "Você não é grande", ele afirma, quase como se estivesse ofendido em meu nome. "Eu amo meu corpo e aceitei-o como ele é. Eu tenho peitos, quadris e uma bunda. Quando eu era jovem, eu ficaria incomodada, mas agora eu sei que eu tenho o corpo de uma mulher e eu estou bem com quem eu sou.” "Você deveria estar. Você é linda", ele responde imediatamente, a sinceridade de suas palavras e o olhar em seus olhos, fazem meu ventre esquentar.


Uau. Eu não sei o que dizer a isso, uma vez que a maioria dos homens que se parecem com ele não teria sequer dado um olhar em minha direção. "Onde está seu namorado?", pergunta ele, pegando-me desprevenida, enquanto ele se inclina para frente e pega um pedaço de nan fora da tigela sobre a mesa. "Quem disse que eu tenho um namorado?" Eu franzo a testa. "Os caras disseram que você mencionou ele." "Oh," murmuro, levantando meus pés para o sofá e descansando meu prato em cima dos meus joelhos. "Ele vive em Seattle, mas está na cidade na maioria dos fins de semana." "Como ele se sente sobre você trabalhar aqui?" "Ele está bem com isso." Eu dou de ombros. Wyatt realmente não tem fortes opiniões sobre qualquer coisa. Eu sei que ele se preocupa comigo, mas ele não é o tipo de homem que diz: "Não, você não pode fazer isso ou aquilo”. Ele é passivo demais para isso. "Sério?", Ele pergunta com um tom atado de descrença. "Sim." Eu dou de ombros novamente. "Então você só o vê quando ele está na cidade... como se você fosse uma chamada de sexo?", Ele questiona, fazendo meu rosto queimar em constrangimento e minha espinha endurecer em aborrecimento. "Wyatt é um perfeito cavalheiro", eu assobio, colocando meus pés no chão. De jeito nenhum eu vou dizer a ele que estou guardando minha virgindade até encontrar o homem que eu sei que vou passar o resto da minha vida. Desde que eu era uma garotinha, eu assisti meus pais, seus amigos, e minha irmã dormir por ai como se o sexo não significasse nada para eles. Inferno, quando eu tinha dezesseis anos, minha mãe e meu pai me disseram que eu estava livre para fazer sexo com quem eu quisesse, e até me convidaram para


uma de suas festas livres de amor. Eu simplesmente não podia fazer isso. E sim, eu tentei outras vezes, mas a cada vez que as coisas chegaram ao ponto onde o sexo era iminente, eu parava. "É só uma pergunta", ele diz baixinho, como se o fizesse se sentir melhor por ser um idiota intrometido. "Com que frequência você dorme com mulheres que você encontra neste clube?", pergunto, e sua mandíbula aperta. "O que? É só uma pergunta." Eu levanto do sofá e levo meu prato para a lata de lixo, empurrando com um pouco mais de força do que o necessário. "Venha se sentar, Mags." "Não." "Eu não trarei Wyatt novamente", diz ele, cuspindo o nome de Wyatt fora como se tivesse um gosto ruim. "Bom, pois meu relacionamento não é da sua conta," eu digo a ele com firmeza, cruzando os braços sobre o peito. "Por agora." "O que é que isso quer dizer?" Eu grito, jogando meus braços no ar. "Ele é obrigado a aparecer eventualmente, Mags. Você trabalha aqui, lembra?" "Então você está me dizendo que eu tenho o direito de lhe perguntar sobre as mulheres que você está gastando tempo lá fora enquanto estamos trabalhando juntos?" Eu pergunto, observando suas narinas e seus olhos se dilatarem com raiva. "Eu não penso assim. Espero o mesmo respeito que eu estou te mostrando," eu digo a ele, deslizando sobre meus sapatos. "Onde diabos você pensa que está indo?", pergunta ele, observando cada movimento meu. "Eu estou usando um de meus dias doentes. De repente eu não me sinto tão bem", retruco, agarrando minha bolsa no gancho perto da porta e balançando-a por cima do meu


ombro. Dando-lhe um último olhar, eu saio do escritório antes que ele possa me parar. No momento em que eu chego no lá em baixo, vejo Zack vindo em minha direção com a mão em seu ouvido, e eu sei que ele está falando com Sven. "Eu vou acompanhar você." "Eu posso ir sozinha." Eu sacudo sua mão e me apresso pelo clube para fora da porta da frente. "Você está bem?" Teo pergunta quando ele me vê. "Tudo bem, tenha uma boa noite", eu digo, dando-lhe um sorriso trêmulo quando eu apresso meu passo para o meu carro. Eu sei que parece que estou correndo, mas não gosto dos sentimentos que Sven provoca em mim, mesmo sendo porque é a primeira vez que eu os sinto em um longo tempo.


Capítulo 3 Maggie O Nome dela é Maggie, Não Mags "Então, quanto tempo vai ser até que você fale comigo?" Sven pergunta assim que eu abro a porta do escritório e entro. Carregando meu copo de café em uma mão e uma pilha de pastas na outra, eu as equilibro com cuidado enquanto eu viro e uso meu pé para chutar a porta fechada. Já se passaram três dias desde o nosso desentendimento, e nesses três dias não temos falado... ou devo dizer que eu não falei com ele, a menos que isso tem a ver com o trabalho. Ninguém nunca me tirou do sério da maneira que ele faz, e ficar sozinha me deu uma pausa para lidar com ele. "Eu falo com você todos os dias", murmuro e coloco a pilha de pastas sobre a mesa, em seguida, uso meu café como uma desculpa para evitar olhar diretamente para ele. "Você me pergunta o que você precisa fazer, mas evita qualquer outro tipo de comunicação diferente", diz ele, soando frustrado, e quando meus olhos encontram os dele, eu a contragosto noto a camisa lavanda que ele está usando hoje, o que deixa ainda mais lindo. "Se você está me achando ausente, você pode me demitir." Eu dou de ombros, observando seus olhos apertarem e virarem um tom mais escuro de azulesverdeado. "Eu acho que vou mantê-la", ele responde, num tom que soa como uma ameaça, mas ele faz algo estranho mergulhar na minha barriga.


"Então o que você precisa que eu faça hoje?", pergunto ignorando a reação do meu corpo a ele. "Eu tenho que encontrar com um amigo para discutir negócios e gostaria que você me acompanhasse", diz quando me sento em frente a ele. "Oh." Olhando para os meus jeans pretos, eu corro meu dedo sobre um dos rasgos no material, tentando pensar em uma maneira de sair disso, em seguida, levanto os olhos para os dele. "É necessário que eu esteja lá?" Eu finalmente pergunto, e um pequeno sorriso contrai o canto da sua boca. "Você é minha assistente? A melhor assistente que o dinheiro pode pagar?" Ele levanta uma sobrancelha em um silencioso desafio. "Touché", murmuro sob minha respiração, deixando cair meus olhos novamente quando eu o vejo sorrir seu lindo sorriso. "Dê-me cinco minutos e eu vou encontrá-la lá em baixo." "Tudo bem então." Pegando meu café, eu saio do escritório sem olhar para trás e cabisbaixa para o andar de baixo. Andando pelo clube vazio, eu faço o meu caminho em direção ao bar quando vejo Eva de pé atrás dele, secando copos vazios. "Ei garota," ela cumprimenta quando ela me vê. "Como estão as coisas?" Eu pergunto, subindo sobre uma das banquetas, definindo minha bolsa e café na bancada. "Ocupada como sempre." Ela sorri, colocando um copo e pegando outro. "Como está indo a escola?" Eu questiono quando vejo seus olhos cansados. Eva, como a maioria das mulheres que trabalham atrás de bares em Las Vegas, é linda. Olhando para ela, eu posso ver a herança indígena e imaginá-la vestida em trajes de costume tribal com roupas brilhantes que acentuam sua pele caramelo, e tranças com as penas em seu cabelo escuro.


"Graças a Deus eu só tenho alguns meses para acabar", ela suspira, estabelecendo mais um copo. "Então você vai fazer o exame da ordem?" Eu pergunto, sabendo que ela está estudando para ser uma advogada. "Sim." "Você não parece muito feliz com isso", eu observo discretamente. "Estou feliz em terminar a escola, mas todo o meu futuro a partir daí está completamente definido. Eu sei que quando eu passar no meu exame da Ordem, eu vou trabalhar para o meu pai e nossa tribo, vou me casar com alguém que eu provavelmente conheço por toda a minha vida, e então eu vou ter dois filhos. Tudo o que posso esperar é que, em algum lugar no caminho eu seja feliz". "Você pode sempre fazer o seu próprio caminho", eu digo baixinho enquanto estudo sua expressão sombria. "Eu queria que fosse tão fácil assim", ela murmura, em seguida, acena atrás de mim, e me viro para olhar por cima do ombro para Sven, que está andando, não, espreitando pelo piso vazio do clube. Ele parece mais bonito do que eu já vi, de jeans e uma camiseta lisa e Converse em seus pés. "Por favor, tenha cuidado com ele", sussurra Eva, e eu tiro meus olhos de tudo o que é Sven para olhar pra ela. "Você não tem que se preocupar comigo, querida", eu sussurro de volta com um sorriso e escorrego da banqueta. "Pronta?" Sven pergunta, acenando para Eva atrás do bar uma vez que ele atinge meu lado. "Sim," Eu concordo e pergunto: "Estou mal vestida?", enquanto saímos. "Vamos parar e pegar para você um tênis", diz ele, distraído, digitando em seu telefone. "Eu tenho sapatos no meu carro," digo a ele, tentada a levar o telefone de sua mão e lançá-lo para a rua. Ele está sempre em seu telefone ou em seu computador e, tanto


quanto eu odeio admitir, eu gosto quando sua atenção está em mim. Caminhando para longe dele, eu vou para o meu carro e pego meu próprio Converse do porta-malas. "Eu pensei que você tinha falado que estávamos nos encontrando com um amigo seu para discutir negócios," murmuro enquanto eu troco meus saltos pelos meus tênis. "Nós estamos." "O que é que isso quer dizer?" Eu pergunto, dobrando a parte inferior da minha calça jeans tornando meu look mais casual. Então, me levanto e desabotoo minha camisa. "Deixe a camisa." "O quê?" Eu pergunto, virando-me para encará-lo. "Foda." Ele franze a testa e seus olhos se movem de meus seios para o meu rosto. "Esse cara ama as mulheres, então me faça um favor e deixe a camisa." "Este top cobre as meninas", eu digo, olhando para baixo. Sim, eu tenho decote, mas não é muito extremo, e tenho certeza como o inferno que é menor do que um monte de mulheres mostra, especialmente aqui em Las Vegas. "Eu sei que elas estão cobertas, mas, por favor, pela minha sanidade, vista a camisa." Revirando os olhos, eu tiro a camisa e lanço-a no portamalas junto com meus saltos. "Você é um pé no saco", ele se queixa. "Sim, e você é o Senhor Perfeito", murmuro indo em frente no estacionamento para o seu SUV, antes de chegar a uma parada quando ele pega minha mão e me leva para a rua. "Estamos indo a pé para o seu amigo?", pergunto, pegando minha mão da dele. "Não, meu motorista está nos levando." "Você tem um motorista?" "Sim", diz ele, distraído com seu telefone que apita em sua mão. Agarrando a coisa estúpida, eu o enfio no meu bolso de trás e ando para trás, longe dele.


"Mags, me dá meu telefone." "Eu vou te dar quando você parar de ser rude e olhar para mim quando estiver falando comigo”, digo-lhe, pulando longe dele quando ele se lança em mim. "Maggie, pare de foder comigo." "Promete que vai parar de ser rude, e eu vou te dar o telefone." Eu desvio dele mais uma vez. "Parece que você tem suas mãos cheias, rapaz," um senhor mais velho, que está de pé ao lado da porta traseira aberta de um carro, diz e eu desvio de Sven novamente. "Diga-me sobre isso, Ken," Sven diz enquanto olha para mim. "Eu disse que ia lhe dar o telefone de volta quando você prometer olhar para mim quando você estiver falando comigo." Eu dou de ombros. "Tudo bem." Ele estende a mão. Pegando o telefone do meu bolso, eu o coloco em cima da sua mão, em seguida, retiro antes que ele tenha a chance de colocar seus dedos ao redor dele. "Mags", ele suspira, lutando contra um sorriso. Cedendo, eu entrego-lhe o telefone, mas, em seguida, grito quando ele dá o bote, me envolvendo em seus braços e me levantando do chão. "Ponha-me para baixo!" Eu grito quando ele me gira em círculos. "Você vai se comportar?" Ele ri. "Provavelmente não", eu digo-lhe sinceramente, assim que meus pés encontram a calçada. "Você tem sorte que eu gosto de você do jeito que você é", ele sussurra em meu ouvido, fazendo o calor inundar meu corpo antes de dar um passo para trás e abraçar Ken em abraço de um braço só. “Como Ana está" Sven pergunta e dá um passo para trás perto de mim. "Ela enviou seu amor e um convite para jantar."


"Eu vou enviar-lhe uma mensagem, esta semana. Eu preciso de uma boa refeição caseira", Sven responde com um sorriso. "Ela vai gostar disso," Ken observa com um sorriso caloroso que me lembra meu avô, e então seus olhos se movem para mim e ele pergunta: "E quem é esta?" "Maggie, eu gostaria que você conhecesse Ken. Ele tem me aturado desde que me mudei para Vegas." "Prazer em conhecê-lo, Ken." Eu sorrio quando ele envolve sua mão ao redor da minha e usa sua mão livre para cobrir ambas as nossas mãos. "Você também, querida, e não deixe este rapaz se safar com muito." Ele pisca. "Eu não vou," Eu prometo, olhando para Sven e sorrindo, e então mostro minha língua. Balançando a cabeça para mim, ele murmura, "Nós precisamos pegar a estrada se nós quisermos chegar a tempo." "Não deve demorar muito, uma vez que chegarmos à rodovia," Ken assegura-lhe com um aceno de sua cabeça enquanto ele solta minha mão. "Por que não está dirigindo?" Pergunto curiosamente enquanto Ken dá um passo para a porta traseira aberta. "Eu preciso trabalhar, e não consigo fazer isso se eu estiver dirigindo", Sven responde enquanto se movimenta para mim para entrar no carro. "Onde estamos indo?" "Eu acho que é melhor eu não lhe dizer," ele murmura, parecendo distraído quando eu rastejo pelo grande banco de trás. Olhando por cima do meu ombro, eu esperava encontrar seus olhos em seu telefone. Em vez disso, eu os encontro firmemente travados no meu traseiro arrebitado. Sentindo meu rosto esquentar, eu caio de bunda e corro pra perto da porta oposta, assim ele pode entrar perto de mim.


"Eu não gosto de surpresas, então eu prefiro que você me diga para onde estamos indo," eu critico quando a porta é fechada e o interior do carro fica escuro. "Você confia em mim?" "Não", eu respondo imediatamente, mas, em seguida, me sinto mal quando sua mandíbula aperta. "Não tome isso como pessoal. Eu não confio em ninguém, nem mesmo na minha família", acrescento calmamente. "Confie em mim desta vez. Não vou deixar nada acontecer com você." Estudando sua expressão, eu tento descobrir o que significa o olhar em seus olhos e por que este momento parece tão importante. Eu tenho me desiludido pela minha irmã e pelas pessoas que me criaram mais vezes do que gostaria de admitir, e eles me fizeram cautelosa em confiar em qualquer um. "Prometo", ele afirma calmamente, e eu aceno, antes de virar o olhar para fora da janela, sentindo minha garganta crescer apertado. Sentindo um leve toque no meu rosto, eu ouço a voz de Sven quebrar através da minha inconsciência, afirmando: "Nós estamos aqui." Eu gemo e pergunto: "Onde é aqui?", sem levantar a cabeça ou abrir meus olhos. Rindo, ele murmura, "Abra os olhos e veja." Abrindo um olho, depois o outro, eu puxo meu rosto longe da porta, onde descansei e aparentemente, cai no sono, e depois sinto meu coração se alojar na minha garganta quando eu olho para fora da janela. Eu vejo as palavras Paraquedismo do Kip orgulhosamente escritas em letras garrafais do nariz à cauda de um pequeno avião. "Hum...por que estamos aqui?", pergunto, embora eu não tenho certeza se as palavras são altas o suficiente para serem ouvidas sobre as batidas do meu coração. "Nós vamos saltar de paraquedas."


"Você quer dizer que você está indo saltar", eu respondo, tirando os olhos da janela para olhar para ele e encarar. Tanto para a coisa da confiança. "Não, nós vamos saltar de paraquedas." Ele sorri quando Ken abre a porta traseira, permitindo que a luz preencha o carro. "Eu acho que só vou esperar aqui", digo, me movendo tão longe da porta aberta quanto eu poderia ficar, desejando que eu fosse um camaleão para que eu pudesse me misturar com o couro do carro. "Você me disse que iria confiar em mim." "Isso foi antes de eu saber que você queria amarrar um pedaço de tecido nas minhas costas e me atirar de um avião em movimento a centenas de milhas por hora em direção a Terra, aonde eu vou provavelmente me espatifar em milhões de pedaços", eu respiro ofegante. "Você vai ser amarrada comigo." Ele sorri, como se isso fizesse tudo ficar bem. "Isso não está me fazendo sentir melhor," eu choro, em seguida, tento puxar meu braço livre de seu aperto enquanto ele me puxa através do assento. Saindo, eu agarro a maçaneta da porta como se dependesse da minha vida e ele agarra meus dois pés e puxa. "Sven, deixe-me ir!" Eu grito, e depois o meu corpo enrijece quando uma voz profunda muito familiar chama "Maggie?" "Não", eu sussurro, deixando de lado a porta para olhar por cima do meu ombro. "Como você conhece Mags?" Sven rosna, deixando meus pés irem para que ele possa estar à sua altura máxima, que se eleva apenas um pouco acima de Ace, um homem que eu namorei por alguns meses. Um homem que faz o jeito mulherengo de Sven parecer brincadeira de criança.


"Nós namoramos." Ele franze a testa, em seguida, olha entre Sven e eu antes de perguntar: "Como você conhece Maggie?" "Eu trabalho para ele," eu declaro quando saio do carro e ajusto minhas roupas. "Oh." Ace sorri, mostrando os dentes perfeitos e suas covinhas, o que é ainda mais adorável em sua pele escura. Idiota. "Você namorou ele?" Sven pergunta do meu lado, e me viro para olhar para ele. "Eu sei. Grande, enorme, erro gigante." "Eu não fui tão ruim", murmura Ace quando três loiras que parecem quase idênticas caminham para o nosso grupo rindo. "Sim, foi assim tão mal," eu digo a ele quando Sven endurece ao meu lado quando uma das loiras para ao lado dele. "Por que você está trabalhando para Sven? Pensei que ainda estava modelando?" "Modelando?" Sven pergunta, e as três mulheres começam a rir mais alto, como se não pudessem acreditar nos seus ouvidos. "Pensei que íamos saltar de paraquedas", afirmo, mudando de assunto, porque, neste momento, seria muito melhor estar caindo para a morte do que no meio desta situação. "Quem é seu amigo?", A loira parada ao lado de Sven pergunta, passando seus olhos sobre ele. "Sinto muito, senhoras. Este é meu amigo, Sven, e esta é Maggie." Ele sorri, apontando para mim. "E você namorou ela?", uma loira diferente pergunta, olhando entre Ace e eu com um olhar confuso em seu (infelizmente) belo rosto. "Eu fiz." Acena Ace, ainda sorrindo.


"Mas ela é gorda", ela murmura, me olhando por cima. "Perdão?" Sven grunhe quando Ace rosna, "Crystal". "Desculpe", ela sussurra, dando um passo para trás em direção à segurança de suas amigas. "Vamos." Pegando minha mão e não me dando uma escolha, Sven me puxa para longe do grupo e me leva em direção ao prédio, colocando o braço sobre os meus ombros, perguntando: "Você está bem?" "Estou bem. Não é a primeira vez que alguém me chamou de gorda." "Quero dizer, com Ace." "Oh, ele? Sim." Eu dou de ombros. "Sério?" "Claro, nós namoramos casualmente por alguns meses. Não era sério. Como você, eu não acho que ele algum dia vai se estabelecer com uma mulher." "Que porra isso significa?", Ele estala, parecendo insultado e puxa o braço de mim como se eu tivesse apenas queimado ele. "Ei, não se ofenda. Existem dois tipos de homens neste mundo: o tipo que quer uma família, e os tipos que querem ter um bom tempo. Contanto que você esteja bem com quem você é, nada mais importa." "Quem disse que eu não quero uma família?" "Quando você já teve um relacionamento sério?", pergunto, e seu rosto se fecha. "Exatamente", murmuro quando saímos do sol quente para o interior fresco do edifício. "Então, o que, você e Ace apenas se ligaram?" "Não." Eu balanço minha cabeça, em seguida, sussurro tão baixo, Ace que está seguindo logo atrás, não podendo ouvir. "Eu acho que eu peguei ele durante um tempo em que ele acreditava que ele queria algo mais, só que ele realmente não queria a pressão ou a fidelidade de um relacionamento


real." Só então, felizmente, um cavalheiro alto e mais velho que Sven apresentou para mim como Kip, o proprietário, sai para nos saudar e levar-nos de volta para o hangar. "Desde que eu tenho mais saltos sob a minha cintura, eu acho que Mags deve saltar comigo," Ace diz enquanto eu coloco o macacão que o instrutor acabou de me dar. "Ela está pulando comigo, e seu nome é Maggie, não Mags," Sven resmunga do meu lado enquanto ele lê algum documento que Kip lhe deu. "Você a chama de Mags?" Ace declara, cruzando os braços sobre o peito com um sorriso divertido. "Ela é minha." "Eu não sou uma coisa. Eu sou um ser humano, e eu não sou sua. "Eu rolo meus olhos para Sven então olho para Ace. "Eu não estou saltando com você. Pegue burra, burrona, ou mais burra", eu digo com um aceno para as três loiras, que estão cada uma com um olhar confuso enquanto os instrutores tentam ajudá-las a entrar em suas engrenagens. "É ciúme que eu ouço em seu tom, Maggie?" "Não, eu só não quero estar perto de você." "Se bem me lembro, você gostava de estar perto de mim", ele diz em voz baixa o suficiente para apenas eu ouvir. "Eu também gostava de morangos até que eu descobri que eles eram a causa para as urticárias que eu continuei pegando", murmuro, e ele ri. "Você sempre me fez rir", diz ele em voz baixa. "Essa sou eu, sempre boa para uma risada," Eu resmungo, me afastando dele. "Você vai ficar bem, enquanto eu vou falar com Ace por alguns minutos?" Sven pergunta, colocando os dedos debaixo do meu queixo, forçando meus olhos a encontrar os dele. "Claro", eu sussurro, desejando naquele momento que ele pudesse me beijar, o que é absolutamente ridículo.


"Vai ser apenas um par de minutos", ele sussurra de volta procurando o meu olhar, em seguida, balança a cabeça, deixa cair sua mão, e se vira colocando a mão no ombro de Ace levando-o para longe. Observando-os, gostaria de saber que tipo de negócio que eles precisam para falar. Ace é um jogador de pôquer que primeiro fez um nome para si mesmo em jogos de azar on-line, mas desde então tem crescido em um dos maiores nomes em Las Vegas. Eu não vi Ace desde o dia que eu lhe disse que não podia mais vê-lo há dois anos. Ele estava sempre procurando a próxima adrenalina, enquanto eu estava à procura de um felizes para sempre. Parece que nós dois estamos ainda à procura. Ignorando a tristeza que o pensamento me faz sentir, eu termino de ficar pronta, sento-me, e espero Sven voltar. "Você está pronta?" Sven pergunta perto do meu ouvido, então eu posso ouvi-lo sobre o rugido alto dos motores do avião. Balançando a cabeça, eu aperto meus olhos fechados, em seguida, agarro ambas suas coxas quando o avião pula. "Eu prometo que nada vai acontecer com você", diz ele gentilmente, dando um aperto em minha cintura, puxandome para mais perto dele, o que parece impossível, já que estou literalmente sentada em seu colo. "Estamos em altitude de mergulho", anuncia o piloto nos alto-falantes que soam por toda a extensão interior do avião. Abrindo os olhos, eu assisto a um dos instrutores, destravar e abrir a porta, fazendo com que o interior se encha de ar frio. "Nós vamos pular por último", grita Sven. Concordo com a cabeça, em seguida, chamo de volta: "Se eu morrer, eu vou voltar e assombrar você." O que só serve para fazê-lo rir com tanta força que o meu corpo, que está amarrado ao seu, sacode com o riso. "Vejo você lá em baixo!" Ace grita passando por nós com uma das loiras amarradas à sua frente.


"Já vai tarde", eu resmungo, então sinto o corpo de Sven tremer contra o meu mais uma vez. Assistindo Ace saltar do avião, seguido por suas outras duas amigas, que estão amarradas aos instrutores, sinto uma onda de adrenalina através do meu sistema. "Vamos, baby," Sven diz levantando-se, não me deixando outra escolha senão ir com ele em direção à porta aberta. Olhando para baixo, meus olhos se enchem de lágrimas. Eu tive várias viagens de avião ao longo dos anos, e sempre amei quando eu era capaz de me sentar na janela assim eu podia olhar sobre o mundo enquanto voávamos acima dele. Mas sabendo que eu vou cair em direção ao chão parecendo acolchoado é uma sensação completamente diferente. "Cruze os braços sobre o peito, baby", Sven instrui, levemente pegando meus pulsos em suas mãos e colocandoos cruzados na minha frente. "Eu te odeio." "Em três. Um, dois…" E então nós estamos caindo. "Você filho da puta babaca, filho da puta!" Engulo em seco quando o ar corre em direção a mim tão rápido que minha boca se abre e enche, fazendo com que minhas bochechas se expandam. Forçando minha boca fechada, eu agarro as tiras perto de meus ombros e aperto com a minha vida, embora eu saiba que elas não podem fazer nada para me salvar. Apertando os olhos fechados, nós giramos e viramos enquanto meu estômago afunda e salta. "Eu vou abrir o paraquedas." "Boa ideia", eu grito, e nossos corpos são puxados para trás e meus olhos saltam abertos. "Viu? Não é tão ruim, é?" Sven ri, e eu olho por cima do ombro e percebo que ele parece feliz, muito feliz agora. O estresse que ele normalmente carrega em torno de seus


olhos desapareceu e foi substituído por linhas de riso que o tornam ainda mais bonito. "Ainda temos de pousar", digo-lhe, e seu sorriso amplia. "Mas até então, apenas sinta e assista." Puxando meus olhos relutantemente do seu olhar feliz, eu olho em volta e depois para baixo. Eu odeio admitir isso, mas esta é uma das experiências mais incríveis que eu já tive. Flutuando no ar, a vista da terra abaixo e o céu acima, deixame em reverência. A sensação de liberdade enquanto nós caímos. Sven contra as minhas costas, seu braço em volta da minha cintura, fazendo-me sentir segura de um jeito que eu nunca me senti antes. À medida que nos aproximamos do chão, eu dobro meus joelhos para cima em direção ao meu peito e fecho os olhos, não querendo ver o chão vindo rapidamente para mim. Tão rapidamente como começou, acabou e eu sento o chão debaixo da minha bunda e abro meus olhos lentamente. "Isso foi incrível!" Eu rio, olhando por cima do meu ombro para Sven quando dois homens vêm correndo até nós e nos ajudam a sair de nossa engrenagem. "Eu sabia que você ia amar." Sven sorri enquanto levantamos. "Eu não amei isso," eu minto, e ele sorri, murmurando, "mentirosa" Enquanto envolve o braço no meu ombro e me guia para o caminhão que nos levará de volta para o hangar. Assim que chegamos de volta ao hangar, Sven sai para falar com Ace, que voltou antes de nós, então eu vou para dentro para obter uma garrafa de água, em seguida, percebo que eles têm imagens disponíveis do nosso salto. "Eu gostaria de dois desses", eu digo para a menina que trabalha atrás da mesa do Kip, e aponto para uma foto de nós dois sorrindo um para o outro depois que Sven abriu o paraquedas.


"Você gostaria de adicionar o quadro comemorativo por vinte dólares a mais?", Ela pergunta, apontando para um quadro de imagem de vidro com logotipo Paraquedismo do Kip e um pequeno avião pintado nele que está posicionado em uma prateleira atrás dela. "Posso pegar dois deles?" "Claro." Ela sorri, antes de desaparecer por uma porta atrás dela. Virando para me certificar que Sven ainda está distraído, vejo ele e Ace em pé ao lado do carro, enquanto as três amigas de Ace descansam no sol em uma mesa de piquenique a poucos passos de distância. Todas as três aproveitaram a oportunidade para tirar suas camisas, deixando cada uma em uma cor diferente de top de biquíni. "Isso vai ser sessenta e dois dólares", a menina diz, puxando a minha atenção da janela, e coloca um saco sobre o balcão. Puxando uma nota de cem dólares do meu sutiã, eu entrego para a menina, levo o saco e as imagens junto com meu troco, e depois faço meu caminho em direção a Sven, planejando esperar no carro até que ele esteja pronto para ir. Mas no minuto que ele me vê, ele me dá um sorriso que tem os meus passos vacilando. "Eu espero que você não tenha pago por essas coisas", diz ele, logo que estou parada ao seu lado. "Por que eu não pagaria?" "Eu e Ace demos a Kip o dinheiro para iniciar este lugar há alguns anos atrás. Em troca, nós não pagamos quando queremos saltar, e você não tem que pagar se quiser uma lembrança." "Bem, eu estou feliz em pagar", murmuro, e ele coloca o braço sobre meus ombros, balançando a cabeça, em seguida, olha para Ace, que está olhando para nós com um sorriso conhecedor em seu rosto. O que ele acha que sabe, eu não tenho ideia.


"Falaremos em poucos dias", Sven diz a ele e ele abre a porta para eu entrar no valioso carro. "Obrigado, cara." Ele aperta a mão de Sven e deixa seus olhos caírem em mim. "Você ainda tem meu número. Me liga." Bufando, eu murmuro, "Tchau", e entro no carro, ouvindo os dois rapazes rirem atrás de mim. "Você se divertiu, querida?" Ken pergunta quando seus olhos se conectam com os meus no espelho retrovisor e eu deslizo pelo banco de trás. "Não diga a ninguém, mas isso foi incrível." Eu sorrio, e ele ri, em seguida, murmura, "Seu segredo está seguro comigo." "Qual segredo?" Sven pergunta, entrando no carro e fechando a porta atrás dele. "Nada", Ken e eu dizemos em uníssono. "Você se divertiu?" Sven questiona, e eu olho para Ken no espelho brevemente antes de olhar para Sven. "Se você considera o medo de fazer xixi a si mesma enquanto observa sua vida passar diante de seus olhos se divertir, então com certeza, eu me diverti", afirmo com uma cara séria, ouvindo Ken rir no banco da frente. "Você amou isso," Sven murmura antes de puxar o telefone do bolso. Olhando pela janela, eu sorrio para mim mesma, em seguida, olho para Ken, que tem os olhos em mim, e pisco. "Você amaldiçoou." Puxando os olhos da vista passando rapidamente quando nós dirigimos de volta para Vegas, eu olho para Sven e franzir a testa, perguntando: "Perdão?" "Quando saltou, você amaldiçoou como um marinheiro." Ele sorri.


"Eu pensei que eu ia morrer", eu explico, não negando. Eu nem sei o que deu em mim, mas cada palavra ruim que eu já pensei veio rolando pra fora. "Foi fofo", ele murmurou baixinho antes de voltar a trabalhar em seu telefone. Puxando meu celular antigo para fora do bolso da frente da calça, eu lanço–o aberto e franzo a testa. A tela se transformou completamente em preto. Fecho novamente, e abro mais uma vez, em seguida, toco os números e eles acendem. "O que há de errado?" Sven pergunta, e eu viro para olhar pra ele e seguro meu telefone para cima. "Não está funcionando." "Deixe-me ver." Levando o telefone da minha mão, ele puxa a bateria na parte de trás, em seguida, coloca de volta e pressiona o botão de ligar. "Eu acho que é hora de você obter um telefone que não é de 1999." "Eu tenho esse telefone desde que eu tinha vinte anos," murmuro, levando o telefone dele e pressionando os botões mais uma vez. "Ele sempre foi confiável." "Bem, parece que isto finalmente chutou o balde." "Eu me pergunto se eu posso consertá-lo," Eu resmungo, tocando na tela novamente. "Nós podemos parar e te comprar um novo telefone." "Mas este tem todos os meus contatos," eu reclamo, pressionando botões, esperando que algo vai acontecer e a tela magicamente vai acender, mas tudo o que acontece é um dos números parecem paus. "Sinto muito, baby." Estreitando meus olhos, eu olho pra ele. "Você não parece sentir muito." "Esse telefone é antigo, e não posso imaginar que era confiável. Você precisa de algo que vai funcionar quando você precisar dele para trabalhar, e eu preciso de você para ter um telefone para que eu possa chegar até você." Ele dá


de ombros, então, diz a Ken para parar em uma das lojas de serviços de celulares locais. No momento em que terminamos de pegar um novo telefone e jantar em um pequeno restaurante, nós retornamos ao clube um pouco depois das onze, e a fila do lado de fora já está dando a volta em torno do prédio. Andando pela rua e passando a fila de espera, Sven para quando um grupo de mulheres, que obviamente o conhece, o chama demasiadamente. Esperando a alguns metros de distância, eu puxo meu novo telefone e ligo a tela. Não tenho a menor ideia do que diabos eu vou fazer com um telefone que parece mais inteligente do que eu e nem sequer vem com um manual de instruções. "Pronta?" Sven pergunta, me fazendo pular. Olhando por cima do meu ombro enquanto ele me leva até a calçada, eu vejo todo o grupo de mulheres nos observando com escárnio em seus rostos. "Sven," alguém chama, e ele coloca a mão na parte inferior das minhas costas. "Dê-me um minuto, baby. Basta esperar aqui", ele murmura enquanto ele caminha em direção a outro grupo de mulheres, que são todas sorrisos e risadas quando ele vai em direção a elas. Ao observá-lo de longe, eu não posso ouvir o que as mulheres estão dizendo, mas sua linguagem corporal grita tudo alto e claro. Algo feio se transforma através de mim quando eu o assisto sorrir, e me vejo caminhando sozinha em direção à entrada do clube, não querendo testemunhar mais do que eu preciso. Sorrindo para Teo quando eu chego à frente da fila, ele sorri de volta e levanta a corda vermelha, permitindo-me deslizar por baixo do seu braço. Sentindo um corpo pressionar contra mim e mãos envolverem em torno de meus quadris, me puxando para trás em uma ereção dura, eu olho por cima do ombro, pronta para dizer a quem


quer que seja para não me tocar, quando Sven empurra seu caminho entre as pessoas e puxa o cara de cima de mim, atirando-o para Teo. "De a porra fora daqui", ele ruge quando Teo empurra a criança para a calçada. "Eu estava apenas fodendo ao redor, cara", o garoto resmunga, olhando nervosamente entre Sven e Teo. "Vá para dentro, Maggie, e direto para o escritório," Sven exige sem tirar os olhos da criança. Odiando que estou seguindo ordens como um cachorro, mas não realmente tendo uma escolha, eu piso no clube e paro quando eu vejo o palco. O DJ tocando esta noite é bem conhecido e tem milhares de seguidores que vão para qualquer clube que ele esteja tocando para vê-lo girar. A multidão na pista de dança está ficando louca, e a música é tão alta que eu posso sentir meus ossos vibrarem com a batida. Movendo-me em torno da pista de dança, eu empurro meu caminho através das pessoas que se reuniram em torno da borda conversando, e vou em direção das escadas para o escritório de Sven. Fechando a porta atrás de mim, eu passo para o sofá, colocou a sacola com as imagens de hoje, tirando o meu novo telefone celular, e pressiono o botão de modo que a tela se acenda. Mandei uma mensagem para Morgan mais cedo no Facebook, a deixando saber que eu tenho um novo telefone e pedindo para ela me mandar uma mensagem com seu número para que eu possa armazenálo, mas ela ainda não me enviou uma mensagem de volta, e o que me tem preocupada. Pulando quando a porta bate, meu pulso dispara quando Sven vem como uma tempestade com uma expressão de fúria em seus olhos. "Eu te disse para me dar um minuto. Eu te disse para esperar por mim, mas você não ouviu e você poderia ter se machucado."


"Hum..." Eu respiro, sem saber o que dizer ou por que ele parece pronto para me estrangular. "Hum?", Ele rosna quando seu rosto torce com raiva. "Não, Maggie, não hum. Porra me escute quando eu digo para você fazer alguma coisa", ele ruge, fazendo-me estremecer, e eu me odeio por demonstrar medo para ele. "Afaste-se," eu digo a ele, mas, em seguida, me inclino para frente quando ele não cede e grito na cara dele, "Afastese diabos, Sven, antes de eu dar um soco na sua cara estúpida!" "Aquelas crianças lá estão todas altas." Ele aponta para o chão. "Quem sabe o que teria acontecido se eu não visse o que estava acontecendo com você. "Porque eu sou fraca, certo?" Eu inclino minha cabeça para o lado. "Eu sou apenas uma garota, e eu não posso cuidar de mim mesma?", pergunto docemente na voz de uma menina, e o músculo de seu rosto começa a se contrair rapidamente. Levantando uma polegada do sofá, apenas o suficiente para que eu tenha um pouco de alavancagem, mas não o suficiente para ele perceber. Pergunto novamente: "Você acha que eu sou fraca, Sven?" "Você é uma mulher, Maggie." Sim, resposta errada. Eu uso a alavancagem que ganhei momentos atrás e impulsiono-me para frente, empurrando meu ombro em sua cintura, enquanto minhas mãos envolvem em torno da parte de trás da sua coxa. O baque de sua queda no chão faz com que os copos na prateleira perto do bar chacoalhem. Colocando o meu pé contra sua virilha, o desafio a dizer qualquer outra coisa. "Oh, você caiu?", pergunto docemente enquanto ele pisca para mim em estado de choque. "Você precisa ser mais cuidadoso, Sven. Você nunca sabe o que pode acontecer com


você", digo a ele, pressionando meu pé no chão como um lembrete. "Mags." "Nunca duvide que eu tenho capacidade de cuidar de mim mesma, Sven. Eu posso ser uma mulher, mas eu tenho cuidado de mim mesma desde que eu era uma menininha", eu sussurro a última parte, em seguida, dou um passo atrás. "Eu estava preocupado." Ele se levanta do chão com suas narinas dilatadas e o pulso em seu pescoço trabalhando tão duro que pode ser visto de onde eu estou de pé perto da porta. "Bem da próxima vez, ao invés de vir para mim como uma pessoa louca, talvez você pudesse dizer isso," Eu sugiro, indo de volta para o sofá e me sentando. "Desculpe", ele murmura, mas eu finjo não ouvir enquanto eu puxo os quadros fora do saco, junto com as fotos de nós saltando de paraquedas. "Eu estava preocupado." "Sim, você já disse isso," murmuro, sem olhar para ele e ele se senta no sofá ao meu lado. Terminando de colocar a imagem no quadro e fechando-o, eu viro pra cima e olho para a imagem. "Aqui." Eu lhe entrego o quadro e tiro o outro pra fora de sua caixa abrindo a parte de trás. Juntando as partes que eu comprei para mim, eu coloco-as de volta na caixa, em seguida, coloco sobre a mesa de café, arriscando um olhar para Sven. Seus olhos estão na foto de nós em suas mãos. "Você", ele sussurra baixinho, tão baixinho que eu quase perco isso. "Eu o quê?" Sua cabeça levanta quando os nossos olhos se encontram. Desta vez, eles estão cheios de uma tristeza que eu não entendo. "Eu gosto de você, Mags, mas eu não sou bom para você."


Suas palavras ferem mais do que deveriam, então eu faço o que sempre faço, e brinco. "Parece que você está tentando terminar comigo." Balançando a cabeça, sua mão de repente bate para fora e envolve na parte de trás do meu pescoço enquanto ele me puxa para ele. Pressionando os lábios na minha testa brevemente, eu sinto sua picada enquanto seus braços me envolvem em um abraço que tem piscinas de lágrimas se formando em meus olhos. Ele diz que não é bom para mim, mas eu acho que é o contrário. Eu não sou boa para ele.


Capítulo 4 Maggie Você está louco? "Você está bem?" Olhando por cima do meu celular, meus olhos bloqueiam com os de Sven. Dou de ombros em resposta, e seus olhos suavizam quando ele define seu telefone em cima da mesa, em seguida caminha para onde estou sentada. Ele se senta ao meu lado, colocando os cotovelos sobre os joelhos, ficando ainda mais perto. "Você ainda não ouviu falar dela?" Ele adivinha suavemente, e eu puxo meu lábio inferior entre os dentes e balanço a cabeça enquanto ansiedade e preocupação me inundam. Morgan desapareceu no dia que Sven e eu fomos saltar de paraquedas, e desde então, eu não tenho notícias dela. Sentindo meu coração se contrair no meu peito, eu luto contra as lágrimas. Eu amo minha irmã, mas eu odeio a pessoa que ela se tornou. Seu problema com drogas tem piorado progressivamente ao longo dos últimos três anos, e eu não sei mais o que fazer. Mata-me que eu não possa corrigir isso para ela, porque ela não quer ajuda. "Eu pensei que ela iria mudar," eu digo a ele fracamente. Eu tinha certeza de que ela iria mudar quando a polícia me ligou no meio da noite para me dizer que ela estava no hospital. Lembro-me de pensar: É isso. Este é o seu despertar. Ela vai finalmente entender que ela está colocando sua vida em risco. Eu fui esmagada entrando na UTI, vendo-a ligada a máquinas, coberta de grandes contusões pretas e azuis.


Quando ela contou a polícia e a mim o que aconteceu no clube de Sven, eu exigi que eles fizessem alguma coisa, mas eles se recusaram. Eles me disseram que, embora ela tenha sido espancada, sua história não se soma. Eles acreditavam que ela provavelmente tentou roubar de um negociante e seus ferimentos foram resultados disso. Foi quando eu decidi fazer justiça com minhas próprias mãos e fui ao clube de Sven para ver se poderia encontrar alguma coisa fora. Olhando para trás, eu honestamente não sei se acredito na sua história daquela noite. Eu não sei mais em que acreditar quando se trata dela. Eu nem sequer sei mais quem ela é. "Vai ficar tudo bem." Seu braço envolve em torno de meus ombros e ele me puxa para seu lado. Virando meu rosto, eu aperto meu nariz em seu pescoço, permitindo-me um breve momento para escapar da turbulência acontecendo dentro de mim e aceito o conforto dele antes de me afastar. "Você precisa de mais alguma coisa?" Eu questiono quando me levanto e ajusto minha saia. Seus olhos digitalizam o meu rosto por um longo momento, em seguida, suas mãos cerram em punhos quando ele se coloca em sua altura máxima, que se eleva sobre mim mesmo em meus saltos. "Mags, se ela-" "Ela vai voltar", eu o interrompo, falando com mais convicção do que eu sinto, querendo tanto acreditar na minha própria mentira. Sua mão envolve o lado do meu pescoço e seu polegar desce a coluna da minha garganta enquanto seus olhos suavizam ainda mais. Antes de Morgan viver comigo, não era anormal para ela desaparecer por dias em um momento antes de aparecer usando as mesmas roupas que ela desapareceu. Mesmo que eu saiba lá no fundo, que desta vez é algo diferente, não há nada eu possa fazer. Quando eu fui para a polícia, eles foram


hesitantes até mesmo para preencher um relatório de pessoa desaparecida, porque eles sabem sua história. Eles sabem que ela tem um problema com drogas, e para eles, ela era apenas mais uma drogada em uma longa linha de usuários de drogas faltando. "Eu estou aqui por você", diz ele gentilmente, movendo o polegar em traços suaves que me fazem inclinar para o toque, em vez de me afastar como deveria. Quero acreditar nele, mas eu conheço pessoas. Eu sei que você só pode realmente depender das pessoas até que eles consigam o que querem, e então eles viram as costas para você. Minha família é um exemplo brilhante disso. Toda a minha vida, eu tenho sido a pessoa que minha família se volta quando eles precisam de alguma coisa. Eu sempre fui à adulta, sempre a responsável, e sempre aquela deixada com a bagagem quando eles conseguem o que querem e vão embora. "Obrigada", eu engasgo, sentindo a pressão no meu peito pressionar meus pulmões, tornando difícil respirar. "Vai ficar tudo bem", diz ele, inclinando-se, e pressionando os lábios na minha testa, e deixando-os lá até que a sensação deles está impressa na minha pele. Em seguida, ele puxa para trás o suficiente para chamar minha atenção. "Por que você não janta comigo esta noite?", Ele pergunta baixinho, procurando meu rosto. "Eu acho que só estou indo para casa e vou pra cama cedo," eu digo a ele, dando um passo para trás antes que eu possa dizer algo estúpido, como 'sim'. Eu gosto de Sven demais, e quanto mais tempo eu gasto com ele, mais eu gosto dele. "Claro." Ele balança a cabeça. "Descanse um pouco." Vendo o breve lampejo de decepção em seus olhos pouco antes dele virar as costas para mim, faz eu me arrepender da decisão de manter a minha distância, mas então eu me lembro o que acontece cada vez que eu deixo alguém entrar.


"Vejo você amanhã", murmuro saindo do seu escritório, descendo as escadas até o piso principal. Eu ando através do clube vazio, acenando para Eva, que está no telefone atrás do bar, quando eu passo por ela no caminho para a porta. "Você já está indo pra casa?" Teo pergunta quando eu saio. "Sim, Sven me fez levantar cedo para executar missões, então eu estou fora agora." "Eu vou levá-la para o seu carro." Ele se levanta do pequeno banco de metal, em que estava sentado e joga metade de um cigarro fumado na rua. "Você não tem que fazer isso", asseguro-lhe, apontando para ele voltar a se sentar. "Desculpe, eu quero dizer que eu estou andando até o carro." Ele sorri, envolvendo sua gigante mão ao redor do meu bíceps. "Tudo bem," eu suspiro, sabendo que não há nenhum ponto em discutir com ele. Desde que comecei a trabalhar aqui, nunca houve um tempo onde eu fui para o meu carro sozinha. Mesmo no meio do dia, alguém está comigo. "Você sabe que Sven não gosta de você deixando o clube sozinha", diz ele, levando-me ao redor da lateral do prédio para o estacionamento. Ignorando o comentário dele e a forma como isto me faz sentir, eu tento manter-me com seus longos passos em meus saltos enquanto nós passamos pelo SUV gigante de Sven em direção ao meu carro, que é cerca de dez vezes menor. "Sven não gosta muito de qualquer coisa", digo sob a minha respiração, ouvindo-o rir. "Um dia, esta merda será nuclear." "O quê?" Eu pergunto, inclinando a cabeça para trás para olhar para ele quando nós paramos na parte de trás do meu carro.


"Nada." Ele balança a cabeça e um pequeno sorriso se forma em seus lábios. "Se você diz." Eu franzo a testa enquanto seus olhos me estudam, passando por cima do meu cabelo e rosto, em seguida, para baixo sobre meu corpo antes de parar nos meus sapatos, movendo-se para encontrar meus olhos mais uma vez. "Nuclear pra caralho." Ele balança a cabeça, e seu sorriso amplia, me confundindo ainda mais. "Hum..." "Chegue em casa com segurança", ele diz, abrindo a porta do meu carro. Desistindo de compreendê-lo, eu me inclino em meus saltos para lhe dar um beijo rápido na bochecha. "Te vejo amanhã." Balançando a cabeça, ele recua, permitindo-me deslizar atrás do volante. Ligando meu híbrido, eu verifico a bateria e certifico-me que tem o suficiente de carga para chegar em casa antes de fazer recarga e aceno para Teo quando eu passo por ele. Chegando em casa, eu subo as escadas para o meu apartamento e desbloqueio a porta, rezando silenciosamente para que Morgan esteja aqui dentro, mas ela não está. O lugar está calmo e exatamente do mesmo jeito que eu deixei esta manhã antes de ir executar recados para Sven. Indo para o meu quarto, eu escorrego dos meus saltos e atiro-os para a pilha de sapatos no fundo do meu armário. Meu quarto é o meu cômodo favorito. Depois do meu primeiro trabalho de modelagem, eu ostentei e comprei uma suíte que foi feita para uma princesa. A cama de dossel branca, com cortinas que pendem em torno dos lados lembram-me da cama de A Bela Adormecida. Os armários correspondentes brancos, um alto, e outro longo têm espelhos de vidro gravados na frente de cada gaveta, com


alças de prata brilhante. As mesas laterais coincidem com os armários, e cada um tem uma lâmpada de vidro em cima; a cor azul Tiffany corresponde ao edredom em cima da minha cama. Caminhando para a minha longa cômoda, coberta de quadros de diferentes tamanhos, eu pego uma imagem de Morgan e eu. Eu devia ter uns seis anos na época, e Morgan tinha em torno de quatro. Estávamos sentadas fora da casa dos meus pais sobre os degraus de madeira que levava a sua porta da frente. Meu braço estava enrolado em volta de seus ombros, e nós estávamos nuas, usando apenas botas de chuva e cobertas de lama. Nós estávamos felizes. Ela estava feliz. Pegando outra imagem de nós de cerca de quatro anos atrás, eu passo meu dedo sobre o rosto dela, perguntandome para onde sua luz foi. Houve um tempo em que seu sorriso iluminava o lugar; as pessoas gravitavam em sua direção, mesmo sem saber que estavam fazendo isso. Eu não sei o que aconteceu para tirar a sua luz. "O que aconteceu com você?", eu sussurro, ganhando nenhuma resposta. Ponho de volta a imagem e coloco minhas mãos atrás das costas para descompactar minha saia, então escorrego para fora da minha blusa, jogando ambos os itens para o banheiro, onde a máquina de lavar e secar estão localizadas. Então, eu escorrego meu sutiã e vou para o cesto de roupa ao lado da minha cama que está cheio de roupas que eu preciso arrumar. Eu encontro um par de calças e uma camisa e as coloco, em seguida, caminho pelo curto corredor, passando pelo banheiro de hóspedes e pelo quarto de Morgan, que costumava ser meu escritório. Paro na sala de estar e ligo o aparelho de som, permitindo que Adele preencha o silêncio, e em seguida, atiro o controle remoto na frente da televisão. Indo em direção à cozinha, uma carta posicionada no topo da pilha de correspondência que eu trouxe para dentro


ontem me chama a atenção quando vejo a caligrafia enrolada da minha mãe. Deslizando o dedo sob a borda do envelope, eu retiro a carta dobrada e a leio rapidamente. Meus pais não têm telefone ou internet, então minha mãe mantém contato com as cartas, e esta é apenas como as outras: uma breve atualização sobre ela e meu pai e um convite para ir visitar quando puder. Sentando-se em uma das minhas cadeiras de jantar, eu escrevo uma nota rápida dizendo-lhe que Morgan desapareceu mais uma vez e que eu provavelmente não serei capaz de visitar por algum tempo, mas irei enviar uma carta quando eu puder. Eu sei que minha mãe vai estar preocupada com Morgan, mas ela vai dizer o que ela sempre diz: Esta é sua vida, então você tem que tomar suas próprias decisões. Empurrando a carta em um envelope, eu a coloco na minha bolsa para que eu possa enviá-la amanhã. Eu me levanto e vou para a cozinha, puxando uma panela para ferver água. Fui criada em uma pequena comunidade fora de Phoenix, onde eles não acreditam no governo ou na maioria das amenidades modernas. Quando eu tinha dez anos, meus pais me ofereceram a oportunidade de me juntar à escola pública e eu aceitei. Foi quando eu descobri como diferente nós éramos de todos os outros, e quanto meus pais haviam me impedido de aprender. Meu primeiro ano na escola pública foi muito difícil, e eu acabei sendo retida por um ano para que eu pudesse acompanhar todos os outros. Após esse primeiro ano, eu me superei, e até a formatura, eu estava no topo da minha classe. Não me arrependo de como eu cresci, mas eu ainda me ressinto por meus pais não serem pais. A maioria das minhas decisões de vida foram as que eu fiz para mim, antes mesmo do que eu deveria ter sido permitida fazer, e se alguma vez houvesse um problema, eu sabia que teria de encontrar uma


solução por conta própria, sem a ajuda das duas pessoas que deveria ter estado lá para me guiar. Agitando os pensamentos depressivos sobre meus pais fora da minha cabeça, eu jogo macarrão cabelo de anjo na água fervente e puxo para baixo uma tigela do meu gabinete, em seguida, vou para a geladeira para pegar a manteiga e uma garrafa de suco de laranja. Uma vez que a massa está pronta, eu retiro e coloco na tigela, juntamente com um pouco de manteiga, sal, e pimenta, em seguida, despejo-me um copo de suco de laranja, levando tudo para a sala de estar.

Olhando para fora da porta no rádio relógio leio os números vermelhos brilhantes 11:36 PM. Olhando para a porta de novo, eu sinto minhas sobrancelhas puxarem apertadas, quando a maçaneta da porta sacode como fez há momentos atrás. Saio do sofá, onde eu me sentei há poucas horas atrás para assistir TV, eu ando devagar até a porta, sentindo algo estranho deslizar para baixo da minha espinha enquanto eu fico na ponta dos pés e pressiono a minha mão na madeira e olho pelo olho mágico. A luz da varanda está apagada, mas as luzes do poste perto do meu edifício lançam um brilho em torno de dois homens do outro lado da porta. Afastando-me lentamente, meu coração bate tão forte no meu peito que o som do meu sangue bombeando enche meus ouvidos. Movendo-me tão rapidamente e silenciosamente quanto eu posso, passo pelo corredor até o meu quarto, fecho minha porta, choramingando quando eu percebo que não há bloqueio. Correndo ao redor da cama, eu pego meu telefone fora do carregador, em seguida, corro


para o banheiro no corredor, sabendo que há um bloqueio na porta e se alguém entrar terá que quebrar essa porta, o que me dará mais alguns segundos. Chegando à banheira eu puxo a cortina em volta de mim, me atrapalho com o telefone quando eu disco e o coloco no meu ouvido. "911, qual a sua emergência?", A atendente responde quando ouço passos soarem em algum lugar do apartamento. "Eu estou na rua Hemming Way, 267, apartamento 17. Alguém está no meu apartamento", eu sussurro, em seguida, grito quando a porta do banheiro cai aberta e a cortina do chuveiro é puxada de lado. "Socorro!" Eu grito quando mãos me agarram pelo cabelo, me puxando para cima da banheira. Deixando cair o telefone, eu luto de volta, dando uma cotovelada no estomago do cara, em seguida, viro e trago minha mão com força em seu ombro, o que faz com que ele caia no chão imediatamente. Clique, clique. Meu corpo congela e medo apodera-se sobre mim quando olho para cima, ficando cara-a-cara com o cano de uma arma. Levantando as mãos na minha frente, eu não estou preparada para o golpe no meu estômago, que me tem dobrada, com falta de ar. "Você fodida boceta", o cara que eu derrubei momentos atrás diz, me batendo tão difícil que eu bato na parede. Envolvendo as mãos em torno do meu cabelo, ele arrastame tropeçando para fora do banheiro, no final do corredor atrás dele para a sala de estar, onde ele me empurra de joelhos. "Onde está sua irmã?" O homem segurando a arma rosna, me batendo com tanta força no rosto com a coronha de sua arma que minha cabeça voa para o lado e eu provo gosto de sangue na boca.


"Eu não sei," eu digo a ele, erguendo os olhos e tentando me concentrar em seu rosto. "Não minta, vadia", diz ele, pressionando a arma na minha testa. "Eu não sei", eu choramingo de medo quando o cara atrás de mim usa meu rabo de cavalo para me levantar do chão. "Sua boceta de irmã roubou dez mil de mim", o que segurava a arma diz e seu rosto fica perto do meu... tão perto que posso sentir o cheiro de menta em seu hálito. "Eu posso dar-lhe o dinheiro," Eu soluço e sinto meu cabelo ser rasgado fora do meu couro cabeludo quando sou empurrada pra trás e pra frente. "Você realmente acha que essa porra é tão simples?", pergunta ele, envolvendo sua mão ao redor da minha garganta. "Ninguém porra rouba de mim. Ninguém! ", Ele rosna, apertando minha garganta até que vejo estrelas borrarem minha visão. "Tiras", o cara atrás de mim diz e o som de sirenes ao longe fica mais alto. "Diga a sua irmã que eu estou vindo para ela." Caindo de joelhos, eu suspiro por ar, em seguida, rolo em uma bola quando sua bota se conecta com o meu lado. Vendo-os correrem para fora do meu apartamento. Não sei quanto tempo fiquei lá, mas, finalmente, recupero energia suficiente para chegar aos meus pés e tropeçar em direção à porta. "Parados." Minha cabeça levanta e eu engulo as lágrimas fluindo para fora dos meus olhos, vendo dois policiais uniformizados em pé na frente do meu apartamento. "Eles se foram", eu coaxo através da dor de garganta, inclinando-me para a porta. "Você sabe para onde eles foram?" Um dos oficiais questiona tomando um passo em minha direção.


"Não", eu digo, em seguida, balanço a cabeça quando as palavras não são altas o suficiente para serem ouvidas. "Eu vou ficar com ela. Você vai e verifica ao redor e deixeme saber se você encontrar alguma coisa ", o policial perto de mim diz, guardando sua arma enquanto o outro decola de volta escada abaixo. "Vamos, querida", ele instrui suavemente quando pega meu braço. Ele me leva para o sofá, onde me ajuda a sentar antes de descer e abaixar na minha frente e empurrar meu cabelo longe do meu rosto. "Você tem um pouco de gelo?" "Ervilhas," murmuro, vendo-o se levantar e ir para a cozinha, voltando poucos segundos depois com um saco de ervilhas congeladas em sua mão. Tomando isso dele, eu pressiono-o na minha garganta, em seguida, no meu rosto, piscando rapidamente, tentando controlar as lágrimas que eu sinto encherem meus olhos. "Gostaria de chamar alguém?" Que patética minha resposta foi: "Não realmente"? Mas essa era a verdade, não era? Não tenho ninguém, ninguém que eu possa depender, ninguém com quem possa contar quando eu precisar de alguma coisa. Meus pais não têm sequer um telefone para que eu possa chamá-los se houver uma emergência. Como agora, eu penso com amargura. Então, minha irmã, vendo como ela é a razão de eu estar nessa bagunça. Eu sabia que, mesmo se eu fosse capaz de obter um contato, ela não seria capaz de me ajudar. Inferno, ela provavelmente iria fugir quando descobrisse que os caras de quem ela roubou estavam procurando por ela. Wyatt está fora de questão, desde que eu terminei com ele ontem depois de perceber que era inútil para estar em um relacionamento com alguém que vive a centenas de milhas de distância. Minha mente pisca para Sven, mas eu não quero que ele se preocupe ... ou pelo menos é o que eu estou


dizendo a mim mesma agora. "Não, eu não quero chamar ninguém." "Eu vou chamar uma ambulância para que eles deem uma olhada em você." "Isso não é necessário", eu sussurro através da dor de garganta. "Querida, eu realmente gostaria de ter certeza de que você não tem uma concussão." "Eu não acho que eu tenha", digo-lhe, soltando meus olhos para seu distintivo. "Oficial Jenkins." "Não tenho certeza de que você saberia disso." Ele sorri. Suspirando, eu desisto e murmuro, "Ok", e seu sorriso aumenta, então dá um tapinha no meu joelho. Ele põe a mão no peito e se inclina para baixo, reportando para enviarem uma ambulância. "Você sabe quem invadiu?", pergunta ele, logo que recebe a confirmação de que a ambulância está a caminho. "Não, eles estavam procurando por minha irmã." "Eles disseram o que queriam com ela?", pergunta ele, se movendo para sentar ao meu lado no sofá. Balançando a cabeça, eu começo a mentir, em seguida, aperto os olhos fechados e abro-os de volta. "Eles disseram que ela roubou dinheiro e eles estavam indo para pegar de volta." "Entendo." Ele balança a cabeça, e eu luto contra o desejo de defendê-la, mesmo sabendo que ela foi longe demais desta vez. "Nenhum dos vizinhos ouviu nada, e eu não vi ninguém na rua", o outro oficial diz, andando pela porta da frente aberta, seguido por dois paramédicos que vêm diretamente para mim. Não me surpreende que ninguém ouviu nada. Meus dois vizinhos mais próximos são mais velhos; um usa um aparelho auditivo na maioria das vezes, o outro


geralmente tem a televisão tão alta que ele não iria ouvi-lo se o mundo estivesse chegando ao fim de fora de sua porta. "Assim que eles a verificarem, nós falaremos sobre os detalhes do que aconteceu", ouço Oficial Jenkins dizer ao seu parceiro e os paramédicos começam a me examinar. Quando terminam, eles me dizem para tomar algum Advil para a dor, mas me asseguram que eu vou ficar bem. Oficial Jenkins toma o assento ao meu lado no sofá mais uma vez e o outro oficial, Lent, leva os paramédicos até a porta e a fecha atrás deles, voltando um segundo depois, agarrando uma das cadeiras da minha mesa de jantar, e sentado na minha frente. "Eu já expliquei ao Oficial Lent que os homens que invadiram estavam à procura de sua irmã," Oficial Jenkins diz enquanto tira uma caneta do bolso da camisa. "Você pode me dizer mais alguma coisa sobre eles?" Pressionando meus lábios, eu tento lembrar quaisquer detalhes sobre os dois homens, mas minha mente fica vazia. "Tudo aconteceu tão rápido. Ambos eram brancos, e vestidos parecidos em camisetas pretas, jeans e botas, mas eu não consegui dar uma boa olhada em qualquer um deles." "Você sabe onde sua irmã está?" Oficial Lent pergunta, sentando-se para frente e me estudando. "Não, eu apresentei um relatório de pessoa desaparecida por ela. Eu não tenho notícias dela em dois dias," eu digo a ele, e seus olhos digitalizam meu rosto e eu sei que ele vê que estou escondendo alguma coisa. "O que você não está nos dizendo?", pergunta ele gentilmente, e é aí que as barragens se quebram e lágrimas começam a cair silenciosamente pelos meus olhos, pelo meu rosto, e para minha camisa. "Ela tem um problema com drogas. Ela estava indo muito bem por algumas semanas, e eu pensei que desta vez ela estava indo para ficar bem e ir para a reabilitação, mas ela


se perdeu de novo, e agora isso aconteceu." Cobrindo o rosto com as mãos, eu tento obter novamente o controle. Chorar como um bebê não vai resolver nada agora, apesar de ser exatamente o que eu quero fazer. Sentando-me em linha reta, eu olho entre os dois policiais e pergunto: "O que eu preciso fazer agora?" "Não há muito que podemos fazer neste momento. Nós não sabemos exatamente quem estamos procurando, e eu duvido que sua irmã vá aparecer e dizer-nos quem ela roubou," Oficial Lent diz suavemente como se lamentasse suas palavras. "Eu realmente gostaria que você ficasse em outro lugar esta noite," Oficial Jenkins diz em voz baixa depois de um momento, e meus olhos vão até ele. "Eu vou para um hotel. Eu não seria capaz de dormir aqui, se eu quisesse, não sabendo se há uma possibilidade desses caras voltarem." "Eu não acho que eles vão voltar esta noite, mas eu prefiro que você esteja segura em outro lugar, pelo menos por alguns dias. Você também precisa ter a sua fechadura trocada e uma tranca colocada antes de ficar aqui. Os caras que invadiram foram capazes de arrombar o seu bloqueio com facilidade, e para ser honesto, você é uma mulher que vive sozinha. Você deve ter alguma forma de proteção." "Vou chamar um serralheiro amanhã e tê-lo colocando novos bloqueios," Eu concordo, ignorando instantaneamente seu comentário 'você é uma mulher', porque tudo o que faz é me irritar, mesmo ele estando certo. Mas, novamente, houve uma arma envolvida, e se não fosse por isso, eu provavelmente poderia ter chutado a bunda deles... ou pelo menos é o que eu vou dizer a mim mesma. "Vá pegar as suas coisas, querida, e nós vamos segui-la para o hotel", ele responde, olhando como se ele quisesse dizer algo mais, mas pensando melhor sobre isso. Se isso


acontecesse em qualquer outra hora, eu teria tomado um momento extra para apreciar quão bonito ele é. Mas agora não é a hora, assim que eu saio do sofá, caminho de volta para o meu quarto, puxo minha grande mochila do armário, e a encho completamente com roupas suficientes para durar alguns dias. Uma vez que eu estou feita, eu arrasto para o corredor atrás de mim. "Este é meu cartão. Se você pensar em qualquer coisa ou precisar de alguma coisa, é só me dar uma chamada", Oficial Jenkins diz e pega minha bolsa, em seguida, volta sua atenção para Oficial Lent "Eu vou levar isso para baixo e telefonar para a estação para que eles saibam que estamos seguindo-a para o hotel e recebendo seu check-in." "Eu vou ajudá-la a travar depois vamos para baixo", ele responde quando eu vou para a cozinha e apago a luz, em seguida, para a sala de estar a faço o mesmo e desligo a TV antes de me dirigir para a porta da frente. "Eu não deveria estar dizendo isso, mas eu tenho uma irmã da sua idade, e sei que se algo como isso acontecesse com ela eu ia querer que ela tivesse qualquer proteção que ela pudesse ter nas mãos", diz o Oficial Lent silenciosamente quando eu saio com ele e tranco a minha porta da frente. "A cada duas semanas na Lawson, eu dou uma aula sobre segurança com arma, e eu ficaria feliz em tê-la na minha próxima aula." Ele me entrega um cartão, e eu olho para ele em seguida, de volta para o oficial. "As armas podem ser perigosas, mas elas também podem salvar a sua vida, e na minha classe, eu vou te ensinar como estar confortável lidando com uma arma e o que fazer em situações diferentes. Você não tem que comprar uma arma se você não quiser, mas você pode vir para a classe e descobrir por si mesma se isso é algo que você quer fazer ou não." "Obrigada", eu digo-lhe sinceramente quando eu coloco os dois cartões na minha bolsa. Eu nunca pensei sobre


possuir uma arma, mas depois desta noite, ela pode não ser uma má ideia ter uma.

"Que porra aconteceu com seu rosto? " Saltando surpresa, eu levanto os olhos da tela do computador na minha frente e meu olhar colide com os azuis de Sven. Eu nem sequer o ouvi vir para o escritório. "Nada", eu digo-lhe, em seguida, inclino para trás quando suas mãos vão para o topo da mesa e seu corpo paira sobre ela até que seu rosto está a apenas polegadas do meu. "Essa contusão em seu rosto não se parece com nada. Quer tentar de novo?", Ele zomba como um toque de raiva. "Não particularmente," murmuro sentando ainda mais para trás em minha cadeira. "Que pena. O que aconteceu?", Ele ronca, levantando uma mão, tocando minha bochecha suavemente. "Minha irmã roubou dinheiro de um cara", eu digo, e depois me arrependo imediatamente quando sua energia muda envolta de mim tão apertada que minha respiração sai em uma corrida. "Ele colocou as mãos em você?" Suas palavras são suaves, mas a raiva, a energia vibratória que sinto saindo dele irrita contra a minha pele. "Conte-me tudo." "Sven," Seu corpo se inclina ainda mais perto de mim enquanto ele rosna, "Agora". "Sheesh, tudo bem." Eu tomo uma respiração profunda e deixo para fora, em seguida, digo-lhe sobre ouvir alguém na porta e pensando que minha irmã estava em casa, mas que ela perdeu a chave. Então eu lhe conto sobre os caras quebrando e a polícia aparecendo. Eu só paro de falar


quando eu lhe digo que eu fiquei em um hotel na noite passada e ele ruge. "Você não me ligou?" "Eu sabia que você estava provavelmente ocupado." Eu dou de ombros, tentando fazer parecer que não é um grande negócio. "Eu não estava. Maldição, Mags! Você deveria ter porra me chamado." Ele anda de um lado para outro na frente da mesa, em seguida, vai para a janela atrás de mim e olha para fora sobre o clube. "Você vai ficar comigo até que sua irmã limpe sua bagunça, porra." "N ... Não, eu não vou," eu sufoco em perigo com a ideia. "Você vai, e se você sequer pensar em ir a qualquer lugar, fora do meu apartamento, eu vou acompanhar o seu rabo para baixo e arrastá-lo de volta comigo." "Sven, não seja estúpido." Sua cobertura é boa, muito boa, mas ela só tem um quarto, e seu sofá não é nem mesmo um que você gostaria de dormir se tivesse escolha. É moderno e arrojado, mas não é de uma maneira que diga 'venha dormir em mim'. "Não é preciso ir para o seu lugar para obter alguma coisa?", pergunta ele, me ignorando. "Eu não vou ficar com você", repito. "Você vai", diz ele, andando para fora de seu escritório. Cavando a minha bolsa eu retiro o meu estojo, olhando para mim mesma no espelho. Eu pensei que tinha feito um bom trabalho encobrindo os hematomas, mas aparentemente eu não tinha. "Mags." "O quê?" Eu bufo, olhando para cima a partir do computador mais uma vez quando ele volta para o escritório como uma tempestade. "Levante-se. Vamos nos encontrar com um corretor de imóveis em trinta minutos. "


"Perdão?" "Você está certo. Meu lugar agora realmente não tem espaço ", ele cerra enquanto ele caminha até o banheiro e fecha a porta a meio caminho, em seguida, continua a falar através do pequeno espaço. "Nós estamos indo olhar algumas casas", diz ele, e eu posso ouvi-lo nivelado, em seguida, a água ligando antes que a porta se abra e ele saia. "Precisa de alguma coisa antes de sairmos?" "Você está louco?" Eu pergunto franzindo minhas sobrancelhas e levantando da cadeira que eu estava sentada. "Não", ele nega, andando na minha direção. Tomando meu cotovelo, ele para na porta e pega minha bolsa, em seguida, puxa-me com ele fora de seu escritório, descendo as escadas, e através do clube. Ele, então, me leva à sua SUV e me põe para dentro, gritando para eu colocar o meu cinto quando ele bate a porta. "Coloque o cinto de segurança," eu imito sob a minha respiração quando eu deslizo em torno de mim, trancandome no lugar. Cruzando os braços sobre o meu peito, eu olho pelo parabrisa. Há cinco horas, nós nos encontramos com um cara chamado Don, que eu descobri momentos após conhecê-lo que era um corretor de imóveis. Don parece ser um cara bastante agradável, mas desde o encontro com ele, vimos dez casas — okay, casas não, mansões, e agora nós estamos no nosso caminho para ver outra. "Você nem sequer tenta apreciar qualquer uma delas," Sven resmunga, e eu viro minha cabeça e transfiro meu olhar para ele. "Você sabe como louco é para comprar uma casa que você nem precisa e nem quer?" Eu pergunto, realmente querendo saber se ele entende como isso é ridículo.


"Eu quero uma casa", diz ele, mudando em seu assento, de repente, parecendo desconfortável. "Pra que, Sven?", Pergunto, segurando minha mão e estralando meus dedos um de cada vez. "Você é solteiro, você não tem uma esposa ou filhos, e você não precisa de mais espaço." Eu suspiro, colocando minha mão de volta no meu colo. "Você está falando de gastar milhões de dólares apenas para que eu tenha um quarto para dormir por alguns dias. Essa é a definição de loucura." "Você quer dormir na minha cama comigo?", Ele pergunta, e desta vez sou eu quem se mexe desconfortavelmente. Se fosse pra ser honesta comigo mesma, eu gostaria de dormir ao lado dele, mas que mulher de sangue vermelho não iria querer isso? "Vamos apenas comprar um sofá confortável, se é tão importante para você, e eu vou dormir nele," digo a ele, mas, em seguida, paro de falar completamente quando nós passamos por uma rua com crianças brincando nas calçadas e em frente às casas, e famílias falando e visitando seus vizinhos. Reconhecendo um sinal de venda em um dos gramados, sinto um sorriso no meu rosto pela primeira vez em horas. A casa de pedra terracota de dois andares, com janelas e portas curvas, e um telhado de madeira, parece algo saído de um conto de fadas e é a minha casa dos sonhos. "Você gosta daquela casa?" Olhando a partir da casa para Sven, um sentimento de decepção me atinge assim que dirigimos passando por ela. "É uma casa bonita", murmuro, olhando por cima do meu ombro mais uma vez quando ele vira para outra rua depois outra até que está puxando para cima em frente de uma casa que se parece com todas as outras que temos visto hoje. Completamente atroz.


"Espere aqui." Saindo do carro, ele caminha em direção a Don, que está em pé na varanda da frente. Eles falam por um breve momento antes de Sven caminhar de volta para mim. "O que está acontecendo?", pergunto quando ele fica atrás do volante. "Nós estamos ignorando esta", ele murmura, olhando por cima do ombro para a rua atrás de nós. "Que triste", eu digo sarcasticamente, observando quando seus lábios se contorcem enquanto ele se dirige pra fora da garagem. Olhando pela janela, eu percebo que estamos voltando para o bairro que nós dirigimos anteriormente, e quando nós puxamos para a entrada da casa de terracota, eu sento-me mais ereta em meu lugar. "Você gosta desta casa?", Ele pergunta surpreso, olhando para a casa em frente a nós. Não é uma mansão, mas é uma casa muito bonita na perfeita pequena vizinhança. O tipo de casa que eu desejava crescer. "Algumas pessoas procuram pelo normal," eu digo, saindo do carro e caminhando através da grama grossa no jardim da frente, então caminho até a grande janela da sacada, onde eu coloco minhas mãos no vidro e pressiono minha testa perto para que eu possa ver o interior. "Mags, você não precisa espiar pela janela. Nós vamos entrar", Sven diz, e eu sinto seu calor nas minhas costas e seus dedos curvando em volta da minha cintura. "Você quer ver esta casa?", Pergunto, em dúvida. Ignorando a minha pergunta, ele me puxa da janela e me leva para frente da casa, onde Don está desbloqueando a caixa ligada à maçaneta da porta. Abrindo a porta, ele faz um gesto para nós entrarmos. No momento que eu piso no foyer, estou em êxtase. É bonita, com tetos altos e luz natural. À esquerda está uma biblioteca grande, e à direita, uma sala de estar rebaixada, com sofás confortáveis, que te


fazem querer lançar seus sapatos, pegar um livro, e relaxar por um tempo. A cozinha é na parte de trás da casa, com uma longa ilha, e um pequeno recanto de almoço que está cercado por janelas. No andar superior estão cinco quartos, incluindo um máster com uma entrada para o closet e um banheiro maior que o meu quarto em casa, além de uma sala de bônus que os proprietários configuraram como um teatro. "Você ficaria feliz em uma casa como esta, não é?" Sven pergunta, e seus olhos vão de onde ele está olhando para fora para pairar sobre mim quando ele balança a cabeça. "A maioria das mulheres querem maior, Mags, e então há você." "Eu não quero ser como a maioria das mulheres," digo a ele, sentindo como se eu precisasse me defender. "Eu sei", diz ele em voz baixa, afastando-se da janela e ficando em minha frente. "Eu odeio essas contusões." Ele sussurra correndo os olhos sobre elas antes de encontrar meu olhar novamente. Olhando em seus olhos, meu corpo se inclina para o seu enquanto seus dedos envolvem em torno do meu queixo e seus lábios tocam a minha testa em um ponto que eu decidi que pertence a ele. Fechando meus olhos, eu só os abro de volta quando eu ouço sua voz à distância gritar: "Vamos, Mags. Nós temos uma casa para comprar." "O que está acontecendo comigo?", pergunto à sala vazia, mas não ganho nenhuma resposta a partir dela, eu sigo até o primeiro andar, onde o corretor de imóveis está esperando. Envolvendo seu braço em volta da minha cintura, logo que eu chego a seu lado, ele diz a Don, "Nós vamos levá-la." "Você tem certeza? Esta é tipo, pequena." Don franze a testa olhando ao redor. Eu não tenho ideia em qual mundo cinco mil metros quadrados, é pequeno, mas a forma como ele está olhando para mim e Sven me dá a impressão de que ele realmente


acredita que esta casa é muito pequena para qualquer um viver. "Quanto tempo até que possamos fechar negócio?" Sven pergunta, ignorando o comentário de Don e me puxando para perto dele quando eu luto com seus dedos, tentando removê-los da minha cintura. "O tempo médio de fechamento é de cerca de um mês a partir de agora." "Veja se podemos aluga-la até o fechamento. E deixe-os saber também que se eles concordarem com meus termos e puderem fechar na próxima semana vou acrescentar dez mil dólares acima da cotação de venda." "Sven," eu assobio, voltando meu olhar até o seu. "Você ama esta casa, Mags." "Você não pode apenas jogar dinheiro ao redor, Sven." "Claro que posso." Ele dá de ombros, em seguida, nos vira em direção à porta da frente. "Envie a oferta e me retorne até o final do dia", ele diz a Don, enquanto leva-me para fora da casa. "Eu tenho quase certeza que você pode ser louco," eu digo a ele quando nós dirigimos de volta em direção ao centro. "A coisa mais importante que meu pai me ensinou é que você nunca deixa a oportunidade passar por você, e esta é uma oportunidade que eu não sonharia em perder." "Isso não faz sentido", digo-lhe, estudando seu perfil. "Um dia, Mags, eu garanto que fará", diz ele em voz baixa, puxando um par de óculos de sol e ligando o aparelho de som. Olhando dele para o para-brisa, eu me pergunto por que me sinto tão relaxada, por que não estou estressada sobre isso, e porque eu realmente me sinto feliz.


Capítulo 5 Maggie A manhã seguinte Eu tenho quase certeza de que ele está tentando me torturar, eu penso assim que Sven entra na cozinha, usando sua camiseta para limpar o suor do rosto e peito. Rasgando meus olhos dele, eu espero minha torrada aparecer enquanto silenciosamente rezo pra ele colocar a camisa. Já se passaram três semanas desde que estamos morando juntos, e cada dia se parece uma com uma tortura. Não que as coisas tenham sido ruins. As coisas têm sido realmente muito boas. Mas trabalhar juntos, ter refeições juntos, e ver Sven meio vestido no período da manhã e à noite está mexendo com minha cabeça. "Bom dia," Ouço-o dizer, mas não me viro para olhar para ele quando eu respondo tranquilamente, "Dia", enquanto encaro a torradeira, esperando que eu possa passar uma manhã onde eu não babe em cima dele. Deus, me dê forças. "Como você dormiu?" "Bem." "Você está brava?", pergunta ele soando preocupado. Puxando os olhos da torradeira, eu olho para ele, então me arrependo quando minha barriga mergulha e minha boca saliva. Sven em um terno é um espetáculo para ser visto. Sven em jeans e camisetas é saboroso. Mas Sven sem camisa, seu cabelo despenteado do sono, e seus olhos macios para mim é completamente enlouquecedor. "Não, por quê?"


"Só pra saber." Ele sorri, em seguida, dá um passo em minha direção e coloca o polegar na esquina da minha boca e bate no meu lábio inferior. Observando seus olhos crescerem mais escuros, eu sinto meu pulso acelerar. "Pasta de dentes", ele resmunga, deixando cair sua mão para longe de mim, mas ficando no meu espaço. Lambendo meu lábio inferior, dou um passo pra trás e limpo a boca, sentindo meu rosto esquentar. "Obrigada." "Eu tenho um casal de amigos vindo à cidade esta noite. Você se importa de pegar alguns mantimentos?" "De modo algum." "Carne, Mags, não tofu." Ele sorri, e minha barriga faz aquela coisa de mergulhar e ficar quente de novo. "Eu já sei disso," eu resmungo de volta, revirando meus olhos para ele. Então me volto para a torradeira e pego meu pão, arrastando a manteiga de amendoim e passando em ambas as fatias. Levando meu prato comigo, eu vou para a mesa de pequeno-almoço no canto para me sentar, então, tomo um momento para apreciá-lo enquanto ele se move em torno da cozinha. "Você quer café?" Sentindo meu rosto queimar, eu puxo o meu olhar de seu abdômen e levanto para encontrar seus olhos. Pega novamente. "Suco de laranja", murmuro, cobrindo minha boca com a mão quando eu mastigo. Balançando a cabeça, ele me derrama um copo de suco, em seguida, vem sentar-se à minha frente, segurando sua xícara de café na mão. "Obrigada." "Não há problema", ele responde, estudando-me, em seguida, passa a mão sobre sua mandíbula. "Então me diga sobre a modelagem. Por que você parou?" Ótimo. Isso é algo que eu esperava que ele tivesse esquecido desde que ele nunca me perguntou sobre isso


depois que Ace trouxe à tona. Aparentemente, eu não poderia ter tanta sorte. "Meu primeiro emprego foi na verdade para uma amiga minha, que desenhou sua própria linha de roupas quando ela estava na faculdade. Ela perguntou se eu poderia fazer algumas fotos vestindo suas roupas para seu site. Dois meses depois que ela lançou sua linha, eu recebi um telefonema de uma agência e eles queriam me representar. Eu realmente não levei a sério no início, mas depois eu consegui meu primeiro emprego pago e, como eles dizem, o resto é história." Eu dou outra mordida na minha torrada. "Por que você parou de modelar?" "Eu não parei exatamente. Eu só não tive um trabalho em poucos meses. Quando as coisas aconteceram com Morgan, eu sabia que não podia arriscar deixá-la sozinha, então eu disse a minha agência que, se o trabalho fosse fora da cidade, para passá-lo à outra pessoa." "Você aproveitou isso?", Ele questiona, pegando uma das fatias de pão do meu prato, dando uma mordida e, em seguida, definindo de volta. "Foi divertido. Quando eu era jovem, eu adorava porque me deu a oportunidade de viajar, mas eu não acho que eu teria feito isso por muito mais tempo. Ficar em hotéis e longe de casa estava ficando velho." "Você tem alguma de suas fotos?" "Algumas, mas não realmente. Tenho certeza que você poderia me procurar no Google e ver algumas." Dou de ombros, em seguida, assisto horrorizada enquanto ele tira seu celular do bolso de seu agasalho. "Que nome você usou? Eu tentei procurar antes, mas nada nunca apareceu." "Você tentou me procurar antes?", eu sussurro. "Sim." Ele levanta uma sobrancelha sorrindo.


Suspirando, murmuro, "Star Laurence, meu nome do meio e o nome da minha avó." Digitando em seu telefone, sua mão segura o celular apertado quando ele passa o dedo pela tela. "Jesus", ele senta-se para trás na cadeira, em seguida, me olha por cima. "O que?" "Você está meio nua." "O quê?", eu pergunto, pegando o telefone de sua mão, em seguida, empalideço quando vejo que ele está se deparando com algumas das fotos para uma linha de lingerie plus-size que fiz há um ano. Sentindo-me subitamente envergonhada, eu saio do navegador da web, definindo seu telefone em cima da mesa, e, em seguida, levo meu prato para a pia. "Vou ficar pronta. Que horas você vai sair?", pergunto, evitando olhar para ele. "Mags, você estava linda." Olhando para cima para o som de suas palavras, eu me pergunto o que devo dizer. "Honestamente, linda", ele diz com sinceridade. "Obrigada", eu sussurro, deixando meus olhos caírem dos dele, focando toda minha atenção em esfregar meu prato. Colocando mais um pouco de sabão na esponja em minha mão, eu lavo meu copo e depois salto quando sinto seu braço deslizar por mim para que ele possa definir a sua caneca na pia. "Eu vou sair para o aeroporto daqui à uma hora." "Ok, eu vou te ver mais tarde", digo-lhe, ou digo para a pia, quando eu pego o copo e lavo-os também. Seus lábios tocam o topo da minha cabeça, então ele se foi. Deixando escapar um suspiro, eu defino os pratos no escorredor então vou até meu quarto e estatelo-me na minha cama, cobrindo o rosto com as mãos. Eu não tenho questões com meu corpo. Estou totalmente confortável na minha pele. Meus pais podem não ter sido os melhores pais, mas nunca houve um


momento em que me foi feito sentir menos bonita que minha irmã, mesmo eu sendo alguns tamanhos maiores que ela. Fomos ensinadas que havia beleza em todas as formas e tamanhos, mas Sven me ver seminua vestindo quase nada não é algo com que eu estou exatamente bem, especialmente quando eu não tive a coragem de olhar nos olhos dele para ver o que ele pensava. Gemendo contra a palma das mãos, eu me levanto e vou ao banheiro no meu quarto e entro no chuveiro, imaginando que posso me bater sobre isso mais tarde depois de ir ao supermercado. Guardando os mantimentos que comprei, eu ouço a porta abrir e botas batendo no mármore na entrada, e eu sei que Sven está em casa. No momento em que eu saí do chuveiro, Sven já tinha ido e tinha levado as chaves do meu carro, algo que ele tinha começado a fazer recentemente, assim eu não iria dirigi-lo. Sem qualquer outra opção, eu peguei seu SUV para ir à loja e comprei os itens da lista que fiz ontem, juntamente com alguns bifes para ele. Enquanto eu estava fora, eu também chamei Eva para ver como iam as coisas no clube, uma vez que nem Sven nem eu estaremos lá hoje à noite. Depois de conversar por alguns minutos, ela perguntou se eu tinha planos para a noite. Expliquei-lhe sobre os amigos de Sven chegando à cidade, mas, em seguida, ela me chocou e disse que tinha um amigo que ela pensou que eu deveria conhecer e perguntou se esta noite seria uma boa noite para jantar com ele. Minha primeira reação foi dizer não, mas quanto mais eu pensava nisso, mais eu me perguntava, por que não? Eu não tive um encontro com ninguém desde meu rompimento com Wyatt, e meus sentimentos por Sven estavam começando a me confundir. Vivendo com ele e trabalhando com ele significava que passávamos a maior parte do nosso tempo juntos, e eu estava começando a gostar dele, ou seja, as linhas de nosso relacionamento


começaram a nublar, e isso não era bom. Mesmo ele me dando nos nervos e tendo a tendência de me irritar, o bom ultrapassando o mau. Ele é o tipo de homem que uma garota poderia se apaixonar, sem nunca saber o que estava fazendo. E essa é a razão exata por eu concordar em ir a um encontro hoje à noite. "Oh bem, você está aqui. Eu tenho toda a porcaria que você pediu," eu digo a ele, fechando a porta da geladeira enquanto ele caminha dentro da cozinha. "A carne não é uma porcaria, Mags", ele responde com um sorriso. "Pare de me chamar de Mags. É Maggie pela milionésima vez," eu digo, então me arrependo quando eu vejo seu sorriso cair, mas eu preciso me manter forte. Eu preciso separar. "E a carne é bruta." Eu balanço minha cabeça, em seguida, me viro para olhar quem acabou de entrar. Vaca sagrada. Sven é lindo, mas o homem que está de pé na cozinha agora se parece com algum tipo de guerreiro havaiano, e toda a aparência assustadora definitivamente funciona pra ele, de uma maneira grande, muito grande. "Você tem zero de maneiras," eu digo, voltando a olhar para Sven, em seguida, volto para o homem, apenas para perceber que há outro senhor mais velho com ele vestindo uma camisa havaiana brilhante e um monte de, provavelmente, muitas, joias de ouro em volta do pescoço e em cada um de seus dedos. "Ele é rude. Me desculpe por isso. Eu sou Maggie, assistente desse cara. Prazer em conhecer vocês." Eu pego a mão do grande homem, notando que ele não retorna seu nome, em seguida, ofereço minha mão para o outro cara, que pega minha mão estendida, e me puxa para mais perto. "Prazer em conhecê-la, Maggie", diz ele, baixando os lábios e escovando-os sobre a palma da minha mão.


"Ahhh, você é tão bonito." Eu bato levemente em seu rosto, então dou passo pra trás e olho pra Sven. "Eu estou saindo. Eu tenho um encontro hoje à noite," digo a ele, ignorando o modo como sua mandíbula aperta e sua cabeça balança. "Você precisa trabalhar esta noite", ele determina, estreitando seus olhos. "Eu não trabalho nos fins de semana." Eu rio, tentando encobrir a náusea que sinto revirando meu estômago. "Prazer em conhecê-lo caras", eu digo aos dois homens, que estão ambos olhando para mim com curiosidade, depois caminho até o balcão, pego minha bolsa e minha chave que Sven derrubou quando ele entrou, e sigo pra fora da cozinha antes que ele possa dizer mais alguma coisa. Fechando a porta atrás de mim, começo a descer as escadas, apenas para ouvir um grande estrondo que me tem girando ao redor. "Você vai a um encontro esta noite e você está demitida, Maggie." "O... o quê?" Eu gaguejo enquanto ele anda em minha direção, comendo a distância que nos separa. "Você me ouviu. Vá para o clube. Vou deixar Teo saber que você está indo pra lá." "Você não pode estar falando sério." Eu sussurro dando um passo para trás. "Mortalmente", ele rosna. Se seu tom não me disse que ele estava falando sério, sua linguagem corporal teria escrito isso pra mim. Eu já vi Sven bravo antes, mas agora, ele está completamente enfurecido. Eu só não entendo o que o deixou assim. "Tudo bem, você ganhou", eu respiro, sentindo minha garganta ficar apertada, mas combato, não querendo chorar na frente dele. "Vejo você amanhã."


"Claro," Eu concordo, então vejo sua mandíbula apertar novamente antes dele se afastar de mim e caminhar de volta para a casa. De pé na calçada, eu olho para a casa e retiro meu celular. "Maggie, o que foi?" Eva pergunta no segundo toque. "Eu preciso trabalhar hoje à noite, você pode, por favor, dizer ao seu amigo que eu sinto muito, talvez nós possamos nos encontrar outra hora." "Era suposto você estar de folga." "Eu sei", sussurro, deixando cair os olhos para o concreto abaixo dos meus pés enquanto eu afasto uma lágrima da minha bochecha. "Você está bem?" "Estou bem." "Sven", ela sussurra, e eu levanto a cabeça e olho para a casa, a minha casa de conto de fadas, a casa que eu teria escolhido se eu algum dia me casasse, a casa onde eu gostaria de criar meus filhos. "Ele é um idiota", eu digo a ela, em seguida, viro e sigo para meu carro. "Vai ficar tudo bem, Maggie." "Sim", eu concordo, "vou te ver daqui a pouco." "Até já", diz ela, desligando. Chegando em meu carro, eu largo meu telefone no suporte de copo, então encosto minha testa ao volante por um momento antes de ligar o carro e me retirar da garagem indo em direção ao clube.

Eu acordei com minha cabeça pulsando, sentindo uma perna peluda nua por cima da minha, e uma mão enrolada no meu peito. Abro um olho e fecho-o imediatamente quando


vejo um cabelo dourado escuro, um nariz e lábios que eu conheço muito bem. Sven. Tento lembrar-me de ontem à noite, mas toda a minha memória está em branco. Meu coração começa a bater mais rápido quando eu noto que eu estou completamente nua — e assim está o homem dormindo em cima de mim. "O que foi que eu fiz?" Eu sussurro quando eu reconheço que o espaço entre as minhas pernas está dolorido. Lágrimas enchem meus olhos assim que eu percebo que o que eu prometi a mim mesma e só daria ao meu marido foi dado a um homem que tinha tido mais parceiras dentro e fora de sua cama do que ele mesmo pode contar. E o pior é que eu não me lembro de nada. "Por que você está chorando?" Sven pergunta, puxando a mão do meu peito e movendo para o meu rosto, onde seus dedos deslizam sobre minha bochecha, afastando uma lágrima. "O que aconteceu?", pergunto, abrindo meus olhos enquanto ele se levanta em seu cotovelo, seus olhos viajam dos meus até meus seios, e eu puxo o lençol para cima, cobrindo-me. "O que você quer dizer com o que aconteceu?", pergunta ele, parecendo confuso. "Por que estamos nus na cama, juntos?", pergunto, já sabendo a resposta. "Isso não é engraçado, Mags", diz ele, então seus olhos deslizam sobre meu rosto novamente. "Sven," eu sussurro, segurando o lençol mais apertado contra o meu peito. "Jesus, você tem que estar brincando comigo agora, Mags." Ele pula da cama e começa a andar ao longo do lado dele. Sentando-me, eu vejo como sua forma nua se move de um lado para o outro na minha frente. "Eu fiz amor com


você." Sua voz está angustiada quando ele passa as mãos sobre a cabeça, em seguida, para baixo sobre o seu rosto. "EU…" "Você disse que me ama", ele gemeu, segurando sua mão no peito como se as palavras lhe causassem dor. "Oh, Deus", eu choramingo. Eu estou apaixonada por Sven, mas eu nunca iria dizer isso a ele. Eu nunca iria confiar nele com essa informação. Eu também nunca arriscaria o que eu tenho com ele. "Porra eu sabia", ele para ao lado da cama para olhar para mim. "Porra eu sabia que deveria ter seguido o meu instinto." Ok, isso não pareceu bem. Na verdade, essas palavras cortam alguma coisa dentro de mim, algo que eu nem percebi estar vulnerável quando isso veio para ele. "Maldição", ele ruge, em seguida, troveja para o banheiro, batendo a porta, deixando-me sentada, de pernas cruzadas no meio de sua cama, nua, confusa e ferida. Levantando rapidamente, eu olho em volta para as minhas roupas que estão longe de ser encontradas, em seguida enrolo o lençol ao meu redor, saindo do seu quarto para ir ao meu, que é bem próximo ao seu. Eu puxo um par de calcinhas e um sutiã, em seguida, encontro um par de shorts e uma regata, deslizando sobre meus chinelos, então corro para as escadas e paro mortificada. Nossas roupas estão espalhadas de cima a baixo nas escadas. Choramingando, eu tropeço descendo as escadas, pegando as peças das minhas roupas descartadas ao longo do caminho até que minhas mãos estão cheias. Pego minha bolsa e chaves da mesa perto da porta, saio correndo de casa, jogo as roupas no meu banco de trás, e depois dou ré para fora da garagem. Mordendo os lábios para não chorar, eu dirijo mais rápido.


"O que eu fiz?" Eu sussurro para meu para-brisa quando eu puxo para cima na frente do meu apartamento. Sven não queria que eu o mantivesse, mas quando eu estava me mudando com ele, deixei uma nota pra minha irmã sobre o balcão da cozinha, explicando o que aconteceu com os caras que vieram e como ela poderia me encontrar. Eu honestamente não achava que ela jamais iria voltar, pelo menos não viva. A última vez que eu parei para verificar meu e-mail, eu encontrei uma nota dela me dizendo que estava bem, mas ela estava tentando encontrar uma maneira de consertar a bagunça. Depois disso, eu decidi manter o apartamento; dessa forma, ela teria um lugar para dormir se ela precisasse. Entrando no apartamento, eu fecho e tranco a porta com três fechaduras extras que eu comprei após a invasão, e sigo diretamente para o meu antigo quarto, tirando minhas roupas. Pegando um vislumbre de mim mesma no espelho, eu inalo bruscamente. Meus mamilos estão mais escuros do que eu já vi e estão rodeados por pequenos chupões. "Pare de me marcar." Eu rio enquanto sua cabeça abaixa, puxando meu mamilo em sua boca, fazendo minhas costas arquearem. Levantando sua cabeça acima de mim, ele sorri suavemente e eu corro meus dedos pelos seus cabelos. "Eu gosto de saber que você está carregando minha marca ao redor sob suas roupas", ele sussurra antes de me roubar o fôlego com um beijo. Tropeçando para trás, eu me sento na borda da banheira e abaixo meu rosto em minhas mãos. Eu não tenho ideia se isso é uma verdadeira memória ou apenas algo que meu subconsciente criou. Atingindo mais, eu ligo o chuveiro e entro para ficar sob a água corrente. Fazendo um trabalho rápido eu lavo meu cabelo e corpo, em seguida, saio enrolando o cabelo em uma toalha. Indo para o meu quarto, eu coloco de volta as roupas


em que eu cheguei, uma vez que todo o resto está na casa de Sven, e sigo para a sala de estar, grata por ter deixado o sofá. Pegando uma Coca Diet, uma das únicas coisas na geladeira, eu caminho pela sala de estar e me sento no sofá, definindo minha Coca-Cola no chão. Segurando meu telefone na mão, eu tento decidir o que fazer. Pressiono minha mão na minha testa e repasso os acontecimentos da noite passada na minha cabeça. Depois que eu cheguei ao clube, Teo me levou direto para o escritório, onde fiquei até cerca de uma hora. Em vez de sair e ir para casa, eu decidi sentar no bar e conversar com Eva, uma vez que não tivemos a oportunidade de conversar antes. Lembro que ela me perguntou se eu queria uma bebida, mas, como sempre, eu escolhi o suco de cranberry, uma vez que eu tinha que dirigir. Depois que ela me encheu um copo, nós conversamos entre os clientes. Depois disso, Nada Minha mente está em branco. Pressionando o botão no meu celular, a tela acende e eu vejo que existem vinte e sete telefonemas e dez mensagens de texto de Sven. Eu não leio qualquer uma das mensagens quando eu digito rapidamente. SVEN: Estou bem. Eu só preciso da noite para pensar. Eu pressiono enviar, em seguida, sento-me no sofá, fechando os olhos, e antes de eu perceber, estou dormindo. "Eu nunca vou deixar você ir." Acordo de repente, eu ofego olhando ao redor na escuridão, em seguida, aperto os olhos fechados, tentando acalmar minha respiração e livrando minha mente da imagem de Sven em cima de mim, seus músculos tensos enquanto ele me enchia. Abrindo os olhos novamente, está escuro como breu, e meu pescoço dói pelo ângulo estranho


que ele está dobrado. Eu seguro meu telefone longe do meu rosto e pressione o botão, vendo que é depois da meia noite. Gemendo, eu sento e descanso minha cabeça em minhas mãos por um momento, enquanto eu passo por todas as variáveis para a conversa que vai acontecer entre Sven e eu. Na pior das hipóteses, eu perco Sven pra sempre. Melhor cenário, nós fingimos como se nada tivesse acontecido. Nenhum desses cenários me faz sentir bem, mas eu preciso entender o que aconteceu na noite passada e, a julgar pela reação de Sven por eu não lembrar, ele precisa saber também. Sabendo que Sven está provavelmente no clube e eu tenho um par de horas para descobrir o que dizer a ele quando eu o vir, eu puxo o spray de pimenta para fora da minha bolsa e faço meu caminho para meu carro. Tomando o caminho mais longo pra casa eu puxo para a garagem um pouco depois da uma. Não reconhecendo o carro estacionado na garagem, leva-me um segundo para lembrar que Sven tem amigos na cidade. Um sentimento de constrangimento me bate, eu desligo meu motor, e olho para a casa até que eu finalmente crio coragem para sair e ir pra dentro. Eu nem sequer registro o som de uma porta de carro bater atrás de mim. A única coisa que eu estou pensando quando eu abro a porta da frente é o cheiro de perfume de mulher quando eu entro em casa. "Isso te tomou tempo suficiente." Acendendo a luz do foyer, meu coração cai em meu estômago quando uma mulher vestindo nada além de um par de calcinhas sexy e saltos anda em torno do canto para fora da sala de estar. Meu sangue começa a fluir tão rápido e tão alto que eu não posso nem ouvir o que ela está dizendo quando ela se aproxima. Mas eu sei que ela está falando comigo quando eu vejo seus lábios se moverem e um beicinho se formar em sua boca.


"Que porra você está fazendo aqui?" Sven ruge por trás de mim, e eu balanço minha cabeça para olhar para ele e tropeço para trás, pega de surpresa com a raiva em sua voz e o olhar em seus olhos. "EU-" "Saia agora", ele troveja, e eu sigo seus olhos para a mulher que estava nua na entrada de casa. Seus braços cruzam sobre o peito e ela olha para Sven, então pra mim e vice-versa. "Que seja." Ela vira em seus saltos e segue de volta para a sala de estar, pegando um casaco do sofá e colocando, amarrando a cintura. "Seu amigo ainda me deve", diz ela enquanto passa por Sven, que está segurando a porta da frente. Assim que ela passa pela porta, Sven bate fechada e pressiona a mão sobre a madeira, baixando a cabeça para frente pendurando entre seus ombros. "Eu estava esperando do lado de fora do seu apartamento. Devo ter adormecido, porque quando acordei, seu carro tinha desaparecido. Você sabe como assustado porra eu estava? " Ele se vira pra mim e me fixa no lugar com o olhar em seus olhos. "Primeiro, você corre para longe de mim, e então você me envia uma mensagem dizendo que você precisa de tempo para pensar." Ele balança a cabeça, passando a mão sobre sua mandíbula sombreada. "O que você precisa pensar, eu não tenho uma ideia do caralho, porque você não tem ideia do que estou sentindo." "Sven," eu sussurro, enquanto lágrimas entopem minha garganta. "Não, Mags, eu dei-lhe tempo. Eu fiz tudo, menos escrever isso no céu, e você ainda não entende que eu estou apaixonado por você. Eu te amei antes mesmo de entender a dor que você causou no meu peito." Ele dá um passo em minha direção, em seguida, faz uma pausa quando seus olhos caem sobre mim e suavizam.


"Então você deu-se a mim na noite passada, me deu um presente que eu sei que não mereço, mas eu aceitei mesmo assim, apenas para acordar esta manhã em uma porra de pesadelo", ele diz, e meu coração que tinha disparado começa a bater até o chão em uma bola de fogo em chamas. "Eu estou perdido, baby. Pela primeira vez na minha vida, eu me sinto perdido sobre o que fazer. Eu te amo, mas se isso não é o que você quer, eu preciso que você apenas me deixe, porque eu não tenho a força para fazer isso." Lágrimas começam escorrem pelo meu rosto e eu tento afastá-las, mas elas estão vindo tão rápido que eu não tenho tempo para pegar todas. Não há nenhuma maneira que eu possa andar longe de Sven, mas a ideia de estar com ele me assusta. "Por quê?" Eu balanço minha cabeça, não sei ao certo o que estou perguntando. Por que ele me ama? Por que ele está me dizendo isso agora? Por que ele está fazendo isso comigo? Por que não estou pulando de alegria? "Por quê?", Ele repete, dando mais um passo em minha direção e eu aceno. "Não tenho certeza. Eu nem estava procurando, mas um dia você estava lá e eu sabia que era isso." "Eu nem sou mesmo seu tipo," eu aponto em um soluço quieto quando cubro minha boca. "Que tipo seria esse?", pergunta ele com ternura, me puxando contra seu corpo, onde eu vou de bom grado, fundindo-me a ele. "O tipo bonita, atrevida, inteligente?", Ele questiona, envolvendo seus braços apertados em torno de mim. "Você é meu chefe." "Sim, e se você for minha..." Ele sorri um sorriso que eu nunca vi antes, então mergulha seu rosto mais perto do meu. "Eu vou finalmente ser capaz de fazer o que eu queria fazer toda vez que você andou em torno do meu escritório


naquelas saias justas e calças com os doces modelos pequenos sobre elas." Eu sinto meu rosto esquentar, em seguida, mergulho minha cabeça para que ele não possa ver como suas palavras me afetam. Eu sempre fui atraída por Sven, mas saber que ele sente a mesma coisa por mim é esmagador. "Temos de falar sobre a noite passada." Eu engulo e afasto-me, necessitando colocar alguma distância entre nós para que eu possa pensar com clareza. "Vamos sentar." Seu tom tem meus olhos voando ao encontro dos dele. Se foi o sorriso doce, e em seu lugar está raiva. Levando-me para o sofá, ele se senta, em seguida, me puxa para baixo em seu colo. "Talvez eu devesse sentar ali." Aponto para a cadeira que fica do outro lado do sofá. "Não, eu preciso de você aqui quando falamos sobre a noite passada." Procurando seu olhar, eu concordo com um baixo, "Ok". "O que você lembra sobre a noite passada?", pergunta ele, empurrando um pouco de cabelo atrás da minha orelha enquanto seus olhos correm sobre mim. "Nada", eu digo, sentindo um calafrio deslizar na espinha. "Nada", ele repete quando suas mãos na minha coxa se movem em traços suaves. "Qual foi a sua última memória de ontem?" "Eu não queria voltar pra casa, então eu fui para o bar ficar com Eva por um tempo. Quando cheguei lá, ela ainda tinha clientes, então ela me serviu um suco de cranberry e nós conversamos um pouco, mas ela estava ocupada." Eu termino deixando minhas palavras pairando no ar entre nós. Inclinando-se para trás, ele puxa a mão da minha coxa e esfrega em seu rosto. "Quando cheguei ao clube, você


estava rindo e tendo um bom tempo, mas você não estava baqueada." "Eu não sei. Não me lembro de nada. Eu nem me lembro de vê-lo." "Jesus", ele geme, envolvendo os braços a minha volta, enterrando seu rosto no meu pescoço. "Você deve ter sido drogada e eu nem sequer pensei nisso. Eu só sabia que você estava, finalmente, abrindo-se para mim e isso foi tudo o que eu vi, por isso, tomei a minha chance." "Eu não devia ter desmaiado ou algo assim?", eu sussurro. "Eu nunca teria ido lá se acreditasse por um segundo que fosse o caso, Mags. Você tem que acreditar nisso." Eu realmente acredito que ele não iria se aproveitar de mim. Eu sei que no fundo se ele pensasse por um segundo que eu estava drogada, eu teria ido para o hospital, e não para sua cama fazendo tudo o que é que fizemos na noite passada. "Eu acredito em você", digo a ele, correndo minha mão pelo seu cabelo. Quando seu rosto levanta do meu pescoço, a preocupação em seus olhos ainda está lá. Eu odeio esse olhar nele, mas não tenho ideia de como posso corrigir isso. "Para onde vamos a partir daqui?", pergunta ele tão baixinho que eu nem tenho certeza se essas são as palavras exatas. "O que você quer dizer?" "Você me disse ontem à noite que estava apaixonada por mim. Isso era verdade? Nós temos mesmo alguma chance de corrigir isso?" "Você é meu melhor amigo. Eu não quero perder isso", digo a ele meu maior medo. Antes de Sven, eu não tinha ninguém em quem me apoiar, ninguém para me proteger. Eu não tenho certeza se seu podia confiar no que ele estava


me pedindo, mas eu também sabia em meu coração que seria estúpida se eu não descobrisse. "O que exatamente você está procurando?" "Pra sempre", diz ele imediatamente, me pegando de surpresa. "Eu mal estou aceitando o fato de que você gostaria de estar comigo. Quer dizer, havia uma mulher nua em casa quando cheguei hoje à noite." Uma mulher com a aparência como se estivesse na capa Maxim, pelo amor de Deus, eu penso, mas deixo isso de fora. Eu sei que eu sou bonita. Foime dito isso em toda minha vida. Não tenho dúvidas sobre minha forma, tamanho doze, mas eu tenho curvas que levam muito mais para cobrir. "Eu não tenho ideia de quem ela era ou como ela chegou aqui dentro. Eu não toquei outra mulher desde a noite em que nos conhecemos. Eu quero você, Mags, e ninguém mais." "Você não esteve com ninguém des... desde que nos conhecemos?" Eu respiro para fora, procurando seu rosto para qualquer sinal de mentira. "Ninguém." Eu juro que eu sinto meus olhos saltarem para fora da minha cabeça naquele comentário. Sven é jovem, rico e atraente. Eu sei por questão de fato que as mulheres se jogam sobre ele o tempo todo. Eu já estive lá em mais de uma ocasião que isso aconteceu, mas se eu realmente pensar sobre isso, ele não está mentindo. Eu não o vi retornar qualquer um dos avanços que ele recebeu. Eu nem sequer vi seu telefone tocar constantemente como ele costumava fazer quando eu comecei a trabalhar para ele, com nomes como Bambie e Lexus. Eu não ouvi sobre ele se juntar com ninguém no clube. "Eu não sou boa em relacionamentos," Eu admito.


"Eu nunca estive em um relacionamento, então meus padrões são muito baixos." Ele sorri e eu balanço a cabeça, passando os dedos ao redor do lado do seu pescoço, precisando que ele entenda o quão séria, eu estou. "Depois de terminar com Wyatt, eu fiz um exame de consciência", eu digo, ignorando a forma como suas narinas se alargam na menção do meu ex. "Percebi que tenho escolhido constantemente homens que não poderiam me decepcionar, porque eu não tinha nenhuma expectativa para com eles. Como Ace — eu sabia que ele não estava procurando por qualquer coisa séria, ou Wyatt, que vivia a centenas de quilômetros de distância. Eu não estava investido neles, porque eu não tinha que estar." "Não me coloque na mesma categoria que eles", ele me vira em minhas costas, me fazendo ranger quando ele move seu rosto acima do meu. "Isto sou eu e você. Eu estou investido em nós, e eu espero que você esteja também. Eu não vou deixá-la fora do gancho ou deixá-la subestimar o que nós temos entre nós." "Eu não estav ─" "Parecia que você estava arrumando desculpas do porquê isso não vai funcionar", ele me corta, segurando meu rosto entre as mãos. Merda, isso é exatamente o que eu estava fazendo, assegurando-lhe de que quando as coisas chegarem ao fim, não seria culpa dele, que sou eu quem não é boa em relacionamentos. "Não estou dizendo que as coisas estão indo para serem perfeitas, mas a ideia de não ter você, tudo de você, não vai funcionar para mim. Tentei ignorar o que estou sentindo, mas você entrou sob minha pele, de forma permanente, marcou você lá sem eu mesmo saber disso." Lágrimas enchem meus olhos e deslizam para baixo no meu cabelo em sua confissão. "Esta é uma responsabilidade


muito grande," Eu soluço enquanto seus dedos deslizam sob meus olhos. "Isso vem acontecendo por um longo tempo, baby", diz ele, roçando suavemente seus lábios em mim. "Eu sei", eu concordo, chorando mais enquanto me agarro em cima dele. Rolando-nos de lado comigo encolhida na parte de trás do sofá, ele pressiona meu rosto em seu peito, segurando uma mão atrás de minha cabeça, e outra enrolada em torno de mim. "Eu também te amo", eu sussurro. Seu corpo alivia e seus braços me apertam antes dele deixa escapar um longo suspiro. "Eu sei, baby." Sentindo seus lábios no topo da minha cabeça, eu me inclino para trás para olhar para ele. "Os seus amigos ainda estão aqui?" "Não, eles pegaram um voo antes de eu ir para o clube na noite passada." "Essa foi uma visita curta." "Foram apenas negócios", ele murmura então procura por meu rosto. "Você dormiu?", pergunta ele me estudando. "Sim." Eu aceno, pressionando minha testa em seu peito. "Você comeu?" "Não, eu tive uma Coca Diet ", eu digo, me aconchegando mais fundo nele, sentindo-me relaxar. "Você precisa comer, e então eu quero te levar ao hospital." "Por que eu preciso ir ao hospital?" Pergunto, sentindo meus músculos apertarem. "Eu quero que eles tirem um pouco de sangue então saberemos com o que você foi drogada." "Oh", eu sussurro, inclinando a cabeça para trás para olhar pra ele. "Você tem uma câmera em cima do bar." "Eu tenho. Zack assistiu ao vídeo, mas não foi capturado nada fora do comum. A única pessoa que derramou suas bebidas foi Eva-"


"Ela não iria me drogar", eu digo, interrompendo-o, e seus lábios escovam sobre os meus. "Eu sei que ela é sua amiga, baby, mas todos são suspeitos agora." Ele está certo, e isso é uma porcaria. Eu gosto de Eva, muito, mas ela é a única que me lembro de me dar uma bebida, e me conhecendo, eu nunca teria deixado minha bebida sem vigilância. "Nós vamos enfrentar essa ponte quando chegarmos a ela, mas por agora, eu quero que você coma alguma coisa para que possamos ir ao hospital." "Ok", eu concordo quando ele nos rola pra fora do sofá e me leva para a cozinha, fazendo-me sentar enquanto me faz um sanduíche de manteiga de amendoim e geleia. Em seguida, se senta comigo, enquanto eu como antes de me colocar em seu SUV e me levar ao hospital. "Você está em qualquer tipo de controle de natalidade?", a enfermeira pergunta enquanto outra mulher coloca a agulha em meu braço. "Não", eu digo a ela, distraidamente, notando a forma como o corpo de Sven endureceu ao meu lado. "Você está tomando algum medicamento?" "Não", eu repito, observando a mulher na minha frente colocar um pequeno cilindro na extremidade da agulha, em seguida, deixou escapar uma respiração irregular assim que o tubo se enche de sangue. "Você tomou algum tipo de droga nas últimas vinte e quatro horas, das quais você estava ciente?" "Não." "Devemos ter os resultados para este teste prontos na próxima semana. Se a droga ainda estiver no seu sistema, vamos deixá-la saber o que nós encontramos." "Obrigada", eu digo a ela, em seguida, vejo a outra mulher sair da sala. Depois de colocar minha blusa, Sven pega minha mão e me leva para fora do hospital, para o SUV


e me ajuda a entrar, certificando-se de que estou afivelada antes de dar a volta pela frente para chegar ao volante. Uma vez que estamos no meio do caminho de casa, eu olho para ele, percebendo que ele ainda não falou. "Você está bem?" Levantando minha mão aos lábios, ele beija meus dedos, em seguida, diz algo contra eles que eu não posso entender quando ele coloca nossas mãos entrelaçadas em sua coxa. "O que foi isso?", pergunto, estudando seu perfil. "Nós não usamos proteção." Pisco, eu me pergunto se eu o ouvi corretamente, então pisco novamente quando seus dedos apertam minha mão. "Soou como se você tivesse dito que não usamos proteção." "Eu disse." "Como camisinha?", pergunto, e seu rosto se vira para mim quando ele puxa até um sinal de pare. "Puta merda." "Eu assumi." "Você assumiu", repito, porque, aparentemente, isso é tudo que eu posso fazer enquanto o estudo. "Porra." "Idem", eu sussurro de volta, em seguida, tagarelo, "A chance de engravidar por ter sexo uma vez é quase inexistente, certo? Quero dizer, esse tipo de coisa não acontece tipo nun —" "Quatro vezes." "O quê?" Eu respiro, olhando para ele. "Foram quatro vezes, não uma." Ele esclarece. "Quatro?" "Quatro", ele repete, virando para o nosso bloco. E eu não me lembro de uma vez sequer. "Pelo menos foi bom?", pergunto sem pensar. "O melhor que eu já tive", diz ele imediatamente.


"Eu era virgem", sussurro, imaginando como diabos eu poderia ser a melhor que ele já teve quando eu nunca tinha feito isso antes. "Eu sei, e me mata que você não se lembre." "Bem", murmuro, sem ter ideia do que dizer agora. "Eu garanto que você vai se lembrar da próxima vez", ele diz, enquanto puxa pra garagem e desliga o motor. Oh wow, okay. Sem outra palavra, ele sai, vem ao redor para me ajudar a descer, e depois me leva para dentro e lá pra cima. Puxando a mão quando alcançamos o patamar superior, seus olhos vêm a mim. "Esse é o meu quarto", eu digo-lhe com um aceno de cabeça em direção a minha porta. "Você está dormindo comigo." "Um..." "Dormindo, Mags." "Eu..." murmuro tentando pensar em algo a dizer. "Vamos." Ele puxa minha mão. Eu sigo ele passando pela minha porta e para o seu quarto, em seguida, em seu banheiro onde ele pega sua escova de dente para mim. Sem uma palavra, eu escovo meus dentes enquanto vejo-o olhar pra mim pelo espelho. Quando eu termino eu vejo como ele usa sua escova de dente. Quando ele termina, pega a minha mão de novo, me deixando ir quando eu estou de pé ao lado da cama. Vejo-o chutar seus sapatos e puxar sua camisa sobre a cabeça. "Venha aqui." Ele se senta na ponta da cama, em seguida, me arrasta para ficar entre suas coxas abertas. "O que você está fazendo?", pergunto quando ele desabotoa minha bermuda e desliza para baixo sobre meus quadris, derrubando-a no chão deixando-me em um par de calcinhas de algodão. "Você precisa dormir", ele murmura, puxando a blusa dos meus ombros, deixando-a se juntar aos meus shorts, e então


passa as mãos nas minhas costas, sob minha camiseta, desenganchando o sutiã. "Sven," eu sussurro para o topo da sua cabeça. "Apenas dormir, eu prometo, baby." Ele beija meu estômago, em seguida, chega sob a manga da camiseta para deslizar as alças do sutiã pelos meus braços. Ele puxa cada uma das minhas mãos para fora delicadamente antes de passar a sua sobre meu estômago, sob a camiseta, fazendo meus músculos tencionarem quando ele agarra a frente do meu sutiã e puxa para fora, deixando cair no chão. Ok, isso foi quente ... seriamente quente, eu penso, assim que o espaço entre as minhas pernas formiga. Levantando, ele coloca seus dedos no botão de seus jeans, então a empurra para baixo e chuta para o lado. Meus olhos automaticamente vão para sua cintura, em seguida, caem em sua masculinidade, muito excitada. Vaca sagrada. "Não essa noite." Levantando meus olhos para os dele, eu engulo, em seguida, chio enquanto ele me puxa para baixo com ele na cama e nos ajusta até que minha cabeça está apoiada em seu peito como travesseiro. Puxando os cobertores sobre nós, ele então chega mais perto, pega o controle remoto para a luz, e clica no botão, tornando o quarto escuro. "Durma, baby." Eu quero dizer a ele que não estou cansada ou que não há nenhuma maneira possível que eu vá ser capaz de dormir, mas meus olhos ficam pesados, e antes de perceber, estou dormindo, exatamente onde eu quero estar.


Capítulo 6 Sven Verdade seja dita Deitado com Maggie em meus braços, sua respiração suave deixa-me saber que ela está dormindo, eu aperto meus olhos fechados. Não é seguro para ela estar comigo agora, mas a ideia de ela estar em qualquer outro lugar é suficiente para me enlouquecer. Paulie Amidio, o chefe da máfia Lacamo, com certeza colocará dois e dois juntos com o súbito retorno de Kai à vida e o filho de Paulie sendo morto. Independentemente do fato de que seu filho iria tirá-lo do caminho, ele vai querer vingança por sua morte. Eu confio em Kai e Kenton. Sei que ambos os homens querem pôr fim ao reinado de terror de Paulie, mas até que ele seja retirado e seu poder extinto, ninguém está a salvo, incluindo Maggie. E isso não está bom pra mim, o que significa que eu preciso tomar todas as precauções necessárias para garantir que ela permaneça segura. Puxando-a para mais perto de mim, seu calor depositado em minha pele me ajuda a cair no sono. Acordar para a mulher suave e quente em meus braços, sua bunda embalada contra minhas coxas, minhas mãos cheias de suas curvas, e o cheiro dela em meu nariz, eu lamento que eu tenha que levantar. Tudo o que eu realmente quero fazer é rolar ela em suas costas e ouvir o engate de sua respiração, como ela fez cada vez que eu deslizei dentro dela. Eu não estava mentindo quando eu disse que ela é a melhor que eu já tive. Seu corpo por si só é o suficiente para me trazer de joelhos, mas a maneira como ela olha para


mim, o jeito que ela diz meu nome, e a sensação de sua pele contra a minha, tudo isso me dá algo que eu não sabia que estava perdendo quando se tratava de sexo. Algo que eu não ligava antes dela, uma intimidade que fez estar com ela, quase insuportável. Minha possessividade quando se trata dela é uma emoção que eu nunca teria esperado experimentar em primeira mão, e nada jamais poderia ter me preparado para isso. Eu sabia que queria Maggie quando eu a conheci, mas depois de sentir minha primeira mordida de ciúmes, eu sabia, que, o que eu estava sentindo por ela era mais do que apenas paixão e luxúria. Eu sabia que iria fazer de tudo ao meu alcance para certificar-me de que ela nunca olharia ou tocaria outro homem novamente. Eu sabia que iria fazer o que fosse necessário para me certificar de que ela era minha. Eu só não sabia que as paredes que eu pensava ter construído a minha volta, não eram nada comparadas, com as paredes que ela tinha em torno dela. Ela protege-se tão apertado, nunca se permitindo ser vulnerável para qualquer um. Mas não vou aceitar nada menos do que tudo dela. Eu a quero, não, eu preciso dela, sentindo por mim o que eu sinto por ela. Virando em meus braços, seu rosto vai ao meu peito e meus olhos caem para ver se ela está acordada, só para encontrar seus olhos fechados, seus cílios escuros descansando contra seu rosto, sua boca em um beicinho macio. Beijando sua testa, eu envolvo meus braços apertados em torno dela e descanso meu queixo no topo de sua cabeça. Não estou feliz com a merda que tenho que fazer hoje, mas sabendo o que poderia ter acontecido se eu não tivesse aparecido no clube quando eu apareci, me teve na borda desde ontem à tarde, quando eu acordei com ela na minha cama com lágrimas de confusão e horror em seus belos olhos.


Independentemente do fato de as coisas terem trabalhado ao meu favor, alguém vai pagar por aquilo que foi feito. Então eu tenho o problema de descobrir quem diabos era a cadela que estava em minha casa ontem à noite, quando ela entrou, e quem a enviou. Se Maggie não fosse Maggie, toda a fodida situação poderia ter me levado a perdê-la antes que ela percebesse que ela era minha, e isso não está bem comigo. Ouvindo-a gemer meu nome enquanto suas pernas se movem sem descanso contra o lençol, eu puxo minha cabeça para trás para olhar pra baixo pra ela e vejo quando seus mamilos pressionam contra a camiseta e suas pernas contraem novamente. Correndo minha mão pelo seu lado e sobre a curva de seu quadril, eu a puxo para mais perto, ouvindo-a gemer mais uma vez. "Baby", eu sussurro contra sua orelha, só para ter o seu gemido. Então seu corpo se acalma e minha cabeça mergulha, encontrando seus olhos abertos sobre mim, uma cor de mel mais profundo do que eu já vi, me dando uma ideia do que ela estava sonhando. "Você estava sonhando." "Eu..." Ela aperta os olhos fechados e seu peito arfa. Rolando-a de costas, eu embrulho minha mão em torno da sua panturrilha e puxo-a em volta do meu quadril. Beijando sua boca, seu rosto e, em seguida, seu ouvido, eu sussurro, "O que você estava sonhando?" "Eu não me lembro", murmura sua mentira enquanto suas mãos deslizam para cima em meus lados e sua cabeça mergulha de volta no travesseiro, permitindo-me acesso à curva de sua garganta. "Você," eu digo a ela, arrastando minha língua até a garganta, e, em seguida pergunto: "Eu estava fazendo isso?" "Não", ela geme, e eu moo minha ereção contra ela. "Hmm, e que tal isso?" Eu arrasto minha mão até sua coxa ao longo da curva de sua cintura, e seu seio, correndo


meu polegar sobre seu mamilo. Suas costas arqueiam para fora da cama e seus olhos abrem pra encontrar os meus. "Eu... eu não me lembro", ela choraminga, levantando as mãos para meus ombros, em seguida uma vai suavemente ao lado do meu pescoço, na parte de trás do meu cabelo. Abaixando minha boca sobre a dela, eu beijo seu lábio inferior, em seguida, deslizo a minha língua sobre a costura de sua boca enquanto eu belisco seu mamilo entre dois dedos. Eu uso seu ofegar para deslizar minha língua entre seus lábios, tocando a dela. Gemendo em minha boca, eu passo minha mão para cima e depois para baixo sob a camiseta e coloco seu seio na palma da minha mão. "Oh, Deus", ela chora em minha boca enquanto eu rolo seu mamilo. Beijando pra baixo em sua garganta, eu dobro minha cabeça e puxo o mamilo em minha boca, chupando duro, amando que minhas marcas ainda estão lá. Suas pernas levantam e envolvem em torno de minha bunda, e minha mão livre move-se entre suas pernas, deslizando sobre sua calcinha, sentindo a umidade no material enquanto meus dedos passam por ele. Pressionando meu pau em cima da cama, eu levanto a cabeça para olhar para ela, em seguida, deslizo ao longo da costura interna de sua calcinha, e gemo quando meus dedos deslizam através de seu calor escorregadio. "Você está tão molhada, Mags, tão fodidamente molhada para mim," Eu elogio, deslizando meu dedo ao redor do seu clitóris, fazendo seus quadris sacudirem. "Sven." "Eu estou bem aqui." Eu puxo seu mamilo de volta na minha boca, então me movo para o outro seio e faço o mesmo. "Por favor", ela chora enquanto meus dedos deslizam para baixo, um depois dois, entrando nela e sentindo-a


agarrar se a eles como uma presa. "Tão apertada, tão foda gostosa." Eu me levanto, tomando sua boca novamente, liberando meu pau de meus shorts, movo sua calcinha para o lado para deslizar a ponta sobre seu clitóris, em seguida, para baixo, colocando apenas a cabeça dentro. Puxando para trás, vejo seus olhos irem a meio mastro e ouço o engate de sua respiração assim que pressiono completamente dentro dela, rangendo meus dentes contra o delicioso prazer de têla ao meu redor. Inclinando-me para trás em meus joelhos, eu puxo-a para frente para tirar sua blusa por cima da cabeça, em seguida, me inclino para frente de novo, puxando pra fora e afundando de volta. "Jesus, porra, céu." Envolvendo meu punho em torno de seu cabelo, eu inclino sua cabeça para trás e tomo sua boca novamente. "O que...?", ela choraminga quando eu puxo para fora dela e sento em minhas pernas. "Shhh," Eu a silêncio, deslizando sua calcinha sobre seus quadris e coxas, jogando-a na cama. Eu chuto fora meus shorts e me movo entre suas pernas de novo, envolvendoas em torno dos meus braços, então mergulho meu rosto para puxar seu mamilo em minha boca, deslizando nela ao mesmo tempo. Soltando seu mamilo com um pop, suas mãos envolvem em torno de meus ombros e sua cabeça cai para trás enquanto seus olhos deslizam fechados. "Olhe para mim, Maggie," Eu exijo, e sua cabeça inclina pra baixo, seus olhos encontrando os meus. "Tão linda, baby, você é tão foda linda levando meu pau, levando tudo de mim," Eu elogio ela, deslizando para fora, em seguida, de volta lentamente. "Mais rápido, por favor," ela sussurra, passando a mão pelo meu peito e sobre o meu abdômen. "Só assim", eu sussurro de volta, concentrando-me em seu rosto.


Eu engulo quando sua mão envolve o lado do meu pescoço e seus olhos encontram os meus quando seus olhos se enchem de lágrimas. "Não chore." Eu deixo cair suas pernas então encosto minha testa na dela, nunca perdendo o contato visual quando eu me afundo lentamente, deslizando meu pau ao longo de suas paredes, sentindo as ondulações e o aperto em minha volta. "Oh..." ela choraminga, trazendo as pernas mais alto, em torno de meus quadris, forçando-me incrivelmente mais profundo. Leva tudo em mim para não bater com força nela, mas eu quero esse momento, eu quero que ela tenha a lembrança de como se fosse nossa primeira vez. Eu quero que ela saiba, sem palavras o quanto ela significa para mim. "Deixe ir, baby." Eu beijo afastando suas lágrimas que caem de seus olhos. "Dê-se para mim completamente, Mags." "Eu.. Eu não sei se posso", ela sussurra, e eu sei que ela está falando mais do que apenas neste momento, mas eu não estou disposto a aceitar nada menos do que tudo dela. "Você pode. Confie em mim e deixe ir," digo a ela suavemente, observando novamente quando lágrimas enchem seus belos olhos, olhos que me prendem cativo, quando ela se perde, agarrando seus braços e pernas mais apertados em torno de mim enquanto monta fora seu orgasmo. Enterrando meu rosto em seu cabelo, eu me perco profundamente dentro dela. Minha! Minha mente grita quando eu rolo à minha volta, levando-a comigo, sem nunca perder a nossa conexão enquanto ela cai inerte contra o meu peito. Passando minhas mãos sobre sua pele lisa, eu beijo o topo de sua cabeça e fecho meus olhos tentando colocar minha frequência cardíaca e respiração sob controle. "Eu tive flashs. Eu não tenho certeza se eles são reais ou não", diz ela em voz baixa, e minhas mãos acalmam.


"Lembro-me de rir quando você... quando você estava me marcando." "Isso aconteceu," eu digo a ela, movendo minhas mãos novamente. "Eu..." Ela solta um longo suspiro profundo, em seguida, levanta a cabeça para descansar o queixo no meu peito. "Eu odeio que eu não me lembre." Correndo os dedos para baixo em sua mandíbula, observo-a deslizar seus olhos meio fechados. "Nós vamos fazer novas memórias," Eu asseguro a ela, ajustando meus quadris, deixando seu calor, mas então, arrasto o cobertor sobre nós. "Também vamos fazer um bebê se eu não entrar no controle de natalidade", ela murmura, olhando por cima do meu ombro para o travesseiro. Sentindo minha boca levantar, eu corro meus dedos ao longo de seu lábio inferior, ganhando seus olhos novamente. Eu poderia pensar em coisas piores do que ela ter meu filho, mas ela está certa; nós não precisamos de um bebê, pelo menos ainda não. "Eu vou ter certeza que teremos mais cuidado de agora em diante." "Obrigada", ela sussurra, e eu estudo seu belo rosto, em seguida, faço a pergunta que tem me assolado. "Como você ainda era virgem?" Eu não sabia que havia tal coisa como virgens, pelo menos não nestes dias e idade, e não mulheres com mais de dezenove anos, no máximo. Se ela não tivesse me dito antes de eu deslizar para dentro dela, eu não teria sabido. Ela é muito bonita e muito sedutora; inferno, olhando para ela, tudo o que você pode pensar é sexo. "Eu não tive relações sexuais", diz ela, apertando os lábios para não sorrir. Puxando um pedaço de seu cabelo, eu espero ela responder a minha pergunta. "Eu não sei. Eu acho que tem muito a ver com os meus pais." Sentindo meu corpo


endurecer, ela balança a cabeça. "Eles nunca fizeram nada para mim. Eles só..." Ela faz uma pausa, em seguida, procura o meu rosto por um momento. "O sexo nunca foi feito para parecer um grande negócio. Quando eu tinha dezesseis anos, eles me disseram que eu estava livre para fazer minhas próprias escolhas sobre o meu corpo e o que eu fizesse com ele. Eles fizeram isso tão casual que isso me assustou. Ambos meus pais tiveram relações fora do casamento. Quer dizer, eu sei que eles amam um ao outro e eles foram honestos sobre o que eles fizeram ou estavam fazendo, mas eu não entendia. Eu ainda não entendo como eles fizeram isso parecer como se não fosse grande coisa, compartilhar um pedaço de si mesmo com alguém que não se importavam ou se importam." Ela faz uma pausa, puxando uma respiração. "As poucas vezes que eu estive perto de perder o controle, algo em mim não poderia deixar ir e eu me afastava. Eu sei que é estúpido e irreal nestes dias e idade, mas depois de um tempo, eu coloquei isso na minha cabeça, que eu apenas iria me entregar completamente ao homem que eu planejava me casar," diz ela enquanto suas bochechas tornaram-se rosa e morde seu lábio inferior. "Você não se fechou comigo," eu digo a ela, nem mesmo referindo-me a primeira vez, mas a esta vez. "Não, mesmo meu subconsciente sabe o que você é para mim", diz ela suavemente, levantando a mão para o meu queixo. "E o que é isso?" Eu peço gentilmente, estudando suas características quando elas se movem sobre mim. "Não tenho certeza. Importante. Vital. Mesmo que nós não duremos, eu sei que nunca vou me arrepender de ter me dado a você," diz ela, e meu peito dói, porque eu sei que não sou digno dela, nem mesmo perto. Mas ela precisa saber que o que ela me deu significa algo para mim.


"Sexo nunca significou nada para mim. Sempre foi apenas uma liberação, uma maneira de me livrar da energia reprimida. Eu nunca soube que poderia ser mais," eu digo a ela, observando seus olhos se tornarem macios. "Estar com você é algo diferente, uma experiência completamente diferente, que leva o sexo a um nível totalmente novo. Me faz sentir conectado a você de uma maneira que transcende o tempo." "O quê?", ela sussurra em reverência, e seu rosto suaviza de uma maneira que eu nunca vi antes. "Eu não esperei por você, baby, mas você tem um pedaço de mim que ninguém mais tem. Eu tomo sua mão, apoiandoa sobre meu coração. "Sven." Sua testa cai no meu peito, e eu envolvo meus braços em torno dela e viro ela para seu lado. Segurando-a, eu olho para o relógio e solto um suspiro de frustração. "Eu queria não precisar levantar, mas eu preciso ir para o clube." "Eu vou com você", diz ela, começando a se afastar. "Não, você vai ficar em casa." "Sven..." Antes que ela possa dizer qualquer coisa, eu rolo ela em suas costas, aliso seu cabelo do rosto, e coloco minhas mãos sob seu queixo. "Eu preciso saber que você está segura. Isso não é algo que está aberto a debate. Até que eu tenha discutido o que aconteceu ontem com Zack, Lane, e Teo e obtenha suas opiniões sobre a situação, eu não estou disposto a deixar você pisar no clube." "Eu posso cuidar de mim mesma", ela rosna, e eu caio um beijo em seus lábios carnudos, em seguida, inclino para trás e sorrio. "Eu não disse que você não poderia cuidar de si mesma, Maggie. Eu sei que você é uma lutadora." Eu sorrio, então balanço a cabeça. "Eu não quero que você tenha que lutar,


e eu não quero que algo aconteça a você se eu puder evitar. Na noite passada, você estava drogada. Eu sei que estamos bem agora, mas esta situação poderia ter sido completamente diferente se eu não tivesse aparecido no clube quando eu apareci." Minha barriga revira e eu puxo uma respiração. "Eu odeio pensar assim, baby, mas eu levei você quando você nem sabia o que estava fazendo." "Sven", ela sussurra, trazendo a mão para cima correndo seus dedos ao longo da minha mandíbula. Virando a cabeça, eu pressiono um beijo na palma da sua mão. "É verdade, baby. Fodida, mas é verdade." "Ok, eu vou ficar em casa", ela concorda, e posso dizer que ela não quer, mas está fazendo isso por mim. "Bom, agora me beije. Tenho que tomar banho," eu digo a ela, observando seus olhos aquecerem de uma forma que me faz gemer e meu pau endurece mais uma vez. Puxandoa para mim, eu faço um punho do seu cabelo e forço sua cabeça para o lado, beijando-a até que ela está com a respiração pesada e arranhando meu peito. Abrando, me afasto com uma última mordidela em seus lábios. "Enquanto eu estiver fora, eu quero que você pense sobre o que eu vou fazer com você quando eu chegar em casa," Eu rosno, puxando o seu peito em minha boca, deixando outro chupão antes de relutantemente a deixar na cama.

Assim que eu caminho através da porta do clube, todos os olhos vêm a mim. Vendo a preocupação no rosto dos meus funcionários, eu ando em direção a seu pequeno grupo em torno do bar. "Onde está Maggie?" Eva pergunta, olhando para a porta.


"Casa, ela não vai vir hoje," eu digo a ela, e suas mãos torcem juntas na frente dela quando seus olhos se enchem de preocupação então se levantam para encontrar os meus. "Eu liguei, mas ela não respondeu", ela sussurra. "Ela estava entrando no chuveiro quando eu saí. Tenho certeza de que ela vai te ligar de volta quando verificar seu telefone," eu lhe asseguro, não é certeza se eu estou mentindo. Eu sei que Maggie quer acreditar que Eva é sua amiga, mas depois de ontem à noite, ela tem dúvidas sobre em quem ela pode confiar. E tão fodido como é, isso funciona para mim. Entre o que aconteceu com Maggie e as coisas vindo para cima com Paulie e sua tripulação, a lista de pessoas que eu sei que posso confiar é pequena, e diminui a cada segundo. "Se ela não o fizer, você vai dizer a ela que eu estou preocupada?", pergunta ela, endireitando seus ombros. "Vou deixá-la saber," murmuro em seguida olho para Zack, Teo, e Lane. "Nós precisamos conversar", eu digo a eles, deixando o bar, sabendo que eles estão me seguindo. Chegando ao meu escritório, eu escorrego de minha jaqueta e lanço-a no sofá, depois espero por todos eles entrarem. Assim que a porta é fechada, a vibração na sala muda. "Maggie está bem?" Lane pergunta em primeiro lugar, quebrando o silêncio. Estudando-o, noto que seus olhos estão cheios de preocupação, uma preocupação que corresponde a de Zack e Teo. Minha mulher fez uma impressão nesses caras, e eu sei que a preocupação que vejo não passa de cuidados por ela, mas o ciúme na boca do meu estômago ainda borbulha na superfície. "Ela está em casa em nossa cama, descansando", digolhes, deixando as palavras falarem por si. "Eu fodidamente disse," Teo murmura, olhando para Lane e Zack.


"Disse-lhes o quê?" Eu questiono, cruzando os braços sobre o peito e levantando uma sobrancelha. "Você disse nossa cama, ou seja, uma cama que vocês compartilham. Eu disse a esses fodidos que você e ela estavam juntos. Eu sabia." Ele sorri, em seguida, resmunga: "Vocês fodidos me devem cem dólares cada um." Pressionando meus dedos na ponte do meu nariz, eu solto um suspiro, em seguida, levanto e estreito meus olhos para Téo. "Tão divertido quanto saber que você está apostando no meu relacionamento, precisamos falar sobre Maggie e o que aconteceu:" Eu rosno, e a energia na sala instantaneamente muda mais uma vez. "Eu olhei as fitas e não me deparei com qualquer coisa fora do comum. Eu sei que o momento que Maggie chegou ao bar foi um pouco depois da uma, e ela não se moveu de sua cadeira até que eu entrei." "Ela estava no bar o tempo todo. Lane e eu tivemos a certeza que ninguém se aproximasse dela enquanto ela estava sentada lá," Zack diz, e eu aceno meus agradecimentos a ele. "Ninguém sequer chegou perto," Lane concorda, cruzando os braços sobre o peito largo. "Eva chegou perto", eu digo, olhando entre os três. "Por que ela iria drogá-la?" Teo pergunta enquanto suas sobrancelhas estreitam em confusão. "Eu não sei", eu finalmente murmuro, correndo os dedos pelo meu cabelo. "Ela é a única que teria tido uma chance. Eu vi as fitas uma centena de vezes. Marco estava para baixo na extremidade oposta do bar a noite toda. Ele nem sequer reconheceu Maggie, exceto para dar-lhe uma elevação de queixo quando ela se sentou. Ninguém mais teve uma oportunidade."


"Eu concordo, Eva é a única que teve a oportunidade, mas qual seria o seu motivo?" Teo faz a pergunta de um milhão de dólares, a questão que tem me assolado desde que eu vi as fitas. "Não tenho certeza. Isso é o que eu preciso saber." "Então o que vamos fazer até nós descobrimos isso?" Zack pergunta quando eu ando para a janela com visão do piso de baixo do clube. "Maggie não vai ficar sentada em casa enquanto eu descubro essa merda", murmuro para mim mesmo, os ouvindo rirem atrás de mim, e não posso deixar de sorrir, mesmo que eu esteja irritado. Independentemente de ter entendido esta manhã, não há nenhuma maneira que ela estará disposta a ficar em casa até que seja seguro para ela voltar aqui. Virando-me para encará-los mais uma vez, eu estudo cada um deles. Um amigo meu, Nico Mayson, conhecia Zack, Lane, e Teo de seus dias de caçador de recompensas. Ele escolheu a dedo cada um deles para trabalhar para mim, depois que ele descobriu que minha segurança previamente contratada estava ajudando a infiltrar drogas para Paulie, ter um corte da venda de produtos e a recrutar meninas no clube. Felizmente, eu peguei essa merda nas fases iniciais antes do meu clube ser invadido e eu fosse forçado a sair, ou pior, fichar. Estar em Vegas significa que você está sempre olhando a sua volta; as pessoas estão sempre tentando fazer dinheiro de qualquer maneira que podem, o que inclui usar você quando você nem sequer sabe que está sendo usado. "Eu vou fazer uma chamada para um amigo meu, para ver se ele pode desenterrar qualquer coisa sobre Eva. Nesse meio tempo, eu quero que vocês mantenham um olho sobre ela enquanto ela estiver aqui, e me digam se perceberem algo fora do comum com ela."


"Não há problema", todos concordam quando eu me sento na minha cadeira, e eles seguem para a porta. "E caras, se Maggie estiver aqui, certifiquem-se de que ela não entre em qualquer tipo de problema", eu acrescento, ouvindo-os rir quando a porta se fecha atrás deles. Puxando meu celular do bolso, eu pressiono ligar no número de Justin e espero ele atender. Justin não é só um amigo meu, ele é um guru de computador que é de alguma forma capaz de encontrar merda que eu tenho certeza que iriam assustar nossas maiores agências governamentais. Ele não só trabalha para Kenton fazendo intel e pesquisas; ele também corre um grupo on-line chamado de Ventos do Norte, um grupo de hackers e ativistas on-line que ajudam a pegar terroristas e extremistas através de seus sites. "Seven-Eleven", ele cumprimenta após o segundo toque, me fazendo rir, mas suas próximas palavras me fazem ver vermelho e fazendo meu sangue ferver. "Você enviou meu presente pra fora da sua casa sem uma palavra. Que porra é essa, cara? Ela foi paga e tudo." "Seu filho da puta", eu rujo, sentindo o pulso em meu pescoço bater contra a gola da minha camisa. "O quê?" Ele pergunta casualmente. "Como diabos ela entrou na minha casa, Justin?" "Eu a deixei entrar", ele murmura como se fosse óbvio, o que só serve para me irritar ainda mais. "Maggie é a pessoa que abriu a porta e a encontrou lá," eu sussurro, porque de outra forma eu vou explodir a janela do meu escritório. Eu juro que se ele estivesse na minha frente, eu o mataria. "Você e Maggie resolveram sua merda?", Ele pergunta, e eu puxo o telefone longe do meu ouvido e olho para ele, perguntando-me como diabos esse cara é capaz de fazer a merda que ele faz quando é obviamente estúpido pra caralho.


"Eu e Maggie não somos a porra da sua preocupação." "Eu estou levando isso como um sim. Então você pode apenas dizer-me obrigado." "Por que diabos eu iria dizer-lhe obrigado, filho da puta?" "Eu ajudei vocês a superarem seus problemas estúpidos, e agora estão juntos", diz ele, o sorriso evidente em sua voz. "Maggie foi drogada. Eu não sabia dessa merda, e nós ficamos juntos enquanto ela estava drogada. Na manhã seguinte, ela fugiu de mim e foi para seu antigo apartamento. Esperei fora do seu lugar e devo ter adormecido por um segundo, porque quando eu abri meus olhos, seu carro tinha desaparecido. Ela chegou em casa antes de mim, e quando ela entrou, havia uma puta aleatória em nossa casa. Então, por favor, perdoe-me por não porra dizer obrigado pela sua fodida." "O quê?", Ele sussurra aflito. "Sim, agora você está entendendo," Eu rosno, levantando da minha mesa para que eu pudesse andar pelo chão do meu escritório. "Porra, cara, ela está bem? Vi-a na cozinha de seu apartamento, mas eu só pensei que vocês tiveram uma briga. Eu queria ajudar, cara. Eu juro que eu nunca teria feito essa merda de outra forma." Ouvindo a verdadeira preocupação em seu tom faz um pouco da raiva que eu estou sentindo aliviar, mas só um pouco. "Ela está bem agora. Ontem, foda-se não, ela não estava bem, e graças à porra ela acreditou em mim quando eu disse que não sabia quem era a cadela que estava em casa ou como ela chegou lá." "Vou dizer a ela que fui eu." "Que porra isso vai mudar?" Reviro os olhos e esfrego minha testa. "Ok, bom ponto", ele murmura baixinho.


"De agora em diante, mantenha a sua profissão, porque suas habilidades de casamenteiro estão faltando severamente." "Entendi", ele concorda. "Você me deve, homem, e eu espero que você pague", digo a ele. Normalmente, eu pago Justin por seus serviços, mas este vai ser de graça. "Qualquer coisa, é só me dizer o que você precisa." "Eu preciso de você para encontrar tudo o que puder sobre Eva Locklear. Ela trabalha no bar aqui no clube e-" "Você acha que ela tem algo a ver com a sua menina sendo drogada?", pergunta ele, me cortando, e eu ouço-o digitando através do telefone. "Elas são amigas, mas ela é a única que teria tido a chance de fazê-lo. Eu vi as fitas, e ninguém mais teve uma oportunidade." "Entendi", ele murmura, distraído. "Você encontrou algo novo sobre a irmã de Maggie?" Eu questiono, sentando-me novamente. Depois que os homens invadiram o apartamento de Maggie, à procura de sua irmã, eu fiz uma chamada para Justin para ver se ele poderia descobrir alguma coisa sobre o seu paradeiro. Sua pesquisa veio de mãos vazias; ela não tem nenhum cartão em seu nome e não estava trabalhando, e sua amiga, que ela sai também era um beco sem saída. Eu não poderia honestamente dar a mínima para a mulher, mas até que ela volte e limpe sua bagunça, Maggie estará em perigo. Além disso, eu sei que isso está machucando a minha mulher, sua irmã estar em perigo, e isso é o suficiente para eu colocar meus próprios sentimentos pessoais de lado para procurar por ela. "Nada, ela ainda é um fantasma, e tem sido duas semanas desde que eu a vi na câmera que eu coloquei no apartamento."


"Foda-se." Eu corro a mão pelo meu cabelo. "Eu estou em Vegas, e eu vou estar aqui por alguns dias, então eu vou ver se consigo descobrir alguma coisa na rua sobre ela." "Eu aprecio isso." "Não tem problema, e eu sinto muito sobre sua garota." "Obrigado, cara", eu resmungo. Se Justin fosse outra pessoa, eu iria caçar sua bunda, mas eu o conheço e sei que do seu jeito fodido, ele realmente achou que ele estava ajudando. "Vou te mandar uma mensagem com o que eu encontrar." "Parece bom." Eu desligo e olho para o relógio. "Vai ser uma longa noite do caralho." Caminhando para casa, a luz no hall de entrada está ligada, e eu sorrio, sabendo que Maggie deixou-a assim, por isso não estaria escuro como breu quando entrasse. Caminhando em direção à cozinha, eu paro no meu caminho quando eu a encontro dormindo no sofá com um livro apoiado levemente ao seu alcance. Tomando o livro dela, eu defino-o na mesa de café, em seguida, sento-me na ponta do sofá e corro o dedo por sua bochecha. Seus olhos abrem lentamente, e ela parece confusa por um momento, então sorri suavemente. "Hey," ela sussurra, trazendo a mão até minha mandíbula. "Hey," eu sussurro de volta, pegando sua mão, beijando seus dedos, que se enrolam ao redor dos meus. "Eu caí no sono", ela me diz e eu sorrio. "Eu vejo isso. Você comeu?" Revirando os olhos, ela se senta e murmura: "Sim", e eu me inclino pra frente, beijando-a antes de puxar para trás procurando seu rosto, amando o jeito que seus olhos suavizam cada vez que minha boca sai dela.


"Eu não comi. Você quer ficar na cozinha comigo enquanto eu encontro alguma coisa?", Pergunto. "Eu fiz o jantar. Está quente no forno." Ela sorri, empurrando minhas mãos quando elas fazem seu caminho sob a borda de sua camisa. "Você fez o jantar?" "Eu fiz, mas é vegetariano." "É tofu?" "Não." Ela sorri, levantando do sofá. "É berinjela parmesão." "Eu nunca comi isso", eu admito, enquanto ela pega minha mão e me leva para a cozinha. Acendendo a luz, ela me leva para a mesa, em seguida, empurra-me em um assento, fugindo rapidamente quando tento puxá-la para baixo em meu colo. "Você precisa comer. Nenhuma gracinha, senhor." "Senti sua falta," eu digo a ela assim que ela vai para o fogão e abre. Seus olhos vêm até mim e suavizam, mais uma vez. "Eu senti sua falta, também," ela resmunga como se ela não devesse sentir minha falta, o que só me faz sorrir. Puxando um prato de dentro do forno, então ela vai para a geladeira e pega uma bacia, puxando um pedaço de papel filme pra fora dela antes de pegar o prato e trazer ambos para mim. "O que você gostaria de beber?", ela pergunta, dando um passo pra trás depois de definir o prato e a bacia na minha frente. Agarrando a mão dela, eu a paro e a puxo de volta para ficar entre as minhas pernas. "Beije-me," eu exijo, envolvendo minhas mãos em volta da sua cintura. Eu espero ela tocar a boca na minha, então agarro minha mão em seu cabelo na parte de trás do pescoço para mantê-la no lugar. Eu assumo, beliscando seu lábio até que sua boca se abre, assim minha língua pode deslizar entre seus lábios. O


primeiro toque de sua língua contra a minha e seu gosto inundando minha boca é o suficiente para me trazer de duro, para dolorosamente duro. Eu não posso obter o suficiente de seu gosto, e o pensamento de comê-la em vez de alimentos está soando melhor a cada segundo. "Você precisa comer", ela respira contra a minha boca, tentando se afastar. "Vem sentar-se na mesa e me alimente então," Eu tomo sua boca novamente, em seguida, ajusto minhas pernas, deslizando uma entre as dela, enquanto puxo-a para baixo, de modo que ela está montando minha coxa. Sentindo o calor de sua vagina através de minhas calças me leva a aprofundar o beijo. "Sven!", ela grita quando eu nos movo para o chão e tiro sua camisa sobre a cabeça. "Shhhh." Eu pego seus dois pulsos e trago-os acima de sua cabeça. "Mantenha-os lá", eu digo a ela, beijando seu pescoço, em seguida, embaixo sobre a borda de seu sutiã de renda, sobre seu estômago, em seguida, ao longo da borda de seus shorts de algodão. Agarrando sua cintura, eu arrasto-os pela sua bunda e sento-a tempo suficiente para retirá-los de suas pernas. Espalhando suas coxas abertas, eu vejo a beleza de seu corpo, em seguida, mergulho minha cabeça para deslizar minha língua até seu centro, recolhendo seu gosto doce na minha língua. "Porra, eu poderia viver sozinho, só com a sua essência e nunca passar fome." "Oh, Deus." Olhando para cima do seu corpo, vejo que seus olhos estão fechados e seu peito está subindo e descendo rapidamente. Lambendo seu centro uma e outra vez, eu construo seu orgasmo, até sentir que ela está na borda, então deslizo dois dedos dentro dela e chupo seu clitóris em minha boca, puxando duro até que ela está gritando e inundando minha boca. Agarrando um


preservativo do bolso, eu faço o trabalho rápido saindo das minhas calças e deslizo-o, ajustando seus quadris e enterrando-me profundamente dentro dela. Deixando cair minha cabeça pra frente, eu respiro pelo nariz, tentando controlar o desejo de gozar. Seu calor apertado ainda está pulsando com seu orgasmo, apertando meu pau em rápida sucessão. "Sven", ela suspira, levantando as pernas, envolvendo-as em torno de minhas costas. "Foda-se, baby, isso não está ajudando. Você ao meu redor, sentir sua boceta agarrando-me como se nunca quisesse me deixar ir, está me levando à beira de perder o controle," Eu confesso em um gemido, retirando lentamente quando seus muros tentam agarrar e arrastar-me de volta. Agarrando suas mãos, eu as mantenho acima dela, pressionando para o chão. Então eu balanço dentro e fora dela, lentamente no início, em seguida, pego o ritmo, mergulhando minha cabeça e rolando minha língua ao redor do seu mamilo, e depois mordo a ponta e puxo. Seu núcleo me apertando e seu gemido alto me têm beijando por seu peito para o outro mamilo, rolando minha língua em torno dele e mordendo a ponta, puxando-o também. Seus gritos e a forma como sua cabeça começa a balançar me dizem que ela está perto. Segurando seus pulsos com uma mão, eu deslizo meus dedos para baixo dela, em seguida, movo-os entre suas pernas, tocando seu clitóris. Seu grito enche a casa e eu bato minha boca para baixo sobre a dela, gemendo em sua garganta quando o meu próprio orgasmo de repente me bate. Assim que eu libero seus pulsos, seus braços envolvem em torno dos meus ombros, e ela levanta a cabeça, enterrando seu rosto contra o meu pescoço.


"Você está bem, baby?" Pergunto, virando minha boca para sua orelha. "Sim", ela respira enquanto eu puxo seu rosto, assim eu posso ver seus olhos. "Bom", eu sussurro suavemente, saindo dela lentamente, ouvindo-a chiar pela perda. Beijando sua testa, em seguida seus lábios, eu a ajudo a se levantar, então sorrio quando ela se vira e de repente cai em suas mãos e joelhos, ficando vermelha quando olha em volta. "O que você está fazendo?" "As cortinas estão abertas", ela sussurra, rastejando em direção a sua camisa no chão. Gemendo, me sinto ficar duro mais uma vez quando eu vejo seu traseiro balançar. Agarrando sua camisa, eu entrego a ela, escorrego o preservativo, e ajusto minhas calças. Eu vou para as cortinas na sala de jantar e fecho-as enquanto ela coloca seu short. "Sua comida está provavelmente fria agora." Ela franze a testa enquanto eu jogo o preservativo no lixo. "Valeu a pena", murmuro, passando meus braços em volta da sua cintura quando ela traz meu prato do microondas. "Na verdade, eu nem estou mais com fome", eu belisco seu pescoço, a fazendo rir, um som que eu não acho que eu já tenha a ouvido fazer, um barulho que eu amo tanto, que eu planejo a fazer rir com muito mais frequência. "Você é demais", ela sussurra, inclinando sua cabeça enquanto minha boca toca levemente sua pele. "Você ama isso." "Talvez um pouco", ela concorda, virando em meus braços e levantando-se na ponta dos pés. Suas mãos correm pelo meu cabelo e eu faço uma pausa apenas para olhar para ela. Eu nunca soube que eu poderia ter isso e me sentir satisfeito. A ideia de amar alguém no passado teria me enviado ao pânico, mas Maggie torna isso fácil. Tudo sobre


ela faz com que as coisas com ela sejam fáceis. "Por que você está me olhando assim?", ela pergunta em voz baixa. "Você é perfeita." "Nem mesmo perto," ela murmura balançando a cabeça. Correndo a ponta dos dedos em toda a minha mandíbula, ela sussurra, "Perfeição é inatingível e uma expectativa irrealista. Ninguém é perfeito, e se você achar que eles são, você vai se decepcionar quando ver que eles têm defeitos, como todo mundo." Estudando seu rosto e ouço suas palavras, e sei que ela está certa, mas ela também está muito, porra, errada. Ela é perfeita para mim. Eu só espero que eu possa ser o mesmo para ela.


Capítulo 7 Maggie Escolhas Meu passo hesita quando eu entro no banheiro e vejo Sven vestindo seu calção de basquete, em pé sem camisa na pia com sua escova de dente na boca. Movendo meus olhos pra baixo em seu peito e abdômen, sinto uma vibração na minha barriga e um formigamento entre minhas pernas, me lembrando do que ele fez ao meu corpo nem quinze minutos atrás. Movendo meus olhos de volta até seu rosto, ele sorri em torno da escova na boca, parecendo muito presunçoso. "Bonita camisa", ele murmura através da espuma em sua boca, quando eu deslizo ao lado dele, puxando minha escova de dente do copo ao lado da pia. Seis semanas atrás, quando nos tornamos um nós, mudamos todas as minhas coisas para seu quarto, um quarto que agora é nosso. "Obrigada." Eu luto com um sorriso e um arrepio quando seus olhos aquecem e vagueiam sobre mim. Quando eu finalmente tive energia suficiente para puxar-me para fora da cama, onde ele me deixou ainda ofegante, eu agarrei sua camisa e deslizei sobre mim. "Eu realmente gosto de renda", diz ele— algo que eu já sei; então suas mãos suavizam sobre a minha bunda e eu inalo ao seu toque. A calcinha de menina rendada que estou usando, é a mesma que eu coloquei esta manhã, apenas para tê-la removida alguns minutos mais tarde, quando Sven me jogou em cima da cama, em seguida, jogou-as no chão.


"Você precisa ir para o trabalho", eu lembro-o tranquilamente, assim que ele se move para ficar atrás de mim e desliza suas mãos sobre a camisa, em volta da minha cintura, então sob os meus seios. "Eu sei." Ele franze a testa, passando as mãos para baixo sobre a curva da minha cintura. "Você não está colocandose muito em uma briga sobre ficar em casa." Ele está certo. Eu não estou. Ele me dizendo que eu deveria tirar o dia de folga se encaixa com o que eu preciso fazer hoje. Na noite passada, eu recebi uma mensagem da minha irmã me pedindo para encontrá-la. Eu sei que se eu contar a ele sobre a mensagem, ele provavelmente vai enlouquecer e fazer algo ridículo como me proibir de ir ver minha irmã. Eu não quero isso, não agora, não quando as coisas parecem estar indo em uma direção que eu gosto. Muito. Eu sei que ignorância nem sempre é felicidade, mas, neste caso, eu tenho que acreditar que o que Sven não sabe não pode machucá-lo e, a julgar por seus comentários anteriores sobre a minha irmã, isso é exatamente o que vai acontecer se eu lhe disser que ela entrou em contato comigo e que eu quero me encontrar com ela. Inferno, quando eu lhe disse que queria manter meu antigo apartamento no caso de ela precisar de um lugar para ficar, ele ficou irritado. Ele não acha que eu preciso fazer alguma coisa por ela, não depois do que aconteceu, mas eu não posso virar as costas para minha irmã; Simplesmente não posso. "Eu sei que você está preocupado comigo e eu não quero que você se preocupe," eu minto, e seus olhos se movem pelo meu rosto no espelho depois se estabelecem nos meus. Lutando contra o desejo de desviar o olhar ou me contorcer, eu seguro seu olhar e minha respiração. "Obrigado, baby."


Culpa me bate instantaneamente com suas palavras, e eu deixo cair meus olhos e coloco minhas mãos sobre a dele, murmurando um silencioso, "De nada." "Você quer tomar banho comigo?" Sentindo meus lábios levantarem ligeiramente, eu balanço a cabeça, em seguida, levanto meus olhos para olhar para ele mais uma vez. "É melhor não. Você vai se atrasar." "Você está certa, mas tendo em vista que eu sou o chefe, acho que posso arrumar uma desculpa." Revirando meus olhos para aquele, eu viro em seus braços e descanso minhas mãos contra o seu abdômen. "Tome um banho. Eu vou fazer café pra você," digo a ele, beijando na parte inferior de sua mandíbula, apenas para ele me puxar de volta contra ele e me beijar corretamente antes de me liberar e soltar seus shorts para o chão. Engolindo, eu assisto seu pau saltar contra seu estômago. "Você está me olhando como se quisesse se molhar comigo." Ele sorri, e dou um passo para atrás depois outro, e, em seguida, corro para fora do banheiro, deixando-o rindo atrás de mim.

Andando do outro lado do estacionamento do Starbucks, onde eu disse a minha irmã para me encontrar, eu digitalizo o espaço, procurando por qualquer coisa fora de lugar. Meu estômago é uma bagunça confusa e meus nervos estão na beira, não só por ter mentindo para Sven, mas por saber que estou prestes a ver a minha irmã pela primeira vez em meses. Eu sei que não deveria confiar nela depois do que ela fez no passado, mas eu realmente espero que ela esteja pronta para me dizer que quer obter alguma ajuda real desta


vez, o tipo de ajuda, que somente um profissional pode dar a ela. Abrindo a porta, o cheiro avassalador de café me assalta, fazendo meu estomago embrulhar. Digitalizando os fregueses, vejo Morgan sentada em uma pequena mesa redonda na parte de trás, perto dos banheiros. Eu não pensei que fosse possível ela perder mais peso, mas ela perdeu. A blusa preta que ela está usando, mostram seus braços extremamente finos, e seus shorts jeans me dão uma visão de suas pernas, que estão tão finas, que eu posso ver os ossos dos joelhos e tornozelo, saltando pra fora. Fazendo meu caminho em direção a ela, me sinto lívida; ela parece frágil e doente. Sua pele perdeu a cor dourada, e está agora com uma cor acinzentada, e seu cabelo está tão ralo que eu posso ver seu couro cabeludo. Se foi a bela garota que fazia virar cabeças enquanto caminhava pela calçada, e em seu lugar está alguém que eu nem sequer reconheço. "Maggie", ela sussurra, levantando para me cumprimentar com um abraço. Abraçando-a de volta, meus braços quase podem envolvê-la duas vezes, e lágrimas queimam no fundo dos meus olhos. Soltando-me, ela dá um passo pra trás. "Deus, você está incrível, Maggie, incrível pra caralho." Ela sorri, mas eu ainda pego a tristeza e a dor em seus olhos enquanto ela fala. "Obrigada", murmuro, sentindo-me culpada por cada momento de felicidade que senti ao longo dos últimos meses; meses em que ela estava obviamente se deteriorando lentamente. "Você quer café?", pergunta ela, tomando um assento. "Não, obrigada", eu respondo, sentando em frente a ela. Nós duas nos encaramos por um longo tempo, e eu não tenho ideia do que dizer. Quero gritar com ela por ser


egoísta, mas eu também quero dizer a ela que eu sinto tanto sua falta. Não da Morgan que ela se tornou ao longo dos últimos anos, mas da Morgan que me ajudou a superar meu primeiro namorado quando eu descobri que ele beijou outra garota; a Morgan que eu poderia contar qualquer coisa; a Morgan, que era minha melhor amiga. "Obrigada por se encontrar comigo", diz ela calmamente e eu aceno. "Eu quero obter ajuda", diz ela bruscamente alto, tão alto que algumas das pessoas que nos rodeiam param para olhar para nós. "Você deseja obter ajuda?" Eu repito em voz baixa, não sendo capaz de manter a surpresa ou dúvida na minha voz. "Eu sei que eu errei." "Sim”, eu concordo. Eu não vou mimar ou adoçar as coisas para ela neste momento. Eu sempre faço isso, e nunca, nunca funcionou. "Você poderia ter conseguido me matar." "Eu ... Eu ... Eu sinto muito. Eu gostaria de poder mudar isso," ela sussurra quando meu telefone toca na minha bolsa. Puxando-o para fora, eu olho para a tela e vejo que Sven está chamando. Pressionando o botão para silenciar, eu aperto o telefone na minha mão e sinto meu coração acelerar. "Se você precisa atender, está tudo bem", diz ela, me estudando. Eu realmente, realmente não quero atender ao telefone. Eu realmente não quero, mas também não quero que Sven se preocupe. Deslizando o dedo pela tela, eu coloco o telefone na minha orelha. "Al-" Eu deixo cair meus olhos da minha irmã para o meu colo quando ele me corta. "Onde você está, Maggie?" Posso dizer que ele não está perguntando como se precisasse saber. Ele está perguntando pra ver se eu vou mentir pra ele sobre isso. Como ele sabe onde estou, não tenho a menor ideia, mas eu posso dizer que ele sabe.


"Starbucks", eu respondo, mordendo meu lábio quando ouço algo bater do outro lado do telefone, e eu sei mesmo sem estar na mesma sala, que foi seu punho que bateu no topo da sua mesa. "Quem está com você?" "Sven..." "Quem diabos está com você, Maggie?", Ele pergunta baixinho, e eu engulo. "Minha irmã." "Jesus, o que diabos você está pensando?!", ele ruge, e vejo minha irmã saltar com som. "Posso te ligar de volta quando eu sair daqui?" "Chame-me quando você entrar no seu carro, em seguida, venha direto para cá", ele exige. "EU-" "Chame-me quando você entrar no seu carro, em seguida, venha direto para cá", ele repete, e eu sinto minha espinha endurecer com seu tom, mas eu sei que agora não é o momento para bater de frente com ele. "Ok", eu concordo e seu telefone se foi, e eu sei que ele desligou sem sequer um adeus. "Quem era?" Morgan pergunta quando eu jogo meu celular de volta na minha bolsa. "Meu namorado," eu digo a ela, enquanto meu interior torce em um nó, porque isso pode não ser o caso por muito mais tempo. "Ele soa como um pau", ela afirma. Eu olho para ela, em seguida, assobio, "Ele está preocupado." "Ele ainda soa como um pau, e por que ele estaria preocupado?" "Eu não sei Morgan, talvez porque você tem uma tendência de trazer problemas com você onde quer que você vá," eu mordo fora sarcasticamente.


"Isso não é justo", ela sussurra, e eu corro minha mão pela minha testa e noto que elas estão tremendo. Tentando obter meus pensamentos juntos, eu fecho meus olhos, em seguida, abro de volta para olhar para ela. "Você disse que você deseja obter ajuda, então qual é seu plano?" "Eu preciso de algum dinheiro emprestado para que eu possa devolver para Carmine, e então eu irei para a reabilitação." "Morgan." Eu fecho meus olhos e me sinto esvaziar. "Maggie", ela chama, e eu abro meus olhos mais uma vez para olhar para ela. "Eu sei que você não tem muitas razões para acreditar ou confiar em mim, mas desta vez eu realmente quero conseguir ajuda”. Estudando-a, eu vejo a verdade em seus olhos, ou talvez eu esteja vendo o que eu quero ver. "Quanto?" Ouço-me perguntar, e assisto alivio inundar suas feições. "Quatorze mil." "Quatorze mil?" Eu engasgo. "Eu sei que é um monte de dinheiro, mas quando eu terminar a reabilitação, eu juro que te pago de volta, cada centavo." "Morgan, eu só... eu só não sei. Isso é um monte de dinheiro para apenas dar a você." "Eu não tenho mais ninguém para pedir," ela sussurra, deixando cair seus olhos para a xícara de café sobre a mesa, a qual ela está girando lentamente de um lado para o outro. Meu coração torce em meu peito enquanto eu olho para ela. Se eu não ajudá-la, ela poderia realmente acabar morta. Se eu ajudá-la, ela pode correr com o dinheiro e acabar morta de qualquer maneira. Isto é uma faca de dois gumes, se alguma vez existiu uma. "Você terá que me seguir para o banco. Eu não tenho esse tipo de dinheiro comigo," eu digo, e a xícara para de girar, seus olhos encontram os meus e estão inundados de alívio.


"Morgan é isso. Esta é a última vez. Eu te amo, mas eu não posso continuar fazendo a mesma dança com você. Se você não obtiver ajuda desta vez..” Eu balanço minha cabeça, deixando as palavras não ditas caírem entre nós. "Eu sei", ela sussurra. Deixando escapar um longo suspiro, eu levanto da mesa. "Como você chegou aqui?" "Amy me deixou", ela murmura, em seguida, continua quando ela vê o olhar de desgosto no meu rosto, "Eu estive hospedada com ela nos últimos dias." "Morgan-" "Não diga isso, ok? Eu já sei o que você vai dizer, mas você não precisa." "Tudo bem, você pode andar comigo", eu digo a ela, puxando minha bolsa mais perto do meu corpo. Uma vez que estamos em meu carro e em nosso caminho para o banco, meu telefone toca novamente, mas eu ignoro sabendo sem olhar que é Sven. Se eu lhe disser o que eu estou fazendo agora, ele não só vai ficar puto, ele vai ficar PUTO, e eu não posso lidar com isso agora. "Você quer que eu vá com você?" Morgan pergunta quando eu estaciono em frente ao banco. Olhando para ela, eu desligo meu carro e balanço a cabeça. "Eu voltarei. Não sei quanto tempo isso vai levar." "Eu vou estar aqui", ela murmura quando eu bato a porta. É preciso surpreendentemente menos tempo do que eu pensava que seria para conseguir o dinheiro. Eu não sei por que eu pensei que seria um processo, ou que eu teria que me sentar com um banqueiro, mas tudo o que eu tive que fazer foi ir ao caixa e dizer-lhes o quanto eu precisava, mostrar minha identidade, e assinar sobre o montante. Quando eu caminho de volta para o carro, vejo Amy em pé ao lado da porta do passageiro do meu carro, conversando com Morgan através da janela aberta.


Ignorando-a, eu volto para o carro, tentando me manter tranquila. "Oi, Maggie", Amy diz, mas tudo o que posso fazer é murmurar um baixo reconhecimento, antes de perguntar: "Você pode me dar um minuto para falar com Morgan?" "Hum, claro", ela concorda, olhando entre nós duas antes de recuar. Rolando pra cima a janela de Morgan, eu viro No meu assento para encara-la totalmente. "Pedi-lhe para vir. Ela disse que iria me dar uma carona. Eu não quero você metida nisso mais do que você está", ela me diz antes que eu possa dizer, o quanto ela saindo com Amy vai matar qualquer chance dela ficar melhor. Retirando o envelope da minha bolsa, eu seguro para ela, mas mantenho em minhas mãos quando digo baixinho: "É isso, Morgan. Eu não posso fazer isso novamente. Eu não vou fazer isso de novo, então se você voltar atrás com sua palavra desta vez, terminamos." "Eu sei", ela sussurra, tomando o envelope de mim. "Assim que terminar, eu vou chamá-la e dizer onde estou." "Claro", eu concordo, não realmente acreditando nela, mas esperando que ela esteja sendo honesta, ao mesmo tempo. "Prometo”. Ela segura seu dedo mindinho para mim. Sentindo lágrimas encherem meus olhos, eu coloco meu dedo mindinho em torno do dela e mantenho seus olhos. Liberando-me, ela sai do carro rapidamente sem dizer outra palavra. Eu espero lá por alguns minutos até que ela e Amy estão muito longe, em seguida, puxo para fora do estacionamento e sigo em direção ao centro, orando pra que Sven entenda porque eu tinha que ajudá-la. "Você não ligou," Sven me informa em um tom que eu nunca o ouvi falar antes quando eu passo pela soleira da porta do seu escritório.


Eu encontro ele quando se senta em sua mesa com uma caneta na mão e com a cabeça inclinada em direção a um papel diante dele, mas seus olhos não levantam para encontrar os meus, nem mesmo quando eu fecho a porta e murmuro: "Eu sei. EU-" "Você sabia esta manhã que você estaria indo encontrar sua irmã?", pergunta ele, me cortando antes que eu possa terminar minha frase. "Eu sabia", digo-lhe sinceramente, congelando no lugar quando seus olhos finalmente levantam para encontrar os meus. "Eu estou tão bravo com você agora", ele sussurra, e eu afundo na cadeira em frente a ele, com uma perda de palavras. Eu sabia que ele estaria bravo, mas isso é mais que bravo, e mais do que irritado. O calor que ele normalmente mantém em seus olhos para mim se foi, e em seu lugar está um olhar completamente em branco, um que me assusta mais que sua raiva. "Eu sei", eu concordo, sentindo meu lábio tremer. "Minha mãe quase matou o meu pai, e então ela tentou me matar", diz ele, me impressionando. Meu corpo acalma completamente; tudo em mim para. Juro, mesmo o meu sangue cessa de bombear em minhas veias. Eu perguntei a Sven, mais vezes que posso contar, sobre seus pais e sua família, mas ele sempre mudou de assunto, nunca dando nada. Eu pensei que talvez ele tivesse perdido eles, e era ainda muito doloroso para falar. Eu nunca, nunca teria pensado que ele passou por algo parecido. "EU-" "Ela era esquizofrênica. Eu era uma criança, então eu não sabia, mas meu pai sabia. Ela estava tomando medicação para isso, para manter sob controle, mas então um dia ela parou de tomar seus remédios, começou a jogá-los no lixo, convencida de que meu pai estava tentando matá-la. Ela iria


aparecer na minha escola e surtar, ou surtar em casa e chamar a polícia, dizendo-lhes que meu pai ou eu estávamos tentando matá-la. Ele sabia que ela tinha um problema, mas ele estava em negação sobre isso. Ele se convenceu de que ela tinha tudo sob controle uma vez e poderia obter-se sob controle de novo, se ele ajudasse”. "Eu evitava estar em casa com ela. Eu não poderia mesmo estar no mesmo quarto com ela sem me sentir como se estivesse me irritando, porque eu estava com tanto medo de que ela enlouqueceria— algo que ela fez muitas vezes." "Eu sinto tanto, querido," eu sussurro, mas eu nem mesmo acho que ele me ouve quando ele continua, o vazio distante em seus olhos nunca mudando. "Eu não sabia até mais tarde, até que fosse tarde demais, que uma multidão de médicos disse ao meu pai que minha mãe precisava ser colocada em algum lugar onde ela pudesse obter ajuda. Ele não os ouviu, pensava que se ele a amasse o suficiente, ele poderia amá-la através de seus problemas, mas essa é a coisa. Você não pode amar alguém através de merda como essa. Às vezes as pessoas estão além da ajuda. Meu pai descobriu da maneira mais difícil, quando minha mãe o esfaqueou doze vezes no peito enquanto ele dormia ao lado dela." Cobrindo minha boca com a mão, eu sinto um soluço subindo pela parte de trás da minha garganta e lágrimas fluindo silenciosamente pelos meus olhos. "Eu acordei naquela noite achando que alguém estava na casa. Eu não sabia que os sons que ouvi não eram de alguém invadindo, mas da minha mãe golpeando o peito de meu pai. Quando eu fiz meu caminho para o quarto deles, a porta estava meio aberta, e eu vi minha mãe sobre o meu pai, coberta de sangue." "Por favor, pare", eu sussurro, sentindo como se ele estivesse me punindo com suas palavras. O pensamento de


Sven como um menino pequeno, testemunhando algo tão horrível, me mata. Eu odeio isso por ele. Eu odeio que ele passou por algo como isso. E o que eu odeio mais, é o momento em que ele escolheu para compartilhar isso comigo. "Quantas vezes você já ajudou sua irmã, esteve lá pra ela, socorreu ela?", Pergunta ele, inclinando a cabeça para me estudar. Engolindo através da dor, eu balanço minha cabeça. Nossas histórias não são as mesmas, nem mesmo perto. "Quantas?", Ele repete com um estrondo. "Não é a mesma coisa, querido", eu sussurro gentilmente. Eu realmente quero ir para ele, para envolver meus braços em torno dele, mas seu corpo está duro, e eu sei que ele não quer isso, de jeito nenhum, não de mim. "Você mentiu para mim. Em meus braços, você porra mentiu para mim." Ok, essa cortou fundo, não que isso não seja verdade. Foi, mas ... Tirando meus olhos dos dele, eu tomo algumas respirações profundas. Eu faria isso de novo e de novo; Eu sempre vou correr para ajudar a minha irmã, porque eu me lembro que houve um tempo em que ela teria feito o mesmo por mim, eu sei disso lá no fundo. Ouço meu telefone tocar na minha bolsa, e me assusto com o som alto. "Deixe," Ele rosna, e eu mordo as lágrimas que sinto se reunindo em meus olhos e puxo meu celular da bolsa. Número Desconhecido está na tela, e eu sei, só sei que é Morgan. Deslizando meu dedo pela tela, eu ignoro a maldição de Sven e respondo com um calmo, "Alô". "Está feito. Você pode vir me pegar? Eu preciso chegar a algum lugar seguro esta noite." "Onde, quando?" Corro para fora, levantando.


"Vou encontrá-la no Shopping Galleria. Amy me deixará lá— em quinze, vinte minutos no máximo." "Ok." Eu desligo, deixando cair meu celular de volta na minha bolsa, e olho para Sven. O olhar vazio se foi, substituído por raiva. "Eu preciso pegar Morgan. Ela vai para a reabilitação," digo-lhe, esperando que ele pareça surpreso ou aliviado, mas sua expressão não muda. "Você faz isso..." Ele balança a cabeça e rasga a mão pelo cabelo. "Então é isso, Maggie." Eu tremo ao som de sua voz e sinto meu coração ser dividido em dois, não só pelo olhar em seus olhos, mas pela quantidade de ultimato em suas palavras quando ele as cospe para mim. "Eu tenho que ajudá-la", eu sussurro através da dor que as lágrimas em minha garganta estão causando quando eu as engulo para baixo. "Ela vai acabar conseguindo que você morra. Você não vê isso?", ele grita, levantando, fazendo com que a cadeira em que estava sentado deslize para trás e bata na parede atrás dele com tanta força que a janela chacoalha. "Sven." Eu balanço minha cabeça, quando meu corpo começa a tremer. "Não! Ela ou eu, Maggie, você escolhe." "Você não pode me pedir isso", digo-lhe, levantando a mão para ele quando dou um passo em sua direção em torno da mesa. Seus olhos caem para a minha mão e ele dá um passo para trás. "Faça a sua escolha." "O quê?" Eu respiro quando náuseas e ansiedade enchem meu estômago. "Faça a sua escolha," ele ruge, e eu tropeço um passo para trás, enquanto meu coração se despedaça. "Isso não é amor, Sven. Você pedir isso pra mim não é amor," eu digo a ele em voz baixa. Então viro em meus


calcanhares, corro de seu escritório e desço as escadas, passando por Lane, cujos olhos estão elevados para o escritório de Sven, parecendo chateado quando eles voltam pra mim. Eu não estou chorando agora, mas eu sinto as lágrimas se construindo no meu peito e eu sei... Eu sei que eu não tenho muito tempo antes de eu quebrar. "Maggie!" Eva grita, correndo em minha direção por trás do bar, quando ela me vê. "Desculpe," eu sussurro, correndo passando por ela. "Vá de vagar, menina," Teo diz, me parando com sua grande mão enrolada no meu braço assim que eu passo pela porta pra fora. "Eu preciso ir," eu choro, tentando arrancar meu braço de seu aperto. "O que está acontecendo?" Ele franze a testa, estudando meu rosto. "Deixe-me ir, Teo, por favor," eu imploro, me sentindo desesperada. Eu quero chorar. Eu quero gritar, mas mais do que tudo, eu quero fugir. "Vamos entrar", diz ele gentilmente. "Deixe-me ir", repito, e sua mão me solta e eu sou capaz de me libertar. Correndo para o meu carro, eu entro então tranco às portas. Eu não acho que alguém está me seguindo, mas eu não posso arriscar qualquer um tentando me parar, de novo não. Colocando meu carro em sentido inverso, eu bato no acelerador, em seguida, piso no freio, fazendo com que o carro sacuda e meu corpo deslize pra frente no meu assento. Colocando a marcha para dirigir, eu pressiono o acelerador, em seguida, desvio para perder Sven, que está de pé na entrada para o estacionamento. Eu nem sequer olho quando eu puxo para a rua. Eu apenas faço uma oração para que não haja nenhum carro vindo e assim eu não morra. Quando eu chego ao shopping, Morgan está de pé em frente com uma mochila no chão ao lado dos seus pés. Assim


que ela vê meu carro, ela pega a bolsa e corre em minha direção. "Eu não achei que você estava vindo", ela sussurra, entrando e afivelando o cinto, lembrando-me que eu preciso colocar o meu também. Eu nunca saio sem o cinto de segurança, mas eu nem sequer pensei em colocá-lo. "Você está bem?", ela pergunta, e eu não olho para ela. Eu não posso. Acabei de colocar o carro em marcha e decolo em direção à rodovia sem responder.

Puxando para a garagem dos nossos pais, Morgan pergunta: "Sério, Maggie?" Mais uma vez, eu a ignoro, da mesma forma que ignorei quando ela me perguntou para onde estávamos indo quando chegamos à estrada. Então, novamente, quando eu peguei a saída Pullman, a comunidade em que meus pais vivem, eu sinceramente nunca teria planejado vir aqui, mas quanto mais eu dirigia, quanto mais eu pensava sobre isso, mais eu percebia que era a vez dos meus pais lidarem com isso. Tenho vindo a fazer mais do que o meu quinhão de cuidar das pessoas. É hora de alguém ter as minhas costas. E esse pensamento dói, porque Sven deveria ter sido o único a fazer exatamente isso. Ele deveria ter colocado seus sentimentos pessoais de lado e me apoiar. Mesmo chateado, ele deveria estar aqui para mim, mas ele não estava, provando para mim que mais uma vez eu escolhi o homem errado, mas ao contrário de todos os outros, ele foi capaz de me machucar. Parando meu carro quando eu chego ao fim da estrada de terra, que termina perto da varanda da frente da casa de meus pais, eu murmuro, "Você quer ajuda, Morgan, então


você fará as coisas do meu jeito desta vez." Eu abro a porta, saindo sem outra palavra. "Moonpie?" Minha mãe chama em surpresa, saindo para a varanda seguida por meu pai. Eles não mudaram muito desde a última vez que os vi. Minha mãe é bonita para uma mulher de sua idade, com cabelo longo branco acinzentado, grandes olhos azuis, e uma pequena estrutura. Você pode dizer que ela cuida de si mesma, come direito, bebe água e faz exercícios— ou no caso dela, faz yoga regularmente. A idade do meu pai está começando a se mostrar, mas ele ainda é bonito. Seu cabelo ainda é espesso, e agora está grisalho em torno das bordas, mas combina com o loiro. Sua pele é escura do sol do Arizona, e seu corpo é firme de trabalhar fora diariamente em seu jardim ou na casa. "Morgan," meu pai sussurra um segundo mais tarde com preocupação gravada em seu tom de voz, e eu olho sobre o capô para ver que Morgan está fora do carro e olhando para a varanda da frente para os dois. "Oh meu," minha mãe suspira, descendo as escadas, apenas para fazer uma pausa no último degrau e cobrir a boca com a mão. "Podemos entrar?", pergunto, batendo a minha porta, provavelmente um pouco mais forte do que eu preciso, mas eu estou com raiva. Estou com raiva por que eles não se importaram quando eu lhes disse que Morgan estava desaparecida. Estou com raiva por que eles não enviaram tropas, como a maioria dos pais fariam, para procurar sua filha problemática. Mas eu estou puta que eles deixaram tudo isso cair nos meus ombros enquanto eles fingiam que estava tudo ótimo. "Vamos, nós apenas nos sentamos para jantar," meu pai murmura, seus olhos ficando duros de uma forma que é surpreendente. Meus pais são passivos; eles sempre foram passivos, nunca deixando muita coisa incomodá-los, então


vendo o olhar de raiva e decepção que meu pai está dirigindo à Morgan, é mais do que um pouco surpreendente. "Vocês têm bagagem?", pergunta ele, virando os olhos para mim. "Não", eu digo a ele, ganhando um aceno de cabeça antes dele tomar o cotovelo da minha mãe e levá-la para dentro. Atrás deles, eu pego a mão de Morgan e sigo, deixando-a saber silenciosamente que ela não está sozinha. A casa dos meus pais parece da mesma forma de quando eu era criança. Três passos longos levam a uma grande varanda coberta, que tem sido pintada de branco a cada inverno desde que me lembro. De um lado da varanda está uma rede, grande o suficiente para caber duas pessoas, um sofá de vime branco de dois lugares com almofadas coloridas, uma mesa de café com uma grande placa de metal cheia de velas diferentes tamanhos, e um tapete ao ar livre vermelho brilhante, onde minha mãe sempre faz a sua yoga. Andando pela porta da frente é mais da mesma vibração. A sala é pequena, mas é feita de cores florais brilhantes com plantas vivas em quase toda a superfície plana. A cozinha é antiga, mas bem conservada, a madeira no topo do balcão é do tipo que você encontraria em uma placa de corte. Em vez de armários, existem prateleiras abertas brancas, segurando pratos, e mais plantas, mas estas são ervas e as coisas que minha mãe usa para cozinhar. Parando com o meu pai, eu observo que a mesa para quatro lugares, está definida para dois, com uma grande panela tampada no meio. Uma das grandes coisas da minha mãe, ela sempre fez jantares de família em torno da mesa, e mesmo que eu e minha irmã tenhamos ido a um longo tempo, ela ainda manteve essa tradição. "Pegue mais dois pratos, Maisy," meu pai ordena a minha mãe, que não olhou para minha irmã ou pra mim novamente. Balançando a cabeça, ela vai para uma das prateleiras na cozinha e pega mais dois pratos, juntamente com talheres.


"Eu não estou com fome", Morgan diz ao papai, e sua cabeça se vira, seus olhos fixando-a no lugar, depois derruba, olhando-a, e eu sei que ele vê o que eu vejo, quando ele olha para ela. Quando seus olhos encontram os dela novamente, eu posso ver sua raiva incontida quando ele comanda, "Você vai comer." "Ok", ela sussurra, deslocando em seus pés. Soltando sua mão, eu tomo um assento. Sei que ela está tão surpresa com o comportamento do papai como eu estou, mas eu tenho que dizer que estou feliz por esta ser sua reação. Quando minha mãe volta para mesa uma segunda vez, ela tem dois copos cheios de água e define os dois para baixo antes de se sentar. Quando meu pai se senta, Morgan faz o mesmo, e minha mãe abre a grande panela no meio da mesa. Escavando para fora algum tipo de arroz e mistura de vegetais, ela coloca um pouco em cada um dos nossos pratos, o tempo todo evitando olhar diretamente para Morgan ou para mim. Eu não tenho ideia do que se trata, mas está começando a me irritar. Ninguém diz nada. Eu realmente não como; eu empurro a mistura de arroz em torno do meu prato, mas estou feliz de ver Morgan limpar seu prato e comer outro. Meu pai, que está do outro lado da mesa, de frente para mim, está olhando para sua comida como se fosse a causa de todos os problemas do mundo, e minha mãe está fazendo muito como eu, movendo a comida de um lado do seu prato para o outro. "Posso ficar por alguns dias?", Pergunto. Eu não sei por que essa é a minha pergunta, e não: ‘O que diabos nós vamos fazer sobre Morgan? ', mas isso é o que saiu, e é assim que os olhos de todos vêm a mim. "Você sabe que pode, Moonpie", mamãe sussurra, e meu pai resmunga algo que não consigo decifrar, com um aceno.


"Eu pensei que você estaria indo para casa para o seu namorado," Morgan entra na conversa, mas suas palavras soam quase acusatórias quando ela diz. Dor corre através de mim com o pensamento de Sven, mas eu ignoro, porque agora não é a hora de ter um colapso, e eu sei que uma vez que eu realmente me deixar pensar sobre ele, é exatamente o que vai acontecer. "Você vive com um homem?" Papai pergunta, olhando para mim. Eu realmente, realmente quero chutar Morgan debaixo da mesa por abrir sua grande gorda boca, mas em vez disso, eu apenas murmurar: "Algo ruim aconteceu e ─" "O que aconteceu?" Papai pergunta, e eu sinto Morgan tensa ao meu lado, mas eu não vou mentir por ela. Se uma coisa boa veio da história de Sven, é que você não pode proteger as pessoas que você se preocupa, cobrindo para elas, e eu estou cansada de dar cobertura a Morgan. "Morgan roubou algum dinheiro de um cara. Ele veio procurando por ela e me achou. Ele me agrediu e-" "O que?" Papai sibila, voltando a olhar para Morgan quando mamãe sussurra, "Oh meu Deus," ao mesmo tempo. "Isso é verdade?", pergunta o pai. "Eu sei que isso foi errado." "Você sabe que foi errado?" Mamãe repete em descrença. "Eu ..." Ela deixa cair sua voz. "Eu sei que eu errei. EU-" "Eu dei-lhe o dinheiro para pagá-lo de volta." Eu a corto. "Esperamos que tenha terminado e podemos avançar obtendo a ajuda que ela precisa," "Eu quero ajuda", Morgan diz suavemente, e eu encontro sua mão debaixo da mesa e dou-lhe um aperto depois solto. "No que você está?" Papai pergunta, e eu congelo, porque Morgan nunca foi honesta sobre isso. Ela nunca me disse diretamente que tipo de drogas ela estava usando e sempre negou usar, mesmo quando ela foi pega e levada pela polícia.


"Crack, principalmente, medicamentos prescritos quando não podia obter dinheiro suficiente para uma dose", ela diz, e meu corpo afunda para trás em minha cadeira. "Você vai passar por abstinência. Está pronta para isso?" Papai pergunta, e ela envolve seus braços em torno de si mesma e balança a cabeça, deixando cair seus olhos para a mesa. "Star," Mãe chama, usando o apelido de Morgan, e os olhos da minha irmã vão até ela, e desta vez eles estão molhados. "Nós te amamos. Eu sei que nós praticamente deixamos vocês garotas encontrarem seu próprio caminho, mas nós amamos você e sua irmã." "Por quê?" Eu pergunto, e os olhos da mãe vêm a mim. "Por que Moonpie?" "Por que vocês nos deixaram encontrar nosso próprio caminho?", pergunto quando lágrimas queimam meus olhos e minha garganta dói quando eu as engulo. "Vocês meninas sempre foram inteligentes" corta papai, e meus olhos vão para ele e minhas sobrancelhas desenham para baixo. "Não, eu era uma criança. Morgan era uma criança quando saímos de casa. Sim, nós duas tínhamos dezoito anos, mas nós não sabíamos muito sobre o mundo fora deste lugar, só o que amigos nos disseram e o que vimos quando estávamos na escola. Nenhuma de nós foi preparada para o mundo real e vocês dois só deixaram nós duas encontrarmos nossos caminhos." "Você fez bem para si mesma," mamãe argumenta, e eu fecho os olhos e solto um suspiro de frustração. "Eu não, não no início de qualquer maneira. Eu estava livre para fazer escolhas, e muitas delas eram ruins." "Você nunca disse nada," Pai defende, e eu balanço minha cabeça.


"Mesmo se eu quisesse pedir por conselhos, levariam dias para ter uma palavra de vocês." "Nós não sabíamos", murmura mamãe, e eu olho para ela. "Esse é meu ponto. Vocês como pais deveriam querer saber o que estava acontecendo, como estávamos indo. Não, 'Elas vão encontrar seu próprio caminho’, mesmo quando eu lhe enviei cartas explicando como as coisas estavam, vocês não estavam lá. Vocês dois apenas vivem aqui na sua pequena bolha, onde nada penetra. Não é justo para mim, e isso não é justo para Morgan." Virando-me quando ouço um gemido de Morgan, eu assisto lágrimas caírem dos seus olhos e seu corpo tremer. "Lamentamos que você se sentiu assim," Pai diz rispidamente, e eu ouço um som de aflição vindo da minha mãe quando ela se levanta e se move para Morgan, envolvendo-a em um abraço. "Eu não posso fazer isso sozinha, pai. Eu venho fazendo isso sozinha por muito tempo, e eu não posso mais fazer isso," eu sussurro, e sua mão vem do outro lado da mesa e eu coloco minha mão na dele. Eu não sei se as coisas vão mudar, mas eu realmente espero que elas mudem.


Capítulo 8 Sven Segundas chances "EU fodi tudo," murmuro, assim que Asher atende o telefone. Asher tem sido meu melhor amigo desde que eu tinha dez anos. Eu iria me esconder em sua casa a cada chance que eu tinha. Ele sabia o que estava acontecendo com a minha mãe, estava lá quando a merda veio a baixo, e seus pais me levaram com eles enquanto meu pai se recuperava no hospital. Ele é o melhor homem que conheço, um homem que eu respeito, e um homem que gargalhou há alguns meses atrás quando eu contei a ele que Maggie estava me deixando à beira da insanidade. "Dê-me um segundo," ele murmura, e eu ouço ele se mover. Tenho certeza de que ele está na cama com sua esposa, November, ou tem uma de suas garotas perto e está tentando fugir para que ele possa falar. Ouvindo uma porta abrir na outra extremidade, eu ando pela minha cova e me sento no escuro, sentindo minhas narinas inflarem quando me sento em algo duro e sei que é um dos livros de Maggie. Quando Justin ligou e me disse que Maggie estava com sua irmã, eu nem sequer pensei, eu pensei, mas nada disso foi bom. Tudo o que eu ficava vendo era meu pai, suas constantes desculpas para o comportamento da minha mãe, ao que isso levou. Não é uma desculpa para o meu comportamento, mas é a verdade. Até o momento em que percebi o que diabos eu fiz, o que eu pedi pra Maggie fazer, já era tarde demais.


"O que aconteceu?" Asher pergunta, e eu pressiono meus dedos na ponte do meu nariz, tentando colocar meus pensamentos em ordem apesar da dor no meu peito. "Maggie e eu ficamos juntos há algumas semanas." Eu digo a ele, percebendo quanto tempo passou desde a última vez que falamos. "Nós dois sabíamos que isso estava chegando", ele murmura, não parecendo surpreso. "Isso não explica o telefonema no meio da noite, a menos que você esteja chamando para que eu possa felicitá-lo por finalmente puxar o pau da sua bunda." "Foda-se," Eu amaldiçoo sob minha respiração, sentindo dor cortar no meu peito, a mesma dor que eu senti quando vi lágrimas nos olhos de Maggie e ouvi suas palavras suaves. Isso não é amor, Sven. Você pedir isso para mim não é amor. Ela estava certa; eu pedindo isso a ela não tinha nada a ver com amor. "O que você fez?" "Disse-lhe para escolher entre eu e sua irmã." "Que porra é essa, cara?", Ele ronca, parecendo irritado. "Sim”, eu concordo. "Jesus, você seriamente fodeu tudo." "Eu já sei disso. Agora eu preciso saber o que diabos fazer para sair dessa bagunça." "Onde ela está agora?", pergunta ele, soprando um suspiro, e sei que ele pensa que eu sou tão fodido como eu acho que eu sou. "Em seus pais." Quando ela saiu, eu tinha Justin a seguindo para ter certeza de que ela estava, e ainda está, segura. Eu queria ir atrás dela, mas depois do que aconteceu, eu não queria que ela reconhecesse meu carro, ficando chateado, e se machucando ao tentar fugir de mim. "Você pode ir lá?", pergunta ele em voz baixa.


"Não tenho certeza de como isso iria dar certo, e não tenho certeza se eu quero que na primeira vez que eu conheça seus pais seja quando eu estiver arrastando ela da casa deles chutando e gritando." "Chutando e gritando?" Ele ri, mas eu não estou brincando. Se eu chegar lá e ela se recusar a ir para casa comigo, eu trago ela, não importa como isso aconteça. "Você não está brincando." Sua risada morre e eu balanço minha cabeça, mesmo que ele não possa me ver. "Você ligou para ela?" "Sim, correio de voz." "Cristo, homem." "Que porra eu faço?" Eu rosno, levantando-me do sofá. "Vá buscá-la", afirma suavemente. "Se fosse November, eu iria obter sua bunda e trazê-la para casa. De jeito nenhum eu iria deixá-la cozinhando essa merda." "Você acha que é o movimento certo?", pergunto, já indo para a porta. "Você a ama?" Sua pergunta tem minha mão pausada na maçaneta, e eu largo minha cabeça para frente e fecho os olhos. "Sim, cara", murmuro, sentindo uma dor no meu peito com o pensamento dela não ser minha, de perdê-la. "Vá pegá-la, defenda seu caso, e traga-a para casa." "Obrigado, cara." "A qualquer hora, você sabe disso." "Sim, homem," Eu concordo, desligando o telefone. Entrando no carro, eu não tenho ideia do que diabos eu vou dizer quando eu vê-la. Eu só espero que tudo o que disser seja o suficiente para convencê-la a me dar uma segunda chance. Puxando para o lado da estrada, eu assisto Justin sair de uma Harley e esfregar os olhos. O garoto, que antes parecia como se um vento forte pudesse soprá-lo longe, agora


parece que poderia tomar Teo em uma briga e iria sair por cima. Eu rolo minha janela para baixo, quando ele chega perto, e ele sorri enquanto eu pergunto: "Você começou a usar esteroides?" "Seven-Eleven", ele responde, ignorando meu comentário. "É bom ver você, cara." Ele oferece sua mão para mim e agito uma vez. "Ela ainda está em seus pais?", pergunto, e seu rosto muda. "Sim, ela ainda está lá. Tudo está quieto." "Obrigado por estar olhando por ela, cara." "Você sabe que eu tenho suas costas, apenas feliz que eu estava na cidade e poderia ajudar." "Você não me diga que ainda estava à procura de sua irmã." A chamada de Justin me dizendo que Maggie estava com sua irmã foi inesperada. Eu nem sabia que ele estava na cidade, e muito menos seguindo Morgan. "Eu estava trabalhando em um caso separado e a vi, a segui, então, vi que ela estava com Maggie e chamei você." "Qual caso?", pergunto estudando-o e vendo algo que está fora. "Conversei com Kenton e Kai. Merda está indo para baixo com Paulie," diz ele efetivamente mudando de assunto. "Foda-se," Eu ronco, apertando o volante. "Vá buscar sua garota. Os caras vão estar na cidade em poucos dias. Nós vamos descobrir tudo depois." "Não estou ansioso para isso", digo-lhe, algo que ele já sabe quando eu olho para o deserto vazio além do meu parabrisa. "Nós provavelmente vamos nos estabelecer no lugar de Kai. Ele tem a melhor localização e melhor segurança. As mulheres podem ficar lá enquanto nós descobrimos nosso próximo passo."


Esfregando minha testa, eu me pergunto como diabos isso vai vir para baixo. Todos nós sabíamos que as coisas teriam chegado ao fim com Paulie, mas nenhum de nós pensou que estaria acontecendo isso rapidamente. "Basta ir buscar sua mulher, e o resto pode esperar." "Você vai voltar para a cidade?" "Sim, eu tenho algumas coisas para cuidar antes de todo mundo chegar à cidade." "Não vá fazer besteira, Justin. Espere nós nos encontrarmos." "O que você acha que eu sou", pergunta ele, dando um passo para trás, segurando os braços ao lado do corpo. "Que diabos aconteceu com você?" Seus olhos ficam mais escuros, uma escuridão que vem de ter visto muito, fazer muito. Eu não sei o que diabos aconteceu, mas algo fixou-se nele. Mas agora, eu não tenho tempo para falar com ele sobre isso. "Vá buscar sua garota", ele rosna quando ele atinge o capô do meu SUV uma vez, em seguida, caminha de volta para sua moto e joga uma perna sobre ela. Ele liga, o ronco alto soando através do deserto quieto quando ele vai embora. Virando para a estrada de terra em direção aos pais de Maggie, vejo casas espalhadas aqui e ali, e muitas casas verdes entre elas, juntamente com currais guardando cabras, galinhas, vacas e tal. Eu sei por rumores que esta comunidade adere a si mesma, a maioria das pessoas que vive fora da terra ou usando o sistema de troca para viver entre si. Eles fazem suas próprias regras e não aceitam pessoas de fora muitas vezes. Quando viro para baixo em outra estrada de terra, uma casa de dois andares aparece à distância. A cor azul brilhante destaca-se, mesmo no escuro. Puxando uma respiração profunda, eu solto o ar e paro em frente da casa. No momento que eu estaciono, a porta


se abre. Como eu esperava, para baixo da cabine, uma mulher que se parece com uma versão mais antiga de Maggie caminha para a varanda da frente. "Você está aqui pela minha filha?", pergunta ela com uma voz suave que me lembra a maneira como minha mãe costumava soar quando eu era uma criança, antes de ela parar de tomar sua medicação. "Sim, senhora." "Ela chorou até dormir. Não achava que podíamos ouvila, mas a casa é antiga e eu ouvi," diz ela quando eu piso no degrau. Esfregando meu peito sobre o meu coração, eu estou sem palavras. "Minha Moonpie é difícil, sempre foi", ela diz baixinho, olhando por cima do meu ombro. "Eu não sei o que aconteceu entre vocês dois. Ela não nos disse nada, mas eu sei que ela deve te amar," ela sussurra me estudando. "Maisy," um homem chama, saindo na varanda, parando quando ele me vê. Só de olhar para ele, eu sei que ele é o pai de Maggie. Eles têm os mesmos olhos, e a mesma expressão quando está irritado, o que ele obviamente está. "Quem é você?", Ele exige, deixando a porta bater logo atrás dele. "Sven, senhor." Eu dou os dois últimos passos até a varanda e estendo minha mão. Seus olhos caem para ela em seguida, levanta o olhar para sua esposa. "Vá para dentro, Maisy." "Monroe". "Vá para dentro, verifique Morgan, e certifique-se que ela está bem", ele diz, e ela olha para mim, em seguida, para o marido antes de assentir indo em direção à porta, parando quando ela abre uma polegada. "Espero ver muito mais de você, Sven", ela diz baixinho antes de desaparecer lá dentro.


Os olhos de Monroe vão desde a porta fechada para mim e ele acena com a cabeça para o deserto, quando ele toma os degraus da varanda. Maggie me disse que seus pais eram hippies, mas eu não estou recebendo de seu pai, a vibração de paz, amor e felicidade. Na verdade, ele parece pronto para cometer um assassinato. Eu sigo-o para a areia, a sujeira do lado de fora da casa, onde ele para e coloca os punhos nos quadris. "O que você está fazendo aqui?" "Eu vim para levar Maggie para casa," eu digo a ele honestamente. Não há sentido em mentir sobre o que vai acontecer, e ele gostando ou não, sua filha vai para casa comigo. "Você sabe sobre o que está acontecendo com a sua irmã?", Ele pergunta, e culpa me assalta quando eu respondo. "Sim senhor." "Você é o homem com quem a minha menina está morando?", Ele pergunta, travando os olhos em mim. "Sim." Eu aceno, empurrando as mãos nos bolsos das minhas calças. "Deduzi," ele murmura, olhando-me de cima a baixo, e pela primeira vez na minha vida, eu me sinto inseguro e nervoso. Eu nunca procurei aprovação de ninguém, nunca dei a mínima para o que qualquer um pensa de mim, mas do lado de fora da casa dos pais de Maggie, com os olhos de seu pai em mim, espero que ele veja algo digno de sua menina. "Ela está lá em cima. Amanhã, sua irmã irá para a reabilitação, por isso peço que vocês dois fiquem aqui até que ela esteja lá." "Eu vou fazer isso", eu concordo, e seus olhos se movem por mim novamente. "Você é um modelo como a minha menina?", Ele pergunta, e eu sorrio, pela primeira vez em horas.


"Não, senhor, eu possuo um clube e tenho algumas outras empresas ao redor de Vegas." "Bom", ele murmura, em seguida, vai embora, deixandome plantado enquanto ele se dirige para a casa. "Você vem, ou você vai ficar aí a noite toda?" Sem uma palavra, eu sigoo até a casa. "Ela está lá em cima, segunda porta à esquerda." Ele mergulha a cabeça na direção da escada. "Obrigado", eu digo, vendo sua esposa chegar ao seu lado, envolvendo o braço em volta da sua cintura. Subindo as escadas, eu paro fora da porta, em seguida, empurro o meu caminho para dentro. O quarto está escuro, mas eu ainda posso ver o esboço de Maggie sobre a cama. Tirando meu paletó, eu coloco-o na cadeira, em seguida, lanço meus sapatos e meias, retiro minha camisa e calças, e então vou para a cama. Eu puxo o cobertor para trás e me estabeleço em baixo, puxando-a contra mim e sentindo sua bochecha molhada bater no meu peito. "O qu...", ela sussurra sonolenta. Rolando-a em suas costas, eu cubro sua boca com a minha e seus braços embrulham ao meu redor por um momento, antes de se mudarem para me empurrar para fora. Puxando seus braços acima da cabeça, eu mantenhoos ali e sussurro: "Eu estou tão arrependido, bebê," contra seus lábios. "Eu fui à porra de um pau, e você não merecia isso." Virando seu rosto de mim, ela soluça, e esse som me corta. Colocando minha boca perto de seu ouvido, eu digo a ela suavemente, "Eu te amo, Maggie, para caralho. A ideia de algo acontecendo com você me mata. Eu sou um filho da puta egoísta quando se trata de você, baby." "Cale a boca", ela sussurra em meio às lágrimas. "Tão porra arrependido", repito, soltando minha testa ao lado de sua cabeça. "Você-"


"Eu sei," Concordo sem saber o que ela vai dizer. Chorando mais, seus dedos envolvem em torno dos meus e eu beijo sua testa, bochecha, e pescoço, em seguida, deixo suas mãos irem e rolo em minhas costas, puxando-a para cima do meu corpo. Seu rosto pressiona no meu pescoço e lágrimas molham minha pele enquanto ela chora. "Você me decepcionou quando eu precisei de você", ela respira, quando seu corpo para de tremer e as lágrimas morreram pra baixo. Porra. "Eu sei", eu concordo, e seus braços se movem de onde estavam entre nós, para deslizar sobre minha cintura. Sentindo-a se estabelecer sobre mim, meu corpo relaxa. Ficamos ali por um longo tempo em silêncio antes de eu finalmente perguntar: "Por que você mentiu?" Seu corpo aperta, e ela vai puxar seu braço para trás, mas eu agarro seu pulso e seguro-o no lugar contra o meu abdômen. "Eu não vou ficar puto. Eu só preciso saber para que isso não aconteça de novo," eu digo a ela suavemente, usando minha mão livre para correr os dedos pelo seu cabelo. "Você odeia minha irmã", ela sussurra, e meus músculos travam. "Eu não odei ─" "Toda vez que eu menciono ela você tem um olhar em seu rosto." Sua bochecha se move contra meu peito e seu cabelo desliza sobre a minha pele. "Não é um bom olhar." "Eu não odeio ela, Mags. Eu me preocupo com você e o que vai acontecer se você deixá-la entrar novamente. Há uma diferença." Sua cabeça levanta e ela olha para mim. "Por causa da sua mãe?" "Sim." Eu aceno, envolvendo minha mão em torno da volta de seu pescoço sob o cabelo dela.


"Nossas histórias não são iguais, querido", ela sussurra com preocupação em seu tom. Erguendo a mão, ela a coloca contra minha mandíbula, e seus dedos trilha em direção ao meu queixo. "Eu odeio o que aconteceu com você. Eu odeio isso e eu sinto muito." Fechando os olhos, deixo suas palavras penetrarem através de mim e seu toque cura uma ferida que eu nem sabia que ainda estava aberta. Só ela poderia fazer isso; só ela poderia me curar com um toque e algumas palavras suaves. "Eu te amo, Sven. Eu sei que não deveria ter mentido sobre o encontro com Morgan. Eu não sei se ela vai ficar melhor, mas eu sei que a amo o suficiente para querer que ela tenha a chance para obter ajuda." "Família", eu sussurro, e seu rosto suaviza. Ela está certa; família faz esse tipo de merda e as nossas histórias não são as mesmas. Meu pai fodido, mesmo depois que ele foi liberado do hospital, tentou arrumar uma desculpa para minha mãe voltar para casa. Felizmente, o juiz mandou-a para um lugar onde ela não seria capaz de ferir mais ninguém. Nos fins de semana, meu pai iria ficar perto com a possibilidade de passar tempo com ela, e quando eu terminei o ensino médio, ele se mudou para estar mais perto dela. Toda vez que meu pai me deixava para ficar com ela, meu ressentimento crescia um pouco mais. Se eu for honesto, senti-me abandonado. Atualmente, nos falamos raramente. Ele me verifica esporadicamente, e eu faço o mesmo. Nossas conversas telefônicas não são longas, nenhum de nós está disposto a falar sobre a merda que nos incomoda. Se não fosse pela família de Asher, eu não compreenderia a forma como uma família funciona. Eu não conheceria os pais, os reais, que nunca viram as costas para você. Eles não empurram você de lado para conseguir o que querem ou


precisam. Eu não saberia que a família está presa a você. Não importa o que, eles não abandonam você; então novamente, eu sei o quão ruim eu fodi com Maggie quando eu pedi a ela para me escolher, testando sua lealdade ao invés de fazer o que ela precisava de mim para fazer. "Eu nunca deveria ter pedido para você escolher." "Você não deveria. Eu entendo por que você fez, e isso me matou, mas mesmo sabendo que é apenas uma esperança de que Morgan irá obter ajuda, essa esperança é o suficiente para eu querer ajudá-la." "Você deveria se sentir assim. Ela é sua irmã," digo a ela, e ela dá um beijo no meu peito, em seguida, deita a cabeça de volta para baixo. "Como você sabia que eu estava aqui?", ela pergunta depois de um longo momento. "Um amigo meu te seguiu." "Sério?", ela pergunta, levantando a cabeça mais uma vez. "Sim, eu ia te seguir, mas não queria que você me visse e fizesse algo estúpido, que faria com que você acabasse ficando em um acidente naquela armadilha de morte." "Eu sou uma boa motorista." "Baby, você quase me atropelou, em seguida, puxou para fora na rua sem sequer tocar os freios." "Eu estava chateada." "Sim, eu sei. É por isso que eu não segui você", eu a lembro. "Como você entrou na casa?" "Seu pai e eu conversamos. Ele me disse em qual quarto você estava e enviou-me para cima. " "O quê?", Sussurra. "Embora, tenho que dizer baby. Eu pensei que você disse que seu pai era um hippie. Ele, com certeza, não se parece com um."


"Eu não sei o que está acontecendo com o meu pai", ela murmura. "Ele provavelmente está vendo que sua marca de cuidados paternais não está funcionando”. "Eu não sei. Eu nunca vi meu pai parecer decepcionado ou irritado, e ele estava os dois hoje à noite. Foi estranho." "Estranho", eu repito, com um sorriso, que ela deve ouvir porque sua mão bate contra o meu peito. "Estranho, e não é engraçado; é estranho." "Eu acho que é uma coisa boa. Ele se importa baby, e está mostrando isso." "Eu acho que você está certo", ela murmura, e eu passo a mão pelas costas dela e puxo para cima sua camisa para que eu possa correr meus dedos sobre sua pele, e percebo que sua bunda está nua. "Sven", ela sussurra enquanto eu a puxo para cima até ela montar em mim. "Você tem que ficar quieta, baby. Sua mãe disse que ouviu você chorando através das paredes, o que significa que ela vai ouvir se você for muito alta." Eu mudo e puxo para baixo minha boxer, sentindo seu calor úmido bater contra o meu abdômen assim como eu, e depois tiro sua camisa sobre sua cabeça. "Eu não sei se eu posso ficar quieta", ela choraminga a verdade quando eu a ajusto de novo e preencho-a com um golpe. Passando os braços ao redor da sua cintura, eu seguro ela no lugar, deixando cair minha testa contra seu peito, e cerro os dentes para não gozar. Não importa quantas vezes porra eu entro nela, nada pode me preparar para isso. As mãos dela se mudam para meus ombros e seus quadris balançam para frente levemente. "Foda-se", eu assobio quando inclino minha cabeça para trás, acariciando minha mão pelas suas costas e em seu cabelo, e puxo sua boca para baixo sobre a minha. Eu, então, uso meu domínio sobre sua cintura para balançá-la contra


mim, enquanto eu engulo seus gemidos. Suas mãos envolvem mais apertado em volta dos meus ombros e suas unhas cavam em minha pele assim que seu ritmo pega. Levantando-a, eu fico de joelhos, então, a coloco em suas costas. "Quero foder você", eu sussurro contra sua boca, mantendo meu ritmo lento, sabendo que não posso fazer o que eu quero fazer. Os pais de Maggie estão em algum lugar na casa junto com sua irmã, e Maggie não sabe como ficar quieta. "Sven", ela sussurra de volta quando suas paredes contraem. Cobrindo sua boca com a minha mão, eu mergulho minha cabeça e puxo seu mamilo. Suas paredes contraem novamente, desta vez puxando-me mais profundo. Beijando a ponta do seu mamilo uma última vez, eu passo para o outro seio. Então ela geme contra a palma da minha mão, suas pernas bloqueando na minha cintura e seus quadris empurram quando ela goza. Levantando, eu cubro sua boca mais uma vez com a minha, e gemo em sua garganta quando eu gozo forte, plantando-me profundamente, e puxo a minha boca da dela. "Eu te amo", diz ela, deslizando a mão nas minhas costas. "Também te amo, baby." Eu beijo-a suavemente, em seguida nos viro e estabeleço ela contra o meu lado. "Nós estamos de cabeça para baixo", ela sussurra, então gargalha, enterrando seu rosto contra o meu peito para cobrir sua risada. Sorrindo, eu arrumo nós dois na cama; estabeleço ela ao meu lado, e arrasto as cobertas sobre nós. "Cansada?" Eu pergunto, sentindo seu sorriso contra o meu peito antes dela responder suavemente. "Tem sido um longo dia." "Nós precisamos falar sobre mais uma coisa antes de dormir," eu digo a ela em voz baixa, correndo a mão por suas costas, passando meus dedos em torno da volta de seu pescoço.


"Isso não parece bom." "Não é," Eu concordo, e seu corpo fica tenso. Eu acaricio minha mão pelas suas costas novamente. "Alguma merda estará vindo pra para baixo em algum tempo, merda que você não precisa conhecer os detalhes, mas merda que me colocou na posição de dizer-lhe sobre isso, de qualquer maneira." "Ok, agora eu estou assustada", ela murmura, pressionando mais perto. "Não surte, baby. Apenas ouça e saiba que não importa o que aconteça, esta merda não vai tocar em você," eu digo suavemente, então digo a ela o resto, informando-a sobre Kenton e o que aconteceu com ele e sua esposa, Autumn, sobre Kai e sua esposa, Myla, e então a deixo por dentro sobre Paulie e seu filho que agora está morto, e o que isso significa para mim e para ela. "Caramba", ela sussurra quando eu acabo, e eu luto contra isso, mas não posso evitar, sinto-me sorrir. Eu apenas disse a ela que estamos planejando afastar um dos maiores chefes do crime em Las Vegas, e sua resposta é 'Caramba’. "Você está bem?" "Eu não sei o que eu deveria dizer. Eu estou bem, mas vou dizer que não importa o que aconteça, eu vou ter suas costas." Balançando minha cabeça, eu rolo-a a suas costas e pairo sobre ela. "Você não vai estar envolvida nisso, Maggie. Quando chegar a hora, vamos ficar no lugar de Kai. Myla e Autumn vão estar lá também. Vocês meninas vão ficar sob o radar, onde vocês estarão seguras." "Então, eu deveria apenas deixá-lo fazer o que quer que você esteja fazendo, enquanto eu me sento em casa." "Sim", eu concordo, e até mesmo no escuro, eu vejo seus olhos estreitarem. "Não fique chateada, querida."


"Tarde demais", ela responde, e eu começo a rir. "Você não é o chefe—" Cobrindo sua boca com a minha, eu abro suas pernas com meus joelhos e afundo dentro dela com tanta força que seu fôlego sai em um assobio, e então eu passo meu tempo mantendo-a quieta.

"Oh Merda." Abrindo um olho depois o outro, meu olhar se concentra em uma mulher, e leva um momento para eu perceber onde estou. Movendo meus olhos da mulher que eu sei que é a irmã de Maggie, Morgan, para Maggie, que está segurando uma xícara de café em sua mão perto de sua boca, escondendo o sorriso que eu ainda posso ver em seus olhos; eu pisco. "Com fome?" Maggie pergunta, e meus olhos se movem sobre ela e eles aquecem. "Ok, vejo vocês lá embaixo," Morgan resmunga, deixando o quarto rapidamente, e eu me sento, em seguida, encosto contra a cabeceira. "Venha aqui." Eu estendo minha mão para Maggie, e ela fica na cama de joelhos, em seguida, corre em minha direção. Tomando a xícara dela, eu deixo-a sobre a mesa lateral, em seguida, a puxo para frente. "Bom dia, baby." "Bom dia," ela sussurra, estudando meu rosto por um momento, e então seu rosto escurece e seus olhos caem para a minha boca. "Que horas você acordou?" Eu questiono, percebendo que seu cabelo está úmido, mas não molhado, então eu sei que ela tomou banho há um tempo. "Uma hora atrás."


Correndo minha mão para cima na parte de trás de seu cabelo, eu inclino sua cabeça para mim, em seguida, sussurro, "Você deveria ter me acordado." "Você precisava dormir." "Você ainda deveria ter me acordado, em vez de trazer sua irmã aqui para me encarar." Apertando os lábios, eu posso dizer que ela está tentando não rir, e seus olhos se movem por cima do meu ombro antes de murmura: "Mamãe estava falando com ela sobre você antes de eu chegar lá embaixo e disse-lhe que você se parece como uma estrela de cinema, e Morgan queria ver por si mesma, e não aceitou um não, como resposta, quando eu disse que ela não poderia entrar no quarto, porque você estava dormindo." "Ela estava no quarto quando eu acordei," eu aponto o óbvio. "Sim, ela me irritou, então eu a deixei entrar para provar um ponto." "Para provar um ponto", repito, sentindo minhas sobrancelhas estreitarem. "Não é importante", ela murmura, tentando se afastar, mas eu seguro-a no lugar. "Beije-me, em seguida, mostre-me onde é o banheiro." "Ou o quê?", ela pergunta, e eu sorrio para isso, e seus olhos caem para a minha boca novamente antes de brilharem em chamas. "Tudo bem, mas só porque eu quero fazer isso", ela resmunga, beijando-me brevemente, em seguida, se afastando. Deixando-a ir, eu posso ver a confusão nos seus olhos, mas eu ignoro isso e me movo para me sentar ao lado da cama, então levanto, deixando o lençol cair da minha cintura. Escondendo meu sorriso, eu inclino minha cabeça para o lado e instigo, "Você viu minhas boxers, baby?" "Boxers?", pergunta ela, lambendo os lábios.


"Meus olhos estão aqui em cima, Mags." "Seus olhos", ela murmura, e eu rio, envolvendo minha mão em torno da volta de seu pescoço, puxando-a tropeçando sobre mim. "A Casa está acordada, baby. Todo mundo levantou. Tenho certeza de que eles estão esperando por você e eu lá em baixo, então, por mais que eu gostaria de te dobrar na cama e te foder, eu não posso — não agora de qualquer maneira. Quando voltarmos para casa, será uma história diferente." "Certo", ela sussurra, deixando cair sua testa no meu peito. "Papai e mamãe querem ir comigo para deixar Morgan." "Bom, eu vou dirigir", eu digo a ela em um aperto. "Eu dirijo", ela murmura sobre minha pele. "Apenas duas pessoas podem caber em seu carro, baby. Vamos deixar seu carro aqui e pegá-lo quando deixamos seus pais em casa." "Tudo bem." "Tudo bem." Eu sorrio, e beijo o topo da cabeça dela. "Como você está se sentindo esta manhã?" "Ok," Ela encolhe os ombros, em seguida, esfrega as mãos pelo seu rosto. "Eu só quero acabar com isso." "Você está fazendo tudo o que pode, mas, no final, vai ser a escolha dela, se ela vai melhorar ou não, e nada que fizer vai mudar isso." "Eu sei que você está certo", ela sussurra baixando seus olhos dos meus. Usando meus dedos sob seu queixo, eu puxo para cima. "Você vai ficar bem?" "Sim." "Sim", eu concordo, sabendo que ela ficará. "Mostre-me o chuveiro e eu te encontro lá embaixo quando eu terminar."


"Ok", ela concorda, apoiando-se na ponta dos pés e beijando meu maxilar antes de caminhar até a cama, pegando minhas boxers da massa de cobertores, e jogandoas para mim. Agarrando seu café da mesa do lado, ela abre a porta do quanto uma vez que coloco minha cueca, então segue pra baixo do corredor e empurra a porta para o banheiro. Seguindo-a para dentro, eu a vejo pegar uma toalha do armário, então a barra de algum tipo de sabão de uma das prateleiras. "Eu estarei lá em baixo." "Eu estarei lá em breve." Acenando, ela passa a mão pelo meu abdômen depois desaparece, fechando a porta atrás dela. Uma vez que tomei banho, eu volto para o quarto e abro a porta, surpreso quando eu encontro Morgan sentada na cama, com as mãos no colo e a cabeça inclinada para baixo. "Morgan?" Eu questiono, e ela salta brevemente, em seguida, seus olhos correm para o meu peito e trancam nos meus. "Por que você está aqui?" Eu pergunto, tentando manter a irritação que estou sentindo para fora do meu tom, e seus olhos caem em seu colo novamente quando ela fala. "Eu...eu queria falar com você sobre Maggie." Deixando a porta aberta, eu vou para a minha calça e piso dentro dela, então encolho meus ombros na minha camisa, esperando ela dizer o que diabos ela veio dizer. "Fale", eu lato, e ela salta. "Você estava esperando neste quarto quando eu saí do chuveiro, Morgan, enquanto sua irmã está lá embaixo. Tenho que dizer que estou um pouco irritado." "Um pouco irritado?", Ela murmura como se dissesse ‘Sim, certo’. "Morgan", eu digo, perdendo a paciência. "Por que você está com a minha irmã?", ela pergunta, olhando para mim.


Meus dedos ainda estão sobre os botões da minha camisa e os meus olhos estreitam. "Perdão?" "Levou um tempo para eu descobrir isso, mas eu conheço você", ela sussurra a última parte, e minhas narinas alargam. "Maggie não conheceria você, porque ela não saia muito, mas eu conheço você. As mulheres falam, e falam sobre você, muito." Ela arrasta para fora a última palavra, levando-me de irritado para furioso. Isso também causa náuseas no meu estômago, porque ela está certa. "Não que eu precise justificar a minha relação com Maggie para você, mas eu estou apaixonado por ela, tenho estado por um longo tempo, porra, e não houve mais ninguém desde o momento em que a conheci," Eu rosno. "Morgan?" Maggie chama, entrando no quarto. "O que você está fazendo aqui?", ela questiona, olhando entre sua irmã e eu. "Só falando com Sven," ela responde ao levantar-se da cama e passa suas mãos na frente de seus shorts. "Eu ouvi você," Maggie diz a ela em voz baixa, e Morgan olha para mim antes de olhar para sua irmã de novo, balançando a cabeça. "Ele é um... Você não tem ideia do tipo de história que ouvi sobre ele," Morgan diz a ela, e eu me sinto endurecer. "Você é uma drogada, Morgan", sussurra Maggie, e Morgan empalidece então sussurra: "Isso não é justo." "Não é? E por que isso?" Maggie pergunta, dando um passo em minha direção, chega a mim e coloca sua mão na minha. "Eu estou indo obter ajuda", diz ela, deixando cair às mãos ao seu lado, ficando mais alta enquanto suas mãos se fecham em punhos. "Então você vai mudar?" Maggie pergunta, estudando-a.


"Sim", ela declara veementemente, e eu vejo isso em seus olhos, a vontade de ficar limpa, a razão de Maggie se colocar na linha, uma e outra vez para ajudá-la. "Isso é bom, Morgan." Maggie acena dando mais um passo para trás para mim. "Mas eu espero que você se lembre deste momento. Espero que um dia, quando alguém estiver te julgando pelo seu passado, você se lembre deste momento," ela sussurra, virando o rosto para mim, perdendo o recuo de Morgan quando ela faz. Colocando as mãos contra o meu abdômen, sua cabeça se inclina para trás, e eu descanso minha mão em torno do lado do seu pescoço e inclino meu rosto mais perto dela. "Mamãe fez café da manhã, e ela fez um monte. Venha comer." "É tofu?", pergunto com uma falsa careta. Sorrindo, suas mãos se movem para cima do meu peito e ela responde com um silêncio, "Sim." "Ótimo," eu minto, inclinando-me, colocando um beijo em sua testa, e depois me levanto, e os meus olhos encontram os de Morgan, que está olhando entre nós dois com um olhar quase de surpresa em seu rosto, antes de abaixar sua cabeça e sair do quarto, sem outra palavra. "Sinto muito sobre isso", Maggie diz, trazendo minha atenção de volta para ela. "Não sinta. Ela estava preocupada com você." "Sim, bem, eu ainda estou irritada com ela por ter feito isso", ela resmunga. "Irritada, hein?", pergunto com um sorriso, e ela bate no meu peito revirando os olhos. Beijando sua testa mais uma vez, eu pego meus sapatos e me sento no lado da cama, colocando os dois pés antes de deixá-la me levar lá em baixo para a cozinha, onde sua mãe fez um café da manhã para cinquenta pessoas ao invés de cinco, e é tudo empilhado no meio de uma pequena mesa redonda. Tomando um assento


ao lado de Maggie, eu inclino-me e sussurro: "Onde está o tofu?" Fazendo-a rir e inclinar-se para o meu lado. "O que é engraçado?", seu pai pergunta, colocando uma pilha do que parece ser panquecas de trigo integral no prato. "Sven não é um fã de tofu," Maggie diz a ele, sorrindo. "Sério?", pergunta ele, olhando para mim. "Não é uma das minhas coisas favoritas para comer", digo-lhe, dando na parte interna da coxa do Maggie um apertão, e suas pernas imobilizam minha mão. "Eu sinto falta de bacon," ele admite, e a mãe de Maggie olha para ele. "O que? Isso é verdade," ele resmunga. "Eu nem sabia que você já tentou comer bacon," Maggie diz calmamente, olhando para ele como se nunca tivesse visto ele antes. "Eu não sempre fui um vegetariano. Nem sua mãe." "Sério?" Morgan pergunta assim que ela ocupa um lugar entre seus pais em uma cadeira que não coincide com o resto das que estão em torno da mesa. "Realmente," sua mãe responde, beijando a bochecha de Morgan. "Você dormiu bem, Sven?" Maisy pergunta enquanto Maggie empilha panquecas e frutas no meu prato. "Dormi muito bem. É tão quieto aqui." "Sim, uma das minhas coisas favoritas sobre a vida aqui fora é o silêncio", diz Monroe, e então seus olhos se movem entre as meninas na mesa. "Mas eu perdi a casa barulhenta, como quando vocês meninas, estavam em casa." Olhando por cima da mesa, vejo os olhos de Maisy se encherem de lágrimas, então olho para Morgan, e percebo que os dela estão iguais. Eu sinto a mão de Maggie se mover para a minha em meu no colo e apertar. "Eu sinto falta de você, também, pai. Eu sinto falta de você e da mamãe também," Maggie sussurra, e seu pai


chega mais perto, dando em seus ombros um suave aperto, em seguida, seus olhos se movem para mim. "Prometa-me que vai trazer a minha menina mais vezes?" "Eu vou fazer isso", eu concordo suavemente, e a mão de Maggie tem espasmos na minha. Eu não tenho certeza o que aconteceu com eles, mas eu posso ver que todos eles querem ser uma família; eles simplesmente perderam o rumo em algum ponto. "Da próxima vez que vier, eu vou ensinar a vocês um pouco de Kama Sutra," Maisy diz feliz, e minha cabeça gira em seu caminho. Eu não sou alguém que é surpreendido facilmente, mas esse comentário definitivamente me surpreendeu. "Mãe!" Maggie grita ficando vermelha. "O que, Moonpie? Um relacionamento sexual saudável é bom para a alma," Maisy diz a sério, e o rosto de Maggie vira um tom mais escuro de vermelho, antes que ela cubra isso com as mãos. Ouvindo Monroe rir, eu olho para ele quando ele murmura, "Bem-vindo à família," Jesus. Felizmente, o resto do café da manhã é um pouco normal, com Maggie e Morgan recuperando o atraso com seus pais. Quando terminamos de comer, temos um pouco mais de duas horas para levar Morgan a clínica para o check-in ao meio-dia, deixando-nos apenas tempo suficiente para parar no caminho até lá para pegar algumas roupas e necessidades antes de voltar à estrada. Quando chegamos a Guiding Light, a clínica de reabilitação, estou surpreso de encontrar uma bela casa de três andares, em vez de um hospital obsoleto. A casa situase na encosta de um penhasco rochoso, com varandas abertas fora de todos os três andares na parte de trás da


casa. A paisagem é aberta e feita de uma forma que me faz lembrar um SPA ou retiro. Olhando ao redor, eu não duvido que este lugar custa uma boa grana, e eu sei que não há nenhuma maneira no inferno que Morgan pode pagar algo como isso, e eu não acho que os pais de Maggie podem também, significando que tudo isso está saindo do bolso de Maggie, mostrando o quanto de fé ela tem na recuperação de sua irmã. "Vou ajudar Morgan a fazer o check-in. Você quer vir?" Maggie pergunta suavemente do meu lado enquanto eu coloco o SUV em ponto morto. Virando, eu olho para ela e balançar a cabeça. Morgan não precisa de mim lá dentro; ela precisa de sua família. "Não, querida, eu tenho meu celular comigo. Chame se precisar de mim," digo a ela suavemente, dando a sua mão um aperto. "Eu não vou demorar." Ela se inclina, beijando minha bochecha, em seguida, abre a porta e sai, seguida por sua mãe, pai e Morgan do banco traseiro. "Morgan", eu chamo antes de ela fechar a porta. Seus olhos vêm a mim, mas eu posso dizer que ela ainda tem sua guarda levantada. "Você tem isso", eu digo a ela, e seus olhos suavizam e ela mastiga o interior de sua bochecha antes de acenar e bater a porta fechada. Uma hora depois, eu localizo Maggie e seus pais empurrando através da porta, e eu saio do SUV e me encosto contra ele, notando que cada um deles tem variados olhares de tristeza e esperança gravados em suas feições. Eu sei que isso não vai ser fácil para Morgan, mas isso também vai ter um preço para sua família. Observando Maggie, ela pega a mão de sua mãe e diz algo a seu pai, que acena com a cabeça antes de Maggie leva sua mãe a um dos bancos ao longo do caminho que leva à porta da frente.


"Tudo bem?", pergunto a Monroe quando ele está ao alcance da voz. "Ficará. O lugar é bom, e os médicos lá dentro parecem saber o que eles estão falando." "Isso é bom," eu digo tranquilamente depois olho para trás em direção a Maggie e sua mãe, que agora estão se abraçando. "Ela ama você." Chicoteando minha cabeça em direção a ele, eu sinto minha garganta ficar apertada. Não importa quantas vezes Maggie diga essas palavras para mim, eu não me sinto digno delas, e não sei se um dia vou sentir. "Eu sei," Concordo depois de um momento. "Você vai se casar com ela?" "Definitivamente." "Eu quero levá-la até o altar, por isso não vá arrastandoa até qualquer capela." "Eu vou tentar não fazer isso, mas eu não estou fazendo nenhuma promessa," murmuro, honestamente, e seus olhos enrugam. "Eu acabei de te dar uma ideia, não é?", Ele pergunta, e eu rio, porque, foda sim, ele fez. "Nunca pensei que ficaria feliz de ver uma das minhas meninas com um homem como você, mas eu tenho que dizer que eu estou muito danado emocionado." Olhando para ele, eu faço isso por um longo tempo. Eu nunca acreditei que eu era um homem bom, ou até mesmo uma boa pessoa, mas ter a aprovação do pai de Maggie significa algo mais do que ele jamais saberá. "Obrigado", murmuro e ele balança a cabeça, cruzando os braços sobre o peito. "Está tudo bem?" Maggie pergunta, caminhando para nós, de mãos dadas com a mãe dela. "Está tudo bem. Você está bem, Maisy? "Monroe pergunta a sua esposa, envolvendo o braço em volta dos seus ombros.


"Ficarei", ela sussurra, repetindo a declaração dele anterior, inclinando-se para o seu lado. Olhando para Maggie, eu coloco minha mão contra o lado de seu pescoço, puxando-a para perto de mim, e pergunto: "Você está pronta para ir para casa?" O rosto dela fica suave e ela balança a cabeça, em seguida, olha para seus pais. "Obrigada por ter vindo comigo hoje", ela diz para sua mãe e pai, envolvendo seu braço em torno da minha cintura, deixando cair seus olhos para o meu peito. "Nós amamos você e sua irmã, Moonpie," Maisy diz suavemente, pegando a mão de Maggie na dela, dando-lhe um aperto. "Estamos apenas lamentando não ter estado aqui para você duas antes", ela diz e eu posso ver a tristeza em seus olhos. "Nós estaremos aqui a partir de agora", Monroe afirma, puxando uma respiração profunda. Observando-o com seus olhos macios em Maggie eu prometo cobrá-los por esta declaração.


Capítulo 9 Maggie Balas não param mandões. "Você está quase pronto?" Grito em direção ao banheiro, quando eu atravesso o quarto para o armário, enquanto fecho a parte de trás da minha saia lápis preta apertada. "Eu ainda acho que você deveria ficar em casa." Minha mão faz uma pausa no top pendurado em um gancho perto do armário, e eu olho por cima do ombro para Sven, que está encostado à soleira da porta, com os braços cruzados sobre o peito nu. "Eu não vou ficar em casa. Eu estive fora por dois dias, e ontem estivemos cuidado das coisas da minha família, o que significa que durante dois dias, eu não fui para o clube. E, embora você mantenha as coisas organizadas, você nem sempre se certifica de tudo o que precisa ser encomendado é ordenado," digo a ele, observando seus olhos apertados de uma maneira que prova que estou certa, mesmo que ele nunca vá admitir isso. "Será que você nunca considerou se mudar?" Pega de surpresa com a pergunta, eu pergunto: "O que?", enquanto isso tiro mina blusa rosa escura do cabide e deslizo em cima do meu corpo fino. "Será que você nunca considerou se mudar para outro lugar?", Ele pergunta quando eu viro o rosto para ele, abotoando a minha camisa. "Em algum outro lugar, como, onde?", pergunto, estudando-o e me perguntando de onde isso está vindo.


"Tennessee?" "Onde você cresceu?", eu pergunto. Ele falou sobre sua cidade natal muito, e sobre a família com quem ele cresceu, e sei que ele sente falta deles, mesmo não dizendo. "Sim." Ele balança a cabeça, descruzando os braços e se empurrando para longe da porta. "Você quer se mudar?" Eu questiono assim que ele chega mais perto, e, então, começo a andar para trás quando seus olhos caem para meus dedos trabalhando nos botões sobre os meus seios, em seguida, escurecem. "Fique para trás. Eu preciso ficar pronta." Eu estendo a mão, na esperança de mantê-lo na baía. "Eu acho que eu deveria apenas te manter amarrada à cama", ele murmura, prendendo minha mão entre nós quando minhas costas batem na parede, e suas mãos envolvem em torno da minha cintura e deslizam para trás sobre a minha bunda, puxando meus quadris nos dele. Sussurrando: "Isso não vai acontecer", eu mordo meus lábios enquanto sua boca viaja pra baixo na minha garganta. Descansando minhas mãos em seus ombros, eu empurro. "Sven." "Eu estou bem aqui, baby." "Nós temos que sair para o trabalho," Eu gemo enquanto sua mão desliza para baixo no meu quadril, minha coxa, e debaixo da minha saia, e, quando ele empurra a renda da minha calcinha para o lado, seus dedos circulam meu clitóris, com tal precisão que meus quadris batem. "Você pode ter esquecido, mas eu sou o chefe." Ele belisca meu ouvido. "Prometo que se você for uma boa menina, eu vou deixar você manter o seu emprego." Seus lábios viajam no meu pescoço e meus olhos deslizam fechados. Passando minhas mãos de seu pescoço até o seu cabelo, meus dedos emaranham com os fios e eu puxo para trás até que seus olhos encontram os meus.


"Nós realmente precisamos pa-" Palavras se alojam na minha garganta quando dois dedos grossos entram em mim e sua boca cai para baixo sobre a minha. Enfiando a língua na minha boca, o polegar circula meu clitóris e seus dedos trabalham mais rápido até que eu estou montando sua mão. "Goze", ele exige contra a minha boca, e eu faço. Meu núcleo convulsiona, chupando seus dedos mais profundamente quando eu gozo duro, meus olhos deslizam fechados, minha cabeça cai contra a parede, e meu corpo vira líquido. "Um gosto", ele sussurra, puxando para trás, e suas mãos amontoam minha saia para cima sobre meus quadris e ele cai de joelhos na minha frente. Olhando para baixo do comprimento do meu corpo, eu vejo o pressionar o nariz na junção entre as minhas coxas, em seguida, ele puxa minha calcinha para o lado e sua língua vem para fora, lambendo minhas dobras. Observando seus olhos fecharem, minha cabeça cai para trás contra a parede mais uma vez. Não há nada melhor do que ele me tocar, nada melhor do que vê-lo desfrutar de meu corpo. "Sven," eu sussurro, agarrando o topo de sua cabeça para que eu não caia enquanto sua língua se move rapidamente contra o meu clitóris e seus polegares espalham-me aberta. Estou perto, tão perto. Erguendo-me na ponta dos pés, a sensação de sua boca em mim começa a me oprimir. Ouvindo um som de tapa alto no quarto silencioso, meus olhos se abrem e meu núcleo convulsiona quando a picada de sua mão se instala na pele da minha coxa. Inclinando a cabeça em direção a ele, nossos olhos se encontram e ele me bate mais uma vez, desta vez com mais força, a picada e o olhar em seus olhos me enviam em um orgasmo que tem o meu corpo se iluminando de dentro para fora, cada célula detonando ao mesmo tempo, a enviando-me para a estratosfera. Eu nem sequer percebo que sou eu fazendo os


barulhos de gemido até que eu percebo que Sven está me calando quando ele me segura em seu colo no chão. Abrindo os olhos, eu tento recuperar o fôlego e depois enterro meu rosto contra seu pescoço enquanto lágrimas enchem meus olhos. "Não chore", ele sussurra em meu ouvido enquanto sua mão se move sobre minhas costas em um movimento suave. "Eu não sei por que estou chorando." Eu fungo, enxugando o rosto com a palma da minha mão enquanto eu me agarro a ele com a outra. "Você tinha um monte acontecendo nos últimos dias." Ele beija o topo da minha cabeça mais uma vez, em seguida, puxa minha testa para fora de seu pescoço e seus olhos digitalizam meu rosto. "Eu estou bem", eu sussurro, e sua cabeça se inclina ligeiramente, como se ele estivesse dizendo: 'Sim, certo'. "Eu prometo. Foi apenas realmente um bom orgasmo," eu digo a ele, e ele sorri seu sorriso bonito, em seguida, descansa seus lábios contra minha testa. "Tudo que você tem que fazer é me dizer e vamos deixar o trabalho mais cedo", diz ele suavemente contra a pele acima da minha sobrancelha. "Eu vou ficar bem." "Eu sei, mas eu quero que você fique mais do que bem, e se eu tiver de mantê-la refém na cama por mais um dia para me certificar disso, então é isso que eu vou fazer." "Sven," eu suspiro, fechando meus olhos. Sua mão no meu cabelo, na parte de trás da minha cabeça puxa suavemente, e meus olhos abrem de volta para encontrar seus a preocupação nos dele. "Você precisa descansar. O clube ficará bem." "Você simplesmente não quer que eu esteja lá", murmuro, e ele balança a cabeça.


"Eu não quero você lá depois do que aconteceu, mas eu sei que esta não é a realidade." "EU-" "Eu não quero você doente," ele me corta antes que eu possa dizer quaisquer palavras. "Você pode lutar comigo sobre isso o tanto quanto quiser, mas você precisa descansar." "O que realmente está acontecendo?" Eu pergunto, correndo meus dedos para baixo de sua mandíbula. "Por que a questão sobre se mudar?" Ele se move para me ajudar a ficar em pé, então levanta comigo e me leva para a cama. "Eu estive pensando sobre nós", ele me diz assim que ele me instala contra ele na cama, meu corpo dobrado ao lado do comprimento do seu. "Como o quê?" "O clube era bom enquanto eu não tinha quaisquer responsabilidades fora eu mesmo, mas com você, e espero — um dia — crianças, eu não acho que essa é a realidade mais” ele afirma, e meu corpo fica sólido contra o seu. "Pensei que você amasse seu clube." "Eu amo, ou eu amava," ele murmura, olhando através da sala. "Sven," eu chamo, trazendo seu olhar de volta para o meu, e em seguida, descanso minha mão contra seu peito sobre o coração. "Você não tem que mudar—" "Eu sei", ele interrompe, correndo seus dedos suavemente pelo meu rosto. "Eu só quero mais. Eu não sei o que os próximos anos trarão, mas eu sei que com você na minha vida, eu não quero estar trabalhando no clube 'até todas as horas da noite." "Eu estarei lá com você", eu lembro a ele, e seus olhos ficam suaves... mais suave do que eu já vi eles.


"Se tivermos uma criança, você não estará, e eu não quero ser um pai em tempo parcial como meu pai foi." "Eu posso entender isso, mas você ama Vegas." "Eu não amo Vegas. Eu te amo. Vegas é só o lugar que me mudei, porque se encaixava à vida que eu estava levando. Agora não se encaixa mais." "E Tennessee se encaixa?" Eu pergunto, correndo a mão até o lado de seu pescoço, curvando meus dedos lá. "É um bom lugar para criar uma família, as pessoas são agradáveis, e a cidade que eu cresci é um lugar onde eu posso ver meus filhos crescendo. Eu quero isso para eles. Eu quero que eles cresçam em uma cidade onde as pessoas saibam quem você é e se preocupam com você. Você não é apenas mais uma pessoa para eles." "Você tem falado a palavra família muito nos últimos minutos", digo a ele. Suas sobrancelhas se juntam, então ele pergunta: "O quê?" "Você continua falando sobre seus filhos. Você está grávido?" Eu pergunto, e seus lábios se contorcem. "Não, mas você poderia estar." "Eu não estou." Eu balanço minha cabeça em negação. "Você sabe que eu tive meu período." "Isso foi no mês passado", ele murmura. "Ok, há uma pequena chance mensal que eu poderia ter engravidar, mas se você está fazendo tudo isso sobre o pensamento de eu estar grávida agora, por favor, pare. Leve o seu tempo e pense sobre isso, e se no final você desejar se mudar, eu vou com você. " "Isso não é algo que eu só trouxe pra cima. É algo sobre o qual eu estive pensando por alguns meses agora." "Nós não estávamos nem mesmo juntos há alguns meses."


"Você não estava na minha cama, mas não havia nenhuma vez em que eu não pensasse em você como minha. Eu estava apenas esperando por você para descobrir." Sentindo meu coração crescer quente, me inclino pra frente e descanso minha boca contra a dele, em seguida, sussurro, "O que eu vou fazer com você?", Enquanto lágrimas enchem meus olhos. "Nós teremos uma vida inteira para descobrir isso." Ele me beija suavemente, em seguida, enfia meu rosto em seu pescoço. Eu não conseguiria compreender este momento há alguns meses. Eu não tinha ideia deste tipo de relacionamento, este tipo de amor, se era mesmo possível, mas tendo isso agora, eu sei que vou fazer tudo ao meu alcance para ter certeza de ter isso para sempre. "Como você se sente sobre ficar na cama e assistir filmes hoje?", eu pergunto silenciosamente, e seu corpo relaxa sob o meu. "É isso que você quer?", Ele questiona quando sua mão faz uma pausa nas minhas costas, onde estava se movendo em traços suaves. "Sim", eu minto. Eu sei que ele precisa de um tempo de tudo, e se ficar em casa dará esse tempo para ele, então é isso que eu vou fazer. "Vai se trocar e eu te encontro de volta aqui." "Ok." Eu aceno, em seguida me inclino, pressionando a boca em sua mandíbula, antes de deslizar para fora da cama e ir ao armário. Quando eu volto de pendurar as roupas que eu estava usando e ter colocado uma das minhas velhas camisas e um par de calças largas de pijama, encontro Sven em um par de shorts de basquete com uma pilha de filmes em suas mãos, indo através do quarto para a TV. "Você quer alguma coisa da cozinha?" "Uma cerveja."


Balançando a cabeça, eu vou lá embaixo, agarrando uma cerveja para ele e um copo de limonada para mim, junto com um saco de salgadinhos para mastigar. Quando eu volto para o quarto, as cortinas estão fechadas, e o quarto está praticamente escuro, exceto pela luz que vem da TV. Sven está na cama, encostado na cabeceira, seu peito nu e seus tornozelos cruzados com o controle remoto descansando em seu abdômen. "Eu liguei para o clube. Está tudo bem”, ele me diz assim que seus olhos encontram os meus. "Será que todos apareceram hoje à noite?" "Todos, exceto eu e você." "Isso é bom. Você provavelmente deve dar a Zack um bônus, por todo trabalho extra que ele vem fazendo," eu digo a ele e coloco meus joelhos na cama. "Ele será compensado", ele murmura então pergunta: "Você já viu The Walking Dead?", quando eu lhe entrego sua cerveja e rastejo em direção a ele de joelhos, estabelecendome perto de seu lado. "Não, o que é isso?" "Um programa na TV. Eu tenho os DVDs de alguns meses atrás, mas não tive tempo de vê-los. Imaginei que poderia começar agora." "Claro." Eu dou de ombros enquanto ele envolve seu braço nos meus ombros e me enfia mais perto dele. Cinco horas depois, meus olhos estão colados à TV e meu cérebro está em algum tipo de transe quando o episódio que estávamos assistindo chega ao fim. "Jesus", murmura Sven, e me viro para olhar para ele. "Eu sei", eu sussurro, embora eu não tenha certeza se isso é um bom 'Jesus' ou um mau. "Este show é incrível. Quer dizer, eu me sinto mal por Rick, obviamente, mas wow. Ele é totalmente fodão."


"Fodão?", pergunta ele com um sorriso. "Essa não é uma palavra ruim?" "Não." Eu torço meu rosto e reviro meus olhos. "Deus, você é fofa", ele murmura, procurando meu rosto, então pergunta: "Você está pronta para o próximo episódio?" Olhando para a TV, em seguida, de volta para ele, eu perguntar: "Quantos episódios estão lá?" "Não tenho certeza. Acho que tenho cerca de quatro DVDs, e cada um tem cerca de oito episódios”. "Você sabe, você pode conseguir o que deseja." "O quê?" Ele ri, colocando uma mexa de cabelo atrás da minha orelha. "Eu não vou ser capaz de fazer qualquer coisa até que eu veja todos os episódios — sem trabalho, sem comer, sem chuveiro... nada. Este programa está me tornando inútil." "Eu tenho certeza que posso encontrar uma maneira de tirar sua mente fora disso." Ele sorri. "Eu não sei. Rick está crescendo em mim." Seus olhos ficam divertidos, e a próxima coisa que eu sei é que minhas costas estão na cama e ele está pairando sobre mim, e, então, sua boca está na minha. Então sua boca está em outro — melhor — lugar, provando que ele pode definitivamente tirar a minha mente do programa. Olhando sobre Sven e vendo que ele está dormindo, eu alcanço sobre ele, pego o controle remoto para a TV, aperto pause, e depois rolo silenciosamente para fora da cama e desço as escadas. Nós não temos comido nada desde o café da manhã, e eu não acho que salgadinhos podem ser considerados uma refeição. Estou com fome, e eu sei que Sven vai estar também quando ele acordar. Seguindo para a cozinha, abro a geladeira e verifico o conteúdo. Existem dois grandes bifes em uma das prateleiras, juntamente com dois cogumelos gigantes na


outra. Eu nunca cozinhei um bife antes, mas, por Sven, eu vou pelo menos tentar. Saindo pela porta dos fundos da cozinha, tento acender a churrasqueira. Após três tentativas sem êxito, eu tento mais uma vez, então me dou uma pequena salva de palmas quando vejo as barras ao longo do fundo acender. Voltando para dentro, eu encontro um novo par de luvas amarelas sob a pia, o tipo de luvas que você usa para lavar pratos, então eu as coloco, volto para a geladeira, pego os bifes, e corto-os fora do invólucro plástico, colocando-os em um prato. Eu tiro as luvas, vasculho no armário e encontro alguns temperos, polvilhando sobre a carne. Voltando para a geladeira, eu pego os dois cogumelos, lavo ambos juntamente com alguns pimentões e corto-os ao meio, colocando-os em um prato separado dos bifes. Terminando com todo o meu trabalho de preparação, eu levo ambas as placas para fora, junto com as luvas. "Que diabos você está fazendo?" Olhando à minha direita, eu seguro um bife na minha mão, assim Sven, que está parado do lado de fora da porta de vidro que leva à plataforma fora da cozinha, pode ver, e então, estabeleço-o na grelha antes de fazer o mesmo com o segundo. "Os vizinhos vão pensar que você é maluca," ele murmura enquanto fecha a tampa sobre a churrasqueira. "Oh, bem," eu digo a ele, tirando as luvas. "Eles provavelmente já me viram nua. Eu usando luvas amarelas é melhor do que isso." "Não há nada melhor que você nua, baby." Ele sorri, e então seus olhos caem para minhas mãos. "Elas são realmente necessárias?" Ele ri quando ele leva as luvas de mim. "Eu não queria ter sangue em minhas mãos." "Se você tivesse me acordado, eu teria feito isso." "Você precisava dormir."


"Eu não precisava dormir. Eu adormeci." "Porque você estava cansado", eu indico, caminhando de volta para a cozinha, onde eu tiro duas batatas assadas do micro-ondas e corto-as fora do plástico em volta delas. "Quanto tempo você tem estado aqui embaixo?", pergunta ele, recostando-se contra o balcão me observando. "Não muito tempo", murmuro então me movo em torno dele até a geladeira e pego a manteiga, parando quando ele me agarra pela cintura. "Eu poderia ter comido você para o jantar", diz ele contra o meu pescoço enquanto seus braços enroscam a minha volta. "Oh," eu gemo enquanto sua língua lambe meu pescoço e, em seguida, chio quando ele me levanta no balcão. "O jantar vai queimar," Eu gemo em sua boca enquanto suas mãos sobem em meus lados sob a minha camisa. "Deixe queimar." Ele mói contra mim, então murmura: "Foda", quando seu telefone toca. Recuando uma polegada, ele puxa o telefone do bolso de sua bermuda e olha para o número. "Dê-me um segundo", ele murmura, beijando minha testa e colocando o telefone no ouvido, caminhando para longe. Deixando escapar um suspiro, eu pulo fora do balcão, em seguida, vou para a geladeira. Eu pego uma travessa de salada e congelo quando ouço Sven no quarto ao lado grunhir: "Você tem que estar brincando comigo." Deixando cair a travessa no balcão, eu ando em direção à sala de estar, onde eu ouço-o dizer a quem está no telefone, "Eu estarei lá em quinze minutos." Em seguida, ele desliga e olha para mim. "Está tudo bem?" Eu pergunto, estudando o olhar irritado em seu rosto. "Um incêndio começou em um dos banheiros no clube. Eu tenho de sair. Os policiais e os bombeiros estão lá. "


"O quê?" Eu suspiro. "Eu vou ligar e explicar tudo, mas eu tenho que ir, baby." "Eu vou com você", digo a ele, mas ele balança a cabeça. "Sim, eu vou com você." Sem lhe dar a oportunidade de discutir comigo, eu corro pela casa, pela porta dos fundos da cozinha, desligando a grelha, e depois correndo de volta para subir as escadas, encontrando Sven no quarto. Ele já está vestido com um par de jeans escuros e uma camiseta cinza de gola V. Correndo por ele, eu vou para o armário, pego um par de jeans, escorrego em um suéter, e coloco as calças, pulando em volta antes de deslizar os pés em um par de sandálias. "Você não está vindo", diz ele bloqueando a porta do armário, com seus braços cruzados em seu peito e seus pés plantados separados. "Eu estou." Eu coloco minhas mãos em meus quadris e olho para ele. "Não, você vai ficar aqui. Eu não sei o que diabos aconteceu esta noite, mas eu não quero você lá." "Sven-" "Maggie, eu não estou de brincadeira. Você não está vindo. Assim que eu sair, eu quero que você defina o alarme, mantenha o seu telefone com você, e fique parada." "Estou indo Sven, e se você acha que eu não vou, você precisa pensar de novo, porque no minuto que você sair, eu estarei no meu carro seguindo atrás de você, então você pode chupar isso e me deixar ir com você, ou—" "Foda-se!" Ele inclina a cabeça para trás e olha para o teto, em seguida, seus olhos caem para encontrar o meu. "Por que diabos eu não podia me apaixonar por uma garota que faz o que diabos eu digo a ela para fazer?", Ele pergunta, e eu sinto meus olhos estreitarem.


"Você ficaria entediado com uma mulher assim." Eu lhe digo a verdade; ele iria foder uma mulher que não se levantasse para ele. "Você fica ao meu lado. Você não está fora da minha vista, nem mesmo por um segundo," ele late, e eu luto com meu sorriso, ‘porque eu sei que ele não vai gostar de eu me vangloriar agora’. "Eu vou ficar com você como cola," eu concordo. "Não me faça me arrepender de levá-la." "Você não vai." Eu sorrio, em seguida, passo por ele para fora do armário e depois corro para a sua Suburban antes que ele possa mudar de ideia. Dirigindo pelo clube para o estacionamento dos fundos, minha cabeça gira à medida que passamos o caos. Há centenas de pessoas se reunindo nas calçadas em frente, juntamente com carros de polícia e caminhões de bombeiros bloqueando a estrada. "Eu pensei que era um pequeno incêndio em um dos banheiros," murmuro para Sven então viro minha cabeça de volta para enfrentar o para-brisa quando eu já não posso ver a frente do clube. "Quando estão lidando com qualquer tipo de incêndio em um clube como este, eles evacuam todos e cada policial e corpo de bombeiros na cidade aparece," diz ele, puxando para a vaga de estacionamento reservada para ele. "Espero que ninguém tenha se ferido." "O alarme soou, eles seguiram o procedimento, e colocaram todos para fora. Ninguém se machucou." "É meio estranho que o fogo começou no banheiro." "As pessoas raramente seguem as regras. Meu palpite é algum garoto estava fumando em um dos boxes do banheiro e então jogou um baseado ou um cigarro no lixo. Não é a primeira vez que algo assim acontece," diz ele, parando o Suburban, desafivelando seu cinto, e pula para fora.


Desafivelando o meu, eu abro à porta, então, pego a mão dele quando ele me ajuda a sair. Envolvendo seu braço em volta dos meus ombros, ele me leva para a rua, então, nos movemos em direção a dois policiais que estão tentando dispersar a multidão. "Eu possuo este—" parando no meio da sentença, Sven se vira e me empurra para o chão. Minhas mãos batem direito no concreto antes dos meus joelhos. Começando a me empurrar para cima, seu corpo cobre o meu e seu braços envolvem a minha cabeça. Pessoas ao nosso redor estão gritando e registro o som de tiros. "Fiquem abaixados!", alguém grita quando as janelas explodem, fazendo vidros choverem sobre nós. "Sven!" Eu grito quando seu grande corpo sacode em cima do meu. "Shhhhh." Suas mãos envolvem mais apertado em torno de mim, e eu sinto sua metade superior levantar uma polegada e eu grito. "Não vá." Envolvendo as mãos em torno de seus braços na minha cabeça, eu seguro firme. "Eu não vou a lugar nenhum", ele sussurra suavemente, e lágrimas enchem meus olhos. "Eles foram embora!", alguém grita perto de nós, mas Sven não me deixa levantar. Ele fica em cima de mim, e eu noto que sua respiração é superficial e seu peso ficou ainda mais pesado. "Eles foram embora", eu sussurro, cavando meus dedos na pele de seus braços. Rolando-o de costas, eu escalo em meus joelhos, pressionando-os em seus lados como eu fosse me inclinar sobre ele. Correndo os olhos sobre seu torso, eu vejo que sua camisa cinza está ficando vermelha perto de sua caixa torácica. "Socorro!" Eu grito, pressionando as mãos sobre a ferida em seu lado.


"Você está bem, baby?", Ele pergunta, soando com falta de ar, e meus olhos oscilam das minhas mãos ao rosto, notando que seus olhos parecem brilhantes e seu rosto ficar aflito com dor. "Fique parado. Não fale," Eu choramingo, descansando minha testa contra a dele. "Diga-me que você está bem." "Eu estou bem, e você também." Eu beijo-o, em seguida, levanto a cabeça quando uma sombra cai sobre nós. "Por favor", eu respiro, olhando nos olhos do bombeiro a minha frente. Sacudindo a cabeça uma vez, suas mãos se movem sobre a minha e ele puxa-as para longe, e então ele grita com alguém atrás de mim. "Senhorita, eu preciso que você fique para trás", um oficial diz, envolvendo sua mão ao redor do meu bíceps. Inclinando a cabeça para trás para olhar para ele, eu sinto lágrimas caírem dos meus olhos pelo meu rosto. "Eu preciso ficar com ele", eu sussurro, e seus olhos se enchem de preocupação. "Eu prometo que não vai demorar, mas os paramédicos precisam de espaço para trabalhar." Mordendo meu lábio, eu olho para baixo em Sven, largando meu corpo para frente, e pressiono minha boca em seu ouvido. "Eu não vou a lugar nenhum, mas eles precisam cuidar de você, querido." Ele não responde ou sequer se move, mas quando eu levanto minha cabeça acima da sua, seus olhos bloqueiam no meu. "Prometo que não vou a lugar nenhum." Eu me inclino e pressione a boca na dele, segurando-o lá enquanto eu tento controlar minhas lágrimas. "Nós vamos ficar perto," o oficial diz quando coloca a mão nas minhas costas. Leva tudo de mim para ir com ele, afastando-me de Sven. Tudo o que eu quero fazer é deitarme ao lado dele, para absorver sua dor, para fazê-lo


melhorar. Abaixando, eu pego sua mão, apertando suavemente, sentindo seus dedos apertarem nos meus antes de liberar. Movendo-me para trás com o policial, eu assisto o enxame de paramédicos e bombeiros, bloqueando ele da minha vista. "Vamos levá-lo para a ambulância", ouço um paramédico dizer, e eu sinto meu mundo cair debaixo dos meus pés. "Posso ir com ele na ambulância?", pergunto ao oficial do meu lado, e envolvo meus braços mais apertados em volta da minha cintura, tentando me segurar. "Eu vou descobrir para você. Se não, eu vou levá-la." "Obrigada", eu sussurro tremendo, em seguida, olho para a porta da frente do clube. Minha pele pica quando eu assisto Zack, Teo, e Lane fazerem seu caminho em direção a mim. Cada um parecendo preocupado e seriamente puto. "Maggie", Zack diz, e uma nova onda de lágrimas enche meus olhos e eu me movo rapidamente em sua direção. "Sven," eu sufoco um soluço, e seus braços me envolvem. "Eu estou tão arrependido. Nós estávamos falando com os policiais lá dentro quando ouvimos os tiros começar. Eles não nos deixaram sair até agora." "Ele levou um tiro," eu digo a ele, afastando-me e movendo minhas mãos sobre meu rosto em um movimento agitado. "Quem faria isso? Quem iria atirar em nós?" Eu pergunto, ofegante, e seus olhos se movem sobre o meu rosto. "Você pode ir com Sven na ambulância, ou você precisa de uma carona para o hospital?" Lane pergunta, cortando, e meus olhos se voltam para encontrar o seu. "Eu ... eu não sei. Um ... um oficial estava indo para descobrir," eu gaguejo, notando meu corpo começar a tremer. "Senhorita, eu vou levá-lo ao hospital. Não há espaço na ambulância."


"Vou levá-la," Zack diz, e eu olho para ele, em seguida, para o policial, e eu sei que tenho uma chance muito maior de chegar ao hospital rapidamente, se eu estiver em um carro de polícia. "Eu sou vo... vou c-co—" Colocando minha mão no meu estômago quando uma dor aguda me bate, meus olhos tentam focar, mas a escuridão se infiltra em torno da borda da minha visão até que eu não vejo nada. Ouvindo murmúrios baixos, eu quero saber com quem Sven está falando quando eu luto para retornar a consciência. Piscando meus olhos abertos, eu sei que eu estou perdendo alguma coisa; alguma coisa não está certa. Então, tudo volta para mim, cada detalhe. "Sven," eu respiro, jogando o cobertor de cima de mim para trás enquanto grogue, tento me sentar. "Moonpie!" Minha mãe chora, correndo ao meu lado e me abraçando. "Onde está Sven?", pergunto freneticamente, e meu pai muda-se para o meu outro lado e coloca a mão no meu peito. "Fique deitada, Sven está bem," papai diz, e eu olho para ele procurando em seu rosto, vendo uma profunda tristeza em seus olhos. "Eu preciso vê-lo. Eu preciso saber que ele está bem." Eu levanto minha mão e percebo uma IV, em seguida, olho para baixo e vejo que eu estou em um vestido do hospital. "Você vai vê-lo. O médico deve estar de volta em breve. Até então, você vai se deitar." Sentindo-me confusa e atordoada, pergunto baixinho, "Por que eu preciso de um médico?" "Oh, Moonpie", choraminga mãe, e meus olhos voam para a dela. "O que está acontecendo?" Eu questiono, vendo lágrimas em seus olhos.


"Você estava grávida," papai diz, e minha cabeça gira em sua direção. "O quê?", eu sussurro enquanto minhas mãos se movem para descansar ao longo do meu abdômen, e agora que isso foi trazido à minha atenção, eu noto uma ligeira dor lá e posso sentir algum tipo de gaze ou algo debaixo do meu vestido. "Mãe," eu sussurro quando ela se senta ao meu lado, perto do meu quadril e corre as mãos pelo meu cabelo como costumava fazer quando eu era pequena. "Foi uma gravidez ectópica. Sua trompa rompeu e eles tiveram que te apressar para a cirurgia. Recebemos um telefonema de um cara chamado Zack, e ele nos disse que Sven estava em cirurgia também, e que precisávamos chegar aqui." Ela aperta seus lábios e mais lágrimas se reúnem em seus olhos. "Eu sinto muito." Fechando meus olhos, eu inclino minha cabeça para trás contra o travesseiro quando um sentimento de perda me varre. Eu nem sequer sabia que estava grávida, nem sequer tinha uma ideia, mas sabendo que eu estava, e que não estou mais, faz meu coração doer. "Eu preciso de Sven," eu sussurro, ouvindo minha mãe soluçar. "Você vai ser capaz de vê-lo em breve. Ele está sendo retirado do andar da UTI enquanto falamos e deve estar aqui com você em breve." "Prometa-me que ele está bem." Eu abro meus olhos, prendendo meu pai no lugar. "Prometo. Ele é forte. Ele está mais preocupado com você do que com si mesmo." Ele deve estar; ele provavelmente está fora da sua mente de preocupação. "Será que ele sabe sobre o bebê?", pergunto. E pela primeira vez na minha vida, eu assisto os olhos do meu pai brilhar com lágrimas.


"Eu tive que dizer a ele. Ele estava causando uma cena, pensando que eles estavam apenas mantendo você longe. Ninguém lhe dava nenhuma resposta." Fechando os olhos, dor corta através de mim, e eu puxo uma respiração irregular, sentindo meu lábio inferior tremer. "Ele disse a eles que ele queria ser movido para cá, com você, lançado nome em volta, nomes de homens que eu só conheço porque todo mundo conhece, e eles concordaram com isso," diz ele, e uma lágrima silenciosa desliza para baixo em minha bochecha.

"Ela já acordou?" Ouço Sven perguntar, e meus olhos se abrem vendo Sven em uma cama ao lado da minha. Quando eu tento me sentar, meu pai coloca a mão no meu peito enquanto meus olhos bloqueiam em Sven. "Devagar," papai diz suavemente. "O médico disse que eu posso me levantar," eu lembro a ele suavemente, olhando para cima. Quando o médico veio falar comigo, ele me disse que estava tudo bem para eu me mover ao redor, enquanto eu não fizesse nada extenuante. Eu tinha me levantado e ido ao banheiro, sozinha, com apenas uma pequena dor no meu abdômen. Mas isso não significa que eu não estava com dor. Meu coração doía gravemente. O médico explicou que eu estava aproximadamente de seis semanas de gravidez e que o bebê estava crescendo dentro da minha trompa de Falópio esquerda, que se rompeu. A cirurgia que eles realizaram removeu minha trompa esquerda completamente, me deixando com apenas uma, que como ele explicou, tornaria um pouco mais difícil de conceber no futuro, mas não impossível.


"Baby." Essa única palavra me tem saindo dos meus pensamentos e a mão do meu pai se mudando para o meu cotovelo para me ajudar a levantar. Ficando em meus pés, eu ando devagar através do espaço que me separa de Sven, nossos olhos nunca deixando o do outro. "Foda-se, baby." Ele estende sua mão esquerda para mim quando estou perto. "Por favor, tenha cuidado." Eu tomo sua mão na minha e puxo-o para descansar contra o meu peito. "Venha aqui", ele exige suavemente, deslizando a mão nas minhas costas, me puxando para mais perto, provando que nem mesmo uma ferida de bala vai parar suas maneiras mandonas. "Nós vamos sair por algum tempo", meu pai diz atrás de mim, mas eu não me viro para olhar para ele ou minha mãe quando eu os ouço se movendo ou quando a porta se fecha alguns segundo mais tarde. "Eu estava com tanto medo," eu sussurro, após um longo tempo que meus olhos o avaliam e às várias máquinas em que ele está ligado. "Eu preciso te segurar. Suba aqui comigo." Ele escorrega para trás, e eu sei que eu deveria protestar, mas eu preciso do seu toque agora. Eu preciso estar em seus braços, onde me sinto segura, onde o mundo fora de nós não existe. Tendo cuidado com a IV em sua mão, eu subo na cama com ele e me coloco ao seu lado. "Por favor, não chore", ele sussurra, e eu passo minhas mãos sobre o meu rosto, sentindo lagrimas em meus dedos. "Eu sinto tanto, baby, fodidamente tanto," ele diz, e eu sei que ele não está falando sobre levar um tiro, mas sobre o bebê. "Eu também." Eu me aproximo mais dele, pressionando meu rosto contra seu pescoço. "Eu sinto muito, eu não estava aqui para você."


"Você estava meio ocupado, não morrendo." Eu engulo uma nova onda de lágrimas, trazendo a cabeça para fora de seu pescoço para olhar para ele, percebendo que seu rosto está apertado de dor. "Quanto está doendo? Você precisa de um médico?" Pergunto suavemente tentando me mover para fora da cama. "Fique." Ele me puxa de volta para ele, fazendo uma careta. "Estou preocupado com você. Me mata que você acordou e eu não estava aqui." "Você tem certeza que está bem?" "Estou bem baby. Eu estarei pra baixo por cerca de três semanas, mas eu estou bem. O médico ainda disse que eu tive sorte." "Eu pensei que você…" "Shhhh, eu estou bem. Uma semana, e depois vamos para casa. " Lutando comigo mesma para ficar quieta, para não levantar isso — ainda não — eu ainda pergunto: "Quem atirou em nós?" Sim, haviam outras pessoas fora do clube, mas todas essas balas foram atiradas em nossa direção. Ninguém ficou ferido além de Sven, nem uma pessoa. "Não se preocupe com isso agora. O clube está fechado por agora. Zack, Lane, e Teo vão fazer a nossa segurança enquanto estivermos em casa." "Eles são seguranças. Sem ofensa, mas o que eles—" "Eles são das operações especiais. Eu confio neles," ele me corta. "Eu os conheço. Sei que eles se preocupam com você, e eles são as únicas pessoas aqui, agora, que eu sei que iria sacrificar suas vidas por você." "Não diga isso." Eu aperto meus olhos fechados. Eu não quero ver mais ninguém que me preocupo ferido. "Você estava em cima de mim quando fomos baleados. Eu sei que a bala poderia ter me atingido, e sabendo disso não me faz sentir melhor. Eu não quero qualquer um deles ferido."


"Baby." Ele me puxa suavemente até que eu estou pressionada com mais força contra ele. "Não pense nisso agora. Você precisa descansar." "Você precisa descansar", murmuro, e eu ouço um sorriso em sua voz quando ele murmura de volta: "Vamos descansar então." "Você ainda é muito mandão." "Descanse Mags." "Tudo bem." Deixo escapar um suspiro, cuidadosamente descansando minha mão sobre seu abdômen, pensando que ficaria entediada se ele não fosse exatamente quem ele é. E com isso, eu adormeço em seus braços, onde eu sei agora mais do que nunca, que sempre vai me manter segura.


Capítulo 10 Sven Perdendo Peças Sentindo Maggie atrás de mim, seus peitos estão pressionados firmemente contra minhas costas. Seu braço ao redor do meu abdômen, e sua perna está entre as minhas. Eu rolo de frente para ela, notando que as olheiras sob seus olhos estão desaparecendo lentamente. Quando eu estava no hospital, ela ficou comigo todas as noites, mesmo depois de eu lhe dizer que ela precisava ir para casa e descansar um pouco, o tipo de descanso que você não pode conseguir em um hospital, porque a cada porra de hora, há alguém entrando no quarto, perturbando. Ela não concordou com isso e insistiu que ficaria comigo. Sabendo que eu não ia ganhar a batalha, eu tive as enfermeiras empurrando sua cama perto da minha, assim ela poderia dormir perto, sem ser incomodada. No entanto, ela sempre acordava assim que alguém abria a porta, e não dormia novamente até que tivessem terminado de me verificar e dito a ela que eu estava bem. Mesmo agora, duas semanas depois que eles me liberaram para voltar para casa, ela ainda estava acordando quase tão frequentemente como quando as enfermeiras tinham vindo me verificar. Toda noite eu acordo para encontrá-la com a mão no meu peito ou os dedos no meu pulso, tomando meu pulso, literalmente. Eu sabia que ela iria ficar abalada por um tempo sobre o que aconteceu, mas eu não queria que ela se debruçasse sobre isso, especialmente quando ela tinha perdido nosso bebê na


mesma noite e realmente não tinha tido a oportunidade de processar isso. Eu ainda não tinha verdadeiramente tido um momento para processar isso também. Eu só sei que agora há uma dor no meu peito que não estava lá antes, uma dor que eu sei, que sentirei pelo resto da minha vida, porque querendo ou não, Maggie e eu sabendo sobre o bebê, ele ou ela ainda era nosso, ainda era algo que tínhamos criado juntos, uma parte de nós que agora está perdida. Envolvendo minha mão sobre a curva de sua cintura, eu cuidadosamente puxo-a para mais perto, então eu não a acordo quando descanso meu queixo no topo de sua cabeça e fecho meus olhos. Kenton e Kai estão chegando à cidade amanhã à noite, e, então, nós estaremos nos movendo para o lugar de Kai até a merda se resolver e nós descobrirmos exatamente qual será nosso próximo passo. Eles estavam vindo depois que eu levei um tiro, mas eu disse a eles para esperarem. Eu não queria enviar a Paulie um sinal, e sabia que precisava de tempo para me recuperar. Eu sei que Paulie fez seu movimento em mim, porque eu recebi uma mensagem de Justin depois que eu saí da cirurgia e peguei meu celular de volta. Só que eu recebi essa mensagem muito foda tarde, e pelo tempo que eu consegui, eu já tinha sido baleado e estive em cirurgia por seis horas para reparar o meu pulmão e certificar de que não haviam outros danos internos. Eu não dou a mínima por levar um tiro. Sim, essa merda doeu mais que qualquer dor que eu já experimentei na vida, mas nada se compara ao medo que senti sabendo que poderia ter sido Maggie. A bala poderia ter batido nela, e do jeito que eu estava deitado em cima dela, eu ainda estou surpreso que não o fez. A bala atingiu debaixo da minha axila, polegadas longe dela, perto pra caralho, que se eu não tivesse passado meus braços por cima dela, teria acertado.


Eu estou feito com esta merda com Paulie. Seu reino de terror está chegando ao fim, e eu não dou a mínima se eu sou o único que tem que colocar uma bala em sua cabeça para fazê-lo. Ao longo dos anos, ele e seu filho me foderam em uma variedade de ocasiões, mas desta vez, ele foi longe demais. Isto não foi a droga no meu clube ou cadáveres na porta; isto foi ele dando um tiro em mim e na minha mulher. A mulher que estava carregando meu filho quando ele tinha seus homens fazendo isso. Sim, esta merda está chegando ao fim, e então eu estou me mudando com Maggie para o Tennessee para recomeçar. Eu não posso dizer que eu não gostei de Vegas, mas a vida que eu estava levando era uma vida onde eu não estava realmente vivendo. Eu me mudei para a movimentação, não realmente me conectando com ninguém. Eu não tenho raízes aqui, nenhuma família, e apenas um punhado de pessoas que eu considero amigos. Eu quero mais do que isso para Maggie e eu. Eu quero que ela tenha pessoas, família ao redor, fogueiras, jantar com amigos, e uma casa, eventualmente, cheia de crianças. Vegas não é o lugar que eu me vejo construindo esse sonho para nós. Eu não estava mentindo quando eu disse a Maggie que estive pensando sobre nos mudarmos há um tempo. O dia que eu levei Mags para saltar de paraquedas, marquei essa reunião com Ace, precisando ter uma ideia sobre seu interesse em comprar o clube. Ele mencionou querer ser meu parceiro no passado, mas se eu deixar a cidade, eu estaria fora completamente. Sem olhar para trás. "Eu sei que você está acordada", eu sussurro, correndo minha mão pelas suas costas quando ouço sua respiração mudar. "Nós realmente temos que sair?" Sua cabeça sai debaixo do meu queixo e meus olhos mergulham ao encontro dos dela. Eu disse a ela na noite passada sobre a mudança para


o lugar de Kai no deserto. Ela não quer ir. Eu sei disso, mas eu também sei que é o lugar mais seguro para ela ficar enquanto Kai, Kenton, Justin e eu cuidamos do que precisa ser cuidado. "Não será mais que alguns dias, baby, então essa merda vai terminar e nós podemos seguir em frente com nossas vidas", eu digo a ela, pressionando um beijo suave nos lábios. "Eu vou segui-lo para qualquer lugar," ela sussurra depois de um longo momento, e eu ouço a verdade em seu tom. Eu nunca soube que o amor pudesse ser assim, nunca entendi a profundidade da devoção de meu pai à minha mãe, mas com Maggie, agora eu entendo porque ele ficou por minha mãe durante anos, mesmo depois que ela tentou tirar sua vida.

"Querido, você realmente acha que deveria estar fazendo isso?" Maggie pergunta baixinho enquanto ela pisa na porta do quarto de hóspedes, onde eu mantenho meu equipamento de treino, e olha o haltere na minha mão quando eu puxo para cima mais uma vez. "Você ouviu o meu fisioterapeuta, Mags." Eu defino o peso no rack com o resto dos pesos, em seguida, vou até ela, tomando seu rosto delicadamente em minhas mãos. "Eu sei que você está preocupada, mas você precisa entender que eu tenho que voltar para a rotina, e isso inclui malhar," eu digo a ela suavemente, e seus olhos se movem para os pesos atrás de mim antes de voltar pra encontrar os meus, com um olhar de preocupação e ansiedade em suas profundezas douradas.


"Ele também disse para ir devagar," ela sussurra, apoiando as mãos contra a minha camiseta sobre minha ferida. "Eu estou indo devagar." Eu pressiono um beijo na testa dela murmurando, "Prometo," não antes de me inclinar para trás para pegar seus olhos. "Como está se sentindo?" Seus olhos se afastam do meu. Usando meus dedos em seu queixo, eu levanto seu rosto suavemente, ganhando seus olhos mais uma vez. "Eu estou bem," ela mente. Eu vejo em seu olhar, e sei que ela está tentando ficar bem, mas ela não está. Eu sei que a perda ainda está doendo, mesmo que ela não tenha tocado no assunto. "Nós vamos tentar de novo, baby." Eu corro meu polegar sobre sua bochecha. "E se isso não acontecer, nós vamos trabalhar nisso até que aconteça ou nós vamos adotar." "Eu sinto como seu uma peça de mim estivesse faltando," ela murmura, fechando os olhos. "Eu não tinha ideia de que estava grávida, mas ainda sinto como se um pedaço de mim se foi." "Mags." Ela abre os olhos e meu coração gagueja quando vejo a dor que ela está escondendo de mim lá, brilhando tão forte que leva tudo em mim para não puxar meus olhos dos dela. "Como faço para ter isso de volta?", ela pergunta enquanto suas mãos agarram o tecido da minha camisa. "Se você descobrir, você me diz", eu digo, deixando cair a minha voz, observando seus olhos procurarem nos meus, então, mergulho meu rosto mais perto do dela. "Não sei como você se sente, mas desde o momento em que eu descobri, eu sei que há um buraco no meu coração pela perda," eu digo a ela suavemente, honestamente. "Eu não tenho certeza se esse buraco jamais será preenchido, mas eu sei que quando isso acontecer para nós, Maggie, e isso


vai acontecer, o tempo levará seu caminho para curar essa dor." Seus olhos se enchem de lágrimas e ela se inclina, sussurrando: "Você... você nunca disse nada", quando seu lábio inferior treme. "Eu estive esperando por você vir até mim. Eu não quero empurrá-lo para falar sobre isso. Mas eu estou aqui baby— sempre que quiser falar sobre isso ou chorar sobre isso, estou aqui." Balançando a cabeça, sua testa cai para frente e aterrissa contra o meu peito enquanto seus braços envolver em torno das minhas costas, e os meus fazem o mesmo, envolvendoa, abraçando-a. "Que horas estamos partindo?", ela pergunta contra a minha camisa depois de alguns minutos. Olhando para o relógio sobre sua cabeça, vejo que já são um pouco após as quatro. "Vamos sair em três horas. Zack e Lane ainda estão lá embaixo?" Eu pergunto, e sua cabeça se move contra meu peito antes dela murmurar baixinho: "Sim, e Teo estava entrando quando eu vim para verificar você." Puxando-a para longe do meu peito, eu corro meus olhos sobre seu rosto. As lágrimas se foram; a tristeza não, mas isso vai levar tempo. "Você quer dizer a eles em quanto tempo estamos saindo enquanto eu termino de malhar?" "Eles estão vindo conosco," Ela pergunta, parecendo um pouco surpresa com esta notícia. "Eles vão ajudar a ficar de olho em você, Autumn, e Myla enquanto eu e os caras conseguimos as coisas resolvidas." "Então, quem estará cuidando de você?" Ela pergunta baixinho, e eu sorrio. "O homem de Kenton, Justin, estará conosco, junto com um dos homens de Kai."


"O cara que eu conheci, qual era o seu nome? Frank?" Ela pergunta, parecendo mais preocupada com a ideia de Frank olhando nossas costas. "Não, Frank estará na casa com você e, provavelmente, vai achar que ele tem o dever de guarda, mas não se preocupe. Ele absolutamente não tem." "Graças a Deus", ela respira, e eu rio, correndo a palma da minha mão por baixo da sua mandíbula. "Isso vai acabar em breve." "Eu acredito em você." "Bom, agora vá dizer aos caras o que está acontecendo, em seguida, volte para cima e tome banho comigo," eu digo, observando seus olhos aquecerem antes de cair para o lado onde eu fui baleado. "Eu acho que vou fazer o almoço", ela murmura, parecendo desapontada. "Maggie-" "Você quer que eu te faça um peru e com queijo?", ela pergunta, e eu luto com o sorriso ao pensar nela usando suas luvas de carne e fazendo-me um sanduíche. "Quero você sentada no meu rosto. Isso é o que eu quero." "Sven", ela suspira, balançando na minha direção. "Vá dizer os caras o que eu disse, em seguida, volte aqui." "Eu não acho—" Dobrando meu rosto mais perto dela, repito, "Vá dizer aos caras o que eu disse, e se você não voltar para mim e eu tiver que ir te caçar, eu vou te foder onde quer que eu te encontre. Então, a menos que você queira me irritar, volte para mim rapidamente." "Sven", ela repete, sem fôlego, inclinando-se na ponta dos pés tocando sua boca com a minha, então se vira e sai do quarto.


Eu não a tive em semanas. Eu queria que ela se curasse e sabia que precisava fazer o mesmo, mas eu tive sinal verde do médico há alguns dias. Ela o ouviu dizer que estava tudo bem, e, ela ainda estava se mantendo de mim, mas isso ia acabar. De jeito nenhum eu quero transar com ela na casa de Kai com todos lá para ouvi-la gemer. Terminando meu treino, eu vou para o quarto e noto que ela ainda não fez seu caminho de volta para cima. Dando-lhe o benefício da dúvida, eu vou para o chuveiro, ligo-o, e deixo a água esquentar enquanto eu tiro minha camisa. As cicatrizes da cirurgia são pequenas em meu peito, mas a pele ainda está vermelha ao redor da ferida da bala. A maior preocupação do médico é que desde que meu pulmão entrou em colapso, isto poderia ocorrer mais uma vez. Ele não tem outras preocupações e não ficou surpreendido com a rapidez que eu estava me curando. Ao ouvir a porta do banheiro abrir, eu assisto Maggie enfiar sua cabeça com os olhos colados ao boxe do chuveiro. "Você não perdeu nada," eu digo a ela, observando-a saltar quando seus olhos balançam para mim. "Eu... eu estive pensando sobre isso, e eu não acho que devemos fazer isso," ela murmura, ainda de pé na porta com apenas a cabeça para dentro. "Nós fizemos isso mais vezes do que posso contar, e eu sei que devemos fazê-lo, porque se não o fizermos, quando eu levá-la na casa de Kai, você está indo para acordar todo mundo na porra do lugar. Eu conheço você, baby, então eu sei que você não vai querer ficar constrangida quando eles te ouvirem gozar." "Eu não sou uma gritadora", ela sussurra, e eu me movo em direção a ela, puxando a porta de sua mão, pego na sua mão e puxo-a para dentro. Empurrando a porta fechada, murmuro: "Você é", enquanto cubro sua boca com a minha e movo-me com ela


enquanto ela tenta se afastar, só para bater na porta, deixando-a sem ter para onde ir. Suas mãos se movem para o meu peito para me empurrar, mas no momento que minha mão se move sobre seu peito, sua boca se abre para mim, minha língua desliza dentro, e ela geme. "Sven", ela suspira quando minha boca deixa a dela e viaja para baixo no seu pescoço enquanto minhas mãos puxam sua camisa para cima sobre sua cabeça, notando que ela não tem um sutiã. Deslizando uma mão em seus shorts, eu rolo meus dedos sobre seu clitóris e mergulho minha cabeça, puxando seu mamilo em minha boca, mordendo a ponta enquanto meus dedos trabalham mais rápido. Eu puxo para trás e pego seus olhos. "A menos que seja só eu e você, você usa um sutiã quando tiver homens na casa." "Eu─" Seu peito arfa e sua boceta convulsiona. "Isso não foi uma introdução para uma conversa, baby. Sou só eu te dizendo seriamente que vou ficar puto se você não fizer o que eu digo, agora saia dos shorts." Suas mãos caem dos meus ombros e se movem até sua cintura. Eu mordo de volta um sorriso quando ela rapidamente desabotoa seu botão, empurra seus shorts para o chão, e chuta-os fora. Eu deslizo minha mão entre suas pernas. "Molhada," eu gemo, escorregando um, então dois dedos dentro dela. Seus quadris começam a se mover em sincronia com meus dedos e suas mãos se movem, uma envolve ao redor do meu quadril, a outra se move para agarrar meu cabelo enquanto a minha boca cobre seu peito, e eu puxo seu mamilo, chupando duro. "Balcão. Se curve sobre ele agora," eu ordeno, dando um passo para trás e sinto meu peito arfar. Seus olhos digitalizam meu rosto por apenas um momento antes dela se mover para o balcão e tentar se curvar sobre ele. Movendo-me por trás dela, eu pego seus olhos no


espelho, inclinando-me para frente, beijo suas costas, enquanto o meu pé chuta seus pés afastados. "Querido", ela sussurra, ela arqueia para trás e sua bunda inclina. Movendo minhas mãos por cima da curva de sua bunda, eu seguro-a aberta e vejo quando a ponta do meu pau empurra dentro dela lentamente, polegada por polegada. Puxando meus olhos de nós, eu olho para ela e assisto sua cabeça voar pra trás, seus cabelos voando pelo ar, seus olhos fechados e seus lábios se separaram em um suspiro. "Olhe para mim." Eu me instalo dentro dela, sentindo suas paredes contraírem. Sua cabeça mergulha para frente, seus olhos se abrem lentamente e bloqueiam nos meus. "Nunca se esconda de mim", rosno, puxando pra fora lentamente, movendo-me de volta mais lentamente ainda. "Nunca, baby." "Nunca", ela sussurra, inclinando sua bunda mais pra cima e me enviando mais profundo. Envolvendo uma mão ao redor de seu quadril, eu deslizo a outra em sua frente e rolo meus dedos sobre seu clitóris, observando seus olhos ficarem cerrados. "Por favor, mais forte," ela choraminga, mas eu não mudo meu ritmo. Eu mantenho lentamente, enquanto meus dedos rolam. Quando eu sinto suas paredes começarem a apertar a minha volta, eu roço minha mão que estava em torno de seu quadril sob seu peito e puxo-a pra trás. Sua cabeça se vira pra mim e eu cubro sua boca com a minha, quando eu aperto seu clitóris, enviando-a ao longo da borda. Seu gemido alto vibra na minha garganta quando eu mudo meus quadris para frente, mais uma vez, afundando-me quando eu gozo duro, gemendo em sua garganta. Respirando pesadamente, eu puxo minha boca da dela e descanso minha cabeça contra a curva de seu pescoço, colocando um beijo lá.


"Eu senti sua falta", ela sussurra, e eu levanto minha cabeça para pegar seus olhos no espelho. "Eu perdi isso." Sorrindo para ela, eu a vejo puxar uma respiração, em seguida, solta lentamente. Ela não sorri; seu rosto fica suave, mas sua voz cai. "Não faça nada que vá tirar isso de mim." Lágrimas enchem seus olhos pouco antes de ela deixar cair sobre a bancada a nossa frente. "Por favor, não faça nada para arriscar isso." Perdendo nossa ligação, eu viro ela em meus braços, tomando seu rosto em minhas mãos, afastando as lágrimas de suas bochechas, e espero até que eu tenha sua atenção antes de falar. "Você não tem que se preocupar. Prometo. Nada vai acontecer." "Você não pode saber disso. Você acabou de levar um tiro." "Eu sei, mas eu preciso saber que você confia em mim para terminar com isso, então nós dois podemos seguir em frente. Eu quero começar nosso futuro, e até que isso esteja atrás de mim, atrás de nós, o nosso futuro está parado. Confie em mim para fazer o certo por nós." "Eu confio, mas se algo acontecer, eu vou estar tão brava com você," ela murmura, e eu estouro em uma risada. Quando eu a puxo para mim, ela me encara. "Isso não é engraçado." "É um pouco engraçado." Eu rio, beijando sua testa. "Você é tão estranho", ela murmura, envolvendo seus braços a minha volta, descansando sua bochecha contra meu peito. "Eu amo você, Maggie", eu sussurro, beijando o topo de sua cabeça e sentindo seus braços convulsionarem. "Tão, porra tanto." "Eu também te amo", ela sussurra de volta. Nós ficamos abraçados por um longo tempo, tempo suficiente para Lane vir e bater na porta, certificando-se de


que estamos bem e fazendo com que Maggie fique num tom de vermelho que eu nunca vi nela antes, pior do que quando sua mãe perguntou se ela poderia nos ensinar o Kama Sutra. Depois disso, nós tomamos banho e nos vestimos, e depois levamos nós e nossas coisas para o carro e saímos, com Zack, Lane, e Teo seguindo atrás de nós. Quando chegamos a Kai, eu reconheço que trazer Maggie aqui é a decisão certa. A casa é cercada por uma cerca de sete metros de altura, iluminada como Natal seria um impedimento para a maioria. Mas se alguém fosse estúpido o suficiente para foder com a gente aqui, não haveria nenhuma maneira do caralho que seria capaz de deslocar-se sobre a casa sem que alguém os veja. Kai colocou a melhor segurança que o dinheiro pode comprar, e, não tenho dúvida de que, mesmo se alguém estivesse andando pelo deserto, saberíamos que estão lá, antes mesmo de chegarem perto. Assim que o portão para, a entrada de automóveis abre, olho para Maggie e vejo que ela ainda está dormindo. Ela desmaiou não muito tempo depois de pegarmos a estrada e, provavelmente dormirá pelo resto da noite se eu não acordála. Eu não quero acordá-la; ela precisa descansar, e mesmo que ela estivesse chateada por deixar a casa que nós fizemos nossa, eu sei que ela estava no seu limite lá. Saindo de trás do volante, eu calmamente fecho a porta e caminho ao redor para me encontrar com Pika e Aye, dois guarda-costas de Kai que estão em pé no final da calçada, e depois espero pelos meus homens se juntarem a mim. "É bom ver você, cara", Pika cumprimenta, e Aye levanta o queixo. Eu levanto o meu de volta, então murmuro: "Não tenho certeza se você conhece Zack, Lane, ou Teo, mas eles estarão com Maggie quando eu não estiver." "E aí? Sou Aye, e ele é Pika," Aye retorna, acenando com a cabeça para o outro guarda-costas.


"Zack?" Os olhos de Pika apertam, olhando para Zack, então, ele sorri. "Porra, cara, como diabos você está?" "Não achei que você me reconheceria." Zack sorri, levantando o punho em direção a Pika que bate contra ele. "Você está mais feio agora, por isso me levou um minuto," Pika responde, e Zack ri, em seguida, olha para mim e murmura, "Pika costumava usar o VIP no Bistrô toda vez que ele estava na cidade. Ele tinha umas dez cadelas aproximadamente todas as noites, todas elas felizes em compartilhar seus afetos." "Eu sinto falta de Vegas." Pika sorri, depois olha para Aye. "Nós temos algum tempo antes de temos que voltar para a ilha, nós vamos sair." "Parece bom para mim." Aye sorri, e eu olho entre ele e Pika, sabendo que houve um tempo em que eu teria estado bem ali com eles, mas não mais. Agora, a ideia de mulheres aleatórias não é nem um pouco atraente. "Você quer me mostrar onde vamos ficar? Maggie está dormindo. Eu quero estabelecer ela, então vamos falar," eu digo, e Aye olha para o carro atrás de mim. "Ouvimos sobre ela. Tio Frank não iria calar a boca sobre ela," murmura Aye, trazendo os olhos para mim. "Sinto muito sobre o que aconteceu. É fodido, mas no final, você vai ter o seu," garante, e eu sei que ele quer dizer isso em mais de uma maneira. "Sim." "Eu posso cuidar de Maggie enquanto vocês caras vão tratar da merda," Lane se coloca, e eu olho para ele, mas seus olhos estão no Suburban onde Maggie está dormindo. "Eu cuido dela," digo a ele, e, quando seu olhar vem a mim, eu vejo algo lá que fazem meus dentes cerrarem, então ele acena. Olhando dele para Zack, eu vejo seus olhos em Lane, observando-o de uma forma que me tem me perguntando o que diabos eu estou perdendo. Eu sei que


Maggie e os caras se dão bem; eles têm se dado bem desde a primeira noite em que ela apareceu no clube, mas agora eu estou querendo saber se eu perdi alguma coisa de toda a merda vindo pra baixo. "Eu vou te mostrar." Pika bate no meu ombro, e eu puxo meus olhos de Zack para olhar para ele murmurando, "Obrigado." Uma vez que tenho Maggie estabelecida na cama, encontro os caras sentados na mesa da sala de jantar conversando. Pika e Aye estão enchendo Zack, Lane, e Teo sobre a casa e o parâmetro, incluindo os sensores no deserto. "Zack", eu chamo, e seus olhos se movem de Pika na cabeceira da mesa para mim, e eu aceno em direção a porta da frente. Murmurando, "Estarei de volta", ele salta para longe da mesa e me segue para fora da casa. "Que diabos foi isso?", pergunto, e ele nem sequer hesita antes de falar. "Não tenho certeza, ainda." "Que porra isso quer dizer?" Eu corro uma mão pelo meu cabelo. "Se ele-" Faço uma pausa, escorando, "Foda-se", e arrasto a mão pelo cabelo novamente. "Esta merda não está bem, não com toda a outra merda indo para baixo." "Eu não tenho nada mais que o meu instinto agora", ele rosna, olhando para a casa. "Teo viu isso. Ele sabe que algo está fora também." "Por que diabos você não trouxe isso para mim antes que eu o tivesse em nossa casa?" "Como eu poderia ficar de olho nele se ele não estivesse comigo?", Ele pergunta de volta e — foda— eu sei que ele está certo, mas essa merda não está bem comigo agora. "Enlouqueceu, cara", ele sussurra, olhando de volta para a casa.


"O que?" "Quando ele soube que Maggie estava com você no andar de cima hoje, ele enlouqueceu." "Jesus", eu sussurro, imaginando quão cego, porra, eu fui. "Ele não deve ficar sozinho com ela sob quaisquer circunstâncias." "Você nem precisa me dizer essa merda. Ele não tem ficado sozinho com ela, e não ficará. Teo e eu estamos assistindo, esperando pelo seu movimento." "Ele a toca, eu vou matá-lo. Eu sei que vocês caras são próximos, mas eu vou matá-lo." "Se ele chegar a isso, eu vou fazer isso por você", ele murmura, e eu assisto a mudança de seus olhos, de uma maneira que mostra o quão sério sua declaração é. "Ele a drogou," eu sussurro para mim mesmo, sabendo lá no fundo pelo meu instinto que estou certo. "O único que chegou perto dela. Ela porra confiava nele." "Foda-se," Zack sibila, e eu sei que ele vê isso agora também. Eva não faria essa merda. Ela não iria. Eu vi a preocupação em seus olhos quando ela descobriu o que aconteceu. Justin fez sua verificação e voltou limpa, sem bandeiras vermelhas. Lane tem jogado de bom rapaz, jogando comigo, e jogando com ela. Eu fecho meus olhos, odiando que eu precise porra dizer a Maggie sobre essa merda. Ela já está no limite; essa merda provavelmente vai empurrá-la. "Eu não posso estar aqui com ela. Com ele aqui, eu não posso arriscar algo dando errado, não agora." Aproximando-se, ele deixa cair sua voz. "Este é o lugar mais seguro para ela." "Ele está dormindo no corredor," Eu lembro a ele, estreitando meus olhos. "À direita na porra do corredor." "Direita ao meu lado," diz ele com calma, e eu balanço minha cabeça em frustração. "Eu vou deixar Pika e Aye


saberem o que está acontecendo. Ninguém vai permitir que nada aconteça com ela." "Por que diabos eu não vi essa merda antes?" Perguntome em voz alta. "Ninguém viu." Eu sei que ele está certo, mas mesmo sabendo que ele está certo, eu quero colocar seu traseiro em um avião e mandá-la para um lugar seguro, onde eu posso lidar com essa merda sem ela estar no meio. "Nós estamos olhando ele, e Lane não é estúpido. Mesmo se o que ele fez foi estúpido, ele não é um idiota Ele não vai ter uma chance." "Foda-se," eu corto, quando eu realmente quero rugir minha frustração. "Eu sei que esta situação não é ideal, mas agora, precisamos enrolar ele. Quando ele fizer seu próximo movimento, eu vou fazer o meu e colocar um fim a isso," "Não, foda não. Eu não sei qual é o seu plano, mas ele a drogou, poderia ter porra machucado ela. Ele faz um movimento, eu estou colocando-o para baixo," eu rosno, deixando o peso de minhas palavras penetrarem, em seguida continuo. "Nós não mostramos nossas mãos, não mudamos uma merda, e quando eu falar com Maggie, eu vou dizer a ela para manter a guarda levantada, mas jogar isso bem. Nós não sabemos qual seu plano, mas nós também não sabemos se ele está recebendo ordens de alguém mais agora." "Você pensa que Paulie está sobre essa merda?", Ele pergunta, e eu dou de ombros, sem ter ideia do caralho, se ele está, mas eu não ficaria surpreso ao descobrir que ele tem algo a ver com isso. "Paulie tem bolsos profundos. O dinheiro faz as pessoas ficarem loucuras, por isso pode ter começado quando ele recebeu uma ordem, então, virou-se para ele querendo Maggie. Agora, eu estou andando porra cego, mas eu não estou disposto a arriscar Maggie neste jogo fodido. Quando


você falar com Pika, Aye, e Teo, você certifique-se de que eles saibam que Lane não seja alimentado com qualquer coisa que ele pode passar para outra pessoa." "Eu vou falar com eles." "Eu vou falar com Mags." "Sua mulher é louca. Ela pode tentar levá-lo para fora ela mesma," ele murmura, e eu pego o sorriso em sua voz. "Não diga essa merda. Você sabe que ela vai, e isso é a última coisa que precisamos agora." "Verdade, mas poderia ser divertido de assistir." Ele ri, mas eu não acho nada engraçado sobre isso, não agora. Minha mulher é forte, mas ela vai se machucar pelo fato de que alguém que ela confiava não é alguém digno de fé. "Nós vamos resolver isso", ele murmura, me lendo, e eu aceno. "Preencha os caras esta noite. Quando Kai e Kenton entrarem, diga a eles que falaremos na parte da manhã. Vou conversar com Maggie depois, também. Ela precisa de sono, e eu quero que ela tenha pelo menos uma boa noite dele antes de mais besteira ser empilhada sobre ela, o que vai impedi-la de ter um descanso fácil," eu digo a ele, em seguida, invado a casa, certificando-me de manter meu rosto impassível enquanto eu aceno para os caras, que ainda estão sentados ao redor da mesa enquanto eu passo. Quando eu chego ao quarto que Maggie e eu estamos compartilhando, ela ainda está dormindo, mas agora ela está dobrada com um travesseiro contra seu peito, com um pé para fora das cobertas e jogada sobre isso. Despindo-me, eu desligo a luz, e vou para a cama, puxando o travesseiro de sua mão, empurrando-o por trás da minha cabeça. No segundo que estou deitado, antes que eu possa puxála para mim, seu corpo se move. Sua perna desliza sobre as minhas enquanto seus braços se movem pela minha cintura, e sua cabeça se aninha na curva do meu braço. Eu nunca fiz essa merda com uma mulher antes de Maggie. A ideia de ter


alguém tão perto toda a noite teria me incomodado. Maggie não tem a opção de dormir de qualquer outra maneira. Eu não permitiria isso. Eu não só a desejo perto; eu preciso dela perto. Correndo minha mão pelo seu cabelo, eu olho para o relógio do outro lado da sala, as luzes verdes lendo um pouco depois de dez. É cedo. Kai e Kenton estarão aqui em breve com suas mulheres. Era suposto começarmos a falar hoje à noite, mas essa merda vai ter que esperar. Amanhã vai sugar, em mais de uma maneira, e eu quero dar a Maggie mais uma noite de apenas isso— ela em meus braços, o mundo fora de nós não rastejando para dentro. Fechando os olhos, eu solto um suspiro, pensando que, se seus pais quiserem estar lá quando nos casarmos, eles vão ter que nos encontrar assim que chegarmos à cidade, quando essa merda estiver terminada. Porque eu estou entrando na primeira capela de casamento que eu ver. Com algo para olhar para frente, eu sorrio e adormeço.


Capítulo 11 Maggie Trancado Acordando com o meu rosto pressionado contra o peito de Sven, minha mão descansando sobre seu coração, e minha perna sobre as suas, eu pisco meus olhos abertos lentamente. Olhando pela minha mão e pela extensão do peito de Sven, vejo paredes de lavanda e belos móveis escuros. Piscando novamente, eu percebo que eu dormi através da nossa chegada à casa de Kai e fui colocada na cama sem nunca acordar. "Você está acordada?" Sven pergunta, mudando meu cabelo para fora do meu rosto e do meu pescoço e descansando a mão nas minhas costas. "Não", eu sussurro, desejando que eu não estivesse, pois eu sei que uma vez que deixar esta cama, eu vou ter que lidar com tudo o que acontece fora dela, incluindo o fato de Sven e seus amigos estarem indo contra um dos maiores monstros em Las Vegas. Um monstro que colocou um golpe sobre ele, e conseguiu atirar em seu peito nem mesmo um mês atrás. "Desejo que eu pudesse deixar você dormir, baby, mas temos alguma merda para falar, e eu quero ter certeza de que você está bem antes de sair deste quarto," diz ele, passando a mão pelas minhas costas e parando na curva da minha cintura. Levantando minha cabeça, eu coloco meu queixo no seu peito e encontro seus olhos, em seguida, pergunto: "O que


é isso?" Vejo a preocupação que ele está tentando esconder enquanto ele varre meu rosto. "Eu vou te perguntar uma coisa, e eu quero que você realmente pense sobre isso antes de responder." "Ok", eu suspiro, um pouco assustada com o tom de sua voz e pela forma como seu corpo ficou apertado sob o meu. "Não há uma resposta certa ou errada, e eu juro, baby, não importa a minha reação agora, eu não estou bravo com você, ok?", Ele pergunta quando sua mão no meu quadril aperta gentilmente. Quando eu tento me sentar, seu braço me segura mais perto, mantendo-me no lugar, e ele sacode a cabeça negativamente. "Você fica bem aqui." "Você está me assustando", eu sussurro, tentando recuperar minha respiração, que de repente, tornou-se agitada. Seu rosto suaviza e sua mão corre ao longo da minha mandíbula. "Alguma vez Lane disse alguma coisa para você, ele fez você se sentir desconfortável de alguma forma?", Ele pergunta, e meu corpo relaxa. "Não", eu sussurro, balançando a cabeça sabendo o que ele está insinuando. "Maggie". "Eu nunca-" "Eu sei disso, baby", ele me corta. "Isso não é o que eu estou dizendo. Eu preciso saber se você já o viu agindo de forma estranha quando você está por perto?" "O que está acontecendo?", Pergunto, Lane nunca me deixou desconfortável, mas tanta coisa aconteceu ao longo das últimas semanas que eu não iria notar se ele estivesse agindo de forma estranha. Rolando-nos, ele estabelece seu corpo sobre o meu e suas mãos se movem para segurar o meu rosto enquanto ele mergulha o seu mais perto. "Eu estou indo com meu instinto.


Eu não tenho nenhuma prova agora, mas eu acho que ele é o único que drogou você." "Você pensou que era Eva," Eu lembro a ele. Ele balança a cabeça, em seguida, murmura baixinho, "Eu pensei, mas agora eu não penso." "Por quê?" "Eu não sei. Isso é o que eu preciso descobrir." Lambendo meus lábios e estudando sua mandíbula, repito. "Você... você acha que ele me drogou?" "Eu acho", ele concorda suavemente, e eu olho em seus olhos e sei que ele é a única pessoa que eu posso realmente confiar neste mundo inteiro, a única pessoa que nunca vai mentir para mim ou me enganar. "Por quê?", eu pergunto de novo, e sua testa cai para descansar contra a minha enquanto seus dedos se movem ao longo da minha mandíbula. "Não faço ideia, bebê. Zack disse que Lane enlouqueceu ontem quando estávamos lá em cima. Ontem à noite foi a primeira vez que vi algo em seus olhos que eu não gostei. Agora, é apenas um sentimento, mas meu instinto nunca me levou na direção errada antes, então eu vou com ele." "Ele está aqui", eu digo baixinho, e seu rosto se move para longe de mim. "Eu... o que devo fazer?" "Um: não seja você." "O quê?" Eu franzo a testa e ele sorri. "Você sabe que eu te amo, mas você não pode fazer qualquer coisa que vai levá-lo a acreditar que estamos em cima dele." "Mas-" "Não." Seu polegar cobre minha boca. "Eu não te disse isso para que você pudesse formar um plano ridículo, um que eu teria, provavelmente, que salvá-la. Eu estou dizendo a você, assim você vai manter os olhos abertos. Se você está em um quarto com ele sozinho, você escapa. Ele te


encurrala, mais uma vez, encontre uma fuga. Ele diz qualquer coisa, faz qualquer coisa, diga-me ou a um dos outros homens na casa imediatamente. Você não o ataca." Ele faz uma pausa, deixando cair seu rosto mais perto, juntamente com a sua voz. "Nunca." "Eu não vou", eu sussurro. "Bom", ele sussurra de volta, e minha mão se move timidamente para a cicatriz em seu peito e eu corro o meu dedo sobre ela, mudando de assunto. "Eu dormi enquanto todos se reuniam na noite passada." "Os únicos que estavam aqui quando chegamos eram os homens de Kai, Pika e Aye. Todos os outros apareceram depois que eu vim para a cama." "Oh," murmuro, e ele sorri, em seguida, dobra e corre seus lábios sobre os meus suavemente. "Morgan recebeu um telefonema hoje", ele me diz, algo que eu mencionei há alguns dias, e eu estou realmente surpresa por ele se lembrar. Eu sei que ele e Morgan não começaram com o pé direito. Além disso, sua ‘conversa’ com ele não exatamente a tornou sua pessoa favorita. "Ela será liberada em duas semanas", murmuro, correndo minha mão sobre seu cabelo. Nada na vida é sempre garantido, mas tenho a sensação de que Morgan ficar limpa vai durar. Eu não podia ir vê-la, por razões óbvias, mas meus pais tinham a visto e disseram que ela estava parecendo saudável e feliz. Ela ganhou peso e estava chegando a um acordo com algumas das coisas que ela tinha feito, e os conselheiros estavam ajudando-a a chegar à raiz do problema, ajudando a encontrar outras maneiras de lidar com os seus sentimentos. Não foi nenhuma surpresa para mim, que os médicos disseram a ela o que eu havia dito um milhão de vezes— que estar perto de Amy não era bom para ela— e até que ela tenha um melhor controle sobre sua sobriedade, ela


precisava ficar o mais longe dela possível. Eu não posso esperar para vê-la pessoalmente para lhe dizer o quanto estou orgulhosa dela. Tivemos alguns telefonemas, e quando Sven estava no hospital, ela queria sair da reabilitação para estar comigo. Eu senti como se tivesse minha irmã de volta, e mais ainda, eu senti como se tivesse a minha família de volta. Meus pais, que odeiam Vegas, ficaram comigo e Sven na semana depois que ele foi liberado do hospital. Eles cuidaram de tudo, enquanto eles estavam com a gente, desde mantimentos, cozinhar e fazer tarefas, para lidar com o clube quando alguém precisava estar lá. Eu nem sequer pedi-lhes nada disso; eles apenas fizeram, sem serem solicitados. "Ela pode ficar em casa", diz Sven, me puxando dos meus pensamentos, e meus olhos vão até ele. Largando minha mão em seu ombro, sinto meu rosto suavizar quando eu pergunto: "Sério?" Sua cabeça se inclina para o lado e ele me estuda por um segundo antes de dizer, "É claro. Ela precisa de um lugar para dormir. Enquanto ela estiver limpa, ela é sempre bemvinda." "Obrigada, querido," eu sussurro, observando seus olhos suavizarem quando eu corro minha mão para baixo em suas costas. "Eu acho que seus planos são ficar com a mãe e o pai por algum tempo. Eu não sei se ela vai voltar para Vegas." "Inteligente," ele murmura, caindo para frente e me beijando mais uma vez. "Estou orgulhosa dela", eu digo a ele, algo que ele sabe, e seu rosto fica mais suave. Seus polegares passam pelas minhas bochechas enquanto ele murmura: "Você deve estar." "Obrigada novamente por ter minhas costas."


"Sempre, Maggie", ele sussurra, e ouço a sinceridade em seu tom, eu levanto e pressiono, duro, minha boca na dele, precisando que ele saiba o quanto isso significa para mim. No momento em que nos afastamos, nós dois estamos respirando pesadamente, e eu sei que é hora de levantar e enfrentar o mundo exterior novamente, embora gostaria que pudesse me esconder. Tomando um gole de café, meus olhos assimilam o quarto. A casa, como o quarto em que Sven e eu ficamos na noite passada, é bonita, com tetos altos, janelas enormes com visão do deserto lá fora, e mobiliário que não é apenas confortável, mas também bem feito e lindo. Verificando o cômodo novamente, paro e vejo Kai segurando seu filho, Maxim, perto de seu peito enquanto ele alimenta-o, e então eu vejo como seus olhos amolecem e um sorriso cruza seus lábios quando Myla joga a cabeça loira para trás, rindo de alguma coisa que Frank diz a ela. Kai e Myla se encaixam perfeitamente; ela é a suave para o sua dureza, e você pode dizer só de observá-lo, que ele sabe o tipo de beleza que ele tem em suas mãos, e que ele morreria antes de permitir que algo ou alguém tirasse isso dele. Puxando meu olhar deles, meus olhos pousam em Autumn e eu sorrio, e ela devolve, em seguida, inclina a cabeça para trás para o marido, Kenton, quando ele inclinase sobre o encosto do sofá. Ele se curva sobre ela, colocando sua boca perto de seu ouvido para que ele possa sussurrar alguma coisa para ela. Assistindo um sorriso se formar em seus lábios, eu curiosamente gostaria de saber o que ele disse, e então eu assisto sua boca suavizar e seus olhos puxar para trás para encontrar os dele. Sua mão se move para sua mandíbula inferior e sua boca desce para tocar a dela. Arrastando meus olhos deles, eu tomo outro gole de café. Eu aprendi com Sven quando ele me apresentou a todos, que


seu melhor amigo, Asher, também é primo de Kenton. Eu podia ver isso, desde que eu tinha visto fotos de Asher e sabia que ele era muito bonito, mas não tão lindo como Sven. Embora eu tenha certeza de que eu ser apaixonada por Sven tem algum efeito sobre essa decisão, ainda, a semelhança familiar estava lá. "Você está bem?" Sven pergunta, tomando um assento ao meu lado, e eu viro minha cabeça para olhar para ele. "Sim, todo mundo é muito legal, e Myla e Autumn são muito doces," eu digo a ele baixinho, enquanto ele coloca a mão em torno da volta do meu pescoço para que ele possa me puxar para mais perto. "Elas são boas mulheres", ele murmura de volta baixinho. "Kai e Kenton são ambos muito legais também, um pouco assustadores, mas muito legais," eu confidencio, e ele sorri, em seguida, se inclina para dar um beijo na minha testa, não respondendo a esse comentário. "O que vai acontecer agora?", pergunto em um sussurro, puxando para trás para olhar seu rosto. Tendo comido um enorme café da manhã, com todos rindo e brincando, essa coisa toda se parece com alguns amigos se reunindo para um fim de semana fora. Não se parece em nada como se os homens nesta sala fossem discutir e afastar um homem que até o FBI tem medo. "Estamos deixando vocês se estabelecerem enquanto esperamos por Justin." "Quem é Justin?" "Lembra que eu te disse que eu tinha um amigo te seguindo para seus pais?", Ele pergunta, e eu aceno. "Esse era Justin". "Eu nunca o conheci." "Não, mas você vai. Ele deve estar aqui a qualquer momento," ele murmura enquanto seus olhos passam por mim sobre meu ombro. Eu assisto-os diminuir ligeiramente, e então ele me puxa para mais perto, pela parte de trás do


meu pescoço para que ele possa me beijar. Não é um beijo suave; É um beijo que me tem quase derrubando meu café quando eu caio sobre ele. Quando ele se afasta, eu olho para ele, e seus olhos seguram os meus por um segundo antes de passar por cima do meu ombro. Usando meu café como uma desculpa, eu levanto-o em direção a minha boca, em seguida, olho para a direita, onde seus olhos estão apontados. Zack e Teo estão de pé perto de Kenton, e ambos têm os olhos à esquerda. Virando nesta direção, eu assisto Lane recuar para trás enquanto ele sai da sala. "O que foi isso?", pergunto a Sven. Seus olhos vêm até mim e ele balança a cabeça, mas eu posso ver aborrecimento lá quando ele murmura: "Nada para você se preocupar." O ato 'não preocupe sua linda cabecinha’ vai ficar velho rapidamente. Mesmo sabendo a razão por trás disso, eu continuo achando isso irritante. Puxando meus olhos dele, eu faço a varredura da sala e encontro Myla me observando. Eu sorrio para ela, e ela sorri de volta, mas seus olhos se movem de mim para a porta atrás de mim, e me pergunto se ela viu o que aconteceu com Lane. Então eu movo meus olhos para Autumn e a vejo com o mesmo olhar curioso em sua face. Quando o olhar dela vem a mim, eu sei que ela está tentando me dizer alguma coisa; eu simplesmente não tenho ideia do que é. "Vocês meninas não estão se envolvendo", Sven murmura e eu salto, virando a cabeça para olhar para ele. "O que?" "Você não está se envolvendo", ele repete, e eu mantenho seu olhar então, estalo, "Eu sei disso." Balançando a cabeça, ele revira os olhos para o teto. Eu não tenho ideia o que isso significa então, eu ignoro e volto a beber o meu café.


Assistindo a um homem entrando na sala parecendo um dos Vikings de programas de TV, eu sento-me no sofá e seguro Maxim mais perto de mim. Sven, Kenton, e Kai desapareceram a uma hora, deixando eu e as meninas sozinhas para que eles pudessem "falar". Quando eles saíram, eu perguntei a Myla se eu poderia segurar seu filho, e ela imediatamente o entregou. Não conseguia me lembrar de nunca ter segurado um bebê, mas segurando-o, olhando para seu rosto pequeno doce, vendo o quão pequeno e delicado ele é, eu sei que eu quero isso para mim e Sven, agora mais do que nunca. "Um..." murmuro, olhando para o cara e perguntando se eu deveria perguntar a ele quem ele é ou como o inferno ele entrou aqui. Mas Autumn levanta-se de onde está sentada, atravessa o quarto e corre para seus braços gritando: "Justin!", quando ela bate contra ele. Relaxo de volta na cadeira com a menção do seu nome e pelo jeito que Autumn o cumprimenta, ouvindo-o murmurar: "Ei, coisa doce", quando ele inclina sua cabeça, colocando um beijo em sua bochecha. Em seguida, seus enormes braços envolvem-na em um abraço apertado quando ele levanta-a do chão. "Qual é a da barba?", pergunta ela, puxando sua barba espessa que coincide com o resto de sua aparência. Ele é quente, de um jeito assustador, mas não menos quente. "Minha senhora precisa de um lugar confortável para se sentar, e sou confortável." Ele sorri, e ela bate em seu peito então revira seus olhos, mas eu explodo em um ataque de risos, e assim faz Myla, que está sentada ao meu lado.


"Meninas, este é Justin. Justin, esta é Maggie e Myla," diz ela, voltando-se para nós com o braço dele em seus ombros. "Prazer em conhecê-las." Ele sorri e nós duas dizemos Oi. "Existe uma razão para suas mãos estarem em minha esposa?" Kenton pergunta, entrando na sala, puxando uma Autumn sorrindo para longe de Justin, e colocando-a à sua frente. "Você sabe que ela me ama mais." Justin sorri, e Kenton estreita os olhos, em seguida, me surpreende, puxando-o para um abraço de um braço. "Estou feliz que você pode fazer isso homem," ele murmura, batendo em suas costas duro. "Não perderia isso. Onde estão todos?" Justin pergunta, dando um passo para trás. "Nós estamos na cozinha, embora não me surpreenda que você encontrou as mulheres antes de nos encontrar." "Imã de buceta." Ele bate em seu nariz, e Autumn bate em seu peito enquanto eu começo a rir de novo ouvindo Myla rir ao mesmo tempo. "Eu não sei como Aubrey te aguenta", diz Autumn, tranquilamente balançando a cabeça. "Ela me ama." Justin sorri, depois olha para Kenton e murmura: "Vamos. Eu tenho algumas informações para compartilhar, e então eu preciso falar com Sven sozinho." Esse comentário tem os meus ouvidos se recuperando, e me pergunto o que ele precisa dizer Sven ou o que ele precisa dizer a ele sozinho. "Está bem, babe?" Kenton pergunta a Autumn, e ela balança a cabeça, em seguida, olha para Justin e dá um passo para mais perto dele. "Você vai voltar com a gente quando formos embora?", ela pergunta em voz baixa, e quando ele lhe dá um sorriso suave e acena, eu vejo seu corpo relaxar. "Bom", ela sussurra, e seu rosto suaviza ainda mais.


"Eu sinto falta das minhas meninas." Ele diz a ela em voz baixa, e o rosto dela suaviza ainda mais. "Eu sei que elas sentem sua falta, também." Ela resmunga e bate-lhe no queixo com os nós dos dedos, e então seus olhos vêm para Myla e eu. "Prazer em conhecê-las, senhoras." Ele pisca, e eu tenho vontade de revirar os olhos, mas eu luto contra isso e assisto Kenton e Justin saírem da sala enquanto Autumn volta para o sofá, tomando um assento ao meu lado. "Então, qual é o negócio com aquele cara Lane?" Autumn pergunta baixinho, inclinando-se mais perto de mim. Engulo em seco, me perguntando o que devo dizer, ou se deveria dizer qualquer coisa, desde que eu realmente não sei o que está acontecendo com ele. "Ele estava observando-a com Sven durante todo o café da manhã, e depois mais ainda quando todos nós viemos aqui para nos sentar depois que comemos. Eu pensei que ele estava indo para puxá-la longe de Sven quando ele te beijou." "Hum ..." Eu respiro, porque isso não é bom em tudo. "Pika tinha uma queda por mim", Myla sussurra, e eu olho para ela. "Eu era ignorante. Eu pensei que nós éramos amigos. Eu nunca tinha pensado nele dessa forma, e eu nem sabia que ele sentia nada por mim até Kai apontar isso." "Sério?", Pergunto. "Sério," ela responde, sorrindo para Maxim quando ele estende seus pequenos braços sobre a cabeça e faz beicinho em seus lábios. "Eu... eu não sei o que está acontecendo com ele. Algumas semanas atrás, eu fui drogada," eu sussurro, e ambas as mulheres suspiram ao mesmo tempo. "Sven pensou que tivesse sido uma das bartenders no clube, mas agora ele pensa diferente."


"Bem, pelo lado de fora, sem saber sua história, eu teria jurado que você e Lane tinham história", sussurra Autumn calmamente. "Nós não. Eu nem me lembro dele dando em cima de mim, para ser honesta," eu digo a elas, imaginando se Sven entendeu isso tudo errado. "Você pode não ter história, querida, mas sua reação não foi normal. Ele estava puto." "Isso pode ser verdade, mas ainda não faz sentido", eu lhes digo, perguntando se eu deveria apenas tentar falar com ele e ver o que está acontecendo por mim mesma. Se ele tem sentimentos por mim, eu posso ser capaz de simplesmente dizer-lhe que eu não me sinto da mesma maneira, e podemos colocar essa coisa estranha atrás de nós e nos concentrar no que realmente está acontecendo. "Eu posso ver no que você está pensando, e eu não acho que isso é inteligente", Myla sussurra, ganhando minha atenção. "Se Sven é qualquer coisa como Kai, e eu tenho uma sensação de que ele é muito parecido com ele, ele não vai gostar, e por não gostar dele, quero dizer que ele provavelmente vai ficar puto e perder sua mente." "Eu não sei. Se fosse eu, eu provavelmente apenas perguntaria o que está acontecendo," murmura Autumn. "Apesar de Kenton provavelmente me matar depois que eu fizesse isso." "Meu ponto exatamente", murmura Myla, olhando para Maxim quando ele começa a mexer, e eu movo-o cuidadosamente em seus braços, em seguida, sento-me no sofá. "Eu não vou fazer nada. Sven deixou claro esta manhã que ele quer deixar isso acontecer," Eu digo a elas, mesmo não sabendo se essa é a coisa certa a fazer. "Eu acho que isso é inteligente", Myla responde, mas os olhos de Autumn encontram os meus e eu posso ver que ela


não sente o mesmo. Agora eu sinto que tenho um anjo bom e um mau nos meus ombros. "Eu vou dar-lhe um par de dias", murmuro, e meu anjo bom, Myla, suspira. Meu anjo mau, Autumn, sorri e eu mordo meu lábio. "Eu preciso ir até ao mercado," Autumn diz, estatelandose no sofá ao meu lado, e me viro para olhar para ela, notando que ela está vestida para o dia em jeans, uma camiseta preta e sandálias pretas bonitas que têm uma grande joia prata e turquesa torcida entre as tiras de couro na parte superior do seu pé. Quando me levantei esta manhã, eu nem sequer me preocupei em me vestir. Tomei banho e coloquei um par de calças de ioga e um capuz. Ontem e anteontem, nós passamos o dia inteiro sentadas no sofá. Se eu estava indo sentar-me no sofá hoje, eu estava indo para fazê-lo confortavelmente. "Isso não vai acontecer", murmuro, enfiando meus pés cobertos de meias sob minha bunda e olhando para a TV. Já se passaram dois dias desde que chegamos aqui, e os rapazes tem estado fora na maioria das vezes, deixando-nos com Zack, Teo e Pika. Sven tem mantido um olho em Lane, mantendo-o perto. Eu não tenho certeza se isso é inteligente, mas quando tentei dizer a ele, ele deixou claro que estava fazendo isso por uma razão, conhecida apenas por ele, e que não queria que eu me preocupasse com isso. Sinceramente, fiquei surpresa cada vez que Lane voltou para a casa. "Eu vou com ou sem permissão", ela me diz, e me viro para olhar para ela novamente e noto que ela parece séria. "O que está acontecendo?" Eu pergunto, virando meu corpo para ela. "Estou atrasada", ela sussurra.


"Atrasada para qu—" Faço uma pausa quando registro suas palavras. "Você está atrasada?" Repito, pegando sua mão. "Nós temos tentado por algum tempo." Ela balança a cabeça. "Com tudo o que está acontecendo, eu nem sequer pensei... então esta manhã—" Ela fecha seus olhos e deixa cair sua voz. "Kenton disse algo sobre a data, e eu fiz um pouco de matemática na minha cabeça e eu estou atrasada... duas semanas de atraso." "Puta merda! Precisamos ir até a loja", eu sussurro, e ela sorri, em seguida, seus olhos se enchem de lágrimas. "Isso é incrível", eu digo a ela suavemente. "Eu sei, mas eu não quero começar a ter esperanças. Poderia ser apenas stress." "Então nós vamos encontrar uma maneira de obter-lhe um teste, e então você vai saber com certeza." "Como é que vamos fazer isso?", ela pergunta, e eu olho através da sala para Pika e Zack, que estão sentados em frente a um computador e falando em voz baixa. Então eu me lembro que Teo saiu para uma corrida há poucos minutos atrás, e Myla está lá em cima com Maxim pela maior parte da manhã, porque ele está com os dentes aparecendo e não se sentindo bem. "Você é próxima de Justin, certo?" Eu pergunto, olhando para os caras novamente para ter certeza de que ainda estão ocupados. "Muito." Ela balança a cabeça, apertando a minha mão. "Os caras confiam nele. Talvez ele possa nos levar para a loja." "Kenton não me quer deixando a casa de jeito nenhum, não por qualquer motivo. Ele até usou seu tom de "eu sou o chefe", quando ele me disse, por isso eu sei que ele estava falando sério."


"Eu odeio aquela voz." Eu torço meu rosto, sabendo que Sven usa esse mesmo tom o tempo todo e é chato. "É chato", ela concorda vocalizando os meus pensamentos me fazendo sorrir. "Ok, então se não Justin, então temos de chegar a um plano," murmuro. E nós chegamos a um plano... mesmo que ele não seja um dos bons em tudo. Assim que puxamos na frente da farmácia, eu coloco o carro em ponto morto, olho para Autumn, e lhe dou um grande sorriso, sussurrando: "Nós fizemos isso." "Eu sei." Ela sorri. Mordendo meu lábio, eu olho para ela, em seguida, recordo: "Agora temos que voltar, então, corremos pra dentro, obtemos o teste, e saímos." "Eles nem sequer sabem que estamos fora." Ela está certa... ou eu espero que ela esteja, de qualquer maneira. Nós saímos quando os caras estavam ocupados no andar de cima. Nós acionamos o alarme da porta antes, enquanto ainda estávamos na casa, e abrimos a porta para que pudéssemos sair sem sermos notadas. Então nós colocamos travesseiros em cada uma das nossas camas para parecer que estávamos deitadas para um cochilo. Ninguém nos seguiu quando saímos, então, por enquanto, nós estamos bem, ou, mais uma vez, espero que sim. "Vamos." Eu rio, abrindo a porta, e então grito quando uma grande mão pressiona para baixo no topo da minha cabeça, me empurrando de volta no meu lugar antes de bater a porta. "Ah, não," Autumn sussurra, e eu olho para ela, em seguida, através da janela e vejo Justin. "Porcaria", eu sussurro quando a porta de trás abre e Justin desliza para dentro, fechando a porta.


"Olá, senhoras." Ele sorri, cruzando os braços sobre o peito. "O que você está fazendo aqui?" Autumn pergunta, e seus olhos vão até ela. "Coisa doce, você realmente achou que vocês poderiam nos enganar?", ele pergunta, e meu coração começa a bater quando eu olho ao redor por Sven, esperando ele andar até o carro. "Não se preocupe, Maggie. Sven não está aqui," ele murmura, e eu deixo escapar um longo suspiro. "Embora ele saiba que vocês duas escorregaram para fora." "Ótimo." Eu largo minha testa no volante e bato lá algumas vezes. "Como você sabia que estávamos fora?" Autumn pergunta, olhando para ele. "Zack viu vocês antes mesmo de saírem da propriedade. Eu estava voltando para casa quando ele telefonou e me disse que vocês saíram. Parei o carro, e vocês duas passaram dirigindo por mim." Isso foi alarmante. Eu estava tendo certeza de que não estávamos sendo seguidas, e ainda perdi ele. "Eu segui você, querendo ver o que diabos vocês estavam fazendo." "Oh, bem eu e Maggie só precisávamos correr para a loja, bem rápido. Nós estaremos de volta," ela diz a ele. "Não vai acontecer, coisa doce." Ele balança a cabeça, cruzando os braços sobre o peito. "Vai demorar menos de cinco minutos," ela argumenta. "Não vai acontecer. Ligue o carro, Maggie. Vamos voltar," ele me diz, mas eu finjo que não ouvi e mantenho as chaves na minha mão. "Eu preciso ir para a loja, Justin, e você não vai me parar," ela responde, colocando a mão na maçaneta.


"Abra essa porta, Coisa doce, e eu juro que eu vou atirar em você." "Você não vai", ela sussurra. "Eu vou, porque ao contrário de você, eu me lembro do que aconteceu com você. Se algo como isso acontecer de novo, Kenton vai perder sua merda," diz ele em voz baixa, e eu mordo meus lábios, porque eu sei da história, Sven compartilhou comigo que Autumn foi baleada à queimaroupa por um dos homens de Paulie, pouco mais um ano atrás, e ela quase morreu. Kenton perderia sua mente, se algo assim acontecesse de novo; qualquer homem que ama sua mulher faria. "Tudo bem, então você entra e me compra o maldito teste," ela chora, e seu sorriso cai. "Qual teste?", pergunta ele, estudando-a. "Isso é tão irritante," ela grita. "Qual teste, Autumn?", Ele repete, e ela se vira em seu assento para que ela possa enfrentá-lo. "Um teste de gravidez", ela sussurra. Seu rosto suaviza quando ele pergunta: "Sério?" "Eu não sei. É por isso que eu preciso de um teste." "Foda-se." Ele esfrega a parte de trás de sua cabeça. "Eu vou comprá-lo. Tranque as portas assim que eu estiver fora. E Maggie?", ele chama, e eu me concentro nele. "Se você vir alguma coisa, arranque com o carro. Não espere ao redor. Basta dirigir de volta para casa." "Entendi." Eu aceno e ele abre a porta. Coloco as chaves de volta, eu ligo o carro e coloco em marcha, apenas no caso. "Estamos em tantos problemas," Eu informo a Autumn enquanto vemos Justin entrar na loja. "Sim", ela concorda. "Você pode dizer que foi minha ideia." "Foi ideia sua." Eu rio, e ela ri também, e então eu pressiono meus lábios enquanto vemos Justin sair da loja


com três caixas rosa em sua mão. Apontando para mim, ele vem para o lado do motorista. "Eu vou dirigir", ele me diz, abrindo a porta. "Eu posso dirigir." Eu olho para ele. "Sem ofensa, pãozinho doce, mas arraste seu traseiro para trás." "Pãozinho doce?", eu sussurro irada quando ele se inclina sobre mim, desafivelando meu cinto. "Banco de trás", ele repete, e eu olho para ele, mas, em seguida, desisto do meu olhar de morte quando eu vejo que eu não vou ganhar e passo por cima do console central para o banco traseiro. "Só para você saber, eu sou uma excelente motorista," Eu informo quando eu pego seus olhos no espelho retrovisor. "Claro que você é, pãozinho doce." Ele ri. "Eu sou", murmuro, cruzando os braços sobre o peito e olhando para ele novamente. "Eu deveria ter pedido pra você me conseguir uma água", diz Autumn, e eu puxo meus olhos no espelho retrovisor e vejo-a ler um pedaço de papel com instruções. "Nós não estamos parando de novo, coisa doce. Kenton e Sven estão ambos chateado. Eu deveria ter vocês duas de volta em casa há dez minutos." "É por isso que eu precisava de água. Eu poderia beber, fazer xixi nesta vara, e então esperançosamente mostrar a ele que é positivo e suaviza-lo um pouco," diz ela, e eu rio. "Tudo vai dar certo. Quero dizer, estamos seguras, certo? Eles devem ficar bem." Eu ouço Justin bufar, mas eu ignoro isso e mantenho meus olhos em Autumn quando sua boca diz, Obrigada. A qualquer hora, eu faço com a boca de volta, em seguida, viro a cabeça e olho para fora da janela, esperando que não estejamos em muitos problemas.


"Você está fora de sua mente, porra?" Sven ruge, abrindo a porta de trás do carro, assim que o carro para. "Eu não acredito que esteja," eu resmungo, surpresa que seus olhos não estão nem mesmo com raiva, mas puto, ele ainda delicadamente pega a minha mão e me ajuda a sair do carro. "Agora não é a hora de gracinha, Maggie", diz ele, mergulhando o rosto perto do meu. "Eu não estou com gracinha, querido," eu respondo, em seguida, olho por cima para Autumn para me certificar de que ela está bem. Eu noto que, em algum momento, ela deve ter pego os testes de gravidez pra fora das caixas e empurrado eles em seu bolso de trás, desde que eu posso ver as extremidades brancas pra fora. "Isto não é uma piada", ele sussurra duramente, e eu coloco a minha mão contra seu peito, sentindo seu coração batendo forte antes de eu chegar na ponta dos pés. "Sinto muito", eu digo calmamente. "Juro que não vai acontecer novamente." Suas mãos seguram a minha para o seu peito e ele balança a cabeça. "Eu sei que não vai acontecer de novo, porque eu estou algemando você na cama." "Você não está." "Sim, eu estou", ele ronca, mergulhando a cabeça e beijando-me duro. "Nós tínhamos algo importante para fazer", eu digo sem fôlego quando ele puxa a boca da minha. "A única coisa importante que você precisa fazer agora é ouvir e ficar parada." "Quando nós iremos para casa?", eu pergunto silenciosamente depois de um momento, e seu rosto suaviza. "Eu não sei, baby. Esperemos que em breve, mas até então, eu preciso que você esteja aqui." "Eu sei, e eu não vou sair de novo."


"Eu sei que você não vai." "Você não está me algemando a cama." "Vamos ver", ele murmura, olhando por cima da minha cabeça. "Você está bem?", Ele pergunta, e me viro para olhar Autumn e Kenton, que estão de pé da mesma maneira que Sven e eu. "Sim, cara", murmura Kenton, em seguida, olha por cimo do capô do carro para Justin. "Obrigado por trazê-las de volta para cá." "Sem problemas, Chefe." Justin diz em seguida, olha para Sven. "Você precisa ensinar pãozinho doce como dirigir. A mulher não pode dirigir, cara." Ele balança a cabeça e eu estreito meus olhos nele. "Não me chame de pãozinho doce, e eu sou uma grande piloto. Passei no teste de primeira," eu informo a ele com altivez. "O instrutor estava provavelmente mais interessado em você do que manter a população de Vegas segura," ele resmunga, ainda sorrindo. "Que seja," murmuro de volta, porque o instrutor pediu o meu número depois que ele me passou, mas eu não ia compartilhar isso com Justin. "Pensei assim." "Você é muito chato." "Ele é," Autumn concorda, caminhando até ele e o socando no braço, e então ela envolve seus braços em volta da sua cintura, dando-lhe um aperto antes de voltar para Kenton e beijar seu queixo enquanto seus braços envolvem em torno dela. "Vocês estão prontos para voltar para Kai?" Justin pergunta, e eu quero fazer beicinho por Sven sair novamente, mas eu seguro sabendo que ele não precisa disso agora.


"Sim, cara," Kenton concorda, e eu olho para Sven quando seus braços me dão um aperto. "Não deixe a casa por qualquer motivo." "E se houver um incêndio?" "Fique dentro." "E se houver um incêndio?" Eu repito, e seus olhos se fecham, em seguida, sua testa cai para a minha. "Por favor, fique lá dentro, baby." "Tudo bem." Eu fecho meus olhos, segurando-o um pouco mais apertado, e então eu levanto-me, colocando minha boca contra a dele, sussurrando, "Esteja seguro e volte em breve." "Assim que eu puder." Ele me beija suavemente mais uma vez, em seguida, me deixa ir para entrar no Suburban, com Kenton ao volante e Justin na parte de trás. "Eu não posso esperar até que isso termine", diz Autumn, pegando a minha mão enquanto olhamos os caras se afastarem. "Nem eu", eu concordo, sorrindo enquanto Sven aponta para a casa em uma demanda silenciosa. "Vamos entrar antes que ele volte e me algeme na cama", eu digo, sorrindo quando ela ri. "Não sei o que vocês estavam pensando, mas da próxima vez que vocês duas fizerem alguma merda assim, estou prendendo-as no armário," Zack diz assim que entramos na casa. "Estou arrependida", eu digo a ele, e suas narinas dilatam. "Você não está, mas faça algo assim de novo e você vai estar." "Zack", eu sussurro, dando um passo em direção a ele. Levantando suas mãos, seus olhos seguram os meus. "Eu adoro você Maggie, mas estou chateado com você agora."


"Eu sei, e eu prometo que vou estar no meu melhor comportamento a partir de agora." "Eu sei que você vai estar, porque sem brincadeiras, e eu vou trancar seu rabo no armário, se precisar." "Eu acredito em você." "Você deve." "Eu faço," Eu concordo, tentando lutar contra um sorriso, mas ele pega isso de qualquer maneira. "Meu homem está tão fodido", ele murmura, e eu corro para ele e envolvo meus braços a sua volta, dando-lhe um aperto. "Não me tranque no armário. Eu tenho medo do escuro." "Mentirosa", ele resmunga, apertando-me de volta, deixando-me saber que estamos bem. Dando um passo para trás, eu olho por cima do ombro para Pika, que está em pé com os braços cruzados sobre o peito e inclinando-se contra a parede. "Eu sinto Muito." "Você está segura. Está tudo bem, mas como Zack disse, nós não temos nenhum problema em prender vocês duas." "Você não terá que fazer isso", asseguro-lhe, e ele acena com a cabeça, em seguida, puxa-se fora da parede e sai da sala. "Eu estou indo para o meu quarto um pouco," Autumn diz, e me viro para olhar para ela. "Claro, eu vou estar na sala de estar, se você precisar de mim." Eu sorrio, e ela balança a cabeça antes de subir as escadas. Olhando para trás, Zack, eu pergunto: "Quer assistir Born in the Wild?" "Porra, não." Ele balança a cabeça enquanto seu rosto perde um pouco da sua cor. "Bem, se você mudar de ideia, eu vou estar na sala de estar." Eu sorrio então sigo pra dentro, ficando confortável


no sofá, e, eventualmente, caio no sono assistindo a uma mulher dar à luz a um bebê na floresta.


Capítulo 12 Sven Verdade "Este não é exatamente um trabalho que você pode colocar em um anúncio," Kai murmura, e meus olhos se movem através do meu escritório até ele. Desde que meu clube está fechado por enquanto, temos vindo nos encontrar aqui, deixando as meninas em casa com Zack, Pika e Teo. "Sim, mas você sabe tão bem quanto eu, que alguém vai se levantar no segundo em que Paulie não fizer mais parte da equação", eu respondo, sentado na minha cadeira. "Eu não sei nada sobre o negócio que você está dentro, mas eu sei de negócios, e sempre que alguém sai de uma posse, há sempre alguém lá para assumir, e eu não posso imaginar que este vai ser diferente." "Você está certo. Alguém vai entrar, mas não tenho certeza que o nosso movimento deve estar levando alguém para o banco," Kai diz, colocando sua bebida na minha mesa. "Eu não disse que concordo com a ideia de Justin. Eu acho que precisamos de uma forma de garantir que não haja danos colaterais. Se isso vem na forma de fazer uma aliança com outra pessoa, então eu sou todo para ele." "Aedan", Justin coloca, e me viro para olhar para ele. "O cara está fodido, mas ele também não é porra louca", diz ele, referindo-se ao traficante de drogas de alto escalão irlandês que ele está trabalhando. "Ele matou um monte de gente porra." Kenton diz com uma carranca.


"Ele matou," Justin concorda. "Aedan fez um nome para si mesmo, aos vinte e três anos quando ele tirou seu chefe, chefe este Armando Levy, o maior traficante que Vegas já tinha visto. Um homem que ninguém, nem mesmo o FBI, teve a coragem de se levantar," Justin diz, em seguida, olha para Kai. "Você sabe sua história. Você sabe que ele tirou Armando porque ele estava sequestrando mulheres, tornando-as viciadas, e depois colocando-as nos trilhos." "Você está fazendo-o soar como uma porra de um coroinha," Kenton repreende, inclinando-se para trás na cadeira. "Eu não estou dizendo que ele é uma porra de um anjo de misericórdia. Eu estou dizendo que ele tem uma bússola moral, que é mais do que Paulie tem," Justin responde, fazendo uma varredura na sala, olhando para cada um de nós. "Independentemente do que fazemos, quais as medidas que tomamos, haverá alguém assumindo. Não há maneira de evitar isso. A única coisa que podemos fazer é colocar alguém no banco que não vai vir atrás de nós." "Você não pode garantir que ele não vai, Justin", murmura Kai, levantando de sua cadeira e andando pela sala. "Eu posso. Ele não é um fã de Paulie." "Por que, diabos, precisamos estar envolvidos em ajudálo nesse lugar?" Kenton pergunta, e Justin olha para ele. "Há quatro principais famílias em Las Vegas. Essas quatro famílias controlam o que acontece nesta cidade, quem prostitui, quem vende drogas e quem vende armas. Três dessas famílias estão vinculadas a Paulie. Apenas uma família não está, e esta é a de Aedan." "Justin tem um ponto," eu concluo, e Kai fecha a cara para mim. Sentando para frente, eu coloco minhas mãos em minha mesa e me inclino. "Escute, eu não dou a mínima para quem faz o quê em Las Vegas. A única coisa que eu quero é


viver uma vida onde eu não tenho que olhar por cima do ombro. Procurando algum fodido que acha que ele vai fazer alianças, me tirando do caminho." "Nós todos podemos concordar com isso." Kai acena com a cabeça, em seguida, olha para Justin. "Marque uma reunião. Diga-lhe que quero falar com ele sobre o negócio. Nós não vamos mencionar o que está acontecendo até termos uma impressão dele." "Estou nisso," ele murmura, pegando o telefone e saindo do escritório para fazer a chamada. "Maggie e Autumn estão ok?" Kai pergunta, e eu olho para Kenton, vendo que sua expressão é a mesma que a minha. "Autumn disse que precisava ir até a farmácia, então ela e Maggie vieram com um plano para fazer isso." "Ela poderia ter pedido a um dos caras para conseguir o que ela precisava," Kai diz, e eu sinto meus lábios se contorcerem. "Não sei muito sobre Myla, mas Maggie está sempre pronta para causar problemas. Certeza que ela prospera em me deixar louco." "Autumn é igual. Estou surpreso que ela não tenha tido um plano mais cedo, na verdade." Kenton ri. "Graças a Deus Maxim está com os dentes nascendo, Myla ficou trancada no quarto." Murmura Kai quando Justin volta para o escritório. "Reunião marcada, amanhã, às duas, ele está nos encontrando aqui." "Bom," Eu aceno, esfregando minha mandíbula. "Agora precisamos falar sobre Lane," Justin acrescenta, tomando um assento em frente a mim mais uma vez. "Ele ainda está lá embaixo?" Eu pergunto, e ele concorda. "Sim, e eu não acho que isso irá surpreendê-lo, mas eu corri por seus registros de telefone. Ele tem mantido contato com um dos caras do Paulie."


"Foda-se," Eu corto, levantando-me da minha cadeira e virando-me para a janela atrás de mim. Olhando para o piso do clube, vejo que Lane e Aye estão sentados no bar. "Eu não sei sobre o que eles estão falando quando eles falam, mas as chamadas são constantes e uma por noite ao longo dos últimos dois meses. Eu também assisti a fita de novo," diz ele em voz baixa, e me viro para encará-lo. "Em um clipe, ele agiu como se estivesse empurrando alguém fora de Maggie no bar. Foi quando ele deslizou a substância que ele usou em sua bebida." "Está tomando tudo em mim para não matá-lo", eu sussurro. "Ele é o nosso infiltrado," Justin diz, e eu solto um suspiro. "Ele vai nos levar onde precisamos estar com Paulie, então quando nós tirarmos ele, não será esperado. Vamos usá-lo como um peão e interpretá-lo em seu próprio jogo”. "Ele está dormindo no corredor da minha mulher", eu o lembro calmamente. "Ele não pode fazer um movimento sem um de nós saber ou estar sobre ele." "Eu quero essa merda feita," Eu rosno. Eu estou tão frustrado por esta situação, e sabendo minhas suspeitas sobre Lane são justificadas, a raiva e traição que eu estou sentindo está me sufocando. "Eu não estou feliz que ele sabe onde as mulheres estão, Justin," Kai quebra, e Justin puxa os olhos de mim para Kai, que ainda está de pé com os braços cruzados sobre o peito. "Você tem Zack, Pika, e Teo na casa, um sistema de segurança que rivaliza com o Pentágono, e armas suficientes para iniciar uma pequena guerra. As meninas estão seguras, e se eu pensar por um segundo que elas não estão, eu teria você as movendo para Dino," Justin diz, segurando seu olhar.


"Como você conhece Dino?" Kai pergunta, levantando uma sobrancelha. "Conheci aqui durante os últimos meses trabalhando com Aedan. Eu sei mais do que eu gostaria," Justin responde, fazendo-me querer saber o que diabos ele tem feito e por que ele está trabalhando com Aedan para começar. Justin não faz trabalho para qualquer um, e eu não posso imaginálo ajudando um traficante de drogas. Isso não é seu estilo. Ele quer que o mundo seja um lugar melhor. "Quão perto você está de Aedan?" Kai pergunta, estudando-o. "Não confiaria nele com meu elevador, mas agora, ele é um aliado," ele responde imediatamente, e Kai estuda-o por um momento mais, antes de acenar e dar um passo para trás. "Vamos voltar para a casa. Myla está com Maxim nos últimos dias sem uma pausa," Kai diz, puxando seu telefone do bolso. "Funciona para mim. Preciso ter certeza que Autumn não escapou pela janela, ou encontrou uma maneira de fazer Myla ou Maggie ajudá-la a cavar um buraco de volta ao Tennessee," Kenton diz, levantando-se da cadeira quando eu rolo meu ombro e pressiono a palma da minha mão na cadeira e levanto. "Você está bem, homem?" Kenton pergunta, me observando. "Sim", eu murmuro, soltando meu braço para o meu lado. "Se você precisa dar um passo para trás, nós vamos entender," Kai assegura, e meu olhar vai para ele. "Não está porra acontecendo. A bala que me atingiu poderia ter atingido Maggie. Eu poderia ter deixado toda essa merda ir antes. Agora, foda não. Estou dentro até essa bagunça ser limpa e Paulie estar a seis pés, de preferência


enterrado com Lane ao lado dele," digo, e ele sacode a cabeça uma vez de acordo, em seguida, vai para a porta. Assim que chegamos ao piso do clube, Aye desliza fora de sua banqueta. "Estamos voltando para casa?", pergunta ele, enquanto coloca a arma na parte de trás de sua calça jeans. "Nós estamos. Eu vou encher-lhe sobre o que está indo para baixo quando chegarmos lá," Kai diz a ele, e ele acena seguindo-o pra fora. "Eu vou andar com você," Justin diz a Lane quando saímos. "Precisamos parar para que eu possa pegar minha moto antes de voltarmos para casa." "Claro," Lane responde com um aceno de cabeça, seguindo-o. "isso terminará em breve," Kenton diz, e eu puxo meus olhos das costas de Lane e olho para ele quando eu me movo para a porta do lado do passageiro do Suburban, abrindo-a e me estabelecendo dentro. "Sim", eu murmuro, batendo a porta fechada. "Breve", ele repete. "Não breve o suficiente." Eu pego meu celular e respondo a um texto de Ace, deixando-o saber que meu advogado entrará em contato amanhã com os contratos para o clube. "Eu não queria voltar", ele resmunga, se retirando do estacionamento, e meus olhos se movem para ele. "Eu tenho a porra de certeza que não queria Autumn aqui, mas eu sabia que não podia deixá-la no Tennessee e arriscar alguém ir atrás dela lá." "Eu queria enviar Maggie a distância, mas não fiz, pela mesma razão," Eu concordo, empurrando meu celular no bolso. "Nunca pensei que veria o dia em que você iria bater e queimar por uma mulher." Ele ri, puxando para a estrada principal. "Eu não conheço ninguém que pensou que você iria se estabelecer."


"Eu não tinha planos para ela." Eu corro minhas mãos pelo meu rosto. "Você merece ter isso. Ter ela," ele diz calmamente, parando em um farol vermelho e olhando para mim. "Estou feliz por você, cara." Eu levanto meu queixo, e ele balança a cabeça, em seguida, arranca quando a luz muda para verde. * "Eu pensei que nós estávamos nos encontrando sozinhos," Aedan diz, sentando-se no sofá em meu escritório com seus olhos se deslocando de Kai para Justin. "Você sabe que eu não gosto de surpresas," ele informa a ele, levantando uma sobrancelha. "Tenho a sensação de que você vai gostar desta," Justin diz, sentado na beira da mesa de café em frente a ele. Nunca tendo conhecido Aedan, eu não esperava ver um homem de trinta e poucos anos vestido como um motociclista entrar em meu clube. A maioria dos homens feitos em Vegas se vestem como eles são, homens de dinheiro e poder. Aedan, em jeans, uma camisa branca e botas de motociclista preta, não parece se encaixar com qualquer um deles. "Isso é duvidoso", ele murmura, em seguida, sua mão se move ao redor. "Vamos acabar com isto. Eu tenho merda pra fazer." "Em primeiro lugar, qual a sua relação com Paulie?" Kai pergunta a partir do meio da sala, onde ele plantou-se com os braços cruzados sobre o peito, logo que todos se estabeleceram. "Não sei por que isso é da sua conta, porra, Hawaii," Aedan responde, olhando para Kai, seu corpo em alerta. Kai olha para Justin por um momento antes de mover os olhos para Aedan. "Ok, vamos fazer isso. Eu sei que Paulie vem fazendo movimentos para levá-lo para fora," diz ele, e o olhar de Aedan move-se para Justin.


"Você disse a ele essa merda?", pergunta ele, sentandose para frente, fixando Justin no lugar com o seu olhar. "Você sabe que eu não tenho que dizer a ninguém merda," Justin responde calmamente com uma borda em seu tom. "Todo mundo sabe que Paulie tem um tesão por você. Não é nenhum segredo." "Foda-se Paulie", Aedan diz, puxando os olhos de Justin para fazer a varredura da sala. "Tomei esta reunião por respeito, mas agora eu estou ficando chateado. Diga-me do que se trata. Eu não tenho tempo para jogar vinte perguntas ou sentir como se estivesse sendo interrogado." "Tudo o que precisamos saber é onde seu relacionamento com Paulie está." Eu declaro, e sua atenção se desloca para mim. "Eu não tenho tempo para besteira. Justin aqui acredita que você quer Paulie fora, isso é verdade ou não?", pergunto, e seus olhos estreitam em mim. "Paulie é um pedaço de merda, assim como seu filho era. Ninguém está triste, o mundo que ele construiu está escorregando por entre seus dedos, e mais do que alguns estão esperando por ele cair," ele diz e, em seguida, se levanta. "Como eu disse, eu vim aqui por respeito, mas como você, eu não tenho tempo para besteira", diz ele, andando em direção à porta, mas depois para quando Kai fala. "Eu estou supondo que você conhece a história da minha esposa e da propriedade que ela possui em Las Vegas." Meus olhos vão para ele, mas os seus estão em Aedan, e eu sei que ele está se referindo à propriedade que os pais de Myla deixaram para ela antes de sua morte, propriedades no valor de milhões, talvez mesmo bilhões. O filho de Paulie, antes de sua morte, planejou sequestrar e se casar com Myla, a fim de obter o controle dessa propriedade, e Kai quase foi morto por causa disso. "Eu ouvi sobre isso", Aedan confirma, virando-se para ele, cruzando os braços sobre o peito.


"É seu", Kai diz em voz baixa, e o quarto começa a zumbir com uma corrente de energia. "O quê?" Aedan pergunta com as sobrancelhas puxadas juntas. "Essa propriedade e a terra será sua ... com uma condição." "Que porra, Kai?", Kenton pergunta, olhando para ele. "Eu não preciso disso, e nem Myla precisa. Aquela terra matou sua família, e passou da hora de ela ter algo bom a partir dela. Ela quer viver livre, e quero isso para ela, meu filho, e nossa criança por nascer." "Jesus", murmuro, encarando Kai. "Qual é a sua condição?" Pergunta Aedan. "Você nos ajuda a remover Paulie." Ele faz uma pausa, em seguida, murmura "Permanentemente. Ninguém pode saber que os homens nesta sala estavam envolvidos em sua remoção, e se houver qualquer retaliação, essa merda será em você." "Por que diabos você simplesmente não tira ele e mantêm sua propriedade?" Aedan faz a pergunta que eu mesmo quero perguntar. "Eu disse a você, esta propriedade é uma garantia de que você vai fazer a sua parte no trato. Sei que tem honra. Eu só não sei o quão profundo ele é executado, e se alguém está questionando o seu valor, pensando em levá-lo para fora, vamos apenas dizer que a terra lhe dará a energia que você precisa para sustentar sua posição," Kai diz, e Aedan se move de volta para a sala e se senta no sofá, mais uma vez, parecendo confuso e um pouco chocado. "Há maneiras mais fáceis do que isso", diz ele esfregando o queixo. "Eu tenho estado em conversações com alguns dos companheiros de Paulie. Muitos deles estão olhando para cortar os laços," acrescenta ele, olhando ao redor da sala e


termina em Kai. "Eu não tenho certeza se você conhece Rauel" "Eu ouvi sobre ele," confirma Kai. "Então você sabe que ele controla a maioria das drogas que entram nos Estados Unidos. Paulie tem sido uma das únicas pessoas com quem Rauel lida. Ele não confia em ninguém. Ele é paranoico e cauteloso. Era assim, até Rauel descobrir que o filho de Paulie estava deslizando fora do topo. Você vê, Rauel teve um filho em torno da idade do filho de Paulie, e quando Rauel descobriu que seu filho estava roubando dele, ele o matou ele mesmo, sem nenhum remorso. Rauel perdeu o respeito por Paulie quando ele não tratou pessoalmente com seu filho. Se você quer uma aquisição, não tenho dúvida de Rauel iria segui-lo mais rápido do que qualquer um." "Isso não é a minha vida mais", Kai diz, estudando Aedan. "Eu fiz uma promessa anos atrás para meu bisavô que eu iria colocar a nossa família em um caminho para a redenção, e pretendo cumprir essa promessa." "Você está me dando algo para um trabalho que eu ia fazer de qualquer maneira," Aedan responde tão calmamente. "O filho de Paulie estuprou a minha irmã; em seguida, ele bateu a merda fora dela e a deixou para morrer," diz ele, e o quarto fica em silêncio. Ninguém sequer respira. "Paulie não deu a mínima quando eu trouxe o que aconteceu a sua atenção, e infelizmente para mim, alguém chegou a seu filho antes de mim. Eu não preciso de sua propriedade. Vou ajudá-lo sem nenhum marcador necessário." "Aubrey", Kenton murmura com os olhos em Justin, e meus olhos vão para ele, vendo-o olhando para seu colo com as mãos apertadas firmemente e sua mandíbula dura. "Por que diabos você não me contou essa merda?" Kenton pergunta, e Justin levanta a cabeça para olhar para ele.


"Você sabe que eu não poderia fazer isso", ele sussurra duramente. "Eu queria que ela fizesse um aborto," Aedan diz, olhando para Kenton. "Ele porra a estuprou. Ela nunca teve um namorado, e ele porra a estuprou e colocou uma criança dentro dela. Minha irmã fugiu. Eu fiz isso. Eu a empurrei muito difícil, e quando Justin descobriu que haviam pessoas procurando por ela, ele entrou em contato comigo, e eu disse-lhe para manter quem ela é para si mesmo. Aubrey está segura. Ninguém sabe que ela existe, e eu quero mantêla assim. Minha irmã tem muito coração para esta vida, e ela está feliz onde está e deixou claro que ela não está deixando Justin. Não que eu estou feliz com essa parte, mas eu quero que ela tenha o que quer. Ela merece ser feliz." Meus olhos se movem para Justin, perguntando o que diabos está realmente acontecendo e quem diabos Aubrey é para ele. "Você sabe que eu sempre vou cuidar dela", Justin assegura, olhando para Aedan. "Eu sei", ele murmura, em seguida, olha ao redor da sala. "Paulie sabe que as pessoas estão atirando nele. Ele não é estúpido, e acabar com ele não será fácil. Desde a morte de seu filho, sua segurança dobrou e ele não está mais aceitando reuniões." "Nós temos alguém dentro," Justin diz, e os olhos de Aedan movem-se para ele. "Parece que há muita coisa que você não tem compartilhado," diz ele em voz baixa, estudando Justin. "Você sabe a merda importante," Justin responde tão baixo quanto. Aedan solta um longo suspiro e pergunta: "Então, qual é o plano?" "Eu tenho feito algumas escavações. Paulie tem uma amante. Ele foi vê-la durante os últimos quatro anos. Sua


esposa não sabe sobre ela, mas eu estou supondo que se o fizesse, ela não ficaria feliz," Justin diz, e eu o corto. "Eu não sei o que você ouviu, mas Paulie está traindo sua esposa por um longo tempo. De maneira nenhuma uma mulher poderia perder isso. Meu palpite é que ela simplesmente não dá a mínima para o que ele faz, contanto que ela tenha a vida boa." "Você está certo. Ela não poderia se importar menos sobre as outras. Mas esta mulher é diferente, e tenho a sensação de que ela não vai gostar do que está acontecendo," diz ele, puxando uma foto em seu telefone de uma menina com longos cabelos loiros, olhos azuis, e peitos falsos gigantes. "O nome dela é Anita Lynn. Ela tem vinte e seis. Paulie a conheceu em um clube que estava fazendo strip e mudou-a para um lugar melhor de imediato, apenas para movê-la para um lugar maior, quatro meses depois. Sua casa é o dobro do tamanho da que ele divide com sua esposa, e ele só descobriu recentemente que ela está grávida de seu filho. Paulie está movendo dinheiro em torno, de modo que quando ele pedir a sua esposa de trinta e dois anos, o divórcio, ela não será capaz de limpar ele." "Você está certo. Ela não vai gostar disso," murmura Kenton, entregando a Justin seu telefone de volta. "Lane é nosso infiltrado com Paulie, mas antes de levá-lo para fora, vamos chacoalhar sua gaiola dourada. Se as coisas com sua esposa forem como eu acho que elas são, ela vai mandá-lo empacotar. Isso será inesperado, de modo que seus guardas vão lutar para cobri-lo. Isso é quando nós vamos atacar, usando Lane para entrar em contato com o seu homem e dizendo-nos onde Paulie está." "Soa um pouco fácil demais", murmuro, e os olhos de Justin movem-se para mim.


"A maioria das guerras termina em silêncio", diz ele em voz baixa, e eu vejo a agitação da cabeça de Aedan e seus lábios se contorcem. "Justin é um filho da puta assustador. Eu nem mesmo questiono isso mais." Ele dá de ombros, em seguida, declara. "Eu preciso voltar aos negócios. Assim que vocês tiverem um plano, me ligue. Meus irmãos não farão perguntas e vocês terão mais apoio," ele oferece, batendo nas costas de Justin, então, aperta cada uma de nossas mãos antes de sair do escritório. "Eu não posso acreditar que você não me disse que Aedan é irmão de Aubrey," Kenton se queixa e Justin se levanta. "Não é importante. Você sabe o que ela é para mim, e isso é tudo o que importa," Justin diz, em pé colocando uma arma na parte de trás de sua calça jeans. "Eu nem sabia que você tinha uma namorada." Eu franzo a testa, cruzando meus braços sobre o peito. "Eu não tenho uma namorada", ele murmura então sorri. "Eu tenho uma esposa." "Que porra é essa?", eu sussurro. "Por que ela não está aqui?" Kai pede, estudando-o. "Ela nunca vai voltar para Vegas. Ela está com a minha mãe e meu pai. Meu pai, que possui mais armas do que até mesmo você. Ela está segura com a nossa filha na casa dos meus pais. " "Eu caí no buraco do coelho, porra?" Eu pergunto, olhando ao redor, ouvindo Kenton rir ao meu lado. "Esta informação está me fazendo ter segundos pensamentos sobre seu relacionamento com Aedan," Kai diz, e os olhos de Justin movem-se para ele e suas costas endurecem. "Eu, pessoalmente, não dou a mínima para o cara. Minha esposa estava com medo, fora de sua fodida mente quando ela correu dele e de sua família. Eu sei que ele ama sua irmã,


mas ele sempre vai colocar os negócios em primeiro lugar, e essa merda não está bem pra mim. Se você duvida da minha lealdade, então essa merda é com você. Eu tenho provado em mais de uma ocasião onde minha lealdade está." "Ninguém nesta sala está questionando a sua lealdade", afirmo com calma, e vejo seu corpo visivelmente relaxar. "Mas você sabe, Justin, mesmo se você não tem um relacionamento com Aedan, você está amarrado a ele, e isso é algo que devíamos ter ouvido falar antes." "Aubrey não existe para ninguém. Ela passou pelo suficiente. Todos nós temos um objetivo, e esse é tirar Paulie do caminho. Acho que cada um de vocês pode entender agora por que este trabalho é tão importante para mim quanto é para qualquer um de vocês," diz ele, movendo-se em direção à porta. "Agora, se terminamos de fofocar, vamos voltar para casa. Eu tenho alguma porra para cuidar antes de despacharmos Lane em uma viagem para Dino." "Lane é meu." Eu olho para cada um deles, certificandome de que eles entendem. "Ele drogou Maggie. Eu não sei qual era o plano para ela, mas não sou ingênuo o suficiente para pensar que ele não tinha planos de se aproveitar dela," eu termino, sentindo a raiva que eu tenho guardado se expandir com cada respiração. "Ele é seu", Justin afirma calmamente, e eu posso ver nos olhos dele que ele sabe o que eu estou sentindo, mas quando ele fala, posso ouvir a dor em suas palavras e reconhecer que ele, mais do que ninguém, sabe o que poderia aconteceu. "Paulie Jr. drogou Aubrey. Ela..." Ele balança a cabeça, passando as mãos pelo cabelo e derrubando seus olhos para o chão, e sua voz pega quando ele fala. "Ela saiu com algumas amigas, e ele a drogou depois que ela não lhe deu a atenção que ele queria. Sou grato pela droga ter apagado sua memória do que aconteceu, mas ela ainda sabia que depois de acordar no hospital que ela tinha sido violada.


Se eu soubesse o que aconteceu com ela quando eu matei aquele filho da puta, eu teria torturado ele, antes de tirar sua vida. Sua morte foi muito rápida, e muito indolor." "Jesus", sussurra Kenton, enquanto Kai rosna, "Filho da puta," sob sua respiração. "Sinto muito, cara", eu digo, mas as palavras não são suficientes. "Isso não aconteceu para mim, mas eu prometi a minha esposa que não iria acontecer a qualquer pessoa. Essa droga, a droga que Paulie usou sobre ela e a aquela que Lane usou em Maggie, eles são as mesmas. Eu nunca ouvi falar disso sendo utilizado fora desse círculo." "É por isso que você está aqui?" "É por isso que estou aqui", ele concorda em seguida, olha através de nós antes de sair pela porta.

"Este lugar me dá arrepios, foda-se," Justin diz a partir do assento do motorista quando nós seguimos para baixo em uma estrada de terra de areia no meio do deserto, em direção a uma casa. Eu mal posso consigo ver através dos faróis e da poeira que o SUV de Kai e Kenton está cuspindo à nossa frente. "Exatamente o que é esse lugar?" Eu pergunto, e Justin olha para mim, as luzes do painel saltando fora de seu rosto. "Imagine um filme de terror, e depois adicione a gentalha a essa merda, e isso é o que você consegue," ele explica, e eu olho por cima do ombro para Lane amarrado no banco de trás, e até mesmo no escuro, eu percebo que seus olhos estão cheios de medo.


"Você escolheu o lado errado", eu digo a ele baixinho, ouvindo-o gemer através da fita da mordaça cobrindo sua boca. Puxando até a casa escura, eu assisto a um grande homem vestindo uma regata, jeans e botas, com uma espingarda descansando no ombro, andar até o lado do passageiro do SUV de Kai. Vejo-o acenar e caminhar em direção à casa, ele volta poucos minutos mais tarde, em um quatro rodas. Seguindo atrás dele e do SUV à nossa frente, nós dirigimos por milhas, terminando no meio do deserto escuro. Saindo quando paramos, eu olho em volta depois vejo como o cara, Dino, lidera a alguns passos e puxa aberta uma escotilha. "Que porra é essa?" Eu assobio, vendo que abaixo há um conjunto de escadas chegando a uma sala de concreto. As paredes são cobertas com diferentes ferramentas, com uma cadeira de metal no meio aparafusada ao chão. "Eu disse que esta era a merda onde filmes de terror são feitos," Justin sussurra ao meu lado, e eu olho para ele, em seguida, abre a porta traseira, arrastando Lane para fora, e depois a empurra descendo as escadas para o quarto. Empurrando-a para a cadeira de metal no meio da sala, eu rasgo a fita fora de sua boca e retiro a mordaça, jogandoa no chão. "Eu não posso acreditar que você me traiu", murmuro, cortando os laços de plástico que prendem seus pulsos juntos. Assim que ele é livre, ele faz o que eu sabia que ele iria fazer. Seu braço balança para fora. Abaixando-me do seu punho, elevo meu cotovelo, forçando-o sob seu queixo. Sua cabeça voa para trás e seus dentes rangem com tanta força, que eu não ficaria surpreso se algum quebrasse. Agarrando uma tira de couro longa da parede, eu envolvo-a em torno de sua garganta e puxo para trás. Suas mãos rasgam a correia tentando retirá-la, mas eu seguro com mais força.


"Que porra é essa que você estava pensando?", pergunto perto de sua orelha, enquanto seu rosto fica roxo. "Tenho quase certeza de que ele não pode responder se ele não puder respirar" Kenton diz suavemente do meu lado, então eu solto a correia e ouço Lane sugar em seu cabelo enquanto Justin segura suas mãos no quadro da cadeira. "Você vai morrer." Ele ri, rolando a cabeça em seus ombros. "Vocês todos vão morrer." "O que eles te oferecem?" Eu pergunto e seus olhos se concentram em mim, um sorriso assustador iluminando seus olhos. "Você está morto," Ele lambe os lábios, e eu noto sangue revestindo seus dentes. "Eu estava indo para fazê-la minha puta," ele sussurra e meu sangue se torna frio. "Leva-la do clube, dizendo que a deixei em casa, levá-la embora, então você não teria sido capaz de encontrá-la. Ela teria sido minha." Ele ri. "Eu teria fodido ela em cada buraco em sua porra de corpo, e quando estivesse acabado, teria passado para outra pessoa usar," ele diz e eu pesquiso nas paredes da sala, procurando algo digno dele. Meus olhos param em um par de tesouras de grama com lâminas de prata escuras e longos punhos pretos. "Esse era o seu plano quando você a drogou?", pergunto acenando para a parede. Os olhos de Kai incendeiam enquanto puxa as tesouras para baixo, passando-as para Justin, que estende ela para mim. "Eu não a teria tomado enquanto ela estava drogada." Ele sorri seu sorriso assustador novamente enquanto eu testo o peso das tesouras. "Eu teria esperado até que ela soubesse que era eu que estava transando com ela na bunda." Balançando a cabeça, eu viro a tesoura e uso as duas mãos para cortar seus dedos, um por um. Rugindo em agonia, seu rosto empalidece enquanto seu sangue drena no chão. Mergulhando meu rosto para mais perto dele,


murmuro: "Agora eu vou cortar seu pênis." Vendo o medo em seus olhos, eu sorrio. Até o momento que estou feito com ele, ele está inconsciente e aprendemos tudo o que podíamos com ele inclusive quem é seu contato com Paulie.

"Você está porra fodendo comigo?" Justin ruge em seu telefone quando ele bate a porta do Suburban. Pisando duro em volta, eu vejo-o andando, então sinto Kenton e Kai chegar perto de mim. "O que está acontecendo?" Kenton pergunta, e eu olho para ele e dou de ombros, depois volto para Justin quando ele puxa seu braço para trás, jogando o telefone fora à distância. "Sua esposa porra o matou!" Ele ruge, atingindo a mão para cima e puxando seu cabelo. "O quê?", eu pergunto, dando um passo em direção a ele. "Isso foi Aedan. A polícia invadiu a casa de Paulie dez minutos depois que Aedan e seus rapazes ouvirem um tiro. Eles só assistiram a polícia arrastar a esposa de Paulie em um par de algemas para a parte de trás de um carro de polícia. Um de seus meninos foi capaz de chegar perto e ouvir os policiais dizendo que ela matou seu marido— um tiro na fodida cabeça a curta distância." "Você está fodidamente brincando comigo?" Kenton pergunta, e Justin balança seus braços em direção a ele. "Não", ele informa, em seguida, fecha os olhos. "Que porra é essa?" "Isso é bom", murmura Kai, e os olhos de Justin abrem para encontrar os dele. "Está feito. Nós nem sequer tivemos que sujar nossas mãos. Eu não sei sobre vocês, mas eu tenho escuridão suficiente na minha alma."


"Tudo isso aconteceu por nada. Eu poderia ter porra mandado essa merda pra ela semanas atrás. Eu estive longe de minha esposa durante semanas para lidar com esta merda. Vocês vieram aqui para lidar com isso, e agora-" "Está feito", repito as palavras de Kai, interrompendo-o. "Aedan consegue o que quer, e deixamos toda essa merda pra trás. Eu consegui minha vingança, e agora eu vou conseguir a minha menina, levá-la para casa, e, então vou dizer a ela amanhã de manhã que nós vamos nos casar. No final do dia, todos nós conseguimos o que queríamos. Nenhuma outra merda importa." "Sven está certo, Justin," Kenton diz calmamente. "Paulie e seu filho estão ambos mortos. Você sabe onde eles estavam fazendo as drogas graças à Lane, e os policiais estão fechando o laboratório, provavelmente enquanto nós falamos. É hora de ir para casa. Você sabe Aubrey e Jenna precisam de você lá com elas." Visivelmente engolindo em seco, ele faz punhos de suas mãos ao seu lado e agora eu entendo o que mudou sobre ele. Não é que, de repente, ele tornou-se duro. De repente, ele se viu cuidando de duas pessoas, que ele sente que precisa proteger do mundo. "Suas meninas têm sorte de ter você, cara", eu sussurro, encontrando seu olhar. "Mas eu garanto que elas só precisam de você. Acredite em mim quando digo isso." Acenando, sua cabeça cai para frente e ele puxa uma respiração. "Você quer me ajudar a encontrar meu telefone?", pergunta ele depois de um momento, e todos riem, mas, então gastamos os próximos quarenta minutos em busca do seu celular. Uma vez que encontramos, o sol está começando a nascer e seguimos de volta para casa de Kai. Todas as meninas estão acordadas, portanto, ficamos para o café da manhã, em seguida, nos despedimos e seguimos para casa.


Capítulo 13 Sven Felicidade verdadeira. "Eu vou me casar com Maggie. Se você quiser levá-la até o altar, você precisa estar no Harmony Chapel em uma hora," digo ao pai de Maggie assim que ele pega o telefone. "Eu estou supondo que eu não posso falar para você esperar alguns meses?" "Não", eu nego, sorrindo para o chão sob meus pés. "Será que minha filha sabe que vai se casar?", Ele pergunta, e eu rio, olhando para a loja que eu enviei Maggie, depois dela me dizer que não havia nenhuma maneira que ela iria se casar, sem, pelo menos, estar usando um vestido. "Ela sabe," murmuro, o ouvindo rir. "Nós estaremos lá", ele responde, desligando. Empurrando meu celular no meu bolso, eu olho pela janela, vendo Maggie falando com uma das meninas da loja. Sabendo que ela está bem eu ando para o prédio da porta ao lado, e vou para dentro para pegar mais um item antes de fazermos nosso caminho para a capela. Observando Maggie caminhar em minha direção com o braço entrelaçado com seu pai, eu sinto meu coração bater forte. Ela parece mais bonita do que eu já vi. Seu vestido tomara que caia branco abraça cada uma de suas curvas perfeitamente; seus olhos estão brilhando com amor, e o sorriso em seu rosto, foda esse sorriso é um sorriso que eu mataria por ele. "Você está linda", eu sussurro, levando-a de seu pai no topo do corredor.


"Você está muito bonito também," ela sussurra de volta. Pressionando um breve beijo em seus lábios, eu aceno para seu pai, em seguida, viro-a em direção ao ministro para fazê-la minha esposa. * "Nós poderíamos ter pelo menos jantado com os meus pais," Maggie reclama quando eu a guio para dentro do elevador privado com os olhos vendados. "Nós poderíamos," Concordo pegando ela quando o elevador chega a uma parada. "Mas então eu teria sentado duro durante todo o jantar, pensando em todas as maneiras que eu desejo remover este vestido," eu explico, mordiscando seu ouvido enquanto seus braços envolvem em torno de meus ombros. "Onde estamos?", ela pergunta quando a coloco em seus pés. "Não temos tempo para sair em lua de mel agora." Eu puxo sua venda, observando seu rosto se iluminar. "Imaginei que poderíamos passar alguns dias aqui nus ao invés disso." Mordendo os lábios, ela gira em um círculo olhando a cobertura. "Oh meu Deus", ela sussurra em surpresa, caminhando para a piscina no meio do quarto. "Nua neste lugar com você por alguns dias é melhor do que qualquer lua de mel que eu poderia ter sonhado." Ela sorri, andando para trás e eu começo a rondar atrás dela. Então eu rio quando ela sai correndo, pegando ela quando ela se prende no quarto, eu a empurro para a cama. Levantando o meu peso fora dela, eu procuro seus olhos, então baixo minha boca sobre a dela. Eu nunca vou ser digno do amor que eu vejo em seus olhos, mas todos os dias, porra, vou tentar merecer isso.


Maggie Saindo do banheiro e indo para a cama, eu paro meus passos quando meus olhos pousam em meu marido dormindo. Eu não sei quantas vezes eu o vi sem camisa, mas eu sei que são mais vezes que eu posso contar. Eu também memorizei a forma como ele se parece nu, como ele se sente pressionado contra mim, como é seu gosto, o que me faz sentir quando ele me abraça. Eu memorizei tudo sobre ele, mas a visão que tenho agora é uma que eu quero para sempre. Eu costumava pensar que o amor era um conto de fadas, um sonho impossível, mas ter o que eu tenho com Sven, eu sei que não só é possível, mas é algo que acontece quando você menos espera. Isto te leva para um passeio quando você pode não estar pronto, mas te deixa constantemente em seus pés quando você sai fora. Movendo-me silenciosamente para a cama, eu coloco meus joelhos no colchão e corro meu dedo sobre a aliança grossa de platina no dedo de Sven, admirando o que é e o que isso representa. "Por que você está de pé?", pergunta ele, abrindo um olho me espreitando enquanto seus dedos envolvem em torno do meu. "Eu não conseguia dormir," eu digo a ele, caindo para o meu lado e escorregando para mais perto dele. "Você não conseguia?", pergunta ele, levantando-se sobre o cotovelo, enquanto seus dedos correm para baixo entre os meus seios. "Não." Eu sorrio, separando minhas coxas. "Ansiosa, não é?" Ele sorri, inclinando-se para me beijar enquanto seus dedos rolam sobre o meu clitóris, fazendo meu quadril levantar.


"Eu gosto dos dedos do meu marido", eu suspiro, correndo minhas mãos através de seu cabelo. "Apenas meus dedos?", pergunta ele, deslizando um, então dois dentro de mim, rolando-os sobre o meu ponto G, fazendo-me ofegar. "Eu não sei. Também gosto de sua boca e seu... você sabe. " Rindo, ele escorrega para baixo da cama, coloca uma das minhas pernas sobre o ombro, e me lambe enquanto seus dedos bombeiam. "Eu acho que você deveria me dizer qual o seu favorito fora os três." Ele me lambe de novo e minhas mãos se movem para segurá-lo no lugar. No momento em que ele termina, meus olhos estão pesados, e se eu tivesse que dizer a alguém qual o meu favorito, eu não seria capaz, porque ele é um mestre com todos os três.

Kenton Rolando, eu coloco minha mão no colchão e me deparo com nada. "Que porra é essa?" Abrindo meus olhos, levanto a cabeça e vejo que a cama está vazia, mas a luz no banheiro em anexo está ligada, e eu posso ouvir um choramingar vindo de lá. Saio da cama, eu nem sequer me preocupo em encontrar minhas calças. Eu pego minha arma da mesa do lado e, lentamente, faço meu caminho até a porta do banheiro, que está uma fresta aberta, onde eu posso ver Autumn através do espelho, nua na frente da pia, com lágrimas nos olhos. "Baby, o que diabos?", pergunto, balançando a porta totalmente aberta, vendo-a saltar quando nossos olhares se conectam.


"Eu... Eu não posso acreditar nisso", ela sussurra, sorrindo, enquanto mais lágrimas enchem seus belos olhos. "Acreditar em que?", eu pergunto baixinho, colocando a minha arma no balcão para que eu possa pegá-la em meus braços. "Isso", ela sussurra, chegando atrás de mim, em seguida, dobrando seus braços entre nós. Olhando para suas mãos, meu coração pula uma batida quando eu percebo que ela tem um teste de gravidez em seu aperto, um teste de gravidez com a palavra grávida, claro como o dia na pequena tela oval. Eu puxo meus olhos do teste e olho para ela. "Jesus", eu sussurro, fechando os olhos e deixando cair a minha testa para descansar contra a dela. "Espero que seja um bom 'Jesus'", ela sussurra de volta, e meus olhos abrem para encontrar os dela. "Nunca estive mais feliz, baby. Eu juro, eu acho que você me dá prazer, e então você supera isso com alguma outra coisa a cada vez, porra," eu digo a ela, e um soluço alto rasga sua garganta quando ela deixa cair sua testa no meu peito e envolve seus braços apertados ao meu redor. Segurando-a contra mim, eu descanso minha bochecha no topo da sua cabeça. "Precisamos chamar sua mãe e tia Viv." Rindo, eu puxo sua cabeça do meu peito para que eu possa ver seus olhos e abano a cabeça. "Nós não estamos chamando a minha mãe, ou qualquer outra pessoa sobre esse assunto." "Mas ela vai ficar tão animada." Ela faz beicinho, e eu me inclino, beijando-a suavemente. "Ela ainda vai ficar animada quando você disser a ela mais tarde", murmuro quando eu a viro, levantando-a sobre o balcão. "Mas eu quero dizer a ela agora."


"Desculpe, querida, nós estamos comemorando. Então você vai ficar cansada demais para chamá-la, por isso, como eu disse, a chamada vai ter que esperar," eu informo, empurrando seus joelhos afastados enquanto eu aperto seu mamilo, ouvindo-a ofegar. Segurando a parte de trás de sua cabeça com uma mão, eu empurro minha língua em sua boca, enquanto minha outra mão deixa seu seio, desliza para cima de sua coxa, e os meus dedos rolam sobre seu clitóris. "Vou chamá-las amanhã", ela concorda, envolvendo suas pernas em volta dos meus quadris enquanto sua cabeça cai para trás para que eu possa tomar sua boca novamente. Levantando-a do balcão, eu a levo para a cama. Plantandoa no colchão, eu termino o nosso beijo e faço o meu caminho para baixo de seu corpo, parando para beijar cada mamilo e seu estômago, fixando-me entre suas pernas. Passando minha língua até seu centro, suas coxas apertam em volta da minha cabeça e os saltos de seus pés pressionam nas minhas costas, levantando-a mais elevada em minha boca. Eu bebo seu primeiro orgasmo e me estabeleço entre suas dobras em seu segundo, onde eu me lanço profundamente dentro dela.

Kai "Ele está dormindo?" Myla pergunta, caminhando para o quarto de Maxim vestindo a camisola, seus cabelos molhados para baixo em torno de seus ombros. "Ele está. Como está se sentindo?" Pergunto, passando os dedos pelos seus cabelos, inclinando sua cabeça para trás.


"Bem." Ela sorri suavemente, passando as mãos até meu peito. "Como está a minha filha?", pergunto, deslizando minhas mãos ao redor da cintura dela, puxando-a para perto de mim enquanto minhas mãos vagueiam para baixo, em sua bunda. "Nós poderíamos ter outro menino", ela murmura sorrindo suavemente. "Mas não estamos", eu digo, acariciando seu pescoço enquanto dobra suas costas quando eu deslizo as mãos para baixo na parte de trás de suas coxas, levantando-a. Envolvendo suas pernas em minha cintura, suas mãos se movem dos meus ombros para segurar a parte de trás do meu pescoço enquanto sua boca trilha preguiçosamente até o lado, terminando no meu ouvido, onde seu hálito quente sussurra, "Eu preciso de você dentro de mim." Pressionando-a contra a parede no corredor, eu empurro sua calcinha para o lado e aperto seu clitóris. "Você vai me alimentar?", pergunto em um murmuro, sentindo sua umidade mergulhar meus dedos enquanto eu empurro dois dentro dela, esfregando seu ponto G. "Eu vou fazer o que você quiser", ela suspira, montando minha mão enquanto seus saltos cavam na parte de trás das minhas coxas. "Eu gosto dessa resposta." Eu lambo sobre sua boca, em seguida, mordo seu lábio inferior. Puxando-a para longe da parede, eu ando para o nosso quarto, chutando a porta fechada atrás de nós. Uma vez que eu levo minha mulher para a cama, eu tomo meu tempo, dando-lhe tudo antes de tomar ainda mais. Andando pela praia em direção Myla e Maxim, eu sorrio quando eu ouço a risada de minha esposa e a gargalhada do meu filho, quando as ondas quebram sobre eles, sentados na areia perto da costa.


"Vamos lá, papai." Myla sorri, virando sua cabeça para mim quando eu fecho a distância entre nós. Sentando-me atrás dela, eu sorrio quando Maxim bate a mão na água e balbucia. "Você está feliz, Makamae?" Eu pergunto, pressionando meus lábios contra seu pescoço. Sua mão vem e envolve o lado da minha cabeça enquanto seus olhos pegam os meus. "Esta é a minha felicidade, Kai, este momento, e um milhão de outros apenas como este que você me deu." Olhando nos seus belos olhos, eu sei que ela está certa, e agora, o resto dos nossos dias serão gastos apenas assim.


Epílogo Maggie Um ano e um monte de felicidade depois. Cheirando bacon, meu estômago ronca e eu tento lutar contra isso. Eu realmente tento, mas este bebê tem uma mente própria, e eu juro que ele só quer carne. Sentada na cama, eu empurro meu cabelo para fora do meu rosto, colocando minha mão sobre minha barriga grande, redonda e pergunto: "Por que você não pode gostar de tofu?", como se ele me entendesse, sinto um chute certeiro a direita da minha bexiga, e eu puxo uma respiração profunda. Eu nem sequer tive que fazer um teste de gravidez para saber que estava grávida. Um dia, eu acordei e o pensamento de tofu me fez enjoada, enquanto a ideia de um hambúrguer me fez salivar. Naquela manhã, eu disse a Sven que estava grávida. Ele me disse que eu estava louca. Nós só tínhamos tentando engravidar durante um mês, e mesmo se eu estivesse grávida, eu não estava longe o suficiente para aparecer positivo em um teste. Uma semana depois de meus desejos por comida não diminuíram, eu fui e comprei um teste. Faltava ainda uma semana até o meu período, mas eu fiz o teste de qualquer maneira, e ele veio com duas linhas ligeiramente mais escuras do que a outra, provando que eu estava certa. Desajeitadamente rolo para fora da cama, eu coloco meus pés no chão e empurro-me para fora do colchão, então ando bamboleando até o banheiro, escovo meus dentes, e cuido


dos negócios tão rapidamente como uma mulher grávida de nove meses consegue. Puxando meu robe da parte de trás da porta, eu coloco e amarro em minha cintura, em seguida, movo-me para fora do quarto. Sven teve seu desejo e nos mudamos para o Tennessee um mês depois de todo o drama ir para baixo. Não me levou muito tempo para cair no amor com a cidade que ele chamou de casa, ou pelas pessoas que ele considerava sua família. Quando nos mudamos para a cidade, ficamos na casa de Susan e James Mayson enquanto nossa casa era construída. Nosso plano não era ficar com eles. Nós tínhamos planejado alugar uma casa por alguns meses, mas depois de Susan ouvir esta notícia, ela se transformou no modo mãe sobre Sven e eu, e insistiu para ficarmos com ela e James, por que eles tinham muito espaço. Eu, obviamente, tentei convencê-los de outra forma, não querendo ser um inconveniente, mas eu aprendi rapidamente que quando Susan queria algo, ela tinha, e ela queria que ficássemos com eles. Eu nunca soube que pessoas como os Maysons existiam. Pessoas que são boas por completo, as pessoas que fariam qualquer coisa por aqueles que consideram família, e Sven e eu éramos apenas isso para eles. Mayson Construção construiu nossa casa, e na maioria dos dias, Sven poderia ser encontrado ajudando os homens que considerava irmãos com o trabalho de construção. O que fez muito mais especial quando foi concluída, e ele sabia que seu trabalho duro estava no lugar onde nossos filhos iriam crescer. Descendo pelo longo corredor do nosso quarto, passado o escritório de Sven, eu sigo através da grande sala, com janelas do chão ao teto e vista para o grande lago no quintal, e na grande cozinha aberta, onde Sven está de pé sem camisa na frente do fogão com o telefone no ouvido.


Vendo-me, ele sorri, em seguida, murmura: "Eu tenho que ir Ace." E deixa cair o telefone no balcão. Ace comprou o clube de Sven e engraçado como ele e Eva ficaram juntos; eu não sei como isso aconteceu, mas ela o transformou em um homem de uma única mulher. "Queria saber quanto tempo iria demorar, para você chegar aqui", Sven diz, usando um garfo para pegar o bacon da frigideira e colocar em um prato coberto com uma toalha de papel. "Você sabe que não sou eu que gosto de bacon, é o seu filho, certo?", pergunto, movendo-me em torno do longo balcão e roubando uma fatia de bacon crocante do prato. "Estou feliz que meu filho gosta de carne," murmura Sven, envolvendo sua mão ao redor do lado do meu pescoço, se inclinando, e beijando minha boca, sussurrando, "bom dia", e, em seguida, coloca as mãos no meu estômago e se abaixa. "Eu digo que nós faremos uma regra de sem tofu na casa. O que você acha?", pergunta a minha barriga, e nosso filho chuta duro ao som da voz de seu pai. "Eu estou levando isso como um sim." Ele sorri, olhando para mim. "Eu estou comendo tofu. Eu só não estou comendo tofu agora, porque ele me deixa doente cada vez que tento," eu digo a ele, algo que ele já sabe. "Tudo o que você disser, baby." Ele sorri enquanto eu pego outro pedaço de bacon. "Você está animada para ver Morgan?" "Sim, mas eu acho que ela está apenas vindo para que ela possa decorar e monopolizar Maddox quando ele chegar aqui." "Ela vai ter que lutar contra mim pelo meu filho." Eu sei que ele está dizendo a verdade, quando seus olhos brilham com um fogo que só existe quando ele fala sobre sua família, especialmente seu filho. Ele está animado para ser


um pai, e não tenho dúvida de que ele vai ser prático. Eu honestamente acho que vou ter um tempo difícil obtendo nosso filho longe dele. "Eu realmente não posso esperar para ver minha mãe e meu pai," eu digo a ele, enquanto ele esfrega minha barriga. Meu relacionamento com meus pais mudou drasticamente. Eles já não estão ausentes, mas totalmente envolvidos, não só na minha vida, mas também na da minha irmã. Eles até mesmo compraram um pequeno RV para que eles possam viajar ao Tennessee para visitar Sven e eu, e ao Colorado, onde Morgan agora vive com seu noivo. Após Morgan sair da clínica de reabilitação, ela ficou com os meus pais por alguns meses, em seguida, conseguiu um emprego no Colorado, em uma clínica de reabilitação para jovens problemáticos. O proprietário da instalação, Greg, deu uma olhada para a minha irmã e se apaixonou, como ele diz. Eles estão felizes, e o melhor de tudo, a minha irmã está fazendo maravilha com sua recuperação, e eu realmente acredito que ela ajudando crianças a encontrar o caminho certo, tem sido bom para ela. "Que horas eles estão chegando?", pergunta ele, beijando minha testa antes de se afastar para a geladeira. "Acho que amanhã em algum momento, mas se o pai vem à sua maneira, poderia ser hoje mais tarde," eu digo a ele, e ele olha por cima do ombro e sorri. "Eu estou supondo que sua mãe ainda está no seu 'Kama Sutra em todos os EUA'?", pergunta ele, tirando da geladeira ovos e um pedaço de queijo. "É tão estranho", murmuro, balançando a cabeça. "Ela tem um monte de seguidores." Ele sorri, colocando a caixa de ovos em cima do balcão. Ele não está errado; minha mãe começou algumas páginas de mídia social e tem cerca de quarenta mil seguidores. Quando ela e meu pai viajam, eles param ao longo do caminho, e minha mãe dá aulas


sobre o Kama Sutra, embora ela ainda não falou a Sven para tomar uma. Ela tenta cada vez que a vemos. "Ainda é estranho", repito, ouvindo-o rir. "Eu ainda tenho o livro que ela me deu em sua última visita. Acho que devemos experimentar algumas das posições." "Isto está tipo no caminho," eu digo a ele, passando os braços em volta da minha barriga grande. "Eu tenho certeza que há algo ali que poderíamos tentar." Ele sorri, e eu sinto o lugar entre as minhas pernas formigar com o pensamento. Uma coisa é certa, o fogo entre nós não morreu, nem mesmo um pouco, e eu não tenho nenhuma dúvida de que nunca morrerá.

"Quieto, Pequeno homem, Mamãe está dormindo," ouço Sven sussurrar, e eu mantenho a minha posição na cama, mas abro meus olhos e vejo-o pegar Maddox de seu berço e levá-lo para fora do quarto. Sentando-me, eu escorrego para fora da cama e sigo corredor a baixo, certificando-me de ficar quieta enquanto eu sigo por trás deles. De pé na porta da sala de estar, eu vejo Sven caminhar até a cozinha para fazer uma mamadeira, então, caminha para ficar no meio da sala com Maddox em seus braços, balançando-o de lado a lado enquanto o alimenta. Mordendo os lábios para não chorar, eu escuto Sven dizer ao nosso filho a história de como nos conhecemos, em seguida, sorrio quando ele acrescenta que ele pensou que eu estava louca. Eu não tenho arrependimentos. Olhando para trás, cada momento, os maus incluídos, eu não tenho arrependimentos sobre qualquer coisa, porque eu sei que a


base que nós construímos quando nos tornamos um ‘nós’ é sólida; nada nunca vai nos quebrar. Voltando para o quarto, eu paro no corredor e olho para uma das fotos que eu tinha emoldurado logo após Maddox nascer. Sven está de pé com seus pais, sua mãe ao lado de seu pai, ambos parecendo felizes e sorrindo para o seu neto. Sua mãe nunca vai ser normal, mas olhando para eles como uma família, eu sei que Sven precisava dessa conexão, e mais ainda, eu sei que seus pais precisavam, e eu estou feliz que todos eles têm agora. Movendo-me pelo corredor, eu volto para a cama e puxo o cobertor por cima do meu ombro, e eu tento lutar contra isso, mas eu adormeço.

Sven "Merda, Mags." Eu corro meus dedos através do cabelo de cada lado da cabeça dela enquanto sua mão funciona em sincronia com sua boca, levando-me para baixo em sua garganta. "Foda-se, venha aqui", eu rosno, mas ela balança a cabeça com o meu pau ainda em sua boca. "Agora", eu exijo, levantando meus quadris para fora da cama enquanto ela me leva mais profundo, me empurrando mais perto da borda. Colocando minhas mãos sob suas axilas, eu a empurro para longe do meu pau, jogo ela em suas costas, empurro suas pernas separadas, e depois bato dentro dela. "Eu gozo dentro de você, e não em sua boca," Eu lembro a ela, movendo meu polegar em seu clitóris e rolando o meu dedo sobre ele.


"Sim, dentro de mim", ela choraminga, envolvendo suas pernas a minha volta. "Você está tão molhada, baby. Jesus, você ama me chupar, não é? ", pergunto, revirando seu clitóris mais rápido. "Sim", ela sussurra, e minha boca viaja para baixo em seu pescoço, beliscando a pele quando desço, terminando em seu peito. Suas unhas cavam em minhas costas e eu puxo seu mamilo em minha boca, mordendo a ponta e sentindo as paredes da sua buceta contraírem em torno de mim. "Sven!", ela chora, e eu levanto a cabeça para vê-la desmoronar debaixo de mim quando eu empurro mais rápido, seu orgasmo puxando o meu. Plantando-me contra o seu colo do útero, eu cubro sua boca com a minha e gemo em sua garganta quando eu me perco profundamente dentro dela. Sentindo seus membros envolverem a minha volta, eu puxo minha cabeça para trás e corro meus dedos pelo seu cabelo, em seguida, rolo nós dois, colocando-a contra mim, enquanto eu tento recuperar o fôlego. "Eu te amo", ela murmura, beijando meu peito, e eu inclino minha cabeça para baixo em direção a ela e dou-lhe um aperto. "Também te amo, baby", eu digo a ela, arrastando o cobertor sobre nós quando ela pressiona o rosto no meu peito e enfia as mãos entre nós. Ouço sua respiração, mesmo fora, eu sei que ela está dormindo. Beijando sua testa, eu puxo-a para mais perto ainda. Olhando para o monitor do TV ao lado da cama, eu assisto o peito do meu filho subir e descer de forma constante por um momento, e depois descanso meu queixo no topo da cabeça da minha esposa, fecho os olhos e adormeço sabendo que eu estou vivendo o sonho impossível.


INFATUATION Justin e Aubrey

Prólogo Ouvindo o chacoalhar de um carro velho e o som de freios sibilantes, levanto-me do meu sofá e vou para a janela puxando a cortina, apenas o suficiente para olhar lá fora sem chamar a atenção para mim. Está escuro, mas a luz da rua no estacionamento lança um brilho no carro. O enferrujado e acabado Buick azul precisava ir para o ferro-velho há alguns anos atrás. O para-choque está pendurado por cordas que alguém amarrou em torno dele e do tronco. A lanterna traseira direita está coberta com fita vermelha, e eu só sei de ver o carro sem a luz do dia, que o carro tem mais ferrugem nele do que tinta. A porta do lado do motorista abre e meu coração bate contra a minha caixa torácica, a mesma forma que faz, cada vez que eu a vejo.


Observando-a sair do carro, eu sorrio quando ela fecha a porta só para ter que abrir novamente. Dando um passo para trás, ela chuta a porta com tanta força que o carro balança. Tenho certeza que ela acabou de adicionar mais um entalhe no carro, não que alguém vá notar ou que isso importe. Soprando um pedaço de seu longo cabelo loiro do rosto, eu o vejo vibrar na luz, quando ela inclina a cabeça para trás para descansar as mãos sobre a barriga redonda. Ela deve estar de pelo menos sete meses de gravidez, se não mais. Então, novamente, eu poderia estar errado. Seu pequeno tamanho torna seu estômago enorme. Eu acho que ela está em torno de cinco. Ela tem um corpo magro, exceto seus seios, que são cerca de um punhado e seu estômago, que se parece com uma bola de basquete debaixo de sua camisa. Observando-a caminhar em direção ao prédio com o rosto livre de maquiagem e seu longo cabelo loiro puxado sobre um ombro e seu jeans simples e camiseta, eu me pergunto como diabos ela veio morar com Shelly. Ela não se parece com os amigos de Shelly, que eu conheço, que eu conheço porque toda vez que Shelly tem uma festa, que é na maioria das noites, seus amigos e quaisquer que sejam os homens que aparecem ficam geralmente fora do prédio fumando e bebendo. Shelly usa muita maquiagem e não usa roupas suficientes, e seus amigos são iguais. Então, há ela. Ela não se encaixa, o que a torna mais interessante. Assim que ela chega mais perto, eu noto as olheiras sob seus olhos e a exaustão em suas características. Toda vez que eu vejo ela, ela está vindo do trabalho ou indo para o trabalho. Ok, eu deveria dizer cada vez que eu a espiono, desde que eu nunca realmente falei com ela e ela não tem ideia de que eu existo. Ela faz uma pausa fora de sua porta e sua cabeça cai. Mesmo que ela esteja de perfil, eu posso ver a irritação e deflação em seu rosto. Quando ela abre a


porta, música alta corre para fora e uma sala cheia de pessoas pode ser vista dentro. Tenho certeza de que sua companheira de quarto não está ajudando o seu nível de exaustão. O desejo de protegêla e fazer algo, têm-me movendo para o meu computador. Vinte minutos mais tarde, eu vou até a janela e vejo um grupo de dez pessoas, juntamente com Shelly deixar o apartamento do outro lado do meu. Sorrindo, eu vou para o sofá me sentar, colocando meus fones de ouvido, e iniciando Call of Duty.


Capítulo 1 Caminhando para o meu Rover, eu olho para a esquerda quando ouço, "Seu pedaço estúpido de merda, abra agora." Então eu vejo minha vizinha bater e puxar a porta do seu carro, tentando abri-la, enquanto ela grita com ele. "Precisa de ajuda?" Assustada, ela salta para trás. Seus olhos ficam grandes e suas bochechas viram um tom de rosa empoeirado. "Um... não... não, eu tenho isso", diz ela colocando um pé na porta e puxando mais difícil do que ela estava antes. "Deixe-me ajudar", eu digo a ela suavemente, ignorando seu protesto movendo ela para fora do caminho, então, puxo a porta esperando isso abrir para mim. Mas então eu me sinto como um idiota quando ela não se move. Quando eu puxo de novo, ainda nada. Quão porra difícil ela chutou isso fechado na noite passada? "Está preso," murmuro, e depois ouço riso vindo dela, que toca meus ouvidos e trazem meu pau para a vida. Virando-me para olhar para ela, eu puxo uma respiração rápida. Eu sabia que ela seria bonita de perto, mas eu não percebi como porra linda ela seria. Seu cabelo loiro está em algum tipo de coque no alto da cabeça, chamando atenção, para seus grandes olhos azuis, rosto feminino macio e totalmente fodidos beijáveis lábios. "Eu posso ter chutado um pouco demasiado duro na noite passada", ela sussurra abaixando a cabeça, mas eu quero seus olhos em mim, eu preciso de seus olhos em mim. "Qual é seu nome?" Seus olhos voam até encontrarem os meus, e eu tenho certeza que a minha pergunta soou como uma ordem misturada com um grunhido, mas não há nada que eu possa fazer sobre isso agora.


"Eu?", ela pergunta olhando em volta, e eu me vejo, sorrindo para ela. "Você querida, qual é o seu nome?" "Eu não sei se devo dizer a você isso," ela murmura e minha cabeça se inclina para o lado para estudá-la. "Você não sabe se você deve me dizer seu nome?", pergunto depois de um momento. "Bem, eu não te conheço." Rindo, eu passo longe da porta em direção a ela, em seguida, paro quando seu corpo endurece e seus olhos se enchem de medo. Cerro minha mandíbula e eu sinto meu coração se apertar. Quem alguma vez colocou esse medo nela vai ter que responder a mim, mas primeiro eu quero— não, preciso— saber o nome dela. "Meu nome é Justin. Eu moro no apartamento duzentos e dez." Eu inclino minha cabeça em direção ao prédio esperando que ela vá se sentir mais confortável sabendo que eu sou seu vizinho. "Justin", ela sussurra olhando entre eu e o edifício. "Justin," Eu confirmo. Lambendo seu lábio inferior, ela dá um passo em minha direção, então, para. "Eu sou Aubrey. Eu vivo com Shelly. " "Prazer em conhecê-la, Aubrey." "Você também", ela murmura, em seguida, dá um passo atrás. "Shelly disse que você é legal." Isso é surpreendente, porque eu só falei com Shelly algumas vezes desde que ela se mudou. Então, novamente, ela provavelmente pensou que eu era legal, considerando que eu não chamo a polícia, cada vez que ela estava tendo uma festa. "Onde você está indo?" "Eu preciso ir ao correio, em seguida, para o trabalho." Ela pega um telefone celular do bolso e olha para o tempo. "Merda, eu vou totalmente me atrasar para o trabalho", ela


murmura para si mesma e noto que seu telefone é do tipo que você compra na loja por vinte dólares— o tipo de telefone que eu usei para jogar fora quando eu estava trabalhando em um caso e não queria ninguém rastreando. "Vamos tentar suas outras portas", eu digo e suas bochechas ficando ainda mais escura. Ela aperta os lábios e enfia seu telefone no bolso. "Suas outras portas não funcionam também," Eu adivinho a partir do olhar em seu rosto. "Não, apenas a porta do motorista. As outras portas foram soldadas porque elas ficavam abrindo com o vento.” "Jesus", murmuro passando a mão sobre a minha cabeça. Eu não acho que ela iria aprovar eu levar seu carro para o ferro-velho onde pertence e comprar-lhe um carro novo, pelo menos não ainda de qualquer maneira. "Tenho certeza que você tem coisas melhores para fazer com seu tempo do que ficar aqui comigo. Vou apenas entrar e pedir a Shelly se eu posso usar seu Triplo A. Espero que eles possam puxá-la aberta para mim." "Eu estava indo para a estação de correios," eu minto. "Por que você não vai comigo, e eu vou deixá-la no trabalho depois." "Isso é realmente doce, mas—" "Querida ..." Eu cortei. "Vai levar pelo menos vinte ou mais minutos para alguém aparecer, e você já disse que se atrasará para o trabalho." Olhando para mim, então para seu carro, eu posso dizer que ela está rasgada. "Ok, se você tem certeza que você não se importa." "Nem um pouco." Eu pego o braço dela e levo-a para o meu Rover e desativo o alarme antes de abrir a porta para ela. Eu tenho a certeza de que ela está estabelecida antes de bater com a porta fechada. Movimentando pela parte de trás, eu entro trás do volante e sinto-me relaxar.


"Este é um bom carro." Olhando para ela, eu sorrio, em seguida, pressione o botão para ligar. "Este foi presente de um amigo meu," eu digo a ela e seus olhos ficam grandes. "Um presente?" "Bem, meio que um presente de suborno. Um amigo meu no Havaí tentou me subornar para vir trabalhar para ele." "Você está no Tennessee", ela ressalta suavemente. "Não disse que eu aceitei o suborno." "Mas você tem este carro." "Sim", eu concordo com um sorriso enquanto me retiro da vaga do estacionamento. "Ele não ficou louco?" "Nah, ele sabia antes dele tentar me subornar que eu não iria deixar o meu trabalho." "Então por que ele tentou?", ela pergunta soando adoravelmente confusa. "Por que alguém faz alguma coisa?" "Bom ponto." Ela ri e essa risada faz alguma merda engraçada para o meu peito. Chegando à estação de correios, eu me pergunto o que diabos eu vou fazer desde que eu não tenho nada para postar e não há razão para estar aqui. Ajudando ela, eu a levo para dentro, em seguida, fico na fila. "Selos", murmuro para mim mesmo. Ela se vira e inclina a cabeça para trás para olhar para mim, então, pergunta: "O que?" "Selos... Hum, eu preciso de selos," eu digo a ela, sabendo que eu sou normalmente muito melhor fazendo merda voar. "Oh." Ela encolhe os ombros, em seguida, vai para o caixa aberto e lhe diz que ela precisa de uma ordem de pagamento. Ouvindo-a dizer a quantidade de quatrocentos dólares, eu estou mais do que um pouco surpreso; seu carro


é um pedaço de merda e suas roupas, embora a façam parecer bem, estão desgastadas e velhas. E ela está grávida, muito grávida. Ela deve precisar desse dinheiro. Eu não tenho ideia quanto custa uma criança, mas quatrocentos dólares iriam percorrer um longo caminho para ajudá-la. Uma vez que eu termino de pagar meus selos, eu passo para o lado e espero por ela. Quando ela termina, ela me felicita com um sorriso brilhante. Eu pego a mão dela e levoa para fora, para o Rover, ajudando ela a entrar, antes de passar ao redor do capô e ficar atrás do volante. "Onde você trabalha?", pergunto quando ligo o motor. "Eu... Você conhece Dolly na West Elm?", ela pergunta em voz baixa, e minha cabeça gira em sua direção. Dolly é um clube de strip, um dos maiores da cidade. Batendo para trás a raiva que eu sinto, eu murmuro, "Sim, eu conheço." "Eu... eu... Lá é onde eu trabalho." Bem, isso responde à pergunta de como ela conhecia Shelly, uma vez que Shelly trabalha nesse clube, e alguns outros em torno da cidade. "Você está grávida," Eu aponto o óbvio, não que ela não seja bonita e não que alguns homens não saem com mulheres grávidas, mas eu não consigo imaginá-la trabalhando em um clube como esse. "Eu trabalho na parte de trás. Eu ajudo com os livros, e às vezes nos fins de semana, eu faço maquiagem e cabelo das meninas se estiver calmo. Johnny, meu chefe, tem sido doce em me ajudar," ela murmura e viro a cabeça para olhar para ela e vejo que ela está olhando para fora da janela, seu queixo oscilando. "Por favor, não chore", eu digo tranquilamente estendendo a mão para pegar a mão dela. "Eu não vou. Eu não choro." Ela vira a cabeça para olhar para mim e o olhar quebrado em seu olhar faz com que meu coração gagueje no meu peito.


"Jante comigo hoje à noite," Eu digo e suas mãos empurram as minha. Seus olhos crescem em surpresa. "Você... Você quer jantar comigo?", Sussurra. "Eu sou o rei do Hamburger Helper." Eu sorrio e seu lábio inferior vai entre os dentes por um momento antes de ela sussurrar: "Ok," "Tudo bem?", pergunto apenas para confirmar, sentindo meu pulso acelerar. "Sim, Justin, tudo bem." Ao ouvir o meu nome deixar sua boca faz essa mesma merda ao meu peito, fazendo me sentir engraçado, mais uma vez, e eu sinto-me sorrir enquanto eu puxo para fora do espaço de estacionamento e sigo em direção a Dolly.


Capítulo 2 Passando pela cozinha para a sala de estar carregando duas tigelas de Hamburger Helper, uma das únicas coisas que eu sei cozinhar, eu paro em meus pés quando eu vejo Aubrey dormindo, com a cabeça no braço do meu sofá, com os pés dobrados pra cima perto de sua bunda, e sua mão descansando sobre seu ventre. Deixo escapar um suspiro, eu passo para o sofá, colocando ambas travessas na mesa de café. Quando fui buscá-la do trabalho, ela parecia exausta, mas feliz em me ver tudo a mesma coisa. Eu sabia que ela tinha que estar cansada, então quando eu a trouxe para o meu lugar, eu mostrei-lhe em volta e, em seguida, disse-lhe para descansar enquanto eu cozinhava. Puxando o cobertor largo das costas do sofá, eu coloco sobre ela, em seguida, levo o jantar dela para a cozinha e coloco no microondas, imaginando que ela pode ter quando acordar. Ligando a TV, eu abaixo o volume e sento-me para comer. Ouvindo um choramingar vindo de Audrey, eu defino meu prato de lado mais uma vez e me viro pra encará-la. Tudo o que ela está sonhando não é bom. Seu corpo está se contorcendo e sua respiração está ofegante. "Audrey." Eu pego sua mão e seu pé oscila fora me chutando no estômago enquanto ela se senta gritando. "Nãoooooo!" "Jesus", eu respiro, enquanto seus olhos se concentram em mim e suas mãos cobrem sua boca. "Eu estou tão... oh Deus, eu sinto muito", ela sussurra. "Eu machuquei você?" "Não, você está bem?", pergunto estudando-a, e seu rosto empalidece quando ela foge para longe de mim. "Eu nunca vou te machucar," eu digo a ela, assistindo suas mãos cerrarem em punhos. "Nunca", repito.


"Eu preciso ir. Eu sinto muito..." Ela se levanta do sofá, agarrando sua blusa. Antes que eu possa impedi-la, ela foi embora, batendo a porta atrás dela. "Foda-se." Eu esfrego minhas mãos pelo meu rosto e vejo que no chão em frente ao sofá estão seus tênis. Sorrindo, eu me levanto do sofá e vou para a porta levando seus sapatos comigo. Batendo na porta do apartamento de Shelly, eu espero apenas um momento para ela se abrir e estou um pouco surpreso quando Aubrey enfia a cabeça para fora. "Você esqueceu seus sapatos," eu digo a ela suavemente segurando-os para ela. "Obrigada", ela sussurra, levando-os de mim e abaixando a cabeça. "Eu ainda tenho o seu jantar, se você quiser." "Eu... eu não estou com fome", diz ela olhando para mim. Seu estômago usa esse momento para roncar alto e eu levanto uma sobrancelha. "Ok, eu estou com fome, mas eu..." Suas bochechas ficam rosa e eu dou um passo mais perto dela. "Não se sinta constrangida. Um dia, você pode-me dizer sobre isso, mas agora, eu gostaria que você jantasse comigo.” "Tem certeza?", pergunta ela me estudando. "Absolutamente." Acenando, ela sai de seu apartamento e fecha a porta atrás dela. Percebo que ela colocou um par de chinelos. Pegando sua mão, eu a levo de volta subindo as escadas para o meu lugar, em seguida, estabeleço ela no sofá antes de ir para a cozinha aquecer seu jantar no micro-ondas e pegar um copo de suco de laranja. Quando eu volto para a sala, eu posso dizer que ela ainda está nervosa, mas eu sei que não há nada que eu possa fazer sobre isso agora. Vai levar tempo para ela confiar em mim.


"Diga-me um pouco sobre você", eu digo entregando sua comida enquanto coloco seu copo sobre a mesa. "Não há muito para dizer." Ela encolhe os ombros, mas eu sei que ela está mentindo quando suas mãos ficam inquietas. "Há quanto tempo você está aqui?", pergunto, colocando meus pés na mesa de café descansando para trás. "Cerca de sete meses", ela diz entre mordidas. "Eu tinha apenas nove semanas de gravidez quando cheguei aqui e agora estou quase no final." "Onde está o pai?", eu pergunto calmamente, e seu lábio inferior vai entre os dentes e seus olhos encontram os meus. "Espero que morto," ela sussurra, me pegando de surpresa pela ferocidade dessa afirmação. "Será que ele sabe?", eu sussurro de volta e sua cabeça balança de um lado para o outro. Estudando-a por um momento, vejo que há algo lá, algo feio e leva tudo em mim para não arrastá-la para o meu colo e abraçá-la enquanto ela me diz sobre isso. "Coma querida," murmuro apontando para sua tigela. "Você pode salvar essa história para outro dia," eu digo a ela, e seu queixo oscila enquanto ela balança a cabeça e escava em sua comida. Aumentando o volume da TV, eu me sento para trás e assisto ao programa mantendo um olho nela. "Você é o rei do Hamburger Helper", diz ela e eu viro minha cabeça para olhar para ela e sorrio enquanto ela define sua tigela na mesa de café. "Minha mãe tentou me ensinar a cozinhar, mas as únicas coisas que eu gravei foi isso e macarrão e queijo com hotdogs. Eu sou uma merda na cozinha de outra forma," eu digo a ela, vendo como ela enfia seus pés debaixo dela. "Meus pais são irlandeses e ambos gostam de cozinhar. Felizmente eles compartilharam seu talento comigo."


"Onde estão eles agora?" "Vegas, bem como toda a minha família mora lá. Minha mãe e meu pai, juntamente com o meu irmão e alguns primos". "Você veio para Tennessee sozinha?" "Sim, eles não queriam que eu mantivesse meu bebê", ela sussurra, colocando as mãos sobre a barriga. "Eu odeio o pai dela, mas isso não era sua culpa. Além disso, ela é metade de mim e inocente. Pode parecer loucura, mas quando eu descobri que estava grávida, eu sabia que, independentemente de como ela foi feita, eu a amava mais do que tudo neste mundo, e eu nunca iria deixar ninguém levá-la de mim." "Você continua dizendo ela, é uma menina?" "Sim, ela é uma menina." Ela sorri, então alcança e agarra a minha mão puxando-a para seu estômago. Deixando-a liderar o caminho, a mão dela pressiona para baixo sobre a minha e eu sinto o movimento sob sua camisa quando o bebê, sem dúvida, se move ao redor. Olhando para ela, sinto meu rosto suavizar enquanto assisto um belo sorriso se espalhar pelo seu rosto, e seus olhos se iluminam com entusiasmo. Sem pensar, eu uso a minha mão livre para empurrar um pedaço de seu cabelo atrás da orelha. Sua ingestão aguda de ar me tem inclinando perto o suficiente para sentir sua respiração contra a minha boca. "Eu realmente quero te beijar, Aubrey," eu sussurro e seus olhos se fecham rapidamente antes que ela se incline para frente, descansando a boca contra a minha. Beijando-a suavemente, me afasto então deslizo minha mão atrás de seu pescoço, inclino sua cabeça para baixo e toco minha boca na sua testa.

Agradecimentos


Primeiro quero dar graças a Deus sem ele nada disto seria possível. Em segundo lugar eu quero agradecer ao meu marido. Eu te amo, agora e sempre. Aos meus editores. Kayla, você sabe que eu te adoro mulher. Obrigada por todo seu trabalho duro e por ser uma estrela do rock na edição. Prema edição obrigado por seu trabalho duro. Eu não posso esperar para trabalhar com você no futuro. Muito obrigado a Trsor, vocês meninas são sempre tão difíceis de trabalhar, eu sempre serei grata por tudo que você faz. Para cada blog e leitor obrigado por tomar o tempo para ler e partilhar os meus livros. Nunca haveria tinta suficiente no mundo para reconhecer todos vocês, mas eu sempre serei grata a cada um de vocês. XOXO Aurora


Outros livros deste autor:

The Until Series Until November - já está disponível Until Trevor - já está disponível Until Lilly - já está disponível Until Nico - já está disponível Second Chance Holiday - já está disponível

Underground Kings Series Assumption - já está disponível Obligation - já está disponível Distraction - já está disponível

Until Her Series Until Until Until Until Until

July - já está disponível June - EM BREVE Him Series Jax – já está disponível Sage - EM BREVE

Alpha Law Justified - já está disponível Liability - já está disponível Verdct - EM BREVE Shooting Stars Series Fighting to breathe - já está disponível Wide open spaces - EM BREVE Paranormal – Sea of Veracity - EM BREVE


Sobre a Autora NEW YORK TIMES & US TODAY: autora best-seller Aurora Rose Reynolds começou a escrever de modo que o homem alfa que vivia dentro da sua cabeça iria deixá-la em paz. Quando não está escrevendo ou lendo, ela passa seus dias com seu próprio homem alpha da vida real que a ama tanto quanto os homens em seus livros amam suas mulheres e sua grande Dane blue, que sempre a mantém na ponta dos pés. Para mais informações sobre livros que estão nas obras ou apenas para dizer Olá, siga-me no Facebook: facebook.com/pages/Aurora-RoseReynolds/474845965932269 Goodreads: goodreads.com/author/show/7215619.Aurora_Rose_Rey nolds Twitter: @Auroraroser E-mail Aurora ela gostaria de ouvir de você: Auroraroser@gmail.com E não se esqueça de parar por seu site para saber mais sobre novos lançamentos, ou para encomendar livros autografados. AuroraRoseReynolds.com

Aurora rose reynolds underground kings #3 distraction [revisado]  
Aurora rose reynolds underground kings #3 distraction [revisado]  
Advertisement