Page 1

ponte lúcio costa

NOVA PONTE DO LAGO NORTE

5m

Área de Estar + Parquinho

Planta de Locação

Área de Estar + Parquinho Mirante Skate Park

ponte lúcio costa

O projeto teve como partida a região norte do Distrito Federal e a necessita de uma melhoria em sua mobilidade. Ao analis-

urbana percebemos que o sistema atual, tendo a Ponte do Bragueto como um acesso quase Mirante único ao NOVAarPlanoa macroescala PONTE LAGOdeNORTE Piloto , não supre DO todas as necessidades mobilidade da região. A Ponte do Bragueto tem um papel centralizador para as regiões ao seu entorno e, tendo em vista a precariedade de sua estrutura, propomos uma revitalização com ampliação para que sejam inseridas calçadas, ciclovias e faixas exclusivas para um transporte público mais rápido e eficiente, o BRT.

Referências - Mobiliário Urbano 1:50

A Ponte do Bragueto tem um papel centralizador para as regiões ao seu entorno e, tendo em vista a precariedade de sua estrutura, propomos uma revitalização com ampliação para que sejam inseridas calçadas, ciclovias e faixas exclusivas para um transporte público mais rápido e eficiente, o BRT. Além da revitalização, ainda é proposta a projeção de um novo acesso à região, diminuindo percursos e conectando, ainda mais, a parte norte com o plano piloto. Para tanto, propomos uma nova ponte, a qual ligará a avenida L4 com o Lago Norte e Mansões do Lago; sendo um macroatrator urbano para a região e um novo ponto turístico para Brasília. A nova ponte tem como objetivo incentivar o transporte limpo e priorizar o pedestre. O projeto, que é composto por dois níveis, propõe, em um de seus tabuleiros, via exclusiva de VLT, ciclovias, 2 faixas para ônibus urbanos + carros particulares, acostamento, parada para vlt e acesso ao tabuleiro inferior, funcionando como grande rua pedonal que sirva como um espaço de permanência aos cidadãos de Brasília e aos seus visitantes.

Além da revitalização, ainda é proposta a projeção de um novo acesso à região, diminuindo percursos e conectando, ainda mais, a parte norte com o plano piloto. Para tanto, propomos uma nova ponte, a qual ligará a avenida L4 com o Lago Norte e Mansões do Lago; sendo um macroatrator urbano para a região e um novo ponto turístico para Brasília. A nova ponte tem como objetivo incentivar o transporte limpo e priorizar o pedestre. O projeto, que é composto por dois níveis, propõe, em um de seus tabuleiros, via exclusiva de VLT, ciclovias, 2 faixas para ônibus urbanos + carros particulares, acostamento, parada para vlt e acesso ao tabuleiro inferior, funcionando como grande .4m rua pedonal que sirva como um espaço de permanência aos cidadãos de Brasília e aos seus visitantes. .3m Do ponto de vista urbano, buscamos uma maior integração das Ra’s Nortes com as demais áreas da cidade, propondo uma mobilidade mista com diversas opções de transporte público (VLT, ônibus, metrô, brt, bicicletas públicas, etc.). Pensando no impacto que a nova ponte terá sobre Brasília, foi proposto a criação de um parque em um dos extremos da ponte (l4) que sirva de apoio turístico, oferecendo serviços de tours pelos.65m principais pontos turísticos da cidade com linhas de ônibus e rotas de ciclismo turístico ( feitas através do serviço de compartilhamento de bicicletas).

Detalhamento Detalhamento Detalhamento

Planta baixa dos mód Planta baixa dos mó Planta baixa dos

Vista superior “tronco”, escala 1:100 Vista superior “tronco”, escala 1:100 Vista superior “tronco”, escala 1:100

PILAR OO PILAR O PILAR

O projeto teve como partida a região norte do Distrito Federal e a necessita de uma melhoria em sua mobilidade. Ao analisar a macroescala urbana percebemos que o sistema atual, tendo a Ponte do Bragueto como um acesso quase único ao Plano Piloto , não supre todas as necessidades de mobilidade da região.

PLANALTINA

Lixeira, fixação: aparafusado A rampa central

SOBRADINHO II SOBRADINHO I

Do ponto de vista urbano, buscamos uma maior integração das Ra’s Nortes com as demais áreas da cidade, propondo uma mobilidade mista com diversas opções de transporte público (VLT, ônibus, metrô, brt, bicicletas públicas, etc.). Pensando no impacto que a nova ponte terá sobre Brasília, foi proposto a criação de um parque em um dos extremos da ponte (l4) que sirva de apoio turístico, oferecendo serviços de tours pelos principais pontos turísticos da cidade com linhas de ônibus e rotas de ciclismo turístico ( feitas através do serviço de compartilhamento de bicicletas).

têm como função criar a conexão entre os tabuleiros , permitindo que o transeunte chegue ao local, demonstrando seu caráter turístico.

PLANALTINA SOBRADINHO II SOBRADINHO I

O projeto teve como partida a região norte do Distrito Federal e a necessita de uma melhoria em sua mobilidade. Ao analisar a macroescala urbana percebemos que o sistema atual, tendo a Ponte do Bragueto TAQUARI como um acesso quase único ao LAGO NORTE Plano Piloto , não supre todas as necessidades de mobilidade da região.

DANIELLE DANTAS PLANALTINA

2,3m

1,38m 1,38m 2,3m

1,38m 2,3m

BRT - Lago Norte / Paranoá / Metrô

Vista Motorista

15m

A rampa central têm como função criar a conexão entre os tabuleiros , permitindo que o transeunte chegue ao local, demonstrando seu caráter turístico.

Terminal Planaltina 8000m

TAQUARI

12000m

ITAPOÃ

15m

15m

12000m

MetroLago - EixoNorte: Norte

aneis externos de compressão aneis externos de compressão

Terminal Planaltina

Detalhamento B Vista Ciclista

VARJÃO

0,05m 0,05m

Detalhamento Terminal A Metro/ BRT Sobradinho

Plano Piloto: Transporte transversal é suprida por linhas de microônibus em um caminho zigue zague, conectando a w3 e a l2.

LAGO NORTE

Plano Piloto: Transporte transversal é suprida por linhas de microônibus em um caminho zigue zague, conectando a w3 e a l2.

aneis externos de compressão

Terminal VLT / BRT Lago Norte

H

0m

Terminal Metro/ BRT Sobradinho

2000m 8000m SOBRADINHO II SOBRADINHO I 4000m

Terminal Aeroporto

H

Terminal VLT / BRT Lago Norte

4000m

BRT - Planaltina / Sobradinho / Rodoviária

Rodoviaria Plano Piloto

0,05m

Pensando impacto que a nova ponte terá sobre Brasília, foi proposto a criação de um parque em um dos extremos Rodoviaria Plano no Piloto Motorista da ponte (l4) que sirva de apoio turístico, oferecendo Vista serviços de tours pelos principais pontos turísticos da cidade com Terminal Aeroporto

0m

48m

ARQUITETURA E URBANISMO

BRT - Do Planaltina / Sobradinho / Rodoviária ponto de vista urbano, buscamos uma maior integração das Ra’s Nortes com as demais áreas da cidade, propondo mista/ Metrô com diversas opções de transporte público (VLT, ônibus, metrô, brt, bicicletas públicas, etc.). BRT - uma Lago mobilidade Norte / Paranoá

Terminal Norte linhas de ônibus e rotas de ciclismo turístico ( feitas através do serviço de compartilhamento de bicicletas).

2000m

.80m

VLT - Circular Eixo Monumental / Nova Ponte

Terminal Norte Paraciclo, fixação: aparafusado

VLT - Circular Eixo Monumental / Nova Ponte

PARANOÁ

48m

Vista frontal do do pilar escala 1:250 : Detalhe A A Vista frontal pilar escala 1:250 : Detalhe 48m

H

ITAPOÃ

Vista frontal do pilar escala 1:250 : Detalhe A

Metro - Eixo Norte

VLT - Circular Plano Piloto

DOWXUDYDULDYHOFRQIRUPHDWRSRJUDƬD

VARJÃO

Além da revitalização, ainda é proposta a projeção de um novo acesso à região, diminuindo percursos e conectando, Vista Ciclista ainda mais, a parte norte com o plano piloto. Para tanto, propomos uma nova ponte, a qual ligará a avenida L4 com o Lago Norte e Mansões do Lago; sendo um macroatrator urbano para a região e um novo ponto turístico para Brasília. A nova ponte tem como objetivo incentivar o transporte limpo e priorizar o pedestre. O projeto, que é composto por dois PARANOÁ Metroníveis, - Eixo propõe, Norte em um de seus tabuleiros, via exclusiva de VLT, ciclovias, 2 faixas para ônibus urbanos + carros particulares, acostamento, parada para vlt e acesso ao tabuleiro inferior, funcionando como grande rua pedonal que sirva como VLT - Circular Plano Piloto um espaço de permanência aos cidadãos de Brasília e aos seus visitantes.

.05m

DOWXUDYDULDYHOFRQIRUPHDWRSRJUDƬD DOWXUDYDULDYHOFRQIRUPHDWRSRJUDƬD

TAQUARI LAGO NORTE

Vista Ciclista

.75m

A Ponte do Bragueto tem um papel centralizador para as regiões ao seu entorno e, tendo em vista a precariedade de sua VARJÃO estrutura, propomos uma revitalização com ampliação para que sejam inseridas calçadas, ciclovias e faixas exclusivas ITAPOÃ para um transporte público mais rápido e eficiente, o BRT.

Simulação da passagem do VLT central do Lago norte.

VLT - Circular Plano Piloto pelo canteiro

VLT - Circular Eixo Monumental / Nova Ponte BRT - Planaltina / Sobradinho / Rodoviária

Lago Norte: Simulação da passagem do VLT pelo canteiro central do Lago norte.

PARANOÁ

BRT - Lago Norte / Paranoá / Metrô Rodoviaria Plano Piloto Terminal Norte

Vista Motorista

Detalhamento A

5m

5m 5m

Terminal Aeroporto Terminal VLT / BRT Lago Norte Terminal Metro/ BRT Sobradinho Terminal Planaltina 2000m

0m

4000m

8000m

12000m

Plano Piloto: Transporte transversal é suprida por linhas de microônibus em um caminho

Detalhamento B

Corte BB’


CASA lux

Trabalho de conforto Luminoso Localização Urbana Nova Ponte

Simulação para 300 lux (mínimo confortável)

serviço

QUARTO SALA

Escritório wc

Cozinha Planta baixa - 1/100

Simulação para 3000 lux (ofuscamento)


25 pares de pilares cogumelos nervura-

ponte lúcio costa Ponte Lúcio

Costa NOVA PONTE DO LAGO NORTE

dos em aço grama

Trabalho de Projeto de Grandes vãos

ponte lúcio costa

Vista frontal do pilar escala 1:250 : Detalhe A

corte A 1:250

48m

25 pares de pilares cogumelos nervuraponte lúcio costa

a união de 4 pilares forma uma abóbada

Área de Estar + Parquinho H

Mirante

NOVA PONTE DO LAGO NORTE perfeita

Detalhamentos

Detalhamentos

7UDQVYHUVLQDVHPSHUƬOPHWDOLFRq,q

/RQJDULQDVHPSHUƬOPHWDOLFRq&q

Maior vão =26m

3,68m

3,68m

1,38m 2,3m

VLT - Circular Eixo Monumental / Nova Ponte

a ponte engastada nos pilares e apoiada em 25 possue dois tabuleiros 15m

0,05m

15m

0,05m

DOWXUDYDULDYHOFRQIRUPHDWRSRJUDƬD

DOWXUDYDULDYHOFRQIRUPHDWRSRJUDƬD

H

oB

H

2 ao VLT

Detalhe B Detalhe Detalhe B

cimento + iluminação Área de Estar + Parquinho

A “RUA”

Planta - Tabuleiro Superior

+ acostamento

Terminal Planaltina

2000m

0m

4000m

8000m

Área de Estar + Parquinho

o

Área Estar + Parquinho Área dede Estar + Parquinho Mirante

inho ho

Área de Estar + Parquinho

blocos de cimento

Planta - Tabuleiro Inferior

Referências - Mobiliário Urbano 1:50 Detalhamento A

Área Estar Parquinho Área dede Estar ++ Parquinho

piso emborrachado

.65m

piso emborrachado

Lixeira, fixação: aparafusado

Guarda Corpo

Banco “F”

Banco “C”

.4m

- Estrutural

Lago Norte: Simulação Paraciclos Paraciclos : 8: 8 da passagem do VLT pelo canteiro central do Lago norte.

Área de Uso Temporário Áreade deUso UsoTemporário Temporário Área

Mirante Mirante Mirante

Corte BB’

Banco“D” “D” Banco

Banco“E” “E” Banco

Banco “B”

Banco “A”

principais materiais:

Planta - Tabuleiro Inferior

Área de Estar + Parquinho Áreade deEstar Estar++Parquinho Parquinho Área

Mirante

Banco “F”

Banco “A”

Banco“F” “F” Banco

Banco “C” Banco “C”

2 ciclovias

transversinas

com:

Planta - Estrutural

2 ciclovias

*Área de Estar = Bancos + Mesas + Quiosques 9m²

+ acostamento

Detalhamento B

.45m

grama .05m

Guarda Corpo

Banco “D”

Banco “E”

Banco “B”

Área de Estar + Uso Temporário

Área de Estar + Parquinho

Área de Estar + PEC

Banco “A”

Planta Inferior Pavimentação 1:1500 Corte AA’ *Área de Estar = Bancos + Mesas + Quiosques 9m²

Planta - Estrutural

Banco “F”

Banco “C”

Esquema dos Mirantes 1:500

1.50m

.45m

Detalhe B

Banco Tipo “A” : concreto

Universidade de Brasília Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Projeto de Arquitetura de Grandes Vãos - PA4 Profº Ana Zerbini Caio Frederico Discentes: Danielle Dantas e Gabriela Villarino 2º/2015

+ concreto 4 faixas paraaço veículos principais materiais: PRANCHA 2/2

2 ao VLT aço + concreto

Planta - Tabuleiro Inferior Universidade de Brasília Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Projeto de Arquitetura de Grandes Vãos - PA4 Profº Ana Zerbini Caio Frederico Discentes: Danielle Dantas e Gabriela Villarino 2º/2015

Área de Estar + Parcão Área de de Estar Estar ++ Parcão Parcão Área

principais materiais: com:

Corte AA’

Simulação da Vista do Tabuleiro Inferior 1.10m

Banco Tipo “A” : concreto

Área de Estar + Parcão

PRANCHA 2/2

Simulação da Vista do Tabuleiro Inferior

grama

Planta - Tabuleiro Inferior

Área de Estar + PEC Área de Estar + PEC Área

2 ao VLT

tabuleiro superior apoiado longarinas e

Mirante

Minirante

Esquema dos Mirantes 1:500

1.50m

Corte CC’ Corte CC’

Corte AA’ Mirante Mirante Planta Inferior Pavimentação 1:1500 PlantaInferior Inferior Pavimentação Pavimentação 1:1500 1:1500 Planta

Banco “E”

transversinas transversinas um tabuleiro apenas para pedestres

piso emborrachado

Mirante

LocalizaçãoMinirante Urbana Minirante Nova Ponte Minirante

em laje nervurada (grade 1x1m) Paraciclo, fixação: aparafus a ponte possue dois tabuleiros tabuleiro superior engastada nosapoiado pilareslongarinas e apoiada eem 25

4 faixas para veículos Universidade de Brasília em laje nervurada (grade 1x1m) 2 ao VLT com: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo engastada nos pilares4efaixas apoiada em 25 para veículos 2 ciclovias Projeto de Arquitetura de Grandes Vãos - PA4 transversinas 2 ao VLT + acostamento 2 ciclovias Profº Ana Zerbini Caiotabuleiro Frederico superior apoiado longarinas e + acostamento Discentes: Danielle Dantas e Gabriela Villarino transversinas 2º/2015

4 faixas para veículos

Localização Urbana Nova Ponte Banco “D”

com:

Áreade deEstar Estar++Uso UsoTemporário Temporário Área

Área de Uso Temporário Área de Estar + PEC

Corte BB’

.65m

Detalhe B

Área de Estar + Parcão

Corte BB’

Banco “A”

.3m

Lixeira, fixação: aparafusado 1.10m

Área de Estar + Parquinho

2 ao VLT

Paraciclos : 8

.80m

Mirante Mirante

Mirante Mirante

Banco “E”

Banco “B”

Paraciclo, fixação: aparafusado

Mirante

Urbano 1:50 ário Urbano 1:50 o Urbano 1:50

Banco “D”

.4m .3m

.75m

Área de Estar + Uso Temporário

.80m

Planta - Tabuleiro Inferior

Planta Inferior Pavimentação 1:1500

Mirante

blocos de cimento

.75m

Paraciclos :8 Planta

Detalhame

.05m

Planta - Tabuleiro Superior

Mirante

Minirante

Paraciclo, fixação: aparafusado

Área de Estar + Parquinho

Área de Estar + Parquinho

Mirante

Mirante

.80m

Plano Piloto: Transporte transversal é suprida por linhas de microônibus em um caminho zigue zague, conectando a w3 e a l2.

Área de Estar + Uso Temporário

Área de Uso Temporário

Mirante

cimento queimado

.05m

12000m

Paraciclos : 8

cimento queimado Área de Estar + Parquinho

Mirante

Skate Park

Vista Motorista

A “RUA”

Planta - Tabuleiro Inferior

Área de Estar + Parquinho

Área de Estar + Parquinho

Referências - Mobiliário Urbano 1:50

transversinas

referência pavimentação

.75m

transversinas

grama

grama

4 faixas para veículos

cimento + iluminação

tabuleiro superior apoiado longarinas e

Terminal Metro/ BRT Sobradinho

com:

referência referência pavimentação pavimentação

Terminal Norte

2 ciclovias

Detalhamento B

referência pavimentação

transversinas

Terminal Aeroporto

que estruturam a ponte são os grandes responsáveis por dar identidade e forma ao projeto. Foram inspirados em árvores e se dividem verticalmente duas Planta - Tabuleiro em Superior partes: a “copa” e o “tronco”. A “copa” é uma estrutura nervurada que surge, em planta, como uma circunferência e se abre tridimensionalmente dando lugar a uma elipse . Faz, junto com o guarda corpo, o fechamento do tabuleiro secundário e compõe um padrão Planta geométrico para Superior a - Tabuleiro cobertura. Em vista, quando unidos em pares, formam arcos perfeitos que repetidos cimento + iluminação - Estrutural sobre o percursoPlanta constroem a fachada do projeto. A segunda parte do pilar, o “tronco”, sustenta o tabuleiro inferior e dá altura , cimento esbeltez e queimado leveza ao conjunto.

blocos de cimento

piso emborrachado

Planta - Estrutural

5m

Rodoviaria Plano Piloto

cimento queimado

.65m

Detalhamento A

Localização Urbana Nova Ponte

VLT - Circular Eixo Monumental / Nova Ponte

Terminal VLT / BRT Lago Norte

PRANCHA 2/2

cimento + iluminação

blocos de cimento

BRT - Planaltina / Sobradinho / Rodoviária

PARANOÁ

Pilar de concreto

perfilNorte: metalico em I da passagem do VLT Lago Simulação que compõe o tronco pelo canteiro central do Lago norte.

Os pilares metálicos formam módulos estruturais compostos por abobadas e arcos.

Detalhamento B

Os metálicos formam módulos eearcos. Ospilares metálicos formam módulosestruturais estruturaiscompostos compostospor porabobadas abobadas arcos. VLT -pilares Circular Plano Piloto Skate Park

BRT - Lago Norte / Paranoá / Metrô

Plano Piloto: Transporte transversal é suprida por linhas de microônibus em um caminho zigue zague, conectando a w3 e a l2.

referência pavimentação

Pilar de concreto: recebe a carga da estrutura metálica e a leva até as fundações.

engastada nos pilares e apoiada em 25

Os pilares- metálicos formam módulos estruturais compostos por abobadas e arcos. Metro Eixo Norte

4 faixas para veículos

aneis de compressao

12000m

transversinas

A rampa central têm como função criar a conexão entre os tabuleiros , permitindo que o tran- Os pilares metálicos formam módulos estruturais compostos por abobadas e arcos. Detalhamento A chegue ao local, demonstrando seu seunte caráter turístico.

perfeita

Lixeira, fixação: aparafusad em laje nervurada (grade 1x1m)

engastada nos pilares e apoiada em 25

Encaixe 2

8000m

Detalhe B

Encaixe 2: Encaixe “ macho e femea entre o tronco e o pilar de concreto.

Vista Ciclista

com:

4000m

Detalhe B

Planta - Tabuleiro Superior

Pilar Pilar de de concreto concreto perfil metalico em I que compõe o tronco perfil perfil metalico metalico em em II que que compõe compõe oo tronco tronco

Encaixe 2: Encaixe “ macho e femea entre o tronco e o pilar de concreto.

em laje nervurada (grade 1x1m) ITAPOÃ

2000m

0m

tabuleiro superior apoiado longarinas e

transversinas

VARJÃO Lago Norte: Simulação da passagem do VLT pelo canteiro central do Lago norte.

placa de aço de travamento espessura=50mm

Pilar de concreto

Detalhamento A

placa de aço de travamento Terminal Norte cobertura. espessura=50mm

perfil metalico em I revestido por chapa metalica da copa.

perfil metalico em I que compõe o tronco

em laje nervurada (grade 1x1m)

aneis aneis de de compressao compressao Pilar de concreto

BRT - Lago Norte / Paranoá / Metrô chapa metalica da copa. PARANOÁ Rodoviaria Plano Piloto

Terminal Aeroporto

perfil metalico em I que compõe o tronco

entre a ”copa” o “tronco” aneis de ecompressao

Encaixe 1: Encaixe “macho e femea entre a ”copa” e o “tronco”

tabuleiro superior apoiado longarinas e

5m

perfil metalico em I que compõe o tronco

transversinas Simulação da Vista do Tabuleiro Inferior

Encaixe 2 Encaixe 22 Encaixe Vista em perspectiva de um segmento da estrutra Encaixe 1: Encaixe “macho e femea aneis de compressao

um tabuleiro apenas para pedestres

Plano Piloto: Transporte transversal é suprida Lago Simulação da passagem do VLT por linhas de microônibus em umNorte: caminho TAQUARI peloNORTE canteiro central do Lago norte. zigue zague, conectando a w3 e a l2. LAGO

perfil metalico em I revestido por

A “RUA”

aneis de compressao

Vista em perspectiva de um segmento da estrutra

TAQUARI Vista Ciclista Além da revitalização, ainda é proposta a projeção de um novo acesso à região, diminuindo percursos e conectando, BRT - Planaltina / Sobradinho / Rodoviária LAGO NORTE ainda mais, a parte norte com o plano piloto. Para tanto, uma novasão ponte, a avenida L4 com o quepropomos estruturam a ponte os a qual ligará BRT - Lago Norte / Paranoá / Metrô aneis externos de compressão Lago Norte e Mansões do Lago; sendo um macroatrator urbanopor para e ume novo ponto turístico para Brasília. A grandes responsáveis dara região identidade PARANOÁ Rodoviaria Plano Piloto VARJÃO nova ponte tem como objetivo incentivar forma o transporte limpo e priorizar o pedestre. O projeto, que é composto por dois Vista Motorista ao projeto. Foram inspirados em Metro - Eixo Norte aneis externos de compressão aneis de compressao ITAPOÃ níveis, propõe, em um de seus tabuleiros, via exclusiva de VLT,verticalmente ciclovias, 2 Norte faixas para ônibus urbanos + carros particuTerminal árvores e se dividem em duas VLT - Circular Plano Piloto lares, acostamento, parada para vlt e acesso ao tabuleiro funcionando como que sirva como VLT - Circular Eixo Monumental Nova Ponte partes: a “copa”inferior, e o “tronco”. A “copa” égrande rua/ pedonal Terminal Aeroporto um espaço de permanência aos cidadãos de Brasília e aos seus visitantes. uma estrutura nervurada surge, / em BRTque - Planaltina Sobradinho / Rodoviária Terminal VLT Lago Norte BRT - Lagoe Norte / Paranoá / Metrô planta, como uma circunferência se/ BRT abre Do ponto de vista urbano, buscamos umaPARANOÁ maior integração das Ra’s Nortes com as demais áreas da cidade, propondo tridimensionalmente dando lugar a metrô, uma Rodoviaria Plano Piloto Terminal Metro/ BRT Sobradinho Vista Motorista uma mobilidade mista com diversas opções de transporte público (VLT, ônibus, brt, bicicletas públicas, etc.). elipse . Faz, junto com o guarda corpo, o um parque em um dos extremos Pensando no impacto que a nova ponte terá sobre Brasília, foi proposto aNorte criação de Terminal Terminal Planaltina fechamento do tabuleiro secundário e 2000m 8000m da ponte (l4) que sirva de apoio turístico, oferecendo serviços de tours pelos principais pontos turísticos da cidade com Terminal Aeroporto compõe um padrão geométrico para a linhas de ônibus e rotas de ciclismo turístico ( feitas através do serviço de compartilhamento de bicicletas). Planta - Tabuleiro Superior Terminalunidos VLT / BRT Lago Norte cobertura. Em vista, quando em PLANALTINA 4000m 0m 12000m pares, formam arcos perfeitos queMetro/ repetidos Vista em perspectiva de um segmento da estrutra Terminal BRT Sobradinho Pilar de concreto: recebe a SOBRADINHO II carga da estrutura metálica e Plano Piloto: Transporte transversal é suprida sobre o percurso constroem a fachada do Vista emem perspectiva dede um segmento dada estrutra a leva até as fundações. Vista perspectiva um segmento estrutra SOBRADINHO I Terminal Planaltina por linhas de microônibus em um caminho projeto. A segunda parte do pilar, o “tronco”, 2000m 8000m zigue zague, conectando a w3 e a l2. sustenta o tabuleiro inferior e dá altura , 4000m esbeltez e leveza ao conjunto. 0m 12000m

elipse . Faz, junto com o guarda corpo, o fechamento do tabuleiro secundário e compõe um padrão geométrico para a Vista Motorista Em vista, quando unidos em pares, formam arcos perfeitos que repetidos sobreVLTo/ percurso Terminal BRT Lago Norte constroem a fachada do projeto. A BRT segunda Terminal Metro/ Sobradinhoparte do pilar, o “tronco”, sustenta o tabuleiro inferior e dá altura , Terminal Planaltina esbeltez e leveza ao conjunto.

BRT - Planaltina / Sobradinho / Rodoviária

Encaixe 1

aneis de compressao

em laje nervurada (grade 1x1m)

Banco Tipo “A” : concreto

um tabuleiro apenas para pedestres

*Área de Estar = Bancos + Mesas + Quiosques 9m²

Planta de Locação

O PILAR

1,38m 2,3m

48m

a união de 4 pilares forma uma abóbada

A rampa central forma ao projeto. Foram inspirados em dos em aço têm como função criar a Do ponto de vista urbano, buscamos uma maior integração das Ra’s Nortes árvores com as demais da cidade, propondo em duas e seáreas dividem verticalmente entre os tabuleiros , permitindo qu uma mobilidade mista com diversas opções de transporte público (VLT, ônibus, metrô, brt, bicicletas públicas, etc.). seunte chegue ao local, demonstra partes: a “copa” e um o “tronco”. Pensando no impacto que a nova ponte terá sobre Brasília,7UDQVYHUVLQDVHPSHUƬOPHWDOLFRq,q foi proposto a criação de um parque em dos extremosA “copa” é caráte 5m da ponte (l4) que sirva de apoio turístico, oferecendo serviços de tours pelosuma principais pontos turísticos da cidade comsurge, em estrutura nervurada que linhas de ônibus e rotas de ciclismo turístico ( feitas através do serviço de compartilhamento de bicicletas). planta, como uma circunferência e se abre Área de Estar + Parquinho PLANALTINA tridimensionalmente dando lugar a uma SOBRADINHO II Skate Park Nos dois modelos: elipse . Faz, junto com o guarda corpo, o SOBRADINHO I /RQJDULQDVHPSHUƬOPHWDOLFRq&q A=E a ponte possue dois tabuleiros fechamento do tabuleiro secundário B=D que estruturam a pontee são os F=H compõe um padrão geométrico a grandes responsáveis por darpara identidade e de Locação cobertura. Em quando unidos em em Maior vão =26m formaPlanta ao vista, projeto. Foram inspirados TAQUARI pares,árvores formamearcos perfeitos que repetidos Vista Ciclista se dividem verticalmente em duas Encaixe 1 Referências - Mobiliário Ur LAGO NORTE aneis de compressao sobre partes: o percurso constroem a fachadaA do a “copa” e o “tronco”. “copa” é um tabuleiro apenas para pedestres estruturando 25 vãos de 48m uma estrutura nervurada surge, em projeto. A segunda parte do pilar, oque “tronco”, VARJÃO Metro - Eixo Norte ITAPOÃ planta, como uma circunferência e se abre sustenta o tabuleiro VLT - Circular Plano Piloto inferior e dá altura , .4m tridimensionalmente dando lugar a uma VLT - Circular Eixo Monumental / Nova Ponte esbeltez e leveza ao conjunto. .3m a união de 4 pilares forma uma abóbada

Encaixe 2

perfil metalico em I revestido por chapa metalica daem copa. perfil perfil metalico metalico em II revestido revestido por por chapa chapa metalica metalica da da copa. copa. placa de aço de travamento espessura=50mm placa placa de de aço aço de de travamento travamento espessura=50mm espessura=50mm

perfil metalico em I que compõe o tronco perfil perfil metalico metalico em em II que que compõe compõe oo tronco tronco

estruturando 25 vãos de 48m

a leva até as fundações.

Além da revitalização, ainda é proposta a projeção de um novo acesso à região, diminuindo percursos e conectando, ainda mais, a parte norte com o plano piloto. Para tanto, propomos uma nova ponte, a qual ligará a avenida L4 com o Lago Norte e Mansões do Lago; sendo um macroatrator urbano para a região e um novo ponto turístico para Brasília. A nova ponte tem como objetivo incentivar o transporte limpo e priorizar o pedestre. O projeto, que é composto por dois estruturam a ponte são os níveis, propõe, em um de seus tabuleiros, via exclusiva de VLT, ciclovias, 2 faixas para ônibus que urbanos + carros particulares, acostamento, parada para vlt e acessoDetalhe ao tabuleiro como grande rua pedonal que sirvadar como A inferior, funcionandograndes responsáveis por identidade e um espaço de permanência aos cidadãos de Brasília e aos seus visitantes.

engastada nos pilares e apoiada em 25

corte A 1:250

Esquema dos Mirantes 1:500

Vista Ciclista

A Ponte do Bragueto tem um papel centralizador para as regiões ao seu entorno e, tendo em vista a precariedade de sua VARJÃO Metroinseridas - Eixo Norte estrutura, propomos uma revitalização com ampliação para que sejam calçadas, ciclovias e faixas exclusivas ITAPOÃ para um transporte público mais rápido e eficiente, o BRT. VLT - Circular Plano Piloto

Planta - Estrutural

entre os tabuleiros , permitindo que o transeunte chegue ao local, demonstrando seu caráter turístico.

aneis aneis de de compressao compressao

perfeita

perfeita a ponte possue dois tabuleiros 25 pares de pilares cogumelos nervura-

O PILAR

perfeita

uma mobilidade mista com de transporte público (VLT, ônibus, metrô, brt, bicicletas públicas, etc.). pares, formam arcosdiversas perfeitosopções que repetidos Pensando no oimpacto queconstroem a nova ponte terá sobre sobre percurso a fachada do Brasília, foi proposto a criação de um parque em um dos extremos da ponte (l4) que sirva de apoio turístico, oferecendo serviços de tours pelos principais pontos turísticos da cidade com projeto. A segunda parte do pilar, o “tronco”, linhas de ônibus e rotas de ciclismo turístico ( feitas através do serviço de compartilhamento de bicicletas). Vista frontal do pilar escala 1:250 : Detalhe48mA sustenta o tabuleiro inferior e dápartida alturaa região , PLANALTINA O projeto teve como norte do Distrito Federal e a necessita de uma melhoria em sua mobilidade. Ao analisesbeltez e levezaarao conjunto. urbana TAQUARI a macroescala percebemos que o sistema atual, tendo a Ponte do Bragueto como um acesso quase único ao SOBRADINHO II LAGO NORTE Plano Piloto , não supre todas as necessidades de mobilidade da região. corte A 1:250 SOBRADINHO I Vista frontal do pilar escala 1:250 : Detalhe A

A Ponte do Bragueto tem um papel centralizador para as regiões ao seu entorno e, tendo em vista a precariedade de sua estrutura, propomos uma revitalização com ampliação para que sejam inseridas calçadas, ciclovias e faixas exclusivas para um transporte público mais rápido e eficiente, o BRT.

Detalhe A

Nos dois modelos: A=E B=D F=H

Área de Estar + Parcão Área de Estar + PEC

Planta Inferior Pavimentação 1:1500 um tabuleiro apenas para pedestres

Encaixe 1

a união de 4 pilares forma uma abóbada

Planta de Locação O projeto teve como partida a região norte do Distrito Federal e a necessita de uma melhoria em sua mobilidade. Ao analisar a macroescala urbana percebemos que o sistema atual, tendo a Ponte do Bragueto como um acesso quase único ao Pilar de concreto: recebe a Plano Piloto , não supre todas as necessidades de mobilidade da região. carga da estrutura metálica e

a ponte possue dois tabuleiros

que estruturam a ponte são os grandes responsáveis por dar identidadeMirante e Minirante forma ao projeto. Foram inspirados em árvores e se dividem verticalmente em duas A Ponte do Bragueto tem um papel centralizador para as regiões ao seu entorno e, tendo em vista a precariedade de sua partes: a “copa” e o “tronco”. A “copa” é pares de pilares cogumelos nervuraestrutura, propomos uma revitalização com ampliação para que sejam inseridas calçadas, ciclovias e faixas 25 exclusivas Planta baixa dos módulos estruturais 1:500 uma estruturaYLVWDIURQWDOGRVSHUƬVGDpFRSDq nervurada que surge, em para um transporte público mais rápido e eficiente, o BRT. planta, como uma circunferência e se abre dos em aço tridimensionalmente dando lugar a uma Além da revitalização, ainda é proposta a projeção de um novo acesso à região, diminuindo percursos e conectando, Vista superior “tronco”, escala 1:100 O projeto teve como partida a região norte do Distrito Federal e a necessita de uma melhoria em sua mobilidade. Ao analisainda mais, a parte norte com o plano piloto. Para tanto, propomos uma nova ponte, a qual ligará a avenida L4 com o elipse . Faz, junto com o guarda corpo, o Detalhe A ar aLago macroescala urbana percebemos que um o sistema atual, tendo Pontea do Bragueto comoponto um acesso quase único aoA Norte e Mansões do Lago; sendo macroatrator urbanoa para região e um novo turístico para Brasília. fechamento do tabuleiro secundário e a ponte possue dois tabuleiros Detalhe Banco Plano Piloto , não todas as necessidades de mobilidade região. Detalhe A A “F” Banco “D” Planta baixa módulos estruturais 1:500 Banco “E”YLVWDIURQWDOGRVSHUƬVGDpFRSDq nova ponte temsupre como objetivo incentivar transporte limpo eda priorizar o pedestre. O projeto, que é composto pordosdois que estruturam a ponteo são os compõe um padrão geométrico para a níveis, propõe, em um de seus tabuleiros, via exclusiva de VLT, ciclovias, 2 faixas para ônibus urbanos + carros particugrandes responsáveis por dar identidade e A Ponte do Bragueto tem um papel centralizador para as regiões ao seu entorno e, tendo em vista a precariedade de sua cobertura. Em vista, quando unidos em lares, acostamento, parada para vlt e acesso ao tabuleiro inferior, funcionando como grande rua pedonal que sirva como forma ao projeto. Foram inspirados em para que sejam inseridas estrutura, propomos uma revitalização com ampliação calçadas, e faixas exclusivas Vista superior “tronco”, escalaciclovias 1:100 7UDQVYHUVLQDVHPSHUƬOPHWDOLFRq,q umum espaço de permanência aos cidadãos Brasília e aos seus visitantes. pares, formam arcos perfeitos que repetidos para transporte público rápido e eficiente, o BRT. árvores e se dividemmais verticalmente emdeduas A rampa central 7UDQVYHUVLQDVHPSHUƬOPHWDOLFRq,q WDOGRVSHUƬVGDpFRSDq 7UDQVYHUVLQDVHPSHUƬOPHWDOLFRq,q sobre o percurso constroem RQWDOGRVSHUƬVGDpFRSDq partes: a “copa” e o “tronco”. A “copa” é têm como função criaraafachada conexão do um tabuleiro apenas para pedestres URQWDOGRVSHUƬVGDpFRSDq Do da ponto de vista urbano, maior integração dasacesso Ra’s Nortes com as de demais áreas da cidade, propondo Além revitalização, ainda ébuscamos proposta uma a projeção de um novo à região, diminuindo percursos e conectando, Planta Locação os tabuleiros , permitindo queoo“tronco”, tranprojeto.entre A segunda parte do pilar, uma estrutura nervurada que surge, em ainda a partemista nortecom comdiversas o planoopções piloto. Para tanto, propomos umaônibus, nova ponte, qual ligará a públicas, avenida L4 com o umamais, mobilidade de transporte público (VLT, metrô,abrt, bicicletas etc.). seunte ao local, demonstrando seu Nos dois modelos: planta, como uma circunferência e se abre sustenta o chegue tabuleiro inferior e dá altura , Lago Norte e no Mansões Lago; sendo umterá macroatrator urbano para a região e um de novo turístico A Pensando impactodoque a nova ponte sobre Brasília, foi proposto a criação umponto parque em umpara dosBrasília. extremos /RQJDULQDVHPSHUƬOPHWDOLFRq&q A=E caráter turístico. Nos dois modelos: Nos dois modelos: tridimensionalmente dando lugaro oferecendo a uma limpo tem como objetivo incentivar transporte e priorizar o pedestre. O projeto, que é composto por dois da ponte ponte (l4) que sirva de apoio turístico, serviços de tours pelos principais pontos turísticos da cidade com esbeltez e leveza ao conjunto. B=D /RQJDULQDVHPSHUƬOPHWDOLFRq&q A=E onexãonova estruturando 25 vãos de 48m /RQJDULQDVHPSHUƬOPHWDOLFRq&q Banco “A” Banco “C” A=E níveis, propõe, de seus tabuleiros, via (exclusiva de VLT, faixas para ônibusdeurbanos + carros particuF=H Banco “B” B=D elipse . em Faz,eum junto com o guarda corpo, o através linhas de ônibus rotas de ciclismo turístico feitas do ciclovias, serviço de2compartilhamento bicicletas). B=D o tran-lares, acostamento, parada para vlt e acesso ao tabuleiro inferior, funcionando como grande F=H rua pedonal que sirva como F=Hvão =26m PLANALTINA fechamento do tabuleiro secundário e Maior de permanência aos cidadãos de Brasília e aos seus visitantes. do seuum espaço a união de 4 pilares forma umaMaior abóbada vão compõe um padrão geométrico para a A rampa central Maior vão=26m =26m SOBRADINHO II Encaixe 1 aneis de compressao urístico.Do ponto têm como função criar a conexão cobertura. Em vista, quandouma unidos Encaixe 1 de vista urbano, buscamos maior em integração das Ra’s INortes com as demais áreas da cidade, propondo SOBRADINHO O projeto teve como partida a região norte do Distrito Federal e a necessita de uma melhoria em sua mobilidade. Ao analisar a macroescala urbana percebemos que o sistema atual, tendo a Ponte do Bragueto como um acesso quase único ao Plano Piloto , não supre todas as necessidades de mobilidade da região.

transversinas

DOWXUDYDULDYHOFRQIRUPHDWRSRJUDƬD

pontea união lúcio costa de 4 pilares forma uma abóbada

25 pares de pilares cogumelos nervuraem aço estruturando dos 25 vãos de 48m

Planta de Locação

estruturando 25 vãos de 48m

Encaixe 1: Encaixe “macho e femea entre a ”copa” e o “tronco”

aneis de compressao

Planta de Locação

Encaixe 2: Encaixe “ macho e femea entre o tronco e o pilar de concreto.

Área de Estar + Uso Temporário

Área de Uso Temporário

aneis externos de compressão

0,05m

perfeita

15m

estruturando 25 vãos de 48m Planta de Locação

Planta de Locação

dos em aço

Planta de Locação

dos em aço NOVA PONTE DO LAGO NORTE

Paraciclos : 8

3,68m

1,38m 2,3m

Planta de Locação

25 pares de pilares cogumelos nervura-

NOVA PONTE DO LAGO NORTE

*Área de Estar = Bancos + Mesas + Quiosques 9m² *Área de de Estar Estar == Bancos Bancos ++ Mesas Mesas ++ Quiosques Quiosques 9m² 9m² *Área

principais materiais: aço + concreto Corte BB’

Corte AA’

2 ciclovias PRANCHA 1/2 + acostamentoPRANCHA 1/2 Universidade de Brasília Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Universidade de Brasília Projeto de Arquitetura Vãose -Urbanismo PA4 Faculdadede deGrandes Arquitetura Ana ZerbinideCaio Frederico ProjetoProfº de Arquitetura Grandes Vãos - PA4 Discentes: Danielle Dantas e Gabriela Profº Ana ZerbiniVillarino Caio Frederico Discentes: Danielle Dantas e Gabriela Villarino 2º/2015

principais materiais:

2º/2015


Profº Ana Zerbini Caio Frederico Discentes: Danielle Dantas e Gabriela Villarino 2º/2015

PRANCHA 1/2

San pablo veneziano

Profº Ana Zerbini Caio Frederico Discentes: Danielle Dantas e Gabriela Villarino 2º/2015

INTERVENÇÃO UTÓPICA CRIATIVA, COM O TEMA ITÁLIA, EM UMA RUA MARGINALIZADA DA CIDADE DE ZARAGOZA. Corte CC’

Universidade de Brasília Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Projeto de Arquitetura de Grandes Vãos - PA4 Profº Ana Zerbini Caio Frederico Discentes: Danielle Dantas e Gabriela Villarino 2º/2015


perfil metalico em I que compõe o tronco

perfil metalico em I revestido por chapa metalica da copa. placa de aço de travamento espessura=50mm

composição Conceitual Encaixe 2

aneis de compressao

Trabalho de Analisis de Arquitectura Pilar de concreto

perfil metalico em I que compõe o tronco

s de pilares cogumelos nervurados em aço Detalhe B

referência pavimentação

ruturando 25 vãos de 48m

cimento + iluminação

de 4 pilares forma uma abóbada

TR SITO

perfeita

os estruturais compostos por abobadas e arcos.

cimento queimado

blocos de cimento

AN

onte possue dois tabuleiros piso emborrachado

uleiro apenas para pedestres

IDENTIDAD grama

aje nervurada (grade 1x1m) Área de Estar + Uso Temporário

da nos pilares e apoiada em 25 irante

Área de Estar + Parquinho

EL PAISAJE ARTIFICIAL, LA ARQUITECTURA Y LAS CONSTRUCCIONES, PUEDEN TRANSFORMARSEN EN ICONOS QUE IDENTIFIQUEN Y REPRESENTEN LAS CIUDADES.

Área de Estar + PEC

NY PARIS ZGZ RJ BCN

transversinas Mirante

Planta Inferior Pavimentação 1:1500 superior apoiado longarinas e

transversinas

*Área de Estar = Bancos + Mesas + Quiosques 9m²

anco “F”

2 ao VLT 2 ciclovias + acostamento

PRANCHA 2/2

Universidade de Brasília Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Projeto de Arquitetura de Grandes Vãos - PA4 Profº Ana Zerbini Caio Frederico Discentes: Danielle Dantas e Gabriela Villarino 2º/2015

principais materiais: aço + concreto

PRANCHA 1/2

¸5($'(3(50$1·1&,$

02/+$3e 3$*,1$d¡2(;,67(17( &, /29,$ $ 5 e $  ' (  ) / 8 ; 2 & , 5 & 8 / $ d ¡ 2  9 ( 5 7 , & $ / ) 2 5 $ d ¡ 2 (',)&$d¢(6 Simulação da Vista do Tabuleiro Inferior

Universidade de Brasília Faculdade de Arquitetura e Urbanismo to de Arquitetura de Grandes Vãos - PA4 Profº Ana Zerbini Caio Frederico tes: Danielle Dantas e Gabriela Villarino 2º/2015

Danielle Dantas – 1/4

OBSOLETO ABANDONADO

“TERRAIN VAGUE”

LOS ESPACIOS VACÍOS, DETERIORADOS, OBSOLETOS, ABANDONADOS Y OLVIDADOS QUE COMPONEN LAS CIUDADES.

SETOR COMERCIAL SUL

PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PAISAGÍSTICA

EL TRANSITO DE LAS GRANDES CIUDADES TRAE A LAS CALLES UN MOVIMIENTO CONTINUO QUE MUCHAS VECES, DESORDENADO Y CONFUSO, GENERA EL CAOS.

Danielle Dantas – 4/4

PERSPECTIVAS GERAIS

CONSTRUCCIONES QUE NO SE CONECTAN NI RESPETAN SU ALREDEDOR, TRAENDO UNA POLUICIÓN Y ROMPIENDO CON LA CONTINUIDAD VISUAL DE LAS CIUDADES. SON VOLUMENES GENERADOS POR LOS EXAGEROS DE LA SOBREMODERNIDAD.

ACUMULO ACUMULO ACUMULO ACUMULO ACUMULO ACUMULO ACUMULO

com:

antes 1:500

4 faixas para veículos

VACÍO

Banco “C”

CAOS

Área de Estar + Parcão

Danielle Dantas – 2/4

SIN CO NEXION

JUNKSPACE ESPACIO BASURA JUNKSPACE JUNKSPACE Danielle Dantas – 3/4


PLANTABAIXATÉREO

SETOR COMERCIAL SUL H[HUFtFLRItVLFRXWLOL]DQGRRTXHDSRSXODomRPDLVWHP GHSHQG·QFLDRFHOXODU2DSDUHOKRIXQFLRQDGHIRUPD JUDWXLWDFRQWDQWRTXHXWLOL]HRSUySULRFDER

MOBILIÁRIOS URBANOS

ser usada por até 12 pessoas.

PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PAISAGÍSTICA

Um NOVO SETOR SETOR COMERCIAL SULCOMERCIAL SUL Trbalho de paisagismo

PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PAISAGÍSTICA

1 ESCALA 1:250 WEBIKES

(',),&$d¢(6

)255$d¡2

MOBILIÁRIOS URBANOS

SETOR COMERCIAL SUL WEBIKES

BANCOS CÉLULA

Todas possuem uma abertura principal com uma vitrine GHH[SRVLomRGRODGR HVTXHUGRFRPRHVWiUHSUHsentado nas imagens.

&,&/29,$ &,5&8/$d¡29(57,&$/

PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PAISAGÍSTICA

PHQWRGHSHGDODUJHUDHQHUJLDSDUDFDUUHJDUXPFHOXODU SDUDDWHQGHUDWpTXDWURSHVVRDV2VEDQFRVVmRPRGX,QVSLUDGDVQDFULDomRFXOWXUDOHDUTXLWHW{QLFDIHLWDQDUHTXDOLîFDomRXUEDQDQRFHQWURKLVWyULFRGD ou tablet. Essa inovação tem o intuito de motivar o lais em três semi-esferas conectadas. Uma célula pode (VSDQKDEXVFDPRVUHIHUrQFLDSDUDDQRVVDFULDomR H[HUFtFLRItVLFRXWLOL]DQGRRTXHDSRSXODomRPDLVWHP ser usada por até 12 pessoas. GHSHQG·QFLDRFHOXODU2DSDUHOKRIXQFLRQDGHIRUPD JUDWXLWDFRQWDQWRTXHXWLOL]HRSUySULRFDER

ESCALA

MOBILIÁRIOS URBANOS

$5e$'()/8;2

SETOR COMERCIAL SUL

1 : 2500

BANCOS MULTIUSO

,QVSLUDGDVQDFULDomRFXOWXUDOHDUTXLWHW{QLFDIHLWDQDUHTXDOLîFDomRXUEDQDQRFHQWURKLVWyULFRGD (VSDQKDEXVFDPRVUHIHUrQFLDSDUDDQRVVDFULDomR

%DQFRVHPFRQFUHWRFRPWDPSRHPPDGHLUDHVSHFLDLV

SDUDiUHDVH[WHUQDV2EDQFRWHPDîQDOLGDGHGHWHU PAGINAÇÃO DE PISO E TIPOS DE USOS PXOWLSORVXVRVWDQWRRGHVHQWDUTXDQWRRGHGHLWDU

PERSPECTIVAS GERAIS

¸5($'(3(50$1·1&,$

PLANTA BAIXA TÉRR EO

1

PERSPECTIVAS GERAIS

Desenvolvemos um formato de banca padrão nas mediGDVGHP;P Todas possuem uma abertura principal com uma vitrine GHH[SRVLomRGRODGR HVTXHUGRFRPRHVWiUHSUHsentado nas imagens.

É uma tecnologia Belga que se baseia em um mobiliário %DQFRVHPIRUPDWRGHVHPLHVIHUDVHPFRQFUHWRFRP BANCOS MULTIUSO HPIRUPDWRVLPLODUDRGHXPDELFLFOHWDHPTXHRPRYLWDPSRHPPDGHLUDUHSDUWLGRHPTXDWURSDUWHVLJXDLV %DQFRVHPFRQFUHWRFRPWDPSRHPPDGHLUDHVSHFLDLV PHQWRGHSHGDODUJHUDHQHUJLDSDUDFDUUHJDUXPFHOXODU SDUDDWHQGHUDWpTXDWURSHVVRDV2VEDQFRVVmRPRGXSDUDiUHDVH[WHUQDV2EDQFRWHPDîQDOLGDGHGHWHU PXOWLSORVXVRVWDQWRRGHVHQWDUTXDQWRRGHGHLWDU ou tablet. Essa inovação tem o intuito de motivar o lais em três semi-esferas conectadas. Uma célula pode BICICLETÁRIO H[HUFtFLRItVLFRXWLOL]DQGRRTXHDSRSXODomRPDLVWHP ser usada por até 12 pessoas. BANCAS PARA COMÉRCIO DE RUA WEBIKES BANCOS CÉLULA Biciletário em concreto aparente com alças para GHSHQG·QFLDRFHOXODU2DSDUHOKRIXQFLRQDGHIRUPD Desenvolvemos um formato acorrentar a bicicleta. É uma tecnologia Belga que se baseia em um mobiliário %DQFRVHPIRUPDWRGHVHPLHVIHUDVHPFRQFUHWRFRP de banca padrão nas mediJUDWXLWDFRQWDQWRTXHXWLOL]HRSUySULRFDER GDVGHP;P HPIRUPDWRVLPLODUDRGHXPDELFLFOHWDHPTXHRPRYLCOBERTURA EM POLICARBONATOS WDPSRHPPDGHLUDUHSDUWLGRHPTXDWURSDUWHVLJXDLV

Mesas estruturadas em concreto com bancos WDPEpPHPFRQFUHWRGHIRUPDFLUFXODU$PHVD possui o tampo em madeira especial para áreas H[WHUQDV

3$*,1$d¡2(;,67(17(

BANCAS PARA COMÉRCIO DE RUA

Mesas estruturadas em concreto com bancos %DQFRVHPIRUPDWRGHVHPLHVIHUDVHPFRQFUHWRFRP WDPEpPHPFRQFUHWRGHIRUPDFLUFXODU$PHVD WDPSRHPPDGHLUDUHSDUWLGRHPTXDWURSDUWHVLJXDLV possui o tampo em madeira especial para áreas SDUDDWHQGHUDWpTXDWURSHVVRDV2VEDQFRVVmRPRGXH[WHUQDV lais em três semi-esferas conectadas. Uma célula pode ser usada por até 12 pessoas.

MESAS PARA REFEIÇÃO

02/+$3e

MOBILIÁRIOS URBANOS

MESAS PARA REFEIÇÃO

BANCOS CÉLULA

É uma tecnologia Belga que se baseia em um mobiliário HPIRUPDWRVLPLODUDRGHXPDELFLFOHWDHPTXHRPRYLPHQWRGHSHGDODUJHUDHQHUJLDSDUDFDUUHJDUXPFHOXODU ou tablet. Essa inovação tem o intuito de motivar o H[HUFtFLRItVLFRXWLOL]DQGRRTXHDSRSXODomRPDLVWHP GHSHQG·QFLDRFHOXODU2DSDUHOKRIXQFLRQDGHIRUPD JUDWXLWDFRQWDQWRTXHXWLOL]HRSUySULRFDER

PERSPECTIVAS GERAIS

1RVVRHVSDoRGHLQWHUYHQomRQHFHVVLWDYDGHSRVVLELOLGDGHVGLYHUVDV6RPEUDHVSDoRGHFLUFXODomRItVLFDYHQ MESAS PARA REFEIÇÃO BANCAS PARA COMÉRCIO WLODoDRQDWXUDODGHTXDGDHXPD]RQDFOLPiWLFDDJUDGiYHOWDQWRSDUDTXHPQHFHVVLWDVVHîFDUQXPDîODGH estruturadas emespontânea. concreto com bancos espera quanto paraMesas que houvesse permanência Desenvolvemos um formato

BICICLETÁRIO Biciletário em concreto aparente com alças para acorrentar a bicicleta.

COBERTURA EM POLICARBONATOS

,QVSLUDGDVQDFULDomRFXOWXUDOHDUTXLWHW{QLFDIHLWDQDUHTXDOLîFDomRXUEDQDQRFHQWURKLVWyULFRGD (VSDQKDEXVFDPRVUHIHUrQFLDSDUDDQRVVDFULDomR

DE RUA

PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PAISAGÍSTICA

WDPEpPHPFRQFUHWRGHIRUPDFLUFXODU$PHVD

WEBIKES

de banca padrão nas medi3DUDLVVRFULDPRVXPDFREHUWXUDFRPFtUFXORVWUDQVOXFLGRVRSDFRVHFRORULGRVWHQVLRQDGRVFRPFDERVGH especial paraCOMÉRCIO áreas É uma tecnologia Belga que se baseia em um mobiliário MESAS PARA REFEIÇÃO possui o tampo em madeira BANCAS PARA DE RUA GDVGHP;P DoRSDUDSURSLFLDUDPi[LPDGLVSRVLomRGHHVSDoRHWUDQVODGRVHPEDL[RGDFREHUWXUDVHPTXHKRXYHVVH H[WHUQDV Mesas estruturadas em concreto com bancos SLODUHVGHVXVWHQWDomR(VVHVDSHQDVQDVSRQWDVGRSURMHWRSDUDVXVWHQWDUDHVWUXWXUDïH[tYHO Todas possuemHPIRUPDWRVLPLODUDRGHXPDELFLFOHWDHPTXHRPRYLuma abertuDesenvolvemos um formato PHQWRGHSHGDODUJHUDHQHUJLDSDUDFDUUHJDUXPFHOXODU 3HQVDPRVQDVSRVVLELOLGDGHVGHPDWHULDOHVXDVLQïXHQFLDVFOLPiWLFDV2SWDPRVHQWmRSRUSROLFDUERQDWR WDPEpPHPFRQFUHWRGHIRUPDFLUFXODU$PHVD de banca padrão nas medira principal comouuma tablet.vitrine Essa inovação tem o intuito de motivar o possui o tampo YLQLOL]DGRSHODVXDYHUVDWLOLGDGHIiFLOPDQXWHQomRHDGDSWDomRDOX]HiJXDGDFKXYD em madeira especial para áreas GDVGHP;P H[HUFtFLRItVLFRXWLOL]DQGRRTXHDSRSXODomRPDLVWHP GHH[SRVLomRGRODGR H[WHUQDV Todas possuem uma abertuGHSHQG·QFLDRFHOXODU2DSDUHOKRIXQFLRQDGHIRUPD HVTXHUGRFRPRHVWiUHSUHJUDWXLWDFRQWDQWRTXHXWLOL]HRSUySULRFDER ra principal com uma vitrine

BANCOS CÉLULA

sentado nas imagens.

GHH[SRVLomRGRODGR HVTXHUGRFRPRHVWiUHSUHsentado nas imagens.

PERSPECTIVAS GERAIS

%DQFRVHPIRUPDWRGHVHPLHVIHUDVHPFRQFUHWRFRP WDPSRHPPDGHLUDUHSDUWLGRHPTXDWURSDUWHVLJXDLV SDUDDWHQGHUDWpTXDWURSHVVRDV2VEDQFRVVmRPRGXlais em três semi-esferas conectadas. Uma célula pode ser usada por até 12 pessoas.

MOBILIÁRIOS URBANOS

¸5($'(3(50$1·1&,$ Áreas de permanência - paralelepípedos para melhor absorção de água da chuva.

$5e$'()/8;2

¸UHDVGHFLUFXODomRFRQFUHWRSDUDSLVRVFRPJUDQGHïX[RGHJHQWH

,QVSLUDGDVQDFULDomRFXOWXUDOHDUTXLWHW{QLFDIHLWDQDUHTXDOLîFDomRXUEDQDQRFHQWURKLVWyULFRGD (VSDQKDEXVFDPRVUHIHUrQFLDSDUDDQRVVDFULDomR ¸UHDVH[FOXVLYDVSDUDYHJHWDomRJUDPDiUYRUHVïRUHVHWF 1RVVRHVSDoRGHLQWHUYHQomRQHFHVVLWDYDGHSRVVLELOLGDGHVGLYHUVDV6RPEUDHVSDoRGHFLUFXODomRItVLFDYHQ BANCOS MULTIUSO WLODoDRQDWXUDODGHTXDGDHXPD]RQDFOLPiWLFDDJUDGiYHOWDQWRSDUDTXHPQHFHVVLWDVVHîFDUQXPDîODGH $SDJLQDomRGHSLVRIRLLQVSLUDGDHVHEDVHDGDQRVFDPLQKRVGHPDUFDGRVSHORSUySULRSHGHVWUH$VURWDVGHFLUFXBANCOS MULTIUSO espera quanto para que houvesse permanência espontânea. ODomRVmRVHPSUHHPGLDJRQDLVGLPLQXLQGRRWUDMHWRHFRQHFWDQGRORFDLVFRPRVDtGDGDJDOHULDGRVHVWDGRVVDtGD %DQFRVHPFRQFUHWRFRPWDPSRHPPDGHLUDHVSHFLDLV GRPHWU{HVFDGDVGHDFHVVR SDUWHHOHYDGDGR6&6 %DQFRVHPFRQFUHWRFRPWDPSRHPPDGHLUDHVSHFLDLV SDUDiUHDVH[WHUQDV2EDQFRWHPDîQDOLGDGHGHWHU 3DUDLVVRFULDPRVXPDFREHUWXUDFRPFtUFXORVWUDQVOXFLGRVRSDFRVHFRORULGRVWHQVLRQDGRVFRPFDERVGH SDUDiUHDVH[WHUQDV2EDQFRWHPDîQDOLGDGHGHWHU PXOWLSORVXVRVWDQWRRGHVHQWDUTXDQWRRGHGHLWDU DoRSDUDSURSLFLDUDPi[LPDGLVSRVLomRGHHVSDoRHWUDQVODGRVHPEDL[RGDFREHUWXUDVHPTXHKRXYHVVH PXOWLSORVXVRVWDQWRRGHVHQWDUTXDQWRRGHGHLWDU SLODUHVGHVXVWHQWDomR(VVHVDSHQDVQDVSRQWDVGRSURMHWRSDUDVXVWHQWDUDHVWUXWXUDïH[tYHO BICICLETÁRIO 3HQVDPRVQDVSRVVLELOLGDGHVGHPDWHULDOHVXDVLQïXHQFLDVFOLPiWLFDV2SWDPRVHQWmRSRUSROLFDUERQDWR YLQLOL]DGRSHODVXDYHUVDWLOLGDGHIiFLOPDQXWHQomRHDGDSWDomRDOX]HiJXDGDFKXYD Biciletário em concreto aparente com alças para

acorrentar a bicicleta.

MESAS PARA REFEIÇÃO

BANCAS PARA COMÉRCIO DE RUA

Mesas estruturadas em concreto com bancos WDPEpPHPFRQFUHWRGHIRUPDFLUFXODU$PHVD

Desenvolvemos um formato de banca padrão nas mediGDVGHP;P Todas possuem uma abertura principal com uma vitrine GHH[SRVLomRGRODGR HVTXHUGRFRPRHVWiUHSUHsentado nas imagens.

possui o tampo em madeira especial para áreas BICICLETÁRIO H[WHUQDV

Biciletário em concreto aparente com alças para acorrentar a bicicleta.

COBERTURA EM POLICARBONATOS COBERTURA EM POLICARBONATOS

WEBIKES

BANCOS CÉLULA

É uma tecnologia Belga que se baseia em um mobiliário HPIRUPDWRVLPLODUDRGHXPDELFLFOHWDHPTXHRPRYLPHQWRGHSHGDODUJHUDHQHUJLDSDUDFDUUHJDUXPFHOXODU ou tablet. Essa inovação tem o intuito de motivar o H[HUFtFLRItVLFRXWLOL]DQGRRTXHDSRSXODomRPDLVWHP GHSHQG·QFLDRFHOXODU2DSDUHOKRIXQFLRQDGHIRUPD JUDWXLWDFRQWDQWRTXHXWLOL]HRSUySULRFDER

%DQFRVHPIRUPDWRGHVHPLHVIHUDVHPFRQFUHWRFRP WDPSRHPPDGHLUDUHSDUWLGRHPTXDWURSDUWHVLJXDLV SDUDDWHQGHUDWpTXDWURSHVVRDV2VEDQFRVVmRPRGXlais em três semi-esferas conectadas. Uma célula pode ser usada por até 12 pessoas.

,QVSLUDGDVQDFULDomRFXOWXUDOHDUTXLWHW{QLFDIHLWDQDUHTXDOLîFDomRXUEDQDQRFHQWURKLVWyULFRGD ,QVSLUDGDVQDFULDomRFXOWXUDOHDUTXLWHW{QLFDIHLWDQDUHTXDOLîFDomRXUEDQDQRFHQWURKLVWyULFRGD (VSDQKDEXVFDPRVUHIHUrQFLDSDUDDQRVVDFULDomR

(VSDQKDEXVFDPRVUHIHUrQFLDSDUDDQRVVDFULDomR

va.

02/+$3e

1

1

$5e$'()/8;2

)255$d¡2 PLANTA BAIXA TÉRREO

%DQFRVHPFRQFUHWRFRPWDPSRHPPDGHLUDHVSHFLDLV SDUDiUHDVH[WHUQDV2EDQFRWHPDîQDOLGDGHGHWHU PXOWLSORVXVRVWDQWRRGHVHQWDUTXDQWRRGHGHLWDU

¸5($'(3(50$1·1&,$ $5e$'()/8;2

PLANTA BAIXA TÉRR EO

ESCALA

1 : 2500

ESCALA

1 : 2500

FAÇA UM TOUR VIRTUAL NO PROJETO*

BANCOS MULTIUSO

¸5($'(3(50$1·1&,$

&,5&8/$d¡29(57,&$/

(',),&$d¢(6

SHGHVWUH$VURWDVGHFLUFXDJDOHULDGRVHVWDGRVVDtGD

lia

3$*,1$d¡2(;,67(17( &,&/29,$ &,5&8/$d¡29(57,&$/ )255$d¡2 3$*,1$d¡2(;,67(17( &,&/29,$

02/+$3e (',),&$d¢(6

8WLOL]HXPOHLWRUGH45FRGHHDSRQWHSDUDHVVDLPDJHP Você será direcionado(a) para o link do vídeo.

BICICLETÁRIO Biciletário em concreto aparente com alças para acorrentar a bicicleta.

,QVSLUDGDVQDFULDomRFXOWXUDOHDUTXLWHW{QLFDIHLWDQDUHTXDOLîFDomRXUEDQDQRFHQWURKLVWyULFRGD (VSDQKDEXVFDPRVUHIHUrQFLDSDUDDQRVVDFULDomR

COBERTURA EM POLICARBONATOS ,QVSLUDGDVQDFULDomRFXOWXUDOHDUTXLWHW{QLFDIHLWDQDUHTXDOLîFDomRXUEDQDQRFHQWURKLVWyULFRGD ,QVSLUDGDVQDFULDomRFXOWXUDOHDUTXLWHW{QLFDIHLWDQDUHTXDOLîFDomRXUEDQDQRFHQWURKLVWyULFRGD 1RVVRHVSDoRGHLQWHUYHQomRQHFHVVLWDYDGHSRVVLELOLGDGHVGLYHUVDV6RPEUDHVSDoRGHFLUFXODomRItVLFDYHQ (VSDQKDEXVFDPRVUHIHUrQFLDSDUDDQRVVDFULDomR (VSDQKDEXVFDPRVUHIHUrQFLDSDUDDQRVVDFULDomR

PAGINAÇÃO DE PISO E TIPOS DE USOS

PAGINAÇÃO DE PISO E TIPOS DE USOS

BANCAS PARA COMÉRCIO DE RUA

Mesas estruturadas em concreto com bancos WDPEpPHPFRQFUHWRGHIRUPDFLUFXODU$PHVD possui o tampo em madeira especial para áreas H[WHUQDV

Desenvolvemos um formato de banca padrão nas mediGDVGHP;P Todas possuem uma abertura principal com uma vitrine GHH[SRVLomRGRODGR HVTXHUGRFRPRHVWiUHSUHsentado nas imagens.

WLODoDRQDWXUDODGHTXDGDHXPD]RQDFOLPiWLFDDJUDGiYHOWDQWRSDUDTXHPQHFHVVLWDVVHîFDUQXPDîODGH espera quanto para que houvesse permanência espontânea.

1RVVRHVSDoRGHLQWHUYHQomRQHFHVVLWDYDGHSRVVLELOLGDGHVGLYHUVDV6RPEUDHVSDoRGHFLUFXODomRItVLFDYHQ

WLODoDRQDWXUDODGHTXDGDHXPD]RQDFOLPiWLFDDJUDGiYHOWDQWRSDUDTXHPQHFHVVLWDVVHîFDUQXPDîODGH 3DUDLVVRFULDPRVXPDFREHUWXUDFRPFtUFXORVWUDQVOXFLGRVRSDFRVHFRORULGRVWHQVLRQDGRVFRPFDERVGH espera quanto para que houvesse permanência espontânea. DoRSDUDSURSLFLDUDPi[LPDGLVSRVLomRGHHVSDoRHWUDQVODGRVHPEDL[RGDFREHUWXUDVHPTXHKRXYHVVH SLODUHVGHVXVWHQWDomR(VVHVDSHQDVQDVSRQWDVGRSURMHWRSDUDVXVWHQWDUDHVWUXWXUDïH[tYHO ¸5($'(3(50$1·1&,$ 02/+$3e 3$*,1$d¡2(;,67(17( 3HQVDPRVQDVSRVVLELOLGDGHVGHPDWHULDOHVXDVLQïXHQFLDVFOLPiWLFDV2SWDPRVHQWmRSRUSROLFDUERQDWR &,&/29,$ 3DUDLVVRFULDPRVXPDFREHUWXUDFRPFtUFXORVWUDQVOXFLGRVRSDFRVHFRORULGRVWHQVLRQDGRVFRPFDERVGH $5e$'()/8;2 &,5&8/$d¡29(57,&$/ YLQLOL]DGRSHODVXDYHUVDWLOLGDGHIiFLOPDQXWHQomRHDGDSWDomRDOX]HiJXDGDFKXYD )255$d¡2 (',),&$d¢(6 DoRSDUDSURSLFLDUDPi[LPDGLVSRVLomRGHHVSDoRHWUDQVODGRVHPEDL[RGDFREHUWXUDVHPTXHKRXYHVVH

1 Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - Universidade de Brasília

PLANTASLODUHVGHVXVWHQWDomR(VVHVDSHQDVQDVSRQWDVGRSURMHWRSDUDVXVWHQWDUDHVWUXWXUDïH[tYHO BAIXA TÉRR EO ESCALA

3HQVDPRVQDVSRVVLELOLGDGHVGHPDWHULDOHVXDVLQïXHQFLDVFOLPiWLFDV2SWDPRVHQWmRSRUSROLFDUERQDWR 1 : 2500 YLQLOL]DGRSHODVXDYHUVDWLOLGDGHIiFLOPDQXWHQomRHDGDSWDomRDOX]HiJXDGDFKXYD

Projeto Paisagístico 2 - Prof. GiulianaFAÇA Freitas UM TOUR VIRTUAL,QVSLUDGDVQDFULDomRFXOWXUDOHDUTXLWHW{QLFDIHLWDQDUHTXDOLîFDomRXUEDQDQRFHQWURKLVWyULFRGD NO PROJETO* Alunas: Camila Cavalhero, Danielle Dantas, Luíza Solano, Nathália Pereira

PAGINAÇÃO DE PISO E TIPOS DE USOS Áreas de permanência - paralelepípedos para melhor absorção de água da chuva.

(VSDQKDEXVFDPRVUHIHUrQFLDSDUDDQRVVDFULDomR 8WLOL]HXPOHLWRUGH45FRGHHDSRQWHSDUDHVVDLPDJHP Você será direcionado(a) para o link do vídeo. 1RVVRHVSDoRGHLQWHUYHQomRQHFHVVLWDYDGHSRVVLELOLGDGHVGLYHUVDV6RPEUDHVSDoRGHFLUFXODomRItVLFDYHQ WLODoDRQDWXUDODGHTXDGDHXPD]RQDFOLPiWLFDDJUDGiYHOWDQWRSDUDTXHPQHFHVVLWDVVHîFDUQXPDîODGH espera quanto para que houvesse permanência espontânea. 3DUDLVVRFULDPRVXPDFREHUWXUDFRPFtUFXORVWUDQVOXFLGRVRSDFRVHFRORULGRVWHQVLRQDGRVFRPFDERVGH DoRSDUDSURSLFLDUDPi[LPDGLVSRVLomRGHHVSDoRHWUDQVODGRVHPEDL[RGDFREHUWXUDVHPTXHKRXYHVVH SLODUHVGHVXVWHQWDomR(VVHVDSHQDVQDVSRQWDVGRSURMHWRSDUDVXVWHQWDUDHVWUXWXUDïH[tYHO 3HQVDPRVQDVSRVVLELOLGDGHVGHPDWHULDOHVXDVLQïXHQFLDVFOLPiWLFDV2SWDPRVHQWmRSRUSROLFDUERQDWR YLQLOL]DGRSHODVXDYHUVDWLOLGDGHIiFLOPDQXWHQomRHDGDSWDomRDOX]HiJXDGDFKXYD

¸UHDVGHFLUFXODomRFRQFUHWRSDUDSLVRVFRPJUDQGHïX[RGHJHQWH

Áreas de permanência - paralelepípedos para melhor absorção de água da chuva. ¸UHDVH[FOXVLYDVSDUDYHJHWDomRJUDPDiUYRUHVïRUHVHWF

BANCOS MULTIUSO %DQFRVHPFRQFUHWRFRPWDPSRHPPDGHLUDHVSHFLDLV SDUDiUHDVH[WHUQDV2EDQFRWHPDîQDOLGDGHGHWHU PXOWLSORVXVRVWDQWRRGHVHQWDUTXDQWRRGHGHLWDU

BICICLETÁRIO

Biciletário em concreto aparente com alças para acorrentar a bicicleta.

COBERTURA EM POLICARBONATOS ,QVSLUDGDVQDFULDomRFXOWXUDOHDUTXLWHW{QLFDIHLWDQDUHTXDOLîFDomRXUEDQDQRFHQWURKLVWyULFRGD (VSDQKDEXVFDPRVUHIHUrQFLDSDUDDQRVVDFULDomR

¸UHDVGHFLUFXODomRFRQFUHWRSDUDSLVRVFRPJUDQGHïX[RGHJHQWH $SDJLQDomRGHSLVRIRLLQVSLUDGDHVHEDVHDGDQRVFDPLQKRVGHPDUFDGRVSHORSUySULRSHGHVWUH$VURWDVGHFLUFXODomRVmRVHPSUHHPGLDJRQDLVGLPLQXLQGRRWUDMHWRHFRQHFWDQGRORFDLVFRPRVDtGDGDJDOHULDGRVHVWDGRVVDtGD GRPHWU{HVFDGDVGHDFHVVR SDUWHHOHYDGDGR6&6

¸UHDVH[FOXVLYDVSDUDYHJHWDomRJUDPDiUYRUHVïRUHVHWF

Áreas de permanência - paralelepípedos para melhor absorção de água da chuva.

$SDJLQDomRGHSLVRIRLLQVSLUDGDHVHEDVHDGDQRVFDPLQKRVGHPDUFDGRVSHORSUySULRSHGHVWUH$VURWDVGHFLUFXODomRVmRVHPSUHHPGLDJRQDLVGLPLQXLQGRRWUDMHWRHFRQHFWDQGRORFDLVFRPRVDtGDGDJDOHULDGRVHVWDGRVVDtGD GRPHWU{HVFDGDVGHDFHVVR SDUWHHOHYDGDGR6&6

Projeto Paisagístico 2 - Prof. Giuliana Freitas

¸UHDVGHFLUFXODomRFRQFUHWRSDUDSLVRVFRPJUDQGHïX[RGHJHQWH

02/+$3e

3$*,1$d¡2(;,67(17(

(',),&$d¢(6

)255$d¡2

&,&/29,$ &,5&8/$d¡29(57,&$/

¸5($'(3(50$1·1&,$ $5e$'()/8;2

PLANTA BAIXA TÉRR EO 1 ESCALAPereira 1 : 2500 Alunas: Camila Cavalhero, Danielle Dantas, Luíza Solano, Nathália ¸UHDVH[FOXVLYDVSDUDYHJHWDomRJUDPDiUYRUHVïRUHVHWF

$SDJLQDomRGHSLVRIRLLQVSLUDGDHVHEDVHDGDQRVFDPLQKRVGHPDUFDGRVSHORSUySULRSHGHVWUH$VURWDVGHFLUFXODomRVmRVHPSUHHPGLDJRQDLVGLPLQXLQGRRWUDMHWRHFRQHFWDQGRORFDLVFRPRVDtGDGDJDOHULDGRVHVWDGRVVDtGD GRPHWU{HVFDGDVGHDFHVVR SDUWHHOHYDGDGR6&6

,QVSLUDGDVQDFULDomRFXOWXUDOHDUTXLWHW{QLFDIHLWDQDUHTXDOLîFDomRXUEDQDQRFHQWURKLVWyULFRGD (VSDQKDEXVFDPRVUHIHUrQFLDSDUDDQRVVDFULDomR

PAGINAÇÃO DE PISO E TIPOS DE USOS

,QVSLUDGDVQDFULDomRFXOWXUDOHDUTXLWH { (VSDQKDEXVFDPRVUHI UrQFLDSDU DQR

MESAS PARA REFEIÇÃO

1RVVRHVSDoRGHLQWHUYHQomRQHFHVVLWDYDGHSRVVLELOLGDGHVGLYHUVDV6RPEUDHVSDoRGHFLUFXODomRItVLFDYHQ WLODoDRQDWXUDODGHTXDGDHXPD]RQDFOLPiWLFDDJUDGiYHOWDQWRSDUDTXHPQHFHVVLWDVVHîFDUQXPDîODGH espera quanto para que houvesse permanência espontânea.


EDIFÍCIO EM ALTURA ESTAPA CONCEITUAL - PROJETO 5 (UNB)

transcender; elevar-se a um nivel superior, físico e espiritual.

Assumindo o céu como grau máximo, e tendo como referência de perfeição a própria natureza, com que o visitante do prédio alcance o bem-estar físico imediatamente ao adentrar o edifício, por meio, principalmente, do contato com a natureza, terra, presente em todos os pavimentos. O passeio vertical pelo prédio promove sensações luminosas que conduzem o visitante a um nível físico superior: o topo, a luz, a vista, o céu. Que, por sua vez, o convidam, juntamente ao espaço construído, a transcender em nivel espiritual, alcançando o estado nirvana.


EDIFÍCIO EM ALTURA ESTAPA CONCEITUAL - PROJETO 5 (UNB)

QDQRFHQWURKLVWyULFRGD storyboard

1

2

3

4

5

6

1. afastar 2. localizar 3. rebaixar 4. elevar 5. redistribuir 6.


EDIFÍCIO EM ALTURA ESTAPA CONCEITUAL - PROJETO 5 (UNB)

aspectos técnicos área do terreno área destinada a escritórios área verde interna torre de circulação paisagismo e exterior

m2

7800m2 1216m 2 3443m2 2445m 2 202m 2 6584m 2

82,5M 25 pavimentos + 3 subsolos

afastamentos


EDIFÍCIO EM ALTURA ESTAPA CONCEITUAL - PROJETO 5 (UNB)

torre de circulação

escritórios

20pav

2

acesso

garagem

pavimento verde

3pav

administrativo

2pav

BAR

pavimento cheio

materialidades

volumetria


EDIFÍCIO EM ALTURA ESTAPA CONCEITUAL - PROJETO 5 (UNB)

acesso

ACESSO

N implantação

ciclovia

bombeiros

pedestre

lixo/carga/descarga

táxi

carro

bicicletário


EDIFÍCIO EM ALTURA

7,5m

vidro duplo

isolante térmico e acústico

estratégias bioclimáticas

parapeito

profundidade adequada

jardim interno

h

profundidade adequada dos ambientes para aproveitamento da iluminação natural: P= 2,57 x H máx da abertura

pé direito estrutural h da janela

ESTAPA CONCEITUAL - PROJETO 5 (UNB)

e

profundidade do ambiente

ventilação cruzada

tornar os ambientes agradáveis com a movimentação de ar

º

o espaço intermediário gera um efeito chaminé

º

fachada dupla


EDIFÍCIO EM ALTURA ESTAPA CONCEITUAL - PROJETO 5 (UNB)

pré-lançamento estrutural Y

tf

X

d tw bf

perfil “I”

corte


EDIFÍCIO EM ALTURA ESTAPA CONCEITUAL - PROJETO 5 (UNB)

materiais

estrutura de fixação

-PROCESSO CRIATIVO-

flor de lótus

solidez

ventilação

Chapa Perfurada metálica

incidência de LUZ SOLAR

Estrutura de fixação

Permeabilidade visual

Vidro

fachadaS norte/sul

fachadaS leste/oeste


FOTOGRAFIAS AUTORAIS


Trabalhos Artísticos Geometrização de uma pena

Criação de azulejo

Módulo

Composição na parede

Maquetes físicaS

LumináriA TULIPA

PORTFÓLIO - DANIELLE MOTA  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you