Page 1

P R AÇ A D O M S E BA S T I ÃO P O R T FÓ L I O P R O J E T U A L

DA N I E L A H E N R I C H

1


2

P RO J E TO D E I N T E RV E N Ç ÃO N A P R AÇ A D O M S E BA S T I ÃO


DA N I E L A H E N R I C H UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FA C U L D A D E D E A R Q U I T E T U R A E U R B A N I S M O I N T RO D U Ç ÃO AO P RO J E TO A RQ U I T E TÔ N I C O 1 2017/2 DANIELA CIDADE E L I A N E C O N S TA N T I N O U J U L I A N O VA S C O N C E L L O S S I LVA N A J U N G

3


01 A INTRODUÇÃO

E s t e portfóli o tem c o mo objetivo t r a zer uma síntese do que fo i t r a balhado d ura nte a disc ipl ina de Int rod ução ao Pro jeto Arquitetô nic o 1 no seg undo semestre de 2017. O ob jeto pr i nc ipal de estudo fo i a p r aça Dom Se ba stiã o , lo c al izada no ba irro B om F i m em Po rto Alegre/RS. Aqui s erão apresenta do s o s estudo s d a macro e m ic ro área , a ssim como uma pro p o sta de inter venç ã o e uma área c o nstruída no lo c a l .

4


02 O SUMÁRIO

O A O A

LUGAR PRAÇA QUADRANTE EDIFICAÇÃO

06 14 18 24

5


03 O LUGAR

6


03 O LUGAR

A t r a vé s de c onc e it o d a de r iva , a s á re a s do e nt orno d a p r a ç a Dom S e ba s t iã o for a m a na lis a d a s pa r a q u e fos s e p os s í ve l t r a ç a r nova s d ire t r iz e s q u e , de fa t o, me lhor a s s e m o loc a l. A s s im, fa t ore s c omo a p e rma nê nc ia ; os flu xos ; a forma e o uso for a m u t iliz a dos pa r a c la s s ific a r a s á re a s mic ro e ma c ro.

7


MACRO ÁREA

A macro área trata- se do gra nde e ntorno d a Do m Sebastião , sendo composta pelas praças Conde de Porto Alegre, Dom Feliciano e Otavio Rocha. A análi se po ssui grande i m portânci a po r tra zer info rmaç õ es que relac io na m diferentes á reas e seus frequentado res.

8


MACRO ÁREA

k

9


MICRO ÁREA

A mi cro área tra z o ento rno i med i ato do lo c a l de estudo , a praça Do m Seba stiã o . F l uxos de p edestres e o re conheci mento do s uso s do s e s t ab eleci mento s que c erc am a p r aça d ão o direc io na mento final pa ra as d i retr izes in ic ias de p ro jeto .

10

L o c al i z ada e m um po nt o c o m v ár i o s at r at i vo s, c o mo o Ho spi t al S ant a Casa de Mi se r i c ó rdi a, o c olé gi o Mar i st a do Ro sár i o e a Av. Inde pe ndê nc i a, at ual me nt e , a pr aç a é u t i l i z ada pr i nc i pal me nt e po r mo r ado re s de rua, t r abal hado re s/ mo r ado re s da re gi ão e passant e s.


MICRO ÁREA

k

11


DIRETRIZES

Com as análi s e s da m ic ro e da ma c ro á rea, foi possível identific a r a s f r a g i li d ades e as po tenc ia l ida des da p r aça Dom Sebastião . Co nsiderando a parte s ul do lo c a l c o mo uma á rea sem permanênc ia sign ific ativa, a pri nci pal diretriz to ma da fo i a t r ai r o públ ic o para o c upá- l a.

12


DIRETRIZES

k

13


04 A PRAÇA

A parti r d as diretrizes p ro jetuais, um projeto de inter venç ão na praç a f oi elab or ado. Os no vo s c a m inho s d a Dom Sebastião seguem um ce ntro de co nvergênc ia que leva à d i ferentes áreas c o m uso s distinto s. No novo projet o , desta c am - se o lado o e ste, com o fec ha mento da rua que f a z frente com o Colégio Ro sá rio , e o l a do su l, com a p ro p o sta de um área voltad a par a a al imentaç ã o e o l azer.

14


04 A PRAÇA

15


DIAGRAMAS

GRELHA E EIXO COMPOSITIVO

16

FLUXOS

USOS


DIAGRAMAS

SUPERFÍCIES

VEGETAÇÃO E ILUMINAÇÃO Com o re c ur s o gr á fic o dos d ia gr a ma s , é p os s í ve l obs e r v a r c omo o c e nt ro de c on ve rgê nc ia func iona , t e ndo os s e u s p r inc ipa is a c e s s os re la c iona dos a os a t r a t ore s no e nt orno d a p r a ç a ( d ia gr a ma d a gre lha e d ia gr a ma dos flu xos ) . A d ivis ã o de e s pa ç os ( d ia gr a ma dos u s os ) fic a be m de fin id a p or s u p e rfí c ie s p e rme á ve is / s e mi p e rme á ve is / imp e rme á ve is ( d igr a ma das s u p e rfí c ie s ) . Já a ilumina ç ã o é t r a ba lha d a le va ndo em c ons ide r a ç ã o a ilumina ç ã o p ú blic a e p r iva d a j á e xis t e nt e , a s s im c omo a ve ge t a ç ã o p re s e nt e no loc a l ( d ia gr a ma d a ve ge t a ç ã o e da ilumina ç ã o) .

17


05 O QUADRANTE

O q uad rante selec io na do para a e t apa fi nal do pro jeto c o rrespo nde a o lado ex tremo sul da p raç a , mantendo uma da s p rinc ipais d i retri zes i nciais de pro jeto , a de a t r ai r públi co para a parte meno s f re q uentad a da Do m Sebastião . A a náli s e dos c o ndic io na ntes desta c a dois importantes atratores: o Hospital Sa nta C asa e o Colégio Ma rista .

18


05 O QUADRANTE

19


ANÁLISE FORMAL VOLUMÉTRICA

Comp os t a p or 8 mód u los 3 x3 , e s t a d is p os iç ã o forma l c r ia um volume de 3 mód u los , c orre s p onde nt e a os ba nhe iro, o de p ós it o e o c a fé ; um volume de 1 mód u lo, c orre s p onde nt e a ou t ro e s t a r do c a fé ; um volume de 4 mód u los , c orre s p onde nt e a o e s t a r do c a fé .

Ta mbé m c omp os t a p or 8 mód u los 3 x3 , e s t a c on fig ur a ç ã o p roc ur a c r ia r volume s ma iore s , a gru pa ndo os e s t a re s j unt o c omo o c a fé .

20


ANĂ LISE FORMAL PLANAR

Dois pla nos de a p roxima do c ort a m a

t a ma nho c obe rt ur a .

A linha dos a os p ila re s , dois pla nos ( ma is a lt os do q u e a c obe rt ur a ) c ort a m a la je da c obe rt ur a , c r ia ndo uma vis u a l int e re s s a nt e .

21


ANÁLISE FORMAL MISTA

E s t a c on fig ur a ç ã o forma l mis t a p rop õe um jogo de lu z e s ombr a c om um gr a nde pla no c ort a ndo a c obe rt ur a . A d is p os iç ã o p os s u i 2 volume s : um c a fé e o a gru pa me nt o do de p ós it o c om os ba nhe iros .

Com um c obe rt ur a me nor e m re la ç ã o a p rop os t a a nt e r ior, e s t a p os s u i ma is um pla no c ort a ndo a c obe rt ur a .

22


ANÁLISE FORMAL

Para o desenvolvimento da edificação no quadrante escolhido, foi escolhida c omo volume t r ia a fu s ã o d a s d u a s p rop os t a s c la s s ific a d a s c omo mis t a s . A gor a , obt e m- s e uma forma mis t a com dois planos cortando a cobertura.

23


06 A EDIFICAÇÃO

P a r a um melho r desenvol vimento da p ro posta, os pl a no s do estudo sã o mai s especi fic a do s, ago ra sendo ca racter i zados pel a p ermea bil ida de d a da pelo espaç a mento entre o utro s pl anos de diferentes l argura s.

O s doi s plano s po ssuem a l tura s d i ferentes: um de 4 metro s, u l t r apassando a c obertura, c ria no um es tar cob e rto mais íntimo para o ca fé; ooutro de 3.5 metro s de a l tura , cr i ando uma espéc ie de c o rredo r pa ra o volume do s ba nheiro s.

24

Com a e s c olha d a forma d a e d fic a ç ã o, a lg uma s a lt e r a ç õe s s urg ir a m no q u a d r a nt e , c om o obje t ivo de fa c ilit a r o a c e s s o. Foi de c id ido t a mbé m ma nt e r a s superfícies da primeira etapa, apenas a ume nt a ndo a á re a c om o de c k.


06 A EDIFICAÇÃO

25


ANÁLISES

N a pri mei ra e ta pa do pro jeto , fo i p ro posta como á rea c o nstruída uma a rq ui bancad a c o m um c afé. Ap ó s a análi se dos c o ndic io nantes, fo i op tado pelo de senvol vimento ap ena s do café, levando em c o nsideraç ã o a luz solar e fl uxo no lo c a l .

26

A e d ific a ç ã o p rop os t a s e g u e o p r inc í p io de uma gre lha ort ogona l e m mód u los de 3 x3 . O s volume s s ã o c omp os t os p or : um c a fé , ba nhe iros e de p ós it o. O s a c e s s os e a s z ona s de c irc u la ç ã o s ã o ba s e a dos no flu xo j á e xis t e nt e na p rop os t a de int e r ve nç ã o d a Dom S e ba s t iã o. A la je é s u s t e nt a d a p or 4 p ila re s forma ndo uma ma lha 6x6, q u e foi u s a d a c omo ba s e pa r a c omp or os dois pla nos p re s e nt e s na obr a .


ANÁLISES

FUNCIONAL E DE CIRCULAÇÃO

ESTRUTURAL

GRELHA

27


REFERÊNCIAS DE SUPERFÍCIE

28

1

2

3

4


IMPLANTAÇÃO

29


PLANTA BAIXA COM MOBILIÁRIO

30

1

2

3

4

5

6

7

8

9


PLANTA BAIXA COM MOBILIÁRIO

31


O CAFÉ

U t i li zando-se da ideia de um e s t ab eleci mento de pa ssagem , o ca fé não pos sui mobil iário em seu a mb i ente i nte rno , mas sim ba nc o s a c o plados na janel a l atera l . (1)

S e g u indo a d ire t r iz p r inc ipa l ( t r a z e r d ife re nt e s p ú blic os pa r a o la do s u l d a p r a ç a Dom S e ba s t ã o) , boa pa rt e do mobiliá r io de a p oio do e s t a be le c ime nt o fic a loc a liz a do no e xt re mo s u l d a p r a ç a . Os ba nc os / c a nt e iros u t iliz a ms e d a s á r vore s pa r a inc e nt iv a r a p e rma nê nc ia c r ia ndo um lu g a r a gr a d á ve l pa r a o c on v í v io. ( 2 )

2 O mobiliá r io loc a liz a do na pa rt e c obe rt a d a á re a c ons t ru í d a é s imple s e ve r s á t il, t r a z e ndo t a mbé m a p os s ibilid a de de uma e s p é c ie de ba nc a d a a o re dor de pa rt e do c a fé . ( 3 )

1

32

3


O CAFÉ

33


E L E VAÇ Õ E S

FACHADA NORTE

34

FACHADA OESTE


E L E VAÇ Õ E S

FACHADA SUL

FACHADA LESTE

35


CROQUIS PERSPECTIVOS

36


CROQUIS PERSPECTIVOS

37


CROQUIS PERSPECTIVOS

38


CROQUIS PERSPECTIVOS

39


40

Portfólio IPA 1 UFRGS | Daniela Henrich  
Portfólio IPA 1 UFRGS | Daniela Henrich  
Advertisement