Issuu on Google+


CONCEITO


6

CONCEITO

A INSTITUIÇÃO O instituto Português do Sangue surgiu em 1990, no culminar da coordenação oficial das estruturas nacionais responsáveis pela Medicina Transfusional. O IPS é um organismo público, com personalidade jurídica e autonomia técnica, administrativa e financeira, que integra a rede de serviços personalizados do Ministério da Saúde. O IPS tem por missão regular, a nível nacional, a actividade da medicina transfusional. garantir a disponibilidade e acessibilidade necessárias de sangue e componentes sanguíneos de qualidade, seguros e eficazes. A instituição comporta uma extensa rede de serviços e hierarquias, subdividindo a sua actuação por Centros Regionais (Porto, Coimbra, Lisboa), e comportando a actuação de vários sectores profissionais e actividades. A missão do IPS é principalmente certificar e regularizar as reservas de sangue a nível nacional, desde a sua recolha ao processamento e distribuição. A actuação do IPS nunca se dissocia da sensibilização para a dádiva voluntária de sangue, sem a qual as necessidades de transfusões sanguíneas não podem ser supridas.


CONCEITO

ORIGEM E IDENTIDADE DA MARCA

A nova imagem do IPS centra-se na comunicação com o público/utentes, sendo uma instituição que actua de forma muito próxima das pessoas e que está mesmo muito dependente da colaboração destas, no acto de dar sangue.A marca pretende ser visualmente atractiva e transmitir dinâmica e sensações positivas. este foi o carácter principalmente procurado no desenvolvimento da marca, embora a solução procure não descurar a sobriedade necessária à identidade de uma instituição médica, segura, importante e de confiança. Pretendeu-se uma abordagem mais actual e dinâmica com possibilidades interessantes de aplicação a uma grande variedade de suportes. A re-orientação dos objectivos e estratégia comunicativa da marca também foi um ponto principal. A base de desenvolvimento da forma visual partiu de formas orgânicas, vendo o sangue como elemento vital, activo, vivo; um elemento universal de propriedades únicas, essencial e unificador. Pretendeu-se uma re-adaptação da estratégia comunicativa usual das instituições desta área, que pegam frequentemente na imagem do sangue (gota), mas propondo uma nova forma visual e uma abordagem totalmente nova.

uma nova forma de ver o sangue, a sua partilha, E o instituto português do sangue.

7


8

CONCEITO

A MARCA

As três formas que compõe a marca procuram transmitir fluidez, leveza e um carácter líquido, sendo amorfas. O desenvolvimento conceptual da marca tornou lógica a sua evolução para uma marca mutável, capaz de assumir vários estados dentro de um mesmo ambiente, reforçando o seu caracter amorfo e volátil e a dinâmica da instituição. É através do seu comportamento temporal e deste carácter mutável que a identidade da forma total e dos três elementos que a compõem se define. A identificação cromática que as diferencia estabelece a forma azul como representativa da abstinência de doação de sangue, a forma laranja como doação de sangue e a forma vermelha como recepção. As relações entre os três elementos também se definem por movimento animado, contendo relações de dependência e independência específicas entre si. As formas abstinência e doação mutam-se em valores proporcionalmente opostos, enquanto a forma recepção foi definida por um valor estimativo (de alteração possível) correspondente a 70% da forma doação. A marca foi desenvolvida e codificada para poder tornar-se rigorosamente infográfica, sendo a dimensões das três formas definidas por estatísticas reais (de avaliação práctica ou estimativa) traduzidas por valores percentuais. O objectivo é que uma nova marca seja produzido a intervalos de tempo regulares, (frequência anual ou bienal) e aplicada à maior parte dos suportes.

PERCENTAGEM DESEJADA DE DOAÇÃO DE SANGUE


CONCEITO

VARIAÇÃO FORMAL DE ACORDO COM A ESCALA DE PERENTAGENS. VARIAÇÃO DE UMA FORMA DE LOGOTIPO.

9


10

CONCEITO

MUTABILIDADE E MOVIMENTO Além da variação infográfica de escala, a composição dos estados da marca é determinado por uma animação de base. As formas movem-se num espaço comum em relações de dependência e individualidade específicas. As variações de posição das formas são conseguidas determinadas como estados específicos da animação geradora (frames), sendo seleccionadas 6 posições-chave do movimento global a partir das quais foram criadas as variações de escala. As possibilidades de conjugação das formas na animação são de ciclo finito. As possibilidades de mutação da marca não se esgotam nas designadas neste manual. O esquema estrutural da animação é adaptável a outras definições de movimentos, ritmos temporais ou duração de ciclo, permitindo a obtenção de outras opçõas de composição formal. As possibilidades apresentadas pretendem designar uma base para primeira aplicação da nova marca, deixando em aberto outras configurações.


CONCEITO

11


12

CONCEITO


CONCEITO

13


CODIFICAÇÃO FORMAL E TIPOGRÁFICA


CODIFICAÇÃO DA ANIMAÇÃO / GERADOR

A FORMA DO LOGO ESTRUTURA-SE NA COMPOSIÇÃO DE TRÊS FORMAS DE ESTRUTURA SEMELHANTE. CODIFICAÇÃO DA FORMA: PONTOS DE CONSTRUÇÃO E ORIENTAÇÃO DAS CURVAS DE BASIER.

17


18

CODIFICAÇÃO DA ANIMALÇÃO / GERADOR DA IMAGEM

COMPOSIÇÃO DO LOGO : ANIMAÇÃO / GERADOR A FORMA DO LOGOTIPO OBTÉM-SE ATRAVÉS DA RELAÇÃO EM ANIMAÇÃO DE TRÊS FORMAS SEMELHANTES, (DE IDENTIFICAÇÃO DIFERENCIADA PELA COR), POSSIBILITANDO MÚLTIPLAS SOLUÇÕES COMPOSITIVAS. ESQUEMA ESTRUTURAL DA ANIMAÇÃO, GERADORA DOS DIFERENTES ESTADOS DO LOGO. COMPORTAMENTO DAS FORMAS E RELAÇÕES DE DEPENDÊNCIA FORMAL E DINÂMICA.


CODIFICAÇÃO DA ANIMAÇÃO / GERADOR

EXEMPLO : ENQUADRAMENTO NO ESQUEMA ESTRUTURAL DE DUAS VERSÕES DO LOGOTIPO, REFERENTES A 25% E 75% DE DOAÇÃO.

19


20

TIPOGRAFIA PRINCIPAL / ANIVERS

TIPOGRAFIA PRINCIPAL DA MARCA, A UTILIZAR EM TODAS AS FORMAS DO LOGOTIPO SEGUNDO A COMPOSIÇÃO CODIFICADA EM GRELHA. UTILIZAÇÃO TAMBÉM EM TODOS OS TÍTULOS PRINCIPAIS E DESTAQUES PRINCIPAIS EM HIERARQUIA TIPOGRÁFICA, EM TODAS AS APLICAÇÕES DA MARCA.


RELAÇÃO TEXTO-IMAGEM : FORMAS DA MARCA

FORMA I : DINÂMICA. A UTILIZAR PREFERENCIALMENTE EM APLICAÇÕES DE CARÁCTER DINÂMICO, SUPORTES DE GRANDES DIMENSÕES E DE LEITURA DISTANTE, E AUDIOVISUAIS. FORMA II : ESTÁTICA. A UTILIZAR PREFERENCIALMENTE EM APLICAÇÕES EDITORIAIS, SUPORTES DE PEQUENAS DIMENSÕES E LEITURA APROXIMADA.

21


22

RELAÇÃO TEXTO-IMAGEM. FORMA I : DINÂMICA

RELAÇÃO TEXTO-IMAGEM I : FORMA DINÂMICA DIMENSÕES A ADOPTAR TENDO EM CONTA O VALOR 85% NA ESCALA DE VARIÁVEIS. AS DIMENSÕES DAS RESTANTES FORMAS DEVEM SER REDIMENSIONADAS EM RELAÇÃO AO LOGO COM BASE NESTE MODELO. 4 PONTOS OPCIONAIS DE COLOCAÇÃO DO CENTRO DO LOGO.


RELAÇÃO TEXTO-IMAGEM. FORMA I : DINÂMICA

23


24

RELAÇÃO TEXTO-IMAGEM. FORMA I : DINÂMICA

SISTEMA DE POSSIBILIDADES DE COLOCAÇÃO DO LOGO - NÍVEL II POSSIBILIDADE DE UTILIZAÇÃO DE 5 POSIÇÕES DE COLOCAÇÃO DO CENTRO DA FORMA PARA CADA UM DOS 4 PONTOS JÁ DEFINIDOS.


RELAÇÃO TEXTO-IMAGEM. FORMA !! : ESTÁTICA

RELAÇÃO TEXTO-IMAGEM 2: FORMA ESTÁTICA LOCALIZAÇÃO E DIMENSÕES DO LOGO EM RELAÇÃO AO BLOCO DE TEXTO

25


26

SUBMARCAS : CENTROS REGIONAIS

MARCA E SUBMARCAS : CENTROS REGIONAIS VERSÕES DA MARCA A UTILIZAR PARA CADA UM DOS TRÊS CASOS.


SUBMARCAS : CENTROS REGIONAIS

SUBMARCAS : CODIFICAÇÃO RELAÇÃO ENTRE O LOGO E O TEXTO, RELAÇÃO E HIERARQUIA ENTRE OS DOIS BLOCOS DE TEXTO

27


CODIFICAÇÕES CROMÁTICAS DIMENSÕES


CODIFICAÇÃO CROMÁTICA

CODIFICAÇÃO CROMÁTICA RGB, CMYK, PANTONES. DEFINIÇÃO DE GRADIENTES.

31


32

VERSÃO MONOCROMÁTICA : COR PLANA

A VERSÃO MONOCROMÁTICA A COR PLANA DEVE SER UTILIZADA EXCLUSIVAMENTE NAS APLICAÇÕES QUE A EXIJAM E NÃO CONSIGAM (POR ESPECIFICIDADE TÉCNICA OU OUTRA) SUPORTAR GRADAÇÕES DE OPACIDADES.


VERSÃO MONOCROMÁTICA : COM GRADAÇÕES

A VERSÃO MONOCROMÁTICA COM GRADIENTES DEVE SER UTILIZADA SEMPRE QUE NECESSÁRIO PELAS EXIGÊNCIAS DE COMPORTAMENTO DO LOGO EM FUNDOS OU INCAPACIDADE DE REPRODUÇÃO DE MAIS DO QUE UMA COR EM DETERMINADOS SUPORTES.

33


34

DIMENSÕES MÍNIMAS : ECRÃ E IMPRESSÃO

DIMENSÕES MÍNIMAS DA MARCA EM ECRÃ E PARA IMPRESSÃO, FORMA I E II DO LOGOTIPO (A MEDIDA A TER EM CONTA DEVE SER A DIMENSÃO DO BLOCO DE TEXTO EM AMBOS OS CASOS)


ÁREA DE ENVOLVIMENTO

40 px 7 mm

20 px 3 mm

40 px

7 mm

20 px

3 mm

ESPAÇO DE PROTECÇÃO A UNIDADE A TER EM CONTA PARA DEFINIÇÃO DO RECTÂNGULO ENVOLVENTE A SALVAGUARDARÉ A MEDIDA DA ALTURA DO BLOCO DE TEXTO

35


COMPORTAMENTOS USO ADEQUADO


COMPORTAMENTO SOBRE FUNDOS : COR PLANA

A MARCA DEVE SER APLICADA NO REGISTO CROMÁTICO PRINCIPAL SOB FUNDOS COR PLANA CLARA SEMPRE QUE A COR DE FUNDO NÃO PONHA EM CAUSA A LEGIBILIDADE CROMÁTICA DESTA. A PARTIR DESTE PONTO DEVE SER UTILIZADA A VERSÃO MONOCROMÁTICA COM GRADAÇÕES (SEMPRE QUE POSSÍVEL), ESCOLHENDO A VERSÃO A BRANCO SEMPRE QUE O CONTRASTE COM O FUNDO NÃO SEJA POSTO EM CAUSA.

39


40

COMPORTAMENTO SOBRE FUNDOS : FUNDO TRABALHADO

A APLICAÇÃO DA MARCA EM FUNDOS COM INFORMAÇÃO GRÁFICA FORTE DEVE UTILIZAR SEMPRE A VERSÃO MONOCROMÁTICA PLANA, UTILIZANDO A VERSÃO NEGATIVA (FUNDO BRANCO) SEMPRE QUE O CONTRASTE COM O FUNDO NÃO SEJA POSTO EM CAUSA.


COMPORTAMENTO SOBRE FUNDOS : FUNDO FOTOGRÁFICO

A APLICAÇÃO DA MARCA SOBRE FUNDOS FOTOGRÁFICOS DEVE SEMPRE ESCOLHER A VERSÃO QUE MANTENHA MAIS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DA MARCA SEM PREJUDICAR A SUA LEGIBILIDADE. A INFORMAÇÃO CROMÁTICA DA MARCA DEVE SER MANTIDA SEMPRE QUE POSSÍVEL EM APLICAÇÕES A CORES. EM CASO DE CONFLITO DE LEGIBILIDADE DEVE SER UTILIZADA PREFERENCIALMENTE A VERSÃO MONOCROMÁTICA COM GRADAÇÕES, ESCOLHENDO A VERSÃO QUE PRODUZ MAIS CONTRASTE COM O FUNDO.

41


42

ALGUNS USOS INDEVIDOS

SELECÇÃO DE POSICIONAMENTO OPCIONAL TEXTO-IMAGEM NA VERSÃO DINÂMICA QUE NÃO PRESERVE A LEGIBILIDADE DO LOGO, OU COMPOSIÇÃO QUE NÃO OBEDECE ÀS REGRAS DO SISTEMA DEFINIDO.

ALTERAÇÃO DE QUALQUER TIPO DAS REGRAS DEFINIDAS PARA DIMENSÕES DE TEXTO E IMAGEM.


ALGUNS USOS INDEVIDOS

DESRESPEITO DAS DEFINIÇÕES DE OPACIDADE ESTABELECIDAS

ALTERAÇÃO DO ESQUEMA CROMÁTICO CODIFICADO.

DEFORMAÇÃO DAS PROPORÇÕES DO LOGOTIPO.

A MARCA NÃO DEVE SER ALTERADA EM QUALQUER DAS SUAS CARACTERÍSTICAS, A NÍVEL DE PROPORÇÃO OU RELAÇÃO INTERNA ENTRE ELEMENTOS, OU CORES. A SUA APLICAÇÃO DEVE SEMPRE EVITAR SITUAÇÕES DE PERDA DE LEGIBILIDADE. TODAS AS REGRAS QUE CONSTAM NESTE MANUAL DEVEM SER CUMPRIDAS.

43


SIMULAÇÃO COMPORTAMENTO EM CONTEXTO


FROTA

FROTA : AUTOCARRO OFICIAL

47


48

UNIFORMES

UNIFORMES MÉDICOS OFICIAIS


TIPOGRAFIA SECUNDÁRIA

TIPOGRAFIA SECUNDÁRIA, A UTILIZAR PONTUALMENTE NAS APLICAÇÕES DA MARCA: AVENIR LT, PESO 45 (BOOK) E 55 (OBLIQUE), PARA SITUAÇÕES DE TEXTO CORRIDO, PESO 85 (HEAVY) PARA TÍTULOS DE HIERARQUIA INFERIOR.

49


ESTACIONÁRIO OFICIAL

ESTACIONÁRIO OFICIAL : MEDIDAS

51


ESTACIONÁRIO OFICIAL

ESTACIONÁRIO OFICIAL : MEDIDAS

53


ESTACIONÁRIO OFICIAL

ESTACIONÁRIO OFICIAL : MEDIDAS

55



Manual de Normas Gráficas IPS