Issuu on Google+

2 Maratona do festival Bar em Bar termina no domingo 8

SALVADOR SEXTA-FEIRA 3/12/2010

GASTRONOMIA Quarta edição do evento promovido pela Abrasel em 38 estabelecimentos introduz novos petiscos no cardápio baiano

Fotos Victor Lordelo / Divulgação

DANIELA CASTRO

O cerco está se fechando em torno dos que prezam pela irresistível combinação de cerveja gelada com belisquetes saborosos. Quem não cumpriu a difícil missão de percorrer os 38 endereços do festival Bar em Bar agora só tem até domingo para se redimir. A quarta edição do evento promovido pela Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) em 15 Estados entra em sua reta final, depois de desafiar os estabelecimentos da capital baiana a criar pratos sedutores, saborosos e, além disso, com preços convidativos. Para Luis Henrique Amaral, presidente da seção baiana da Abrasel, o saldo da maratona já é positivo. “A coisa mais interessante é que a gente tem conseguido introduzir novos elementos no cardápio”, avalia. Maniçoba, arrumadinho de bacalhau, polvo na chapa, filé de tilápia empanado, lambreta e picanha são apenas algumas das tentações.

Futuro próximo

Bar Legal

Mas a criação de novidades não significa extrapolar os limites da comida cotidiana. Tanto que a edição 2011 do Bar em Bar ainda está em fase de planejamento, mas pelo menos um dos critérios já está bem definido.

“Temos um conceito, que é o de trabalhar com a comida do lugar”, resume Amaral, adiantando que a programação deve acontecer na mesma época do ano, entre os meses de novembro e dezembro. “Estamos sempre avaliando também o grau de responsabilidade social dos estabelecimentos”, acrescenta o presidente. Ele se refere ao Bar Legal, ação da Abrasel que leva em conta o respeito a normas como o controle de poluição sonora e a proibição de fumar em ambientes públicos. O engajamento dos bares em causas como o combate à prostituição infantil também é estimulado pela associação.

O Vermelho Boteco (Largo de Santana) aposta no filé de tilápia empanado com molhos tártaro e rosé

O Yaki inova com seu temaki Aleluia, que recheia a massa crocante com filé de tilápia e cream cheese

Ainda este ano, o público que frequenta o Centro Histórico deve perceber uma herança deixada pela edição 2010 do Bar em Bar. “Um dos desdobramentos do festival é a capacitação dos barraqueiros que trabalham no Terreiro de Jesus”, informa Luis Henrique Amaral. A iniciativa inclui qualificação em áreas como segurança alimentar e gestão empresarial, além do incetivo à formalização dos pequenos empreendedores, por meio de parceria com o Sebrae. O projeto inclui, ainda, a padronização da estrutura das barracas, que deve ser concluída

Os amantes da tradicional picanha encontra o prato no Ponte Aérea, acompanhado de farofa e vinagrete

já na primeira quinzena deste mês.

Rota do chef

E por falar em responsabilidade social, a Abrasel já se prepara para fechar o ano em dia com sua lista de boas ações. Nem bem se encerraram os trabalhos do Bar em Bar, já começam os preparativos do Rota do Chef, projeto desenvolvido em parceria com a Santa Casa de Misericórdia e a Associação Viva e Deixa Viver, especializada na contação de histórias para crianças hospitalizadas. A proposta começa a movimentar a agenda da cidade no próximo dia 10 e segue até 1º de janeiro, envolvendo 15 restaurantes. A maioria deles está localizada no Pelourinho, com Maria Mata Mouro, La Figa, Jardim das Delícias e Odoyá. As receitas, preparadas pelos chefs especialmente para a ocasião, serão servidas junto com um prato pintado por crianças assistidas pela Associação Viva e Deixa Viver. Parte da renda será revertida para os pequenos do Hospital Santa Izabel. A atriz Eva Wilma e o ator Lima Duarte serão os garotos-propaganda da campanha nacional. Para a rota baiana, o convidado deve ser Lázaro Ramos. FESTIVAL BAR EM BAR / ATÉ DOMINGO / WWW.BAREMBAR.COM.BR

A pedida do bar Light House, na Barra, é lombo de copa suína assado em tempero oriental

Restaurante dupla-face agrada aos amantes da carne com porções fartas e preço bom Daniela Castro Repórter do 2+ dcastro@grupoatarde.com.br

Quem vê de fora, enxerga um bar quase ao ar livre, com móveis rústicos de madeira que convidam a um chope com os amigos no happy hour. Já quem atravessa a porta que dá acesso ao salão se surpreende com um restaurante climatizado e aconchegante, ideal para ir a dois. É o Pampas que faz este estilo dupla face, sob o convidativo

O argentino bife de chouriço é o carro-chefe da casa, que também acerta no carré de cordeiro. Os menus executivo e à la carte dão opção para todos os bolsos

aposto de Steak and Chopp House. A marca da casa chama a atenção de quem passa nas imediações do Lucaia: é um enorme boi vermelho de pernas para o ar, lembrou? E vale a pena ceder à curiosidade. O restaurante, que integra uma rede de 85 estabelecimentos formados pelo Pampas Group, com filiais em diversos países, cumpre bem a promessa de satisfazer aos amantes da carne.

Para todos os bolsos

O carro-chefe é o bife de chouriço, clássico corte importado da Argentina, sede da rede. A carne chega à mesa bem tratada pela brasa, que respeita a recomendação de deixá-la ligeiramente malpassada. O cliente tem a opção de fazer

o pedido pelo cardápio convencional ou pelo executivo, que é servido somente no horário de almoço, de segunda a sexta, desde que não seja feriado. Uma porção bem servida, com direito a guarnição e molho, sai por R$ 24,90. Preço bom, ainda mais ao saber que o combo inclui uma entradinha – embora não seja muito apropriado para um dia de calor intenso, o creme de tomate com croutons é imperdível. No menu à la carte, a variedade aumenta, assim como os preços, que saltam para a faixa de R$ 40 a R$ 60. Mas você corre o risco de se deparar com o carré de cordeiro, que vale cada centavo dos R$ 46,50 cobrados. Para não dizer que é perfeita, a carne passa um tiquinho de nada do ponto ideal, mas nada

que comprometa a maciez. O tempero, discreto, deixa a carne mostrar sua personalidade.

Um brinde

Duas coisas são animadoras para quem opta pelo serviço à la carte. A primeira é que o couvert, que custa R$ 6,90, vira brinde. Não recuse a cortesia: pão caseiro quentinho com manteiga e patê de berinjela. Outra coisa é que os pratos podem satisfazer duas pessoas, principalmente se você pedir uma batata recheada como guarnição. Pedida separadamente, ela sai por R$ 14,85 e, se bobear, já vale como uma refeição.

Poréns

Um porém fica por conta do arroz Pampas sugerido como

acompanhamento, que leva castanha e alho frito além da conta. Entre os “molhos gourmet”, o de ervas finas deixa escapar um excesso de orégano desidratado. Fora esse fora, o atendimento é atencioso e esforçado, mas ainda carece de preparo – a indicação do vinho ideal para este ou aquele tipo de carne pode se tornar um confuso vaivém. Os comensais que considerem o doce uma parte fundamental da refeição também saem de lá frustrados. A carta de sobremesas fica na mesmice do petit gâteau, das musses “caseiras” e do sorvete de creme. PAMPAS – STEAK AND CHOPP HOUSE (71 3334-1543) / LUCAIA (ESQUINA COM A AV. VASCO DA GAMA) / SEG A DOM, NO ALMOÇO E JANTAR (SEG, SÓ ALMOÇO)

CURTAS Kopenhagen reabre loja com cafeteria Nesta segunda, a Kopenhagen da Pituba (Ed. Madison Plaza) reabre depois de uma ampliação que repaginou a unidade para a instalação de uma cafeteria. A empresária Joana Arcoverde, franqueada exclusiva da marca na Bahia, também aproveita a deixa para anunciar na vitrine as novidade preparadas para o Natal. Kopenhagen / Divulgação

O capuccino é o carro-chefe no cardápio da nova cafeteria


Gastronomia2+_031210