Issuu on Google+

Satanismo Uma introdução básica para futuros adeptos Anton Long, ONA. 1992eh. Revision c. 1998eh. Tradução: Gustavo Fishwick

Introdução Este artigo visa fornecer uma introdução a Satanismo genuíno para aqueles interessados neste caminho oculto em particular. Foi escrito por alguém que está envolvido no Satanismo por um quarto de século, e que agora tem a honra de ser o Grão-Mestre representante de Satanistas tradicionais. O artigo é honesto e revelador, portanto informativo, e destruirá alguns mitos que dizem respeito a Satanismo. Por causa de sua natureza honesta e reveladora, também excluirá os muitos pseudo-Satanistas que possuem pouco ou nenhum conhecimento do que o Satanismo de verdade se trata. No Satanismo genuíno, há rituais ocultos, como também há exultação da carne. Também há o verdadeiro mal – feitos sombrios e perigosos: uma maneira de viver aproveitando ao máximo. Todas essas coisas – e muitas mais – serão explicadas. I – O Jogo Satânico Satanismo é entendido pelos seus adeptos genuínos como um caminho ou método oculto. Isto é, é um caminho específico a um objetivo específico, o último envolvendo uma específica maneira de viver. O caminho específico é um caminho sombrio, sinistro, ou de ‘Mão-Esquerda’, e o objetivo específico é a criação de um novo tipo de indivíduo. Em um nível geral, Satanismo visa mudar a nossa evolução e as sociedades nas quais vivemos – criando, de fato, uma nova espécie humana e uma civilização adequada para este novo tipo de ser humano. Satanismo, no entanto, é considerado, por seus adversários ou os mal informados, um ou mais dos seguintes: (a) adoração do demônio/Satã; (b) um culto religioso que pratica Magicka Negra; (c) uma inversão da religião nazarena e seus ritos; (d) um grupo que prega e pratica atos perversos e abuso sexual. Além disso – e também incorretamente – a natureza do próprio Satã é comumente vista como derivação da religião descrita no ‘Velho Testamento’ hebraico, e a palavra “Satã” é considerada uma derivação de outra palavra – uma da Grécia antiga. A palavra grega – an is – isto é, ‘uma acusação’ e também ‘causa’ ou ‘origem’ de algo. Em sua essência, Satã como palavra representa (a) a principal causa da mudança, da evolução humana; (b) ‘Adversário’, no sentido de contrariar as normas, aquilo que é aceito, e este sentido é contido no uso da palavra ‘diabo’. A palavra ‘diabo’ é derivada do Latim “diabolus”. A imagem de Satã, portanto é vista não como uma invenção hebraica, mas uma representação de oposição, heresia, e um símbolo de mudança criativa.


De oposição vem uma síntese – o processo de mudança lógica que governa a evolução. Fundamentalmente, Satanismo é contrário à resignação de religião convencional. Religião convencional (invariavelmente ocidental) significa submissão – a um deus e a sua autoridade/igreja ‘escolhida’, ou a algum dogma derivado das palavras de algum ‘profeta’/salvador. Religião convencional também significa uma maneira certa de ‘enxergar o mundo’ – um certo ponto de vista. O caminho religioso ocidental é o caminho do dogma, da revelação e, essencialmente, do medo – há preocupação com recompensa e retribuição; com conceitos como culpa e pecado. Deve haver fé – fé vem antes de sabedoria pessoal obtida de uma experiência direta de vida. O caminho do Satanismo é totalmente o oposto – é o caminho da liberação, interna e externamente. Há um desejo de sabedoria baseada em experiência própria. Há um desejo de ser orgulhoso – exultar e deleitar-se em vida e cumprir as possibilidades que a vida oferece. Em outras palavras, há exploração das fronteiras – e uma extensão das mesmas. Há um desejo de sobressair-se, de conquistar, de determinar padrões que outros possam seguir, em vez de seguir padrões determinados por outros. Isto, claro, não é fácil – requer certo tipo de pessoa: Alguém imbuído de espírito, com a necessidade de conquistar e contrariar. Alguém que tenha caráter. Portanto, por causa da ‘natureza humana’, Satanismo no passado tem se adequado a somente uma minoria – aqueles poucos que podem realmente questionar e contrariar as normas aceitas. Tem sido um princípio fundamental do Satanismo genuíno que cada Satanista encontre seus próprios limites e portanto vive, ou se necessário morre, por sua própria moral ou ética. Isto é, um Satanista não aceita nenhuma restrição além daquelas que se impõe sobre ele mesmo. Ele aceita que é somente ele mesmo que pode encontrar as respostas para suas perguntas – e que estas respostas vêm de experiência pessoal direta. Elas não podem ser obtidas por fé, dogma, ensinamento de outrem – ou de alguma teoria proposta por alguma organização, grupo, templo, que seja. Isto significa que Satanistas são amorais, no sentido convencional: não há, nunca houve e nunca poderá haver algo como ‘ética satânica’ ou alguma ‘autoridade satânica’ ao qual um Satanista deve ser submisso – pois estas coisas são contrárias ao Satanismo genuíno; são contrárias ao objetivo pessoal fundamental do Satanismo – a criação de um indivíduo mais evoluído e desenvolvido. Satanismo – a nível pessoal – é uma jornada individual, envolvendo indivíduos que necessitam vivenciar seus próprios limites e ir alem deles. Satanismo aplica o princípio da evolução à prática humana – os fortes sobreviverão e vencerão, enquanto os fracos falham ou morrem. No entanto, isto não significa o que a maioria das pessoas supõe que significa – permissão para a satisfação anárquica dos próprios desejos ou de se afogar em luxúria/depravação/abuso. Um Satanista possui um objetivo – um motivo oculto que vai além da satisfação do próprio ego e de se entregar a impulsos subconscientes. O objetivo é sobressair-se – ir além de sua existência. Fazer isso requer domínio próprio, uma verdadeira autodisciplina. Domínio próprio e autodisciplina só podem ser adquiridos por experiência própria: pela experiência da vida real. Um Satanista deseja evoluir – e esta evolução requer decisão e, portanto certa força de caráter. O que um Satanista faz, ou na vida real ou nas experiências de aprendizagem que são os rituais Mágickos/Ocultos, é explorar – encontrar os limites de si mesmo e do mundo; Eles aprendem por experiência própria portanto crescem, e realizam seu potencial diabólico latente. Tudo é um meio para isto – rituais, outras pessoas, e a própria sociedade. Como possuem um motivo supremo, um objetivo conhecido, há perspectiva – uma compreensão além dos impulsos/sentimentos/desejos do momento ou momentos de alguma


experiência particular. É desenvolvida uma verdadeira introvisão, um verdadeiro juízo e uma verdadeira autoconsciência e compreensão. Naturalmente, isto é difícil – e muitas vezes perigoso. Os fracassados tornam-se presos a – ou nunca vão além de – o momento e os desejos/impulsos/sentimentos do momento. Em termos simples, os fracassados, os pseudo-Satanistas se afogam em seu ‘lado sombrio’ e o ‘lado sombrio’ da natureza/sociedade, sem nunca compreendê-lo, controlá-lo ou transcendêlo. Fundamentalmente, um Satanista sabe e entende onde está indo e o que está fazendo/por que está fazendo. Os fracassados, os pseudo-Satanistas, são presos por seus atos ou atos de experiência. Um Satanista é forte, orgulhoso, desafiador e tem controle da experiência e sobre ele mesmo; os fracassados são escravos de seus sentimentos/emoções/desejos (conscientes e subconscientes), portanto não possuem nenhum autoconhecimento. O caminho do Satanismo não é fácil – os métodos e experiências que são necessários e que o Satanista usa para obter seu objetivo são arriscados e perigosos. É fácil falhar, ser pego, que seja. Não há nada, nem ninguém, para ajudar o Satanista em sua jornada. Não há nada que a torne mais fácil ou menos perigoso. Há somente sua determinação, e o aprendizado por experiência: o desenvolvimento gradativo de caráter por experiência. Somente então há uma verdadeira, genuína evolução do individuo. Menos que isso é insinceridade – uma falsidade. O caminho do Satanismo – exemplificado por organizações satânicas genuínas – apresenta várias experiências de aprendizagem, revelam várias técnicas esotéricas, e oferecem uma percepção esotérica ou ‘iniciada’ da vida, indivíduos e do próprio cosmo. Este caminho é prático – uma maneira de se viver – e em estágios iniciais, envolve processos Mágickos e rituais. Estas experiências específicas desenvolvem certas técnicas esotéricas – e, portanto, permitem a aprendizagem das Artes ‘proibidas’. Elas permitem a indulgência em prazeres mundanos – carnal e material. Mas estas experiências – e os prazeres que surgem delas – não são fetiches como também não são de natureza religiosa. Elas são meramente um meio – para ser utilizado, dominado e transcendido. Pois o Satanista novato sempre avança – para novas experiências, novos desafios e, portanto novas percepções. Para a maioria, os aspectos principalmente ocultos – que envolve a participação em rituais Mágickos e participar em um grupo/templo – duram alguns anos. Depois, estes são deixados para trás, os objetivos tendo sido realizados. Isto é, o Satanista que tem atingido os objetivos de um novato satânico avança pelo caminho, se tornando um adepto satânico. Há então, para o novo adepto satânico, um envolvimento com outras práticas satânicas a fim de desenvolver ainda mais o caráter e as habilidades do Satanista – práticas que permitem ao Satanista expressar o lado sombrio da existência por seus atos e modo de vida, e que portanto contribui à mudança criativa. Algumas destas práticas satânicas são convencionalmente vistas como o ‘mal’, e algumas são interpretadas como ‘ilegais’ em algumas sociedades. Elas são conscientemente escolhidas pelo Satanista a fim de se desenvolver e portanto auxiliar na realização do objetivo final – e são escolhidas para auxiliar aquilo que é conhecido como o ‘dialético sinistro da história’. Tais práticas auxiliam o destino único que o Satanista deseja atingir, pois cada Satanista deseja realizar sua existência de maneiras diferentes. Eles desejam deixar sua marca no mundo – conseguir algo com suas vidas. Eles desejam mudar as coisas, ou auxiliar a mudança, e desejam que suas próprias vidas tenham algum efeito: Como conseqüência, alguns feitos que um adepto satânico possa conscientemente decidir executar podem ser destrutivos; alguns podem envolver o ‘expurgo’ (remoção de lixo


humano ou daqueles que se opõe ao destino que o Satanista deseja atingir); alguns podem envolver ação direta de um tipo chamado pela sociedade de ‘terroristas’. O que é importante sobre a escolha é que: (a) auxilie ou realiza o destino do Satanista que a escolhe e age; e/ou (b) auxilie o Satanismo em geral – isto é, ajuda realizar o dialético sinistro da história. Não há outras considerações, sejam elas éticas, morais ou religiosas. O adepto satânico utiliza o conhecimento e percepção adquiridos durante seu noviciado satânico – de experiências passadas – para fazer tais escolhas por ele mesmo. Uma organização/ordem/grupo satânico estabelecido somente guia seus membros a estas experiências, e fornece lhes conhecimento esotérico e técnicas que possam ser utilizadas. A obrigação é do indivíduo – vivenciar, participar, fazer suas próprias decisões na hora certa, e aprender, muitas vezes através de seus erros. O dialético sinistro da história é o nome utilizado para descrever estratégia satânica. O treinamento e direção de Satanistas indivíduos por um grupo/ordem/organização satânico estabelecido, ou um Mestre/Mestra, é uma tática que pode ser utilizada para realizar o objetivo estratégico. O objetivo desta estratégia é mudar sua evolução – isto é, mudar a evolução de nossa espécie e portanto o cosmo, pela interação entre os dois. Esta evolução é direcionada ao ‘sinistro’ – a uma maior diversidade, maior individualidade e criatividade. Isto envolve ‘presenciar’ as forças sinistras ou ‘sombrias’ na Terra, nas sociedades e nos indivíduos. Isto envolve a re-estruturação da sociedade durante longos períodos de tempo. Essencialmente, o objetivo é criar uma nova espécie humana desenvolvendo o potencial que já está latente dentro de nós como indivíduos. Expresso simplesmente, significa deixar a espécie humana adquirir maturidade completa – atualmente a maioria são crianças imaturas, escravas de desejos e impulsos subconscientes e com pouco ou nenhum auto domínio ou sabedoria. E elas são mantidas dessa forma pelas restrições, imposições e controle que as sociedades e religiões e outras formas (como a política e a ética) tem imposto nelas. Como efeito, isto significa que a maioria se torna não somente adeptos, mas também conseguem o conhecimento e sabedoria e força de caráter que Mestres e Mestras genuínos possuem. Significa a maioria atingindo e indo além daquilo que se chama ‘individuação’. Satanistas acreditam que esta mudança – esta evolução – só pode ser conseguida por meios práticos: por uma síntese prática do sinistro/luz. O arquétipo desta mudança é Satã – o Adversário, o Herege, o Orgulhoso que se nega a se curvar diante de algum ‘deus’; que se nega a aceitar a submissão e que está insatisfeito com as respostas, as soluções, de outros. Para realizar esta mudança deve haver aprendizado – um aumento gradativo no número de adeptos, isto é, daqueles livres dos opostos que os restringem. Deve haver um aumento naqueles que se aderem à energia criativa que gera toda a vida e que produz a sua mudança e evolução, e que portanto é a essência da própria existência. Cada Satanista, por viver de modo satânico, auxilia o dialético e portanto auxilia a mudança evolucionária. Eles aprendem a ser deus – realizando sua existência. Quanto aos outros – eles podem participar, e então aprender e evoluir; ou eles podem ser usados, por Satanistas, para causar mudanças maiores do que eles próprios. Não há limitações ao menos que nós as criemos – e se os outros as criarem, então elas estão ali para serem superadas. Sobressair-se na excelência é o nome do único jogo que realmente vale a pena jogar: O Jogo Satânico.


II – Respostas a Algumas Perguntas Satanismo é simplesmente adoração do demônio? O termo ‘adoração do demônio’ é utilizado de várias maneiras – freqüentemente para descrever ‘Mágicka Negra’ e as supostas práticas de ‘Satanistas’, por exemplo rituais sexuais, sacrifício animal. O que geralmente é descrito por este termo são as atividades de amadores ocultos que não possuem nenhum conhecimento sobre verdadeiro Satanismo, e que apenas brincam de ser Satanistas – invocação do demônio, e coisas do tipo. Muitas vezes, o termo ‘adoração do demônio’ é utilizado no sentido moral, para descrever o comportamento ‘perverso’ do oculto. Literalmente, adoração do demônio significa uma adoração religiosa do demônio. Em relação a todas as noções descritas acima, Satanismo não é adoração do demônio. Satanistas não adoram nada, e as práticas e ritos do Satanismo são bem diferentes daqueles demonstrados pela mídia. Enquanto alguns rituais envolvem várias formas ocultas – mantos, um templo e coisas do gênero – a maioria deles é removida de tais associações. A verdadeira mágicka de um Satanista ocorre por seu modo de vida – o que eles conquistam na vida real e em situações reais por tentarem realizar seus destinos e auxiliarem no dialético sinistro. Eles vivem satanicamente, em vez de jogar jogos ocultos. Aqueles que possuem uma forma ritualizada ou externamente oculta estão apenas aprendendo, um estágio para o novato satânico – o mero começo de suas vidas satânicas. (Os rituais cerimoniais são dados no ‘Livro Negro de Satã’. Eles incluem a Missa Negra, a Cerimônia de Iniciação e o Ritual da Morte). Mas e o demônio? Ou Satã? Ele existe de verdade? Se for o caso, vocês o respeitam? Ele existe, mas não da maneira que a maioria acredita, por exemplo, uma imagem com chifres e patas. Na verdade, ele não é preso por nossas dimensões espaciais e temporais do dia a dia, mas existe no que a tradição esotérica chama de ‘acausal’. Nós concebemos o acausal de uma maneira arquetípica, isto é, impomos uma imagem sobre sua estrutura acausal e nãofísica. As descrições convencionais do demônio ou Satã são basicamente imagens nazarenas infantis. A realidade é bem mais aterrorizadora e maléfica – quando vista de forma convencional, é claro! Além do mais, termos como ‘respeito’ dependem dos antônimos inerentes a um ponto de vista de um não-iniciado. Na realidade, somente há funcionamento com as energias ou forças acausais ou ‘entidades’ como estas coisas são: Se tornar como o demônio, uma identidade junto a ele, se você desejar. E isto é uma extensão do próprio ser ou existência, não uma negação ou submissão. Em termos mais simples, o individuo se torna único com Satã, e nos estágios iniciais se empenha em ser como Ele. Satanismo envolve sacrifício humano? Às vezes um Satanista poderá executar o ‘expurgo’ – ou durante um ritual mágicko ou no mundo real (por assassinato, ou manipulação de outra pessoa para cometer o ato). Se isso é realizado ou não depende do destino do indivíduo Satanista – se alguém ou algumas pessoas precisam ser eliminadas para a realização desse destino.


No entanto, todas as vítimas desta eliminação devem ser adequadas – isto é, serão julgados como inúteis, lixo: ou serão adequadas pois sua eliminação auxiliará o dialético sinistro. Estes, claro, serão julgados como adequados, satanicamente. Na prática, isto significa que assim que alguém que tenha sido julgado como inútil (em relação a seu caráter e suas ações) ele será testado a fim de confirmar este julgamento. Isso dá uma boa chance à pessoa. Geralmente dois ou três testes são realizados, sem a consciência da vítima. Somente se falharem nestes testes será realizado um expurgo, para a glória do Satanismo em geral. A justificativa do expurgo satânico é que algumas pessoas não possuem valor, são um atraso na evolução, e sua eliminação será saudável: beneficia a raça humana. E, portanto, auxilia na realização de objetivos satânicos. Além disso, aqueles escolhidos para o expurgo na realidade são escolhidos por si mesmos, através de suas ações – eles revelam um caráter ou convivência, através daquilo que fazem ou não fazem, sem valor. Portanto, um expurgo é afim a um ato de justiça natural, uma restauração da ordem criativa. Mas certamente este ‘expurgo’ é um ato criminoso? A ‘Lei’ é uma acumulação de tentativas incansáveis de uma maioria medíocre, a fim de prevenir a minoria criativa de transformar a vida em uma sucessão de êxtases. Ou, menos poético, é uma tentativa de impedir o instinto nobre e saudável dos fortes – uma tentativa de usurpar o raciocínio da experiência. O que importa é que cada indivíduo desenvolva seu próprio bom senso – que possua um senso de ‘justiça natural’, um caráter forte e maduro (que nasce através da experiência). A ‘Lei’ é uma expressão de tirania – de alguém roubar esse bom senso e caráter: da sociedade tratar as pessoas como se fossem crianças. E crianças? Elas têm um papel no Satanismo? Em rituais, por exemplo? Um dos objetivos fundamentais do Satanismo é desenvolver indivíduos – desenvolver um caráter maduro e perspicaz, um espírito satânico. Treinamento satânico, de um novato, visa construir caráter, desenvolver um indivíduo único consciente de seu potencial e destino. Este treinamento somente pode começar quando o indivíduo puder avaliar as coisas – ou começar a avaliá-las – por si mesmo. Isto significa geralmente em torno dos dezesseis anos. Antes disso, não pode haver participação nenhuma em Satanismo, seja em rituais ou qualquer outra coisa, simplesmente porque Satanismo envolve um indivíduo que faça suas próprias escolhas – de decidir, por eles mesmos, se desejam passar por treinamento satânico ou viver a vida de modo satânico. Em algumas circunstâncias – por exemplo, uma criança nascida de pais Satanistas – há uma cerimônia simples que envolve dedicar o recém-nascido às forças escuras. Mas até esta criança crescer e puder decidir por si mesmo, não há nada. Do contrário, seria contradizer a essência de Satanismo. Satanismo não tem interesse em ‘corromper’ outros se não tiverem consciência disto – o interesse é criar indivíduos fortes e únicos de caráter verdadeiro que podem pensar e julgar por eles mesmos. Qualquer outra coisa não é verdadeiro Satanismo. Mas certamente Satanistas controlam e usam os outros – e os manipula? É claro! Algumas pessoas são escravos por natureza. Satanistas são líderes por natureza. Mas cada pessoa possui uma escolha livre – se elas precisam seguir, ser liderados, se


gostam de ser manipulados, ou por fraqueza possuem pouco ou nenhum caráter delas próprias, então isso é a sua natureza. A existência é muitas vezes, impiedosa: os fortes vencem, enquanto os fracos se submetem. Assim, a evolução é realizada. Humanos não são diferentes, embora muitos, em seu delírio, não gostariam de acreditar nisto. Darei um exemplo, um que fará os fracos (e portanto, os pseudo-Satanistas) se arrepiarem de horror! Algumas pessoas, em sua fraqueza, se tornam viciados – para este exemplo, viciados em drogas. Como tais, eles são os fracassados da vida. Um Satanista os enxerga com desprezo – eles fizeram a sua escolha, e revelaram um caráter fraco. Portanto, um Satanista pode considerar válido – e certamente justificável – ‘usar’ estas pessoas sem valor, fornecendo-lhes o que tanto precisam. Neste caso, drogas. Isto seria lucrativo, e permitiria que um Satanista vivesse um pouco mais satanicamente. Também auxiliaria no dialético sinistro, de duas maneiras. Primeiro, os viciados poderiam, em um futuro próximo, morrer, e portanto eliminariam ou expurgariam si próprios. Segundo, a ‘cultura de drogas’ é um sintoma de uma sociedade ou sociedades infectadas pela doença nazarena: onde uma moral-escrava tem vencido, e instintos nobres e fortes são reprimidos. (Onde, por exemplo, a idéia de combate, de guerra, como sendo saudável, é heresia). Tais sociedades precisam ser destruídas, e colocadas em seu lugar sociedades mais saudáveis. Incidentalmente, ainda sobre o assunto de saúde, todos têm uma escolha a todo o momento, não importando as circunstâncias externas. É o caráter, o espírito, que vence. Um Satanista é alguém que triunfa, mesmo (ou principalmente) no infortúnio, e vive sua vida por um lema que atualmente não é mais compreendido, a não ser por uma minoria nobre: ‘Morte antes de desonra’. Submeter, desistir, não tentar, é desonroso. Um Satanista sabe com uma certeza arrogante e orgulhosa, que o espírito humano pode vencer tudo e todos – ele se recusa a aceitar a derrota, a desistir, e está preparado para morrer se necessário, ao invés de agir de maneira desonrosa, contra seus princípios satânicos. Por causa disso, eles são fortes, e inspiram nos outros talvez uma certa admiração. E, por causa desse preparo, eles triunfam na vida – apreciam a vida, e vivem ao máximo. Se eu desejar me tornar um Satanista, o que eu precisaria fazer? A primeira coisa é ter certeza que entende o que é Satanismo e o que o envolve, contatando outros Satanistas, por exemplo, ou lendo artigos satânicos genuínos, como as obras da ONA. Portanto, ao entender, se faz uma decisão de iniciar a jornada no ‘Caminho da Mão Esquerda’ e de agir satanicamente. Isso geralmente é formalizado de alguma maneira através de um simples ritual de iniciação – o que basicamente significa que se afirma o desejo de seguir o caminho de Satã. Este ritual pode ou ser cerimonial, através de uma ordem ou grupo satânico, ou uma auto-iniciação hermética. Exemplos dos dois são disponíveis para aqueles curiosos o suficiente para encontrá-los. Depois disto, se encarrega de várias tarefas, técnicas e métodos por um período de alguns meses, o objetivo disto sendo construir uma base satânica, em termos de caráter. Todos são disponíveis em várias obras satânicas. Um grande número destes envolve ganhar experiência no mundo real, enquanto alguns envolvem trabalho diretamente oculto/mágicko – por exemplo, rituais. A ênfase predominante é em auto-afirmação. Este período de noviciado dura um ano, talvez dois. Depois há mais desafios para se conseguir, e mais tarefas para desenvolver caráter e auxiliar o juízo, perspicácia e autodomínio.


Claro, há também muitas recompensas – algumas carnais, algumas materiais, algumas espirituais (no sentido sinistro, claro!). Desenvolve-se uma consciência de destino e uma compreensão daquilo que é escondido da maioria pelo predomínio de níveis rudimentares de consciência e sabedoria. Durante tudo isto, se está auxiliando as forças negras pelo próprio ato de cometer atos satânicos. Isto é, auxiliar a evolução – de si mesmo, e da existência em geral. Está-se sendo significante; fazendo e realizando. Se tiver sorte, pode haver liderança ou conselho de alguém que já tenha passado por este caminho – uma Mestra ou um Mestre satânico. O que é importante, é que se viva de verdade; realize coisas; trabalhe e altere o mundo real; e aprenda e, portanto se desenvolva – em caráter, perspicácia e sabedoria. A maioria das pessoas desperdiça suas vidas. Um Satanista quer ser um deus – e está preparado para mudar o mundo para tornar de seus sonhos uma realidade. A maioria das pessoas sonha, mas falta-lhes a coragem para agir. O que importa é que se realize algo – se algumas coisas não forem como planejadas, há outras oportunidades. Novos sonhos para se sonhar e realizar. E a vida não acaba na morte causal – pode-se tornar imortal! A forma de vida simplesmente muda. Mas esta mortalidade não é dada – não é uma recompensa. É conseguida, é um ato consciente: se tornar um com a própria força negra, com Satã. Há muito coisa que é transcendental, mas nada ultrapassa o homem. Isto é, de toda vida, nós como indivíduos possuímos o maior potencial – temos o ‘fogo criativo’ da própria vida. Satanismo não é um meio somente para entender isto, mas para executá-lo – realizar o nosso potencial divino (e diabólico). Viver a existência ao máximo. Participar na evolução. E evoluir para um domínio completamente diferente. Mas Satanismo é perigoso – é testador. Exige um desejo demoníaco, força de caráter. É a heresia genuína. É para os poucos que realmente conseguem desafiar, que realmente desejam se tornar como deuses e que estão preparados para enfrentar os riscos envolvidos. - Ordem dos Nove Ângulos -


Caminho Septenário