Issuu on Google+

Luísa Coelho esteve connosco e respondeu a muitas perguntas que lhe foram colocadas na aula pela turma de 4º ano. Aqui ficam algumas das ideias que marcaram os jovens leitores durante este encontro:

 Escrevo porque gosto de comunicar com os meus leitores. Gosto de contar histórias.  Gostei em Angola dos meninos que não têm tudo o que vocês têm, mas quando ouvem histórias são iguais a vocês. Gostei dos animais, da paisagem, de viajar pelo país. Também gostei de lá trabalhar com os alunos.  Queria viver aventuras, mais do que escrever. Mas a escrita permite-me viver essas aventuras.  O Petro não existe mesmo, mas há outros cães parecidos. Quando aparece um cão é especial, todos querem o cão.  As pessoas mais velhas têm muita importância, são como livros nestas sociedades e todos obedecem.  Já escrevi 12 livros, 3 livros para crianças.  O Petro não fala mas podia falar, eu não quis, mas eles entendem-se, as crianças e o cão.  Não há outros animais na história porque não era preciso, em Luanda não há muitos animais.  Gosto dos animais que andam na natureza, não gosto de os ver presos dentro das casas.  Esta é a única história que escrevi até hoje com um cão. Já escrevi outras histórias com outros animais (Nkuma e Chem-chem, onde há uma cabrinha), O porquinho Fortalhaças, onde há porquinhos)  Escrevi o Petro, bom de bola em 2009.  Em Luanda, não há muitos animais, um cão era um bom companheiro para fazer uma história.  Em Luanda há muitos meninos que vivem na rua, andam pela praia, e nem sempre vão à escola.  Quando escrevemos não sai tudo bem à primeira, levou talvez dois meses a escrever esta história do Petro.  Só há meninos nesta história, porque o futebol é um desporto masculino.  Petróleo, o futebolista, era o meu título inicial, mas depois o editor mudou o nome ao meu livro.  A ilustradora da editora fez os meninos que surgem na história como se fossem brasileiros, penso que Nkuma e Chem-Chem foi melhor ilustrado pois o jovem protagonista parece mesmo um menino angolano.


Respostas de entrevista