Issuu on Google+

Tempo disso, tempo daquilo; falta o tempo de nada. -Carlos Drummond de Andrade

Não seja o de hoje. Não suspires por ontens.... Não queiras ser o de amanhã. Faze-te sem limites no tempo. -Cecília Meireles

Capa: Luiza Sayão e Sabrina Glik


Nota das Editoras É com satisfação que apresentamos a revista “Ou isto ou aquilo”, criada em maio de 2012 pelos alunos do curso de Língua Portuguesa do 9º ano da Escola Graduada de São Paulo. O projeto partiu do estudo da obra de dois conhecidos escritores brasileiros, Carlos Drummond de Andrade e Cecília Meireles, com foco nos temas recorrentes na poesia de ambos. Cada aluno escolheu um poema de um dos autores e, a partir do tema central nele presente, criou seu próprio texto (assinado, na maioria dos casos, com um pseudônimo), usando também imagens que remetessem a tal tema. A ideia da divulgação deste trabalho no meio digital vai ao encontro da busca por aliar tecnologia e educação. A modernização dos meios digitais permite que os alunos demonstrem suas mais diversas habilidades num mesmo espaço (no caso, o da revista eletrônica), uma vez que podem integrar escrita e imagem, por exemplo, buscando entre eles uma relação de sentido– o que por si só já inclui o olhar analítico. Além disso, divulgar ideias em larga escala tornou-se possível por causa da Internet. Bom é ver que essas ideias (boas ideias!), comunicadas em forma de poesia, ganham agora o mundo. Agradecemos a todos os que nos apoiaram neste projeto, em especial a Blair Peterson, diretor de High School, a Angelina Fregonesi, diretora do departamento de Estudos Brasileiros, e a Eloisa Galesso, coordenadora do mesmo departamento. Aguardamos os comentários dos leitores! Adriana Silveira – professora de Língua Portuguesa do High School Silvana Scarso Meneghini – coordenadora deTecnologia


14 6

Tu Tens um Medo & Não Tema o Amanhã

A Bailarina & Dançar é Incomparável

16 8 Leveza & Desejo de Tranquilidade

10 De que São Feitos os Dias? & Bons Tempos

12 Cortar o Tempo & Tempo em Branco

O Amor & Poder do Amor

18 Nem Tudo É Fácil & Pois a Vida É a Vida

20 Os Ombros Suportam o Mundo & Queda

22 O Que Amamos Está Sempre Longe de Nós & Um Sentimento

24 O Amor & O Amor

26 A Morte do Leiteiro & A Mídia

28 Romantismo & O Amor


30

38

46

Canção Póstuma & Outra Etapa

A Negra & Liberdade

Amém & Vida

32 O Cavalo Morto & O Coveiro

34 De Que São Feitos os Dias & A Necessidade de Saudade

40 Estrambote Melancólico & O Pensamento

42 A Um Ausente & Éramos

44 36 Os Mortos Que Andam, Ausência & Sombra

Ou Isto ou Aquilo & Amor e Ódio Caminham Lado a Lado


A BAILARINA Esta menina tão pequenina quer ser bailarina. Não conhece nem dó nem ré mas sabe ficar na ponta do pé. Não conhece nem mi nem fá Mas inclina o corpo para cá e para lá. Não conhece nem lá nem si, mas fecha os olhos e sorri. Roda, roda, roda, com os bracinhos no ar e não fica tonta nem sai do lugar.

Põe no cabelo uma estrela e um véu e diz que caiu do céu. Esta menina tão pequenina quer ser bailarina. Mas depois esquece todas as danças, e tambémquer dormir como as outras crianças.

- Cecília Meireles


DANÇAR É INCOMPARÁVEL Dançar parece simples. Todos dizem : "só se mover". Mas tem que ter disciplina para girar Mantendo seu eixo, Movendo-se com precisão e perfeição. Não são todos que conseguem; afinal, acompanhar o ritmo não é Fácil. Por isso, não temos tantos dançarinos. Mas para quem dança, A satisfação de conseguir Mover seu corpo na batida correta E receber os aplausos de sua plateia É incomparável.

A satisfação de conseguir Se encaixar na fila, Perfeitamente sincronizada Sem marcar nenhum erro, é incomparável. Dançar. Simplesmente dançar, é incomparável

- Letícia Sampeiro


LEVEZA Leve é o pássaro: e a sua sombra voante, mais leve. E a cascata aérea de sua garaganta, mais leve. E o que se lembra, ouvindo-se deslizar seu canto mais leve.

E o desejo rápido desse mais antigo instante mais leve. E a fuga invsível do amargo passante, mais leve. ~ Cecília Meireles


Desejo de Tranquilidade Seja de que modo for, Seja como for, Sempre na busca de tranquilidade. Pois tudo que vejo dentro de mim É só ansiedade.

Preocupações? Infelizmente sempre existem, Se só dependesse de mim Não teria nenhuma nunca, Mas como não depende de mim, Busco tranquilidade até o fim. ~ Ricardo Guimarães


De que são feitos os dias?

De loucuras, de crimes, De pequenos desejos, De pecados, de glórias vagarosas saudades, do medo que encadeia silenciosas lembranças. todas essas mudanças. Entre mágoas sombrias, Momentâneos lampejos: Vagas felicidades, Inatuais esperanças.

Dentro deles vivemos, Dentro deles choramos, Em duros desenlaces E em sinistras alianças.. ~ Cecília Meireles


Bons Tempos Aqueles dias em que dormia no sofá e dentro da cama acordava, sem saber como tinha ali chegado. Aqueles dias em que não me preocupava com a escola. Não importava a hora nem o dia. Saudades dos Bons Tempos.

As loucuras criadas pelos dias e bagunças feitas à noite eram bons tempos. Chegar em casa cheio de lama, com um sorriso volumoso Aqueles bons tempos refletem Quem somos e como vivíamos. Saudades dos bons tempos. ~ Joel Ramos


CORTAR O TEMPO Quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias, a que se deu o nome de ano, foi um indivíduo genial. Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no limite da exaustão. Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos.

Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra diante vai ser diferente ~ Carlos Drummond de Andrade


TEMPO EM BRANCO Um indivíduo genial Pôs o tempo em uma escala, Colocou início e fim. Mas será esse o fim? Uma data vestida de branco, Um abraço apertado, Uma promessa na cabeça E sete ondas saltadas. Este amanhã que com ansiedade esperamos, A alguns se torna um objeto fútil

Porém, para muitos, É a gênese de uma nova era. Mas estamos falando do mesmo tempo? Não seria, então, um único tempo? Que se vista de branco, Mas que não se esqueça do trivial. ~ Roberto Arantes


Tu Tens um

Medo

Tu tens um medo: Acabar. Não vês que acabas todo o dia. Que morres no amor. Na tristeza. Na dúvida. No desejo. Que te renovas todo o dia. No amor. Na tristeza.

Na dúvida. No desejo. Que és sempre outro. Que és sempre o mesmo. Que morrerás por idades imensas. Até não teres medo de morrer. ~ Cecília Meireles


Não tema o

Amanhã

Não se pode temer a morte, Se não a vida passará em um piscar de olhos. Ter medo do fim Gera um começo mal aproveitado. Pensar no futuro não é um problema, mas também temos que curtir o agora. Feche seus olhos para o que está por vir E abra sua mente para as possibilidades ao seu dispor.

Existem mais pessoas para conhecer, Amores para viver, Momentos para passar. Não deixe que o pavor do amanhã tome conta de você, Por que assim o seu hoje será eterno. ~ Anna Marques


O amor... É difícil para os indecisos. É assustador para os medrosos. Avassalador para os apaixonados! Mas, os vencedores no amor são os fortes. Os que sabem o que querem e querem o que têm!

Sonhar um sonho a dois, e nunca desistir da busca de ser feliz, é para poucos! ~ Cecília Meireles


Poder do Amor Hoje ao pensar em você Descobri que nos teus olhos Estão as minhas esperanças, Nas tuas mãos Está a minha segurança, No teu abraço O meu equilíbrio, No teu beijo Está o meu conforto.

O dia passa e descubro que, em você, Encontro tudo.

Bea Trauczynski


Nem tudo é fácil É difícil fazer alguém feliz, assim como é fácil fazer triste. É difícil dizer eu te amo, assim como é fácil não dizer nada É difícil valorizar um amor, assim como é fácil perdê-lo para sempre. É difícil agradecer pelo dia de hoje, assim como é fácil viver mais um dia. É difícil enxergar o que a vida traz de bom, assim como é fácil fechar os olhos e atravessar a rua. É difícil se convencer de que se é feliz, assim como é fácil achar que sempre falta algo. É difícil fazer alguém sorrir, assim como é fácil fazer chorar. É difícil colocar-se no lugar de alguém, assim como é fácil olhar para o próprio umbigo. Se você errou, peça desculpas... É difícil pedir perdão? Mas quem disse que é fácil ser perdoado? Se alguém errou com você, perdoa-o...

É difícil perdoar? Mas quem disse que é fácil se arrepender? Se você sente algo, diga... É difícil se abrir? Mas quem disse que é fácil encontrar alguém que queira escutar? Se alguém reclama de você, ouça... É difícil ouvir certas coisas? Mas quem disse que é fácil ouvir você? Se alguém te ama, ame-o... É difícil entregar-se? Mas quem disse que é fácil ser feliz? Nem tudo é fácil na vida...Mas, com certeza, nada é impossível Precisamos acreditar, ter fé e lutar para que não apenas sonhemos, Mas também tornemos todos esses desejos, realidade!

-Cecília Meireles


Pois a vida é a vida A vida é difícil, Mas continuamos vivendo, Não apenas por nós, Mas pelos amigos que conhecemos, Pelos que não conhecemos, Pelos que iremos conhecer, Os que podemos conhecer, Pelos conhecidos, Pela família, A distante, A que está perto. Pois a vida só é realmente vivida Quando temos alguém para compartilhá-la.

A É É É É É É A a

vida é dor, carinho, solidão, risada, erro, briga, pancada. vida é difícil ... Mas não há nada temer.

A vida é a vida, E não tenha vergonha de ser feliz, Pois a vida Se faz cada vez mais bonita

-João Vieira


Os ombros suportam o mundo. Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus. Tempo de absoluta depuração. Tempo em que não se diz mais: meu amor. Porque o amor resultou inútil. E os olhos não choram. E as mãos tecem apenas o rude trabalho. E o coração está seco. Em vão as mulheres batem à porta, não abrirás. Ficaste sozinho, a luz apagou-se, mas na sombra teus olhos resplandecem enormes. És todo certeza, já não sabes sofrer. E nada esperas de teus amigos.

Pouco importa venha a velhice, que é a velhice? Teu ombros suportam o mundo e ele não pesa mais que a mão de uma criança. As guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios provam apenas que a vida prossegue e nem todos se libertaram ainda. Alguns, achando bárbaro o espetáculo, preferiram (os delicados) morrer. Chegou um tempo em que não adianta morrer. Chegou um tempo em que a vida é uma ordem. A vida apenas, sem mistificação.

-Carlos Drummond De Andrade


QUEDA Ao despertar me sinto confrontado. Confrontado pela vida e pelo destino. Destino incerto, aberto, medíocre,restrito por portas. Portas estreitas, portas para pequenas vielas. Vielas que levam a encruzilhadas. Encruzilhadas que não levam a nada. Nada, esse vácuo vazio que permeia minha vida, que me rouba a tristeza. Tristeza, nem isso tenho, nem alegria ou dor.

Dor, somente sonhando; somente sozinho. Sozinho sempre, eu que um dia fui junto, agora sou só eu. Eu, esse ser que existe por existir, que há muito deixou de viver. Viver essa vida sem mágica, sem rima ou razão, sem ritmo ou poesia. Poesia que guia, que enaltece a alma, que inspira vida, quem não tem poesia, tem só o nada. Tem só a si mesmo, só a pele do corpo, as mãos e os pés. Um corpo franzino diante de um mundo infinito,um mundo em queda livre, que não tem onde cair, tal como eu.

Ulysses Cunha Carvalho


O Que Amamos Está Sempre Longe De Nós O que amamos está sempre longe de nós: e longe mesmo do que amamos - que não sabe de onde vem, aonde vai nosso impulso de amor. O que amamos está como a flor na semente, entendido com medo e inquietude, talvez só para em nossa morte estar durando sempre.

Como as ervas do chão, como as ondas do mar, os acasos se vão cumprindo e vão cessando. Mas, sem acaso, o amor límpido e exato jaz. Não necessita nada o que em si tudo ordena: cuja tristeza unicamente pode ser o equívoco do tempo, os jogos da cegueira com setas negras na escuridão. – Cecília Meireles


Um Sentimento Amor, mais que uma palavra e mais que um sentimento. Amor é quando palavras se tornam impossíveis. Amor vem e vai. Amor nem sempre é correspondido. Amor traz tristeza, Amor traz felicidade.

Amor não consegue ser explicado. Amor é mais cheiroso que uma flor. Amor te faz voar, Amor é especial. Mas afinal, Como sentir o amor? - Luiza Carvalho


O amor... O amor... É difícil para os indecisos. É assustador para os medrosos. Avassalador para os apaixonados! Mas, os vencedores no amor são os fortes. Os que sabem o que querem e querem o que têm!

Sonhar um sonho a dois, e nunca desistir da busca de ser feliz, é para poucos! ~ Cecília Meireles


O amor O que é amor? Uma das perguntas mais difíceis de se responder... O amor é difícil de se definir, Todo mundo tem uma explicação diferente: Amor é confuso, Amor é assustador... Mas o amor também é paciente E romântico.

O amor é o que você quer que ele seja. Ca Marchesa


A morte do Leiteiro Sem fazer barulho, é claro que barulho nada resolve. Meu leiteiro tão sutil de passo maneiro e leve, antes desliza que marcha. É certo que algum rumor sempre se faz: passo errado, vaso de flor no caminho, cão latindo por princípio, ou um gato quizilento. E há sempre um senhor que acorda, resmunga e torna a dormir. Mas este acordou em pânico (ladrões infestam o bairro) não quiz saber de mais nada. O revólver na gaveta saltou para sua mão. Ladrão? se pega com um tiro. Os tiros na madrugada liquidaram meu leiteiro. Se era noivo, se era virgem, se era alegre, se era bom, não sei, é tarde para saber.

Mas o homem perdeu o sono de todo, e foge pra rua. Meu Deus, matei um inocente. Bala que mata gatuno também serve pra furtar a vida de nosso irmão. Quem quizer que chame médico, polícia não bota a mão neste filho de meu pai. Está salva a propriedade. A noite geral prossegue, a manhã custa a chegar, mas o leiteiro estatelado, ao relento, perdeu a pressa que tinha. Da garrafa estilhaçada, no ladrilho já sereno escorre uma coisa espessa que é leite, sangue ... não sei. Por entre objetos confusos, mal redimidos da noite, duas cores se procuram, suavemente se tocam, amorosamente se enlaçam, formando um terceiro tom a que chamamos aurora. Carlos Drummond de Andrade


A mídia Sinto espinhos machucando-me, Certeiros, penetram minha pele. Dizem muito, mas pouco fazem; Muito falam, mas pouco agem. Melhor mesmo é ficar calado, Num canto, ponderando: o que fazer agora? A opinião daqueles que na teoria nos informam É cada vez mais corrompida. Como vidro, penetram nossos cérebros, Não como indivíduos, mas ma-quinal-men-te. Estou agora num buraco, Do qual não consigo sair.

Existe uma escada, porém, Sua madeira, tão fraca e velha, Já não aguenta aqueles que a sobem, E esses não escapam, mas sim caem e morrem. Corrompido, tento escapar, Mas não consigo chegar onde quero, A mídia me corrói, Morro lentamente, e quando fecho meus olhos Escuto manchetes falsas e enganadoras. Eu já não aguentava mais A mídia me matou. Phil Souza


  Romantismo Quem tivesse um amor, nesta noite de lua, para pensar um belo pensamento. Quem tivesse um amorkonge, certo e impossivelpara se ver chorando, e gostar de chorar, e adormecer de lagrimas e luar!

Quem tivesse um amor, e, entre o mar e as estrelas, partisse por nuvens, dormente e acordando, levitando apenas, pelo amor levando... Quem tivesse um amor, sem duvida nem macula, Sem antes nem depois: verdade e alegoria... Ah! quem tivesse... (mas, quem teve? quem teria?) ~ CecĂ­lia Meireles


O amor Alguns dizem que o amor é cego, Outros dizem que o amor é cruel, Eu digo que o amor é lindo. Você só começa a amar uma pessoa quando a aceita como um todo. Você precisa amar tanto as coisas boas quanto as ruins. Cada um que passa em nossa vida passa sozinho,

Mas não vai só nem nos deixa sós, Leva um pouco de nós mesmos Deixa um pouco de si mesmo. Há os que levam muito, mas há os que levam nada. ~ P. S.


Canção Póstuma Fiz uma canção para dar-te porém tu já estavas morrendo. A Morte é um poderoso vento. E é um suspiro tão tímido, a Arte... É um suspiro tímido e breve. como o da respiração diária. Choro de pomba. E a Morte é uma águia. cujo grito ninguém descreve. Vim cantar-te a canção do mundo, mas estás de ouvidos fechados para os meus lábios inexatos, – atento a um canto mais profundo.

E estou como alguém que chegasse ao centro do mar, comparando aquele universo de pranto com a lágrima da sua face. E agora fecho grandes portas sobre a canção que chegou tarde. E sofro sem saber de que Arte se ocupam as pessoas mortas. Por isso é tão desesperada a pequena, humana cantiga. Talvez dure mais do que a vida. Mas à Morte não diz mais nada. ~ Cecilia Meireles


Outra Etapa Que a morte não seja representada por uma imagem negra. Que não seja uma imensa muralha, um grande obstáculo. Mas que seja interpretada como um grande mistério, uma galáxia desconhecida, à espera de todos nós. Que seja interpretada como um portal para um mundo de infinitas possibilidades, onde a existência seja uma imagem distante das ameaças do nosso destino.

Que a morte não seja representada como uma derrota, mas como um estágio de mudança na nossa vida eterna. ~Ana Luiza Keiffer


O Cavalo Morto Vi a névoa da madrugada deslizar seus gestos de prata, mover densidades de opalan aquele pórtico de sono. Na fronteira havia um cavalo morto. Grãos de cristal rolavam pelo seu flanco nítido; e algum vento torcia-lhes as crinas, pequeno,

leve arabesco, triste adorno, -e movia a cauda ao cavalo morto. As estrelas ainda viviame ainda não eram nascidas ah! as flores daquele dia ... -mas era um canteiro o seu corpo: um jardim de lírios, o cavalo morto. ~ Cecília Meireles


O Coveiro Havia um coveiro, Um coveiro velhinho, Um coveiro bonzinho. Trabalhava o dia todo, Mexia com os mortos, com os esqueletos, Com os podres. Mas era feliz. E um dia o coveiro morreu..

Misturou-se com os mortos, os esqueletos E os podres. E o coveiro, velhinho, Bonzinho, Sentava-se na sua cova E conversava com seus caros defuntos Da vida que n達o tinha mais, Da vida de que sentia saudades. ~Alex Morgato


De Que são Feitos os Dias De que são feitos os dias? De pequenos desejos, vagarosas saudades, silenciosas lembranças. Entre mágoas sombrias, momentâneos lampejos: vagas felicidades, inatuais esperanças.

De loucuras, de crimes, de pecados, de glórias do medo que encadeia todas essas mudanças. Dentro deles vivemos, dentro deles choramos, em duros desenlaces e em sinistras alianças... ~ Cecília Meireles


A Necessidade de Saudade Saudade, O que é a saudade? O Sentimento? A vontade de encontrar uma pessoa, Manifestada pela ausência da mesma, Que corrói por dentro, Sendo apenas saciada ao ter o que se quer.

Saudade, O que é saudade? Uma Vontade? Estar com uma pessoa, De bilhões, uma pessoa. Depender temporariamente, mas completamente dessa pessoa, Apenas para tornar-se independente dela novamente, Pela simples presença da vítima de sua saudade. Saudade, O que é saudade? Saudade é uma necessidade.


Os Mortos que Andam Meu Deus, os mortos que andam! Que nos seguem os passos e não falam. Aparecem no bar, no teatro, na biblioteca. Não nos fitam, não nos interrogam, não nos cobram nada. Acompanham, fiscalizam nosso caminho e jeito de caminhar, nossa incômoda sensação de estar vivos e sentir que nos seguem, nos cercam, imprescritíveis. E não falam.

~ Carlos Drummond De Andrade

Ausência Por muito tempo achei que a ausência é falta. E lastimava, ignorante, a falta. Hoje não a lastimo. Não há falta na ausência. A ausência é um estar em mim. E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços, que rio e danço e invento exclamações alegres, porque a ausência, essa ausência assimilada, ninguém a rouba mais de mim.

~ Carlos Drummond De Andrade


Sombra Às vezes vem, às vezes sinto Aquela tristeza prolongada, Uma melancolia ou uma nostalgia profunda Do passado, que vem para me assombrar. Arranco as garras fincadas nos meus braços. Dor, escorrendo pela minha face, Queimando, lavando a alma. Largue-me, solte-me, deixe-me ir! Um grito. Passado já não é mais só um passado, É o presente, Talvez até o futuro. Tomou uma vida própria.

Lola Gold

Não sinto, não sinto mais! Sei que estão ao lado, Mas aprendi a gostar daquilo que tanto me torturava. O único vínculo restante, Uma única esperança. E num piscar, rompeu-se, Foi-se. Para sempre. Deixou só sua marca em meu todo. Não sei se choro, se dou risada. Estou livre, livre daquilo que tanto me fazia mal! Mas o alivio não é suficiente. A melancolia, a nostalgia Vai ficar para sempre Andando de mãos dadas com os rastros da minha vida.


  A Negra A negra para tudo a negra para todos a negra para capinar plantar regar colher carregar empilhar no paiol ensacar lavar passar remendar costurar cozinhar rachar lenha limpar a bunda dos nhozinhos

Trepar. A negra para tudo nada que nĂŁo seja tudo tudo tudo atĂŠ o minuto de (Ăşnico trabalho para seu proveito exclusivo) Morrer.

~ Carlos Drummond de Andrade


Liberdade Preso nas garras, Nas garras deste mundo solitário. Esse mundo cruel onde homem é propriedade. Eternamente controlado, Sem expressão Sem opinião, Sem tradição,

Aprisionado sem fuga Até a morte A morte maravilhosa, A única saída. O descanso.

~ Martin Rocha


Estrambote Melancólico Tenho saudade de mim mesmo, saudade sob aparência de remorso, de tanto que não fui, a sós, a esmo, e de minha alta ausência em meu redor. Tenho horror, tenho pena de mim mesmo e tenho muitos outros sentimentos violentos. Mas se esquivam no inventário, e meu amor é triste como é vário, e sendo vário é um só.

Tenho carinho por toda perda minha na corrente que de mortos a vivos me carreia e a mortos restitui o que era deles mas em mim se guardava. A estrela-d’alva penetra longamente seu espinho (e cinco espinhos são) na minha mão. ~ Carlos Drummond de Andrade


O Pensamento

Sentou-se em sua cadeira, Sozinho e imóvel como sempre, Pensando sobre tudo que já se passara diante de seus olhos, E de tudo que ainda havia de acontecer, Percebeu que sua memória estava ficando fraca, Quase inexistente, “Como será que a minha vida passou tão rapidamente? Será que eu a deixei ir? Será que ainda há tempo para eu recuperar o tempo que perdi?”

O homem, daí, começou a se sentir cada vez mais aflito, “E agora? Será que ainda da tempo de eu reconstruir minha vida?” Tudo que ele conseguia pensar era como ele deixara escapar o tempo preciso de qual ele mais precisa, Até ele fechar os olhos e dormir. ~ Monica


A Um Ausente Tenho razão de sentir saudade, tenho razão de te acusar. Houve um pacto implícito que rompeste e sem te despedires foste embora. Detonaste o pacto. Detonaste a vida geral, a comum aquiescência de viver e explorar os rumos de obscuridade sem prazo sem consulta sem provocação até o limite das folhas caídas na hora de cair. Antecipaste a hora. Teu ponteiro enlouqueceu, enlouquecendo nossas horas. Que poderias ter feito de mais grave do que o ato sem continuação, o ato em si,o ato que não ousamos nem sabemos ousar porque depois dele não há nada?

Tenho razão para sentir saudade de ti,de nossa convivência em falas camaradas,simples apertar de mãos, nem isso, voz modulando sílabas conhecidas e banais que eram sempre certeza e segurança. Sim, tenho saudades. Sim, acuso-te porque fizeste o não previsto nas leis da amizade e da natureza nem nos deixaste sequer o direito de indagar porque o fizeste, porque te foste. ~ Carlos Drummond de Andrade


Éramos Lembro-me de como costumava ser

Lembro-me do quanto maravilhoso me senti pela primeira vez, você me segurou em seus braços e, depois de todos aqueles anos, ainda fez meu coração derreter, nunca acabavam as coisas para te dizer.

quando nada mais importava,só eu e você. Música, aventuras e sonhos futuros. Eu sinto sua falta, eu queria que você visse...Embora você esteja aqui, sinto falta.

Lembro-me de quando o tempo simplesmente parou, quando os braços um do outro eram o único lugar onde para sempre queríamos estar.

Lembro-me de quando você disse o quanto feliz eu te fiz. E você realmente quis dizer isso? É apenas uma frase que você diz Sem pensar...

Tenho saudades de nós, como eu me lembro de como costumávamos ser... Quando nada mais importava, mais do que eu e você. ~R. G.

Tenho saudades daqueles dias em que você me chamava apenas para dizer "oi"ou "eu te amo" , só para dizer adeus por um tempo.


Ou guardo o dinheiro e não compro o

Ou

Ou Isto Ou aquilo se tem chuva e não se tem sol

doce, ou compro o doce e gasto o dinheiro.

ou se tem sol e não se tem chuva! Ou isto ou aquilo: ou isto ou Ou se calça a luva e não se põe o anel, aquilo... ou se põe o anel e não se calça a luva!

Quem sobe nos ares não fica no chão, quem fica no chão não sobe nos ares.

É uma grande pena que não se possa estar ao mesmo tempo em dois lugares!

e vivo escolhendo o dia inteiro!

Não sei se brinco, não sei se estudo, se saio correndo ou fico tranqüilo.

Mas não consegui entender ainda qual é melhor: se é isto ou aquilo.

-Cecília Meireles


Amor e Ódio Caminham Lado a Lado

A mor é uma simples palavra que é muito fácil de falar, mas difícil de verdadeiramente sentir.

Ó dio, o sentimento intenso de raiva, pode surgir de sentimentos positivos, como o amor.

M uitos passam a vida toda sem o conhecimento desse sentimento,

D izem que o amor vem do coração, e o ódio?

O utros ficam na ilusão de que sabem o que é o amor,

I nimigos? Para quê, quando se pode ter um amigo?

R aros são aqueles que realmente conhecem o amor.

O ódio e o amor podem ser sentimentos opostos, mas uma coisa é garantida, os dois caminham lado a lado.

VS

-I.D.


Amém Hoje acabou-se-me a palavra, e nenhuma lágrima vem. Ai, se a vida se me acabara também! A profusão do mundo, imensa, tem tudo, tudo - e nada tem. Onde repousar a cabeça? No além? Fala-se com os homens, com os santos, consigo, com Deus... E ninguém entende o que se está contando e a quem...

Mas terra e sol, luas e estrelas griram de tal maneira bem que a alma desanima de queixas. Amém. - Cecília Meireles


Vida Alô! Alô! Quem fala? Ninguém.. Parece que estou sempre falando sozinho Sozinho aqui neste mundo lotado, Que muitas vezes parece ser tão vazio, Tão sem sentido... Amigos almoçando e casais se beijando, Tudo em volta de mim parece fazer tanto sentido. Será que só eu estou perdido? Será? - Lester TM


Referências

ANDRADE, Carlos Drummond de. Poesia completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2003. MEIRELES, Cecília. Poesia completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1993.


Ou Isto Ou Aquilo - Edição Grupo 2