Issuu on Google+


ÍNDICE AS TECNOLOGIAS CIÊNCIAS HUMANAS E SU Aldenir Vasconcelos Antônio Carvalho Antonio Pantoja Áthila kzam Bruno Almeida Elesbão Duarte

Leudes Sarges Márcio Marçal Marcondes Carvalho Michel Pinho Raimundo Marques Sérgio André

Ivan Veloso

E SUAS TECNOLOGIAS CIÊNCIAS DA NATUREZA Alcemir Maia Alex Martins Anderson Marques André Pinon Eduardo Bechara Elton Costa

Fabrízio Costa Henac Almeida Luciano Cunha Marcelo Viana Marcos André Walter Melo

Fabrício Alves

SUAS TECNOLOGIAS LINGUAGENS, CÓDIGOS E Anderson Luiz Carlos Sérgio

Reginaldo Jatty Rosana Bastos

Everton Pontes

CNOLOGIAS MATEMÁTICA E SUAS TE Eder Brilhante George Christ Gleidson Marques

Marcelo Lobato Ricardo Ribeiro Washington Rosário


sumário AS TECNOLOGIAS CIÊNCIAS HUMANAS E SU 01

HISTÓRIA

09

GEOGRAFIA

20

FILOSOFIA

22

SOCIOLOGIA

E SUAS TECNOLOGIAS CIÊNCIAS DA NATUREZA FÍSICA

25

QUÍMICA BIOLOGIA

33 38

SUAS TECNOLOGIAS LINGUAGENS, CÓDIGOS E LÍNGUA PORTUGUESA LITERATURA ARTES

43

44

48

CNOLOGIAS MATEMÁTICA E SUAS TE MATEMÁTICA

51


HISTÓRIA | GEOGRAFIA | FILOSOFIA | SOCIOLOGIA

Mar Português . Fernando Pessoa (fragmentos)

O mar português., retratado na poesia acima, é a representação simbólica do processo expansionista europeu. Sobre tal processo e suas repercussões sócio espaciais, pode-se afirmar: A. O mar constituiu a riqueza econômica Lusitânia nos séculos XV e XVI, visto que esta nação, por sua experiência comercial, monopolizou a navegação marítima, tornando-se responsável pela descoberta das terras da América. B. As grandes navegações expandiram o conhecimento humano sobre o espaço mundial o que, para Portugal, representou a evasão de sua população em busca de melhores condições nas terras descobertas, resultando em seu declínio econômico que se repercute até os dias atuais. C. O controle das rotas marítimas resultou na constituição de um Estado burguês lusitano, visto que os lucros da atividade mercantil foram reinvestidos na ampliação da estrutura produtiva, tornando o país uma lucrativa nação mercantilista até o advento industrial. D. A conquista do oceano Atlântico pelo mercantilismo português rompeu o misticismo do mar tenebroso, proporcionando a ascensão da economia lusa, visto que, com sua navegação, foi iniciado o comércio das especiarias orientais e os domínios territoriais. E. A navegação marítima representou a inserção lusa na nova Divisão Internacional do Trabalho, servindo-se das rotas comerciais para sua ligação com as áreas coloniais fornecedoras de matérias-primas e mão-de-obra. 02 (FUVEST) As armas e os barões assinalados Que, da Ocidental praia Lusitana, Por mares nunca de antes navegados, Passaram ainda além da Taprobana*, Em perigos e guerras esforçados Mais do que prometia a força humana, E entre gente remota edificaram Novo Reino, que tanto sublimaram; * Antigo Ceilão, atual Sri Lanka.

Luís de Camões, Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar,1988.

Esta é a primeira estrofe do Canto I de Os Lusíadas, no qual se inicia a narrativa da viagem de Vasco da Gama. Por essa estrofe é possível imaginar a importância dos documentos cartográficos, à época, para a expansão marítima. Um desses documentos eram as cartas denominadas A. árabes, que se serviam da posição dos astros para a navegação, mas apresentavam imprecisões relativas a alguns mares. B. náuticas, que traziam informações precisas sobre oceanos e mares, em densa malha de coordenadas geográficas, fato que não impedia desorientações e outros riscos. C. geodésicas, que traziam informações detalhadas sobre áreas continentais, embora fossem imprecisas quanto aos mares desconhecidos. D. portulanos, que eram valiosas e estratégicas e caracterizavamse por apresentar rumos a serem percorridos em oceanos e mares e poucos detalhes sobre os continentes. E. medievais, que eram imprecisas, pois continham interpretações religiosas, por vezes assustadoras, quanto aos mares e continentes. 03 (MACK) A respeito do nascimento e da consolidação dos Estados nacionais ibéricos, no limiar da Idade Moderna, são feitas as seguintes afirmações: I. As lutas de reconquista do território da península aos muçulmanos, que a haviam ocupado desde o século VIII, constituem um dos principais elementos do processo de formação desses Estados nacionais. II. A ascensão de D. João, mestre de Avis, ao trono português, em 1385, encontrou apoio nos grupos de comerciantes portugueses, numa época de florescimento das atividades comerciais no Reino.

III.

O ano de 1492, além de selar definitivamente a centralização política da futura Espanha após a vitória militar sobre o rei mouro de Granada, marca a descoberta da América por Colombo, que viajara a serviço dos “Reis Católicos”. Assinale: A. se apenas I é correta. B. se apenas I e II são corretas. C. se apenas II e III são corretas. D. se apenas I e III são corretas. E. se I, II e III são corretas. 04 (MACK) As grandes mudanças que se verificam na arte náutica durante a segunda metade do século XV levam a crer na possibilidade de chegar-se, contornando o continente africano, às terras do Oriente. Não se pode afirmar, contudo, que a ambição de atingir por via marítima esses países de fábula presidisse as navegações do período henriquino, animada por objetivos estritamente mercantis. (...) Com a expedição de Antão Gonçalves, inicia-se em 1441 o tráfico negreiro para o Reino (...) Da mesma viagem procede o primeiro ouro em pó, ainda que escasso, resgatado naquelas partes. O marfim, cujo comércio se achava até então em mãos de mercadores árabes, começam a transportá-lo os barcos lusitanos, por volta de 1447. Sérgio Buarque de Holanda, Etapas dos descobrimentos portugueses

Assinale a alternativa que melhor resume o conteúdo do trecho acima. A. A descoberta do continente americano por espanhóis, e, depois, por portugueses, revela o grande anseio dos navegadores ibéricos por chegar às riquezas do Oriente através de uma rota pelo Ocidente. B. Os portugueses logo abandonaram as viagens de descoberta para o Oriente através do Atlântico, visto que lhes bastavam as riquezas alcançadas na África, ou seja, ouro, marfim e escravos. C. Embora a descoberta de uma rota africana para o Oriente fosse, para os portugueses, algo cada vez mais realizável em razão dos avanços técnicos, foi a exploração comercial da costa africana o que, de fato, impulsionou as viagens do período. D. As navegações portuguesas, à época de D. Henrique, eram motivadas, acima de tudo, pelo exotismo fabuloso do Oriente; secundariamente, contudo, dedicavam-se os portugueses ao comércio de escravos, ouro e marfim, sobretudo na costa africana. E. Durante o período henriquino, os grandes aperfeiçoamentos técnicos na arte náutica permitiram aos portugueses chegar ao Oriente contornando o continente africano. 05 (Puccamp) Considere o texto adiante. “(...) aportei em Portugal, onde o rei dali entendia no descobrir ouro mais do que qualquer outro; [mas] em quatorze anos não pude fazêlo entender o que eu dizia.”

(Carta de Cristóvão Colombo, escrita em maio de 1505. In: Janaína Amado e Luiz Carlos Figueiredo. “Colombo e a América”. São Paulo: Atual, 1991. p. 25)

No contexto do renascimento do comércio europeu e das grandes navegações, o projeto de descoberta de nova rota marítima em direção ao Oriente, idealizado por “Cristóvão Colombo”, suscitou várias controvérsias. A partir do texto e do conhecimento histórico, é possível afirmar que A. a Coroa portuguesa aceitou, de imediato, o projeto de Colombo, contribuindo financeiramente para sua execução, desde que o mesmo se comprometesse a anunciar, com exclusividade, o descobrimento das regiões mineradoras. B. Cristóvão Colombo recusou o financiamento proposto pela Coroa portuguesa, haja vista o interesse desta de obter 100% do lucro advindo do comércio ultramarino provindo das regiões descobertas. C. Cristóvão Colombo preferiu aceitar o financiamento proposto pela Coroa italiana para realizar sua viagem em direção à América, em razão das preocupações exclusivamente econômicas dos reis de Portugal. D. a Coroa portuguesa rejeitou o projeto de Colombo, uma vez que tinha investido recursos na rota do périplo africano, como alternativa viável para a conquista do mercado oriental. E. Cristóvão Colombo esteve prestes a abandonar a execução de projeto de circunavegação, haja vista o desinteresse das Coroas portuguesa e espanhola por seu plano fantasioso e ultrapassado.

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS

01 (UEPA) Ó mar salgado, quanto do teu sal São lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar!

1


FÍSICA | qUÍMICA | BIOLOGIA

25

131 (UFG/GO-2011.2) O sismograma apresentado na figura a seguir III. As ondas S podem propagar-se tanto em meios sólidos como representa os dados obtidos durante um terremoto ocorrido na divisa em meios líquidos ou em 01 - (UFG/GO-2011.2) -O sismograma apresentado na figura a seguir representa os meios dadosgasosos. obtidos durante um terremoto entre dois países da América Sul,países em 1997. IV. Quanto à direção de vibração, uma onda P se comporta de ocorrido na divisa entre do dois da América do Sul, em 1997. forma análoga a uma onda que é produzida em uma corda de violão posta a vibrar. Estão corretas apenas A. I e II B. I e III C. I, II e III ) - O sismograma apresentado na figura a seguir representa os dados obtidos um terremoto D. IIdurante e IV ntre dois países da América do Sul, em 1997. E. II, III e IV

b) fr < fi e ft > fi . c) fr = fi e ft = fi . d) fr < fi e ft = fi .

CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS

133 (UFMG-MG) Quando uma onda sonora incide na superfície de um lago, uma parte dela é refletida e a outra é transmitida para a água. Sejam fi a frequência da onda incidente, fr a frequência da onda refletida e ft a frequência da onda transmitida para a água. Considerandose essas informações, é CORRETO afirmar que fi e fsonora > fi . incide na superfície de um lago, uma parte dela é refletid A. uma fr = 03 - (UFMG-MG) Quando onda t fr < fi eda ft >onda fi . incidente, fr a freqüência da onda refletida e ft a freqüên para a água. Sejam fi aB. freqüência C. fr essas = fi e finformações, = fi . para a água. Considerando-se é CORRETO afirmar que t 03 Quando uma onda sonora incide ft =- f(UFMG-MG) . D. fr < fi e a) fr = fi e ft > fi . i

para a água. Sejam fi a freqüência da onda incid

134 Três cordas, A, B e C, homogêneas, flexíveis e com densidades para a água. Considerando-se essas informações lineares  µ, 3µ, e 2µ, respectivamente, são conectadas na sequência = fi e ft > fi livres . do conjunto, a corda C é mana)das fr extremidades ABC. Em uma fixa, enquanto nafi outra livre, na corda A,µ,um 04 - Três cordas, A, B etida C, homogêneas, eextremidade com lineares 3µ,pulso e 2µ, respectivam b) fr <flexíveis e ft > fi . densidades repentinamente aplicado. Considerando queCoéconjunto na sequência ABC. Emmecânico uma daséextremidades livres do conjunto, a corda mantidaé fixa, enquan = fi e fet =desprezando fi . aplicado. c) frrepentinamente mantido reto naéhorizontal a resistência do arque e a ação livre, na corda A, um pulso mecânico Considerando o conjunto é man eque ft =forficorreto. . assinale o que for correto. fr <dafi ogravidade, da gravidade, assinale desprezando a resistência do ar e ad) ação

AAdistância entre o epicentro e a estação sismográfica é de aproximadistância entre o epicentro e a estação sismográfica é de aproximadamente 1900 km. NaA, figura o sismograma,flexíveis em 04 - Três cordas, B etem-se C, homogêneas, damente 1900 km. Na figura tem-se o sismograma, em que o rótulo P que o rótulo P são para as ondas sísmicas longitudinais, enquanto o rótulo S designa as ondas sísmicas transversais. Com na sequência ABC. Em uma das extremidades liv são para as ondas sísmicas longitudinais, enquanto o rótulo S designa exposto, conclui-se velocidades aproximadas das ondas P e S em m/s e a causa desse fenômeno são, asbase ondasno sísmicas transversais. Com que base as no exposto, conclui-se que livre, na corda A, um pulso mecânico é repentinam asrespectivamente, velocidades aproximadas das ondas P e S em 01) m/sNa e ajunção causa desse AB, parte do pulso é refratada para B, enquanto outra parte é refletida em A, com inver desprezando resistência do arB,eenquanto a ação da grav a) 8500, 4500 e movimento de ascendência das correntes de convecção. 01. Na junção AB,uma parte do a pulso é refratada para fenômeno são, respectivamente, 02) Na corda B, o pulso é transmitido com velocidade maior que nas cordas A e C. outra parte é refletida em A, com inversão de fase. b) 8500, convergência das placas tectônicas. A. 8500,4500 4500 ee movimento de ascendência das correntes de con04) Na junção pulso tem-se é refratado. epicentro e a estação sismográfica é de aproximadamente 1900 km.BC, Naofigura o sismograma, em Na corda B, ovelocidade pulso é transmitido com uma velocidade maior vecção. c) 7600, 4200 e convergência das placas tectônicas. 08) Na corda C, o pulso02. é transmitido com para as ondas sísmicas longitudinais, enquanto o rótulo S designa as ondas sísmicas transversais. Commaior que na corda B. que nas cordas A e C. B. 8500, 4500 e convergência das placas tectônicas. 16) Nas junções AB e BC, o pulso é refratado com inversão de fase. d)as 7600, 4200 e divergência das placas tectônicas. onclui-se que velocidades aproximadas das ondas P e S em m/s e a 04. causaNadesse junçãofenômeno BC, o pulso são, é refratado. C. 7600, 4200 ee convergência dasdas placas tectônicas. e) 7600, 4500 convergência placas tectônicas. 08. Na corda C, o pulso é transmitido com velocidade maior D. 7600, 4200 e divergência das placas tectônicas. 05 - (UFJF 2012) A audição humana, normalmente, consegue distinguir sons queque vãonade uma frequ corda B. vimento de ascendência dasecorrentes de das convecção. E. 7600, 4500 convergência placas tectônicas. uma frequência naturais máxima de 20 000 Hz , embora o limite com superior possa decrescer a idade 02placas - (UFPA 2008) Um terremoto é umaté dos fenômenos mais marcantes a propagação de com ondas BC,é envolvidos ofacilmente pulso é refratado com inversão de humano. fase. vergência das tectônicas. comprimento de onda λ16. = 2,0Nas m ,junções emitidaAB noear, percebida pelo ouvido Se essa 01) Na junção AB, parte do pulso é refratada para mecânicas. Em um ponto denominado foco (o epicentro é o ponto na superfície da Terra situado na vertical do foco), há uma A soma é: 132 (UFPA 2008) Um terremoto é um dos fenômenos naturais mais vergência das placas tectônicas. A. 13 grande liberação de energia que se afasta pelo interior da Terra, propagando-se através de ondas sísmicas tanto marcantes envolvidos com a propagação de ondas mecânicas. Em 02) Na corda B, o pulso é transmitido com uma ve ergência das placas tectônicas. B. 18 um ponto denominado foco epicentro é o ponto na(ondas superfície longitudinais (ondas P)(oquanto transversais S).daA velocidade de uma sísmica meio onde ela se vergência das placas tectônicas. 04) Na onda junção BC, odepende pulso édorefratado. 19 Terra situadoe na vertical foco), há umapode grande liberação de energia propaga parte dado sua energia ser transmitida ao ar, C. sob forma de ondas sonoras, quando ela atinge a superfície da 08) Na de corda C, o pulso é transmitido com velocid D. 07 que afasta pelo interior da Terra, propagando-se através realizadas de ondas Terra. Odos gráfico abaixo representa medidas em uma estação sismológica, Um terremoto éseum fenômenos naturais maisasmarcantes envolvidos com a propagação ondas para o tempo de percurso (t) em E. 31 sísmicas tanto longitudinais (ondas P) quanto transversais (ondas S). 16) Nas junções BC, o pulso é refratado com funçãofoco da distância percorrida (d)nadesde o epicentro para as ondas P e ondas S, produzidas poreum terremoto. ponto denominado (o epicentro é o ponto superfície da Terra situado na vertical do foco), há uma AB A velocidade de uma onda sísmica depende do meio onde ela se prode energia que se afasta pelo interior da Terra, propagando-se através de ondas 135 (UFJF 2012)sísmicas A audiçãotanto humana, normalmente, consegue distinpaga e parte da sua energia pode ser transmitida ao ar, sob forma s P) quanto de transversais (ondas S).ela A atinge velocidade de uma ondaOsísmica meio elafrequência se 05 - onde (UFJF 2012) Amínima audição humana, normalmen guir sonsdo que vão de uma de  20 Hz até uma ondas sonoras, quando a superfície da Terra. gráfico depende sua energiaabaixo poderepresenta ser transmitida ao ar, sob forma de ondas sonoras, quando ela atinge a superfície da frequência máxima de  20 000 Hz , embora o limite de superior possa as medidas realizadas em uma estação sismológiaté uma frequência máxima 20 000 Hz , em aixo representa as omedidas em estação sismológica, para decrescer o tempocom de percurso (t) em a idade. Uma onda sonora, de comprimento de onda  ca, para tempo derealizadas percurso (t) emuma função da distância percorrida comprimento de onda λ = 2,0 m , emitida percorrida (d) epicentropara para ondas e ondas S, produzidas terremoto. = 2,0 m , emitida no ar, é facilmente percebida pelo ouvido humano. no ar, é (d)desde desde oo epicentro asas ondas P eP ondas S, produzidas por umpor λum sonora fosse emitida na água, oonda ouvido humano poderia percebê-la? Considere a velocidade do som Se essa terremoto.

a) b) c) d) e)

Não, pois a frequência desse som na água será de 12 Hz . Sim, pois a frequência desse som na água será de 370 Hz . Sim, pois a frequência desse som na água será de 740 Hz . Não, pois a frequência desse som na água será de 1480 . Hz . Sim, pois a frequência desse som na água será de 1480 . kHz .

06 - (UFBA) A figura mostra, esquematicamente, as frentes de ondas planas, geradas em uma cuba regiões, nas quais a água tem profundidades diferentes, são separadas pela superfície imaginária S na regiãoacima, I, comanalise freqüência de 4Hz, e afirmações: se deslocam em direção à região II. Os valores medidos Considerando o texto e o gráfico representados as seguintes distâncias entre duas cristas consecutivas nas regiões I e II valem, respectivamente, 1,25cm e 2,00cm

I. As ondas P são registradas na estação sismológica antes que as ondas S. II. A energia transmitida sob forma de ondas sonoras para o ar, por uma onda sísmica, é predominantemente transportada o texto e o gráfico representados acima, analise as sepor ondas P. to e o gráficoConsiderando representados acima, analise as seguintes afirmações: guintes sonora fosse emitida na água, ouvido humano poderia percebê-la? III. Asafirmações: ondas S podem propagar-se tanto em meios sólidos como em meios líquidos ou oem meios gasosos. sonora fosse emitida na água, o ouvido humano p =1480m/s. em uma corda de Considere aanáloga velocidade do som na água vágua Quanto à direção de vibração, uma onda P se comporta de forma a uma onda que é produzida egistradas naI. IV. estação sismológica antes que as ondas S. As ondas P são registradas na estação sismológica antes que as a) Não, pois a frequência desse A. Não, pois a frequência desse som na água será de 12som Hz . na água ser mitida sob forma de ondas violão posta vibrar. para o ar, por uma onda sísmica, é predominantemente transportada ondas S. asonoras B. Sim, pois aSim, frequência desse som na água será de  370 Hz .na água ser b) pois a frequência desse som Estão corretas apenas sob forma de ondas sonoras para o ar, II. A energia transmitida C. Sim, pois a frequência desse som na água será de 740 Hz . em propagar-se em meios sólidos como em meios líquidos ou em meios gasosos. c) Sim, pois a frequência desse som na água ser a) Itanto epor II uma b) I e III onda sísmica, é predominantemente transportada por D. Não, pois a frequência desse som na água será de 1480 . Hz . o de vibração,c)uma em uma corda de I, ondas II eonda IIIP. P se comporta de forma análoga d) II e IVa uma onda que éE. produzida d) aNão, poisdesse a frequência desse som na. água ser Sim, pois frequência som na água será de 1480 . kHz r. e) II, III e IV e) Sim, pois a frequência desse som na água ser nas b) I e III d) II e IV 06 - (UFBA) A figura mostra, esquematicamente,

a água tem profundidades dife Com base nessas informações e naregiões, análise da nas figura,quais dê a soma dos números das afirmativas correta


A) Diante desse quadro (2º parág.) equivale a “entretanto”, relação de conclusão. B) Já |que (1º parág.) introduz uma justificativa para LÍNGUA PORTUGUESA | LITERATURA ARTES 43 a afirmação c C) Sem que (2º parág.) exclui um fato que poderia constitu afirmaçãocoerentemente anterior. UM ARRISCADO ESPORTE NACIONAL 264 Ordene o conjunto de enunciados a seguir, de Os leigos sempre se medicaram por conta própria, já que de Fumorelação passivo também mata, publicado na forma a recompor o texto D) Ou (2º parág.) marca de alternância (e/ou). médico e louco todos temos um pouco, mas esse problema jamais Gazeta do Povo E) Com isso(17/09/09). (3º parág.) retoma a palavra bomba, evitando sua re adquiriu contornos tão preocupantes no Brasil como atualmente. Qualquer farmácia conta hoje com um arsenal de armas de guerra para combater doenças de fazer inveja à própria indústria de material bélico nacional. Cerca de 40% das vendas realizadas pelas farmácias nas metrópoles brasileiras destinam-se a pessoas que se automedicam. A indústria farmacêutica de menor porte e importância retira 80% de seu faturamento da venda “livre” de seus produtos, isto é, das vendas realizadas sem receita médica. Diante desse quadro, o médico tem o dever de alertar a população para os perigos ocultos em cada remédio, sem que, necessariamente, faça junto com essas advertências uma sugestão para que os entusiastas da automedicação passem a gastar mais com consultas médicas. Acredito que a maioria das pessoas se automedica por sugestão de amigos, leitura, fascinação pelo mundo maravilhoso das drogas “novas” ou simplesmente para tentar manter a juventude. Qualquer que seja a causa, os resultados podem ser danosos. É comum, por exemplo, que um simples resfriado ou uma gripe banal leve um brasileiro a ingerir doses insuficientes ou inadequadas de antibióticos fortíssimos, reservados para infecções graves e com indicação precisa. Quem age assim está ensinando bactérias a se tornarem resistentes a antibióticos. Um dia, quando realmente precisar de remédio, este não funcionará. E quem não conhece aquele tipo de gripado que chega a uma farmácia e pede ao rapaz do balcão que lhe aplique uma “bomba” na veia, para cortar a gripe pela raiz? Com isso, poderá receber na corrente sanguínea soluções de glicose, cálcio, vitamina C, produtos aromáticos – tudo sem saber dos riscos que corre pela entrada súbita destes produtos na sua circulação.

Fonte: Dr. Geraldo Medeiros. Veja, 18 dez. 1985.

261 Analise as seguintes asserções: I. II. III. IV.

262 Indique o que for FALSO sobre o texto de Geraldo Medeiros. A. Apesar de tratar de um tema sério, o texto apresenta um certo tom de humor. B. Os dados estatísticos apresentados no primeiro parágrafo são argumentos convincentes que o autor utiliza para defesa de seu ponto de vista. C. No segundo parágrafo, o uso do verbo acreditar, para introduzir as causas da automedicação, anulou a força argumentativa do enunciado, o que acabou desqualificando todo o texto. D. O fato de o autor assinar seu nome precedido do título de doutor (Dr.) é uma forma de dar credibilidade tanto à posição defendida como aos argumentos apresentados. E. A automedicação é o tema central do texto. 263 Analise as afirmações sobre os elementos que estabelecem relações entre os segmentos do texto de Medeiros. Marque a alternativa FALSA. A. Diante desse quadro (2º parág.) equivale a “entretanto”, porque ambos estabelecem relação de conclusão. B. Já que (1º parág.) introduz uma justificativa para a afirmação contida na frase anterior. C. Sem que (2º parág.) exclui um fato que poderia constituir um argumento contrário à afirmação anterior. D. Ou (2º parág.) marca relação de alternância (e/ou). E. Com isso (3º parág.) retoma a palavra bomba, evitando sua repetição.

Nem os animais de estimação estão livres dos males causados

4) Ordene o conjunto de enunciados pelo víciocoerentemente de seus donos: a Faculdade de Medicina Veterinária a seguir, Fumo também na Gazeta do Povo (17/0 da passivo USP pesquisou a mata, relação publicado entre tabagismo e doenças respiratórias de cães e gatos e concluiu que eles sofrem das

mesmas doenças decorrentes do fumo passivo – como I. Nem os animais de estimação estão livres doscâncer, males causado bronquite, asma e crise alérgica – que acometem seres Faculdade de Medicina Veterinária da USP pesquisou a relaçã humanos. respiratórias de cães e gatos tanto e concluiu que eles das me II. A faixa etária mais atingida, em homens quantosofrem em fumomulheres, passivo – como câncer, bronquite, asma e crise alér é de 65 anos ou mais. III. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) indicam a humanos. à fumaça cigarro alheio como terceira causa de em mulh II. A exposição faixa etária maisdoatingida, tanto emahomens quanto morte evitável no mundo, atrás apenas do próprio tabagismo III. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) eindicam a e do alcoolismo. alheio como a do terceira causaque de2,9% morte mundo, atrás a IV. A pesquisa Inca revela dasevitável mortes no cérebrodo alcoolismo. vasculares podem ser atribuídas à exposição passiva à fumaça tabaco. IV. Adopesquisa do Inca revela que 2,9% das mortes cérebro-vasc V. De acordo com oàInstituto do Câncer (Inca), sete exposição passiva fumaçaNacional do tabaco. pessoas morrem dia no Brasil por estarem expostas ao sete pes V. De acordo com por o Instituto Nacional do Câncer (Inca), fumo passivo. por estarem expostas ao fumo VI. Nas doenças isquêmicas, a taxa passivo. é de 2,5%. O fumo passivo VI. Nas doenças a das taxamortes é de por 2,5%. O de fumo passiv é apontado comoisquêmicas, causa de 0,7% câncer Entre ospor fumantes passivos, as mulheres morrem até 0,7%pulmão. das mortes câncer de pulmão. Entre os fumantes pass vezes maisque que os três três vezes mais oshomens. homens. A. IV, II, II, III, III, VI VI A) V,V,I,I,IV, B. III, V, IV, VI, II, I B) III, V, IV, VI, II, C. V, III, I, VI, IV, III C) V, III,I, I,V,VI, II D. III, VI, IV, IV, II D) III, E. N.I,D.V, A. VI, IV, II E) N. D. A. 265 Analise as charges e indique a alternativa que contém uma afirmação FALSA:

5) Analise as charges e indique a alternativa que contém uma afi Charge 1

Charge 1

Charge 2

Linguagens, Códigos E SUAS TECNOLOGIAS

A. B. C. D. E.

O título não expressa o tema do texto. O título, além de expressar o tema tratado, é sugestivo, atraente. Levando em conta as características predominantes, o texto lido se identifica como artigo de opinião. Considerando que o texto foi publicado em uma revista, ele pertence ao grupo das reportagens. II e IV são verdadeiras. I e IV são verdadeiras. I e III são verdadeiras. II e III são verdadeiras. Apenas I é verdadeira.

I.

Charge 2

Fonte: www.amarildo.com.br. Acesso em 21/09/09. Fonte: www.amarildo.com.br. Acesso em 21/09/09.

A) A temática que gerou ambas as charges é a mesma. B) Para a compreensão das charges 1 e 2, o leitor prec conhecimentos sobre a existência de uma gripe em particular. C) O enunciado da charge 1, eventualmente, poderia ser us


c) 5m. b) 4,5m. a) 5,5m. e) 6m. d) 4m. c) 5m. b) 4,5m. Uma estação E, de produção de energia elétrica,e)e 6m. uma fábrica F estão situadas nas margens d) 4m. MATEMÁTICA 51 c) 5m. ostas de um rio de largura Para fornecer energia a F, dois fios elétricosLETRA: a ligamDa E, um por terra e) 6m. d) 4m.conforme a figura. Supondo-se que o preço do metro do fio de ligação por utro por água, LETRA: 311 Uma estação E, de produção de energia elétrica, e umaDfábrica 314 (Uesb-BA) Uma escuna, navegando em linha reta pela Baía de e) 6m. ra é R$ 12,00 e que o metro do fio de ligação pela água éPara R$ for30,00,Todos o04.Uesb-BA custo total, passa, em reais, dos navegando F estão situadas nas margens opostas de um rio de largura os Santos, sucessivamente, pelos pontosem M, Nlinha e P. Umreta pela Uma escuna, LETRA: D quando está em M, localiza e constata que o quando e s utilizadosnecer é: energia a F, dois fios elétricos a ligam a E, um por terra e outro observador, sucessivamente, pelos pontos M,oNfarol e P.F Um observador, por água,Dconforme a figura. mede 30°. Após em navegar 8 milhas atépela o ponto N, verifica 04.Uesb-BA Umaângulo escuna, navegando linha reta deatéTodos LETRA: que FMP o ângulo FMP mede 30°. Após navegar 8Baía milhas o pontoosN que opontos ângulo FNP mede 75°. Com base nessasquando informações, pode-se sucessivamente, pelos M, N e P. Um observador, está em M, localiza base nessas informações, afirmar quea:a passa, distância doo f 04.Uesb-BA Uma escuna, navegando afirmar emCom linha reta pela Baía de pode-se Todos os Santos, que aApós distância do farol ponto N, em é igual 28000 que o ângulo FMP mede 30°. navegar 8ao milhas até o milhas, ponto N, verifica que o ângul sucessivamente, pelos pontos M, N e P. Um observador, quando está em M, localiza o farol F e constata Com linha base nessaspela informações, afirmar que distância do farol ao ponto 04.Uesb-BA Uma que escuna, navegando Baía depode-se os Santos, 24000 √2 . até b)verifica 4√2 . a c) 2√2 . 75°.N, em dm o ângulo FMP medeem 30°. Após reta navegarA. 8a)milhas oTodos ponto N, quepassa, o ângulo FNP mede sucessivamente, pelos pontos M, N einformações, P. Um observador, quando está em M, localiza o farol Fponto e constata pode-se afirmar a distância N, em milhas, é igual a: 15800 Uma escuna, navegando Com em base linhanessas reta pela Baía Todos osb)que Santos, passa,do farolc)ao2√2 B. √2 . de até 4√2 . . e que o ângulo FMP mede 30°. Após navegara)8 milhas o ponto N, verifica que o ângulo FNP mede 75°. d) 5√2 . LETRA: Bconstata ente, pelos pontos M, N e P. Um observador, quando está em M, localiza o farol F e 18600 Com base nessas informações, pode-se afirmar que a distância do farol ao ponto N, em milhas, é igual a: QUESTÕES DO CADERNO TOP C. c) 2√2 . a) 8√2milhas . b) N, 4√2 . d) 5√2 . e) 3√2 . o FMP mede 30°. Após navegar até o ponto verifica LETRA: B que o ângulo FNP mede 75°. 25000 essas informações, pode-se afirmar que a distância do farol ao ponto N, em milhas, é igual a: a) Uma √2 . estação E, de LETRA: b) 4√2de c) 2√2 . F estão D. d) 5√2 e) 3√2 . 01. produção fábrica situadas nas. margens B. energia elétrica, e uma 0 fios elétricos a ligam a E, um por terra opostas de um rio de largura Para fornecer energia a F, dois • o ângulo meded)120 E. e) 3√2 . b) 4√2 . água, conforme c) 2√2 ABC . 5√2; .e eLETRA: outro por B a figura. Supondo-se que o preço do metro do fio de ligação por

• o segmento CD é perpendicular aos segmentos AD e BC.

05.UFMG. Estafigura figura representa o quadrilátero ABCD. terra é R$ 12,00 e que o metro do fio de ligação pela água é R$ 30,00, o custo total, em reais, dos 315 (UFMG) representa Então, é correto afirmar queterra o comprimento do Esta segmento BD é: o quadrilátero ABCD. fios utilizados é: Supondo-se que o preço do metro do fio de ligação por é R$ 12,00 e que o metro do fio de ligação pela água é R$ 30,00, o custo Dois terrenos, T e T , têm frentes para a rua R e fundos para a rua S, como mostra a figura. O lado em1 reais,2 dos fios utilizados é: a)total, 28000 a) √3 cm. b) √6 /3 cm. c) √5/2 cm.. d) √2 cm. e) 3√2 cm. do terrenoA. T1 mede 28000 30m e é paralelo ao lado DE do terreno T 2. A frente AC do terreno T 1 mede 50m e b) 24000 undo BD doB. terreno 24000T 2 mede 35m. Ao lado do terreno T 2 há um outro terreno, T3, com frente para a rua c)C. 1580015800 na forma de um setor circular de centro LETRA: A E e raio ED. d)D. 1860018600 e)E. 2500025000

RA: A

06. Rosa é professora de História e colecionadora de filmes clássicos. Com a diretora da escola em que

312 Dois terrenos, T1 e T2, têm frentes para a rua R e fundos para que: trabalha, está planejando a construção deSabe-se um anfiteatro equipado0 com um projetor de filmes antigo que a rua A S, como mostra a figura. O lado BC do terreno T1 mede 30m e LETRA: ângulo ABC mede 120 ; e • • oAB = 1 cm e AD = 2 cm; ainda rode películas de acetato. O arquiteto responsável lhes avisou que,aos para que alguéme BC. sentado na é paralelo ao lado DE do terreno T2. A frente AC do terreno T1 mede 0 • oosegmento CD é perpendicular segmentos AD • 05.UFMG. ângulo ABC mede 120 ;e 0 Esta figura representa o quadrilátero ABCD. • o ângulo ABC mede 120 ; e 50m e oterrenos, fundo BD T mede 35m. Ao lado do terreno T2 há eprimeira Tterreno , têm frentes para a rua R e fundos para a rua S, como mostra a figura. O lado 02. Dois T1do 2 2 fileira do anfiteatro possa assistir às projeções, a distância espectador • confortavelmente o segmento CD éafirmar perpendicular aos segmentos ADsegmento eentre BC. o BD Então, é correto que o comprimento do é: Sabe-se que: • odesegmento édoperpendicular aos segmentos AD e BC. umdooutro terreno, T3, 30m com efrente para ao a rua nado forma um é paralelo ladoZ,DE terreno T . Asetor frenteCD AC terreno T 1 mede 50m e o comprimento BC terreno T1 mede 0 2mesma Então, é correto afirmar que do segmento BD é: um pouco e 05.UFMG. Esta figura representa o quadrilátero ABCD. e o telão deve ter, no mínimo, a metragem que a altura da imagem. Rosa pesquisou • o ângulo ABC mede 120 ; e • AB 1que cm AD a=rua 2 cm; há um outro terreno, T3= , com frente para o circular fundo BD terreno dedo centro E eTraio ED.35m. Ao lado do terreno T 2 Então, é correto afirmar oecomprimento do segmento BD é: 2 mede a) √3 cm.AD e BC. b) √6 /3 cm. c) √5/2 cm.. d) √2 cm. oque: segmento é perpendicular aos A. segmentos Z, na forma de um setor circular de• centro e raioCD ED. descobriu 0Efigura 05.UFMG. Esta representa o quadrilátero ABCD.

• o ângulo ABC mede 120 ;éecorreto afirmar que o comprimento do segmento BD é: Então, a) √3 cm. c) √5/2 cm.. B. b) √6 /3 cm.

• oEsta segmento CD é perpendicular aos segmentos AD e BC. LETRA: A 05.UFMG. figura • o ângulo ABC mede 1200; erepresenta o quadrilátero ABCD.

Então, é correto afirmar que o comprimento do segmentoC. BDc)é:√5/2 cm.. • o anfiteatro 12m deLETRA: comprimento; a) √3 cm.tem √6 /3 cm. A • o segmento CD é perpendicular aos segmentos AD eb)BC.

d) √2 cm.

d) √2 cm.

e) 3√2 cm.

e) 3√2 cm.

sta figura representa ABCD. perímetro do terreno oTquadrilátero 06. Rosa é professora Históriada e colecionadora deestá filmesdentro clássicos.dele; Com a d 3 é • um projetor funciona criando imagens proporcionais a umdequadro película que Então, é correto afirmar que o comprimento do segmento BD é: a) √3 cm.

b) √6 /3 cm.

c) √5/2 cm..

D. d) √2 cm.

e) 3√2 cm.

trabalha, está planejando a construção de um anfiteatro equipado um p LETRA: tradicional A 06.um Rosa é professora de30 História e colecionadora de filmes clássicos. Com a diretora da com escola em • o tamanho de projetor é de cm; rode películas de acetato. O arquiteto responsável lhes avisou que,ant par a) √3 cm. b) √6 /3 cm. c) √5/2 cm.. d) √2 cm. e) 3√2 cm. E. ainda trabalha, está planejando a construção de um anfiteatro equipado com um projetor de filmes a) 15 (3 + )m LETRA: A • um quadro película de mede aproximadamente 5cmdo deanfiteatro altura; primeira assistir projeções, a 06. Rosada é professora História colecionadora de fileira filmes clássicos. Compossa a diretora daconfortavelmente escola empara quequeàs ainda rodeepelículas de acetato. O arquiteto responsável lhes avisou que, alguém sentad Sabe-se que: b) 15 (6 + )m • cada fileira deestá cadeiras, incluindo o espaço para as pernas do espectador sentado, ocupa 50 cm de larg e o telão deve ter, no mínimo, a mesma metragem que a altura da imagem. 316 Rosa é professora de História e colecionadora de filmes clássitrabalha, planejando a construção de um anfiteatro equipado com um projetor de filmes antigo que LETRA: A primeira fileira do anfiteatro possa assistir confortavelmente às projeções, a distância entre o espR

de História e colecionadora de filmes clássicos. Com aque: diretora da quetrabalha, está planejando a AB = a1 diretora cm e AD = 2escola cm; cos.• responsável Com da escola emem que c) 14 (6 + )m 06. Rosa é professoraainda rode películas deeacetato. O arquiteto lhes avisou que, para alguém sentadoRosa na pesquisou um p oanfiteatro telão deve ter, nodescobriu mínimo, aprojetor mesma metragem que aque altura da imagem. Sabe-se que: trabalha, está planejando a construção de um equipado com um de filmes antigo que O perímetro do terreno T3 é construção de um anfiteatro equipado com um entre projetor de filmes anprimeira fileira do anfiteatro possa assistir confortavelmente às projeções, a distância o espectador d) 20 06.(6 Rosa+é)m professora de História e colecionadora de filmes clássicos. Com a diretora da escola em que descobriu que: Então, Rosa fez a seguinte planta: • AB = 1 cm e AD = 2 cm; ainda rode películas acetato. O arquiteto responsável lhestigo avisou que, para que alguém sentado na arquiteto responsável lhes que ainda películas de acetato. O perímetro do terreno T3 é de • ode anfiteatro tem 12m de comprimento; eque: ode telão deve ter, noequipado mínimo,com a mesma metragem querode a altura da imagem. RosaOpesquisou um pouco e trabalha, planejando aSabe-se construção umpossa anfiteatro um projetor filmes antigo que e) 15 (4A. + está )m avisou que,projetor para quefunciona alguém sentado na primeira fileira do anfiteatro 15 (3 .primeira (3++)m π) m fileira assistir confortavelmente às projeções, a distância entre o espectador • ABdo=anfiteatro 1 descobriu cm e AD = 2 cm; a) 15 • um criando imagens proporcionais a um quadro da pelí que:

MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS

aindaSabe-se rode películas de O no arquiteto responsável lhes•avisou que, para que alguém sentado na o anfiteatro tem 12m de comprimento; possa assistir confortavelmente às projeções, entre o espeB. 15 (6 .que: π) acetato. mdeve ter, e(6o++ telão mínimo, a mesmadescobriu metragem que a altura da Rosa pesquisou e aédistância b) 15 )m Após alguns cálculos, que: •imagem. ocriando tamanho tradicional deum umpouco projetor de 30 da cm;película que está dentro primeira fileira do anfiteatro possa assistir confortavelmente às projeções, a distância entre o espectador • um projetor funciona imagens proporcionais a um quadro ctador e o telão deve ter, no mínimo, a mesma metragem que a altura C. 14 . (6 + π) m 1 (6 cm AD =que: 2 cm; descobriu TRA: B • AB c) =14 +e)m • um quadro da película mede aproximadamente • ometragem anfiteatro tema 12m comprimento; e: as recomendações do arquiteto, colocar 10 fileiras de cadeiras. e o telão mínimo, a mesma que altura imagem. Rosa pesquisou um pouco da imagem. Rosa pesquisou pouco e descobriu que: 5cm de altura; D. d)deve 20 ter, . (6+no +)m π) m a) respeitando •de oda tamanho tradicional depoderia um projetor é edeum 30 cm; 20 (6 •ocada fileira de cadeiras, incluindo oque espaço para as dele; pernas do espectador um fileiras projetor funciona proporcionais a tem um quadro película está dentro e AD =descobriu 2 cm; anfiteatro 12m deda comprimento; E. e) que: 15 (4 . (4++)m π) m b) cabem• 12 •criando um quadro da• película mede aproximadamente 5cm de altura; 15 de cadeiras noimagens teatro. • o anfiteatro 12mde de lazer comprimento; Em uma residência, há umatem área com uma piscina redonda de 5m de diâmetro. Nessa área há • o tamanho tradicional de um projetor é de 30 cm; • um projetor funciona criando imagens proporcionais a um ocupa 50 cm • cada fileira de oque para as pernas espectador • um projetor funciona criando imagens proporcionais a um quadro daincluindo película está dentro dele; c) pode colocar 16 fileiras de cadeiras e cadeiras, o espaço entre aaespaço primeira fileira e do o telão serásentado, o dobro do reco Então, Rosa fez seguinte planta: quadro da película que está dentro dele; 313 Em uma residência, há uma área de lazer com uma piscina re• um quadro da película mede aproximadamente 5cm de altura; • oLETRA: anfiteatro 12m de coqueiro, representado nacomprimento; figura pordeum ponto Q. a distância de Q (coqueiro) ao ponto de tangência B tem • ode tamanho tradicional um projetor é deSe 30 cm; • o tamanho tradicional de um projetor é de 30 cm; donda de 5m diâmetro. pelo arquiteto. • cada de cadeiras, incluindo o espaço para asdentro pernasdele; do espectador sentado, ocupa 50 cm de largura. • um projetor criando proporcionais a um quadro da de película que está Rosa fez a seguinte planta: da piscina) é 6m, funciona a• distância dimagens = QP, dofileira coqueiro àEntão, piscina, é: um quadro da película mede aproximadamente 5cm altura; • Após um quadro películadescobriu mede aproximadamente 5cm de altura; alguns da cálculos, que:do arquiteto. d) poderá colocar 20 fileiras de cadeiras, respeitando as recomendações • o tamanho tradicional de um projetor é de 30 cm; • cada fileira de cadeiras, incluindo o espaço para as pernas • do espectador sentado, ocupaincluindo 50 cm dedo cada fileira deas cadeiras, olargura. espaço parapoderia as pernas do 10 fileiras d a) respeitando recomendações arquiteto, colocar Então, Rosa fez a seguinte planta: • um quadro da película mede aproximadamente 5cmprojetada de altura; Após alguns descobriu e) a altura da imagem serácálculos, maior do que aque: parede do anfiteatro. espectador sentado, ocupa 50 cm de largura. b) cabem 12 fileiras de cadeiras no teatro. cadeiras, incluindo o espaço para as pernasa) dorespeitando espectador as sentado, ocupa cmarquiteto, de largura. 5,5m. • cada fileira deEntão, recomendações do poderia colocar 10 fileiras de cadeiras. Então, Rosa fez 50 a seguinte planta: Rosa fez a seguinte planta: c) cadeiras pode colocar 16 fileiras de cadeiras e o espaço entre a primeira fileira e Após alguns cálculos, descobriu que: b) cabem 12 fileiras de no teatro. 4,5m. pelopoderia arquiteto. a) respeitando as recomendações do arquiteto, colocar fileirasentre de cadeiras. Então, Rosa fez Após a seguinte planta: c) pode colocar 16 fileiras de cadeiras e o10espaço a primeira fileira e o telão será o dobro alguns cálculos, descobriu que: d) poderá colocar 20 fileiras de cadeiras, respeitando as recomendações do b) cabem 12 fileiras de pelo cadeiras no teatro. 5m. LETRA: D arquiteto. a) respeitando as recomendações do arquiteto, poderia colocar 10 fileiras de cadeiras. e) a altura que ado parede do anfiteatro. c) pode colocar 16 fileiras de cadeiras e o espaço entredaa imagem primeiraprojetada fileira e oserá telãomaior será do o dobro recomendado descobriu que:de 4m. Após alguns cálculos, b) cabem 12 fileiras cadeiras no teatro. d) poderá colocar 20 fileiras de cadeiras, respeitando as recomendações do arquiteto. pelo arquiteto. a) respeitando as arquiteto, poderia colocar 10entre fileiras de cadeiras. e) a altura da projetada dodobro que ado parede do anfiteatro. c) recomendações pode colocar 16do fileiras de cadeiras eo espaço a imagem primeira fileira e oserá telãomaior será o recomendado d) poderá colocar 20 fileiras de cadeiras, respeitando as recomendações do arquiteto. 6m. b) cabem 12 fileiras cadeiras no teatro. pelode arquiteto. LETRA: e)eaoaltura daentre imagem projetada seráemaior doserá que oD a dobro parededo dorecomendado anfiteatro. c) pode colocar d) 16poderá fileiras colocar de cadeiras espaço arespeitando primeira fileira o telão 20 fileiras de cadeiras, as recomendações do arquiteto. pelo arquiteto. e) a altura07.Segundo a NBR-9.050 (Norma Brasileira de Acessibilidade – n-o 9.050), a inclinação das rampas de LETRA: D da imagem projetada será maior do que a parede do anfiteatro. TRA: D d) poderá colocar 20 fileiras de cadeiras, respeitando asdeve recomendações do arquiteto. acesso aos deficientes ser calculada segundo a equação Nessa área há um coqueiro, representado figura por um ponto Q. D naque e) a Se altura da imagem projetada seráLETRA: maior do a parede do anfiteatro. a distância de Q (coqueiro) ao ponto de tangência T (da piscina) é a NBR-9.050 Após 07.Segundo alguns cálculos, descobriu(Norma que: Brasileira de Acessibilidade – n-o 9.050), a 6m, a distância d = QP, do coqueiro à piscina, é: LETRA: D acesso aos deficientes deve ser calculada a equação , em que: A. respeitando as recomendações do arquiteto, colocar 10 07.Segundo a NBR-9.050 (Norma Brasileira de Acessibilidade –segundo n-opoderia 9.050), a inclinação das ramp

5,5m.escuna, navegando em linha reta pela Baía de Todos os Santos, passa, Uesb-BAA. Uma fileiras de calculada cadeiras. segundo a equação LETRA: B. D 4,5m. acesso quando aos deficientes deve cessivamente, pelos pontos M, N 07.Segundo e P. Um aobservador, emser M,fileiras localiza o farol F e constata B. está 12 no teatro. que: de NBR-9.050 (Norma Brasileira decabem Acessibilidade –de n-ocadeiras 9.050), a inclinação das, em rampas C. 5m. C. pode colocar 16 fileiras de cadeiras e mede o espaço75°. entre a primeira e o ânguloD. FMP 8 milhasdeve atéser o calculada ponto N, verifica que o ângulo FNP acesso aos deficientes segundo a equação 4m.mede 30°. Após navegar , em que: 07.Segundo (Norma em Brasileira Acessibilidade – n-ofileira inclinação rampas de • ai NBR-9.050 épode-se a inclinação, porcentagem; oa telão será odas dobro do recomendado pelo arquiteto. E. 6m. m base nessas informações, afirmar que adedistância do farol9.050), aoe ponto N, em milhas, é igual a: acesso aos•deficientes deve ser calculada segundo a equação D. poderá colocar 20 fileiras de cadeiras, respeitando as recomen• i é a inclinação, em porcentagem; h é a altura do desnível; , em que: 07.Segundo a NBR-9.050 (Norma Brasileira de Acessibilidade – n-o 9.050), a inclinação dasdorampas de dações arquiteto. •sobre h é a altura do desnível; deve segundo c) a equação •. ser c écalculada o comprimento da projeção da rampa horizontal. •. , iem é aque: inclinação, em5√2 porcentagem; E. a altura imagem projetada será maior do que a parede do √2 . acesso aos deficientes b) 4√2 2√2 d) . a da e) 3√2 . • anfiteatro. c é o comprimento da projeção da rampa sobre a horizontal. • hessa é a altura do desnível; Para desníveis de até 1,5 m, norma estabelece rampas de, no máximo, 5% de inclinação. Para desníveis até 1,5 m, aessa norma estabelece rampas de, no máximo • i é a inclinação, , em que: em porcentagem; • c é o comprimento da projeção da de rampa sobre horizontal. TRA: B • h é a altura do desnível; Para desníveis de até 1,5 m, essa norma estabelece rampas de, no máximo, 5% de inclinação.

• i é a inclinação, em porcentagem; • c é o comprimento da projeção da rampa sobre a horizontal. • h é a altura do desnível; Para desníveis de até 1,5 m, essa norma estabelece rampas de, no máximo, 5% de inclinação. • i é a inclinação, em porcentagem; • c é o comprimento da projeção da rampa sobre a horizontal. • h é a altura do desnível;


Caderno de Páscoa