Page 1

Cultura no Mundo Cultura en el Mundo Edição inaugural ’ Edición inaugural

ial Espec

o n a u El ag fuego. el a g a ap se o g e El fu so lo. a apag Literatura Cine e Video Teatro Artes Plásticas Dança Musica Jornalismo Julho 2014 ’ Julio 2014

-1Revista bilingüe (Português-Español)


Número 01 • Julio 2014 Cultura no Mundo

Cultura en el Mundo

Uma publicação independente destinada aos amantes e protetores das expressões artísticas culturais espalhadas pelo mundo.

Una publicación independiente para los amantes y protectores de expresiones artísticas culturales en todo el mundo.

IDEALIZADORES

Jorge Marques da Silva (Brasil) Carme Barba (Espanha) Isabel de la Granja (Uruguai) María José Soto (Espanha) Gloria Fuentes (México)

COLABORADORES Brasil

Simone Guerra, Nell Morato, Pandora, Renata Leal, Katia Santos, Érika Malavassi, Aline Sanchez, Diego Brum, Rodrigo Sanchez, Michely Ribeiro, Guido Boletti e Katia Santos.

México

Rubén G. Oropeza

Gestão Editorial

Mundo Produções (Brasil)

Projeto Gráfico e Diagramação

María José Soto (Espanha)

Fale conosco

revistaculturanomundo@gmail.com

Para anunciar

revistaculturanomundo@gmail.com

Literatura • Literatura

Isabel de la Granja...................................05 Carme Barba Garrido..............................08 Nell Morato...............................................10 Rubén G. Oropeza...................................12 Jorge Marques da Silva..........................13 Pandora....................................................16 Diego Brum..............................................18 Gloria Fuertes Sáenz...............................20 Simone Guerra.........................................22 Érika Malavazzi........................................24 Rodrigo Sanchez.....................................25

Cine e Video • Cine y Vídeo

Historia del cine.......................................27 Nymphomaniac........................................28 Titanic.......................................................30

Teatro • Teatro

Historia del teatro....................................33 Romeo y Julieta.......................................34

Artes Plásticas • Artes Visuales

Katia Santos.............................................37 Guido Boletti............................................38

Dança • Danza

Danza gitana............................................43 Micheli Ribeiro.........................................44

Musica • Música

Vídeos.......................................................47 Marcello Dinis..........................................48 João Galante............................................50 www.osnossosescritos.blogspot.com.br mundoproducoes65@gmail.com

Jornalismo • Periodismo

Babel.........................................................53

-2-


La Revista “Cultura en el mundo” sale al mundo en julio de 2014.

A Revista “Cultura no Mundo”chega para o mundo em Julho de 2014.

Se trata de una publicación independiente pensada y destinada para todos los amantes de la cultura pop, urbana y contemporánea, del arte en sentido amplio y de la literatura indie de autor.

Se trata de uma publicação independente criada e destinada a todos os amantes da cultura pop, arte urbana e contemporânea, no sentido mais amplo e da literatura independente.

El proyecto nació a vuelapluma entre dos continentes de la mano de Carme Barba (España), Isabel de la Granja (española en Uruguay), Gloria Fuentes (México), María José Soto (España) y Jorge Marques da Silva (Brasil), unidos por las dos lenguas ibéricas mayoritarias: español y portugués.

Este projeto foi desenvolvido entre dois continentes, pelas mãos de Carme Barba (Espanha), Isabel de La Granja (Espanhola no Uruguai), Gloria Fuentes (México), María José Soto (Espanha) e Jorge Marques da Silva (Brasil), unidos por duas línguas ibéricas majoritárias: Espanhol e Português.

El objetivo de esta publicación es promover la cultura underground e independiente esparciendo nuestra humilde semilla creativa a los cuatro vientos con el deseo de que arraigue en todos los rincones del mundo.

O objetivo desta publicação é promover a cultura underground e independente espalhando nossa humilde semente criativa aos quatro ventos com o desejo de criar raizes em todos os cantos do mundo.

En la primera edición se incluyen contenidos literarios que abarcan desde del relato breve hasta poesía, así como teatro, cine, danza, artes visuales y periodismo cultural, ya que para nosotros la cultura es el instrumento esencial para alcanzar la libertad individual y fomentar el desarrollo social. La cultura es un arma de transformación masiva, de renovación social mediante la belleza del arte, la sublimación intelectual y la revelación que se produce leyendo entre líneas.

Na primeira edição estão incluídos conteúdo literário que vão desde o conto à poesia, assim como teatro, cinema, dança, artes plásticas e jornalismo cultural, porque para nós a cultura é um instrumento essencial para conseguir a liberdade individual e promover o desenvolvimento social. A cultura é uma arma transformação de massa, de renovação social mediante a beleza da arte, a sublimação intelectual e a revelação que ocorre na leitura entre linhas.

En definitiva, Cultura en el mundo es un desafío personal que trasladamos a todos aquellos caníbales intelectuales que devoran cultura para saciar su curiosidad.

Em suma, Cultura no Mundo é um desafio pessoal que transportamos para todos os canibais intelectuais que devoram a cultura para saciar a sua curiosidade.

Os deseamos que disfrutéis leyéndola al igual que nosotros lo hemos hecho creándola.

Desejamos que desfrutem desta leitura da mesma forma que nós fizemos ao cria-la.

Isabel de la Granja -3-


Literatura

Literatura

“Luz de mi vida, fuego de mis entrañas. Pecado mío, alma mía”. Lolita, Vladimir Nabokov

-4-


© Isabel de la Granja Acecha tu aliento sobre mi nuca, se transforma en espectro inflamado, invadiendo un universo agonizante de sangre y sollozos. Sobre el desierto de mi corazón velado, tu aliento vuela y arranca en tortura, mil gemidos que descansaban intactos, agazapados. Tras tu tormenta de fuego, brasas efímeras me queman la boca, ahora sedienta, transmutando mi deseo en cenizas volátiles. Sólo cuando te apagas, consumidas ya tus llamas, siento tu aliento como el ocaso de un sol que no me pertenece. ’

Ilustración: Jaume Muñoz

-5-


Literatura

Literatura

© Isabel de la Granja

L

levo quince días sin salir. Los amigos que me quedaban se cansaron de zarandearme para intentar hacerme hablar o entrar en razón. No saben que la razón es lo único que me queda. Perdí mi trabajo, va para tres años. No lo perdí, me lo robaron. Me lo arrebató este país de tráfico de malas influencias que con implacable indolencia fue devorando mi autoestima, mi talento, mi cerebro hasta dejarme seco. Tenía un puestazo y un sueldazo en un periódico. Todo eso se acabó de la noche a la mañana. Intenté salvarme apelando a mis logros, mi nombre, mi prestigio. Todo resultó inútil. Al final, perdí el control a gritos y con él la razón

que antes me daban. Todos me dieron la espalda. Comprendí la importancia de cerrar la boca y no la volví a abrir. Tras años de austeridad y meses de silencio fui perdiendo el apetito; no pruebo bocado desde hace días. Poco importa. Las hordas invasoras han logrado doblegarme, pero no me cogerán vivo. Mi decisión es irrevocable. No soy un cobarde ni un demente, tampoco un desesperado. Soy un descreído de la vida, un agnóstico de la humanidad y un misántropo irrecuperable. No me considero mejor que el resto porque siempre he sido resto: resto de mis padres, resto de la corriente, resto de una cuenta corriente, resto de basura orgánica con autonomía para bajar la cabeza.

-6-


Masajeo mi espalda donde el sacro da forma al culo, allá donde anida la serpiente del Kundalini. No pretendo despertarla, pero sí hipnotizarla para que no me despierte a mí. Tantos años de práctica del yoga para algo me tienen que servir. Recostado entre sobados almohadones, preparo el brebaje de mi liberación: un tercio de aguarrás por dos de whisky, cuanto peor, mejor. No malgastaré mi single malt en este mólotov. ¡Que se lo beban los vivos! Apuro el vaso letal y en posición del loto me relajo. Al instante, un ardor cáustico asciende por mi esófago propagándose en todas direcciones. La sangre hierve como salsa de bote en una ebullición que me sofoca el pecho, la boca, la mente. Mi piel, mártir de esta combustión despiadada, emite vapores azules sudando mi aura sacrílegamente inmolada. El dolor es tan intenso que me satisface. Llamas anaranjadas rasgan mis músculos dejando

a la vista tendones, carne y vísceras que se esparcen derretidos por mi cama hecha una pira. Al borde de la inconsciencia, distingo algo que se arrastra acercándose. Una serpiente de nieve con su lengua gélida y afilada se alza ante mí mirándome con enormes ojos negros. Me reflejo en ellos, no me reconozco: soy una masa incandescente de rasgos indefinidos, soy viento sucio, soy agua contaminada, soy barro que explota en infinitas moléculas de luz apolillada, soy... Grito abandonándome definitivamente. Tardaron casi una hora en sofocar la hoguera de su cuarto convertido en una cueva de hollín. Los bomberos localizaron el foco del incendio en la cama, aunque fueron incapaces de identificar la causa. No quedaron restos que analizar. Sólo la columna vertebral de la víctima enrollada sobre sí misma como una serpiente resplandeciente, cegadora, blanquísima.’

Semblanza - Isabel de la Granja

P

refiero Delagranja como marca literaria. Soy filóloga de carrera, periodista de oficio, guionista ocasional, bloggera a intervalos y micronarradora a tiempo completo. Quedé felizmente finalista y ganadora de algunos concursos de narrativa breve: El pecado del alma en Los Siete pecados capitales de Defoto, Mapa de piel para Moleskin 2012, Me perdí en mi ciudad para Kallejeando 2013 o Desvirgada en Fracasarte 2014. Y gracias a eso, sigo en la brecha porque creo que quien siembra letras, cosecha relatos. Deseo que cada año mi cosecha sea mejor, mayor y sin barbechos.

http://about.me/delagranja

-7-


Literatura

Literatura

© Carme Barba Garrido

H

acía tiempo que apuraba las noches porque era el único momento del día en el que realmente se sentía libre. Podía mostrase tal como era, a veces hasta adoptar personalidades ficticias que le permitían hacer realidad sus pecaminosos deseos bajo la débil cobertura del engaño.

Ilustración: Leonardo López Zárate

No la entendían pero le daba igual, o eso creía, pues últimamente reconocía

que estaba pagando un precio muy alto para mantener a flote su ardorosa excentricidad. Renunciar a su vida, a su hogar, a su profesión, a él… Entonces se dio cuenta de la presencia del joven que seguía durmiendo en la habitación. Era un espécimen bello y moreno, como la mayoría de los que acababan en su cama conquistados por su perturbadora e inestable personalidad. No significaba nada para ella, al igual que el resto, pero necesitaba compañía y el ardor en su entrepierna y la nostalgia de lo que había perdido en su impulsiva huida la quemaban en soledad. Y cuando pensaba en él, todavía se sentía más sola. Tenía admiradores, muchos, pero añoraba sus palabras, la forma de hablarle y por encima de todo, su capacidad de entenderla. Su indecisión para el compromiso había sido la causa de haberle perdido. Con lágrimas en los ojos contempló la transparencia cristalina de la botella y cómo el calor derretía el hielo que la envolvía, resbalando al igual que sus lágrimas lo hacían por sus mejillas. Debía evitar a toda costa que el frío se evaporara pues aquella botella y su contenido eran los únicos que la ayudaban a mitigar el ardor que la quemaba viva.

-8-


Estuvo tentada de volver a la cama y ocultarse entre las sábanas pero se había prometido ganar a la melancolía. No quería renunciar a la posibilidad de volver a ser feliz. Tenía resaca. La noche anterior se había excedido con la bebida. Casi no recordaba nada aunque diminutos granos de arena en su pubis atestiguaban un revolcón en la playa. Se había acostumbrado a este ritual antes de llegar a la cama. El sol empezó a brillar con fuerza. Los ojos le escocían por la falta de sueño y el sudor empezó a resbalarle por la piel. Bebió directamente de la botella y acercó el helado cristal al escote, pero el tequila no apagó el fuego sino que lo avivó y la encabritó todavía más al recordar que por él, se había saltado su único y vital principio: nunca te enamores. ’

Autor: Leonardo López Zárate Oaxaca (México) www.facebook.com/leonardo.lopezzarate

Carme Barba Garrido

C

arme Barba Garrido es Ingeniera técnica industrial y Ergónoma laboral en la Inspección de Trabajo de Cataluña en Barcelona, España. Una experiencia cara a cara con el cáncer avivó sus letras llevando su texto “Despertar” hasta la final del Certamen de Relatos “Cáncer y calidad de vida” publicado por Giafys en el libro “Vivir”. Desde entonces su imaginación ha dado vida a numerosos relatos de contenido erótico. Su primera novela “Jaque mate al orgasmo nocturno” se encuentra en fase de revisión. Desde 2013 gestiona y administra un espacio web en el que publica sus relatos y los de otros autores invitados, todos ellos con creaciones del género erótico.

http://www.erotica-carmebarba.es

-9-


Literatura

Literatura

© Nell Morato

010 DESEJOS Ouço a música... Suave e envolvente... Sigo em passos lentos... Acompanhando a música... A porta aberta em frente... Convida-me a entrar... A inebriante música... Está naquele cômodo... Caminho lentamente... Meus olhos a te procurar... Vejo-te em pé a olhar-me... Descalço e com vestes negras. Lábios entreabertos... E lindos cabelos negros revoltos. Encantada vou ao teu encontro... Em passos lentos... Teus olhos esfomeados desviam-se para meu corpo. Enfim... Próxima estou e o perfume da tua pele eu sinto, Passo a língua pelos meus lábios... O desejo latejante Minhas mãos acariciam teu rosto... Exigentes e firmes

- 10 -


Meu corpo se junta ao teu... Meus dedos nos teus cabelos Descendo até os ombros e suavemente vou levando-te... Para a parede, encostando-te para se entregar ao prazer... Puxa meu rosto, teus lábios tocam minha boca, mas sem beijar. Tua língua acaricia meus lábios provocando... Instigando... Para finalmente invadir e subjuga-la por inteiro... E eu... Vou me perder no beijo molhado e sôfrego... Exigente. Minhas mãos rasgam as tuas roupas numa urgência desenfreada... E como uma serpente esfrego-me em teu corpo ardente... As mãos possuindo as costas da cintura até a nuca... Agarrada nos lindos e perfumados cabelos negros... E com um doce gemido de prazer tu arrancas as minhas roupas... Enquanto gira o corpo deixando-me presa à parede... Puxando-me pelos cabelos, beija-me e ama-me... E juntos encontramos o paraíso... E deslizamos para o chão... Enquanto a música suave embala nossos sonhos... ’

Nell Morato

N

ell Morato, escritora brasileira, residente no Estado do Rio Grande do Sul, na cidade de Porto Alegre, a linda capital dos gaúchos, fundada pelos açoreanos. Fabricante de bijuterias artesanais para lojas especializadas. Decidiu encerrar a empresa e dedicar-se exclusivamente à literatura. Iniciou com um romance, depois passou a escrever contos, crônicas e poesias. Participou do Concurso Cartas de Amor, da Papel D’Arroz Editora, e sua carta participa da coletânea a ser lançada em breve; Participou do Concurso de Contos de Sedução, da Pastelaria Estúdios Editora, e o conto foi selecionado para a coletânea “Seduz-me” a ser lançada em breve; Uma de suas poesias publicadas no grupo “Poesias na Pastelaria”, foi selecionada para ser incluída num audiobook, que será lançado em breve; Revisora de textos para outros escritores brasileiros. O tema preferido de seus escritos é o amor, abrangendo todos os sentimentos que envolvem os seres humanos e suas vidas no dia a dia. No momento, é jurada convidada de um concurso literário de contos em Lisboa, Portugal, na Papel D’Arroz Editora.

- 11 -

www.facebook.com/Nell.Morato www.facebook.com/ensaiosluademel https://plus.google.com/u/0/+NellMorato10/posts @moratonell


Literatura

Literatura

© Rubén G. Oropeza

E

l viento sopló impetuoso anunciando tu llegada. De pronto, el sonido del silencio rompió el sonido mismo. Siento cómo la atmósfera se enrarece y cambia tornándose más densa, más pesada. Me estremezco.

fantasía. Se desintegran mis esperanzas, precipitándose en el inframundo. Todo se funde en un extraño sueño ancestral. Mórbida, la vorágine estelar absorbe al macrocosmos. Te vas despacio. Ahora el viento, que se ha vuelto helado, sopla suavemente anunciando tu retirada. ’ (en memoria de Nagasaki, 5 de agosto de 1945)

Mis ojos sangran, mi piel arde y se reseca, todo mi cuerpo grita su nueva sensibilidad insoportable y lastimosa. Mi realidad comienza a cambiar, vertiginosa e implacable. El viento se ha vuelto ardiente y una presencia de muerte invade la Tierra. El averno y el cielo se funden hasta crear una dimensión incolora que transporta mi conciencia al abismo del subconsciente inmortal, devorando mi

Rubén G. Oropeza

D

edicado a las ventas y gestiones jurídicas durante un tiempo, un día su vida dio un giro inesperado. Hoy ejerce como terapeuta de emociones mediante la vía del Tarot. Aunque es prácticamente invidente, desde hace pocos años ha complementado su actividad profesional con la escritura. Es autor de relatos de misterio y humor negro así como de cuentos infantiles, aunque también cultiva la literatura erótica en una manera original y, para algunos, extrema.

- 12 -


© Jorge Marques da Silva “Um dia no passado, uma carta foi escrita por um coração que ainda amava. A carta nunca foi lida, foi rasgada antes de se aconchegar nas mãos de sua da amada. As lembranças acordaram e os alfarrábios empoeirados pelo tempo encontrados. Partes se perderam mas um coração apaixonado a reescreveu.”

A certeza. Nosso amor é puro. Certeza de um novo amanhecer...

Querida amada. Acordei chorando. A frase retumbava na minha cabeça. A cena rasgava meu coração. Parecia que era real. O dia, a escada, você na minha frente. Maldito dia. Maldito momento. Maldita frase. Nunca mais...Nunca mais...Nunca mais. O tempo passou. Meu coração sangra. Preciso lhe falar. Não me deixaram. Não me permitiram Mas ainda tenho mãos para escrever. E agora lhe escrevo. Com uma lágrima nos olhos e as mãos tremulas. Ei sei, meu coração manda...vou conseguir Fecho os olhos e sinto...agora vai. Vou lembrando A chegada. Seu olhar. Seu sorriso. Seu doce abraço. Seu terno beijo. O anoitecer. As estrelas. O aconchego de seus braços. O fim da noite

Preciso te ver Preciso te encontrar. Preciso te falar. Lugar qualquer. Hora qualquer. Dia qualquer. Tempo qualquer. Chuva ou sol. Dia ou noite. Frio ou calor. Não importa. Ficarei esperando. Não esqueci nosso amor Até tentei...Tentei desesperadamente. Mas não consegui. Te quero. Te desejo. Te amo, e sempre te amarei. Se o tempo passar. O destino me tolher. Meu amor não morrera. Lhe guardarei no coração. E se não me for permitido vê-la novamente. Então peço somente. Me deixem morrer... ’

- 13 -


Literatura

Literatura

© Jorge Marques da Silva

Espada em punho. A luta é árdua. Não desiste. O suor escorre. O corpo cansa. Nada mais importa. Vencer ou perder. Ao fim chegara. Como não sabe. Desistir jamais. Encontra forças. Espada ao alto. Ultima chance. Um grito ecoa. Uma espada transpassa pelo seu corpo. Dor insuportável. O corpo balança, a cabeça pende e de joelhos vai ao chão. O coração sangra, as forças se esvaem o corpo desaba. A respiração é fraca, o coração bate mais lento. O frio vem chegando, o dia vai se apagando. As brumas envolvem seu corpo, o fim está próximo. Um semblante lhe vem a frente. Ele reconhece, sabe quem é. É aquela que do sonho desistiu. Ao se lado não quis caminhar. Nos seus braços não se aconchegou. Ao medo se entregou e a sua espada cravou. - 14 -


E no ultimo suspiro, o bravo cavaleiro estende sua mão. Nela descansa uma rosa, símbolo de seu eterno amor. Seus olhos se fecham e pelos seus lábios escapa quase imperceptível uma simples frase: “Tens o meu perdão”. Seu corpo finalmente descansa em paz. Sua alma alcança campos verdejantes, floridos e lindamente iluminados. E num banco sob a sombra de um frondosa cerejeira e rodeado por lindas roseiras fica sentado esperando aquela que do sonho desistiu e ao medo se entregou. O verdadeiro amor ultrapassa os limites do tempo e do espaço. Ilumina nossas almas. Nos transforma. Nos purifica. E mesmo quando sofremos nos ensina o perdão. E quando o fim chega o levamos para a eternidade. E em paz esperamos o momento de abraça-lo novamente. ’

Jorge Marques da Silva

N

ascido em São Paulo, vive atualmente com seus filhos em Betim, Minas Gerais. Mantém desde jovem o gosto por uma boa leitura e uma boa música. Um pouco sóbrio, um pouco sonhador. Divertido sempre, sério quando preciso. Amante da vida como ela é, sem medos e sem preconceitos. Amigo para quem precisa, pois a amizade é a mais lindas das virtudes. Justo, pois a justiça não pode ser nem mais nem menos, ela é ela mesmo. Acredita que por meio de uma cultura acessível a todos conseguiremos a plena cidadania. Em 2013 criou a MUNDO PRODUÇÕES, com o objetivo de publicar as suas palavras e, principalmente, as letras de outros.

http://www.osnossosescritos.blogspot.com.br http://www.facebook.com.br/Mundoproducoes65 http://www.google.com/+Mundoproduçoes

- 15 -


Literatura

Literatura

ENCONTRAR © Pandora Uma noite apenas. Beijos trocados os corações palpitando no ardor da paixão. Mãos que se tocam sentimentos na pele. Beleza pura, contemplada. Você faz morada em mim

em meus pensamentos. Seu beijo, seu cheiro, seu tom... matiz. Na cama entre os lençóis não o vejo apenas sinto seu respirar seu beijo ardente.

- 16 -


Uma noite em claro coração pulsando respiração ofegante gemidos em vão. Você não está. Só estou.

Uma flor um bilhete você me chamando Mas onde está? Percebo rastros quero encontrar você.

O dia aparece olho no horizonte ouço seu chamado e saio sem rumo. Dirijo, sempre em frente busco encontrar você.

Sigo as flores as árvores apenas o verde a me rodear. Meu coração acelerado em busca do meu amor.

Sigo pela estrada sem saber a direção apenas sinto sei que está lá. Mas onde? Onde você está?

Vejo a campina linda, verdejante um lago e o céu azul você a me esperar. Lindo em pé rodeado de flores amarelas.

No carro sigo uma estrada sem fim minha atenção é aguçada Paro e vejo. Uma placa com meu nome presa numa árvore.

Exito, não respiro paro... fico a olhar. E num ímpeto corro, ao seu abraço me entrego. Agora é só amar. Permitir viver esta paixão ardente. ’

Pandora

S

ou uma mulher completamente apaixonada. Romântica ao extremo. O que escrevo são vivências que mostram o meu verdadeiro eu. Busquei o amor de várias maneiras, mas nunca encontrei um verdadeiro amor, até agora... Ele, o verdadeiro amor, me encontrou. Eu, uma mulher comum, agora entendo que o verdadeiro amor está em mim.

www.odiariosecretodaminhamente.blogspot.com https://www.facebook.com/pandora.pandora

- 17 -


Literatura

Literatura

© Diego Brum Em uma lágrima tua, Sucumbe toda a esperança, De ver na aurora o teu lindo sorriso brilhar; Em uma lágrima tua, Transcorre toda a emoção que como um frágil cristal, Tende a se despedaçar... Em uma palavra tua, Cabem todos os desejos meus; Em teu toque suave e sedutor, Cabe todo o meu calor; Que quer cintilar nos lábios teus... Hoje, As estrelas consentiram a nossa dança; Pegue minha mão, Vamos bailar nas lembranças; E deixar o fogo da paixão nos aquecer... Hoje, O tempo nos acertou feito uma lança; Parando o tempo do coração, Encurtando a distância; Até onde meus olhos possam te ver... Escrevo em meu próprio peito, As páginas que nem mesmo o autor do destino escreveu; Em um céu vermelho, Com letras douradas, Na morada dos sentimentos; Onde a magia do amor floresceu... Flores brotam no jardim, E mais uma vez a vida renasceu; Quero ter-te em meus braços, Com a delicadeza de um jasmim; Que me conquista,

- 18 -


Fazendo-me todo teu... É incrível que quando estou contigo, O tempo para; Suspiros infinitos nascem em segundos, E morrem ao anoitecer... Tu és tão sublime, Que o impossível abriu uma brecha em seu ato de ser; Criou o paraíso ao te fazer meu mundo, Um piscar de olhos basta para te ver... A minha alma canta, Feito um passarinho querendo voar, Mas Há grades que me prendem a este plano; É tão difícil dizer que te amo, Vendo o orvalho da noite, Apagando esta chama; E tu querida, Sem se quer comigo sonhar... Em minha alma, Teus olhos dominam os versos; Em uma lágrima tua, Meu sonho ecoa ao universo; O meu desejo de dançar com a rainha das estações... Os anos passarão, E novas e lindas flores nascerão; Porém para sempre te terei ao meu lado, Em um encontro apaixonado de almas; Um único ser, Eternamente enamorados; No desfolhar das grandes paixões!!!... ’

Diego Brum

S

ou Nascido na cidade de Portão, Rio Grande do Sul, tenho 20 anos de idade, atualmente curso faculdade. Sou amante da arte de uma forma geral, aprecio toda forma de cultura oriunda da alma, pois tudo o que vem da alma, é belo por natureza. Amo a poesia, escrever foi uma forma encontrada para que eu pudesse ao mesmo me perder, e me encontrar, escrevo poesias desde os 14 anos de idade e desde então, a poesia e a arte como um todo passaram a fazer não apenas parte da minha vida, mas também a ser uma extensão da minha alma.

- 19 -


Literatura

Literatura

© Gloria Fuentes Sáenz

L

a pobreza llevó a la familia de Horatia a venderla, cuando cumplió doce años, a un lupanar en las orillas de la ciudad, donde comenzó a trabajar como criada. Tenía catorce años cuando uno de los clientes hizo notar a Cornelia, la dueña, las formas turgentes que se insinuaban bajo los pliegues del desgastado vestido de la chiquilla. A resultas de tal observación, esa tarde Cornelia la hizo desnudarse y después de palpar –no sin cierto engolosinamiento– sus nalgas, senos y piernas, le extendió una túnica semitransparente y una peluca rubia, ordenándole ponérselas. —A partir de hoy te llamarás Rutilia —le dijo, y la instruyó para el nuevo oficio que le esperaba. Su iniciación fue dos noches después. Por fortuna el vino tibio con especias que le hicieron beber, además de cierto ungüento que aquel primer cliente aplicó en la entrada de su vagina, lograron que su desvirgamiento fuese prácticamente indoloro. Pero tampoco sintió placer alguno. A partir de allí, hasta que cumplió los dieciséis años, la joven atendió alrededor de ocho clientes por día. Pronto fue la prostituta más cotizada del lugar: estar con ella costaba diez ases, dos más de lo que anunciaba la famosa Attis en una inscripción sobre uno de los muros cercanos

a las termas. La dueña, feliz por las buenas ganancias que le proporcionaba, la trataba como a una hija. Incluso le permitió poner una gruesa cortina en la puerta de su pequeña habitación, para que contara con algo de privacidad. Pero la joven no había conocido el verdadero placer. Hasta que un día solicitó sus servicios Decius, optio musculoso que aspiraba a alcanzar pronto el grado de centurión. Le pareció bellísimo. Su verga no era demasiado grande, pero en el interior de su vagina la sintió dulce, cálida. Experimentó un ardor hasta entonces desconocido. Placentero, pero angustioso a la vez. Decius eyaculó pronto. Pero sólo fue el desfogue inicial. Al notar la urgencia de Rutilia, limpió suavemente con un lienzo los labios vaginales de la joven, que escurrían semen. Y luego, sumió el rostro entre sus muslos. Ella se resistió al principio: sabía que el cunnilingus era un servicio que sólo prestaban los prostitutos de baja ralea que trabajaban bajo los fornices o en los

- 20 -


cementerios. Pero Decius, con besos y palabras dulces, la convenció de que lo permitiera. Pocos minutos pasaron. Rutilia experimentó el máximo ardor sentido hasta entonces y pronto estalló en un orgasmo intensísimo. Agradecida, tomó el pene en su boca y lo succionó primero con ternura, luego con urgencia, hasta que le provocó tal estallido que el hombre hubo de morder las cobijas para no gritar. No le importaba que la felación fuese considerada un acto sucio. Para ella fue algo delicioso. Surgió el amor entre ellos. Su idilio se afianzó según pasaban los meses; Rutilia seguía ejerciendo su oficio pero ahorraba para comprar su libertad. En cuanto su amado fuese ascendido, se casarían. Cierta vez, el legionario llegó un día antes de la Vulcanalia, para pasar los festejos con su prometida. La noche en que terminó la fiesta ambos regresaron al lupanar un poco ebrios. Hubo varios leves movimientos sísmicos en un breve intervalo, que los hicieron reír. Se durmieron abrazados. Amanecía cuando Rutilia despertó a Decius.

Luego, desnudos, abrazados por la cintura, salieron al balcón para respirar aire fresco. Notaron que una columna de humo ascendía del cráter del volcán cercano. —Esto pasa con frecuencia —dijo ella—. Olvida al Vesuvius, vamos al lecho. Cada beso les provocaba mayor excitación. Ambos sentían un ligero vértigo pero ninguno dijo nada, atribuyéndolo al ardor pasional. —Besa mi otra boca, la que siempre se humedece cuando pienso en ti —pidió Rutilia, colocándose sobre el rostro de su amante para ofrecerle su cálida gruta. El enhiesto miembro del soldado estaba tan caliente que sintió fresca la boca de ella. Prolongarían su placer en numerosos orgasmos. No se dieron cuenta del torrente de cenizas que se precipitó sobre la ciudad, sepultándolo todo. Rutilia y Decius quedaron unidos para siempre, sus bocas como un sello eterno en los genitales de cada uno. Algún día sus cuerpos petrificados, que yacen bajo las ruinas aún inexploradas, serán descubiertos por algún azorado arqueólogo. ’

Gloria Fuentes Sáenz

I

nvestigadora, escritora, lexicógrafa, editora, locutora y periodista. Es autora de cuentos y de varios libros sobre temas de divulgación. Como lexicógrafa, es coautora del Diccionario de Sinónimos, Antónimos e Ideas Afines de Editorial Larousse y ha colaborado como redactora y revisora en varios otros diccionarios. Actualmente tiene dos novelas terminadas, aún inéditas, y otras dos en preparación. Después de varios años de no tocar el tema, pues considera su primer poemario como un simple intento, ahora regresa a la poesía y el relato erótico.

- 21 -


Literatura

A

Literatura

© Simone Guerra

idade vai indo... leva alguns de nossos sonhos, as nossas vaidades, mas nunca a vontade de viver, de amar, e, é preciso querer ter dias de intenso entusiasmo e alegrias. Descobrimos que os amores vem e vão, como o vento sul que está sempre passando por nós. Vivemos o tempo todo amando alguém em diferentes tons... Lembro-me de como os dias eram grandes e as tardes eram mágicas esperando o meu primeiro amor na janela, na esperança de ver aqueles lindos olhos verdes e seus dentes claros como as roupas que minha mãe estendia no varal. Ainda trago em minhas memórias, quando eu pensava em me casar com o príncipe encantado, o vestido branco, áureo como as tulipas brancas e amarelas nos campos. Recordo-me do primeiro beijo, eterno na

minha memória. O segundo namorado, aquele que me fez sentir mulher pela primeira vez. Nostálgicas lembranças felizes! Quem diz que se ama apenas uma vez? Podemos amar várias vezes, mas com intensidades e expectativas diferenciadas, porque fomos feitos de todas as nuances, e amamos conforme o momento que estamos vivendo. Quem disse que Shakespeare estava certo? Alguém pode provar que o amor é único e para sempre? Pode até provar, entretanto não modificarão os vários amores que tivemos com diferentes capacidades de viver e entregar. Amor, paixão, devoção, realmente mexem com a nossa vida, balançam os nossos dias, podendo nos beneficiar, acrescentar ou também não significar. Tudo é efêmero, mas o sentimento é eterno, é algo intocável que às vezes vira êxtase no nosso dia a dia.

- 22 -


Com a maturidade, as indas e vindas de amores fugazes, aprende-se a lição de estar pronta para a próxima parada, o próximo amor. Ainda sim, sonhamos com alguém especial, que vai colorir o nosso mundo, fazendo nossa vida mágica de cores e sabores. Não podemos esquecer que os amores momentâneos também são os nossos melhores mistérios. São aqueles que preencheram nossas vidas em alguns momentos, e mesmo que não renderam flores de casamento, foi bom. Mais algumas histórias de saudade... Ele não precisa ser o Hugh Grant, o mais bonito do bairro, o intelectual, o rico, o charmoso, mas sim, o tocável, o carinhoso e o honesto. Com o tempo, vamos aprendendo que a qualidade supera os detalhes belos e os defeitos que carregam. Um bom companheiro está além de um rosto bonito, apenas.

Vamos atingindo o nosso auge de mulheres maduras, não perdendo os nossos sonhos. Estamos a cada dia investindo em capacidades para alcançarmos o melhor destino para sermos felizes. E se caminharmos em direções tortuosas e difíceis, não podemos nos perder nos tropeços de alguém que não é bom, que não tem os mesmos propósitos que os nossos ou que não querem se envolver em história de amor. E em nossas experiências amorosas, a intenção de fazer o outro feliz é o mais importante, até descobrirmos nele o tal príncipe encantado, que um dia sonhamos em ter. A idade, o passar dos anos não irão nos deter com as suas limitações, porque mesmo que hajam mudanças, graduais ou rápidas demais, somos nós que fazemos dos nossos amores, grandes momentos, e aquarela de amor. ’

Simone Guerra

S

imone Guerra, mãe, educadora, escritora ao vento, amante da Literatura e apaixonada por livros. Premiada em concursos literários e pedagógicos. “Sou escritora ao vento... Levada pela brisa das palavras que refrescam liberdade. Voando na direção do caminho que as frases traçam viver. Ainda sem destino, vago na possibilidade de me tornar um poema. Sou feita de frases e poesias. Sou puro amor de narrativas recheadas de dramas, suspenses,

ações, comédia e romance. Sou sonho e realidade. Sou pura ficção quando amo e uma boa comédia romântica quando preciso. Transcendo entre a escrita e a fala; amores e romances...” Premiações: 6º Concurso Literário Mario Quintana - 2° lugar 9º Concurso Literário Guemanisse de Contos e Poesia -Menção Honrosa 5° Congresso Regional de Educação - 2° Lugar

http://paracruzaroatlantico.blogspot.com.br/ facebook.com/paracruzaroatlantico twitter.com/simoneatlantico linkedin.com/profile/view?id=308910325&trk=nav_responsive_tab_profile

- 23 -


Literatura

Literatura

Fogo que me arde o peito Fere Fogo que não quer calar. As lágrimas saem Escorrem por dentro E se dissolvem num rio que inunda o peito E quando não cabe Brotam água dos olhos. Toda lágrima sentida não é capaz de apagar O mar Da chama que invade E arde. Sou fogo que queima. Labareda acesa. Saí na chuva Descalça na terra gritei seu nome Amaldiçoei sua presença. Lágrima e chuva caíram no chão. As lágrimas salgam a dor para cicatrizar a ferida. Minhas lágrimas foram incendiadas, mas não secaram Viraram óleo vegetal Em nome desse amor Que hoje É só pensamento que rasga o peito. Por pouco, por quase pouco, por tão pouco E eu te amo. ’ - 24 -

© Érika Malavazzi

Érika Malavazzi

É

rika Malavazzi é atriz, escritora, poeta, educadora. Idealista, sonhadora e humanista por vocação. Está prestes a lançar seu primeiro livro “Em Tempos de Fim Existe um Começo” pela Mundo Produções.


V

© Rodrigo Sanchez

ocê poderia ser minha, eu seria todo seu. Penso em praias, paisagens, mundos coloridos com você. Foi chegando com passadas lentas, me fazendo apaixonar. E agora fica eu aqui querendo roubar até o seu gosto, seus sentidos e te sentir. Mulher formosa! E minha vida não valendo nada na madrugada, na expectativa. Vou seguindo sem rumo, sem estrelas, sem você. Tudo tão escuro, paralisado. Os carros pararam, os economistas deixaram de calcular, acho que foi sua respiração que parou o mundo. Sua transpiração alimentando nuvens de chuva tropical. O vento fica feliz quando você sai na rua, ele te alisa, corre em seus cabelos, te abusa de forma despudorada. Eu aqui, sem ser vento, bebendo a chuva do seu suor, escrevendo idiotices de amor. Na verdade eu nem sei por que te amo, sou mais um admirador do seu caminhado. Sou um cara que te vê e te olha de todas as formas. Hoje faz sol, se amanhã chover vou me afogar na chuva de sua transpiração. Ame-me sem responsabilidade e eu te amarei de forma acadêmica, sendo seu eterno apaixonado e fazendo Direito. ’

Rodrigo Sanchez

N

ascido em Santo André - SP, morou em diversas cidades, entre elas Peruíbe - SP, Gravataí - RS. Desde cedo desenvolveu grande interesse pela literatura clássica. Cursou dois anos de Administração de empresas. Hoje reside em Betim – MG, trabalhando no ramo imobiliário. Escreve esporadicamente impressões, sensações e conjecturas de realidades tangíveis e oníricas. rodrigodespachante2010@hotmail.com

- 25 -


Cine e Video

Cine y Vídeo

“Por cada parte de mí, siempre habrá un pedazo de ti.” El diario de Noa, 2004

- 26 -


Fuente: www.infoescola.com/cinema/historia-do-cinema

P

ara se chegar à projeção cinematográfica atual, muitos processos de investigação foram feitos em relação aos fundamentos da ciência óptica. No século XVII, O alemão Athanasius Kirchner criou a Lanterna Mágica, objeto composto de um cilindro iluminado à vela, para projetar imagens desenhadas em uma lâmina de vidro. Em 1832, Joseph-Antoine Plateau, criou o Fenacistoscópio, apresentando várias figuras de uma mesma pessoa em posições diferentes desenhadas em um disco, de forma que ao girá-lo, elas passam a formar um movimento. O Praxinoscópio criado pelo francês Charles Émile Reynaud foi um invento importante para o surgimento do cinema. Este aparelho era um tambor giratório com desenhos colados na sua superfície interior, e no centro deste tambor havia diversos espelhos. Na medida em que girava-se o tambor, no centro, onde ficavam os espelhos, via-se os desenhos se unindo em um movimento harmonioso. Thomas A. Edison, cria o Cinetoscópio, que consistia em um filme perfurado, projetado em uma tela no interior de uma máquina, na qual só cabia uma pessoa em cada apresentação. A projeção precisava ser vista por uma lente de aumento. Em 1890, projeta diversos filmes de seu estúdio, aos quais encontra-se “Black Maria”, considerado o primeiro filme da história do cinema. A partir do aperfeiçoamento do Cinetoscópio, que o Cinematógrafo é criado pelos ir-

mãos Louis e Auguste Lumière, na França, em 1895. Copiador e projetor, pode ser considerado o primeiro aparelho realmente qualificado para o cinema. Louis Lumière foi o primeiro cineasta a realizar documentários em curta metragem na história do cinema. O primeiro se intitulava “Sortie de L’usine Lumière à Lyon” (Empregados deixando a Fábrica Lumière), e possuia 45 segundos de duração. Neste mesmo ano de 1895, Thomas Edison projeta seu primeiro filme, “Vitascope”. O americano Edwin S. Porter, apropriouse dos estilos documentarista dos irmãos Lumière e os de ficção com uso de maquetes, truques ópticos, e efeitos especiais teatrais de Georges Méliès, para produzir “Great Train Robbery” (O grande roubo do trem), em 1903, um modelo de filme de ação, obtendo êxito e contribuindo para que o cinema se popularizasse e entrasse para a indústria cultural. ’

- 27 -


Cine e Video

Cine y Vídeo

CASTIGO, ABSOLVIÇÃO OU COMPREENSÃO Jorge Marques da Silva

N

o primeiro filme, Joe, a protagonista, socorrida por um homem que a encontrou ferida em um beco, conta-lhe exaustivamente suas aventuras sexuais, sob o peso de uma grande culpa. É o olhar de uma mulher entrando na maturidade, de uma masoquista ou de uma depressiva egocêntrica? Marcada por um traço sórdido, como a sequência em que Joe procura perder a virgindade numa oficina suja com Jerôme, um rapaz que tem uma moto. Por outro lado, Seligman oferece um contraponto, como um intelectual solitário, vivendo num aparta-

mento despojado, de aparência monástica, fazendo referências a Edgar Alan Poe, Thomas Mann, à “Bíblia”, à matemática, à música clássica, diante do relato picante e melancólico de Joe. Alguns dos raros momentos em que Joe mostra sentimentos é ao lado do pai. Ela deixa clara uma relação tóxica com a mãe, um indício de um psicologismo um tanto óbvio na composição da personalidade da protagonista. E no decorrer do filme fica claro que Joe por mais que procure o sexo, o faz mecanicamente, não demonstrando nenhuma euforia, o que nos leva a começar a compreender a sua compulsão. No segundo filme, começamos a entender a verdadeira história de Joe. Uma mulher viciada em sexo, mas que nunca consegue encontrar prazer nele. Seu único orgasmo verdadeiro aconteceu na infância, talvez a cena mais surpreendente de todo o filme. Outra cena que chama a atenção é uma longa sequencia em que Joe se submete a intensas sessões de sadomasoquismo com um rapaz bem mais jovem. Esta segunda parte se faz interessante, pois Joe tem um filho com Jerome e precisa conciliar suas compulsões sexuais com os deveres da maternidade.

- 28 -


Joe entra para uma máfia de cobradores, arruma uma aprendiz mais jovem com quem também acaba indo pra cama, mas que depois vai humilhá-la já perto do final do filme. É nessa cena que entendemos como Joe foi parar naquele beco, caída e sangrando, e foi resgatada por Seligman.

Convido a todos a assistirem este filme cru, quase sem sentido estético, mas que demonstra toda a genialidade do cineasta dinamarquês Lars von Trier. E ao final tentarem compreender se a protagonista Joe procura, o castigo, a absolvição ou simplesmente a compreensão. ’

- 29 -


Cine e Video

Cine y Vídeo

Aline Sanchez

E

xiste paixão sem amor, mas não existe amor sem paixão. Chega de repente e transforma tudo ao seu redor. Não existe quem a controle, é um lobo faminto que devora seus pensamentos e corpo. Atrai damas e vagabundos, plebeus e burguesas. Nesse tema paixão gostaria de indicar um filme, podem chamar de clichê, mas depois de lerem minha visão sobre esse recordista de bilheteria desejo que aceitem minha indicação. Titanic é um clássico do cinema. Quem nunca se imaginou de braços abertos na beira de um navio desejando que dois braços nos segurassem e uma voz que dissesse se quiser voar você pode pois meus braços te manterão segura na hora do pouso. Dois jovens de mundos opostos enxergam um no outro tudo aquilo que gostariam de ser, Jack um jovem pobre deseja as oportunidades de uma sociedade rica e Rose uma jovem de uma família falida deseja se libertar de um casamento arranjado e de uma prisão sem grades. Uma paixão que leva os dois a se aventurarem em algo desconhecido, porem excitante. Os dois se descobrem, enfrentando aqueles que não os querem juntos. Em meio a essa entrega, a intrigas acontece um acidente e o grande Titanic sofre um naufrágio. O navio afunda

em águas congelantes, Jack não resiste ao frio e morre enquanto Rose sobrevive para viver tudo aquilo que sua jovem paixão desejava viver.

- 30 -


Um filme que trata da paixão em sua forma mais verdadeira e incorrompivel, pois não teve o tempo para desgastar e sim as lembranças e a imaginação que cria a perfeição, pois não existe erro naquilo que não aconteceu. Uma paixão que se tornou amor e permitiu que o ser amado tivesse uma vida realizada e uma morte no aconchego de uma cama quente. A certeza de um reencontro torna a tragédia apenas um detalhe diante daquilo que é eterno. Sem mais, desejo-lhes um bom filme. ’

ALINE SANCHEZ

N

ascida em 15 de março de 1989 passou a maior parte de sua vida em Peruíbe uma cidade pequena do litoral paulista. Aos 24 anos decidiu publicar seus textos, escritos em momentos de angústia, revolta, saudade, solidão ou nos instantes em que surge a vontade incontrolável de escrever em folhas aquilo que está guardado na alma.

alinesanchez_89@hotmail.com

- 31 -


Teatro

Teatro

Las grandes pasiones son enfermedades incurables. Lo que podrĂ­a curarlas las harĂ­a verdaderamente peligrosas. Goethe - 32 -


Fonte: teatro. In Britannica Escola Online. Enciclopédia Escolar Britannica, 2014. Web, 2014. Disponível em: <http://escola. britannica.com.br/article/482667/teatro>. Acesso em: 13 de junho de 2014.

T

eatro é um lugar aonde as pessoas vão para assistir a peças teatrais e outros espetáculos apresentados geralmente num palco. A palavra “teatro” também se refere a tudo o que diz respeito à produção de um espetáculo encenado ao vivo. A forma mais comum de representação no palco é a peça teatral, uma história que é encenada para uma plateia. Há também produções teatrais que utilizam outros elementos além da história: partes musicais, espetáculos de marionetes, números de circo, de ópera ou de balé ou de outras variedades de dança. Existem ainda os teleteatros, que são as peças de teatro apresentadas pela televisão.

Dentro do teatro

A parte mais importante de um teatro, como casa de espetáculos, é o palco, e o tipo mais comum de palco é chamado proscênio. No proscênio, a ação acontece numa área aparentemente fechada pelos outros lados e aberta apenas na frente, diante do público. A plateia assiste à produção que se desenvolve no palco como se estivesse vendo uma grande tela em três dimensões ou enxergando através da parede de uma sala. Alguns teatros têm um palco que avança parcialmente sobre a plateia. O público ocupa três lados da seção projetada desse palco. Já no chamado teatro de arena, também conhecido como palco de anfiteatro, o público se dispõe em torno do palco, pois ele fica no centro. Outras partes importantes do teatro são os bastidores e os camarins. Há também uma cabine na qual técnicos controlam a iluminação e o som.

As pessoas do teatro

Montar uma peça de teatro é um trabalho de equipe. Muitas pessoas trabalham juntas e cada uma tem sua função. Em uma peça, os papéis mais visíveis são os dos atores. As pessoas principais que trabalham nos bastidores são o produtor e o diretor. O produtor é o principal responsável pelos negócios da peça, é quem obtém e administra o dinheiro para a montagem e busca patrocínios. O diretor é quem decide como a peça será encenada, e isso envolve dirigir o trabalho dos atores e da equipe técnica que trabalha nos bastidores. O diretor também comanda os ensaios. Um dramaturgo escreve o roteiro ou o texto da peça, que contém a história e as falas dos atores. O diretor de cena cuida de toda a atividade dos bastidores durante a produção. O cenógrafo cria os cenários e a mobília. O aderecista cuida dos objetos pequenos, ou adereços, usados no palco. Os técnicos de luz iluminam o palco para focar sobre uma atividade determinada e para criar um clima. O maquiador e o figurinista ajudam os atores a ter a aparência adequada para seus papéis. O divulgador faz a propaganda do espetáculo, para atrair público. Outros tipos de produções teatrais podem envolver outras pessoas com funções ou talentos especiais. Em um teatro de marionetes, por exemplo, várias pessoas desenham, fabricam e operam os marionetes ou fantoches. Em produções que envolvem dança, uma pessoa chamada coreógrafa pode criar todos os passos e movimentos de dança. Músicos e compositores podem fazer parte da equipe criando músicas especiais para o espetáculo. ’

- 33 -


Teatro

Teatro

Fonte: Web, 2014 Disponible en: http://www. infoescola.com/teatro/romeu-e-julieta. Acceso el: 18 de junio de 2014.

E

ste clásico de la literatura mundial desde hace siglos seduciendo a generaciones de lectores apasionados, que encuentran en las páginas tejidas por el inglés William Shakespeare las más bellas y trágicas historias de amor de todos los tiempos. La historia de Romeo y Julieta, casi se convirtió en un arquetipo de la psique humana, como ocurrió,

por ejemplo, con el mito de Edipo, creado por Sófocles, dramaturgo griego celebraba, y convertido por Sigmund Freud en un concepto fundamental del psicoanálisis. Esta tragedia de Shakespeare, desarrollado entre 1591 y 1595, no sólo es importante porque se centra en el amor prohibido entre dos jóvenes en el Renacimiento Verona, sino también exponer la hipocresía y las convenciones sociales, los intereses econó-

- 34 -


micos y el ansia de poder, elementos que inevitablemente engendran condenar la intolerancia y el noble sentimiento que brota de los corazones de Romeo y Julieta. En esta ciudad italiana, alrededor de 1500, dos familias tradicionales, los Montesco y los Capuleto, cultivan una enemistad intensa e insostenible que ahora se remonta a varios años. Independiente de esta rivalidad, Romeo y Julieta, sólo los niños de estos poderosos clanes, se enamoran y deciden luchar por este sentimiento. Los amantes saben en una fiesta organizada por el líder de los Capuleto, el padre de la chica. Romeo, por supuesto, no fue invitado, pero creer en el amor con Rosaline, una de las chicas en el evento estaba oculto bajo un ingenioso disfraz y la voluntad de la conclusión. Una vez, sin embargo, se enfrenta a Juliet, la imagen de otra chica desaparece de su corazón, y en la actualidad sólo hay lugar para el joven desconocido. Poco después de la dos descubren que pertenecen a las familias que se odian. Romeo, poco después de la fiesta, escondido en el jardín, oye involuntariamente diálogo de Julieta con las estrellas, en el que confiesa su pasión. Él entonces declara y demanda. Un día después de los dos, con la ayuda de Fray Lorenzo, que pertenece al círculo de amigos de la joven se casan en secreto. Pero los sitios frecuentados por la tragedia parece perseguirlos. El mismo día, Romeo se involucra sin querer en una pelea con el primo de Julieta, Teobaldo, que para descubrir la presencia de Montague en la fiesta de sus tíos, planea una revancha contra él. El principio no acepta los jóvenes bromis-

tas, pero su amigo Mercutio se enfrenta al rival y es matado por él, lo que provoca la revuelta de Romeo, que mata a Teobaldo de venganza. Esta muerte se intensifica aún más el odio entre las familias y el príncipe de la ciudad le dice a Romeo que salir Verona. El viejo Capuleto, sin saber que el matrimonio de su hija con el enemigo, arregla el matrimonio de su hija con Paris. El fraile la convence de aceptar el matrimonio, sino que diseña un plan. Poco antes de la ceremonia de Julieta debe beber una poción preparada por él; preparado con la ayuda de esta ella estará muerta. Romeo sería advertido y volvería a sacarlo de la tumba de los Capuleto como ella despertó. Pero como no podía ser diferente en una tragedia de Shakespeare, Romeo descubre lo que sucedió antes de ser notificado por Frei. Desesperado, se compra una poción venenosa y, en la tumba donde el amado ingiere el contenido de la botella y mueren junto a Julieta. El joven se despertó para darse cuenta de lo que pasó, y con la daga robada de Romeo mata a sí mismo. Los dos se encuentran juntos, muerto, lleno de desesperación de la familia. Sacudido por la tragedia, que definitivamente reconciliados. La obra de Shakespeare ha tenido numerosas asambleas y versiones a través del tiempo. La historia también se ha adaptado a la gran pantalla. Las dos versiones más conocidas son por Franco Zeffirelli, 1968, protagonizada por Leonard Whiting y Olivia Hussey; y Baz Luhrmann, 1996, interpretado por Leonardo DiCaprio y Claire Danes, que está pasando en el mundo de hoy. ’

- 35 -


Artes Plásticas

Artes Visuales

“El artista es la mano que, mediante una tecla determinada, hace vibrar el alma humana” Wassily Kandinsky

- 36 -


http://kakaussantos.blogspot.com.br

s/título, tinta da china. 2007

s/título, sanguínea, 2002

O gato rosa, lápis de cor e aquarela Palhaço de papel, lápis Caran D’ache, 2010

Esboço, 2006

Katia Santos

A

rtista visual, Bacharel em Educação Artística com Habilitação em Desenho e Especialista em Arte Educação e Linguagens da Arte. Além da produção artística desenvolve pesquisa em Arte Educação tendo atuado como arte educadora, desde 2001, em exposições de Arte nas principais instituições museológicas de São Paulo. Atualmente é artista orientadora do Programa Vocacional.

- 37 -


Artes Plásticas

Artes Visuales

O ARTISTA PLÁSTICO http://www.guidoboletti.net/br/

N

atural de Milão (Itália) radicado em Tiradentes.- Minas Gerais e artista autodidata, procura na música a primeira fonte de inspiração para dedicar-se à pintura. Tem participado de numerosas exposições individuais e coletivas em muitas cidades italianas e do mundo. Sua experiência no Brasil alimentou novas energias e inspirações para influenciar a sua obra. O trabalho inclui pintura, vitrais, cerâmica, serigrafia, jóias, ilustrações para as capas de CD e livros para infantis. Nos últimos anos, desenvolveu um percurso de pintura ao vivo em forma de happenings em espaços públicos, televisivos e teatrais.

Corda bamba, acrílico sobre tela, 2013, cm. 100x100

Recebeu prêmios e possui obras expostas em várias galerias e museus públicos e privados como no ‘Teatro alle Vigne’ (Lodi - Italia), no ‘Museo di arte Sacra Diocesana’ (Lodi - Italia), na coleção de arte contemporânea da ‘Provincia di Lodi’ (Italia), no ‘M.i.M. - Museo in Motion’ (San Pietro in Cerro - Italia) e na ‘Galeria de Minerva’ (Museu de Juelich - Alemanha). O trabalho de Guido Boletti sugere uma lúdica viagem ao reino da fantasia, onde as cores se entrelaçam com as formas, porém com leveza e expressão. Suas obras compõem-se na sua maioria de informes visuais fragmentados, porém coerentes entre si, numa proposta de sobreposição de imagens” (Sandra Setti, curadora do espaço BIOEXTRATUS) ’

Passarinha, acrílico sobre tela, 2013, cm. 100x100

- 38 -


Caminho das pedras (diptico), acrĂ­lico sobre mdf, 2013, cm. 160x80

Samba universal, cm. 60x90

Music for old elephants, cm. 80x120

- 39 -


Artes Plรกsticas

Artes Visuales

Venus ferida, acrilica sobre tela, 2007, cm. 200x180

Dimora del cigno, acrilico su tela, 1999, cm. 180x120

- 40 -

O jardim secreto do beijasom, cm. 50x60


Easy to sing, easy to dance acrĂ­lico sobre tela, 2013, cm. 51x82

- 41 -


Dança

Danza

“... los grandes bailarines no son geniales por su técnica, son geniales por su PASIÓN” Martha Graham

- 42 -


Fonte: Web, 2014. Disponível em 2014: http:// www.bolsademulher.com/corpo/dancacigana-1. Acesso em 19 de Junhode 2014.

N

ão existe uma certeza da origem dos ciganos, dizem que as primeiras aparições foram no Egito e na Índia. Os ciganos se espalharam pelo mundo passando por Turquia, Marrocos, Romênia, Hungria, Espanha, entre outros lugares como a Grécia, onde permaneceram por vários séculos antes de se espalharem pelo resto da Europa. Sendo um povo de origem nomade colheram um pouco de cada cultura, sempre mantendo a tradição e os segredos para seu próprio povo. Por isso, a dança cigana tem muita influência de todos os países em que os ciganos viveram, mas a maior influência na música e na dança cigana dos últimos séculos é sem dúvida a espanhola, refletida no ritmo dos ciganos espanhóis que criaram um novo estilo baseado no flamenco. e essa influência se traduz nos passos da dança e nas músicas. Esse mix de culturas são percebidas não só no ritmo ou nos instrumentos, mas nos objetos usados pelos dançarinos. Lenços, charpes, xales, leques, pandeiros, fitas, flores, punhal, tochas são alguns dos acessórios que dão ainda mais charme aos movimentos corporais. Os elementos costumam ter forte simbolismo e geralmente representam energias da natureza e traduzem mensagens.

As danças do leque, do pandeiro e da echarpe são as mais marcantes. A primeira é pura sedução, a segunda celebra a união – seja de amor ou amizade – e a última anuncia dia de festa. Violinos, sanfonas, pandeiros e violões ritmam as dançarinas que, com saias rodadas, bem coloridas e enfeitadas com muitas bijuterias, esbanjam liberdade em seus movimentos. Sorriso e olhar são outros elementos indispensáveis. ’

- 43 -


Dança

A

Danza

Michelly Ribeiro

dança é capaz de transformar um sapo em príncipe, porque traduz postura em educação e cordialidade. Quem dança é mais feliz, porque a sensação que a dança proporciona é de felicidade, prazer, simplesmente porque libera o tão conhecido hormônio, denominado de endorfina. Dançar é se ver livre de amarras; é se deixar conduzir e conduzir no ritmo de uma doce melodia. Dançar é se envolver com o outro no mesmo compasso, é confiar, aprender a ser equipe, muito mais que um simples indivíduo. Dançar é compreender o potencial do trabalho em grupo, o equilíbrio que o outro pode te proporcionar. Dançar é hipnotizar o parceiro com um olhar penetrante, é envolver a plateia no ritmo ofegante. Dançar é se valorizar, porque quem dança, aprende a conhecer seus limites, o limite do seu próprio corpo e o valor da educação que se ensina em uma família monarca. Porque dançar é simplesmente algo imperial. A dança surgiu para a distração da rea-

leza. Hoje, a dança é universal, para quem quiser aprender a se envolver. Dançar é uma arte, talvez até um dom que se possa aprender, mas é apenas para os que entendem que a dança é milenar, uma terapia. Dançar é você se entregar para o seu parceiro, sem receios, como em uma relação sexual, com a diferença de que a dança é uma arte que envolve sintonia, olhar, toque, algo que vai além da matéria. Muitos não entendem o motivo de a dança ser tão atraente. Quem começa a dançar, não para mais, porque entende que a dança é um vício, como uma bola de neve, quanto mais você dança, mais você quer continuar. Dançar relaxa. Dançar seduz. Dançar atrai. Qualquer tipo de dança envolve, mas nada envolve mais do que a dança de salão, porque é uma dança que precisa do outro para se apoiar, para exercer o prazer de ser um espelho, algo que o outro vê de si próprio. A dança é uma verdadeira lição de vida! Primeiro se apaixona pela dança, depois pelo parceiro. Primeiro se entende que um deve ceder para que os dois possam ca-

- 44 -


minhar. O homem se torna cavalheiro, a dama, uma princesa. E aí entendemos que a dança pode ser um conto de fadas, nos tira da realidade e nos faz entrar em um mundo só nosso, onde podemos ser qualquer coisa. Dançar é mais que um teatro repleto de expressão corporal, é uma expressão da alma. Na dança, cada novo passo, é um caminho em direção a diferentes culturas e formas de se envolver no universo do outro… “DANÇAR É COMO CRESCER UM PROCESSO LENTO, CHEIO DE SURPRESAS E LUTAS. A REALIZAÇÃO DE FEITOS QUE PARECEM IMPOSSÍVEIS DE SE CONCRETIZAR; ACROBACIAS QUE EXIGEM MUITO MAIS QUE HORAS DE TRABALHO QUE SÓ OUSADIA TEM CAPACIDADE DE EXPLICAR. UM CONSTANTE APRENDIZADO PARA O QUAL NEM SEMPRE É NECESSÁRIO NOS PREPARAR. É PRECISO TER TALENTO. SABER MISTURAR, EM DOSES CERTAS, FORÇA E SENSIBILIDADE. CONHECER LIMITES E CAPACIDADES. SEM TEMER O FRACASSO AMAR.

AMAR-SE. SEM MEDOS. CORPO E MENTE EM PERFEITA HARMONIA. ESSA INTEGRAÇÃO, O SEGREDO DA ETERNA LIBERDADE, QUE NOS PERMITE ALCANÇAR VOOS MUITO, MAIS MUITO MAIORES. ISTO É DANÇAR!” (Autor Desconhecido)

Dançar é não ter medo dos inúmeros parceiros que se pode encontrar, é não ter ciúmes de alguém que dança, porque quem dança entende que a sua verdadeira paixão é, simplesmente, a arte de dançar, porque ela se mistura com prazer e nada tem a ver com ser melhor do que alguém, porque já que a dança é capaz de promover uma união entre dois indivíduos, ela é capaz de fortalecer um casal que porventura esteja se sentindo distante. Na dança, o homem conduz, por isso, aprende a delicadeza da forma de se tratar uma mulher; como deve ser. Por tudo isso … a dança é apaixonante! ’

Michelly Ribeiro

M

ichelly Ribeiro é jornalista, especialista em Jornalismo Político e Dança e Consciência Corporal e, atualmente, está pela segunda vez, nas cadeiras da universidade, desta vez, estudando Psicologia. Apaixonada por dança, resolveu se especializar na área para desenvolver suas habilidades e entrar um pouco neste universo. Na mesma época de sua especialização em dança, trabalhou como monitora de dança de salão. A Psicologia entrou em sua vida desde a época de sua primeira faculdade, quando a maioria dos livros que lia abordava assuntos comportamentais e relacionados à mente humana. Ao final de sua última especialização, teve um insight e resolveu começar a nova faculdade. www.michellyribeiro.com

- 45 -


Musica

Música

“A música deve brotar fogo do coração do homem, e lágrimas dos olhos da mulher.” Ludwig van Beethoven

- 46 -


Click na foto e assista ao video

- 47 -


Musica

O

Música

Jorge Marques da Silva

cantor e compositor mineiro Marcello Dinis lançou seu mais novo CD em Abril deste ano, intitulado Esperanto Banto, que tem participações de Milton Nascimento, Juarez Moreira, Tempera Viola e vários outros convidados. Natural de Divinópolis, Marcello Dinis tem uma longa carreira no cenário musical, com cinco CDs gravados. Seu repertório inclui samba, rock, reggae, forró e ritmos do Caribe.

Sua carreira na música popular começou muito cedo, com apresentações em casas noturnas e festivais da canção, colecionando vários prêmios. Em 2013 foi classificado no Festival de Boa Esperança, chegando a participar de uma eliminatória com o baião Passarinha – com letra de Jorge Fernando dos Santos, incluída no novo CD. Realizou shows em São Paulo, Rio de Janeiro, Maceió, Recife e interior da Bahia, além de ter percorrido cerca de 400 cidades do interior de Minas.

- 48 -


e Sem começo nem final, produziu seu primeiro DVD em 2010, todo ele com músicas inéditas de sua autoria. O novo disco, Esperanto Banto, prima pela qualidade do repertório e pelas participações especiais.

Estreou em disco com o LP Balaio de Gato, lançado em 1992, em parceria com Alexandre Az e Sérgio Misan. Foram vendidas 3 mil cópias e a canção Alô de Londres foi incluída no CD Bateia, de 1995, ao lado de canções de alguns dos melhores nomes da música mineira. Em 1998, junto com os parceiros Cássio Tiso e Júlio Costa Val, lançou o CD Claro, que incluiu participações especiais de Túlio Mourão, Chico Amaral, Gê Lara, Lemão e o grupo percussivo Tambolelê. O projeto gráfico foi feito pelo design Otávio Bretãs, com ilustrações do cartunista Aroeira.

Além de Milton Nascimento, Juarez Moreira e Tempera Viola – grupo do qual faz parte ao lado das cantoras e percussionistas Beth Leivas e Danuza Menezes, também se destacam Carlinhos Tiso, Jelber Oliveira e Pedrinho do Cavaco. Todas as faixas são de Marcello Dinis e parceiros, com exceção de Ame o Sol, por favor, de Celeste Brandão. O projeto gráfico é de Otávio Bretas, com foto de capa de Miguel Aun.’

Depois dos CDs Central de Minas, gravado ao vivo em 2003; Toca Minas

O porquê da escolha do titulo ‘Esperanto Banto” para o CD, explica o próprio Marcello:

O

Esperanto foi criado para ser uma língua universal, visando possibilitar o entendimento de todos os homens da terra. Não pretende substituir as línguas existentes: objetiva ser uma língua comum ao lado de todas as outras, respeitando a diversidade entre os povos. Os Bantu ou Bantos abrangem cerca de 400 grupos étnicos da África subsaariana. Muitas etnias com uma família linguística comum: as línguas bantus. Com a colonização da África foram escravizados e padeceram da violência e da opressão. Resistiram como puderam para preservar suas culturas. Esperanto banto é uma metáfora: quer significar solidariedade entre oprimidos de todo o mundo. De alguma forma falar a mesma língua é ser solidário em algo básico. Compartilhar a linguagem é base do entendimento entre os homens: só assim podemos expressar o que somos; só assim podemos entender quem são os outros. É o princípio da afirmação do que cada um é frente aos nossos semelhantes; e, ao mesmo tempo, é a predisposição de entender – e, portanto, respeitar - o que os outros são. Algo que remete a um sonho de solidariedade, liberdade e igualdade.

- 49 -


Musica

N

Música

Renata leal

ascido em Luanda, iniciou-se na música ainda bem pequeno. Sua carreira profissional começou aos 18 anos, em Portugal, país onde

mora atualmente. É professor de piano, guitarra clássica e bateria na Escola de Música de Albufeira – sul de Portugal – e, paralelamente apresenta-se, como concertista, em clubes de jazz e nos mais prestigiados palcos do país. Sofreu influências da música brasileira, do funk e do blues, estilo bem presente em

suas composições e interpretações. Com o “Mo Jazz Trio” interpreta músicas de sua autoria, bem como clássicos do Jazz e Blues, registrados no álbum Jazz’n‘Blues à la Carte, lançado em Dezembro de 2011. Dono de uma voz marcante, João Galante demonstra coerência em suas composições e virtuosismo ao piano. Suas músicas falam de amor e paixão, em letras que dizem “Gata tu me enches de amor gostoso, me enlouquecendo até morrer” – da música Razor Blade Blues. Meu destaque vai para Pega-me Fogo, do álbum Lusitana Blues que será lançado em breve com canções em português, levando o ouvinte a uma fantástica viagem com um toque de swing único e inesquecível – CD que conta com a participação do contrabaixista André Ferreira e o baterista Miguel Samora. Uma música cheia de paixão e fogo que, segundo o autor “surgiu de uma miscelânea de sentimentos, elevados ao expoente máximo da luxúria. A paixão que fará revirar os olhos, o desejo, uma história que chega a perder a razão. De preferência numa boa cama...” Um tema que merece nossa atenção.’

- 50 -


Sabes que o amor não é fácil Sabes como eu gosto de ti Se quiseres eu viro um gato dócil Leva-me a ronronar longe daqui http://www.joaogalante.net/ https://www.facebook.com/joao.galante.7?fref=ts https://www.facebook.com/pages/ Mo-Jazz-trio/741893099174183?fref=ts

Vem amor pega-me fogo Vem amor e apaga-o em mim Vem amor paga-me fogo Vem... e apaga-o em mim Dançamos perdidos no tempo Com os olhos revirando de paixão A nossa história é mais que um desejo É uma louca viagem sem razão

Agora não vou hesitar Chega de esconder a chama Temos mesmo é de amar De preferência numa boa cama

Vem amor pega-me fogo Vem amor e apaga-o em mim Vem amor paga-me fogo Vem... e apaga-o em mim

Vem amor pega-me fogo Vem amor e apaga-o em mim Vem amor pega-me fogo Vem... e apaga-o em mim ’

Renata leal

F

ormada em música pela Universidade do Estado de Minas Gerais É saxofonista, amante do Jazz e da boa música, incluindo a música instrumental brasileira. Atua na área de Educação Musical há mais de 10 anos. Trabalha atualmente com musicalização infantil, onde desenvolve projetos com Coro de crianças na faixa etária entre 2 a 6 anos. Aventura-se, nos momentos de descontração com amigos, a tocar pandeiro em Rodas de Choro. Seu lema como Educadora é: “A música começa no silêncio.” Renata Leal https://www.facebook.com/renata.leal.1612 renatalealmusica@gmail.com

- 51 -


Jornalismo

Periodismo

â&#x20AC;&#x153;Cada cultura absorbe elementos de las culturas cercanas y lejanas, pero luego se caracteriza por la forma en que incorpora esos elementos.â&#x20AC;? Umberto Eco

- 52 -


Jorge Marques da Silva

“A construção de uma sociedade sobre uma estrutura sólida baseada na tolerância exige desta mesma sociedade o entendimento das intolerâncias dos dias atuais.”

O

que vemos nos dias de hoje? Vemos cada vez mais as pessoas não aceitando aquilo que lhe é diferente, que a sua noção de certo e adequado que é o correto, que são os seus valores que devem prevalecer, que aquilo que é veiculado na mídia condiz com a realidade, e talvez o mais problemático que é viver na cada vez mais na sua individualidade e não enxergar o Outro. Sabemos muito bem, que é muito difícil para as pessoas aceitar os questionamentos sobre suas identidade, valores, símbolos e etc. Mas não devemos esquecer que sem o dialogo não adquirimos conhecimento e por consequência o nosso aprendizado sobre o Outro é comprometido. E é justamente esta falta de dialogo com o Outro que gera todos os tipos de conflitos que vemos hoje em dia, principalmente no que tange as diferenças culturais. Tenho consciência disso, pois todos nós estamos a procura da nossa identidade, nossas bases e valores, nossos símbolos dentro

de uma sociedade, que muitas vezes é dominada por velhos costumes e crenças sobre o certo e o errado, sobre o adequado e inadequado. No ano de 2000 a.C um sacerdote escreveu “ Nosso mundo atingiu seu ponto crítico. Os filhos não ouvem mais os pais. O fim do mundo não pode estar muito longe”. Na história da Torre de Babel do velho testamento, encontrada em Gênesis 11:1-9, quando os homens imaginaram que conseguiriam construir uma torre que chegasse ao céu e que teriam poder e lugar semelhante a Deus, este como punição confundiu a linguagem dos homens, abrindo as portas para todos os tipos de conflitos culturais, explicado na Antropologia pelo etnocentrismo. Mas para começar a entender o Outro, primeiramente temos que ter uma noção do que é cultura, falamos normalmente no nos-

- 53 -


Jornalismo

Periodismo

so dia a dia, e por muitas vezes não sabemos exatamente o que é, e também sobre o que significa etnocentrismo. Em termos didáticos, podemos dizer que cultura são padrões sociais que permitem moldar o nosso comportamento. Esse padrão inclui tecnologia, organização econômica, politica, crenças, mitos, senso comum, vestuário, hábitos alimentares, senso comum, entre outros. O antropólogo francês Claude Lévi-Strauss, fala que a cultura surgiu no momento em que o homem convencionou a primeira regra, a primeira norma, que para ele seria a proibição do incesto, padrão de comportamento comum a todas as sociedades humanas. Na antropologia o etnocentrismo pode ser definido como aquele que ocorre quando um determinado individuo ou grupo de pessoas, que têm os mesmos hábitos e caráter social, discrimina outro, julgando-se melhor, seja pela sua condição social, pelos diferentes hábitos ou manias, ou até mesmo por uma diferente forma de se vestir. Podemos perceber claramente o etnocentrismo latente nos dias de hoje, quando lideres religiosos e políticos defendem a guerra, as invasões ou a imposição de sua cultura sobre outra etnias, defendendo a tese que as outras etnias são infiéis, pagãs, do eixo

do mal, bárbaros e outros mais. Como exemplo podemos citar, a atitude Norte Americana contra os Muçulmanos, os Judeus contra os Palestinos, os Chineses contra os Tibetanos, o Neonazismo na Europa e por ai vai. Mas também temos que olhar para nosso próprio umbigo, no Brasil os homossexuais, os negros, as mulheres, os nordestinos, os índios e etc., são os principais alvos de piadinhas de mau gosto que são claramente atitudes etnocêntricas, mas que muitas vezes somos coniventes e achamos inofensivas. Vale lembrar também que não podemos acreditar que existem grupos superiores ou inferiores. Os habitantes que povoavam as Américas após seu “descobrimento” pelos Europeus foram considerados selvagens, pois a tendência do homem é negar ou repudiar tudo aquilo que lhe é diferente ou não esta de acordo com os seus hábitos e costumes. Nesse contexto estão incluídas as pessoas que analisam as outras etnias baseadas em sua própria cultura. O resultado disso é a incompreensão dos aspectos do étnicos do Outro e por consequência a criação do conceito de que uma cultura pode ser superior a outra. Nos idos de 1969 a genialidade de Chico e Vinicius criou a letra de “Gente Humilde” musicada por Garoto (Anibal Augusto Sardi-

- 54 -


nha), que talvez o seu ultimo refrão que diz: “E ai me dá uma tristeza no meu peito. Feito um despeito de eu não ter como lutar. E eu que não creio peço a Deus por minha gente. É gente humilde que vontade de chorar”, possa representar um pouco de como temos que pensar e agir em relação ao Outro. Hoje a globalização, nos permite estar permanentemente conectados através da internet, podemos perceber cada vez mais as fronteiras do mundo se aproximando cada vez mais, e nos deixando cada vez mais próximo do Outro. E através das redes sociais virtuais, as pessoas encontram outras pessoas que compartilham dos mesmos gostos e trocam suas experiências. Quando ocorre um terremoto no Japão, minutos depois o mundo inteiro através já tem acesso a notícia. As redes virtuais podem romper as barreiras geográficas, pois num tempo não muito longínquo aprendíamos sobre outras etnias somente através da leitura, sendo que, hoje podemos através destas conhecer melhor outras etnias e compreender melhor a sua cultura, permitindo assim quebrarmos certos pré-conceitos concebidos pela escrita. Mas sejamos francos e coerentes e vamos repensar sobre tudo isso, vamos parar com as demagogias e:

Pensar que apesar das diferenças culturais, temos que começar a discernir o certo do errado, o adequado do inadequado, e aceitar o Outro como ele é e não como queremos que ele seja. Refletir se nossos conceitos de valores são válidos para as outras etnias, e se os seus são validos para nós. Com essa reflexão poderemos chegar a um denominador comum e passar a conviver em paz e harmonia. Mudar a forma de enxergar o Outro, que com certeza será diferente de nós, mas são as diferenças que nos fazem crescer como indivíduos. A construção de uma sociedade sobre uma estrutura sólida baseada na tolerância exige desta mesma sociedade o entendimento das intolerâncias dos dias atuais. Não adianta a sociedade enxergar a intolerância somente no entorno do Outro, mas ir além, pois esta é também uma questão social, econômica, política e de classe. E por fim, se não começarmos imediatamente alguma coisa para mudar tudo isso agora, teremos que simplesmente esperar que a profecia Maia se cumpra, ou seja, que o mundo acabe. ’

- 55 -


El amor no es mรกs que el deseo; y por lo tanto el deseo es el principio original que surgen todas nuestras pasiones, como las corrientes de su origen; Por lo tanto, cada vez que el deseo de un objeto se ilumina en nuestros corazones, ponernos a perseguirlo y buscarlo y nos lleva a trastornos miles. Miguel de Cervantes

- 56 -

Cultura en el mundo 01  

Revista Digital bilingüe sobre cultura

Cultura en el mundo 01  

Revista Digital bilingüe sobre cultura

Advertisement