Page 43

A saga da arte de Victor Brecheret: novas perspectivas da origem do modernismo à modernidade nos cenários de São Paulo e da Escola de Paris.

A maquete do Monumento às Bandeiras (figura 5) era uma proposta revolucionária, confrontando-se com o medíocre projeto de Ettore Ximenes, escultor italiano vencedor do concurso de 1917 para o Monumento da Independência do Brasil. Este foi mal recebido pelo meio cultural; Ximenes teve de completá-lo com elementos da história da emancipação brasileira, tamanha era a descaracterização. O fato causou indignação nos arraiais dos modernistas, como também fora do seu círculo. Por exemplo, Monteiro Lobato, o implacável crítico da exposição de vanguarda de Anita Malfatti em 1917, marco inicial do processo modernista, converteu-se em admirador de Brecheret. Escreve o artigo “As quatro asneiras de Brecheret”, publicado na Folha da Noite em 16 de abril de 1921, e com ácida ironia se refere a Ximenes, bem como à falta de reconhecimento do talento do Brecheret no contexto paulistano.

2. O Monumento foi terminado em 1953 e inaugurado oficialmente em 25 de janeiro de 1954 nos festejos do quarto centenário da cidade.

Exposta em 28 de julho de 1920, a maquete do Monumento às Bandeiras vinha acompanhada por um memorial explicativo, escrito por Mário de Andrade e publicado nos jornais e revistas da época. Era o primeiro momento moderno de um sonho nativista, ao qual o escultor iria dedicar décadas de sua vida. Os modernistas publicaram louvores entusiastas ao Monumento às Bandeiras e ofereceram a maquete ao governador Washington Luís, pensando contar com o apoio oficial de uma subscrição pública para a sua execução, a tempo dos festejos do primeiro centenário da independência. Este projeto foi frustrado porque o governador enviou-a para o acervo da Pinacoteca do Estado, pondo um ponto final no anseio dos modernistas. Para Brecheret, não era um assunto encerrado, mas a motivação do empenho de toda a sua vida, que acabou por realizar no começo da década de 19502. Em busca de aprimoramento para realizar o sonhado monumento, deseja retornar à Europa, a Paris, que desde os primeiros anos do século XX se convertera no centro mundial das artes, atraindo artistas de todos os continentes. Em junho de 1921, Brecheret viaja a Paris, com a bolsa do Pensionato Artístico do Estado, por cinco anos. O escultor deixa o círculo dos modernistas, uma curta convivência, um período decisivo, de quase dois anos.

41

Profile for Correios Cultura

Revista Postais 04 - 2015  

Revista Postal N. 4 - 2015 Dossiê Cartas e Correios no Antigo Regime Artigos de Bernardo Arribada, Caroline Garcia Mendes, Daisy Peccinini,...

Revista Postais 04 - 2015  

Revista Postal N. 4 - 2015 Dossiê Cartas e Correios no Antigo Regime Artigos de Bernardo Arribada, Caroline Garcia Mendes, Daisy Peccinini,...

Advertisement