Page 189

As primeiras edições da revista Diga um recorte preliminar

House-organ é o veículo de comunicação interna que de certa forma estabelece um diálogo entre direção e empregados. Esse “jogo da verdade” apresenta-se como uma proposta de transparência, conferindo credibilidade ao discurso e ao processo de mudança tão presente a época. Para Marcia Benetti, a credibilidade é o capital do campo jornalístico: [...] O capital é o bem simbólico mais caro de um campo, aquilo que o distingue dos demais e que, internamente, confere maior ou menor distinção a seus atores. O valor mais caro ao jornalismo é a credibilidade. [...]”. (2013, p.48).

Independentemente de ser ou não verdadeira essa “transparência”, ao propô-la, Diga reproduz um discurso que era geral na imprensa de um momento histórico que, por outro lado, sabemos marcado pela censura. Vale observar, neste ponto, que a Diga, apesar de ser um veículo voltado para o público interno da ECT tinha características das revistas do mercado editorial da época bem como do jornalismo de revista. O espelhamento de propostas presentes na grande imprensa, no caso de Diga, chega ao plano do conteúdo e até mesmo ao nome de uma seção. Na edição especial de 45 anos da revista Veja a matéria “O Criador de Veja” relata os bastidores da criação do número 1 da publicação por Roberto Civita. Uma das curiosidades narradas é sobre as observações e correções feitas por Civita nas treze edições experimentais, intituladas de “números zero”: Marcava repetições desnecessárias de palavras e sublinhava títulos que não aprovava. Com uma única canetada, deu o nome definitivo de uma das seções mais lidas da revista, o único que permanece inalterado até hoje: ‘Gente’” expoe o jornalista Carlos Maranhão a respeito das indicações de Civita. (REVISTA VEJA, n. 2340, p. 36).

Revista Diga, Ano 1, nº 1, março/abril 1972. Acervo - Museu Nacional dos Correios

189

Revista Postais 02 - 2014  

A Revista do Museu Correios Dossiê - Arte Postal Artigos de Adriana Santana, Almerinda da Silva Lopes, Altemar Henrique de Oliveira, Antonio...