Page 181

Cultura e Desenvolvimento – Patrimônio Material e Imaterial

- em Goiás, Alfenim e Empada ou Empadão de Goiás; - em Pernambuco, Frevo, Feira de Caruaru e Mamulengo; - em São Paulo, Sanduiche de Bauru; - na Bahia, Teatro Popular de Bonecos Brasileiros, Feira de São Joaquim de Salvador, Capoeira, Circo de Tradição Familiar/ Nacional; - na Paraíba e no Rio Grande do Norte, Mamulengo; - no Maranhão, Cuxá; - no Pará, Festival Folclórico de Parintins dos BoisBumbás Garantido e Caprichoso; - no Rio de Janeiro, Samba Carioca – Jongo, Capoieira, Circo de Tradição Familiar/Nacional.

Fig. 7. Caboclo de pena. Foto Edgar Rocha. Acervo - IPHAN.

O conceito de patrimônio cultural ampliou-se consideravelmente nas últimas décadas. A adoção da transversalidade como princípio e as leituras territoriais como meio, onde os aspectos naturais e culturais se entrelaçam, tornaram as abordagens mais complexas e múltiplas. Seja em sua dimensão material estendendo a ação preservacionista a um espectro maior de bens em várias escalas, como, por exemplo, - nas paisagens e itinerários culturais - seja em sua dimensão imaterial, cujos avanços foram notáveis, no registro, salvaguarda e difusão de saberes, celebrações, formas de expressão e lugares que constituem o cerne das culturas em suas diversas manifestações. Pode-se afirmar que na atualidade, a preservação do patrimônio cultural não é apenas mais abrangente, ela reflete com maior intensidade a diversidade, as várias identidades formadoras das nações, povos e etnias. Especialmente aquelas que por estarem vinculadas a agrupamentos sociais restritos, muitas vezes marginalizados e de limitada expressão demográfica e econômica, apresentam riscos elevados de desaparecimento (TORELLY, 2011, p.14). 181

Revista Postais 02 - 2014  

A Revista do Museu Correios Dossiê - Arte Postal Artigos de Adriana Santana, Almerinda da Silva Lopes, Altemar Henrique de Oliveira, Antonio...

Advertisement