Page 47

Cartas da FEB: entre a saudade e a guerra

Segundo a Sra. Hilda, filha de Max Wolff em entrevista concedida ao Coronel Cláudio Skora Rosty (Pesquisador militar do CEPHIMEx, em 2012), relata que seu pai escrevia cartas sempre de forma carinhosa e sem transparecer a real situação do conflito armado. Na última carta recebida em 31 de março de 1945 ele assim discorreu:: À minha idolatrada filhinha. Beijo-te e abraço-te minha adorável belezinha. As saudades são imensas. Quanta vontade de te escrever, e de te ver, e de sentir os teus carinhos. De ver a sua boquinha aberta (ou não fica mais aberta?) (...) gostou do banho de mar? Aprendeu a nadar? O Amaral (...) disse que o Dr. Sérgio extraiu um dentinho teu. Doeu muito? Você ainda gosta de feijão? E o vira-lata, ainda faz muito tumulto? (ROSTY, 2012, p. 43)

Figura 4: Fragmento de carta de Max Wolff a sua irmã Isabel Acervo - Espaço Cultural Sala de Exposições Sargento Max Wolf Filho - 20º Batalhão de Infantaria Blindado

Ainda conforme Hilda, em uma das cartas escritas por Max à sua irmã Isabel, ele dizia que caso não voltasse, era de sua vontade que a guarda de Hilda ficasse com ela. Em caso de sua morte ele dizia que morreria com satisfação (Figura 4). (ROSTY, 2012, p.40). No ano de 2011 foi lançado o selo comemorativo do centenário de nascimento do Sargento Max Wolff Filho. (Figura 5) Histórias de vida que se entrelaçaram por meio da palavra escrita num período de incertezas de voltar ou não. Na maioria

Figura 5: Selo Comemorativo Centenário de Max Wolff Filho Acervo - Espaço Cultural Sala de Exposições Sargento Max Wolf Filho - 20º Batalhão de Infantaria Blindado

45

Profile for Correios Cultura

Revista postais 08  

O serviço meteorológico dos Telegrafos - Miguel Angelo de Oliveira Santiago O selo postal: entre o documento e o monumento - Wilson de Olive...

Revista postais 08  

O serviço meteorológico dos Telegrafos - Miguel Angelo de Oliveira Santiago O selo postal: entre o documento e o monumento - Wilson de Olive...

Advertisement