Page 1

ANO I - Nº 2 Este suplemento é parte integrante da Revista Sapiència nº 39

Geração Solar

DICAS PASSATEMPOS

CURIOSIDADES


Publicações

A Isadora, do 4º ano da Escola Municipal Sítio Nacional , em Oeiras, fez esse desenho bem maneiro para mostrar como funciona a energia solar.

A Ana Beatriz Belarmino, de 09 anos, escreveu esse lindo poema sobre a importância de se economizar a água.

A Ayla, do 5º ano da Escola Municipal Sítio Nacional ,em Oeiras, desenhou uma caixa d’água irrigando a plantação. Ficou legal , né?

Dica de Livro

Quem disse que roubaram o Bumba meu boi do Piauí? A prova de que isso não é verdade encontra-se na história O BOI DO PIAUÍ, adaptada da tradição oral pela contadora de histórias Márcia Evelin. O nego Chico, o índio, o fazendeiro são alguns dos personagens que fazem parte do enredo, mostrando que a narrativa continua viva no imaginário de muitos piauienses, que brincam e cantam as melodias de uma das maiores manifestações culturais do Estado. Autor: Márcia Evelin Ilustradores: Danilo Grilo

e Lurebordosa Idioma: português

Editora: Nova Aliança Assunto: Cultura Popular

Edição: 1 Ano: 2015

Quer ver a sua cartinha ou o seu desenho publicados aqui? Escreva para nós! Nosso email de contato é: sapienciajr@gmail.com O endereço da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí (Fapepi) é: Av. Odilon Araújo, 372, Piçarra, Teresina-PI. • CEP: 64017-280

Expediente CORDENAÇÃO DE COMUNICAÇÃO: Michelly Samia EDITOR-CHEFE: Afonso Rodrigues – MTB 2054/PI REDAÇÃO: Afonso Rodrigues Allan Campêlo (Estagiário)

Mário David Melo Vanessa Soromo

ILUSTRAÇÕES: Narciso

PSICOPEDAGOGA: Lia Castro

DIAGRAMAÇÃO: Luiz Carlos

REVISÃO DOS TEXTOS: Antônio Aílton Ferreira de Cerqueira

IMPRESSÃO E ACABAMENTO: Gráfica Realce

PUBLICIDADE: Patrícia Carvalho

TIRAGEM: 10 mil exemplares


Luz, calor e energia!

L

ocalizado a 149, 45 milhões de quilômetros da Terra, e com uma superfície de temperatura aproximada de 6 mil ºC, o Sol é extremamente importante para a manutenção da vida em nosso planeta. Há cerca de 4,5 bilhões de anos, uma grande nuvem composta de gás e poeira estava em um processo de contração, tornando-se mais densa e dando origem à estrela que hoje conhecemos como Sol, responsável pela luz e pelo calor que chega até a Terra. Mas como isso acontece? Através de interações entre átomos de hidrogênio, o Sol transforma, todos os dias, toneladas de sua massa em energia, que é liberada no universo. Mesmo distante e com uma temperatura altíssima, através de cálculos e observações feitas ao longo dos anos, os pesquisadores

conseguiram reunir diferentes informações sobre o Sol. Por exemplo, você sabia que a luz do Sol demora oito minutos para chegar à Terra? Isso mesmo, apenas oito minutos para percorrer milhões de quilômetros! Como exemplo da importância da luz solar, é através da captação dela, que as plantas realizam o processo de fotossíntese, obtendo a energia necessária para a produção de seu próprio alimento. Ou seja, sem a luz do Sol, as plantas não conseguiriam sobreviver e, como dependemos do oxigênio liberado por elas para respirar, sem a luz do Sol, não haveria vida na Terra. O Sol é realmente incrível! Agora, depois de saber um pouco sobre o nosso amigo, você vai conhecer diversas formas de aproveitar a energia fornecida por ele. Tenha uma boa leitura!

CURIOSIDADES

Carne de sol, carne seca ou charque. Você sabe a diferença? A Maria Isabel é um prato bem conhecido no Nordeste e é feita com arroz e carne de sol. Para fazer carne de sol, basta passar um pouco de sal em um pedaço de carne bovina (pode ser caprina também!) e deixar um tempinho em um lugar ventilado e na sombra! E, apesar do nome, a carne de sol que conhecemos não seca diretamente no Sol. Por isso, ela é diferente de outros tipos de carne que também são salgadas e expostas ao Sol. É o caso da carne

seca que leva mais sal na preparação e recebe luz direta, por isso, ficando mais dura. Já o charque é a carne seca do Rio Grande do Sul, mas é ainda mais salgada e passa mais tempo no Sol. Outra diferença é que cada uma dessas carnes é feita a partir de uma parte diferente do animal, ou seja, um tipo diferente de carne. Vale lembrar que essas carnes lembram o antigo modo de se conservar comida: usando sal e desidratando sob o Sol!


Geração Solar Por Vanessa Soromo

U

ma nova geração de pesquisadores, inventores, empreendedores econômicos e sociais e estudantes vem se destacando quando o assunto é fontes limpas e renováveis de energia. A família do Júnior, por exemplo, faz parte dessa turma que vem realizando ações e tomando atitudes em prol de um planeta mais sustentável. Você percebeu que no telhado da casa do nosso amiguinho existe algo diferente? São os painéis fotovoltaicos responsáveis por transformar a energia da luz do sol em energia elétrica. É essa energia que faz funcionar a TV, o computador, o vídeo game e os eletrodomésticos. Para explicar como são formados esses painéis, procuramos o professor Marcos Antonio Tavares Lira, do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Federal do Piauí (UFPI). “Se você olhar

um painel fotovoltaico é como se ele tivesse dividido em vários quadriculozinhos. Cada quadrículo daquele é uma célula fotovoltaica. Quando você pega um painel e junta com outros painéis, você tem um arranjo fotovoltaico”, descreve. O “Atlas da Energia Solar no Brasil” da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aponta que quase todas as fontes de energia dependem direta ou indiretamente do sol, tais como: biomassa e eólica. Existem inúmeras formas de aproveitar a luz e o calor do sol, mas, de acordo com o professor Marcos Lira, os principais processos de aproveitamento da energia solar “direta” são a fotovoltaica e a fototérmica. A energia solar fotovoltaica é a responsável por produzir eletricidade. Já a energia solar fototérmica tem a capacidade, por exemplo, de aquecer a água que cai do chuveiro.

Biomassa: Energia gerada por meio da decomposição de materiais orgânicos (bagaço da canade-açúcar, madeira, restos de alimentos e etc.). Eólica: Energia obtida pelo movimento dos ventos.

CURIOSIDADES

Devagar e sempre, mas com muita luz! Oi! Vamos brincar de adivinhar? O que é verde, vive no mar e faz fotossíntese? (produção de energia através da luz solar) É claro que a primeira coisa a se pensar é alga marinha e está certo. Mas outra resposta certa é lesma do mar! Ué, mas só plantas fazem fotossíntese, não é? Bom, aqui está uma exceção. Ou melhor, uma de cerca de 280! Isso mesmo, existem muitos tipos de lesmas do mar que, como as plantas, se alimentam de luz. A maioria desses animais é movida à luz e têm a cor verde, o que já é uma dica de como se aproveitam do Sol. Como nas plantas, a

fotossíntese das lesmas do mar é feita por causa dos cloroplastos que são as partes da célula responsáveis pelo processo. E elas conseguem isso simplesmente “roubando” essas partes das algas. O interessante é saber que em outro organismo os cloroplastos não deveriam funcionar, mas, as lesmas do mar levam também células de DNA da alga, ou seja, as células que formam a alga. E isso faz com que os cloroplastos funcionem. Bom, é o que dizem os cientistas. Existem outros animais que aproveitam a luz do sol de diferentes formas. Mas, aí, já é outra história!


ar

A luz do sol incide nos painéis

Os painéis convertem energia solar em elétrica

Inversor

Medidor de consumo

A energia elétrica chega aos equipamentos

CURIOSIDADES

Mais poderoso do que uma locomotiva! É o super... Sol! Sim, a luz do sol é uma energia renovável capaz de proezas como mover grandes veículos. No início desse semestre, a Índia começou a fazer testes com trens movidos por uma combinação de energia térmica (por calor) e solar, conseguida a partir de painéis fotovoltaicos (palavra que você já conhece!) instalados no teto dos vagões. As estações e as passarelas também deverão ter essas placas que serão abastecidas pelo

próprio trem quando estiver parado. A inspiração do governo indiano veio do avião Solar Impulse da Suíça que, dando a volta ao mundo, pousou na Índia. A malha ferroviária de lá é uma das maiores do mundo. São cerca de 12 mil trens que transportam 23 milhões de passageiros todo dia! Haja óleo diesel para mover tudo isso! Portanto, pelo bem do mundo, vamos torcer para a Índia ter sucesso nesse bom uso da energia solar.


Para colorir Já chegou o B-R-O Bró! Procure uma sombra! Tá quente, né? Todos os anos, no Nordeste, e principalmente no Piauí, existe um período onde o Sol parece ficar em cima de nossas cabeças e aí não tem jeito....é quentura para todo lado! São os meses de setembro, outubro, novembro e dezembro que formam o famoso B-R-O Bró! Esse excesso de calor é causado pelo El Niño, um fenômeno que ocorre quando

a temperatura do Oceano Pacífico aumenta e provoca alterações na atmosfera. Isso enfraquece os ventos que sopram de leste para oeste na região equatorial, bem onde fica o Piauí! Não dá outra! As chuvas diminuem e a umidade baixa, o que causa uma série de problemas de saúde como garganta inflamada, pele ressecada e tosse seca! Por isso, como não dá para sair

correndo do calor, é preciso seguir recomendações médicas. Beba muita água, evite andar sob o Sol entre 10 e 16h, mantenha toalhas molhadas nos quartos e passe protetor solar na pele. E, se começar a sentir que a garganta vai inflamar ou começar a tossir muito, vá com seus pais a um otorrinolaringologista, o médico especialista nesse tipo de problema.


“Sol e Água no Sertão”

A

energia solar pode ser usada para o consumo em casa, gerando energia para os eletrodomésticos que a gente utiliza no nosso dia a dia. Mas você já imaginou usar essa forma de energia para auxiliar na irrigação de plantas no campo e, assim, produzir alimentos? O semiárido piauiense é uma região com bastante sol e poucas chuvas. Pensando nisso, o professor doutor em Energia Albemerc Moura de Moraes desenvolveu o projeto “Sol e Água no Sertão” numa comunidade chamada “Exu”, localizada lá no interior de Oeiras, no sul do Piauí. A ideia era aproveitar o sol do lugar para suprir a falta de água no período da seca e utilizar essa água em um sistema de irrigação para a produção de alimentos. Funciona da seguinte maneira: a luz do sol incide nas placas fotovoltaicas, gerando energia elétrica. Essa energia ativa um dispositivo que fica no poço, lá no subsolo. Quando o dispositivo é ativado, ele permite bombear a água do poço para a caixa d’água, e de lá para a área que está sendo utilizada para a plantação. De acordo com o professor Albemerc, as famílias atendidas pelo projeto produzem hortaliças, verduras e vários tipos de frutas, como banana, melancia e abacaxi. “O homem do campo vai ter a qualidade de vida melhorada e melhorar a sua produtividade, porque antes ele só plantava quando tinha chuva, e a chuva era irregular.

Foto: Acervo pessoal

O professor Albemerc Moura explica aos alunos da Escola Municipal Sítio Nacional, em Oeiras, como funciona o sistema fotovoltaico de bombeamento de água

Então, muitas vezes, ele plantava e não colhia. Nesse sistema de energia solar, ele vai poder ter mais alimentos o ano inteiro e comercializar o que não for utilizar”, destaca o professor. Além de trabalhar com a geração de energia solar e abastecimento de água para o cultivo de alimentos, o projeto tem ainda uma preocupação com a educação ambiental. Na escola rural da comunidade Exu, o grupo de pesquisa do professor Albemerc desenvolveu uma série de atividades para os alunos, pais e professores aprenderem o funcionamento da energia solar e a importância da preservação da água, mostrando para as crianças que é possível um futuro com energias limpas e renováveis.

Como reduzir os gastos com o consumo de energia elétrica nas instituições federais de ensino? Foi respondendo a essa pergunta que o estudante piauiense Lucas Cruz conquistou o primeiro lugar no Desafio da Sustentabilidade, um concurso promovido pelo Ministério da Educação para selecionar as melhores propostas inovadoras de redução do consumo de energia elétrica e de água. A ideia de Lucas, que foi a mais votada do país na categoria de redução do consumo de energia elétrica, consiste em utilizar painéis solares na fachada de um edifício, substituindo os materiais de construção, como vidros. “Eu deixo de gastar com material de construção e gero energia ao mesmo tempo. Além disso, eu trago essa tecnologia de ener-

gia solar para a universidade, que gera pesquisa e informação para a sociedade, e ao mesmo tempo há uma redução de gases que acentuam o efeito estufa”, explica Lucas. Por conta desse projeto, Lucas ganhou um prêmio de R$ 5.000,00 (cinco mil reais). Já a Universidade Federal do Piauí, instituição onde ele estuda o curso de Engenharia Elétrica, recebeu R$ 3.000.000,00 (três milhões de reais), que serão aplicados para equipar o laboratório de eficiência energética e também para transformar a ideia do estudante em realidade, com a implantação de painéis solares na fachada do Centro de Tecnologia (CT) da UFPI. O interesse pela ciência, e mais especificamente pelo tema de energias renováveis, veio do pai de Lucas, que é professor de física. “Meu pai já me

Foto: Afonso Rodrigues

Estudante piauiense é destaque em premiação nacional

Lucas Cruz

incentivava muito, falava ‘meu filho, esse negócio de energia renovável é interessante, dá uma lida’, e eu acabei gostando. Aí eu entrei na Engenharia Elétrica por conta disso, porque eu gostava dessa parte de energia renovável”, conta o estudante.


N C Ã D O F C F L C U D F I M F E I C O A B C I D E F N

P D O C O D D M F C T E

Resposta: Não polui o meio ambiente.

Passatempo

Se você eliminar as letras C, D E F, descobrirá uma das vantagens do uso da energia solar.

O Júnior está com fome, ajude-o a chegar até o seu prato preferido: a carne de sol.

Edição 02 - 2016  
Edição 02 - 2016  

Geração Solar

Advertisement