Issuu on Google+

ANO XIV Nº 168 ABRIL 2010

Publicação do Centro de Tecnologia em Administração Funerária Órgão Oficial de Divulgação do Setor Funerário Nacional

IRPF DIA 30 DE ABRIL TERMINA O PRAZO PARA ENTREGA DAS DECLARAÇÕES MUDANÇAS NAS ALÍQUOTAS E NAS REGRAS EXIGEM ATENÇÃO DOS CONTRIBUINTES

Leia também ATUALIZAÇÃO:

Consultora do CTAF dá dicas para uma boa escrituração contábil. Curso no final de abril debaterá o tema.

NEGÓCIOS:

Funerária São Francisco inaugura Memorial Parque da Colina em Lençóis Paulista-SP e disponibiliza serviço luxuoso à população da região.


Temos o treinamen medida para sua em

• tanatopraxia; • reconstituição facial; • técnicas de vendas em planos fun • cerimonial: celebração da vida; • excelência no atendimento; • contabilidade e o momento do se

Todos os temas são realizados com turmas abertas e também na m

informe-se: (14) 3882-0595 e-mail: ctaf@ctaf.com.br - www.f DF MAIO2010

2


etor funerário.

modalidade “IN COMPANY”

funerarianet.com.br

DF MAIO2010

*O ctaf oferece os cursos na modalidade “in company” na cidade do contratante. Porém, para que o treinamento seja realizado é necessário um número mínimo de participantes e infra-estrutura adequadas para cada curso. Solicite proposta.

nto sob mpresa.

nerários;

3 HagaTex


Sumário Ano XIII Nº 168 ABRIL 2010

EDITORIAL

3

GRESSOF

18

Grupo comemorou 10 anos de atuação em 2009 e começa 2010 elegendo a nova diretoria e calendário de reuniões.

NEGÓCIOS

20

CAPA

34

Funerária São Francisco inaugura sofisticado velório em Lençóis Paulista e agrega a modernidade do velório on line a seus clientes.

ATUALIZAÇÃO

24

Em entrevista, consultora aponta que o papel do assessor contábil transcende o dever de organizar papéis e compromissos empresariais.

Em 30 de abril termina o prazo para a entrega da Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física. Entenda as mudanças deste exercício e enfrente o Leão.

Nesta edição Inauguração do Memorial Paraíso da Colina - Lençóis Paulista-SP

• Clipping.......................................... 07 • Cartas............................................ 09 • Sefesp............................................ 10 • Abredif........................................... 12 • Marketing....................................... 15 • Luto............................................... 16 • Curiosidades................................. 26 • Legislação..................................... 34 • Humor&Tal.................................... 38

DF MAIO2010

4


Editorial LOURIVAL PANHOZZI

Construindo a imagem Quando terminava a Revista de Abril, vi na Internet uma notícia que me deixou muito triste, para não dizer revoltada. O Correio Brasiliense, importante veículo de comunicação do Centro Oeste - Brasília, transcreveu comentários do Governo e da SUSEP, dizendo que a população brasileira que possui plano assistencial funerário está a mercê da própria sorte. A notícia diz que os empresários do setor recebem de R$ 10 a R$ 15,00 mensais de cada uma das famílias clientes e que este dinheiro serve para engordar o já poupudo patrimônio pessoal. Fala das irregularidades do setor em Brasília e região e diz que muitas empresas funerárias já “quebraram” e deixaram desassistidos os seus clientes. Vejamos, as fontes da notícia são o governo e a SUSEP e os próprios fatos negativos da atuação de algumas empresas funerárias em Brasília. Mas e o resto do país? Não é possível que 25 milhões de famílias, como cita a própria reportagem, estejam tão enganadas com a reputação das empresas funerárias. Estas empresas investem sim em melhorias no próprio negócio. Em todos os números recentes da Diretor Funerário temos uma matéria sobre um empreendimento milionário e que transforma a realidade das localidades onde estão instalados, propiciando conforto e profissionalismo aos clientes. As empresas funerárias espalhadas pelo país, que vendem sim Planos Assistenciais Funerários, e também cobrem a precariedade do serviço prestado pelo Governo na área de saúde. Disponibilizam ambulâncias para o transporte de pacientes que precisam de atendimento médico, emprestam material de convalescência, possibilitando um tratamento em casa, oferecem descontos em empresas parceiras, como óticas e farmácias e até em outros prestadores de serviços, como salões de beleza e pet shops. São ainda Socialmente Responsáveis, investindo em projetos e programas assistenciais ou simplesmente atendendo gratuitamente àqueles que não podem arcar com as despesas funerais de familiares. Há sim exemplos bem ruins dentro do setor funerário e talvez seja essa a única imagem que o Correio Brasiliense consiga formar do setor. Mas é preciso informá-los que há muita coisa boa no segmento e que as 25 milhões de famílias não apostaram errado e não estão à mercê da própria sorte. Elas foram acolhidas e encontraram um produto acessível, num tempo em que eram marginalizadas e não eram consideradas boas consumidoras por outros segmentos – que, podem acreditar, também usam o lucro de suas empresas para engordar o próprio patrimônio - afinal isso é capitalismo. Toda essa história vem num intrincado momento em que a implantação do microsseguro ora se veste de lobo e ora de cordeiro. O produto que vai fazer um importante papel de “inclusão social”, vai também duplicar o lucro das empresas que o comercializarem, portanto, tudo o que for dito neste momento não é mentira e não é verdade, mas com certeza é altamente tendencioso. Fiquem atentos e formem suas próprias opiniões. Nesta edição temos mais um exemplo dos investimentos feitos pelos empresários do setor em seus negócios e que beneficia diretamente os clientes e a população do município onde estão instalados: a inauguração do Memorial Paraíso da Colina, da Funerária São Francisco em Lençóis Paulista. Acompanhem também a evolução do GRESSOF, que há 10 anos vem lutando para a melhoria e na profissionalização do Serviço Social dentro da empresa funerária. A última reunião elegeu a diretoria para o próximo ano e também discutiu o luto. Essa é outra iniciativa que mostra o investimento do setor em seu negócio e nas pessoas que o utilizam. Tem também uma entrevista com a assessora contábil Maria Judite S. Orsi da Cruz, consultora do CTAF e proprietária da Perfomance. Com mais de 15 anos de atuação no setor funerário, ela explica que um bom profissional da área pode ajudar a empresa funerária a ficar em dia com a legislação. O tema será discutido em um curso organizado pelo CTAF no dia 30 de abril, na sede da ABREDIF em São Paulo. Para fechar este editorial lembro o e-mail enviado à redação e que narra um fato, no mínimo curioso, vivido por um agente funerário de Fernandópolis-SP. Lendo o relato do agente funerário é possível entender quem são as pessoas que estão no setor e saber porque 25 milhões de famílias confiam no Plano Funerário. A matéria está na seção Curiosidades. Um grande abraço e até maio A Redação

DF MAIO2010

5


Expediente

Diretor Executivo

Conselho Editorial

Conselho Editorial

Lourival Antonio Panhozzi lori@sistemaprever.com.br

Mario Fernando Berlingieri marinhob@hotmail.com

Ilso Sanchez Parra lutopaulista@uol.com.br

Diretora Administrativa

Departamento Financeiro

Redação

Dulce Cristina C. Nascimento dulce@ctaf.com.br

Ana Paula Delmanto paula@ctaf.com.br

Solange Serafim solange@ctaf.com.br

Projeto Gráfico, DTP, Marketing e Publicidade

Assinaturas, Depto. Comercial e Treinamento

Colaboradores

Henrique Teixeira henrique@ctaf.com.br

Leandro da Silva Jerônimo leandro@ctaf.com.br

CARTA AO LEITOR

Maria José Bueno Rocha Taísa Berlingieri

SERVIÇOS

Caro leitor, A Revista Diretor Funerário ficou satisfeita a receber a notícia e compartilha agora com você. Dia 28 de fevereiro a Folha de São Paulo trouxe, no caderno veículos, uma matéria sobre o Funeral Car, veículo funerário do Grupo Bom Pastor, de LimeiraSP, exposto pela empresa de transformação Procópio Limousines durante a funexpo2009. “Carro funerário “tunado” promete efeitos especiais” é o título da matéria que também revela detalhes: “A transformação levou sete meses, custou R$ 160 mil e deixou o carro com 8 metros de comprimento e 2.340 kg, 3 metros e 540 kg além da original.”, diz a notícia.

Assinaturas Impressas: Para novas assinaturas. Disque para fone/fax: (55) (14) 3882-0595, envie pedido pelo correio para: Rua Dr. Rodrigues do Lago, 464 CEP 18602-091 - Botucatu - SP - Brasil, e-mail para assinatura@ctaf.com.br Atendimento ao assinante: Fone/fax: (55) (14) 3882-0595 Rua Dr. Rodrigues do Lago, 464 CEP 18602-091 - Botucatu - SP - Brasil e-mail: atendimento@ctaf.com.br Na internet acesse: www.funerarianet.com.br Para anunciar: (55) (14) 3882-0595

Os diretores do Grupo Bom Pastor e os empresários envolvidos na transformação ficaram animados com a repercussão. “Os fotógrafos adoraram. Disseram que já fotografaram Ferraris exclusivas e outros carros fantásticos, mas adoraram o Funeral Car. Ficaram impressionados”, disseram.

Redação: (55) (14) 3882-0595 e-mail: revista@ctaf.com.br Jornalista Responsável Solange Serafim - Mtb - 23.860

Para quem ainda quiser conhecer, a reportagem está na www.funerarianet.com. br, na seção curiosidades.

Impressão: JOARTE - jorgedj@joarte.com.br

Um abraço, A Redação DF MAIO2010

6

A Revista Diretor Funerário é uma publicação mensal do Centro de Tecnologia em Administração Funerária, órgão oficial de divulgação do Setor Funerário Nacional. A publicação não se responsabiliza pelas opiniões e conceitos emitidos em artigos assinados e em anúncios publicitários.


Clipping Susep pretende apressar votação do Microsseguro

Bradesco sai na frente e lança produto com “jeitão” de Microsseguro

Regulador do mercado de seguros quer evitar que votação do projeto de lei que regula o tema seja adiada para o ano que vem, por conta das eleições.

A Bradesco Vida e Previdência lançou no mercado o Primeira Proteção Bradesco visando atender demanda das classes C, D e E de um seguro de vida por morte acidental que cabe no bolso - R$ 3,50 mensais - e oferece tranquilidade para as famílias. No valor de R$ 20 mil em caso de morte acidental, o seguro ainda oferece a chance de o titular ganhar, em vida, por meio de sorteios de plano de capitalização incluso no produto, o valor do seguro que é de R$ 20 mil.

Os trâmites já estão sendo finalizados na Câmara dos Deputados , mas com a proximidade das eleições, porém, a Superintendência de Seguros Privados (Susep) não quer correr o risco de que essa - uma das prioridades do órgão para este ano - fique para 2011. Por conta disso, pretende pedir urgência para o projeto. O microsseguro vem sendo apresentado como ferramenta de proteção social, que vem no sentido de manter e garantir as conquistas financeiras das populações das classe C e D. Há uma grande confusão do que seria o microsseguro, principalmente comparações com apólices de baixo valor que são distribuídos de forma massificada.

O produto, segundo Eugênio Velasques, faz parte do esforço da seguradora de difundir o microsseguro. Nesse plano piloto, iniciado em fevereiro, o Primeira Proteção Bradesco foi ofertado nas favelas da Rocinha, no Rio de Janeiro, e Heliópolis, em São Paulo.

Sua definição, a rigor, é: “Proteção securitária e previdenciária que atenda às necessidades específicas das populações de baixa renda e que sejam suportados economicamente por elas. É uma ferramenta de proteção social que deve ter regras muito simples, de fácil entendimento, com uma regulação de sinistro muito rápida, que tenha um marco regulador bem definido e claro. Precisa ter uma vasta rede de distribuição e um custo de cobrança muito baixo e variado.

O objetivo, diz Velasques, foi o de testar a linguagem mais simples na oferta do produto, rompendo a desconfiança de que seguro “é só para quem tem dinheiro e que as apólices têm sempre letras miúdas e de difícil compreensão. O texto do folheto é claro e objetivo e está em sintonia com a expectativa desse público”. O êxito de vendas nas duas favelas em fevereiro, com mais de 400 contratos assinados reforça a intenção da seguradora de levar o produto para outros mercados, especialmente na periferia das grandes cidades. A experiência bem sucedida nas duas favelas tem a ver com a presença do Grupo Bradesco, por meio de agências, tanto na Rocinha, como em Heliópolis.

A Susep quer fomentar mercado, não só regulá-lo. Brasil Econômico Março de 2010

A experiência da Bradesco Seguros e Previdência no microsseguros é reforçada ainda pela oferta da garantia estendida e do seguro prestamista. A garantia estendida amplia o prazo de garantia de produtos eletroeletrônicos e eletrodomésticos, cujo valor tem peso no orçamento dessas classes. Já o seguro prestamista assegura o pagamento de prestações em caso de desemprego preservandose a dignidade do comprador que teme o nome sujo e a tomada do bem pelo vendedor.

Microsseguro cresce antes de ser regulamentado Antes mesmo de ser regulamentado, o microsseguro já movimenta no país cerca de US$ 1 bilhão, contando ainda com um público potencial de 100 milhões de brasileiros. De olho no bolso das classes C e D, as seguradoras se anteciparam à edição da norma, oferecendo seguros de baixo valor, com foco principalmente nas famílias com orçamento inferior a R$ 2,5 mil por mês. Apesar da multiplicação das vendas, a eficácia do produto ainda é uma incógnita para o cliente, que paga pela proteção, mas não é informado sobre as regras e riscos do contrato. Vendido por gerentes de bancos ou nas grandes redes varejistas, as prestações são lançadas nas contas de luz, telefone ou no cartão de crédito. É raro o consumidor sair de um magazine sem adicionar à fatura um ou dois pequenos seguros, variando entre R$ 3 e R$ 10. De grão em grão, ou de real em real, o mercado da microproteção mostra números surpreendentes, sem ainda investir na informação. Impasses como a inclusão na fatura de valores não consentidos pelo consumidor também engrossam as reclamações que chegam aos Procons. No Itaú Unibanco, o seguro que oferece proteção à renda é vendido por valores inferiores a R$ 11 e já ocupa 5% da carteira da instituição financeira. Para se ter uma ideia de como o mercado avança, só o Bradesco vendeu, no ano passado, 2,5 milhões de apólices com valores abaixo de R$ 9.

Portal Nacional Seguros 17 de março de 2010

NOTA:

O Clipping é uma coletânea de notícias do setor funerário publicadas nos jornais de todo o país. Ele é um painel do que está acontecendo no setor e chega para a Diretor Funerário através de um serviço especializado que rastreia tudo o que é publicado na imprensa. A redação apenas transcreve a notícia, dando os créditos dos órgãos de imprensa onde foram primeiramente veiculadas e a data. Não são reportagens realizadas pela redação da Diretor Funerário.

Os “segurinhos” oferecem desde segurança contra a perda e roubo do cartão até proteção à renda, modalidade que, na maioria dos casos, quita a dívida adquirida pelo consumidor no cartão de crédito em caso de desemprego. O seguro de vida e auxílio-funeral oferece indenizações que variam, em média, de R$ 5 mil a no máximo R$ 50 mil. Diferente do produto convencional, o microsseguro não é procurado pelo consumidor, mas ofertado de forma massificada.

DF MAIO2010

Portal Uai 22 de março de 2010 7


Registro

ABRIL

Agora, você assinante, também tem seu espaço para comemorar seu aniversário. E , desde já, desejamos a todos os nossos votos de feliz aniversário. 01/04 Ernani ..................................................Cunha Pora-SC

17/04 César Rodrigues Panstein.......................... Tupassi-PR

01/04 Francisca Nadja Alves Pereira...................Milagres-CE

18/04 Antolino Souza Neto................................ Itamaraju-BA

01/04 Márcio R. Ficagna................................Cunha Porã-SC

19/04 Larissa Azevedo..................... União dos Palmares-AL

01/04 Leandro Dalque....................Almirante Tamandaré-PR

19/04 Carlos Aughusto P. De Souza.............. Porto Velho-RO

02/04 Nilson Azevedo....................... União dos Palmares-AL

19/04 Jurandy Soares Do Santos......................Ji Paraná-RO

02/04 Delvani Rodrigues.................................. Porto Feliz-SP

19/04 Agostinho Lopes...........................Dores do Indaia-MG

03/04 Mônica Regina Coutinho................. Rio de Janeiro-RJ

19/04 Severino Neri.............................Bela V. do Paraiso-PR

03/04 Josilene Gomes Oliveira......... União dos Palmares-AL

19/04 Edgard Roberto dos Santos................... Meridiano-SP

03/04 Denilson de Melo Lopes.................. Caldas Novas-GO

20/04 Nedi F. Cardoso............................................. Itaqui-RS

03/04 Josué Junior dos Santos.........................Carambei-PR

21/04 Esdras Rodrigues Neto......................... Promissão-SP

04/04 Roberto Serra de Souza................ Capão do Leão-RS

21/04 Sabio Silva Nunes.................................Porteirinha-MG

04/04 Francisco da Chagas Coura......................... Sousa-PB

22/04 Josenilton S. de Oliveira.........Sta. Maria da Vitória-BA

04/04 Cláudio P. Marcal.................................Alto Taquari-MT

23/04 Lázaro De Almeida Flores.......................... Santana-AP

05/04 Valmir Ramos Machado..................Nova Granada-SP

23/04 Emanuel Campos Da Silva........................Cáceres-MT

06/04 Ronaldo C. C. Nogueira.....................Votuporanga-SP

23/04 Rogério Moreira........................................Inhumas-GO

06/04 Elane Barcha..........................................Araraquara-SP

24/04 Luis Paulo Ferreira.....................................Barretos-SP

06/04 Pedro Rodrigues Alves................................ Videira-SC

25/04 Vitor Joaquim R. Torino.... Santa Vitória do Palmar-RS

07/04 Luiz Carlos Batista Reis................... Rio de Janeiro-RJ

25/04 Benedito Theodoro....................................... Lages-SC

09/04 Daniel Pereira...........................................Mamboré-PR

26/04 Elimar Schaffer................................... Três de Maio-RS

10/04 Jose Luiz Schaumloeffel...................... Dois Irmãos-RS

27/04 Alessandro Araújo Resende........................... Jataí-GO

10/04 Edson Alves Farias..............................Guarapuava-PR

27/04 Nilton Lourenco dos Santos... Ribas do Rio Pardo-MS

10/04 Flávio Rogerio Leitão................................São Luis-MA

28/04 Alan Kardec de Souza..................Santa Terezinha-GO

12/04 Rolando C. C. Nogueira.....................Votuporanga-SP

28/04 Maria das Dores Alves Pereira..................Milagres-CE

12/04 Paulo Guilherme Nunes.........................Patrocínio-MG

28/04 Fernando de Oliveira Carvalho....................Itápolis-SP

13/04 Agnaldo Rogério Juiz...................................... Tatuí-SP

28/04 Maria Cícera dos Santos.............................Maceió-AL

14/04 Elias Luiz Corso........................................... Videira-SC

28/04 Fernando de Oliveira Carvalho.................Itaperuna-RJ

15/04 Adila Viviane Azevedo............ União dos Palmares-AL

29/04 Charliston Cordeiro dos Santos................Anicuns-GO

15/04 Luiz Augusto Ribeiro Marcal................Alto Taquari-MT

30/04 José Pedro Toledo.....................................Orlandia-SP

16/04 Celso Luiz Castrequini..................... Rondonópolis-MT

30/04 Olímpio Herique Adam...........................Carazinho-RS

MAIO

16/04 Amanda Luma Leal Silva................. Alto Araguaia- MT

02/05 Cleber Juvêncio........................................... Lavinia-SP

15/05 Pedro Lucheta................................... Mirandópolis-SP

03/05 Jean Felippe Claudy Gomes........................Betim-MG

15/05 Resnick F. de Freitas........ Santo Antonio de Posse-SP

05/05 Marco Antonio Padovezzi...................... Cafelândia-PR

17/05 Juliane Gomes Pereira................. Pedro Leopoldo-MG

08/05 Thiago de Sa Arakaki..................... Campo grande-MS

17/05 Pedro de Ávila............................................. Sorriso-MT

08/05 Mara Lúcia Oliveira Batista...........................Araxá-MG

18/05 Lucas Alves Pereira Filho.........................Mineiros-GO

08/05 Olivia Schadeck Humenhuk..................Canoinhas-SC

21/05 José Henrique Leal Silva.................. Alto Araguaia-MT

09/05 Carla Cristina maia souza.......................Caratinga-MG

23/05 Rafael da Luca Passos..........................Araraquara-SP

09/05 Juracy Ramos.............................................. Belém-AM

24/05 Edvaldo Arakaki.............................Campo Grande-MS

09/05 Manoel Gomes Neto...................................Teresina-PI

25/05 Mônica de Fátima Carvalho........ Pedro Leopoldo-MG

12/05 Ubiratã José Teixeira da Silva.... Siqueira Campos-PR

25/05 Nilza Maria Tavares de Santana.................Abaeté-MG

13/05 Maria José Caixeta Skaf Cintra.......... Pires do Rio-GO

29/05 Ermelinda Castrequini Nogueira.........Votuporanga-SP

15/05 Daniel Luis Gonçalves................... Belo Horizonte-MG

31/05 Cássio de Freitas Pires................................Ibitinga-SP

DF MAIO2010

8


Cartas Ao CTAF

À Revista Diretor Funerário

Boa tarde, É com enorme prazer que mais uma vez entro em contato com este tão importante e respeitado veiculo de comunicação de nosso setor, primeiro gostaria de parabenizar a todos que fazem a revista pela seriedade, ética, empenho e carinho que dispensam ao nosso setor, nos deixando sempre bem informados.

Eu gostaria de dar uma sugestão: a instalação de um serviço de recolhimento de corpos pela Polícia Técnica.

Aproveito ainda para parabenizar ao CTAF pelos cursos oferecidos, gostaria de sugerir que houvesse uma programação para que os cursos acontecessem em julho entre a segunda e a terceira semana, pois assim possibilitaria a participação de pessoas como eu, que curso uma faculdade e moro na região nordeste.

Goiás e Minas Gerais, por exemplo, possuem serviços coordenados pelo IML com escalas de motoristas, atendentes, etc. Acho que esse sistema é mais sadio, evita brigas entre as funerárias quando há acidentes na estrada com muitas vítimas.

O site poderia conter um calendário anual de todos os cursos, com isso poderia haver uma preparação por parte dos interessados.

Sugiro uma reportagem sobre o assunto.

Aguardando resposta, reafirmo minha admiração.

Olá,

Leonardo Facundo Diretor Funerário - Tanatopraxista Funerária N. Sra. da Boa Viagem - Boa Viagem-CE Olá Leonardo, Agradecemos demais seu e-mail. Todos aqui da revista se esforçam para realmente levar até o leitor um panorama abrangente do setor funerário. Os cursos, talvez a principal vocação do CTAF em seu surgimento, também são tratados com muita seriedade e a equipe investe em detalhes que acredita serem os diferenciais: como a qualidade dos docentes, a atualidade dos temas, a aplicabilidade dos conceitos e o fato de serem desenvolvidos especialmente para a realidade do setor. Boa observação a sua a respeito dos cursos no mês de julho. O CTAF já tem turmas agendadas para esse mês em 2010.

Eu trabalho em uma funerária há vinte anos e na maioria das cidades do interior paulista este serviço e feito por empresas funerárias.

Abraços

Realmente cada Estado tem sua forma de trabalhar no que diz respeito às tarefas do IML e de funerárias. Em geral o que se estabelece é uma parceria interessante para todos os envolvidos: o próprio IML, as funerárias e principalmente a população. Em São Paulo, na grande maioria dos casos o IML firma um acordo com as funerárias, repassando o serviço de retirada de corpos no local do óbito às funerárias, já que elas são melhores equipadas e possuem profissionais preparados para a tarefa. No Rio Grande do Sul a Secretaria de Segurança Pública mantém um convênio com o Sindicato das Empresas Funerárias - o SESF-RS - que coordena o serviço de remoção e organiza a escala das funerárias participantes. É um modelo bem interessante também. Em outros estados a secretaria de segurança pública prefere manter o serviço próprio. É uma questão de adequação à realidade.

Sobre a disponibilidade do calendário de cursos no site, ele já existe, mas a divulgação é periódica e não para todo o ano, como você sugere. Acreditamos que assim a informação seja mais clara para nossos clientes. Os cursos anunciados possuem turmas para os próximos meses e a medida que vão acontecendo, novas datas são divulgadas.

A sugestão de matéria está anotada. Agradecemos sua colaboração.

De forma geral os cursos com turmas abertas acontecem a cada dois meses. Então, fique atento.

PARTICIPEM:

Um grande abraço, A Redação

DF MAIO2010

Abraços A Redação

Envie suas perguntas, comentários, sugestões para o e-mail: revista@ctaf.com.br; ou para o endereço: CTAF - Revista Diretor Funerário Rua Dr. Rodrigues do Lago, 464 - Centro CEP 18602-091 - Botucatu-SP

9


Sindicato das Empresas Funerárias do Estado de São Paulo Rua Saint Martin, 35-65 - Jd. Aeroporto CEP 17043-081 - Bauru-SP Fone/fax: (14) 3227-4448 e-mail: sefesp@uol.com.br

Sefesp

ABRIL É MÊS DE CONTRIBUIÇÃO CONFEDERATIVA A informação vale tanto para os RHs das empresas do setor funerário, como para orientar clientes atendidos por ela Todas as empresas funerárias do estado de São Paulo, associadas ou não ao Sindicato das Empresas Funerárias do Estado de São Paulo - SEFESP, receberão, no decorrer do mês, o boleto para recolhimento da contribuição Confederativa com vencimento para o dia 30 de abril de 2010. O valor da contribuição é de R$ 0,30 (trinta centavos) por funeral realizado ao longo de 2009, mas vale ressaltar que o valor mínimo de pagamento é R$ 50,00 (cinqüenta Reais) o equivalente a 167 funerais. Empresas que realizaram mais que 168 funerais devem multiplicar o total de serviços prestados por R$ 0,30. ENTENDA COMO FUNCIONA: < ou = a 167 funerais realizados = R$ 50,00 Para empresas que realizam mais de 168 fuerais Número de Funerais realizados x R$ 0,30 = Contribuição Confederativa CONTRIBUIÇÃO CONFEDERATIVA 2010 São dois os embasamentos legais para instituição e cobrança da Contribuição Confederativa: Está prevista na Constituição Federal de 1988, em seu artigo 8º e foi criada para poder dar a manutenção e o custeio do sistema confederativo de representação sindical, que é composto pelas associações sindicais de grau superior, sendo uma receita vinculada, pois uma vez sendo arrecadada deve ser compartilhada. “Art., 8º - É livre a associação profissional ou sindical, observando o seguinte: IV - a assembleia geral fixará a contribuição que, em se tratando de categoria profissional, será descontada em folha, para custeio do sistema confederativo da representação sindical respectiva, independentemente da contribuição prevista por lei;” A cobrança desta contribuição também está no Art. 548, alínea “b” da CLT : Seção VII Da Gestão Financeira do Sindicato e sua Fiscalização Art. 548. Constituem o patrimônio das associações sindicais: a) as contribuições devidas aos Sindicatos pelos que participem das categorias econômicas ou profissionais ou das profissões liberais representadas pelas referidas entidades, sob a denominação de contribuição sindical, pagas e arrecadadas na forma do Capítulo III deste Título; b) as contribuições dos associados, na forma estabelecida nos estatutos ou pela Assembléias Gerais; c) os bens e valores adquiridos e as rendas produzidas pelos mesmos; d) as doações e legados; e) as multas e outras rendas eventuais. A Contribuição Confederativa é distribuída entre Sindicato, Federação e Confederação de uma categoria ou ramo profissional da seguinte forma: 89,9% fica para o sindicato; 10% vai para a federação e 0,1% para a CNPL (Confederação das Profissões Liberais). DF MAIO2010

10


curso:

Cerimonial: Celebração da Vida DATA: 29 de abril de 2010 LOCAL: Sede da ABREDIF Av. Paulista, 2006 - 9º andar conj. 903/904 HORÁRIO: Das 9h00 às 18h30 VAGAS LIMITADAS INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES (14) 3882-0595 www.funerarianet.com.br e-mail: ctaf@ctaf.com.br

DF MAIO2010

11

Realização


Associação Brasileira de Empresas e Diretores do Setor Funerário

Abredif

Av. Paulista, 2006 - 9º andar- conj. 903/904 CEP 01310-200 - São Paulo-SP fone/fax: (11) 3283-3384 - abredif@terra.com.br

Senado prepara projeto sobre cremação A proposta é atualizar o capítulo IX da Lei 6.015. A obrigatoriedade do aguardo de 24 horas após o óbito para cremação e a proibição de aspergir cinzas em locais públicos estão no texto Tramita desde março de 2009 um projeto de Lei que pretende alterar o Capítulo IX da Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de 1973 (Lei de Registros Públicos), que disciplina a cremação de cadáveres. A idéia, do Senador Expedito Júnior, é atualizar a Lei de Registros Públicos, que é a que ampara a cremação, em seu capítulo IX – Do Óbito. O texto do projeto prevê a inclusão da cremação em documentos onde só se fala sobre sepultamento. O projeto também pretende dar maior visibilidade à previsão da cremação, que ganharia um artigo inteiro, ao invés de apenas ser citada num parágrafo (do artigo 77). Ainda pelo projeto, no atestado de óbito deveria constar o nome e endereço do crematório e o nome da pessoa a quem coube a guarda das cinzas. Entre as novidades propostas também está inclusão da obrigatoriedade do aguardo de 24 horas após o óbito como condição restritiva à cremação e a proibição de aspergir cinzas em locais públicos. O projeto já passou por várias comissões e, em março, encontrava-se na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania, onde recebia ementas. Vale lembrar que estados e municípios têm legislações complementares para regular a cremação. Confira o teor do projeto: PROJETO DE LEI DO SENADO Altera o Capítulo IX da Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de 1973 (Lei de Registros Públicos), que dispõe sobre o óbito, a fim de aprimorar a disciplina relativa à cremação de cadáveres. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º O Capítulo IX da Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de 1973, passa a vigorar com as seguintes alterações: Art. 77. Nenhum sepultamento ou cremação será feito sem certidão do oficial de registro do lugar do falecimento, extraída após a lavratura do assento de óbito, em vista do atestado de médico, se houver no lugar, ou, em caso contrário, de duas pessoas qualificadas que tiverem presenciado ou verificado a morte. ............................................................................. (NR) Art. 79. ........................................................................ I - O cônjuge, companheiro ou companheira, a respeito de consorte ou filhos; II - A pessoa maior de idade, a respeito de pai, mãe ou irmãos; III - O parente mais próximo do falecido, na falta dos DF MAIO2010

demais parentes relacionados neste artigo; IV - A autoridade policial, a respeito de pessoa encontrada morta. ........................................................................................................... (NR) Art. 80. ............................................................................................ I – a hora, quando possível, e o dia, mês e ano do falecimento; II – o lugar preciso do falecimento; III – o nome completo, sexo, idade, cor, naturalidade, profissão e, quando possível, o endereço onde residia; IV – o nome do cônjuge, se a pessoa falecida era casada, ou o nome do companheiro ou companheira, se mantinha união estável, acrescido das informações do cartório de casamento no primeiro caso; V – o nome do extinto ou da extinta, se a pessoa falecida era viúva, acrescido das informações do cartório de casamento; VI – a filiação; VII – o nome completo e idade dos filhos, se houver; VII – informação se faleceu com testamento conhecido; VIII – informação se a morte foi natural ou violenta e a causa conhecida, com nome completo dos atestantes; IX – nome do local de sepultamento ou da cremação; X – informação se deixou bens e herdeiros menores ou interditos. XI – o número de pelo menos um dos seguintes documentos da pessoa falecida: a) inscrição no PIS/PASEP; b) inscrição no Instituto Nacional do Seguro Social – INSS; c) benefício previdenciário; d) Cadastro de Pessoas Físicas – CPF; e) carteira de identidade e órgão emissor; f) título de eleitor; g) certidão de nascimento, além do livro, folha e termo; h) carteira de trabalho e série. (NR) .................................................................................................................. Art. 83. Quando o assento for posterior ao enterro ou à cremação, faltando atestado de médico ou de duas pessoas qualificadas, assinarão, com a que fizer a declaração, duas testemunhas que tiverem assistido ao falecimento, ao funeral ou à cremação e puderem atestar, por conhecimento próprio ou por informação que tiverem colhido, a identidade do cadáver. (NR) Art. 2º. O Capítulo IX da Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de 1973, passa a vigorar acrescido do seguinte art. 77-A: “Art. 77-A. A cremação de cadáver somente será feita daquele que houver manifestado a vontade de ser incinerado ou no interesse da saúde pública e se o atestado de óbito houver sido firmado por dois médicos ou por um médico legista. § 1º No caso de morte violenta, além do disposto no “caput” deste artigo, a cremação só será realizada depois de autorizada pela autoridade judiciária. § 2º No caso de cremação em decorrência de mera manifestação verbal de vontade, a certidão de óbito identificará o declarante que tenha assegurado que o falecido manifestou o desejo de ser cremado. § 3º Havendo necessidade de cremação por motivo de saúde pública, a autoridade sanitária será competente para determinar a cremação. § 4º O atestado de óbito indicará o nome do crematório e o respectivo 12


endereço, bem como o nome daquele a quem deverão ser entregues as cinzas. § 5º Em qualquer caso, não poderá ser realizada cremação antes do decurso de vinte e quatro horas do falecimento, vedada a dissipação das cinzas em locais públicos onde seja comum a aglomeração de pessoas.” Art. 3º. Fica revogado o § 2º do art. 77 da Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de 1973. Gabinete do Senador EXPEDITO JÚNIOR

O QUE DIZ HOJE A LEI

LEI Nº 6.015, de 31 de dezembro de 1973. CAPÍTULO IX - Do Óbito Art. 77 - Nenhum sepultamento será feito sem certidão, do oficial de registro do lugar do falecimento, extraída após a lavratura do assento de óbito, em vista do atestado de médico, se houver no lugar, ou em caso contrário, de duas pessoas qualificadas que tiverem presenciado ou verificado a morte. § 1º Antes de proceder ao assento de óbito de criança de menos de 1 (um) ano, o oficial verificará se houve registro de nascimento, que, em caso de falta, será previamente feito. § 2º A cremação de cadáver somente será feita daquele que houver manifestado a vontade de ser incinerado ou no interesse da saúde pública e se o atestado de óbito houver sido firmado por 2 (dois) médicos ou por 1 (um) médico legista e, no caso de morte violenta, depois de autorizada pela autoridade judiciária. Art. 78. Na impossibilidade de ser feito o registro dentro de 24 (vinte e quatro) horas do falecimento, pela distância ou qualquer outro motivo relevante, o assento será lavrado depois, com a maior urgência, e dentro dos prazos fixados no artigo 50. Art. 79. São obrigados a fazer declaração de óbitos: 1°) o chefe de família, a respeito de sua mulher, filhos, hóspedes, agregados e fâmulos; 2º) a viúva, a respeito de seu marido, e de cada uma das pessoas indicadas no número antecedente; 3°) o filho, a respeito do pai ou da mãe; o irmão, a respeito dos irmãos e demais pessoas de casa, indicadas no nº 1; o parente mais próximo maior e presente; 4º) o administrador, diretor ou gerente de qualquer estabelecimento público ou particular, a respeito dos que nele faleceram, salvo se estiver presente algum parente em grau acima indicado; 5º) na falta de pessoa competente, nos termos dos números anteriores, a que tiver assistido aos últimos momentos do finado, o médico, o sacerdote ou vizinho que do falecimento tiver notícia; 6°) a autoridade policial, a respeito de pessoas encontradas mortas. Parágrafo único. A declaração poderá ser feita por meio de preposto, autorizando-o o declarante em escrito, de que constem os elementos necessários ao assento de óbito. Art. 80. O assento de óbito deverá conter: 1º) a hora, se possível, dia, mês e ano do falecimento; 2º) o lugar do falecimento, com indicação precisa; 3º) o prenome, nome, sexo, idade, cor, estado, profissão, naturalidade, domicílio e residência do morto; 4º) se era casado, o nome do cônjuge sobrevivente, mesmo quando desquitado; se viúvo, o do cônjuge prédefunto; e o cartório de casamento em ambos os casos; 5º) os nomes, prenomes, profissão, naturalidade e residência dos pais; 6º) se faleceu com testamento conhecido; 7º) se deixou filhos, nome e idade de cada um; 8°) se a morte foi natural ou violenta e a causa conhecida, com o nome dos atestantes; 9°) lugar do sepultamento; 10º) se deixou bens e herdeiros menores ou interditos; 11°) se era eleitor. 12º) pelo menos uma das informações a seguir arroladas: número de DF MAIO2010

inscrição do PIS/PASEP; número de inscrição no Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, se contribuinte individual; número de benefício previdenciário - NB, se a pessoa falecida for titular de qualquer benefício pago pelo INSS; número do CPF; número de registro da Carteira de Identidade e respectivo órgão emissor; número do título de eleitor; número do registro de nascimento, com informação do livro, da folha e do termo; número e série da Carteira de Trabalho. Art. 81. Sendo o finado desconhecido, o assento deverá conter declaração de estatura ou medida, se for possível, cor, sinais aparentes, idade presumida, vestuário e qualquer outra indicação que possa auxiliar de futuro o seu reconhecimento; e, no caso de ter sido encontrado morto, serão mencionados esta circunstância e o lugar em que se achava e o da necropsia, se tiver havido. Parágrafo único. Neste caso, será extraída a individual dactiloscópica, se no local existir esse serviço. Art. 82. O assento deverá ser assinado pela pessoa que fizer a comunicação ou por alguém a seu rogo, se não souber ou não puder assinar. Art. 83. Quando o assento for posterior ao enterro, faltando atestado de médico ou de duas pessoas qualificadas, assinarão, com a que fizer a declaração, duas testemunhas que tiverem assistido ao falecimento ou ao funeral e puderem atestar, por conhecimento próprio ou por informação que tiverem colhido, a identidade do cadáver. Art. 84. Os assentos de óbitos de pessoas falecidas a bordo de navio brasileiro serão lavrados de acordo com as regras estabelecidas para os nascimentos, no que lhes for aplicável, com as referências constantes do artigo 80, salvo se o enterro for no porto, onde será tomado o assento. Art. 85. Os óbitos, verificados em campanha, serão registrados em livro próprio, para esse fim designado, nas formações sanitárias e corpos de tropas, pelos oficiais da corporação militar correspondente, autenticado cada assento com a rubrica do respectivo médico chefe, ficando a cargo da unidade que proceder ao sepultamento o registro, nas condições especificadas, dos óbitos que se derem no próprio local de combate. Art. 86. Os óbitos a que se refere o artigo anterior, serão publicados em boletim da corporação e registrados no registro civil, mediante relações autenticadas, remetidas ao Ministério da Justiça, contendo os nomes dos mortos, idade, naturalidade, estado civil, designação dos corpos a que pertenciam, lugar da residência ou de mobilização, dia, mês, ano e lugar do falecimento e do sepultamento para, à vista dessas relações, se fazerem os assentamentos de conformidade com o que a respeito está disposto no artigo 66. Art. 87. O assentamento de óbito ocorrido em hospital, prisão ou outro qualquer estabelecimento público será feito, em falta de declaração de parentes, segundo a da respectiva administração, observadas as disposições dos artigos 80 a 83; e o relativo a pessoa encontrada acidental ou violentamente morta, segundo a comunicação, ex oficio, das autoridades policiais, às quais incumbe fazê-la logo que tenham conhecimento do fato. Art. 88. Poderão os Juízes togados admitir justificação para o assento de óbito de pessoas desaparecidas em naufrágio, inundação, incêndio, terremoto ou qualquer outra catástrofe, quando estiver provada a sua presença no local do desastre e não for possível encontrar-se o cadáver para exame. Parágrafo único. Será também admitida a justificação no caso de desaparecimento em campanha, provados a impossibilidade de ter sido feito o registro nos termos do artigo 85 e os fatos que convençam da ocorrência do óbito”.

Fonte: www.senado.gov.br 13


Registro

MAIO

Antecipamos a relação dos aniversariantes para você não perder a festa. 02/05 José Vieira de Freitas Junior......................Caruaru-PE

19/05 José Aparecido Amor.................................. Itararé-SP

03/05 Lourdes Ap. N. Barcelos.................................Icém-SP

20/05 Antonia Elizabete M. de Lima................. Itanhaém-SP

04/05 Edvaldo Andrade Bonfim...........................Ouricuri-PE

21/05 Valdirene Pinheiro Petrone....................São Carlos-SP

05/05 João Batista.........................................Jaboticabal-SP

22/05 José O. dos Santos Rocha..................... Fortaleza-CE

06/05 Eduardo Pizzo.................................... Barra Bonita-SP

22/05 Maria de Fátima Velosa Ligeiro............. Petrópolis-RJ

07/05 José Garcia Lopes Neto.................................Tupã-SP

23/05 Velocino Firmino Formolo................Caxias do Sul-RS

07/05 Roberto M. Peixoto de Carvalho.................Betim-MG

24/05 Manoel Cunha de Castro................... Santo André-SP

09/05 Benvindo Galhardo....................................Palmital-SP

25/05 Heber Amorim Vila.........................................Natal-RN

10/05 Isaias Lemes da Silva............................... Piedade-SP

25/05 José Roberto Fernandes Pinto...................Ibitinga-SP

10/05 Lusiana C. Oliveira Candido..................... Mococa-SP

25/05 Silvino Leier....................................Jaraguá do Sul-SC

10/05 Rejane Maria Daroit.................................... Estrela-RS

27/05 Marcelo Ramos..................................... Americana-SP

11/05 Gisele Dias Hiera...................................Canoinhas-SC

27/05 Taérdia S. R. de Carvalho..........................Socorro-SP

13/05 Domingos Sasaqui............................... São Roque-SP

28/05 Alcino Ribeiro da Costa....................Barra do Piraí-RJ

14/05 Israel de Góes V. Almeida.................... Pilar do Sul-Sp

29/05 Ermelinda Castrequini Nogueira........Votuporanga-SP

18/05 Nair Dambroski........................................Ourinhos-SP

29/05 João Luiz Roveri...................................Araraquara-SP

18/05 Wilson Luiz de Oliveira..............................Dracena-SP

29/05 Manoel Rodriguez Gonzalez....................... Santos-SP

19/05 Israel Caetano de Almeida................... Pilar do Sul-SP

30/05 Magno Fernando Vila.....................................Natal-RN

Hagáteixeira

indeterminado

www.tanatus.com.br

Carrinho elétrico para elevação de urnas. A Bateria.

PROMOÇÃO PRAS UP GR O DE COM te consul

Pioneirismo Científico em Tanatopraxia DF MAIO2010

14


MARKETING por MARIA RITA GRAMIGNA

Inovação Como Fator de Sucesso Venho observando que algumas empresas que acumulam sucessos e estão sempre em destaque no mercado.

certamente traz como retorno a simpatia e a adesão do mercado e a visibilidade tão procurada pelas empresas.

Ao verificar suas práticas, identifiquei um elemento importante e que alavanca tal performance: a sua capacidade de inovar e se reinventar, acompanhando de forma acelerada as exigências e mudanças que acontecem em nossa era.

4º - Patrocínio à inovação Por patrocínio, entenda-se estímulo, disponibilidade de recursos, incentivo e apoio às atitudes inovadoras. É muito comum verificar que o discurso gerencial, muitas vezes difere da prática quando se trata de assumir responsabilidades por possíveis erros ou resultados inesperados.

O cenário mercadológico exige das empresas uma atuação diferenciada que permita fixar suas marcas no imaginário dos clientes. A inovação é um fator que cada vez mais é valorizado e visto com olhos diferentes. Lembro-me da época em que o profissional criativo não conseguia obter a adesão de seus gerentes e nem mesmo dos colegas de equipe. Nesta época, a estabilidade imperava e qualquer alteração no curso das águas assustava àqueles que se mantinham estáveis (ou estagnados). A famosa frase “em time que está vencendo não se mexe” caiu por terra. Cada vez mais, a idéia do KAIZEN (melhoria contínua) alia-se à inovação. O QUE É INOVAÇÃO? A inovação acontece no meio empresarial quando uma idéia, um método, uma novidade ou um mecanismo novo é agregado ao contexto vigente, promovendo uma melhoria. Uma das dificuldades encontradas para difundir o processo de inovação é a dificuldade natural do ser humano em correr riscos. A tendência em manter o que funciona bem do jeito que está, por medo de que qualquer alteração possa dar errado, é fator bloqueador da inovação. O processo de inovação, para ser efetivo, exige das pessoas uma constante observação, análise e crítica do que já existe e a crença de que “mesmo aquilo que é considerado bom pode sempre ser melhorado”. Esta visão é mais facilmente percebida pelas mentes criativas, que perseguem os cinco princípios básicos da inovação: 1º - Disposição mental O principal aspecto da inovação, que precisa ser trabalhado urgentemente é o a superação do medo de errar. A maioria das empresas investe muito superficialmente em mudanças. Dedicam poucos recursos para investigação de novos produtos ou serviços e quando o fazem os resultados são tímidos. Quando se quer maximizar e ampliar o campo de influências é necessário mudar a cultura, as mentes que gerenciam os processos. As mentes criativas são curiosas, não têm medo de desafios, são inconformadas com o que já existe e sempre estão à procura de algo que pode ser transformado. As mentes criativas pensam de forma sistêmica e conseguem enxergar as “ árvores” e a “ floresta”. 2º - Crença de que a inovação é elemento chave para a vantagem competitiva. As empresas que conseguem oferecer versões melhoradas de seus produtos, que agregam valor de alguma forma ao que já existe, têm maiores chances de dominar o mercado. Consideram os novos produtos como a parte central de suas estratégias de negócio e não simplesmente um exercício complementar. Trabalham a inovação, estão comprometidos com ela, investem maciçamente para se destacar das outras. 3º - Percepção da inovação como fator estratégico de visibilidade As mentes criativas conseguem perceber que a inovação bem direcionada, gerenciada por profissionais comprometidos com o negócio, DF MAIO2010

5º - Ações de aporte à inovação Faz parte da função gerencial estimular e dar o aporte às iniciativas de suas equipes. O gerente é o grande patrocinador das melhorias e, assumindo tal papel, colherá junto com seus colaboradores os resultados plantados. Para reflexão dos leitores, deixo a lista de VERIFICAÇÃO DA INOVAÇÃO, de Thomas D. Kuczmarski, publicada em seu livro “Inovação estratégias de liderança para um mercado competitivo”. Ao responder às perguntas, pense no corpo gerencial de sua empresa, incluindo-se. • Aceita o fracasso como parte intrínseca da inovação? • Desenvolve estratégias de novos produtos/serviços? • Estabelece equipes multifuncionais integradas por pessoas comprometidas e dedicadas? • Consegue visualizar os benefícios empresariais que a inovação proporciona? • Busca o apoio da gerência maior, nas iniciativas de inovação? • Acompanha e valoriza os resultados dos esforços de sua equipe? • Identifica problemas e as necessidades dos clientes antes de gerar idéias para novos produtos/serviços? • Leva em consideração os valores e as normas das equipes de inovação para orientar suas comunicações? ESPAÇOS DE INOVAÇÃO No ambiente empresarial a inovação poderá ocupar dois espaços: o interno e o externo. Internamente, as melhorias se direcionam para os processos vigentes, podendo agregar valor desde a forma como a empresa se comunica com seus empregados até o ambiente físico (lay out). Externamente, a inovação se faz presente quando há melhorias nos produtos ou serviços e o cliente externo é o alvo. ALGUNS EXEMPLOS DE INOVAÇÕES ESPAÇOS INTERNOS

ESPAÇOS EXTERNOS

• Períodos sabáticos: afastamento permitido de um empregado de sua empresa, para pensar, estudar, relaxar e renovar as baterias.

• Criação da figura do “ ouvidor” aquele que tem por função manter contato com os clientes.

• Abertura de canais de comunicação diretos entre empregados e direção (independente da hierarquia estabelecida).

• Projetos sociais, que beneficiam a comunidade, onde os empregados atuam como voluntários.

• Eliminação das paredes internas dos escritórios, promovendo um layout aberto.

• Novas formas de abordagem ao cliente, que variam do comércio eletrônico às promoções em parceria com outras empresas.

E você, o que tem feito para contribuir na inovação de sua empresa? Maria Rita Gramigna é Mestre em Criatividade Total Aplicada pela Universidade de Santiago de Compostela (Espanha). Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Minas Gerais e pós-graduada em Administração de Recursos Humanos pela UNA - União de Negócios e Administração (MG). Atua no Mapeamento de Competências, contatos estratégicos com clientes, capacitação gerencial e treinamento da equipe de consultores da MRG Consultoria e Treinamento Empresarial. 15


LUTO por: TAÍSA LUCIA BERLINGIERI

A NOVA EPIDEMIA DO MUNDO - TEPT O Transtorno de Estresse Pós Traumático acomete pessoas que passam por situações extremas e não as elaboram adequadamente Há cerca de dois meses eu trouxe a vocês algumas informações sobre o medo que anda tomando conta das pessoas em conseqüência dos acontecimentos trágicos pelo mundo. Todo esse medo e a violência que ronda a vida das pessoas estão fazendo aumentar a ocorrência de um transtorno pouco conhecido, mas muito presente em situações de trauma. Trata-se do Transtorno de Stress Pós Traumático, conhecido pela sigla TEPT. Como não é muito conhecido, muitas pessoas passam por ele sem identificá-lo ou até confundindo-o com a Síndrome do Pânico. O TEPT é um quadro psiquiátrico que acontece em indivíduos que passaram por uma situação traumática muito intensa, onde houve risco de vida. Neste evento o indivíduo pode ter sido a própria vítima ou ter presenciado alguma situação extrema. Eventos traumáticos que podem levar a TEPT são caracterizados por: experimentar, testemunhar, ou ficar sabendo de ameaça de morte ou lesão grave com relação a si mesmo ou pessoa conhecida, que resulte diretamente em medo intenso, desespero ou horror. A probabilidade de uma pessoa passar por uma violência deste tipo é bastante elevada. Um estudo nos EUA (National Comorbidity Survey-NCS, 1994) mostrou que naquele país 50% das pessoas presenciaram uma situação traumática no decorrer da vida. Não temos essa informação aqui no país, que apesar de não estar envolvido em nenhuma guerra como os EUA e não ter sido vítima de atentados terroristas, tem, infelizmente, índices de violência social e doméstica dos mais elevados. Com a violência urbana, as grandes catástrofes, a irresponsabilidade no trânsito e a banalidade com que a vida humana é tratada, chego á conclusão de que podemos estar sofrendo uma “epidemia” de Transtorno de Stress Pós-Traumático. Os eventos traumáticos comuns no estudo feito nos EUA foram: testemunhar acidente ou morte, abuso sexual/estupro, desastres naturais/incêndio, agressão física/ameaça com arma, acidente com risco de vida, combate (guerras) Aqui no Brasil, mesmo sem estudos registrados, podemos dizer que eventos parecidos ocorrem com freqüência. Toda manhã quando ligo a televisão para saber as notícias do dia escuto sobre acidentes com motoristas alcoolizados, assaltos, invasões a residências, mortes por motivos banais, desabamentos, DF MAIO2010

inundações e muitas outras. Uma pessoa ao ser exposta a uma situação traumática violenta desenvolve uma reação aguda ao estresse, que dura no máximo 30 dias e desaparece. Porém, cerca de 15 a 20% dessas pessoas desenvolverão o TEPT. Nesses casos os sintomas da reação aguda persistem e tomam características de TEPT. Em algumas situações os pacientes não têm uma reação logo após o evento estressante e podem levar até 1 ano para desenvolver o TEPT. Os homens se expõem mais frequentemente à situações de violência, porém as mulheres desenvolvem mais o TEPT. A doença é a 5ª condição psiquiátrica mais freqüente e os estudos estrangeiros mostram que cerca de 8% das pessoas terão TEPT no decorrer da vida. O TEPT é uma condição que causa grande disfunção no paciente. Além do prejuízo no trabalho, nas relações afetivas e familiares, ele produz uma série de alterações orgânicas como alterações hormonais, de imunidade e do funcionamento cerebral. Estudos mostram que a memória e atenção podem ficar prejudicadas. Alguns dos seus sintomas mais comuns são parecidos com os da Síndrome do Pânico, como taquicardia, falta de ar, sudorese, ondas de frio ou calor, tontura, sensação de desmaio, sobressaltos noturnos, sintomas de labirintite, pensamentos persistentes relacionados ao trauma. Outras ocorrências que podem acontecer são pesadelos e terrores noturnos relacionados ao trauma, lembrança recorrente da cena ou momento do evento traumático, estado depressivo crônico como apatia, irritabilidade, desinteresse e culpa. E além de tudo isso e, principalmente, ataques de ansiedade e “evitação” relacionada a fato, contato ou lembrança de lugares ou situações semelhantes ou que lembrem o trauma vivenciado. Os critérios diagnósticos para o TEPT, segundo a Associação Americana de Psiquiatria, são: 1. O indivíduo foi exposto a um evento traumático; 2. O evento é persistentemente re-experimentado; 3. Evitação persistente dos estímulos associados ao trauma e anestesiamento da reação geral; 4. Sintomas persistentes de hipervigilância não presentes antes do trauma; 5. A duração dos sintomas B, C e D são maiores que 1 mês; 6. Sintomas causam sofrimento ou prejuízo no funcionamento em casa, trabalho e outras atividades. A revivência do trauma se caracteriza pela lembrança dos fatos através de várias formas: imagens mentais, sonhos, “flashbacks”. Elas são vívidas, como se o indivíduo estivesse revivendo a situação. São acompanhadas de intenso sofrimento e são independentes da vontade. 16


Para não ter as lembranças o paciente começa a evitá-las de várias formas. Passa a evitar situações potenciais que possam desencadear as lembranças, como assistir filmes ou noticiários de violência ou conversar sobre o tema. Com isto vai se isolando socialmente. Não é incomum o paciente se queixar de um anestesiamento afetivo, sente-se incapaz de demonstrar o seu afeto para as pessoas amadas. Se retrai do convívio familiar. Tem grande prejuízo no trabalho, por vezes levando até o abandono do emprego.

É necessário ficar atento. Se você tiver algum familiar ou conhecido que passa por situação de trauma, preste atenção às reações e ao comportamento dessa pessoa. Alerte se perceber sintomas ou sinais característicos desse transtorno. Para quem atua no setor funerário, vale a observação, já que o exercício da profissão pode colocar os profissionais frente a situações muito difíceis que, se não forem bem elaboradas por quem as vivencia, podem trazer como conseqüência a TEPT.

O paciente com TEPT fica muito assustado e hipervigilante. Esta sempre alerta, se assusta facilmente, tem muita ansiedade e insônia. Além de grave, um quadro crônico, se não tratado, pode durar anos a fio sem melhora. O paciente pode ainda desenvolver vários quadros associados, como a depressão, a dependência a drogas e ansiedade generalizada. Com tratamento adequado, a maioria dos pacientes melhora rápido e sem seqüelas, mas alguns casos precisam de acompanhamento mais longo e com uso de medicação para aliviar os sintomas, aliado a terapia e outras técnicas de relaxamento (massagens de relaxamento, yoga e meditação).

Taisa Lúcia Berlingieri Psicóloga Especialista em Intervenções em Perda e Luto Prever Santa Isabel – Jaboticabal / SP taisa@preverjaboticabal.com.br

fev/10 a jan/11

DF MAIO2010

17


GRESSOF por VANIA ASSUNÇÇÃO

Grupo de Assistentes Sociais faz primeira reunião em 2010 Integrantes do GRESSOF se reúnem em Americana-SP e elegem diretoria

A 1º reunião do GRESSOF - Grupo de Estudos do Serviço Social da Empresa Funerária - em 2010 aconteceu no dia 25 de fevereiro, em Americana-SP. A recepção às integrantes do Grupo e a organização foi do Grupo Bom Pastor.

O Grupo Bom Pastor convidou o psicólogo Marcos Puertas Ernandes para falar sobre o Acolhimento. “Foi muito interessante porque ele colocou-nos para refletir sobre a importância do bom atendimento à família e também focou o pós óbito, onde a família encontra-se fragilizada com a perda do ente querido. O profissional do setor funerário precisa de serenidade para lidar com as mais diversas situações diante da morte e do morrer; Precisa de tolerância às frustrações daquela família, que muitas vezes luta com doenças, mortes repentinas, etc. Precisa de equilíbrio para fortalecê-las e conduzi-las para continuarem a vida”, avaliaram as assistentes sociais.

O encontro foi prestigiado por 12 profissionais do Serviço Social do Setor Funerário, que assistiram à palestra e em seguida debateram sobre o tema “Acolhimento - com ênfase no atendimento Funerário”. A reunião também marcou a eleição da Diretoria do GRESSOF para o exercício de 2010.

DF MAIO2010

18


NOVA DIRETORIA A primeira reunião do GRESSOF também marcou as eleições da Diretoria para 2010:

Entre as orientações de Puertas Fernandes, a noção da duração do luto: “Vivido por no máximo 2 anos. Depois disso passa a ser patológico. É fundamental que a família vivencie essa fase . A não aceitação da morte faz com que a família não reflita sobre o assunto e desperdice valiosas oportunidade de aprendizado e conhecimento”, explicou o psicólogo.

Presidente CELIA S. QUERIDO

O palestrante também deixou preciosas dicas para quem trabalha no setor funerário: “É necessário se cuidar, no sentido de extravasar o stress da profissão. É necessário aproveitar as folgas e fazer o que se gosta: viajar, sair, dançar, praticar algum esporte...”, ensinou.

Org.Terra Branca.................................Bauru-SP

Vice-presidente FABIANI P. ALVARES Org. Social Athia.................. Pres. Prudente-SP 1º secretaria KETY C. BISCALCHIN Grupo Unidas.............................. Piracicaba-SP

Fernandes também lembrou que a empresa deve investir em um local agradável e adequado para o atendimento das famílias. Para o psicólogo, baseado em sua própria experiência no atendimento às famílias enlutadas, num primeiro momento o ideal seria fazer 4 atendimentos individuais: “isto para agilizar o luto”.

2º secretaria VANIA M. S. ASSUNÇÃO Grupo Bom Pastor................. Americana-SP Vânia Assunção é Assistente Social do Grupo Bom Pastor, Americana -SP

As próximas reuniões do GRESSOF estão marcadas para: 27 de maio em Bauru-SP; 26 de agosto em Presidente Prudente-SP; e 25 de novembro em Jaú-SP.

abr, jun, ago, out, dez/10 e fev/11

Vendas: (18) 3659.1476 - 3659.2211 www.saothiagobilac.com.br e-mail:metalurgicaist@yahoo.com.br

R. Gabriel Monteiro, 360 - centro - cep 16210-000 - Bilac-SP DF MAIO2010

19


NEGÓCIOS

por SOLANGE SERAFIM imagens: HENRIQUE TEIXEIRA e FUNERÁRIA SÃO FRANCISCO

Funerária São Francisco inaugura velório em Lençóis Paulista-SP Memorial Paraíso da Colina alia funcionabilidade e bom gosto e mostra novo conceito de velório a população “Cumprimos mais uma etapa. Buscamos oferecer atendimento profissional a nossos clientes. Com essa inauguração temos uma prova de que, quando tudo é justo e perfeito, nossos sonhos se realizam. É só isso!”

e inaugura um novo conceito em velório na cidade onde a empresa está instalada.

As frases são do Diretor Funerário Victor Alexandre Angélico, da Funerária São Francisco, de Lençóis Paulista-SP e foram ditas em meio a muita emoção durante a inauguração do Memorial Paraíso da Colina, em fevereiro de 2010.

Seguindo as tendências adotadas nas mais modernas empresas funerárias do país, o Memorial Paraíso da Colina oferece 3 salas privativas para os velórios: Sala Ipê, Sala Cerejeira e a Sala Nobre, mais luxuosa, dotada de área íntima para as famílias (apartamento e cozinha). Esta sala também possui uma ante-sala, jardim de inverno e uma decoração especial.

Na verdade, não é “Só” isso. O empreendimento, imponente e requintado, compõe o Cemitério Parque Paraíso da Colina

O Memorial conta ainda com uma grande área comum, espaçosa, clara e ventilada. Nesse espaço também estão a cafeteria, batizada

DF MAIO2010

20


de “Café Paraíso” e uma capela ecumênica, além dos sanitários e fraldário. Há ainda uma área de serviços, destinada aos trâmites internos da funerária e praticamente invisível aos freqüentadores do velório. O corpo, preparado, e todos os demais serviços funerários são efetuados nessa área, com acesso a todas as salas velatórias. Todo o prédio tem 980 m2 de construção e está instalado numa área de 3.500 metros2. Todos os detalhes foram minuciosamente planejados e os Diretores Funerários se preocuparam também neste empreendimento com a responsabilidade social e o desenvolvimento sustentável: todas as dependências são adaptadas para pessoas portadoras de deficiência e há uma cisterna, que capta água da chuva e pode armazenar até 90 mil litros de água. “Com essa cisterna o Memorial pode atender a cidade, em caso de necessidade e emergência”, afirmou a prefeita, Isabel Lorenzetti, no dia da inauguração. Uma agradável área externa, com gazebos para fumantes e ajardinamento complementam o empreendimento em Lençóis Paulista

PROJETO - Quando a família Angélico adquiriu o cemitério Parque Paraíso da Colina e em seguida o imenso terreno a seu lado, já existia o projeto para a construção de uma central de velórios. A idéia, no entanto, foi totalmente revitalizada, e levou em conta a experiência dos Diretores Funerários, que se esforçaram para atender as necessidades de seus clientes e oferecer um serviço totalmente profissionalizado. Os Diretores Funerários contaram com a assessoria da arquiteta Márcia Cristina Martin, que pesquisou sobre o assunto e visitou as centrais de velórios para entender as expectativas dos empresários e também da população. Sem alterar a base do projeto, Márcia usou o acabamento para humanizar o ambiente e amenizar a dor daqueles que ali velarem seus entes queridos. “Trabalhei com as cores e com alguns elementos como a madeira e o papel de parede para aquecer os ambientes. Também não deixamos de lado a funcionabilidade e por isso investimos no granito e no piso frio”, conta a arquiteta que procurou atender o pedido do clientes: um “local suave”. A praticidade está em soluções interessantes, como o laminado de madeira nas paredes. “Apesar dos assentos em quantidade

suficiente, é comum ver em velórios pessoas em pé e apoiadas com os pés nas paredes. Essa solução evita que as paredes fiquem manchadas. Facilita a manutenção”. Outra boa idéia arquitetônica foi a do acesso às salas de velórios, feitas por portas espaçosas que ocupam as laterais. “Geralmente as portas de entrada são centralizadas. No caso dos velórios isso significa que a primeira visão é da urna e do corpo. Com as portas nas laterais, a sala se torna um ambiente mais privativo e com agilidade de circulação”, defende a arquiteta. Márcia conta que foi um desafio prazeroso trabalhar no setor funerário. Antes do velório, a arquiteta já tinha assinado o projeto da funerária São Francisco, em Lençóis. INAUGURAÇÃO - As obras do Memorial Paraíso da Colina duraram 2 anos e sua inauguração foi comemorada com uma confraternização elegante e prestigiada. Os Diretores Funerários, Ângela, Antonio Carlos e Victor Angélico, receberam políticos da cidade e região, representantes do setor funerário, clientes, parceiros e amigos. A noite de verão revelou discursos inspirados, como o do presidente do SEFESP – Sindicato das Empresas Funerárias do Estado de São Paulo, Mario Fernando Berlingieri, que lembrou os avanços do setor funerário no Brasil, capitaneados pelos empresários de São Paulo. Berligieri parabenizou o poder executivo por acolher os ideais da Funerária São Francisco e conclamou todos a “Não perder a preciosidade do tempo”. “Aqueles que precisarem deste local receberão cuidado e carinho por parte desta empresa”, salientou o presidente do SEFESP na ocasião.

O Deputado Federal José Paulo Tofano, também presente na inauguração, revelou que ficou surpreso ao conhecer o empreendimento e a estrutura do setor funerário brasileiro. “Gostei muito deste espaço e gostei do nome, elegante e suave”, afirmou. A prefeita, Isabel Lorenzetti, também discursou na inauguração: “O povo de Lençóis merece este investimento. Quando nos propomos a fazer algo, fazemos bem feito”, disse a chefe do Executivo, lembrando os 152 anos que a cidade comemora em 2010 e afirmando que o município cresce com olhos voltados para o futuro, buscando a sustentabilidade. O presidente da ABREDIF, Lourival Antonio Panhozzi, também presente, elogiou o empreendimento. “O projeto do Memorial complementa o trabalho da Funerária São Francisco em Lençóis. Os Diretores estão de parabéns”. Ilso Sanchez Parra, o Voinho, diretor de SEFESP e ABREDIF também comentou a iniciativa: “É uma noite agradável, com amigos, bate papo adorável, comes e bebes deliciosos e o requinte do Memorial Paraíso da

DF MAIO2010

21


NEGÓCIOS

Colina. Esta é uma inauguração belíssima, com muitos detalhes que a família Angélico fez questão de expor em sua mais recente obra. Parabéns aos Diretores Funerários e que Deus os abençoem e iluminem”, comentou em coro com a filha Denise, também presente à inauguração.

Cristãos a vida continua depois da morte. O Memorial é, portanto, um local apenas de passagem e despedida. VELÓRIO ON LINE Além da estrutura física do Memorial Paraíso da Colina, a Funerária São Francisco passa a oferecer a seus clientes o velório On Line, um serviço que permite que amigos e familiares distantes, que não podem comparecer ao velório, possam acompanhar a cerimônia e até enviar suas condolências. A estrutura possui 16 câmeras, que acompanham a cerimônia e o cortejo em tempo real. EMPRESA JOVEM COM GRANDES CONQUISTAS O Diretor Funerário Antonio Carlos Angélico lembra a breve e intensa trajetória da Empresa Funerária São Francisco, que foi adquirida por seu filho o jovem Victor Alexandre Angélico em novembro de 2000, quando somava pouco mais de 750 associados.

BENÇÃO O Monsenhor Carlos de Oliveira proferiu a benção do local ressaltando que Memorial é a expressão da fé Cristã e quer dizer (biblicamente) “Fazer Presente ou Tornar Atual”. O religioso ponderou que o nome do local não poderia ser mais adequado, já que para os

Os investimentos em profissionalização e infraestrutura foram percebidos pela população do município e hoje metade dos lençoenses, cerca de 33 mil pessoas, são clientes da empresa. O prédio onde a empresa funcionava desde 1991, foi adquirido em 2002, mesmo ano em que a família Angélico investiu na área de 3.500 m2 situada ao lado do então Cemitério Parque, pertencente a Luiz Carlos Novelli. Os empresários já vislumbravam ali a construção do Memorial.

abr/2010 a set/2010

DF MAIO2010

22


Em 2004 a família Angélico adquiriu o Cemitério Parque Paraíso da Colina. Na época o cemitério tinha 78 sepultamentos. Hoje são 781 e mais de 1.200 jazigos comercializados. Os investimentos no cemitério resultaram em 2.900m2 de Ruas e 42.000 m2 de grama. São mais de 1000 mudas de árvores e um viveiro de pássaros exóticos. “O cemitério é hoje um cartão postal da cidade”, lembra Antonio Carlos Angélico.

Detalhe da Capela Ecumênica

DF MAIO2010

23


ATUALIZAÇÃO Contabilidade: Profissionalismo na área pode trazer diversos ganhos para o Diretor Funerário O assunto é extremamente específico e as constantes alterações na legislação e nas regras contábeis exigem que as empresas tenham profissionais capacitados O CTAF prepara para o final de abril o curso “Contabilidade e o Momento do Setor Funerário”, que pretende iniciar uma reflexão entre contadores e Diretores Funerários para o novo momento que o setor enfrenta com as possíveis alterações na forma de encarar o negócio, principalmente frente a anunciada implantação do microsseguro no país. Mais que um panorama sobre este novo cenário que

se divisa no horizonte, o encontro pretende também lançar uma luz a temas recorrentes na escrituração contábil das empresas funerárias brasileiras.

1. Revista Diretor Funerário: Há diferença entre a contabilidade de outras empresas e das empresas funerárias?

o impacto dos encargos?

Judite Sanches Orsi da Cruz - A contabilidade do setor funerário em si, quando a empresa trabalha simplesmente como prestadora de serviços, ou seja, quando executa o cerimonial fúnebre com todas as suas características (atendimento, preparação de corpos, tanatopraxia, etc.), não diverge muito da contabilidade normal das prestadoras de serviços em geral. Agora, quando a empresa agrega em seu objeto social os planos de assistência, a contabilidade se diferencia radicalmente. 2. RDF - A falta de uma legislação específica ou de um enquadramento mais claro atrapalha a empresa funerária na hora de fechar sua contabilidade?

Como o assunto é mesmo muito específico, a consultora do CTAF, Maria Judite Sanches Orsi da Cruz, respondeu a seguinte entrevista.

Judite: Sim, com um bom planejamento, um processo administrativo eficaz e uma boa assessoria é possível atender á legislação vigente bem como utilizar-se de todas as formas legais para pagar um imposto compatível com a realidade empresarial. 5. RDF - O que o novo cenário nacional reserva para as empresas funerárias? É preciso ficar atento a quais sinais? Judite: Como sabemos, estamos em um período crítico, delicado. Não sabemos ao certo como virão as regras destinadas ao nosso setor. Atentos precisamos estar sempre, todo empresário, pois, não é privilégio do setor funerário. As regras mudam a cada dia e nós temos que estar atentos para não sermos prejudicados. Hoje, toda e qualquer empresa, independente de seu porte, precisa ser encarada com profissionalismo. O mercado não tem mais espaço para amadores ou aventureiros.

Judite: Principalmente nos dias atuais quando atravessamos um período de mudanças e incertezas. Hoje o setor busca esse enquadramento, busca regras mais claras e viáveis de operacionalização

6. RDF - Cemitérios (que atuam com sepultamento, venda de jazigos, cremação) podem ser enquadrados como setor funerário na questão contábil, ou há muitas diferenças entre os dois ramos?

3. RDF - Quais são os principais “equívocos” cometidos na escrituração das empresas funerárias e o que eles podem acarretar?

Judite: Respeitadas as características próprias de cada atividade, contabilmente ambos devem seguir as regras comuns a qualquer empresa e respeitar as normas contábeis e o ordenamento jurídico.

Judite: Acredito que a maior preocupação se dá no momento do reconhecimento da receita da empresa. Por exemplo: Temos que tributar o recebimento mensal do plano? E o funeral executado, tributo também?

7. RDF - Todas as empresas precisam de um contador? Até as de pequeno porte? Por quê?

Enfim estes questionamentos, entre outros, geram dúvidas e equívocos que podem acarretar sérios prejuízos econômicos e administrativos. 4. RDF - No caso das empresas funerárias de pequeno e médio porte, é possível ficar 100% em dia com todas as exigências da legislação? Como minimizar DF MAIO2010

Judite: Tecnicamente toda empresa precisa da responsabilidade técnica do contador, que irá responder pelos resultados apurados, respondendo solidariamente com o empresário. Eu diria que nos dias de hoje a figura do “assessor contábil” (acredito que este termo se encaixa melhor na descrição), é imprescindível para as empresas, qualquer que seja seu porte. A figura do assessor não é apenas aquela do executor e organizador dos papéis e compromissos empresarias do cliente. A parceria vai além. Hoje o contador pode e deve trabalhar junto ao empresário em busca das melhores soluções e questionamentos, oferecendo suporte para as tomadas de decisões. 24


8. RDF - O Encontro organizado pelo CTAF, para o final de abril, trará que tipo de informações e para que público?

Maria Judite Sanches Orsi da Cruz é Assessora Contábil e bacharelanda em Direito pela ITE.

Judite: Pretendemos neste encontro colocar aos participantes uma noção geral das regras contábeis em vigor atualmente, conversar sobre as possíveis mudanças e o que considero o mais importante, abrir espaço para discussões e casos concretos, que enriquecem todo e qualquer encontro profissional.

Empresária do setor contábil, sócia da empresa Performance Assessoria Empresarial, atua no setor funerário há mais de 15 anos e é consultora do CTAF - Centro de Tecnologia em Administração Funerária.

SERVIÇO

CONTEÚDO: • reconhecimento da receita; • escrituração fiscal e contábil; • tendências contábeis para o setor funerário; • procedimentos com relação a apuração de impostos; • documentação pertinente ao setor.

Curso: “CONTABILIDADE E O MOMENTO DO SETOR FUNERÁRIO” Data: 30 de abril de 2010 Horário: das 9h às 18h Local: Sede da ABREDIF - São Paulo-SP: Av. Paulista, 2006 - 9º andar - conj. 903/904 Apresentação: Maria Judite Sanches Orsi da Cruz - Graduada em Ciências Contábeis e bacharelanda em Direito. Assessora Contábil do CTAF e diretora da Performance Assessoria Contábil.

Público-Alvo: Diretores de Empresas Funerárias e de Planos de Assistência Familiar. Número de vagas: 30 Informações e inscrições: CTAF Fone: (14) 3882-0595 - e-mail: ctaf@ctaf.com.br

Hospedagem: Caso necessite de hospedagem em São Paulo, há hotéis próximos à ABREDIF: SAN GABRIEL: Tel (11) 3253-2279 - www.sangabriel.com.br FORMULE 1: Tel (11) 3123-7755 - www.accorhotels.com.br/formule1/ficha.aspx?h=132

DF MAIO2010

25


CURIOSIDADES DESTINO OU ACASO Noite escura, carro quebrado na estrada, um corpo sendo transportado para o velório, um garoto se preparando para a última despedida ao pai O Agente Funerário Valdeci Lopes já viveu inúmeras situações inusitadas nos 10 anos de exercício de sua profissão, mas nada o deixou mais intrigado que o episódio relatado por e-mail para a Revista Diretor Funerário. É de fato uma curiosidade: “Gostaria que alguém me explicasse como pode acontecer isto. Eu, Valdeci Lopes, sou agente funerário desde 1992 e já vi muita coisa, mas um fato muito especial e intrigante aconteceu comigo e até hoje não vejo explicação. Transporto cadáveres pelo Brasil todo, buscando e levando pessoas falecidas. Um dia a empresa me ligou avisando para eu me arrumar pois teria que buscar um corpo na cidade de Hortolândia -SP, distante uns 470 km da minha cidade (Fernandópolis-SP). Como sempre faço, abasteci o carro e prontamente me desloquei até Hortolândia, que fica próximo de Campinas, para retirar o corpo e providenciar toda a documentação. Com tudo providenciado comecei o regresso para Fernandópolis. A viagem de volta começou por volta das 21 horas e demorou cerca de 5 horas aproximadamente. Já bem próximo de minha cidade, na região de Tanabi, encontrei com um carro parado à margem da rodovia, provavelmente por problemas mecânicos. Lembro bem que, por se tratar de um horário avançado (perto da 1h30 da madrugada) eu pensei “este cara tá enrolado”. Ninguém pára uma hora dessas na estrada para socorrer um carro com pisca alerta ligado. Nessa hora aconteceu uma coisa que me comoveu. Estava a 100 Km/h e mesmo assim, quando passei pelo veículo parado, pude ver uma criança atrás do carro. Fiquei com pena daquela família e resolvi parar para ajudar. Tive que retornar, porque já estava longe. Parei o carro da funerária atrás do veículo quebrado. O motorista do carro veio até onde eu estava e disse que precisava de ajuda. Notei que o carro era relativamente novo, mas mesmo assim pensei: “também está sujeito fev a jul/10

DF MAIO2010

26


a quebrar”. Ele pediu para que eu levasse a família até a cidade mais próxima. Seu plano era encontrar um mecânico por lá. Nesse momento ele viu que eu estava num carro funerário e surpreendeu-se dizendo: “Nossa que coincidência. Estamos indo para um velório em Fernandópolis. O falecido é o pai do meu enteado, aquele garoto ali atrás do carro”. Como trabalho em funerária, perguntei logo o nome do pai do menino e aí, foi a minha vez de surpreender-me, pois se tratava do corpo que eu estava transportando. Ficamos todos atônitos. A mulher e a sogra do cara do carro quebrado, que também viajavam juntas, não acreditavam na situação. Então coloquei todos dentro do veículo funerário e segui até Tanabi. Não achamos nada a não ser um posto de gasolina, onde fomos orientados a voltar para o carro quebrado ou seguir até uma cidade maior.

Certo que não acharia nada, resolvi voltar para o carro quebrado e me comprometi com a família a encontrar socorro próximo. Todos concordaram que era a melhor solução. O motorista se acomodou no carro quebrado e deu partida, só por força do hábito. Inacreditavelmente o carro pegou de primeira. Já com o carro funcionando, eles saíram do acostamento na minha frente. Segui o veículo por precaução, para o caso de quebrar novamente. Mas nada aconteceu. O carro viajou normalmente, sem apresentar problemas. Em Fernandópolis fomos a um mecânico, que não encontrou nenhum defeito no veículo. Sempre penso no assunto e me pergunto o que teria acontecido. Eu nunca parei para ninguém na estrada, principalmente à noite. Naquela ocasião parei ao ver a criança. O garoto me chamou a atenção. Depois a questão do carro ter funcionado, quando estava quebrado... Acho que houve, sim, uma interferência do destino.”

dez/2009 a mai/2010

DF MAIO2010

27


Tanatopraxia

criar o Uma ótima oportunidade para empresa! diferencial que faltava em sua Curs o de Exte nsão Univ ersit ária, Teór ico-P rátic o de Tanatopraxia, ministrado em parceria com o Instituto de Biociências da unesp - universidade estadual paulista. Durante o curso são abordados: • Anatomia dos Sistemas Esquelético, muscular, respiratório e digestório; • Anatomia dos Sistemas circulatórios e nervoso; • Dissecação das artérias e veias das regiões mais utilizadas para injeção e drenagem.

Local:

Campinas-SP

Próximas Turmas De 12 a 16 de maio

S: A D A IT IM L S A G VA ões: scriç Informações e In (14)

3882.0595

Realização:

m.br

et.co www.funerarian

DF MAIO2010

28


VEÍCULOS

Funeral Shopping

BESTA AMBULÂNCIA

2 CHEVROLET S10

FIAT DOBLÔ CARGO

PARATI AMBULÂNCIA

OMEGA SUPREMA GLS

PEUGEOT BOXER

Ano 2001 - reformada (Camargo veículos); Maca dobrável retrátil e banco para acompanhante, motor com 6000 km e pneus meia vida. Valor: a combinar Contato: Panico (14) 3263-1373 - funepanico@hotmail.com

Ano 2002 - motor 1.3 Fire; Cinza - Gasolina Valor: R$ 25.000,00 Contato: Silvia (11) 4666-2315

Ano 95/95 - motor 2.2 - Cinza metálico; Completa - Ótimo estado; uso particular. Valor: R$ 12.000,00; Contato: Rodrigo - (14) 9652-0817 Carlos - (14) 9782-2702

2004/2005, - Branca; Motor 2.4 e 2.8 - 4x2 e 4x4 - conservada Valor: a combinar Contato: Alexandre (51) 3406-1100 - 9322-8888 alexandre@angelus.com.br

Simples Remoção Perfeitas Condições - LINDÍSSIMA; Valor: a combinar Contato: Wilson (14) 9784-2165

Ano 2004 - Branca - Diesel - Lugar para 5 urnas e espaço para 5 acompanhantes; Valor: a combinar Contato: Wilson (14) 9784-2165 DF MAIO2010

29


VEÍCULOS

Funeral Shopping

GRAND BLAZER DLX

SAVEIRO

Turbo Diesel - Completíssia 102.900 km originais; Valor: R$ 54.000,00 Contato: Victor Angélico (14) 3263-4949 victor@funerariosaofrancisco.com.br

Ano 01/02 - 1.8 - gasolina - Prata - 60.000 km Valor: a combinar Contato: Eduardo

(19) 3893-2227 - funerariasantana@uol.com.br

CHEVROLET BLAZER STD

(18) 9133-7600

Ano 98/98 - 2.2 MPFI - Preta - Gasolina com conversor para álcool; Ar condicionado; D.H. giroflex - preparada para funeral; conservada; Valor: R$ 23.000,00 Contato: Valdemir: (18) 2101.5555 ramais 5551 ou 5574

FIAT DOBLÔ

MERCEDES E320 TOURING

FIAT DOBLÔ

Ano 2002; Modelo Cargo; LINDA; Valor: R$ 22.000,00 Contato: Fabiano

Ano 97/98 - completa - MUITO NOVA; Valor: R$ 52.000,00 Contato: Junior Graciani (17) 9166.0140 - 80*8888

Ano 2004/2005 - Simples remoção Valor: R$ 28.000,00; Contato: Silvia (11) 4666-2315 DF MAIO2010

30


CARAVAN AMBULÂNCIA

STRADA FIRE

CHEVROLET MONTANA 1.4

SANTANA QUANTUM

Ano 92 - Oportunidade Valor: R$ 6.500,00 Contato: Rodrigo Schittini (32) 3753-1702 - 3753-1004 - 9984-6144 paxjoseschittini@hotmail.com

Ano: 2005 Gasolina; Branca; Valor: a combinar Contato: Jefferson (13) 3821-1540 - 8127-0880

2008/2008 - Mod. CONQUEST - Flex - Prata Cabine isolada, 2 mesas em inox, iluminação; Valor: a combinar; Contato: Sergio ou Waldir (18) 3551.9408 - 9116.7649 - 9116.7885 wesleybaessa@hotmail.com

SAVEIRO 2006 - 52773km

Ano 2006- único dono, conservada; , roda liga leve, transformada para funeral; pneus novos, este 0km, revisada. Valor: a combinar Contato: Marciel: (19) 9646-8450 • 3895-1072 DF MAIO2010

Ano 96 - Cinza; Gasolina - Linda Valor: a combinar Contato: Jefferson (13) 3821-1540 - 8127-0880

SAVEIRO PRETA - 24274km Único dono, conservada; roda liga leve, transformada para funeral; pneus novos, este 0km, revisada em concessionária. Valor: a combinar Contato: Marciel: (19) 9646-8450 • 3895-1072 31


PROFISSIONAIS

Funeral Shopping AGENTE FUNERÁRIO

GERENTE FUNERÁRIO

JOÃO OLÍMPIO RIBEIRO FILHO 44 anos de idade; 05 anos de experiência como agente funerário; 20 anos como motorista; Experência com ornamentação e serviços funerários em geral. Disponível para a região de Goiás/ Brasília; Contato: (62) 9101-3743 ou (62) 9241-4899

ANDERSON FRANCISCO 9 anos de experiência com implantação e administração de Planos de Assistência; Experiência em treinamento nas áreas de pós venda, cobrança, atendimento ao cliente e telemarketing; Disponível para qualquer região do país; Contato: (38) 9978-2750 andercrisfe@yahoo.com.br

AGENTE FUNERÁRIO

JEAN SANTOS; 23 anos de idade - 5 anos de experiência como agente; Conhecimento das principais cidades do Paraná. Disponível para região de Ponta Grossa/Curitiba; Contato: (42) 8834-0454 jeandalsantos@hotmail.com

AGENTE FUNERÁRIO

FERNANDO DE OLIVEIRA CARVALHO 28 anos; 5 anos de experiência comprovadas, com referência; Faço Suturas, tamponamento, drenagem, ornamentação de urnas, coroas, enfeites florais; Disponível para qualquer região - início imediato; Contato: (19) 9693-9708 • 9273-2331

NOTA: Os anúncios aqui veiculados são de responsabilidade de seus anunciantes, estando a Revista Diretor Funerário isenta de qualquer responsabilidade.

avulso

DF MAIO2010

32


AGENTE FUNERÁRIO

AGENTE FUNERÁRIO

TANATOPRAXISTA E AGENTE FUNERÁRIO

JOSUEL DE JESUS F. MARTINS 14 anos de experiência na área; Disponível para qualquer região do país; Salário: a combinar; Contato: (19) 3863-2555 • 9219-2802

COMPRO - USADA; Celso Bracalente - Valinhos-SP Contato: (19) 3869-1900 - 7807-3871 Nextel: ID 89*6367 ou celsobraca@linkbr.com.br

EVEMIR EDUARDO DOS SANTOS 31 anos de idade; 5 anos de experiência no setor; Atua com preparação de corpos, ornamentação e como motorista; Contato: (11) 2240-0021 • 8870-6944

GERENTE FUNERÁRIO

JUNIO CÉSAR CAMPANHOLO Vasta Experiência em Atendimento ao público; Gerenciamento e administração funerária; Conhecimento geral em práticas de serviços funerários. Contato: (17) 3325-2236 - (17) 9721-5463

CRISTIANO C. MELO 15 anos de experiência na área; Tanatopraxsta, curso de necrópsia, Reconstituição Facial, ornamentação, necromaquiagem e embalsamamento; Gerenciamento de funerária Conforme proposta, disponível para qualquer região do país. Salario: a combinar Contato: (75) 9801-8930 ou (67) 9629-5066 e-mail: mictmr_mictmr@yahoo.com.br

PROFISSIONAIS

CAPOTA PARA SAVEIRO

CONSULTOR FUNERÁRIO

VENDE-SE FUNERÁRIA Cidade com 200.000 habitantes; 10.000 planos ativos; Ótima frota de veículos; Ótima localização e faturamento; Valor: a combinar Contato: Mário (17) 3422-8000 • 9715-8000 www.imobiliariabemviver.com.br

FUNERÁRIA EM PIRACAIA

VENDO - Documentação Fiscal, tributária e contábil totalmente regularizada e com licença de funcionamento ano 2010. Valor: a combinar Contato: Ronaldo Suares (11) 2404-8900 - ronaldo@primaveras.com.br

VENDO CEMITÉRIO EM MAUÁ

CEMITÉRIO COLINA DAS AROEIRAS Na alça do anel rodoviário (trecho Sul); Trav. da Av. Papa João XXIII; 40.000m2, com 9.350 jazigos com 4 gavetas; Documentação técnica e propriedade aprovadas, inclusive Funerária; Não inaugurado, com canalização, água, luz e outros. Valor: a combinar Contato: Nicolae (11) 3222-3244 e-mail: nicolaeg@globo.com DF MAIO2010

CARLOS EDUARDO MASS; 06 anos de experiência, habilitação cat. B Disponível para a região de Porto Alegre. Contato: (54) 8412-3889

REPRESENTANTE COMERCIAL

CELSO DOS SANTOS; Procura por indústria de Urnas para atender na região Centro-Oeste. Experiência de 8 anos no ramo de vendas; Habilidade em negociação, fechamento de negócios e atendimento ao cliente; Localizado em Cuiabá-MT; Disponibilidade para viagens com carro próprio; Inscrito na Junta Comercial de Mato Grosso. Contato: (65) 3641-9092 • 9224.2738 celsodsantos@yahoo.com.br

TRANSFIRO CONCESSÃO

Transfiro contrato de concessão de serviços funerários para empresa idônea do ramo; Local: Litoral Norte do Estado de São Paulo; Prazo de concessão: 10 anos, renováveis; Valor: a combinar. Contato: Sra. Patrícia (12) 8187-0002 33

EMPRESAS

IMOBILIÁRIA BEM VIVER


LEGISLAÇÃO Por: Deise Neves Botelho Rezende

DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA Prazo de entrega da Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) termina em 30 de abril Nos meses de março e abril os contribuintes e contadores se vêm malucos com a declaração de imposto de renda. Confira os principais tópicos para fazer tudo certinho e não encarar a mordida do Leão.

Tudo vai depender dos demais ganhos (outros salários, investimentos, aluguéis, etc.) que o contribuinte tiver somando no ano em questão. Quem, por exemplo, recolheu menos imposto de renda que deveria, terá de pagar à Receita. Isso acontece bastante com autônomos, que não têm o imposto retido na fonte.

O QUE É O IMPOSTO DE RENDA? Principal tributo brasileiro, o Imposto de Renda é a contribuição aos cofres públicos sobre a renda em geral. Ele é cobrado de pessoas físicas e jurídicas, com alíquotas e faixas diferentes conforme o contribuinte.

Prazos - A Receita Federal começou a receber a declaração do IRPF de 2010 ano-base 2009 em 01 de março. Está obrigado a declarar o contribuinte que recebeu rendimentos tributáveis superiores a R$ 17.215,08 ou recebeu rendimentos isentos, nãotributáveis ou tributados na fonte que ultrapassem R$ 40 mil.

No caso das pessoas físicas, o IRPF (Imposto de Renda Pessoa Física) é cobrado sobre salários e rendimentos que ficaram acima de R$ 17.215,08. O valor foi corrigido em 4,5% para essa declaração em relação ao ano-calendário anterior.

O contribuinte tem até as 23horas e 59 minutos do dia 30 de abril para fornecer os dados.

NOVAS ALÍQUOTAS DO IMPOSTO DE RENDA 2010

Em 2009, o IRPF respondeu por uma arrecadação de R$ 15,098 bilhões. O valor é 5,69% menor que no ano anterior, quando a quantia ficou em R$ 16,010 bilhões.

A partir deste ano, o cálculo do Imposto de Renda devido levará em consideração cinco alíquotas:

A alíquota do IRPF varia de acordo com a renda do brasileiro. Neste ano, entram em vigor mais duas alíquotas para o imposto, totalizando cinco faixas (veja quadro ao lado).

0%...................................(Renda anual de até R$ 17.215,08), 7,5%......... (Renda anual de R$ 17.215,09 até R$ 25.800,00), 15%.......... (Renda anual de R$ 25.800,01 até R$ 34.400,40), 22,5%.... (Renda anual de R$ 34.400,41 até R$ 42.984,00) e; 27,5%....................... (Renda anual a partir de R$ 42.984,00).

Os assalariados com carteira assinada têm o IR retido na fonte. Ou seja, a própria empresa desconta e recolhe o imposto para a Receita Federal. Como a empresa não conta as deduções, quase sempre o assalariado tem direito a alguma restituição.

mai/2009 a abr/2010

CAS INDUSTRIAL - Qualidade e confiança Ref. 60 Madona Marfim Acabamento interno: Cetin drapeado, babado e sobrebabado em rendão de luxo; Acabamento externo: Verniz PU alto brilho (Visor inteiro)

Ref. 18x cor 3 envelhecido Acabamento interno: Cetin liso, babado em cetin e sobrebabado em rendão de luxo; Acabamento externo: Verniz PU alto brilho (Visor inteiro)

www.casindustrial.com.br - Fone (48) 3652-1337 Rua Orleans, 556 - CEP 88890-000 - Grão Pará-SC DF MAIO2010

34


MULTA POR ATRASO PODE CHEGAR A 20% DO IMPOSTO DEVIDO Até 2008, a declaração só poderia ser entregue até as 20h do último dia. Porém, como tradicionalmente o sistema sofria com congestionamentos devido às entregas de última hora, o órgão decidiu estender o prazo em 2009, mudança que será mantida neste ano. Se a declaração do contribuinte não for processada até este horário, está passível de pagar multa. A multa mínima para os retardatários será de R$ 165,74. A multa máxima poderá chegar a 20% do imposto devido. A penalidade será aplicada inclusive se o contribuinte não tiver IR a pagar. O boleto para o pagamento da multa é gerada pelo próprio programa. Caso haja restituição, a multa será deduzida do pagamento. A entrega de declarações em atraso pode ser feito através da internet ou por disquete nas unidades da Receita Federal. Nesse caso é vedada a entrega por formulário. A expectativa da Receita é que 24 milhões de pessoas entreguem a declaração de IR neste ano. QUEM DEVE DECLARAR Residentes no Brasil que: • Receberam rendimentos tributáveis acima de R$ 17.215,08. São

considerados rendimentos tributáveis os ganhos de trabalho (salários, pro labore e participação nos lucros e resultados), aluguéis, pensões, aposentadoria e atividade rural; • Receberam rendimentos isentos, não-tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte acima de R$ 40 mil. Estão nesta categoria os lucros e dividendos, poupança, aplicações financeiras, 13º salário, prêmios e juros pagos ou creditados de capital próprio; • Obteveram, em qualquer mês, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em Bolsas de Valores, de Mercadorias, de Futuros e assemelhadas; • Tiveram a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil em 31 de dezembro de 2009; • Passaram a ser considerados residentes no país durante o ano passado; • Optaram pela isenção do imposto sobre o ganho na venda de imóveis residenciais que tenha sido aplicado na aquisição de outro imóvel no prazo de até 180 dias após a venda. Apesar de não serem obrigados, os contribuintes que não se enquadram em nenhum desses casos podem apresentar a declaração.

indeterminado

DF MAIO2010

35


LEGISLAÇÃO Já os contribuintes que se enquadram nestas regras não precisam fazer a declaração caso seja dependente de outro contribuinte. Porém, esse titular deve incluir em seu documento tudo o que for relacionado ao dependente, como rendas, patrimônio, dívidas e deduções. Dependentes O programa automaticamente obrigará o contribuinte a informar se as despesas a serem declaradas são dele ou de algum dependente. Deduções: • O limite de dedução por dependente será de R$ 1.730,40. • O limite de dedução de despesas com educação passa para R$ 2.708,94 Novidades da declaração para sócios de empresas ou donos de bens: As principais mudanças na declaração do Imposto de Renda em 2010 são relacionadas a quem é obrigado a declarar. As novidades são para os sócios de empresas ou donos de bens e devem fazer com que caia neste ano o total de declarações prestadas. A partir deste ano, não será mais obrigatório à pessoa física sócia de empresa apresentar declaração de IR. Esse tipo de contribuinte só terá que apresentar declaração se cair em um dos outros quesitos de obrigatoriedade. Outra mudança relevante será o aumento do limite de isenção de bens. Até o ano passado, teria que entregar declaração o contribuinte que tivesse bens em valores acima de R$ 80 mil. A partir deste ano, o valor subirá para R$ 300 mil. Restituição prioriza idosos e quem entrega declaração antes Como nos anos anteriores, a Receita Federal pagará

as restituições do Imposto de Renda em sete lotes, entre junho e dezembro próximos. Lotes residuais serão pagos a partir de janeiro de 2011. A Receita publicará uma instrução normativa determinando as datas exatas dos pagamentos. A restituição do Imposto de Renda poderá ser creditada diretamente na conta bancária informada pelo contribuinte na declaração. Informando os dados de sua conta, a Receita encaminhará a restituição para o banco, que a creditará diretamente na conta do cliente. Se o contribuinte não fizer essa menção, a Receita enviará uma notificação informando o banco onde ele poderá fazer o saque. Nesse caso, o contribuinte terá de ir à instituição financeira levando a notificação enviada pela receita, o CPF e o RG. Todas as restituições, quando liberadas, são atualizadas pela taxa Selic. Uma vez colocado à disposição do contribuinte, o valor da restituição não mais sofrerá qualquer acréscimo, permanecendo fixo, independentemente da data em que o contribuinte o receber. Como nos anos anteriores, a Receita Federal vai restituir primeiro quem enviou sua declaração pela internet ou disquete que, na prática, também é considerado entrega via internet, com a diferença que quem faz o envio para a Receita é a entidade que recebeu a mídia. Recebe primeiro quem enviar a declaração antes. Outra prioridade será dada a quem entregar a declaração utilizando certificado digital (e-CPF). Nos primeiros lotes estarão ainda pessoas com mais de 65 anos de idade - o Estatuto do Idoso garante prioridade para o pagamento da restituição para esses contribuintes nestas condições, independente da forma utilizada para a declaração. Já quem entregar via formulário receberá a restituição nos últimos lotes. Não caia na malha fina A malha fina é um procedimento que visa interceptar declarações de Imposto de Renda para averiguação mais detalhada. Normalmente caem na malha fina as declarações que possuem dados considerados errados ou incompletos pela Receita Federal.

avulso - abril/2010

DF MAIO2010

36


A cada ano que passa a malha fina fica mais severa, já que o avanço da tecnologia permite à Receita Federal cruzar dados enviados pelos próprios contribuintes ou pelas empresas com quem eles tiveram algum tipo de relacionamento financeiro ou trabalhista. Em 2009, cerca de 1 milhão de declarações do IRPF ficaram retidas na malha fina, quase três vezes mais que as 361 mil do ano anterior. O próprio contribuinte pode colaborar para acelerar sua saída da malha fina. Para isso, ele deve acessar o site da Receita Federal e informar os números do CPF e do comprovante de entrega da declaração. O sistema permite, então, visualizar o motivo da entrada na malha fina. Caso o contribuinte corrija a informação através de uma declaração retificadora, ele é liberado. Se não fizer isso, o contribuinte deve esperar ser chamado pela Receita Federal, que tem um prazo de cinco anos para convocá-lo. Confira os principais motivos para cair na malha fina: Rendimentos O principal motivo para um contribuinte cair na malha final é a omissão de rendimentos. Isso acontece quando ele deixa de declarar uma renda ou parte de um rendimento, como recebimento de aluguel ou ganho em aplicações financeiras. Além da ausência dos rendimentos, a diferença entre o rendimento declarado entre a fonte pagadora e o contribuinte é o segundo maior motivo das inclusões na malha fina. Aconselha-se aos contribuintes que guarde todos os comprovantes salariais - em especial os informes de rendimento - para provar que os valores estão corretos. Falta de recolhimento O contribuinte pode entrar na malha fina devido à falta de recolhimento do imposto pela empresa. Neste caso, o empregador não apresentou a Dirf (Declaração de Imposto Retido na Fonte). Para resolver isso, o contribuinte precisa comprovar que o valor foi deduzido do salário, para que a Receita cobre o pagamento da empresa.

Despesas com saúde e educação Divergências sobre informações com despesa médica também costumam gerar problemas na declaração que levam à malha fina. Geralmente, deduções de despesas médicas ou de educação caem na averiguação mais detalhada para conferir se realmente foram feitos. A insistência da Receita Federal nesses casos é justificada: é comum o Fisco descobrir que contribuintes forjaram recibos ou deduziram despesas que não possuem esse privilégio. Por conta disso, a Receita publicou no fim de 2009 norma instituindo a Declaração de Serviços Médicos, que será entregue por profissionais de saúde e trará o CPF e o valor recebido de cada paciente atendido por profissionais como médicos, psicólogos, dentistas e fisioterapeutas. A intenção da Receita é cruzar esses dados com os declarados pelo contribuinte pessoa física no Imposto de Renda, e evitar a declaração de despesas médicas falsas. Não entram na dedução, por exemplo, gastos realizados em farmácias. Já em educação, não são passíveis de dedução cursos diversos (incluindo idiomas e informática) e material escolar. Patrimônio incompatível com renda - Também é comum a retenção nos casos de variação patrimonial incompatível com a renda do mesmo período. E não declarar o patrimônio não adianta, já que a Receita tem conhecimento dos investimentos e bens dos contribuintes através da outra ponta. No caso de compra e venda de imóveis, por exemplo, as construtoras e imobiliárias informam as vendas ou alugueis através de um documento chamado Dimob (Declarações de Informações de Atividades Imobiliárias), com a qual a Receita toma conhecimento da compra feita pelo contribuinte. Documentos semelhantes - chamados de obrigações acessórias - são expedidas por cartórios e empresas de cartões de crédito, entre outros, e são igualmente colocados à disposição da Receita para fazer a comparação com a declaração do IR. Fonte: Folha On Line - Especial Imposto de Renda - Fevereiro de 2010

avulso

DF MAIO2010

37


Humor & Tal CARTA PARA O FILHINHO

É A PURA VERDADE

Meu querido filho, Escrevo devagar porque sei que não gosta de ler depressa. Se receber esta carta, é porque chegou. Se ela não chegar, avisa-me que eu mando outra. O teu pai leu no jornal que a maioria dos acidentes ocorre a 1 km de casa. Por isso, mudamo-nos pra mais longe. Sobre o casaco que queria, o teu tio disse que seria muito caro mandar pelo correio por causa dos botões de ferro que pesam muito. Assim, arranquei os botões e coloquei-os no bolso. Quando chegar aí, pregue-os de novo. No outro dia, houve uma explosão no botijão de gás aqui na cozinha. Teu pai e eu fomos atirados pelo ar e caímos fora de casa. Que emoção! Foi a primeira vez em muitos anos que o teu pai e eu saímos juntos. Tua irmã Laura vai ser mãe, mas ainda não sabemos se é menino ou menina. Portanto, não sei se você vai ser tio ou tia. Hoje, teu irmão Marcos me deu muito trabalho. Fechou o carro e deixou as chaves lá dentro. Tive de ir em casa, pegar a reserva para a abrir. Por sorte, cheguei antes de começar a chuva, pois a capota estava arriada. Se vir a Dona Esmeralda, diz-lhe que mando lembranças. Se não a vir, não digas nada. Um beijo, Tua mãe Mariana

COISAS QUE SÓ UMA MULHER CONSEGUE: 1- Fingir naturalidade durante um exame ginecológico; 2- Usar o poder de uma calça jeans para rediagramar a estrutura do corpo; 3- Ter crise conjugal, crise existencial, crise de identidade, crise de nervos; 4- Ser mãe solteira, mãe casada, mãe separada, mãe do marido; 5- Lavar a calcinha no chuveiro. E depois pendurála na torneira, para horror do sexo masculino; 6- Rasgar a meia na entrada da festa; 7- Sentir-se pronta para conquistar o mundo, quando está usando um batom novo; 8- Chorar no banheiro, e ficar se olhando no espelho para ver qual melhor ângulo; 9- Achar que o seu relacionamento acabou, e depois descobrir que era tudo tensão prémenstrual. (Esta é perfeita!!!!); 10- Nunca saber se é para dividir a conta, ou se é para ficar meiguinha; 11- Dizer não, para ele insistir bastante, e aí ter que dizer sim.

PS: Era para te mandar os 300 reais que me pediu, mas quando me lembrei já tinha fechado o envelope. Ha! To mandando uma carta dentro da outra; se uma não chegar a outra chega.

E O TÓPICO NÚMERO UM QUE SÓ AS MULHERES ENTENDEM: 1- As outras mulheres!

SÓ AS MULHERES ENTENDEM: 1- Por que é bom ter cinco pares de sapatos pretos. 2- A diferença entre creme, marfim, e bege claro. 3- Achar o homem ideal é difícil, mas achar um bom cabeleireiro é praticamente impossível.

ORAÇÃO DAS MULHERES: Querido Deus, Até agora o meu dia foi bom: Não fiz fofoca, não perdi a paciência, não fui Gananciosa, sarcástica, rabugenta, chata e nem irônica. Controlei minha TPM, não reclamei, não praguejei, não gritei, nem tive ataques de ciúmes. Não comi chocolate. Também não fiz débitos em meu cartão de crédito (nem do meu marido) e nem dei cheques pré-datados. Mas peço a sua proteção, Senhor, pois estou para levantar da cama a qualquer momento... Amém!

Colaboração: Giedre Ramos Ferreira - Botucatu-SP

Téquinfim O diretor da Penitenciária, com um megafone, diz aos presos no pátio: - Atenção, cambada de vagabundos! Chega de moleza! Acabem logo com essa bagunça! Quero todo mundo varrendo e limpando esse chiqueiro! Amanhã chega aqui o presidente Lula!

Colaboração: Júlio Cesar Rodrigues - São Manuel-SP

Imediatamente, um dos presos comenta com outro: - Pôooo... Tequinfim! ... Demorou, mas prenderam o f...d...p...!!!

Participem ENVIE VOCÊ TAMBÉM SUAS PIADAS Rua João de Campos, 48 - Caixa Postal, 112 CEP 18603-970 - Botucatu - SP Fax para: (14) 3882-0595 Envie seus e-mails para: revista@ctaf.com.br

Colaboração: André Luis Polo - Botucatu-SP DF MAIO2010

38


Atender melhor atrai e fideliza clientes. Pensando nisso, o CTAF oferece à sua empresa mais uma novidade. curso

Excelência no Atendimento

Conteúdo: • Relacionamento Interpessoal; • Motivação e comportamento; • Técnicas de atendimento; • Como lidar com clientes zangados; • Imagem dos Funcionários x Vendas de produtos e/ou serviços da emrpesa; • Elaborando um plano de compromisso para o atendimento aos clientes. Data: 28 de ABRIL de 2010. Horário: das 09h às 18h30. Local: sede da ABREDIF - São Paulo Apresentação: JOÃO CARLOS SIMÕES, graduado em Pedagogia, com grande experiência em Recursos Humanos. Auditor da ISO. Informações e Inscrições: (14) 3882-0595

DF MAIO2010

39

Realização


DF MAIO2010

40


revista diretor funerário - abril 2010