Issuu on Google+

ANO XIV Nº 176 DEZEMBRO 2010

Publicação do Centro de Tecnologia em Administração Funerária Órgão Oficial de Divulgação do Setor Funerário Nacional

funexpo2011 CTAF faz lançamento comercial da maior feira da América Latina. Em menos de 10 dias, 85% dos stands já foram comercializados.

Leia também NEGÓCIOS:

População está investindo mais em lápides elaboradas para embelezar a última morada.

ABREDIF:

Mobilização do setor surtiu efeios frente ao novo cenário comercial previsto em 2009, mas ainda é necessário continuar agindo.


out/2010 a set/2011

as, Defensor do Segurado, Assistência 24 Hor Indenização Garantida em 5 Dias Úteis.

itens Nenhum outro seguro tem tantos

de série.

Seguro MAPFRE AutoMais

É diferente porque é feito por motoristas como você. Por isso, ele é totalmente flexível e oferece as melhores condições de franquias e coberturas. Com ele, você conta com Indenização Garantida em 5 Dias Úteis, Defensor do Segurado, Assistência 24 Horas e condições exclusivas para o setor funerário. Resumindo: quando o seguro é feito por pessoas que se preocupam com você, não tem como não gostar.

(14) 3815-4057 ou (14) 3814-8007

A seguradora diferente.


Sumário Ano XIV Nº 176 DEZEMBRO 2010

EDITORIAL

5

ABREDIF

12

Presidente da Entidade fala sobre o trabalho e a mobilização da classe frente ao novo cenário para o setor.

NEGÓCIOS

22

CAPA

20

População capricha na escolha das lápides e procura elementos diferenciados para embelezar a última morada.

funexpo2011 SOCIAL

24

Dia de Finados foi comemorado com ação de prevenção da doença e promoção da saúde pela Interplan, em Presidente Prudente e região.

Lançamento Comercial da 9ª edição da Feira reuniu expositores do setor em encontro em na sede do CTAF, em Botucatu-SP

Nesta edição 2009 - Pavilhão que recebeu mais de 4.000 visitantes crescerá 30% para a funexpo2011

• Clipping.......................................... 07 • Cartas............................................ 09 • Sefesp............................................ 10 • Marketing....................................... 15 • Luto............................................... 16 • Funeral Shopping........................... 26 • Legislação...................................... 31 • Humor & Tal................................... 38

4

Diretor Funerário | Dezembro2010


Editorial SOLANGE SERAFIM

Bons ventos para 2011 O CTAF - Centro de Tecnologia em Administração Funerária - promoveu em outubro de 2010 o lançamento comercial da 9ª Edição da Funexpo - A maior Feira de Produtos, Serviços e Equipamentos para o Setor Funerário e de Cemitérios. O evento reuniu os principais fornecedores do setor, empresas renomadas e tradicionais no segmento, e também novatos na Feira. Os empresários presentes deram sugestões na disposição do pavilhão, que cresceu 30% em relação ao evento de 2009 e saíram satisfeitos do encontro. Em menos de 10 dias, 85% dos stands já estavam comercializados. Isso demonstra que o evento já está consolidado no cenário funerário nacional, mas não significa comodismo. Muito pelo contrário. A palavra de ordem para a equipe do CTAF é “Temos que Fazer Muito Melhor”. Além de trabalhar para que os negócios realizados na Feira sejam promissores para o setor, o CTAF também está promovendo evoluções que devem trazer mais conforto aos visitantes, como a inscrição antecipadas para as palestras e os investimentos em tecnologia para a recepção do evento. O ano que entra é, portanto, um ano de muito trabalho e desafios. Contamos como a participação de todo o setor para conseguir fazer um evento ainda mais plural e que vá ao encontro dos anseios da categoria. Os ânimos que se renovam na virada do calendário romano com a entrada do Ano Novo devem contagiar também os Diretores Funerários que ainda precisam ficar alertas e mobilizados para as mudanças que acontecerão com a possível regulamentação do Microsseguro. O cenário, no entanto, não é mais aterrorizante. Não há mais medo e desinformação no ar. Mas cuidado, ainda há muito boato! Nesta edição o presidente da ABREDIF fala um pouco sobre a “luta” da categoria para enfrentar as mudanças anunciadas em 2009. Nesta edição também uma tendência que vem sendo sentida pelo mercado de cemitérios e evidenciada em finados. A população está mais preocupada com a sua última morada. Os investimentos privados em cemitérios arborizados e dentro de um conceito ambiental mais contemporâneo, o que os tornam lindos sepulcros e ao mesmo tempo belíssimos parques para os vivos, têm impulsionado o desejo de familiares em investir em lápides elaboradas. A Eternia, empresa com pouco mais de 3 anos de atuação no país vinha registrando um aumento nos negócios na ordem de 15% anuais. 2010 elevou esse crescimento para 25%. Por falar em Finados, a Interplan, de Presidente Prudente-SP, fez uma ação de promoção da saúde e prevenção da doença em 13 cemitérios da região. A idéia foi conscientizar a população sobre os cânceres de próstata e mama. Na coluna luto há uma boa matéria sobre a dor da perda do filho e como trabalhar com isso. O assunto está muito em evidencia depois que a atriz Cissa Gimarães perdeu o filho caçula, de 18 anos, num acidente de transito. A tragédia com a atriz global expôs a dor de uma mãe que perde repentinamente seu filho e enfrenta o que parece ser uma inversão da ordem natural da vida, onde os mais velhos deveriam nos deixar primeiro. Como “há muito mais mistério entre o Céu e a Terra do que sonha nossa van filosofia”, essa lógica nem sempre é aplicada. A equipe do CTAF deseja a todos um Natal de harmonia e centrado na fé e na caridade humana. Estamos na torcida para um Ano Novo de sucesso e de muitas alegrias e bons negócios. Boas Festas!! A Redação Estaremos em recesso entre os dias 20 de dezembro e 03 de janeiro de 2011. Dezembro2010 | Diretor Funerário

5


EXPEDIENTE CARTA AO LEITOR Diretor Executivo

Caro Leitor, Nem só “frente fria” vem da Argentina, como gostamos de implicar com nossos vizinhos “portenhos”. O ex-presidente Néstor Kirchner faleceu em 27 de outubro de um ataque cardíaco fulminante e trouxe à luz a forma como os Argentinos reverenciam seus mortos. Descontando-se o fato de que Kirchner era uma celebridade, seu funeral recebeu artistas de todos os meios, jogadores de futebol, políticos e celebridades, Lá tudo é pompa fúnebre. O velório aconteceu no recém inaugurado “Salão dos Patriotas” na Casa Rosada, sede oficial do governo argentino. Populares enfrentam sol e calor por horas numa fila de um dia que lotava a Praça de Mayo, marco de manifestações daquele país. Mais de 100 mil pessoas puderam chegar próximas à urna. Houve hino nacional cantado espontaneamente, salva de palmas vindas dos serviçais que o acompanharam nos últimos anos, populares segurando a urna e cortejo fúnebre com flores da Casa Rosada ao Aeroporto. Depois de dois dias o corpo do ex-presidente foi sepultado em Rio Gallegos, sua cidade natal. O ex-presidente entra agora para uma galeria que torna muito importante alguns célebres argentinos: Juan Domingo Perón, Carlos Gardel e Evita.

Lourival Antonio Panhozzi lori@sistemaprever.com.br

Conselho Editorial

Mario Fernando Berlingieri marinhob@hotmail.com

Conselho Editorial

Ilso Sanchez Parra lutopaulista@uol.com.br

Diretora Administrativa

Dulce Cristina C. Nascimento dulce@ctaf.com.br

A Redação

SERVIÇOS Assinaturas Impressas: Para novas assinaturas. Disque para fone/fax: (55) (14) 3882-0595, envie pedido pelo correio para: Rua Dr. Rodrigues do Lago, 464 CEP 18602-091 - Botucatu - SP - Brasil, e-MAil para assinatura@ctaf.com.br Atendimento ao assinante: Fone/fax: (55) (14) 3882-0595 Rua Dr. Rodrigues do Lago, 464 CEP 18602-091 - Botucatu - SP - Brasil e-MAil: atendimento@ctaf.com.br

Redação - Jornalista Responsável Solange Serafim - MTB 23.860 solange@ctaf.com.br

Projeto Gráfico, DTP, Web, Marketing e Publicidade Henrique Teixeira henrique@ctaf.com.br

Na internet acesse: www.funerarianet.com.br Para anunciar: (55) (14) 3882-0595 Redação: (55) (14) 3882-0595 e-MAil: revista@ctaf.com.br Jornalista Responsável Solange Serafim - Mtb - 23.860 Impressão: JOARTE - jorgedj@joarte.com.br A Revista Diretor Funerário é uma publicação mensal do Centro de Tecnologia em Administração Funerária, órgão oficial de divulgação do Setor Funerário Nacional. A publicação não se responsabiliza pelas opiniões e conceitos emitidos em artigos assinados e em anúncios publicitários.

6

Assinaturas, Depto. Comercial e Treinamento Leandro da Silva Jerônimo leandro@ctaf.com.br

Colaboradores

Alaíde E. de Jesus Leda Fleury Maria José Bueno Rocha Taísa Berlingieri

Diretor Funerário | Dezembro2010


NOTA:

O Clipping é uma coletânea de notícias do setor funerário publicadas nos jornais de todo o país. Ele é um painel do que está acontecendo no setor e chega para a Diretor Funerário através de um serviço especializado que rastreia tudo o que é publicado na imprensa. A redação apenas transcreve a notícia, dando os créditos dos órgãos de imprensa onde foram primeiramente veiculadas e a data. Não são reportagens realizadas pela redação da Diretor Funerário.

Clipping

MP de Santa Maria quer livre escolha de serviços funerários

Em Umuarama, funerária municipal quer exclusividade na Tanatopraxia

O Ministério Público de Santa Maria-RS, através do Promotor João Marcos Castro, propôs o Termo de Ajustamento de Conduta para os hospitais do município. O documento quer assegurar o direito dos familiares à livre escolha dos serviços funerários nos casos de óbito.

Um projeto de lei de autoria do executivo, juntamente com a Administração de Cemitérios e Serviços Funerários (Acesf) de Umuarama-PR, deve dar exclusividade ao município no tratamento de corpos - tanatopraxia e reparação facial.

O TAC exige que as casas de saúde tenham um mural com a listagem de todas as funerárias do município, Conforme o documento, a escolha deve ser livre, sendo proibida intimidação dentro ou fora das dependências do hospital por funcionários e representantes deste tipo de serviço. Outra determinação do TAC é que os prestadores de serviços das funerárias só poderão permanecer dentro dos hospitais para o recolhimento do corpo, devidamente identificados por crachá. O não cumprimento do Termo implicará no pagamento de multa de R$ 1.000,00. O valor será revertido para o Fundo Municipal de Saúde de Santa Maria. Os hospitais que não aceitarem a proposta serão acionados judicialmente. Vitrine Digital - novembro de 2010

Atualmente, a funerária municipal não tem laboratório para fazer a tanatopraxia. Com isso parentes que querem ou precisam fazer o procedimento para conservar o corpo têm de apelar para os planos de assistência que, segundo Acesf, não são empresas funerárias, mas estão fazendo a tanatopraxia e com preços não tabelados. De acordo com o diretor presidente da Acesf, Luiz Fernando de Melo, a única funerária da cidade autorizada a fazer o procedimento é a Acesf. “Quando um município não possui uma autarquia como a Acesf, só então a administração autoriza uma empresa a fazer a tanatopraxia”. O Projeto de Lei Complementar Nº030/2010, apresentado a população em audiência pública e baseado no anseio da comunidade, prevê que os serviços de tanatopraxia sejam exclusivos da Acesf, entre outras providências. Porém, deve atravessar um árduo caminho na Câmara até ser aprovado.

Futebol patrocinado pela SAF está entre os 40 melhores do Brasil

A licitação para compra de equipamentos e produtos para montagem do laboratório de tanatologia para a funerária municipal estava prevista para outubro. A Acesf possui 6 agentes capacitados para aplicar a tecnica.

Futebol, Forró e Funerária parece uma mistura muito inusitada, mas está dando certo para o Salgueiro, time de futebol pernambucano, que acaba de conseguir uma vaga da Série B do Campeonato Brasileiro e figura entre os 40 melhores times do país.

A Acesf afirma que o procedimento será tabelado em cerca de R$ 450,00 e que para pessoas de baixa renda (comprovada) ela será feita por R$ 150. Para quem quiser fazer também a reparação facial o custo sobe para R$ 800,00

O time amador foi fundado em 1972, mas em 2005 ganhou o apoio de um grupo de empresários apaixonados por futebol e que decidiram profissionalizar sua administração.

Atualmente a funerária - ACESF - detém o serviço de buscar corpos em hospitais, IML e residências. Os familiares devem escolher a urna - que só pode ser comprada na Acesf, inclusive por associados a planos. A funerária é responsável por fazer a arrumação, limpeza, tamponamento, banho, etc.

Clebel Cordeiro do Grupo SAF, figura muito conhecida no setor funerário, comandou a virada que oferece aos jogadores pagamentos em dia e boas condições de trabalho, o que alavancou a ascensão da equipe. Ele foi o primeiro presidente do Clube. Os dividendos enxutos do time (a folha de pagamento é de R$ 85 mil) vêm da Funerária SAF, da Banda Limão com Mel e da Prefeitura de Salgueiro. Todos os patrocinadores estão estampados no uniforme dos jogadores, envergados com orgulho em todas as partidas. “O grupo de empresários queria levar o nome da cidade. O clube é administrado por poucas pessoas, então se formou uma união entre os dirigentes”, conta José Guilherme, da Banda Limão com Mel e atual presidente do Salgueiro.

“Na época em que a Acesf foi criada, a tanatopraxia ainda não era uma técnica tão disseminada. Em Umuarama esse serviço começou a ser feito pelas empresas de planos de venda de assistência funeral, que não são funerárias”, explica Luiz Fernando, diretor presidente da Acesf. Zoneamento para Capelas: O projeto de lei também trata da questão de zoneamento das capelas. O artigo 2º afirma que fica autorizada a exploração da atividade de manutenção de capelas mortuárias, em terrenos específicos. “Esse artigo foi criado porque uma empresa de assistência fez uma capela em outra região e os moradores começaram a reclamar, já que é comum haver velórios às vezes toda madrugada”.

A população local espera agora que o time repita a atuação que o tornou conhecido como o Furacão da Série C.

Com aprovação do projeto, as capelas privadas só poderão se concentrar na frente do cemitério municipal.

Terra on line - outubro 2010

Umuarama Ilustrado - novembro de 2010

Dezembro2010 | Diretor Funerário

7


Registro

8

dezembro

01/12 Ana Laura de Souza.................................Guaiçara-SP 01/12 Heli Piva............................................. Bataguassu-MS 01/12 Gustavo Cardassi...................................Aracatuba-SP 01/12 Ligia Maria da Cunha................................Manaus-AM 03/12 Ramon Mazzarino...............................Encantando-RS 04/12 Adão Alex Vaz Kirst................................. Canguçu-RS 04/12 Alonso Neves da Silva...............................Colniza-MT 04/12 Ozório dos Anjos Oliveira.......................Paramirim-BA 04/12 Sonia N. Rocha do Nascimento............ Americana-SP 04/12 Wilson Martins Marques..............................Marília-SP 06/12 Wanderson de Lima Batista........................Maceió-AL 08/12 Niluzia Aparecida Fassa Garcia...............Guaiçara-SP 09/12 Celio Diomar Klein................................. Concórdia-SC 09/12 Osni Pereira Cardoso...................... Rio de Janeiro-RJ 09/12 Sebastião Avanzi................Vargem Grande do Sul-SP 10/12 Isvan Serafim da Silva...........................Arco Verde-PE 10/12 Marizete S. Mello..........São Gonçalo do Sapucaí-MG 11/12 Cleber Barbosa da Silva.......................... Munhoz-MG 11/12 Odilon Nunes............................... Patos de Minas-MG 11/12 Ronaldo Torquata............. Santa Maria do Suacuí-MG 12/12 Eduardo Alves Pereira................................. Jequié-BA 12/12 Eva Marcia Vieira......................................... Imbuia-SC 12/12 Giselda Arantes.................................... Mogi Mirim-SP 12/12 Irene Martins......................................... Imperatriz-MA 13/12 Marina Martins....................... São Caetano do Sul-SP 14/12 Getulio Moreira Saraiva.................................... Exú-PE 14/12 Lindomar Firmiano Figueira....... Bento Gonçalves-RS

15/12 Francielli Possato Ribeiro.................. Correia Pinto-SC 16/12 Aluísio B. Queiroz.................................... Fortaleza-CE 18/12 Anderson da Silva Correa...............Volta Redonda-RJ 18/12 Gianni Santos Marçal..........................Alto Taquari-MT 18/12 Lourdes Portella Wollf............................. Chapecó-SC 22/12 Angela Bandeira........................Santa Cruz do Sul-RS 20/12 Arthur de Souza Garcia............................. Lajinha-MG 22/12 Edson Francisco de Pinho..................... Paranavaí-PR 22/12 João Dourado........................................ Redenção-PA 22/12 Josué Saraiva de Souza.............................. Coxim-MS 23/12 Gerson Alves Sobrinho...................... Bataguassú-MS 23/12 Marlysio Nogueira Coelho......... Carmo do Cajurú-MG 23/12 Nara Helena Machado.................Barra do Ribeiro-RS 25/12 José Marcelino do Nascimento............ Americana-SP 26/12 Orlando Rodrigues Borges.....................Palmeiras-GO 27/12 Emilio Pagnoça Moreno............................... Matão-SP 27/12 José Carlos Santos Gonçalves............ Mogi Mirim-SP 27/12 Marcos Cardoso Leite............................... Taubaté-SP 27/12 Roberta da Silva Garcia............................ Lajinha-MG 28/12 Claudio Vitor Malta.............................. Rio Pomba-MG 28/12 Flávio Gomes...............................................Betim-MG 28/12 Glícia de Santana .................................. Corumbá-MS 29/12 Joaquim de Freitas Dayrell..................Diamantina-MG 30/12 Claudio Mariano............................... Porto Ferreira-SP 30/12 Eduardo Ribeiro da Silva Barbosa............Cajamar-SP 31/12 Ronaldo Edmundo Ritter.................... Porto Alegre-RS

JANEIRO

Agora, você assinante, também tem seu espaço para comemorar seu aniversário. E , desde já, desejamos a todos os nossos votos de feliz aniversário.

01/01 Adalberto Almeida Pina.............................. Palmas-PR 01/01 Rosane T. Bedin.......................................... Buritis-RO 01/01 Luzia Alves...........................................Nova Lima-MG 01/01 Oscar Pessoa Filho................................São Paulo-SP 02/01 Ataide José Mazzolini.....................Lago da Prata-MA 02/01 João Gabriel Alves Cabral........................ Milagres-CE 03/01 Karina Borges...............................Barra do Ribeiro-RS 03/01 Luiz Carlos Peres Rebelo.................Pouso Alegre-MG 05/01 Jorge Duarte................................... Santo Augusto-RS 05/01 José Antonio Pereira de Campos.........Catanduva-SP 05/01 Clover Souza Gomes........................ Parauapebas-PA 06/01 Terezinha de Jesus M. da Silva................. Parnaíba-PI 06/01 Enio Tesche...................................... Santo Angelo-RS 06/01 Dirceu Alves Deornela.......................... Rio Casca-MG 07/01 Gladis Grings......................................Cunha Porã-SC 07/01 Lucas Oliveira Carneiro.....................Tanque Novo-BA 08/01 Sidnei Roberto Barbosa.........................Itapiranga-SC 08/01 Edson Tavares Fonseca .................................Tatuí-SP 08/01 Thiago Vanis Pereira.................... Campo do Meio-MG 10/01 Nilo kreitlow........................................... Pomerode-SC 10/01 Luzia Teixeira.................................................. Ubá-MG 10/01 Cristiano Martins Arceno.................... Porto Alegre-RS 10/01 João Marcelo Dourado.......................... Redenção-PA 11/01 Aparecida de Fátima Gonçalves............. Cascavel-CE 11/01 Suely R. Prado..........................................Manaus-AM 11/01 Eliane Vieira da Silva............................ Borborema-SP 11/01 Valdomiro Junior Scapini.............. Campos Novos-SC 11/01 Alex Lander Ribeiro Gaioni.................Jacarezinho-PR 12/01 Valdeci Ferreira da Silva........................ Goianésia-GO 13/01 Gilson Pedrosa........................................... Itajubá-MG 14/01 Luiz Antonio Fernandes................................ Pirajú-SP 14/01 Marco Antonio Cardassi Filho................Araçatuba-SP 14/01 Paulo Eduardo Granja...................... Ponta Grossa-PR 14/01 Wilson Felício Machado................. Jaboticatubas-MG 14/01 Antonio Alves de Souza....................Barra do Pirai-RJ 15/01 Angela M. R. Possato Ribeiro........... Correia Pinto-SC 15/01 Ailson Bueira da Silva............................ Carambeí-PR

16/01 Laércio Henneberg........................................ Avaré-SP 17/01 Sérgio Adriano Andrade............................ Palmital-PR 18/01 Priscila Swyston..................................... Carambeí-PR 18/01 Vanderlei Pedro da Silva ........ Paraguaçú Paulista-SP 18/01 Wanderley Aparecido Assugeni................ Tambaú-SP 20/01 Claunei Carvalho.................................... Camaquá-RS 21/01 Jackson Luiz da Silva Camargo................. Naviraí-MS 21/01 Renata Mendes...................... São Caetano do sul-SP 22/01 Gilberto Ferreira da Costa......... Braganca Paulista-SP 22/01 Ana Maria Tagliarini Gomes......................... Pirajui-SP 22/01 Paulo Galvão...................... São Luis do Paraitinga-SP 22/01 Maycon Cesar Ferreira Padovezzi........ Cafelândia-PR 22/01 Clébio de Ornellas Moraes...................... Varginha-MG 23/01 José Eriovaldo de Santana............ Jaboticatubas-MG 24/01 Sebastião Paz de Oliveira............................Araxá-MG 24/01 Fernando Aparecido Bizzari........................Itápolis-SP 24/01 Benjamim Bueno de Freitas..........Campo Grande-MS 25/01 Antonio da Silva Ligeiro Neto.......................Tanabi-SP 27/01 Rinaldo Angelo Ribeiro....................... Aquidauana-MS 27/01 Bruna Baldo........................................Arroio Trinta-SC 27/01 Adailson Honório................................... Guanambi-BA 27/01 Clodoaldo Roberto Valério............ Novo Horizonte-SP 27/01 Ronaldo Angelo Ribeiro..................... Aquidauana-MS 28/01 Álvaro de Santana Brandão..................... Salvador-BA 28/01 Paulo Mário Pereira.................................. Pinheiro-MA 28/01 Janaina Leal Figueiredo Silva........... Alto Araguaia-MT 28/01 Maria Simões Franca......................... Ponte Nova-MG 28/01 Rafael Lobato Carvalho Branco............ Imperatriz-MA 29/01 Rodrigo Alves de Arruda............................ Itapeva-SP 29/01 Gederson F. D. Soares.......... Presidente Prudente-SP 29/01 Marlene Ramos................................... Porto Velho-RO 29/01 Francisco Carlos da Silva....................... Arapiraca-AL 30/01 Luis Carlos Maranho..................... Novo Horizonte-SP 30/01 Antonio Pereira da Costa.........................Garibaldi-RS 31/01 Maira Elelise de Campos Giampaulo.......... Pongaí-SP 31/01 Udson Verçosa de Oliveira................. Esmeraldas-MG Diretor Funerário | Dezembro2010


Cartas À Revista Diretor Funerário

À Revista Diretor Funerário

Quais são os passos para acessar a revista Diretor Funerário pela Web?

Bom dia, Solange

Sou assinante ....

Recebi duas revistas “Diretor Funerário” - edição setembro/2010. Uma ficou com o nosso Gerente Regional (Mariani) e a outra comigo. Fiquei muito feliz ao ver a capa destacando os 10 Anos do Sistema Prever em Maringá.

Obrigado, Anderson R. Chaves Olá Anderson, Você pode acessar: www.funerarianet.com.br No menu à esquerda, a opção Revista Diretor Funerário é uma das primeiras.

Parabenizamos a redação da Revista pela matéria, escrita de forma irretocável. A matéria como destaque na seção Negócios mostrou o que é o Sistema Prever, sua dimensão, perspectiva e importância. A escolha do título do Editorial, “O Poder do Trabalho”, foi acertada. Gostei muito da matéria “REVISE SEUS CONCEITOS EM VENDAS” na seção Gestão, assinada por você. Irei acompanhar essa seção nas próximas edições.

Clique em edições e escolha a edição que quer acessar - clique em ver detalhes. Tem um texto - role até o final da página, lá aparece uma versão da revista para você folhear - é possível ler as matérias.

Solicitamos a gentileza de enviar mais duas edições de setembro. Desejo encaminhar uma revista para o Departamento Filatélico regional (Curitiba/ PR) e a outra para o Departamento Filatélico nacional (Brasília/DF). Sendo possível agradecemos.

Você pode ainda clicar na imagem da capa que fica à direita da home page.

Edilson Américo de Oliveira

A edição exposta, no entanto, não é a do mês, privilégio somente dos assinantes, que a lêem em papel. Um abraço. Fico á disposição Solange Serafim

Oi Edilson, A Revista Diretor Funerário é que agradece a sua gentil acolhida e todas as suas excelentes explicações sobre o selo e todo o processo de sua utilização durante as comemorações dos 10 anos do Sistema Prever Maringá. Obrigada pelos elogios. Escrever sobre uma empresa de sucesso e com tantos empreendimentos é sempre mais prazeroso e, portanto, mais fácil! Vou lhe encaminhar os exemplares solicitados.

PARTICIPEM:

Envie suas perguntas, comentários, sugestões para o e-MAil: revista@ctaf.com.br; Ou para o endereço:

Rua Dr. Rodrigues do Lago, 464 - Centro CEP 18602-091 - Botucatu-SP

Só gostaria que você anotasse uma errata. A matéria “Revise seus Conceitos em Vendas” não é de minha autoria. O autor é Roberto Monti, consultor de Marketing. Você pode encontrar esse e outros artigos dele no site www.acessa.com Um grande abraço, Solange Serafim

avulso

Dezembro2010 | Diretor Funerário

9


Sindicato das Empresas Funerárias do Estado de São Paulo

Sefesp

Rua Saint Martin, 35-65 - Jd. Aeroporto CEP 17043-081 - Bauru-SP Fone/fax: (14) 3227-4448 e-MAil: sefesp@uol.com.br

SAIBA QUEM TEM DIREITO E COMO FUNCIONA O DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO Pagamento do benefício injeta dividendos na economia nacional e pode garantir as vendas no comércio Conhecida como décimo terceiro salário, a gratificação de Natal foi instituída no Brasil pela Lei 4.090, de 13/07/1962, e garante que o trabalhador receba o correspondente a 1/12 (um doze avos) da remuneração por mês trabalhado. Ou seja, consiste no pagamento de um salário extra ao trabalhador no final de cada ano. Conhecida como décimo terceiro salário, a gratificação de Natal foi instituída no Brasil pela Lei 4.090, de 13/07/1962, e garante que o trabalhador receba o correspondente a 1/12 (um doze avos) da remuneração por mês trabalhado. Ou seja, consiste no pagamento de um salário extra ao trabalhador no final de cada ano. Tem direito à gratificação todo trabalhador com carteira assinada, sejam trabalhadores domésticos, rurais, urbanos ou avulsos. A partir de quinze dias de serviço, o trabalhador já passa ter direito a receber o décimo terceiro salário. Também recebem a gratificação os aposentados e pensionistas do INSS. O cálculo do décimo terceiro salário é feito da seguinte forma: divide-se o salário integral do trabalhador por doze e multiplica-se o resultado pelo número de meses trabalhados. As horas extras, adicionais noturno e de insalubridade e comissões adicionais também entram

no cálculo da gratificação. Se o trabalhador tiver mais de quinze faltas não justificadas em um mês de trabalho ele deixa de ter direito ao 1/12 avos relativos àquele mês. A gratificação de Natal deve ser paga pelo empregador em duas parcelas. A Lei 4.749, de 12/08/1965, determina que a primeira seja paga entre o dia 1º de fevereiro até o dia 30 de novembro. Já a segunda parcela deve ser paga até o dia 20 de dezembro, tendo como base de cálculo o salário de dezembro menos o valor adiantado na primeira parcela. Se o trabalhador desejar, ele pode receber a primeira parcela por ocasião de suas férias, mas, neste caso, ele deve solicitar por escrito ao empregador até o mês de janeiro do respectivo ano. Caso a data máxima de pagamento do décimo terceiro caia em um domingo ou feriado, o empregador deve antecipar o pagamento para o último dia útil anterior. O pagamento da gratificação em uma única parcela, como feito por muitos empregadores, normalmente em dezembro, é ilegal, estando o empregador sujeito a multa. O trabalhador também terá direito a receber a gratificação quando da extinção do contrato de trabalho, seja por prazo determinado, por pedido de dispensa pelo empregado, ou por dispensa do empregador, mesmo ocorrendo antes do mês de dezembro. Só não tem direito ao décimo terceiro o empregado dispensado por justa causa. Mais R$ 102 bilhões na economia - O pagamento do décimo terceiro salário deve injetar R$ 102 bilhões na economia nacional. A previsão foi divulgada no dia 21 de outubro pelo DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. O valor corresponde a 2,9% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro e leva em consideração os décimo terceiros salários que serão pagos a trabalhadores formais e aposentados até dezembro. Segundo o Dieese, cerca de 74 milhões de brasileiros têm direito ao salário. De acordo com a organização, cada uma dessas pessoas receberá, em média, R$ 1.310,96. Fonte: Uol

10

Diretor Funerário | Dezembro2010


HagaTex

• Tanatopraxia; • Reparação facial; novo • Técnicas de vendas em planos funerários; • Cerimonial: celebração da vida; • Excelência no atendimento; *O ctaf oferece os cursos na modalidade “in company” na cidade do contratante. Porém, para que o treinamento seja realizado é necessário um número mínimo de participantes e infra-estrutura adequadas para cada curso. Solicite proposta.

• Contabilidade e o momento do setor funerário. Todos os temas são realizados com turmas abertas e também na modalidade “IN COMPANY” informe-se: (14) 3882-0595 e-MAil: ctaf@ctaf.com.br - www.funerarianet.com.br Dezembro2010 | Diretor Funerário

11


Associação Brasileira de Empresas e Diretores do Setor Funerário

Abredif

Av. Paulista, 2006 - 9º andar- conj. 903/904 CEP 01310-200 - São Paulo-SP fone/fax: (11) 3283-3384 - abredif@terra.com.br

MITO OU VERDADE O Setor Funerário brasileiro pode ser considerado o perfeito retrato de nossa sociedade. Está em todas as localidades, participa de todas as atividades sociais e culturais nas comunidades, vivencia e participa de forma direta e indireta da realidade nua e crua de cada núcleo, seja ele familiar, político ou empresarial. Em razão de tudo isso, nós Diretores Funerários, não poderíamos ficar privados de ter que conviver com situações criadas a partir de boatos e insinuações de elementos que são, diga-se de passagem, especialistas em criar, gerar e difundir informações que nem de longe refletem a verdade. Corremos o risco de, se continuarmos calados, tornar o que é mito realidade na imaginação das pessoas. Isto certamente não apenas seria uma afronta à verdade, como um desrespeito àqueles que de fato defenderam e defendem

nossa categoria. No caso do microsseguro em especial, muitos estão fazendo uma avaliação equivocada do processo. Como nem todos se disponibilizaram a participar da luta, ou se esconderam na hora do fogo pesado e só apareceram depois que a primeira batalha foi vencida, não sabem como tudo foi difícil e desgastante. Quem ficou de fora, apenas imagina situações que não ocorreram, difundindo todo tipo de informação. Mitos! Verdade: quando soubemos que o Projeto microsseguro, que em sua fase inicial não citava o setor funerário, passaria por um substitutivo e ganharia um novo artigo (o famoso artigo 5º) que atingiria nosso setor de forma equivocada causando grandes transtornos, não apenas para as empresa, mas principalmente para os milhões de usuários, começamos uma grande

jun/2010 a dez/2010

12

Diretor Funerário | Dezembro2010


mobilização. Primeiro em busca de informações precisas, depois em busca das pessoas que poderiam interagir de forma positiva. Realizamos reuniões onde todos puderam se manifestar e apresentar propostas. Definimos um plano de ação com várias metas e objetivos, que foram plenamente observados e atingidos dentro das condições e limitações pertinentes à situação que se apresentava. Buscamos o autor e o relator do Projeto e conseguimos sensibilizar a ambos, principalmente o relator, Deputado Aelton Freitas, de Minas Gerais, que assim que tomou conhecimento da complexidade do tema alterou o Projeto suprimindo a inclusão do artigo 5º - aquele que transformaria automaticamente em seguros todos os planos funerários comercializados e os a serem comercializados. Este fato foi determinante para a manutenção da nossa atividade no segmento plano funerário. Em uma segunda fase, o Deputado Hugo Leal relatou na comissão de constituição e justiça que todo o Projeto era inconstitucional. Seu parecer não foi votado. O Deputado foi substituído por outro, Sandro Mabel, que apresentou parecer favorável a aprovação da lei que regulamenta o microsseguro. Hoje o projeto aguarda votação e, se aprovado, será por nós contestado na forma da lei. Paralelamente a isso tudo, realizamos um trabalho de convencimento

junto ao Deputado Rodrigo Rollemberg a respeito de um outro projeto de sua autoria sobre a regulamentação dos serviços funerários. Rollemberg compreendeu nossas reivindicações e sugestões e alterou seu Projeto original e também passou a abordar questões sobre os planos funerários da forma que deveriam ser tratados, ou seja, dando garantias aos usuários e a nós empresários. Este Projeto está tramitando e, se o ego de alguns companheiros não atrapalhar, poderá ser aprovado. E digo desde já, se a questão é esta, podem dizer que vocês são o “pai ou a mãe do projeto”, porque todas as pessoas que trabalharam até agora pela regulamentação dos planos funerários, e alguns até já “desencarnaram”, não querem aparecer, querem que o setor seja respeitado pelo seu trabalho e pela luta, que sempre foi pautada pela honestidade e legalidade. Mas caso ainda tenhamos alguma dificuldade com relação ao projeto do Deputado Rollemberg, temos outras alternativas que poderão por fim à polêmica da regulamentação dos planos funerários. Esta luta não tem um nome. Esta luta tem sim um sobrenome e é “TODOS NÓS”. Qualquer um que se distanciar deste fato visando sua autopromoção estará se colocando contrário aos interesses de todos. LOURIVAL A. PANHOZZI Presidente da ABREDIF Associação Brasileira de Empresas e Diretores do Setor Funerário

Hagáteixeira

indeterminado

www.tanatus.com.br

Carrinho elétrico para elevação de urnas. A Bateria.

PROMOÇÃO PRAS GRUPO DE COM te consul

Pioneirismo Científico em Tanatopraxia Dezembro2010 | Diretor Funerário

13


Registro

JANEIRO

Antecipamos a relação dos aniversariantes para você não perder a festa. 01/01 01/01 01/01 01/01 02/01 03/01 03/01 04/01 04/01 05/01 05/01 06/01 08/01 08/01 08/01 09/01 09/01 10/01 10/01 12/01 12/01

Helerson Fuda Leopoldo......................... Penápolis-SP Maria Oliveira Pioli.................................... Rio Claro-SP Sérgio Ferreira...................................... Guararapes-SP Sergio R. Seewald Troian................. São Leopoldo-RS Accácio Rusca Junior..........................Descalvado-SP Nabih Abul El Hosn........................................ Belém-PA Zulene Schutz Rosa....................................Palhoça-SC Eliana S. R. de Fátima Carvalho................. Socorro-SP Otávio Marcos Siqueira................................... Itajaí-SC Araci Donini Ferreira............................. Guararapes-SP Maria Leonor de S. Coutinho................... Eldorado-SP Laércio Henneberg.........................................Avaré-SP Geraldo A. Vicente Filho........................... Barretos-SP Margareth Rodrigues Rosa..............Ribeirão Preto-SP Valdeir de Almeida Souza........................Campinas-SP Izaias de Souza Revoredo........................ Mossoró-RN Juarez Griffanti.............................................Sorriso-MT Armando José Bigatão.............................. Mirassol-SP Nilma Ribeiro Cardoso.................. Campo Grande-MS Alessandra AP. de Castro Manzato..............Franca-SP Dayse A. Ferreira Puga....................Ribeirão Preto-SP

13/01 14/01 14/01 15/01 15/01 17/01 17/01 18/01 18/01 21/01 24/01 25/01 26/01 27/01 28/01 28/01 30/01 30/01 31/01 31/01

Almir Anisio Rosa........................................Palhoça-SC Marco Antônio Cardassi Filho................ Araçatuba-SP Osmar Faganelo................................. Casa Branca-SP Gerson Domingues Mandu.... Itapecerica da Serra-SP Mauro Sérgio Moraes................................ Araguari-SP Antonieta Bonini Daud.................................Olímpia-SP Luis Carlos Garcia Sobrinho........ Itaquaquecetuba-SP Daniel Sumihiro........................................... Taubaté-SP José Garcia Lopes Junior.............................. Assis-SP Itamar de Lima Oliveira................................ Jacareí-SP Júlio Pérsio Garcia Lopes............................. Marília-SP Mário Fernando Berlingieri................... Jaboticabal-SP José Lafaiete de Jesuz.......São João da Boa Vista-SP Wagner Martins Rogério................................ Itatiba-SP Ângela Maria B. Angélico............. Lençóis Paulista-SP Edi Franco Ruiz..................... Presidente Venceslau-SP Iraci de Fátima Castelletto........................ Ourinhos-SP Luiz Baldocchi..................................Ribeirão Preto-SP Luiz Carlos Longatto..............................Piracicaba-SP Paulo J. Beserra de Melo..................Serra Talhada-PE

dez/2010 a nov/2011

14

Diretor Funerário | Dezembro2010


MARKETING por Pedro Paulo Galindo Morales

época de natal e as empresas

Tempo de confraternização, festas, presentes, luz... Mas o que esta data representa para as empresas, qual o verdadeiro sentido desta época do ano? No final do ano as empresas sempre fazem uma festa de final de ano, esta é muito importante porque os colaboradores se confraternizam. Pessoas que se falam apenas por telefone ficam se conhecendo, o que facilita a comunicação do dia a dia - parece que quando as pessoas se conhecem elas se tornam mais gentis e o quadro de colaboradores se torna mais unido. O único cuidado que se deve ter é não transformar a festa apenas em uma data para se comer e beber. Mas qual deve ser o sentido desta época? A empresa deve aproveitar esta data em que as pessoas estão mais sensíveis e aproveitar para promover a integração e união entre pessoas e departamentos que por ventura tenham tido desentendimentos. O ideal é escolher, antes da festa do final do ano, uma semana em que os diversos departamentos ou unidades de negócios possam realizar uma reflexão estratégica e possam responder perguntas como: O que fizemos de excelente neste ano? , O que podemos melhorar? O que esta ruim? Deve-se olhar positivamente para o futuro e dar chance para que se possa agradecer pelo o ano bom que tivemos, mesmo que tenhamos problemas. Devemos rever nossos pontos fortes e pontos frágeis. O tempo de natal também representa renascimento. Conforme definição é o ato ou efeito de renascer; renascença; nova vida, nova existência; qualquer movimento caracterizado pela idéia de renovação, de restauração... Sendo assim o que devemos fazer de novo para a empresa renascer para clientes, colaboradores, fornecedores e sociedade? A empresa deve também estimular o perdão entre os colaboradores. Certa vez uma empresa criou o perdão anônimo, onde em um grande quadro as pessoas deixavam recados de desculpas por atitudes tomadas durante o ano. O efeito dessa ação foi surpreendente, pois ao ver o quadro cheio de mensagens as pessoas criaram coragem e

se identificaram umas com as outras propiciando assim uma ambiente livre de ressentimentos o um início de ano melhor. É tempo de escutar o que o cliente, colaborador e fornecedor têm a dizer. Muitas vezes o continuo da empresa pode nos falar como a empresa é vista pelos fornecedores ou bancos. A moça da limpeza pode nos dar pistas de como vai a relação entre as diversas áreas da empresa, pois ela escuta varias pessoas, além disso sabe onde existe desperdício de papel e material de expediente. Um almoxarife pode nos dizer que quando nossos fornecedores vêm fazer entregas não há sanitários ou água para beber, ou que a parada de ônibus perto da empresa esta ruim e não oferece conforto. Certa vez uma empresa “adotou” uma parada de ônibus a mantendo limpa e segura. Com essa atitude além de se preocupar com os colaboradores trouxe benefício também para a comunidade. Aproveite esta época do ano para reunir as pessoas que fazem parte do seu time, pois elas têm expectativas sobre a empresa para o ano seguinte e é importante que todos os anos elas renasçam para um ano com confiança na organização. Confiança que, haja o que houver, sempre existe a capacidade de renovação. Vamos pensar nisso!

PEDRO PAULO GALINDO MORALES é graduado em Tecnologia em Gestão de Sistemas Produtivos pela Faculdade de Tecnologia e Aperfeiçoamento Humano-FATENE (2006), com especialização em Controladoria pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (2008) e é Técnico em Contabilidade pelo Colégio Carlos de Carvalho. Atualmente trabalha na área de Gestão Orçamentária.

avulso

Dezembro2010 | Diretor Funerário

15


LUTO por Taisa Lúcia Berlingieri

MEU FILHO MORREU, E AGORA? “A DOR NÃO VAI PASSAR. A SAUDADE TAMBÉM NÃO. MAS, COM O TEMPO, VEM A ACOMODAÇÃO DA DOR E VOCÊ VAI DESCOBRIR UM SORRISO EM SEU ROSTO, UM DIA, TÍMIDO A PRINCÍPIO. VAI VER A BELEZA EM UM LUGAR, NUMA PESSOA, NUMA OCASIÃO. E VAI APRENDENDO A VIVER DE NOVO, UMA NOVA VIDA, DIFERENTE DA QUE VOCÊ VIVIA E DO QUE SONHOU, MAS UMA VIDA. APESAR DE TUDO, SUPORTAMOS, RESISTIMOS E SOBREVIVEMOS”. Depoimento de uma Mãe sobre a superação da morte de seu filho Uma perda é como se fosse um corte. Por mais que cicatrize, a marca ficará naquele lugar. A partir do momento em que há a perda, alguma coisa muda na vida da gente. A ferida cicatriza, mas convive-se com a marca, você olha e vem a lembrança, vem a saudade.

Porém, a perda de um filho é algo muito mais assustador. Não afirmo com isso que é a pior das perdas, pois cada perda é única e a dor é avassaladora para quem a sente. Mas a morte de um filho rompe uma regra da evolução humana. Trata-se da interrupção, um corte em uma seqüência esperada. Quando se perde um filho, perdem-se muitas perspectivas de futuro, pois é neles que se depositam sonhos e projetos. Um filho não é apenas uma extensão ou continuidade biológica de seus pais, mas também psicológica por ter sido investido de cuidado, atenção e carinho. A morte é vivenciada como “perda de um pedaço” de si. Quando a vida de um filho é interrompida, os pais são violentamente atingidos. Certa vez li um depoimento de um pai que dizia que “Quando você perde o pai ou a mãe, você se torna órfão. Mas quando você perde um filho, você se torna o quê? A única palavra que encontrei foi: sobrevivente.” Essa afirmação traz a verdadeira angústia e dor da perda de um filho.

O luto em todas as suas facetas é um momento muito difícil na vida de qualquer pessoa.

E essa dor tão grande muitas vezes é transformada em “bandeira de uma

indeterminado

16

Diretor Funerário | Dezembro2010


causa” para que outros pais não passem pela mesma experiência, e também para que “o filho” seja eternizado como um símbolo de salvação e exemplo para a sociedade. E o que há para fazer por esses pais enquanto estão enlouquecidos e perdidos na sua dor? Ninguém melhor do que eles mesmos para dizer o que precisam e o que acalenta seu desespero. O Grupo de Apoio a pais da Fundação Thiago Gonzaga* de Porto Alegre fez uma pesquisa e elencou algumas dicas do que “dizer” ou “não dizer” para os pais que perderam filhos: “As respostas não são unânimes e nem adequadas para todos os casos. Porém o trabalho com estes pais nos indica o que é possível se fazer diante da dor da perda onde, muitas vezes, o silêncio ajuda mais que muitas palavras. Os primeiros momentos da perda, para muitos pais são sentidos como se estivessem num sonho ruim e daqui a pouco irão acordar. As pessoas que os conhecem, principalmente, os familiares, que também estão sentindo muito, buscam alternativas de consolo, que possam dar conta dos mais variados sentimentos. E é natural que se tente fazer algo, então se oferece medicamentos, livros espíritas, orações e muitas, muitas frases de consolo: “Deus quis assim”, “era a hora dele”, “a vida continua”, “ele era um jovem especial” “ele era iluminado”, e outras nem tanto, “cada um recebe a carga que pode carregar”, “eu sei o que tu estás passando, perdi minha avó”, “eu no teu lugar também morreria”, etc. Frases como estas num primeiro momento causam estranheza, pois não se consegue pensar ainda na situação como algo real, e depois causam sensações de indignação. Primeiro por que qualquer mãe ou pai trocaria um filho iluminado, por um filho vivo. Quando a frase invoca Deus, até os que têm mais fé se perguntam “cadê Deus que não cuidou do meu filho”, “que Deus é esse que permite que os filhos se vão antes dos pais”. Que a vida continua todos sabem, e na mais dolorosa das dores, pensar nisso aumenta ainda mais o vazio de continuar sem a presença da pessoa amada. Comparar a perda de um filho, com qualquer outra é injusta, pois como foi falado no inicio do texto, é contra a ordem natural. Os filhos são a continuidade dos pais, que agora se encontram impossibilitados de se projetarem neles, e sem a chance de recuperá-los. Em hipótese alguma queremos dizer que qualquer outra perda seja fácil ou não tenha valor. Apenas que dor não deve ser comparada, nem medida. 01 - O que dizer para os pais que perderam um filho? Força. Conta comigo. Estou a tua disposição. Tu não estás sozinho. Em que posso ajudar?. Dar um abraço carinhoso e silencioso. 02 - Quando falar? Sempre que houver oportunidade. 03 - Quem deve falar? Todas as pessoas que estiverem solidárias naquele momento, mas principalmente os amigos e familiares. 04 - O que fazer com o quarto e com os pertences do filho? Num primeiro momento nada. Deixar a família decidir no tempo em que eles acharem adequado. Muitas vezes os amigos querem ficar com alguma lembrança, e na maioria delas os pais não se importam em dar. Desde que se tenha intimidade suficiente com os amigos para isso. Outras vezes são os irmãos que pegam as roupas para usar isto é notado, por muitos pais, como uma homenagem, uma forma de demonstrar carinho e permite que se fale sobre a pessoa que se foi de forma natural e real. 05 - É possível consolar? De que forma? Uma família que perde um jovem é muito assediada, num primeiro momento, são os amigos, familiares, vizinhos, colegas, etc. A medida em que o tempo vai passando e as pessoas vão retomando sua rotina, “pois a vida continua” para todos, é que para os pais e familiares mais diretos, a realidade começa a se impor. As pessoas já não querem mais falar sobre o que aconteceu, como se não falando ajudasse a esquecer Dezembro2010 | Diretor Funerário

17


LUTO ou a não doer. Ao contrário de outras perdas, o tempo, no caso dos pais, no começo não é um bom aliado, e quanto mais os dias vão passando, mais aguda fica a dor da realidade. O tempo cronológico de perda não é o mesmo da assimilação. Dói ver a rotina sem o filho. A vida não é mais a mesma, ela não continua, ela recomeçou sem aquela pessoa, e com uma história interrompida. Nada é igual a família modifica, falta um prato na mesa, tem alguém que não entra mais pela porta dizendo “família cheguei”, ou “mãe, pai sou eu”, ou ainda “o que tem para comer”. Não se escuta mais o mesmo barulho na casa, a chave abrindo a porta de madrugada, nem o mesmo entra sai de amigos, não há mais musica alta, nem folia, computador e telefone ocupados o tempo todo, festa todo o final de semana ou porta de quarto fechada cheirando a segredo. É esta a realidade que machuca. É essa realidade que só se instala na casa e na vida de quem perdeu. Para os pais dói ir ao supermercado e não comprar aquilo que estavam acostumados a fazer automaticamente, as coisas preferidas do filho. Dói colocar na mesa a comida que ele amava comer, fazer o caminho do colégio, chegar à hora do almoço. Anoitecer. Sim são estes os detalhes mais delicados de se lidar, e que passam despercebidos por quem não compartilha a rotina. Consolar talvez não seja o mais adequado, sugiro agüentar a dor do amigo, deixá-lo falar, respeitar seu silêncio, seu tempo. Não há consolo para esta situação. È necessário disponibilidade para estar perto sem ser invasivo, sem exigir uma reação imediata. 06 - Dá para falar do filho? Sempre que as pessoas da família se mostrarem dispostas a isso. Pois nem todos têm facilidade para tocar no assunto a qualquer momento. Outros gostam de falar no filho como se ele estivesse presente, e está, no seu coração. Outros não gostam ou naquele momento não querem falar. É preciso sensibilidade e sutileza diante desta situação.

07 - Se não falar no nome dele é mais fácil esquecer? Os pais não esquecem. Talvez seja complicado para as pessoas que estão de fora tocar no assunto. Por isso deve se respeitar o momento de cada um. E até mesmo perguntar se quer falar no assunto ou não, o que não pode é fazer que nada aconteceu, como se a pessoa não tivesse existido ou que esta tudo bem. 08 - Quanto tempo leva para que as coisas voltem ao “normal”? A normalidade almejada ou esperada e que se tinha antes, não existe mais. Um pai esquecer seu filho, é improvável. O que acontece é um aprender lento a viver sem a presença do filho. É um aprender a lidar com a saudade, com os dias sem ele, com as datas comemorativas, num tempo que é singular. É necessário que se respeite a nova configuração familiar, o tempo de cada um, e as modificações que vão ocorrendo nas pessoas. 09 - O que fazer nas datas comemorativas? Os pais que perdem um filho perdem também a motivação e a empolgação para comemorar qualquer data. O seu conceito sobre comemorações, felicitações, bem como o seu ânimo para festas fica alterado. O conceito de felicidade modifica. Passa-se a reconhecer os momentos felizes, e estes são muito diferentes do que já foi um dia. Não é mais a mesma coisa comemorar um ano novo, dia das mães, dos pais, aniversário, natal, etc. É claro que se comemora, que se sente alegria, mas falta um pedaço, nada mais é completo e por mais que se tente, falta uma pessoa importante, amada e que não é esquecida. O convite dos amigos e familiares é sempre bem vindo, desde que não seja uma imposição, que não se exija felicidade plena, alegria transbordante ou o mesmo comportamento de antes. Desde que não se negue que o amigo convidado perdeu um filho e se possa lidar com isso de forma natural. 10 - Como ajudar, então? Colocando-se a disposição. Dando o tempo necessário para que as pessoas retomem suas vidas. Ligando às vezes para saber como estão, se precisam de alguma coisa, se querem conversar, receber visita ou visitar. Respeitando seus altos e baixos. Não exigindo que reajam como se o que aconteceu fosse um evento banal “já passaram três meses, a vida continua, tem que reagir”. A memória é atemporal. Quando a lembrança volta, não importa o tempo que passou, parece que foi hoje.

out/10 a set/11

18

Diretor Funerário | Dezembro2010


Falando quando se permitir falar e ouvindo sempre que for necessário. Não passando a mão pela cabeça como se o sofrimento fosse a única coisa que lhes resta. Mas apontando saídas, não duvidando da dor, mas dizendo que é sim possível se reconstruir a vida, diferente daquela que existiu, mas nem por isso pior. Exercendo a capacidade de acolhimento e não de pena. Tratando as pessoas não como doentes, elas não estão doentes, estão aprendendo a viver sem o filho. Colocando-se no lugar dessas pessoas, por mais difícil e assustador que possa parecer, e se perguntado o que me ajudaria nesta situação?! Cada pessoa reage diante de uma situação traumatizante, de acordo com a sua estrutura psíquica. Contar com uma rede de apoio saudável é muito importante. Ter espaço para expor seus sentimentos é fundamental para que se estabeleçam as mudanças que são inerentes à perda. Mudança de valores, de hábitos, de conceitos, de interesses, etc. 11 - Onde procurar ajuda? Muitos pais são levados a psiquiatras, padres, centro espíritas, psicólogos, etc. No intuito de que algo seja feito de imediato. É claro que alguns cuidados são necessários e imediatos, cuidados com a alimentação, com o sono, com a tristeza que pode evoluir para depressão. Porém é necessário que se respeite o jeito de cada um de lidar com a situação, pois nem todas gostam de utilizar medicamentos e estes devem ser usados com orientação médica e com cautela. Luto não é doença e a dor que ele traz não cura com analgésico. À vontade de morrer é diferente do risco de se matar, e um profissional capacitado deverá saber diferenciar estes sentimentos. A procura por um padre ou centro espírita, pode ser sugerida, jamais imposta. Deve se respeitar à fé de cada um e até mesmo a falta dela. Os psicólogos e médicos que irão trabalhar com pais, devem saber que estão diante de um tipo de luto muito particular, e que pode não responder da mesma forma que os outros tipos, em hipótese alguma, dizemos que será pior, porém com outras características e tempo de reação. 12 - O que não falar? Não importa a forma como o filho partiu, se foi em acidente, em um assalto, por doença, etc. Falar sobre o assunto é muito delicado. Relatar fatos e detalhes só para satisfazer a curiosidade de quem pergunta é muito dolorido. Os questionamentos sobre os detalhes do que aconteceu, talvez sejam os mais inconvenientes e os que mais machucam os pais, principalmente quando parte de pessoas com as quais não se tem

intimidade, nem amizade e muitas vezes nem contato. Essa situação só pode ser pior, nos momentos em que estas mesmas pessoas vem querer contar algum detalhe desconhecido, ou algum fato chocante relacionado ao ocorrido. Duvida-se até das intenções dessas pessoas. Será que estão mesmo a fim de ajudar? Será que querem apenas saber qual a reação, o grau de comoção, ou será que lhes faz bem a tristeza do outro? Então, antes de perguntar aos pais algum detalhe sobre o acontecido, sugerimos que se pense para que vai lhe servir esta informação, se for simplesmente para satisfazer a sua curiosidade, talvez seja melhor conter-se e não perguntar; se for para ajudar a esclarecer alguma duvida ou para contribuir com alguma colocação coerente para clarear algum fato, que se faça com sutileza e respeito. http://www.vidaurgente.com.br/grupoapoio_oquedizer.asp?area=3

Espero que essas dicas possam colaborar para muitas pessoas que querem ajudar, mas não sabem como, ou se comportam de maneira inadequada ao momento. Outra dica é a procura por grupos de apoio. Falar e compartilhar experiências com outros que já passaram pela mesma experiência é muito rico e acolhedor. Para pais que perderam filhos eu indico o Grupo Casulo. Além de reuniões presenciais, eles mantêm um grupo virtual que acolhe e integra as pessoas de todo o país. O site tem muitas informações e textos sobre o assunto. www.grupocasulo.org A informação de como agir em situações difíceis como as situações de perda é muito importante pois atitudes e palavras adequadas podem facilitar a expressão do luto e ajudar nesse processo tão doloroso. *A Fundação Thiago de Moraes Gonzaga foi criada em 1996, pelo casal Régis e Diza Gonzaga, que perderam seu filho, Thiago, aos 18 anos em um acidente de trânsito. A fundação responsável pelo Programa VIDA URGENTE e tem como missão mobilizar a sociedade para uma mudança de cultura, através de ações educativas e culturais, com o objetivo de valorizar e preservar a VIDA. Taisa Lúcia Berlingieri Psicóloga Especialista em Intervenções em Perda e Luto Prever Santa Isabel - Jaboticabal-SP taisa@preverjaboticabal.com.br

jun/2010 a mai/2011

CAS INDUSTRIAL - Qualidade e confiança Ref. 18x cor 3 envelhecido Acabamento interno: Cetin liso, babado em cetin e sobrebabado em rendão de luxo; Acabamento externo: Verniz PU alto brilho (Visor inteiro)

Ref. 60 Madona Marfim Acabamento interno: Cetin drapeado, babado e sobrebabado em rendão de luxo; Acabamento externo: Verniz PU alto brilho (Visor inteiro)

www.casindustrial.com.br - Fone (48) 3652-1337 Rua Orleans, 556 - CEP 88890-000 - Grão Pará-SC Dezembro2010 | Diretor Funerário

19


funexpo2011 CTAF REÚNE FORNECEDORES DO SETOR PARA LANÇAR FUNEXPO 2011 Feira será novamente no MENDES CONVENTION CENTER, em Santos-SP, de 16 a 18 de setembro Cerca de 50 empresários fornecedores do setor funerário estiveram em Botucatu na tarde do dia 26 de outubro para conhecer os preparativos para a funexpo2011. A maior Feira de Produtos, Serviços e Equipamentos para o Setor Funerário e de Cemitérios da América Latina será realizada de 16 a 18 de setembro de 2011, em Santos-SP, no Pavilhão do Mendes Convention Center, o mesmo local onde foi realizada a última edição do evento. O lançamento para os expositores foi um evento para acertar pequenos detalhes comerciais, relativos à planta dos stands, entre outros. De acordo com o CTAF – Centro de Tecnologia em Administração Funerária, organizador da Feira, a Funexpo 2011 terá mais de 2mil m2 de área de exposição, cerca de 30% maior que a última edição. Para os empresários presentes as condições foram bastante favoráveis e as evoluções apresentadas pela Organização representarão mais conforto para os visitantes. A comercialização dos Stands começou na primeira semana de novembro, com mais de 65% dos espaços reservados pelos principais fornecedores que estiveram presentes no lançamento.

Entre as empresas que já confirmaram presença estão transformadoras de veículos, concessionárias, representantes de artigos e produtos funerários, paramentos e artefatos em metais, fabricantes de urnas, representantes de mármores e granitos, artigos em bronze, fornos crematórios e sistemas de gerenciamento informatizado. Acompanhe todos os detalhes da funexpo2011, no site www.funerarianet. com.br; no hotsite: www.funexpo.com.br e na Revista Diretor Funerário. NOVA ETAPA: Após a fase comercial iniciam-se os preparativos para o maior conforto e atrações para os visitantes, com negociações com agencias de turismo, rede hoteleira, palestrantes, entre outros. “Já temos uma boa idéia do que o setor quer vislumbrar nesse evento de negócios e buscamos condições para poder atender os Diretores Funerários”, afirmou a Diretora Executiva do CTAF, Dra. Dulce Cristina Contessote do Nascimento, que também explicou que já foram feitas mudanças importantes para atender ao público: “Vamos fazer inscrições antecipadas para as palestras, para evitar surpresas como superlotação. Também optamos por uma nova empresa para controle da recepção. Com tecnologia mais avançada e acostumada a eventos maiores, a nova empresa promete evitar as filas para o ingresso no recinto”, destacou.

20

Diretor Funerário | Dezembro2010


propiciar momentos de lazer. A Feira se consagrou definitivamente com um evento da família. A área de exposições foi 1.300 m2. Em 2009, o litoral e o apelo de unir diversão e trabalho continuaram, mas foi necessário encontrar uma estrutura maior. O Mendes Convention Center recebeu a exposição e o Congresso Funerária Brasil, recorde de público para as palestras que misturaram teoria e exemplos do que ocorre de fato no dia-a-dia das empresas funerárias. Para 2011 a expectativa é de que cerca de 5 mil pessoas visitem a Feira e possam fazer grandes negócios, se atualizar sobre as tendências do setor e ainda confraternizar e trocar experiências num cenário organizado especialmente para esse fim. SEGMENTO NÃO É DIFERENTE DOS DEMAIS Há uma certa mistificação em torno do segmento funerário, mas no fundo a atividade se assemelha a qualquer outro ramo de negócio. Com a evolução dos últimos 15 anos as empresas funerárias passaram a oferecer a seus clientes benefícios e serviços diferenciados e, consequentemente, tiveram necessidades consumo de produtos e soluções mais abrangentes. A moderna empresa funerária faz funerais, portanto consome urnas, véus, velas, etc, mas atende também o usuário em vida, oferecendo seguro de vida; empréstimo de material de convalescença, produtos e materiais medicinais; etc. O setor possui grandes empresas com frotas próprias, prédios funcionais e sofisticados e emprega milhares de pessoas. Seus gestores precisam então de toda gama de produtos: desde pneus e computadores, até softwares de gestão e soluções tecnológicas em telefonia corporativa e acesso a internet com banda larga. Também precisam de uniformes, impressos gráficos, equipamentos de proteção individual, material hospitalar, moveis e utensílios, material de construção, projetos arquitetônicos... Para as pessoas são necessários investimentos em treinamento, lazer e benefício, o que significa que a empresa funerária também precisa de passagens aéreas, hospedagem, qualificadores, operadoras de cartão de crédito ou financeiras. EVENTO DE FÔLEGO A funexpo2011 é a 9ª edição da Feira Funerária Brasileira. O evento teve início em 1996, no pavilhão de Exposições do Center Norte. No ano seguinte o evento cresceu e foi realizado em Águas de Lindóia, num hotel, e ofereceu pela primeira vez uma programação acadêmica, batizada de “Congresso Funerária Brasil”.

Enfim é um negócio muito abrangente e o CTAF procura contemplar todas as áreas para mostrar tendências ao setor e mantê-lo atual, forte e representativo.

A Feira de 1999 marcou a transição da categoria para um patamar mais profissionalizado. O evento foi realizado num dos marcos do empresariado paulista: o World Trade Center. O ano seguinte foi novamente um divisor de águas. A funexpo2001 foi realizada num pavilhão de exposições tradicional – O Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo-SP. Um carro funerário do início do século foi a atração daquele evento. As Feiras de 2003 e 2005 foram novamente realizadas nesse pavilhão. Além do aumento do número de expositores, o que chamou a atenção foi a variedade de produtos expostos, com novos fornecedores sendo apresentados ao mercado. O litoral sul de São Paulo recebeu a funexpo2007 e teve um apelo diferente: levar o Diretor Funerário para um evento de negócios, mas Dezembro2010 | Diretor Funerário

21


NEGÓCIOS

O Dia de Finados

Mais que preocupação com a limpeza e a decoração, população investe também em lápides mais elaboradas Mais um dia de finados passou e como sempre agitou o setor. Familiares, amigos e os cemitérios agilizaram os trabalhos para deixar as sepulturas e as instalações impecáveis para a data, que é uma tradição em várias religiões e culturas, celebrada pela comunidade e empresas do setor. Familiares colocam uma bela lápide, os cemitérios cortam as gramas, pintam os muros, limpam as alamedas, enfim... para que tudo fique bonito. É como arrumar a casa para uma data festiva, como o Natal; ou um aniversário. Essa preocupação em manter a sepultura ou jazigo bem cuidado e bem limpo, no entanto, vem sendo notada nos últimos anos e não atinge somente as vésperas de Finados. Parece ser uma tendência

e uma preocupação constante da sociedade manter em ordem, bem preservado e em harmonia os jazigos de familiares e amigos. Como se fosse mesmo uma segunda morada. Segundo a Empresa Eternia - Arte em Pedra, instalada em Guarulhos SP, que fabrica e comercializa lápides em granito e mármore, essa percepção pode ser traduzida em dados concretos. “Iniciamos nossa operação comercial em meados de 2007 com uma produção modesta, e percebemos que a cada ano a procura aumenta em torno de 15%, mas 2010 nos surpreendeu com um aumento que pode atingir 25% até dezembro”, explica Marcelo Gandas, da Eternia. De acordo com Gandas, não houve somente um aumento na produção de lápides, mas os pedidos têm demonstrado também trabalhos mais elaborados. “Constatamos que os pedidos recebidos em nossa fábrica são geralmente de lápides com imagens, textos, mensagens e fotoporcelanas aplicadas à pedra”, relata o gestor que arrisca avaliar o mercado: “Isso indica que o cliente não quer apenas sinalizar que ali tem uma pessoa, mas sim indicar que ali está uma pessoa querida, uma pessoa que construiu em

indeterminado

22

Diretor Funerário | Dezembro2010


vida e fez a diferença, que ali tem uma pessoa que criou com carinho e amor, uma pessoa religiosa e que certamente merece ter registrada sua passagem na vida”.

De acordo com a empresa, a alta tecnologia no processo de fabricação permite preços acessíveis e prazos ágeis.

Diferencial: A Eternia – Arte em Pedra acredita que, com a ajuda de seus parceiros espalhados pelo Brasil, contribuiu para essa valorização das sepulturas.

Fotos de Porcelana: Muito comum em nossos cemitérios como forma de fortalecer a homenagem póstuma a entes queridos, as fotos em porcelanas passaram a ser produzidas pela Eternia - Arte em Pedras de maneira profissional.

Há cerca de 3 anos a Eternia, está se fazendo presente nas mais importantes funerárias e cemitérios do Brasil, onde é possível adquirir qualquer trabalho em pedras e granitos com qualidade inigualável.

“O trabalho é confeccionado com material de 1° linha, cozido em forno de alta temperatura e sempre sob supervisão. Há tecnologia de ponta para impressão e tratamento das fotos”, relata Gandas. A empresa, presença garantida na funexpo2011, pretende no próximo ano intensificar o trabalho de parceria nas funerárias e cemitérios, em especial os municipais, e acredita que será possível continuar contribuindo para o embelezamento e durabilidade das lápides, possibilitando rituais de despedida mais dignos e menos dolorosos.

As lápides são esculpidas sobre pedras da melhor qualidade e possuem uma duração ilimitada. “Outra vantagem, em tempos de desrespeito até aos mortos, é que não oxidam e não tem valor como sucata, portanto não são alvo de furtos, caso das lápides de metal”, opina Marcelo Gandas. Outra qualidade importante das lápides de pedra é a fácil conservação e limpeza. “Além disso, aceitam gravação rica em detalhes com qualidade incomparável”, atesta a Eternia.

Conheça mais a Eternia - Arte em Pedra no site: www.eternia.org

dez/2010 a mai/2011

Lançamento 2011

Star Line

Auto Fúnebre ABSOLUTO

3587.0674

VENDAS: (41) Da Vinci - Montadora Industrial Ltda e-mail: davincimontadora@yahoo.com.br site: www.davincimontadora.com.br Dezembro2010 | Diretor Funerário

Plataforma Fiat Strada/Fire Working 1.4 Flex Estrutura: Aço/Fibr/Vidros Temperados Carenagem fixa sem junções ou fixação com perfis de borracha (Capota); Interior: 1 mesa básica com 2,20m e 1 mesa superior com 2,05m, ambas em alumínio corrugado com esferas deslizantes; Fixador cabeceira das urnas ajustáveis. 23


SOCIAL por Solange Serafim

Interplan faz ação em finados Neste segundo ano a empresa conscientizou a população sobre a prevenção dos cânceres de próstata e mama A Interplan é um empresa sediada em Presidente Prudente – interior de São Paulo - e que atua na região há apenas 6 anos. Moderna e promissora, a empresa aproveita ocasiões importantes para fazer campanhas de interesse público, geralmente ligadas à qualidade de vida, unindo assim sua imagem à saúde e ao bem estar. O Dia de Finados é uma dessas ocasiões e há 2 anos uma grande ação, que envolve boa parte dos colaboradores e alcança toda a comunidade, já é tradição nos cemitérios de Prudente e das cidades da região. Em 2010 35 colaboradores atuaram em 13 cemitérios fazendo a abordagem e panfletagem à população sobre os cânceres de próstata e de mama. O material impresso preparado pela Interplan foi composto de um leque e panfletos contendo informações sobre as formas de

nov/10 a abr/11

24

Diretor Funerário | Dezembro2010


out 2010 a set 2011

prevenção, importância do diagnóstico precoce e sinais de alerta. A ação foi coordenada pela Assistente Social da empresa, Vanessa Peretti, que considera a iniciativa um sucesso por seu alcance social. Além disso, a imagem da empresa também sai fortalecida nesse tipo de campanha. No primeiro ano da Ação a campanha da Interplan teve como tema a doação. “Abordamos a doação de sangue, córnea, órgãos, leite materno e medula óssea. Empresa - Gilberto e Danuza de Aro Semensati são os Diretores Funerários proprietários da empresa, que atua com Planos Assistenciais Funerários, empréstimo de material de convalescença e entregou à população de Prudente recentemente o Memorial Interplan – com 2 salas velatórios e muito conforto.

Dezembro2010 | Diretor Funerário

25


VEÍCULOS

Funeral Shopping

2 WV KOMBI

Anos 2006 e 2007; ÓTIMO ESTADO DE CONSERVAÇÃO; Valor: a combinar; Contato: Jefferson (13) 3821-1540 - 8164-5551 e-mail: jeffinho@prevervale.com.br

MONTANA FÚNEBRE

Preta - NOVÍSSIMA; Valor: 36.000,00 - financiamento em até 60 x Contato: Portela Funerárias (51) 7815-7051 - portelafunerarias@terra.com.br

CHEVROLET BLAZER DLX FIAT DOBLÔ

Ano 2002; Modelo Cargo; LINDA; Valor: R$ 22.000,00 Contato: Fabiano (18) 9133-7600

Ano 97 - Mod 98 - MPFI - 4 Cilindros Branca - com mesa e “giroflex” - impecável; Valor: A combinar Contato: Luiz Carlos email: fscgarca@hotmail.com (14) 3471-0902 - 3406-5218

FIAT DOBLÔ

KANGOO AMBULÂNCIA

Ano 2004/2005 - Simples remoção Valor: R$ 28.000,00; Contato: Silvia (11) 4666-2315 26

Ano 2003/2004 - RONTAN - ÓTIMO ESTADO; Valor: R$ 22.000,00 - Aceita outro carro Contato: Ronald (44) 3252-1166 Diretor Funerário | Dezembro2010


VEÍCULOS

Funeral Shopping

COURRIER AMBULÂNCIA

Chevrolet S10 FUNERÁRIA

2000/2000 - Gasolina - 1.6 - Branca; Excelente estado de conservação; Valor: a combinar; Contato: Jefferson (13) 3821-1540 - 8164-5551

2006 - Colina - Diesel 2.8 - 4 x 2; Azul Marinho; Direção Hidráulica; Valor: R$ 43.000,00 Contato: Gustavo Vila (84) 8822-6666 - 3211-4702 gustavovila@hotmail.com

FIAT DOBLÔ CARGO

SPRINTER AMBULÂNCIA

OMEGA SUPREMA GLS

Chevrolet S10 FUNERÁRIA

Ano 2002 - motor 1.3 Fire; Cinza - Gasolina Valor: R$ 25.000,00 Contato: Silvia (11) 4666-2315

Ano 95/95 - motor 2.2 - Cinza metálico; Completa - Ótimo estado; uso particular. Valor: R$ 12.000,00; Contato: Rodrigo - (14) 9652-0817 Carlos - (14) 9782-2702 Dezembro2010 | Diretor Funerário

Ano 98/98 - Modelo 310 - Diesel Perfeitas Condições - LINDÍSSIMA; Valor: R$ 38.000,00 Contato: Sérgio (14) 3811-8888

2006 - Colina - Diesel 2.8 - 4 x 2 - Prata Duas mesas; capacidade 3 urnas; Valor: a combinar Contato: Jefferson (13) 3821-1540 - 8164-5551

27


VEÍCULOS

Funeral Shopping

DUCATO CARGO 2006 2.8 JTD Intercooler - ótimo estado; Com 2 mesas de inox Valor: a combinar Contato: Wilson: (18) 9795-0070 Junior: (18) 9795-0088

BESTA GS 2.7 FURGÃO

ANO 2000 - 2001 - DIESEL Com 2 mesas - preparada para funeral; Perfeito Estado de conservação; Valor: a combinar Contato: Wilson: (18) 9795-0070 Junior: (18) 9795-0088

2 VW SAVEIROS

Único dono, conservada; roda liga leve, transformada para funeral; pneus novos, estepe 0km, revisada em concessionária. Valor: a combinar Contato: Marciel: (19) 9646-8450 • 3895-1072 28

SAVEIRO

Ano: 2006 Direção Hidráulica - Capota Elmaz - Branca; Valor: R$ 39.000,00 Contato: Celso (19) 3869-1900 (19) 7807-3871 - Nextel ID: 89*6367 email: celsobraca@gmail.com

SAVEIRO FUNERÁRIA Ano 2003 - Motor 1.6 - Prata; Gasolina - Linda Valor: a combinar Contato: José Augusto (15) 3224-4511 • 9784-1376

CHEVROLET BLAZER 2.2

Ano 99/99 - MPFI - 4 x 2 - 8V, Gasolina Completa - com barra luminosa e mesa inox. Valor: R$ 25.000,00 Contato: Sidney: (14) 3496-3000 e-MAil: paxreal@terra.com.br Diretor Funerário | Dezembro2010


TANATOPRAXISTA E AGENTE FUNERÁRIO

CRISTIANO C. MELO 15 anos de experiência na área; Tanatopraxista, curso de necrópsia, Reconstituição Facial, ornamentação, necromaquiagem e embalsamamento; Gerenciamento de funerária Disponível para qualquer região do país. Salario: a combinar Contato: (75) 9801-8930 ou (67) 9629-5066 e-MAil: mictmr_mictmr@yahoo.com.br

IMOBILIÁRIA BEM VIVER

VENDE-SE FUNERÁRIAS E CEMITÉRIOS Nos estados de São Paulo, Mato Grosso, Minas Gerais e em todo território Nacional; Com planos, ótimas localizações e faturamentos; Valor: consulte Contato: Mário (17) 3422-8000 • (17) 9715-8000 www.imobiliariabemviver.com.br

PASSA-SE FUNERÁRIA

Funerária da Ponte, em Resende-RJ. 30 anos de tradição, mais de 20 convênios; Valor: a combinar Contato: Ailton (24) 3354-0792 - 3360-4761 - 9225-5037 e-MAil: vivianee.22@bol.com.br

VENDO CEMITÉRIO EM MAUÁ

CEMITÉRIO COLINA DAS AROEIRAS Na alça do anel rodoviário (trecho Sul); Trav. da Av. Papa João XXIII; 40.000m2, com 9.350 jazigos com 4 gavetas; Documentação técnica e propriedade aprovadas, inclusive Funerária; Não inaugurado, com canalização, água, luz e outros. Valor: a combinar Contato: Nicolae (11) 3222-3244 e-MAil: nicolaeg@globo.com Dezembro2010 | Diretor Funerário

AGENTE FUNERÁRIO

JOSUEL DE JESUS F. MARTINS 14 anos de experiência na área; Disponível para qualquer região do país; Salário: a combinar; Contato: (19) 3863-2555 • 9219-2802

AGENTE FUNERÁRIO

JOÃO OLÍMPIO RIBEIRO FILHO 44 anos de idade; 05 anos de experiência como agente funerário; 20 anos como motorista; Experência com ornamentação e serviços funerários em geral. Disponível para a região de Goiás/ Brasília; Contato: (62) 9101-3743 ou (62) 9241-4899

PROFISSIONAIS

EVEMIR EDUARDO DOS SANTOS 31 anos de idade; 5 anos de experiência no setor; Atua com preparação de corpos, ornamentação e como motorista; Contato: (11) 2240-0021 • 8870-6944

GERENTE FUNERÁRIO

NILTON VITOR ALVES 33 anos, 10 anos de experiência no ramo funerário. Aperfeiçoamento em: Tanatopraxia, reconstituição facial, necromaquiagem, preparação de corpos; funerários, embalsamamento, arranjos e coroas. Contato: (35)9848-7585 ou 8847-6443

GERENTE FUNERÁRIO

JUNIO CÉSAR CAMPANHOLO Vasta Experiência em Atendimento ao público; Gerenciamento e administração funerária; Conhecimento geral em práticas de serviços funerários. Contato: (17) 3325-2236 - (17) 9721-5463

URNAS SULAM PROCURA

Localizada em João Pessoa-PB, Representante para venda de urnas funerárias, com experiência, habilidade em negociação e atendimento ao cliente. Atuação nos Estados de Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte Contato: (83) 3238-6452 • 8827-2942 e-MAil: urnas_sulan@hotmail.com

TRANSFIRO CONCESSÃO

Transfiro contrato de concessão de serviços funerários para empresa idônea do ramo; Local: Litoral Norte do Estado de São Paulo; Prazo de concessão: 10 anos, renováveis; Valor: a combinar. Contato: Sra. Patrícia (12) 8187-0002

EMPRESAS

AGENTE FUNERÁRIO

29


PROFISSIONAIS

Funeral Shopping GERENTE FUNERÁRIO

ANDERSON FRANCISCO 9 anos de experiência com implantação e administração de Planos de Assistência; Experiência em treinamento nas áreas de pós venda, cobrança, atendimento ao cliente e telemarketing; Disponível para qualquer região do país; Contato: (38) 9978-2750 andercrisfe@yahoo.com.br

NOTA: Os anúncios aqui veiculados são de responsabilidade de seus anunciantes, estando a Revista Diretor Funerário isenta de qualquer responsabilidade.

REPRESENTANTE COMERCIAL

CELSO DOS SANTOS; Procura por indústria de Urnas para atender na região Centro-Oeste. Experiência de 8 anos no ramo de vendas; Habilidade em negociação, fechamento de negócios e atendimento ao cliente; Localizado em Cuiabá-MT; Disponibilidade para viagens com carro próprio; Inscrito na Junta Comercial de Mato Grosso. Contato: (65) 3641-9092 • 9224.2738 celsodsantos@yahoo.com.br

AGENTE FUNERÁRIO CARLOS EDUARDO MASS; 6 anos de experiência, habilitação cat. B Disponível para a região de Porto Alegre. Contato: (54) 8412-3889

FERNANDO DE OLIVEIRA CARVALHO 31 anos; 8 anos de experiência como agente e Gerente, Tanatopraxista com cursos de auxiliar de necrópsia e Restauração Facial Disponível para qualquer região - início imediato; Contato: (35) 3212-8032 - 8859-4987 email: nando_funeraria@hotmail.com

TANATOPRAXISTA

GERENTE FUNERÁRIO

CONSULTOR FUNERÁRIO

MAISA MARTINS MOREIRA 29 anos; Com cursos de Auxiliar de Necrópsia, Reconstituição Facial e Tanatopraxia Disponibilidade para início imediato; Contato: (11) 9944-2731

RICARDO MARTINS 12 anos de experiência, sendo 6 como gerente; Experiência também como Diretor de Crematório Disponível para todo interior paulsita; Contato: (14) 3201-0231 - 9165-0309 email: ricevera@hotmail.com

set/10 a fev/11

30

Diretor Funerário | Dezembro2010


LEGISLAÇÃO por Solange Serafim

Atenção para as alterações no programa gerador da DIRF do IR Retido na fonte

Nova normativa Receita Federal do Brasil é a de Nº 1.076 e foi publicado no DOU em 25 de outubro de 2010 Altera a Instrução Normativa RFB Nº 1.033, de 14 de maio de 2010, que dispõe sobre a Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte (Dirf) e o programa gerador da Dirf 2011. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, no uso da atribuição que lhe confere o inciso III do art. 261 do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF No- 125, de 04 de março de 2009, e tendo em vista o disposto no art. 86 da Lei No8.981, de 20 de janeiro de 1995, do art. 943 do Decreto No- 3.000, de 26 de março de 1999, e do art. 16 da Lei No- 9.779, de 19 de janeiro de 1999, resolve:

entregues durante o ano-calendário, discriminados por data e por código de receita, observado o limite estabelecido no § 6º do art. 10; Parágrafo único. As informações referentes aos incisos I e V serão facultativas na Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte relativa ao ano-calendário de 2010 (Dirf-2011).” (NR) Art. 2º O Anexo III da Instrução Normativa RFB Nº 1.033, de 2010, fica substituído pelo Anexo III a esta Instrução Normativa. Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 1º Os arts. 1º, 10, 12 e 20 da Instrução Normativa RFB Nº 1.033, de 14 de maio de 2010, passam a vigorar com a seguinte redação:

Otacílio Dantas Cartaxo

“Art. 1º................................................................................... § 2º......................................................................................... XIV - demais rendimentos considerados como rendas e proventos de qualquer natureza, na forma das instruções vigentes.” (NR)

Conheça a íntegra da resolução que teve alterações

“Art. 10. ................................................................................. § 3º No caso dos rendimentos de que trata o inciso II do caput, se o empregado for beneficiário de plano privado de assistência à saúde, na modalidade coletivo empresarial, contratado pela fonte pagadora, deverão ser informados os totais anuais correspondentes à participação financeira do empregado no pagamento do plano de saúde, discriminando as parcelas correspondentes ao beneficiário titular e as correspondentes a cada dependente.” (NR) “Art. 12.............................................................…….............. IV - ..........................................................….......................... c) o total anual correspondente à participação financeira do empregado no pagamento do plano de saúde, identificando a parcela correspondente ao beneficiário titular e a correspondente a cada dependente; VII - ....................................................................................... h)outros rendimentos do trabalho, isentos ou não-tributáveis, desde que o total anual pago seja igual ou superior a 3 (três) vezes o valor anual mínimo de rendimentos para apresentação de Declaração do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física. § 7º No caso de pagamento de valores em cumprimento de decisão judicial de que trata o art. 16-A da Lei No- 10.887, de 18 de junho de 2004, com a redação dada pela Medida Provisória No- 497, de 27 de julho de 2010, além do IRRF, a Dirf deverá informar o valor da retenção da contribuição para o Plano de Seguridade do Servidor Público (PSS).” (NR) “Art. 20. A Dirf de que trata o § 2º do art. 1º deverá conter as seguintes informações sobre os beneficiários residentes e domiciliados no exterior: VIII - ...................................................................................... c) rendimentos brutos pagos, remetidos, creditados, empregados ou Dezembro2010 | Diretor Funerário

Instrução Normativa Receita Federal do Brasil Nº 1.033 de 14.05.2010 Dispõe sobre a Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte (Dirf) e o programa gerador da Dirf 2011. Alterada pela Instrução Normativa RFB nº 1.076, de 21 de outubro de 2010. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos III e XVII do art. 261 do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF nº 125, de 4 de março de 2009, e tendo em vista o disposto no art. 11 do Decreto-Lei nº 1.968, de 23 de novembro de 1982, com a redação dada pelo art. 10 do Decreto-Lei nº 2.065, de 26 de outubro de 1983, nos arts 16-A, 17, 18 e 19 da Lei nº 8.668, de 25 de junho de 1993, nos arts. 60 a 83 da Lei nº 8.981, de 20 de janeiro de 1995, nos arts. 9º a 12 da Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995, nos arts. 3º a 6º, 8º, 39, 30 e 33 da Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de 1995, nos arts. 64, 67, 68, 68-A, 69, 72, 85 e 86 da Lei nº 9.430, de 27 de dezembro de 1996, nos arts. 11, 28 e 29 a 36 da Lei nº 9.532, de 10 de dezembro de 1997, nos arts. 4º, 5º, 7º a 9º, 15 e 16 da Lei nº 9.779, de 19 de janeiro de 1999, nos arts. 25, 26, 55, 61, 65 e 90 da Medida Provisória nº 2.158-35, de 24 de agosto de 2001, no art. 7º da Lei nº 10.426, de 24 de abril de 2002, nos arts. 29 a 31, 33 e 34 a 36 da Lei nº 10.833, de 29 de dezembro de 2003, no art. 5º da Medida Provisória nº 451, de 15 de dezembro de 2008, convertido no art. 6º da Lei nº 11.945, de 4 de junho de 2009, e no art. 10 do Decreto nº 6.761, de 5 de fevereiro de 2009, Resolve: CAPÍTULO I Da Obrigatoriedade de entrega da Dirf Art. 1º Estarão obrigadas a entregar a Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte relativa ao ano-calendário de 2010 (Dirf-2011), 31


LEGISLAÇÃO as seguintes pessoas jurídicas e físicas que tenham pagado ou creditado rendimentos que tenham sofrido retenção do imposto sobre a renda na fonte, ainda que em um único mês do ano-calendário a que se referir a Dirf, por si ou como representantes de terceiros: I - estabelecimentos matrizes de pessoas jurídicas de direito privado domiciliadas no Brasil, inclusive as imunes ou isentas; II - pessoas jurídicas de direito público; III - filiais, sucursais ou representações de pessoas jurídicas com sede no exterior; IV - empresas individuais; V - caixas, associações e organizações sindicais de empregados e empregadores; VI - titulares de serviços notariais e de registro; VII - condomínios edilícios; VIII - pessoas físicas; IX - instituições administradoras ou intermediadoras de fundos ou clubes de investimentos; e X - órgãos gestores de mão-de-obra do trabalho portuário. §1º As Dirf dos Serviços notariais e de registros (cartórios), deverão ser entregues: I - no caso dos serviços mantidos diretamente pelo Estado, em nome e mediante o Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) da fonte pagadora;

II -

e nos demais casos, pelas pessoas físicas de que trata o art. 3º da Lei nº 8.935, de 18 de novembro de 1994, nos respectivos nomes e Cadastro de Pessoas Físicas (CPF).

§ 2º Deverão também entregar a Dirf, as pessoas físicas e jurídicas domiciliadas no País que efetuarem pagamento, crédito, entrega, emprego ou remessa a residentes ou domiciliados no exterior, ainda que não tenha havido a retenção do imposto, inclusive nos casos de isenção ou alíquota zero, de valores referentes a: I - aplicações em fundos de investimento de conversão de débitos externos; II - royalties e assistência técnica; III - juros e comissões em geral; IV - juros sobre o capital próprio; V - aluguel e arrendamento; VI - aplicações financeiras em fundos ou em entidades de investimento coletivo; VII - em carteiras de valores mobiliários e nos mercados de renda fixa ou renda variável; VIII - fretes internacionais; IX - previdência privada; X - remuneração de direitos; XI - obras audiovisuais, cinematográficas e videofônicas; XII - lucros e dividendos distribuídos; XIII - rendimentos de que trata o art. 1º do Decreto nº 6.761, de 5 de fevereiro de 2009, que tiveram a alíquota do imposto sobre a renda

ago/10 a jan/11

32

Diretor Funerário | Dezembro2010


reduzida a zero, relativos a: a) despesas com pesquisas de mercado, bem como com aluguéis e arrendamentos de estandes e locais para exposições, feiras e conclaves semelhantes, no exterior, inclusive promoção e propaganda no âmbito desses eventos, para produtos e serviços brasileiros e para promoção de destinos turísticos brasileiros (Lei nº 9.481, de 13 de agosto de 1997, art. 1º, inciso III, e Lei nº 11.774, de 17 de setembro de 2008, art. 9º);

g) juros e comissões relativos a créditos obtidos no exterior e destinados ao financiamento de exportações (Lei nº 9.481, de 1997, art. 1º, inciso XI); e

b) contratação de serviços destinados à promoção do Brasil no exterior, por órgãos do Poder Executivo Federal (Lei nº 9.481, de 1997, art. 1º, inciso III, e Lei nº 11.774, de 2008, art. 9º);

XIV - demais rendimentos considerados como rendas e proventos de qualquer natureza, na forma das instruções vigentes, exceto aqueles previstos no art. 690 do Decreto nº 3.000, de 26 de março de 1999 (RIR/1999).

c) comissões pagas por exportadores a seus agentes no exterior (Lei nº 9.481, de 1997, art. 1º, inciso II); d) despesas de armazenagem, movimentação e transporte de carga e de emissão de documentos realizadas no exterior (Lei nº 9.481, de 1997, art. 1º, inciso XII, Lei nº 11.774, de 2008, art. 9º); e) operações de cobertura de riscos de variações, no mercado internacional, de taxas de juros, de paridade entre moedas e de preços de mercadorias (hedge) (Lei nº 9.481, de 1997, art. 1º, inciso IV); f) juros de desconto, no exterior, de cambiais de exportação e as comissões de banqueiros inerentes a essas cambiais (Lei nº 9.481, de 1997, art. 1º, inciso X);

h) outros rendimentos pagos, creditados, entregues, empregados ou remetidos a residentes ou domiciliados no exterior, com alíquota do imposto sobre a renda reduzida a zero; e

XIV - demais rendimentos considerados como rendas e proventos de qualquer natureza, na forma das instruções vigentes. (Redação dada pela Instrução Normativa RFB nº 1.076, de 21 de outubro de 2010) § 3º Sem prejuízo do disposto no caput e no § 1º, ficam também obrigadas à entrega da Dirf, as pessoas jurídicas que tenham efetuado retenção, ainda que em um único mês do ano-calendário a que se referir a Dirf, da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e da Contribuição para o PIS/Pasep sobre pagamentos efetuados a outras pessoas jurídicas, nos termos do § 3º do art. 3º da Lei nº 10.485, de 3 de julho de 2002, e dos arts. 30, 33 e 34 da Lei nº 10.833, de 29 de dezembro de 2003.

out/2010 a mar/2011

Dezembro2010 | Diretor Funerário

33


LEGISLAÇÃO Art. 2º Sem prejuízo do disposto no art. 1º, deverão ser prestadas informações relativas à retenção do Imposto sobre a Renda na Fonte e das contribuições incidentes sobre os pagamentos efetuados a pessoas jurídicas pelo fornecimento de bens ou prestação de serviços, nos termos do art. 64 da Lei nº 9.430, de 27 de dezembro de 1996, nas Dirf entregues pelos (as): I - órgãos públicos; II - autarquias e fundações da administração pública federal; III - empresas públicas; IV - sociedades de economia mista; e V - demais entidades de cujo capital social sujeito a voto, a União, direta ou indiretamente detenha a maioria, e que recebam recursos do Tesouro Nacional e estejam obrigadas a registrar a sua execução orçamentária e financeira no Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (Siafi). CAPÍTULO II Do Programa gerador DA DIRF Art. 3º O Programa Gerador da Dirf 2011 (PGD 2011), de uso obrigatório pelas fontes pagadoras, pessoas físicas e jurídicas, para preenchimento ou importação de dados da declaração, utilizável em equipamentos

da linha PC ou compatíveis, será aprovado por ato do Secretário da Receita Federal do Brasil e disponibilizado pela Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) em seu sítio na Internet, no endereço . § 1º O programa de que trata o caput deverá ser utilizado para entrega das declarações relativas ao ano-calendário de 2010, bem como para o ano-calendário de 2011 nos casos de extinção de pessoa jurídica em decorrência de liquidação, incorporação, fusão ou cisão total, e nos casos de pessoas físicas que saírem definitivamente do País e de encerramento de espólio. § 2º O programa Dirf 2010, disponível no sítio da RFB na Internet, no endereço referido no caput deverá ser utilizado para entrega das declarações relativas aos anos-calendário de 2005 a 2009, bem como para o ano-calendário de 2010 nos casos de extinção de pessoa jurídica em decorrência de liquidação, incorporação, fusão ou cisão total, e nos casos de pessoas físicas que saírem definitivamente do País e de encerramento de espólio. § 3º No caso do § 2º, para preenchimento ou importação de dados pelo PGD 2010 deverá ser observada a Tabela de Códigos de Receitas do ano-calendário da retenção. § 4º No preenchimento ou importação de dados pelo PGD 2011 deverão ser observados a Tabela de Códigos de Receitas e leiaute especificamente definidos para o programa.

avulso

34

Diretor Funerário | Dezembro2010


§ 5º A utilização do PGD 2011 gerará arquivo contendo a declaração validada, em condições de transmissão à RFB.

§ 7º O arquivo de texto importado pelo PGD 2011 que vier a sofrer qualquer tipo de alteração deverá ser novamente submetido ao PGD.

Porte (Simples Nacional), relativos a fatos geradores ocorridos a partir do ano-calendário de 2010, é obrigatória a assinatura digital da declaração mediante utilização de certificado digital válido, conforme o disposto no art. 1º da Instrução Normativa RFB nº 969, de 21 de outubro de 2009, com a redação dada pelo art. 1º da Instrução Normativa RFB nº 995, de 22 de janeiro de 2010, inclusive no caso das pessoas jurídicas de direito público.

CAPÍTULO III Da Entrega DA DIRF Art. 4º A Dirf deverá ser entregue por meio do programa Receitanet, disponível no sítio da RFB na Internet no endereço referido no caput do art. 3º.

§ 5º A transmissão da Dirf com assinatura digital mediante certificado digital válido possibilitará à pessoa jurídica acompanhar o processamento da declaração por intermédio do Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte (e-CAC), disponível no sítio da RFB na Internet, no endereço referido no caput do art. 3º.

§ 1º A transmissão da Dirf será realizada independentemente da quantidade de registros e do tamanho do arquivo.

Art. 5º O arquivo transmitido pelo estabelecimento matriz deverá conter as informações consolidadas de todos os estabelecimentos da pessoa jurídica.

§ 6º Cada arquivo gerado conterá somente uma declaração.

§ 2º Durante a transmissão dos dados, a Dirf será submetida a validações que poderão impedir sua entrega. § 3º O recibo de entrega será gravado somente nos casos de validação sem erros. § 4º Para transmissão da Dirf das pessoas jurídicas, exceto para as optantes pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno

Art. 6º A Dirf será considerada do ano-calendário anterior, quando entregue após 31 de dezembro do ano subsequente àquele no qual o rendimento tiver sido pago ou creditado. CAPÍTULO IV Do Prazo de Entrega DA DIRF Art. 7º A Dirf 2011, relativa ao ano-calendário de 2010, deverá ser entregue até às 23h59min59s (vinte e três horas, cinquenta e nove

fev/10 a jan/11

Dezembro2010 | Diretor Funerário

35


LEGISLAÇÃO minutos e cinquenta e nove segundos), horário de Brasília, de 28 de fevereiro de 2011. § 1º No caso de extinção decorrente de liquidação, incorporação, fusão ou cisão total ocorrida no anocalendário de 2011, a pessoa jurídica extinta deverá apresentar a Dirf relativa ao ano-calendário de 2011 até o último dia útil do mês subsequente ao da ocorrência do evento, exceto quando o evento ocorrer no mês de janeiro, caso em que a Dirf poderá ser entregue até o último dia útil do mês de março de 2011. § 2º Na hipótese de saída definitiva do Brasil ou de encerramento de espólio ocorrido no ano-calendário de 2011, a Dirf de fonte pagadora pessoa física relativa a esse ano-calendário deverá ser entregue: I -

no caso de saída definitiva, até: a) a data da saída em caráter permanente; ou b) 30 (trinta) dias contados da data em que a pessoa física declarante completar 12 (doze) meses consecutivos de ausência, no caso de saída em caráter temporário; e

II - no caso de encerramento de espólio, no mesmo prazo previsto no § 1º para a entrega, da Dirf relativa ao ano-calendário de 2011. CAPÍTULO V Do Preenchimento da DIRF Art. 8º Os valores referentes a rendimentos tributáveis, isentos ou com alíquotas zero, de declaração obrigatória, bem como os relativos a deduções do imposto sobre a renda ou de contribuições retidos na fonte deverão ser informados em reais e com centavos. Art. 9º O declarante deverá informar na Dirf os rendimentos tributáveis, ou isentos de declaração obrigatória, pagos ou creditados no País, e os rendimentos pagos, creditados, entregues,

empregados ou remetidos a residentes ou domiciliados no exterior, inclusive nos casos de isenção e de alíquota zero, por si ou na qualidade de representante de terceiros, bem como o respectivo imposto sobre a renda ou contribuições retidos na fonte, especificados na Tabela de Códigos de Receitas, constante do Anexo II. Art. 10. As pessoas obrigadas a entregar a Dirf, conforme o disposto nos arts. 1º e 2º, deverão informar todos os beneficiários de rendimentos: I - que tenham sofrido retenção do imposto sobre a renda ou de contribuições, ainda que em um único mês do ano-calendário; II - do trabalho assalariado, quando o valor pago durante o ano calendário for igual ou superior a uma vez o valor anual mínimo de rendimentos para apresentação de Declaração do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física, inclusive o décimo terceiro salário, ainda que não tenham sofrido retenção do imposto sobre a renda; III - do trabalho sem vínculo empregatício, de aluguéis e de royalties, acima de R$ 6.000,00 (seis mil reais), pagos durante o ano calendário, ainda que não tenham sofrido retenção do imposto sobre a renda; IV - de previdência privada e de planos de seguros de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência - Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL), pagos durante o ano-calendário, ainda que não tenham sofrido retenção do imposto sobre a renda; V - auferidos por residentes ou domiciliados no exterior, inclusive nos casos de isenção e de alíquota zero, observado o disposto no § 6º; VI - de pensão, pagos com isenção do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) quando o beneficiário for portador de doenças relacionadas no inciso XXXIII do art. 39 do RIR/1999, exceto a decorrente de moléstia profissional, regularmente comprovada por laudo pericial emitido por serviço médico oficial da União, Estados, Distrito Federal ou Municípios; VII - de aposentadoria ou reforma, pagos com isenção do IRRF, desde que motivada por acidente em serviço, ou que o beneficiário seja portador de doenças relacionadas no inciso XXXIII do RIR/1999, regularmente comprovada por laudo pericial emitido por serviço médico oficial da União, Estados, Distrito Federal ou Municípios; VIII - de dividendos e lucros pagos a partir de 1996, e valores pagos a titular ou sócio de micro empresa ou empresa de pequeno porte,

set/10 a fev/11

36

Diretor Funerário | Dezembro2010


exceto pró-labore e aluguéis, quando o valor total anual pago for igual ou superior a 3 (três) vezes o valor anual mínimo de rendimentos para apresentação de Declaração do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física.

§ 1º I - II - III -

Em relação aos incisos VI e VII deverá ser observado o seguinte: se a totalidade dos rendimentos pagos, no ano-calendário a que se referir a Dirf for exclusivamente de pensão, aposentadoria ou reforma isentos por moléstia grave, deverão ser obrigatoriamente informados os beneficiários cujo total anual dos rendimentos for igual ou superior a 3 (três) vezes o valor anual mínimo de rendimentos para apresentação de Declaração do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física, inclusive o décimo terceiro salário; se, no mesmo ano-calendário, foram pagos ao portador de moléstia grave, além dos rendimentos isentos, rendimentos que sofreram tributação do IRRF, seja em decorrência da data do laudo que comprova a moléstia, seja em função da natureza do rendimento pago, o beneficiário deve ser informado na Dirf, com todos os rendimentos pagos ou creditados pela fonte pagadora, independentemente do valor mínimo anual; e o IRRF deve deixar de ser retido a partir da data que consta no laudo que atesta a moléstia grave.

antecipada, nos termos do art. 151 da Lei nº 5.172, de 25 de outubro de 1966 - Código Tributário Nacional (CTN), não tenha havido retenção do imposto sobre a renda ou contribuições na fonte. Parágrafo único. Os rendimentos sujeitos a ajuste na declaração de ajuste anual pagos a beneficiário pessoa física, deverão ser informados discriminadamente. Art. 12. A Dirf deverá conter as seguintes informações quando os beneficiários forem pessoas físicas domiciliadas no País: I - nome; II - número de inscrição no CPF; III - relativamente aos rendimentos tributáveis: a) os valores dos rendimentos pagos durante o ano-calendário, discriminados por mês de pagamento e por código de receita, que tenham sofrido retenção do IRRF, e os valores que não tenham sofrido retenção, desde que nas condições e limites constantes nos incisos II, III e VIII do caput; no inciso I do § 1º e no § 4º do art. 10; b) os valores das deduções, que deverão ser informados separadamente conforme refiram-se a previdência oficial, previdência privada e Fundo de Aposentadoria Programada Individual (Fapi), dependentes e pensão alimentícia; e c) o respectivo valor do IRRF;

§ 2º Em relação aos beneficiários incluídos na Dirf, observados os limites estabelecidos neste artigo, deverá ser informada a totalidade dos rendimentos pagos, inclusive aqueles que não tenham sofrido retenção. § 3º No caso dos rendimentos de que trata o inciso II do § 1º, se o empregado for beneficiário de plano privado de assistência à saúde, na modalidade coletivo empresarial, contratado pela fonte pagadora, deverão ser informados os totais anuais descontados em folha de pagamento, correspondente à participação do empregado, discriminando as parcelas correspondentes ao beneficiário titular e as de cada dependente. § 3º No caso dos rendimentos de que trata o inciso II do caput, se o empregado for beneficiário de plano privado de assistência à saúde, na modalidade coletivo empresarial, contratado pela fonte pagadora, deverão ser informados os totais anuais correspondentes à participação financeira do empregado no pagamento do plano de saúde, discriminando as parcelas correspondentes ao beneficiário titular e as correspondentes a cada dependente. (Redação dada pela Instrução Normativa RFB nº 1.076, de 21 de outubro de 2010) § 4º Fica dispensada a informação de rendimentos correspondentes a juros pagos ou creditados, individualizadamente, a titular, sócios ou acionistas, a título de remuneração do capital próprio, calculados sobre as contas do patrimônio líquido da pessoa jurídica, relativos ao código de receita 5706, cujo IRRF, no ano-calendário, tenha sido igual ou inferior a R$ 10,00 (dez reais). § 5º Fica dispensada a informação de beneficiário de prêmios em dinheiro a que se refere o art. 14 da Lei nº 4.506, de 30 de novembro de 1964, cujo valor seja inferior ao limite de isenção da tabela progressiva mensal do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física (IRPF), conforme estabelecido no art. 1º da Lei nº 11.482, de 31 de maio de 2007. § 6º Fica dispensada a inclusão dos rendimentos a que se refere o inciso V cujo valor total anual tenha sido inferior a uma vez o valor anual mínimo de rendimentos para apresentação de Declaração do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física, bem como do respectivo IRRF.

IV - relativamente às informações de pagamentos a plano privado de assistência à saúde, modalidade coletivo empresarial, contratado pela fonte pagadora em benefício de seus empregados: a) número de inscrição no CNPJ da operadora do plano privado de assistência à saúde; b) nome e número de inscrição no CPF do beneficiário titular e dos respectivos dependentes, ou no caso de dependente menor de 18 (dezoito) anos, em 31 de dezembro do ano-calendário a que se refere a Dirf, o nome e a data de nascimento do menor; c) o total anual descontado em folha de pagamento, correspondente à participação do empregado no plano de saúde, identificando a parcela correspondente ao beneficiário titular e a de cada dependente; d) o total anual correspondente à participação financeira do empregado no pagamento do plano de saúde, identificando a parcela correspondente ao beneficiário titular e a correspondente a cada dependente; (Redação dada pela Instrução Normativa RFB nº 1.076, de 21 de outubro de 2010) V -

relativamente aos rendimentos pagos que não tenham sofrido retenção do IRRF ou tenham sofrido retenção sem o correspondente recolhimento, em virtude de depósito judicial do imposto ou concessão de medida liminar ou de tutela antecipada, nos termos do art. 151 do CTN:

a) os valores dos rendimentos pagos durante o ano-calendário, discriminados por mês de pagamento e por código de receita, mesmo que a retenção do IRRF não tenha sido efetuada; b) os respectivos valores das deduções, discriminados conforme a alínea “b” do inciso III; c) o valor do IRRF que tenha deixado de ser retido; e d) o valor do IRRF que tenha sido depositado judicialmente;

Art. 11. Deverão ser informados na Dirf os rendimentos tributáveis em relação aos quais tenha havido depósito judicial do imposto ou contribuições ou que, mediante concessão de medida liminar ou de tutela Dezembro2010 | Diretor Funerário

Continua na próxima edição - Fonte: Otacílio Dantas Cartaxo 37


Humor & Tal TURCO DOADOR DE SANGUE

TEIMOSO.....

Um turco, de sangue raríssimo, doou ½ litro do seu sangue a um milionário muito doente. Para retribuir o gesto, o milionário deu-lhe uma BMW “0 km”. Dias depois, o milionário precisou de mais sangue. Avisou ao turco, que super-depressa foi ao hospital. Seria preciso mais 1 litro. O turco falou: - Se quiser, tire logo 3 litros. Assim foi feito. No dia seguinte o turco recebe uma caixa do milionário contendo 3 esfihas. Ficou indignado! Foi cobrar do milionário uma explicação. - Ora, da primeira vez, doei ½ litro e ganhei uma BMW. Na segunda vez, 3 litros e só ganhei 3 esfihas. Por que? O milionário explicou: - Você esqueceu que agora tenho sangue de turco? Buda Bariu !!!

No dia 02 de Janeiro de 2011, um senhor idoso se aproxima do Palácio da Alvorada e, depois de atravessar a Praça dos Três Poderes, falou com o “Dragão da Independência” que montava guarda:

Colaboração: Rosinês Marques Miguel - Barrinha-SP

MEU MARIDO SUMIU!!! Mulher: Policial: Mulher: Policial: Mulher: Policial: Mulher: Policial: Mulher: Policial: Mulher: Policial: Mulher: Policial:

Eu perdi meu marido... Qual é a altura dele? Eu nunca notei qual era a altura dele… Ele é magro, é saudável? Não é magro, pode ser saudável... Qual a cor dos olhos dele? Eu nunca prestei atenção… E a cor dos cabelos? A cor dos cabelos dele muda de acordo com a estação… O que ele estava usando? Terno, ou talvez uma coisa mais casual, eu não me lembro exatamente… Havia alguém com ele? Sim, meu cachorro, um Labrador chamado Calvin, amarrado numa coleira dourada, altura 30 inches, saudável, olhos castanhos, cabelo marrom quase preto, a unha do seu dedão esquerdo estava um pouquinho lascada. Ele nunca late, estava usando também um cinto dourado com bolinhas azuis. Ele não gosta de comida vegetariana, a gente come junto, a gente corre junto… e a mulher começou a chorar… Va m o s p ro c u r a r p e l o c a c h o r ro primeiro!!!

“Por favor, eu gostaria de entrar e me entrevistar com o Presidente Lula”. O soldado olhou para o homem e disse: “Senhor, o Sr. Lula não é mais presidente e não mora mais aqui desde ontem”. O homem disse: “Está bem”, e se foi. No dia seguinte, o mesmo homem idoso se aproximou do Palácio da Alvorada e falou com o mesmo “Dragão”: “Por favor, eu gostaria de entrar e me entrevistar com o Presidente Lula”. O soldado novamente disse: “Senhor, como lhe falei ontem, o Sr. Lula não é mais presidente nem mora aqui desde anteontem”. O homem agradeceu e novamente se foi. Dia 04 de janeiro ele volta e se aproxima do Palácio Alvorada e falou com o mesmo guarda: “Por favor, eu gostaria de entrar e me entrevistar com o Presidente Lula”. O soldado, compreensivelmente irritado, olhou para o homem e disse: “Senhor, este é o terceiro dia seguido que o Senhor vem aqui e pede para falar com o Sr. Lula. Eu já lhe disse que ele não é mais o presidente, nem mora mais aqui. O Senhor não entendeu?” O homem olha para o soldado e disse: “Sim, eu compreendi perfeitamente, mas eu ADORO ouvir isso!” O soldado, em posição de sentido, prestou uma vigorosa continência e disse: “Até amanhã, Senhor!!!” Colaboração: Júlio Cesar Rodrigues - São Manuel-SP

Participem ENVIE VOCÊ TAMBÉM SUAS PIADAS Rua Dr. Rodrigues do Lago, 464 CEP 18602-091 - Botucatu - SP Fax para: (14) 3882-0595 Envie seus e-MAils para: revista@ctaf.com.br

Colaboração: Eglê Mayer - Ponta Grossa-PR 38

Diretor Funerário | Dezembro2010


Tanatopraxia

criar o Uma ótima oportunidade para empresa! diferencial que faltava em sua

Curso de Extensão Univ ersitária, Teórico-P Rátic o de Tanatopraxia, ministrado em parceria com o Instituto de Biociências da UNESP - Universidade Estadual Paulista. Durante o curso são abordados: • Anatomia dos Sistemas Esquelético, muscular, respiratório e digestório; • Anatomia dos Sistemas circulatórios e nervoso; • Dissecação das artérias e veias das regiões mais utilizadas para injeção e drenagem.

Próxima Turma

Local:

15 a 19 de dezembro

Campinas-SP

AS: VAGAS LIMITAD ões: scriç In e s e õ ç a rm fo In (14)

3882.0595

Realização:

m.br

et.co www.funerarian

Dezembro2010 | Diretor Funerário

39


Neste Natal vamos Multiplicar Amor Que nossas mãos possam ser portadoras de paz... De afagos... De carinho... Multiplicando cada melhor essência de nós... Fazendo-nos fortes em meio à tempestade... Deixando-nos ver o sol que nasce... Que se faz vida! E para sonhar com um ano novo que mereça este nome, temos que buscá-lo. Temos que fazê-lo novo, mesmo que não seja fácil. Experimente novas propostas conscientemente. Diga Sim ao diferente. É dentro de nós que nasce um Novo Ano! Boas Festas!


revista diretor funerário dezembro 2010