Issuu on Google+

QUEM LUCRA COM O MACHISMO? No Brasil, 1 mulher é assassinada a cada 2 horas e 5 são agredidas a cada 2 minutos (Instituto Perseu Abramo). Mulheres recebem em média até 30% menos que os homens para a mesma função (IBGE). Isso também acontece em nossa categoria, formada em sua maioria por mulheres. Há décadas a violência machista cresce mesmo com Dilma no poder. Em 2011, o Governo Federal cortou 10% do orçamento destinado aos programas para mulheres (inclusive de proteção às vítimas de agressões), ao mesmo tempo que pagou R$ 300 bilhões aos banqueiros. Entre nós, trabalhadores, sentimos a necessidade de creches no local de trabalho, previstas pela CLT. Mas os patrões nos enganam, pagando um auxílio que não cobre as despesas, além da falta de vagas em creches públicas por pouco investimento dos governos. A diretoria do nosso sindicato, que é presidida por uma mulher, não aparece nas fábricas e recebe altos salários. O grupo de mulheres do Sintrafite que deveria organizar a luta contra o machismo e a exploração, mais parece uma festinha. Serve apenas como fachada para dizer que organiza a luta das mulheres. LUTAMOS POR: O mesmo acontece na luta pelo  Creches no local de Sábado Livre, com redução da jornada para trabalho. 40 horas, sem banco de horas, que fica só no  Salário igual para discurso da diretoria, e para nós trabalho igual. trabalhadores, em especial para as mulheres, significa mais tempo  Mais verbas para com a família, lazer, estudo ou programas contra a para se organizar. violência machista.


TRABALHADOR DOENTE, PATRÃO CONTENTE! O ano de 2012 começou com grandes lutas da juventude árabe e dos trabalhadores europeus. Aqui, policiais e bombeiros fizeram fortes greves, trabalhadores Sem Teto do Pinheirinho foram massacrados pelo PSDB de Alckmin com a vergonhosa omissão da Presidenta Dilma. Em Blumenau, estudantes protestam contra o aumento da tarifa de ônibus. E nós, trabalhadoras e trabalhadores têxteis, estamos lutando? Nossas condições dentro das fábricas só pioram. Somos obrigados a trabalhar colocando nossa saúde e muitas vezes nossa vida em risco. Muitos de nós não recebemos insalubridade, faltam EPI’s e os que temos são ruins, não temos treinamento técnico, sofremos assédio moral e sexual, além de doenças por esforços repetitivos, dores nas costas, depressão e ambientes sem ventilação (confira entrevista abaixo). Somos humilhados desta forma para aumentar o lucro dos patrões! A diretoria do Sintrafite, que deveria organizar nossa luta, prefere ficar ao lado das empresas. O que nos resta? Construir uma oposição combativa para enfrentar patrões e pelegos. Venha para o Linha Operária!! O Linha Operária entrevistou André Luiz Chaves, ex-operário da Hering Itororó, vítima de um grave acidente por intoxicação. Linha Operária - Como dente e quando negou a me ajudar. está sua saúde? aconteceu, deu ajuda LO - O que pode ser Apesar do tratamento, mínima que a lei feito para te ajudar? ainda sinto falta de ar obriga. Quando Que os trabalhadores e não posso fazer retornei ao trabalho, cobrem do Sindicato esforço físico. passei mal e pedi para para fazer uma LO - O que a Hering e trocar de função, pois campanha contra os o Sindicato fizeram me colocaram para acidentes de trabalho, por você? trabalhar no mesmo pois amanhã eles O Sindicato não fez lugar. Como posso podem ser vítimas e nada, nem se mexeu. trabalhar em um lugar que a Hering pague os A empresa não fez onde quase morri? danos causados à nada para evitar o aci- Mas a empresa se minha saúde.


Linha Operária Nº 05 - Oposição CSP-Conlutas